Manual. Objetivo: resumir as informações fornecidas durante o treinamento do SIGAA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual. Objetivo: resumir as informações fornecidas durante o treinamento do SIGAA."

Transcrição

1 Manual Objetivo: resumir as informações fornecidas durante o treinamento do SIGAA. Informações importantes: a) O SIGAA é um sistema desenvolvido pela UFRN e adquirido em cooperação pela UFPA. Ele visa reger todas as operações acadêmicas da UFPA, sendo que neste primeiro momento apenas o módulo Stricto será migrado. b) O sistema é web, logo poderá ser acessado de qualquer computador que possua acesso à Internet e um navegador, em qualquer lugar. Não será mais necessário estar na UFPA para usar o sistema. c) Coordenadores, vice-coordenadores e secretários terão login e senha próprios e poderão realizar as mesmas atividades (terão o mesmo perfil de coordenação de programa). Portanto, não será necessário compartilhar login e senha. d) O sistema armazena na base de dados quem (qual login) realizou cada operação do sistema. e) O sistema gera automaticamente uma página nova para cada programa a partir das informações fornecidas ao sistema. Ou seja, não será necessário cadastrar as informações no sistema e depois cadastrar na página, pois o sistema se encarregará publicar as informações cadastradas nas páginas geradas automaticamente. 1. Primeiros passos Assim que o sistema entrar em produção a coordenação do programa (perfis: coordenador, vice-coordenador ou secretário) deve realizar alterações nos seguintes itens: Estrutura Curricular, Calendário do Programa e Parâmetros do Programa. Cadastros > Estrutura Curricular Estrutura Curricular: A estrutura curricular de um curso é a disposição ordenada de componentes curriculares que constituem a formação pretendida pelo projeto político-pedagógico do curso. Essa estrutura curricular possui um núcleo de carga horária e componentes curriculares, obrigatórios ou optativos, a serem integralizados pelo aluno para o recebimento do grau relativo à formação. Equivalente às versões do SIE. Neste item é possível definir os parâmetros de carga horária, créditos, prazos e as disciplinas que fazem parte da(s) estrutura(s) curriculares dos cursos. Todas as informações das versões do SIE serão migradas para as estruturas curriculares do SIGAA. A coordenação deverá apenas realizar as alterações necessárias.

2 A Figura 1 a seguir mostra a primeira tela deste item. Figura 1. Tela inicial do cadastro/alteração de estruturas curriculares Informações da Figura 1: - Carga Horária Optativa Mínima: qual a carga horária mínima de disciplinas optativas que os discentes devem cumprir para integralizar o curso. Apenas as disciplinas cadastradas na matriz curricular do programa como optativas contam para esta carga horária. Se o discente fizer uma disciplina em outro programa que não conste na matriz curricular do seu programa, esta disciplina não contará para a carga horária optativa mínima necessária, apesar de os créditos serem contabilizados. OBS: a carga horária obrigatória mínima é definida automaticamente pelo sistema através da soma das cargas horárias das disciplinas definidas como obrigatórias. - Créditos por período letivo: os valores definidos para mínimo e máximo serão utilizados para limitar o sistema, ou seja, o discente deverá se matricular em componentes curriculares que somados apresentem créditos que obedeçam aos valores definidos nesta tela. Como a CAPES sugere que os discentes realizem as disciplinas nos primeiros semestres para terem mais tempo para o desenvolvimento do projeto nos últimos, geralmente no final do curso os discentes não realizam disciplinas. Nesse caso, é interessante definir o valor mínimo como 0 (zero), para que o sistema permita que os discentes não cursem disciplinas nos semestres finais. - Prazo para conclusão: prazo em meses para a conclusão do curso. O sistema utiliza esses valores para limitar o acesso ao sistema. Caso um discente não conclua o curso até o prazo definido no campo Máximo (e não tenha solicitado prorrogação e/ou trancamento) o sistema irá bloquear várias funcionalidades do sistema para esse discente, o impedindo, por exemplo, de efetuar matrícula em disciplinas. OBS: os prazos são definidos em MESES, não em semestres como no SIE.

3 A Figura 2 a seguir mostra a tela seguinte deste item. Figura 2. Tela de vínculo de componentes curriculares Nesta tela é possível alterar as componentes curriculares da estrutura curricular do curso. Uma componente curricular pode ser uma disciplina, um módulo ou uma atividade. Disciplinas são as disciplinas regulares que duram o todo o período letivo. Módulos são disciplinas condensadas que duram períodos de tempo menores que o período letivo. Atividades são componentes curriculares que não precisam ser ofertadas, a coordenação pode efetuar a matrícula dos discentes nessas atividades a qualquer momento e depois apenas a renova de acordo com as regras do programa. Exemplos de atividades: qualificação de mestrado, qualificação de doutorado, dissertação de mestrado, tese de doutorado, proficiência em línguas. IMPORTANTE: assim que o sistema entrar em produção, a coordenação do curso deverá vincular às suas estruturas curriculares as atividades de qualificação e dissertação e/ou tese. Essas atividades são necessárias para que as bancas de qualificação e defesa sejam cadastradas. As disciplinas de dissertação e tese que existiam no SIE para manter o vínculo dos discentes serão substituídas por essas atividades. Após as alterações necessárias e a inclusão das atividades citadas acima, basta confirmar as alterações. Cadastros > Calendário do Programa O sistema utiliza por padrão o calendário da UFPA. Entretanto os programas têm a liberdade de definir seu próprio calendário caso esse seja diferente do calendário da UFPA. IMPORTANTE: Caso o calendário do programa não seja alterado o sistema seguirá todos os prazos definidos no calendário da UFPA (matrícula, consolidação de turmas, trancamentos) para limitar as operações. O CALENDÁRIO DA UFPA NÃO PODERÁ SER ALTERADO PARA ATENDER AOS PROGRAMAS DE PÓS. Por isso, é

4 interessante que cada programa defina seu próprio calendário para ter a liberdade de definir as datas que melhor se adequem às suas necessidades. A Figura 3 a seguir mostra a tela de definição do calendário do programa. Figura 3. Tela de definição do calendário do programa Informações da Figura 3: - Consolidação de Turmas: Período no qual a consolidação, incluindo lançamento de notas, das turmas deverá ser feita. Como muitos programas possuem disciplinas condensadas (chamadas de módulos no SIGAA), é interessante deixar o período de consolidação de turmas abrangendo todo o semestre, para que não seja necessário esperar até um período de consolidação no fim do semestre para lançar os conceitos de turmas que ocorreram, por exemplo, em uma semana no início do semestre. - Consolidação Parcial de Turmas: permite consolidação de parte das turmas. Por exemplo, turmas que dividem os alunos em grupos e os grupos vão terminando as atividades em diferentes momentos durante o semestre. Também é interessante definir um período que abranja todo o semestre. - Trancamento de Turmas: período no qual o discente poderá SOLICITAR o trancamento de uma turma (a solicitação precisará ser homologada primeiro). É interessante definir um período de tempo curto no início do período letivo para que trancamentos não sejam solicitados ao final das disciplinas. - Matrícula OnLine: período no qual os discentes poderão SOLICITAR matrícula em turmas de forma on-line (as matrículas ainda precisam ser homologadas, o que será descrito posteriormente neste documento). É importante que as turmas já tenham sido ofertadas quando o período de matrícula on-line abrir, caso contrário os alunos não enxergarão turmas disponíveis para matrícula. - Re-matrícula: período que permitirá ajustes nas matrículas (incluindo novas solicitações).

5 A coordenação do programa poderá alterar o calendário conforme as suas necessidades a qualquer momento, apesar de ser indicado que não sejam realizadas muitas alterações no mesmo. Cadastros > Parâmetros do Programa Parâmetros que regem os programas de pós-graduação. A Figura 4 a seguir mostra a tela de definição dos parâmetros do programa. Figura 4. Tela de definição dos parâmetros do programa Informações da Figura 4: Sobre matrícula de alunos regulares: - Máximo de renovações da qualificação: quantas vezes (por quantos períodos) a matrícula nas atividades de Qualificação de Mestrado e Qualificação de Doutorado poderá ser renovada para os discentes. Esse valor deve ser pensado de acordo com as regras que o programa adotará para a matrícula nas atividades de qualificação. Por exemplo: para o curso de mestrado de um programa o discente deve obrigatoriamente defender a qualificação até o segundo semestre. Caso o programa opte por matricular os discentes desde o primeiro semestre na atividade de Qualificação de Mestrado, o número de renovações deverá ser 1 (um) para que seja possível renovar para o segundo semestre, prazo máximo de defesa da Qualificação de Mestrado para este programa. Por outro lado, caso o programa opte por matricular os discentes apenas no segundo semestre na atividade de Qualificação de Mestrado, então o número de renovações deverá ser 0 (zero), pois neste programa o discente é obrigado a qualificar o mestrado até o segundo semestre. IMPORTANTE: os valores definidos nessa tela são válidos para TODOS os discentes, logo se o programa optar por matricular os discentes no primeiro

6 semestre e definir o máximo de renovações como 1 (um), mas por algum motivo deixar para matricular algum aluno apenas no segundo semestre, a matrícula em qualificação desse aluno poderá ser renovada também por mais um período, permitindo que ele defenda a qualificação no terceiro semestre. OBS: Apenas a coordenação (coordenador, vice ou secretário) renova as matrículas em atividades, portanto o controle é realizado pela coordenação. - Máximo de renovações da defesa: segue a mesma lógica das renovações de qualificação. Quantas vezes (por quantos períodos) a matrícula nas atividades de Dissertação de Mestrado e Tese de Doutorado poderá ser renovada para os discentes. - Permite matrícula em defesa sem ter qualificação consolidada: definir se o programa permite que um discente defenda sem ter qualificado. Sobre matrícula de alunos especiais: - Permite matrícula online de alunos especiais: definir se o programa permite que os alunos especiais solicitem a matrícula em turmas online (opção Sim ) ou se devem ir até ao programa para solicitar matrícula (opção Não ). - Máximo de matrículas por período para alunos especiais: quantas disciplinas os alunos especiais poderão fazer por período. Sobre Processos Seletivos. O sistema SIGAA permite que processos seletivos sejam criados e disponibilizados para inscrição na Internet (funcionalidade descrita posteriormente neste manual). Os parâmetros definidos neste item regem a inscrição online de processos seletivos. - Solicitar área e linha de pesquisa na inscrição da seleção: definir se o candidato deve obrigatoriamente informar a sua área a linha de pesquisa no momento da inscrição. - Solicitar orientador na inscrição da seleção: definir se o candidato deve obrigatoriamente informar seu orientador no momento da inscrição. - Solicitar arquivo em formato PDF na inscrição da seleção: definir se o candidato deve obrigatoriamente anexar um arquivo PDF no momento da inscrição. Este arquivo deve ser descrito em edital. Por exemplo: projeto de pesquisa, currículo, vínculo empregatício, etc. IMPORTANTE: o sistema habilita apenas um campo para anexo de arquivo PDF, logo todas as informações extras solicitadas em edital para serem enviadas em um arquivo PDF devem ser unidas em apenas um arquivo. - Máximo de dias que um processo seletivo deve ficar visível: período de tempo além do período de inscrições que o processo seletivo ficará visível na página do programa. Caso esse valor não seja definido, o processo seletivo ficará visível indefinidamente na página. Sobre teses e dissertações: - Permitir visualizações públicas dos arquivos das defesas: definir se o programa permite que os arquivos das teses e dissertações sejam divulgados antes das defesas. Por questões de direitos autorais indica-se marcar a opção Não.

7 IMPORTANTE: Estes três itens do menu de Cadastros devem ser alterados assim que o sistema entrar em produção. 2. Corpo docente do programa

8 O sistema SIGAA permite que a coordenação de programa realiza as seguintes operações relacionadas ao corpo docente: Definir corpo docente, definir limites de orientações e cadastrar docentes externos. Cadastro > Corpo Docente do Programa > Equipe Docente do Programa Neste item é possível vincular os docentes que fazem parte do programa. Os docentes já estão cadastrados na base, esta funcionalidade apenas os vincula (ou desvincula) a um programa. Ao preencher esses dados, o sistema automaticamente alimenta a página do programa com as informações de corpo docente. A Figura 5 ilustra uma equipe de programa fictícia já definida no sistema. Os dados de matrícula SIAPE e CPF foram ocultados. Figura 5. Tela de definição da equipe docente do programa Ao retirar um docente do programa, o mesmo permanece na base, só não está mais vinculado ao programa, podendo, portanto, ser vinculado novamente caso necessário. Ao solicitar cadastrar um membro ao programa a tela da Figura 6 a seguir é exibida.

9 Figura 6. Tela de cadastro vínculo de docente (definição de vínculo com o programa) É possível vincular docentes da unidade (instituto), de toda a UFPA (qualquer instituto e qualquer campus) e docentes externos (previamente cadastrados no sistema, descrito a seguir). Basta digitar o início do nome do docente que o sistema sugere todos os docentes com aquele nome cadastrados na base. Deve-se definir a área de concentração e linha de pesquisa do docente, o tipo de vínculo (se ele participa do programa apenas como pesquisador ou se também é professor), o nível da associação (apenas colaborador ou membro permanente) e se está vinculado aos cursos de mestrado e/ou doutorado. Cadastro > Corpo Docente do Programa > Docente Externo à UFPA No sistema SIGAA, a própria o cadastro de docente externo fica a cargo da coordenação do programa onde ele atuará. Não é mais necessário solicitar à PROPESP tal cadastro. Dentro deste menu há três funcionalidades: Cadastrar, Alterar/Remover, Cadastrar Usuário para Docente Externo à UFPA. As Figuras 7 e 8 exibem as telas de cadastro de docente externo. A primeira informação requerida é o CPF, pois, caso o docente já tenha sido cadastrado seus dados serão automaticamente preenchidos e ele não precisará ser cadastrado novamente. Após a checagem do CPF a tela de informações pessoais é habilitada para preenchimento. Caso o docente seja estrangeiro e não possua CPF, basta selecionar esta opção que o sistema habilita a tela de preenchimento de dados pessoais.

10 Figura 7. Tela de dados pessoais para cadastro de docente externo Figura 8. Tela de dados acadêmicos para cadastro de docente externo Informações da Figura 8: - Formação: maior formação do docente externo. - Instituição de Ensino: instituição de origem do docente externo (não necessariamente de ensino). - Tipo: tipo de vínculo do docente externo. Por exemplo: Colaborador Voluntário (Antigo Associado), Professor Visitante, Pesquisador Visitante.

11 - Válido até: data final do vínculo do discente ao programa (esse valor pode ser alterado depois). A partir do momento que o docente externo é cadastrado ele fica disponível para ser vinculado ao programa, como descrito no item anterior. As Figuras 9 e 10 exibem as telas de cadastro de usuário para docente externo. Como o docente precisará realizar atividades no portal do docente (como lançar as notas, por exemplo) é necessário que ele possua um usuário para acessar o sistema. A tela da Figura 9 permite a escolha do docente externo para o qual se deseja criar um usuário (selecionando o ícone marcado em vermelho). Esse usuário é definido na tela da Figura 10 e fica ativo pelo período do vínculo do docente com o programa (ou até ele ser removido do mesmo). Figura 9. Tela de seleção de docente externo para cadastro de usuário. Figura 10. Tela de cadastro de usuário de docente externo Cadastro > Corpo Docente do Programa > Limites de Orientandos por Docente Esta funcionalidade permite que sejam definidos os limites de orientandos que cada docente vinculado ao seu programa pode orientar (Figura 11). IMPORTANTE: Esses limites são referentes a apenas o seu programa. O sistema não tem conhecimento de quantos orientandos o docente possui em outros programas. Portanto a definição desses limites deve ser feita a partir de uma conversa com o próprio docente para que ele informe quantos orientandos poderá

12 orientar no seu programa. O sistema usará esses valores para limitar a definição de orientações (descrita posteriormente). Os valores podem ser alterados a qualquer momento. Figura 11. Limites de Orientandos por Docente

13 3. Processos Seletivos Cadastro > Processos Seletivos > Gerenciar Processos Seletivos O sistema SIGAA fornece a funcionalidade de criar processos seletivos. Essa funcionalidade facilita a divulgação do processo, permite que as inscrições sejam online e facilita a admissão dos candidatos aprovados como discentes. A funcionalidade NÃO substitui as etapas tradicionais dos processos seletivos. Ao acessar o item Gerenciar Processos Seletivos do menu Cadastros a tela da Figura 12 é exibida. Nela são listados todos os processos seletivos cadastrados para o programa com no máximo 60 dias passados da data final.

14 Figura 12. Gerenciar processos seletivos O usuário com perfil de coordenação de programa pode então criar um novo processo seletivo selecionando o link Cadastrar Novo Processo Seletivo, que abrirá a tela da Figura 13. Figura 13. Tela para cadastro de um novo processo seletivo Informações da Figura 13: - Título do Edital: nome do edital.

15 - Período de inscrições: período no qual as inscrições ficarão abertas na página do programa. O sistema só permite que se crie um processo seletivo com data de início de inscrição a partir da data atual. Não é permitido criar processos seletivos cujas inscrições já começaram. - Edital: o edital do processo seletivo pode ser anexado neste campo. - Manual do candidato: o manual do candidato pode ser anexado neste campo. - Descrição do Processo Seletivo: Campo livre disponível para a descrição do processo seletivo. - Orientações aos inscritos: Campo livre disponível para a descrição de orientações aos candidatos do processo seletivo. Ao terminar de preencher esse campo e selecionar Próximo Passo, o sistema exibe a tela da Figura 14. Nela deve-se escolher o curso do processo seletivo, a matriz curricular (correspondente às versões do SIE) e definir o número de vagas. Figura 14. Segunda tela para cadastro de um novo processo seletivo Após preencher as informações do processo seletivo é possível selecionar Salvar ou Salvar e Submeter. Ao selecionar Salvar, as informações fornecidas ficam salvas apenas para o usuário que as criou. Esta opção é usada para salvar parte das informações de um processo enquanto se espera que outras informações sejam confirmadas, por exemplo, para adiantar o cadastro do processo enquanto se espera que a confecção do edital termine. Ao selecionar a opção Salvar e Submeter significa que o processo seletivo está completo. Ele será enviado à PROPESP para que tome conhecimento e publique (através do sistema). A partir do momento que a PROPESP publica o processo seletivo ele fica visível na página do programa como ilustrado na Figura 15 a seguir.

16 Figura 15. Exemplo de página de programa gerada automaticamente pelo sistema contendo as informações dos processos seletivos cadastrados. No exemplo de página da Figura 15 observa-se que a página está quase vazia, contendo apenas informações de processos seletivos. Isso acontece porque o sistema ainda não possui outras informações sobre este programa. A partir do momento que o sistema for alimentado, ele alimentará a página automaticamente. Os logotipos apresentados na Figura 15 ainda são os logotipos da UFRN, mas serão substituídos pelo logotipo da UFPA. O programa poderá alterar apenas o logotipo do lado esquerdo para o logotipo próprio do programa. Na região demarcada em vermelho aparecem os links para os processos seletivos já publicados do programa. Os links em negrito são aqueles em que o período de inscrições já começou. A Figura 16 mostra a tela de descrição do processo seletivo acessada a partir da página pública do programa. Nesta tela o candidato poderá ter acesso a todas as informações cadastradas para o processo seletivo e se inscrever no mesmo a partir do link Clique aqui para inscrever-se, que o redirecionará para a tela da Figura 17.

17 Figura 16. Descrição pública do processo seletivo. Os itens relativos a processos seletivos definidos como Sim nos Parâmetros de Programa aparecerão como itens obrigatórios no cadastro da Figura 17 no campo Outras informações para o Processo Seletivo.

18 Figura 17. Formulário de inscrição em processo seletivo. Ao se inscrever no processo seletivo, o candidato recebe uma confirmação da solicitação de inscrição, mas esta ainda será homologada pelo coordenador (ou vice ou secretário) do programa. Para isso o coordenador deve acessar o seguinte item: Cadastro > Processos Seletivos > Gerenciar Processos Seletivos. A tela da Figura 18 será exibida e, nela, o coordenador pode selecionar o ícone de Gerenciar Inscrições, marcado em vermelho na Figura 18. Após selecionar o ícone, o sistema exibe a tela representada na Figura 19.

19 Figura 18. Ícone para gerenciar as inscrições. Figura 19. Gerenciamento de inscrições em processos seletivos. Na tela da Figura 19 a coordenação do programa poderá alterar o status dos inscritos. Os status podem ser alterados para: Inscrição Deferida, Inscrição Indeferida, Inscrição Cancelada, Candidato Aprovado, Candidato Eliminado e Candidato Suplente. A coordenação também poderá notificar os candidatos através do sistema, selecionando o link Notificar inscritos, que exibirá a tela da Figura 20 a seguir. Nela a coordenação poderá filtrar os candidatos que deseja notificar pelo status e enviar uma mensagem para eles. A mensagem é enviada para o que o próprio candidato forneceu na inscrição.

20 Figura 20. Tela de notificação aos inscritos. Na tela da Figura 19, quando o status de um candidato é alterado para Candidato Aprovado o ícone de cadastrar discente é habilitado (ícone destacado em vermelho na Figura 21 a seguir). Ao selecionar esse ícone o sistema redireciona para a tela de cadastro de discente que já carregará todas as informações fornecidas pelo candidato no momento da inscrição, evitando assim que a coordenação tenha que inserir todos os dados do candidato novamente. A coordenação apenas completará as demais informações. Figura 21. Tela de notificação aos inscritos. Os programas de pós-graduação não são obrigados a usar essa funcionalidade de processos seletivos, podendo realizar seus processos no formato já utilizado. De fato, é indicado que processos seletivos que ocorrem de forma contínua (na qual os candidatos podem se inscrever a qualquer momento durante o ano) sejam realizados da forma tradicional.

21 4. Cadastro de discente Através do link do processo seletivo do SIGAA (Figura 21) ou Manual: Aluno > Cadastro > Cadastrar Novo Discente

22 O cadastramento de novo discente é feito através da mesma tela tanto para os discentes provenientes de processos seletivos criados no SIGAA, quanto para aqueles provenientes de processos seletivos criados de forma tradicional. A única diferença é que as informações fornecidas pelos discentes provenientes dos processos seletivos criados no SIGAA no momento da inscrição no processo seletivo são aproveitadas, diminuindo assim o trabalho da coordenação. As telas de cadastro de um novo discente são exibidas nas Figuras 22 e 23. Na tela da Figura 22 os dados pessoais são preenchidos e na tela da Figura 23 os dados de discente são preenchidos. Figura 22. Cadastro de dados pessoais de um novo discente.

23 Figura 23. Cadastro de dados de discente de um novo discente. Ao confirmar o cadastro do discente, o sistema gera automaticamente um número de matrícula para o discente e este já está vinculado ao curso. IMPORTANTE: Houve uma mudança no número de matrícula. O sistema SIGAA aceita apenas números de matrícula com formato numérico, por isso o número de matrícula da UFPA teve que ser modificado, uma vez que possuía os caracteres M ou D para indicar mestrado e doutorado respectivamente. O número de matrícula continua seguindo o mesmo esquema: 4 posições para o ano de ingresso + 3 posições para o código do curso + 1 posição para o nível + 4 posições para o sequencial. A única diferença se dá no caractere utilizado para representar o nível: o caractere M foi substituído pelo dígito 7, enquanto o caractere D foi substituído pelo dígito 8. Por exemplo, um número de matrícula que antes era M0003 agora no novo sistema passa a ser Todos os números de matrícula dos discentes serão migrados já contemplando esta alteração. Na Figura 23 é possível definir que o discente será um aluno especial. Alunos especiais são aqueles que fizeram o processo seletivo, mas não foram aprovados como regulares, mas receberam a permissão do programa de cursar algumas disciplinas para creditarem depois, quando forem aprovados como alunos regulares. IMPORTANTE: Na Figura 23, ao definir que o discente será do tipo especial, o sistema deixa de requisitar Curso e Currículo, pois um discente especial não está vinculado a nenhum curso e, logo, não possui currículo. Com isso, o número de matrícula de um discente especial apresentará como código de curso os dígitos 999, indicando que estes discentes não estão vinculados a curso nenhum. Por exemplo, o número de matrícula pertence a um aluno especial de mestrado. O sistema SIGAA também permite a alteração de dados (pessoais e de discente) dos discentes pela coordenação do programa, sem necessidade de solicitar a nenhum outro órgão da UFPA. Essas funcionalidades são acessadas pelos seguintes menus: Dados pessoais: Aluno > Cadastro > Atualizar Dados Pessoais Dados de discente: Aluno > Cadastro > Atualizar Discente IMPORTANTE: Qualquer atualização de dados deve ser feita mediante apresentação da documentação. Além disso, o sistema sempre salva o login que efetuou as alterações, para que fique registrado e possa ser recuperado caso necessário. A única informação que a coordenação dos programas não poderá alterar é o CPF dos discentes.

24 5. Gerenciar Orientações de discentes Aluno > Gerenciar Orientações Funcionalidade para vincular um docente como orientador de um discente. Ao selecionar esta funcionalidade no menu, o usuário deverá selecionar o discente que quer gerenciar (através dos filtros disponíveis). A Figura 24 a seguir representa a tela de gerenciamento de orientações de um discente selecionado.

25 Figura 24. Tela de gerenciamento de orientações. Operações disponíveis na tela da Figura 24: - Cadastrar Nova Orientação: cadastrar um orientador ou co-orientadores para o discente selecionado (Figura 25). Figura 25. Tela de cadastro de nova orientação. O sistema permite que docente vinculado como orientador ou co-orientador seja do programa (entre aqueles definidos no item 2 deste manual) ou de outros programas ou mesmo docentes externos que tenham cadastro no sistema. Cada discente pode ter apenas um orientador e vários co-orientadores. A orientação é registrada automaticamente e já passa a contabilizar carga horária para o docente a partir da data definida como data de início da orientação. Caso tente-se vincular um docente como orientador de um discente quando este docente já atingiu o seu limite de orientações definido anteriormente, o sistema emitirá uma mensagem de erro e não permitirá que o docente seja vinculado como orientador do discente. Soluções: selecionar um outro docente como orientador ou

26 alterar o limite de orientações do docente para que o sistema aceite que mais um discente seja vinculado a ele como orientando. - Alterar dados da orientação: alterar a data de início da orientação. - Finalizar Orientação: informar que aquele docente foi orientador do discente, mas por algum motivo deixou de ser. A data de finalização deve ser informada (Figura 26) e a carga horária do docente contará da data definida como início até a data informada na finalização. Figura 26. Tela de finalização de orientação. - Cancelar Orientação: a orientação será cancelada e nenhuma informação sobre ela será salva. Esta opção deve ser usada em casos de erro, quando o orientador foi vinculado errado ao discente e jamais foi orientador do mesmo (Figura 27). Figura 27. Tela de cancelamento de orientação.

27 6. Criação e oferta de turmas Turmas > Criar Turmas Funcionalidade que permite a oferta de turmas de disciplinas ou módulos. Ao acessar essa funcionalidade o sistema oferece a possibilidade de buscar uma disciplina ou módulo por código, nome ou tipo (disciplina ou módulo). Caso nenhum parâmetro seja informado o sistema exibe todas as disciplinas e módulos do programa, como exemplificado na Figura 28. Figura 28. Tela de seleção de disciplina para oferta de turmas.

28 IMPORTANTE: Os códigos das disciplinas serão alterados. Agora eles seguirão o padrão: 5 posições para a SIGLA DO PROGRAMA + 4 posições para o sequencial. As siglas dos programas foram padronizadas pela PROPESP para conterem exatamente 5 caracteres. Para escolher uma disciplina ou módulo basta selecionar o ícone verde à esquerda e o sistema exibirá uma tela como a da Figura 29. Figura 29. Tela de dados da turma. Informações da Figura 29: - Ano-Período: ano e período em que a turma será ofertada. Preenchido automaticamente com ano e período atuais, mas aceita alterações. - Capacidade de alunos: número de alunos máximo para a turma. - Local: local onde as aulas serão ministradas. Como o sistema de espaço físico ainda não está em produção, o local deve ser digitado. - Observações ao aluno: observações para o aluno realizar a matrícula. Estas observações aparecerão no histórico ao lado do nome da disciplina. - Datas de início e fim: Como a componente curricular selecionada (Engenharia de Software) foi cadastrada como uma disciplina, o sistema admite que ela ocorra durante todo o período definido para o semestre e por isso não permite edição das datas de início e fim. Quando a componente curricular é cadastrada como um módulo (caso das disciplinas condensadas), o sistema permite edição das datas de início e fim. IMPORTANTE: todas as disciplinas cadastradas no SIE serão migradas como disciplinas para o SIGAA, portanto o sistema admitirá que elas duram todo o período letivo. Os programas devem solicitar alteração das disciplinas condensadas para módulo, para que seja possível definir o período menor que um semestre e assim não haja problemas de conflito de horário. IMPORTANTE disciplinas de tópicos especiais: não será mais preciso criar diversas disciplinas de tópicos especiais para cada tópico que surgir. Serão

29 cadastradas no sistema disciplinas padrão com o nome Tópicos Especiais: e diferentes cargas horárias (15h, 30h, 45h, 60h) que devem ser incluídas na estrutura curricular dos programas conforme a necessidade dos mesmos. No momento da oferta, o programa selecionará a disciplina de tópicos com a carga horária adequada e preencherá o complemento do nome da disciplina (descrição da disciplina) no campo Observações ao aluno. Após o preenchimento dessas informações o próximo passo é definir o horário da disciplina ou módulo na tela exibida na Figura 30. Os horários disponíveis são aqueles definidos como horários de funcionamento da Universidade. Figura 30. Tela de definição de horário da turma. O passo seguinte da oferta de turmas é a definição dos docentes da turma. Agora fica a cargo dos programas vincular docentes à turmas, não sendo mais necessário fazer requisições para a PROPESP. A vinculação de docentes é feita na tela da Figura 31 a seguir, que é exibida ao selecionar-se Próximo Passo na tela da Figura 30.

30 Figura 31. Tela de definição de docente da turma. Podem ser vinculados docentes do programa, de outros programas (qualquer docente da UFPA) e docentes externos previamente cadastrados (caso o docente ainda não esteja cadastrado, o próprio programa pode cadastrá-lo, como explicado no item 2 deste manual). É possível vincular mais de um docente por turma. A carga horária deve ser informada, e, no caso de uma turma com mais de um docente, ela pode ser dividida entre eles ou compartilhada (no caso de que dois ou mais docentes ministrem aula em uma disciplina simultaneamente durante todo o período da disciplina). IMPORTANTE: em disciplinas com mais de um docente, caso defina-se que a carga horária total da disciplina será compartilhada entre eles (por exemplo, em uma disciplina de 60h, definir-se que cada um dos docentes tem uma carga horária de 60h, o que somado supera a carga horária da disciplina), a PROPLAN entrará em contato para que se justifique porque os encargos horários dos docentes somados superam a carga horária total da disciplina. Após a definição dos docentes basta confirmar a operação e a turma está criada e ofertada.

31 7. Matrícula em disciplinas e/ou módulos O sistema SIGAA apresenta a funcionalidade de os alunos realizarem a solicitação de matrícula online. Neste primeiro momento também será disponibilizado no portal de coordenação stricto um link para realizar a matrícula de forma manual, mas o objetivo é que no futuro os alunos realizem as solicitações online para facilitar o processo. Matrícula Online Na matrícula online, durante o período definido como período de matrícula, os discentes solicitarão as matrículas nas turmas ofertadas que têm interesse através do portal do discente. O discente poderá selecionar turmas do seu programa e de outros programas. IMPORTANTE: o discente realiza apenas a SOLICITAÇÃO de matrícula. Esta solicitação ainda precisa ser homologada pelo orientador ou coordenador de programa. Ao realizar a solicitação de matrícula, esta fica disponível para o orientador do discente e para a coordenação do programa do discente para que eles realizem a homologação. A solicitação é homologada quando um dos dois perfis (orientador ou coordenação) confirma ou cancela a matrícula (sendo que o outro perfil pode modificar essa decisão). Portanto, é necessário que o programa defina quais regras serão adotadas para a homologação da matrícula online (quem homologará primeiro, quando será a homologação e qual será a atitude da coordenação).

32 IMPORTANTE: quando o discente solicita matrícula em turmas de outros programas, após a homologação do seu orientador ou seu coordenador de programa, a solicitação fica visível para o coordenador do programa de origem da disciplina ou módulo para que ele dê a homologação final. Se o coordenador do programa da disciplina negar a solicitação de matrícula do discente, ele não será matriculado na disciplina, mesmo que seu orientador ou coordenador tenha homologado. A decisão final é do coordenador do programa de origem da disciplina. A coordenação do programa poderá analisar as solicitações de matrícula de discentes do seu programa e de discentes de outros programas que solicitarem matrícula nas disciplinas e módulos de seus programas. A Figura 32 a seguir indica os itens de menu que dão acesso à funcionalidade de análise de solicitações de matrícula. Dessa forma, a coordenação poderá priorizar os discentes do seu próprio programa e só homologar matrículas de discentes de outros programas caso haja sobra de vagas. Figura 32. Itens de menu das funcionalidades de homologação de solicitação de matrículas. A homologação de matrículas é feita através das telas das Figuras 33 e 34 a seguir. A primeira lista todos os discentes que possuem solicitações de matrícula. Para analisar as solicitações de matrícula de um discente, basta selecionar o ícone verde correspondente (ícones destacados na Figura 33). Ao selecionar o discente a tela da Figura 34 é exibida.

33 Figura 33. Lista de discentes com solicitações de matrícula. Caso a solicitação de matrícula seja cancelada, é necessário fornecer observações explicando o motivo do cancelamento (por exemplo, vagas esgotadas). A partir do momento em que uma solicitação de matrícula é homologada de forma positiva, o discente já aparece como matriculado naquela disciplina. Por isso é muito importante que as regras de homologação de matrículas sejam bem definidas pelo programa. Está sendo estudada a possibilidade de parametrização da funcionalidade de homologação, para que seja permitido que o programa defina no sistema quem homologará as matrículas (orientadores, coordenadores ou os dois), mas esta funcionalidade ainda não está disponível. Por enquanto o estabelecimento deste limite fica a cargo do programa de pós graduação. Figura 34. Tela de análise de solicitações de matrícula de um discente. Matrícula Tradicional Neste primeiro momento, haverá a possibilidade de realizar matrícula da forma tradicional e só informar ao sistema as matrículas dos discentes, uma vez que os discentes ainda não foram informados sobre a matrícula online.

34 Para realizar a matrícula tradicional, deve-se selecionar o discente e escolher as turmas nas quais ele deve ser matriculado, através da tela exibida na Figura 35. Figura 35. Tela de realização de matrícula de um discente pela forma tradicional.

35 8. Matrícula em atividades Matrículas > Atividades Atividades são componentes curriculares que não precisam ser ofertadas, a coordenação pode efetuar a matrícula dos discentes nessas atividades a qualquer momento e depois apenas a renova de acordo com as regras do programa. Exemplos de atividades: qualificação de mestrado, qualificação de doutorado, dissertação de mestrado, tese de doutorado, proficiência em línguas. Para realizar a matrícula em atividades deve-se acessar o menu correspondente, selecionar o discente e, após isso, selecionar a atividade desejada na tela da Figura 36 a seguir. Figura 36. Tela de seleção de atividade para matrícula. Ao selecionar a atividade desejada, a tela da Figura 37 é exibida para que os dados da matrícula sejam fornecidos. Esses dados são: ano e período da matrícula e data de início da atividade. Após a confirmação da senha, o discente fica matriculado na atividade selecionada.

36 Figura 37. Tela de matrícula em atividades. IMPORTANTE: o sistema só permitirá que bancas de qualificação e defesa sejam cadastradas para o discente se ele estiver matriculado nas atividades de qualificação de mestrado e dissertação de mestrado (ou correspondentes para doutorado). Uma atividade não precisa ser ofertada. Uma vez que um discente seja matriculado em uma atividade essa atividade precisa apenas ser renovada pelos próximos períodos. A renovação de matrícula em atividades é feita na tela da Figura 38 a seguir. Figura 38. Tela de renovação de matrícula em atividades. IMPORTANTE: atividades de qualificação, dissertação e tese só podem ser renovadas pelo número de vezes definido no parâmetro descrito no item 1 deste manual. 9. Prorrogar prazo de conclusão Aluno > Vínculo > Prorrogar prazo de conclusão Funcionalidade para prorrogar o prazo de conclusão de um discente para além do prazo máximo definido na estrutura curricular do curso (descrito no item 1 deste manual). A Figura 39 a seguir mostra a tela de prorrogação de prazo de conclusão. Nela deve-se marcar o tipo de prorrogação e preencher o número de meses a mais que este discente terá (além do prazo máximo definido na estrutura curricular). Há

Guia de Referência Pós-Graduação

Guia de Referência Pós-Graduação Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará - UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - CTIC MÓDULO EDUCAÇÃO Guia de Referência Pós-Graduação Belém, 2009 APRESENTAÇÃO O Sistema de

Leia mais

PADRÕES OPERACIONAIS DA SEÇÃO ACADÊMICA EM RELAÇÃO AOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 1. CADASTRO DE CANDIDATOS AO PROCESSO SELETIVO DE CURSOS PG

PADRÕES OPERACIONAIS DA SEÇÃO ACADÊMICA EM RELAÇÃO AOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 1. CADASTRO DE CANDIDATOS AO PROCESSO SELETIVO DE CURSOS PG PADRÕES OPERACIONAIS DA SEÇÃO ACADÊMICA EM RELAÇÃO AOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 1. CADASTRO DE CANDIDATOS AO PROCESSO SELETIVO DE CURSOS PG O processo seletivo para os cursos de PG inicia com a aprovação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ REITORIA DE PLANEJAMENTO DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ REITORIA DE PLANEJAMENTO DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 Perfis Envolvidos SIGAA GRADUAÇÃO Manual de Gerenciamento de Discente Perfil Administrador DAE Administrador DAE: A utilização desta função será feita pelos funcionários do DERCA ( Departamento de Registros

Leia mais

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador 2015 TUTORIAL SIGAMAZÔNIA Desenvolvido por: FAPESPA LABES-UFPA Sumário Sumário... 3 CADASTRO NO SISTEMA... 5 FAZENDO LOGIN NO SIGAMAZÔNIA... 5 MENU INICIAL... 6

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ REITORIA DE PLANEJAMENTO DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ REITORIA DE PLANEJAMENTO DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 Perfis Envolvidos SIGAA GRADUAÇÃO Manual do Administrador Perfil Administrador DAE Administrador de Graduação: Administrador de Graduação (Servidor responsável pelo gerenciamento administrativo, cadastro

Leia mais

Manual Novo Portal do Professor Versão beta 1.

Manual Novo Portal do Professor Versão beta 1. Manual Novo Portal do Professor Versão beta 1. Obs: 1 - Este manual ainda encontra-se em elaboração, vou disponibilizado esta versão, visto a proximidade do lançamento das notas de n1 para o semestre 2012/2.

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES Índice Página PROGRAMAS ACADÊMICOS E PROFISSIONAIS OFERECIDOS POR UM MESMO DEPARTAMENTO...2 PROPOSTA DE PROGRAMA...2 COMO COPIAR E COLAR...2 CADASTRO DOCENTE...2 ATIVIDADE DOCENTE...2

Leia mais

Tutorial Novo Portal do Aluno

Tutorial Novo Portal do Aluno Projeto: IFMG Instituto Federal Minas Gerais Tutorial Novo Portal do Aluno Roteiro: Login no Portal do Aluno O site para acesso ao portal do aluno é: https://meu.ifmg.edu.br/ No campo usuário e senha devem

Leia mais

Perguntas Frequentes (FAQ) Portal do Professor

Perguntas Frequentes (FAQ) Portal do Professor Universidade Federal do Espírito Santo Perguntas Frequentes (FAQ) Portal do Professor Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI) Novembro/2014 Sumário 1 ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 4 1.1 O que é o menu

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Manual do Usuário Instituição

Manual do Usuário Instituição 1 Manual do Usuário Instituição Área Restrita Site de Certificação Controle: D.04.36.00 Data da Elaboração: 13/08/2014 Data da Revisão: - Elaborado por: TIVIT / Certificação ANBIMA Aprovado por: Gerência

Leia mais

Manual da Turma Virtual: MATERIAIS. Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo:

Manual da Turma Virtual: MATERIAIS. Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo: Manual da Turma Virtual: MATERIAIS Para acessar a turma virtual com o perfil Docente, siga o caminho indicado abaixo: MENU TURMA VIRTUAL MENU MATERIAIS CONTEÚDO/PÁGINA WEB Esta operação possibilita que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COORDENADORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COORDENADORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COORDENADORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GUIA PRÁTICO DE PRINCIPAIS TAREFAS DIRETOR DE FACULDADE SECRETÁRIO DE FACULDADE AUTORIA:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS V PORTAL WEB Revisão: 07 Versão: 7.9.109 JM Soft Informática Março, 2015 SUMÁRIO 1 AVALIAÇÕES... 9 2 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INDIVIDUAL...

Leia mais

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor Introdução O SIAP, Sistema de Apoio ao Professor, é um programa que vai contribuir, de forma decisiva, com o cotidiano escolar de alunos, professores, gestores e funcionários administrativos. Com a implantação

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco Programa de Assistência Estudantil

Universidade Federal do Vale do São Francisco Programa de Assistência Estudantil 1 - Introdução O sistema PAE da UNIVASF é uma ferramenta desenvolvida pelo Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI) que auxilia o processo seletivo de estudantes de graduação para o, que serão selecionados

Leia mais

Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Medicamentos UFC UFPB UFRN - UFRPE. Manual do Aluno

Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Medicamentos UFC UFPB UFRN - UFRPE. Manual do Aluno Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Medicamentos UFC UFPB UFRN - UFRPE Manual do Aluno Manual do aluno PPgDITM Bem-vindo! O Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento

Leia mais

2013 GVDASA Sistemas Configuração dos Portais 2

2013 GVDASA Sistemas Configuração dos Portais 2 2013 GVDASA Sistemas Configuração dos Portais 2 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta

Leia mais

2013 GVDASA Sistemas Release Notes GVcollege 3.6.7 1

2013 GVDASA Sistemas Release Notes GVcollege 3.6.7 1 2013 GVDASA Sistemas Release Notes GVcollege 3.6.7 1 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual da GVDASA Sistemas e toda a informação nele contida é confidencial. Nenhuma parte deste

Leia mais

Índice Objetivo do Manual...3 Siglas e Abreviações...3 Papel do Coordenador Institucional...3 Cadastramento e Substituição de Homologadores...

Índice Objetivo do Manual...3 Siglas e Abreviações...3 Papel do Coordenador Institucional...3 Cadastramento e Substituição de Homologadores... Índice 1. Objetivo do Manual...3 2. Siglas e Abreviações...3 3. Papel do Coordenador Institucional...3 4. Cadastramento e Substituição de Homologadores...4 4.1 Passo-a-passo para Acessar o Acordo de Adesão...6

Leia mais

Ministério da Educação - MEC Universidade Federal de Santa Maria UFSM Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PRPGP

Ministério da Educação - MEC Universidade Federal de Santa Maria UFSM Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PRPGP Ministério da Educação - MEC Universidade Federal de Santa Maria UFSM Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PRPGP Tutorial de preenchimento do Plano de Estudos On-line NOVEMBRO DE 2013 2 Índice 1 Tutorial

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES ACADÊMICAS SIA

SISTEMA DE INFORMAÇÕES ACADÊMICAS SIA SISTEMA DE INFORMAÇÕES ACADÊMICAS SIA Abaixo constam trechos retirados do Manual do Usuário do SIA Sistema de Informações Acadêmicas. A autoria das informações é da equipe do SIA. SISTEMA DE INFORMAÇÕES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE

CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE Life Sistemas Manual do Professor 1. Introdução O Centro Universitário Geraldo Di Biase apresenta, neste manual, os serviços do Sistema Life Educacional que você,

Leia mais

SUMÁRIO. Faculdade Católica do Tocantins www.catolica-to.edu.br

SUMÁRIO. Faculdade Católica do Tocantins www.catolica-to.edu.br MANUAL DO PORTAL ACADÊMICO Passo a passo do Portal Acadêmico www.catolica-to.edu.br - suporterm@catolica-to.edu.br SUMÁRIO Objetivo Manual do Portal Acadêmico... 03 Navegadores... 03 Endereço Eletrônico

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará - UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - CTIC S I E

Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará - UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - CTIC S I E Serviço Público Federal Universidade Federal do Pará - UFPA Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - CTIC S I E SISTEMA DE INFORMAÇÕES PARA O ENSINO (*) Módulo CONTROLE ACADÊMICO Guia de Referência

Leia mais

Módulo de Extensão SIGAA. Cadastro de Cursos

Módulo de Extensão SIGAA. Cadastro de Cursos Módulo de Extensão SIGAA Cadastro de Cursos ÍNDICE Instruções gerais Pg. 04 Recomendações Pg. 04 Acessibilidade ao sistema Pg. 04 Acesso ao SIGAA Pg. 04 Acesso ao módulo Pg. 05 Acesso ao tipo de extensão

Leia mais

Manual do Usuário Novembro/2012

Manual do Usuário Novembro/2012 Manual do Usuário Novembro/2012 Sumário 1. Objetivos...3 2. Informações Operacionais...4 3. Configurações Recomendadas...7 4. Preparação do Sistema...8 4.1 Solicitando acesso ao Sisu...8 4.2 Autorização

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso. Secretaria de Tecnologias da Informação e Comunicação. SISCOFRE Sistema de Controle de Frequência MANUAL

Universidade Federal de Mato Grosso. Secretaria de Tecnologias da Informação e Comunicação. SISCOFRE Sistema de Controle de Frequência MANUAL Universidade Federal de Mato Grosso Secretaria de Tecnologias da Informação e Comunicação SISCOFRE Sistema de Controle de Frequência MANUAL Versão 2.1 2013 Cuiabá MT Sumário Usuários do SISCOFRE... 3 Fases

Leia mais

7. Acesso ao NetTeacher

7. Acesso ao NetTeacher 7. Acesso ao NetTeacher O acesso dos professores deverá ser realizada por meio do portal do UNIS, em link disponibilizado na página da IES, bem como o acesso dos alunos hoje é realizado também pelo site

Leia mais

Guia de instruções passo a passo para o registro de Projetos de Pesquisa na PRPPG

Guia de instruções passo a passo para o registro de Projetos de Pesquisa na PRPPG UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA Guia de instruções passo a passo para o registro de Projetos de Pesquisa na PRPPG O Sistema de Acadêmico

Leia mais

GESTEC Gestão e Tecnologia. Sistema de Gestão Escolar

GESTEC Gestão e Tecnologia. Sistema de Gestão Escolar Sistema de Gestão Escolar Manual do Usuário versão 2.0 Dezembro/2011 1 Índice Introdução... 4 Acesso ao Sistema... 5 Cadastro de Funcionários... 5 Cadastro de Tipos de Usuários... 8 Cadastro de Usuários...

Leia mais

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Área Responsável Implantação Preparado por: Leonardo Moulin Franco 27 de maio de 2009 Revisão 00 TABELA DE REVISÃO DESTE MANUAL REVISÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO STI COORDENAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO STI COORDENAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO UNIVASF SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO STI COORDENAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE AVALIAÇÃO SOCIOECONÔMICA Versão

Leia mais

CPqD Gestão Pública. Gestão Escolar Guia de treinamento. Versão do produto: 4.0.0 Edição do documento: 2.0 Abril de 2010

CPqD Gestão Pública. Gestão Escolar Guia de treinamento. Versão do produto: 4.0.0 Edição do documento: 2.0 Abril de 2010 CPqD Gestão Pública Gestão Escolar Guia de treinamento Versão do produto: 4.0.0 Edição do documento: 2.0 Abril de 2010 CPqD Gestão Pública Gestão Escolar Guia de treinamento Versão do produto: 4.0.0 Edição

Leia mais

"Manual de Acesso ao Moodle - Discente" 2014

Manual de Acesso ao Moodle - Discente 2014 "Manual de Acesso ao Moodle - Discente" 2014 Para acessar a plataforma, acesse: http://www.fem.com.br/moodle. A página inicial da plataforma é a que segue abaixo: Para fazer o login, clique no link Acesso

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ REITORIA DE PLANEJAMENTO DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ REITORIA DE PLANEJAMENTO DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 Perfis Envolvidos SIGAA GRADUAÇÃO Manual do Administrador Perfil Administrador DAE Administrador de Graduação: Administrador de Graduação (Servidor responsável pelo gerenciamento administrativo, cadastro

Leia mais

SAP - Sistema de Avaliação de Projetos. Orientações para a inscrição de Projetos

SAP - Sistema de Avaliação de Projetos. Orientações para a inscrição de Projetos SAP - Sistema de Avaliação de Projetos Orientações para a inscrição de Projetos Versão 1 Página 1 Apresentação O Sistema de Avaliação de Projetos (SAP) tem a finalidade de concentrar informações referentes

Leia mais

SIGEM AVALIAÇÃO DE ALUNOS WEB

SIGEM AVALIAÇÃO DE ALUNOS WEB SIGEM AVALIAÇÃO DE ALUNOS WEB Conteúdo 1. ABERTURA DO SISTEMA... 3 1.1. Barra principal de Ferramentas... 4 1.2. Filtro de consultas... 5 2. VISÃO GERAL DO SISTEMA... 6 3. SELECIONAR ESCOLA... 7 4. SISTEMA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ REITORIA DE PLANEJAMENTO DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA PRÓ REITORIA DE PLANEJAMENTO DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COORDENAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 Perfis Envolvidos SIGAA GRADUAÇÃO Manual do Administrador Perfil Administrador DAE Administrador de Graduação: Administrador de Graduação (Servidor responsável pelo gerenciamento administrativo, cadastro

Leia mais

WEB COLABORADOR. Envio e Recebimento de arquivos de consignação

WEB COLABORADOR. Envio e Recebimento de arquivos de consignação TUTORIAL Envio e Recebimento de arquivos de consignação Para acessar o Web Colaborador e transferir arquivos de consignação, entre com os dados de CNPJ, usuário e senha, nos campos correspondentes. Regras

Leia mais

MANUAL DO CNPq PARA GESTORES INSTITUCIONAIS DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

MANUAL DO CNPq PARA GESTORES INSTITUCIONAIS DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS MANUAL DO CNPq PARA GESTORES INSTITUCIONAIS DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS MANUAL DO CNPq PARA GESTORES INSTITUCIONAIS DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS O presente manual tem por objetivo orientar

Leia mais

Manual do Sistema de Pós-graduação

Manual do Sistema de Pós-graduação Pró-reitoria de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação Manual do Sistema de Pós-graduação Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema

Leia mais

www.siteware.com.br Versão 2.6

www.siteware.com.br Versão 2.6 www.siteware.com.br Versão 2.6 Sumário Apresentação... 4 Login no PortalSIM... 4 Manutenção... 5 Unidades... 5 Unidades... 5 Grupos de CCQ... 5 Grupos de unidades... 6 Tipos de unidades... 6 Sistema de

Leia mais

Manual Q-Acadêmico 2.0. Módulo Web - Professor

Manual Q-Acadêmico 2.0. Módulo Web - Professor Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Professor Índice 1 Acessando o sistema via internet... 3 2 Menu de Funcionalidades... 6 2.1 Acompanhamento de Calendários Acadêmicos... 7 2.2 Alterar Senha... 9 2.3

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UFBA TÍTULO

Leia mais

Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA

Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA Manual de Utilização Perfil Beneficiário 1. 2. Objetivo do Manual... 2 Siglas e Abreviações... 2 3. Perfil do Usuário... 2 4. Descrição Geral do Sistema...

Leia mais

ÍNDICE 1. CADASTRO DE BOLSAS... 2

ÍNDICE 1. CADASTRO DE BOLSAS... 2 ÍNDICE 1. CADASTRO DE BOLSAS... 2 1.1. ACESSANDO A APLICAÇÃO... 2 1.2. GUIA : BOLSAS... 3 1.2.1. Instruções para preenchimento dos campos... 3 1.3. GUIA : OBSERVAÇÃO... 7 1.4. GUIA : UNIDADES... 8 1.4.1.

Leia mais

Apresentação Figura 01:

Apresentação Figura 01: Apresentação O Sistema Online de Iniciação Científica da Universidade do Estado foi desenvolvido pela Pró- Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação (PPG) com a finalidade de agilizar o processo de

Leia mais

[MANUAL - SIGU] [MÓDULO DO ALUNO]

[MANUAL - SIGU] [MÓDULO DO ALUNO] 2015 Universidade Candido Mendes [MANUAL - SIGU] [MÓDULO DO ALUNO] Manual do módulo do aluno do sistema acadêmico de gestão universitária da Candido Mendes Sumário 1. INTRODUÇÃO... 5 2. DASHBOARD... 5

Leia mais

Portal Acadêmico Manual Técnico Renovação de Matrícula 2015/1

Portal Acadêmico Manual Técnico Renovação de Matrícula 2015/1 A rematrícula poderá ser feita acessando o site da Multivix e clicando no link Portal Acadêmico, ou digitando diretamente no seu navegador o endereço http://portal.. Na tela de login, entre com seus dados

Leia mais

Aprovados pelo Colegiado da Pós-Graduação

Aprovados pelo Colegiado da Pós-Graduação UCRITÉRIOS, REGRAS, PROCEDIMENTOS E DOCUMENTOS Aprovados pelo Colegiado da Pós-Graduação 1. Os alunos cujos orientadores tenham recebido quotas de bolsas individuais do CNPq ou da CAPES, mas que hajam

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS PARA CERTAMES SIGEDCERT - MODO USUÁRIO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS PARA CERTAMES SIGEDCERT - MODO USUÁRIO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS PARA CERTAMES SIGEDCERT - MODO USUÁRIO 1. Acesse através do navegador (preferencialmente Mozilla Firefox ou Google Chrome) o endereço web do sistema:

Leia mais

Este arquivo está disponível em: http://www.unesc.net/diario/manual

Este arquivo está disponível em: http://www.unesc.net/diario/manual Este arquivo está disponível em: http://www.unesc.net/diario/manual Diário On-line Apresentação ----------------------------------------------------------------------------------------- 5 Requisitos Básicos

Leia mais

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial...

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial... 1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3 1.1. Conhecendo a Plataforma... 4 1.2. Seleção da Empresa de Trabalho... 4 1.3. Sair do Sistema... 5 1.4. Retornar a tela principal... 5 3. Configurações...

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema

Leia mais

Manual Docente Online 2013 Lançamento de Notas e Currículo Mínimo

Manual Docente Online 2013 Lançamento de Notas e Currículo Mínimo Manual Docente Online 2013 Lançamento de Notas e Currículo Mínimo 1 CONTEÚDO Conteúdo..2 Introdução... 3 Como acessar o Portal?... 4 Lançamento de Notas... 6 Lançamento de Frequência para Programas / Projetos

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA INSCRIÇÃO NO CONCURSO TJMMG

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA INSCRIÇÃO NO CONCURSO TJMMG Leia com bastante atenção cada item abaixo para facilitar o seu cadastramento e não perder o prazo de inscrição. ITEM 1: Caso já possua o cadastro juntamente ao Centro de Integração Empresa Escola de Minas

Leia mais

Manual de acesso ao UNICURITIBA Virtual (Moodle) para alunos EAD

Manual de acesso ao UNICURITIBA Virtual (Moodle) para alunos EAD 1 Manual de acesso ao UNICURITIBA Virtual (Moodle) para alunos EAD 2015 2 Sumário Acessando o UNICURITIBA Virtual... 4 Conhecendo o UNICURITIBA Virtual... 5 1. Foto do Perfil... 5 2. Campo de Busca...

Leia mais

3 - Tela Principal. Itens importantes da página

3 - Tela Principal. Itens importantes da página SUMÁRIO 1 1 - Conceitos Gerais O CRQ é um sistema de controle de qualidade utilizado na etapa de recrutamento de estudos de natureza qualitativa. Ele é um banco de dados que tem como principal objetivo

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

PASSO A PASSO PARA INSCRIÇA O IC VOLUNTA RIO

PASSO A PASSO PARA INSCRIÇA O IC VOLUNTA RIO PASSO A PASSO PARA INSCRIÇA O IC VOLUNTA RIO Para ser voluntario em uma pesquisa é necessário: Encontrar um orientador que faça parte de um projeto inscrito na Plataforma de Apoio a Gestão Estratégica

Leia mais

Gerenciador de Congressos de Iniciação Científica Manual de Instruções

Gerenciador de Congressos de Iniciação Científica Manual de Instruções Pág. 1 Autores Gerência de Redes e Sistemas Versão Data 1. Apresentação Este é um produto desenvolvido pela equipe da Gerência de Redes e Sistemas da FARN, atualmente estruturada com o

Leia mais

Manual de publicação de conteúdos no Joomla - Pós-Graduação

Manual de publicação de conteúdos no Joomla - Pós-Graduação Universidade Estadual do Oeste do Paraná Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI) Divisão de Desenvolvimento/Sistemas Web Manual de publicação de conteúdos no Joomla da Unioeste Como incluir conteúdo na

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB CNS LEARNING MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB Versão Online 13 Índice ÍNDICE... 1 VISÃO GERAL... 2 CONCEITO E APRESENTAÇÃO VISUAL... 2 PRINCIPAIS MÓDULOS... 3 ESTRUTURAÇÃO... 3 CURSOS... 4 TURMAS... 4

Leia mais

Manual do Usuário SisFAPERJ

Manual do Usuário SisFAPERJ Manual do Usuário SisFAPERJ SisFAPERJ - Manual do Usuário Página 1 Sumário Manual do Usuário... 1 SisFAPERJ... 1 1. Tela inicial Login... 3 1.1. Este é meu 1º acesso... 3 1.2. Esqueci minha senha... 4

Leia mais

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Compra Direta - Guia do Fornecedor PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Página As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas

Leia mais

REMOÇÃO 2015 MANUAL DE DESISTÊNCIA

REMOÇÃO 2015 MANUAL DE DESISTÊNCIA REMOÇÃO 2015 MANUAL DE DESISTÊNCIA Versão 05/05/2015 SUMÁRIO ACESSANDO O SISTEMA... 03 VISUALIZANDO A SOLICITAÇÃO... 05 DEMONSTRATIVO DAS VAGAS... 06 DESISTÊNCIA DA REMOÇÃO... 08 IMPRIMIR PROTOCOLO...

Leia mais

Tutorial do Sistema de Requerimentos On-line

Tutorial do Sistema de Requerimentos On-line Tutorial do Sistema de Requerimentos On-line Atenção: Os requerimentos de segunda oportunidade, matrícula em disciplina, rematrícula, matrícula em dependência e trabalhos orientados só poderão ser abertos

Leia mais

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição SSE 3.0 Guia Rápido Módulo Secretaria Nesta Edição 1 Acessando o Módulo Secretaria 2 Cadastros Auxiliares 3 Criação de Modelos Definindo o Layout do Modelo Alterando o Layout do Cabeçalho 4 Parametrização

Leia mais

Manual do usuário. v1.0

Manual do usuário. v1.0 Manual do usuário v1.0 1 Iniciando com o Vivo Gestão 1. como fazer login a. 1º acesso b. como recuperar a senha c. escolher uma conta ou grupo (hierarquia de contas) 2. como consultar... de uma linha a.

Leia mais

CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006

CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006 CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006 1 APRESENTAÇÃO...2 2 INSTALAÇÃO...2 3 IMPORTAÇÃO DO ARQUIVO ESPECÍFICO...3 4 IMPORTAÇÃO DE DADOS DO CADASTRO DE DISCENTES...4 5 PREENCHIMENTO

Leia mais

MANUAL DO PORTAL ACADÊMICO - ALUNO

MANUAL DO PORTAL ACADÊMICO - ALUNO MANUAL DO PORTAL ACADÊMICO - ALUNO Passo a passo do Portal Acadêmico www.ucb.br - atende@ucb.br SUMÁRIO Objetivo Manual do Portal Acadêmico... 03 Navegadores... 03 Endereço Eletrônico (site)... 03 Bloqueador

Leia mais

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet.

O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar de qualquer local através da Internet. Olá! Você está recebendo as informações iniciais para utilizar o GEM (Software para Gestão Educacional) para gerenciar suas unidades escolares. O GEM é um software 100% Web, ou seja, você poderá acessar

Leia mais

1º Anexo a estas Normas haverá um conjunto de Resoluções de caráter transitório que legislarão sobre assuntos específicos do Programa em Astronomia.

1º Anexo a estas Normas haverá um conjunto de Resoluções de caráter transitório que legislarão sobre assuntos específicos do Programa em Astronomia. NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ASTRONOMIA DO ON Capítulo 1 Das disposições gerais Capítulo 2 Da constituição do Corpo Docente Capítulo 3 Da orientação do aluno Capítulo 4 Da admissão e matrícula

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor

Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Ambiente Virtual de Aprendizagem C.S.G. M anual do Professor Sumário Pré-requisitos para o Moodle... Entrar no Ambiente... Usuário ou senha esquecidos?... Meus cursos... Calendário... Atividades recentes...

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO 2º/2015 Coordenador: Prof. Dr. Antônio Corrêa de Lacerda Vice-Coordenadora: Profa. Dra. Regina Maria d Aquino Fonseca Gadelha Estarão abertas, no período de 01/04/2015 a

Leia mais

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Manual do Usuário Página1 Sumário 1 Configurações Recomendadas... 4 2 Objetivos... 4 3 Acesso ao Sistema... 5 3.1. Acessar 6 3.2. Primeiro

Leia mais

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 07 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 09 Edição do Perfil... 12 Acessando as Atividades... 14 Iniciando o Semestre...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO PRONATEC

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO PRONATEC Matrícula de Estudante do SISUTEC Manual do Usuário Acesso ao módulo de Matrícula de Estudante do SISUTEC Descrição Este documento visa apresentar ao Gestor Responsável pela Unidade de Ensino, ao Assessor

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

MANUAL DE FÉRIAS SIGRH PARA SECRETÁRIAS E CHEFIAS

MANUAL DE FÉRIAS SIGRH PARA SECRETÁRIAS E CHEFIAS MANUAL DE FÉRIAS SIGRH PARA SECRETÁRIAS E CHEFIAS Universidade Federal de Itajubá Diretoria de Pessoal Janeiro/2015 Prezadas Chefias e Secretárias, Com o intuito de orientar as Diretorias e Institutos

Leia mais

MANUAL DE NAVEGAÇÃO UNICURITIBA VIRTUAL

MANUAL DE NAVEGAÇÃO UNICURITIBA VIRTUAL MANUAL DE NAVEGAÇÃO UNICURITIBA VIRTUAL ACESSANDO O UNICURITIBA VIRTUAL Acesse o site do UNICURITIBA: http://unicuritiba.edu.br Clique no link Portal do Aluno, que fica no canto superior direito. Dentro

Leia mais

SISTEMA UNIMED HRP: MÓDULO WEBSAÚDE MANUAL DE UTILIZAÇÃO

SISTEMA UNIMED HRP: MÓDULO WEBSAÚDE MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA UNIMED HRP: MÓDULO WEBSAÚDE MANUAL DE UTILIZAÇÃO Departamento de Tecnologia da Informação tecnologia@unimeditabira.com.br 31 3839-771 3839-7713 Revisão 03 Itabira Setembro 2015 Sumário 1. Acessando

Leia mais

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno

Guia Rápido de Utilização. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Perfil Aluno Guia Rápido de Utilização Ambiente Virtual de Aprendizagem Perfil Aluno 2015 APRESENTAÇÃO O Moodle é um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) open source¹. Esta Plataforma tornouse popular e hoje é utilizada

Leia mais

Manual do Usuário SIG

Manual do Usuário SIG Universidade Federal do Pará Manual do Usuário SIG Belém 2011 Manual para Marcação de Férias no SIGRH Este manual tem como objetivo auxiliar os servidores da UFPA na realização do seu registro de férias

Leia mais

QUALIDATA Soluções em Informática. Módulo CIEE com convênio empresas

QUALIDATA Soluções em Informática. Módulo CIEE com convênio empresas FM-0 1/21 ÍNDICE 1. MÓDULO DESKTOP(SISTEMA INSTALADO NO CIEE)... 2 Cadastro de Ofertas de Empregos:... 2 Cadastro de Eventos:... 3 Cadastro de Instituições do Curriculum:... 5 Cadastro de Cursos do Curriculum:...

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Pampa Gestão Unificada de Recursos Institucionais GURI Módulo de Processo Seletivo

Ministério da Educação Universidade Federal do Pampa Gestão Unificada de Recursos Institucionais GURI Módulo de Processo Seletivo 1 Acesso ao GURI Acessar através do seu navegador de internet o endereço http://guri.unipampa.edu.br. Imagem 1 Página Principal do GURI 2 Processo Seletivo 2.1 Inscrições em Processos Seletivos Para se

Leia mais

DIÁRIO DE CLASSE. Atenciosamente,

DIÁRIO DE CLASSE. Atenciosamente, DIÁRIO DE CLASSE Estamos apresentando aos Professores e Professoras da UNEB o sistema de registros acadêmicos que será feito online a partir de qualquer computador com acesso à internet. Salientamos que

Leia mais

CPP. Sistema de Cadastro de Projetos de Pesquisa. Manual do Software

CPP. Sistema de Cadastro de Projetos de Pesquisa. Manual do Software CPP Sistema de Cadastro de Projetos de Pesquisa Manual do Software Maio 2015 1 Sistema de Cadastro de Projetos de Pesquisa Manual do Software Manual de uso do software SCPP Sistema de Cadastro de Projetos

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA REGIMENTO DO PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa Associado

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA INSCRIÇÃO AO CONCURSO TJMMG

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA INSCRIÇÃO AO CONCURSO TJMMG Leia com bastante atenção cada item abaixo para facilitar o seu cadastramento e não perder o prazo de inscrição. ITEM 1: Caso já possua o cadastro juntamente ao Centro de Integração Empresa Escola de Minas

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MODULO OPERACIONAL

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MODULO OPERACIONAL MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MODULO OPERACIONAL TISS 3.02.00 Setembro 2015 - Versão 3 Índice Passo 1: Visão Geral... 3 Passo 2: Como acessar o Consultório Online?... 3 Passo 3: Quais são os Recursos Disponíveis...

Leia mais

REMOÇÃO 2015 Versão 10/04/2015

REMOÇÃO 2015 Versão 10/04/2015 Versão 10/04/2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 03 ACESSANDO O SISTEMA... 04 CONSULTA DE VAGAS... 06 CRIAR SOLICITAÇÃO PARA REMOÇÃO 2015... 09 PREENCHENDO A COMARCA/FORO... 10 ALTERANDO A SOLICITAÇÃO CADASTRADA...

Leia mais

V.1.0 SIAPAS. Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde. Contas Médicas

V.1.0 SIAPAS. Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde. Contas Médicas 2014 V.1.0 SIAPAS Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde Contas Médicas SIAPAS Sistema Integrado de Administração ao Plano de Assistência à Saúde Módulos CONTAS MÉDICAS Capa

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS-PGDP SUBGERÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOCENTE - SUAD MANUAL DE INSTRUÇÕES PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO - PIT

PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS-PGDP SUBGERÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOCENTE - SUAD MANUAL DE INSTRUÇÕES PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO - PIT PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS-PGDP SUBGERÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOCENTE - SUAD MANUAL DE INSTRUÇÕES PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO - PIT Out/2014 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB PRÓ-REITORIA

Leia mais

Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno

Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno Índice 1 Acessando o sistema via internet...3 2 Funcionalidades...6 2.1 Horário Individual...7 2.2 Calendário Acadêmico...8 2.3 Biblioteca...9 2.3.1 Consultar

Leia mais

TREINAMENTO DE USUÁRIO APROVADOR/HOMOLOGADOR. SIPPES Sistema de Pagamento de Pessoal

TREINAMENTO DE USUÁRIO APROVADOR/HOMOLOGADOR. SIPPES Sistema de Pagamento de Pessoal TREINAMENTO DE USUÁRIO APROVADOR/HOMOLOGADOR SIPPES Sistema de Pagamento de Pessoal Sumário CONFIGURAR ORGANIZAÇÃO MILITAR 1. USUÁRIOS... 6 1.1. Administrador de Parâmetros Cadastrais OM... 6 2. PRÉ-CONDIÇÕES...

Leia mais