b) PEDIDO DE VISTA ÍNDICE ITEM REFERÊNCIA INTERESSADO ASSUNTO RELATOR/ SITUAÇÃO ATUAL DO RELATO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "b) PEDIDO DE VISTA ÍNDICE ITEM REFERÊNCIA INTERESSADO ASSUNTO RELATOR/ SITUAÇÃO ATUAL DO RELATO"

Transcrição

1 b) PEDIDO DE VISTA ÍNDICE ITEM REFERÊNCIA INTERESSADO ASSUNTO RELATOR/ SITUAÇÃO ATUAL DO RELATO CONCEDIDO VISTA NA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA: 1 PT 0186/2011 PT 0635/2011 PT 0699/2011 Identidade resguardada pela Ouvidoria do Confea Identidade resguardada pela Ouvidoria do Confea. José Cícero (1ª Discussão) Melvis Barrios (2ª Discussão) PT 4695/2010 CCEAGRO Proposta 030/2010- CCEAGRO Exorbitância de atribuições de Técnicos Agrícolas e Afins. Luís Quitério (1ª Discussão) Kleber Santos (2ª Discussão) PT 3530/2011 Conselho Mundial de Engenheiros Civis (WCCE) Convite do Conselho Mundial de Engenheiros Civis à Presidência do Confea para participação da 6ª Assembléia Geral do Conselho, em Valência Espanha, de 25 a 26 de novembro de Afonso Lins (1ª Discussão) Dirson Freitag (2ª Discussão) RELATÓRIO DISPONÍVEL PC 1533/2011 Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge) Revisão de credenciamento das Entidades Nacionais Marcos Vinicius Art (...) 4º No caso de voto fundamentado de pedido de vista ou de proposta de encaminhamento divergente do relato original apresentado durante a discussão da matéria, os votos referentes a cada proposição serão colhidos simultaneamente no momento da votação. Subseção III Do Pedido de Vista

2 Art Todo documento submetido à apreciação do Plenário pode ser objeto de até dois pedidos de vista. 1º O pedido de vista deve ser solicitado verbalmente pelo conselheiro federal durante a discussão do documento cuja matéria esteja em apreciação. 2º O conselheiro que pediu vista deve, obrigatoriamente, devolver o documento na mesma sessão ou na sessão plenária ordinária subseqüente, acompanhado de voto fundamentado. 3º Caso o conselheiro federal deseje apresentar o voto fundamentado de pedido de vista na sessão plenária subseqüente, deverá informá-lo ao empregado responsável pela assistência ao Plenário, que providenciará e lhe entregará cópia autenticada do documento. 4º Durante sessão plenária ordinária, quando da apreciação de matéria caracterizada como urgente ou cuja tramitação esteja vinculada a prazo estipulado, o pedido de vista será concedido para análise do documento em mesa por tempo determinado, visando apreciar e decidir sobre a matéria no decorrer da sessão. 5º Durante sessão plenária extraordinária, o pedido de vista será concedido para análise do documento em mesa por tempo determinado, visando apreciar e decidir sobre a matéria no decorrer da sessão. Art A apresentação do voto fundamentado de pedido de vista obedece às seguintes regras: I a deliberação ou o relatório e voto original tem prioridade na apreciação pelo Plenário em relação ao voto fundamentado de pedido de vista; II o conselheiro que pediu vista que não apresentar o voto fundamentado no prazo estabelecido neste Regimento deve manifestar suas razões por escrito e estas, obrigatoriamente, farão parte dos autos, do que será dado conhecimento ao Plenário; e III caso as razões apresentadas pelo conselheiro que pediu vista não sejam acatadas, o documento será apresentado imediatamente pelo presidente ao Plenário para apreciação da deliberação ou do relatório e voto original.

3 ITEM 1 PROTOCOLOS : CF-0186/2011; CF-0635/2011 e CF-0699/2011 (dossiê) INTERESSADO : Identidade resguardada pela Ouvidoria do Confea ASSUNTO : Denúncia contra o Crea-RS RELATOR : Conselheiro Federal José Cícero Rocha da Silva (CONCEDIDO (1ª Discussão) RELATOR (2ª Discussão) VISTA NA PLENÁRIA 1.382) : Conselheiro Federal Melvis Barrios Junior (CONCEDIDO VISTA NA PLENÁRIA 1.383) DELIBERAÇÃO Nº 167/2011 CONP A COMISSÃO DE ORGANIZAÇÃO, NORMAS E PROCEDIMENTOS - CONP, em sua 7ª Reunião Ordinária, realizada em Brasília-DF, na sede do Confea, de 10 a 12 de agosto de 2011, após análise do assunto em epígrafe, e Considerando que se trata de denúncia encaminhada ao Confea para providências quanto ao não cumprimento pelo Crea-RS do art. 81 da Lei n 5.194, de 1966, no que se refere à sucessividade de mandato e de funções, bem como à acumulação de funções eletivas; Considerando que as irregularidades apontadas referem-se: à eleição do Engenheiro Agrônomo Moisés Souza Soares para o 3 mandato como vice-presidente do Crea-RS; à eleição do Engenheiro Industrial Ivo Germano Hoffmann e do Técnico em Edificações Flávio Pezzi para o 3 mandato como 1 diretor financeiro e 2 diretor financeiro, respectivamente; à eleição do Engenheiro Civil Marcus Vinícius do Prado para o 3 mandato como coordenador das inspetorias; e ao acúmulo dos cargos de coordenador adjunto e inspetor secretário da Inspetoria de Passo Fundo pelo Engenheiro Agrônomo Bernardo Luiz Palma, que foi convocado com o recebimento de diárias e de auxílio deslocamento, conjuntamente com o coordenador das inspetorias em todas as atividades da Coordenadoria das Inspetorias; Considerando que após cientificado pela Ouvidoria do Confea o Crea-RS, por meio do Protocolo 0699, de 25 de fevereiro de 2011, manifestou-se sobre a denúncia apresentada; Considerando, entretanto, que após a manifestação do Crea-RS, os autos foram analisados pela Auditoria do Sistema, que, por meio do Parecer n 141/AUDI/2011, informou que: o Engenheiro Agrônomo Moisés Souza Soares cumpre o 2 mandato sucessivo como 1 Vice-Presidente; o Engenheiro Industrial Ivo Germano Hoffmann e o Técnico em Edificações Flávio Pezzi encontram-se no 3 mandato sucessivo em cargos de igual natureza; o Engenheiro Civil Marcus Vinícius do Prado encontra-se em seu 2 mandato sucessivo como coordenador das inspetorias; e o Crea-RS se comprometeu, a partir de janeiro de 2011, convocar somente o coordenador das inspetorias, cabendo ao coordenador adjunto comparecer somente na falta do coordenador titular; Considerando, por fim, que o art. 81 da Lei n 5.194, de 1966, determina que nenhum profissional poderá exercer funções eletivas em Conselhos por mais de dois períodos sucessivos, DELIBEROU:

4 Propor ao Plenário do Confea determinar ao Crea-RS que proceda à imediata substituição de seu 1 Diretor Financeiro Engenheiro Industrial, Ivo Germano Hoffmann, e de seu 2 Diretor Financeiro Técnico em Edificações, Flávio Pezzi, por estarem exercendo o terceiro mandato sucessivo em cargos de mesma natureza. Brasília-DF, 11 de agosto de Cons. Federal ANDERSON FIORETI DE MENEZES Coordenador Cons. Federal DIRSON ARTUR FREITAG Cons. Federal IDALINO SERRA HORTÊNCIO Cons. Federal SANDRA MARIA LOPES RAPOSO

5 ITEM 2 PROTOCOLO : CF-4695/2010 INTERESSADO : Coordenadoria de Câmaras Especializadas de Agronomia - CCEAGRO ASSUNTO : Proposta nº 030/2010 CCEAGRO Exorbitância de atribuições de Técnicos Agrícolas e Afins. RELATOR : Conselheiro Federal Luiz Eduardo Castro Quitério (CONCEDIDO (1ª Discussão) VISTA NA PLENÁRIA 1.382) RELATOR : Conselheiro Federal Kleber Souza dos Santos (CONCEDIDO VISTA (2ª Discussão) NA PLENÁRIA 1.383) DELIBERAÇÃO Nº 0526/2011-CEEP A COMISSÃO DE ÉTICA E EXERCÍCIO PROFISSIONAL CEEP, em sua 5ª Reunião Extraordinária, realizada em Brasília-DF, na sede do Confea, no dia 23 de agosto de 2011, após análise do documento epígrafe, que trata da Proposta nº 030/2010 Exorbitância de atribuição de técnicos agrícolas e afins, aprovada durante a Reunião Extraordinária da Coordenadoria de Câmaras Especializadas de Agronomia, realizada em Brasília-DF, no período de 2 a 3 de dezembro de 2010, e Considerando que em sua proposta, a CCEAGRO fez as seguintes proposições: aprovação pelo Plenário do Confea de decisão formal, consolidando nacionalmente o entendimento acerca das limitações de atribuições profissionais, considerando a formação acadêmica (nível médio e superior) e a interpretação jurídica contextualizada à legislação vigente; subsidiar a assessoria parlamentar para articular e sensibilizar a Casa Civil sobre a necessidade de revogação do Decreto 4.560/02; que o Confea dê publicidade à fundamentação jurídica sistematizada, de forma a viabilizar a contestação formal e pedidos de revisão de decisões nos Estados, garantindo o restabelecimento do ordenamento jurídico adequado e, por meio da assessoria institucional, promova reuniões com os órgãos (Ministério Público Federal, ANVISA, Ministério do Meio Ambiente, Órgãos Estaduais de Meio Ambiente, representantes das indústrias e comércio de agrotóxicos), garantindo a construção de uma agenda de trabalho para promoção de fiscalizações integradas e contestação de decisões judiciais que promovam extensão de atribuição, sem fundamentação na formação profissional específica; e que nos Creas, em que haja decisão judicial no sentido de concessão de amplas atribuições, seja especificado, claramente, que tal concessão é decorrente de cumprimento de ordem judicial; Considerando que a proposta foi objeto de análise pela Assistência Técnica que elaborou o Parecer nº 0110/2011-GAC, concluindo por encaminhá-la à Comissão de Ética e Exercício Profissional CEEP para análise e deliberação, com o entendimento de que fosse informada à CCEAGRO a existência de posicionamento formal do Confea sobre o assunto, bem como da Procuradoria Jurídica do Confea a respeito das decisões judiciais sobre o tema; Considerando que o Parecer nº 0110/2011-GAC foi apreciado pela CEEP que, por meio da Deliberação nº 0165/20011-CEEP, decidiu por: Retornar à GAC para responder sistematicamente as seguintes indagações apresentadas pela CCEAGRO:

6 1. Que decisão formal foi aprovada pelo Confea, consolidando nacionalmente o entendimento acerca das limitações de atribuições profissionais, considerando a formação acadêmica (nível médio e superior) e a interpretação jurídica contextualizada à legislação vigente?; 2. Que publicidade foi realizada pelo Confea no sentido de orientar quanto à fundamentação jurídica, de forma a viabilizar a contestação formal e pedida de revisão de decisões nos Estados, garantindo o restabelecimento jurídico adequado?; 3. Que providências o Confea, tomará, considerando sua assessoria institucional, na promoção de reuniões com os órgãos afins (Ministério Público, ANVISA, Ministério do Meio Ambiente, Representantes das Indústrias e Comércio de Agrotóxico), para garantir a construção de uma agenda de trabalho para promoção de fiscalizações integradas e contestação de decisões judiciais que promovam extensão de atribuições, sem fundamentação na formação profissional específica?; e 4. Orientar os Creas, em que já há decisão judicial, no sentido de concessão de amplas atribuições seja especificado, com clareza, que tal concessão é decorrente de cumprimento de ordem judicial. Considerando a Informação nº 0130/2011-GAC; Considerando as alterações feitas em Plenário pelo Coordenador da Comissão, VOTO : Propor ao Plenário do Confea responder aos questionamentos da CCEAGRO da seguinte maneira: 1. Que decisão formal foi aprovada pelo Confea, consolidando nacionalmente o entendimento acerca das limitações de atribuições profissionais, considerando a formação acadêmica (nível médio e superior) e a interpretação jurídica contextualizada à legislação vigente? Decisão PL-0720/2007 (Ementa: Atribuições profissionais dos Técnicos de Nível Médio, em face do Decreto nº 4.560, 30 de dezembro de 2002), de 27 de julho de 2007 O Confea decidiu por 1) Aguardar a prolação da sentença confirmando ou não a liminar para, somente então, decidir sobre revogação ou não da Decisão PL- 0145/ ) Manter o entendimento de que para a concessão de atribuições aos Técnicos Industriais e Agrícolas sejam efetuadas as devidas análises do Perfil Profissional e da Estrutura Curricular, como determinado na Resolução n 1.010, de 2005, indistintamente para todos os profissionais no âmbito do Sistema Confea/Crea.. Decisão PL-1199/2009 (Ementa: Orienta o Crea-PR a cumprir a Decisão Judicial de nº PR (Acórdão do Recurso Especial, proferido pela Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça STJ, nos autos movidos pelo Sindicato dos Técnicos Agrícolas de Nível Médio no Estado do Paraná que obtiveram a habilitação legal para os técnicos agrícolas prescrever receituário agronômico), de 6 de outubro de 2009 O Confea decidiu 1) Tomar conhecimento do pedido de reconsideração. 2) Acatar o que reza a Decisão Judicial nº PR, não cabendo, portanto, discussão, devendo ser cumprida, sem sua plenitude, pelo Crea-PR.

7 Resta claro, portanto, o posicionamento formal do Confea de que as atribuições e restrições somente são concedidas ao profissional mediante detalhada análise curricular feita pela Câmara Especializada competente. 2. Que publicidade foi realizada pelo Confea no sentido de orientar quanto à fundamentação jurídica, de forma a viabilizar a contestação formal e pedida de revisão de decisões nos Estados, garantindo o restabelecimento jurídico adequado? Consta da Resolução 393/95, que os Creas são dotados de assessorias jurídicas com competência para a elucidação das dúvidas surgidas em nível dos Plenários, das Câmaras, dos seus setores técnicos e dos profissionais e empresas neles jurisdicionados, quanto à aplicação das Leis e Resoluções que regulam o exercício profissional. Dessa forma, portanto, é desnecessário o Confea dar publicidade no sentido de orientar o Regional a respeito de fundamentação jurídica para viabilizar a contestação formal e pedida de revisão de decisões no Estado. Ao Confea, por meio de sua Procuradoria Jurídica, cabe orientação jurídicoadministrativa às instâncias do Sistema Confea/Crea e da Mútua quando solicitado, a exemplo, como foi procedido no caso Acórdão do Recurso Especial, proferido pela Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça STJ, nos autos movidos pelo Sindicato dos Técnicos Agrícolas de Nível Médio no Estado do Paraná, em que a procuradoria informou ser incabível recurso e discussão quanto ao mérito, tendo em vista o trânsito em julgado da decisão. 3. Que providências o Confea tomará, considerando sua assessoria institucional, na promoção de reuniões com os órgãos afins (Ministério Público, ANVISA, Ministério do Meio Ambiente, Representantes das Indústrias e Comércio de Agrotóxico), para garantir a construção de uma agenda de trabalho para promoção de fiscalizações integradas e contestação de decisões judiciais que promovam extensão de atribuições, sem fundamentação na formação profissional específica? A Lei 5.194/66, em seu art. 46, alínea e, estabelece que uma das atribuições das Câmaras Especializadas é a de elaborar as normas para a fiscalização das respectivas especializações profissionais. Dessa forma, os Regionais possuem autonomia para estabelecer procedimentos de fiscalização por intermédio de suas Câmaras Especializadas, sendo desnecessária uma iniciativa de providência por parte do Confea, seja por meio de Decisão Plenária ou qualquer outro instrumento válido. A fiscalização preventiva integrada é uma ação já internalizada no Sistema Confea/Crea, quanto a sua necessidade e importância, devendo ser uma iniciativa do Regional para com os órgãos e instituições interessados e não uma providência específica a ser tomada pelo Confea. Destaca- se que esta ação é voluntária, não cabendo ao Regional obrigar que tais órgãos e instituições desenvolvam tarefas conjuntas, contudo é fato que esta é uma vantajosa e eficiente ferramenta para assegurar às profissões a devida valorização, além de fortalecer a relação do Sistema Confea/Crea com a sociedade através da integração com outros parceiros. Quanto às contestações de decisões judiciais já foi citado anteriormente, os Creas são dotados de assessorias jurídicas com competência para a elucidação das dúvidas surgidas em nível dos Plenários, das Câmaras, dos seus setores técnicos e dos profissionais e empresas neles jurisdicionados, quanto à aplicação das Leis e

8 Resoluções que regulam o exercício profissional, bem como para contestação de decisões judiciais quando cabíveis. 4. Orientar os Creas, em que já há decisão judicial, no sentido de concessão de amplas atribuições seja especificado, com clareza, que tal concessão é decorrente de cumprimento de ordem judicial. Pelo fato de que decisões judiciais legítimas, pautadas no devido processo legal, devem ser cumpridas, os Creas que vêm concedendo atribuições aos técnicos, por meio de decisão judicial, já mencionam o fato em suas Decisões Plenárias, informação esta repassada pelos próprios coordenadores da CCEAGRO. Brasília, 23 de agosto de Cons. Federal PETRUCIO CORREIA FERRO Coordenador Cons. Federal JOSÉ LUIZ MOTA MENEZES Coordenador Adjunto Cons. Federal JOSÉ CÍCERO ROCHA DA SILVA Cons. Federal MARCOS VINICIUS SANTIAGO SILVA

9 ITEM 3 PROTOCOLO: INTERESSADO: ASSUNTO: RELATOR: (1ª Discussão) RELATOR: (2ª Discussão) CF-3530/2011 Conselho Mundial de Engenheiros Civis (WCCE) Convite do Conselho Mundial de Engenheiros Civis à Presidência do Confea para participar da 6ª Assembléia Geral do Conselho, em Valência Espanha, de 25 a 26 de novembro de Conselheiro Federal Afonso Luiz Costa Lins Junior (CONCEDIDO VISTA NA PLENÁRIA 1.382) Conselheiro Federal Dirson Arthur Freitag (CONCEDIDO VISTA NA PLENÁRIA 1.383) RELATÓRIO E VOTO FUNDAMENTADO EM SEGUNDO PEDIDO DE VISTA Considerando que o presente Relatório e Voto Fundamentado em Segundo Pedido de Vista refere-se à Deliberação nº 346/2011-CAIS, exarada pela Comissão de Articulação Institucional do Sistema, em 26 de agosto de 2011 e apresentada por ocasião da Sessão Plenária Ordinária nº 1.382; Considerando que a matéria objeto da supracitada Deliberação, trata de documento encaminhado pelo Presidente do Conselho Mundial de Engenheiros Civis (WCCE), Sr. Emílio Colón, protocolado no Confea sob o nº 3530/2011, em 18 de agosto de 2011; Considerando que o cerne da questão não se trata da importância da participação do Confea no Evento, a qual se mostra inegável, mas sim ao fato de que não há, no presente momento, recursos financeiros disponíveis para custear a propositura apresentada no Relatório e Voto Fundamento em Primeiro Pedido de Vista; Considerando, dessa maneira, que resta levantada a questão acerca da possível revogação tácita da Resolução nº 415, de 24 de outubro de 1997, pelo Regimento do Confea (Resolução nº 1.015, de 2006), o qual não traz menção acerca de que a aprovação plenária de que a abertura de créditos suplementares e a transferência de recurso financeiro do Confea estaria vinculada a prévia e anuência do Coordenador da Comissão de Controle e Sustentabilidade CCS: Resolução nº 1.015, de 2006: Art. 9º. Compete ao Plenário do Confea: (...) XXX apreciar e decidir sobre o orçamento do Confea, dos Creas e da Mútua, suas reformulações orçamentárias, a abertura de créditos suplementares e a transferência de recurso financeiro do Confea; (...) Art. 6º Ficam revogadas as Resoluções nos 373, de 16 de dezembro de 1992, 398, de 6 de outubro de 1995, 402, de 6 de outubro de 1995, 422, de 25 de setembro de 1998, 435, de 27 de novembro de 1999, e 475, de 13 de dezembro de 2002, a Decisão Normativa nº 51, de 9 de março de 1994, e demais disposições em contrário. Resolução nº 415, de 1997:

10 Art. 1º - Acrescentar parágrafo único ao artigo 11 da Resolução nº 353/90 do CONFEA com a seguinte redação: Parágrafo único - Transposições no mesmo elemento só deverão ser feitas com prévia anuência da CCS - Comissão de Controle do Sistema através de seu Coordenador, ouvindo os seus membros. Considerando que o Plenário do Confea, em ocasião anterior, procedeu de maneira semelhante ao proposto no item 3 (três) do Relatório e Voto Fundamentado em Primeiro Pedido de Vista: VOTO: Ref. SESSÃO: Sessão Plenária Ordinária DECISÃO Nº: PL-0293/2010 INTERESSADO: Sistema Confea/Crea EMENTA: Aprova a realização de treinamento destinado aos 27 (vinte e sete) Coordenadores das Comissões de Renovação do Terço dos Creas, e aos 27 (vinte e sete) respectivos Assessores ou Assistentes Técnicos. (...) DECIDIU, por unanimidade: 1) Aprovar a ocorrência de treinamento destinado aos 27 (vinte e sete) Coordenadores das Comissões de Renovação do Terço dos Creas, e aos 27 (vinte e sete) respectivos Assessores ou Assistentes Técnicos, a ocorrer em Brasília-DF, até o mês de maio de 2010; 2) Suplementar o orçamento da CONP, visando custear o supracitado treinamento em R$ ,00 (duzentos e cinquenta mil reais), distribuídos da seguinte maneira: 2.1) Rubrica Diárias de Colaboradores Eventuais R$ ,00 (cem mil reais); 2.2) Rubrica Transporte de Colaboradores Eventuais R$ ,00 (cem mil reais); 2.3) Rubrica Locação de Outros Serviços de Pessoas Jurídicas R$ ,00 (cinquenta mil reais); 3) (...) Propor ao Plenário do Confea: 1) Inicialmente, votar acerca do entendimento atinente à revogação tácita da Resolução nº 415, de 1997, pela Resolução nº 1.015, de 2006; 2) Sendo aprovado tal entendimento, constituir missão representativa do Sistema Confea/Crea com o objetivo de participar da 6 Assembléia Geral do Conselho, que será realizada em Valência - Espanha, nos dias 25 e 26 de novembro de 2011, e do Congresso Nacional de Engenheiros Civis, a ser realizado nos dias 23 e 24 de novembro de 2011, na cidade de Valência Espanha, com a seguinte composição: Presidente do Confea ou seu representante, três Conselheiros Federais, sendo um deles integrante da Comissão de Educação e Atribuição Profissional CEAP, três representantes do Colégio de Presidentes de Creas, três representantes do Colégio de Entidades Nacionais e um profissional lotado na Asin.

11 3) Autorizar a Gerência de Orçamento e Contabilidade GOC a proceder as adequações e realocações orçamentárias necessárias ao cumprimento do ora decidido, desde que não haja ilegalidade quanto ao feito, bem como para efetivo cumprimento das Decisões Plenárias nº PL-0927/2011 e PL-0928/2011, 4) Que valores aproximados e relativos às despesas com diárias, transporte e inscrições no Evento da ordem de R$ ,00 (cento e onze mil novecentos e oitenta reais) a ser apropriado nos Centros de Custo: Centro de Custo Missão no Exterior - Plenário Conta Congressos, Conferências, Exposições Diárias de Conselheiros Transporte de Conselheiros Missão no Exterior - CP Missão no Exterior - CDEN Diárias de Colaboradores Eventuais Transporte de Colaboradores Eventuais Congressos, Conferências, Exposições... Diárias de Colaboradores Eventuais Transporte de Colaboradores Eventuais Congressos, Conferências, Exposições... Diárias de Colaboradores Eventuais Transporte de Colaboradores Eventuais Presidência Diárias de Conselheiros Brasília, 23 de setembro de Transporte de Conselheiros DELIBERAÇÃO Nº 346/2011 Cais

12 A COMISSÃO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL DO SISTEMA (CAIS) na sua 12ª Reunião Extraordinária para o presente exercício, realizada em Brasília-DF, na sede do Confea, em 26 de agosto de 2011, após análise do assunto em epígrafe, e Considerando que tratam os presentes autos de documento encaminhado pelo Presidente do Conselho Mundial de Engenheiros Civis (WCCE), Sr. Emílio Colón, protocolado no Confea sob o nº 3530/2011, em 18 de agosto de 2011; Considerando que por meio do documento supracitado, o Presidente do Conselho Mundial de Engenheiros Civis convida o Presidente do Confea para participar da 6 Assembléia Geral do Conselho, que será realizada em Valência - Espanha, nos dias 25 e 26 de novembro de 2011, extensivo a outros representantes deste Federal; Considerando que a programação desta Assembléia Geral contará com um seminário sobre intitulado Água: Desafios da Urbanização e da Mudança Climática no qual serão discutidos os problemas acerca dos desafios do abastecimento de água nas três principais cidades da Espanha - Valência, Madri e Barcelona, bem como a política nacional relacionada ao tema; Considerando que o convite informa que, durante a sessão vespertina do seminário, alguns palestrantes internacionais apresentarão as melhores práticas relacionadas à transferência de água como elemento chave para a adaptação às mudanças climáticas; Considerando que consta no documento que serão realizadas sessões paralelas e um fórum de negócios onde empreiteiros, prestadores de serviço, ou contratantes de diversos países receberão informações relevantes para processos de licitação no setor da construção das seguintes regiões: Estados Unidos da América, Brasil e União Europeia. Sendo assim, o público alvo desse fórum são aqueles residentes na Espanha, Europa e Américas, como também que no dia 26 de novembro, a Assembléia Geral receberá 18 países membros e duas organizações internacionais de nível global na área da engenharia civil; Considerando o Parecer nº 064/2011-Assin, de 25 agosto de 2011, o qual, dentre outras coisas alega: 1) No ano de 2007, durante a 2 Assembleia Geral do WCCE, realizada em Victoria Falls Zimbábue, foi aceita por unanimidade a solicitação de filiação do Confea ao Conselho, que passou a integrá-lo na categoria de Membro Nacional Ordinário, conforme o art. 4 de seu estatuto, que dá ao Confea direito a voto. 2) Desde a fundação do WCCE, na Cidade do México, em 15 de julho de 2006, presenciada pelo Confea, este Federal participou também das seguintes Assembleias Gerais: 2 Assembleia Geral, realizada em Victoria Falls Zimbábue, em 2007; 3 Assembleia Geral, realizada em Brasília-DF - Brasil, em 2008; 5 Assembleia Geral, realizada em Buenos Aires Argentina, em ) Cumpre destacar ainda que o Confea é membro do Comitê Executivo do WCCE, sendo o representante das Américas no Conselho, o que evidencia a relevância da participação deste Federal na reunião em comento. 4) Dada a peculiaridade do convite que, no seu aceite, imprime caráter representativo do Sistema Confea/Crea no exterior, trazemos à tona o parágrafo único

13 do artigo 3 da Resolução Nº 1.009, de 17 de junho de 2005, que dispõe sobre os critérios e os procedimentos para autorização de viagem ao exterior, em cumprimento de missão delegada pelo Crea ou pelo Confea: Art. 3o As solicitações de viagem ao exterior com recursos do Confea ou do Crea devem ser previamente aprovadas pelo respectivo plenário. Parágrafo único. Excepcionalmente, a viagem ao exterior do presidente do Confea poderá ser autorizada pelo Conselho Diretor [...], com posterior homologação do respectivo plenário. 5) Por fim, informamos que a presença de 01 (um) representante do Confea na 6 Assembleia Geral resulta num custo aproximado de R$ 7.780,00 (passagens aéreas, diárias e seguro-viagem) e que o Centro de Custos da Presidência ( ), na data de 25 de agosto de 2011, possui saldo orçamentário disponível; Considerando que há disponibilidade orçamentária de R$ ,29 (duzentos e cinquenta e oito mil, setecentos e quarenta e três reais, e vinte e nove centavos) no Centro de Custos Presidência, Conta Despesas de Custeio; Considerando que as despesas para esta representação é de aproximadamente R$ 7.780,00 (sete mil, setecentos e oitenta reais); Considerando as alterações sugeridas em Plenário e acatadas pela Comissão, DELIBEROU: Propor ao Plenário do Confea: 1) Aprovar a ida do Presidente do Confea ou um conselheiro federal representante do Plenário engenheiro civil, para participar da 6ª Assembléia Geral do Conselho Mundial de Engenheiros Civis (WCCE) em Valência Espanha, de 25 a 26 de novembro de ) Determinar que as despesas no valor estimado de R$ 7.780,00 (sete mil, setecentos e oitenta reais) sejam apropriadas no Centro de Custos Presidência, Conta Despesas de Custeio. Brasília, 26 de agosto de Cons. Federal KLEBER SOUZA DOS SANTOS Coordenador Cons. Federal MARIA LUÍZA POCI PINTO Cons. Federal LUIZ ARY ROMCY Cons. Federal ADRIANO HENRIQUE MARTINS RABELO

14 ITEM 4 PROCESSO: CF-1533/2011 INTERESSADO: Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge) ASSUNTO: Revisão de Credenciamento das Entidades Nacionais 2011 RELATOR: Conselheiro Federal Marcos Vinicius Santiago Silva (CONCEDIDO VISTA NA PLENÁRIA 1.383) DELIBERAÇÃO Nº 354/2011 CAIS A COMISSÃO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL DO SISTEMA (CAIS) na sua 13ª Reunião Extraordinária para o presente exercício, realizada em Brasília-DF, na sede do Confea, em 20 de setembro de 2011, após análise do assunto em epígrafe, e Considerando que a Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge), por meio do Ofício nº 046/2011, protocolado no Confea sob o número 2559/2011, em 20 de junho de 2011, solicita o seu recadastramento diante do Colégio de Entidades Nacionais (Cden); Considerando que o Plenário do Confea, por meio da Decisão PL-0987, de 4 de julho de 2011, acolheu a Deliberação 150/2011 da Cais e decidiu: 1) Não aprovar o contido na Proposta CDEN nº 013/2011, de 25 de fevereiro de 2011, PT CF- 0722/2011, no que tange à suspensão temporária da aplicação da revisão do credenciamento das entidades nacionais. 2) Acolher o pedido do Cden ao Confea, por meio do Ofício nº 015/2011, de 10 de junho de 2011, para considerar na revisão das entidades apenas os documentos exigidos no art. 15, 2º, da Resolução nº 1011, de 24 de agosto de ) Determinar à Gerência de Relacionamentos Institucionais (GRI) que informe ao Cden que a data limite para recebimento da documentação das entidades para as suas revisões de credenciamentos é 31 de agosto de 2011 e que, até 30 de setembro deste ano, esta Gerência apresente à Cais os processos de revisão de credenciamento de entidades devidamente instruídos com os documentos exigidos pela legislação vigente, com análise e parecer técnico; Considerando o disposto na Resolução nº 1011, de 24 de agosto de 2005, especialmente no seu art. 15, abaixo transcrito: Art. 15. O Confea realizará, a cada três anos, a revisão do credenciamento das entidades nacionais. 1º A comissão permanente responsável pela condução dos assuntos nacionais coordenará o processo de revisão do credenciamento. 2º Para fins de revisão do credenciamento, a entidade deve apresentar cópia dos seguintes documentos: I última alteração do estatuto, registrada em cartório; II ata de posse da atual diretoria, registrada em cartório; e III comprovante de efetivo funcionamento nos últimos três anos, conforme previsto no inciso V do art. 4º desta Resolução.

15 Considerando o Parecer nº 1001/2011-GAC, de 31 de agosto de 2011, favorável ao credenciamento da entidade interessada, haja vista que esta cumpriu integralmente todas as exigências contidas na Resolução nº 1011/05, DELIBEROU: Propor ao Plenário do Confea: 1) Aprovar o pedido de revisão de credenciamento da Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge) para fins de composição do Colégio de Entidades Nacionais (Cden), por um prazo de três anos, conforme o disposto no art. 15 da Resolução nº 1011, de 24 de agosto de ) Encaminhar os autos à Gerência de Relacionamentos Institucionais do Confea (GRI) para promover as medidas cabíveis para a efetividade deste recredenciamento da interessada junto ao Cden. Brasília, 20 de setembro de Cons. Federal KLEBER SOUZA DOS SANTOS Coordenador Cons. Federal MARIA LUÍZA POCI PINTO Cons. Federal LUIZ ARY ROMCY

ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua

ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua ANEXO I REGULAMENTO DO PRODESU Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Confea/Creas e Mútua CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Seção I Dos Objetivos Art. 1º O Programa de

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 101/2014

DELIBERAÇÃO Nº 101/2014 DELIBERAÇÃO Nº 101/2014 Ementa: Dispõe sobre o pagamento de jetons e diárias no Conselho Regional de Farmácia do Estado do Espírito Santo e revoga as Deliberações n.º 14 e 16 de 2014. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / /

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre a composição,

Leia mais

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS DO

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA FE/FFCL

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA FE/FFCL REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA FE/FFCL 2 CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º O Comitê de Ética em Pesquisa, multidisciplinar, é um órgão colegiado, instituído através da Portaria n.03/2008,

Leia mais

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO 1 Nome do Projeto 2 Código PROJETO ÉTICA PROFISSIONAL 3 Coordenador(a) 4 Tipo de Projeto Engenheiro eletricista EDISON FLAVIO MACEDO Estruturante 5 Gestor(a) 6 Programa Engenheiro Igor de Mendonça Fernandes

Leia mais

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL dezembro/2008 Capítulo I Da competência do Conselho Fiscal Art. 1º Como órgão de controle interno da EFPC, compete ao Conselho Fiscal, na forma estabelecida no

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE Cria as Comissões de Ética no Uso de Animais da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração

Leia mais

PORTARIA AD-Nº 362, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA AD-Nº 362, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010 PORTARIA AD-Nº 362, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2010 Ementa: Altera a Norma Interna que trata da concessão de passagens e diárias do Confea. O Vice-Presidente no exercício da Presidência do Conselho Federal de

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA - Cesumar)

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA - Cesumar) REGULAMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA - Cesumar) CAPÍTULO 1 Da Definição Artigo 1º - A Comissão de ética no uso de animais (CEUA - Cesumar) é o órgão responsável pelo acompanhamento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO Conforme aprovado em reunião do Conselho Municipal de Habitação, realizada aos 29 de maio de 2012; REGIMENTO

Leia mais

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA

FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA FENAJ - FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS COMISSÃO NACIONAL DE ÉTICA RESOLUÇÃO CNE Nº 01/2008, REPUBLICADA (*), DE 07/07/2008 Artigo 1º Este Regimento Interno contém as normas que regulam o funcionamento

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS Art. 1 - O Conselho Estadual do Meio Ambiente do Estado do Tocantins COEMA, órgão colegiado

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso:

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso: PROJETO DE LEI Nº 2.093/09, de 30 de junho de 2.009 Dispõe sobre criação do Conselho Municipal de Direitos do Idoso e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, faz saber

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE LEÃO SAMPAIO COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO COPEX Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Leão Sampaio (CEP/LEÃO SAMPAIO) Atualizado

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.118/2015

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.118/2015 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.118/2015 (Publicada no D.O.U. de 3 de março 2015, Seção I, p. 135) Normatiza os procedimentos para pagamento de diária nacional e internacional, auxílio de representação e verba indenizatória

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CMDI

PREFEITURA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CMDI PREFEITURA MUNICIPAL DE FEIRA DE SANTANA ESTADO DA BAHIA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CMDI (Extrato) REGIMENTO INTERNO O Conselho Municipal do Idoso de Feira

Leia mais

ESTATUTO DO SISTEMA CONFEA/CREAs Aprovado no III CNP

ESTATUTO DO SISTEMA CONFEA/CREAs Aprovado no III CNP ESTATUTO DO SISTEMA CONFEA/CREAs Legenda: Texto destacado, discutido e mantido: ESTATUTO DO SISTEMA CONFEA/CREAs Aprovado no III CNP Art. 1º O Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Engenharia, Arquitetura

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI- possui atribuições de caráter propositivo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre DECRETO Nº 17.301, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova o Regimento Interno do Fórum Municipal dos Conselhos da Cidade (FMCC). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no

Leia mais

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou e eu, em seu nome, sanciono e promulgo a seguinte Lei: Das disposições Gerais Art.

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR N º 150/2007 (Publicado no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/04/2007 p. 86) (Revogada pela Resolução CRMPR 181/2011)

RESOLUÇÃO CRM-PR N º 150/2007 (Publicado no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/04/2007 p. 86) (Revogada pela Resolução CRMPR 181/2011) CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO PARANÁ RUA VICTÓRIO VIEZZER. 84 - CAIXA POSTAL 2.208 - CEP 80810-340 - CURITIBA - PR FONE: (41) 3240-4000 - FAX: (41) 3240-4001 - SITE: www.crmpr.org.br - E-MAIL: protocolo@crmpr.org.br

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência - CMDPCD, instituído

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPI Aprova o Regimento do Conselho de Administração da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Administração,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE LAURENTINO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE COMAM REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE APRESENTADO PARA SER DISCUTIDO E APROVADO na reunião do Conselho CAPÍTULO

Leia mais

COMISSÕES PERMANENTES DO CONFEA

COMISSÕES PERMANENTES DO CONFEA COMISSÕES PERMANENTES DO CONFEA Comissão de Articulação Institucional do Sistema CAIS Comissão de Controle e Sustentabilidade do Sistema CCSS Comissão de Educação e Atribuição Profissional CEAP Comissão

Leia mais

METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS. Art. 2º - São objetivos específicos da ESTATUINTE: a) definir os princípios e finalidades da UFRB.

METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS. Art. 2º - São objetivos específicos da ESTATUINTE: a) definir os princípios e finalidades da UFRB. METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS Art. 1º - A ESTATUINTE consiste em processo consultivo e deliberativo que tem por objetivo geral elaborar o Estatuto da UFRB. Art. 2º - São objetivos específicos

Leia mais

CONSIDERANDO a realização da VI Plenária de Conselhos de Saúde do Estado do Amazonas, nos dias 06 e 07 de junho de 2013;

CONSIDERANDO a realização da VI Plenária de Conselhos de Saúde do Estado do Amazonas, nos dias 06 e 07 de junho de 2013; RESOLUÇÃO CES/AM Nº. 012 DE 28 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre o Regimento Interno da VI Plenária de Conselhos de Saúde do Estado do Amazonas. A Plenária do Conselho Estadual de Saúde do Amazonas, na sua

Leia mais

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa.

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa. REGIMENTO DO CEMACT REGIMENTO INTERNO DO CEMACT CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. - Este Regimento estabelece as formas de organização e funcionamento do conselho Estadual de Meio Ambiente,

Leia mais

Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno

Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno Comitê de Ética em Pesquisa da Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (CEP/Emescam) Regimento Interno Das finalidades: Art. 1º O presente Regimento Interno contém as normas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Sete Lagoas 2012 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO GESTOR DA UNICEASA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SUMÁRIO TÍTULO PÁGINA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

CAPÍTULO I. Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições

CAPÍTULO I. Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições REGIMENTO INTERNO - ANTIGO CAPÍTULO I Do Conselho, sua Finalidade e suas Atribuições Art. 1º O Conselho Municipal de Educação de Concórdia (CME), órgão deliberativo e consultivo da Administração no setor

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 806/2013

DELIBERAÇÃO N.º 806/2013 DELIBERAÇÃO N.º 806/2013 Ementa: Delibera acerca da verba de representação, disciplina o pagamento de diárias, jetons e ressarcimento de despesas pelo CRF-PR e dá outras providências. A Presidente do Conselho

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL.

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL. ANEXO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º. Ao Fórum Regional Permanente das Microempresas

Leia mais

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO 1 Nome do Projeto PROJETO ESPECIAL 7º CNP 2 Coordenador(a) Engenheiro eletricista EDISON FLAVIO MACEDO 3 Gestor(a) 4 Programa Wanessa Severino Borges Almeida CAIS 5 Objetivo do Projeto Apoiar a implementação

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais, Categoria e Finalidades Art. 1º - O Conselho de Câmpus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de

Leia mais

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO LEI DE N 142/2013 de 18 de abril de 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. Dispõe sobre a Política de Assistência Social No Município, cria o Conselho Municipal de Assistência Social e o Fundo Municipal de Assistência Social

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA CONFEA COMISSÃO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL DO SISTEMA - CAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA CONFEA COMISSÃO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL DO SISTEMA - CAIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA CONFEA COMISSÃO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL DO SISTEMA - CAIS S Ú M U L A D A R E U N I Ã O E S P E C I A L D E I N S T

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO Art. 1º Este Regulamento Interno disciplina as normas relativas ao funcionamento da Comissão Própria

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art.1º _ O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher CNDM, é órgão colegiado de natureza consultiva e deliberativa,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PRERROGATIVAS DA AMATRA XV CAPÍTULO I DAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º. Compete à Comissão de Prerrogativas a efetivação prática do disposto no inciso III do artigo 2º do Estatuto

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA COMISSÃO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL DO SISTEMA - CAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA COMISSÃO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL DO SISTEMA - CAIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA COMISSÃO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL DO SISTEMA - CAIS S Ú M U L A D A 2 ª R E U N I Ã O E X T R A O R D I N Á R I A DA C A I

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CME/THE CAPÍTULO II DA NATUREZA E DA FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CME/THE CAPÍTULO II DA NATUREZA E DA FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CME/THE CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal de Educação de Teresina, instituído em 19 de dezembro de 2001, pela Lei

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem:

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem: Regimento Interno Objeto Composição e Competência Presidência Reuniões Ordem dos Trabalhos Disposições Gerais Capítulo I Objeto Art. 1.º - Em cumprimento ao Estatuto Social da Associação dos Funcionários

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DO OBJETIVO CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DO OBJETIVO CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA Lei nº 006, de 04 de Abril de 2014. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO CMS - CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito de Santa Inês, município do Estado do Maranhão, no uso de suas

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Petrópolis 2013 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho é um resumo

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013.

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. Dispõe sobre a criação e atribuições das delegacias regionais e dos delegados e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1580/2010 Dá nova nomenclatura a Conferência, ao Conselho e ao Fundo Municipal de Assistência ao Idoso criado pela Lei nº 1269/2004 e dá outras providencias. Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Dr. Henrique Carlos Gonçalves Conselheiro CREMESP - Coordenador do Departamento Jurídico

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Dr. Henrique Carlos Gonçalves Conselheiro CREMESP - Coordenador do Departamento Jurídico CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO Dr. Henrique Carlos Gonçalves Conselheiro CREMESP - Coordenador do Departamento Jurídico INTRODUÇÃO A) Criação dos Conselhos Regionais e Federal de

Leia mais

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO MODELO O conteúdo desse Modelo de Regimento Interno representa a contribuição do MEC, colocada à disposição dos Governos Municipais, a título de apoio técnico, previsto no art. 30, I, da Lei nº 11.494,

Leia mais

RESOLUÇÃO SME Nº 1.177, DE 12 DE JANEIRO DE 2012.

RESOLUÇÃO SME Nº 1.177, DE 12 DE JANEIRO DE 2012. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Educação Rua Afonso Cavalcanti, 455 3º andar Cidade Nova CEP: 20211-901 Telefone: 2976-2478 / 2976-2481 smegab@rioeduca.net RESOLUÇÃO SME

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA. Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I

FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA. Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS E DA SAÚDE DE JUIZ DE FORA. SUPREMA Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais CEUA CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art.1º A Comissão de Ética no Uso de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNISEB COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNISEB REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º A Comissão de Ética no Uso de Animais da UNISEB é um órgão deliberativo

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Londrina CMDPD, criado pela Lei Municipal nº

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 056/2013 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS LEI Nº 14.830, de 11 de agosto de 2009 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual do Artesanato e da Economia Solidária - CEAES, e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO MUNICIPIO DE MOSSORÓ RN REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO MUNICIPIO DE MOSSORÓ RN REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DO MUNICIPIO DE MOSSORÓ RN REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Natureza e finalidade Artigo 1º O Conselho Municipal de Assistência Social instituído pela Lei Municipal

Leia mais

XVI CONAPEF CONGRESSO NACIONAL DOS POLICIAIS FEDERAIS REGIMENTO INTERNO

XVI CONAPEF CONGRESSO NACIONAL DOS POLICIAIS FEDERAIS REGIMENTO INTERNO XVI CONAPEF CONGRESSO NACIONAL DOS POLICIAIS FEDERAIS REGIMENTO INTERNO O Presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais - FENAPEF, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 14 e 25,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA Manual para elaboração de proposta de composição do plenário do Crea Brasília-DF Abril de 2012 1 PRESIDENTE: Engenheiro Civil JOSÉ TADEU DA SILVA GERENTE DE ASSISTÊNCIA AOS COLEGIADOS GAC: Advogada TÂNIA

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO

REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DO AUDIOVISUAL DE PERNAMBUCO CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Consultivo do Audiovisual de Pernambuco, órgão colegiado permanente, consultivo e

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 17/9/2009, Seção 1, Pág. 26. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 17/9/2009, Seção 1, Pág. 26. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 17/9/2009, Seção 1, Pág. 26. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Ministério Público Federal/Procuradoria da

Leia mais

Regimento Interno do Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno - FDES. CAPÍTULO I - Da Natureza

Regimento Interno do Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno - FDES. CAPÍTULO I - Da Natureza Regimento Interno do Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno - FDES CAPÍTULO I - Da Natureza Art. 1º. O Fórum de Economia Solidária do Distrito Federal e Entorno,órgão colegiado de deliberação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 368/2002 Institui o Conselho de Cirurgia do Departamento de Medicina e aprova seu regulamento. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MED-144/02, aprovou

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL CAPITULO I REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BANCO DO BRASIL PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL CAPITULO I Das Finalidades e Organização Art. 1º - O presente Regimento Interno destina-se

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR nº 197/2015

RESOLUÇÃO CRM-PR nº 197/2015 RESOLUÇÃO nº 197/2015 Normatiza os procedimentos para pagamento de Diária, Verba Indenizatória e Auxílio de Representação pelo Conselho Regional de Medicina do Paraná () e revoga as Resoluções n 194/2014

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS REGIMENTO INTERNO CEP/ACCG COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS

ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS REGIMENTO INTERNO CEP/ACCG COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS REGIMENTO INTERNO CEP/ACCG COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA ASSOCIAÇÃO DE COMBATE AO CÂNCER EM GOIÁS CAPÍTULO PRIMEIRO REGIME JURÍDICO ART. 1º - Criado em 22 de dezembro

Leia mais

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais,

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais, LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO BEM ESTAR SOCIAL E CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL A ELE VINCULADO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. MÁRCIO CASSIANO DA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO SANTOS ATLÉTICO CLUBE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO SANTOS ATLÉTICO CLUBE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DELIBERATIVO SANTOS ATLÉTICO CLUBE CAPITULO I - DA MESA DIRETIVA Art. 01 - A Mesa Diretiva do Conselho Deliberativo será composta pelo Presidente, Vice-Presidente e Secretário,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

GRUPO TÉCNICO SOBRE RESÍDUOS DE PESTICIDAS - GT PR CODEX ALIMENTARIUS - BRASIL REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I

GRUPO TÉCNICO SOBRE RESÍDUOS DE PESTICIDAS - GT PR CODEX ALIMENTARIUS - BRASIL REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I GRUPO TÉCNICO SOBRE RESÍDUOS DE PESTICIDAS - GT PR CODEX ALIMENTARIUS - BRASIL REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º - O Grupo Técnico sobre Resíduos de Pesticidas GT-PR, instituído

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET BARBACENA 2010 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento

Leia mais

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS O presente Regimento (versão aprovada em reunião plenária de 24 de maio de 2011) disciplina os critérios de composição, eleição

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Farroupilha Regimento Interno da Comissão de Avaliação

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR n.º 190/2013

RESOLUÇÃO CRM-PR n.º 190/2013 RESOLUÇÃO CRM-PR n.º 190/2013 (REVOGADA PELA RESOLUÇÃO CRMPR nº 194/2014) Normatiza os procedimentos para pagamento de Diária, Verba Indenizatória e Auxílio de Representação pelo Conselho Regional de Medicina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA REGIMENTO INTERNO DA FEPISA Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ILHA SOLTEIRA - FEPISA, além das disposições constantes de seu Estatuto, fica sujeita às determinações deste Regimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO Aprovado na 3ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da EMBRAPII, realizada em 25 de fevereiro de 2014 ÍNDICE

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS

Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS CAPITULO I DA NATUREZA Art. 1º O Conselho Municipal de Educação de Venâncio Aires, consolidado pela lei Municipal nº 3904 de 16 de

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix I - Do Objeto e suas finalidades Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais