Universidade Federal de Uberlândia Av. Engenheiro Diniz, Bairro Martins - CP Uberlândia-MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Uberlândia Av. Engenheiro Diniz, 1178 - Bairro Martins - CP 593 38400-462 - Uberlândia-MG"

Transcrição

1 RESOLUÇÃO N o 03/2004, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Autoriza a implantação do Programa de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, no uso das competências que lhe são conferidas pelo art. 12 do Estatuto, em reunião ordinária, realizada aos 30 dias do mês de abril do ano 2004, tendo em vista a aprovação do Parecer de um de seus membros, e, CONSIDERANDO que o Programa está de acordo com os princípios e objetivos da Universidade, conforme descritos nos Capítulos II e III do Título I do Estatuto; CONSIDERANDO que o Programa atende ao disposto sobre regime didático-científico na Seção II, do Capítulo I, do Título IV do Regimento Geral; CONSIDERANDO que o Programa, no âmbito da Faculdade de Artes, Filosofia e Ciências Sociais e de seu Departamento de Filosofia, obedece ao que determina a Seção V, do Capítulo IV, do Título III do Regimento Geral da UFU; e ainda, CONSIDERANDO que o corpo docente apresenta qualificação adequada; R E S O L V E: Art. 1 o Fica autorizada a implantação do Programa de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado, da Faculdade de Artes, Filosofia e Ciências Sociais, nos termos da Resolução n o 1, de 3 de abril de 2001, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação. Parágrafo único. A implantação de que trata este artigo somente será consolidada após parecer conclusivo do Conselho Técnico Consultivo CTC da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES. Art. 2 o O início de funcionamento do Curso de Mestrado em Filosofia ocorrerá imediatamente após parecer favorável do CTC da CAPES sobre o projeto. Art. 3 o Qualquer alteração ou edição de novo Regulamento será de competência do Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação. Art. 4 o Fica aprovado o Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Filosofia, conforme transcrito no anexo desta Resolução. Art. 5 o Esta Resolução entra em vigor nesta data. Uberlândia, 30 de abril de ARQUIMEDES DIÓGENES CILONI Presidente 1 de 13

2 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1 o O Programa de Pós-graduação em Filosofia, do Departamento de Filosofia da Faculdade de Artes, Filosofia e Ciências Sociais FAFCS, é regido pelo Estatuto e pelo Regimento Geral da Universidade Federal de Uberlândia UFU, pelas normas complementares aprovadas em seu Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação CONPEP, por este Regulamento e pelas normas deliberadas pelo Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Filosofia (POSFI), no âmbito de suas competências. Art. 2 o O Programa de Pós-Graduação em Filosofia tem por objetivos: I promover a qualificação e a formação de docentes e pesquisadores na área da Filosofia, com o propósito de consolidar a cultura filosófica na região e no País; II promover pesquisas que objetivem o desenvolvimento de atividades filosóficas tendo em vista a sua incorporação à vida cultural e social da região e do País, em especial ao sistema oficial de ensino; III desenvolver atividades de excelência com o propósito de consolidar os Cursos de Filosofia da UFU; IV proporcionar a continuidade dos estudos, sobretudo para os bacharéis e licenciados em Filosofia e de áreas afins, sobretudo as vinculadas às ciências humanas; V realizar atividades filosóficas com o propósito de fortalecer as linhas de pesquisa do Programa com a inserção do Curso na sociedade, fundamentalmente com a formulação de projetos de políticas públicas voltados para as áreas de ensino, de cultura, de saúde, do mundo do trabalho e da segurança pública. Art. 3 o O Programa de Pós-Graduação em Filosofia, composto inicialmente pelo nível de Mestrado acadêmico, está estruturado em uma área de concentração intitulada Filosofia Moderna e Contemporânea, e em duas linhas de pesquisa, a saber: Ética e Conhecimento e Filosofia Social e Política. Parágrafo único. O Colegiado poderá propor a criação de área de concentração ou a criação ou reorganização de novas linhas de pesquisa de acordo com a configuração de seu corpo docente e em consonância com as orientações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES. Art. 4 o A permanência dos pós-graduandos no Programa de Pós-Graduação em Filosofia deverá observar os seguintes prazos, em consonância com as atuais normas da CAPES. 1 o Para o Curso de nível de Mestrado o prazo máximo será de quatro semestres letivos e o prazo mínimo será de dois semestres letivos. 2 o Será permitida, após a expiração do prazo máximo, a prorrogação do Curso por mais um semestre, desde que a solicitação do pós-graduando, com justificativa circunstanciada e comprovada, seja acompanhada de parecer do orientador e aprovada pelo Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Filosofia. 3 o Só poderá ser concedida a dilação de prazo para conclusão de Dissertação de Mestrado ao aluno que tiver completado todos os créditos. 2 de 13

3 CAPÍTULO II DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Art. 5 o O Programa de Pós-Graduação em Filosofia está funcionalmente ligado à Faculdade de Artes, Filosofia e Ciências Sociais e subordinado às normas do CONPEP. Parágrafo único. O Coordenador do Programa é o Presidente do Colegiado e o seu representante no Conselho da Unidade, no CONPEP e no Conselho Universitário CONSUN. Art. 6 o I Colegiado; O Programa de Pós-Graduação em Filosofia tem a seguinte estrutura administrativa: II Coordenação de Programa; e III Secretaria do Programa. Seção I Do Colegiado Art. 7 o O Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Filosofia é a instância responsável pela coordenação didática, científica e administrativa dos Cursos. Parágrafo único. São competências do Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Filosofia Mestrado: I definir calendários, horários e a programação de todas as atividades do Programa; II credenciar e descredenciar o quadro docente e de orientadores, bem como propor a colaboração de especialistas externos à UFU no desenvolvimento das atividades do Programa; III avaliar a adequação da estrutura curricular, o desempenho da(s) área(s) de concentração e das linhas de pesquisa e propor alterações e reestruturações, a extinção ou a criação de componentes curriculares, área(s) e linhas; IV propor o número anual de vagas a serem oferecidas e sua distribuição por linha e orientador; V deliberar sobre o processo seletivo de ingresso ao Programa, assim como indicar as comissões para esse fim e homologar os resultados; VI indicar anualmente as disciplinas a serem ministradas, distribuídas na(s) área(s) de concentração e linhas de pesquisa, e aprovar seus respectivos programas; VII homologar a escolha de orientador e aprovar propostas de mudança de orientação ou indicação de co-orientadores; VIII indicar ou referenciar, ouvido o orientador, a composição das bancas examinadoras das dissertações de mestrado; IX definir parâmetros para distribuição de bolsas e para execução de recursos concedidos ao Programa; X cumprir e fazer cumprir as normas do Programa, mediante manuais, resoluções, ordens de serviço e similares; XI estabelecer as diretrizes didáticas, acadêmicas, científicas, gerenciais e administrativas do Programa, observadas as normas vigentes; 3 de 13

4 XII exercer outras competências definidas pelo Estatuto e Regimento Geral da UFU, pelo Regulamento Interno da FAFCS, pelos Conselhos Superiores e por resoluções específicas do Colegiado; e XIII homologar resultados, pareceres e avaliações das bancas examinadoras. Art. 8 o O Colegiado reunir-se-á mediante convocação do Coordenador ou a pedido da maioria simples de seus membros. 1 o De cada reunião será lavrada ata, que será lida e aprovada em reunião subseqüente. 2 o Os processos a serem relatados e examinados em cada reunião serão distribuídos aos membros do Colegiado, respeitando os prazos exeqüíveis e regimentalmente fixados para a elaboração de Parecer, que será objeto de discussão, aprovação, modificação ou indeferimento. 3 o Os resultados das votações serão obtidos por maioria simples, tendo o Coordenador, além do voto singular, direito a voto de qualidade. Art. 9 o O Colegiado será constituído na forma do Estatuto e do Regimento Geral da UFU, considerando os seus arts. 76 e 77. Art. 10. O Colegiado está vinculado ao Conselho do Departamento de Filosofia, ao Conselho da FAFCS e subordinado às deliberações dos Conselhos Superiores competentes. Seção II Da Coordenação do Curso Art. 11. A Coordenação do Programa é o órgão executivo do Colegiado e será implementada conforme arts. 39 e 40 do Estatuto e arts. 78/79 e 80 do Regimento Geral da UFU. 1 o A Coordenação do Curso é exercida por um docente do corpo docente permanente do Programa. 2 o O Coordenador do Curso deve ser eleito entre os professores efetivos da UFU, membros do corpo permanente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia, e, em seguida, será nomeado pelo Reitor, na forma do Estatuto e do Regimento Geral da UFU. 3 o O Coordenador do Curso terá um mandato de dois anos, sendo permitida uma recondução consecutiva. 4 o Na ausência eventual do Coordenador de Programa, a presidência será exercida pelo membro do Colegiado que, entre os de maior titulação acadêmica, tenha maior tempo de exercício no magistério na UFU. 5 o Nos afastamentos, impedimentos ou vacância do cargo de coordenador de programa de pósgraduação, a coordenação será exercida por um dos membros do Colegiado do Programa, eleito entre seus pares, nomeado pelo Reitor, assim permanecendo até a nomeação de novo coordenador, a quem transmitirá a coordenação. Art. 12. No impedimento definitivo do Coordenador, nomear-se-á novo Coordenador, nos termos do Estatuto e Regimento Geral vigentes, em conformidade com o art. 80 do Regimento Geral da UFU. 4 de 13

5 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE Art. 13. O corpo docente do Programa compõe-se de professores permanentes, professores participantes e professores visitantes, com titulação de doutor ou equivalente. Parágrafo único. O corpo docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia será constituído fundamentalmente por professores da UFU, podendo, no entanto, fazer parte dele professores de outras Instituições de Ensino Superior do País ou do exterior, convidados pelo Colegiado, desde que não excedam a vinte por cento do número de orientadores vinculados à UFU. Art. 14. A composição do corpo docente, assim como os ingressos e desligamentos do Programa, serão objeto de deliberação e aprovação do Colegiado, sendo que as deliberações desta matéria deverão ser notificadas ao CONPEP. Parágrafo único. Para ser credenciado no Programa de Pós-Graduação, o professor deverá solicitar seu credenciamento ao Colegiado com o encaminhamento de carta contendo a justificativa da solicitação acompanhada do Projeto de Pesquisa em curso e do Currículo Lattes atualizado. A permanência no Programa está condicionada à produção acadêmica do professor, cujos parâmetros serão os indicadores da Avaliação Continuada do Programa promovida pela CAPES/MEC. CAPÍTULO IV DO CORPO DISCENTE Seção I Da Constituição Art. 15. O corpo discente é composto pelos alunos regularmente matriculados no Programa de Pós-Graduação em Filosofia, que, na condição de estudantes de pós-graduação da UFU, gozarão dos direitos e respeitarão os deveres definidos pelo Regimento e pelo Estatuto da UFU. Art. 16. O aluno regular do Programa é aquele selecionado para o Programa de acordo com as Normas de Seleção estabelecidas neste Regulamento e devidamente matriculado em conformidade com o Regimento Geral da UFU e com os termos deste Regulamento. Poderão ser admitidos como alunos regulares do Programa estudantes oriundos dos convênios celebrados pela UFU com outras Instituições de Ensino Superior do Exterior, em conformidade com os dispositivos legais que regulamentem a matéria. Art. 17. O Programa poderá, conforme as possibilidades e as disponibilidades de vagas, admitir, além do aluno regular, o aluno especial. É considerado aluno especial: I o aluno que, não tendo vaga prevista no edital para alunos regulares, foi classificado para este fim pelo Programa, em processo seletivo; ou II aluno de outros cursos de pós-graduação externos à Universidade, reconhecidos pela CAPES; III profissional graduado em áreas afins dos programas, que deseja se qualificar ou se aperfeiçoar. Parágrafo único. A matrícula do aluno especial será feita com a autorização do Colegiado mediante preenchimento de formulário próprio, em cujo requerimento deve constar a justificativa circunstanciada da solicitação e da autorização do responsável por uma das linhas de pesquisa. 5 de 13

6 Art. 18. Quando da admissão de alunos especiais, deverá ser observado que o percentual das matrículas de alunos especiais não poderá exceder a trinta por cento das matrículas de alunos regulares do Programa. Seção II Da Inscrição e Seleção Art. 19. O ingresso no Programa de Pós-Graduação em Filosofia é feito ordinariamente mediante processo seletivo anual de candidatos inscritos, em conformidade com as normas do respectivo edital de processo de seleção. 1 o Anualmente o Colegiado do Programa divulgará com, no mínimo, quinze dias de antecedência em jornal local e em forma de extrato no Diário Oficial da União, a data de início das inscrições e da seleção, em que conste: I número de vagas fixado de acordo com critérios estabelecidos pelo Colegiado, observando o estabelecido no caput do art. 19; II as condições e documentação exigidas dos candidatos; III critérios e formas de avaliação; IV programa do processo seletivo; V datas, horários e locais em que serão realizadas as inscrições; e VI datas e horários da prova, entrevista, avaliação do projeto, proficiência de língua estrangeira e pontuação do curriculum vitae. 2 o No primeiro processo seletivo, serão oferecidas, no mínimo, doze vagas. Para as demais seleções, o Colegiado definirá o número de vagas de acordo com a demanda e o potencial de orientação do corpo docente, em consonância com as orientações institucionais e das agências de fomento. Art. 20. A inscrição dos candidatos será feita na Secretaria do Programa mediante apresentação dos seguintes documentos: I requerimento em formulário próprio, dirigido ao Coordenador do Curso; II curriculum vitae com documentação comprobatória; e III fotocópia de: a) Histórico Escolar do Curso de Graduação; b) Certidão de Nascimento ou de Casamento; c) Carteira de Identidade; d) Título de Eleitor acompanhado do comprovante da última eleição ou justificativa de ausência expedido pela Justiça Eleitoral; e) Certificado de Reservista, para candidatos do sexo masculino; f) Cadastro de Pessoa Física; g) fotos 3x4 atuais; h) no caso de estrangeiro, comprovante de estar em situação regular no País; e i) projeto de pesquisa com indicação da Linha de Pesquisa à qual pretende vincular-se. 6 de 13

7 Art. 21. Poderão se inscrever os concluintes de curso superior de longa duração em filosofia. Parágrafo único. O Colegiado poderá autorizar a inscrição de portadores de diploma de curso superior de outras áreas, tendo em vista a interdisciplinaridade, desde que o interessado, para tal fim, apresente junto com a documentação do art. 20 um memorial em que justifique a vinculação do seu projeto com o Programa. Art. 22. A inscrição de candidato portador de diploma de curso superior proveniente de instituição estrangeira estará sujeita à apresentação de documento de revalidação dos estudos e/ou equivalente, observadas ainda as disposições referentes a documentos escritos em língua estrangeira, acompanhados da tradução em língua portuguesa por tradutor juramentado. Art. 23. Não serão aceitas inscrições condicionadas a posterior entrega de documentos. Art. 24. A seleção compreenderá: I avaliação do projeto de pesquisa em escala de pontos de zero a cem, de caráter eliminatório; II prova escrita a partir de tema sorteado entre aqueles que constam do programa do processo seletivo em escala de pontos de zero a cem, de caráter eliminatório; III prova de proficiência em uma língua estrangeira a ser definida pelo Colegiado, demonstrando capacidade de leitura e entendimento de textos filosóficos, em escala de pontos de zero a cem de caráter eliminatório; IV avaliação do curriculum vitae, em escala de pontos de zero a cem, de caráter classificatório; e V entrevista, em escala de pontos de zero a cem, de caráter classificatório. Parágrafo único. O detalhamento das etapas do processo seletivo e os critérios para a seleção e classificação serão definidos pelo Colegiado e divulgados em edital. Art. 25. Será considerado reprovado o candidato que obtiver nota inferior a setente pontos na avaliação do projeto de pesquisa, nota inferior a setenta pontos na prova escrita e nota inferior a sessenta pontos na prova de língua estrangeira. Art. 26. A forma de divulgação da classificação será estabelecida no edital do processo seletivo publicado pelo Colegiado. Art. 27. O Colegiado é o responsável pela elaboração e aplicação do processo seletivo, bem como pela emissão da lista dos candidatos aprovados no processo seletivo. Art. 28. O candidato que não tenha sido aprovado ou que, tendo sido aprovado, não efetuar a sua matrícula, poderá solicitar a devolução de sua documentação até trinta dias após divulgação dos resultados. Após esta data, os documentos serão descartados. Art. 29. O Colegiado homologará o resultado do processo seletivo, publicando-o e comunicandoo por escrito aos candidatos aprovados, orientando-os sobre as providências que deverão tomar para a efetivação da matrícula. Parágrafo único. O processo seletivo é meritório e nem todas as vagas oferecidas serão necessariamente preenchidas; o não preenchimento das vagas inicialmente oferecidas não implicará abertura de novo edital. 7 de 13

8 CAPÍTULO V DA MATRÍCULA Art. 30. Os alunos aprovados em processo seletivo deverão apresentar o diploma de curso superior ou certificado provisório de curso, matriculando-se por componente curricular, observando-se pré-requisitos, compatibilidade horária, existência de vaga, instruções específicas determinadas pelo Colegiado e normas gerais de matrícula vigentes na UFU. 1 o Condicionada à existência de vagas nas disciplinas, poderá ser aceita a matrícula de alunos especiais, conforme definidos nos arts. 17 e o O aluno regular que desejar realizar estudos, participando de cursos, seminários estudos dirigidos, em instituições nacionais (reconhecidas pelo Conselho Nacional de Educação e recomendadas pela CAPES) ou estrangeiras (devidamente credenciadas em seu país e reconhecidas pela CAPES), poderá fazê-lo sem pedir trancamento no curso, bastando para isto estar em dia com as exigências curriculares no Programa e anexar ao requerimento de matrícula o plano detalhado de estudos a ser realizado na outra instituição (de acordo com modelo próprio), tendo o termo "de acordo" do Orientador e a carta de aceite da instituição de destino. Caberá ao aluno providenciar toda a documentação necessária ao reconhecimento e aproveitamento dos créditos no Programa, de acordo com este Regulamento. Art. 31. O requerimento de matrícula dos alunos regulares, inclusive dos ingressantes, deverá ser assinado pelo orientador designado pelo Colegiado, o que valerá com um "de acordo" com a seleção de componentes curriculares a cursar, feita pelo aluno. 1 o O requerimento de matrícula de alunos especiais deverá: I ter o termo "de acordo" dos professores responsáveis pelas disciplinas autorizando a matrícula do aluno especial; II estar acompanhado de justificativa para o pedido de participação do componente curricular como aluno especial. 2 o O coordenador de curso, após ouvir o Colegiado, homologará os pedidos de matrícula, encaminhando-os para a Diretoria de Administração e Controle Acadêmico da UFU. Art. 32. A matrícula será feita atendendo ao calendário do Curso e ao calendário geral da UFU. 1 o É obrigatória a matrícula em todos os semestres letivos. 2 o Os alunos em fase de desenvolvimento da pesquisa e de redação da Dissertação farão sua matrícula em Dissertação de Mestrado, conforme as normas vigentes. Art. 33. É permitida a matrícula por procuração. Art. 34. O número máximo de vagas para cada componente curricular será indicado pelos professores responsáveis pelos mesmos, quando de sua proposição, e homologado pelo Colegiado. Parágrafo único. Quando existir excesso de solicitação de matrícula para um determinado componente curricular, terão preferência, nesta ordem: I os alunos ingressantes; II os demais alunos regulares do Programa que estiverem requerendo matrícula no componente curricular pela primeira vez e que tenham mais alto coeficiente de rendimento, observando-se, em caso de empate, a ordem de solicitação e outros critérios estabelecidos pelo Colegiado; e 8 de 13

9 III os alunos especiais, observadas as disposições deste Regulamento. Art. 35. Para os alunos regulares é obrigatória a matrícula semestral em um número mínimo de componentes curriculares a ser fixado e aprovado pelo Colegiado. Parágrafo único. Os alunos regulares, após concluírem as disciplinas, deverão matricular-se em créditos relativos à preparação de defesa da dissertação; Art. 36. É permitido o trancamento parcial ou geral de matrícula. 1 o O trancamento de matrícula pelo prazo solicitado só se fará após parecer do orientador do aluno, seguido do julgamento e da homologação do requerimento pelo Colegiado. 2 o É permitido ao aluno o trancamento de matrícula em um ou mais componentes curriculares, com a anuência de seu Orientador e aprovação do Colegiado. 3 o O trancamento de matrícula de bolsistas obedecerá às normas das agências de fomento. 4 o O trancamento de matrícula não implicará dilação do prazo para conclusão do Curso. Art. 37. Será permitida a alteração de matrícula somente com a autorização do orientador, em período fixado pelo Colegiado no calendário, sendo que esse período não pode ir além da terceira semana do calendário letivo do semestre em que for solicitada a alteração de matrícula. Art. 38. É permitido ao aluno regular do Programa solicitar aproveitamento de disciplinas cursadas em outras Instituições nacionais ou estrangeiras, conforme art. 30, 2 o. Art. 39. O cancelamento da matrícula do aluno, implicando desligamento automático e definitivo do Programa, ocorrerá mediante requerimento do aluno ou em conseqüência de procedimento disciplinar que o leve a ser eliminado do Programa, conforme o que determina o art. 196 do Regimento Geral da UFU. CAPÍTULO VI DA ORIENTAÇÃO Art. 40. O aluno regular do Programa terá um orientador responsável pela programação de seus estudos e pelo acompanhamento na elaboração da Dissertação de Mestrado. 1 o O orientador deve ser professor do quadro docente do Programa, com título de doutor, tendo sob sua responsabilidade no mínimo dois orientandos. 2 o O orientador poderá ser sugerido pelos professores das linhas de pesquisa, em consonância com os critérios estabelecidos pelo Colegiado. 3 o O aluno poderá solicitar a mudança de orientador, em requerimento dirigido ao Colegiado, acompanhado de justificativa substancial do pedido. Para julgar o pedido, o Colegiado deverá ouvir o aluno e o orientador, solicitando esclarecimentos, e, em seguida, deverá se pronunciar deferindo ou indeferindo o requerimento. 4 o Cabe ao orientador: I orientar o aluno na organização de seu plano de estudos e na integralização dos componentes curriculares, sempre incentivando a sua participação em atividades e eventos filosóficos; II acompanhar o desempenho acadêmico dos alunos que orienta; 9 de 13

10 III orientar a pesquisa do aluno, tanto na fase de estruturação como na etapa de redação da Dissertação de Mestrado; e IV desempenhar todas as funções peculiares ao orientador que são especificadas nos demais artigos deste Regulamento e em normas complementares do Colegiado. Art. 41. Será permitida a co-orientação por docente com título de doutor, da UFU ou de outra instituição reconhecida pelo Colegiado, após análise do requerimento com justificativa do aluno e a anuência do orientador. CAPÍTULO VII DA AVALIAÇÃO DO CORPO DISCENTE Art. 42. O aproveitamento em cada componente curricular será avaliado com a aplicação de provas, elaboração de trabalhos ou relatórios e, ainda, por outro instrumento de avaliação homologado pelo Colegiado, quando da proposição dos professores responsáveis pelos componentes curriculares. 1 o O aproveitamento do aluno em cada componente curricular será expresso por meio de conceito fixo, expresso por números inteiros, sendo: I "A" Excelente (de 90 a 100% de aproveitamento): com direito a crédito; II "B" Bom (de 75 a 89% de aproveitamento): com direito a crédito; III "C" Regular (de 60 a 74% de aproveitamento): com direito a crédito; IV "D" Insuficiente (de 40 a 59% de aproveitamento): sem direito a crédito; e V "E" Reprovado (de 0 a 39% de aproveitamento): sem direito a crédito. 2 o A avaliação do aproveitamento do aluno será feita mediante coeficiente de rendimento global (CR), calculado após a conclusão de cada período letivo, correspondendo à média ponderada de todos os níveis de conceitos atribuídos até então, tomando-se como peso o número de créditos das disciplinas e atribuindo-se aos níveis os valores: I A = 4 pontos por crédito; II B = 3 pontos por crédito; III C = 2 pontos por crédito; IV D = 1 ponto por crédito; e V E = 0. 3 o O resultado da média referida no parágrafo anterior será aproximado para mais até o segundo dígito após a vírgula. Art. 43. Aos componentes curriculares cursados em outros Programas e validados pelo Colegiado, de acordo com as normas vigentes do CONPEP e deste Regulamento, serão atribuídos conceitos equivalentes aos definidos no art. 42. Art. 44. Para ser considerado aprovado no componente curricular o aluno deve obter conceito igual ou superior a "C" e ter um mínimo de setenta e cinco por cento de freqüência nas atividades previstas para o componente curricular. 10 de 13

11 Art. 45. Poderá repetir uma única vez qualquer componente curricular o aluno que obtiver, em avaliação, o conceito "D" ou "E", atribuindo-se como resultado final a última avaliação obtida. Seção I Dos Créditos Art. 46. A integralização dos estudos necessários à obtenção do título no Programa será expressa em créditos. Art. 47. Um crédito corresponde a quinze horas-aula, sendo o número de créditos de cada componente curricular definido a partir deste parâmetro. Parágrafo único. Poderão ser oferecidas disciplinas e outras atividades curriculares concentradas, em atendimento a necessidades específicas do Programa, ou ainda, em atendimento a circunstâncias próprias relativas a professores visitantes nacionais ou estrangeiros. Art. 48. O mestrando deverá completar vinte e quatro créditos, assim distribuídos: I doze créditos em disciplinas, com o cumprimento de pelo menos uma disciplina dentre o elenco daquelas de caráter obrigatório; e II doze créditos relativos à orientação de pesquisa. Parágrafo único. Para os bolsistas da CAPES será obrigatória a disciplina Estágio Docência I. Art. 49. Os alunos regulares não graduados em Filosofia deverão cursar pelo menos uma disciplina de nivelamento com ou sem adaptação, para o atendimento às necessidades específicas do corpo discente ingressante. Parágrafo único. Os créditos ou a carga horária da disciplina referida no caput não poderão ser computados para efeito de integralização curricular na pós-graduação. Art. 50. Os alunos regulares do Programa poderão cursar no máximo uma disciplina de quatro créditos de outros programas de pós-graduação, que valerá como disciplina optativa. Art. 51. A integralização dos créditos, incluindo a entrega da Dissertação de Mestrado para defesa em sua versão definitiva para encaminhamento à banca, não poderão ser efetuadas fora dos prazos mínimos e máximos, conforme o estabelecido no art. 4 o e seus respectivos parágrafos. Art. 52. Os alunos especiais, se forem posteriormente selecionados e matriculados na forma regimental prevista, terão direito à convalidação dos créditos correspondentes aos componentes curriculares já cursados, até o limite de cinqüenta por cento dos créditos exigidos em disciplinas, bastando para isto requerê-los. Seção II Da Defesa Pública Art. 53. Para obtenção do título de Mestre será obrigatória a realização de defesa pública de Dissertação de Mestrado, que será encaminhada pelo Colegiado, em atendimento ao requerimento do orientador. 11 de 13

12 Art. 54. O aluno só poderá comparecer perante à Banca Examinadora em defesa pública quando tiver concluído todos os créditos exigidos em disciplinas e atividades orientadas. Art. 55. O candidato à defesa pública deverá depositar na Secretaria do Programa, juntamente com o requerimento do orientador, seis exemplares de Dissertação de Mestrado, que serão distribuídos pelo Colegiado, em conformidade com as normas vigentes. Art. 56. Cabe ao orientador, juntamente com o requerimento de defesa, indicar os nomes dos docentes que comporão a Banca Examinadora. Para a defesa de Dissertação de Mestrado, além do orientador, na qualidade de Presidente da Banca, deverão ser indicados dois avaliadores e um suplente, sendo que um dos membros deverá ser da comunidade externa à Universidade. Art. 57. O Colegiado homologará a data da defesa pública num prazo mínimo de trinta dias e máximo de quarenta e cinco dias, a partir da data de entrada do requerimento e do depósito dos exemplares do trabalho objeto da defesa pública. Art. 58. Imediatamente após a sessão pública de argüição, a Banca Examinadora fará o julgamento do trabalho, em reunião secreta, quando cada membro atribuirá ao candidato a menção "aprovado" ou "reprovado". Parágrafo único. Receberá o título de Mestre o candidato que obtiver de pelo menos dois examinadores a menção "aprovado". Art. 59. Após a seção de defesa da Dissertação de Mestrado, será expedida a cópia da Ata de Defesa. Art. 60. A Banca Examinadora poderá condicionar a homologação da defesa à realização, no prazo máximo de dois meses, de revisões ortográficas e gramaticais consideradas indispensáveis pela Banca. Parágrafo único. As revisões a que se referem o art. 60 serão conferidas pelo Presidente da Banca Examinadora que solicitará ao Colegiado que tome os procedimentos necessários. CAPÍTULO VIII DOS TÍTULOS Art. 61. Será conferido o título de Mestre em Filosofia ao aluno que cumprir todas as exigências deste Regulamento e das normas gerais de funcionamento dos cursos de pós-graduação da UFU, em conformidade com as Resoluções da CAPES. CAPÍTULO IX DAS BOLSAS DE ESTUDO E DE MONITORIA Art. 62. O Programa de Pós-Graduação em Filosofia, com o acompanhamento da Coordenação e do Colegiado, empenhar-se-á para a concessão de bolsas de estudo e de monitoria para alunos aprovados no processo seletivo, oriundas das agências estatais e privadas de fomento à pesquisa e à pós-graduação. Art. 63. A alocação e o controle das bolsas ficarão sob a responsabilidade de uma Comissão de Bolsas de Estudo, segundo critérios e normas estabelecidos pelo Colegiado a partir das normas estabelecidas pelas agências financiadoras de recursos. 12 de 13

13 Parágrafo único. A bolsa poderá ser suspensa, a qualquer instante, pelo Colegiado, desde que assim solicitado pela Comissão de Bolsas de Estudo, caso seja constatado desinteresse do aluno ou descumprimento de condições estabelecidas para a concessão da bolsa. CAPÍTULO X DO DESLIGAMENTO DO DISCENTE Art. 64. O discente poderá ser desligado do Programa, de acordo com as normas Regimentais da UFU e do Regulamento do Programa, nos seguintes casos: I por procedimento disciplinar, conforme art. 200 e seguintes do Regimento Geral da UFU; II por cancelamento da matrícula do aluno, conforme art. 39 deste Regulamento; e III por não cumprir com o prazo máximo para integralização do Curso, conforme art. 4 o e 51 deste Regulamento. CAPÍTULO XI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS Art. 65. Os casos omissos serão julgados pelo Colegiado, observando-se as normas legais e regimentais vigentes na UFU, cabendo recurso a quem de direito. Art. 66. O presente Regulamento entra em vigor na data da aprovação do funcionamento do Programa de Pós-Graduação em Filosofia. Uberlândia, 30 de abril de de 13

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa Associado

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES

CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS E PRÁTICAS ESCOLARES REGIMENTO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS SÓCIO-EDUCATIVOS TÍTULO I - Das Finalidades E PRÁTICAS ESCOLARES TÍTULO II Da Coordenação do Curso CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO II DO COLEGIADO

Leia mais

Regulamento dos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e em Ensino de Ciências e Matemática.

Regulamento dos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e em Ensino de Ciências e Matemática. Regulamento dos Programas de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências e em Ensino de Ciências e Matemática. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1 - Os Programas de Pós-graduação Stricto Sensu estão

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2008/CONEPE Aprova criação do Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA Resolução Unesp-95, de 26/10/05 Seção I Dos Objetivos Artigo 1º - O programa

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA. Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA. Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA - UNIPAMPA Capítulo I - Dos Objetivos e Prazos Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (PPGEE) da Universidade Federal

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL. Sumário REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL Sumário Capítulo I: DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... Capítulo II: DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA * Capítulo I DA NATUREZA E OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA * Capítulo I DA NATUREZA E OBJETIVOS DO PROGRAMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE GEOGRAFIA Programa de Pós Graduação em Geografia Área de Concentração Geografia e Gestão do Território Av. João Naves de Ávila, 2121 Bl. H Sala 1H35 CEP

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO Título I Dos Objetivos Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

REGIMENTO TÍTULO I DOS FINS

REGIMENTO TÍTULO I DOS FINS TÍTULO I DOS FINS Programa de Pós-Graduação em Odontologia / PPgO Áreas de concentração em Estomatologia, Clínica Odontológica, Periodontia e Implantodontia, em nível de Mestrado Profissional. REGIMENTO

Leia mais

Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (PPGSC) Mestrado Acadêmico

Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (PPGSC) Mestrado Acadêmico UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO E SAÚDE DA COMUNIDADE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva

Leia mais

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu

Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu TÍTULO I Do Regimento da Pós-Graduação Stricto Sensu Capítulo I Das Disposições Preliminares Artigo 1º - O Regime de Pós-Graduação Stricto Sensu, nos níveis de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ART. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

Art. 3º Cada Programa de Pós-Graduação é organizado em 1 (um) Corpo Docente e 1 (uma) Comissão de Pós-Graduação (CPG).

Art. 3º Cada Programa de Pós-Graduação é organizado em 1 (um) Corpo Docente e 1 (uma) Comissão de Pós-Graduação (CPG). 1 O Programa de Pós-Graduação do Observatório Nacional foi credenciado pelo parecer do Conselho Federal de Educação CFE, 05/73 de 22/01/73. Foi recredenciado pelo CFE, através do Parecer 755/93 de 06/12/93,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INSTITUTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ R E G I M E N T O DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA

Leia mais

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO.

Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Estudos Pós-Graduados em EDUCAÇÃO: PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO. 1- Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I - capacitar pessoal em nível de Mestrado Acadêmico,

Leia mais

CAPÍTULO I. Os Cursos Acadêmicos de Pós-Graduação stricto sensu, ministrados pela FEM, conduzem aos títulos acadêmicos de Mestre e de Doutor em:

CAPÍTULO I. Os Cursos Acadêmicos de Pós-Graduação stricto sensu, ministrados pela FEM, conduzem aos títulos acadêmicos de Mestre e de Doutor em: REGULAMENTO DOS CURSOS ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA MECÂNICA E PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ENERGÉTICOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DA UNICAMP Dos Objetivos e Prazos CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art.1º - O Programa de Pós-graduação em Odontologia

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA. Seção I. Dos Objetivos REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNESP FFC/MARÍLIA Seção I Dos Objetivos Artigo 1º O Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília será estruturado

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE 1 Aprovado no CEP em 13/01/2010, Resolução 02/2010 REGULAMENTO PARA OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PARTE I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DAS MODALIDADES

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E BIOQUÍMICA DO INSTITUTO DE GENÉTICA E BIOQUÍMICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E BIOQUÍMICA DO INSTITUTO DE GENÉTICA E BIOQUÍMICA INSTITUTO DE GENÉTICA E REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E DO INSTITUTO DE GENÉTICA E TÍTULO I DO PROGRAMA E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1o O Programa de Pós-graduação em Genética e Bioquímica

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIGRANRIO UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO Prof. José de Souza Herdy Reconhecida pela Portaria MEC 940/94 D.O.U. de 16 de Junho de 1994 PRÓ - REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROPEP REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA TÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1. O POSMEC - Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica da UFSC, em nível de Mestrado e Doutorado,

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE (PPGPS) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE (PPGPS) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL Texto Aprovado CONSU Nº 2011-26 - Data: 09/06/11 REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE (PPGPS) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-07 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e

Leia mais

NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA/QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA/QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA/QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O curso de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia/Química da Universidade Federal do ABC (UFABC) está

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições do

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU)

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) MESTRADO TÍTULO I DOS FINS Art. 1 o O curso de Pós-Graduação Mestrado em Tecnologias em Saúde, da Fundação Bahiana para Desenvolvimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIOLOGIA CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1 o - O Programa de Pós-Graduação em Sociologia, vinculado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B

U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B U N I V E R S I D A D E C A T Ó L I C A D E B R AS Í L I A P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O E P E S Q U I S A P R PG P/ U C B REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO

Leia mais

O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO aprovou e eu, Reitor, sanciono a seguinte Resolução:

O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO aprovou e eu, Reitor, sanciono a seguinte Resolução: RESOLUÇÃO CEPE Nº 174/2007 Altera o Regulamento dos Programas de Pós- Graduação Stricto sensu. processo nº 32255/2007; CONSIDERANDO a solicitação constante no O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

Programa de Mestrado em Informática 1

Programa de Mestrado em Informática 1 Programa de Mestrado em Informática 1 REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM INFORMÁTICA DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS I - OBJETIVOS DO CURSO ART. 1º - O Curso de

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UFBA TÍTULO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO EM DIREITO E INOVAÇÃO. Título I Da finalidade, natureza e objetivos

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO EM DIREITO E INOVAÇÃO. Título I Da finalidade, natureza e objetivos FACULDADE DE DIREITO REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO EM DIREITO E INOVAÇÃO Título I Da finalidade, natureza e objetivos Art. 1º Este regulamento disciplina, no âmbito da Universidade

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação em Letras tem por objetivo a formação de docentes destinados

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: GESTÃO ESTRATÉGICA E OPERACIONAL DA PRODUÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: GESTÃO ESTRATÉGICA E OPERACIONAL DA PRODUÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: GESTÃO ESTRATÉGICA E OPERACIONAL DA PRODUÇÃO CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVOS DO PROGRAMA Artigo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS E DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS GERAIS E DOS OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião da Pontifícia

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UEM Centro de Ciências Sociais Aplicadas - Departamento de Administração Av. Colombo, 5.790 Bloco C-23 - Jardim Universitário

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE REGIMENTO ESPECÍFICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DINÂMICA DOS OCEANOS E DA TERRA (DOT) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE I. DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 o O Programa de Pós-Graduação stricto sensu

Leia mais

CENTRO DE ENSINO UNIFICADO DO MARANHÃO - CEUMA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO UNICEUMA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO

CENTRO DE ENSINO UNIFICADO DO MARANHÃO - CEUMA CENTRO UNIVERSITÁRIO DO MARANHÃO UNICEUMA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO ODONTOLOGIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO Art. 1 º. O Programa de Pós-Graduação Stricto sensu em nível de Mestrado,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

Leia mais

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL)

EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) EDITAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL (MESTRADO PROFISSIONAL) PARTE I - DISPOSIÇÕES GERAIS PERÍODO DE INSCRIÇÕES: 30/01/2012 A 23/03/2012 PERÍODO DE SELAÇÃO: 26 a 30/03/2012 TÍTULO I -

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO HUMANA - PPGNH. Título I - Natureza e Objetivos do Curso

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO HUMANA - PPGNH. Título I - Natureza e Objetivos do Curso REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO HUMANA - PPGNH Título I - Natureza e Objetivos do Curso Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Nutrição Humana PPGNH, composto pelos cursos de mestrado

Leia mais

INSTITUTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

INSTITUTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU INSTITUTO DE QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Título I / Das Finalidades Artigo 1 o O Instituto de Química da UFRJ oferece Programas de Pós-Graduação

Leia mais

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências;

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências; RESOLUÇÃO CEPE Nº 012/2007 Aprova a criação e o Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Stricto sensu, Mestrado Profissional. 2192/2007; CONSIDERANDO o contido no processo nº CONSIDERANDO a Portaria Nº

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP Pág. 1 de 10 DO PROGRAMA DE PÓS- DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1 o A Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação é o órgão

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu)

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu) REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO (cursos stricto sensu) Título I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 O presente Regulamento se constitui, em conjunção com o Estatuto e o Regimento Geral da Universidade Federal do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em BIOINFORMÁTICA tem como objetivos: a formação de docentes,

Leia mais

1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL

1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL 1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL O Programa de Pós-Graduação em Tecnologias e Inovações Ambientais modalidade mestrado profissional

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção 1 Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PONTA GROSSA Gerência de Pesquisa e Pós-Graduação PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA RESOLUÇÃO Nº 09/2007/CONEP Aprova criação do Programa de Pós- Graduação em Psicologia Social,

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 150/2010. Art. 1º - Fica aprovado o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense

RESOLUÇÃO N.º 150/2010. Art. 1º - Fica aprovado o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 150/2010 EMENTA: Aprovação do Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOINFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO CAPÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º O Programa de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ

REGULAMENTO GERAL DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ REGULAMENTO GERAL DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º Os Programas de Pós-Graduação Stricto

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO NA EDUCAÇÃO BÁSICA REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Abril/2013 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO NA EDUCAÇÃO BÁSICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE DO ESPÍRITO SANTO TÍTULO

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO REGIONAL II REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO REGIONAL II REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO REGIONAL II REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE CAMPUS REGIONAL II 2015 CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS Art.

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA DO ON

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA DO ON NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA DO ON Capítulo 1 -Objetivos e Organização Capítulo 2 -Dos prazos e duração dos Programas Capítulo 3 -Da admissão e matrícula Capítulo 4 -Da orientação do

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÀRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2014 Aprova o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em nível de Especialização,

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS.

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e LATO SENSU DO INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. TÍTULO I DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU CAPÍTULO I Dos objetivos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS. Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Química Área de Concentração: Química Níveis Mestrado e Doutorado REGIMENTO 2010 2 Os artigos que seguem neste Regimento referem-se ao Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL PPGEC REGULAMENTO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL PPGEC REGULAMENTO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL PPGEC REGULAMENTO Junho de 2014 1 TÍTULO DA FINALIDADE E OBJETIVO CAPÍTULO I Da Finalidade do Regulamento Art. 1

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO CAPÍTULO I - OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1. - O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES do Departamento

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 81/2011 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 81/2011 REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA-UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual nº 9.996, de 02 de maio de 2006 CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 81/2011

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Nível: Mestrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Nível: Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Nível: Mestrado REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS -

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO N o 11/2015, DO CONSHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Dispõe sobre alteração e republica o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Gestão Organizacional Mestrado Profissional da Faculdade de

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO, DENOMINADO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA ECONÔMICA, SOB A RESPONSABILIDADE DO CAMPUS ALEGRETE CAPÍTULO I DA NATUREZA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO STRICTO SENSU EM MATEMÁTICA DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Mestrado Stricto Sensu em Matemática (PMAT) da Universidade Federal de Itajubá têm por objetivo formar

Leia mais

NORMAS GERAIS DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS, ORGANIZAÇÃO E DURAÇÃO

NORMAS GERAIS DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS, ORGANIZAÇÃO E DURAÇÃO NORMAS GERAIS DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS, ORGANIZAÇÃO E DURAÇÃO Art. 1º - Os Programas de Pós-Graduação Stricto sensu (Mestrado Acadêmico, Mestrado Profissional

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS NORMAS ESPECÍFICAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS NORMAS ESPECÍFICAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS NORMAS ESPECÍFICAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Res. CONSUN nº 41/05, de 29/06/05 Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º CAPÍTULO I DAS FINALIDADES O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Regimento de Pós-Graduação do Mestrado Profissionalizante em Instrumentação Científica

Regimento de Pós-Graduação do Mestrado Profissionalizante em Instrumentação Científica Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas CBPF/CNPq http://www.cbpf.br Rua Dr. Xavier Sigaud 150, Urca - Rio de Janeiro - RJ Cep: 22290-180 Tel: (021) 5867100 Fax: (021) 5867400 Regimento de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO 22 REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO CAPÍTULO I OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º O Programa de

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 101/2008

RESOLUÇÃO N.º 101/2008 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 101/2008 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-graduação, nível Especialização, em SMS em Obras de Engenharia

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Ano Base 2005 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA (MESTRADO) DO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS

Leia mais

1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005.

1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005. Ministério da Educação Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná Conselho Diretor 1688 Sessão Ordinária de 29 de julho de 2005. Processo Do 06/2005 Assunto: REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS GEODÉSICAS E TECNOLOGIAS DA GEOINFORMAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS GEODÉSICAS E TECNOLOGIAS DA GEOINFORMAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS GEODÉSICAS E TECNOLOGIAS DA GEOINFORMAÇÃO Art. 1 - Objetivos: CAPITULO I DAS FINALIDADES 1. aperfeiçoar recursos humanos destinados ao ensino

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: BIOQUÍMICA ESTRUTURA DO CURSO

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: BIOQUÍMICA ESTRUTURA DO CURSO REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: BIOQUÍMICA ESTRUTURA DO CURSO A estrutura do Curso dará ênfase à formação do pós-graduando como docente-pesquisador. O Curso buscará atribuir

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM Regimento Interno do Curso de Mestrado Acadêmico em Engenharia Mecânica do Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica Este programa de Pós-Graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1075

RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1075 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO CEPEC Nº 1075 Aprova o novo Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Federal de Goiás, e revoga a Resolução

Leia mais

Programa de Mestrado em Fisioterapia Universidade Cidade de São Paulo Regulamento

Programa de Mestrado em Fisioterapia Universidade Cidade de São Paulo Regulamento Programa de Mestrado em Fisioterapia Universidade Cidade de São Paulo Regulamento CAPÍTULO I Do Curso Artigo 1º - A Universidade Cidade de São Paulo (UNICID) manterá o Programa de Mestrado em Fisioterapia,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO Das Finalidades Art. 1º Os Cursos de Doutorado e Mestrado em Direito da Faculdade de Direito de Vitória (FDV) objetivam

Leia mais

REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS REGULAMENTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias na Educação (PPGCITED) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul)

Leia mais

R E G I M E N T O I N T E R N O

R E G I M E N T O I N T E R N O , REDE DE BIODIVERSIDADE E BIOTECNOLOGIA DA AMAZÔNIA LEGAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PPG-BIONORTE R E G I M E N T O I N T E R N O DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa objetiva a formação de Doutores para

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 0 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil oferecido pelo Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais