Exacta ISSN: Universidade Nove de Julho Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil"

Transcrição

1 Exacta ISSN: Universidade Nove de Julho Brasil Mitsuo Fujii, Carlos Alberto; Cauchick Miguel, Paulo Augusto; Araujo Calarge, Felipe Qualidade de serviços na manutenção de utilidades: uma análise de percepção dos clientes internos conduzida em uma empresa de manufatura Exacta, vol. 8, núm. 2, 2010, pp Universidade Nove de Julho São Paulo, Brasil Disponível em: Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe, Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto

2 Exacta, São Paulo, v. 8, n. 2, p , Artig 157 Qualidade de serviços na manutenção de utilidades: uma análise de percepção dos clientes internos conduzida em uma empresa de manufatura Service quality on utilities maintenance: an analysis of internal customers perception performed in a manufacturing company Carlos Alberto Mitsuo Fujii Mestrando do Programa de Mestrado em Engenharia de Produção UNINOVE São Paulo, SP [Brasil] Paulo Augusto Cauchick Miguel Pós Doutorado em Engenharia de Produção, Livre Docente pela Escola Politécnica da USP e Professor Adjunto do Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas UFSC Florianópolis, SC [Brasil] Felipe Araujo Calarge Pós Doutorado em Engenharia de Produção, Professor do Programa de Mestrado em Engenharia de Produção e Pesquisador do Departamento de Ciências Exatas UNINOVE São Paulo, SP [Brasil] Este trabalho tem como proposta analisar as dimensões da qualidade dos serviços internos prestados por uma empresa subcontratada de serviços de manutenção de utilidades em uma empresa de manufatura na cidade de São Paulo. Foi conduzido um levantamento de campo, de natureza exploratória, por meio de uma coleta de dados utilizando um questionário com uma adaptação da escala SERVQUAL. Esta escala compara as expectativas dos clientes e sua percepção em relação a dimensões da qualidade (atributos) associadas à natureza dos serviços. Os dados foram estatisticamente analisados e a diferença entre expectativa e percepção dos clientes (gap ou lacuna) foi medida em relação a cada dimensão. A conclusão obtida foi que em uma das dimensões analisadas, o gap foi nulo (diferença igual a zero). Contudo, em todas as outras dimensões, o nível de qualidade ficou abaixo do esperado, o que demonstra que existem oportunidades de melhoria na qualidade dos serviços prestados pela empresa de manutenção. Palavras-chave: Clientes internos. Qualidade em serviços. SERVQUAL. The proposal of this work is to analyse the quality dimensions of internal services performed by a subcontracted utilities maintenance company in a manufacturing company at São Paulo city. A field research was performed, of exploratory nature, by using data collection with a questionnaire of an adapted SERVQUAL scale. This scale compares the customers expectations and their perceptions related to associated attributes of services nature. The data were statistically analysed and the difference between the expectation and perception, named as gap, was measured in each dimension. The conclusion indicates that in one of analysed items, the gap was zero (difference equals to zero). However, in all other dimensions, the quality level was below the expectation, what demonstrates that there are opportunities of improving on service quality performed by utilities maintenance company. Key words: Internal customers. Service quality. SERVQUAL.

3 158 Exacta, São Paulo, v. 8, n. 2, p , Qualidade de serviços na manutenção de utilidades: uma análise de percepção dos clientes internos 1 Introdução A participação do resultado dos serviços na economia nacional e mundial tem crescido expressivamente. Esse crescimento indica um aumento do desenvolvimento da sociedade contemporânea que demanda serviços tradicionais e também diferenciados. Na realidade, os serviços representam grande participação na economia brasileira. Dados do Anuário Estatístico, publicado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (2009) demonstram que a participação (valor adicionado) do setor de serviços no PIB brasileiro está acima de 60% e mantém-se de forma consistente nos últimos anos. Por outro lado, as organizações do meio industrial têm focado cada vez mais seus esforços em seus negócios principais (core business) e, dessa forma, as empresas têm contratado muitos serviços para a realização de atividades que podem ser consideradas secundárias, como é o caso da manutenção de utilidades. Este tipo de manutenção engloba atividades de manutenção da infraestrutura operacional de uma empresa, tal como edificações, redes elétrica e hidráulica, gases, ar comprimido, dados e voz, e iluminação. Com a participação crescente na economia, o setor de serviços tem experimentado um acirramento da concorrência e também aumento da exigência pelos clientes e consequentemente maior rigorosidade na avaliação de sua qualidade. De acordo com Large e König (2009), as áreas internas de compras são normalmente avaliadas pela gestão de seus custos ou desempenho de seus fornecedores e, com isso, as abordagens de avaliação da qualidade em serviços não são comuns. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho é, portanto, demonstrar uma análise exploratória na mensuração de serviços internos de manutenção em uma empresa de manufatura por meio da coleta de dados por um questionário estruturado como uma adaptação da escala SERVQUAL. 2 Referencial teórico em serviços Os serviços têm características bem distintas em relação aos produtos. Diferentemente dos produtos, eles não podem ser precisamente controlados ou armazenados, e a detecção dos defeitos só ocorre durante a prestação do serviço. Com isso, a chance de ocorrer um problema e, consequentemente, a insatisfação do cliente aumenta significativamente. Portanto, a dificuldade de controle e também manutenção de um nível alto de qualidade é muito mais complexo no caso dos serviços. As características distintas dos serviços em relação aos produtos são mostradas na Tabela 1. Gronroos (1995) e Rocha et al. (2008) destacam a diferença entre a qualidade atribuída a um produto (bem físico) e a um serviço. Tabela 1: Diferenças entre Serviços e Bens Físico Bens físicos Tangível Homogêneo Produção e distribuição separadas do consumo Uma coisa Valor principal produzido em fábricas Clientes não participam do processo de produção Pode ser mantido em estoque Transferência de propriedade Fonte: Gronroos, Serviços Intangível Heterogêneo Produção, distribuição e consumo são processos simultâneos Uma atividade ou processo Valor principal produzido nas interações entre comprador e vendedor Clientes participam da produção Não pode ser mantido em estoque Não transfere propriedade É importante destacar a distinção entre satisfação e qualidade, conforme colocado por Parasuraman et al. (1985), em que a qualidade tem aspecto global e é perceptível, ao passo que a satisfação está relacionada a um fato ou transação específica. A percepção da qualidade dos serviços tem características de abstração, ao invés

4 Exacta, São Paulo, v. 8, n. 2, p , FUJII, C. A. M.; MIGUEL, P. A. C.; CALARGE, F. A. Artig de atributos específicos, bem como o julgamento dos consumidores baseiam-se principalmente em critérios subjetivos (CHEN et al., 1994; TINOCO e RIBEIRO, 2008). Outro aspecto importante nos serviços refere-se ao momento da verdade destacado por Albrecht (1992) e Machado et al. (2006), que pode ser definido como o momento no qual o cliente entra em contato com as atividades operacionais da empresa e assim forma sua impressão da realização dos serviços. Isso significa que o consumidor não avalia somente o resultado final da prestação de serviço, mas também como este resultado foi atingido. Para avaliar um serviço e desenvolver as percepções em relação à qualidade, existem dez dimensões da qualidade (YEH et al., 2007), conforme ilustram a Figura 1 e a Tabela 2. Tabela 2: Correspondência entre as dimensões do SERVQUAL e as dez dimensões originais para avaliar a qualidade de serviço Tangibilidade Confiabilidade Presteza Competência, Cortesia Credibilidade, Segurança Acessibilidade, Comunicação Compreensão do cliente Fonte: Miguel e Salomi, Presteza Tangibilidade Confiabilidade Segurança Empatia A percepção da qualidade do serviço é o resultado da diferença entre a expectativa da qualidade do serviço e a percepção de desempenho dos serviços executados. A representação desta afirmação ficou conhecida como modelo dos 5 gaps (ZEITHAML et al., 1990). Segundo Salomi et al. (2005) e Large e König (2009), o gap 5 representa uma lacuna global do serviço, e por meio dela pode-se avaliar a qualidade do serviço prestado, como ilustra a Figura 2. Large e König (2009) Dimensões da qualidade de serviço: 1- Aspectos tangíveis 2- Confiabilidade 3- Presteza 4- Competência 5- Cortesia 6- Credibilidade 7- Segurança 8- Acessibilidade 9- Comunicação 10- Compreensão do cliente Expectativa do serviço Percepção do serviço demonstram que o gap 5 pode ser calculado como a diferença entre a qualidade de serviço percebida e esperada. O modelo gap pode ser expresso na seguinte equação (PARASURAMAN et al., 1985): gap 5 = f (gap 1, gap 2, gap 3, gap 4) Nesse contexto, o presente trabalho apresenta uma mensuração da qualidade em serviços por meio da avaliação das dimensões da qualidade (Figura 1), utilizando o modelo gap (Figura 2 e equação 1). O trabalho destaca a seguir os métodos adotados para a consecução desses objetivos. 3 Métodos adotados Comunicação interpessoal Necessidades pessoais Experiências passadas Comunicações externas Percepção da qualidade do serviço Figura 1: Avaliação pelo cliente da qualidade de serviço Fonte: Zeithaml et al., Como destacado anteriormente, o presente trabalho busca investigar a percepção da qualidade dos serviços internos prestados pela manutenção de utilidades em uma empresa de manufatura localizada na cidade de São Paulo. A coleta de dados é fundamentada em um instrumento do (1)

5 160 Exacta, São Paulo, v. 8, n. 2, p , Qualidade de serviços na manutenção de utilidades: uma análise de percepção dos clientes internos Figura 2: Modelo conceitual de Qualidade de Serviços Fonte: Zeithaml et al., tipo questionário, que teve seu conteúdo adaptado a partir do instrumento SERVQUAL. Os questionários encontram-se nos Anexos A, B e C deste trabalho. A aplicação do questionário objetivou a coleta de dados em todas as áreas da empresa, cujo perfil é destacado a seguir. Trata-se de um trabalho de natureza exploratória. 3.1 Perfil da empresa A empresa tem clientes nacionais e internacionais e é líder de mercado na maioria dos segmentos onde atua; possui unidades de diferentes portes espalhadas pelo Brasil, mas o foco da pesquisa refere-se à sua matriz, localizada na cidade de São Paulo, que tem cerca de 500 funcionários, com três unidades de negócio distintas. A empresa possui nesta planta quatro áreas produtivas específicas, um centro de distribuição e também conta com diversas áreas administrativas. Alguns processos importantes que se destacam nas áreas produtivas são: usinagem de metais, tratamento térmico, processo químico de cobertura de superfície e retificação de superfícies, sendo que alguns operam em três turnos. Os serviços de manutenção de utilidades são prestados por uma empresa subcontratada cujos funcionários têm um local específico nas instalações do cliente, para realizar trabalhos de manutenção e reparos que não podem ser realizados em campo, incluindo também o armazenamento de materiais de reposição. Existe uma equipe de 22 funcionários e um supervisor, e a gestão do contrato é realizada por um supervisor da empresa contratante. Os serviços de manutenção corretiva são executados em função da emissão de ordens de serviço emitidas pelos clientes internos, por meio de um sistema informatizado e as manutenções preventivas são executadas com base numa programação existente no banco de dados do sistema informatizado de gestão. Completando este quadro, existem também atividades de plantão, que basicamente são monitoramentos realizados com roteiro predefinido, de modo que a planta toda seja coberta, com o objetivo de garantir a continuidade das operações durante 24 horas por dia, 7 dias por semana. Os serviços corretivos requeridos por meio de ordens de serviço são aprovados pelo usuário, antes de sua conclusão oficial dentro do sistema informatizado. Em caso de discordância sobre a conclusão do serviço executado, o usuário tem o direito de reprová-lo e solicitar um retrabalho através da mesma ordem de serviço. Os tipos de serviço que fazem parte do escopo da manutenção de utilidades são os seguintes: elétrico, mecânico, predial, telefonia, ar condicionado, serralheria e pintura. Estes serviços não foram avaliados de modo estratificado, ou seja, separadamente, mas seu uso pelos clientes internos foi discriminado na coleta e análise dos dados. A empresa subcontratada realiza esta prestação de serviços há vários anos, mas não havia

6 Exacta, São Paulo, v. 8, n. 2, p , FUJII, C. A. M.; MIGUEL, P. A. C.; CALARGE, F. A. Artig um processo estruturado de avaliação da satisfação dos clientes internos em relação aos serviços prestados pela manutenção de utilidades. No período em que foi desenvolvida a avaliação na empresa, o contexto da crise financeira mundial influenciou o ambiente em relação à necessidade de contenção de custos, busca de alternativas criativas para melhor desempenho da organização e, dessa forma, o questionamento e o senso crítico das pessoas envolvidas foi aguçado, possibilitando, inclusive, um contexto adequado para a realização da investigação. Apesar de os serviços de manutenção de utilidades serem compostos de diversos tipos de atividades e realizados por profissionais com qualificações específicas, optou-se no presente trabalho por realizar uma avaliação do serviço prestado pela manutenção de utilidades como um todo, embora tenha sido desenvolvida no questionário uma questão específica sobre o tipo de serviço que o usuário utiliza. 3.2 Desenvolvimento do instrumento e coleta de dados Os questionários utilizados constaram basicamente de afirmações objetivas e relativas aos fatores considerados determinantes da qualidade, ou seja, as dimensões da qualidade identificadas por Zeithaml et al. (1990). Para a coleta de dados, foi utilizada a escala SERVQUAL, extensivamente citada na literatura. O instrumento avalia tanto a expectativa como a percepção dos clientes a respeito da qualidade de serviço, baseado em cinco dimensões da qualidade: a) confiabilidade habilidade em prestar o serviço de forma confiável, precisa e consistente; b) presteza disposição de prestar o serviço prontamente e auxiliar os clientes; c) segurança conhecimento (competência) e cortesia dos funcionários e sua habilidade de transmitir confiança, segurança e credibilidade; d) empatia fornecimento de atenção individualizada aos clientes, facilidade de contato (acesso) e comunicação; e) tangibilidade aparência das instalações físicas, dos equipamentos, dos funcionários e dos materiais de comunicação. A única exceção recaiu sobre a dimensão tangibilidade, cujas questões não foram consideradas na coleta de dados por não serem aplicáveis à natureza dos serviços prestados, ou seja, o cliente interno não tem acesso às instalações da manutenção de utilidades para que o serviço seja realizado naquele local. Na realidade ocorre justamente o contrário, os funcionários da manutenção se deslocam até o local onde se encontra o cliente interno para realizar o serviço necessário. As instalações funcionam como um local onde são feitas manutenções e reparos de itens que não podem ser trabalhados no campo, um local para armazenamento de itens de reposição, ferramentas de trabalho, e onde realizam o apontamento eletrônico dos serviços realizados. Logo não existe uma avaliação da parte física das instalações da manutenção pelos clientes internos em relação à sua percepção sobre a qualidade dos serviços. O questionário, estruturado conforme sugerido por Tamashiro et al. (2006), foram distribuídos de forma não probabilística, e sem a necessidade de manter preservada a identidade do respondente. O instrumento de coleta de dados utilizado foi um questionário, o qual foi dividido em três partes. A primeira parte refere-se à coleta das expectativas dos clientes internos em relação aos serviços prestados pela manutenção de utilidades subcontratada. Na segunda parte do questionário objetiva-se a avaliação do desempenho da

7 162 Exacta, São Paulo, v. 8, n. 2, p , Qualidade de serviços na manutenção de utilidades: uma análise de percepção dos clientes internos manutenção. A terceira parte indaga sobre a importância das características da manutenção para o andamento adequado do trabalho no cliente, bem como o nível geral de satisfação pelos serviços prestados. Complementando esta terceira parte, foram obtidas informações sobre o tipo de serviço utilizado, frequência de uso, e observações, caso fosse aplicável. O questionário considera sentenças afirmativas, as quais estão agrupadas pelas dimensões determinantes da qualidade: confiabilidade (afirmativas de 1 a 5); presteza (afirmativas de 6 a 9); segurança (afirmativas de 10 a 13); e empatia (afirmativas de 14 a 18). As respostas obtidas com o questionário são dadas em uma graduação de intensidade, estruturadas em uma escala Likert de 7 pontos, de (1) discordo fortemente a (7) concordo fortemente. As ponderações recebem um valor de (1) totalmente sem importância a (7) muito importante, e na avaliação da satisfação geral os valores variam de (1) bastante insatisfeito a (7) bastante satisfeito. Considerou-se válido que os atributos da escala SERVQUAL eram comuns para todos os tipos de serviços desempenhados pela manutenção de utilidades. Cabral et al. (2007) sugerem que, no processo de desenvolvimento de um questionário baseado na escala SERVQUAL, deve ser realizado um pré-teste com um grupo pequeno de pessoas de baixa instrução para validar a interpretação do instrumento. No caso da empresa investigada, não havia problemas de nível cultural e, assim, com o objetivo de validar a escala utilizada, foi realizado um teste piloto de interpretação por três gestores da empresa-cliente com visões diversas dentro da organização, antes que o questionário fosse enviado aos clientes internos. A duração de preenchimento do questionário foi de aproximadamente 20 minutos. Neste pré-teste foram detectados alguns pontos que tiveram que ser revisados. Basicamente, a natureza da revisão consistiu em correções de ortografia e semântica visando um aprimoramento na compreensão do conteúdo. Adicionalmente, também foram calculados os coeficientes alfa de Cronbach para validar a o instrumento. Segundo essa avaliação, os valores do alfa de Cronbach variam entre 0 e 1 e, segundo Hair Jr. et al. (2006) e Chen et al. (2009), valores acima de 0,60 são considerados satisfatórios para uso do instrumento e demonstração de consistência. No caso, todas as três partes do questionário obtiveram valores calculados acima de 0,70, ou seja, para a parte das expectativas, o valor do alfa de Cronbach ficou em 0,8417; para a parte do desempenho, o valor do alfa de Cronbach teve o resultado de 0,9336, e para a terceira parte que consistia na avaliação da importância e satisfação, o valor calculado foi de 0,8809. Para esses cálculos utilizou-se o software Minitab 15. Conforme mostrado na Tabela 3, o universo de clientes internos que requerem serviços de manutenção de utilidades é de 75 usuários. Foi selecionada uma amostra de forma não probabilística, levando em conta os seguintes aspectos: usuários que utilizavam a maior parte ou totalidade dos serviços prestados, uso frequente dos serviços, participação de todos os níveis hierárquicos e usuários com visão crítica reconhecida. Portanto, foram escolhidos 38 respondentes, dos quais 32 respondentes retornaram suas opiniões (84% de retorno e 43% do universo) no mês de maio de Dos 32 respondentes, 14 pertencem às unidades de produção e o restante é oriundo das áreas de vendas, assistência técnica e administrativa. Para os itens avaliados foram elaboradas tabelas apresentando as respectivas médias e com elas, por diferença, obtiveram-se os gaps (lacunas) entre as médias das expectativas e desempenho (G = E - D). Para compilação, cálculo e análise dos dados foi utilizado o software MS Excel Foram calculadas médias e desvios padrão para os fatores analisados.

8 Exacta, São Paulo, v. 8, n. 2, p , FUJII, C. A. M.; MIGUEL, P. A. C.; CALARGE, F. A. Artig Tabela 3: Resumo da identificação e seleção do universo e as técnicas de coleta de dados Universo da pesquisa População Elementos da pesquisa/ respondentes Unidade amostral Abrangência Técnica de amostragem Tamanho da amostra Período de coleta dos dados Forma de aplicação Prestação de serviços de manutenção de utilidades Clientes internos dos serviços de manutenção de utilidades Clientes internos dos serviços de manutenção de utilidades: diretoria, gerência, supervisão, técnicos e staff Usuários dos serviços de manutenção de todas as áreas de negócio dentro da empresa metalúrgica estudada e com representatividade em relação ao total de usuários, em função de importância, acessibilidade e conhecimento do trabalho desenvolvido pela manutenção Fonte: adaptado de Tamashiro et al., Serviços realizados em toda a planta da empresa metalúrgica estudada Amostragem não probabilística intencional 32 respondentes (32 questionários) de um total de 75 usuários Maio de 2009 Questionário 4 Resultados e discussão Os resultados dos fatores analisados foram organizados, compilados e as médias foram calculadas para cada uma das dezoito dimensões avaliadas. Os resultados encontram-se na Tabela 4, ou seja, os valores médios de P (percepção ou desempenho dos serviços prestados atualmente), os valores médios de E (expectativa em relação a um serviço excelente) e também os gaps de cada fator. Pode-se verificar que os maiores gaps que valem ser destacados por ordem decrescente são: I 6 ( funcionários da manutenção informam exatamente quando o serviço será executado ) com gap de 2,3 e I 11 ( você se sente seguro em solicitar serviços à manutenção ) com 1,8; I 17 ( os funcionários da manutenção têm o mesmo objetivo que o seu ) com 1,7. Na sequência, o destaque fica para os itens: I 1 ( quando a manutenção promete fazer um serviço em certo tempo, ela faz ), I 4 ( a manutenção entrega o serviço no tempo prometido), I 5 ( a manutenção insiste em registros sem erro ); os três itens com 1,6. Os itens I 3 ( a manutenção faz o serviço certo da primeira vez ) e o I 10 ( o comportamento dos funcionários da manutenção gera confiança, em relação ao serviço realizado ) ficaram com 1,5. O item I 6 ( informar exatamente quando o serviço será executado ) com 2,3 é relacionado à dimensão presteza. O segundo colocado, I 11 ( há segurança em pedir os serviços para a manutenção de utilidades ), com 1,8, pertence à dimensão segurança. O terceiro item é o I 17 ( os funcionários da manutenção têm o mesmo objetivo que o seu ) com 1,7, pertencente à dimensão empatia. Na sequência, o destaque fica para os itens I 1 ( prometer o serviço em certo tempo e fazer ), I 4 ( entregar o serviço prometido ) e I 5 ( exigir registros sem erros ); todos os três últimos itens com 1,6 de gap e pertencentes Tabela 4: Médias das expectativas, rendimentos e gaps dos serviços Itens de avaliação Confiabilidade Presteza Segurança Empatia I 1 I 2 I 3 I 4 I 5 I 6 I 7 I 8 I 9 I 10 I 11 I 12 I 13 I 14 I 15 I 16 I 17 I 18 P média 4,53 4,84 4,69 4,69 4,22 3,91 3,97 5,31 3,75 4,91 4,88 6,16 5,22 5,03 4,81 4,44 3,63 4,69 E média 6,13 6,19 6,16 6,28 5,84 6,19 5,16 6,34 4,31 6,38 6,72 6,16 5,94 5,22 5,19 5,34 5,34 6,00 (+/-) = GAP 1,6 1,3 1,5 1,6 1,6 2,3 1,2 1,0 0,6 1,5 1,8 0,0 0,7 0,2 0,4 0,9 1,7 1,3 Fonte: Os autores.

9 164 Exacta, São Paulo, v. 8, n. 2, p , Qualidade de serviços na manutenção de utilidades: uma análise de percepção dos clientes internos à dimensão confiabilidade. Finalmente, os itens com o mesmo valor de 1,5: I 3 ( fazer o serviço certo da primeira vez ), relacionado à dimensão confiabilidade, e I 10 ( comportamento dos funcionários geram confiança em relação ao serviço prestado ), associado à dimensão segurança. Portanto, os maiores gaps estão divididos entre todas as dimensões, mas, apesar de não serem os maiores, há uma concentração deles na dimensão confiabilidade. Os outros itens avaliados, I 19 a I 22, referemse à avaliação da importância que o cliente atribui a quatro afirmações do questionário, as quais destacam os seguintes aspectos dos serviços da manutenção de utilidades: (1) habilidade em executar um serviço correto e confiável ; (2) desejo em ajudar os clientes internos e entregar um serviço rapidamente ; (3) cortesia e conhecimento de seus funcionários e sua capacidade em transmitir segurança ; e (4) cuidado e atenção individual que seus funcionários têm com os clientes internos. Os resultados da avaliação dos itens I 19 a I 22 são demonstrados na Tabela 5. Os valores médios dos quatros itens variam entre 5,5 e 5,9 na escala Likert de 1 a 7, o que demonstra que todos os itens foram considerados relevantes pelos clientes internos. Já no caso do item I 23 satisfação geral dos serviços prestados pela manutenção, a pontuação teve uma média de 4,9, conforme mostra a Tabela 5, o que demonstra que há margem para a melhoria dos serviços. Tabela 5: Médias dos itens de importância e satisfação dos serviços Itens de Avaliação Importância Satisfação I 19 I 20 I 21 I 22 I 23 X média 5,9 5,8 5,8 5,5 4,9 Desvio 1,08 1,14 1,10 1,34 1,24 Fonte: Os autores. Quando se considera a análise dos resultados por dimensão (confiabilidade, presteza, segurança e empatia), conclui-se que a dimensão que tem o maior gap é a confiabilidade seguida pela presteza. A dimensão confiabilidade foi considerada segundo a literatura (PARASURAMAN et al., 1988; LOVELOCK e WRIGHT, 2001; CABRAL et al., 2007) como a de maior importância para os clientes. Contudo, outros estudos realizados em vários setores públicos resultaram em diferentes resultados refletindo a natureza do serviço envolvido. Alguma adaptação da escala SERVQUAL pode ser desejável quando um tipo específico de serviço for avaliado (PARASURAMAN et al., 1988). Na sequência seguem as dimensões segurança e empatia. Os valores estão destacados na Tabela 6, e pelo gráfico apresentado na Figura 3. Tabela 6: Médias dos valores das dimensões Dimensão Expectativa Percepção GAP Confiabilidade 6,10 4,54-1,56 Presteza 5,55 4,19-1,36 Segurança 6,30 5,26-1,04 Empatia 5,39 4,49-0,90 Fonte: Os autores. Pode-se notar pela Figura 3 uma tendência dos gaps serem menores quanto mais se deslocam do extremo ligado à dimensão confiabilidade para o outro extremo da empatia. Pode-se verificar ainda que a dimensão empatia é a que tem a menor expectativa, em relação à natureza do serviço de manutenção, enquanto segurança, confiabilidade e presteza têm valores mais altos. Portanto, os resultados aparentemente indicam que a natureza do tipo de serviço prestado influencia diretamente na expectativa e consequentemente nos gaps, ou seja, um outro tipo de serviço poderia ter expectativas e gaps bem distintos.

10 Exacta, São Paulo, v. 8, n. 2, p , FUJII, C. A. M.; MIGUEL, P. A. C.; CALARGE, F. A. Artig Figura 3: Gráfico das expectativas e gaps dos clientes internos Fonte: Os autores. 5 Conclusões No estudo da diferença entre expectativas e percepções dos clientes internos na empresa investigada (gaps), em relação aos serviços prestados pela manutenção, constatou-se que, entre dezoito fatores analisados, existem gaps em dezessete. Portanto, identificou-se que existem oportunidades para melhoria na prestação destes serviços. Embora os gaps estejam distribuídos por dezoito entre as quatro dimensões analisadas (confiabilidade, presteza, segurança e empatia), quando o resultado foi compilado pela média dos valores por dimensões, a dimensão que se destaca é a confiabilidade. Com relação à importância sobre quatro itens que os clientes internos foram questionados (19 a 22 do questionário), o resultado indicou que os clientes consideraram as características em relação à prestação de serviços. A média de todos os quatro itens ficou entre 5,5 e 5,9, numa escala de 1 a 7. Adicionalmente, conclui-se que o cliente interno dos serviços de manutenção de utilidades está com uma satisfação geral com o serviço prestado (item 23 do questionário), de 4,9 numa escala de 1 a 7, o que reforça a oportunidade de melhoria da qualidade do serviço prestado. A partir deste levantamento exploratório, pode-se concluir que é muito importante o conhecimento das expectativas e percepções dos clientes internos em relação aos serviços prestados, como forma de melhorar a qualidade dos serviços prestados e consequentemente o nível de satisfação. A escala SERVQUAL apresentou-se como uma ferramenta adequada para a proposta do estudo em avaliar as dimensões da qualidade dos serviços in-

11 166 Exacta, São Paulo, v. 8, n. 2, p , Qualidade de serviços na manutenção de utilidades: uma análise de percepção dos clientes internos ternos da empresa de manutenção de utilidades na empresa de manufatura. Como sugestão para trabalhos futuros neste tema, pode-se considerar a adaptação da escala SERVQUAL em relação a aspectos específicos do serviço, e também uso de outros tipos de ferramentas como é o caso da ferramenta SERVPERF, que avalia o desempenho da qualidade do serviço prestado. Referências ALBRECHT, K. Serviços com Qualidade: a vantagem competitiva. São Paulo: Makron Books, CABRAL, L. L.; MELO, R. M.; MEDEIROS, D. D. Qualidade percebida dos serviços hospitalares: uma avaliação utilizando o método de fatores críticos de sucesso e a escala SERVQUAL. SIMPOI, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, CHEN, I. J.; GUPTA, A.; ROM, W. A study of price and quality in service operations. International Journal of Service Industry Management, v. 5, n. 2, p , CHEN, K. K.; CHANG, C. T.; LAI, C. S. Service quality gaps of business customers in the shipping industry. Transportation Research Part E, v.45, n.1, p , GRONROOS, C. Marketing, gerenciamento e serviços: a competição por serviços na hora da verdade. Rio de Janeiro: Campus, HAIR Jr., J. F.; BLACK, W. C., BABIN, B. J., ANDERSON, R. E., TATHAM, R. L. Multivariate Data Analysis. 6 ed. Prentice Hall, New Jersey: LARGE, R.O.; KÖNIG, T. A gap model of purchasing s internal service quality: Concept, case study and internal survey. Journal of Purchasing & Supply Management, v. 15, n.1, p , LOVELOCK, C. & WRIGHT, L. Serviços: marketing e gestão. São Paulo: Editora Saraiva, MACHADO, M. D.; QUEIROZ, T. R.; MARTINS, M. F. Mensuração da qualidade de serviço em empresas de fast food. Revista Gestão & Produção, v.13, n.2, p , MIGUEL, P. A. C.; SALOMI, G. E. Uma revisão dos modelos para medição da qualidade em serviços. Produção, v.14, n.1, p , MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR (2009). Anuário Estatístico Disponível em: < mdic.gov.br/arquivos/dwnl_ pdf > Acesso em: 24 mai PARASURAMAN, A.; ZEITHAML, V. A.; BERRY, L. L. A. A conceptual model of service quality and its implication for future research. Journal of Marketing, v. 49, n. 4, p , PARASURAMAN, A.; ZEITHAML, V. A.; BERRY, L. L. A. SERVQUAL: A Multiple-Item Scale for Measuring Consumer Perceptions of Service Quality. Journal of Retailing, v. 64, n. 1, p , ROCHA, J. R. V.; LIMA, M. A. M.; ROCHA, R. E. V. Qualidade em atendimento na autarquia municipal de trânsito, serviços públicos e de cidadania de Fortaleza (AMC). Análise a luz do modelo SERVQUAL. XVIII ENEGEP, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, SALOMI, G. G. E.; MIGUEL, P. A. C.; ABACKERLI, A. J. Servqual x Servperf: comparação entre instrumentos para avaliação da qualidade de serviços internos. Revista Gestão & Produção, v.12, n.2, p , TAMASHIRO, H. R. S.; SILVEIRA, J. A. G.; ACEVEDO, C. R. Avaliação do serviço de distribuição no setor farmacêutico: um estudo sob a ótica dos clientes. XXVI ENEGEP, Fortaleza, CE, Brasil, TINOCO, M. A. C.; RIBEIRO, J. L. D. Estudo qualitativo dos principais atributos que determinam a percepção de qualidade e de preço dos consumidores de restaurantes a la carte. Revista Gestão & Produção, v.15, n.1, p , YEH, T.M.; YANG, C. C.; LIN, W. T. Service quality and ERP implementation: A conceptual and empirical study of semiconductor-related industries in Taiwan. Computer in Industry, v. 58, p , ZEITHAML, V. A.; PARASURAMAN, A.; BERRY, L. L. Delivering Quality Service. New York: The Free Press, 1990.

12 Exacta, São Paulo, v. 8, n. 2, p , FUJII, C. A. M.; MIGUEL, P. A. C.; CALARGE, F. A. Artig Anexo A: Questionário para obtenção das expectativas dos clientes internos Anexo B: Questionário para da percepção do desempenho dos clientes internos

13 168 Exacta, São Paulo, v. 8, n. 2, p , Qualidade de serviços na manutenção de utilidades: uma análise de percepção dos clientes internos Anexo C: Questionário para avaliação da importância e satisfação dos serviços Recebido em 16 nov / aprovado em 25 maio 2010 Para referenciar este texto FUJII, C. A. M.; MIGUEL, P. A. C.; CALARGE, F. A. Qualidade de serviços na manutenção de utilidades: uma análise de percepção dos clientes internos conduzida em uma empresa de manufatura. Exacta, São Paulo, v. 8, n. 2, p , 2010.

Emprego do SERVQUAL na avaliação da Qualidade de Serviços de Tecnologia da Informação: uma análise experimental

Emprego do SERVQUAL na avaliação da Qualidade de Serviços de Tecnologia da Informação: uma análise experimental XXVI ENEGEP - Fortaleza, CE, Brasil, 9 a 11 de Outubro de 006 Emprego do SERVQUAL na avaliação da Qualidade de Serviços de Tecnologia da Informação: uma análise experimental André Luís Policani Freitas

Leia mais

Palavras-chaves: Qualidade em serviços, SERVQUAL, clientes internos

Palavras-chaves: Qualidade em serviços, SERVQUAL, clientes internos XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE PERCEBIDA EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES DA CIDADE DO RECIFE: UM ESTUDO DE CASO

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE PERCEBIDA EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES DA CIDADE DO RECIFE: UM ESTUDO DE CASO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE PERCEBIDA EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES DA CIDADE DO RECIFE: UM ESTUDO DE CASO Rebecca Pires dos Santos (UFPE) rebecca.piress@hotmail.com Marcella Brito Galvao (UFPE) marcella_brito@yahoo.com.br

Leia mais

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias A importância do Seis Sigma e da Qualidade em serviços As empresas de serviços

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE EM SERVIÇOS BANCÁRIOS: UM ESTUDO DE CASO EM BANCOS COMERCIAIS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE EM SERVIÇOS BANCÁRIOS: UM ESTUDO DE CASO EM BANCOS COMERCIAIS AVALIAÇÃO DA QUALIDADE EM SERVIÇOS BANCÁRIOS: UM ESTUDO DE CASO EM BANCOS COMERCIAIS Reginaldo Freitas de Amorim Filho (UFPE) regamorimjr@gmail.com fagner jose coutinho de melo (UFPE) fagner_especial@yahoo.com.br

Leia mais

SERVQUAL Aplicado à Avaliação de Serviços Mecânicos em Veículos

SERVQUAL Aplicado à Avaliação de Serviços Mecânicos em Veículos SERVQUAL Aplicado à Avaliação de Serviços Mecânicos em Veículos Roxana M. Martínez Orrego Raquel Cymrot Daniel A. de Oliveira Barbosa Emiliana R. Beraldo RESUMO Neste artigo apresentam-se e discutem-se,

Leia mais

MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE 1 MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Cristina Diamante Elizabeth Maria Lazzarotto Lorena Moraes Goetem Gemelli 1 INTRODUÇÃO: Na maioria das organizações de saúde, os profissionais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO/ UFPE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO/ DCA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO/ PROPAD

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO/ UFPE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO/ DCA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO/ PROPAD UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO/ UFPE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO/ DCA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO/ PROPAD PLANO DE ENSINO DO DOCENTE PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Método servqual: um estudo de satisfação em uma escola de idiomas

Método servqual: um estudo de satisfação em uma escola de idiomas Método servqual: um estudo de satisfação em uma escola de idiomas Leonardo Francisco Figueiredo Neto (UFMS) lffneto@nin.ufms.br Leandro Sauer (UFMS) sauer@uol.com.br Gerusa Rodrigues Cruvinel Borges (UFMS)

Leia mais

Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004

Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004 Avaliação da Qualidade do Congresso Brasileiro de Informática em Saúde de 2004 Evandro Eduardo Seron Ruiz Departamento de Física F e Matemática tica Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD AVALIAÇÃO DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS NA AMAZÔNIA SETENTRIONAL: UM LEVANTAMENTO ACERCA DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA REGIÃO CENTRAL DE BOA VISTA Juliana Matos Eduardo Codevilla Soares

Leia mais

ADAPTAÇÃO DO INSTRUMENTO SERVQUAL PARA MENSURAÇÃO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS DE PÓS-VENDAS EM EMPRESAS AUTOMOBILÍSTICAS

ADAPTAÇÃO DO INSTRUMENTO SERVQUAL PARA MENSURAÇÃO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS DE PÓS-VENDAS EM EMPRESAS AUTOMOBILÍSTICAS ISSN 1984-9354 ADAPTAÇÃO DO INSTRUMENTO SERVQUAL PARA MENSURAÇÃO DA QUALIDADE DOS SERVIÇOS DE PÓS-VENDAS EM EMPRESAS AUTOMOBILÍSTICAS Denise Luciana Rieg, Fernando Cesar Leandro Scramim, Camila Silva dos

Leia mais

A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia

A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia A qualidade na prestação de serviços de calibração de instrumentos em laboratório de metrologia Resumo Renato Gallina (Centro Universitário da FEI) gallina@fei.edu.br Roberto G. Rotondaro (Depto Eng. Produção

Leia mais

4. QUALIDADE PERCEBIDA EM SERVIÇOS

4. QUALIDADE PERCEBIDA EM SERVIÇOS 4. QUALIDADE PERCEBIDA EM SERVIÇOS O CONCEITO DE QUALIDADE Existem várias definições para o termo qualidade na literatura, não havendo um consenso entre os diversos autores. Garvin (1984) agrupou as várias

Leia mais

Sistema de informação como instrumento de programas de qualidade

Sistema de informação como instrumento de programas de qualidade Sistema de informação como instrumento de programas de qualidade José A. M. Xexéo 1, Ana Regina C. da Rocha 1, Álvaro Rabelo Alves Júnior 2,3 J. R. Blaschek 4 [1] Programa de Engenharia de Sistemas e Computação,

Leia mais

Avaliação da qualidade percebida nos serviços em compras de ingressos pela internet

Avaliação da qualidade percebida nos serviços em compras de ingressos pela internet Avaliação da qualidade percebida nos serviços em compras de ingressos pela internet Heitor Luiz Murat de Meirelles Quintella, D.Sc (UERJ) hquintel@uninet.com.br Marcio Amador Cordeiro (UFF) marcioacordeiro@yahoo.com.br

Leia mais

EMPREGO DO SERVQUAL NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS DE UMA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA

EMPREGO DO SERVQUAL NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS DE UMA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& EMPREGO DO SERVQUAL NA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE

Leia mais

Qualidade em serviços de atendimento ao consumidor (sac)

Qualidade em serviços de atendimento ao consumidor (sac) 1 Qualidade em serviços de atendimento ao consumidor (sac) RESUMO O objetivo deste trabalho é conhecer o que é considerado importante, sob a ótica do cliente, na avaliação da qualidade do serviço de atendimento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UERJ LETÍCIA SAMPAIO DE MENEZES MACIEL ANÁLISE DA QUALIDADE PERCEBIDA PELOS USUÁRIOS DE SERVIÇOS

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UERJ LETÍCIA SAMPAIO DE MENEZES MACIEL ANÁLISE DA QUALIDADE PERCEBIDA PELOS USUÁRIOS DE SERVIÇOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UERJ LETÍCIA SAMPAIO DE MENEZES MACIEL ANÁLISE DA QUALIDADE PERCEBIDA PELOS USUÁRIOS DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS TERCEIRIZADOS: UM ESTUDO DE CASO RIO DE JANEIRO 2009

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

UM MODELO PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS DE SUPORTE DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UM MODELO PARA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE SERVIÇOS DE SUPORTE DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Avaliação da Qualidade em Bibliotecas e Serviços de Informação metodologias e instrumentos

Avaliação da Qualidade em Bibliotecas e Serviços de Informação metodologias e instrumentos Avaliação da Qualidade em Bibliotecas e Serviços de Informação metodologias e instrumentos Departamento de Matemática Aplicada Biblioteca Luiza Baptista Melo lbmelo@fc.up.pt I Jornadas GABUP Reitoria da

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DO SERVIÇO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO

PROPOSIÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DO SERVIÇO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO PROPOSIÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DO SERVIÇO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO Heitor Vitor Chaves Galindo (UFPE) heitorgalindo@hotmail.com Renata Maciel de Melo

Leia mais

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática

Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Aprendendo a Interpretar Dados Financeiros de uma Empresa Usando Estatística de Forma Simples e Prática Ederson Luis Posselt (edersonlp@yahoo.com.br) Eduardo Urnau (dudaurnau@gmail.com) Eloy Metz (eloy@softersul.com.br)

Leia mais

A Qualidade do Serviço da Polícia Militar no Município de Juiz de Fora

A Qualidade do Serviço da Polícia Militar no Município de Juiz de Fora A Qualidade do Serviço da Polícia Militar no Município de Juiz de Fora Juliana Maioli Laval Bernardo jmlbernardo@gmail.com UFF Mara Telles Salles marasalles.uff@gmail.com UFF Resumo:O objetivo principal

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE (PB) ATRAVÉS DA ABORDAGEM SERVQUAL

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE (PB) ATRAVÉS DA ABORDAGEM SERVQUAL AVALIAÇÃO DA QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE (PB) ATRAVÉS DA ABORDAGEM SERVQUAL Hermane Jasher Cabral das Chagas (UFCG) hermane.jasher@gmail.com Fernando

Leia mais

Palavras-chave: Comportamento, Ambiente Organizacional, Satisfação.

Palavras-chave: Comportamento, Ambiente Organizacional, Satisfação. a 9 de Dezembro Clima organizacional: uma análise comparativa entre a empresa x e a empresa y do setor varejista de eletrodomésticos e móveis, que disputam o mesmo nicho no município de Bambuí-MG Franciele

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa Escolher o tipo de pesquisa a ser utilizado é um passo fundamental para se chegar a conclusões claras e responder os objetivos do trabalho. Como existem vários tipos

Leia mais

Um Modelo de Indicadores de Desempenho em e-commerce Pré-projeto

Um Modelo de Indicadores de Desempenho em e-commerce Pré-projeto Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Eng. e Gestão do Conhecimento Um Modelo de Indicadores de Desempenho em e-commerce Pré-projeto Rafael Tezza Introdução Clientes de e-commerce

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Qualidade Percebida e Tecnologia da Informação na Indústria de Jeanswear

Qualidade Percebida e Tecnologia da Informação na Indústria de Jeanswear Qualidade Percebida e Tecnologia da Informação na Indústria de Jeanswear Heitor M. Quintella D.Sc Professor da Universidade Federal Fluminense UFF Certified Management Consultant hquintel@uninet.com.br

Leia mais

SATISFAÇÃO DOS CLIENTES INTERNO E EXTERNO MENSURADA ATRAVÉS DA ESCALA SERVQUAL E DO MODELO GAP EM UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS

SATISFAÇÃO DOS CLIENTES INTERNO E EXTERNO MENSURADA ATRAVÉS DA ESCALA SERVQUAL E DO MODELO GAP EM UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS 31 de Julho a 02 de Agosto de 2008 SATISFAÇÃO DOS CLIENTES INTERNO E EXTERNO MENSURADA ATRAVÉS DA ESCALA SERVQUAL E DO MODELO GAP EM UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS Nara Stefano (UFSM) stefano.nara@gmail.com

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

QUALIDADE PERCEBIDA EM UM SERVIÇO DE SAÚDE: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

QUALIDADE PERCEBIDA EM UM SERVIÇO DE SAÚDE: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO SOCIAL QUALIDADE PERCEBIDA EM UM SERVIÇO DE SAÚDE: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO SOCIAL André Luiz M. de Souza Leão, Mestre Faculdade Boa Viagem (FBV) e PROPAD/UFPE Universidade Federal de Pernambuco (Núcleo de Pesquisas

Leia mais

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 2014 Dados da Instituição FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM Código: 508 Faculdade privada sem fins lucrativos Estado: Minas Gerais

Leia mais

Como levantar o ciclo de serviço:

Como levantar o ciclo de serviço: CONSTRUÇÃO DE QUESTIONÁRIOS PARA MEDIÇÃO E MONITORAMENTO DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES CICLO DE SERVIÇO : A base do questionário é um roteiro que contém os principais incidentes críticos do ciclo de serviço.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

XXXIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXIII ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO VALORAÇÃO DA PERCEPÇÃO E SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO URBANO, EM TERMOS DE QUALIDADE EM SERVIÇOS PRESTADOS POR UMA EMPRESA DE VIAÇÃO, NA CIDADE DE ARACAJU - SE: UM ESTUDO DE CASO

Leia mais

Adequação do Instrumento SERVQUAL para a Avaliação da Percepção de Desempenho de Serviços de Manutenção O Caso Inmetro

Adequação do Instrumento SERVQUAL para a Avaliação da Percepção de Desempenho de Serviços de Manutenção O Caso Inmetro Adequação do Instrumento SERVQUAL para a Avaliação da Percepção de Desempenho de Serviços de Manutenção O Caso Inmetro RESUMO João Evany Ferraz Júnior e Mara Telles Salles Universidade Federal Fluminense

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico

Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Estratégia de Manutenção em Oficinas utilizando Caminho Critico RESUMO Entre as estratégias gerenciais em empresas de médio e grande porte existe o

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 Objetivos Apresentar o processo de gerenciamento de qualidade e as atividades centrais da garantia de

Leia mais

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB OBJETIVO GERAL Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB Marisol de Andrade Maués Como objetivo geral, buscou-se avaliar a qualidade de produtos Web, tendo como base o processo de avaliação de qualidade descrito

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Benchmarking em Produtividade Industrial Como tornar-se uma empresa de Classe Mundial? Claudio Makarovsky Presidente Conselho de Óleo e Gás

Benchmarking em Produtividade Industrial Como tornar-se uma empresa de Classe Mundial? Claudio Makarovsky Presidente Conselho de Óleo e Gás Benchmarking em Produtividade Industrial Como tornar-se uma empresa de Classe Mundial? Claudio Makarovsky Presidente Conselho de Óleo e Gás Agenda O desafio lançado (Prominp IND - P&G 77) Centros de Excelência

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

GESTÃO DE CONTRATOS COM SLA. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

GESTÃO DE CONTRATOS COM SLA. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com GESTÃO DE CONTRATOS COM SLA Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Cada vez mais as empresas estão contratando serviços baseados em níveis de serviços, conhecidos pela sua sigla

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL 2015 Sabemos que as empresas atualmente utilizam uma variedade muito grande de sistemas de informação. Se você analisar qualquer empresa que conheça, constatará que existem

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 10 Síntese Curso CRONOGRAMA - CURSO Data Assunto Detalhamento 8/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 15/mar Op. Serviço EC: Cumbuca 2 grupos (10%) 22/mar

Leia mais

QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: UMA AVALIAÇÃO COM CLIENTES INTERNOS

QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: UMA AVALIAÇÃO COM CLIENTES INTERNOS QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: UMA AVALIAÇÃO COM CLIENTES INTERNOS ARTIGO Sueli Aparecida Varani Eleutério Mestre em Gestão da Qualidade Total pela Faculdade de Engenharia Mecânica da UNICAMP. E-mail:

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Documentação da Pesquisa de Satisfação Sistemas de TI 2010

Documentação da Pesquisa de Satisfação Sistemas de TI 2010 Assunto : Análise quantitativa referente à Pesquisa de Satisfação com os Sistemas de Tecnologia da Informação - TRT10-2010. 1. Introdução 1.1. O objetivo deste trabalho é documentar a análise quantitativa

Leia mais

Estudo da satisfação dos estudantes de graduação da UFPE no campus Caruaru

Estudo da satisfação dos estudantes de graduação da UFPE no campus Caruaru Estudo da satisfação dos estudantes de graduação da UFPE no campus Caruaru Sharlene Neuma Henrique da Silva 1 Isys Pryscilla de Albuquerque Lima 2 Moacyr Cunha Filho 2 Maria Cristina Falcão Raposo 3 1

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz Marcelo Rabelo Henrique marcelo@mrhenriqueconsult.com.br Unicastelo José Abel

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS CLIENTES EM FILAS DE ESPERA EM RESTAURANTES SELF-SERVICE

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS CLIENTES EM FILAS DE ESPERA EM RESTAURANTES SELF-SERVICE ANÁLISE DA PERCEPÇÃO DOS CLIENTES EM FILAS DE ESPERA EM RESTAURANTES SELF-SERVICE SUZY VEIGA DINIZ 1 LEANDRO AZEVEDO DA SILVA ROSADAS 2 MARCELO ALVARO DA SILVA MACEDO 3 1. Discente do Curso de Administração

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Análise de critérios para qualidade no atendimento ao consumidor em serviço

Análise de critérios para qualidade no atendimento ao consumidor em serviço VIII WORKSHOP DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DO CENTRO PAULA SOUZA São Paulo, 9 e 10 de outubro de 2013 Sistemas produtivos: da inovação à sustentabilidade ISSN: 2175-1897 Análise de critérios para qualidade

Leia mais

UM MODELO SERVPERF PARA AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES

UM MODELO SERVPERF PARA AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES UM MODELO SERVPERF PARA AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS HOSPITALARES André Luís Policani Freitas (UENF) policani@uenf.br Manaara Iack Cozendey (UENF/UCAM) manaara@uenf.br Nos últimos anos, as organizações hospitalares,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 15 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO E DA INSATISFAÇÃO DOS CLIENTES Objetivo: Ao final desta aula, você deverá saber (1) sobre os fatores que causam a satisfação

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura

Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura Termo de Referência para Contratação de Consultoria - TR Modalidade Pessoa Física Vaga Código TR/PF/IICA-005/2010 PCT BRA/09/001 - Acesso e uso da energia elétrica como fator de desenvolvimento de comunidades

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV

LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV LB Marketing O verdadeiro foco no cliente PROPOSTA DE PROJETO DE AUDITORIA DE ATENDIMENTO AO CLIENTE NO PDV Santa Maria-RS, Março de 2012 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. MÉTODO DE PESQUISA CLIENTE OCULTO...

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles AS EXPECTATIVAS DO CLIENTE COM O SERVIÇO Expectativas dos clientes São crenças acerca da execução do serviço que

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE PERCEBIDA NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE PERCEBIDA NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR AVALIAÇÃO DA QUALIDADE PERCEBIDA NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR RAISSA CORREA DE CARVALHO (UFPE ) RAISSA_CORREA@HOTMAIL.COM ALINE AMARAL LEAL (UFPE ) alineleal10@hotmail.com Jordania Louse Silva Alves (UFPE

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino

Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Castanhal Faculdade de Sistemas de Informação Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino Elisiane M. Soares,

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Excelência operacional

Excelência operacional Excelência operacional o pilar para obter um crescimento lucrativo na Colômbia POR: DAVID MONROY E ROBERTO PALACIOS, SINTEC Siga-nos: @Perspectiva Sintec @Sintec_ @PerspectivaSintec Introdução Toda empresa

Leia mais