MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. Planejamento Anual de Atividades 2012 (01 de janeiro de 2012 a 31 de dezembro de 2012)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. Planejamento Anual de Atividades 2012 (01 de janeiro de 2012 a 31 de dezembro de 2012)"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA REDE IFES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Planejamento Anual de Atividades 2012 (01 de janeiro de 2012 a 31 de dezembro de 2012) 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1. Instituição de Ensino Superior: Universidade Federal de Juiz de Fora 1.2. Grupo: Grupo de Educação Tutorial em Engenharia Civil - PET-Civil 1.3. Home Page do Grupo: Data da Criação do Grupo:.Agosto de Natureza do Grupo: ( x ) Curso de graduação:.engenharia Civil ( ) Multi/Inter-disciplinar... (tema) ( ) Área do Conhecimento... (cursos relacionados) ( ) Institucional... (nome do Câmpus) 1.6. Nome do (a)tutor (a)...michèle Cristina Resende Farage do (a)tutor 1.8. Titulação e área:..doutorado Engenharia Civil 1.9. Data de ingresso do (a) Tutor (a) (mês/ano):.setembro/ ORIENTAÇÕES GERAIS Observar atentamente as diretrizes abaixo, tomando-as como orientação para a elaboração e redação do presente planejamento, de forma a evidenciar e retratar com clareza as atividades do grupo e do tutor quanto ao atendimento dos objetivos do Programa: O programa tem como objetivo, entre outros, a formulação de novas estratégias de desenvolvimento e modernização do ensino superior no país, contribuindo para a redução da evasão escolar. As atividades do grupo devem ser orientadas pelo princípio da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. Desta forma, devem necessariamente contemplar, ao menos, todas estas três áreas da formação acadêmica, de forma equilibrada, contribuindo para a reflexão e autonomia intelectual do estudante; Quanto às atividades de Ensino, além do alinhamento com o Projeto Político Pedagógico Institucional, recomenda-se que as mesmas aprimorem a formação voltada ao processo ensino-aprendizagem, bem como busquem inovações metodológicas; Quanto às atividades de Extensão, recomenda-se que as mesmas aprimorem a formação voltada às demandas da sociedade, do contexto profissional e da responsabilidade social. Neste contexto, cabe lembrar que o assistencialismo não se caracteriza como atividade de Extensão; Quanto às atividades de Pesquisa, recomenda-se que as mesmas aprimorem a formação voltada à reflexão sobre prioridades de pesquisa, aos métodos e metodologias de produção de conhecimento novo e análise crítica dos resultados; Sugere-se que tais atividades de Ensino, de Extensão e de Pesquisa sejam devidamente registradas nas instâncias específicas no âmbito da IES;

2 O modelo adotado pelo Programa prevê atividades de natureza coletiva e interdisciplinar. Logo, o grupo deve atentar para a formação voltada para o trabalho em equipe, cuidando para o não excesso de atividades de caráter individual. Quanto à interdisciplinaridade, as atividades devem contemplar ampla abrangência de temas no contexto de atuação do grupo; Entre os objetivos do Programa estão a contribuição para a elevação da qualidade da formação acadêmica dos alunos de graduação, tendo como estratégia o efeito multiplicador do petiano sobre os seus colegas estudantes da IES, principalmente aqueles do primeiro ano de graduação; Quanto às estratégias para a formação diferenciada e qualificada dos estudantes estão o estímulo ao espírito crítico, a atuação profissional pautada pela cidadania e pela função social da educação superior bem como o estímulo da formação de profissionais e docentes de elevada qualificação técnica, científica, tecnológica e acadêmica. 3. ATIVIDADES PROPOSTAS No planejamento geral das atividades considerar: A. A descrição da atividade em si; quais os objetivos da mesma; como a atividade será realizada. B. Quais os mecanismos de avaliação. C. Quais os resultados que se espera com a atividade: o Resultados / produtos esperados com a atividade: melhorias para o Curso, para a Educação, para a sociedade, meios para a socialização dos resultados, publicações etc. o Resultados esperados na formação dos petianos: habilidades, competências, conhecimentos, saberes, reflexões instaladas etc. Observação: Para cada uma das atividades, a descrição dos seus itens A, B e C deverá ser realizada em até mil palavras Atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão Atividades de ensino Descrição geral: As atividades de ensino a desenvolver abordam temas variados e podem ser classificadas em dois tipos distintos: i) Aulões: dirigidos para alunos dos primeiros períodos da Engenharia e caracterizam-se como atividades de reforço e fixação de conteúdos presentes no currículo do curso; ii) Minicursos: sobre temas diversos, de caráter extra-curricular, oferecidos prioritária mas não exclusivamente para os alunos da Engenharia Civil, tendo por foco complementar a formação do estudante. i)aulões de Fisica 1, Cálculo 1, Geometria Analítica e Mecânica e Aulão do Desespero A. Descrição A atividade consiste em aulas de reforço e aplicação de exercícios das disciplinas supracitadas que, tradicionalmente, apresentam índices elevados de reprovação por nota e por infrequência entre os estudantes do curso de Engenharia Civil. Os exercícios são selecionados com a orientação dos docentes das disciplinas em questão. O Aulão do Desespero consiste em aulas revisionais das mesmas disciplinas, sendo aplicadas em vésperas de provas, visando sanar dúvidas de última hora. Os aulões serão ministrados a cada duas semanas, com duas horas de duração, enquanto os aulões do desespero são programados em função do calendário das avaliações, em horários que atendam à disponibilidade dos alunos interessados. O principal objetivo é a redução dos índices de reprovação e repetência nas disciplinas em questão.

3 B - Mecanismos de Avaliação) A avaliação será feita de forma qualitativa através de questionários distribuídos aos participantes da atividade ao longo do ano, que permitem avaliar o grau de satisfação com a atividade e ainda a coleta de críticas e sugestões por parte dos envolvidos. Pretende-se ainda efetuar uma avaliação quantitativa através do acompanhamento do desempenho dos estudantes nas disciplinas em questão. C - Resultados esperados) Para os estudantes atendidos, espera-se contribuir para a melhoria do desempenho acadêmico, reduzindo o número de reprovações por nota e infrequência, através da prática do estudo contínuo. Para a formação dos petianos, a atividade permitirá o aprofundamento de conceitos básicos relacionados à Engenharia Civil, aperfeiçoamento da capacidade de expressão oral e escrita. ii) Minicursos: Serão oferecidos minicursos de temas variados, com duração entre 4 e 8 horas, todos abordando conteúdos extra-curriculares de caráter complementar à formação dos estudantes contando com apostilas desenvolvidas pelos próprios petianos. Os participantes recebem certificados, sendo permitida a conversão da carga-horária em créditos eletivos do curso de Engenharia Civil, com base na flexibilização curricular prevista no Projeto Pedagógico do curso, que contabiliza atividades extraclasse. Os minicursos são elaborados pelos petianos, sob o acompanhamento da tutora e de professores colaboradores. As aulas são ministradas pelos petianos, em alguns casos em duplas, em duas sessões: no primeiro e no segundo período letivo do ano. Aos responsáveis pelos minicursos cabem as seguintes tarefas: abertura de inscrições (eletrônicas, através do site do PET-Civil), ministrar as aulas e distribuir os certificados. Em 2012, serão oferecidos os seguintes: - Manipulação e programação de calculadoras científicas A. Descrição: A calculadora científica é uma importante ferramenta que acompanha o Engenheiro durante toda a sua carreira. Muitos alunos de Engenharia, principalmente os ingressantes, não sabem fazer o devido uso do equipamento de que dispõem e conhecem muito pouco do seu potencial. São oferecidos minicursos sobre as calculadoras mais comumente empregadas entre os alunos de Engenharia Civil da UFJF, quais sejam, a HP50G e a Casio fx-82ms. O objetivo é apresentar aos alunos as principais funções e aplicações, além de noções de programação. As aulas têm de 2 a 4 horas de duração, são de cunho prático e os alunos dispõem de material para consulta. curso, para avaliação do grau de satisfação do participante, que poderá ainda registrar críticas e C. Resultados esperados: Espera-se que os petianos e demais alunos dominem e explorem os recursos gráficos, de programação e as funções das calculadoras, empregando-as para resolver problemas relacionados às disciplinas cursadas e, posteriormente, para aplicações mais elaboradas. - Programação em Matlab A. Descrição: O Matlab é um ambiente de processamento algébrico que integra análise numérica, cálculo com matrizes, processamento de sinais e construção de gráficos, largamente empregado para a resolução de problemas de engenharia. O minicurso apresenta uma introdução à aplicação e à programação em Matlab, onde são apresentadas funções e recursos básicos do programa, além de noções de programação. O minicurso tem 4 horas de duração, de cunho prático, ministradas na sala do grupo PET-Civil. O material de consulta é uma apostila que fica disponível para download no site do grupo. O objetivo do curso é estimular entre os alunos o emprego de técnicas e recursos computacionais como suporte ao desenvolvimento de atividades acadêmicas e, posteriormente, à resolução de problemas com maior grau de complexidade. C. Resultados esperados: Entre os estudantes, aumentar o emprego de recursos computacionais como acessórios para o desenvolvimento de atividades acadêmicas. Para o petiano, espera-se um aumento na capacidade de expressão oral e escrita, além de aprimorar o conhecimento sobre o Matlab, propriamente dito.

4 - Aplicativos de planilha eletrônica A. Descrição: As planilhas eletrônicas, como o Microsoft Excel e a Planilha Eletrônica do Openoffice, são programas que se aplicam tanto ao desenvolvimento de cálculos e gráficos básicos como a aplicações mais avançadas, sendo de grande utilidade na área de Engenharia para efetuar análises, comparações e avaliação de dados numéricos. Apesar de serem bastante populares no meio acadêmico, suas principais funções e potencialidades são muitas vezes desconhecidas entre os alunos. O minicurso consiste em 4 horas de aula prática, cujo objetivo é apresentar uma introdução ao programa e diversos exemplos de aplicação. O material de consulta é uma apostila que pode ser obtida por download no site do grupo PET-Civil. C. Resultados esperados: Entre os estudantes, aumentar o emprego de planilhas eletrônicas como suporte às tarefas acadêmicas. Para o petiano, espera-se um aumento na capacidade de expressão oral e escrita, além da capacidade de organização. - Tutorial de Ftool A. Descrição: O Ftool é uma ferramenta computacional de cunho acadêmico aplicada à análise de estruturas planas reticuladas, desenvolvida pelo Tecgraf da PUC-Rio. Trata-se de um programa de fácil manuseio, grande eficácia, com uma interface extremamente amigável, aplicável ao ensino de conceitos importantes relacionados à Mecânica das Estruturas. O minicurso tem por objetivo apresentar um tutorial para aplicação do programa, com base na documentação disponível no site https://web.tecgraf.puc-rio.br/ftool. As aulas são de cunho prático. C. Resultados esperados: Entre os estudantes, a adoção do programa Ftool como suporte ao desenvolvimento de tarefas acadêmicas relacionadas à Mecânica das Estruturas. Para o petiano, a consolidação de conceitos relacionados ao tema e o aprimoramento da capacidade de expressão oral e escrita. - Programação em linguagem C: A. Descrição: A linguagem C é atualmente apresentada aos alunos da UFJF na disciplina obrigatória Algoritmos, no primeiro período do curso. O minicurso tem por objetivo estimular o emprego desta linguagem na resolução de problemas apresentados em outras disciplinas do curso, como Cálculo Numérico. As aulas serão práticas, consistindo em exemplos de implementação computacional de técnicas numéricas para resolução de problemas básicos, como a solução de sistema lineares, interpolação e integração numérica, entre outros. C. Resultados esperados: Entre os estudantes, aumento no emprego da programação e implementação computacional e melhoria do desempenho em disciplinas de cunho computacional. Para o petiano, a consolidação de conceitos relacionados ao tema e o aprimoramento da capacidade de expressão oral e escrita. - Desenho auxiliado por computador (CAD): A. Descrição: Aplicativos para desenvolvimento de desenho auxiliado por computador, como o

5 Autocad, fornecem uma interface gráfica repleta de funções para a criação de projetos, plantas de construções, pré-vizualizações de objetos e muito mais. Tendo como objetivo apresentar as principais ferramentas para criação de um projeto em 2D. o grupo PET oferecerá aos alunos o minicurso de AutoCAD empregando para tal uma versão livre do programa, disponível para finalidades educativas. O curso tem 4 horas de duração, consistindo em aulas práticas. C. Resultados esperados: Entre os estudantes, aquisição de domínio das principais funções do programa, para a criação de modelos em 2D. Para o petiano, o aprimoramento da capacidade de expressão oral e consolidação dos conhecimentos relacionados ao programa. - Introdução ao uso do programa R A. Descrição: O programa R é uma plataforma livre que permite uma série de análises estatísticas e técnicas gráficas, operações matriciais e diversos recursos para análise de dados, sendo compatível com diversos sistemas operacionais. O objetivo deste minicurso é apresentar uma introdução ao programa, apresentando funções e operações básicas, além de noções de programação, em 4 horas de aulas práticas. C. Resultados esperados: Entre os estudantes, aquisição de domínio das principais funções do programa, para aplicá-lo na resolução de taferas acadêmicas. Para o petiano, o aprimoramento da capacidade de expressão oral e consolidação dos conhecimentos relacionados ao programa. - Edição eletrônica de imagens A. Descrição: programas para edição eletrônica de imagens, como o Photoshop e o Gimp, são de grande utilidade no dia-a-dia de um engenheiro, por exemplo, na criação, modificação ou aprimoramento de imagens. Este minicurso tem por objetivo apresentar os principais recursos e ferramentas deste tipo de programa, em 4 horas de aula prática. C. Resultados esperados: Entre os estudantes, aquisição de domínio das principais funções do programa, para aplicá-lo na resolução de taferas acadêmicas. Para o petiano, o aprimoramento da capacidade de expressão oral e consolidação dos conhecimentos relacionados ao programa. - Latex para principiantes A. Descrição: O Latex é um programa de computador que efetua o processamento de textos, gerando documentos com alta qualidade gráfica, particularmente no que se refere a textos que possuam fórmulas matemáticas, tabelas e figuras. O objetivo deste minicurso é, em 4 horas de aula prática, apresentar um tutorial para a criação de um texto, com exemplos de inclusão de fórmulas, referências cruzadas, notas de rodapé, bibliografia, entre outros recursos.

6 C. Resultados esperados: Entre os estudantes, disseminar o emprego do Latex na confecção de textos técnicos. Para o petiano, o aprimoramento da capacidade de expressão oral e consolidação dos conhecimentos relacionados ao programa. - Modelagem geométrica com o Google SketchUp A. Descrição: O SketchUp é uma ferramenta de modelagem geométrica que permite o desenvolvimento de modelos os mais diversos. Extremamente intuitivo, flexível e fácil de usar, dispõe de uma versão livre acompanhada de diversos tutoriais, que tornam o aprendizado fácil e prazeroso. As aplicações na Engenharia Civil são as mais variadas e, por isto, o grupo PET ministrará o minicurso, com o objetivo de apresentar as principais ferramentas utilizadas para a criação de modelos em 3D. A duração é de 4 horas de aulas práticas. C. Resultados esperados: Entre os estudantes, que estes possam projetar modelos tridimensionais a partir das ferramentas do programa e disseminar o emprego da modelagem geométrica como suporte a atividades diversas. Para o petiano, o aprimoramento da capacidade de expressão oral e consolidação dos conhecimentos relacionados ao programa Atividades de Iniciação Científica A. Descrição geral: A maioria das atividades de pesquisa é desenvolvida individualmente, ou em duplas, tratando de temas variados. Para tanto, conta-se com a colaboração de professores colaboradores de diversas áreas do curso de Engenharia Civil, que atuam como orientadores. As atividades e temas são atribuídos aos bolsistas conforme a preferência individual e dependendo dos requisitos de cada projeto. Cada professor colaborador elabora um projeto empregando um formulário próprio em que são descritos: o resumo do projeto, plano de trabalho do petiano, publicações previstas. A duração inicial do projeto é de 6 meses, prorrogáveis caso haja interesse de ambas as partes. Ao longo do ano, serão realizados seminários durante os quais os petianos apresentação do andamento do trabalho para o grupo e para convidados. O objetivo geral das atividades é apresentar aos petianos as diferentes possibilidades de pesquisa na área de engenharia, abrangendo atividades de cunho computacional e experimental, em temas relacionados a Estruturas, Mecânica Aplicada e Computacional, Transportes e Geotecnia, Hidráulica e Saneamento, que são as áreas para os quais o curso de Engenharia Civil da UFJF oferece ênfase. B. Mecanismo de avaliação: A avaliação terá caráter qualitativo. Ao final do trabalho, os professores orientadores e os petianos preencherão um formulário próprio, manifestando o grau de satisfação com a atividade realizada no período. Será também considerada a participação do petiano em evento científico, como co-autor e como apresentador de trabalho. C. Resultados gerais esperados: aprimoramento da formação do petiano, através do envolvimento em projetos de pesquisa sobre temas variados, aguçar no petiano o espírito de investigação e a capacidade de expressão escrita e oral. Em 2012, serão desenvolvidos os seguintes projetos: - Preparação dos novos petianos para as atividades de pesquisa: A. Descrição: os novos petianos dedicar-se-ão ao estudo de tópicos relacionados a matemática, física e computação, buscando complementar e aplicar conceitos vistos em sala de aula, preparando-se para o futuro envolvimento em um projeto de IC de seu interesse. B. Mecanismo de avaliação: (vide acima) C. Resultados esperados: inserção dos petianos em um projeto de pesquisa de seu interesse. Participantes: Natália Resende, Guilherme Guimarães, Isadora Guimarães e Rafaela Juliany. Orientadora: a tutora.

7 - Introdução ao Método dos Elementos Finitos A. Descrição: estudo introdutório do MEF, como preparação para o futuro envolvimento em um projeto de IC. B. Mecanismo de avaliação: (vide acima) C. Resultados esperados: inserção do petiano em um projeto de pesquisa de seu interesse. Participantes: Isadora Oliveira e Tauana Oliveira. Orientadora: Profa. Michèle Farage, Departamento de Mecânica Aplicada e Computacional - Estudo do uso do pó de borracha proveniente da trituração de pneus em argamassa de revestimento: A. Descrição: Este trabalho visa analisar as características físicas e mecânicas de argamassas de revestimento feitas com substituição parcial da areia por resíduos provenientes da trituração de pneus. O objetivo deste trabalho é avaliar a possibilidade de aproveitamento destes resíduos como componentes de materiais de construção, sem prejuízo do comportamento mecânico destes. Trata-se de um trabalho de cunho experimental, e os ensaios serão realizados no Laboratório de Resistência dos Materiais UFJF. B. Mecanismos de avaliação: (vide acima) C. Resultados esperados: Aquisição de conhecimentos sobre o aproveitamento de rejeitos para a confecção de materiais de construção, estabelecer no LRM um grupo de pesquisa sobre novos materiais, um artigo publicado em evento científico, uma apresentação em evento científico. Participantes: Daniel Massolla e Raphael Valle Orientador: Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos, Departamento de Construção Civil - Ambiente visual para estudo do adensamento unidimensional de solos compressíveis saturados: A. Descrição: Este projeto emprega técnicas computacionais para o estudo de problemas de geotecnia. B. Mecanismos de avaliação: (vide acima) C. Resultados esperados: Aquisição de conhecimentos sobre o aproveitamento de rejeitos para a confecção de materiais de construção, estabelecer no LRM um grupo de pesquisa sobre novos materiais, um artigo publicado em evento científico, uma apresentação em evento científico. Participante: Marcela Tortureli Orientador: Prof. Roberto Lopes Ferraz, Departamento de Transportes e Geotecnia. - Aplicação de processamento de imagens no monitoramento de estruturas:. A. Descrição: Aplicação de processamento de imagens para monitorar o deslocamento em estruturas. B. Mecanismos de avaliação: (vide acima) C. Resultados esperados: Artigo publicado e apresentação em evento científico, software para monitoramento de estruturas. Participantes: Nicholas Mota (petiano) e Rharã Cardoso (não-petiano) Orientador: Professor Flávio de Souza Barbosa, Departamento de Mecânica Aplicada e Computacional. - Estudo de sistemas de aproveitamento de água pluvial para o abastecimento de edifícios residenciais: A. Descrição: a partir de um conceito de estocagem de água pluvial, este trabalho visa analisar a conveniência de se efetuar a adaptação de residências já construídas para a adoção de tal sistema. B. Mecanismos de avaliação (vide acima) C. Resultados esperados: Artigo publicado e apresentação em evento científico Participantes: Júlia Mendes e Rafaela Juliany. Orientador: Professor Celso Bandeira, Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental. -Acoplamento termo-mecânico na simulação do comportamento de estruturas de concreto submetidas a incêndios: A. Descrição: Estudo do método dos elementos finitos e da teoria da plasticidade para simular o comportamento de estruturas de concreto sujeitas a temperaturas elevadas empregando o programa Abaqus. B. Mecanismos de avaliação: (vide acima) C. Resultados esperados: Artigo publicado e apresentação em evento científico, um trabalho de conclusão de curso.

8 Participante: Laila Saraiva Orientadora: Professora Flávia de Souza Bastos, Departamento de Mecânica Aplicada e Computacional. - Simulação numérica do comportamento mecânico de mini-implantes ortodônticos: A. Descrição: Desenvolvimento de scripts para modelagem geométrica de elementos estruturais e introdução à análise numérica empregando o programa Abaqus. B. Mecanismos de avaliação: (vide acima) C. Resultados esperados: Artigo publicado e apresentação em evento científico. Participante: Lara Andrade Orientadora: Professora Flávia de Souza Bastos, Departamento de Mecânica Aplicada e Computacional Atividades de Extensão Descrição geral: As atividades de extensão são desenvolvidas com a participação de todos os petianos e podem ser classificadas de acordo com a respectiva finalidade principal em: i) Atividades dirigidas para a comunidade extra-universidade; ii) Atividades dirigidas para a comunidade acadêmica e iii) Atividades para divulgação da Engenharia Civil. i) Atividades dirigidas para a comunidade extra-universidade a) Monitoria e apoio ao cursinho pré-vestibular popular da UFJF CPV A. Descrição: O CPV, oferecido pela UFJF, contempla estudantes carentes da região que desejam ingressar na Universidade. O grupo PET atuará como colaborador do projeto da seguinte forma: os petianos se revezam para atuar na condição de monitores, tirando dúvidas dos estudantes em horários semanais fixos, sobre conteúdos de matemática e física. Quanto solicitado, os petianos ministrarão aulas de reforço e, esporadicamente, poderão substituir os professores. No período próximo ao vestibular, serão programadas aulas de caráter intensivo. Além disso, os petianos transmitem aos estudantes informações sobre a vida acadêmica e as possibilidades que a universidade oferece, como bolsas de estudo e auxílios, o sistema de cotas o que serve como estímulo para estes candidatos persistirem nos estudos. B. Mecanismos de Avaliação: A avaliação será feita por meio de questionários distribuídos para os estudantes atendidos ao final do ano letivo. Será ainda feita uma pesquisa sobre o número de estudantes do CPV aprovados no vestibular da UFJF. C. Resultados esperados: para o aluno do CPV, espera-se o ingresso na UFJF. Para os petianos, espera-se o desenvolvimento da capacidade de expressão oral e contribuir para a formação cidadã. b) Aulas práticas de Física em escolas públicas A. Descrição: Ciente de que algumas escolas públicas carecem de laboratórios de física e química, o Centro de Ciências da UFJF desenvolve um projeto denominado kit de Ciências, que permite que algumas experiências práticas sejam transportadas para as escolas e realizadas dentro das salas de aula. Os petianos são colaboradores, atuando em visitas a escolas de ensino médio previamente contactadas para realizar tais experiências durante as aulas a elas relacionadas. B. Mecanismos de Avaliação: A avaliação será feita por meio de questionários distribuídos para os estudantes atendidos. C. Resultados esperados: aumentar o interesse dos estudantes para a área de exatas e engenharias e consolidar o conhecimento passado pelo professor em sala de aula, para os petianos, aumentar a capacidade de expressão oral e a formação humana como cidadão que se preocupa com os problemas inerentes ao ensino público. c) Projeto Eficiência Energética nas Escolas A. Descrição: Trata-se de uma feira de ciências onde será exposta a produção científica elaborada no âmbito das escolas de ensino médio de Juiz de Fora e região, da rede pública e privada. Participam da atividade os grupos PET da Engenharia Elétrica, Civil, Comunicação, além do grupo ligado ao curso de Engenharia Computacional da UFJF. Os petianos organização uma exposição de trabalhos sobre o tema

9 Eficiência Energética, em data e local a definir, no segundo semestre deste ano. Os trabalhos dos estudantes serão expostos na forma de pôster. Equipes multidisciplinares de estudantes visitarão escolas para expor a atividade, apresentar o tema, esclarecer detalhes sobre o evento e motivar os estudantes a participar. O evento tem por objetivo divulgar a importância da conservação de energia e dos recursos naturais. B. Mecanismos de Avaliação: A avaliação será feita por meio de questionários preenchidos pelos estudantes e professores das escolas participantes do evento.. C. Resultados esperados: aproximar a UFJF das escolas de ensino médio, o desenvolvimento de projetos científicos com envolvimento de estudantes e professores das escolas. Para os petianos, prevê-se o aprimoramento da capacidade de expressão oral e, no contato com os estudantes do ensino médio, consolidar o espírito cidadão e a solidariedade, transmitindo-lhes os conhecimentos adquiridos na vida acadêmica. ii) Atividades dirigidas para a comunidade acadêmica a) VIII Olimpíada de Engenharia Civil A. Descrição: Trata-se de uma atividade de caráter didático-aplicativo em que os alunos da graduação são desafiados a construir modelos reduzidos de pontes treliçadas feitas com materiais de fácil manuseio e baixo custo, empregando conceitos básicos de física e comportamento estrutural. A Olimpíada tem como intuito oferecer aos participantes, alunos do curso, a oportunidade de realizar um projeto de engenharia, em escala reduzida, como responsáveis por todo o processo construtivo, desde o anteprojeto até a execução. O ponto alto do evento é o teste de carga das pontes, que são carregadas em uma data prédeterminada até atingirem a ruptura. Os petianos organizam a atividade, ocupam-se da divulgação e orientam o desenvolvimento dos projetos, sob a supervisão da tutora do grupo. Vale ressaltar que esta atividade foi incorporada ao calendário anual de eventos da Faculdade de Engenharia e a cada ano conta com maior divulgação através dos meios de comunicação da cidade e região, o que permite divulgar o trabalho dos estudantes dentro da universidade e atrair candidatos para o vestibular de engenharia. Todos os participantes recebem certificados e podem requerer a conversão da carga-horária em créditos eletivos, com base na flexibilização curricular prevista no Projeto Pedagógico do curso. B. Mecanismos de Avaliação: Durante a Olimpíada, os projetos e pontes são avaliados quanto a Eficiência Estrutural, Estética e Exatidão do projeto. O evento propriamente dito é avaliado através de questionários distribuídos para os participantes e para o público que assiste aos testes de carga cerca de 400 pessoas. C. Resultados esperados: Entre os participantes, consolidar conceitos relacionados à Mecânica e análise de estruturas reticuladas; divulgação da Engenharia Civil da UFJF na região e, para os petianos, aquisição de experiência na organização de eventos e aprimoramento da capacidade de expressão e comunicação oral. b) Recepção aos calouros: A. Descrição: Na data prevista para matrícula dos ingressantes de 2012, os petianos recepcionarão os calouros de engenharia civil, distribuindo folhetos com informações sobre o PET-Civil e as atividades futuras, como minicursos, aulões. O objetivo é instigar os novos alunos a conhecer o PET, participar dos eventos promovidos pelo grupo e divulgar o site e blog. Será ainda feita uma apresentação mais detalhada em data a combinar, na disciplina Introdução à Engenharia Civil, que é cursada pelos calouros. B. Mecanismos de avaliação: Questionários preenchidos pelos calouros quando da apresentação durante o curso de Introdução à Engenharia Civil. C. Resultados Esperados: Participação de um número maior de calouros nos eventos promovidos pelo PET. Para os petianos, aprimoramento na capacidade de comunicação e expressão. d) Colaboração no desenvolvimento do site do curso de Engenharia Civil da UFJF: A. Descrição: Colaborar com a coordenação do curso de Engenharia Civil no desenvolvimento do site do curso que, atualmente, encontra-se desativado. O objetivo é contribuir para a divulgação de informações acadêmicas para os atuais e futuros alunos do curso. B. Mecanismos de avaliação: neste caso, a avaliação será feita pela coordenação do curso, que é a responsável pelo site. C. Resultados esperados: reativação do site do curso de Engenharia Civil. Para os petianos, aprimorar os

Programa de Educação Tutorial - PET 2010. Edital CLA-PET 07/2012 Seleção de Tutor

Programa de Educação Tutorial - PET 2010. Edital CLA-PET 07/2012 Seleção de Tutor Programa de Educação Tutorial - PET 2010 Edital CLA-PET 07/2012 Seleção de Tutor A Universidade Federal do Pampa, através do Comitê Local de Acompanhamento do Programa de Educação Tutorial (CLA-PET), torna

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. Planejamento Anual de Atividades 2011 (01 de janeiro de 2011 a 31 de dezembro de 2011)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. Planejamento Anual de Atividades 2011 (01 de janeiro de 2011 a 31 de dezembro de 2011) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA REDE IFES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Planejamento Anual de Atividades 2011 (01 de janeiro de 2011 a 31 de dezembro

Leia mais

OLIMPÍADA DE ENGENHARIA CIVIL DA UFJF: INTEGRANDO A UNIVERSIDADE E A ESCOLA

OLIMPÍADA DE ENGENHARIA CIVIL DA UFJF: INTEGRANDO A UNIVERSIDADE E A ESCOLA OLIMPÍADA DE ENGENHARIA CIVIL DA UFJF: INTEGRANDO A UNIVERSIDADE E A ESCOLA Michèle Cristina Resende Farage faragebr@gmail.com Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Engenharia Campus Universitário,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. Planejamento Anual de Atividades 2012 (01 de janeiro de 2012 a 31 de dezembro de 2012)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. Planejamento Anual de Atividades 2012 (01 de janeiro de 2012 a 31 de dezembro de 2012) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA REDE IFES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Planejamento Anual de Atividades 2012 (01 de janeiro de 2012 a 31 de dezembro

Leia mais

Planejamento Anual de Atividades 2015 (01 de março de 2014 a 31 de dezembro de 2015)

Planejamento Anual de Atividades 2015 (01 de março de 2014 a 31 de dezembro de 2015) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA REDE IFES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL. Planejamento Anual de Atividades 2015 (01 de março de 2014 a 31 de dezembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA REDE IFES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Planejamento Anual de Atividades 2012 (01 de janeiro de 2012 a 31 de dezembro

Leia mais

Planejamento Anual - 2014

Planejamento Anual - 2014 Planejamento Anual - 2014 Tutor Email SILVANA SOUZA SILVEIRA silvana.silveira@pucrs.br Informações do Planejamento Planejamento quanto à participação/contribuição do (a) tutor (a) nas atividades e na formação

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2015 PET

EDITAL PROCESSO SELETIVO 2015 PET EDITAL PROCESSO SELETIVO 2015 PET Sociologia Jurídica Faculdade de Direito da USP (Largo São Francisco) Departamento de Filosofia e Teoria Geral do Direito (DFD) 1. Sobre o PET Iniciado em 1979, na Coordenação

Leia mais

CONCURSO PARA INGRESSO DE MONITOR

CONCURSO PARA INGRESSO DE MONITOR 1 A Coordenação do Curso de Engenharia de Produção e do Curso de Engenharia Civil, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições e em cumprimento ao Art. 5 o do Regulamento de Monitoria,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms.

PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms. FUNDAÇÃO UNIVERSITARIA FEDERAL DO TOCANTINS UFT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE PALMAS PROJETO DE PESQUISA: UTILIZAÇÃO DE CALCULADORA CIENTÍFICA MODELO CASIO fx-82ms. Autores: Prof. Paulo Alexandre Oliveira Acad.

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2014

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2014 1 CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2014 A Coordenação do Curso de Engenharia de Produção e do Curso de Engenharia Civil, da

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

EDITAL 2 / 2015 DO PET ODONTOLOGIA SELEÇÃO DE NOVOS INTEGRANTES

EDITAL 2 / 2015 DO PET ODONTOLOGIA SELEÇÃO DE NOVOS INTEGRANTES EDITAL 2 / 2015 DO PET ODONTOLOGIA SELEÇÃO DE NOVOS INTEGRANTES O tutor do Programa de Educação Tutorial - PET, do Curso de Odontologia da Universidade Federal de Uberlândia, no uso de suas atribuições

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ - UFOPA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET/IEG PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROEN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ - UFOPA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET/IEG PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROEN UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ - UFOPA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - PET/IEG PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROEN EDITAL N 001/2015 - PROEN, de 19 de Janeiro de 2015. A Pró-Reitora de Ensino

Leia mais

Palavras-chave: Projeto de ensino; reprovação em Matemática; monitoria.

Palavras-chave: Projeto de ensino; reprovação em Matemática; monitoria. REPROVAÇÃO EM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: UMA TENTATIVA DE REDUZIR OS ALTOS ÍNDICES Profa. Dra. Camila Pinto da Costa Universidade Federal de Pelotas camila.ufpel@gmail.com Profa. Dra. Rejane Pergher

Leia mais

Fanor - Faculdade Nordeste

Fanor - Faculdade Nordeste PROJETO PROGREDIR PROGRAMA DE ENGAJAMENTO DIRETO 1 DOS OBJETIVOS 1.1 Contribuir para a elevação da qualidade acadêmica dos cursos de graduação em Engenharias e Sistemas de Informação da FANOR, mediante

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. EDITAL 93/2010 de 31 de agosto de 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS. EDITAL 93/2010 de 31 de agosto de 2010 1. OBJETIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS EDITAL 93/2010 de 31 de agosto de 2010 A Diretora de Graduação do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA LICENCIATURA I Da Exigência das Atividades Complementares As Atividades Complementares do Curso de graduação em Educação Artística,

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015 1 A Coordenação do Curso de Administração, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições e em cumprimento ao Art. 5 o do Regulamento de Monitoria, Anexo da Resolução de 21 de dezembro

Leia mais

1. Preâmbulo. 2. Requisitos para candidatura

1. Preâmbulo. 2. Requisitos para candidatura Ministério da Educação Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Programa de Educação Tutorial - PET Edital de seleção de bolsistas de graduação Edital n 013 PROGRAD/2015

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE TREINAMENTO PROFISSIONAL Nº 004/2015

EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE TREINAMENTO PROFISSIONAL Nº 004/2015 PCD 125.62 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA / UFJF PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO EDITAL DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE TREINAMENTO PROFISSIONAL Nº 004/2015 Projetos: Escritório

Leia mais

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC NÚCLEO DE EXTENSÃO PROJETO DE MONITORIA DO CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SALVADOR AGO / 2015 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...02 2. JUSTIFICATIVA...02 3. OBJETIVO

Leia mais

CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV

CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV 1. Identificação do proponente Nome: Moeses Andrigo Danner Vínculo com a instituição: Docente permanente

Leia mais

ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1

ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1 ORIENTAÇÃO AOS ALUNOS DE TURMAS ANTERIORES 2008.1 1.- Objetivos do Curso de Mestrado: a. Formação de professores para o magistério superior; b. Formação de pesquisadores; c. Capacitação para o exercício

Leia mais

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA - PJTC/CAPES/2015 SELEÇÃO DE PROFESSORES ORIENTADORES EDITAL Nº 01/2015

PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA - PJTC/CAPES/2015 SELEÇÃO DE PROFESSORES ORIENTADORES EDITAL Nº 01/2015 PROGRAMA JOVENS TALENTOS PARA A CIÊNCIA - PJTC/CAPES/2015 SELEÇÃO DE PROFESSORES ORIENTADORES EDITAL Nº 01/2015 O Departamento de Apoio Acadêmico (DAA), da Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD), da Universidade

Leia mais

Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA

Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA Regulamento Geral das Atividades Complementares do CENTRO UNIVERSITÁRIO SANT ANNA São Paulo - 2010 CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As Atividades Complementares, com a sigla ACs, de todos os

Leia mais

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul -

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

NORMAS REGULAMENTARES DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NORMAS REGULAMENTARES DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As atividades complementares constituem-se em ações de ensino, pesquisa e extensão de caráter obrigatório a serem

Leia mais

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA.

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA COORDENAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) tem como objetivo proporcionar formação

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03/2015

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03/2015 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03/2015 A Coordenação do Curso de Ciências Contábeis, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA

PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA Resumo ISSN 2316-7785 PARTICIPAÇÃO DO GRUPO PET MATEMÁTICA NO PRÉ- VESTIBULAR POPULAR ALTERNATIVA Stephanie Abé abe.stephanie1@gmail.com Ana Caroline Pierini karolpierini@gmail.com Luana Kuister Xavier

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA REDE IFES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Planejamento Anual de Atividades 2010 (01 de janeiro de 2010 a 31 de dezembro

Leia mais

Edital de Monitoria do Curso de Nutrição

Edital de Monitoria do Curso de Nutrição Edital de Monitoria do Curso de Nutrição 2014.1 REGULAMENTO DA MONITORIA A prática de monitoria consiste na atuação docente de alunos que auxiliam outros alunos no processo de ensino-aprendizagem. O Curso

Leia mais

MINUTA DO EDITAL DE SELEÇÃO DE MONITORES VOLUNTÁRIOS OU REMUNERADOS

MINUTA DO EDITAL DE SELEÇÃO DE MONITORES VOLUNTÁRIOS OU REMUNERADOS MINUTA DO EDITAL DE SELEÇÃO DE MONITORES VOLUNTÁRIOS OU REMUNERADOS O IESUR/FAAr torna público o presente Edital de Seleção de Monitores Voluntários ou Remunerados para o anos de, em conformidade com o

Leia mais

Fanor - Faculdades Nordeste

Fanor - Faculdades Nordeste PROJETO PROGREDIR PROGRAMA DE ENGAJAMENTO DIRETO 1 DOS OBJETIVOS 1.1 Contribuir para a elevação da qualidade acadêmica dos cursos de graduação em Engenharias e Sistemas de Informação da FANOR, mediante

Leia mais

EDITAL Nº 02/2014 PIBID/COPEFOR/ PROGRAD/UFPR SELEÇÃO DE SUPERVISORES DO PIBID

EDITAL Nº 02/2014 PIBID/COPEFOR/ PROGRAD/UFPR SELEÇÃO DE SUPERVISORES DO PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRO-REITORIA DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID/UFPR EDITAL Nº 02/2014 PIBID/COPEFOR/

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2011 ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. APRESENTAÇÃO Este documento apresenta um conjunto geral de normas e orientações sobre as Atividades Complementares dos Cursos da FAECE (Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE FISIOTERAPIA Junho/2011 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades complementares são prática acadêmicas

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH? ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH? ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS LIGAS ACADÊMICAS CURSO DE MEDICINA UNIFENAS BH ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1- O QUE É UMA LIGA ACADÊMICA? As Ligas Acadêmicas são entidades sem fins lucrativos. As Ligas Acadêmicas

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares

Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral. Regulamento de Programa de Atividades Complementares Universidade Federal do Ceará Engenharia da Computação Campus de Sobral Regulamento de Programa de Atividades Complementares Abril de 2010 SUMÁRIO Sumário INTRODUÇÃO... 3 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA IV REGIÃO (SP) COMISSÃO DE ENSINO TÉCNICO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE PARA CURSOS TÉCNICOS DA ÁREA QUÍMICA CRITÉRIOS PARA A RECERTIFICAÇÃO VERSÃO 1 - NOVEMBRO DE 2010 WWW.CRQ4.ORG.BR

Leia mais

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC)

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) Escola de Enfermagem Wenceslau Braz DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem da Escola de Enfermagem Wenceslau Braz (EEWB) da cidade

Leia mais

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito.

Parágrafo Único. As Atividades Complementares não se confundem com as disciplinas do Curso de Direito. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito do Centro Universitário do Cerrado-Patrocínio UNICERP. Capítulo I Das Disposições

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social As Atividades Complementares são práticas acadêmicas, obrigatórias para os alunos do UniFIAMFAAM. Essas atividades são apresentadas sob múltiplos

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PROVIC

EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PROVIC CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

Guia de Orientação ao Aluno

Guia de Orientação ao Aluno Guia de Orientação ao Aluno Curso de Ciência da Computação Universidade Federal de Pelotas Centro de Desenvolvimento Tecnológico Março de 2012 1. Palavras iniciais Este Guia de Orientação serve para orientar

Leia mais

MANUAL DO ALUNO (A) ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES

MANUAL DO ALUNO (A) ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES A formação complementar é fruto da participação do aluno, durante o período de realização do seu curso superior, em atividades que não estão inseridas na grade curricular, mas que reconhecidamente contribuem

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNIFEI

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNIFEI PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNIFEI PROCESSO SELETIVO DE BOLSISTAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CRITÉRIOS E NORMAS A Coordenadora Institucional do Programa Institucional de

Leia mais

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. A partir das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Serviço Social o planejamento acadêmico do deve assegurar, em termos

Leia mais

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS:

Sugestões e críticas podem ser encaminhadas para o email: nape@ufv.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS: UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA ORIENTAÇÕES GERAIS PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Neste ano o processo seletivo será realizado por meio de um sistema

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE - IESRIVER REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE - IESRIVER REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE - IESRIVER REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Seção I Da finalidade CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 - O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

Disciplina: Projeto Integrador 3 noite

Disciplina: Projeto Integrador 3 noite Anexo Docente 1 PROJETO DE MONITORIA Centro Universitário SENAC: Curso: Curso Tecnológico em Produção Multimidia Disciplina: Projeto Integrador 3 noite Código: Professor Responsável: Nelson Urssi Período

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

1 DA FINALIDADE E DO PÚBLICO ALVO

1 DA FINALIDADE E DO PÚBLICO ALVO A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências torna público as Normas Complementares do Processo Seletivo Ano Letivo 2015, aos candidatos a discente do Programa de Pós-Graduação em Ensino

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03 /2015

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03 /2015 1 CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03 /2015 A Coordenação do Curso de Arquitetura e Urbanismo, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET EDITAL PET CURSO DE BIOMEDICINA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET EDITAL PET CURSO DE BIOMEDICINA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET EDITAL PET CURSO DE BIOMEDICINA EDITAL n o. 02/2015 A Pós Graduação e Extensão juntamente com a Coordenação do curso de Biomedicina, da Escola Bahiana de Medicina e Saúde

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: Engenharia Civil SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da UNESA tem por missão formar Engenheiros Civis com sólida formação básica e profissional, alinhada com as diretrizes

Leia mais

REGIME DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO

REGIME DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO REGIME DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Artigo 1º O programa de iniciação científica voluntária

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. Capítulo I Das Disposições Gerais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. Capítulo I Das Disposições Gerais REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso Superior de Tecnologia em Análise e

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

APRESENTAÇÃO MANUAL E REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO AINDA SUJEITO À APROVAÇÃO DO CONSEPE.

APRESENTAÇÃO MANUAL E REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO AINDA SUJEITO À APROVAÇÃO DO CONSEPE. APRESENTAÇÃO MANUAL E REGULAMENTO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO AINDA SUJEITO À APROVAÇÃO DO CONSEPE. A UNISA UNIVERSIDADE CIDADE DE SANTO AMARO, a fim de propiciar aos acadêmicos de Direito os meios

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: habilitação Profissional técnica de nível médio de técnico em administração

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: habilitação Profissional técnica de nível médio de técnico em administração Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEc de Ribeirão Pires Código: 141 Município: Ribeirão Pires/Mauá Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: habilitação Profissional técnica

Leia mais

CNPJ: 41.478.561/0003-40 Av. Colares Moreira, n 443 Renascença São Luís/MA CEP 65075-970 Tel.: (98) 4009-7070 www.undb.edu.br

CNPJ: 41.478.561/0003-40 Av. Colares Moreira, n 443 Renascença São Luís/MA CEP 65075-970 Tel.: (98) 4009-7070 www.undb.edu.br A coordenação do curso de Sistemas de Informação realiza por meio do presente Edital o lançamento do Projeto de Pesquisa UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO AO PASSAGEIRO DE TRANSPORTE PÚBLICO, e convoca a comunidade

Leia mais

EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO

EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO A DA FACAPE, com base na deliberação do Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão - CEPE, no uso de suas atribuições previstas no Decreto Lei 085/2009, torna

Leia mais

INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO & GRADUAÇÃO DIRETORIA DE GRADUAÇÃO E EXTENSÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PROJETO DE MONITORIA

INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO & GRADUAÇÃO DIRETORIA DE GRADUAÇÃO E EXTENSÃO COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PROJETO DE MONITORIA PROJETO DE MONITORIA Goiânia GO 2013 IP5p Instituto de Pós-Graduação e Graduação IPOG 2014 Projeto de monitoria /Instituto de Pós-Graduação e Graduação IPOG: Organizadora: Silvana de Brito Arrais Dias.

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CIENTÍFICA (PIBID/FAI) EDITAL N O.

EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CIENTÍFICA (PIBID/FAI) EDITAL N O. EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CIENTÍFICA (PIBID/FAI) EDITAL N O. 004/15 1. APRESENTAÇÃO A Direção-Geral das FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS

Leia mais

FACULDADE SERGIPANA - FASER COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

FACULDADE SERGIPANA - FASER COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACULDADE SERGIPANA - FASER COORDENAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES APRESENTAÇÃO Atividades Complementares são atividades desenvolvidas pelos alunos, ao longo da vida acadêmica,

Leia mais

Este evento busca oportunizar a divulgação de resultados de pesquisa de alunos regularmente matriculados em cursos de graduação.

Este evento busca oportunizar a divulgação de resultados de pesquisa de alunos regularmente matriculados em cursos de graduação. MANUAL OFICIAL O EVENTO O IDEAU Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto Uruguai reconhece a importância do trabalho acadêmico, as habilidades de criação e de inovação dos alunos de cada um de

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

REGULAMENTO SEMANA UEMG

REGULAMENTO SEMANA UEMG REGULAMENTO SEMANA UEMG Belo Horizonte, abril de 2015 0 SUMÁRIO CAPÍTULO I DA SEDE, DATA E DA INSTITUIÇÃO PROMOTORA... 2 CAPÍTULO II DA ABRANGÊNCIA DA SEMANA UEMG... 2 CAPÍTULO III DOS OBJETIVOS... 2 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA I - INTRODUÇÃO Art. 1º Art. 2º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as Atividades Complementares do Curso de

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÄO DO CURSO-TCC DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÄO DO CURSO-TCC DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÄO DO CURSO-TCC DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAPITULO I Do Conceito, dos Princípios, das Finalidades e dos Objetivos Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso-TCC

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03 /2015

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03 /2015 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA Nº 03 /2015 A Coordenação do Curso de Ciências Contábeis, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições

Leia mais

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS -

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DOM BOSCO CURSO DE PEDAGOGIA ATIVIDADES TEÓRICO-PRÁTICAS - NORMAS - Direção da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Dom Bosco / AEDB Prof. Ms. Antonio Carlos Simon Esteves Coordenação do Curso de Pedagogia Profa. Ms. Sueli Sardinha Guedes 2 MISSÃO DA FFCLDB/AEDB Promover

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE 2014/2018 APRESENTAÇÃO O Curso de Engenharia Industrial Madeireira da UFPR foi criado

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso de Jornalismo da Unipampa está estruturado em oito semestres e tem carga horária total de 3.060 horas, sessenta horas a mais que o aconselhado pelas novas Diretrizes Curriculares.

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais