REGIMENTO INTERNO. DELIBERAÇÃO CDA N o. 011 de 08/10/2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO INTERNO. DELIBERAÇÃO CDA N o. 011 de 08/10/2012"

Transcrição

1 REGIMENTO INTERNO DELIBERAÇÃO CDA N o. 011 de 08/10/2012 SALVADOR - BA OUTUBRO

2 REGIMENTO INTERNO 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO NATUREZA OBJETO SOCIAL E COMPETÊNCIAS DIRETRIZES FUNDAMENTAIS ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMPETÊNCIAS E ATIVIDADES ASSEMBLEIA GERAL DE ACIONISTAS Conselho Fiscal CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Coordenação de Auditoria Interna DIRETORIA EXECUTIVA Diretor Presidente Diretor de Gestão Administrativa e Financeira Diretor de Infraestrutura e Gestão Portuária Diretor de Gestão Comercial e de Desenvolvimento ÓRGÃOS VINCULADOS AO DIRETOR PRESIDENTE Coordenação Jurídica Coordenação de Assuntos Estratégicos Coordenação da Secretaria Executiva ÓRGÃOS VINCULADOS AO DIRETOR DE GESTÃO ADM. E FINANCEIRA Coordenação de Gestão Administrativa Coordenação de Gestão de Recursos Financeiros ÓRGÃOS VINCULADOS AO DIRETOR DE INFRAESTRUTURA E GESTÃO PORTUÁRIA Coordenação de Infraestrutura Coordenação de Gestão Portuária de Salvador Coordenação de Gestão Portuária de Aratu Coordenação de Gestão Portuária de Ilhéus ÓRGÃO VINCULADO AO DIRETOR DE GESTÃO COMERCIAL E DE Pág

3 REGIMENTO INTERNO 3 DESENVOLVIMENTO Coordenação de Desenvolvimento de Negócios ATRIBUIÇÕES COMUNS Atribuições Comuns aos Diretores Atribuições Comuns aos Coordenadores Atribuições Comuns aos Empregados ARQUITETURA ORGANIZACIONAL ATUALIZAÇÃO APRESENTAÇÃO Este Regimento Interno define a estrutura organizacional da Companhia das Docas do Estado da Bahia - CODEBA, estabelecendo a competência dos diversos órgãos da estrutura, bem como as atribuições comuns aos dirigentes, chefias e empregados. De acordo com as disposições estatutárias, este Regimento foi aprovado pelo Conselho de Administração da Companhia em sua 414 a Reunião Ordinária realizada em 08 de outubro de NATUREZA A Companhia das Docas do Estado da Bahia CODEBA é uma sociedade de economia mista, vinculada à Secretaria de Portos da Presidência da República, regendo-se pela legislação relativa às sociedades por ações, no que lhe for aplicável e pelo Estatuto Social da CODEBA. 2. OBJETO SOCIAL E COMPETÊNCIAS 2.1. A CODEBA tem por objeto social, em harmonia com os planos e programas da Secretaria de Portos da Presidência da República, exercer as funções de Autoridade Portuária previstas na legislação específica, e realizar a administração e exploração comercial de portos organizados no Estado da Bahia Além do objeto social supracitado, a CODEBA poderá realizar a administração e a exploração comercial de portos organizados e instalações portuárias localizados em outro Estado, bem como administrar vias navegáveis interiores, por delegação do Governo Federal, mediante a assinatura de convênio Para complementação dos serviços incumbidos pela legislação, poderão ser desenvolvidas atividades afins, conexas ou acessórias, industriais, comerciais e de prestação de serviços Para realização do seu objeto social, compete à CODEBA:

4 REGIMENTO INTERNO 4 a) estabelecer, onde forem necessários ao desempenho de suas atividades, agências, escritórios ou representações; b) captar, em fontes internas ou externas, recursos a serem aplicados na execução de sua programação; c) participar, como sócia ou acionista, de outras entidades públicas ou privadas, observada a legislação pertinente; d) promover a realização de estudos, planos, projetos, obras e serviços de construção, ampliação, melhoramento, manutenção, operação dos portos, hidrovias e instalações portuárias sob sua jurisdição e responsabilidade e, por delegação do Governo Federal, das vias navegáveis e interiores; e) promover a realização de obras e serviços de defesa de margens e costa, e de fixação de dunas, desde que necessários à proteção dos portos, sob sua jurisdição ou responsabilidade, ou de seus acessos; f) promover o arrendamento de áreas e instalações portuárias, obedecendo a legislação específica; e g) fiscalizar as áreas e instalações portuárias arrendadas, exploradas nas modalidades de uso público ou privativo, tipo exclusivo ou misto, dentro dos limites dos portos organizados da CODEBA. 3. DIRETRIZES FUNDAMENTAIS Para o cumprimento de seu objeto social, serão observadas pela CODEBA as seguintes diretrizes básicas: a) compatibilização de seus programas de trabalho com a orientação, as prioridades e os planos estabelecidos pela Secretaria de Portos da Presidência da República; b) acompanhamento e avaliação de execução dos planos e programas de trabalho; c) promoção e estímulo da formação, educação e do treinamento de pessoal necessários às suas atividades; e d) articulação com órgãos ou entidades públicas ou privadas, com atividades ligadas ao seu objeto social. 4. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ASSEMBLEIA GERAL DE ACIONISTAS - AGA Conselho Fiscal- CFI CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO - CDA Coordenação de Auditoria Interna -COA DIRETORIA EXECUTIVA DEX

5 DIRETOR PRESIDENTE - DPR Coordenação Jurídica - CJU Coordenação de Assuntos Estratégicos - CAE Coordenação da Secretaria Executiva CSE REGIMENTO INTERNO 5 DIRETOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA - DAF Coordenação de Gestão Administrativa - CAD Coordenação de Gestão de Recursos Financeiros - CRF DIRETOR DE INFRAESTRUTURA E GESTÃO PORTUÁRIA - DIP Coordenação de Infraestrutura - CIE Coordenação de Gestão Portuária de Salvador - CGS Coordenação de Gestão Portuária de Aratu - CGA Coordenação de Gestão Portuária de Ilhéus CGI DIRETOR DE GESTÃO COMERCIAL E DE DESENVOLVIMENTO - DCD Coordenação de Desenvolvimento de Negócios - CDN 5. COMPETÊNCIAS E ATIVIDADES Com base na legislação em vigor que rege as Companhias Docas Federais - Lei n.º 6.404/76, no que lhe for aplicável, e Lei n.º 8.630/93, as competências e principais atividades de cada unidade organizacional da Companhia são as seguintes: 5.1. ASSEMBLEIA GERAL DE ACIONISTAS À Assembleia Geral, sem exclusão de outras atribuições previstas em lei, compete: a) reformular o Estatuto Social da CODEBA; b) tomar, anualmente, as contas dos administradores, examinando, discutindo e votando as demonstrações financeiras; c) eleger e destituir, a todo tempo, quaisquer dos membros do Conselho de Administração ou do Conselho Fiscal, na forma da legislação vigente; d) fixar a remuneração dos membros do Conselho de Administração, da Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal; e) autorizar a emissão de debêntures, fixando as condições de resgate e amortização; f) deliberar sobre a avaliação dos bens com que o acionista concorrer para o capital social; g) deliberar sobre a destinação do lucro líquido do exercício e a distribuição de dividendos; h) deliberar sobre a criação e utilização de reservas;

6 REGIMENTO INTERNO 6 i) deliberar sobre a participação da CODEBA no capital social de outras entidades públicas ou privadas; j) promover operação de cisão, fusão ou incorporação da CODEBA, sua dissolução ou liquidação, bem como eleger ou destituir os liquidantes e julgar-lhes as contas; k) autorizar a CODEBA a alienar, no todo ou em parte, ações de seu capital social ou de suas controladas, quando houver; l) promover a abertura do capital social da CODEBA; m) aprovar as modificações do seu capital social; n) autorizar a renúncia a direitos de subscrição de ações ou debêntures conversíveis em ações de empresas controladas; o) autorizar a emissão e a venda, se em tesouraria, de debêntures conversíveis em ações; p) autorizar a venda de debêntures conversíveis em ações de sua titularidade de emissão de empresas controladas; q) autorizar a emissão de quaisquer títulos ou valores mobiliários, no país e no exterior; r) autorizar a permuta de ações ou outros valores mobiliários de emissão da CODEBA; s) autorizar a CODEBA a firmar acordos de acionistas ou a renunciar a direitos neles previstos, ou, ainda, a assumir quaisquer compromissos de natureza societária, mediante prévia anuência do Ministério da Fazenda; e t) deliberar sobre outros assuntos que lhe forem propostos pelo Conselho de Administração ou pelo Conselho Fiscal CONSELHO FISCAL Ao Conselho Fiscal, sem exclusão de outras atribuições previstas em lei, compete: a) pronunciar-se sobre assuntos de sua atribuição que lhe forem submetidos pelo Conselho de Administração ou pela Diretoria Executiva; b) acompanhar a execução patrimonial, financeira e orçamentária, podendo examinar livros, quaisquer outros documentos e requisitar informações; c) elaborar e aprovar o seu Regimento Interno; d) fiscalizar os atos dos administradores e verificar o cumprimento dos seus deveres legais e estatutários; e) opinar sobre o relatório anual da administração, fazendo constar do seu parecer as informações complementares que julgar necessárias ou úteis à deliberação da Assembleia Geral; f) opinar sobre propostas dos órgãos de administração, a serem submetidas à Assembleia Geral, relativas à modificação do capital social, à emissão de debêntures ou bônus de subscrição, aos planos de investimentos ou orçamentos

7 REGIMENTO INTERNO 7 de capital, distribuição de dividendos, transformação, incorporação, fusão ou cisão; g) denunciar aos órgãos de administração e, se estes não tomarem as providências necessárias para a proteção dos interesses da Companhia, à Assembleia Geral os erros, fraudes ou crimes que descobrirem, e sugerir providências úteis à CODEBA; h) convocar Assembleia Geral Ordinária, se os órgãos da administração retardarem mais de um mês essa convocação, e Extraordinária, sempre que ocorrerem motivos graves ou urgentes, incluindo na agenda das Assembleias as matérias que considerarem necessárias; i) analisar, no mínimo trimestralmente, por ocasião das reuniões ordinárias, o balancete e demais demonstrações financeiras elaboradas periodicamente pela Companhia; j) examinar as demonstrações financeiras do exercício social e sobre elas opinar; k) assistir às reuniões do Conselho de Administração ou da Diretoria Executiva em que se deliberar sobre assuntos em que deva opinar (alíneas e, f e j deste subitem); e l) fornecer ao acionista, ou grupo de acionistas que representem, no mínimo, cinco por cento do capital social, sempre que solicitadas informações sobre matérias de sua competência CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Ao Conselho de Administração, sem exclusão de outras atribuições previstas em lei, compete: a) fixar a orientação geral dos negócios da CODEBA; b) convocar a Assembleia Geral de Acionistas; c) eleger ou destituir, a qualquer tempo, os membros da Diretoria Executiva, fixando as respectivas áreas de atuação; d) supervisionar a gestão dos Diretores, podendo ter acesso a qualquer documento da empresa e solicitar informações que julgar importante, bem como sobre providências adotadas pela administração para regularizar diligências dos Órgãos Federais de Controle Interno; e) deliberar sobre a alienação ou onerosidade de bens imóveis e de bens móveis, estes últimos quando de valor superior a 0,5% (cinco décimos por cento) do patrimônio líquido registrado no último balanço patrimonial; f) convocar os auditores independentes e a chefia do órgão de Auditoria Interna para, em reunião do Conselho, pronunciarem-se sobre os relatórios, as contas da Diretoria Executiva e os balanços consolidados; g) manifestar-se sobre o relatório da administração, as contas da Diretoria Executiva e os balanços consolidados;

8 REGIMENTO INTERNO 8 h) propor à Assembleia Geral de Acionistas a destinação do lucro líquido de cada exercício; i) examinar e apurar a transferência de recursos, na forma das disposições regulamentares vigentes, para fundos de previdência privada, fundações e pessoas jurídicas de direito público; j) aprovar os orçamentos anuais e plurianuais, os projetos de expansão e programas de investimento, bem como acompanhar sua execução, desempenho e cumprimento das metas e projetos estratégicos; k) aprovar a política de administração e desenvolvimento de recursos humanos, normas e planos sobre cargos, carreira, benefícios, salários e a ocupação de cargos comissionados, assim como as diretrizes e critérios para renegociação salarial com entidades de classe dos empregados, e, igualmente, remuneração, concessão de diárias, gratificações, vantagens e eventuais planos de demissão incentivada, submetendo, quando necessário, aos órgãos superiores; l) manifestar-se previamente sobre qualquer assunto a ser submetido à Assembleia Geral; m) indicar e nomear o Secretário do Conselho e do seu substituto eventual, dentre os empregados da CODEBA; n) aprovar a designação do substituto do Diretor Presidente em suas ausências ou impedimentos eventuais; o) aprovar os preços de produtos ou serviços prestados pela CODEBA, propostos pela Diretoria Executiva, observada a orientação governamental; p) aprovar o Regimento Interno da Companhia e o do Conselho de Administração; q) estabelecer a estrutura organizacional da CODEBA; r) deliberar sobre a abertura de crédito e tomada de financiamento, bem como sobre a transferência ou cessão de ações, créditos e direitos; s) aprovar normas gerais para licitação e contratação, para aquisição de bens e equipamentos, obras e serviços, e, nas modalidades de Concorrência e Leilão, autorizar abertura de processos licitatórios e a sua respectiva homologação; t) aprovar normas para alienação de bens do ativo permanente, para a constituição de ônus reais, para prestação de garantias e para assumir obrigações em nome da CODEBA; u) propor à Assembleia Geral aumento de capital social, inclusive o preço e as condições de emissão, colocação, subscrição e integralização de ações, bem como a conversão de ações ordinárias em ações preferenciais e a emissão de bônus de subscrição; v) deliberar sobre a aceitação de doações com ou sem encargos; w) aprovar o afastamento de qualquer de seus membros ou da Diretoria Executiva, estes quando por prazo superior a 30 (trinta) dias consecutivos; x) estabelecer a política de aplicação de incentivos tarifários; y) autorizar a Companhia a obter garantias;

9 REGIMENTO INTERNO 9 z) apreciar os vetos do Diretor Presidente relativos às decisões da Diretoria Executiva; aa) autorizar a abertura, transferência ou encerramento de escritórios, filiais, dependências ou outros estabelecimentos da CODEBA; e ab) decidir os casos omissos no Estatuto Social da Companhia COORDENAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA COMPETÊNCIAS Subordinada ao Presidente do Conselho de Administração, esta Coordenação visa verificar o atendimento aos princípios legais e normativos na execução das atividades da Companhia. ATIVIDADES a) Executar auditagens de natureza contábil, financeira, orçamentária, administrativa, patrimonial, operacional e de engenharia, no âmbito da CODEBA; b) propor medidas preventivas e corretivas dos desvios detectados; c) oferecer, quando requerida pelos órgãos responsáveis pela direção da empresa, assessoria quanto ao gerenciamento de riscos relativos às decisões importantes da empresa; d) relacionar-se com os órgãos federais de controle, para receber as orientações técnicas deles emanadas e executar outras atividades compatíveis com sua competência; e) orientar a contratação e fiscalizar os trabalhos da Auditoria Externa Independente; f) seguir as orientações normativas e a supervisão técnica dos Órgãos Federais de Controle Interno; g) elaborar o Relatório Anual de Atividade de Auditoria Interna RAINT, de acordo com as normas da Controladoria-Geral da União, e submetê-lo para conhecimento do Conselho de Administração; h) elaborar o Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna PAINT, de acordo com as normas dos Órgãos Federais de Controle, que deverá ser submetido para aprovação pelo Conselho de Administração; i) criar mecanismos de ação preventiva; e j) executar outras atividades compatíveis com as competências desta Coordenação. O titular desta Coordenação, empregado do quadro efetivo da CODEBA, será designado e destituído pelo Conselho de Administração, depois de aprovado pelos Órgãos Federais de Controle Interno DIRETORIA EXECUTIVA

10 REGIMENTO INTERNO 10 Composta pelo Diretor Presidente, Diretor de Gestão Administrativa e Financeira, Diretor de Infraestrutura e Gestão Portuária e Diretor de Gestão Comercial e de Desenvolvimento compete-lhe, sem exclusão de outras atribuições previstas em lei: a) manifestar-se, previamente, sobre os assuntos a serem submetidos ao Conselho de Administração; b) aprovar as normas gerais de caráter técnico, operacional, administrativo e financeiro, respeitadas as competências do Conselho de Administração, do Conselho de Autoridade Portuária ou de outros órgãos ou entidades superiores; c) aprovar o Quadro de Lotação da CODEBA; d) autorizar o afastamento de seus membros, até 30 (trinta) dias consecutivos; e) aprovar contrato de cessão, comodato, permuta, locação e arrendamento de bens móveis e imóveis, submetendo-os ao Conselho de Administração; f) encaminhar, para manifestação do Conselho de Administração e do Conselho Fiscal, o relatório da administração, as contas da Diretoria Executiva e os balanços consolidados, acompanhados dos pareceres das Auditorias Interna e Independente, no prazo máximo de dois meses, contados do término do exercício social; g) aprovar os contratos de utilização de infraestrutura portuária, de serviços e de facilidades, mediante prévia anuência do Conselho de Administração, sempre com a atenção de praticar preços que viabilizem a agregação de novas receitas; h) aprovar a estrutura do Plano de Contas; i) autorizar a execução de obras ou serviços de interesse de terceiros que, por sua natureza, possam afetar os portos ou vias navegáveis interiores sob jurisdição ou responsabilidade da CODEBA; j) submeter à homologação do Conselho de Administração os preços dos produtos ou serviços prestados pela CODEBA; k) submeter ao Conselho de Administração proposta dos Orçamentos Anual e Plurianual e suas alterações; l) aprovar a tabela de custo de substituição, agrupamento ou desdobramento de títulos de emissão da CODEBA; m) autorizar a alienação ou onerosidade de bens móveis e do Ativo Permanente de valor igual ou inferior a 0,5% (cinco décimos por cento) do patrimônio líquido registrado no último balanço patrimonial; n) encaminhar, para conhecimento do Conselho de Administração, as adjudicações de obras, serviços e aquisições realizadas sem prévia licitação, com as respectivas justificativas; o) prestar apoio técnico e administrativo ao Conselho de Autoridade Portuária e aos Órgãos de Gestão de Mão-de-Obra do Trabalho Portuário Avulso;

11 REGIMENTO INTERNO 11 p) aprovar os Planos e Projetos Estratégicos e de Ação da CODEBA, participando efetivamente das atividades de acompanhamento do cumprimento e de sua atualização, mantendo o Conselho de Administração permanentemente informado; q) adotar o aprimoramento de ações que tenham o fim de dar transparência às atividades da empresa e à utilização dos recursos públicos, primando pela ênfase em publicidade das decisões e dos fluxos financeiros, como forma de prestar contas à sociedade como um todo; r) submeter ao conhecimento do Conselho de Administração, em nota explicativa junto às demonstrações financeiras, os valores, na data da respectiva elaboração, da maior e menor remunerações pagas a seus empregados e administradores, nelas computados vantagens e benefícios efetivamente percebidos, bem assim o salário médio dos empregados e dirigentes da CODEBA; s) autorizar e homologar licitações na modalidade de Tomada de Preços, Pregão, Concurso e Convite, para aquisição de bens e equipamentos, obras e serviços, desde que seguidas a legislação pertinente e as normas gerais de licitação e contratações estabelecidas pelo Conselho de Administração; t) decidir os assuntos não incluídos nas competências da Assembleia Geral ou do Conselho de Administração DIRETOR PRESIDENTE COMPETÊNCIAS Além das atribuições e responsabilidades próprias de membro da Diretoria Executiva, em conformidade com os objetivos e a política estabelecida pelo Conselho de Administração, e de acordo com as decisões da Diretoria Executiva, compete-lhe coordenar e controlar as atividades de gestão da Companhia e, em especial, da Coordenação Jurídica, Coordenação de Assuntos Estratégicos, e Coordenação da Secretaria Executiva. O Diretor Presidente é responsável pelos seguintes processos: a) assessoramento dos Conselhos; b) comunicação social; c) assessoria jurídica; d) gestão por resultados; e) planejamento estratégico, tático e operacional; f) planejamento e administração da tecnologia da informação; g) licitação; h) gestão ambiental, segurança e saúde no trabalho;

12 i) secretaria; j) gestão do protocolo; REGIMENTO INTERNO 12 k) gestão de arquivos e gestão do Centro de Documentação e Informação. ATIVIDADES a) Dirigir, coordenar e controlar as atividades da CODEBA, principalmente aquelas definidas como Projeto Estratégico, ou integrantes dos Planos e Programas Estratégicos ou de Ação; b) cumprir e fazer cumprir as determinações da Assembleia Geral, do Conselho de Administração e da Diretoria Executiva; c) representar a CODEBA, ativa e passivamente, em juízo ou fora dele, perante quaisquer entidades públicas ou privadas, nacionais ou estrangeiras; d) convocar, instalar e presidir as reuniões da Diretoria Executiva; e) instalar e presidir as Assembleias Gerais de Acionistas; f) designar, "ad-referendum" do Conselho de Administração, o Diretor que o substituirá em suas ausências ou impedimentos eventuais; g) baixar os atos que consubstanciem as resoluções da Diretoria Executiva; h) admitir, lotar, promover, transferir, punir e dispensar empregados, bem como constituir comissões ou grupos de trabalho, proceder à dispensa e designação para ocupação de cargo de confiança, sempre por indicação do Diretor da área; i) praticar atos de urgência, ad referendum" da Diretoria Executiva, apresentando suas justificativas na primeira reunião subseqüente; j) fazer publicar o Relatório Anual da Administração; k) determinar a realização de inspeções técnicas, sindicâncias ou inquéritos; l) ordenar despesas e, juntamente com outro Diretor, movimentar recursos financeiros e assinar títulos de crédito, ações e demais valores mobiliários; m) liderar as atividades de gestão da Companhia, através da implementação de políticas, estratégias, diretrizes, objetivos e metas; n) praticar outros atos de gestão não compreendidos nas competências da Assembleia Geral, do Conselho de Administração ou da Diretoria Executiva; e o) outras atividades compatíveis com as suas competências Ligada ao Diretor Presidente deve ser mantida uma equipe de assessoria de comunicação responsável pelas seguintes atividades: a) promover a integração sistêmica entre a Autoridade Portuária e as autoridades aduaneira, marítima, sanitária, de saúde, de polícia marítima e outros órgãos ou entidades do governo federal, estadual e municipal;

13 REGIMENTO INTERNO 13 b) promover e/ou assessorar o Diretor Presidente e demais membros da Diretoria Executiva nos contatos com a imprensa falada, escrita e televisada, sobre as atividades da CODEBA e promover tais contatos quando julgado oportuno; c) providenciar a publicação de Editais, Avisos e Demonstrativos Contábeis, e opinar sobre a concessão de publicidade de caráter institucional da Companhia, bem como sugerir o veículo a ser utilizado; d) programar, organizar, acompanhar e orientar visitas do público externo, aos Portos sob jurisdição da CODEBA; e) editar e divulgar na CODEBA as matérias de interesse da Diretoria e empregados, bem como elaborar matérias de caráter informativo e providenciar a sua distribuição aos veículos de comunicação social; f) acompanhar as publicações sobre a CODEBA e assuntos ligados ao Sistema Portuário, divulgados pela imprensa, informando a Diretoria Executiva e áreas interessadas sobre os mesmos, e mantendo arquivo sobre essas publicações; g) apoiar as diversas áreas da Companhia quanto à divulgação de eventos que a mesma realize ou participe, utilizando os recursos de mídia adequados ou preparando instrumentos de comunicação necessários e assessorar na contratação de peças publicitárias; e h) manter atualizados os dados e informações da internet e intranet da CODEBA Ligada ao Diretor Presidente deve ser mantida a Comissão Permanente de Licitação ou Comissões Especiais responsáveis pelas seguintes atividades: a) executar suas atividade conforme legislação vigente; b) elaborar minuta de edital, minuta de contrato e aviso de licitação decorrentes de processos administrativos autorizados com o Termo de Referência; c) divulgar edital de licitação na internet, após publicação no Diário Oficial e jornal de grande circulação; d) abrir sessão de licitação (habilitação) e sessão para abertura de preços; e) abrir propostas técnicas para habilitação; f) realizar as análises e relatório da Comissão; g) solicitar à equipe de assessoria de comunicação a publicação dos atos administrativos no Diário Oficial da União; h) submeter preços ao parecer da área técnica; i) encaminhar propostas aprovadas para contratação DIRETOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA COMPETÊNCIAS

14 REGIMENTO INTERNO 14 Além das atribuições e responsabilidades próprias de membro da Diretoria Executiva, em conformidade com os objetivos e a política estabelecida pelo Conselho de Administração, e de acordo com as decisões da Diretoria Executiva, compete-lhe ainda supervisionar, coordenar e controlar as atividades da Coordenação de Gestão Administrativa e Coordenação de Gestão de Recursos Financeiros, como também liderar, no âmbito da sua Diretoria, as ações para cumprimento do planejamento estratégico, coordenando reuniões mensais de planejamento e acompanhamento. O Diretor de Gestão Administrativa e Financeira é responsável pelos seguintes processos: a) gestão de investimentos; b) administração de fluxo de caixa; c) administração de contas a pagar; d) faturamento e cobrança; e) administração da contabilidade geral; f) orçamento; g) gestão estratégica de pessoas e administração de pessoal; h) assistência social e medicina do trabalho; i) benefícios; j) gestão de serviços administrativos (compras, serviços gerais, patrimônio); k) gestão da frota; e l) outras atividades compatíveis com as suas competências DIRETOR DE INFRAESTRUTURA E GESTÃO PORTUÁRIA COMPETÊNCIAS Além das atribuições e responsabilidades próprias de membro da Diretoria Executiva, em conformidade com os objetivos e a política estabelecida pelo Conselho de Administração, e de acordo com as decisões da Diretoria Executiva, compete-lhe ainda supervisionar, coordenar e controlar as atividades da Coordenação de Infraestrutura e Coordenações de Gestão Portuária de Salvador, de Aratu e de Ilhéus, como também liderar, no âmbito da sua Diretoria, as ações para cumprimento do planejamento estratégico, coordenando reuniões mensais de planejamento e acompanhamento. O Diretor de Infraestrutura e Gestão Portuária é responsável pelos seguintes processos: a) desenvolvimento e manutenção da infraestrutura e instalações portuárias; b) gestão operacional de terminais arrendados; c) administração da operação dos terminais não arrendados;

15 d) armazenagem; e) inspeção de movimentação de carga; REGIMENTO INTERNO 15 f) preparo e controle de dados e informações para faturamento; g) fiscalização da operação portuária; h) controle da atracação e desatracação das embarcações; i) programação e autorização do tráfego de navios; j) controle e fiscalização de acesso de pessoas, mercadorias e veículos; k) apoio e supervisão de embarque e desembarque de passageiros; l) gestão de resíduos nos Portos; m) sinalização e balizamento náutico; n) fiscalização dos serviços de manutenção e conservação dos equipamentos da Companhia; o) vigilância e segurança portuária; e p) outras atividades compatíveis com as suas competências DIRETOR DE GESTÃO COMERCIAL E DE DESENVOLVIMENTO COMPETÊNCIAS Além das atribuições e responsabilidades próprias de membro da Diretoria Executiva, em conformidade com os objetivos e a política estabelecida pelo Conselho de Administração, e de acordo com as decisões da Diretoria Executiva, compete-lhe ainda supervisionar, coordenar e controlar as atividades da Coordenação de Desenvolvimento de Negócios, como também liderar, no âmbito da sua Diretoria, as ações para cumprimento do planejamento estratégico, coordenando reuniões mensais de planejamento e acompanhamento. O Diretor de Gestão Comercial e de Desenvolvimento é responsável pelos seguintes processos: a) análise de mercado; b) planejamento do desenvolvimento de negócios; c) fixação de valores tarifários; d) relacionamento comercial; e) atendimento a clientes; f) estatística portuária; g) credenciamento e certificação de operadores portuárias; h) fiscalização de operadores portuários e arrendatários; i) aquisição e acompanhamento do fornecimento de serviços por terceiros; j) gestão dos contratos de arrendamento operacional e não operacional;

16 REGIMENTO INTERNO 16 k) desenvolvimento e acompanhamento de estudos, projetos e outras atividades compatíveis com as suas competências ÓRGÃOS VINCULADOS AO DIRETOR PRESIDENTE COORDENAÇÃO JURÍDICA COMPETÊNCIAS Coordenar, orientar, controlar e acompanhar as atividades jurídicas de natureza contenciosa, consultiva e contratual da Companhia; assistir diretamente a Diretoria Executiva, quando solicitado, para dirimir dúvidas referentes à aplicação do direito, bem como para orientá-la na solução de problemas de interesse da Companhia. ATIVIDADES a) Assessorar os membros da Diretoria Executiva em matéria de natureza jurídica em que a Companhia esteja envolvida, inclusive nos atos relativos à aquisição, alienação, cessão, locação, entrega e outros referentes aos imóveis do patrimônio da CODEBA; b) representar a CODEBA, mediante outorga de poderes, promover a defesa de seus interesses, em qualquer instância judicial, bem como representar a Companhia junto aos cartórios de registro de imóveis, requerendo inscrição, averbação, transferência ou matrícula de títulos relativos a imóvel de patrimônio da CODEBA; c) elaborar instrumentos contratuais, convênios e instrumentos de liquidação final e outros instrumentos de natureza similar, mantendo sob sua guarda os originais de tais documentos; d) prestar assessoramento às áreas da Companhia sobre assuntos jurídicos, bem como participar da elaboração e analisar as normas sobre pessoal, acordos, contratos e convenções de trabalho; e) acompanhar e manter cadastro dos processos em que a Companhia esteja envolvida; f) analisar previamente os aspectos jurídicos e legais dos atos internos, sugerindo ao Diretor Presidente as eventuais correções; g) realizar estudos e pareceres sobre aspectos legais das ações da Companhia e atuar preventivamente, a fim de evitar situações que possam gerar contenciosos jurídicos; h) requisitar a qualquer órgão da Companhia cópia de documentos, exames, diligências, perícias, informações e esclarecimentos necessários ao cumprimento de suas atividades; i) revisar o Estatuto Social da Companhia, sempre que necessário; j) orientar e conciliar relações de trabalho empregado-empresa, elaborando estudos sobre as reivindicações de pessoal;

17 REGIMENTO INTERNO 17 k) analisar acordos, convenções e contratos de trabalho e reivindicações específicas do pessoal; l) gerenciar contratos com escritórios de advocacia; e m) executar outras atividades compatíveis com as competências desta Coordenação COORDENAÇÃO DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS COMPETÊNCIAS Assessorar as atividades de planejamento gerencial e de gestão da qualidade; planejar e gerenciar as atividades relacionadas ao Sistema Integrado de Gestão Ambiental (Meio Ambiente, Segurança no Trabalho e Saúde Ambiental); bem como responder pela gestão de tecnologia da informação, através do planejamento, especificação, aquisição, implementação e manutenção dos equipamentos, softwares (sistemas e aplicativos) de acordo com a estratégia da Companhia. ATIVIDADES a) Realizar análises de cenário, coordenar o processo de definição e acompanhamento das ações decorrentes dos planos governamentais, e conhecer os planos de desenvolvimento e zoneamento dos Portos; b) gerir o sistema de gestão da qualidade da Companhia, interagindo com órgãos externos envolvidos; c) participar, junto às Coordenações de Gestão Portuária dos Portos da CODEBA, da definição dos critérios referentes ao nível da qualidade da prestação de serviços ofertados aos clientes/usuários; d) identificar oportunidades de investimento e realizar análise de viabilidade de investimento; e) desenvolver estudos dos métodos e processos de trabalho da Companhia, promovendo a sua racionalização; f) prestar assessoramento às unidades organizacionais quanto à elaboração dos padrões de qualidade, das normas, dos manuais de organização e de procedimentos da Companhia; g) promover estudos sobre a estrutura organizacional da Companhia, quando solicitados, apresentando alternativas técnicas para o seu dimensionamento e realizando a revisão do Regimento Interno da CODEBA, bem como o acompanhando a implantação das alterações aprovadas; h) apoiar e orientar os desdobramentos de metas e elaboração dos planos de ação nas áreas da Companhia, assim como a aplicação das ferramentas de gestão por resultados; i) participar, junto à Coordenação de Gestão de Recursos Financeiros, da elaboração das propostas de orçamento anual e plurianual;

18 REGIMENTO INTERNO 18 j) analisar os indicadores de desempenho e os resultados da aplicação dos planos de ação, e elaborar relatório mensal, propondo, se necessárias, ações corretivas; k) representar a CODEBA junto à Coordenação Geral de Desempenho da Secretaria de Portos; l) realizar estudos sobre a evolução e tendências do setor portuário e propor ações para adequações à mesma; m) preparar e assessorar as reuniões de acompanhamento de resultado; n) levantar junto às áreas envolvidas a necessidade de recursos para investimento; o) elaborar e propor o planejamento econômico-financeiro e acompanhar sua aplicação; p) orientar os investimentos financeiros com base no planejamento aprovado; q) elaborar e apoiar a implementação dos planos e programas ambientais, de segurança do trabalho e saúde ambiental; r) elaborar ou atualizar as normas e procedimentos relativos à proteção ambiental, segurança do trabalho e saúde ambiental, bem como acompanhar o seu cumprimento; s) definir parâmetros e normas de segurança do trabalho e de defesa e proteção do meio ambiente, realizando estudos e assessorando à Companhia quanto a esses assuntos; t) apoiar as Coordenações de Gestão dos Portos quanto à revisão e cumprimento dos Planos de Ajuda Mútua, Plano de Controle de Emergência, Plano de Gestão de Resíduos e outros; u) fiscalizar o cumprimento da legislação ambiental, segurança do trabalho e saúde ambiental no âmbito da CODEBA; v) coordenar a obtenção dos licenciamentos ambientais exigidos pelo órgãos governamentais e o cumprimento dos condicionantes (monitoramento, ações socioambientais, treinamentos, entre outros); w) preparar e aplicar programas de educação e treinamentos, sobre sustentabilidade e proteção o ambiental, segurança do trabalho e saúde ambiental; x) representar a CODEBA nos conselhos e comissões relacionadas a meio ambiente, segurança do trabalho e saúde ambiental; y) opinar sobre o Plano de Desenvolvimento e Zoneamento-PDZ no que se refere aos aspectos ambientais; z) elaborar plano anual de gestão ambiental integrado e apresentar o relatório anual à Diretoria Executiva; aa) estimular e acompanhar o funcionamento da Comissão Técnica de Garantia Ambiental CTGA, apresentando anualmente à Diretoria Executiva, o Relatório Técnico de Garantia Ambiental; ab) executar as atividades previstas na legislação, relativas à higiene ocupacional, controle de vetores, da sinalização de saúde e campanhas educativas;

19 REGIMENTO INTERNO 19 ac) participar do comitê de saúde e contribuir para certificação de saúde dos portos; ad) acompanhar a execução das ações de preparação e enfrentamento de emergência em saúde pública; ae) ser consultado e emitir parecer quanto às exigências legais de segurança do trabalho, saúde ambiental e meio ambiente para as contratações de serviços e compra de materiais de segurança; af) definir e implantar o plano de informática da Companhia; ag) fornecer suporte técnico às diversas áreas da Companhia, pesquisando e especificando os recursos lógicos e equipamentos em tecnologia da informação; ah) responder pela qualidade/otimização dos serviços de suporte às áreas de internet, sítio eletrônico, rede interna, correio eletrônico etc; ai) controlar a integração dos sistemas e pontos de contato da tecnologia da informação, dentro da CODEBA, sejam clientes, terceiros ou usuários; aj) criar sistemas de controle interno que monitorem o fluxo de informações de forma correta, real e completa; ak) gerenciar os contratos de prestação de serviços ou fornecimentos relacionados à tecnologia da informação; al) definir e implementar a política e o plano de desenvolvimento e segurança da informação; am) executar outras atividades compatíveis com as competências desta Coordenação COORDENAÇÃO DA SECRETARIA EXECUTIVA COMPETÊNCIAS Coordenar a execução das atividades de apoio administrativo e assessoramento ao Diretor Presidente, além de organizar e controlar as reuniões da Assembleia Geral de Acionistas, dos Conselhos Fiscal e de Administração, e da Diretoria Executiva; executar as atividades de documentação, atuando como depositário legal de todas as publicações técnicas e administrativas de maior relevância para a Companhia; manter e preservar o acervo documental e histórico, e conduzir as atividades de arquivo administrativo, mantendo o Arquivo Geral e o Centro de Documentação e Informação da Companhia; bem como gerir o protocolo e coordenar as atividades das Comissões de Licitação. ATIVIDADES a) Executar as atividades de apoio administrativo ao Diretor Presidente da Companhia; b) acompanhar o Diretor Presidente ou representá-lo, quando designado, em reuniões ou solenidades em que a Companhia esteja envolvida;

20 REGIMENTO INTERNO 20 c) acompanhar a tramitação de documentos ou andamento de providências, nos órgãos governamentais, referentes aos documentos expedidos pelo Diretor Presidente; d) analisar e opinar previamente sobre as matérias encaminhadas ao Diretor Presidente; e) ocupar-se do preparo e despacho do expediente funcional do Diretor Presidente; f) secretariar as reuniões da Diretoria Executiva, dos Conselhos de Administração e Fiscal, Conselho de Autoridade Portuária e da Assembleia Geral de Acionistas, prestando-lhes o apoio administrativo e logístico necessário ao seu funcionamento; g) executar a redação e edição dos atos a serem expedidos pelo Diretor Presidente, Diretoria Executiva e dos Conselhos de Administração e Fiscal, certificando-se do seu enquadramento nas normas vigentes e nos instrumentos administrativos em vigor; h) supervisionar as atividades de secretaria dos órgãos colegiados; i) acompanhar o atendimento de demandas externas, buscando o cumprimento de prazos e dispositivos legais; j) executar as atividades relativas à pesquisa, coleta, recebimento, análise, catalogação e recuperação do acervo documental, disseminando a bibliografia disponível e os instrumentos legais e normativos, internos e externos, pertinentes às atividades da empresa; k) administrar o Centro de Documentação e Informação e o Arquivo Geral da Companhia, mantendo em segurança os arquivos físicos, dispositivos magnéticos, e outros documentos e informações de interesse da CODEBA; l) executar as atividades de preservação da memória e do patrimônio histórico, administrando os arquivos históricos e museu da CODEBA; m) controlar as entradas e saídas de documentos, zelando pela segurança e confiabilidade dos documentos e informações; n) supervisionar as atividades da Comissão Permanente de Licitação ou Comissões Especiais, conforme legislação em vigor; o) executar outras atividades compatíveis com as competências desta Coordenação ÓRGÃOS VINCULADOS AO DIRETOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA COORDENAÇÃO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA COMPETÊNCIAS Planejar e coordenar a execução das políticas de serviços gerais, seguros, gestão de pessoas, administração de pessoal, benefícios e assistência social, conservação e

21 REGIMENTO INTERNO 21 manutenção, gestão patrimonial, serviços especializados de higiene e medicina do trabalho. ATIVIDADES a) Planejar, dirigir e controlar as compras de materiais e equipamentos, de acordo com a legislação vigente; b) orientar e participar no desenvolvimento de novos fornecedores de forma a obter melhores preços, condições de pagamento e prazo de entrega, supervisionando a elaboração e manutenção de cadastro de fornecedores; c) providenciar a contratação de serviços administrativos e compras de material de consumo e bens patrimoniais, bem assim prestar apoio administrativo à realização das licitações; d) executar a política de seguros e garantias, controlando as apólices e certificados, tomando as medidas necessárias à sua renovação e ao ressarcimento de valores assegurados, quando necessário; e) executar as atividades de conservação e manutenção das instalações, e manutenção dos equipamentos de serviços gerais da Companhia; f) gerenciar os contratos de serviços gerais (limpeza, copa, manutenção de equipamentos de escritório, transportes, aparelhos de ar condicionado, potabilidade de água, telefonia, passagens e outros), bem como acompanhar o cumprimento pela CODEBA das legislações específicas a cada atividade; g) desenvolver as atividades de controle do patrimônio, mantendo os alvarás de funcionamento atualizados junto aos órgãos competentes, consumo de bens próprios, passagens, diárias, transportes, ajuda de custo, manutenção, conservação e abastecimento de veículos; h) elaborar, implantar, manter atualizado e propor alterações no plano de cargos, carreira e salários; i) gerenciar o plano de carreira, desenvolvimento e sucessão de pessoas da Companhia; j) desenvolver e gerir o plano de educação, treinamento e desenvolvimento de pessoas da Companhia; k) implantar a pesquisa de clima organizacional e a avaliação de desempenho de pessoas da Companhia; l) desenvolver o plano de recompensas e retenção de talentos; m) coordenar e executar as atividades relativas a recrutamento, seleção, admissão, registro, controle, pagamento, férias, acompanhamento funcional, avaliação de desempenho, assistência médico-social, concessão de benefícios e dispensa; n) executar as atividades previstas na legislação vigente sobre Higiene e Medicina do Trabalho, no âmbito da Companhia e gerir os programas de saúde ocupacional e os postos de atendimentos a emergências;

22 REGIMENTO INTERNO 22 o) manter o cadastro de ex-empregados aposentados ou desligados, executando atividades ligadas a pagamentos, benefícios e controles; p) coordenar a seleção dos estágios profissionais e manter o controle das atividades inerentes à sua realização; q) gerir os contratos referente à gestão de pessoas (pesquisa de clima, avaliação de desempenho, concurso público, gestão de estágios, programas assistenciais); r) coordenar as atividades relativas ao comitê de saúde e certificação de saúde dos portos. s) recolher os encargos sociais exigidos em legislação específica; t) emitir relatórios, mantendo as relações entre empresa e empregado em acordo com a legislação vigente e normas da Companhia; u) representar a CODEBA em negociações com entidades sindicais; v) executar outras atividades compatíveis com as competências desta Coordenação COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE RECURSOS FINANCEIROS COMPETÊNCIAS Coordenar a execução das atividades de administração das finanças da Companhia, programando e acompanhando a administração do caixa, a administração de contas a pagar, o faturamento e a cobrança, a administração da contabilidade geral e a gestão financeira de contratos; assessorar as atividades de planejamento financeiro; apoiar a Diretoria Executiva na captação de recursos de investimento junto aos órgãos governamentais. ATIVIDADES a) Administrar dentro da contabilidade geral as atividades inerentes a classificações e conciliações contábeis/financeiras, para apurar os elementos necessários ao controle e apresentação da situação patrimonial, econômica e financeira; b) elaborar o balanço patrimonial, demonstração de resultados da CODEBA e escrituração contábil de acordo com a legislação contábil e fiscal vigente; c) responder e dar apoio às auditorias internas e externas; d) realizar o planejamento, apuração, execução e acompanhamento tributário da CODEBA, visando maximizar as oportunidades e benefícios fiscais oferecidos, como também evitar penalidades, visando otimizar os recursos financeiros; e) executar os serviços de tesouraria, controle de fluxo de caixa e de contas bancárias, informando diariamente a posição à Diretoria Executiva; f) controlar saldos médios e reciprocidade, bem como efetuar aplicações ou captações financeiras junto ao mercado, e contatar bancos e outras entidades afins, conforme a política da CODEBA;

23 REGIMENTO INTERNO 23 g) executar a programação financeira da Companhia, em função dos compromissos e receitas decorrentes de suas atividades; h) exercer o acompanhamento financeiro das obras em andamento, sugerindo medidas para sua adequação à situação econômico-financeira da Companhia; i) elaborar, em conjunto com a Coordenação de Assuntos Estratégicos, as propostas de orçamento anual e plurianual, bem como realizar o acompanhamento da execução orçamentária, controlando as dotações aprovadas e as reformulações, quando necessárias; j) realizar estudos econômico-financeiros, objetivando subsidiar a tomada de decisões sobre investimentos, e a correção de desvios orçamentários e financeiros da Companhia; k) coordenar e executar as atividades de faturamento dos serviços e produtos oferecidos pela Companhia, bem como o de contas a receber e a pagar da Companhia; l) propor e manter sistema de administração de custos; m) realizar a gestão administrativa e financeira de todos os contratos da Companhia; n) analisar os planos de receitas e indicações de desvios que venham a se verificar entre a posição financeira e contábil, a fim de serem posteriormente explicadas pelas áreas intervenientes; o) exercer o acompanhamento e controle dos cronogramas financeiros das obras e serviços em andamento, propondo medidas para sua adequação à realidade econômico-financeira da Companhia e aos Planos de Gestão, estratégicos e de ação, da Companhia; p) elaborar demonstrativos gerenciais de receitas e desembolsos a curto, médio e longo prazos e manter atualizado sistema de informações econômico-financeiras e contábil, para acesso a diversas áreas da Companhia; q) preparar declarações de rendimentos da Companhia, bem como emitir guias para recolhimento de tributos, taxas, impostos e contribuições de sua responsabilidade; r) diligenciar a tramitação de pedidos de recursos financeiros para investimentos; s) executar outras atividades compatíveis com as competências desta Coordenação ÓRGÃOS VINCULADOS AO DIRETOR DE INFRAESTRUTURA E GESTÃO PORTUÁRIA COORDENAÇÃO DE INFRAESTRUTURA COMPETÊNCIAS Executar as atividades de planejamento de projetos de engenharia e arquitetura; elaborar anteprojetos, projetos básicos e projetos executivos, além da execução e

24 REGIMENTO INTERNO 24 fiscalização de obras; coordenar as atividades de manutenção/conservação civil, mecânica e elétrica das instalações e equipamentos da Companhia. ATIVIDADES a) Elaborar desenvolver e/ou avaliar estudos, anteprojetos, projetos básicos e projetos executivos de engenharia e arquitetura, mantendo o arquivo técnico de engenharia da Companhia; b) programar, acompanhar e controlar a dragagem dos canais de acesso, faixa próxima ao cais e bacia de evolução dos Portos; c) estabelecer e divulgar, em conjunto com as Coordenações de Gestão Portuária, sob a coordenação da Autoridade Marítima, o calado máximo de operação dos navios, em função dos levantamentos batimétricos efetuados; d) fiscalizar as obras e os serviços de manutenção e de conservação nas áreas e instalações; e) realizar serviços de manutenção corretiva/preventiva da infraestrutura marítima e terrestre, equipamentos, instalações, predial e obras civis; f) controlar a execução dos programas anuais de obras e serviços; g) participar da elaboração de contratos e convênios de fornecimento de equipamentos portuários, equipamentos, obras e serviços de engenharia, bem como opinar, rever e propor cláusulas técnicas para a elaboração de editais de licitação, e outros instrumentos legais; h) pesquisar os serviços técnicos, em engenharia hidráulica e hidrodinâmica, bem como acompanhar as inovações no setor de engenharia portuária; i) elaborar e atualizar os planos de obras de investimento e custeio, bem como avaliar a execução física e financeira dos projetos, estimulando os projetos sustentáveis; j) desenvolver e manter a infraestrutura portuária atualizada para operação dos Portos de acordo com as demandas de mercado; k) elaborar e gerenciar contratos e convênios de fornecimento de equipamentos portuários, obras, serviços de engenharia, sinalização e balizamento náuticos das áreas marítimas dos Portos; l) analisar projetos de obras e de aquisição de equipamentos propostos por arrendatários e acompanhar sua implementação; m) estudar e coletar dados para a desapropriação de terrenos e/ou benfeitorias indispensáveis à execução de obras e instalações, ou para arrendamento de áreas e instalações; n) relacionar, com base nas prioridades definidas pela Diretoria Executiva, as obras de investimento que comporão a proposta orçamentária anual; o) desenvolver e manter a infraestrutura, compreendendo canais de acesso, bacias de evolução e áreas de fundeio;

25 REGIMENTO INTERNO 25 p) medir e gerenciar o consumo de energia e água na Sede e Portos; q) desenvolver e gerenciar as redes de energia, água, saneamento da Sede e dos Portos; r) elaborar e executar os planos de manutenção corretiva e preventiva da CODEBA; s) desenvolver e gerenciar as redes telefônica, lógica e de comunicação da Sede e dos Portos, com base nos planos e projetos desenvolvidos pela Coordenação de Assuntos Estratégicos; t) interagir com os demais Coordenadores, para solucionar entraves ou agilizar ações relacionadas às respectivas competências; e u) executar outras atividades compatíveis com as competências desta Coordenação COORDENAÇÃO DE GESTÃO PORTUÁRIA DE SALVADOR COMPETÊNCIAS Organizar a programação diária para atracação das embarcações, mantendo entendimentos com os arrendatários das instalações e com os operadores portuários responsáveis pela movimentação das cargas, sempre que necessário; propor normas e critérios para regulamentar o acesso e guarda, exploração e funcionamento do Porto Organizado de Salvador; fiscalizar os Operadores Portuários e as operações portuárias, para que os serviços se realizem com a eficiência e a eficácia desejados; fornecer o aparelhamento portuário especializado e outras facilidades disponíveis no Porto; bem como coordenar as atividades de guarda portuária do Porto. ATIVIDADES a) Controlar e disciplinar o acesso nas instalações da CODEBA e seus Portos, através da identificação e supervisão de entrada e saída de veículos, cargas e pessoas ligadas às empresas prestadoras de serviços, aos operadores portuários, arrendatários e empregados da CODEBA; b) controlar as condições de segurança e estacionamento dos veículos que acessam a CODEBA; c) controlar a armazenagem de carga do ponto de vista aduaneiro e consolidar os dados para faturamento e estatística; d) programar a entrada e saída de veículos de carga destinados às áreas não arrendadas; e) atender as requisições de fornecimento de água, pesagem, equipamentos e outros serviços enquanto prestados pela CODEBA e consolidar os dados para faturamento; f) programar e controlar a atracação e desatracação de navios, mantendo o acompanhamento atualizado dos navios programados, fundeados e atracados e informando diariamente ao Diretor de Infraestrutura e Diretor Presidente;

26 REGIMENTO INTERNO 26 g) autorizar a entrada e a saída, inclusive a atracação e desatracação, o fundeio e o tráfego de embarcações na área do Porto Organizado, previamente ouvidas as demais autoridades do Porto, bem assim a movimentação de cargas das referidas embarcações, ressalvadas as intervenções da Autoridade Marítima nas movimentações consideradas prioritárias em situações de assistência e salvamento de embarcação; h) suspender as operações portuárias que prejudiquem o bom funcionamento do Porto e do cumprimento das legislações, ressalvados os aspectos de interesse da Autoridade Marítima, responsável pela segurança do tráfego aquaviário; i) propor normas para regulamento da exploração e funcionamento do Porto, e gestão portuária; j) definir os critérios do nível da qualidade da prestação de serviços ofertados aos clientes/usuários, em conjunto com a Coordenação de Assuntos Estratégicos; k) propor o credenciamento e descredenciamento dos Operadores Portuários; l) fiscalizar os Operadores Portuários e as operações portuárias, zelando para que os serviços se realizem com regularidade, eficiência, eficácia, segurança e respeito ao meio-ambiente; m) participar da elaboração e cumprir os Planos e Programas Ambientais e de Controle de Emergências, Ajuda Mútua, de Gerenciamento de Resíduos e de Segurança Pública Portuária; n) lavrar autos de infração, registros de avarias, controlar a movimentação de cargas, indicando suas quantidades, e consolidar as informações, por navio, para faturamento e estatística; o) identificar necessidade de manutenção e reparo de infraestrutura e equipamentos e apoiar a execução das manutenções; p) gerenciar os serviços de manutenção predial do Porto e validar a execução dos planos de manutenção; q) apoiar a fiscalização das condições de segurança do trabalho nos serviços executados no Porto; r) executar as compras e serviços não programados, até o limite estabelecido pelo Diretor Administrativo e Financeiro; s) participar da elaboração do PDZ do Porto; t) formar a Brigada de Emergência do Porto; u) interagir com o Órgão de Gestão de Mão-de-Obra do Trabalho Portuário Avulso do Porto, sempre que necessário; v) interagir com os demais Coordenadores, para solucionar entraves ou agilizar ações relacionadas às respectivas competências; w) monitorar toda a área portuária, notadamente o seu perímetro, através de rondas ostensivas e pelo Circuito Fechado de TV-CFTV, para cumprimento do Plano de Segurança Pública Portuária-PSPP;

27 REGIMENTO INTERNO 27 x) manter a segurança patrimonial sobre as instalações, os bens e as propriedades da CODEBA, contra furtos e roubos, invasões, danos e/ou destruição premeditada ou acidental, por meio de ações preventivas e/ou repressivas; y) coordenar todas as atividades de acompanhamento, atualização dos Planos e treinamento de pessoal de forma a garantir a manutenção da certificação do Código Internacional de Segurança dos Navios e Instalações Portuárias ISPS Code; z) promover a capacitação contínua da Guarda Portuária; aa) cumprir as determinações do Regulamento da Guarda Portuária da CODEBA; ab) executar outras atividades compatíveis com as competências desta Coordenação COORDENAÇÃO DE GESTÃO PORTUÁRIA DE ARATU COMPETÊNCIAS Organizar a programação diária para atracação das embarcações, mantendo entendimentos com os arrendatários das instalações e com os operadores portuários responsáveis pela movimentação das cargas, sempre que necessário; propor normas e critérios para regulamentar o acesso e guarda, exploração e funcionamento do Porto Organizado de Aratu; fiscalizar os Operadores Portuários e as operações portuárias, para que os serviços se realizem com a eficiência e a eficácia desejados; fornecer o aparelhamento portuário especializado e outras facilidades disponíveis no Porto; bem como coordenar as atividades de guarda portuária do Porto. ATIVIDADES a) Controlar e disciplinar o acesso nas instalações da CODEBA e seus Portos, através da identificação e supervisão de entrada e saída de veículos, cargas e pessoas ligadas às empresas prestadoras de serviços, aos operadores portuários, arrendatários e empregados da CODEBA; b) controlar as condições de segurança e estacionamento dos veículos que acessam a CODEBA; c) controlar a armazenagem de carga do ponto de vista aduaneiro e consolidar os dados para faturamento e estatística; d) programar a entrada e saída de veículos de carga destinados às áreas não arrendadas; e) atender as requisições de fornecimento de água, pesagem, equipamentos e outros serviços enquanto prestados pela CODEBA e consolidar os dados para faturamento; f) programar e controlar a atracação e desatracação de navios, mantendo o acompanhamento atualizado dos navios programados, fundeados e atracados e informando diariamente ao Diretor de Infraestrutura e Diretor Presidente;

28 REGIMENTO INTERNO 28 g) autorizar a entrada e a saída, inclusive a atracação e desatracação, o fundeio e o tráfego de embarcações na área do Porto Organizado, previamente ouvidas as demais autoridades do Porto, bem assim a movimentação de cargas das referidas embarcações, ressalvadas as intervenções da Autoridade Marítima nas movimentações consideradas prioritárias em situações de assistência e salvamento de embarcação; h) suspender as operações portuárias que prejudiquem o bom funcionamento do Porto e do cumprimento das legislações, ressalvados os aspectos de interesse da Autoridade Marítima, responsável pela segurança do tráfego aquaviário; i) propor normas para regulamento da exploração e funcionamento do Porto, e gestão portuária; j) definir os critérios do nível da qualidade da prestação de serviços ofertados aos clientes/usuários, em conjunto com a Coordenação de Assuntos Estratégicos; k) propor o credenciamento e descredenciamento dos Operadores Portuários; l) fiscalizar os Operadores Portuários e as operações portuárias, zelando para que os serviços se realizem com regularidade, eficiência, eficácia, segurança e respeito ao meio-ambiente; m) participar da elaboração e cumprir os Planos e Programas Ambientais e de Controle de Emergências, Ajuda Mútua, de Gerenciamento de Resíduos e de Segurança Pública Portuária; n) lavrar autos de infração, registros de avarias, controlar a movimentação de cargas, indicando suas quantidades, e consolidar as informações, por navio, para faturamento e estatística; o) identificar necessidade de manutenção e reparo de infraestrutura e equipamentos e apoiar a execução das manutenções; p) gerenciar os serviços de manutenção predial do Porto e validar a execução dos planos de manutenção; q) apoiar a fiscalização das condições de segurança do trabalho nos serviços executados no Porto; r) executar as compras e serviços não programados, até o limite estabelecido pelo Diretor Administrativo e Financeiro; s) participar da elaboração do PDZ do Porto; t) formar a Brigada de Emergência do Porto; u) interagir com o Órgão de Gestão de Mão-de-Obra do Trabalho Portuário Avulso do Porto, sempre que necessário; v) interagir com os demais Coordenadores, para solucionar entraves ou agilizar ações relacionadas às respectivas competências; w) monitorar toda a área portuária, notadamente o seu perímetro, através de rondas ostensivas e pelo Circuito Fechado de TV-CFTV, para cumprimento do Plano de Segurança Pública Portuária-PSPP;

29 REGIMENTO INTERNO 29 x) manter a segurança patrimonial sobre as instalações, os bens e as propriedades da CODEBA, contra furtos e roubos, invasões, danos e/ou destruição premeditada ou acidental, por meio de ações preventivas e/ou repressivas; y) coordenar todas as atividades de acompanhamento, atualização dos Planos e treinamento de pessoal de forma a garantir a manutenção da certificação do Código Internacional de Segurança dos Navios e Instalações Portuárias ISPS Code; z) promover a capacitação contínua da Guarda Portuária; aa) cumprir as determinações do Regulamento da Guarda Portuária da CODEBA; ab) executar outras atividades compatíveis com as competências desta Coordenação COORDENAÇÃO DE GESTÃO PORTUÁRIA DE ILHÉUS COMPETÊNCIAS Organizar a programação diária para atracação das embarcações, mantendo entendimentos com os arrendatários das instalações e com os operadores portuários responsáveis pela movimentação das cargas, sempre que necessário; propor normas e critérios para regulamentar o acesso e guarda, exploração e funcionamento do Porto Organizado de Ilhéus; fiscalizar os Operadores Portuários e as operações portuárias, para que os serviços se realizem com a eficiência e a eficácia desejados; fornecer o aparelhamento portuário especializado e outras facilidades disponíveis no Porto; bem como coordenar as atividades de guarda portuária do Porto. ATIVIDADES a) Controlar e disciplinar o acesso nas instalações da CODEBA e seus Portos, através da identificação e supervisão de entrada e saída de veículos, cargas e pessoas ligadas às empresas prestadoras de serviços, aos operadores portuários, arrendatários e empregados da CODEBA; b) controlar as condições de segurança e estacionamento dos veículos que acessam a CODEBA; c) controlar a armazenagem de carga do ponto de vista aduaneiro e consolidar os dados para faturamento e estatística; d) programar a entrada e saída de veículos de carga destinados às áreas não arrendadas; e) atender as requisições de fornecimento de água, pesagem, equipamentos e outros serviços enquanto prestados pela CODEBA e consolidar os dados para faturamento; f) programar e controlar a atracação e desatracação de navios, mantendo o acompanhamento atualizado dos navios programados, fundeados e atracados e informando diariamente ao Diretor de Infraestrutura e Diretor Presidente;

30 REGIMENTO INTERNO 30 g) autorizar a entrada e a saída, inclusive a atracação e desatracação, o fundeio e o tráfego de embarcações na área do Porto Organizado, previamente ouvidas as demais autoridades do Porto, bem assim a movimentação de cargas das referidas embarcações, ressalvadas as intervenções da Autoridade Marítima nas movimentações consideradas prioritárias em situações de assistência e salvamento de embarcação; h) suspender as operações portuárias que prejudiquem o bom funcionamento do Porto e do cumprimento das legislações, ressalvados os aspectos de interesse da Autoridade Marítima, responsável pela segurança do tráfego aquaviário; i) propor normas para regulamento da exploração e funcionamento do Porto, e gestão portuária; j) definir os critérios do nível da qualidade da prestação de serviços ofertados aos clientes/usuários, em conjunto com a Coordenação de Assuntos Estratégicos; k) propor o credenciamento e descredenciamento dos Operadores Portuários; l) fiscalizar os Operadores Portuários e as operações portuárias, zelando para que os serviços se realizem com regularidade, eficiência, eficácia, segurança e respeito ao meio-ambiente; m) participar da elaboração e cumprir os Planos e Programas Ambientais e de Controle de Emergências, Ajuda Mútua, de Gerenciamento de Resíduos e de Segurança Pública Portuária; n) lavrar autos de infração, registros de avarias, controlar a movimentação de cargas, indicando suas quantidades, e consolidar as informações, por navio, para faturamento e estatística; o) identificar necessidade de manutenção e reparo de infraestrutura e equipamentos e apoiar a execução das manutenções; p) gerenciar os serviços de manutenção predial do Porto e validar a execução dos planos de manutenção; q) apoiar a fiscalização das condições de segurança do trabalho nos serviços executados no Porto; r) executar as compras e serviços não programados, até o limite estabelecido pelo Diretor Administrativo e Financeiro; s) participar da elaboração do PDZ do Porto; t) formar a Brigada de Emergência do Porto; u) interagir com o Órgão de Gestão de Mão-de-Obra do Trabalho Portuário Avulso do Porto, sempre que necessário; v) interagir com os demais Coordenadores, para solucionar entraves ou agilizar ações relacionadas às respectivas competências; w) monitorar toda a área portuária, notadamente o seu perímetro, através de rondas ostensivas e pelo Circuito Fechado de TV-CFTV, para cumprimento do Plano de Segurança Pública Portuária-PSPP;

31 REGIMENTO INTERNO 31 x) manter a segurança patrimonial sobre as instalações, os bens e as propriedades da CODEBA, contra furtos e roubos, invasões, danos e/ou destruição premeditada ou acidental, por meio de ações preventivas e/ou repressivas; y) coordenar todas as atividades de acompanhamento, atualização dos Planos e treinamento de pessoal de forma a garantir a manutenção da certificação do Código Internacional de Segurança dos Navios e Instalações Portuárias ISPS Code; z) promover a capacitação contínua da Guarda Portuária; aa) cumprir as determinações do Regulamento da Guarda Portuária da CODEBA; ab) executar outras atividades compatíveis com as competências desta Coordenação ÓRGÃO VINCULADO AO DIRETOR DE GESTÃO COMERCIAL E DE DESENVOLVIMENTO COORDENAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS COMPETÊNCIAS Planejar e gerenciar as ações vinculadas ao Programa de Marketing que possibilite atrair cargas para os Portos, estabelecer contatos com agentes/entidades externas e clientes, com o objetivo de promover a venda dos produtos e serviços da Companhia ou dos Portos e identificar novas oportunidades de negócios, que permitam atender aos objetivos e metas definidas pela Companhia; gerenciar, promover, controlar e executar as atividades de estudo, pesquisa e análise sobre os dados estatísticos e de desempenho operacional, observando o Regulamento de Exploração dos Portos e legislação em vigor; propor normas e critérios operacionais, manter o cadastro e certificar os Operadores Portuários privados; realizar estudos ligados à atividade portuária; elaborar anteprojeto de estrutura e composição tarifária, propondo preços e taxas; manter atualizados os registros das tarifas portuárias; desenvolver estudos sobre estimativas e projeções de dados operacionais. ATIVIDADES a) Atender e prestar apoio técnico aos clientes da CODEBA, interagindo com as áreas técnicas envolvidas; b) realizar articulações institucionais e com entidades intermodais de transporte; c) manter atualizado o controle das áreas arrendadas e não arrendadas, bem como realizar/contratar estudos de viabilidade técnica e econômica para os arrendamentos de áreas; d) checar, sistematicamente, o nível de satisfação dos clientes/usuários dos Portos, sugerindo as medidas corretivas necessárias;

32 REGIMENTO INTERNO 32 e) desenvolver campanhas de atração de usuários em potencial, divulgando as facilidades portuárias e tarifas competitivas, e promover a CODEBA e as atividades desenvolvidas nos Portos; f) promover estudos, visando ao aumento da produtividade e redução dos custos das operações portuárias, relacionados aos equipamentos, instalações e pessoal, em conjunto com o Conselho de Autoridade Portuária; g) acompanhar o desempenho e atuação dos operadores portuários, observando a legislação vigente, o Regulamento de Exploração do Porto e normas específicas; h) realizar estudos de tarifas portuárias e controlar os valores das taxas cobradas por operadores e arrendatários; i) elaborar relatórios de estatística portuária e gerencial da CODEBA, manter e analisar as informações estatísticas de natureza operacional e de mercado (produzidas pela Companhia e pelos demais agentes que atuam nos Portos Organizados) e fazer ampla divulgação dessas informações; j) analisar tendências e cenários mercadológicos, e propor ações estratégicas para o desenvolvimento da atividade portuária; k) desenvolver ações de marketing e desenvolvimento da Companhia, analisando a rede de relacionamento atual e potencial, definindo estratégias de aproximação e interação; l) realizar/contratar estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental, para melhor utilização das áreas portuárias, interagindo com a Coordenação de Assuntos Estratégicos; m) elaborar e propor revisões no Plano de Desenvolvimento e Zoneamento e no Programa de Arrendamento Portuário, visando à utilização das áreas disponíveis nos Portos; n) representar a CODEBA em eventos de natureza comercial e institucional, promovendo os interesses da Companhia e dos usuários dos Portos; o) articular e negociar com operadores e agentes a exploração da atividade portuária dentro dos portos administrados pela CODEBA; p) realizar a gestão e fiscalização dos contratos de arrendamento operacional e nãooperacional e de outra natureza, mantendo banco de dados das informações; q) acompanhar e fiscalizar o fornecimento de serviços operacionais; r) credenciar e certificar de Operadores Portuários; s) fiscalizar e regular os preços e a qualidade dos serviços ofertados por operadores portuários e arrendatários, visando a proteger os usuários do porto contra práticas abusivas; t) compor os processos de arrendamento, obtendo dados/informações junto às áreas competentes - projetos de engenharia, licenciamento ambiental e de segurança e pareceres jurídicos; u) propor critérios de desempenho para operadores e arrendatários;

33 REGIMENTO INTERNO 33 v) coordenar a fiscalização de arrendamentos com apoio das áreas ambiental, de engenharia e gestão portuária; w) propor medidas cabíveis contra o não cumprimento de contratos ou de critérios de desempenho adotados; x) executar outras atividades compatíveis com as competências desta Coordenação ATRIBUIÇÕES COMUNS ATRIBUIÇÕES COMUNS AOS DIRETORES a) Participar da elaboração do planejamento da gestão estratégica e zelar pelo cumprimento dos objetivos, metas e planos de ação estabelecidos; b) elaborar, propor e fazer cumprir normas, padrões e instruções de trabalho para as equipes sob sua responsabilidade, bem como acompanhar o cumprimento da legislação vigente; c) assumir o compromisso com a completa satisfação do Cliente da Companhia, promovendo e estimulando a aplicação da Política de Qualidade por ela definida; d) estabelecer, desenvolver e promover as relações de trabalho entre os empregados sob sua subordinação e destes com os demais da Companhia; e) resguardar os bens e o patrimônio sob seu controle; f) promover a melhor utilização dos recursos da Companhia, sob sua responsabilidade, visando ao aprimoramento constante dos níveis de eficiência; g) propor a atualização da estrutura organizacional das áreas sob sua responsabilidade; h) ordenar despesas de acordo com os limites e condições fixados; i) controlar as despesas sob sua responsabilidade, estabelecendo e fazendo cumprir os orçamentos ou padrões de despesas e promovendo redução de custos possíveis; j) determinar a realização, por empregado subordinado, de inspeções e auditagens de qualquer natureza, tomadas de contas, sindicâncias e inquéritos relacionados com as áreas sob sua responsabilidade; k) autorizar a movimentação interna do pessoal lotado na sua área de atuação e propor, ao Diretor Presidente, a transferência desses para outras áreas; l) expedir ato para formalizar suas decisões, observadas as normas de comunicação e de padronização da Companhia; e m) executar outras atribuições que forem confiadas pela Assembleia de Acionistas, Conselho de Administração, Conselho de Autoridade Portuária e pela Diretoria Executiva ATRIBUIÇÕES COMUNS AOS COORDENADORES

34 REGIMENTO INTERNO 34 a) Exercer a direção e a coordenação técnico-administrativa do órgão e executar as tarefas que lhe forem atribuídas, observando os programas e planos de trabalho e respectivo orçamento; b) cumprir e fazer cumprir as diretrizes da Companhia; c) propor ao Diretor da Área o programa anual de trabalho e a correspondente previsão orçamentária, modificações nas normas e instrumentos administrativos de caráter geral ou específicos do órgão; d) manter o Diretor da área informado sobre o andamento dos programas de trabalho do órgão; e) controlar o orçamento do órgão, bem como autorizar a realização de despesas, respeitando os limites estabelecidos nas normas vigentes e delegações de competência; f) colaborar com os programas de recrutamento, seleção, treinamento e desenvolvimento do pessoal destinado ou pertencente ao órgão, participando dos programas dirigidos ao seu aperfeiçoamento; g) utilizar os serviços dos órgãos da Companhia com funções especializadas, evitando duplicações desnecessárias; h) promover o aprimoramento das rotinas de serviço próprias e do órgão sob sua responsabilidade, utilizando metodologias específicas reconhecidas pela Companhia e submetê-las à consideração do Diretor da área; i) divulgar, cumprir e fazer cumprir pelos seus subordinados, mediante atuação constante, as normas, instruções e padrões da Companhia, bem como a legislação vigente; j) acompanhar as deliberações, recomendações e solicitações dos Conselhos de Autoridades Portuária e dos Órgãos de Gestão de Mão-de-Obra do Trabalho Portuário Avulso, no que se refere aos aspectos inerentes a sua área, assessorando o Diretor a que é vinculado quanto à análise e atendimento; k) estabelecer indicadores de desempenho para as equipes sob sua responsabilidade, controlando e avaliando os resultados, bem como participar e oferecer treinamento aos seus subordinados, para garantir a melhoria contínua desses resultados; l) manter intercâmbio e interação com entidades externas e demais órgãos da Companhia, cuja atividade tenha relação com as funções do órgão; m) preparar os relatórios de atividades do órgão; n) conservar atualizados os arquivos e registros de responsabilidade de seu órgão; zelar pela manutenção dos bancos de dados da área, permitindo o acesso às diversas áreas da CODEBA, com vistas ao bom andamento dos serviços prestados pela Companhia; o) zelar pela utilização eficiente dos bens e recursos postos a sua disposição; inclusive daqueles apresentados através dos Termos de Responsabilidade sob sua guarda (bens patrimoniais e acervo do Centro de Documentação e Informação); e

35 REGIMENTO INTERNO 35 p) requisitar materiais e serviços, de acordo com as normas em vigor, bem como expedir correspondências e demais documentos de sua responsabilidade ATRIBUIÇÕES COMUNS AOS EMPREGADOS a) Cumprir e respeitar as diretrizes, normas, instruções e atos normativos da Companhia e legislação em vigor, bem como atender com presteza as ordens recebidas dos superiores hierárquicos; b) cumprir suas atividades, atentando para os padrões e indicadores de desempenho e metas estabelecidos pela Companhia, sempre avaliando os seus resultados; c) manter comportamento ordeiro e condizente com a ética, a moral e os bons costumes; d) zelar pela integridade e segurança dos bens, recursos e do patrimônio da Companhia, inclusive daqueles sob a sua exclusiva responsabilidade (bens do acervo do Centro de Documentação e Informação).

36 REGIMENTO INTERNO ARQUITETURA ORGANIZACIONAL ORGANOGRAMA ASSEMBLEIA GERAL DE ACIONISTAS CONSELHO FISCAL CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA DIRETORIA EXECUTIVA DIRETOR PRESIDENTE COORDENAÇÃO DA SECRETARIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO JURÍDICA COORDENAÇÃO DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS DIRETOR DE GESTÃO COMERCIAL E DE DESENVOLVIMENTO DIRETOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DIRETOR DE INFRAESTRUTURA E GESTÃO PORTUÁRIA COORDENAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS COORD.DE GESTÃO ADMINISTRATIVA COORD.DE GESTÃO DE RECURSOS FINANCEIROS COORDENAÇÃO DE INFRAESTRUTURA COORDENAÇÃO DE GESTÃO PORTUÁRIA (SALVADOR) COORDENAÇÃO DE GESTÃO PORTUÁRIA (ARATU) COORDENAÇÃO DE GESTÃO PORTUÁRIA (ILHÉUS)

37 REGIMENTO INTERNO ATUALIZAÇÃO Aprovado pela Deliberação CONSAD n.º 008/87. Alterado pela Deliberação CONSAD n.º 004/90 - subitem Alterado pela Deliberação CONSAD n.º 008/90, de 26/11/90 - com revisão de todo o texto. Alterado pela Deliberação CONSAD n.º 001/92 - inclusão do subitem e alteração das folhas 03, 10, 19 e 26. Alterado pela Deliberação CONSAD n.º 002/97 - revisão geral - Ajustes para Reestruturação (Etapa 1) Alterado pela Deliberação CONSAD n.º 001/99 - revisão geral - Programa de Reestruturação (Etapa 2) Alterado pela Deliberação CONSAD n.º 006/2007 Altera redação do item 1 - Altera redação do caput subitem Altera redação do subitem 2.2 alínea e - Altera redação do item 3 alínea a - Altera Estrutura do item 4 - Altera redação do subitem 5.1 alínea a - Exclui alínea c do subitem Altera redação e posição das alíneas d ; l e n para c ; k e l - Exclui alínea m do subitem Altera redação da alínea k do subitem Altera redação das alíneas e ; g ; i ; l do subitem Altera redação do caput do subitem Altera redação das alíneas f e l do subitem Exclui alínea p do subitem Exclui alínea q do subitem Altera redação do caput do subitem Altera redação da alínea i do subitem Inclui subitem 5.3.4; Altera redação da alínea d do subitem Inseri subitem 5.7 que transfere subitem para subitem Altera numeração dos subitens posteriores - Altera Arquitetura Organizacional do item 6. Revisão apreciada na 469ª Reunião Ordinária da Diretoria Executiva, de 25 de setembro de Revisão aprovada pela Deliberação CDA nº 011/2012, de 08/10/2012. DIVULGAÇÃO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO TEL

REGIMENTO INTERNO DA CODEBA 2 SUMÁRIO

REGIMENTO INTERNO DA CODEBA 2 SUMÁRIO REGIMENTO INTERNO DELIBERAÇÃO CDA N o. 009 de 26/09/2014 SALVADOR - BA SETEMBRO 2014 REGIMENTO INTERNO DA CODEBA 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 03 1. NATUREZA... 03 2. OBJETO SOCIAL E COMPETÊNCIAS... 03 3.

Leia mais

CODEBA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA AUTORIDADE PORTUÁRIA REGIMENTO INTERNO. DELIBERAÇÃO CDA N o.

CODEBA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA AUTORIDADE PORTUÁRIA REGIMENTO INTERNO. DELIBERAÇÃO CDA N o. SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA AUTORIDADE PORTUÁRIA REGIMENTO INTERNO DELIBERAÇÃO CDA N o. 006/2007 SALVADOR - BA NOVEMBRO - 2007 2 SUMÁRIO Pág APRESENTAÇÃO... 3 1.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I - CONCEITO E FINALIDADE Art. 1º O Conselho de Administração é o órgão de orientação geral dos negócios e serviços da Caixa Econômica Federal, responsável

Leia mais

Estatuto Social Companhia Docas do Pará - CDP

Estatuto Social Companhia Docas do Pará - CDP Estatuto Social Companhia Docas do Pará - CDP Alterado pela AGO/AGE em 01/abril/2011 CDP CNPJ: 04.933.552/0001-03 Sociedade de Economia Mista, vinculada a Secretaria de Portos SEP Avenida Presidente Vargas,

Leia mais

faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N 663 DE 02 DE JULHO DE 1996. Cria o Programa Estadual de Desestatização, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CASA DA MOEDA DO BRASIL - CMB

REGIMENTO INTERNO DA CASA DA MOEDA DO BRASIL - CMB 1 DA CASA DA MOEDA DO BRASIL - CMB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Artigo 1º - A Casa da Moeda do Brasil - CMB, Empresa Pública Federal, criada pela Lei nº 5895, de 19 de junho de 1973, vinculada ao Ministério

Leia mais

Modelo de estatuto de Associação

Modelo de estatuto de Associação Modelo de estatuto de Associação CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa

Leia mais

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS

MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS MINUTA FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º A FUNDAÇÃO DE APOIO A SERVIÇOS TÉCNICOS, ENSINO E FOMENTO A PESQUISAS -

Leia mais

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO Artigo 1 - A Associação de Reflorestadores do Estado de Mato Grosso AREFLORESTA-MT, reger-se-á pelo seu ESTATUTO e por este REGIMENTO INTERNO. Finalidade Artigo 2 - O presente Regimento Interno tem por

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA BAIANA DE ALIMENTOS S/A EBAL

ESTATUTO DA EMPRESA BAIANA DE ALIMENTOS S/A EBAL ESTATUTO DA EMPRESA BAIANA DE ALIMENTOS S/A EBAL CAPITULO I NATUREZA, SEDE, FORO E DURAÇÃO ART. 1º - A EMPRESA BAIANA DE ALIMENTOS S/A - EBAL, sociedade por ações de capital autorizado, com personalidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES

INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES ESTATUTOS TÍTULO I DO NOME, DA NATUREZA, DO OBJETO, DA SEDE e DO FORO Art. 1º - O INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza Associação dos Administradores de Insolvências Estatutos Capítulo I Natureza e Fins Artigo 1º Natureza 1. A Associação dos Administradores de Insolvências, adiante designada simplesmente por ASSOCIAÇÃO,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: Denominação Artigo 1º - Corrêa Ribeiro S/A Comércio e Indústria é uma sociedade

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMPANHIA DE SEGUROS DO ESTADO DE SÃO PAULO TÍTULO I. Regime Jurídico, Sede, Objeto e Duração

REGIMENTO INTERNO DA COMPANHIA DE SEGUROS DO ESTADO DE SÃO PAULO TÍTULO I. Regime Jurídico, Sede, Objeto e Duração REGIMENTO INTERNO DA COMPANHIA DE SEGUROS DO ESTADO DE SÃO PAULO TÍTULO I Regime Jurídico, Sede, Objeto e Duração Artigo 1º - A - COSESP é regida pelo Estatuto Social e pela legislação que lhe for aplicável,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO Artigo 1º Artigo 2º Artigo 3º I II COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET, é uma sociedade por ações, de economia mista, que se regerá

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL AGE 20/08/2007

ESTATUTO SOCIAL AGE 20/08/2007 ESTATUTO SOCIAL AGE 20/08/2007 CDRJ - ESTATUTO SOCIAL ÍNDICE CAPÍTULOS Pág. I DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO... 1 II OBJETO SOCIAL E COMPETÊNCIA... 1 III CAPITAL SOCIAL, AÇÕES E ACIONISTAS... 4 IV ASSEMBLÉIA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A.

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 25-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 01-08-2002,

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS - SEADE

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS - SEADE ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS - SEADE CAPÍTULO I Da Fundação e seus objetivos Artigo 1º - A Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados SEADE, rege-se por estes Estatutos,

Leia mais

ANEXO I REGIMENTO INTERNO DO GABINETE DO MINISTRO CAPITULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO I REGIMENTO INTERNO DO GABINETE DO MINISTRO CAPITULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO I REGIMENTO INTERNO DO GABINETE DO MINISTRO CAPITULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Gabinete do Ministro, órgão subordinado diretamente ao Ministro

Leia mais

DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013

DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013 DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013 Aprova o Estatuto da Fundação Cidade das Artes. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o que dispõe o Decreto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Proposta de adequação do Estatuto Social.

Proposta de adequação do Estatuto Social. Proposta de adequação do Estatuto Social. Art. 23 A exclusão do Cooperado dar-se-á por: Texto atual: IV - Deixar de atender os requisitos estatutários para ingresso ou permanência na Cooperativa (neste

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º A Secretaria de Relações de

Leia mais

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA

Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA Regime Interno da Diretoria da BM&FBOVESPA REGIMENTO INTERNO DA DIRETORIA DA BM&FBOVESPA 1. Objeto O presente Regimento Interno ( Regimento ) tem o escopo de disciplinar o funcionamento do Diretoria da

Leia mais

PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB

PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB Plano Básico Organizacional BRB CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO S.A. PRESI/DIFAD/SUFAD GERGE GERÊNCIA DE GESTÃO PLANO BÁSICO ORGANIZACIONAL SINTÉTICO DA FINANCEIRA BRB BRASÍLIA - DF DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG Companhia de Saneamento de Minas Gerais REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA MG Adequado conforme Estatuto Social aprovado pela AGE de 28/03/2011 2 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COPASA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.582, DE 18 DE MARÇO DE 2005. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DA AGÊNCIA DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS DO ESTADO DE ALAGOAS AGESA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS Faço saber que

Leia mais

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE,

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE, LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 Autoriza o Poder Executivo a criar a Administração Estadual do Meio Ambiente, sob a forma de autarquia estadual, e dá outras providências. O GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010)

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) Aprova Regimento Interno da Pró-Reitoria de Administração PROAD. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A.

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1.º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima de capitais

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL P R E V I R B

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL P R E V I R B ESTATUTO DA FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO INSTITUTO DE RESSEGUROS DO BRASIL P R E V I R B (Aprovado pela Portaria PREVIC n o 372/2015, publicada no D.O.U. de 10/7/2015.) CAPÍTULO I DA CRIAÇÃO,

Leia mais

MRS LOGÍSTICA S.A. ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 4 DE OUTUBRO DE 2012 ANEXO I ESTATUTO SOCIAL

MRS LOGÍSTICA S.A. ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 4 DE OUTUBRO DE 2012 ANEXO I ESTATUTO SOCIAL MRS LOGÍSTICA S.A. ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 4 DE OUTUBRO DE 2012 ANEXO I ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, OBJETO, SEDE E DURAÇÃO Artigo 1 A MRS Logística S.A. ( Companhia ) reger-se-á

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ)

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADES Art 1º. A Fundação Instituto Tecnológico de Joinville, doravante denominada FITEJ, entidade

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS

NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS APROVADA NA REUNIÃO REALIZADA EM 18/02/2011, DO CONSELHO DE AUTORIDADE PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS. SUMÁRIO 1. Objetivo... 3 2. Âmbito

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ÍNDICE. CAPÍTULO I Da Sede. CAPÍTULO II Dos objetivos e finalidades. CAPITULO III Da estrutura organizacional básica

REGIMENTO INTERNO ÍNDICE. CAPÍTULO I Da Sede. CAPÍTULO II Dos objetivos e finalidades. CAPITULO III Da estrutura organizacional básica REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião dos Conselhos de Administração e Fiscal da ASSOCIAÇÃO DE TRANSPORTE DO NORTE CATARINENSE ASTRAN, inscrita no CNPJ n 10.437.997/0001-03, realizada em São Bento do Sul,

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS

Leia mais

EMAP é empresa pública, com personalidade jurídica de direito privado, 66 da Lei Estadual nº 7.356, de 29 de dezembro de 1998, com jurisdição

EMAP é empresa pública, com personalidade jurídica de direito privado, 66 da Lei Estadual nº 7.356, de 29 de dezembro de 1998, com jurisdição EMPRESA MARANHENSE DE ADMINISTRAÇÃO PORTUÁRIA EMAP CNPJ (MF) Nº 03.650.060/0001-48 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO: I DA DENOMINAÇÃO, PERSONALIDADE JURÍDICA, SEDE, FORO E DURAÇÃO Art. 1º Empresa Maranhense de

Leia mais

DECRETO Nº 30.329, DE 30 DE MARÇO DE 2007. Aprova o Regulamento da Secretaria de Recursos Hídricos - SRH e dá outras providências.

DECRETO Nº 30.329, DE 30 DE MARÇO DE 2007. Aprova o Regulamento da Secretaria de Recursos Hídricos - SRH e dá outras providências. DECRETO Nº 30.329, DE 30 DE MARÇO DE 2007. Aprova o Regulamento da Secretaria de Recursos Hídricos - SRH e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências.

DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013. Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. DECRETO Nº 14.407 DE 09 DE ABRIL DE 2013 Aprova o Regulamento do Sistema Financeiro e de Contabilidade do Estado, e dá outras providências. (Publicado no DOE de 10 de abril de 2013) O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU SALVADOR BA APROVADA NA REUNIÃO DE 16/02/2006 S U M Á R I O 1 - Objetivo 2 - Âmbito de aplicação 3 - Competências 4 - Definições

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO

MANUAL DE ORGANIZAÇÃO OUTUBRO/2006 ÍNDICE Documento de Referência 03 Histórico 04 Objetivo da FUNASA 05 Conceitos 06 e 07 Objetivos do Manual de Organização: De Informação 07 De Racionalização Estrutural e Funcional 07 e 08

Leia mais

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 Regulamenta o Fundo Especial Projeto Tiradentes, criado pela Lei nº 3.019, de 2000, de 3 de maio de 2000. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região

Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região Estatuto Social da Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região Da Denominação, Sede e Fins Artigo 1º - A Ação Comunitária da Chácara Santo Antonio e região é uma associação civil, de direito privado,

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES... DA LOCALIDADE DE... CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objetivos Art. 1º - A Associação dos agricultores... é uma sociedade civil, sem fins lucrativos, com

Leia mais

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA RENOVA ENERGIA S.A. 1. Objetivo da Outorga de Opções 1.1. Este Plano

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANÇA- ANDA

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANÇA- ANDA REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANÇA- ANDA - 1 - CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. A Associação Nacional de Pesquisadores em Dança, associação sem fins lucrativos

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA

REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA CAPITULO I PREÂMBULO Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento vem complementar e executar as normas estatutárias da Rede Procura Associação

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA ESTATUTO DA FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO, FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º - A FUNDAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA - FFM é pessoa jurídica de direito privado de fins não lucrativos, com

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007)

RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Publicação: 29/08/03 RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Cria a Superintendência Administrativa do Tribunal de Justiça e estabelece seu Regulamento. A CORTE SUPERIOR DO TRIBUNAL

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

PORTARIA N o 268, DE 30 DE JULHO DE 2013. (publicada no DOU de 31/07/2013, seção I, página 100)

PORTARIA N o 268, DE 30 DE JULHO DE 2013. (publicada no DOU de 31/07/2013, seção I, página 100) PORTARIA N o 268, DE 30 DE JULHO DE 2013. (publicada no DOU de 31/07/2013, seção I, página 100) A MINISTRA DE ESTADO DO PLANEAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso das atribuições que lhe confere o inciso

Leia mais

REGIMENTO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA SEÇÃO BAHIA

REGIMENTO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA SEÇÃO BAHIA REGIMENTO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA SEÇÃO BAHIA TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FORO E SEDE Art. 1º A Associação Nacional de História Seção Bahia, reorganizada na Assembléia Geral de Associados realizada

Leia mais

Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO

Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO Sociedade PÓLO DE EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SOFTWARE DO PLANALTO MÉDIO REGIMENTO INTERNO Aprovado em Reunião Ordinária do Conselho de Administração conforme registro em ata. Este Regimento Interno Regulamenta

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Auditoria

Regimento Interno do Comitê de Auditoria 01. FINALIDADE Art. 1º O Comitê de Auditoria (Coaud) rege-se pela legislação aplicável, pelo Estatuto Social do Banco do Brasil, por seu Regimento Interno e por decisões do Conselho de Administração. Art.

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social

ESTATUTO SOCIAL DO BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social ESTATUTO SOCIAL DO BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A. TÍTULO I Da denominação, sede, prazo de duração e objeto social Art. 1º - O BANCO ALFA DE INVESTIMENTO S.A. é uma sociedade Anônima regida pelo presente

Leia mais

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIABRASIL S.A. TBG PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO Edital PSPGEPE01/2007 De 16/10/2007 A

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA 20//2013 1 REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA CAPÍTULO I Princípios e Objetivos ARTIGO 1 O regimento interno do corpo clínico visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliações e direção

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

DECRETO N.º 19.259, DE 31 DE OUTUBRO DE 1997.

DECRETO N.º 19.259, DE 31 DE OUTUBRO DE 1997. DECRETO N.º 19.259, DE 31 DE OUTUBRO DE 1997. Dispõe sobre o Regulamento e a Estrutura Básica da Secretaria Extraordinária do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e Minerais, e dá outras providências.

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º ARTIGO 2. ARTIGO 3.

ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º ARTIGO 2. ARTIGO 3. ESTATUTOS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1.º Denominação e Regime Jurídico 1 - A empresa adota a denominação de RESIALENTEJO TRATAMENTO E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS, E.I.M., adiante designada por RESIALENTEJO,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

Alteração do Estatuto do IRS Instituto Roberto Simonsen, aprovada em Assembléia Geral realizada em 07 de outubro de 2008. INSTITUTO ROBERTO SIMONSEN

Alteração do Estatuto do IRS Instituto Roberto Simonsen, aprovada em Assembléia Geral realizada em 07 de outubro de 2008. INSTITUTO ROBERTO SIMONSEN Alteração do Estatuto do IRS Instituto Roberto Simonsen, aprovada em Assembléia Geral realizada em 07 de outubro de 2008. INSTITUTO ROBERTO SIMONSEN E S T A T U T O CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE E OBJETIVOS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria dos Transportes Metropolitanos ESTRADA DE FERRO CAMPOS DO JORDÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria dos Transportes Metropolitanos ESTRADA DE FERRO CAMPOS DO JORDÃO AN EXO II I DE SCRI ÇÃO DOS CARGOS 1. DF - DIRETORIA FERROVIÁRIA 1.1 Analista Ferroviário (Expediente / Assistência Jurídica) Atividades de nível superior relacionadas com a preparação de correspondência

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Constituição, Denominação e Natureza

ASSOCIAÇÃO TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Constituição, Denominação e Natureza ASSOCIAÇÃO TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Constituição, Denominação e Natureza A Associação Trienal de Arquitectura de Lisboa é uma associação cultural,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

Decreto nº 7.691, de 02 de Março de 2012

Decreto nº 7.691, de 02 de Março de 2012 Decreto nº 7.691, de 02 de Março de 2012 Diário Oficial da União nº 45, de 6 de março de 2012 (terça-feira) Seção 1 Págs. 24_27 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 7.691, DE 02 DE MARÇO DE 2012 Aprova a

Leia mais

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC

Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC Pode Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE DIREÇÃO E CHEFIAS DA SETIC 1. Diretor da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação Coordenar

Leia mais

DECRETO Nº 2.400, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010.

DECRETO Nº 2.400, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. DECRETO Nº 2.400, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Regimento Interno da Secretaria Executiva do Núcleo Segurança. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, Institui o Conselho de Controle das Empresas Estaduais - CCEE e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3681 - ANTAQ, DE 6 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 3681 - ANTAQ, DE 6 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 3681 - ANTAQ, DE 6 DE OUTUBRO DE 2014. APROVA A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E OS PROCEDIMENTOS DE ASSESSORAMENTO E CONSULTORIA JURÍDICA DA PROCURADORIA FEDERAL JUNTO À AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES

Leia mais