rede cliente a cliente P2P compartilhamento de arquivos tela 1 de 17 Material produzido por Marília Levacov e Ana - FABICO - UFRGS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "rede cliente a cliente P2P compartilhamento de arquivos tela 1 de 17 Material produzido por Marília Levacov e Ana - FABICO - UFRGS"

Transcrição

1 rede cliente a cliente P2P compartilhamento de arquivos tela 1 de 17

2 ~ DEFINIÇAO: A tecnologia P2P é uma maneira eficiente de transferir informação eletrônica, via rede, possuindo o potencial de reduzir substancialmente o tempo e os custos com os sistemas de distribuição baseados em servidores. P2P significa peer to peer (parceiro à parceiro) e, como o nome mostra, implica numa relação de igualdade, mesmo nível, entre os dois usuários envolvidos no file sharing: o que possui o arquivo e o que o downloadeia. P2P envolve, portanto, uma troca entre usuários (clientecliente) sem passar por um servidor. Também chamado de computação distribuída, possui um tremendo potencial para compartilhar recursos: Este tipo de programa não serve apenas para trocar arquivos de música mas grandes organizações, como o Projeto Genoma, o utilizam para compartilhar informações para comunidades específicas. tela 2 de 17

3 Continuando: Usualmente, numa relação entre o cliente (que recebe o serviço) e o servidor (que serve o serviço), existe a necessidade de ir até o servidor e de mandar uma ordem para que envie determinado arquivo. Isto é chamado de relação cliente-servidor e o browsing no www é o melhor exemplo deste modelo. No P2P, o computador do usuário serve tanto de cliente quanto de servidor, dependendo do caso (se está buscando ou compartilhando um arquivo), criando uma rede temporária e direta entre 2 usuários. Além disso, como processamento é disperso, há menos pressão em um determinado servidor. INTERNET P P tela 3 de 17

4 A história do P2P (peer to peer - parceiro à parceiro) Para entender o P2P, precisamos lembrar um pouco a história da troca de arquivos na INTERNET. Ao contrário do que se acredita, o P2P não é uma maneira nova de se usar a Internet. Ela mesmo foi criada, na década de 60, mais ou menos como uma rede P2P, pois conectava o computador de Stanford, com o da UCLA, o de UCSanta Barbara e Utah university como equal computing peers (parceiros computacionais iguais). As primeiras aplicações da Internet, FTP e Telnet, apesar de serem aplicações cliente/servidor, na época em que foram criadas funcionavam diretamente de host a host, de servidor a servidor. Naquela época, os servidores eram, simultaneamente, clientes e servidores. O USENET, baseado no UUCP (Unix-to-Unix Copy Protocol) de 1979, que foi criada também dentro deste espírito até evoluir para milhares de computadores depois, é considerado o avó de aplicações tipo o Gnutella e o Napster (que veremos mais adiante), que compartilha arquivos entre computadores sem um controle central. tela 4 de 17

5 No início da rede, o programa mais popular de file sharing (compartilhamento de arquivos, era o (anônimo) FTP (File Treansfer Protocol). O servidor de FTP anônimo permitia que o usuário fizesse um login usando um nome qualquer para receber (fazer o download) ou enviar (upload) um programa ou arquivo qualquer, pela Internet. Os arquivos podiam ser buscados num search-engine das listas de servidores de FTP, chamado Archie. Por diversas razões, o Archie era uma maneira pouco eficiente de encontrar o que se buscava. A USENET, listas de discussão, bulletin boards e chats ajudavam a espalhar a informação sobre o que estava aonde. O FTP continuou sendo usado até que, em 1997, o ICQ ( I seek you messenger) tornou-se uma maneira mais sofisticada de trocar arquivos. O ICQ, além de ser uma ferramenta de comunicação p/ o chat com grupos de amigos, possui também uma opção para file sharing. As redes de P2P usadas atualmente começaram a ser desenvolvidas há 15 anos atrás e a Boing e a Intel foram as primeiras a usá-las. Muitas redes P2P se desenvolveram durante a década de 90. tela 5 de 17

6 O NAPSTER O Napster foi desenvolvido por Shawn Fanning que era aluno do primeiro ano da Northeastern University e que o disponibilizou em maio de Quando o usuário downloadava a aplicação, tornava-se imediatamente capaz uploadar info a respeito dos arquivos que iria disponibilizar, e de localizar as demais pessoas que possuiam a aplicação, para vasculhar a parte pública de seus HDs atrás de arquivos (de música, em formato MP3) e realizar trocas com elas. Estima-se que milhões de pessoas eram usuários regulares.e, porque havia tal quantidade de usuários, as questões de copyright nos arquivos de música tornaram-se um problema. Artistas, gravadoras e a RIAA (Recording Industry Association of America) sentiram-se lesados e, em dezembro do mesmo ano, a RIAA acionou o Napster até que, após uma longa batalha judicial, ganhou o processo final, em julho de Por causa disto e outras fatores, além da fragilidade de sua arquitetura (como veremos depois) o Napster foi interditado e não funciona mais. tela 6 de 17

7 O Servidor do NAPSTER informava aos clientes quais arquivos estavam aonde (bem como que tamanho tinham, que tipo de conexão cada cliente dispunha, seu número IP, etc...). Não era possível os clientes saberem estas informações sem acessarem ao servidor, razão pela qual, quando a RIAA tirou o servidor de serviço, toda a rede Napster ficou decepada. Antes porém, tentando negociar com as gravadoras, o servidor do Napster foi reduzindo suas ofertas, censurando as músicas oferecidas, ao ponto de ficar desinteressante a seus usuários. INTERNET Servidor NAPSTER P P tela 7 de 17

8 GNUTELLA DEFINIÇÃO Gnutella é o nome de um protocolo que permite que as pessoas troquem arquivos através da Internet. Conecta-se à Rede Gnutella usando um Gnutella client que acessa a uma comunidade Gnutella. O cliente Gnutella original foi desenvolvido por Justin Frankel and Tom Pepper na Nullsoft (que pertence a AOL). AOL rapidamente fechou o site mas não a tempo de evitar que milhares de pessoas fizessem o download do cliente. A versão original era uma bela idéia mas estava cheia de bugs. Muito tempo depois, diversas companhias e indivíduos diferentes desenvolveram softwares baseados no sempre em evolução protocolo Gnutella. tela 8 de 17

9 O que fazia o Gnutella? Gnutella era descentralizado - isto significa que não havia uma companhia na qual a rede se apoiava, como o Napster ou o ICQ. Isso significa que a propriedade intelectual não está mais sob um controle centralizado. Os usuários do Gnutella conectavam-se uns aos outros e não a uma central. Para fazer isto eles podiam ir a um dos milhares de index de usuários ou conectar-se diretamente uns aos outros. Anonimidade e untracebility protegem os usuários de qualquer controle centralizado. tela 9 de 17

10 A DIFERENÇA Quando o www foi criado, as páginas eram acessadas através dos links nelas colocados. Depois surgiram os indexadores, portais, etc. Ia-se para um lugar para buscar a informação (lugares estes carregados de anúncios e que, basicamente, controlavam o fluxo de informação na rede). O Gnutella punha o fluxo da informação de volta nas mãos dos usuários. Quando se usava o Gnutella software, colocávamos um arquivo, uma parte ou mesmo todo nosso HD (coisa não recomendável) a disposição dos usuários da rede, pois eram aquelas coisas que queríamos tornar públicas e compartilhar. O poder que isto representa é fantástico. Os dados que estão no HD do usuário é que se mostram valiosos. Portanto, o que é compartilhado é aquilo que de valor se possui. O usuário controla este compartilhamento, podendo decidir o que incluir ou excluir a cada momento. Este poder é realmente diferente de compartilhar uma web page. tela 10 de 17

11 Explicando mais O cliente Gnutella (assin como muitos dos p2p atuais) era, simultaneamente, um mini search engine e um file serving system. Quando o usuário buscava algo na rede Gnutella, todos os que estavam no seu horizonte recebiam esta busca e, se a possuissem, ele seria informado. O HORIZONTE no Gnutella Quando o usuário se logava ao rede Gnutella, estava entrando num mar de pessoas. Aparentemente, tantas qtas. conseguir avistar. Algumas, entretanto, desapareciam no horizonte. Esta é a analogia. Quando o usuário, usando o cliente P2P, entra na rede, o contador dispara, são as pessoas no horizonte o saudando. As pessoas podem ir e vir, portanto o horizonte também vai mudando. Mas o que acontece se a informação buscada não está no horizonte? Este nunca contém mais do que hosts. tela 11 de 17

12 Quando o usuário conectar-se outro dia, verá um grande grupo de caras novas, uma parte diferente da multidão que está no seu horizonte neste momento. Diferentes pessoas e diferente informação. Diferentes arquivos. Se a informação desejada não está no seu horizonte é uma falta de sorte. Mas o horizonte está sempre mudando e a informação valiosa, com frequência, é duplicada.é como um jogo de probabilidades mas com as chances a favor dos usuários. E o horizonte de apenas usuários? Isto é apenas um modo da rede criar escalas, pois o Gnutella funciona através da segmentação. Um milhão de pessoas torna a rede lenta mas caso ela se ajuste a grupos pequenos de computadores, tudo fica MUITO mais rápido e a cada momento estes podem parcialmente mudar. tela 12 de 17

13 CARACTERÍSTICAS O Gnutella é file sharing e o usuário escolhe de quem fazer o download, vendo o tipo de conexão para aquela pessoa, etc. O Gnutella é anonymous. O Napster e os outros são centralizados e controlam a liberdade de busca. Os search-engines comerciais mantém logs para a inserção de anúncios, estatísticas, p/ obter o perfil de seus usuários, pois isto também é dado valioso para eles. O Gnutella compartilha qualquer tipo de arquivo, diferentemente do Napster, que compartilhava apenas MP3. tela 13 de 17

14 Durante os últimos meses do Napster surgiram uma quantidade de programas tipo file-sharing ou file-swapping, como passaram a ser chamados, incluindo Gnutella, Audiogalaxy, KaZaA, imesh, edonkey, etc. Coletivamente, estas redes permitiram aos usuários continuar a compartilhar arquivos de música numa quantidade similar ao Napster quando esteve no seu auge. Além de sustentar a crescente demanda para a troca de arquivos, estes programas de terceira geração operam sem o envolvimento de uma agente centralizador, não permitindo uma ação legal para interromper a rede. Nestes programas, também, a demanda está mudando de mp3 para arquivos de vídeo, além dos aplicativos piratas. Saindo do assunto P2P mas quanto a questão de obter arquivos de música na Internet sem violar o copyright, a Apple lançou este ano uma proposta que está tendo um enorme sucesso, a itunes Music Store. O site permite a seus usuários fazer o download de músicas por apenas 99 cents e já vendeu mais de 5 milhões de músicas em 2 meses, desde seu lançamento. Para isto a Apple fez parcerias com as 5 maiores gravadoras mundiais. tela 14 de 17

15 A NOVA GERAÇÃO As novas ferramentas peer-to-peer estão se espalhando pela Internet e gerando dores de cabeça agora para os grandes estúdios de cinema. Programas como edonkey e BitTorrent, da última geração de p2p, possuem ferramentas específicas para a troca de arquivos de vídeo, criadas para aumentar a eficiência e a velocidade de transferência de grandes arquivos, como filmes. Muitos destes programas já estavam em desenvolvimento há alguns anos mas só agora adquiriram a massa crítica necessária para ter um volume de troca impactante. Protetores dos copyrights afirmam que estas novas ferramentas começam a rivalizar o potencial pirata da nova geração pós-napster. No mundo inteiro as pessoas estão fazendo uma quantidade crescente de downloads, num volume espantoso. Programas como edonkey e emull começam a ultrapassar a tecnologia FastTrack dos programas como KaZaA e Grokster. tela 15 de 17

16 Morpheus, um outro programa deste grupo, extremamente popular há pouco tempo atrás, por exemplo, já está em desuso. A nova geração destes programas segue sendo desenvolvida por indivíduos ou pequenos grupos que se debruçam sobre as fragilidades ou deficiências das versões p2p anteriores. edonkey, por exemplo, foi desenvolvido por Jed McCaleb. Seu plano inicial era fazer a busca e a distribuição dos arquivos mais eficientes. A versão final do programa é diferente dos p2p anteriores em 2 maneiras: 1. A primeira tem a ver com a busca descentralizada: quando um arquivo é disponibilizado na rede edonkey, recebe um identificador que é um endereço baseado nas características do próprio arquivo. Cada computador que se loga à rede possui um certo alcance (horizonte) e passa a atuar também como um index do que enxerga. Isto permite que as buscas possam ser feitas de modo mais eficiente do que nos p2p anteriores. Por exemplo, no Gnutella, se uma busca era enviada à rede, ela ia de um em um computador perguntando se possuia aquele arquivo ou se o avistava em seu horizonte. No edonkey, cada computador já é um index dos tela 16 de 17

17 arquivos avistados naquela categoria e, portanto, a resposta retorna de forma muito mais rápida. Superdistribuição: cada novo cliente(usuário) é também um novo servidor. 2. A segunda e principal diferença é que o sistema pode dividir cada arquivo em pequenos pedacinhos, permitindo que eles sejam distribuídos independentemente. Assim que uma pessoa começa a downloadar estes pedacinhos, está também oferecendo-os à rede e isto significa que um filme, por exemplo, não precisa ser downloadado na íntegra antes de ser oferecido ; cada pedacinho pode ser uploadado separadamente, com um usuário, por exemplo, downloadando simultaneamente pedacinhos diferentes de diferentes outros usuários e, naturalmente, tornando a rede muito mais rica e eficiente. + info: Existem outras ferramentas p2p como menciono acima. Uma popular entre a comunidade dos softwares livres chama-se BitTorrent, de Bram Cohen. Ela faz a distribuição de grandes arquivos de modo muito eficiente ainda que lhe falte a capacidade de busca semelhante a do edonkey. tela 17 de 17

Aplicações P2P. André Lucio e Gabriel Argolo

Aplicações P2P. André Lucio e Gabriel Argolo Aplicações P2P André Lucio e Gabriel Argolo Tópicos Internet Peer-to-Peer (Introdução) Modelos (Classificação) Napster Gnutella DHT KaZaA Razões para o Sucesso da Internet Capacidade de interligar várias

Leia mais

Redes P2P. Alexandre Alves Bruno Valério. 19 de junho de 2015

Redes P2P. Alexandre Alves Bruno Valério. 19 de junho de 2015 Redes P2P Alexandre Alves Bruno Valério Rôb Klér 19 de junho de 2015 SUMÁRIO Introdução Características Arquitetura Aplicações Sistemas Segurança Perguntas Conclusões P2P 2/13 INTRODUÇÃO Rede de computadores

Leia mais

Peer to Peer. Sandro, Eluan. 8 de Novembro de 2013. Universidade Estácio de Sá

Peer to Peer. Sandro, Eluan. 8 de Novembro de 2013. Universidade Estácio de Sá Universidade Estácio de Sá 8 de Novembro de 2013 Sumario 1 Denição 2 3 4 5 6 Um tipo de rede de computadores onde cada estação possui capacidades e responsabilidades equivalentes. Isto difere da arquitetura

Leia mais

João Rocha Marco Antônio Domingues. Eduardo Souto Guthemberg Silvestre Carlos Kamienski Djamel Sadok

João Rocha Marco Antônio Domingues. Eduardo Souto Guthemberg Silvestre Carlos Kamienski Djamel Sadok GPRT/UFPE GPRT/UFPE Peer-to-Peer (P2P) Computação Colaborativa na Internet Minicurso SBRC - (alterado por Andrea Krob) Autores Originais (UFPE) João Rocha Marco Antônio Domingues Arthur Callado Eduardo

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Comunicação de Grupos Peer to Peer Comunicação de Grupos Modelos Anteriores - Comunicação envolvia somente duas partes. RPC não permite comunicação de um processo com vários outros

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Comunicação coletiva Modelo Peer-to-Peer Slide 6 Nielsen C. Damasceno Introdução Os modelos anteriores eram realizado entre duas partes: Cliente e Servidor. Com RPC e RMI não é possível

Leia mais

Rede Peer-To-Peer. Conteúdo

Rede Peer-To-Peer. Conteúdo Rede Peer-To-Peer Universidade Federal do Maranhão Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Pós-Graduação em Engenharia de Eletricidade Estágio Docente Prof. Dr. Mário Meireles Teixeira Mestrando: Flávio

Leia mais

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar Redes Peer-to-Peer Redes Peer-to to-peer Arquitetura de Redes P2P Integridade e Proteção Redes Peer-to-Peer (P2P) São sistemas distribuídos nos quais os membros da rede são equivalentes em funcionalidade

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Aplicação Slide 1 Aplicação e Protocolo de Aplicação Aplicação: processos distribuídos em comunicação rodam nos computadores usuários da rede como programas de usuário trocam

Leia mais

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão Peer 2 Peer (P2P) Resumo Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão O que é P2P? Introdução Tipo de arquitetura de rede

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar

Definição São sistemas distribuídos compostos de nós interconectados, aptos a se auto-organizar em topologias de rede, com o intuito de compartilhar Redes Peer- Redes Peer- (P2P) São sistemas distribuídos nos quais os membros da rede são equivalentes em funcionalidade Permitem que os pares compartilhem recursos diretamente, sem envolver intermediários

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Como medir a velocidade da Internet?

Como medir a velocidade da Internet? Link Original: http://www.techtudo.com.br/artigos/noticia/2012/05/como-medir-velocidade-da-suainternet.html Como medir a velocidade da Internet? Pedro Pisa Para o TechTudo O Velocímetro TechTudo é uma

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Camada de Aplicação

Leia mais

10/07/2013. Camadas. Principais Aplicações da Internet. Camada de Aplicação. World Wide Web. World Wide Web NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO

10/07/2013. Camadas. Principais Aplicações da Internet. Camada de Aplicação. World Wide Web. World Wide Web NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADA DE APLICAÇÃO Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A decisão contra o Pirate Bay e sua repercussão sobre o futuro do direito autoral na internet Demócrito Reinaldo Filho * Quatro diretores do famoso site Pirate Bay [01] foram condenados,

Leia mais

Rede de Computadores. Arquitetura Cliente-Servidor

Rede de Computadores. Arquitetura Cliente-Servidor Rede de Computadores Arquitetura ClienteServidor Coleção de dispositivos de computação interconectados que permitem a um grupo de pessoas compartilhar informações e recursos É a conexão de dois ou mais

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

Unic Tecnologia Digital

Unic Tecnologia Digital Unic Tecnologia Digital Sistema Mix For Me M4M Evento AA - 2004 Out/04 HISTÓRICO Em 1999 Napster Novo Conceito Em 2001 RIAA consegue fechar Napster Sites não pagos -Morpheus, Kazaa, Grokster Sites pagos

Leia mais

Colaboração, uso livre das redes e a evolução da arquitetura p2p

Colaboração, uso livre das redes e a evolução da arquitetura p2p LUGAR COMUM Nº28, pp. 265-282 Colaboração, uso livre das redes e a evolução da arquitetura p2p Fabio Malini A primeira geração: O Napster e o modelo distribuído e centralizado da informação p2p O Napster

Leia mais

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose)

Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) Cap 03 - Camada de Aplicação Internet (Kurose) 1. Qual a diferença entre um Programa de computador e um Processo dentro do computador? R. Processo é um programa que está sendo executado em uma máquina/host,

Leia mais

Curso: Disciplina: Professor: Caso:

Curso: Disciplina: Professor: Caso: Curso: Disciplina: Professor: Caso: Administração Sistemas de Informações Gerenciais - SIG José Carlos Vinhais Será que a indústria fonográfica consegue mudar de ritmo? Livro: Kenneth C Laudon; Jane P.

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Sua Privacidade Bem-vindo ao site eureca.me. Este site é de propriedade da empresa Eureca Atitude Empreendedora LTDA-ME. Esta Política de Privacidade destina-se a informá-lo sobre

Leia mais

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET DEFINIÇÕES BÁSICAS A Internet é um conjunto de redes de computadores interligados pelo mundo inteiro, ue têm em comum um conjunto de protocolos e serviços. O ue permite a

Leia mais

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB ATIVIDADE 1 Redes Windows Falar sobre Samba e redes mistas Windows / Linux, sem antes explicar o conceito básico de uma rede não parece correto e ao mesmo tempo, perder páginas e mais páginas explicando

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns.

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Internet Internet ou Net É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Como Comunicam os computadores Os computadores comunicam entre si utilizando uma linguagem

Leia mais

III Congresso Internacional de Direito Autoral Obras Musicais e Internet

III Congresso Internacional de Direito Autoral Obras Musicais e Internet III Congresso Internacional de Direito Autoral Obras Musicais e Internet Questões Atuais de Direito Autoral Cópia Privada Compartilhamento de Arquivos - Peer-to-Peer Panorama Atual Digital Music Report

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Web Design Aula 11: Site na Web

Web Design Aula 11: Site na Web Web Design Aula 11: Site na Web Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação Criar o site em HTML é interessante Do que adianta se até agora só eu posso vê-lo? Hora de publicar

Leia mais

GUIA DE PROCEDIMENTOS PARA ACESSO VIA FTP

GUIA DE PROCEDIMENTOS PARA ACESSO VIA FTP INFORMÁTICA mai/11 Pág. I.1 ACESSO VIA FTP GUIA DE PROCEDIMENTOS PARA ACESSO VIA FTP INFORMÁTICA mai/11 Pág. I.2 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... I.3 II III ACESSO PELO WINDOWS EXPLORER... II.1 ACESSO PELO NAVEGADOR

Leia mais

Protocolo Bittorrent

Protocolo Bittorrent Fundamentos Básicos Principais problemas Impacto na Rede Considerações Finais maxfaria@uniriote.br LETRA - UNIRIO 1 Fundamentos Básicos Bittorrent é um protocolo peer-to-peer para compartilhamento de arquivos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 de agosto de 2009 Membership Grupos dinâmicos Membros entram e saem dos grupos Membros podem falhar (crash) Grupos são criados e destruídos em tempo

Leia mais

INTERNET. George Gomes Cabral

INTERNET. George Gomes Cabral INTERNET George Gomes Cabral HISTÓRICO 1966 Um pesquisador da Agência de Projetos Avançados de Pesquisa (Arpa) chamado Bob Taylor consegue US$ 1 milhão para tocar um projeto de interligação dos laboratórios

Leia mais

Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet

Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet Por Matheus Orion Currículo resumido do professor Graduado em análise e desenvolvimento de sistemas (UCS) Mestrado em administração de negócios

Leia mais

Informática Básica. Internet Intranet Extranet

Informática Básica. Internet Intranet Extranet Informática Básica Internet Intranet Extranet Para começar... O que é Internet? Como a Internet nasceu? Como funciona a Internet? Serviços da Internet Considerações finais O que é Internet? Ah, essa eu

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

Pequena história da Internet

Pequena história da Internet Pequena história da Internet A Internet nasceu em 1969, nos Estados Unidos. Interligava originalmente laboratórios de pesquisa e se chamava ARPAnet (ARPA: Advanced Research Projects Agency). Era uma rede

Leia mais

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Surgimento da internet Expansão x Popularização da internet A World Wide Web e a Internet Funcionamento e personagens da

Leia mais

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Redes. Sistemas Operacionais de Rede. Protocolos de Rede. Sistemas Distribuídos Arquitetura de Redes Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistemas Operacionais de Rede NOS Network Operating Systems Sistemas operacionais que trazem recursos para a intercomunicação

Leia mais

Relatório de análise de tráfego

Relatório de análise de tráfego Página 1 de 17 Índice 1. Introdução 2. Descrição do Problema 2.1. Histórico 2.2. Peer-to-Peer 2.3. Serviços providos pela USP 3. Relatórios Estatísticos 4. Anexos 5. Conclusão Página 2 de 17 1. Introdução

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Aula 2 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF Por que definir uma arquitetura?

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Como surgiu a Internet?

Como surgiu a Internet? Como surgiu a Internet? A internet nada mais é do que a conexão de várias redes de computadores interligadas entre si. O surgimento das primeiras redes de computadores datam a época em que o planeta estava

Leia mais

ARTEC FACULDADE DE IMPERATRIZ

ARTEC FACULDADE DE IMPERATRIZ POLÍTICA DE USO DE EQUIPAMENTO DE INFORMATICA Objetivo: Definir responsabilidades e orientar a conduta dos técnicos administrativos, alunos e professores da FACIMP na utilização dos recursos computacionais,

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9

IREasy Manual do Usuário Versão do manual - 0.0.9 OBJETIVOS DO PROGRAMA DE COMPUTADOR IREasy Permitir a apuração do Imposto de Renda dos resultados das operações em bolsa de valores (mercado à vista, a termo e futuros). REQUISITOS MÍNIMOS DO COMPUTADOR

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Talles

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 Índice 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE...3 1.1 O protocolo FTP... 3 1.2 Telnet... 4 1.3 SMTP... 4 1.4 SNMP... 5 2 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE O sistema

Leia mais

File Transport Protocolo - FTP. Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira

File Transport Protocolo - FTP. Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira File Transport Protocolo - FTP Fausto Levandoski, Marcos Vinicius Cassel, Tiago Castro de Oliveira Universidade do Vale do Rios dos Sinos (UNISINOS) Curso Tecnólogo em Segurança da Informação Av. Unisinos,

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

http://www.uarte.mct.pt

http://www.uarte.mct.pt ws-ftp 1 sobre o programa...... pag.. 2 descarregar o programa a partir do site da uarte... pag.. 3 instalar o programa...... pag.. 4 a 6 iniciar o programa...... pag.. 7 interface dpo programa... pag..

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Internet e Web como redes complexas

BC-0506: Comunicação e Redes Internet e Web como redes complexas BC-0506: Comunicação e Redes Internet e Web como redes complexas Santo André, 2Q2011 1 Agenda Internet e Web como redes complexas Estrutura da Internet como uma Redes Complexa Ligação entre páginas Web

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Aplicação P2P Camada de Transporte Slide 1 P2P O compartilhamento de arquivos P2P é um paradigma de distribuição atraente porque todo o conteúdo é transferido diretamente

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Era da Informação exige troca de informações entre pessoas para aperfeiçoar conhecimentos dos mais variados

Era da Informação exige troca de informações entre pessoas para aperfeiçoar conhecimentos dos mais variados O Uso da Internet e seus Recursos Ana Paula Terra Bacelo anapaula@cglobal.pucrs.br Faculdade de Informática /PUCRS Sumário Introdução Internet: conceitos básicos Serviços da Internet Trabalhos Cooperativos

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

Criando Aplicações para Redes Sociais

Criando Aplicações para Redes Sociais Criando Aplicações para Redes Sociais Gavin Bell Novatec capítulo 1 Criando um aplicativo social Por que você está criando uma comunidade? Se você não consegue responder a essa pergunta depois de pensar

Leia mais

MANUAL DE FTP. Instalando, Configurando e Utilizando FTP

MANUAL DE FTP. Instalando, Configurando e Utilizando FTP MANUAL DE FTP Instalando, Configurando e Utilizando FTP Este manual destina-se auxiliar os clientes e fornecedores da Log&Print na instalação, configuração e utilização de FTP O que é FTP? E o que é um

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

No projeto das primeiras redes de computadores, o hardware foi a principal preocupação e o software ficou em segundo plano.

No projeto das primeiras redes de computadores, o hardware foi a principal preocupação e o software ficou em segundo plano. No projeto das primeiras redes de computadores, o hardware foi a principal preocupação e o software ficou em segundo plano. Essa estratégia foi deixada para trás. Atualmente, o software de rede é altamente

Leia mais

Rede de Computadores (REC)

Rede de Computadores (REC) Rede de Computadores (REC) Aula 04 Camada de Aplicação Prof. Jackson Mallmann dcc2jm@joinville.udesc.br Exemplos de requisição via telnet. iniciar / executar / cmd (Windows) telnet endereço telnet 192.168.1.3

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

DNS: Domain Name System

DNS: Domain Name System DNS: Domain Name System Pessoas: muitos identificadores: RG, nome, passaporte Internet hospedeiros, roteadores: Endereços IP (32 bits) - usados para endereçar datagramas nome, ex.: gaia.cs.umass.edu -

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

FTP - Protocolo. O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para a transferência de arquivos entre computadores.

FTP - Protocolo. O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para a transferência de arquivos entre computadores. FTP FTP - Protocolo O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para a transferência de arquivos entre computadores. A partir do FTP usuários podem receber ou enviar arquivos de ou para outros computadores

Leia mais

GVGO Grupo 3. Perguntas & Respostas. Peer-to-Peer & Cloud Computing. Peer to Peer

GVGO Grupo 3. Perguntas & Respostas. Peer-to-Peer & Cloud Computing. Peer to Peer Perguntas & Respostas Peer to Peer GVGO Grupo 3 Peer-to-Peer & Cloud Computing 1. O BitTorrent (rede P2P desestruturada) utiliza um tracker centralizado para cada swarm. Cite três propriedades que as redes

Leia mais

ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais

ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais PRERELEASE 03/07/2011 Avisos legais Avisos legais Para consultar avisos legais, acesse o site http://help.adobe.com/pt_br/legalnotices/index.html.

Leia mais

COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÕES ENTRE COMPUTADORES ATRAVÉS DA TECNOLOGIA PEER-TO-PEER (P2P) USANDO A PLATAFORMA JXTA

COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÕES ENTRE COMPUTADORES ATRAVÉS DA TECNOLOGIA PEER-TO-PEER (P2P) USANDO A PLATAFORMA JXTA COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÕES ENTRE COMPUTADORES ATRAVÉS DA TECNOLOGIA PEER-TO-PEER (P2P) USANDO A PLATAFORMA JXTA José Voss Junior (FURB) juniorvs@inf.furb.br Francisco Adell Péricas (FURB) pericas@furb.br

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO COLÉGIO ESTADUAL DE PARANAVAÍ ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO, NORMAL E PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DISCIPLINA: INTERNET E PROGRAMAÇÃO WEB 1º MÓDULO SUBSEQUENTE MECANISMOS

Leia mais

Protocolos de Internet (família TCP/IP e WWW) Primeiro Técnico. Prof. Cesar

Protocolos de Internet (família TCP/IP e WWW) Primeiro Técnico. Prof. Cesar Primeiro Técnico Protocolos de Internet (família TCP/IP e WWW) Prof. Cesar 1 TCP - Transmission Control Protocol Esse protocolo tem como principal objetivo realizar a comunicação entre aplicações de dois

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS Aulas : Terças e Quintas Horário: AB Noite [18:30 20:20hs] PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE INTRANETS 1 Conteúdo O que Rede? Conceito; Como Surgiu? Objetivo; Evolução Tipos de

Leia mais

Camada de Aplicação. DNS Domain Name System. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz

Camada de Aplicação. DNS Domain Name System. Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camada de Aplicação Redes de Computadores Prof. Leandro C. Pykosz Camada de Aplicação A camada de aplicação fornece os serviços "reais" de rede para os usuários. Os níveis abaixo da aplicação fornecem

Leia mais

Tutorial. Transmitindo arquivos via FTP. FTP Protocolo da internet responsável pelo envio e recebimento de arquivos com maior eficiência e rapidez.

Tutorial. Transmitindo arquivos via FTP. FTP Protocolo da internet responsável pelo envio e recebimento de arquivos com maior eficiência e rapidez. Tutorial Transmitindo arquivos via FTP FTP Protocolo da internet responsável pelo envio e recebimento de arquivos com maior eficiência e rapidez. Para uma transferência de arquivos via FTP, são necessários

Leia mais

Pesquisas Google - O Essencial

Pesquisas Google - O Essencial Pesquisas Google - O Essencial Para fazer uma consulta no Google, basta digitar algumas poucas palavras de descrição e pressionar a tecla "Enter" (ou clicar no Botão de Busca do Google) para a sua lista

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

APDIF DO BRASIL Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos PIRATARIA MUSICAL. Aspectos Técnicos e Informações Complementares

APDIF DO BRASIL Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos PIRATARIA MUSICAL. Aspectos Técnicos e Informações Complementares PIRATARIA MUSICAL Aspectos Técnicos e Informações Complementares I Curso Regional de Capacitação para Agentes Públicos no Combate à Pirataria. Salvador/BA. Palestrante: Jorge Eduardo Grahl Diretor Jurídico

Leia mais

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Chord Tecnologias de Middleware 2006/2007 Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Tópicos Objectivo Motivação Peer-To-Peer Chord Descrição Geral Características Distintivas Comparação DNS Modelo do Sistema

Leia mais

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 FileMaker Pro 13 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 2007-2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery 12 Razões Para Usar Lightroom André Nery André Nery é fotógrafo em Porto Alegre. Arquitetura e fotografia outdoor, como natureza, esportes e viagens, são sua área de atuação. Há dez anos começou a ministrar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA ESCOLA BÁSICA RAINHA SANTA ISABEL Curso de Educação e Formação (Despacho Conjunto Nº453/2004, de 27 de Julho)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA ESCOLA BÁSICA RAINHA SANTA ISABEL Curso de Educação e Formação (Despacho Conjunto Nº453/2004, de 27 de Julho) Nome: Nazmul alam Nº: 12 Ficha de Trabalho 1. O que é um protocolo? Esta ficha conta para avaliação. É um conjunto de regras de comunicações +ara sistemas informática. 2. Indica um protocolo de envio de

Leia mais

OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft

OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft OneDrive: saiba como usar a nuvem da Microsoft O OneDrive é um serviço de armazenamento na nuvem da Microsoft que oferece a opção de guardar até 7 GB de arquivos grátis na rede. Ou seja, o usuário pode

Leia mais

Procedimentos para realizar download do arquivo de CNPJ

Procedimentos para realizar download do arquivo de CNPJ SECRETARIA DA FAZENDA DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DA RECEITA ESTADUAL GEAF - GERÊNCIA DE ARRECADAÇÃO E FISCALIZAÇÃO COAF - COORDENAÇÃO DE AUTOMAÇÃO FISCAL Procedimentos para realizar download do arquivo

Leia mais

Protocolo FTP. Professor Leonardo Larback

Protocolo FTP. Professor Leonardo Larback Protocolo FTP Professor Leonardo Larback Protocolo FTP O FTP (File Transfer Protocol) é um protocolo de transferência de arquivos. Atualmente, o FTP é definido pela RFC 959 File Transfer Protocol (FTP)

Leia mais

ANGELLIRA RASTREAMENTO SATELITAL LTDA. Sistema LIRALOG. Manual de instalação e atualização TI 30/07/2014

ANGELLIRA RASTREAMENTO SATELITAL LTDA. Sistema LIRALOG. Manual de instalação e atualização TI 30/07/2014 ANGELLIRA RASTREAMENTO SATELITAL LTDA Sistema Manual de instalação e atualização TI 0/07/2014 Este documento descreve os procedimentos para instalação e atualização do sistema Liralog. Data: 0/07/2014

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Conceitos Gerais. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Conceitos Gerais. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb ConceitosGerais ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ConceitosGerais Índice 1 História da Internet... 2 a) No Mundo...

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 2.9 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Snap Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se

Leia mais