Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "www.casponline.com.br"

Transcrição

1 1 Autores: Comissão de Estudos em CASP do CRC RS 2 Autor: Diogo Duarte Barbosa 3 Casp Online Social 1

2 Aquisição pelo site: Administração Orçamentária e Financeira The image cannot be displayed. Your computer may not have enough memory to open the image, or the image Contabilidade Aplicada ao Setor Público The image cannot be displayed. Your computer may not have enough memory to open the image, or the image may have Diogo Duarte Barbosa MANUAL DE CONTROLE PATRIMONIAL N A S E N T I D A D E S P Ú B L I C A S TOM BADO Diogo Duarte Barbosa Editora Atualizado conforme as regras do Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público (MCASP), das Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicada ao Setor Público (NBCASP) e dos padrões internacionais. Inclui modelo de norma interna. Gestão Pública 4 Entendendo o Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP Estrutura e Funcionamento Casp Online Social 6 2

3 Estrutura do PCASP e Natureza do Saldo das Classes 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários e Assistenciais Outras Variações Patrimoniais Diminutivas Devedor 5 Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 5.2 Orçamento Aprovado 5.3 Inscrição de Restos a Pagar 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Impostos, Taxas e Contribuições de Melhoria Contribuições... Credor 4.9 Outras Variações Patrimoniais Aumentativas 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento 6.1 Execução do Planejamento 6.2 Execução do Orçamento 6.3 Execução de Restos a Pagar 7 Controles Devedores 7.1 Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais 7.8 Custos 7.9 Outros Controles 8 Controles Credores 8.1 Execução dos Atos Potenciais 8.2 Execução da Administração Financeira 8.3 Execução da Dívida Ativa 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 8.8 Apuração de Custos 8.9 Outros Controles 7 Estrutura do PCASP Classe (1º Nível) Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento Grupo (2º Nível) Orçamento Aprovado Subgrupo (3º Nível) Fixação da Despesa Título (4º Nível) Dotação Orçamentária Subtítulo (5º Nível) Dotação Adicional por Tipo de Crédito Item (6º Nível) Crédito Adicional - Especial Subitem (7º Nível) Créditos Especiais Abertos A Separação dos Regimes no PCASP: Patrimonial x Orçamentário 1 Ativo 2 Passivo e Patrimônio Líquido 3 Variação Patrimonial Diminutiva 4 Variação Patrimonial Aumentativa Contabilidade Patrimonial /Regime de Competência (1,2,3 e 4) 5 Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Contabilidade Orçamentária / Regime Misto (5 e 6) 7 Controles Devedores 8 Controles Credores Podem receber registros decorrentes de ambos os regimes 9 Casp Online Social 3

4 O PCASP e a Teoria das Contas 1 Ativo 2 Passivo e Patrimônio Líquido Contas Patrimoniais Visão da Composição Patrimonial 3 Variação Patrimonial Diminutiva 4 Variação Patrimonial Aumentativa Contas de Resultado Visão do Resultado Patrimonial 5 Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Contas Orçamentárias Visão Orçamentária 7 Controles Devedores 8 Controles Credores Contas de Controle Visão dos Atos Potenciais, Controles e Custos 10 Natureza de Informação no PCASP 1 Ativo 3 Variação Patrimonial Diminutiva 2 Passivo 4 Variação Patrimonial Aumentativa D C Informações de Natureza Patrimonial (1,2,3 e 4) 5 Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento D C Informações de Natureza Orçamentária (5 e 6) 7 Controles Devedores 8 Controles Credores D C Informações de Natureza Típica de Controle (7 e 8) 11 DESDOBRAMENTO DE CONTA E QUINTO NÍVEL DO PCASP 12 Casp Online Social 4

5 SEGUNDO O TCE PCASP: Os planos de contas dos entes da Federação somente poderão ser detalhados nos níveis posteriores ao nível na relação de contas do PCASP, disponibilizado pelo TCE/RS, com exceção da abertura do 5º nível em consolidação 13 EXEMPLO CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS A RECEBER - consolidação CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS A RECEBER IPTU - consolidação NÍVEL UTILIZADO NO EXEMPLO: 6o NÍVEL DESDOBRAMENTO: SOMENTE NO SÉTIMO NÍVEL 14 EXCEÇÃO QUINTO NÍVEL DO PCASP NA NP CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS A RECEBER IPTU - consolidação CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS A RECEBER IPTU INTRA OFSS Quinto nível livre para abertura de CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS contas A RECEBER IPTU INTER UNIÃO Utilizado pelo PCASP: 6o nível CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS Desdobramento facultativo: 7o nível A RECEBER IPTU INTER ESTADO CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS A RECEBER IPTU INTER MUNICÍPIOS 15 Casp Online Social 5

6 AFINAL, PARA QUE O TAL DE QUINTO NÍVEL DO PCASP? RESPOSTA: CONSOLIDAÇÃO NACIONAL DO BALANÇO PATRIMONIAL E DA DVP SOMENTE NA NATUREZA PATRIMONIAL 16 O PCASP e A Consolidação Nacional 17 Consolidação Indicador INTER, INTRA e CONSOLIDAÇÃO 1. Desdobramento das contas INTER OFSS de forma a possibilitar a idensficação do outro ente envolvido na transação. Alteração das contas INTER OFFS no quinto nível: x.x.x.x.3.xx.xx Inter OFSS União x.x.x.x.4.xx.xx Inter OFSS Estados x.x.x.x.5.xx.xx Inter OFSS Municípios Nova estrutura das contas de consolidação x.x.x.x CONSOLIDAÇÃO Compreende os saldos que não serão excluídos nos demonstrasvos consolidados do orçamento fiscal e da seguridade social (OFSS). x.x.x.x INTRA OFSS Compreende os saldos que serão excluídos nos demonstrasvos consolidados do Orçamento Fiscal e da Seguridade Social (OFSS) do mesmo ente. x.x.x.x x.x.x.x x.x.x.x INTER- OFSS UNIÃO INTER- OFSS ESTADO INTER- OFSS MUNICÍPIO Compreende os saldos que serão excluídos nos demonstrasvos consolidados do Orçamento Fiscal e da Seguridade Social (OFSS) de entes públicos dissntos, resultantes das transações entre o ente e a União. Compreende os saldos que serão excluídos nos demonstrasvos consolidados do Orçamento Fiscal e da Seguridade Social (OFSS) de entes públicos dissntos, resultantes das transações entre o ente e um estado. Compreende os saldos que serão excluídos nos demonstrasvos consolidados do Orçamento Fiscal e da Seguridade Social (OFSS) de entes públicos dissntos, resultantes das transações entre o ente e um município. 18 Casp Online Social 6

7 MCASP Utilização do dígito 1 no quinto nível PRIMEIRO CASO [...] Transações efetuadas entre uma unidade pertencente ao orçamento fiscal e da seguridade social (OFSS) com pessoa ou unidade que não pertença ao OFSS de ente público [...] 19 OPERAÇÃO COM ENTIDADE PRIVADA D. 3.X.X.X.1.XX.XX.XX.XX.XX (VPD) C. 2.X.X.X.1.XX.XX.XX.XX.XX (PASSIVO) 20 MCASP Utilização do dígito 1 no quinto nível SEGUNDO CASO [...] Bens resultantes de transações entre duas unidades pertencentes ao orçamento do mesmo ente ou de entes distintos [...] 21 Casp Online Social 7

8 Bem da União para o Estado REGISTRO NA UNIÃO Débito: xx.xx VPD Crédito: xx.xx Bens Imóveis REGISTRO NO ESTADO Débito: xx.xx Bens Imóveis Crédito: xx.xx VPA Casp Online Social 8

9 1! Transferência financeira da Adm. Direta para o RPPS: R$ 500,00 Adm. Direta Débito: 3.x.x.x.2 VPD Intra OFSS Crédito: 1.1.x.x.1 AC Consolidação RPPS Débito: 1.1.x.x.1 AC Consolidação Crédito: 4.x.x.x.2 VPA Intra OFSS 25 BP - Adm. Direta BP Autarquia (RPPS) BP - Consolidado S.i S.i. S.i. 10 S.i. 5 1) (500) 500 1) 500 S.i S.i. 495 S.i. 300 S.i. 200 S.i. 15 S.i. 10 S.i. 315 S.i. 210 S.i ) 100 S.i. 10 1) 510 S.i ) ! Recebimento tributo com fato gerador concomitante à arrecadação : R$ 100,00 Débito: 1.1.x.x.1 AC Consolidação Crédito: 4.x.x.x.1 VPA Consolidação 27 Casp Online Social 9

10 BP - Adm. Direta BP Autarquia (RPPS) BP - Consolidado S.i S.i. S.i. 10 S.i. 5 1) 500 (1) 500 1) 500 (1) 2) 100 (1) S.i S.i ) 100 S.i. 300 S.i. 200 S.i. 15 S.i. 10 S.i. 315 S.i. 210 S.i ) 100 2) 200 S.i. 10 1) 510 S.i ) 610 2) 710 (2) 3! Administração Direta liquidando despesa patronal para o RPPS: R$ 400,00 Adm. Direta RPPS Débito: 3.x.x.x.2 VPD Intra OFSS Crédito: 2.1.x.x.2 PC Intra OFSS Débito: 1.1.x.x.2 AC Intra OFSS Crédito: 4.x.x.x.2 VPA Intra OFSS 29 BP - Adm. Direta BP Autarquia (RPPS) BP - Consolidado S.i S.i. S.i. 10 S.i. 5 1) 500 (1) 500 1) 500 (1) 3) 400 (2) 2) 100 (1) 3) 400 (2) S.i S.i ) 100 S.i. 300 S.i. 200 S.i. 15 S.i. 10 S.i. 315 S.i. 210 S.i. 600 S.i. 10 S.i ) 100 1) 510 1) 610 2) 200 3) 910 2) 710 3) ) 710 Casp Online Social 10

11 4! Município - direito a receber da União - convênio: R$ 300,00 REGISTRO NO MUNICÍPIO Débito: 1.x.x.x.3.xx.xx AC Inter União Crédito: 4.x.x.x.3.xx.xx VPA Inter União REGISTRO NA UNIÃO Débito: 3.x.x.x.5.xx.xx VPD Inter Municípios Crédito: 2.x.x.x.5.xx.xx PC Inter Municípios 31 BP - Adm. Direta BP Autarquia (RPPS) BP - Consolidado S.i S.i. S.i. 10 S.i. 5 1) 500 (1) 500 1) 500 (1) 2) 100 (1) 3) 400 (2) 3) 400 (2) 4) 300 S.i S.i ) 100 S.i. 300 S.i. 200 S.i. 15 S.i. 10 S.i. 315 S.i. 210 S.i. S.i. 600 S.i ) 100 1) 510 1) 610 2) 200 3) 910 2) 710 3) ) 710 4) ) Exercício de Fixação (Feijó Ribeiro, 2014) Sobre a influência da consolidação na estrutura das contas do PCASP: a) O PCASP está estruturado para que as classes de natureza da informação patrimonial (1 Ativo, 2 Passivo, 3 VPD, 4 VPA) utilizem o 5º nível para identificação de saldos recíprocos, de forma a permitir a consolidação das demonstrações contábeis; b) As contas de natureza de informação orçamentária não se utilizam do indicador no 5 nível da conta para fins de consolidação; c) Quando o 5º nível for registrado com o número 1 (x.x.x.x Intra OFSS), significará que os saldos não serão excluídos nos demonstrativos consolidados; d) Se o nível de consolidação for registrado com o número 3 (x.x.x.x Inter União), significará que os saldos serão excluídos nos demonstrativos consolidados do OFSS de entes públicos distintos, resultantes das transações entre o ente e a União; e) Quando o 5º nível for registrado com o número 2 (x.x.x.x Intra OFSS), significará que os saldos serão excluídos nos demonstrativos consolidados do OFSS do mesmo ente. 33 Casp Online Social 11

12 Exercício de Fixação (Feijó Ribeiro, 2014) No que se refere ao contexto histórico, competências e prazos do processo de consolidação das contas públicas no Brasil: a) A STN, na qualidade de órgão central de contabilidade da União, é responsável pela função da edição de normas gerais para consolidação das contas públicas, enquanto não for implantado o conselho de que trata o art. 67 da LRF; b) O Poder Executivo da União promoverá, até o dia 30 de novembro, a consolidação nacional e por esfera de governo, das contas dos entes da Federação relativas ao exercício anterior, e deverá providenciar a divulgação da mesma, inclusive por meio eletrônico de acesso público (internet); c) Para que a União possa consolidar os demonstrativos dentro do prazo de sua atribuição, a LRF estabelece que os municípios devem encaminhar suas contas, com cópia para o Poder Executivo do respectivo Estado, até 30 de abril, e os Estados até 31 de maio do ano seguinte; d) De acordo com a LRF, o descumprimento dos prazos impedirá, até que a situação seja regularizada, que o ente da Federação receba transferências voluntárias e contrate operações de crédito, exceto as destinadas ao refinanciamento do principal atualizado da dívida mobiliária; e) A exigência de consolidação das contas públicas está presente na legislação desde 1964, mas somente ganhou a devida importância após a publicação da LRF. 34 ÚLTIMOS EXEMPLOS: AGORA É PARA ENTENDER 35 Consolidação Indicador INTER, INTRA e CONSOLIDAÇÃO Exemplo 1: CONSOLIDAÇÃO Governo do Estado do Piauí liquida despesa de serviços de consultoria junto à FGV. D: VPD SERVICOS DE TERCEIROS PJ CONSOLIDAÇÃO C: FORNECEDORES E CONTAS A P A G A R N A C I O N A I S A C U R T O P R A Z O CONSOLIDAÇÃO NÃO FAZ USO DO PCASP 36 Casp Online Social 12

13 Consolidação Indicador INTER, INTRA e CONSOLIDAÇÃO Exemplo 2 : INTRA - Estado do Amazonas efetuando transferências para a Assembleia LegislaSva do Estado do Amazonas. D: VPD TRANSFERENCIAS CONCEDIDAS PARA A EXECUCAO ORCAMENTARIA INTRAOFSS C: CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL INTRA OFSS D: CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL INTRA OFSS C: VPA TRANSFERÊNCIAS RECEBIDAS PARA A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA INTRAOFSS 37 Consolidação Indicador INTER, INTRA e CONSOLIDAÇÃO Exemplo 3: INTER Governo do Estado do Mato Grosso efetua transferências da cota- parte de IPVA para o município de Cuiabá. D: VPD TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS E LEGAIS INTEROFSS MUNICÍPIO C: CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL CONSOLIDAÇÃO D: CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL CONSOLIDAÇÃO C: VPA TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS E LEGAIS INTER OFSS ESTADO 38 Consolidação Indicador INTER, INTRA e CONSOLIDAÇÃO Exemplo 4: INTER - Município de São Paulo/SP efetuando a liquidação de serviços educacionais contratados da Escola de Governo do Estado de São Paulo (EGAP/FUNDAP). D: VPD SERVIÇOS TERCEIROS - PJ ESTADO C: FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PRAZO INTEROFSS ESTADO D: CLIENTES INTEROFSS C: VPA VENDA BRUTA DE PRODUTOS INTEROFSS MUNICÍPIO 39 Casp Online Social 13

14 Consolidação Indicador INTER, INTRA e CONSOLIDAÇÃO Exemplo 5: INTER Escola de Administração Fazendária (ESAF/União) efetuando a liquidação de serviços de consultoria contratados da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ/RJ). D: VPD SERVIÇOS TERCEIROS - PJ INTEROFSS ESTADO C: FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PRAZO INTEROFSS ESTADO D: CLIENTES INTEROFSS C: VPA VENDA BRUTA DE PRODUTOS INTEROFSS UNIÃO 40 Primeira parte: entendendo o PCASP Segunda parte: entendendo a natureza patrimonial Terceira parte: entendendo a natureza orçamentária Quarta parte: entendendo a natureza de controle Quinta parte: exercícios conjuntos 41 Lógica do Registro nas Naturezas de Informação Orçamentária e de Controle 5 Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Aprovação Fixação da Despesa Previsão da Receita Execução Empenho Liquidação Pagamento Inscrição de Restos a Pagar 7 Controles Devedores 8 Controles Credores Registro de contratos Receita Realizada Execução de contratos 42 Casp Online Social 14

15 Controles da Aprovação e Execução do Orçamento no PCASP 43 Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2 Ativo Não Circulante 2 - Passivo 2.1 Passivo Circulante 2.2 Passivo Não Circulante 3 Variação Patrimonial Diminutiva Pessoal e Encargos 3.2 Benefícios Previdenciários e Assistenciais Outras Variações Patrimoniais Diminutivas 5 Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 5.1 Planejamento Aprovado 5.2 Orçamento Aprovado 5.3 Inscrição de Restos a Pagar Patrimônio Líquido 4 Variação Patrimonial Aumentativa 4.1 Impostos, Taxas e Contribuições de Melhoria Contribuições Outras Variações Patrimoniais Aumentativas 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento 6.1 Execução do Planejamento 6.2 Execução do Orçamento 6.3 Execução de Restos a Pagar 1º LANÇAMENTO - HORIZONTAL 7 Controles Devedores 8 Controles Credores 7.1 Atos Potenciais 8.1 Execução dos Atos Potenciais 7.2 Administração Financeira 8.2 Execução da Administração Financeira 7.3 Dívida Ativa 1º LANÇAMENTO HORIZONTAL Execução da Dívida Ativa 7.4 Riscos Fiscais 8.4 Execução dos Riscos Fiscais 7.8 Custos 8.8 Apuração de Custos 7.9 Outros Controles 8.9 Outros Controles 44 Visão Geral dos Controles da Dotação Autorizada Crédito Inicial (1) Aprovação da LOA Crédito Adicional Suplementar (2) Aprovação do Crédito - Suplementar Crédito Adicional Especial (5) Cancelamento do Crédito Crédito Disponível (1) Aprovação da LOA (2) Aprovação do Crédito - Suplementar (3) Aprovação do Crédito - Especial (4) Aprovação do Crédito - Extraordinário (3) Aprovação do Crédito - Especial Crédito Adicional Extraordinário (4) Aprovação do Crédito - Extraordinário (-) Cancelamento de Dotações (5) Cancelamento do Crédito 45 Casp Online Social 15

16 Lógica do Registro Contábil 5 Controles da Aprovação do Planejamento e Orçamento 6 Controles da Execução do Planejamento e Orçamento Demais Lançamentos - Vertical 7 Controles Devedores 8 Controles Credores Demais Lançamentos - Vertical 46 Visão Geral da Execução dos Restos a Pagar Não Processados RP Não Processados a Liquidar (1) Fato Gerador de VPD sem Liquidação Saldo de Inscrição de RPNP a Liquidar (*) (5) Cancelamento de RPNP a Liquidar (4) Bloqueio de RPNP a Liquidar (2) Liquidação de RPNP RP Não Processados em Liquidação RP Não Processados Liquidados a Pagar Saldo de Inscrição de RPNP em Liquidação (*) (1) Fato Gerador da VPD sem Liquidação (3) Pagamento de RPNP (2) Liquidação de RPNP RP Não Processados Liquidados Pagos (3) Pagamento de RPNP RP Não Processados a Liquidar Bloqueados (4) Bloqueio de RPNP a Liquidar RP Não Processados Cancelados (5) Cancelamento de RPNP a Liquidar 47 O Mundo Orçamentário Qual o regime adotado no Brasil? Regime Orçamentário Regime Patrimonial Regime Orçamentário: regime adotado no Brasil para reconhecimento das receitas e despesas orçamentárias (regime de caixa para as receitas e de empenho para as despesas), por força das disposições constantes do art. 35 da Lei Federal nº 4.320/64. Art. 35 Pertencem ao exercício financeiro: I as receitas nele arrecadadas; II as despesas nele legalmente empenhadas. Lei Federal nº 4.320/64 No Brasil a administração pública deve adotar o regime orçamentário de caixa para as receitas e o de empenho para as despesas. Obs.: o regime CONTÁBIL é o de competência. 48 Casp Online Social 16

17 Termos Relacionados ao Orçamento Público Crédito Orçamentário Crédito Antecipado LDO Crédito Inicial Crédito Adicional Crédito Suplementar Crédito Especial Crédito Extraordinário Crédito Cancelado Quadro de Detalhamento da Despesa 49 Controles do Orçamento no PCASP 1. Ativo 3. Variações Patrimoniais Diminutivas 2. Passivo e Patrimônio Líquido 4. Variações Patrimoniais Aumentativas 5. Controles da Aprovação do Planejamento e do Orçamento 6. Controles da Execução do Planejamento e do Orçamento 7. Controles Devedores 8. Controles Credores 50 Controles da Receita Orçamentária no PCASP 51 Casp Online Social 17

18 Estágios da Receita PREVISÃO LANÇAMENTO METODOLOGIA ARRECADAÇÃO CAIXAS BANCOS UNIDADE DE CAIXA RECOLHIMENTO CLASSIFICAÇÃO DESTINAÇÃO Fonte: 52 Codificação da Receita Orçamentária CATEGORIA ECONÔMICA Receita Corrente ORIGEM Receita Tributária ESPÉCIE Impostos RUBRICA Imposto Sobre Patrimônio Renda ALÍNEA Imp. S/ Renda e Prov. Qualquer Natureza SUBALÍNEA Pessoas Físicas PCASP TCE RS Fonte: 53 Subgrupos de Controle do Orçamento no PCASP 5.2- Orçamento Aprovado 6.2 Execução do Orçamento Previsão da Receita Execução da Receita Compreende o somatório dos valores relativos à previsão da receita pública aprovada pela lei orçamentária anual e suas alterações Fixação da Despesa Compreende o somatório dos valores relativos à fixação da despesa pública aprovada pela lei orçamentária e suas alterações. Compreende o somatório dos valores relativos à realização da receita pública aprovada pela lei orçamentária anual e suas alterações Execução da Despesa Compreende o somatório da disponibilidade de crédito orçamentário e da execução da despesa em suas diversas etapas. 54 Casp Online Social 18

19 Títulos de Controle da Receita no PCASP Previsão da Receita Execução da Receita Previsão Inicial da Receita Receita a Realizar Compreende o valor da previsão inicial da receita aprovado na Registra o somatório dos valores relativos à receita pública LOA. aprovada pela lei orçamentária anual e suas alterações, detalhadas por natureza de receita Previsão Inicial da Receita Bruta Receita Realizada Registra a previsão inicial da receita bruta aprovada na LOA. Registra o somatório dos valores relativos às receitas realizadas, detalhada por natureza de receita ( - ) Previsão Deduções da Receita Deduções da Receita Realizada Compreende a previsão de deduções da receita bruta Compreende o somatório dos valores relativos às deduções de aprovada na LOA. receitas realizadas (devoluções, restituições e outras), detalhadas por natureza de receita Alteração da Previsão da Receita Compreende o valor adicional e de anulação da receita prevista Previsão Adicional da Receita Compreende o valor adicional da receita para abertura de créditos adicionais ( - ) Anulação da Previsão da Receita Compreende o valor da anulação da receita prevista no orçamento, na gestão de fundos e nas administrações direta e indireta. 55 Registros Contábeis Previsão Inicial da Receita Ato/Fato 1 Registro da previsão da receita orçamentária da Secretaria Municipal da Fazenda no valor bruto de $ , referente ao F.P.M. Fundo de Participação dos Municípios (do qual $ serão destinados ao FUNDEB). Registro da Previsão da Receita de F.P.M Previsão Inicial da Receita Bruta Receita a Realizar (1.1) $ (1.2) $ (1.1) $ (-) Previsão de Deduções da Receita/Fundeb (1.2) $ Naturezas Orçamentárias das Receitas: Cota Parte F.P.M.: Retificadora FUNDEB: Registros Contábeis Previsão Inicial da Receita Ato/Fato 2 Registro da previsão da receita orçamentária da Secretaria Municipal da Educação no valor bruto de $ referente às transferências para formação do Fundeb. Registro da Previsão da Receita do FUNDEB Previsão Inicial da Receita Bruta Receita a Realizar (2) $ (2) $ Natureza Orçamentária da Receita: Transferências do FUNDEB: Casp Online Social 19

20 Estudo de Caso Dedução de Receita Prezados, bom dia! Sobre a renúncia de receitas, exemplo: desconto do IPTU pelo pagamento à vista. É necessário prever o valor a ser renunciado, quando da elaboração do PLOA/2013, em conta retificadora de receita ( renúncia de receita corrente), nos termos do inciso I do artigo 14 da LRF? Como contabilizar a renuncia (pelo líquido ou pelo bruto e os devidos descontos)? Fonte: 58 Estudo de Caso Dedução de Receita Princípio do Orçamento Bruto Lei 4.320/64: Art. 6º Todas as receitas e despesas constarão da Lei de Orçamento pelos seus totais, vedadas quaisquer deduções. O reconhecimento do desconto pelo pagamento antecipado de um tributo, conforme o caso apresentado, deverá ser feito por dedução da receita orçamentária. Se for possível prever o valor a ser deduzido, deve-se incluir a previsão da dedução da receita bruta na própria lei orçamentária. Caso não seja possível, registrar apenas a previsão bruta, registrando a dedução no momento em que for registrada a arrecadação da receita orçamentária Fonte: 59 Estudo de Caso Dedução de Receita Lançamentos Previsão de Receita de com dedução prevista de 200: Previsão da Receita D Previsão Inicial da Receita Bruta R$,00 C * Previsão da Dedução da Rec. Bruta R$,00 C Receita a Realizar R$,00 Arrecadação D Receita a Realizar C Receita Realizada R$,00 D * Dedução da Receita Realizada C Receita a Realizar R$,00 PREVISÃO BALANCETE EXECUÇÃO Prev. Inicial da Rec Receita a Realizar Prev. Inicial da Rec. Bruta * Prev. de Dedução da Rec. Bruta TOTAL Rec. Realizada * Dedução Rec. Realiz. TOTAL Fonte: 60 Casp Online Social 20

21 Lançamentos: Estudo de Caso Dedução de Receita Previsão da Receita D Previsão Inicial da Receita Bruta R$ 1.000,00 C * Previsão da Dedução da Rec. Bruta R$ 200,00 C Receita a Realizar R$ 800,00 Arrecadação D Receita a Realizar C Receita Realizada R$ 1.000,00 D * Dedução da Receita Realizada C Receita a Realizar R$ 200,00 PREVISÃO BALANCETE EXECUÇÃO Prev. Inicial da Rec Receita a Realizar Prev. Inicial da Rec. Bruta * Prev. de Dedução da Rec. Bruta Rec. Realizada * Dedução Rec. Realiz. 200 Fonte: (200) TOTAL 800 TOTAL Controle das Deduções de Receita no PCASP Conta PCASP Título Função ( - ) Fundeb ( - ) Renúncia ( - ) Deduções por Transferências Constitucionais e Legais ( - ) Transferências Constitucionais a Municípios ( - ) Outras Deduções Registra a previsão de dedução da receita aprovada na LOA por transferências constitucionais e legais. Registra a previsão da dedução da receita aprovada na LOA por transferências ao FUNDEB. Registra a previsão de dedução da receita aprovada na LOA por transferências constitucionais a municípios. Registra a previsão de renúncia da receita aprovada na LOA. Registra a previsão de outras deduções da receita aprovada na LOA. 62 Controle das Alterações da Previsão da Receita Conta PCASP Título Função Alteração da Previsão da Receita Previsão Adicional da Receita Reestimativa Correção ( - ) Anulação da Previsão da Receita Compreende o valor adicional da receita para abertura de créditos adicionais, bem como as respectivas anulações. Compreende o valor adicional da receita para abertura de créditos adicionais. Registra o valor adicional da receita para abertura de créditos adicionais por motivo de reestimativa da receita. Registra o valor adicional da receita para abertura de créditos adicionais por motivo de correção de erros ou omissões na estimativa da receita. Compreende o valor da anulação da receita prevista no orçamento, na gestão de fundos e nas administrações direta e indireta. 63 Casp Online Social 21

22 Registros Contábeis Previsão Adicional da Receita Ato/Fato 3 Durante a execução orçamentária foi constatado excesso de arrecadação de $ na rubrica de transferências de recursos do SUS, valor este utilizado para abertura de crédito adicional conforme autorização da LOA. Registro da Previsão da Adicional da Receita de Transferências do SUS Previsão Adicional da Receita/Reestimativa Receita a Realizar (3) $ (3) $ Natureza Orçamentária da Receita: Transferências do SUS: Registros Contábeis Anulação da Previsão da Receita Ato/Fato 4 Em virtude da ocorrência de frustração de receita respaldada por alteração na LOA, a previsão inicial da receita de IPTU no valor de $ foi atualizada para um valor menor, da ordem de $ Registro da Anulação da Previsão da Receita Anulação da Previsão da Receita Receita a Realizar (4) $ (4) $ Natureza Orçamentária da Receita: Receita Tributária IPTU: Subgrupos de Controle do Orçamento no PCASP 5.2- Orçamento Aprovado 6.2 Execução do Orçamento Previsão da Receita Execução da Receita Compreende o somatório dos valores relativos à previsão da receita pública aprovada pela lei orçamentária anual e suas alterações Fixação da Despesa Compreende o somatório dos valores relativos à fixação da despesa pública aprovada pela lei orçamentária e suas alterações. Compreende o somatório dos valores relativos à realização da receita pública aprovada pela lei orçamentária anual e suas alterações Execução da Despesa Compreende o somatório da disponibilidade de crédito orçamentário e da execução da despesa em suas diversas etapas. 66 Casp Online Social 22

23 Controles da Execução da Receita no PCASP O controle da execução da receita consiste basicamente no registro do valor arrecadado em contrapartida do que se espera arrecadar. Os lançamentos da arrecadação são realizados na classe 6 CEPO. Natureza Conta PCASP D/C Título da Conta Orçamentária D Receita a Realizar C Receita Realizada No registro de algumas receitas faz-se necessário também o procedimento de dedução, sendo utilizado, nesse caso, conta do subtítulo X ( - ) Deduções da Receita Orçamentária (lançamento a débito). 67 Controle das Deduções da Receita Realizada Conta PCASP Título Função ( - ) Fundeb ( - ) Renúncia ( - ) Deduções por Transferências Constitucionais e Legais ( - ) Transferências Constitucionais a Municípios ( - ) Outras Deduções da Receita Realizada Compreende o somatório dos valores relativos às deduções de receitas realizadas por transferências constitucionais e legais, detalhadas por natureza de receita. Registra o somatório dos valores relativos às deduções de receitas realizadas por transferências ao Fundeb. Registra o somatório dos valores relativos às deduções de receitas realizadas por t r a n s f e r ê n c i a s c o n s t i t u c i o n a i s a o s municípios. Registra o somatório dos valores relativos às deduções de receitas realizadas por renúncia, detalhadas por natureza de receita. Registra o somatório dos valores relativos às outras deduções de receitas realizadas, detalhadas por natureza de receita. 68 Registros Contábeis Execução da Receita Ato/Fato 5 Registro da arrecadação da receita orçamentária da Secretaria Municipal da Fazenda no valor bruto de $ 5.000, referente à Cota Parte do ICMS Estado (do qual $ serão destinados ao FUNDEB). Registro da Arrecadação da Receita da Cota-Parte ICMS Estado Receita a Realizar Receita Realizada (5.1) $ (5.2) $ (5.1) $ (-) Deduções Transf. Const. Legais/Fundeb (5.2) $ Naturezas Orçamentárias das Receitas: Cota Parte ICMS: Retificadora FUNDEB: Casp Online Social 23

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo 10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público CH: 1:20 h Conteúdo: 1. Aspectos gerais do Plano

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação ao arquivos publicados em 03/06/2014: Item alterado/incluído Motivo Regras de consolidação. b.8 Numeração errada. Regras de consistência, b Exclui-se as consignações do passivo financeiro

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA Demonstrações Contábeis José Rafael Corrêa Quanto mais eu sei, mais eu descubro que nada eu sei Sócrates 1 Conceitos CONTABILIDADE INFORMAÇÃO Informação

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação aos arquivos publicados em 10/11/2014: Item alterado/incluído Evento 1.9 Evento 2.20.8 Evento 2.72.13 Motivo Obs: Os créditos relativos à Dívida Ativa podem ser registrados somente

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

PCASP e os Consórcios Públicos

PCASP e os Consórcios Públicos Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF V FÓRUM MINEIRO DE CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL Junho/2015 Conteúdo PCASP: introdução,

Leia mais

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013 PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013 Patrícia Dutra Auditora Pública Externa - Contadora A LRF instituiu a necessidade do Poder Executivo da União realizar, anualmente, a consolidação nacional

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PÚBLICA - SICAP/CONTÁBIL ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público Portaria Conjunta STN/SOF nº 02/2012 Portaria STN nº 437/2012

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL. INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 03 Encerramento de Contas Contábeis no PCASP

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL. INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 03 Encerramento de Contas Contábeis no PCASP REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 03 Encerramento de Contas Contábeis no PCASP 2013 IPC

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

Estado de Santa Catarina Tribunal de Contas de Santa Catarina EVENTOS c/c DÉBITO c/c CRÉDITO

Estado de Santa Catarina Tribunal de Contas de Santa Catarina EVENTOS c/c DÉBITO c/c CRÉDITO 001 Previsão orçamentária inicial da receita Estado de Santa Catarina 1 5.2.1.1.1.00.00 Previsão inicial da receita bruta 1 6.2.1.1.0.00.00 Receita a realizar 002 Previsão adicional da receita 1 5.2.1.2.1.XX.XX

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E AUDITORIA PÚBLICA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E AUDITORIA PÚBLICA IESP INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DA PARAÍBA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E AUDITORIA PÚBLICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO E AUDITORIA PÚBLICA DISCIPLINA: CONTABILIDADE E CONTROLADORIA

Leia mais

Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul.

Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul. Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul. Público Alvo: Servidores de Prefeituras do Estado do Rio Grande do Sul que atuam na área contábil.

Leia mais

Empresa Munic. de Transporte Urbano Presidente Figueiredo

Empresa Munic. de Transporte Urbano Presidente Figueiredo 03698709/000109 Exercício: 2015 BALANCETEISOLADO EMPRESA MUNICIPAL DE TRANSPORTE URBANO EMTU (UG:5) Página 1 de 5 100000000 05 ATIVO 343.632,70 139.134,52 114.972,75 367.794,47 110000000 05 ATIVO CIRCULANTE

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis Contabilidade Pública Aula 4 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Plano de Contas Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão Consiste em um rol ordenado de forma sistematizada de contas

Leia mais

47º Congresso ARTAFAM - 2013. Diogo Duarte Barbosa. Novo PCASP - Consolidação a par0r do quinto nível - Aspectos prá0cos e polêmicos.

47º Congresso ARTAFAM - 2013. Diogo Duarte Barbosa. Novo PCASP - Consolidação a par0r do quinto nível - Aspectos prá0cos e polêmicos. 47º Congresso ARTAFAM - 2013 Diogo Duarte Barbosa Novo PCASP - Consolidação a par0r do quinto nível - Aspectos prá0cos e polêmicos. Quais são as novas normas? Facebook.com/casponline NOVAS NORMAS DE CASP

Leia mais

939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA

939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA s s 100000000000 ATIVO 939.108,16 582.338,94 553.736,74 967.710,36 110000000000 ATIVO CIRCULANTE 468.462,90 582.338,94 553.736,74 497.065,10 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 111100000000 CAIXA

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 03. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 03. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Olá, ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À Aula 03 MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Dando continuidade ao nosso estudo dirigido, hoje veremos os seguintes tópicos: 01.04.04

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2015).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2015).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3. MANUAL DE ABERTURA DO EXERCÍCIO 2015 E ENCERRAMENTO DE 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2015)...5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS...5 3 TABELAS A SEREM PREENCHIDAS

Leia mais

Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT Última Atualização: 12/01/2010 Programa do Módulo 2 1. Plano de

Leia mais

Análise de Balanços. Flávia Moura

Análise de Balanços. Flávia Moura Análise de Balanços Flávia Moura 1 Tópicos para Reflexão O que é análise de balanços? A análise de balanços consiste em proceder a investigações dos fatos com base nos dados Para que serve a análise de

Leia mais

Roteiro completo para a contabilização e conferencia da Dívida Fundada

Roteiro completo para a contabilização e conferencia da Dívida Fundada Roteiro completo para a contabilização e conferencia da Dívida Fundada 1º - Transferência da dívida permanente de longo prazo para a dívida permanente de curto prazo. Em conformidade a Lei n 6.404/1976

Leia mais

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF 01 No momento da elaboração do projeto de lei orçamentária anual deve se atentar para algumas normas contidas nas legislações pertinentes à matéria.

Leia mais

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC.

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC. 1 ANEXO III - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 MODELOS E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SÃO AS EXTRAÍDAS DOS LIVROS, REGISTROS E

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional;

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional; Código: MAP-DIFIN-001 Versão: 00 Data de Emissão: XX/XX/XXXX Elaborado por: Gerência de Contabilidade Aprovado por: Diretoria de Finanças e Informações de Custos 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2014).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2014).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3. MANUAL DE ABERTURA DO EXERCÍCIO 2014 E ENCERRAMENTO DE 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2014)...5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS...5 3 TABELAS A SEREM PREENCHIDAS

Leia mais

30/06/2015 IPSAS. Lançamentos Contábeis Típicos e DCASP MCASP. Lucy Fátima de Assis Freitas. 6ª Edição - 2015 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS

30/06/2015 IPSAS. Lançamentos Contábeis Típicos e DCASP MCASP. Lucy Fátima de Assis Freitas. 6ª Edição - 2015 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS CONVERGÊNCIA CONTÁBIL SETOR PUBLICO BRASILEIRO Lançamentos Contábeis Típicos e DCASP Lucy átima de Assis reitas Plano de Implantação Procedimentos Contábeis Patrimoniais Regulamenta o art. 13 da Portaria

Leia mais

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG CONCURSO: APO/MPOG/2010 66. (ESAF APO/MPOG/2010) Assinale a opção verdadeira a respeito do objeto, regime e campo de aplicação da contabilidade

Leia mais

Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS

Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS Contabilidade Pública & Plano de Contas RPPS Por Otoni Gonçalves Guimarães Natal- RN, 18 de junho de 2015 1 DESAFIO Equilíbrio Financeiro e Atuarial Pressuposto Básico Existência de recursos (ativos) suficientes

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Departamento de Desenvolvimento Profissional Home Page: www.crc.org.br E-mail: cursos@crcrj.org.br DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR

Leia mais

RESUMÃO. Administração Direta dos entes públicos;

RESUMÃO. Administração Direta dos entes públicos; RESUMÃO CONTABILIDADE PÚBLICA A Contabilidade Pública é um ramo da ciência contábil e tem o objetivo de captar, registrar e interpretar os fenômenos que afetam as situações orçamentárias, financeiras e

Leia mais

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS

[Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo. 1.1.1.1.2.00.00 - Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional - Intra OFSS [Anexo I-AB] Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Qname siconfi-dca-anexo1abhi : BalancoPatrimonialAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoAbstract siconfi-dca-anexo1abhi : AtivoLineItems siconfi-cor :

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

Anexo Único da Portaria nº 175 de 15 de janeiro de 2014.

Anexo Único da Portaria nº 175 de 15 de janeiro de 2014. Anexo Único da Portaria nº 175 de 15 de janeiro de 2014. Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 004/2013 Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis para os registros patrimoniais e orçamentários do Fundo

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 01. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 01. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Aula 01 MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Abordaremos os seguintes pontos: 01.03.03 reconhecimento da receita orçamentária. 01.03.03.01 relacionamento do regime orçamentário com o regime

Leia mais

Tabela de Fatos - DCA 2014

Tabela de Fatos - DCA 2014 Tabela de Fatos - DCA 2014 Element siconfi-cor:p1.0.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.1.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.2.00.00

Leia mais

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade Metas Fiscais e Riscos Fiscais Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Curso Multiplicadores 2012 Programa do Módulo 2 Metas Fiscais e Riscos Fiscais CH: 04 h Conteúdo: 1.

Leia mais

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público QUEM ATUALIZOU AS DEMONSTRAÇÕES?

Leia mais

APRESENTAÇÃO PROFESSOR IGOR N OLIVEIRA CONTABILIDADE PÚBLICA E AFO. Apresentação

APRESENTAÇÃO PROFESSOR IGOR N OLIVEIRA CONTABILIDADE PÚBLICA E AFO. Apresentação Olá meus nobres concurseiros (as)! Apresentação Meu nome é Igor Nascimento Oliveira, tenho 30 anos e sou natural de Minas Gerais. Fui oficial da Marinha do Brasil, formado pela Escola Naval em 2002. Naquela

Leia mais

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 Apresentação Este volume compõe o Balanço Geral do Estado do exercício financeiro 2010. Nele são apresentados os anexos exigidos na LEI 4.320/64. LUIZ MARCOS DE LIMA SUPERINTENDENTE

Leia mais

NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO. A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP.

NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO. A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP. NOVO MODELO DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO A experiência do Estado do Rio de Janeiro na implementação do PCASP. A CONTADORIA GERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Entendendo a estrutura administrativa

Leia mais

Administração Financeira Orçamentária- prof. Daniel Dantas

Administração Financeira Orçamentária- prof. Daniel Dantas Administração Financeira Orçamentária- prof. Daniel Dantas 1 - O atendimento ao princípio orçamentário da universalidade é condição necessária para que o ente governamental possa realizar operações de

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1 - RECEITAS 1.1 - Orçamento da Receita 1.2 - Receita Prevista 1.3 - Execução Orçamentária da Receita ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA I - Verificar se os registros das

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

Execução Orçamentária e Financeira

Execução Orçamentária e Financeira Execução Orçamentária e Financeira Introdutório aos cursos dos Sistemas de Contabilidade e Gastos Públicos Setembro / 2008 Administração Pública Classifica-se, conforme a CF/88 em: Administração Direta

Leia mais

Análise Contábil do Relatório de

Análise Contábil do Relatório de Análise Contábil do Relatório de Controle Interno Gerência de Contabilidade Centralizada Diretoria de Contabilidade Geral Flávio van GEORGE Rocha Sir. Flávio van GEORGE Rocha Composição do Relatório: 1.

Leia mais

Estudo de Caso 1 Classificação de Software

Estudo de Caso 1 Classificação de Software ESTUDOS DE CASO Procedimentos Contábeis Orçamentários -PCO Estudo de Caso 1 Classificação de Software Tenho a seguinte duvida: - A portaria 448/2002, em seu anexo III, relaciona o item aquisição de softwares

Leia mais

Semana de Administração, Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas dos Estados e Municípios Contabilidade Pública Básica

Semana de Administração, Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas dos Estados e Municípios Contabilidade Pública Básica Semana de Administração, Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas dos Estados e Municípios Contabilidade Pública Básica Organização: Paulo Henrique Feijó Welinton Vitor dos Santos Heriberto

Leia mais

115610000000 ALMOXARIFADO - CONSOLIDAÇÃO 115810000000 OUTROS ESTOQUES - CONSOLIDAÇÃO

115610000000 ALMOXARIFADO - CONSOLIDAÇÃO 115810000000 OUTROS ESTOQUES - CONSOLIDAÇÃO 100000000000 ATIVO 329.083,39 911.970,67 872.747,07 368.306,99 110000000000 ATIVO CIRCULANTE 3.073,50 898.201,87 872.747,07 28.528,30 111000000000 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 111100000000 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS. Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF

CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS. Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Reconhecimento do crédito tributário Reconhecimento do direito pelo fato gerador D 1.1.2.2.x.xx.xx Créditos

Leia mais

1 de Verificação - 2014 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 1.2.3.1.1.03.02 (40966) MÓVEIS MÁQUINAS E E UTENSÍLIOS DE ESCRITÓRIO 339.159,49D 25.

1 de Verificação - 2014 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 1.2.3.1.1.03.02 (40966) MÓVEIS MÁQUINAS E E UTENSÍLIOS DE ESCRITÓRIO 339.159,49D 25. 1 de Verificação - 2014 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 1.217.589,73D 1.245.340,55D Atual1/8 ATIVO CIRCULANTE 588.962,97D 151.410,23D 194.301,54 188.047,63 166.550,72 160.296,81 616.713,79D 1.1.1.1.1.50.99

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

ANEXO DE RISCOS FISCAIS TABELA 1 - DEMONSTRATIVO DE RISCOS FISCAIS E PROVIDÊNCIAS 2013 ARF (LRF, art. 4º, 3º) PASSIVOS CONTINGENTES PROVIDÊNCIAS Descrição Valor Descrição Valor Abertura de créditos adicionais

Leia mais

1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição

1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 1 de Verificação - 2015 Subsist. C.Sup. Fin.Descrição 129.967,90D 130.464,22D 1/8 1.1.1.1.1.01 ATIVO CIRCULANTE 54.320,75D 54.817,07D E EQUIVALENTES CAIXA MOEDA NACIONAL - CONSOLIDAÇÃO 51.666,68D 497.996,11

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

Lançamentos Típicos de entidades do setor público

Lançamentos Típicos de entidades do setor público Lançamentos Típicos de entidades do setor público Efetue os lançamentos típicos a partir das informações captadas em cada caso típico do município de Sinopolandia do Norte. etermine inicialmente a Natureza

Leia mais

O QUE FAZER COM OS RECURSOS SEM DESPESAS CORRESPONDENTES NA LOA EM RAZÃO DE VETO, EMENDA OU REJEIÇÃO?

O QUE FAZER COM OS RECURSOS SEM DESPESAS CORRESPONDENTES NA LOA EM RAZÃO DE VETO, EMENDA OU REJEIÇÃO? O QUE FAZER COM OS RECURSOS SEM DESPESAS CORRESPONDENTES NA LOA EM RAZÃO DE VETO, EMENDA OU REJEIÇÃO? Robison Carlos Miranda Pereira Aluno do 7º período do curso de Direito do Unicentro Newton Paiva, graduado

Leia mais

1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2012).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.1.2.7 3.

1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2012).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.1.2.7 3. MANUAL DE ABERTURA DO EXERCÍCIO 2012 E ENCERRAMENTO DE 2011 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2012)...5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS...5 3 TABELAS A SEREM PREENCHIDAS

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

ROTINAS E PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS DA UNIÃO PARTE II EXECUÇÃO DA DESPESA

ROTINAS E PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS DA UNIÃO PARTE II EXECUÇÃO DA DESPESA ROTINAS E PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS DA UNIÃO PARTE II EXECUÇÃO DA DESPESA Versão: 25.08.2014 MINISTRO DE ESTADO DA FAZENDA Guido Mantega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Paulo Rogério Caffarelli SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO CRC-DF DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO Domingos Poubel de Castro Brasília/DF, 18 de Maio de 2012 NECESSIDADES PERMANENTES DO GESTOR INFORMAÇÕES CONTROLE Cenário Externo 0800 570 0800

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

PCASP UNIÃO LANÇAMENTOS CONTÁBEIS

PCASP UNIÃO LANÇAMENTOS CONTÁBEIS PCASP UNIÃO LANÇAMENTOS CONTÁBEIS Data de Emissão: 28 de agosto de 2012 Coordenador Geral de Contabilidade e Custos da União Francisco Wayne Moreira Coordenadora de Contabilidade da União Bárbara Verônica

Leia mais

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010 6º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais 17 e 18 de junho de 2010 RECEITAS E DESPESAS PÚBLICAS: Enfoque Orçamentário X Enfoque Patrimonial

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA LEI Nº 875/2009 DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA ELABORAÇÃO DA LEI ORÇAMENTÁRIA PARA O EXERCÍCIO DE 2010, E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE JURANDA,, faz saber a todos os

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA CAPITULO III CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO DIRETA 31 3 CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3.1 DOS BALANÇOS 3.1.1 - Resultado Financeiro do Exercício Considerando que a receita arrecadada

Leia mais

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente:

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Assunto: Procedimentos contábeis, administrativos e patrimoniais para o fechamento das contas do exercício de 2011 e abertura das contas de 2012. Dentro

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA NO MEC

GESTÃO FINANCEIRA NO MEC GESTÃO FINANCEIRA NO MEC IARA FERREIRA PINHEIRO Subsecretária Base Legal LEGISLAÇÃO BÁSICA: Lei nº 4.320/1964 Normas Gerais de Direito Financeiro Decreto nº 93.872/1986 Unificação da Conta Única Lei nº

Leia mais

Nota Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário.

Nota Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário. Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Assunto: Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário. 1 Trata-se de orientação acerca do reconhecimento contábil de obrigações sem suporte orçamentário

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS 1. DIVULGAÇÃO DE POLÍTICAS CONTÁBEIS Políticas contábeis são os princípios, bases, convenções, regras e procedimentos específicos aplicados pela entidade na elaboração e na apresentação

Leia mais

BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013

BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DO LIVRAMENTO SECRETARIA DA FAZENDA BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013 Receita Despesa ORÇAMENTÁRIA (1) ORÇAMENTÁRIA (5) Receitas Orçamentárias Despesas

Leia mais

02.10 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES 02.10.01 INTRODUÇÃO

02.10 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES 02.10.01 INTRODUÇÃO 02.10 PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES 02.10.01 INTRODUÇÃO A normatização dos procedimentos contábeis relativos a provisões, passivos contingentes e ativos contingentes foi elaborada

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 ESPECIFICAÇÃO 2014 2013

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO Ativo Circulante 1.149.479.180,77 989.839.743,43 Passivo Circulante 317.274.300,38 283.051.918,44 Caixa e Equiv. Caixa Moeda Nacional 800.954.874,69 676.326.925,34 Obrig.

Leia mais

Assunto: Fechamento Contábil do Exercício de 2014 e Abertura de 2015

Assunto: Fechamento Contábil do Exercício de 2014 e Abertura de 2015 NOTA TÉCNICA DE PROCEDIMENTO CONTÁBIL N 002/2014 Florianópolis, 07 de novembro de 2014. Assunto: Fechamento Contábil do Exercício de 2014 e Abertura de 2015 Trata-se de revisão da Orientação Técnica DCOG/GECOC

Leia mais

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS. Professor João Eudes Bezerra Filho

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS. Professor João Eudes Bezerra Filho PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS Professor João Eudes Bezerra Filho DIAGNÓSTICO: CENÁRIO ATUAL DIMENSÃO CONTABILIDADE PATRIMONIAL ATIVO FINANCEIRO ATIVO FINANCEIRO Disponível Caixa (Tesouraria)

Leia mais

Olá, pessoal! Fraternal abraço! Prof. Alipio Filho

Olá, pessoal! Fraternal abraço! Prof. Alipio Filho Olá, pessoal! Comento neste toque as questões de Contabilidade Pública e Orçamento Público que caíram no concurso para conselheiro substituto do TCE-AM. A banca foi a Fundação Carlos Chagas. Aproveito

Leia mais

Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015

Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015 Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015 Estabelece normas para execução orçamentária, e define a programação financeira para o exercício de 2015 e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Distrito Federal. Plano de Contas. 2ª Edição. Dez/2013 Subsecretaria de Contabilidade COPROT

Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Distrito Federal. Plano de Contas. 2ª Edição. Dez/2013 Subsecretaria de Contabilidade COPROT Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Distrito Federal Plano de Contas 2ª Edição Dez/2013 Subsecretaria de Contabilidade COPROT Subsecretaria de Contabilidade COPROT Manual de Contabilidade

Leia mais

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00

Prefeitura Municipal de Farias Brito GOVERNO MUNICIPAL CNPJ n 07.595.572/0001-00 ANEXO I PREGÃO Nº 2012.12.12.1 TERMO DE REFERÊNCIA Com a especificação dos serviços de assessoria, consultoria, execução contábil, justificativas, defesas e recursos de processos administrativos junto

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno INSTRUÇÃO NORMATIVA UCCI 001/2014 Versão 01 ASSUNTO: Instrução Normativa

Leia mais

10.936.971,00 3.2.4.3.1.00.00 - Benefícios Eventuais por Situações de Vulnerabilidade Temporária - Consolidação

10.936.971,00 3.2.4.3.1.00.00 - Benefícios Eventuais por Situações de Vulnerabilidade Temporária - Consolidação PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE FINANÇAS GERÊNCIA GERAL DA CONTABILIDADE DO MUNICÍPIO DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS - CONSOLIDADO - 2013 Demonstrativo das Variações Patrimoniais e Resultado

Leia mais

Art. 1º Aprovar Norma de Execução, na forma do Anexo a esta Portaria. ANEXO UNIDADE RESPONSÁVEL 31/12/2013 PROCESSO

Art. 1º Aprovar Norma de Execução, na forma do Anexo a esta Portaria. ANEXO UNIDADE RESPONSÁVEL 31/12/2013 PROCESSO PORTARIA Nº 2, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2013 O AUDITOR-CHEFE DA AUDITORIA INTERNA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO, no uso de suas atribuições, e tendo em vista a competência que lhe foi atribuída pelo inciso

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA ANEXO II VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS QDCC_Sistn A planilha abaixo ilustra a aplicação da metodologia simplificada descrita no item 10 da Nota Técnica nº 4/2015/CCONF/SUCON/STN/MFDF ao Plano de

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 CONTADOR PROVA OBJETIVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 CONTADOR PROVA OBJETIVA 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1) Os poderes legislativo, executivo e judiciário manterão, de forma integrada, sistema de controle interno. A finalidade que NÃO integra atribuição constitucional do controle

Leia mais

37.899.634,30 PASSIVO CIRCULANTE CRÉDITOS DE TRANSFERÊNCIAS A RECEBER EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTO CONCEDIDOS

37.899.634,30 PASSIVO CIRCULANTE CRÉDITOS DE TRANSFERÊNCIAS A RECEBER EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTO CONCEDIDOS MUNICÍPIO DE CALDAS NOVAS ESTADO DE GOIAS Balanço Financeiro Anexo 1 (Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MCASP)Portaria STN nº 37/2012 5a edição BALANÇO GERAL DO EXERCICIO DE 201 PERÍODO(MÊS)

Leia mais

Prof. Msc.: Vitor Maciel dos Santos

Prof. Msc.: Vitor Maciel dos Santos Prof. Msc.: Vitor Maciel dos Santos Orientações Estratégicas para a Contabilidade Aplicada ao Setor Público no Brasil Aspectos práticos da CASP e a importância da estruturação setorial PREMISSAS Orientações

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88

CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 CAU - MT Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Mato Grosso CNPJ: 14.820.959/0001-88 Balanço Financeiro Período: 01/01/2012 a 31/12/2012 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO Exercício Anterior

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 04 Metodologia para Elaboração do Balanço Patrimonial (Versão publicada em: 23/12/2014)

INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 04 Metodologia para Elaboração do Balanço Patrimonial (Versão publicada em: 23/12/2014) REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÕES DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS IPC 04 Metodologia para Elaboração do Balanço Patrimonial

Leia mais

Previsão da receita e fixação da despesa referente à aprovação do orçamento com base na Lei Orçamentária Anual, no valor de R$ 50.000.

Previsão da receita e fixação da despesa referente à aprovação do orçamento com base na Lei Orçamentária Anual, no valor de R$ 50.000. Olá, pessoal! Comento neste toque as questões de Contabilidade Pública que caíram no concurso para conselheiro substituto do TCE-CE. A banca foi a Fundação Carlos Chagas. Aproveito a oportunidade para

Leia mais

INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE PÚBLICA

INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE PÚBLICA Resumo de Contabilidade Pública Assunto: INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE PÚBLICA Autor: SÉRGIO LUIZ RAMOS 1 ÍNDICE: 1. NOÇÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA 1.2 SISTEMAS 1.3 RESTOS A PAGAR 1.4 VARIAÇÕES PATRIMONIAIS

Leia mais

Lançamentos Típicos de entidades do setor público

Lançamentos Típicos de entidades do setor público Lançamentos Típicos de entidades do setor público Efetue os lançamentos típicos a partir das informações captadas em cada caso típico do município de Transparência de Pombal. etermine inicialmente a Natureza

Leia mais