Geriatria e Gerontologia: Instrumentos de Medida. Dra.Maria Aparecida Ferreira de Mello, FCMMG e CIAPE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Geriatria e Gerontologia: Instrumentos de Medida. Dra.Maria Aparecida Ferreira de Mello, FCMMG e CIAPE www.ciape.org.br mmello@ciape.org."

Transcrição

1 Geriatria e Gerontologia: Instrumentos de Medida Dra.Maria Aparecida Ferreira de Mello, FCMMG e CIAPE

2 ! " # $ %$ $ $" & ' '( )*+,- +,-. /,0,0

3 ! " " # $ % # "&&# ' (

4 CARACTERÍSTICAS RELACIONADAS AOS IDOSOS DOENÇA MORTE SOLIDÃO PERDA DE MEMÓRIA DIMINUIÇÃO DE HABILIDADES FÍSICAS E SENSORIAIS MELHOR IDADE

5 CARACTERÍSTICAS DE TODOS OS IDOSOS? Será de fato a idade que devemos incriminar?... jamais vi um velho esquecer o lugar onde escondeu seu dinheiro. Os velhos lembram sempre daquilo que interessa. ( SABER ENVELHECER, escrito por Cícero aos 84 anos em 22 a.c.) Independente de idade, todos têm o direito de dançar. Assim como todos têm o direito de amar. Antonio Gades, que segue dançando aos 67 anos

6 CARACTERÍSTICAS RELACIONADAS ÀS PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS DOENÇA DEPENDÊNCIA ISOLAMENTO INCAPACIDADE AUSÊNCIA DE HABILIDADES FÍSICAS, SENSORIAIS E EMOCIONAIS NECESSIDADES ESPECIAIS

7 Componentes do Desempenho Humano 1. FUNÇÕES MOTORAS 2. FUNÇÕES SENSORIAIS E INTEGRADORAS 3. FUNÇÕES COGNITIVAS

8 4. FUNÇÕES PSICOLÓGICAS 5. FUNÇÕES SOCIAIS

9 Avaliação: Métodos Qualitativos e Quantitativos Verificar todos os Componentes do Desempenho Humano Construir o Histórico Ocupacional Investigar o desempenho atual (e desejado ) do cliente em todas as áreas de desempenho humano que fazem parte de seu universo.

10 Após colher e Sistematizar as Informações $ / 51 2 "

11 O que é avaliação? Refere ao processo de obtenção e interpretação de dados para o tratamento. ( Maurer et al, 1984) Formatos: testes, observação, entrevistas, revisão de prontuários, julgamento clínico. 1.Testes: Procedimentos sistemáticos para observar o comportamento/desempenho e descrevê-lo com a ajuda de uma escala numérica ou sistema de categorias.

12 O que é avaliação? 2. Julgamento clínico: é a análise e interpretação da informação e é baseada no conhecimento, experiência e observação não verificável. É a combinação das informações objetivas e subjetivas.

13 Propósito da Avaliação Obter informação acurada sobre um indivíduo em uma dada situação. Aplicação dos resultados: Estabelecer um linha de base de desempenho para uma comparação futura. Mensurar progressos. Predizer desempenho futuro em uma determinada área. Identificar e mensurar desvios e comportamentos.

14 Testes Padronizados É o teste no qual o procedimento, os aparatos, e a classificação são determinadas e fixas de forma que os mesmos procedimentos são seguidos precisamente durante cada administração do teste. Cronbach, 1970 Uniformização: garante a consistência da administração do teste.

15 Testes Padronizados Objetivo: Estabelecer confiabilidade e validade no mais alto nível possível Confiabilidade: Habilidade de medir o fenômeno consistentemente. Um teste/instrumento é confiável se ele mede consistentemente sobre condições que poderiam causar erros. Validade: É a propriedade da medida que responde a seguinte questão: Em qual grau este teste mede aquilo que pretende medir?

16 ) & * 6#$ #$ 4 7 6#$ #$ 4 1 6#$ #$ 4

17 + * ( 8 # (

18 , 69 $ 69$ 69#$

19 - 6: $7.

20 - 6: $7 ;3 6:< $7 7 / $$ $

21 - 6:< $7 7 6:</ 17

22 + ' 6= $ 3> 3 $

23 + ' 6= 6 6 6#$

24 + ' 6. 3? $ $7 3 1*$

25 + ' 6 3 3'

26 + ' 6/ 3 %< 3 B$ $ 3 83 $7

27 , 6$ 6> 6 $ 1C 2 "

28 / 6D1*$1 4 6#$3 $ 2 1 $ <

29 / 6'/ < 5

30 / 60 3 E4 1 $ 60 3 EF4 1 $ D1 $2 $7 2 7 /$7 5$"

31 3 6F / 2 6D/ 5 G 6H$5$ G

32 3 6#/ / G 6F 6H/ 1*$ G 3 %

33 $ 5C C I / 1 $7 / </

34 3 6F$ 5 I/ 1 G 6A1 $ 4 3%

35 3 63 C/ / 5 6H $ $ I

36 34 63 C/ < 3 6=*5% 3 /$G 6( ;$5G 683$ $

37 Validade Construtiva Processo contínuo Não há nenhum único experimento que prove sem sombra de dúvida que sua construção está correta Cada estudo aumenta a sua força, mas somente um estudo bem desenhado com resultado negativos serveria para questionar sua construção

38 A validade vai sendo construída...

39 3 Validar uma escala é o processo onde determinamos o grau de confiança que podemos ter nas inferências que fazemos em relação aos indivíduos, baseados nos escores finais da escala

40 3 6A 1 $ ;/

41 / 6J/7 7

42 Responsividade Medir a diferença entre ind. Na qualidade de alteração -Distinguir entre ind. Que mudam muito dos que mudam pouco Identificar as correlações com as alterações -Identificar fatores que colaboram para a melhora ou piora das mudanças Inferir os efeitos do tratamento em diferentes grupos -Verificar a melhora antes e depois do tratamento

43 / 6 3% $ 3 $

44 / 65 3 $7 5$ 38< 3#$ $7 7

45 / > 3 $

46 Seleção dos Testes Levantamento da necessidade do teste: 1. Perfil da clientela a ser avaliada 2. Informações já disponíveis 3. Quais outros profissionais vão avaliar o cliente 4. Diretrizes institucionais

47 Seleção dos Testes Como encontrar o teste de acordo com a minha necessidade? 1.Revisão bibliográfica. 2. Estudo do manual do teste 3. Treinamento específico 4. Aplicação em sua população

48 Limitação na utilização de Testes Resultados de testes não podem ser usados como fonte única de informação para tomada de decisões sobre o cliente. Não permite adaptação/individualização dos procedimentos. Dificuldade de prever/administrar viéses culturais Necessidade de treinamento específico Alto custo para desenvolvimento de testes

49 Padronização de condutas Possibilidade de medidas de evolução ou involução terapêutica quantitativamente Possibilidade de comparações Criação de uma linguagem comum

50

51 Importância dos testes em Reabilitação Objetivo da Reabilitação: maximizar a independência e habilidades funcionais do indivíduo com incapacidades. Profissional de saúde deve ser apto a mensurar as habilidades funcionais de forma que os usuários de seus serviços compreendam.

52 Testes de Avaliação das Atividade de Vida Diária/Estado Funcional ( adultos e idosos) 1957 PULSES, Moskowitz e McCann 1963 Katz ADL Index, Katz, Ford, Moskowitz et al Barthel Self Care Index, Mahoney e Barthel 1969 Self -Maintaining Instrumental Activities of Daily Living, Lawton e Brady 1975 The OARS Methodology, Pfeiffer 1985 Instruments of Daily Living, Filenbaun 1986 Functional Status Index, Jette et al Duke Activity Status Index, Hlatky et al Functional Independence Measurement, Granger et.al.

53 HAQ Health Assessment Questionnaire É um instrumento de avaliação funcional auto-referente. Tem versão com 20 ou 8 perguntas. Escores dos componentes: escolhe-se o maior escore de cada uma das perguntas que o compõem, depois somam-se todas e divide-se por 8. ( São 8 componentes).

54 HAQ Health Assessment Questionnaire Você é capaz de: S/ qualquer 1. Vestir-se, inclusive amarrar os cordões dos sapatos e abotoar suas roupas? Nível de Dificuldade C/ alguma C/ muita Incapaz de fazer Lavar sua cabeça e seus cabelos Levantar-se de maneira ereta de uma cadeira de encosto reto e sem braços Deitar-se e levantar-se da cama Cortar um pedaço de carne? Levar à boca um copo ou uma xícara cheia de café, leite ou água? Abrir um saco,pacote de leite comum? Caminhar em lugares planos? Subrir 5 degraus? Lavar e secar seu corpo após o banho?

55 HAQ Health Assessment Questionnaire Você é capaz de: S/ qualquer Nível de Dificuldade C/ alguma C/ muita Incapaz de fazer 11. Tomar banho de chuveiro? Sentar-se e Levantar-se de um vaso sanitário? 13. Levantar os braços e pegar um objeto de aproximadamente 2,5 kg, que está posicionado pouco acima da cabeça? Curvar-se para pegar suas roupas no chão? Segurar-se de pé no ônibus ou metrô? Abrir potes ou vidros de conservas que tenham sido previamente abertos? Abrir e fechar torneiras? Fazer compras nas redondezas onde mora? Entrar e sair de um ônibus? Realizar tarefas tais como usar a vasoura para varrer e rodo para água?

56 Atividades de Vida Diária Instrumentais segundo Lawton-Brody Tarefa Sem ajuda Com ajuda parcial Incapaz Você é capaz de preparar as suas refeições? Você é capaz de tomar os seus remédios? Você é capaz de fazer compras? Você é capaz de controlar o seu dinheiro? Você é capaz de usar o telefone? Você é capaz arrumar a sua casa? Você é capaz de lavar a sua roupa? Você é capaz de fazer pequenos trabalhos domésticos? Você é capaz de sair de casa sozinho para lugares mais distantes? Você é capaz de sair de condução?

57 Functional Independence Measurement, FIM (Keith RA, Granger C, Hamilton BB, Sherwin FS, 1987) MEDIDA DE INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL - MIF Princípios Básicos de Utilização

58 Qual é o objetivo do instrumento?

59 Quantificar o burden of care Mensurar a severidade da incapacidade e os resultados das intervenções da medicina da reabilitação em pacientes adultos e idosos.

60 Descrição do Instrumento Validade largamente demonstrada desde sua criação ( 1987) em diversos países Classifica os níveis de independência em 18 ítens que cobrem os domínios de auto-cuidado, controle esfincteriano, transferências, locomoção, comunicação e cognição social. Para cada sub-ítem o escore varia de 1 a 7, sendo o 7 indicando independência total. Não há escore zero! Os escores totais variam de 18 a 126

61 MIF - Escores Níveis 7 Independência completa ( em segurança, em tempo normal) 6 Independência modificada ( ajuda técnica) Dependência Modificada 5 Supervisão 4 Ajuda Mínima ( indivíduo >= 75%) Slide 20 3 Ajuda Moderada ( indivíduo >=50%0 2 Ajuda Máxima ( indivíduo >= 25%) 1 Ajuda Total ( indivíduo >= 0%) Sem ajuda Ajuda Não deixe nenhum tópico em branco; se não possível de ser testado, marque 1.

62 Data de Aplicação Auto-Cuidado 1. Alimentação 2. Higiene Pessoal 3. Banho ( lavar o corpo) 4. Vestir Metade Superior 5. Vestir Metade Inferior,06 Slide Utilização do vaso sanitário Controle de Esfíncteres 7. Controle da Diurese 8. Controle da Defecação

63 Mobilidade MIF Transferência 9. Leito, cadeira, cadeira de rodas 10. Vaso sanitário 11.Chuveiro, banheira Slide 20 Locomoção 12. Marcha/Cadeira de Rodas 13. Escada

64 Comunicação 14. Compreensão 15. Expressão MIF Cognição Social 16. Interação Social 17. Resolução de problemas Slide Memória Total Não deixe nenhum tópico em branco; se não possível de ser testado, marque 1.

65 Descrição do Instrumento Sub-escores passíveis de utilização: FIM-Motora( varia de 13 a 91), e o da FIM Cognitiva ( 5 a 35) Somente os escores da FIM-total, FIM-Motora e FIM Cognitiva são permitidos diante dos estudos de validade de conteúdo já realizados Exigência de treinamento formal para garantir a reprodutibilidade entre aplicadores

66 Restrições de Uso Necessidade de treinamento específico oferecido pelo Uniform Data System for Medical Rehabilitation (UDS MR) UB Foundation para obtenção de certificação que autoriza o uso Necessidade de estudos cross-culturais (entre os EUA e o país aonde o intrumento será utilizado) para determinação das relações hierárquicas entre os escores

67 Vantagens da utilização sistemática da FIM Validade demonstrada da FIM como: Índice Discriminativo, Índice Preditivo, Índice de Avaliação Pode ser aplicada por qualquer profissional da saúde Criação de uma linguagem comum em diferentes disciplinas

68 Vantagens da utilização sistemática da FIM Rápida aplicação ( entrevista com o cliente, cuidador; pessoal ou por telefone) Possibilita a obtenção de Medidas de Resultados na Avaliação Econômica: FIM efficiency (FIM gain/los) e o MRFS escore ( eficiência e eficácia, anulando o ceiling effect )

69 MINI-MENTAL DE FOLSTEIN (1975), adaptado por BRUCKI et al (2003) Orientação Temporal (5 pontos: dê um ponto para cada ítem): Ano Mês Dia do mês Dia da semana Semestre/Hora aproximada Orientação Espacial (5 pontos: dê um ponto para cada ítem): Estado Cidade Bairro ou nome de rua próxima Local geral: que local é este aqui (apontando ao redor num sentido mais amplo: hospital, casa de repouso, própria casa) Andar ou local específicoo: em que local nós estamos (consultório,dormitório, sala, apontando para o chão) Registro (3 pontos): Repetir: GELO, LEÃO e PLANTA Atenção e Cálculo (5 pontos): = 93 7 = 86 7 = 79 7 = 72 7 = 65 ou soletrar inversamente a palavra MUNDO=ODNUM Memória de Evocação (3 pontos): Quais os três objetos perguntados anteriormente? Nomear dois objetos (2 pontos): Relógio e caneta Repetir (1 ponto): NEM AQUI, NEM ALI, NEM LÁ Comando de estágios (3 pontos): Apanhe esta folha de papel com a mão direita, dobre-a ao meio e coloque-a no chão Escrever uma frase completa (1 ponto ) Copiar diagrama em anexo (1 ponto ) Ler e executar (1 ponto ) FECHE SEUS OLHOS

70 Score Sensibilidade Especificidade Comentários Folstein 8 anos de escolaridade 24 87% 82% Bertolucci, 1994 Analfabetos 13 82,4% 97,5% 1 a 8 anos incompletos 18 75,6% 96,6% 8 anos 26 80% 95,6% Bertolucci et al, 1998 (CERAD) Escolaridade média:6,9 anos 26 95% 69% Caramelli et al, 1999 Analfabetos 18 Almeida, 1998 Analfabetos 20 80% 70,9% Idosos escolarizados 24 Brucki et al, 2003 Analfabetos 20 1 a 4 anos 25 5 a 9 anos 26,5 9 a 11 anos 28 Não houve delimitação dos níveis de corte,pois estes podem ser diferentes dependendo da doença de base. Por exemplo, pacientes parkinsonianos apresentarão maior comprometimento na função executiva (7 seriado), no desenho e na repetição. Na doença de Alzheimer, o comprometimento inicial pode ocorrer somente na evocação.como o Mini-Mental foi descrito para detectar declínio cognitivo, diferentes perfis existirão dependendo da doença. 11 anos 29

71 Índice de Pfeffer O Índice de Pfeffer é uma escala de avaliação das atividades de vida diária instrumentais mais direcionada para a detecção de comprometimento da cognição. A presença de pontuação superior a 5 sugere a presença de declínio funcional e, portanto, indica a necessidade de um avaliação mais completa deste idoso.

72 Avaliação das Atividades de Vida Diária, segundo Pfeffer 0. Normal 0. Nunca o fez, mas poderia fazê-lo 1. Faz, com dificuldade 1. Nunca o fez e agora teria dificuldade 2. Necessita de ajuda 3. Não é capaz Ele (Ela) é capaz de preparar uma comida? Ele (Ela) manuseia seu próprio dinheiro? Ele (Ela) é capaz de manusear seus próprios remédios? Ele (Ela)é capaz de comprar roupas, comida, coisas para casa sozinho? Ele (Ela) é capaz de esquentar a água para o café e apagar o fogo? Ele (Ela) é capaz de manter-se em dia com as atualidades, com os acontecimentos da comunidade ou da vizinhança? Ele (Ela) é capaz de prestar atenção, entender e discutir um programa de rádio ou televisão, um jornal ou uma revista? Ele (Ela) é capaz de lembrar-se de compromissos, acontecimentos, familiares, feriados? Ele (Ela) é capaz de passear pela vizinhança e encontrar o caminho de volta para casa? Ele (Ela) é pode ser deixado (a) em casa sozinho (a) de forma segura? 0. Normal 0. Nunca ficou, mas poderia ficar agora 1. Sim, com precauções 1. Nunca ficou e agora teria dificuldade 2. Sim, por curtos períodos 3. Não poderia PONTUAÇÃO

73 Teste de fluência verbal O teste de fluência verbal também é extremamente simples e avalia a memória semântica (conhecimento geral sobre o mundo, dos fatos, das palavras, sem relação com o momento do seu aprendizado). Consiste na avaliação de categorias semânticas prédefinidas, como por exemplo animais e frutas.

74 Teste de fluência verbal Aplicação do teste Solicita-se ao paciente que enumere o máximo de animais ( bichos ) e frutas em 1 minuto cronometrado. A pontuação mínima obtida por idosos com 8 anos ou mais de escolaridade e analfabetos é, respectivamente, 13 e 9. Você deve falar todos os nomes de animais que se lembrar, no menor tempo possível. Qualquer animal vale: insetos, pássaros, peixes e animais de quatro patas. Quantos mais você falar, melhor. Pode começar. (Considere boi e vaca como dois animais mas gato e gata como um só. Se disser passarinho, cobra, lagarto conte como três animais; se disser passarinho, canário e peixe, conte como dois. Ou seja: a classe vale como nome se não houver outros nomes da mesma classe). Anote o número de animais lembrados em 1 minuto:

75 Teste de fluência verbal Interpretação do teste A fluência verbal para animais e frutas é útil na avaliação da: Linguagem; Memória semântica; Função executiva.

76 O teste depende também do nível de escolaridade: Ponto de corte Sensibilidade Especificidade Nitrini et al, 1994 Escolaridade 4 anos < 13 96,66% 93,33% Bertolucci, 1998 (CERAD) Escolaridade média: 6,9 anos 12 75% 75% BRUCKI et al, Analfabetos 9 75% 79% Baixa (1 a 4 anos incompletos) 9 100% 84% Média (4 a 8 anos incompletos) 9 87% 88% 8 anos 13 86% 67%

77 TESTE DO RELÓGIO O teste do relógio também faz parte da triagem cognitiva pela sua simplicidade. Aplicação do teste Consiste em solicitar ao paciente desenhar os números do relógio, marcando determinada hora (11:10), sem mencionar a necessidade de ponteiros. O círculo pode ou não ser oferecido previamente. O teste é considerado completo quando o paciente desenha todos os números do relógio, espacialmente bem distribuídos, e os ponteiros marcando 11:10. O teste não é cronometrado e pode ser repetido quantas vezes forem necessárias. Este círculo é um relógio. Desenhe todos números marcando 11 horas e 10 minutos.

78 TESTE DO RELÓGIO O teste do relógio é de fácil aplicação e sofre menor influência do grau de alfabetização, aumentando a fidedignidade do teste em pacientes com baixo nível de escolaridade. Avalia diversas funções cognitivas: Memória semântica; Função executiva (planejamento); Linguagem (compreensão do comando); Praxia; Função visuo-espacial

79 Classificação de Shulman 0 Inabilidade absoluta de representar o relógio; 1 O desenho tem algo a ver com o relógio mas com desorganização visuo-espacial grave; 2 Desorganização visuo-espacial moderada que leva a uma marcação de hora incorreta, perseveração, confusão esquerda-direita, números faltando, números repetidos, sem ponteiros, com ponteiro em excesso; 3 Distribuição visuo-espacial correta com marcação errada da hora; 4 Pequenos erros espaciais com dígitos e hora corretos; 5 Relógio perfeito, sem erros

80 Pergunta Chave: O que o senhor (a) gostaria de fazer e que não está fazendo? também nos dá informações preciosas quanto às necessidades funcionais do paciente, no seu ponto de vista, e, portanto, deve ser incluída na avaliação funcional global do idoso. A perspectiva do paciente é valorizada e utilizada no planejamento do PLANO DE CUIDADOS a ser implementado.

81 O que deve compor uma Avaliação do Idoso? Avaliações específicas das seguintes dimensões: Biológica ( condições gerais de saúde, de todos os sistemas, Sensibilidade, estatus funcional,etc.) Psicológica (humor, volição, memória, e habilidade de aprendizagem) Social ( disponibilidade, capacidade e atitudes de cuidadores, aspectos finaceiros, etc.) Ambiental ( barreiras arquitetônicas, qualidades de enriquecimento e privação ambiental, necessidade de equipamentos de auto-ajuda, etc.)

3 Método. 3.1 Sujeitos

3 Método. 3.1 Sujeitos 30 3 Método 3.1 Sujeitos A amostra deste estudo foi composta de idosos atendidos no ambulatório de geriatria de um hospital público do estado do Rio de Janeiro. Foram investigados 51 idosos com diagnóstico

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO GERIÁTRICA DE IDOSOS INSERIDOS EM UM CENTRO ESPECIALIZADO DE CONVIVÊNCIA SOB A ÓTICA DA ATENÇÃO BÁSICA

TÍTULO: AVALIAÇÃO GERIÁTRICA DE IDOSOS INSERIDOS EM UM CENTRO ESPECIALIZADO DE CONVIVÊNCIA SOB A ÓTICA DA ATENÇÃO BÁSICA TÍTULO: AVALIAÇÃO GERIÁTRICA DE IDOSOS INSERIDOS EM UM CENTRO ESPECIALIZADO DE CONVIVÊNCIA SOB A ÓTICA DA ATENÇÃO BÁSICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Instruções de Aplicação. Mini Exame do Estado Mental MEEM

Instruções de Aplicação. Mini Exame do Estado Mental MEEM Hospital de Clínicas de Porto Alegre Serviço de Neurologia Ambulatório de Neurologia Geriátrica e Demências Instruções de Aplicação Mini Exame do Estado Mental MEEM (Mini Mental State Exam Folstein et

Leia mais

0 ponto - Não há perda de memória óbvia. Esquecimentos irregulares que não interferem com as atividades diárias

0 ponto - Não há perda de memória óbvia. Esquecimentos irregulares que não interferem com as atividades diárias Para fazer o teste é preciso focar nas mudanças que eventualmente tenham ocorrido na capacidade cognitivas e funcionais do paciente. Em cada categoria, deve ser escolhida a frase que melhor descrever o

Leia mais

DOENÇA DE ALZHEIMER (CID 10: G30.0; G30.1; G30.8)

DOENÇA DE ALZHEIMER (CID 10: G30.0; G30.1; G30.8) Guia de Orientação ao Usuário 1. Medicamentos Donepezil 5 mg, comprimido; Donepezil 10 mg, comprimido; Galantamina 8 mg, cápsula; Galantamina 16 mg, cápsula; Galantamina 24 mg, cápsula; DOENÇA DE ALZHEIMER

Leia mais

INTRODUÇÃO À LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

INTRODUÇÃO À LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com INTRODUÇÃO À LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivos Entender a necessidade de se utilizar uma linguagem formal para construir algoritmos a serem interpretados

Leia mais

QUEM É A PESSOA IDOSA?

QUEM É A PESSOA IDOSA? INTRODUÇÃO Líder, este caderno é seu, para cadastrar e acompanhar as pessoas idosas no domicílio. Ele contém os principais indicadores que nos levam a conhecer a realidade na qual vivem as pessoas, permitindo

Leia mais

MONTREAL COGNITIVE ASSESSMENT (MoCA)

MONTREAL COGNITIVE ASSESSMENT (MoCA) MONTREAL COGNITIVE ASSESSMENT (MoCA) Versão 7.2 Instruções para a Administração e Cotação O Montreal Cognitive Assessment (MoCA) foi concebido como um instrumento de rastreio breve da disfunção cognitiva

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS COM DOENÇA DE ALZHEIMER

AVALIAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS COM DOENÇA DE ALZHEIMER AVALIAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA FUNCIONAL EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS COM DOENÇA DE ALZHEIMER INDEPENDENCE FUNCTIONAL EVALUATION IN ELDERLY INSTITUTIONALIZED WITH ALZHEIMER'S DISEASE Juliana da Costa Santos

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

Centro de Desenvolvimento Infantil Estimulopraxis

Centro de Desenvolvimento Infantil Estimulopraxis Centro de Desenvolvimento Infantil Estimulopraxis Janeiro de 2013 Este documento tem como objectivo ajudar as pessoas mais próximas do GB a complementar o trabalho executado ao longo das sessões de Reabilitação

Leia mais

TÍTULO: CORRELAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E FUNCIONALIDADE EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: CORRELAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E FUNCIONALIDADE EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: CORRELAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E FUNCIONALIDADE EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES):

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Universidade de Brasília Instituto de Psicologia

Universidade de Brasília Instituto de Psicologia Universidade de Brasília Instituto de Psicologia Impacto da Estimulação Cognitiva sobre o Desempenho de Idosos com Demência de Alzheimer em Tarefas de Memória Lógica e Recordação Livre Mariana Balduino

Leia mais

Foco Critérios de diagnóstico Dependente, não participa Necessita de ajuda de pessoa Necessita de equipamento Completamente independente

Foco Critérios de diagnóstico Dependente, não participa Necessita de ajuda de pessoa Necessita de equipamento Completamente independente Índice ANDAR... 2 ANDAR COM AUXILIAR DE MARCHA... 5 AUTOCONTROLO: CONTINÊNCIA URINÁRIA... 8 AUTOCONTROLO: CONTINÊNCIA INTESTINAL... 11 AUTOCUIDADO: ARRANJAR-SE... 13 AUTOCUIDADO: BEBER... 15 AUTOCUIDADO:

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE DEMÊNCIA EM POPULAÇÃO COM HETEROGENEIDADE EDUCACIONAL. Neurosur, Santa Cruz, 2004

DIAGNÓSTICO DE DEMÊNCIA EM POPULAÇÃO COM HETEROGENEIDADE EDUCACIONAL. Neurosur, Santa Cruz, 2004 DIAGNÓSTICO DE DEMÊNCIA EM POPULAÇÃO COM HETEROGENEIDADE EDUCACIONAL Neurosur, Santa Cruz, 2004 Diagnóstico de demência em população com heterogeneidade educacional Prevalência de demência em população

Leia mais

Memória. Dra. Marcia Y. Kimura Oka Médica Geriatra Especialista em Geriatria pela SBGG

Memória. Dra. Marcia Y. Kimura Oka Médica Geriatra Especialista em Geriatria pela SBGG Memória Dra. Marcia Y. Kimura Oka Médica Geriatra Especialista em Geriatria pela SBGG Alterações Cerebrais com o Envelhecimento Redução do volume (atrofia) Redução da Interconectividade cerebral Acúmulo

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa. Os objetivos dessa unidade são:

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa. Os objetivos dessa unidade são: Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Unidade 03 Tópico 01 Avaliação Geriátrica Multidimensional Conceitos da AGM Os objetivos dessa unidade são: Conhecer as dimensões e preceitos da AGM; Reconhecer

Leia mais

Trabalhar em Casa. Um Guia para quem quer iniciar um trabalho em casa e não sabe por onde começar. 2015 bastianafutebol.com @bastianafutebol

Trabalhar em Casa. Um Guia para quem quer iniciar um trabalho em casa e não sabe por onde começar. 2015 bastianafutebol.com @bastianafutebol Trabalhar em Casa Um Guia para quem quer iniciar um trabalho em casa e não sabe por onde começar 2015 bastianafutebol.com @bastianafutebol Como Começar? Primeiro você deve escolher o tipo de trabalho que

Leia mais

Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Cavalcanti

Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Cavalcanti Técnicas e Instrumentos Utilizados na Pesquisa Científica Técnicas de Pesquisa Técnica: Conjunto de preceitos ou processos de que se serve uma ciência. Toda ciência utiliza inúmeras técnicas na obtenção

Leia mais

Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA)

Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA) Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA) Introdução: O álcool é um depressor do sistema neuronal, e o seu uso pode acarretar alterações cognitivas,

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

PALLIATIVE PERFORMANCE SCALE PPS VERSÃO 2

PALLIATIVE PERFORMANCE SCALE PPS VERSÃO 2 PALLIATIVE PERFORMANCE SCALE PPS VERSÃO 2 TRADUÇÃO BRASILEIRA PARA A LÍNGUA PORTUGUESA AUTORES: MARIA GORETTI SALES MACIEL RICARDO TAVARES DE CARVALHO SÃO PAULO BRASIL - 2009 Palliative Performance Scale

Leia mais

ESCALA DE AVALIAÇÃO DA SOBRECARGA DOS FAMILIARES FBIS-BR

ESCALA DE AVALIAÇÃO DA SOBRECARGA DOS FAMILIARES FBIS-BR Bandeira et al., (2006). Escala de Sobrecarga Familiar 1 ESCALA DE AVALIAÇÃO DA SOBRECARGA DOS FAMILIARES FBIS-BR Escala adaptada e validada pelo Laboratório de Pesquisa em Saúde Mental (LAPSAM) www.lapsam.ufsj.edu.br

Leia mais

Cybelle Maria Costa Diniz Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Geriatria e Gerontologia DIGG

Cybelle Maria Costa Diniz Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Geriatria e Gerontologia DIGG VIII Seminário de Pesquisa em Geriatria e Gerontologia Compartilhando experiências de sucesso na Avaliação Geriátrica Ampla (AGA) em ambiente hospitalar Cybelle Maria Costa Diniz Universidade Federal de

Leia mais

24/04/2014. Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas. Questões Introdutórias. Conceitos Básicos em Mensuração

24/04/2014. Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas. Questões Introdutórias. Conceitos Básicos em Mensuração Aspectos Introdutórios Sobre Métricas em Ciências Sociais Aplicadas CONDUÇÃO: PROF. THIAGO CAVALCANTE NASCIMENTO Questões Introdutórias Como se mensurar fenômenos que, na maioria das vezes, não podem ser

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

A intervenção Terapêutica Ocupacional no Transtorno do Espectro Autista

A intervenção Terapêutica Ocupacional no Transtorno do Espectro Autista A intervenção Terapêutica Ocupacional no Transtorno do Espectro Autista Belém 2012 Gisely Avelar Terapeuta Ocupacional; Formação em Estimulação e Educação Psicomotora/UEPA; Mestranda em Psicologia/UFPA.

Leia mais

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck INTRODUÇÃO A escolha das técnicas está condicionada ao Problema de Pesquisa. Três perguntas básicas devem ser respondidas

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Módulo K - Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais e cobertura de mamografia entre mulheres de 50 anos e mais

Módulo K - Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais e cobertura de mamografia entre mulheres de 50 anos e mais Módulo K - Saúde dos indivíduos com 60 anos ou mais e cobertura de mamografia entre mulheres de 50 anos e mais Para mulheres de 50 a 59 anos de idade realizar apenas as perguntas K40 a K43 e K62. Primeiramente,

Leia mais

ESCALAS DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE DE IDOSOS

ESCALAS DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE DE IDOSOS ESCALAS DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE DE IDOSOS I Identificação Nome: Como eu sou conhecido: Nº do Cartão do SUS: Documento de Identidade: Sexo: ( ) masculino ( ) feminino Data de Nascimento: / / Idade:

Leia mais

Métodos e Instrumentos de Pesquisa

Métodos e Instrumentos de Pesquisa Métodos e Instrumentos de Pesquisa Prof. Ms. Franco Noce fnoce2000@yahoo.com.br MÉTODO E INSTRUMENTOS DE PESQUISA Entrevista Questionários Técnicas de Observação Sociometria Estudos de Caso Testes cognitivos

Leia mais

Instrumento A. Sistema de valores do instrumento EQ5D de mensuração de qualidade de vida. Número do envelope utilizado SISTEMA DESCRITIVO - EQ-5D

Instrumento A. Sistema de valores do instrumento EQ5D de mensuração de qualidade de vida. Número do envelope utilizado SISTEMA DESCRITIVO - EQ-5D Instrumento A Questionário nº Sistema de valores do instrumento EQ5D de mensuração de qualidade de vida Instituto Nacional de Cardiologia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Universidade Federal

Leia mais

O que é coleta de dados?

O que é coleta de dados? O que é coleta de dados? Segundo Bandeira (2004) no projeto de pesquisa, o pesquisador deverá descrever detalhadamente o método que usará para coletar seus dados. Basicamente ele pode adotar como método

Leia mais

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA?

COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? COMO DESENVOLVER UMA PESQUISA E COMO ELABORAR UM PROJETO DE PESQUISA? Conhecimento: Conhecimento: nada mais é que a apreensão da realidade, de forma real ou imaginada. Entendendo realidade como aquilo

Leia mais

Idosos de Ontário: Como preparar se para uma emergência

Idosos de Ontário: Como preparar se para uma emergência Idosos de Ontário: Como preparar se para uma emergência Os cidadãos de Ontário têm enfrentado todo tipo de emergência, quer sejam tempestades de gelo, falta de energia elétrica até tornados e acidentes

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE HOSPITAL REGIONAL DA LAPA SÃO SEBASTIÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE HOSPITAL REGIONAL DA LAPA SÃO SEBASTIÃO GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ A clínica de Tisiologia é constituída com pacientes que, para tratamento de sua patologia, necessitam de longa permanência no hospital. Assim, a fim de facilitar a convivência

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

SEGURANÇA NA TERCEIRA IDADE OS FATORES QUE MAIS CAUSAM AS QUEDAS PODEM SER:

SEGURANÇA NA TERCEIRA IDADE OS FATORES QUE MAIS CAUSAM AS QUEDAS PODEM SER: SEGURANÇA NA TERCEIRA IDADE As quedas tornam-se mais frequentes com o avançar da idade. Segundo a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, a maioria dos casos acontecem dentro de casa e são a

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012

EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012 EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012 A Associação de Apoio ao AAPQ faz saber que realizará processo seletivo para contratação de: 02 Psiquiatras 01Farmacêutico 01 Assistentes Social 01

Leia mais

Faculdade de Enfermagem/Universidade Federal de Goiás (FEN/UFG)

Faculdade de Enfermagem/Universidade Federal de Goiás (FEN/UFG) Prevalência e fatores associados à incapacidade funcional para Atividades de Vida Diária em idosos de Goiânia, Goiás Dayana Clênia CASTRO 1 ; Adélia Yaeko Kyosen NAKATANI 2 ; Valéria PAGOTTO 3 ; Ivania

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar Communication for All - In Search of the Social and Pertaining to School Inclusion Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS Carolina

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

Como preparar sua casa após cirurgia de quadril

Como preparar sua casa após cirurgia de quadril PÓS-OPERATÓRIO Como preparar sua casa após cirurgia de quadril Retire os tapetes, extensões e fios telefônicos, pois eles podem ocasionar quedas. Caso ainda não tenha, instale corrimãos em pelo menos um

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

MÓDULO II FUNÇÕES COGNITIVAS

MÓDULO II FUNÇÕES COGNITIVAS MÓDULO II FUNÇÕES COGNITIVAS REALIZAÇÃO CEPSIC e Divisão de Psicologia do Instituto Central do Hospital das Clínicas da FMUSP Drª Mara Cristina Souza de Lucia - Direção www.cepsiconline.com.br AULA 1 -

Leia mais

Dislexia. O que é? Distúrbios de Aprendizagem Prof. Dorival Rosa Brito

Dislexia. O que é? Distúrbios de Aprendizagem Prof. Dorival Rosa Brito Dislexia O que é? A dislexia é um distúrbio na leitura afetando a escrita, normalmente detectado a partir da alfabetização, período em que a criança inicia o processo de leitura de textos. Seu problema

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

Relacionamento professor-aluno e os procedimentos de ensino

Relacionamento professor-aluno e os procedimentos de ensino Relacionamento professor-aluno e os procedimentos de ensino Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Relacionamento professor-aluno Professor:

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

Introdução. Classificação Qualis/CAPES. Introdução. Religiosidade. Journal of Rehabilitation Medicine 2011; 43: 316 322. Papel protetor na saúde:

Introdução. Classificação Qualis/CAPES. Introdução. Religiosidade. Journal of Rehabilitation Medicine 2011; 43: 316 322. Papel protetor na saúde: Associação Médico-Espírita do Estado do Espírito Santo Departamento Acadêmico Estudo de Artigo Científico Afeta Saúde Mental, Dor e Qualidade de Vida em Pessoas Idosas em Ambulatório de Reabilitação Luiz

Leia mais

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas EN1002 Engenharia Unificada I FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas Conteúdo da Apresentação Formas de comunicação em Projetos de Engenharia (PE) Interpretação

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Interna Comunica Pirelli A Pirelli mais perto de você Versão resumida

Planejamento Estratégico de Comunicação Interna Comunica Pirelli A Pirelli mais perto de você Versão resumida Planejamento Estratégico de Comunicação Interna Comunica Pirelli A Pirelli mais perto de você Versão resumida Análise do contexto da organização A Pirelli é a quinta maior empresa do mundo no mercado de

Leia mais

Exemplos de alfabetização simbólica

Exemplos de alfabetização simbólica Exemplos de alfabetização simbólica 1. Conversa geral 2. Falando sobre... 3. Conversação 4. Anotando comunicação 5. Colocando o aprendiz em controle 6. Horários 7. Planejamento em grupo 8. Organização

Leia mais

Nem um pouco preocupado 1. Um pouco preocupado

Nem um pouco preocupado 1. Um pouco preocupado ESCALA DE EFICÁCIA DE QUEDAS INTERNACIONAL (FES-I) Agora nós gostaríamos de fazer algumas perguntas sobre qual é sua preocupação a respeito da possibilidade de cair. Por favor, responda imaginando como

Leia mais

AJUDAS TÉCNICAS. Barras de Banho São produtos de apoio para cuidados pessoais e protecção. Elevador de WC. Barra de banho de alumínio.

AJUDAS TÉCNICAS. Barras de Banho São produtos de apoio para cuidados pessoais e protecção. Elevador de WC. Barra de banho de alumínio. Definem-se ajudas técnicas, como produtos de apoio, especialmente, produzidos e disponíveis, para prevenir, compensar, monitorizar, aliviar ou neutralizar qualquer impedimento, limitação da actividade

Leia mais

Está na hora do meu filho

Está na hora do meu filho Está na hora do meu filho ter maior autonomia. Junho de 2013 STEDIM A CRIANÇA COM NECESSIDADES ESPECIAIS DIFICULDADES INDEPENDÊNCIA/AUTONOMIA GRANDE PROTEÇÃO FAMILIAR SERVIÇOS DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM

Leia mais

GRUPOS NIVEL SUBNÍVEL INSTRUÇÃO RESPOSTA

GRUPOS NIVEL SUBNÍVEL INSTRUÇÃO RESPOSTA JOGO 1 NIVEL 1 Exemplos de instruções e respostas que podem ser utilizadas nos oito contextos. CONTEXTUALIZAÇÃO DESENVOLVER A COMPREENSÃO SEMÂNTICA AUMENTO DO VOCABULÁRIO VISUAL IDENTIFICAÇÃO DE ELEMENTOS

Leia mais

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Folha do Professor Resumo: O professor fará uma demonstração do que não se deve fazer no laboratório e os alunos tentarão adivinhar os erros. Em seguida,

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

MÉTODO DAS BOQUINHAS

MÉTODO DAS BOQUINHAS MÉTODO DAS BOQUINHAS MÉTODO DAS BOQUINHAS ALFABETIZAÇÃO FONOVISUOARTICULATÓRIA Refletir sobre a educação e sobre novas formas de encarar a aprendizagem tem se tornado constante, principalmente em relação

Leia mais

Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07

Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07 Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07 Fonte - CFP/CRPs/FENAPSI (Última atualização agosto/2007)

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 6ª Série Teoria da Computação Ciência da Computação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

APRENDA COMO GERENCIAR SEUS SERVIÇOS

APRENDA COMO GERENCIAR SEUS SERVIÇOS APRENDA COMO GERENCIAR SEUS SERVIÇOS Treinamento ISO 20000 Foundation Presencial ou EAD O Gerenciamento de Serviços de TI tem como foco o fornecimento eficiente e eficaz de serviços que assegura a satisfação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO Armigliato ME; Prado DAG; Melo TM; Lopes AC; Martinez MANS; Amantini RCB; Bevilacqua MC. Palavras-chaves: Avaliação

Leia mais

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas

Barra de ferramentas padrão. Barra de formatação. Barra de desenho Painel de Tarefas Microsoft Power Point 2003 No Microsoft PowerPoint 2003, você cria sua apresentação usando apenas um arquivo, ele contém tudo o que você precisa uma estrutura para sua apresentação, os slides, o material

Leia mais

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Departamento de Orientação Profissional - EEUSP PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL VERA LUCIA MIRA GONÇALVES AVALIAÇÃO JUÍZO DE VALOR Avaliação de desempenho

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

Lista de Exercícios - COBIT 5

Lista de Exercícios - COBIT 5 Lista de Exercícios - COBIT 5 1. O COBIT 5 possui: a) 3 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios b) 3 volumes, 5 habilitadores, 7 princípios c) 5 volumes, 7 habilitadores, 5 princípios d) 5 volumes, 5 habilitadores,

Leia mais

Uma vez completa a matriz, podem ser anotados, eventualmente, os horários das. Receba ajuda de: Marido Os Meninos As Meninas

Uma vez completa a matriz, podem ser anotados, eventualmente, os horários das. Receba ajuda de: Marido Os Meninos As Meninas Como é feito: pode-se trabalhar com um grupo de mulheres ou repetir o exercício com várias mulheres. Ao início se explica o objetivo do exercício. Depois vão sendo anotadas na primeira coluna, cronologicamente,

Leia mais

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola http://luizsoaresdecassia.blogspot.com.br APRENDER A ESCREVER Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola Todos os anos, milhares de meninos e meninas do ensino fundamental de todo

Leia mais

Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas?

Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas? Judgment Você toma milhares de decisões todos os dias, das mais simples às mais importantes. Quais serão as certas? hoganjudgement.com www.hoganbrasil.com.br/hoganjudgement 2014 Hogan Assessment Systems

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de Higiene, Segurança e Cuidados Gerais- 11.º ano 2012/2013

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de Higiene, Segurança e Cuidados Gerais- 11.º ano 2012/2013 CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de Higiene, Segurança e Cuidados Gerais- 11.º ano 2012/2013 Turma: 11.º G Professora: Andreia Monteiro 1 - Estrutura e Finalidades da

Leia mais

Programa 5 S. A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho.

Programa 5 S. A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho. Programa 5 S A partir de agora, conheça o programa que mudará para melhor a sua vida no trabalho. Com este programa, a qualidade e a segurança será colocada em prática e seu ambiente vai ficar mais alegre

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO Auxiliam no: controle dos processos; identificação os problemas ou desvios; objetivo de avaliar e analisar; Facilitando a tomada de decisão. Coleta de dados confiáveis: a ferramenta

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa. Os objetivos dessa unidade são:

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa. Os objetivos dessa unidade são: Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Unidade 02 Tópico 01 Avaliação do Idoso Introdução aos procedimentos de Avaliação Os objetivos dessa unidade são: Conhecer os procedimentos da avaliação;

Leia mais

1. AS PESSOAS SÃO IGUAIS NO DESEMPENHO DE TAREFAS?

1. AS PESSOAS SÃO IGUAIS NO DESEMPENHO DE TAREFAS? CARTILHA DO CANDIDATO APRESENTAÇÃO Uma seleção criteriosa e bem fundamentada premia tanto a organização que necessita incluir profissionais em seus quadros, quanto o candidato que anseia por nela ingressar.

Leia mais

CURSO: DIREITO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROJETO INTERDISCIPLINAR. TEMA: (definido pela coordenação de pesquisa) SUBTEMA (escolha do grupo)

CURSO: DIREITO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROJETO INTERDISCIPLINAR. TEMA: (definido pela coordenação de pesquisa) SUBTEMA (escolha do grupo) CURSO: DIREITO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PROJETO INTERDISCIPLINAR TEMA: (definido pela coordenação de pesquisa) SUBTEMA (escolha do grupo) Coordenador de Pesquisa: Prof. Charley Teixeira Chaves Piumhi, Agosto

Leia mais

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal.

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. Entre os gregos e romanos antigos, havia divergências quanto à maneira de ver e considerar

Leia mais

SÃO CONSIDERADAS COMO QUEDAS AS SEGUINTES SITUAÇÕES: FATORES QUE PREDISPÕEM AO RISCO PARA QUEDA

SÃO CONSIDERADAS COMO QUEDAS AS SEGUINTES SITUAÇÕES: FATORES QUE PREDISPÕEM AO RISCO PARA QUEDA PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS: É a assistência multidisciplinar no monitoramento e implementação de medidas para prevenção de quedas em pacientes internados, em atendimento no Pronto Socorro e nos Serviços

Leia mais

Modelo de Questionário de Desligamento

Modelo de Questionário de Desligamento RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Planejamento Recrutamento Seleção Integração 1ª Etapa Surgimento de uma vaga - Dispensas do empregador (demissões); - Pedidos de demissão (saídas voluntárias demissionários); - Mortes;

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

ESCALA DE AVALIAÇÃO CLÍNICA DA DEMÊNCIA CDR. Registro da Entrevista Semi-estruturada

ESCALA DE AVALIAÇÃO CLÍNICA DA DEMÊNCIA CDR. Registro da Entrevista Semi-estruturada ESCALA DE AVALIAÇÃO CLÍNICA DA DEMÊNCIA CDR Registro da Entrevista Semi-estruturada Clinical Dementia Rating (CDR) Worksheet Ambulatório de Neuro-Geriatria e Demências SERVIÇO DE NEUROLOGIA HOSPITAL DE

Leia mais

Reflexão Pessoal. A Aprendizagem

Reflexão Pessoal. A Aprendizagem Reflexão Pessoal A Aprendizagem No decorrer da nossa vida aprendemos a falar, a utilizar os talheres, a atar os cordões dos sapatos, a ler, a utilizar eletrodomésticos, a cumprimentar pessoas, entre muitas

Leia mais

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Marcos Legais 1988 Constituição Federal (art. 208, III) direito das pessoas com necessidades especiais de receberem educação, preferencialmente na rede regular

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

A Atuação da Terapia Ocupacional Junto ao Idoso

A Atuação da Terapia Ocupacional Junto ao Idoso A Atuação da Terapia Ocupacional Junto ao Idoso Apresentação: O objetivo deste texto é apresentar a Terapia Ocupacional, em sua atuação específica junto ao idoso (área geronto-geriátrica). No mundo atual

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais