Manual de operação básica para Procuradores.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de operação básica para Procuradores."

Transcrição

1 Procuradoria Geral do Estado da Bahia Sistema PGE.Net Manual de operação básica para Procuradores.

2 Sumário Objetivo:... 3 Campo de Aplicação:... 3 Visão Macro:... 3 Principais Atividades do Procurador Acessando o Sistema: Filas de Trabalho: Fila - Minhas Pendências: Acesso à Pasta Digital do Processo Fila - Prazos a Confirmar: Fila - Prazos Confirmados: Reclassificar Movimentação: Elaborar Pronunciamento: Peticionamento Eletrônico com Documentos em Anexo: Pedidos do Procurador: Pedido Dispensa de recurso e outras manifestações : Pedido Informações : Cálculos ao Contador: Carga de Autos Encerrar Pendência: Solicitação de Redistribuição Definitiva: Solicitação de Redistribuição Provisória: Anexo: Lei / Medida Provisória Nº , de 24 de agosto de

3 Objetivo: Este documento objetiva fornecer uma orientação inicial aos Procuradores quanto à utilização do sistema PGENet. Corresponde a um guia prático, que possibilitará ao Procurador conhecer, de forma macro, as funcionalidades que estão relacionadas com as suas principais atividades diárias, tais como: receber prazos, solicitar autos, solicitar distribuição do processo/pendência, solicitar informações (ofícios), elaborar manifestações, dentre outras. Campo de Aplicação: Aplica-se aos Procuradores de Base da PGE/BA. Visão Macro:

4 Cadastro As citações e intimações recebidas na PGE serão o ponto de partida para o cadastramento de processos no sistema PGE.Net. No cadastramento, o sistema PGE.Net acessa a base de dados do Tribunal de Justiça e importa os dados cadastrais do processo. Atualmente, em Salvador, todas as Varas de Fazenda Pública já estão operando com o sistema de processos digitais. Todo o acervo remanescente teve os seus dados migrados para o novo sistema, porém, provisoriamente, continuam tramitando fisicamente. Somente as novas ações, distribuídas após a implantação do sistema, terão autos totalmente digitais.

5 Nos casos de processos totalmente digitais, o sistema PGE.Net permitirá ao usuário da Procuradoria acessar diretamente, na base do Tribunal de Justiça, todas a peças processuais. Em processos parcialmente digitais, os remanescentes, somente algumas peças poderão estar disponíveis. Sendo necessário, nestes casos, fazer carga do processo. Poderá o Procurador, em processos físicos, optar por digitalizar peças que ache necessário manter no acervo do PGE.Net, salvando as mesmas na respectiva pasta digital. No cadastramento de processos que já se encontram na base do PGE.Net, e receberem novas intimações/demandas, elas serão cadastradas, mas ao contrário do Processo novo, não passarão pelo Procurador Assistente para distribuição após digitalização, revisão e validação, seguirão direto para o Procurador vinculado ao processo, como uma nova pendência a ser confirmada. São denominados no sistema PGE.Net processos excepcionais. Digitalização Após o cadastramento, a documentação que provocou o cadastro no sistema PGE.Net será digitalizada e salva na respectiva pasta do processo. em seguida o processo será enviado para revisão. Revisão Todos os processos novos na base de dados do PGE.Net, terão seus dados revisados antes do envio aos Procuradores Assistentes, bem como os documentos digitalizados e inseridos na pasta digital. Validação O Validador fará uma nova conferencia no processo, informará o assunto a que se refere e, após a validação o processo será encaminhado para o Procurador Assistente do respectivo núcleo. Distribuição de processos Nos processos onde o assunto não tenha sido definido pelo Validador, o Procurador Assistente deverá definir o assunto, fazer a distribuição, de forma automática ou direcionada, para o Procurador de Base.

6 Principais Atividades do Procurador 1. Acessando o Sistema: 1. Nos computadores da PGE estará disponível, na área de trabalho, o ícone para acesso ao sistema; 2. Clicar no ícone, após o carregamento do sistema, na tela abaixo, inserir o usuário e senha: Usuário Senha 3. A tela inicial do sistema será aberta, conforme imagem abaixo. 4. Clicar em Processos Fluxo para acessar às filas de trabalho.

7 2. Filas de Trabalho: Após o comando Processos Fluxo o usuário terá acesso às filas de trabalho configuradas. Abaixo estão as filas configuradas para o Procurador de Base.

8 2.1. Fila - Minhas Pendências: Todas as pendências ativas distribuídas ao Procurador estarão nesta fila. Note que neste exemplo existem 42 pendencias. Ao clicar na fila Minhas Pendencia, serão carregados na tela todos os Processos com suas respectivas pendencias. OBS.: Na tela acima estão listados todos os processos distribuídos ao Procurador com suas respectivas pendencias. Observe que os processos/pendencias estão organizados em colunas configuráveis, onde cada coluna corresponde à um tipo de informação, que podem ser adicionadas ou suprimidas, de acordo com a preferencia do usuário. Existe uma diferença entre Processo e Pendência. Para um processo é possível existir uma ou mais pendências, portanto cada processos terá, pelo menos, uma pendencia, portanto o número de pendências não corresponde, necessariamente, ao número de processos distribuídos ao Procurador. Quando for confirmar o prazo, será possível incluir novas pendencias e excluir as que não forem necessárias. (Vide item )

9 Acesso à Pasta Digital do Processo O primeiro passo para iniciar a análise do processo é acessar a pasta digital. No campo apropriado, marcar a pendência a ser analisada, clicar na tecla F12. Será aberta a pasta digital, com todos os documentos inseridos até então. OBS.: Um novo documento poderá ser inserido, em formato PDF, sempre que for necessário. Quando se tratar de originais em papel, solicitar digitalização na secretaria.

10 A tecla F12 é um atalho para facilitar o acesso à pasta digital. É possível também acessar a pasta digital clicando no menu principal em: Processos Visualização Pasta Digital. Em computadores com duas telas, a pasta digital poderá ser visualizada na segunda tela, enquanto o procurador trabalha na tela principal. Após a análise dos documentos que constam na pasta digital, e conseqüentemente a decisão de qual providencia será adotada, o Procurador deverá confirmar os prazos das Manifestações Sugeridas pelo sistema, troca-las por outras manifestações, ou incluir novas. (veja item 2.2)

11 2.2. Fila - Prazos a Confirmar: Na fila, estão todas as pendencias geradas pelo sistema. É possível fazer a confirmação de prazos na fila Prazos a Confirmar e também na fila Minhas Pendencias. Entretanto, é na fila Prazos a Confirmar, que podem ser mais facilmente identificadas as novas pendencias. Existem neste exemplo 7 (sete) manifestações aguardando confirmação. Após a confirmação do prazo a pendencia passa para a fila Prazos Confirmados. 1. Clicar na fila para carregar as pendências que estão aguardando confirmação; 2. Conforme visto abaixo, para alguns processos haverá mais de uma pendência. Selecionar apenas uma das pendências, para efetuar a confirmação: Clicar em Confirmar Manif./Prazo Selecionar uma pendência 3. Clicar em Confirmar Manif./Prazo. Duas pendencias, mesmo processo. Selecionar apenas uma possibilitará confirmar todas as pendencias.

12 Será aberta uma segunda tela, que permitirá ao Procurador confirmar a pendencia sugerida pelo sistema ou modifica-la, alterando o tipo de movimentação. As pendências serão geradas com sugestões de manifestações a partir da movimentação cadastrada. É facultado ao Procurador seguir ou modificar a manifestação que foi sugerida pelo sistema, conforme demonstração abaixo: Clicar na lupa e uma lista de tipos de movimentação será disponibilizada.. 4. Para alterar o Tipo de Movimento que foi cadastrado, o Procurador deverá clicar na lupa. Será aberta a tela de consulta a seguir. Campo destinado à busca do tipo de movimento. 5. Selecionar na lista Consulta Tipo Movimentação um novo Tipo de Movimento, ou manter o Tipo de Movimento já previamente cadastrado.

13 6. Baseado no Tipo de Movimento selecionad,o uma lista de manifestações será sugerida pelo sistema na coluna Manifestação, com os respectivos prazos. OBS.: O prazo é calculado contando a partir da data em que a pendência foi cadastrada: 7. É possível desmarcar as manifestações sugeridas que não deverão ser confirmadas, assim como é possível inserir novas manifestações; 7.1. Para inserir novas manifestações, além das disponibilizadas, clicar no botão :

14 Uma nova linha na planilha será disponibilizada, conforme imagem a seguir: Nova linha 7.2. Clicar na linha e em seguida na lupa para selecionar na lista Consulta de Categorias uma categoria de manifestação; 7.3. Clicar no campo prazo para defini-lo em quantidade de dias;

15 8. Com a certeza de ter selecionado todas as manifestações que deverão ser feitas no processo, e de ter inserido todos os prazos corretamente, clicar em. Somente serão confirmadas as manifestações selecionadas na coluna Sel. Em cada processo distribuído ao Procurador haverá pelo menos uma manifestação sugerida pelo sistema. No momento da confirmação do prazo, a depender da quantidade de manifestações que forem marcadas na coluna seleção, o número de manifestações poderá aumentar ou diminuir Fila - Prazos Confirmados: Após a confirmação, as pendencias passarão para a fila Prazos Confirmados. Estarão disponíveis, apenas na fila Prazos Confirmados, funcionalidades como: Elaborar Pronunciamento, Designar Assessor, Reclassificar Movimentação.

16 Reclassificar Movimentação: É possível fazer alteração das pendencias já confirmadas, através desta atividade. Ao selecionar esta atividade, o sistema abrirá a tela Classificação de Movimentação, Manifestação e Prazo (mesma usada para Confirmar Manif./Prazo ), para que seja reclassificada a Movimentação, alterando as manifestações, excluindo ou incluindo Elaborar Pronunciamento: Esta atividade permite ao Procurador elaborar peças processuais para peticionamento eletrônico ou físico: 1. Selecionar a pendência a ser trabalhada; OBS.: Sempre, em qualquer fila de trabalho, para realizar alguma atividade referente a processo/pendência, deve-se antes selecionar a pendência que será trabalhada. Marcação correta. A SELEÇÃO DE UMA PENDÊNCIA É UM PROCEDIMENTO SIMPLES, ENTRETANTO, A SELEÇÃO EQUIVOCADA PODE LEVAR A ERRO NO PETICIONAMENTO ELETRÔNICO, E A INSERÇÃO ERRADA DE UMA PEÇA NA PASTA DIGITAL.. 2. Clicar em Elaborar Pronunciamento. Será aberta a tela Emissão de Documento, para seleção do modelo e elaboração da peça, conforme a seguir:

17 Lupa 3. Clicar na lupa para abrir a lista de modelos de documentos do sistema. 4. Selecionar um modelo na lista, em seguida clicar em Selecionar. O sistema fechará a tela de Consulta de Modelos de Documentos e retornará para a tela Emissão de Documento :

18 5. Clicar no botão Editar para que seja aberto o editor de texto. 6. O modelo selecionado, na tela de Consulta de Modelos de Documentos, será aberto no editor de texto, para que o Procurador realize a digitação da peça processual. Será possível digitar o texto diretamente no editor, ou copiá-lo de um arquivo de texto de fora do sistema.

19 OBS.: Na lateral esquerda do editor existe uma série de opções destinadas à finalização da edição do documento, inserção na pasta digital e peticionamento. Quando o processo for digital no TJ, o peticionamento será feito diretamente no judiciário, dispensando a impressão do documento e o envio físico à respectiva vara. Finalizar documento Fechar o documento

20 Semelhante ao Word existe a opção de salvar o texto para continuar posteriormente. Salvar 7. Clicar em Salvar e depois em Fechar. 8. Tendo terminado o textoclicar em Finalizar documento. 9. Será aberta uma nova tela para concluir a finalização do documento, na qual existem diversas opções, que poderão ser selecionadas, de acordo a necessidade do usuário. Assinar eletronicamente: quando esta opção esta selecionada, será efetuada a assinatura eletrônica da peça. Para tanto, é necessário que o token do usuário esteja inserido no computador; Quando tratar-se de processo eletrônico no TJ a assinatura eletrônica será obrigatória. Em processos não digitai,s é aconselhável que seja assinado eletronicamente, pois futuramente, se houver necessidade de reimpressão da peça inserida, será sempre uma peça original, dispensando a necessidade de assinatura manual. Protocolar eletronicamente: esta opção só estará disponível para processos digitais no TJ. Quando se tratar de processo físico esta opção estará desabilitada;

21 Imprimir documento: ao selecionar esta opção, a peça que esta sendo produzida será impressa. Caso não seja selecionada, a pendência será encaminhada para a fila Imprimir Documentos para impressão posterior, se necessário: Fechar documento: esta opção permite ao sistema fechar automaticamente a peça após a finalização. Encerrar pendência: ao selecionar esta opção a pendencia sairá da fila de Prazos Confirmados e irá para fila de Encerrados, após a finalização; Se houver a necessidade de realizar posteriormente alguma ação sobre a pendência, a pendência não deverá ser encerrada, portanto esta opção não deverá ser maçada. Esta situação ocorre, principalmente, quando há a necessidade de redistribuição do processo de Procuradores do grupo de apoio,. Protocolar eletronicamente: esta opção estará habilitada sempre que o processo for eletrônico no TJ. Caso esta opção esteja marcada, durante a finalização do documento, o sistema fará o peticionamento eletrônico do documento junto ao TJ, emitindo em seguida o protocolo. Quando, em processos eletrônicos no TJ, houver a necessidade de enviar documentos que acompanham a petição, o Procurador deverá anexá-los antes da finalização, conforme os procedimentos que constam no item a seguir:

22 Anexando documento à petição eletrônica: No peticionamento eletrônico, para anexar documentos à petição, é necessário que estejam digitalizadas e inseridas na pasta do processo, no sistema PGE.Net. Caso o documento a ser anexado não esteja na pasta digital, o procedimento de digitalização deve ser solicitado à secretaria. Caso as peças necessárias ao peticionamento estejam em arquivo de texto, devem ser transformadas em formato PDF, para inserção na pasta digital. Em ambos os casos o Procurador, de posse dos arquivos digitais, poderá ele mesmo inserir os documentos. É necessário, antes de anexar os documentos, verificar se o tamanho dos mesmos estão de acordo com as limitações estabelecidas pelo TJ. 1. Clicar no botão para selecionar uma peça na pasta digital; 2. Marcar no local apropriado as peças que serão inseridas;

23 3. Clicar em selecionar; O documento selecionado constará no campo Documento anexo, na tela de Finalização de documento. 4. Clicar em finalizar; 5. Ao finalizar, a petição será salva na pasta digital do processo, no sistema PGE.Net. Em processos digitais no T,J o peticionamento eletrônico será automaticamente realizado pelo sistema, tanto para a petição, quanto para os anexos inseridos. 3. Pedidos do Procurador: Esta atividade serve para o usuário fazer solicitações ou trocar informações com o Procurador Assistente, para solicitar cálculos à COCAP, e para elaborar ou solicitar a elaboração de ofícios, com solicitação de informações às Secretarias do Estado.

24 Para a realização de qualquer atividade no sistema, sempre haverá a necessidade de seleção da respectiva pendencia. NÃO ESQUEÇA A SELEÇÃO DE UMA PENDÊNCIA É UM PROCEDIMENTO SIMPLES, ENTRETANTO, A SELEÇÃO EQUIVOCADA PODE LEVAR A ERRO NO PROCEDIMENTO REALIZADO E À CONSEQUENTE INSERÇÃO ERRADA DE UMA PEÇA NA PASTA DIGITAL Pedido Dispensa de recurso e outras manifestações : 1. Selecionar a pendencia a que será objeto do pedido; 2. Clicar em Pedidos do Procurador Dispensa de recurso e outras manifestações ; Semelhante à elaboração de pronunciamento (item deste manual), o sistema disponibilizará um tela para seleção do modelo de documento, após seleção do modelo será aberto o editor de texto, após digitação do texto ele deve ser finalizado, tal qual é feito no peticionamento.

25 Todos os pedidos, como despensa de recurso, encaminhados ao Assistente, referentes à pendencia selecionada, passarão automaticamente a constar na fila Aguardando Avaliação de Dispensa de Recurso. Depois de avaliada pelo Procurador Assistente, as solicitações constarão nas filas, Dispensa de Recursos Deferidas ou Dispensa de Recursos Indeferidas Pedido Informações : 1. Selecionar a pendencia a que será objeto do pedido; 2. Clicar em Pedidos do Procurador Informações ;

26 Semelhante à elaboração de pronunciamento (item deste manual), o sistema disponibilizará um tela para seleção do modelo de documento 3. Após seleção do modelo será aberto o editor de texto, após digitação do texto ele deve ser finalizado, tal qual é feito no peticionamento. 4. Selecionar o documento na tela acima, Consulta de Modelos de Documentos. Na tela acima, Finalização de Documento, o 5. O campo referente ao destino da solicitação deverá ser preenchido clicandor na lupa para selecionar o destino;

27 6. Selecionar na tela acima o Local Núcleo de Ofícios; 7. Clicar em Selecionar e depois em finalizar; Após serem solicitadas informações, passará a constar na fila Ag. Resposta a respectiva pendência que foi utilizada na solicitação. Ao finalizar o documento, o pedido será encaminhado à secretaria. Na fila Solicitações Atendidas constarão as respostas às solicitações feitas por ofício. Estas respostas serão recebidas, digitalizadas pela secretaria, e anexadas à pasta digital do processo Cálculos ao Contador: 1. Clicar em Pedidos do Procurador Cálculos ao Contador ;

28 Semelhante à elaboração de pronunciamento, (item deste manual), o sistema disponibilizará um tela para seleção do modelo de documento, após seleção do modelo será aberto o editor de texto, após digitação do texto ele deve ser finalizado, tal qual é feito no peticionamento. Na solicitação de cálculos é necessário, na tela Emissão de Documentos, selecionar o Contador.. 2. Clicar na lupa para abrir a tela seguinte, Consulta de Pessoas, e selecionar o contador; 3. Clicar no nome do Contador escolhido e em seguida clicar em Selecionar ; 4. Na tela Emissão de Documento clicar em confirmar. A partir deste ponto o procedimento é semelhante aos demias já mencionados anteriormente.

29 Ao concluir o pedido de Cálculos ao Contador, uma cópia da pendência passará a constar na fila Ag. Elaboração de Cálculos. Após a elaboração dos cálculos pela COCAP a cópia da pendência passará a constar na fila Cálculos Recebidos. 4. Carga de Autos A carga de autos deve sempre ser solicitada através do sistema. 1. Clicar em Autos Solicitar. 2. Na tela a seguir o Procurador poderá definir se serão Autos (Original) ou Autos (Cópia) ;

30 3. Para inserir observações, clicar no botão ; 4. O sistema abrirá uma tela para digitação das observações; 5. Após inserir a observação clicar em da tela Observações ; 6. Para finalizar a solicitação de carga clicar em na tela Solicitação de Autos ; 7. Uma cópia da pendência passará a constar na fila Ag. Carga. 8. Quando o setor de Autos der andamento à busca dos autos no órgão onde se encontram, deverá informar o andamento no sistema e a pendência passará a constar na fila Selecionados para Busca ; 9. Quando a carga estiver disponível para o Procurador o setor de Autos deverá informar no sistema e a pendência passará a constar na fila Ag. Recebimento ;

31 Na hipótese de indisponibilidade da carga, o setor de Autos enviará a cópia da pendência para a fila Indisponíveis. Para os processos que estão nesta fila, o Procurador poderá cancelar a solicitação de autos e repeti-la posteriormente. 5. Encerrar Pendência: Eventualmente existem pendências que não demandam nenhuma manifestação do Procurador. Nestas situações, o Procurador poderá encerrar a pendência, dando um breve despacho sobre o motivo do encerramento sem providencias: 1. Clicar na atividade ; 2. O sistema abrirá a tela para despacho: 3. O Procurador deverá digitar o motivo do encerramento da pendência; 4. Ao final do despacho deverá clicar em Encerrar ; 5. A pendência sairá das filas do Procurador.

32 6. Solicitação de Redistribuição Definitiva: No primeiro cadastramento do processo no sistema PGE.Net, após percorrer todo o fluxo, ele é distribuído pelo Procurador Assistente, de forma automática ou direcionada, para o Procurador de Base, ao qual o ficará vinculado. Todas as demais intimações posteriores, após cadastradas, seguirão diretamente para o Procurador de base vinculado, sem a intervenção do Procurador Assistente. Em caso de necessidade de desvinculação do Procurador ao processo, o Procurador deverá encaminhar ao Procurador Assistente uma solicitação de redistribuição definitiva. Essa solicitação será muito comum quando se tratar de Procuradores do Grupo de Apoio, que após atuarem nos mesmos, deverão solicitar a redistribuição definitiva do processo. Essa solicitação estará disponível se o Procurador estiver vinculado ao processo, se estiver vinculado somente à pendência, ele deverá solicitar redistribuição provisória. 1. Clicar na atividade ; 2. O sistema abrirá uma tela para que seja elaborado um despacho sobre o motivo da solicitação; 3. Após digitar o motivo da solicitação de redistribuição, clicar em ; 4. O sistema encaminhará uma cópia da pendência para a fila Ag. Deferimento de Redistribuição Definitiva : 5. Ao ser despachado pelo Procurador Assistente, a cópia da pendência sairá desta fila.

33 Caso seja deferida, pelo procurador Assistente, a pendência deixará de constar nas filas do Procurador solicitante e será encaminhada para outro Procurador. Entretanto, se indeferida, a pendência permanecerá dentre os prazos do Procurador Assistente. 7. Solicitação de Redistribuição Provisória: Conforme visto anteriormente, um processo poderá possuir uma ou mais pendências. O Procurador que receber a pendência poderá não ser necessariamente o Procurador que esta vinculado ao Processo no sistema PGE.Net. Não importando se o Procurador está ou não vinculado ao processo, a solicitação de redistribuição provisória exclusivamente à solicitação de redistribuição da pendência. 1. Clicar na atividade ; 2. O sistema abrirá uma tela para que seja elaborado o despacho motivando a solicitação: 3. Após elaborado o despacho, clicar em. 4. O sistema encaminhará uma cópia da pendência para a fila Ag. Deferimento de Redistribuição Provisória : 5. Ao ser despachado pelo Procurador Assistente, a cópia da pendência sairá desta fila. Caso seja deferida, pelo procurador Assistente, a pendência deixará de constar nas filas do Procurador solicitante e será encaminhada para outro Procurador. Entretanto, se indeferida, a pendência permanecerá dentre os prazos do Procurador Assistente.

34 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº , DE 19 DE DEZEMBRO DE Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei n o 5.869, de 11 de janeiro de 1973 Código de Processo Civil; e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA INFORMATIZAÇÃO DO PROCESSO JUDICIAL Art. 1 o O uso de meio eletrônico na tramitação de processos judiciais, comunicação de atos e transmissão de peças processuais será admitido nos termos desta Lei. 1 o Aplica-se o disposto nesta Lei, indistintamente, aos processos civil, penal e trabalhista, bem como aos juizados especiais, em qualquer grau de jurisdição. 2 o Para o disposto nesta Lei, considera-se: I - meio eletrônico qualquer forma de armazenamento ou tráfego de documentos e arquivos digitais; II - transmissão eletrônica toda forma de comunicação a distância com a utilização de redes de comunicação, preferencialmente a rede mundial de computadores; III - assinatura eletrônica as seguintes formas de identificação inequívoca do signatário: a) assinatura digital baseada em certificado digital emitido por Autoridade Certificadora credenciada, na forma de lei específica; b) mediante cadastro de usuário no Poder Judiciário, conforme disciplinado pelos órgãos respectivos. Art. 2 o O envio de petições, de recursos e a prática de atos processuais em geral por meio eletrônico serão admitidos mediante uso de assinatura eletrônica, na forma do art. 1 o desta Lei, sendo obrigatório o credenciamento prévio no Poder Judiciário, conforme disciplinado pelos órgãos respectivos.

35 1 o O credenciamento no Poder Judiciário será realizado mediante procedimento no qual esteja assegurada a adequada identificação presencial do interessado. 2 o Ao credenciado será atribuído registro e meio de acesso ao sistema, de modo a preservar o sigilo, a identificação e a autenticidade de suas comunicações. 3 o Os órgãos do Poder Judiciário poderão criar um cadastro único para o credenciamento previsto neste artigo. Art. 3 o Consideram-se realizados os atos processuais por meio eletrônico no dia e hora do seu envio ao sistema do Poder Judiciário, do que deverá ser fornecido protocolo eletrônico. Parágrafo único. Quando a petição eletrônica for enviada para atender prazo processual, serão consideradas tempestivas as transmitidas até as 24 (vinte e quatro) horas do seu último dia. CAPÍTULO II DA COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA DOS ATOS PROCESSUAIS Art. 4 o Os tribunais poderão criar Diário da Justiça eletrônico, disponibilizado em sítio da rede mundial de computadores, para publicação de atos judiciais e administrativos próprios e dos órgãos a eles subordinados, bem como comunicações em geral. 1 o O sítio e o conteúdo das publicações de que trata este artigo deverão ser assinados digitalmente com base em certificado emitido por Autoridade Certificadora credenciada na forma da lei específica. 2 o A publicação eletrônica na forma deste artigo substitui qualquer outro meio e publicação oficial, para quaisquer efeitos legais, à exceção dos casos que, por lei, exigem intimação ou vista pessoal. 3 o Considera-se como data da publicação o primeiro dia útil seguinte ao da disponibilização da informação no Diário da Justiça eletrônico. 4 o Os prazos processuais terão início no primeiro dia útil que seguir ao considerado como data da publicação. 5 o A criação do Diário da Justiça eletrônico deverá ser acompanhada de ampla divulgação, e o ato administrativo correspondente será publicado durante 30 (trinta) dias no diário oficial em uso. Art. 5 o As intimações serão feitas por meio eletrônico em portal próprio aos que se cadastrarem na forma do art. 2 o desta Lei, dispensando-se a publicação no órgão oficial, inclusive eletrônico.

36 1 o Considerar-se-á realizada a intimação no dia em que o intimando efetivar a consulta eletrônica ao teor da intimação, certificando-se nos autos a sua realização. 2 o Na hipótese do 1 o deste artigo, nos casos em que a consulta se dê em dia não útil, a intimação será considerada como realizada no primeiro dia útil seguinte. 3 o A consulta referida nos 1 o e 2 o deste artigo deverá ser feita em até 10 (dez) dias corridos contados da data do envio da intimação, sob pena de considerar-se a intimação automaticamente realizada na data do término desse prazo. 4 o Em caráter informativo, poderá ser efetivada remessa de correspondência eletrônica, comunicando o envio da intimação e a abertura automática do prazo processual nos termos do 3 o deste artigo, aos que manifestarem interesse por esse serviço. 5 o Nos casos urgentes em que a intimação feita na forma deste artigo possa causar prejuízo a quaisquer das partes ou nos casos em que for evidenciada qualquer tentativa de burla ao sistema, o ato processual deverá ser realizado por outro meio que atinja a sua finalidade, conforme determinado pelo juiz. 6 o As intimações feitas na forma deste artigo, inclusive da Fazenda Pública, serão consideradas pessoais para todos os efeitos legais. Art. 6 o Observadas as formas e as cautelas do art. 5 o desta Lei, as citações, inclusive da Fazenda Pública, excetuadas as dos Direitos Processuais Criminal e Infracional, poderão ser feitas por meio eletrônico, desde que a íntegra dos autos seja acessível ao citando. Art. 7 o As cartas precatórias, rogatórias, de ordem e, de um modo geral, todas as comunicações oficiais que transitem entre órgãos do Poder Judiciário, bem como entre os deste e os dos demais Poderes, serão feitas preferentemente por meio eletrônico. CAPÍTULO III DO PROCESSO ELETRÔNICO Art. 8 o Os órgãos do Poder Judiciário poderão desenvolver sistemas eletrônicos de processamento de ações judiciais por meio de autos total ou parcialmente digitais, utilizando, preferencialmente, a rede mundial de computadores e acesso por meio de redes internas e externas. Parágrafo único. Todos os atos processuais do processo eletrônico serão assinados eletronicamente na forma estabelecida nesta Lei.

37 Art. 9 o No processo eletrônico, todas as citações, intimações e notificações, inclusive da Fazenda Pública, serão feitas por meio eletrônico, na forma desta Lei. 1 o As citações, intimações, notificações e remessas que viabilizem o acesso à íntegra do processo correspondente serão consideradas vista pessoal do interessado para todos os efeitos legais. 2 o Quando, por motivo técnico, for inviável o uso do meio eletrônico para a realização de citação, intimação ou notificação, esses atos processuais poderão ser praticados segundo as regras ordinárias, digitalizando-se o documento físico, que deverá ser posteriormente destruído. Art. 10. A distribuição da petição inicial e a juntada da contestação, dos recursos e das petições em geral, todos em formato digital, nos autos de processo eletrônico, podem ser feitas diretamente pelos advogados públicos e privados, sem necessidade da intervenção do cartório ou secretaria judicial, situação em que a autuação deverá se dar de forma automática, fornecendo-se recibo eletrônico de protocolo. 1 o Quando o ato processual tiver que ser praticado em determinado prazo, por meio de petição eletrônica, serão considerados tempestivos os efetivados até as 24 (vinte e quatro) horas do último dia. 2 o No caso do 1 o deste artigo, se o Sistema do Poder Judiciário se tornar indisponível por motivo técnico, o prazo fica automaticamente prorrogado para o primeiro dia útil seguinte à resolução do problema. 3 o Os órgãos do Poder Judiciário deverão manter equipamentos de digitalização e de acesso à rede mundial de computadores à disposição dos interessados para distribuição de peças processuais. Art. 11. Os documentos produzidos eletronicamente e juntados aos processos eletrônicos com garantia da origem e de seu signatário, na forma estabelecida nesta Lei, serão considerados originais para todos os efeitos legais. 1 o Os extratos digitais e os documentos digitalizados e juntados aos autos pelos órgãos da Justiça e seus auxiliares, pelo Ministério Público e seus auxiliares, pelas procuradorias, pelas autoridades policiais, pelas repartições públicas em geral e por advogados públicos e privados têm a mesma força probante dos originais, ressalvada a alegação motivada e fundamentada de adulteração antes ou durante o processo de digitalização. 2 o A argüição de falsidade do documento original será processada eletronicamente na forma da lei processual em vigor. 3 o Os originais dos documentos digitalizados, mencionados no 2 o deste artigo, deverão ser preservados pelo seu detentor até o trânsito em julgado da

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei n o 5.869, de 11 de janeiro de 1973

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei no 5.869,

Leia mais

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto A Lei que instituiu o processo judicial informatizado, em vigor desde março de 2007, aplica-se indistintamente aos processos civil, penal,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores:

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Processo Eletrônico Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Princípio da Universalidade; Princípio da Uniquidade; Princípio da Publicidade; Princípio

Leia mais

Manual de noções básicas do Processo eletrônico

Manual de noções básicas do Processo eletrônico Manual de noções básicas do Processo eletrônico MANUAL DE PROCESSO ELETRÔNICO O que é o processo eletrônico? É processo sem papel, onde os atos processuais, como petições despachos, sentenças, etc, são

Leia mais

RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009

RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009 RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009 RESOLUÇÃO Nº. 16/2009 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

CAPACITAÇÃO PROCESSO ELETRÔNICO

CAPACITAÇÃO PROCESSO ELETRÔNICO CAPACITAÇÃO EM PROCESSO ELETRÔNICO Caros Colegas! Essa é uma apostila eletrônica, utilize apenas em seu computador pessoal. Não recomendamos imprimir, devido ao seu grande volume. Para efetivo funcionamento

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Breves anotações sobre a lei do processo eletrônico Antonio Carlos Parreira * Aguardada por muitos, como mais uma forma de agilizar o serviço judiciário, acaba de ser sancionada

Leia mais

ARTIGO: PECULIARIDADES DO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO NA JUSTIÇA DO TRABALHO PJe-JT

ARTIGO: PECULIARIDADES DO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO NA JUSTIÇA DO TRABALHO PJe-JT ARTIGO: PECULIARIDADES DO PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO NA JUSTIÇA DO TRABALHO PJe-JT Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho. PJe JT. Trata-se de verdadeiro

Leia mais

PORTARIANº 032/2015-DF

PORTARIANº 032/2015-DF PORTARIANº 032/2015-DF O Doutor ARISTEU DIAS BATISTA VILELLA, Juiz de Direito e Diretor do Foro da, no uso de suas atribuições legais, com fundamento nos artigos 52, inciso XV, da Lei nº 4.964, de 26 de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 149/2010 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Acre e dá outras providências. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Virtualização do processo judicial André Luiz Junqueira 1. INTRODUÇÃO A Associação dos Juizes Federais do Brasil (AJUFE) encaminhou um projeto de lei sobre a informatização do processo

Leia mais

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Publicada no DJE/STF, n. 72, p. 1-2 em 26/4/2010 RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DO

Leia mais

irtualização de Processos Compreendendo o Processo Eletrônico na Prática DO PODER JUDICIÁRIO ALAGOANO

irtualização de Processos Compreendendo o Processo Eletrônico na Prática DO PODER JUDICIÁRIO ALAGOANO Compreendendo o Processo Eletrônico na Prática Apresentação O Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas, diante dos avanços tecnológicos e das vantagens do processo eletrônico, resolveu implantar em todas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 740 /2013 (Revogada pela Resolução nº 780/2014)

RESOLUÇÃO Nº 740 /2013 (Revogada pela Resolução nº 780/2014) (*) Republicação: 15/10/13 DJE: 14/10/13 Publicação: 14/10/13 DJE: 11/10/13 RESOLUÇÃO Nº 740 /2013 (Revogada pela Resolução nº 780/2014) Regulamenta, no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de Minas

Leia mais

Lei nº 17.079 (DOE 8636 - Data 23 de janeiro de 2012) A Assembleia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei:

Lei nº 17.079 (DOE 8636 - Data 23 de janeiro de 2012) A Assembleia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: Lei nº 17.079 (DOE 8636 - Data 23 de janeiro de 2012) Dispõe sobre a informatização dos processos administrativos de qualquer natureza, no âmbito da Secretaria de Estado da Fazenda. A Assembleia Legislativa

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ N /2012 O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA,

RESOLUÇÃO CNJ N /2012 O CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA, RESOLUÇÃO CNJ N /2012 Institui o Sistema Processo Judicial Eletrônico PJe como sistema de processamento de informações e prática de atos processuais e estabelece os parâmetros para sua implementação e

Leia mais

PROVIMENTO Nº CGJPE 13, de 13 de dezembro de 2012. funcionamento. O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, Desembargador Frederico Ricardo de

PROVIMENTO Nº CGJPE 13, de 13 de dezembro de 2012. funcionamento. O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, Desembargador Frederico Ricardo de PROVIMENTO Nº CGJPE 13, de 13 de dezembro de 2012 EMENTA: Institui o Sistema Processo Judicial Eletrônico da Corregedoria Geral da Justiça de Pernambuco PJe-CGJPE, como sistema informatizado de tramitação

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ RESOLUÇÃO Nº 11, de 28 de maio de 2010. Institui, no âmbito da Justiça do Estado do Ceará, o sistema eletrônico de tramitação de processos judiciais, de comunicação de atos e de transmissão de peças processuais,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 8ª REGIÃO RESOLUÇÃO Nº 221/2011 Regulamenta as atividades da Central de Atendimento, a forma de assinatura eletrônica e a utilização do meio eletrônico para a prática de atos processuais e dá outras providências.

Leia mais

PROVIMENTO N.º CGJ- 03/2010

PROVIMENTO N.º CGJ- 03/2010 PROVIMENTO N.º CGJ- 03/2010 Disciplina a implantação e estabelece normas para o funcionamento do processo judicial eletrônico nas unidades jurisdicionais do Poder Judiciário do Estado do Bahia. A DESEMBARGADORA

Leia mais

(Publicado no DOU, Seção 1, de 12/03/2015, págs. 79-81) RESOLUÇÃO Nº 119, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2015

(Publicado no DOU, Seção 1, de 12/03/2015, págs. 79-81) RESOLUÇÃO Nº 119, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2015 (Publicado no DOU, Seção 1, de 12/03/2015, págs. 79-81) RESOLUÇÃO Nº 119, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Conselho Nacional do Ministério Público, institui o

Leia mais

PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.)

PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.) PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.) Institui, no âmbito da Justiça de Primeiro Grau do Estado de Mato Grosso do Sul, o sistema eletrônico

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº, DE DE DE 2013

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº, DE DE DE 2013 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR PORTARIA Nº, DE DE DE 2013 Regulamenta o procedimento administrativo eletrônico relativo aos processos de defesa

Leia mais

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014.

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do processo eletrônico no âmbito do Ministério das Comunicações. O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso das

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE DECRETO Nº 29.720 DE 03 DE FEVEREIRO DE 2014

GOVERNO DE SERGIPE DECRETO Nº 29.720 DE 03 DE FEVEREIRO DE 2014 PUBLICADO NO D.O.E. Nº 26.912 DE 13.02.2014. Regulamenta a Lei nº 7.650, de 31 de maio de 2013, que dispõe sobre a comunicação eletrônica entre a Secretaria de Estado da Fazenda SEFAZ, e o sujeito passivo

Leia mais

Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou?

Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou? Nova regulamentação do PJe na Justiça Trabalhista. O quê mudou? O Conselho Superior da Justiça do Trabalho editou a nova Resolução 136/2014, revogando a Resolução 94/2012 que regulamenta o sistema PJe-JT

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre o recebimento de documentos a serem protocolados junto ao Tribunal de Contas da União. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS, no uso de

Leia mais

ATO Nº 303/2015. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 303/2015. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 303/2015 Disciplina a implantação do Processo Administrativo Eletrônico (Proad) no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007

RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007 RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007 Regulamenta o meio eletrônico de tramitação de processos judiciais, comunicação de atos e transmissão de peças processuais no Supremo Tribunal Federal (e-stf) e dá

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 165/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 165/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 165/2014/TCE-RO Regulamenta o Processo de Contas Eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA, no uso das atribuições

Leia mais

Conteúdo. Juízes Titulares das Varas Digitais COORDENADORIA DAS VARAS DIGITAIS JUIZ COORDENADOR: RICARDO GOMES FAÇANHA

Conteúdo. Juízes Titulares das Varas Digitais COORDENADORIA DAS VARAS DIGITAIS JUIZ COORDENADOR: RICARDO GOMES FAÇANHA Conteúdo 1. Para distribuir uma ação nova:... 3 2. Como protocolar uma petição nas varas digitais... 4 3. Dicas Úteis... 5 4. Materialização do processo digital... 7 5. Consulta do Processo... 7 6. Responsabilidade...

Leia mais

P r a t i c i d a d e no envio e recebimento das Vistas pelos Promotores;

P r a t i c i d a d e no envio e recebimento das Vistas pelos Promotores; Resumo Este documento contém orientações sobre como utilizar o sistema SAJPG5 para gerar Vistas ao Ministério Público do Estado de São Paulo através do conceito de Intimações Eletrônicas - Portal. Principais

Leia mais

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria-SEI 1 de 4 de agosto de 2015, que instituiu o Sistema Eletrônico de Informações - SEI no âmbito do Conselho Nacional de Justiça. O

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO nº483/2009 Data da Norma: 04/03/2009 Órgão expedidor: ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Fonte: DJE de 22/06/2009, p. 1-77 Ementa: Cria o Programa de Gestão de Documentos Arquivísticos do

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria SEI

Leia mais

O Processo Judicial Eletrônico e a Digitalização dos Autos. Laine Moraes Souza Belo Horizonte 25 de Abril de 2013

O Processo Judicial Eletrônico e a Digitalização dos Autos. Laine Moraes Souza Belo Horizonte 25 de Abril de 2013 O Processo Judicial Eletrônico e a Digitalização dos Autos Laine Moraes Souza Belo Horizonte 25 de Abril de 2013 Princípios Constitucional CF/88: Art. 5º (...) (...) LXXVIII a todos, no âmbito judicial

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 (Processo nº 10342/2010) (O Presidente do Tribunal, no uso de suas atribuições legais e regimentais, apresenta diversas considerações e submete ao Pleno desta Corte proposta

Leia mais

Gabinete da Presidência Praça Marechal Deodoro, 319, Centro CEP.: 57020-919, Maceió-AL FONE:(82) 3216.3619 - PRESIDENCIA@TJ.AL.GOV.

Gabinete da Presidência Praça Marechal Deodoro, 319, Centro CEP.: 57020-919, Maceió-AL FONE:(82) 3216.3619 - PRESIDENCIA@TJ.AL.GOV. Gabinete da Presidência Praça Marechal Deodoro, 319, Centro CEP.: 57020-919, Maceió-AL FONE:(82) 3216.3619 - PRESIDENCIA@TJ.AL.GOV.BR RESOLUÇÃO Nº 30/2008. REGULAMENTA O MEIO ELETRÔNICO DE TRAMITAÇÃO DE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014) EMENTA: Implanta o Sistema Processo Judicial Eletrônico-PJe nas Varas Cíveis da Capital e dá outras providências. O Presidente do Tribunal de Justiça

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1338/2015

RESOLUÇÃO Nº 1338/2015 RESOLUÇÃO Nº 1338/2015 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia (TCM-BA). O TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas

Leia mais

Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT)

Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT) Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT) 1) ATOS NORMATIVOS: 1º e 2º do art. 154 do CPC (com a redação que lhe deu a Lei n. 11.280, de 16 de fevereiro de 2006) Lei n. 11.419, de 19

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA TRIBUNAL DO PLENO RESOLUÇÃO Nº 11, DE 28 DE MAIO DE 2010. DJe-CE de 31/05/2010 (nº 99, pág. 9)

TRIBUNAL DE JUSTIÇA TRIBUNAL DO PLENO RESOLUÇÃO Nº 11, DE 28 DE MAIO DE 2010. DJe-CE de 31/05/2010 (nº 99, pág. 9) TRIBUNAL DE JUSTIÇA TRIBUNAL DO PLENO RESOLUÇÃO Nº 11, DE 28 DE MAIO DE 2010 DJe-CE de 31/05/2010 (nº 99, pág. 9) Institui, no âmbito da Justiça do Estado do Ceará, o sistema eletrônico de tramitação de

Leia mais

Tribunal Regional Federal da 1 a Região

Tribunal Regional Federal da 1 a Região Tribunal Regional Federal da 1 a Região Sistema de Transmissão Eletrônica de Atos Processuais e-proc Manual do Usuário 1 1. Disposições Provisórias O Sistema de Transmissão Eletrônica de Atos Processuais

Leia mais

DESPACHO PRESIDÊNCIA Nº 249/2015

DESPACHO PRESIDÊNCIA Nº 249/2015 1 de 5 03/09/2015 17:20 DESPACHO PRESIDÊNCIA Nº 249/2015 O Presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica - Cade torna pública para fins de abertura de consulta pública, nos termos do artigo

Leia mais

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 63, DE 26 DE MAIO DE 2015.

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 63, DE 26 DE MAIO DE 2015. PORTARIA CNMP-PRESI Nº 63, DE 26 DE MAIO DE 2015. Regulamenta, na área finalística do Conselho Nacional do Ministério Público, o processo eletrônico e a utilização do sistema de processamento de informações

Leia mais

RESOLUÇÃO N 124, DE 26 DE MAIO DE 2015. (Publicado no DOU, Seção 1, de 17/06/2015, pág. 70)

RESOLUÇÃO N 124, DE 26 DE MAIO DE 2015. (Publicado no DOU, Seção 1, de 17/06/2015, pág. 70) RESOLUÇÃO N 124, DE 26 DE MAIO DE 2015. (Publicado no DOU, Seção 1, de 17/06/2015, pág. 70) Institui o Diário Eletrônico do Conselho Nacional do Ministério Público e dá outras providências. O CONSELHO

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SERGIPE Coordenadoria de Modernização, Suporte, Infraestrutura e Sistema MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO Processos de Concessão de Benefícios Histórico da Revisão Data Versão

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 5ª REGIÃO Gabinete da Presidência PROVIMENTO GP - 02, DE 24 DE JULHO DE 2012 *

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 5ª REGIÃO Gabinete da Presidência PROVIMENTO GP - 02, DE 24 DE JULHO DE 2012 * PROVIMENTO GP - 02, DE 24 DE JULHO DE 2012 * Dispõe sobre o Sistema Integrado de Protocolização e Fluxo de Documentos Eletrônicos (e DOC), bem como a indisponibilidade dos equipamentos de facsímile (fax)

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça RESOLUÇÃO Nº 185, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2013. Institui o Sistema Processo Judicial Eletrônico - PJe como sistema de processamento de informações e prática de atos processuais e estabelece os parâmetros

Leia mais

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.042, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.042, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.042, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do processo eletrônico no âmbito do Ministério da Educação. O MINISTRO

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Ref.: Consulta Pública nº 04/2014 DESPACHO nº 339/2014/PRES/CADE Submeto a Resolução anexa que institui o Sistema Eletrônico de Informações SEI como sistema oficial de gestão de documentos eletrônicos

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

Manual. E-proc v2. Para Advogados

Manual. E-proc v2. Para Advogados Manual Do E-proc v2 Para Advogados FEVEREIRO/2010 1 S U M Á R I O 1. Acesso ao site 2. Cadastro no sistema 2.1. Validação do Cadastro 3. Acesso ao sistema 4. Painel do Advogado 4.1. Processos pendentes

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E:

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 R E S O L V E: ESTADO DO PARANÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2015 O Desembargador Fernando Wolff Bodziak, 2º Vice-Presidente e Supervisor-Geral dos Juizados Especiais, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO o

Leia mais

PROVIMENTO Nº 01/2012

PROVIMENTO Nº 01/2012 PROVIMENTO Nº 01/2012 EMENTA: Dispõe sobre os requisitos mínimos de segurança que deverão existir nos alvarás judiciais e dá outras providências. O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, Desembargador Jones Figueirêdo

Leia mais

RESOLUÇÃO/PRESI 600-25 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO/PRESI 600-25 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO/PRESI 600-25 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009 Institui o Processo Digital e-jur no âmbito da Justiça Federal da Primeira Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO, no uso

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DGTEC Diretoria Geral de Tecnologia da Informação DEATE Departamento de Suporte e Atendimento DICAD Divisão de Suporte Técnico de Gestão SEPOR Serviço de

Leia mais

Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia e dá outras providências.

Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia e dá outras providências. Publicada no DJE, N. 190/2010, em 15/10/2010, pág. 1 3. RESOLUÇÃO N. 044/2010-PR Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO DIGITAL e PROCESSO ELETRÔNICO PERGUNTAS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO DIGITAL Esqueci meu PIN. Não sabia que tinha PUK. Como descubro a validade do Certisign? Faça contato com o atendimento especializado

Leia mais

Manual da Petição Eletrônica Intercorrente

Manual da Petição Eletrônica Intercorrente TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DGTEC Diretoria Geral de Tecnologia da Informação DEATE Departamento de Suporte e Atendimento Manual da Petição Eletrônica Intercorrente TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Leia mais

PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO (PJE) PERGUNTAS E RESPOSTAS (V.1) Perfil de Advogado

PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO (PJE) PERGUNTAS E RESPOSTAS (V.1) Perfil de Advogado PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO (PJE) PERGUNTAS E RESPOSTAS (V.1) Perfil de Advogado Sumário 1. OBRIGATORIEDADE... 1 1.1. Qual a diferença entre o JIPPE, o PROJUDI e o PJE?... 1 1.2 É obrigatória a utilização

Leia mais

NOVO PETICIONAMENTO ELETRÔNICO. Perguntas e Respostas

NOVO PETICIONAMENTO ELETRÔNICO. Perguntas e Respostas O que é o Sistema de Peticionamento Eletrônico da Justiça do Trabalho/RS? O Sistema é o primeiro módulo do Projeto de Processo Eletrônico do TRT da 4ª Região e permite, nesta primeira etapa, o envio eletrônico

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN N 358, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN N 358, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO NORMATIVA RN N 358, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre os procedimentos administrativos físico e híbrido de ressarcimento ao SUS, previsto no art. 32 da Lei n 9.656, de 3 de junho de 1998,

Leia mais

ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Exceção - Ato urgente

ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Exceção - Ato urgente ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Art. 5º Para acesso ao PJe-JT é obrigatória a utilização de assinatura digital a que se refere o inciso II, alínea a, do artigo 3º desta resolução, nas seguintes

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DA JUSTIÇA FLUXO DO PROCEDIMENTO CÍVEL

ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DA JUSTIÇA FLUXO DO PROCEDIMENTO CÍVEL ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DA JUSTIÇA FLUXO DO PROCEDIMENTO CÍVEL FLORIANÓPOLIS 2011 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 Visão Geral do Sistema... 3 1.1. Acesso ao

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014.

ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014. ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A UNIFORMIZAÇÃO DAS - NORMAS QUE DISCIPLINAM O INGRESSO E TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS DIGITAIS NO ÂMBITO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO N. 20 DE 9 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre a certificação digital no Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, usando da atribuição

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 43/2012

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 43/2012 FL. PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 43/2012 Regulamenta, no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª

Leia mais

Provimento CG Nº 21/2014

Provimento CG Nº 21/2014 Provimento CG Nº 21/2014 (Processo 2014/119993) Insere o Capítulo XI Do Processo Eletrônico ao Tomo I das Normas de Serviço da Corregedoria Geral de Justiça. O Desembargador HAMILTON ELLIOT AKEL, Corregedor

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

PARTE 1. Resolução 551/2011

PARTE 1. Resolução 551/2011 PARTE 1 Resolução 551/2011 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO Nº 551/2011 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e dá outras providências.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 23/2015-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 23/2015-CM PROVIMENTO N. 23/2015-CM Dispõe sobre o envio, por meio digital, pelo Portal Eletrônico do Advogado PEA, das petições iniciais e intermediárias de processos físicos que tramitam na Primeira e Segunda Instância

Leia mais

PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ

PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ PROVIMENTO Nº 12/2011 CGJ Modifica o Provimento nº 71/2008, estabelecendo novas regras para a gravação audiovisual de audiências. atribuições legais, O Corregedor-Geral da Justiça, no uso de suas Considerando

Leia mais

PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe

PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO MANUAL DO ADVOGADO E DO PROCURADOR MÓDULO 3 Sumário 1 Painel do Advogado/Procurador3 11 Aba Processos 3 111 Aba Pendentes de Manifestação

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008.

RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Anexo II Consolidação Normativa da Gestão Documental RESOLUÇÃO N. 23, DE 19 DE SETEMBRO DE 2008. Estabelece a Consolidação Normativa do Programa de Gestão Documental da Justiça Federal de 1º e 2º Graus.

Leia mais

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. Institui o processo administrativo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. O PRESIDENTE DO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, no uso de suas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 33/2014 Institui o Sistema Integrado de Patrimônio e Administração e Contratos (SIPAC) no âmbito da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 26/2014/CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 26/2014/CM PROVIMENTO N. 26/2014/CM Dispõe sobre o envio, por meio digital, pelo Portal Eletrônico do Advogado - PEA, das petições iniciais e intermediárias de processos físicos que tramitam na Primeira e Segunda

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

e) a necessidade de otimizar a gestão documental, eliminando o arquivamento permanente de documentos em papel, resolve:

e) a necessidade de otimizar a gestão documental, eliminando o arquivamento permanente de documentos em papel, resolve: 1 MINUTA RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2010. Regulamenta o processo judicial eletrônico e-proc (nova versão) no âmbito da Justiça Federal da 4ª Região O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO, no

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.598, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2007. Estabelece diretrizes e procedimentos para a simplificação e integração do processo de registro

Leia mais

Novo Guia de uso rápido do PROJUDI

Novo Guia de uso rápido do PROJUDI 1. O que é o PROJUDI? Novo Guia de uso rápido do PROJUDI O Processo Judicial Digital PROJUDI, também chamado de processo virtual ou de processo eletrônico, pode ser definido como um software que reproduz

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Subchefia para Assuntos Jurídicos Civil DECRETO Nº 6.170, DE 25 DE JULHO DE 2007. Dispõe sobre as normas relativas às transferências de recursos da União mediante convênios

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº Relatora: Ministra Cármen Lúcia Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Institui o Processo Judicial Eletrônico (PJE) da Justiça Eleitoral como o sistema informatizado

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 342/SEJUD.GP, DE 27 DE JULHO DE 2010

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 342/SEJUD.GP, DE 27 DE JULHO DE 2010 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 342/SEJUD.GP, DE 27 DE JULHO DE 2010 Regulamenta o processo judicial eletrônico no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 08/09/2015 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ Atualizado em 08/09/2015 RESOLUÇÃO STJ/GP N. 3 DE 5 DE FEVEREIRO DE 2015. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno de autos no âmbito do

Leia mais

COMUNICAÇÃO/CARGA POSTAL

COMUNICAÇÃO/CARGA POSTAL ANEXO I COMUNICAÇÃO/CARGA POSTAL Manual explicativo voltado à realização da carga postal, nos termos da Resolução 9/212/TJSE, e do Convênio nº 5/212, junto à Procuradoria Federal e Procuradoria Federal

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS CERTIFICAÇÃO DIGITAL E PROCESSO ELETRÔNICO PERGUNTAS E RESPOSTAS 1) Quando se usa o Token,? No TJ somente se usa o certificado digital para assinar petições e anexos. Na Justiça Trabalhista e Tribunais

Leia mais

Seção 20 Da Gravação de Audiências

Seção 20 Da Gravação de Audiências Seção 20 Da Gravação de Audiências 2.20.1 Nas audiências criminais, salvo impossibilidade material momentânea, devidamente anotada em ata, o registro dos depoimentos do investigado, do indiciado, do ofendido

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DGTEC Diretoria Geral de Tecnologia da Informação DEATE Departamento de Suporte e Atendimento DICAD Divisão de Suporte Técnico de Gestão SEPOR Serviço de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 12, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 12, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013 Presidência da República Secretaria da Micro e Pequena Empresa Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 12, DE 5 DE DEZEMBRO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Guia Rápido do PJe Para Advogados

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Guia Rápido do PJe Para Advogados TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Guia Rápido do PJe Para Advogados Porto Alegre 2015 SUMÁRIO Introdução... 3 Requisitos mínimos... 3 Cadastramento no sistema... 3 Visão geral

Leia mais

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no âmbito da Justiça Federal. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais