Cadastro Ambiental Rural nos estados da Amazônia. Primeiro Relatório de Monitoramento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cadastro Ambiental Rural nos estados da Amazônia. Primeiro Relatório de Monitoramento"

Transcrição

1 Cadastro Ambiental Rural nos estados da Amazônia Primeiro Relatório de Monitoramento Abril de 2014

2

3 Cadastro Ambiental Rural nos estados da Amazônia Primeiro Relatório de Monitoramento Abril de 2014

4 Ficha Técnica: Edição: Conservação Internacional Equipe Técnica: Patrícia Baião, Valmir Ortega, Mauro Oliveira Pires e Gabriela Savian Revisão: Jaime Gesisky Design: Código Plus

5 Sumário Lista de Siglas Introdução Os indicadores Principais achados Panorama geral do CAR nos estados da Amazônia Legal Os indicadores e a situação em cada estado ACRE AMAPÁ AMAZONAS MARANHÃO MATO GROSSO PARÁ RONDÔNIA RORAIMA TOCANTINS...39

6

7 Lista de Siglas ABC Plano de Agricultura de Baixo Carbono ACT Acordo de Cooperação Técnica ADEPARA Agência de defesa Agropecuária do Estado do Amazonas ART Anotação de Responsabilidade Técnica ATER Assistência Técnica e Extensão Rural BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social CAR Cadastro Ambiental Rural CEMACT Conselho Estadual do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia CREA Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura DAP Declaração de Aptidão ao PRONAF EMATER Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural FAEA Federação da Agricultura e Pecuária do Amazonas FAEAC Federação de Agricultura e Pecuária do Estado do Acre FAPEAM Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas FEMARH Fundação Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (RO) FETACRE Federação dos Trabalhadores em Agricultura do Acre FIP Programa de Investimentos em Florestas (FIP, sigla em inglês) GTA Guia de Transporte Animal IBAMA Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ICMS Impostos sobre Circulação de Mercadorias e Serviços IDAM Instituto de desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas IEF Instituto Estadual de Florestas IMAC Instituto do Meio Ambiente do Acre IMAP Instituto do Meio Ambiente e de Ordenamento do Estado do Amapá INCRA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária IPAAM Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas ITEAM Instituto de Terras no Amazonas ITERACRE Instituto de Terras do Acre ITERAIMA Instituto de Terras e Colonização de Roraima 7

8 ITERPA Instituto de Terras do Pará ITERTINS Instituto de Terras do Estado do Tocantins MMA Ministério do Meio Ambiente NATURATINS Instituto Natureza do Tocantins OEMA Órgão Estadual de Meio Ambiente PLANAPO Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica PMV Programa Municípios Verdes (PA) PNMC Política Nacional sobre Mudanças do Clima PPCDAM Plano de Ação para a Prevenção e o Controle do Desmatamento da Amazônia Legal PPCERRADO Plano de Ação para a Prevenção e o Controle do Desmatamento e das Queimadas do Bioma Cerrado PRA Programa de Regularização Ambiental RURALTINS Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins RURAP Instituto de Desenvolvimento Rural do Amapá SEAGRI Secretaria de Agricultura (RO) SEAPROF Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar SEDAM Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental (RO) SEFA Secretaria da Fazenda (RO) SEMA Secretaria Estadual de Meio Ambiente SEMADES Secretaria do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável (TO) SICAR Sistema de Cadastro Ambiental Rural SIMLAM Sistema Integrado de Monitoramento e Licenciamento Ambiental SMA Secretaria de Meio Ambiente (SP) TI Terra Indígena UC Unidade de Conservação UFLA Universidade Federal de Lavras 8

9 1. Introdução Este relatório faz parte do projeto Iniciativa de Observação, Verificação e Aprendizagem do Cadastro Ambiental Rural e da regularização ambiental Inovacar, executado desde 2013 pela Conservação Internacional (CI-Brasil), com o apoio da Climate Land Use Alliance CLUA. Focado na região Amazônica, o Inovacar tem como objetivos centrais: monitorar a implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) a fim de estimular a transparência e o controle social e promover a discussão e a troca de experiências que incentivem a regularização ambiental na região. Para estabelecer as bases do monitoramento, o Inovacar criou uma série de indicadores procurando retratar, nos estados amazônicos, a situação do CAR e a dos Programas de Regularização Ambiental (PRA), estabelecidos pela Lei federal Nº /2012. Para o cadastramento propriamente, os indicadores referem-se a aspectos institucionais; sistema de geotecnologias; estratégias de mobilização para o cadastramento e registro de informações. Antes de aplicá-los ao contexto da Amazônia, o projeto os testou junto às secretarias estaduais de meio ambiente da Bahia (SEMA/BA) e de São Paulo (SMA), que gentilmente atenderam ao pedido de informações e concederam as entrevistas. Após os ajustes, iniciamos a pesquisa nos nove estados da Amazônia Legal entre os meses de novembro de 2013 e janeiro de Na maioria dos casos, a equipe do Inovacar visitou os órgãos estaduais de meio ambiente (OEMA) e entrevistou os técnicos dos setores responsáveis pelo CAR. Quando não foi possível o contato pessoal, usamos telefone e Skype para realizar as entrevistas. Registre-se que a anuência dos dirigentes e a pronta colaboração dos técnicos dos referidos órgãos ambientais foram fundamentais para a obtenção das informações. Assim, este relatório reflete a situação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) nos estados amazônicos e tem por base as informações declaradas pelos OEMA à época das entrevistas. Como trata-se de um processo em curso, é possível que alguns dos aspectos aqui mencionados tenham evoluído. Por ser o primeiro levantamento sistemático publicado após a Lei Nº /2012 ter tornado obrigatório o registro de todos os imóveis rurais no sistema do CAR, pode-se dizer que este relatório retrata o ponto de partida (baseline) do CAR na Amazônia. Sua importância reside no fato de que o relatório irá favorecer futuros acompanhamentos e análises. 9

10 Recomenda-se, porém, cautela na comparação da situação entre os estados, pois cada um partiu de um estágio próprio. Mato Grosso, Pará e mesmo Rondônia já contavam com o CAR na sua política ambiental, enquanto outros sequer começaram a esboçar os primeiros passos. Para melhor compreensão do assunto, sugere-se a leitura do estudo O Cadastro Ambiental Rural na Amazônia, elaborado para o Inovacar, disponível em documentos. Com o presente relatório, o Inovacar procura oferecer à sociedade brasileira e aos gestores públicos subsídios que contribuam para a consolidação do processo de regularização ambiental dos imóveis rurais não apenas na Amazônia. 10

11 2. Os indicadores Criados para facilitar a compreensão dos diferentes aspectos do CAR nos estados, os indicadores foram agrupados da seguinte forma: I. Quanto aos aspectos institucionais 1. Legislação Estadual e Regulamentos 2. Recursos financeiros destinados ao CAR 3. Recursos humanos destinados o CAR 4. Instância colegiada para gestão do CAR 5. Cursos de capacitação 6. Infraestrutura (espaço físico, equipamentos etc.) específica para o CAR 7. Acordos de Cooperação Técnica entre órgãos governamentais II. Quanto aos sistemas de informação e geotecnologias 8. Sistema de Informações para o CAR 9. Automatização do sistema 10. Transparência e acesso público das informações 11.Imagens de satélite 12. Bases temáticas III. Quanto às estratégias para o cadastramento 13. Estratégia de mobilização social para a agricultura familiar e pequenos produtores 14. Estratégia de mobilização social para populações tradicionais e quilombolas 15. Definição de áreas prioritárias para o cadastramento 16. Campanhas de sensibilização e atendimento IV. Quanto ao registro das Informações 17. Imóveis rurais do estado 18. Número de registros de CAR e Número de CAR validados 19. Quem pode inserir a documentação 20. Documentação necessária exigência de ART 21. Cobrança de taxa de inscrição 22. Avaliação dos registros pelo OEMA 23. Priorização para a validação dos registros 24. Integração do CAR a outros procedimentos ambientais 11

12

13 3. Principais achados Falta de estratégia A primeira constatação deste relatório é que não foi identificado durante a pesquisa qualquer documento, seja da esfera federal ou dos governos estaduais que diga qual é a estratégia, plano ou equivalente para a implantação da nova lei florestal (Nº /2012). Passados quase dois anos de sua publicação, o governo federal principal negociador no Congresso Nacional e responsável por sua sanção não dispõe de uma estratégia clara e acessível ao público. Curiosamente, essa ausência contrasta com a tradição recente da política ambiental que fez questão de tornar públicos seus diversos planos, como o de combate ao desmatamento (PPCDAM e PPCerrado), de mudanças climáticas (PNMC, Plano ABC e demais planos setoriais) ou como o da agroecologia e produção orgânica (PLANAPO). Sem orientação estratégica do nível federal, a sociedade civil permanece impossibilitada de debatê-la e de cobrar as medidas necessárias para a regularização ambiental. Por outro lado, é importante registrar os esforços de aquisição de imagens e de criação do Sistema de Cadastro Ambiental Rural (SICAR) feitos pelo Ministério do Meio Ambiente, bem como a criação da linha de apoio ao CAR no Fundo Amazônia, por meio do BNDES. Embora importantes, tais esforços não são suficientes e não conjugam entre si uma estratégia articulada e coordenada. Foco excessivo na inscrição dos registros e não em todo o processo de regularização ambiental Até o momento, a maioria dos estados não estabeleceu os instrumentos necessários para o efetivo cumprimento de todas as exigências da nova legislação, como a instituição dos programas de regularização ambiental (PRA), o funcionamento das cotas de reservas ambientais e os incentivos econômicos. Enquanto isso, há um enfoque na fase de inscrição dos imóveis no sistema de registro ambiental. O governo federal, igualmente centrado no registro ambiental, também não apresentou suas propostas de regulamentação da lei, induzindo os estados a aguardarem seu posicionamento. 13

14 Para além do CAR, se não houver significativa energia do aparato público direcionada a todas as fases do processo de regularização ambiental, a recuperação dos passivos ambientais e a valorização da floresta serão promessas não cumpridas. Tal como define a lei, o registro no CAR deve ser visto apenas como a porta de entrada para o longo processo de adequação ambiental, a exigir apoio aos produtores, o monitoramento e a fiscalização dos compromissos pactuados. Compasso de espera Outra constatação é que o atraso na regulamentação federal da nova lei favorece àqueles que comodamente permanecem em compasso de espera. A maioria dos estados aguarda a regulamentação federal especialmente quanto ao início do prazo de registro do CAR para tomar as providências. Como muitos aspectos dependem dessa regulamentação federal e o prazo de inscrição não está correndo, a sensação de que a nova lei ainda não precisa ser implementada favorece a percepção de insegurança, quando não a de impunidade dos ilícitos ambientais. Na região amazônica, onde encontra-se a maior floresta tropical do planeta, a nova lei florestal ainda não está em pleno vigor Passados quase dois anos de sanção presidencial à lei florestal, a regularização ambiental na Amazônia como no resto do país ainda é uma miragem. Conforme se verá mais adiante, em boa parte dos indicadores abaixo comentados, essa é a situação geral. Destacadamente, os estados que aderiram ao uso do SICAR federal aguardam definições gerais para a normatização interna. Assim, aspectos estratégicos como nível de transparência pública, grau de sobreposição de polígonos e automatização de rotina dos sistemas seguem indefinidos. O fato é preocupante e pode resultar em prejuízos na aplicação da lei, além de aumentar os riscos de sobrecarga de trabalho e de perda de qualidade do processo quando começar a contagem do exíguo prazo de cadastramento. 14

15 4. Panorama geral do CAR nos estados da Amazônia Legal 4.1 Quanto aos aspectos institucionais do CAR Após a publicação da Lei federal N o /12, na Amazônia Legal, apenas os estados do Acre, Rondônia e Tocantins atualizaram sua normatização florestal. N o Acre, o CAR foi instituído por meio da Lei N o 2.693, de 17 de janeiro de 2013, e regulamentado pelo Decreto N o 6.344, de 9 de setembro de Em Rondônia, o Decreto N o , de 25 de junho de 2013, reconheceu o CAR como um dos instrumentos para a regularização ambiental. O estado do Tocantins alterou o seu programa TO-LEGAL, por meio da Lei N o 2.713, de 9 de maio de Embora não esteja totalmente alinhada com a norma federal, a lei estadual do Amazonas (Nº 3.635), sancionada ainda em 2011, incorpora parte de seus elementos. O Pará está discutindo seu regramento, embora o CAR já apareça em sua normatização desde 2006/2007. O Mato Grosso começou em 2013 a rever sua legislação mas sem a participação da sociedade civil 1.Os demais estados amazônicos ainda não começaram a adequar suas normas florestais. Quanto à instituição dos Programas de Regularização Ambiental (PRA), apenas o Acre e Rondônia possuem legislação específica, o que não significa que estejam em implementação. Em relação aos recursos financeiros destinados especificamente ao CAR, apenas os estados do Amazonas, Pará e Rondônia afirmam destinar recursos próprios. Acre, Rondônia, Tocantins, Maranhão e Pará obtiveram recursos do Fundo Amazônia/BNDES para essa finalidade, enquanto o Amapá, o Amazonas, o Mato Grosso e Roraima ainda preparam ou aguardam aprovação de seus projetos. Enquanto não começa o prazo de inscrição no sistema do CAR, a falta de rubrica orçamentária específica para esta finalidade não é obrigatoriamente um problema, mas não deixa de sinalizar o compromisso do orçamento estadual com essa agenda. Como era de se esperar, em razão de o prazo de inscrição não ter começado, nenhum estado afirmou possuir recursos humanos exclusivamente dedicados às tarefas do CAR. Os poucos servidores da área ambiental estadual dividem o tempo com outras atribuições. A maior parte dos órgãos estaduais afirma que contratará empresas de serviços para o cadastramento dos imóveis, sendo que os estados do Amazonas, Maranhão e Roraima 1 Pires, M.O; Ortega, V.G. O Cadastro Ambiental Rural na Amazônia. Brasília: Conservação Internacional, p. Disponível em 15

16 mencionaram que pretendem estender a futura contratação de serviços para as etapas de análise e validação dos registros. Quanto aos aspectos de infraestrutura dedicada ao CAR, os estados informaram que ainda não têm espaço físico e equipamentos exclusivos para as rotinas referentes a esse instrumento da política ambiental. Ou seja, a infraestrutura é compartilhada com outros procedimentos dos órgãos mesmo nos estados do Mato Grosso, Pará e Rondônia em que o CAR não é novidade. Até o momento, nenhum estado possui balcões de atendimento exclusivos para recepção/ auxílio ao registro. Na maioria dos casos, aguardam a liberação de recursos do Fundo Amazônia para essa finalidade. Com base nas informações levantadas junto aos estados, não é possível dizer que existe uma ampla estratégia de capacitação dos diferentes segmentos sociais, tanto do setor governamental quanto dos proprietários, posseiros e da sociedade civil para a aplicação do CAR. Há iniciativas pontuais de capacitação de técnicos dos OEMA, do órgão de assistência técnica (ATER) e, quando muito, das secretarias municipais de meio ambiente. Aqueles estados que já contam com projetos no Fundo Amazônia aguardam liberação de recursos para essa finalidade. Por outro lado, muitos estados participaram das capacitações oferecidas pelo Ministério do Meio Ambiente, embora as consideram insuficientes em razão da demanda com que os órgãos terão que lidar. Todos os estados firmaram acordos de cooperação técnica (ACT) com o MMA para a regularização ambiental. E o Pará destaca-se como a unidade da federação em que o CAR vem sendo usado para outras políticas públicas (a esse respeito ver em Pires e Ortega, 2013 ), sendo um dos critérios para a repartição dos recursos do ICMS ecológico e como suporte para o processo de regularização fundiária dos municípios. 4.2 Quanto a sistema e geotecnologias Apenas os estados em que o CAR já era obrigatório (Mato Grosso, Pará e Rondônia) possuem sistema de informação para essa finalidade, denominado Sistema Integrado de Monitoramento e Licenciamento Ambiental (SIMLAM). Não está claro, porém, se tal sistema terá continuidade, pois nos últimos meses aumentaram os rumores de que os governos desses estados preferem migrar para o sistema federal, o SICAR. Se isso ocorrer, é provável que ficarão superadas as dificuldades de integração entre os sistemas anteriormente relatadas para esta pesquisa, embora permaneça a dúvida sobre o destino dos registros realizados no atual sistema. À exceção do Tocantins, os demais afirmaram que aderiram ao uso do SICAR federal, sendo que alguns preveem também a customização e a criação de módulos próprios, como disseram o Acre e o Amazonas. O Tocantins informou que está prestes a finalizar a elaboração de seu SIGCAR. No SIMLAM do Mato Grosso e do Pará, não há a funcionalidade off-line para a elaboração do 16

17 cadastro e posterior envio (upload) dos dados gerados. Em lugares em que o acesso à internet é precário, quando existente, trata-se de um dispositivo útil. Por isso, a EMATER do Pará está desenvolvendo com recursos do Ministério do Meio Ambiente um software denominado SIGA, que terá as funcionalidades de desenhador geográfico do imóvel e de pré-registro dos dados em modo off-line a serem usadas junto ao seu público beneficiário, ou seja, os agricultores familiares paraenses. Em Rondônia, há um aplicativo com função off-line, mas disponível apenas aos responsáveis técnicos cadastrados no OEMA. A entrada dos dados no SICAR federal, ao qual vários estados aderiram, deve ocorrer pelo módulo off-line (pré-registro), e depois envio dos dados (upload). Os sistemas do Mato Grosso, Pará e Rondônia possuem, além do registro, os módulos de análise e validação dos dados, sendo que Rondônia informou ter também módulo para o monitoramento. O estado de Tocantins afirmou que seu futuro sistema contará com as funções de registro (online e off-line), análise, validação e monitoramento. No caso do SICAR federal, não está claro se os estados terão à disposição estes módulos, ou se deverão promover individualmente a customização do sistema para essa finalidade e, assim, gastar mais recursos púbicos. Quanto ao grau de automatização de rotinas dos sistemas entendido aqui como a possibilidade de aplicação de filtros ou mecanismos que realizem verificações automáticas, agilizando a identificação de erros e inconsistências e a análise dos dados o relato dos estados não é claro. Aqueles que aderiram ao SICAR federal não sabem informar quão automatizado será tal sistema. A automatização depende de elaboração de bases temáticas (cobertura vegetal, hidrografia, malha viária, UCs, TIs, assentamentos da reforma agrária etc.) ou cartográficas, e até mesmo da resolução e acurácia das imagens de satélite. O problema é que para alguns mosaicos de imagens de satélite, a qualidade prometida não foi entregue, contendo vazios e presença de nuvens. Por isso, no caso do Tocantins, o órgão ambiental informou que está relacionando-se com a empresa fornecedora das imagens ao MMA para solucionar os problemas identificados. Disse ainda que pretende melhorar suas bases temáticas. Em relação à sobreposição dos polígonos dos imóveis rurais, a maior parte dos estados ainda não definiu tolerância aceitável. Apenas o Mato Grosso informou que sua tolerância de sobreposição já é limitada até 120 metros, sendo que, para o manejo florestal essa tolerância cai para dez metros. Maranhão, Pará e Tocantins cogitam aceitar até cinco por cento da área sobreposta no caso de propriedades particulares. Essa decisão, entretanto, deve ser parte da regulamentação federal, ao menos no caso dos estados que aderiram ao SICAR. Com relação à transparência pública, não está igualmente claro o grau que será conferido pelos estados que aderiram ao SICAR, pois dependem da regulamentação do governo federal. Por outro lado, os estados que possuem sistema próprio e em funcionamento permitem acesso 17

18 público às informações registradas, variando porém quanto ao uso de diferentes filtros: por situação cadastral, município, nome, CPF e CNPJ dos proprietários. Rondônia destaca-se como o estado com o mais amplo acesso às informações. Quanto às imagens de satélite, todos os estados receberam aquelas compradas pelo MMA referentes ao ano de 2011 e que deverão ser complementadas pelas de 2012, conforme previsto. Com os futuros recursos do Fundo Amazônia, a maioria dos estados espera obter imagens de alta resolução para a fase de análise e validação dos cadastros. O problema refere-se ao marco temporal de 22 de junho de 2008, mencionado na lei florestal. Somente Mato Grosso, Pará e Rondônia informaram ter imagens (SPOT) de 2008 ou de Os demais possuem apenas a série histórica do satélite LANDSAT, cuja resolução é tida como insuficiente para análises sofisticadas, especialmente no caso de APP. É interessante observar que todos os estados afirmaram possuir bases temáticas disponíveis para o registro e análise. Porém, sabe-se que, em alguns casos, a escala dessas bases é insuficiente ou as informações estão desatualizadas. 4.3 Quanto às estratégia para o cadastramento Para mobilizar os proprietários de imóveis rurais para o devido registro dos imóveis no CAR, grande parte dos estados espera contar com parcerias com prefeituras municipais, órgãos de ATER (com ampla capilaridade junto aos agricultores familiares) e sindicatos representativos, sobretudo no caso do Acre, Amazonas, Pará e Rondônia. Para as populações tradicionais e quilombolas, a maioria dos estados diz que irá atendê-las dentro da estratégia geral referente aos imóveis rurais com área menor que quatro módulos fiscais. Vale lembrar que no SICAR está prevista uma entrada específica para a inserção das informações dos imóveis desse público. Para a fase de inscrição propriamente dita, os estados relatam que acionarão os escritórios regionais do OEMA. Também deverão ser instalados balcões de atendimento nos municípios e nos demais parceiros (órgãos públicos, entidades civis e de classe). A maioria dos estados definiu as áreas com maior concentração de desmatamentos como prioritárias para a mobilização e o cadastramento, apenas o Mato Grosso não tem oficialmente uma definição sobre esse ponto. Para a popularização do CAR, Rondônia é o único estado que já iniciou campanhas massivas de propaganda, dispondo inclusive de um serviço telefônico gratuito (0800). 4.4 Quanto ao registro das Informações A tabela abaixo apresenta o número de imóveis rurais estimados em cada estado da Amazônia Legal, bem como o número de registros no CAR. Revela, assim, a complexidade do trabalho de cadastramento, pois mesmo nos estados em que o CAR já está em vigor (MT, PA e RO) observa-se uma baixa proporção de registros validados, destacadamente no Pará. 18

19 Tabela 1. Estimativa de imóveis rurais e número de registro de CAR nos estados da Amazônia À exceção do Mato Grosso, os demais estados amazônicos não exigem anotação de responsabilidade técnica (ART) para o registro dos imóveis rurais inferiores a quatro módulos fiscais. Os estados do Acre, Amapá e Tocantins informaram que também não a solicitarão para propriedades incluídas neste caso. Vale ressaltar que no SICAR federal também não se exige a ART, independente do tamanho do imóvel. No Pará, a ART é uma exigência para imóveis acima de quatro módulos, enquanto que em Rondônia isso foi flexibilizado recentemente. A documentação necessária para o registro dos dados é padrão em todos os estados: identificação do proprietário, comprovação de propriedade, croqui ou arquivo com polígonos (shapefile). Para as áreas maiores que quatro módulos fiscais, além dessa documentação, a expectativa dos estados é de que seja obrigatória também a apresentação de planta georreferenciada do imóvel e memorial descritivo. Entretanto, convém lembrar que nos casos dos estados que aderiram ao uso do SICAR, isso carece de normatização federal. Após a inserção dos dados nos sistemas em que o CAR já está em vigor (MT, PA, RO), emite-se o recibo de inscrição. No Mato Grosso, cobra-se uma taxa para as áreas acima de 150 hectares, mas no Pará e Rondônia não. Quanto à análise dos cadastros, os estados mencionaram que irão fazê-la mediante verificação documental e informações de imagens de satélite. Em alguns estados, prevê-se o trabalho de campo, normalmente por amostragem, para checagem de inconsistências. Nos estados do Amazonas, Mato Grosso, Pará e Tocantins, a solicitação de licenciamento ambiental constitui critério de priorização para a fase de análise e validação. No Acre, a prioridade será para os imóveis rurais multados ou menores que módulos fiscais. Amapá, Maranhão e Roraima ainda não definiram critérios de prioridade de análise. Rondônia informou que observará a ordem de inscrição, mas terão prioridade os casos de embargo e manejo, assim como as solicitações do Ministério Público. Nos estados de Mato Grosso, Pará e Rondônia, o CAR está integrado a outros procedimentos dos órgãos ambientais, sendo este o primeiro passo para o licenciamento e outras autorizações. 19

20

21 5. A situação dos estados amazônicos e os indicadores 5.1 ACRE Aspectos Institucionais O Acre instituiu o CAR por meio da Lei N o de 17 de janeiro de 2013 e o regulamentou pelo Decreto N o 6.344, de 9 de setembro de Embora já tenha formalmente instituído o PRA, ele não foi regulamentado. Apesar de não dispor de recurso orçamentário próprio para o CAR, a SEMA/AC conseguiu aprovar um projeto para esse fim no Fundo Amazônia no valor de R$ 17 milhões. De acordo com a informação prestada, dos 100 servidores da SEMA/AC, cerca de 30 estão de algum modo envolvidos com o CAR. O estado prevê a contratação de empresa privada para a atividade de cadastramento. Estão previstos ainda cursos de capacitação para os servidores da SEMA/AC e do Instituto de Meio Ambiente do Acre (IMAC), bem como para facilitadores e lideranças para apoiar o cadastramento. O Decreto estadual N o 6.344/13, em seu artigo 2 o, estabelece instâncias colegiadas para tratar do CAR, sendo uma delas o Conselho Estadual de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia (CEMACT), de caráter consultivo e deliberativo, com a função de normatização do assunto em matérias técnico-ambientais. Em relação à infraestrutura, como não há um espaço próprio para as atividades do CAR, elas serão desenvolvidas nas instalações já existentes nos órgãos. Conforme informado pela SEMA/ AC, será implantado escritório central para cadastramento, análise e validação dos registros, em Rio Branco. Foram firmados acordos de cooperação entre SEMA/AC, o IMAC, o MMA, o INTERACRE e o IBAMA para a integração do CAR com o SICAR, a regularização fundiária e o compartilhamento de informações entre os cadastros e as multas ambientais. 21

22 Sistema / Geotecnologia Conforme comentado anteriormente, o Acre aderiu ao SICAR federal e mantém diálogo com a UFLA para o desenvolvimento de um sistema próprio para análise e validação dos cadastros. Por enquanto, como o SICAR federal ainda não está recebendo os dados, o estado conta apenas com a funcionalidade de pré-registro no módulo off-line. As definições sobre automatização, transparência e acesso público aguardam posição do governo federal. Em relação às imagens de satélite, o estado possui aquelas fornecidas pelo MMA, do ano de 2011, e as da série histórica do satélite Landsat, inclusive de Além destas, o estado informou que prevê a aquisição de imagens de 2014, 2015 e 2016 para o monitoramento APPs e RLs. Informou ainda que dispõe de bases temáticas de cobertura vegetal, hidrografia, malha viária, UCs, TIs e assentamentos. Estratégia para o cadastramento Para mobilização social em torno do cadastramento dos imóveis rurais menores que quatro módulos fiscais, a SEMA/AC firmou parceria com a SEAPROF (órgão de assistência técnica), a FETACRE e o INCRA. Para os imóveis de médio e grande portes, foi firmado acordo com Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Acre (FAEAC). O estado informou ainda que tanto a SEMA/AC quanto o IMAC realizarão, se necessário, o atendimento em regime de mutirão. Os cadastradores a serem contratados atuarão nos municípios com maior número de imóveis rurais. Também deverão fazer a denominada busca ativa para as áreas com vazios de imagens de satélite. Para as populações tradicionais e quilombolas ainda não foi definida estratégia distinta da que será utilizada para a agricultura familiar. Com relação à prioridade para a mobilização e o cadastramento, o governo selecionou os municípios com maiores índices de desmatamento, a capital e os imóveis rurais com multas ambientais. O estado informou ainda que para o atendimento ao público serão utilizados a sede da SEMA e do IMAC, localizadas em Rio Branco, e os cinco escritórios do IMAC no interior. Além disso, espera-se instalar em Rio Branco outros postos nas centrais de atendimento denominadas OCA e que reúnem diversos órgãos públicos num único local espalhadas. Foi informado ainda que estão previstos dois balcões juntos à Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Acre (FETACRE) e um na FAEAC. Ainda, 12 postos de atendimentos serão instalados em municípios do interior do estado. Estão previstas ações de comunicação, com inserções no rádio e na TV, distribuição de material impresso e atendimento telefônico pelo serviço gratuito (0800), além do escritório itinerante (CAR Móvel). 22

23 Registro das Informações O estado estima um total de aproximadamente 30 mil imóveis rurais a serem registrados, sendo que 24 mil com área menor que quatro módulos fiscais, na maioria enquadrados como agricultura familiar. Segundo a SEMA, cerca de registros similares ao CAR estão incluídos no Sistema Estadual de Informações Ambientais (SEIAM) realizados mediante parceria piloto com o MMA em três municípios (Acrelândia, Plácido de Castro e Senador Guiomard). É possível que esses registros migrem para o SICAR/AC, mas provavelmente apenas os dados dos polígonos da área total dos imóveis rurais em função de incompatibilidade de sistemas e regras. Como o Acre aderiu ao SICAR federal, as definições gerais ainda carecem de decisão. De acordo com as informações coletadas, não está prevista a exigência de anotação de responsabilidade técnica (ART) para o registro, independente do tamanho da propriedade. Quando for possível realizar a inscrição, deverão ser apresentados os documentos pessoais e do imóvel. Não está prevista a cobrança de taxa. Na etapa de análise dos cadastros, a avaliação dos documentos submetidos e a verificação dos dados ambientais deverá ocorrer sem visitas ao campo. 23

A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros

A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros A Implementação do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e do Programa de Regularização Ambiental (PRA) nos estados brasileiros Sumário Executivo Maio de 2015 Este sumário executivo apresenta um panorama nacional

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR O QUE ÉO CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural

Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural Orientações para o Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural 1. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento Ambiental Rural no bioma Amazônia... 2 2. Apoio do Fundo Amazônia ao Cadastramento

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria Executiva Departamento de Politicas de Combate ao Desmatamento Ações de Prevenção e Controle do Desmatamento no Brasil: Amazônia, Cerrado e Caatinga Brasília, setembro

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural

Cadastro Ambiental Rural Cadastro Ambiental Rural E suas possíveis contribuições para a gestão de bacias hidrográficas Botucatu 28/06/2013 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos

Leia mais

TABULAÇÃO DE DADOS COM RESPOSTAS DE ESTADOS. 1) Convênio com terceiros para mobilizar ao cadastramento:

TABULAÇÃO DE DADOS COM RESPOSTAS DE ESTADOS. 1) Convênio com terceiros para mobilizar ao cadastramento: TABULAÇÃO DE DADOS COM RESPOSTAS DE ESTADOS 1) Convênio com terceiros para mobilizar ao cadastramento: MG: não tem convênios assinados, nem política oficial de parceria. Fez apresentações e capacitações

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural CAR Programa de Regularização Ambiental- PRA

Cadastro Ambiental Rural CAR Programa de Regularização Ambiental- PRA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Cadastro Ambiental Rural CAR Programa de Regularização Ambiental- PRA Belém- Pará Jun/2015 EVOLUÇÃO DO CAR NO PARÁ 2012-

Leia mais

Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia

Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Belém, Setembro de 2015 Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Agenda global: o desafio do nosso tempo Agenda regional:

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

Proteção e Uso Sustentável das Florestas Tropicais

Proteção e Uso Sustentável das Florestas Tropicais Proteção e Uso Sustentável das Florestas Tropicais Estado Atual e perspectivas Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável Contribuições para políticas públicas Seminário Nacional Diálogos sobre

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara Setorial de Hortaliças

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara Setorial de Hortaliças Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara Setorial de Hortaliças O QUE ÉCAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis

Leia mais

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Meta brasileira de redução das emissões até 2020 36,1% a 38,9% das 3.236 MM de tonco2eq de emissões projetadas

Leia mais

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências

Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências INSTRUÇÃO NORMATIVA MMA Nº 4, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a Autorização Prévia à Análise Técnica de Plano de Manejo Florestal Sustentável- APAT, e dá outras providências A MINISTRA DE ESTADO

Leia mais

NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4. Introdução

NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4. Introdução NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4 Introdução Conforme deliberado na 13 o reunião do Comitê Gestor do Programa Municípios Verdes COGES/PMV,

Leia mais

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Distribuição dos Recursos entre Áreas de Aplicação Área de Aplicação Limite de ção do total dos recursos

Leia mais

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015

CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 Programa Áreas Protegidas da Amazônia Departamento de Áreas Protegidas Secretaria de Biodiversidade e Florestas Ministério do Meio Ambiente CHAMADA DE PROPOSTAS Nº 1/2015 APOIO FINANCEIRO AO PROCESSO DE

Leia mais

34º Café com Sustentabilidade 21 de agosto de 2013 São Paulo/SP

34º Café com Sustentabilidade 21 de agosto de 2013 São Paulo/SP 34º Café com Sustentabilidade 21 de agosto de 2013 São Paulo/SP Regulamentação CAR e PRA - Lei nº 12.651/2012: cria o CAR e o Programa de Regularização Ambiental (PRA). - Regulamentada pelo Decreto nº

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental

Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Ministério do Meio Ambiente Secretaria Executiva Projeto de Assistência Técnica para a Agenda da Sustentabilidade Ambiental TAL Ambiental Março de 2010 TAL Ambiental (Technical Assistance to the Environmental

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Publicada no D.O.U. de 20/12/2001, Seção 1, Página 36 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Dispõe sobre a aprovação do Programa Jovem Agricultor

Leia mais

ATA DA REUNIÃO DE AUDIÊNCIA PRÉVIA SOLICITAÇÃO DE PROPOSTAS N.º 9420/2010

ATA DA REUNIÃO DE AUDIÊNCIA PRÉVIA SOLICITAÇÃO DE PROPOSTAS N.º 9420/2010 Às nove horas e quarenta minutos do dia dezenove de abril de dois mil e dez reuniram-se, na sede do PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento em Brasília (DF), representantes do PNUD, do Ministério

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE. Yvens Cordeiro Coordenador de Ordenamento Ambiental. Marcelo Auzier Gerência de Planejamento Ambiental

SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE. Yvens Cordeiro Coordenador de Ordenamento Ambiental. Marcelo Auzier Gerência de Planejamento Ambiental SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE Yvens Cordeiro Coordenador de Ordenamento Ambiental Marcelo Auzier Gerência de Planejamento Ambiental O QUE É O Cadastro Ambiental Rural - CAR-PA é um dos instrumentos

Leia mais

Sistema de Cadastro Ambiental Rural. Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas

Sistema de Cadastro Ambiental Rural. Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas Sistema de Cadastro Ambiental Rural Diretoria de Uso Sustentável da Biodiversidade e Florestas CAR - Lei 12.651/2012: Cadastro Ambiental Rural Lei 12.651/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR,

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural CAR A Revolução da Geoinformação Chegou ao Campo

Cadastro Ambiental Rural CAR A Revolução da Geoinformação Chegou ao Campo Cadastro Ambiental Rural CAR A Revolução da Geoinformação Chegou ao Campo Paulo Guilherme Cabral Secretário de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Ministério do Meio Ambiente Brasil CAR Cadastro

Leia mais

SERFAL Secretaria Extraordinária ria de Regularização Fundiária da Amazônia Legal

SERFAL Secretaria Extraordinária ria de Regularização Fundiária da Amazônia Legal SERFAL Secretaria Extraordinária ria de Regularização Fundiária da Amazônia Legal SIPAM INCRA Ministérios do Desenvolvimento Agrário e da Defesa Programa Terra Legal Em 2009: Programa Terra Legal é criado,

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Processo de articulação, gestão, comunicação e de promoção conjunta de políticas públicas de cultura, mediante a pactuação federativa. Objetivo Geral do SNC Implementar políticas

Leia mais

CAR Cadastro Ambiental Rural

CAR Cadastro Ambiental Rural Secretaria de Meio Ambiente CAR Cadastro Ambiental Rural E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PRODUTOR RURAL C R I S T I N A A Z E V E D O C O O R D E N A D O R A D E B I O D I V E R S I D A D E E R E C U R S O S

Leia mais

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Considerando a Diretriz 2 do Plano Nacional de Segurança Alimentar: Promoção do abastecimento e estruturação de sistemas descentralizados,

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015.

1. APRESENTAÇÃO 2. OBJETIVO E FOCO TEMÁTICO INSCRIÇÕES 14º DIA DO VOLUNTARIADO 2015. REV.: 03 Pág.: 1 de 6 A Manaus Ambiental torna público que estão abertas as inscrições para a seleção de Instituições e Projetos Sociais para o 14º Dia do Voluntariado. A empresa realizará o processo de

Leia mais

Programa Municípios Verdes. Incentivos à produção rural sustentável

Programa Municípios Verdes. Incentivos à produção rural sustentável Programa Municípios Verdes Incentivos à produção rural sustentável Programa Municípios Verdes Criado em 2011, inspirado na experiência de Paragominas, atualmente em 100 municípios Tem como base pactos

Leia mais

Padrões Sociais e Ambientais de REDD+ no Programa ISA Carbono do SISA : Ações e Resultados. Rio Branco, 10 de Maio de 2013

Padrões Sociais e Ambientais de REDD+ no Programa ISA Carbono do SISA : Ações e Resultados. Rio Branco, 10 de Maio de 2013 Padrões Sociais e Ambientais de REDD+ no Programa ISA Carbono do SISA : Ações e Resultados Rio Branco, 10 de Maio de 2013 Processo dos PSA REDD+ em nivel de país 10 etapas 1. Conscientização / Capacitação

Leia mais

N T I. NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Cadastro Ambiental Rural - CAR

N T I. NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Cadastro Ambiental Rural - CAR N T I NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Cadastro Ambiental Rural - CAR N T I Núcleo de Tecnologia da Informação Coordenador Arq. Flavio Macedo de Andrade O QUE É O CAR? O Cadastro Ambiental Rural consiste

Leia mais

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR Com a aprovação da Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, e da Resolução FNDE nº 38, de 16 de julho de 2009, as escolas

Leia mais

Estratégias para a implantação do T&V

Estratégias para a implantação do T&V 64 Embrapa Soja, Documentos, 288 Estratégias para a implantação do T&V Lineu Alberto Domit 1 A estratégia de ação proposta está baseada na experiência acumulada na implantação do sistema T&V no estado

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

A Floresta Amazônica. A maior floresta tropical do planeta. São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países:

A Floresta Amazônica. A maior floresta tropical do planeta. São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países: A Floresta Amazônica A maior floresta tropical do planeta São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países: Bolivia Equador Venezuela Colombia Peru Suriname Guiana Guiana Francesa Brasil A Floresta

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico gico-econômico Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Étnica Stuckert Cardeal,

Leia mais

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO

EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO EDITAL 03/2012/COMUNICAÇÃO BOLSA VERDE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO I. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO PROJETO BRA/11/021 - PROGRAMA DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS COM INCLUSÃO SOCIAL (PSA)

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859 DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859 Nome do Projeto Região País Setor(es) Tema(s) Instrumento de Empréstimo ID do Projeto Mutuário(s) Agência Implementadora

Leia mais

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES).

Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/10/2015 (nº 190, Seção 1, pág. 669) Institui o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

CEFIR Cadastro Estadual Florestal de Imóveis Rurais

CEFIR Cadastro Estadual Florestal de Imóveis Rurais CEFIR Cadastro Estadual Florestal de Imóveis Rurais Proposição de Reforma Estruturante do Sistema Tornar o Sistema mais ágil e compatibilizá-lo com as demandas da sociedade sem perder o foco na qualidade

Leia mais

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA Tema: Reserva Legal Norma atual Proposta 1 Proposta Agricultura Proposta Movimento MAPA/ruralistas Familiar/MMA Socioambientalista Recuperação de RL: exige a Reconhecimento de Não aceitar anistia para

Leia mais

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos - Criação e Estruturação da Moratória da Soja - Realizações da Moratória da Soja - A Prorrogação da Moratória - Ações Prioritárias Relatório Apresentado pelo

Leia mais

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 Histórico Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar. 9 de agosto de 2011

Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar. 9 de agosto de 2011 Plano de Desenvolvimento Sustentável da Unidade Familiar 9 de agosto de 2011 Agricultura familiar é a forma de produção em que predominam: interação entre gestão, trabalho e direção do processo produtivo;

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL -CAR- RONDÔNIA

CADASTRO AMBIENTAL RURAL -CAR- RONDÔNIA CADASTRO AMBIENTAL RURAL -CAR- RONDÔNIA DECRETO n.º 17.281, de 14 de novembro de 2012 dispõe sobre o Cadastramento Ambiental Rural CAR integrante do Sistema Nacional de Informações sobre Meio Ambiente

Leia mais

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Mosaicos de áreas protegidas Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Curso Introdução a Gestão de UCs Rio Branco, junho 2008 SNUC Art. 26. Quando existir um conjunto de unidades

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Relatório. Consulta à Agricultura Familiar para construção da Minuta Estadual de REDD+

Relatório. Consulta à Agricultura Familiar para construção da Minuta Estadual de REDD+ Relatório Consulta à Agricultura Familiar para construção da Minuta Estadual de REDD+ Cuiabá, 18 e 19 de Agosto de 2011 Grupo de Trabalho de REDD do Fórum Mato-grossense de Mudanças Climáticas (GT REDD

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Passo a passo. para venda e aquisição dos produtos da agricultura familiar para atendimento da alimentação escolar.

Passo a passo. para venda e aquisição dos produtos da agricultura familiar para atendimento da alimentação escolar. Passo a passo para venda e aquisição dos produtos da agricultura familiar para atendimento da alimentação escolar 16 Revista CoopAlimento PNAE O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) é o maior

Leia mais

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO Com um registro único para programas sociais é possível saber quem são as pessoas mais vulneráveis, suas necessidades e onde elas moram. É possível

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural

Assistência Técnica e Extensão Rural Assistência Técnica e Extensão Rural A EXTENSÃO RURAL CONTEMPORÂNEA DA CEPLAC Concepção, Estrutura e Projetos Sergio Murilo Correia Menezes Ceplac / Cenex Base - Fundamentos ANATER Agenda Estratégica da

Leia mais

PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010

PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010 PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010 Dispõe sobre a autorização para recebimento e homologação de laudos técnico-ambientais e plantas georreferenciadas, elaborados

Leia mais

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil Quem somos? A TNC é a maior organização de conservação ambiental do mundo. Seus mais de um milhão de membros ajudam a proteger 130

Leia mais

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015

DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 DIÁLOGOS SOBRE A QUESTÃO METROPOLITANA NO BRASIL BRASÍLIA - 12 DE JUNHO DE 2015 PREMISSAS LEGAIS: CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTATUTO DA METRÓPOLE (LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015) AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE

Leia mais

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado:

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado: PPCerrado Brasília, 28 de novembro de 2011. 1 O que é o PPCerrado: É um Plano de Ação (tático-operacional) que reúne ações para a redução do desmatamento no Cerrado e a viabilização de alternativas de

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu 13/05/2013 CAR - Cadastro Ambiental Rural - O Cadastro Ambiental Rural é um registro eletrônico, obrigatório para todos os

Leia mais

CRITÉRIOS MÍNIMOS PARA OPERAÇÕES COM GADO E PRODUTOS BOVINOS EM ESCALA INDUSTRIAL NO BIOMA AMAZÔNIA

CRITÉRIOS MÍNIMOS PARA OPERAÇÕES COM GADO E PRODUTOS BOVINOS EM ESCALA INDUSTRIAL NO BIOMA AMAZÔNIA PLANO DE TRABALHO JBS CRITÉRIOS MÍNIMOS PARA OPERAÇÕES COM GADO E PRODUTOS BOVINOS EM ESCALA INDUSTRIAL NO BIOMA AMAZÔNIA Sistema de Monitoramento Socioambiental das Fazendas Fornecedoras de Gado da JBS

Leia mais

Análise e providências. 4ª Câmara de Coordenação e Revisão Grupo de Trabalho Amazônia Legal

Análise e providências. 4ª Câmara de Coordenação e Revisão Grupo de Trabalho Amazônia Legal Análise e providências 4ª Câmara de Coordenação e Revisão Grupo de Trabalho Amazônia Legal 18/11/15: 4 anos da publicação da Lei de Acesso à Informação Publicidade é regra. Sigilo é exceção. Obrigação

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos.

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos. Oficina Gestão do SUAS e o Controle Social Ementa: Orientar a reorganização dos órgãos gestores no tocante a legislação, com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros,

Leia mais

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL

COTAS DE RESERVA AMBIENTAL ASA Paragominas Agência de Serviços Ambientais de Paragominas COTAS DE RESERVA AMBIENTAL O que são, como criá-las e como negociá-las ASA Paragominas Agência de Serviços Ambientais de Paragominas COTAS

Leia mais

Identificação Contratação de consultoria pessoa física para desempenhar a função de Gerente de Projetos Pleno.

Identificação Contratação de consultoria pessoa física para desempenhar a função de Gerente de Projetos Pleno. TERMO DE REFERÊNCIA nº 030/2012 Responsável: Fábio Leite Setor: Unidade de Gestão de Programas Rio de Janeiro, 10 de julho de 2012. Identificação Contratação de consultoria pessoa física para desempenhar

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

Apoio a Programas de Conservação

Apoio a Programas de Conservação Apoio a Programas de Conservação OBJETIVOS Apoiar instituições para que desenvolvam ações de conservação em médio e longo prazo, na forma de programa, que resultem em medidas efetivas de conservação. As

Leia mais