A economia do Brasil nos tempos do Barão do Rio Branco

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A economia do Brasil nos tempos do Barão do Rio Branco"

Transcrição

1 A economia do Brasil nos tempos do Barão do Rio Branco Paulo Roberto de Almeida [Ensaio preparado para seminário internacional em homenagem ao Barão do Rio Branco, no centenário de sua morte (Rio de Janeiro, 8-10 maio de 2012) Publicado: In: GOMES PEREIRA, Manoel (Org.): Barão do Rio Branco: 100 anos de memória. Brasília: Funag, 2012, 748 p.; ISBN: ; p A economia política do Brasil na época do Barão Como se apresentava a economia brasileira na época do Barão do Rio Branco, ou seja, grosso modo, a partir da última década do século XIX e na primeira do XX? Dizer que ela era essencialmente agrícola, internamente, ou ainda totalmente dependente das exportações de café e da importação de capitais estrangeiros, externamente, como expresso na literatura tradicional de história econômica, seria simplificar em demasia as caraterísticas de uma economia que começava a diversificar lentamente sua base produtiva doméstica e que lutava para colocar em ordem suas finanças internacionais, ainda que todos os responsáveis políticos estivessem conformados com o fato de que o destino econômico do Brasil estava irremediavelmente ligado ao café. O Brasil era essencialmente agrícola, mas basicamente atrasado. A taxa de analfabetismo era de 65% em 1900 (o número de analfabetos aumentou para 70% em 1920). A maior parte dessa população era de rurícolas entregues a uma agricultura tão primitiva que horrorizou Monteiro Lobato e que o motivou a criar a figura do Jeca Tatu algum tempo depois. Os investimentos estrangeiros, obviamente, se faziam para ampliar a base produtiva nacional, mas a tomada de recursos no exterior pelo governo central e pelas unidades subnacionais tinha, em boa parte das vezes, objetivos não produtivos, isto é, puramente orçamentários. Em uma escala comparativa de bemestar, o Brasil de um século atrás situava-se na média dos latino-americanos, à exceção da Argentina, bem mais rica; os brasileiros tinham uma renda per capita pouco abaixo de 800 dólares, em contraste com os mais de 5 mil dólares dos americanos e cerca de dólares dos argentinos (em dólares de 1990, como calculados por Maddison, 1995; 2001). Quanto à diplomacia, por sua vez talvez excessivamente centrada na figura do barão, nas suas preocupações lindeiras e nas disputas com a Argentina, segundo a literatura especializada do período, ela estava, na verdade, voltada para a defesa do 1

2 grande produto nacional de exportação. Era uma diplomacia do café, da promoção e da defesa desse produto nos mercados externos, o que significava, ao mesmo tempo, a defesa dos interesses financeiros nacionais e dos da classe dominante; era o café que garantia a solvência externa do Brasil e o exibicionismo de suas elites, ironicamente representadas nos salões de Paris pela figura do Brésilien d opérette. Alguns desses brasileiros, a despeito do estilo francês como o próprio Barão, aliás, precisavam sobretudo monitorar as cotações dos Brazilian bonds na City, o centro nervoso, por excelência, do crédito internacional do Brasil: as manias, assim, podiam ser francesas, mas os recursos, estes, eram essencialmente ingleses. Pode-se, em todo caso, tentar ver um pouco mais de perto a conformação estrutural da economia nacional, algumas de suas transformações na caótica transição republicana e suas relações econômicas internacionais, para se fazer uma ideia do Brasil econômico com o qual trabalhava o Barão do Rio Branco em sua gestão prática à frente do Ministério das Relações Exteriores. Três aspectos podem ser retidos neste ensaio de síntese: a economia, em si, ou seja, a base produtiva, com suas características agroexportadoras; os grandes intercâmbios com o exterior, numa fase em que o coeficiente de abertura externa ainda era moderadamente elevado, comparativamente aos padrões observados ao longo do século XX; e, por fim, os fluxos relativos às finanças internacionais, elemento crucial da vida nacional e aspecto que sempre limitou as possibilidades de desenvolvimento econômico e social, pelo apelo constante que o Brasil necessitava fazer a capitais e know-how estrangeiros, em função da falta de recursos próprios e, sobretudo, de capital humano; tudo isso para o engrandecimento da nação o conceito de desenvolvimento ainda não era muito comum, objetivo de todos os estadistas da época, mormente em face da muito mais rica e poderosa Argentina, país que constituiu, aliás, o grande problema diplomático da gestão do Barão (e talvez não só dele, e não só dessa época). A literatura especializada na época do barão, em especial a produção acadêmica no campo da história econômica brasileira, já é suficientemente abundante para ser citada apenas seletivamente, que foi, finalmente, a opção adotada neste trabalho; como se tratava, justamente, não de um estudo exaustivo, mas de um ensaio de síntese geral, as referências bibliográficas e as remissões no corpo do texto foram reduzidas ao essencial, tendo os dados editoriais completos sido reunidos ao final do ensaio. Alguns trabalhos anteriores do autor já abordaram, sob vários aspectos, a 2

3 diplomacia econômica dessa época, com base nas principais obras de história econômica relativas ao período (Almeida, 2003; 2005; 2012). O que era a economia brasileira, na transição para o século XX? Quando Rio Branco assumiu o ministério da Rua Larga a economia brasileira estava em meio a uma lenta recuperação. O país restabelecia-se de uma década inteira de experimentos republicanos na política econômica, de duas catastróficas revoltas militares internas, de uma guerra desastrosa contra os bárbaros do sertão da Bahia, de uma volatilidade mais do que anormal na frente cambial e de um Funding Loan quase humilhante para os brios nacionais, pois foram comprometidas as rendas das alfândegas do Rio de Janeiro, caso o Brasil não honrasse os termos da renegociação da dívida feita em meados de 1898, entre o presidente eleito Campos Sales e os banqueiros do Brasil, os Rothschild. O governo provisório, sob a batuta de Ruy Barbosa, mais jurídica-política do que propriamente econômica, começou tentando liberar o espírito associativo e empreendedor dos poucos capitalistas nacionais e autorizou maiores emissões bancárias e de ações do que recomendaria a prudência dos estadistas do Império, excessivamente conservadores para o gosto econômico jacobino dos novos donos do poder. O modesto saldo em moeda em circulação no final de 1889 cerca de 11 mil contos de réis elevou-se para quase 128 mil contos em um ano. No decorrer de 1890, o estoque monetário total Tesouro mais bancos cresceu ao ritmo de 51,7% devido à emissão dos bancos. No mercado de câmbio, a depreciação da moeda nacional... experimentou aceleração (Senna, 2010: ). Tabela 1 - Estoque monetário no Brasil, (contos de réis) Anos Notas do Tesouro Emissões dos bancos Total Fonte: Calógeras, A Política Monetária do Brasil (1960), apud Senna, 2010: 419. A situação se tornou ainda mais tensa depois do default da Argentina, em 1890, o que provocou a quase quebra do Banco Barings seguida da retração imediata de novos créditos estrangeiros aos países da região. O Brasil se viu engolfado no chamado encilhamento, uma típica bolha especulativa agravada pela inexistência de 3

4 regras prudenciais relativas ao lançamento de ações e à regulação das emissões dos bancos. Ocorreram, assim, entre outras consequências, uma desvalorização ainda maior da moeda, pressões inflacionistas insuportáveis, o recurso emergencial a empréstimos externos e, depois que todos os expedientes se esgotaram, a inevitável ameaça de default, conjurada pelo acordo financeiro de 1898; pode-se dizer que toda a primeira década republicana foi um laboratório de experimentos econômicos, como bem estudado em trabalhos de Gustavo Franco (1983; 1989). Seguiram-se os anos de ajuste recessivo patrocinados por Joaquim Murtinho, até que a economia começou lentamente a se recuperar no início do novo século. O novo governo, presidido por Rodrigues Alves, preservou o essencial das políticas econômicas anteriores, mas as condições internas e externas eram necessariamente outras. O Estado, sempre presente na frente econômica Não se fizeram novas grandes economias tanto que se decidiu reequipar a Marinha com três novos barcos de guerra, embora a situação do crédito e das contas públicas continuasse delicada; no entanto, teve início um longo processo talvez ainda não de todo encerrado, ou até renovado, hoje de intervenção do Estado na economia, com o recurso habitual ao protecionismo tarifário e o apoio à indústria nacional por uma série de mecanismos que foram sendo aperfeiçoados ao longo do século XX. O Estado brasileiro, como evidenciado na obra de Steven Topik (1987), assumiu um papel de defensor e de promotor da atividade econômica nacional, como poucas vezes se assistiu em países exportadores de matérias-primas. O Brasil era, basicamente, exportador de algumas poucas matérias primas agrícolas: na última década do século XIX, oito produtos agrícolas eram responsáveis por 95,6% do total exportado, dos quais o café (64%) e a borracha (16%) eram os principais, sendo os 15% restantes tomados pelo açúcar (5,6%), algodão e couros (2,5% cada um), fumo e mate (Schlittler, 1953: 8). A República decidiu despertar os espíritos animais da pequena tribo de capitalistas nacionais. O novo espírito empreendedor foi, eventualmente, acrescido de um começo de desconfiança do capital estrangeiro, pelo menos daquele que pretendia investir diretamente no país, ao passo que os empréstimos e financiamentos eram sempre muito bem acolhidos; ou melhor, buscados avidamente no exterior. A larga autonomia concedida a estados e municípios pela Constituição de 1891 autorizou-os a recorrerem ao canal das emissões externas, o que foi usado e 4

5 abusado extensivamente, resultando em um festival de contratação de empréstimos externos, com aumento vertiginoso do endividamento geral. Uma lei do similar nacional, aprovada nos tempos do barão, ratificou o que já era uma realidade aferida por pesquisa de terreno: um levantamento do Centro Industrial do Brasil, efetuado em 1907, a pedido do governo federal, constatou que a maior parte do consumo aparente de vários produtos manufaturados de uso corrente no País já era atendida pela produção nacional (Versiani; Suzigan, 1990: 5). O novo ativismo estatal em apoio à economia nacional combinou-se, obviamente, ao interesse próprio dos principais atores econômicos do país naquela fase, os exportadores de café, que não deixaram de explorar a possibilidade de mobilizar o apoio governamental cada vez que as necessidades se fizeram sentir. Isso se traduziu em diferentes medidas de valorização do café, a única palavra genuinamente brasileira que foi anglicizada no seguimento das operações de retenção de estoques excedentários pela via de financiamentos externos. A principal crítica dos tribunos republicanos à política econômica do período monárquico se resumia a uma simples frase: O Império é o déficit!. Pois bem, a República continuou com essa prática em proporções nunca antes vistas no país, até que o rigor de Sales e Murtinho, de 1898 a 1902, reverteu contudo, apenas temporariamente a prodigalidade orçamentária. As condições de financiamento interno eram mais do que precárias um Banco do Brasil digno desse nome, capaz de cumprir funções monetárias e comerciais, demorou a ser implementado e o recurso ao endividamento externo continuou, ainda que de forma moderada em determinadas conjunturas do cenário internacional (na crise do Barings, por causa da Argentina, no início da República, por exemplo), para voltar de forma exacerbada nos demais anos. Empréstimos e mais empréstimos O apelo a recursos privados foi necessariamente contido no quadriênio Sales- Murtinho et pour cause: Funding Loan oblige, pois o empréstimo de consolidação de 10 milhões de libras esterlinas dos Rothschild exigia o recolhimento de valor equivalente em mil-réis; entretanto, a prática deflacionária durou apenas até 1905, registrando-se, depois, novos aumentos do meio circulante. No plano das dívidas pouco soberanas, os estados e municípios, no período de 1900 a 1912, aumentaram em dez vezes sua exposição externa, que passou, globalmente, de 5,7 para 49,1 5

6 milhões de libras, o que representava quase dois quintos da dívida externa federal, passando de 12% a 37% do total (Dean, 1989: 222; Fritsch, 1988: 218). A orgia de empréstimos externos conduzidos por estados e municípios pouco afeitos às normas de uma saudável contabilidade pública constituiu, provavelmente, a herança maldita da Constituição de 1891, equivocadamente federalista em suas regras laxistas de empréstimos externos. Essa característica construiu uma enorme bola de neve financeira quando as fontes de capitais secaram na Primeira Guerra Mundial e, posteriormente, depois de 1929: as marcas negativas desse período, sob a forma de dezenas de Brazilian bonds de feitura subnacional, persistiriam por décadas. No campo fiscal, foram feitos esforços para a contenção de gastos (por exemplo, com corte substancial de despesas militares e pensões públicas), mas, como sempre ocorre, novos recursos foram buscados via aumento da pressão tributária. Murtinho providenciou o aumento da arrecadação de impostos sobre importação, principal fonte de recursos orçamentários, e criou um tributo sobre a circulação de produtos nacionais no país (Senna, 2010: 425). As alegações de certa historiografia de que ele tivesse conduzido uma política liberal, quase que de desmantelamento do Estado, não encontram apoio num exame circunstanciado das medidas então adotadas. Em qualquer hipótese, o caráter cíclico da economia cafeeira determinava os altos e baixos da economia real, do câmbio e das importações, com severos impactos fiscais (Leff, 1991; Baer, 1996). A economia como um todo era notoriamente modesta para um país das dimensões e com os recursos do Brasil; registre-se, todavia, que a população era ainda bastante reduzida para a vastidão do território, concentrando-se numa estreita faixa do litoral que também abrigava um arquipélago de pequenas indústrias, como não deixou de notar um visitante francês do começo do século: Aucune région ne peut être considérée comme un foyer industriel. [...] Au Brésil [...] la dispersion industrielle est extrême (Denis, 1909: 69). Na verdade, o Brasil não possuía um mercado nacional integrado e os preços variavam bastante de uma região para outra. À distância de um século, pode-se perguntar se a unidade do mercado nacional foi alguma vez efetivamente realizada, tantas são as variações entre impostos e suas respectivas legislações entre uma região e outra. As comunicações entre as regiões eram extremamente precárias e insuficientes, seja por estradas, pelos fios do telégrafo ou pela navegação de cabotagem, cabendo novamente formular a questão de saber se, 80 anos depois da sua 6

7 independência, o Brasil já tinha conseguido se constituir em um espaço econômico integrado. Provavelmente não. As estradas de ferro serviam aos objetivos da exportação de café, e os portos eram notoriamente precários. Mesmo uma capital como o Rio de Janeiro ainda lutava contra surtos de febre amarela e outras endemias típicas de um país tropical que pretendia se fazer civilizado. Uma fiscalidade trôpega A política fiscal era, obviamente, tosca, mal implementada, e tanto mais caótica, que a Constituição tinha garantido larga autonomia aos estados. À União cabiam as receitas de importação (ademais das taxas de correios e telégrafos e alguns serviços seletivos, ou taxas de selo), mas os estados coletavam impostos sobre as exportações, sobre os imóveis rurais e urbanos, sobre transmissão e propriedade, e sobre indústrias e profissões (além de outros serviços). O mesmo visitante francês registrava que os direitos de exportação constituíam a principal fonte de receitas da maioria dos estados (Denis, 1909: 56). Esse dispositivo constitucional obviamente beneficiava São Paulo, mas deixava na penúria os estados que não tinham produtos de exportação; esses estados, então, recorriam à imposição de tributos sobre importações de outros estados, uma evidente barreira comercial ainda por cima inconstitucional que já tinha começado no Império e que continuou na mudança de regime, causando muitas reclamações dos cônsules estrangeiros, que se espantavam com o caos fiscal que constituía a jovem República. Obviamente, as intervenções salvadoras nos estados, conduzidas pelo governo central, se destinavam bem mais a afastar uma oligarquia política e colocar uma outra facção no poder, do que a por ordem nas finanças públicas ou interromper essas práticas tributárias espúrias. O caráter primitivo das políticas econômicas refletia, essencialmente, a ausência de mercado interno no Brasil, e especialmente de um mercado de créditos e de mão-de-obra especializada, situação que começou a ser atenuada apenas com a intensificação da imigração europeia. Durante algum tempo, logo ao início da República, o barão atuou, justamente, como comissário de imigração, entre o consulado em Liverpool e o primeiro caso de limites. As tendências escravocratas dos fazendeiros de café, mesmo em face de agricultores europeus, cuja imigração tinha sido subsidiada em grande medida pelo estado de São Paulo, resultaram em várias reclamações de cônsules a seus governos: o da Itália, por exemplo, chegou a proibir, 7

8 em 1902, a emigração subsidiada para o Brasil, até que o tratamento da mão-de-obra melhorasse substancialmente. A situação não era melhor para os japoneses, ou outras raças, o que apenas refletia o caráter extremamente predatório de uma elite que, mesmo tendo no café sua principal riqueza, não hesitava em exportar sacos e mais sacos do produto contendo pedras, gravetos e outros resíduos. O protecionismo dominante, a ausência de poupança e a consequente penúria de capitais tornavam o Brasil, ao início do século XX, um país extremamente caro do ponto de vista dos bens correntes, como relatam diversos viajantes: juros na faixa de 10%, ou mesmo superiores a 12%, eram comuns, e os consumidores se sujeitavam a pagar preços extorsivos devido à ausência quase completa de concorrência (Denis, 1909: 71), traços que continuam presentes na vida brasileira, um século depois. Quando se observam outras características da economia brasileira e de suas políticas econômicas, a um século de distância, tem-se por vezes a impressão de que o país descreveu uma parábola econômica quase perfeita: exportações agrícolas, orçamentos deficitários, juros altos, indecisões cambiais, protecionismo comercial, país caro... Quais eram os grandes intercâmbios externos? O Brasil é o café e o café é o Brasil : assim se dizia desde o Segundo Império e durante quase toda a velha República. De fato, a partir de modestas exportações de 60 mil toneladas anuais na terceira década do século XIX, o Brasil passou a vender ao exterior quase 900 mil toneladas, um ano antes de Rio Branco assumir o MRE. Mesmo vendendo um produto de baixa qualidade, as plantações de café do Brasil ainda representavam, no final dos anos 1920, 2,1 bilhões de árvores de um total mundial de 3,2 bilhões de árvores. Os preços, como esperado, flutuavam ao sabor dos imponderáveis da oferta agregada, com as manipulações, também esperadas, que podiam fazer os grandes importadores e os grandes produtores, como o Brasil: geralmente ficaram em torno de 15 centavos de dólar por libra-peso, mas a volatilidade conjuntural era a regra, com os efeitos que se sabe sobre a paridade cambial: aqui também o governo sempre pretendeu fixar uma taxa de câmbio mais favorável aos exportadores, mas as variáveis do mercado eram frequentemente mais poderosas do que os desejos dos decisores políticos. Na época do barão, as exportações de borracha ainda se encontravam num pico extremamente prometedor, chegando a alcançar 39% do total em 1910, para despencar, catastrófica e irremediavelmente, a partir de 1913, quando a concorrência 8

9 da hevea brasiliensis da Malásia finalmente se apresentou nos mercados. Enquanto duraram, os ganhos da borracha foram extraordinários: de um modesto valor de 182 libras esterlinas a tonelada, em 1870, a borracha chegou a alcançar 512 libras em 1911, reforçando as receitas em divisas dos exportadores e as rendas fiscais da União, uma vez que o Acre ficou sendo um território federal: em três anos de exportação de borracha se pagou a indenização à Bolívia (Denis, 1909: 53). Rubens Ricupero (2012: 123) estima, por sua vez, que os ganhos permitidos pela exploração e manutenção da borracha, representaram, em 1910, vinte vezes mais do que os 2 milhões de libras esterlinas despendidos na compra do Acre (valor nominal fixado no tratado bilateral, que corresponderia, aproximadamente, a 235 milhões de dólares atualizados). O açúcar ainda chegou a experimentar breve retomada na oferta externa, em função de esforços de modernização da indústria moageira no final do Império, mas a concorrência dos produtores mais eficientes do Caribe (de resto, mais próximos dos EUA do que de Deus) ou da variante de beterraba na Europa, acrescida das políticas subvencionistas e protecionistas nos principais países consumidores, contribuíram para a estagnação e até o recuo das exportações do principal produto da era colonial. Poucos outros produtos primários completavam a pauta exportadora, nenhum deles com dinamismo suficiente para impulsionar um vigoroso crescimento interno, como observado por vários historiadores econômicos (ou por economistas historiadores, mais frequentes que os primeiros). A balança comercial, ainda que produzindo saldos positivos desde meados do século XIX, era, de fato, extremamente dependente de um número reduzido de produtos primários, como evidenciado na Tabela 2, a seguir. 9

10 Tabela 2 - Composição das principais exportações brasileiras, (% do total) Exportações dos principais produtos primários Outros Ano Café Borracha Outros * Total produtos ,5 9,8 17,7 94,0 6, ,7 9,9 20,4 95,0 5, ,8 10,6 17,5 95,9 4, ,7 15,5 12,2 96,4 3, ,8 16,3 16,1 96,2 3, ,6 24,0 14,2 94,8 5, ,0 21,2 16,1 96,3 3, ,8 20,0 19,2 95,0 5, ,6 28,4 15,8 94,8 5, ,0 26,5 16,8 95,3 4, ,2 26,7 15,8 94,7 5, ,3 39,1 14,2 95,6 4, ,4 21,6 11,9 95,9 4, ,3 15,9 17,3 95,5 4, ,7 13,0 20,4 93,1 6, ,1 6,6 28,0 65,7 34,3 Fonte: Anuário Estatístico do Brasil, , apud Fritsch, 1988: ; * = algodão bruto, cacau, tabaco, mate, couros e peles. Mais importante, talvez, do que a simples concentração das exportações em seis ou oito produtos não processados representando mais de nove décimos do total da oferta exportável (Palazzo, 1964: 232; Schlittler, 1953: 8) era a baixa capacidade de expandir a oferta exportável dos produtos já comercializados. O crescimento das exportações do Brasil, e de seu poder de compra, se manteve, durante todo o período de 1890 a 1912, numa média anual inferior à da progressão comparada dos dados equivalentes para a América Latina, em seu conjunto, e notadamente em relação à expansão registrada para os países mais dinâmicos, como Argentina e Chile, que se beneficiaram da grande demanda mundial por seus produtos (Bulmer-Thomas, 1994: 65). Esse baixo dinamismo relativo das exportações primárias brasileiras está certamente vinculado à pequena agregação de valor desses produtos, daí sua pequena competitividade externa e a reduzida alavancagem que eles poderiam oferecer a um processo sustentado de crescimento econômico, mesmo baseado em commodities. A política econômica e, de fato, toda a diplomacia econômica de um Brasil agroexportador que, exceção feita aos anos de bonança associados à borracha, tinha sido reduzido basicamente a um exportador de café, poderiam ser resumidas num único conceito, avassalador: valorização. Em uma conferência internacional do café, realizada em Nova York, em 1902, os delegados brasileiros tentaram montar um 10

11 cartel para o controle das exportações, mas a proposta não foi adiante, inclusive porque o governo, por falta de autorização legislativa, deixou de convocar, como esperado, nova reunião dos exportadores em São Paulo (Bueno, 2003: 76). Os parlamentares, que eram também produtores de café, se perguntavam provavelmente quem iria, finalmente, arcar com os custos da retenção dos estoques, sendo que todos sabiam que o responsável pelo excesso de ofertas era o próprio Brasil. Volatilidade cambial Mas mesmo a política de valorização, febrilmente defendida pelos estados produtores e exportadores de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, não podia impedir a extrema volatilidade cambial, inclusive por razões que não tinham muito a ver com o curso do café nos mercados mundiais: o motivo principal eram as emissões de papel-moeda, sempre a cargo do governo federal. Esse movimento ocorria paralelamente à reorganização bancária, com o reagrupamento e a criação de novas instituições, entre elas os bancos que mais tarde dariam origem ao (quarto, ou quinto) Banco do Brasil, mais um sinal do intervencionismo governamental. No momento da queda do Império, por exemplo, o câmbio ainda se elevava a 27 3/16 pence por mil-réis, com uma massa circulante de papel-moeda equivalente a 174 milhões (ou contos) de réis. Com as emissões sucessivas da República, a baixa do câmbio se acentua, passando a 12 pence, em média, na primeira metade da década, e a menos de 10, na segunda metade. Em 1898 e no primeiro trimestre de 1899, o câmbio atingiu seu ponto mais baixo, entre 7 e 6 pence por mil-réis, e as emissões tinham se elevado a 785 milhões de réis. Para cobrir as obrigações, o Tesouro, invariavelmente, fazia novas emissões, o que agravava os problemas dos déficits e do câmbio. Ainda que não se possa traçar uma relação de causalidade entre esses aumentos do meio circulante e os movimentos baixistas do câmbio para os quais interferiam outras variáveis independentes, entre as quais a oferta de capitais internacionais e, sobretudo, o curso do café nas bolsas de mercadorias é evidente que a expansão da oferta de moeda no mercado doméstico gerava uma maior procura por cambiais, tanto mais importantes que a oferta de insumos e produtos acabados, em geral, no Brasil, sempre foi insuficiente, sendo coberta, em larga medida, pelas importações (ver, in fine, as tabelas relativas ao câmbio e às emissões monetárias). O Funding Loan de Campos Sales na verdade, dos Rothschild, que o fizeram sustentar pelas receitas das alfândegas, sempre garantidas inverteu a situação, ao 11

12 custo do recolhimento do meio circulante e sua destruição: em abril de 1908, cerca de 145 milhões de réis, um quinto da massa total, já tinham sido incinerados, o que permitiu elevar o câmbio a 16 pence. A política de valorização, por sua vez, pelo seu aspecto de retenção de estoques, contribuiu, à sua maneira, para acentuar a tendência. Tanto em virtude de suas modalidades funcionais, envolvendo uma complexa operação de compra e de estocagem de volumes apreciáveis de café, em três estados, quanto em razão de seu aspecto inovador, em termos de políticas públicas, a valorization merece um tratamento mais elaborado. Uma política errática de valorização: o convênio de Taubaté Independentemente das manipulações que todos os governos praticavam em matéria de tarifas aduaneiras ou de compra e venda de ouro, numa época de respeito quase sagrado pelo lastro-ouro das moedas, a intervenção levada a cabo numa indústria relevante como a do café, inclusive pelos valores envolvidos na operação, constituiu uma novidade mundial em matéria de economia política (Delfim Netto, 1976; 2009), o que não deixou de ser registrado em veículos tão respeitáveis quanto já era então a Economist. O intervencionismo do Brasil, que era, na verdade, conduzido pelos três maiores estados da federação, não deixou de se deparar com reações muito negativas na Europa e nos Estados Unidos, onde a política foi tomada pelo que ela era, realmente: uma especulação em detrimento dos consumidores e em favor de produtores quase monopolistas. Antes mesmo da República, a produção de café do Brasil estimada em mais de cinco milhões de sacas de 60 kg já tinha ultrapassado mais da metade do volume total da produção mundial, então situada em pouco mais de nove milhões de sacas. Em 1904 e 1905, pouco antes do convênio, a produção do Brasil na faixa de 10,5 milhões de sacas já representava dois terços do volume global, pouco acima de 15,5 milhões. Ou seja, quase todo o aumento da produção foi devido inteiramente ao Brasil. Nessa época, os estoques de café já se elevavam a 11 milhões de sacos, equivalentes a 7/10 do consumo mundial. As arvores de café plantadas em 1902 prometiam para 1906 uma produção ainda mais espetacular, independentemente do fato de o governo paulista ter proibido novas plantações desde O Convênio de Taubaté, portanto, não foi feito de afogadilho, mas resultou de deliberações longamente efetuadas entre os principais estados produtores (no início com a presença, também, do Espírito Santo), todos buscando a sustentação dos cursos 12

13 do café nos mercados mundiais, numa fase de oferta excedentária crescente. O acordo firmado em fevereiro de 1906 previa que os estados se esforçariam para manter os valores do café ao preço mínimo de 55 a 65 francos ouros por saco de 60 kg, podendo ir a até 70 francos ouro posteriormente. Ao mesmo tempo, os estados se comprometiam a estabelecer uma taxa de 3 francos ouro sobre cada saca exportada, montante a ser repassado à União para o pagamento de juros e amortização dos capitais necessários à execução da convenção; a União se comprometia a criar uma Caixa de Conversão para operar um segundo tipo de moeda, desta vez conversível, ao câmbio fixo de 15 pence por mil-réis (Fritsch, 1988: 16). O estado de São Paulo ficou encarregado de contrair empréstimos externos, garantidos solidariamente pelos três intervencionistas, até o valor estimado de 15 milhões de libras esterlinas, que seriam depositadas na Caixa de Conversão em fase de criação sob a responsabilidade do novo presidente Affonso Penna. A Caixa ficaria responsável pela emissão de moeda conversível, a ser emitida com o objetivo de sustentar um câmbio fixo para a moeda. O presidente, aliás, era oficialmente convertido em árbitro para resolver quaisquer diferenças que surgissem entre os estados a propósito da aplicação da convenção. Para obrigar à retenção da oferta, os estados se comprometiam a recolher dos exportadores um imposto equivalente à diferença entre o preço fixado e o valor de mercado, o que os desestimulava a vender abaixo do valor de referência. No entanto, para evitar a ruína de produtores tão importantes e do comércio em geral, o governo federal se comprometia a comprar de todos os produtores o café levado aos depósitos governamentais, à razão de 20 mil-réis por saca de 60 kg; uma emissão de 60 milhões de réis foi autorizada para tal efeito, o que foi julgado insuficiente pela Sociedade Nacional de Agricultura, que retrucou com a proposta de uma emissão de 180 milhões de réis. O novo monopólio do Estado federal sobre a mais importante atividade econômica do Brasil deve ter contribuído para enterrar o pouco de liberalismo econômico que talvez subsistisse entre as classes produtoras (pelo menos as agrícolas, pois as lideranças industriais sempre foram favoráveis ao intervencionismo estatal). No plano diplomático, o serviço exterior foi chamado a negociar com os países consumidores a redução dos direitos alfandegários, a estimular o consumo por meio da propaganda oficial, a combater o uso da chicória e outros acréscimos ao café puro, a denunciar as falsificações ou, ainda, tentar, na Inglaterra e no Extremo Oriente, substituir o chá pela valorosa bebida nacional. No plano interno também se 13

14 cuidava de estimular o consumo, iniciativa similar ao registrado na França, em diversas épocas, em relação ao seu vinho. Curiosamente, pouco se falava da melhoria da qualidade do produto, e de seu tratamento para a exportação, como começavam a fazer concorrentes vizinhos como a Colômbia que não esperavam poder bater o Brasil pela quantidade. Na prática, a operação foi bem mais complicada do que o previsto no convênio assinado em Taubaté: o estado de São Paulo teve de se desempenhar sozinho para conseguir um empréstimo de 3 milhões de libras esterlinas junto aos banqueiros Schröder, de Londres os Rothschild, desta vez, foram totalmente contrários à operação e ao City Bank de Nova York; o montante era garantido pelo imposto de 3 francos ouro por saca exportada. Outra parte foi obtida junto aos principais importadores estrangeiros, que se dispuseram a adiantar até 80% do preço das sacas de café, à condição que elas fossem encaminhadas a seus depósitos (no Havre, em Antuérpia, em Hamburgo, em Trieste, etc.). Ao final, o estado de São Paulo ainda ficou com perto de 8 milhões de sacas retidas em seus depósitos, um total expressivo, sob qualquer critério. Um importador, Theodor Wille, se comprometeu a comprar parte dos estoques, mas apenas os de café de tipo superior, o que levantou protestos dos demais produtores (geralmente de Minas Gerais e do Rio de Janeiro). O Banco do Brasil, recentemente criado, foi então autorizado pelo presidente Affonso Penna a emprestar 6 milhões de réis ao estado de São Paulo, para que este pudesse adquirir os cafés de qualidade inferior (as autoridades financeiras, no Brasil, sempre demonstraram extrema sensibilidade para o salvamento de indústrias em perigo). O governo federal fez mais ainda: tentou obter um empréstimo de 5 milhões de libras junto aos seus banqueiros londrinos, os Rothschild, sendo inteiramente rechaçado na iniciativa, tendo ainda de sofrer a humilhação de uma carta aberta do próprio Lord Rothschild, afirmando que jamais comprometeria a credibilidade de sua instituição em uma aventura desse tipo. São Paulo ainda teve de ceder a estrada de ferro Sorocabana a um consórcio franco-americano, contra uma antecipação de 2 milhões de libras esterlinas; o estado também renovou a proibição de se plantar novas árvores por cinco anos adicionais. Felizmente, uma colheita miserável, em 1907, acalmou os mercados e os nervos dos estadistas paulistas. A política de valorização também enfrentou obstáculos jurídicos, em função das operações de empréstimos externos que sustentaram a retenção dos estoques, à espera da valorização, justamente. Anos depois, em 1912, o 14

15 Procurador-Geral de Nova York iniciou procedimentos antitruste contra os agentes do Comitê de Valorização da cidade, o que levou ao embargo de milhares de sacas de café ali estocados (Fritsch, 1988: 28). Ao final, o próprio Rothschild participou de nova operação de empréstimo externo destinada a financiar a liquidação da valorization, o que passou pela venda de todo o estoque retido em Nova York. Na prática, a valorização acabou aí, mas, pelo menos, a palavra já tinha sido incorporada ao vocabulário inglês; essa parece ter sido a grande contribuição do intervencionismo brasileiro à expansão da língua de Shakespeare. Protecionismo comercial: por instinto e por necessidade O outro grande conceito prevalecente na política econômica, muito debilmente contestado pelos poucos liberais presentes na vida nacional, era pode-se dizer que ainda é o do protecionismo, aplicado sistematicamente tanto por razões supostamente defensivas e de promoção da indústria nacional que no entanto era basicamente importadora de todos os seus insumos quanto por motivos absolutamente fiscais, compreensivelmente bem mais poderosos que quaisquer outros. O mesmo visitante francês dos tempos do barão era obrigado a reconhecer que la douane fédérale est aujourd hui une puissance (Denis, 1909: 67); substitua-se Aduana por Receita, e a frase mantém-se integralmente válida em nossos tempos. O protecionismo instintivo, a tendência a insular a indústria nacional da concorrência estrangeira uma espécie de stalinismo industrial avant la lettre, que aliás continua presente nas atuais tentativas de verticalização da produção industrial não só promovia os interesses restritos dos poucos industriais nacionais, e os defendia das ameaças vindas, nessa época, das primeiras potências industriais, mas também reduzia o coeficiente de abertura externa da economia, isolando o Brasil das pressões competitivas externas e diminuindo o peso das exportações sobre o PIB: assim, mesmo mais do que duplicando o valor das exportações entre o final do Império e o período imediatamente anterior à Primeira Guerra, o Brasil conheceu, na verdade, uma redução da participação das exportações no PIB, de aproximadamente 12% na fase anterior, para menos de 10% em 1913 (tendência que continuou a se acentuar na República durante praticamente 80 anos). Mesmo que certa literatura econômica mais exatamente histórica pretenda que os EUA sempre praticaram protecionismo extensivo, e que a famosa Tarifa 15

16 Hamiltoniana esteve na base da industrialização daquele país, o fato é que o Brasil foi, no fundo e na forma, bem mais protecionista do que os EUA e do que quaisquer outros países ao longo do século XIX e nas primeiras três décadas do século XX. A única ressalva que se poderia fazer era que, desde o início do Império até praticamente a Segunda Guerra Mundial, as tarifas exorbitantes sobre o comércio exterior (nos dois sentidos), tinham funções basicamente fiscais, mais do que defensivas (ver o quadro analítico ao final do trabalho), o que igualmente era o caso, diga-se de passagem, dos EUA, onde o imposto sobre o comércio exterior também constituía uma das poucas fontes de receita atribuídas pela Constituição à União. A última tarifa do Império, aprovada em janeiro de 1889 por João Alfredo, era de tipo móvel, ou seja, procurava acompanhar a variação do câmbio. Rui Barbosa, logo ao início de 1890, efetuou a introdução da quota-ouro, o que significava que uma parte, ao menos, do imposto aduaneiro, teria de ser paga em moeda forte: originalmente fixada em apenas 2%, essa fração subiu para 10% em 1898, para 25% em 1900, para 35% em 1905, até finalmente alcançar 60% em 1922, o que reflete, em grande medida, os impulsos inflacionários do período. Ainda em 1890, o mesmo Rui Barbosa preside a nova reforma tarifária: ela se aplica a cerca de itens da pauta, a maior parte a taxas fixas, com aplicação de tarifa adicional ad valorem a 89 itens; o nível mais elevado ad valorem era fixado em 60% (Almeida, 2011). Rodrigues Alves, ministro da Fazenda entre 1894 e 1896 antes, portanto, de se tornar presidente e chefe de Rio Branco efetuou nova reforma tarifária em abril de 1896, num sentido altamente protecionista: foi feita a supressão do adicional, mas houve a definição de duas pautas, uma geral e outra mínima, para utilização de acordo com conveniências da política comercial; o nível mais elevado ad valorem foi fixado em 84%. Bernardino de Campos, que o sucedeu, opera novas mudanças na pauta, com redução em certos itens e aumento considerável em outros; o nível mais elevado ad valorem passa então a ser de 200%; constatando-se que as receitas diminuíam, em lugar de aumentar, o mesmo ministro em mais outra contribuição pioneira do Brasil à teoria econômica universal, desta feita antecipando em mais de 70 anos a famosa curva de Laffer decidiu revisar para baixo a tarifa anterior, via redução de vários itens, com vistas, obviamente, a fazer crescer os recolhimentos das alfândegas, absolutamente necessários à sobrevivência do Estado (ou seja, da União). Finalmente, contrariando certa literatura que o acusa de liberal ou até de neoliberal, conforme a prática atual o famoso Joaquim Murtinho, de pleno acordo 16

17 com esse outro liberal que era Campos Sales, implementa, em 1900, uma nova tarifa que elevou bastante os direitos de importação; os objetivos, porém, essencialmente fiscais e muito pouco motivados por preocupações protecionistas. Foi revista a aplicação da tarifa ad valorem a 114 itens (sobre 1.070), sendo 100% o nível mais elevado; preservou-se também a dupla pauta, ou seja, a aplicação da tarifa mínima ao tratamento de favor e da tarifa em dobro como arma de represália comercial, como era hábito em outros paladinos do protecionismo comercial, como a França, por exemplo. Essa foi a tarifa que, com pequenas mudanças, manteve-se durante toda a gestão de Rio Branco à frente do Itamaraty, enquanto na Fazenda se sucediam cinco ministros. Para que não persistam dúvidas sobre quão protecionista era o Brasil, nesse período, visualize-se a Tabela 3 a seguir, construída a partir de dados compilados pelos economistas Michael Clemens e Jeffrey Williamson (2001), que se dedicaram a comparar o grau de proteção efetiva existente em diversos países, mediante a montagem de uma alíquota tarifária média a partir do montante total das taxas de importação como fração do valor global das importações. Tabela 3 - Tarifas Aduaneiras Comparadas, (média tarifária a partir de receitas de importações sobre o valor total das importações) Ano G.-B. EUA Alemanha França Japão Argentina Brasil ,8 26,6 8,8 8,0 5, , ,9 23,6 8,5 11,2 3,5 28,9 24, ,8 20,7 10,1 10,7 2,6 23,9 35, ,8 22,1 9,4 10,8 2,4 25,7 41, ,6 27,0 8,1 8,8 5,8 26,5 30, ,4 26,9 8,5 8,4 5,2 24,9 38, ,4 25, ,6 7, , ,1 23,4 7,4 8,2 9,5 23,0 44, ,5 21,0 7,4 8,2 7,8 21,6 41, ,4 17,7 6,3 9,2 10,1 20,8 34,2 Fonte: Clemens-Williamson, Não é preciso dizer que certos países latino-americanos sempre foram e provavelmente continuam sendo os campeões absolutos das tarifas elevadas, em alguns casos até ao exagero, como exemplificado pelo próprio Brasil. Outros países, como os EUA, alegadamente protecionistas, em função de alíquotas altas em determinadas categorias especiais, ou de produtos seletivamente protegidos em função de lobbies ou políticas estatais, acabam sendo beneficiados por esse tipo de abordagem, já que a metodologia seguida, pode, por um lado, distorcer determinadas incidências da proteção comercial, ao passo que ela permite, por outro, uma visão mais clara sobre a orientação geral da política comercial do país em questão. 17

18 Não resta dúvida, porém, de que, se houve um país que exibiu tarifas Hamiltonianas ao longo de toda a sua história, esse país foi claramente o Brasil, ainda que os motivos, como sempre ocorre nesses casos, fossem alegadamente fiscalistas, mais do que para atender aos instintos protecionistas, aliás, também sempre presentes na psique nacional. De fato, no período aqui coberto última década do século XIX e primeira do XX o peso dos impostos de importação no total das receitas públicas variou entre 47% e 58%, segundo um estudioso da questão (Silva, 1969: 225; 1983). Uma velha geografia do comércio internacional No plano da geografia comercial, a mesma concentração registrada na oferta de produtos exportáveis se reproduzia nas transações comerciais, com cinco ou seis países concentrando o grosso dos intercâmbios. No final do século XIX, em todo caso, o Brasil já tinha passado da esfera inglesa para a americana, pelo menos no que respeitava a compra do nosso principal produto de exportação, responsável que eram os EUA pela metade da absorção do café exportado. Com efeito, até meados do século XIX, a Grã-Bretanha ainda era dominante nos dois fluxos comerciais: fornecia mais da metade das importações brasileiras e absorvia perto de um terço das vendas externas, mas aqui seguida de perto pelos EUA, que a ultrapassou logo mais à frente, pois se tornam os destinatários de 43% das exportações do Brasil ao início da gestão Rio Branco (quase tudo café, obviamente); a Grã-Bretanha conserva, porém, o primeiro posto no fornecimento de bens manufaturados ao Brasil, mas já seguida de perto pelos EUA e pela Alemanha. Esta última também passou a se destacar em diversas frentes dos intercâmbios externos e, crescentemente, nos investimentos diretos, ao lado da França e de alguns outros europeus. Na região, as únicas trocas relevantes eram feitas com a Argentina, de quem o Brasil comprava trigo e exportava alguns poucos produtos primários (como a erva mate, mas com uma demanda modesta), ainda assim por intermédio de comerciantes ingleses. A despeito do fato de que os dois países tinham rechaçado a proposta de uma união aduaneira hemisférica durante a primeira reunião internacional americana de , em Washington, eles nunca consideraram a hipótese de estabelecer alguma modalidade de área tarifária preferencial no Cone Sul, provavelmente em razão da baixa dimensão dos intercâmbios e de outros obstáculos de natureza bem mais política do que econômica. 18

19 No conjunto, o comércio exterior do Brasil estava bastante concentrado em um número restrito de mercados: entre 1903 e 1914, mais de 80% das exportações se dirigiam a apenas cinco países (EUA, Grã-Bretanha, Alemanha, França e Argentina), enquanto proporção quase similar das importações provinha de apenas seis países, acrescentando-se Portugal à lista acima, como se pode constatar na Tabela 4 a seguir. Tabela 4 - Brasil: estrutura geográfica do comércio exterior de 1903 a (% do valor total) Exportações Importações Países Estados Unidos 41,2 39,1 11,3 17,5 Grã-Bretanha 19,3 11,9 28,3 23,8 Alemanha 14,8 14,3 12,3 16,1 França 9,4 9,8 8,8 7,8 Argentina 2,1 3,9 8,9 9,6 Portugal ,2 5,1 Total dos 5 85,8 79, Total dos 6 76,8 79,9 Fonte: M. Buescu, Evolução econômica do Brasil, p Não existe, aqui, um movimento perfeito de parábola, mas se acrescentarmos a China contemporânea a esse conjunto de países agregando-se os europeus no bloco da União Europeia, pode-se dizer que esses mesmos países continuam a ser os parceiros comerciais mais importantes do Brasil nos cem anos decorridos desde então. Registre-se que a China, que passou a integrar novamente o seleto clube dos grandes comerciantes globais depois de praticamente dois séculos de ausência, figurava com menções sempre admirativas nas páginas do Correio Braziliense, editado por Hipólito da Costa em Londres, de 1808 a De fato, ela era, até o final do século XVIII, uma das maiores economias planetárias, condição que ela retoma, atualmente, a partir de números sempre assustadores, com respeito ao PIB, aos fluxos de comércio, ao consumo de matérias primas e às reservas cambiais internacionais. Na verdade, o descolamento da China da economia mundial não se deu tanto por causa da humilhação estrangeira que foi real, em termos de ocupação imperial e de subordinação econômica, mas que buscava justamente integrá-la ao mundo do comércio e dos investimentos mas, mais exatamente, em função de seus próprios problemas internos: a decisão inicial de isolamento e de recusa de intercâmbios seguida de guerras civis e do maoísmo delirante, que levaram, conjuntamente ou sucessivamente, a participação chinesa no PIB mundial de quase um terço do total para menos de 5%. Se parábola existe, ela é, portanto, a da própria China, neste caso 19

20 invertida, em forma de U, pois reproduz o movimento ascensional de uma economia que já foi a maior e uma das mais avançadas do mundo. Quase ao final do Império, o Brasil tentou um acordo com o Império Qing objetivando importar trabalhadores chineses para suas fazendas de café, intenção devidamente repudiada pelos mandarins, que sabiam das humilhações sofridas pelos chineses que tinham emigrado para os EUA. No começo da República, e na época do Barão, as relações eram praticamente inexistentes, no plano prático. Que a China hoje se alinhe entre os principais parceiros de fato o maior do Brasil no terreno do comércio (e provavelmente dentro em pouco no terreno dos investimentos também), a despeito dos conhecidos desequilíbrios existentes, testemunha apenas a capacidade do Brasil em relacionar-se economicamente com as maiores economias planetárias, embora nem sempre com a substância e as orientações desejadas por suas lideranças econômicas. Os fazendeiros de café da época do barão, como provavelmente todos os seus sucessores, desde então, no governo e fora dele, dentre os exportadores do produto, sempre alimentaram o desejo de fazer com que os chineses tomassem, ao menos, uma xicara de café por dia. A esperança continua... Quão dependente era o Brasil do financiamento internacional? Se o Império era o déficit, a salvação eram os banqueiros ingleses. A República não mudou a situação, talvez a tenha mesmo agravado, pela anarquia financeira criada pela nova liberdade concedida aos estados e municípios de se endividarem no exterior mesmo sem o aval da União. Os Rothschild foram confirmados como os agentes financeiros exclusivos do Brasil no exterior, mesmo se uma delegação do Tesouro, instalada em Londres desde o último terço do século XIX, permitia preparar os frequentes lançamentos de bônus, em substituição ao trabalho meramente cosmético dos ministros da legação diplomática, alguns dos quais como Penedo tinham enriquecido com as generosas comissões oferecidas pelos mesmos banqueiros que lucravam já de partida, com os spreads antecipados que recolhiam por cada título emitido. Os trabalhos abundantes e minuciosos de Marcelo de Paiva Abreu (2006; 2002) sobre a contabilidade política do financiamento externo do Império e da República velha nos dispensam de penetrar na descrição e na explicação da caótica arquitetura financeira construída antes de 1930, quando se interrompem, durante 15 anos, todos os fluxos de dinheiro novo em direção ao Brasil (e a todos os demais 20

institucional e operacional de implementação das políticas monetária, fiscal e do café, para que o país tivesse condições de amortizar a dívida

institucional e operacional de implementação das políticas monetária, fiscal e do café, para que o país tivesse condições de amortizar a dívida MISSÃO MONTAGU Missão financeira inglesa chefiada por Edwin Samuel Montagu que chegou ao Rio de Janeiro em 30 de dezembro de 1923, durante o governo de Artur Bernardes (1922-1926). O objetivo era avaliar

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros

ANEXOS. Processo de definição da taxa de juros ANEXOS Processo de definição da taxa de juros A taxa de juros constitui-se no mais importante instrumento de política monetária à disposição do Banco Central. Através dela, a autoridade monetária afeta

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

A retomada empreendedora do Banco do Brasil

A retomada empreendedora do Banco do Brasil Banco do Brasil 200 anos A retomada empreendedora do Banco do Brasil D Por Rodrigo Bittar epois de arruinado em 1829 pelos gastos exorbitantes de uma Corte perdulária e parasitária, o Banco do Brasil ressurge

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Julio Hegedus Assunto: Balanço Semanal InterBolsa BALANÇO SEMANAL 24 DE SETEMBRO DE 2010 BALANÇO SEMANAL 20 A 24/09 CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Capitalização da Petrobras

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

SÍNTESE DA CONJUNTURA

SÍNTESE DA CONJUNTURA SÍNTESE DA CONJUNTURA O quadro geral da economia brasileira, que já se mostrava bastante difícil nos primeiros meses do ano, sofreu deterioração adicional no terceiro trimestre, com todos os indicadores

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

Destaque Depec - Bradesco

Destaque Depec - Bradesco Destaque Depec - Bradesco Ano XII - Número 121-30 de setembro de 2015 Melhora dos fundamentos macroeconômicos protege países latino-americanos de repetir crise de mesma intensidade da década de 80 Felipe

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 Introdução Márcio Kerecki Miguel dos Santos 2 O Brasil novo que se inicia depois da crise de 1929 e da tomada do poder

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

Unidade de Política Econômica

Unidade de Política Econômica Unidade de Política Econômica Brasília, abril de 2007 Superávit na balança comercial e juros altos sustentam valorização do real No primeiro bimestre de 2007, o dólar foi negociado a R$ 2,10, na média

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional

SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO SETOR EXTERNO. O Cenário Internacional SUMÁRIO EXECUTIVO INTRODUÇÃO Durante 2004, o PIB da América Latina e do Caribe deverá crescer em torno de 4,5%, o que significa um aumento de 3,0% do produto per capita. A recuperação das economias da

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo BALANÇO DE PAGAMENTOS: É o registro sistemático das transações entre residentes e não-residentes de um país durante determinado período

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

GRANDE DEPRESSÃO (1929)

GRANDE DEPRESSÃO (1929) GRANDE DEPRESSÃO (1929) A Grande Depressão, ou Crise de 1929, foi uma grave crise econômica iniciada nos Estados Unidos, e que teve repercussões no mundo inteiro. Considerada o mais longo e grave período

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA

QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional, Finanças

Leia mais

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal INFORMATIVO n.º 35 AGOSTO de 2015 Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal Depreciação do yuan traz incertezas adicionais à economia chinesa neste ano

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

Fases históricas do sistema bancário brasileiro. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.

Fases históricas do sistema bancário brasileiro. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress. Fases históricas do sistema bancário brasileiro Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fases históricas do sistema bancário brasileiro 2 Fases da

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO?

TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? 1 TRANSPORTE AÉREO BRASILEIRO POR QUE AS EMPRESAS PERDEM DINHEIRO? I - INTRODUÇÃO O mercado aéreo brasileiro vem apresentando, em seu segmento doméstico, taxas de crescimento chinesas desde o início de

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

A inserção internacional brasileira*

A inserção internacional brasileira* cap_04_palestras.qxd:layout 1 8/1/11 11:38 PM Page 43 43 A inserção internacional brasileira* ANTÔNIO CORRÊA LACERDA O Brasil foi um dos países que mais mudou nos últimos dez anos, conquistando uma maior

Leia mais

Nakano vê risco de queda de 2% a 4% no PIB deste ano

Nakano vê risco de queda de 2% a 4% no PIB deste ano Nakano vê risco de queda de 2% a 4% no PIB deste ano Sergio Lamucci, de São Paulo Valor Econômico, 09/04/2009 O economista Yoshiaki Nakano acha improvável o Brasil escapar de uma contração do Produto Interno

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com Prof. Esp. Lucas Cruz www.proflucas.com O principal discípulo de Smith, David Ricardo, sofisticou um pouco mais essa teoria. Segundo ele, ainda que uma economia fosse mais eficiente em todos os produtos,

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China

Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Resumo Aula-tema 03: Desenvolvimento Econômico da China Esta aula trata da história econômica e do processo de desenvolvimento da China, país que se tornou a segunda economia do mundo, atrás dos Estados

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO

ÁREA DE MILHO CRESCEU 4,9% NA SAFRA 2012/2013, A MAIOR DESDE 1937, INDICANDO QUE O PAÍS COLHERIA UMA SAFRA RECORDE ESTE ANO GRÃOS: SOJA, MILHO, TRIGO e ARROZ TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 NO BRASIL E NO MUNDO Carlos Cogo Setembro/2012 PRODUÇÃO MUNDIAL DEVE RECUAR 4,1% NA SAFRA 2012/2013 ESTOQUES FINAIS MUNDIAIS DEVEM

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo

A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A Importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo A importância dos Fundos de Investimento no Financiamento do Governo Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Resultado nominal X Resultado operacional

Resultado nominal X Resultado operacional RESULTADO DAS CONTAS PÚBLICAS Superávit = Receitas > Despesas X Déficit = Receitas < Despesas Déficit = fluxo em determinado período Dívida= estoque acumulado ao longo do tempo Finanças Públicas Resultado

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega

Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega Brasília, 29 de setembro de 2014 1 A Crise mundial reduziu os mercados Baixo crescimento do comércio mundial, principalmente

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP A utilização do ICMS como instrumento de indução do desenvolvimento regional. Reforma tributária A questão regional é uma das questões

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL

A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL A CIRCULAÇÃO FINANCEIRA NO MUNDO ATUAL 1 -- SISTEMA FINANCEIRO E SEUS COMPONENTES BÁSICOS: >> Sistema financeiro = é formado pelo conjunto de mercados e instituições que servem para relacionar poupadores

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea 7 ECONOMIA MUNDIAL QUADRO GERAL O cenário econômico mundial não apresentou novidades importantes nos primeiros meses de 2013, mantendo, em linhas gerais, as tendências observadas ao longo do ano passado.

Leia mais

Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado

Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado ASSUNTO em pauta A Sistema de Comércio Exterior Brasileiro: análise das políticas dos setores público e privado Razões e diferenças das políticas públicas e privadas no contexto do Sistema de Comércio

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público.

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público. 61)O financiamento de programas sociais mediante emissão de moeda não somente elevará a dívida pública como também aumentará o resultado primário em razão do aumento das despesas com juros. 62) A queda

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images) Economia A Economia do Japão em uma Era de Globalização Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 foi marcado pela alternância entre crescimento,

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa A instabilidade registrada nos mercados financeiros internacionais de maio a junho de 26, a exemplo da turbulência observada recentemente, impactou negativamente

Leia mais

O privilégio exorbitante dos EUA

O privilégio exorbitante dos EUA O privilégio exorbitante dos EUA Michael Pettis Valor Econômico, 15.9.2011. O status dominante de uma moeda levou a desequilíbrios que criaram um sério risco para o sistema financeiro global. Alguns países

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira Comissão de Finanças e Tributação Seminário: Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria Armando Monteiro Neto Presidente CNI Maio 2010 1. Câmbio atual é inadequado para a

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

As Incertezas no Norte estão semeando uma Nova Crise no Sul? Opções para a América Latina

As Incertezas no Norte estão semeando uma Nova Crise no Sul? Opções para a América Latina Latin American Shadow Financial Regulatory Committee Comité Latino Americano de Asuntos Financieros Comitê Latino Americano de Assuntos Financeiros Declaração No. 24 6 de Junho de 2011 Washington, D.C.

Leia mais

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana #100 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Dólar sem freios Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana Festa no exterior Brasileiros continuam gastando cada vez mais fora

Leia mais