Relações Públicas como Área Estratégica para a Consolidação da Identidade Institucional do Instituto Paranaense de Relações Internacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relações Públicas como Área Estratégica para a Consolidação da Identidade Institucional do Instituto Paranaense de Relações Internacionais"

Transcrição

1 Relações Públicas como Área Estratégica para a Consolidação da Identidade Institucional do Instituto Paranaense de Relações Internacionais Projetos Experimentais de Relações Públicas Estudo de Caso Instituto Paranaense de Relações Internacionais INPRI Discentes Amanda Schneider e Crisanalia do Carmo Gama Orientador Prof. Dr. Eduardo Judas Barros Instituição de Ensino Universidade Estadual de Londrina UEL Conclusão Dezembro de 2004 INTRODUÇÃO Antigamente, não havia grandes concorrências e o comércio se dava localmente, por isso as organizações não se preocupavam com seus públicos e de que forma estes as percebiam. Atualmente, não há setor em que a competitividade não seja encontrada, não há sociedade que não julgue a organização por seus atos ou ainda que não exija o retorno da mesma para a população que lhe fornece o sustento. O capitalismo selvagem e o consumismo inconseqüente deram lugar à cidadania e ao raciocínio lógico. Neste ponto surgem as instituições privadas sem fins lucrativos, que buscam colaborar com o desenvolvimento da sociedade. Porém, estas necessitam que a população as conheça e acredite nelas, para que possam exercer as funções para as quais se dispuseram. A população precisa conhecer a organização, sua missão, seus valores,

2 2 seus objetivos e suas ações para a melhoria da sociedade. Em outras palavras, é necessária, a consolidação e posterior divulgação da identidade corporativa, com reflexos positivos na imagem organizacional. Dessa forma, a proposta deste trabalho é mostrar os resultado deste trabalho de conclusão de curso por meio da análise das estratégias desenvolvidas na área de Relações Públicas, no Instituto Paranaense de Relações Internacionais INPRI, que podem consolidar a identidade institucional e assim elevá-la ao patamar de reconhecimento e de participação na sociedade almejado no momento da fundação da organização. INSTITUTO PARANAENSE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS INPRI O Instituto Paranaense de Relações Internacionais (INPRI) foi criado no dia 15 de março de 2002 por advogados e estudantes que observaram a necessidade de desenvolvimento da região do Norte do Paraná na área de Relações Internacionais e Comércio Exterior. Ele foi criado com o intuito de apoiar e facilitar as empresas brasileiras, principalmente do estado do Paraná, nas transações comerciais internacionais - exportações e importações assim como capacitar profissionais e estudantes para tais ações. Porém, devido à sua pouca experiência de vida e pela falta de um planejamento mais conciso para o INPRI divulgar seus objetivos, o instituto não conseguiu atingir as ações que pretendia. Em vista disso, percebe-se a necessidade de consolidar a identidade corporativa do INPRI, assim como solidificar a sua imagem, por meio de relacionamentos mais definidos e mais consistentes, a fim de continuar o desenvolvimento do instituto. A organização conta com 15 sócios fundadores, 8 sócios honorários e 19 sócios ordinários, sendo sua sede localizada a Avenida Tiradentes, 501, 15º andar, Torre 02 no Centro Empresarial Twin Business Towers, em Londrina e uma filial em Curitiba, na Rua Cândido de Abreu, 526, conj. 1108, 11 andar, torre A. Tem como objetivos principais:

3 3 Integrar a sociedade civil, empresas, instituições públicas e universidades; Agregar estudiosos e profissionais de Relações Internacionais, Direito e Comércio Exterior, desenvolvendo um centro de referência nestas áreas; Promover a capacitação de estudantes e profissionais nas áreas já citadas para o mercado interno e internacional; Assessorar empresas nas transações internacionais. Entende-se que para se alcançar objetivos tão abrangentes, com o orçamento pequeno, uma vez que esta é uma instituição sem fins lucrativos, deve-se buscar parcerias com organizações maiores, melhor compreensão de suas atividades pela sociedade e maior participação de seus sócios, ou seja, é necessário um amplo plano de comunicação em Relações Públicas. As funções básicas deste profissional são a pesquisa, planejamento, assessoria, execução, controle e avaliação dos resultados. Assim, é com base nos conceitos, nas atividades e nas ações desta profissão que se pretende realizar um trabalho de comunicação que promova o desenvolvimento do Instituto Paranaense de Relações Internacionais, fortalecendo sua identidade e estabelecendo programas que favoreçam o entendimento e a comunicação com seus diversos públicos, retificando uma imagem positiva perante os mesmos. Além disso, esta atividade tem a responsabilidade de lidar com as mudanças ambientais, com as expectativas internas e externas, trabalhando estas informações estrategicamente para o desenvolvimento da organização. O empresário precisa enxergar no comunicador mais do que um operador, precisa ver nele o estrategista, um assessor próximo, cuja contribuição será decisiva para a articulação de um discurso adequado e de uma identidade organizacional compatível com os negócios (TORQUATO, 2004, p. 07) Assim o profissional de RR.PP. é como um parceiro da instituição, que está sempre preocupado em buscar posições favoráveis para angariar o apoio e a compreensão da opinião pública e manter sempre um clima de negócio na interação da organização com a sociedade e com os setores específicos onde atua.

4 4 A natureza e o papel das Relações Públicas é, estrategicamente, planejar e modificar uma situação desfavorável da instituição para um posicionamento mais coerente na sociedade, por meio de todo um processo. Este profissional pode estabelecer um diálogo mais duradouro com todos os grupos de interesse da organização. De acordo com Fortes (1998), as RR.PP. assumem uma posição administrativa e política que é fundamental para o desenvolvimento social. Relacionamento com os públicos do Instituto Paranaense de Relações Internacionais INPRI. Primeiramente é necessário explicar o que este trabalho considera como público. Segundo Andrade, público é: um agrupamento de pessoas adultas e/ou de grupos sociais organizados, com ou sem contigüidade física, com abundancia de informação analisando uma controvérsia, com atitudes e opiniões múltiplas quanto a solução ou medidas a serem tomadas frente a ela, com ampla oportunidade de discussão e acompanhando ou participando de um debate geral, por meio de interação pessoal ou dos veículos de comunicação, `procura de uma atitude em comum, expressa em uma decisão ou opinião coletiva, que permitirá a ação conjugada. (ANDRADE apud FORTES, 1998, p. 22) Hugo Barbieri comenta que na técnica de Relações Públicas o termo público não é empregado como sendo todo o público de uma comunidade, mas apenas aquele setor que mais de perto interessa ao empreendimento e para o qual as suas mensagens são dirigidas (BARBIERI apud ANDRADE, 2003, p. 13). Assim, público não é sinônimo de povo ou de sociedade, ele é formado por um grupo específico, porém não homogêneo, de pessoas que estão voltadas para algo comum.

5 5 Por meio da observação e de entrevistas com a diretoria e coordenação do IN- PRI, levantou-se que os públicos que estão voltados para a instituição, nomeados conforme Simões (1995) - classificação que ocorre de acordo com o grau de poder do grupo em relação às ações do instituto - são quatro distintos: público de decisão, público de consulta, público de comportamento e público de opinião. No público de decisão estão localizados os públicos cuja autorização ou concordância permite [sic] exercício das atividades organizacionais (SIMÕES, 1995, p. 132). Tendo o poder de caráter suspensivo, este público do INPRI é formado pelo governo federal e estadual. Atualmente, o instituto não possui nenhum relacionamento com este público além do necessário, como pagamento de impostos. Já o público de consulta é formado pelos grupos que são sondados e consultados a qualquer ação da instituição, como acionistas e sindicatos. Para o INPRI, em particular, este público é formado pela diretoria e pelos sócios, consultados sobre todos os procedimentos e metas do instituto; e pelas empresas parceiras do instituto. Há ainda o público de comportamento, cuja atuação pode frear ou favorecer a ação da organização (SIMÕES, 1995, p. 132). Aqui se encontram os funcionários e clientes. No caso estudado, os funcionários do instituto e as empresas e instituições (acadêmicas e civil) nacionais e estrangeiras, pois, como já dito, a organização serve como ponte entre elas e esta atividade só é possível com a existência e parceria delas. Por último, o público de opinião, o qual, como o nome já diz, influenciam as a- ções da instituição pela manifestação de suas opiniões. Aqui se encontram a imprensa e a sociedade em geral. Todo público precisa de uma maneira específica de comunicação e participação, levando-se em conta suas características e componentes. OBJETIVO GERAL Fortalecer a identidade corporativa e assim a imagem do Instituto Paranaense de Relações Internacionais junto a seus públicos de interesse.

6 6 IDENTIDADE INSTITUCIONAL, IMAGEM E MARCA A identidade organizacional pode ser projetada e comunicada por meio de programas de Relações Públicas [...], mas a identidade é sempre muito difícil de ser trocada, uma vez que constitui a razão da existência da própria organização. (IND apud CARISSIMI, 2004, p. 08). Seguindo este pensamento, uma das primeiras ações da área de Relações Públicas foi a de levantar, por meio de entrevistas e reuniões com a coordenação e com os sócios do INPRI, qual era o retrato da instituição que eles almejavam na criação do instituto, da mesma forma, quais eram os valores, objetivos e ações projetadas há três anos no momento da oficialização. É necessário ressaltar que por ausência de um planejamento estratégico e direcionado, a instituição estava perdendo sua identidade e por isso não estava alcançando seus objetivos. Tornou-se evidente a urgência em resgatar e definir claramente os objetivos do INPRI no momento de sua criação, reavivar os sentimentos e a motivação dos sócios no momento da adesão ao instituto a fim de consolidar a real identidade da instituição, desconsiderando alguns obstáculos durante seu caminho. O início da vivificação da personalidade do INPRI foi uma das grandes vitórias deste TCC, uma vez que, com o passar dos anos e a divulgação crescente da instituição dificultaria esta ação, pois seria mais complexo mudar uma identidade organizacional com raízes consolidadas. Outro ponto verificado durante a pesquisa institucional (maio/2004) foi que o Instituto Paranaense de Relações Internacionais não possuía uma missão definida, redigida; ela apenas estava no consciente de seus fundadores no momento da criação. Juntamente com a coordenação do instituto chegou-se a redação da missão do mesmo, a qual deverá não apenas ficar no papel, mas também ser relevada e praticada em todas as próximas ações. Assim, a missão do INPRI é: Prestar assessoria e consultoria às pessoas físicas e jurídicas para melhor inseri-las no mercado global. Assim, a imagem institucional é o resultado das ações da organização, tanto internamente como externamente, e de como estas informações são absorvidas pelos públicos. É a forma como a identidade corporativa foi interpretada pelos públicos.

7 A força da imagem de uma empresa ou instituição está diretamente relacionada com a consistência de seus atos, com a coerência entre o discurso e a ação. Envolve muito mais do que simples divulgação ou propaganda; envolve posturas, consciência social, planejamento estratégico.(lorenzetti, 1989, p. 01) 7 CONSOLIDANDO A IDENTIDADE INSTITUCIONAL PERANTE OS PÚBLICOS Em todo este trabalho de conclusão de curso, o foco principal foi consolidar a identidade institucional do INPRI, fortalecendo sua imagem por meio da demonstração à sociedade de sua importância para o desenvolvimento social do Paraná, principalmente na região norte. Para que isto de fato se concretizasse foi imprescindível buscar um amplo relacionamento com os públicos, pois este é o principal papel das Relações Públicas que, de acordo com Fortes (1998), devem buscar respostas para um efetivo relacionamento entre a organização e seus públicos. O relacionamento entre o INPRI e o público de comportamento, formado pelos funcionários, empresas e instituições, é o que mais recebe atenção da instituição, porém de forma específica e ocasional, mais especificamente, quando se necessita de apoio para alguma ação (como parcerias em eventos) e durante a divulgação dos mesmos. Nestes pequenos contatos e por meio de observação, notou-se o desconhecimento deste público da missão, dos objetivos, ações e valores do Instituto Paranaense de Relações Internacionais, dificultando assim as atividades propostas pela instituição e freando sua atuação. O INPRI não possuía uma identidade institucional forte, da mesma forma que sua imagem era difusa e sua marca desconhecida. Tornou-se vital a criação de outros meios de comunicação, massiva e dirigida, para o esclarecimento destes pontos sobre o instituto para os públicos. Informações transparentes e de qualidade sobre a organização são fundamentais para fortalecer a i- dentidade institucional, assim como proporcionar um melhor relacionamento com o público em questão.

8 8 Destaca-se que um trabalho bem desenvolvido de Relações Públicas, por meio de um plano de comunicação que solucionem os problemas levantados, facilita o relacionamento entre públicos, além de fortalecer a identidade institucional, criando uma imagem favorável e credibilidade da instituição perante a sociedade. As funções de Relações Públicas efetivamente estratégicas promovem um diálogo cabal com os públicos; contatos isolados e esporádicos não são suficientes para um relacionamento competente. (FORTES, 1998, p. 194). Todos os preceitos abordados por este TCC puderam ser comprovados com a avaliação das ações propostas e executadas nele. O posicionamento estratégico da área de Relações Públicas associado à ações específicas e de acordo com a realidade da instituição, ocasionou a solidificação da comunicação do INPRI com seus públicos e assim a consolidação da identidade institucional do Instituto Paranaense de Relações Internacionais. PROJETO QUEM SOU EU? Foi criado um folder, em papel couché 180 g/m 3, contendo as informações relevantes à identidade institucional do INPRI, como: histórico, conceito, objetivos, missão, parcerias, assim como formas de contato. E como CESCA afirma, o folder com conteúdo institucional é veículo utilizado por Relações Públicas para se dirigir a qualquer um dos públicos da empresa (CESCA, 1995, p. 101). Este folder passou a ser distribuído em todas as ações realizadas ou apoiadas pelo instituto. PROJETO A VOZ DO PRESIDENTE Este projeto visa intensificar os objetivos do Instituto, assim na abertura de todos os eventos do instituto, o diretor presidente, Dr. João Alberto Graça, é convidado para apresentar, de forma resumida e coloquial, os motivos que levaram a criação da instituição, o que se espera alcançar com tal ação, os motivos que levaram a realização daquele

9 9 determinado evento e quais os valores e objetivos do Instituto Paranaense de Relações Internacionais. Esta pequena atitude do presidente vem proporcionando maior credibilidade do Instituto, fortalecendo a sua identidade perante os públicos, acarretando na melhora de sua imagem. Este fato pode ser notado nas pesquisas realizadas nos eventos, realizados ou apoiados pelo INPRI, e em conversas informais com seus participantes, que começam a se interessar de forma efetiva pelas ações do instituto, passando a dar créditos à instituição após obterem mais informações, ainda mais vindas do próprio presidente do INPRI. A avaliação desta ação ressalta a eficiência da comunicação dirigida oral, que facilita o contato direto, decisivo para os esforços das Relações Públicas, ao favorecer uma informação, recepcionar a resposta imediata (FORTES, 1998, p. 229). PROJETO CLIP-DIGITAL INPRI-INSTITUCIONAL Este projeto propõe-se a criação de um clip-digital de 8 minutos abordando os objetivos e o papel do Instituto Paranaense de Relações Internacionais na sociedade e dessa forma para fixar a identidade institucional do INPRI com imagens de algumas a- ções, com as palavras proferidas pelo presidente do instituto e pelos seus fundadores. PROJETO NOSSA MARCA Uma forma muito utilizada pelo INPRI para a divulgação de sua marca tem sido o apoio a eventos, que muitas vezes não eram condizentes com os seus objetivos. A determinação de quais e quantos eventos a instituição deveria patrocinar com o apoio se fazia necessária para que a marca não se afaste da identidade institucional que está em processo de fortalecimento. Este projeto do conseguiu delimitar, de forma significativa, a quantidade e a qualidade dos eventos que receberiam apoio do INPRI, e assim fortalecer sua associação com sua marca e identidade institucional. Deixou-se de apoiar visando à quantidade e passou-se a dar apoio a eventos que estejam intrinsecamente de acordo com os objetivos da instituição.

10 10 PROJETO SÓCIO COMPANHEIRO Com relação aos sócios, a transmissão de informações e as solicitações ocorriam esporadicamente via . Nota-se que de seus 42 sócios (entre eles: 15 fundadores, 08 honorários e 19 ordinários), apenas 5 participavam ativamente das ações do IN- PRI, seja colaborando com sugestões, avaliando ações e até mesmo participando das mesmas. Este público encontrava-se desmotivado em relação ao instituto, pois esperava ações mais concretas do mesmo no ramo de Comércio Exterior e Relações Internacionais, tendo em vista que apenas a área jurídica se desenvolveu na instituição. Era necessário alertar os sócios sobre a responsabilidade deles perante as atividades da instituição, ressaltar a importância da participação dos mesmos para o desenvolvimento do INPRI e reavivar os ideais que os fizeram se associar ao instituto. As pessoas ou grupos sempre desejam participar, é suficiente que lhes seja dada meia oportunidade. Às instituições ou empresas cabe a responsabilidade de fomentar a participação, por intermédio de um autêntico trabalho de participação programada, que deve ser umas das primeiras a- tribuições da atividade de Relações Públicas, nas organizações públicas ou privadas. (ANDRADE, 2000, p. 11) Este projeto foi criado com o intuito de tornar o sócio um companheiro da intuição. Dessa forma, para haver uma melhor comunicação e transmissão de informação houve a diversificação dos meios de comunicação e a freqüência da mesma, seja por meio de , que agora ocorrem quinzenalmente; por conversas telefônicas, que ocorreram durante a pesquisa institucional (maio/2004) e antes de ações de médio e grande porte do INPRI; ou por reuniões realizadas sempre que possível com os sócios que visitam a região, ou mesmo em suas residências. Durante o controle e com a posterior avaliação deste projeto, constatou-se que, de acordo com a citação acima de Andrade, os sócios tinham anseio por uma maior participação e só esperavam pela oportunidade. Atualmente, dos 42 sócios, aproximadamente 30 se encontram engajados nas ações do INPRI, muitos deles participando ativamente das mesmas.

11 11 PROJETO SÓCIO VIRTUAL Para que todos os sócios comuniquem-se entre si e com o próprio Instituto. Este projeto ainda em fase de implementação, e busca angariar a maior participação deste público nas ações do instituto, assim como levantar suas críticas e sugestões para o desenvolvimento do mesmo. Este projeto ainda não está efetivado devido a problemas enfrentados com a reestruturação do site do Instituto Paranaense de Relações Internacionais. Ressalta-se que, atualmente, a troca de informações apenas acontece entre o INPRI e os sócios e não entre sócio-sócio. Acredita-se que a comunicação entre sócios e INPRI e entre os próprios sócios terá maior qualidade, uma vez que o grupo de discussões pode gerar ações e soluções para o desenvolvimento do instituto, além da aproximação e maior contato eles, o que favorece que ocorra menos rumores, boatos ou reclamações por informações não recebidas. PROJETO CARA NOVA O instituto já possuía um site (www.inpri.com.br), porém este tinha um layout simples e informações ultrapassadas, necessitando de uma revitalização, já que a página na World Wide Web é um dos cartões de visita de qualquer instituição. Havia a necessidade de atualização das informações e notícias de maneira contínua e rápida, para que o internauta uma vez que acesse o site tenha ele como fonte de informação. Desde abril os públicos mais próximos do INPRI, como sócios e clientes de nossos parceiros (Graça Advogados Associados, por exemplo) estão sendo informados sobre as mudanças do site por meio de s e informativos no jornal desta empresa para que todos contribuam efetivamente com as modificações, que participem e deixem de serem meros espectadores da ação. O Objetivo desse projeto era desenvolver uma nova página, home-page do IN- PRIe assim comunicar com todos os públicos voltados ao INPRI sobre suas ações, sendo um meio de divulgação institucional.

12 12 É válido lembrar que o site possui além de informações da instituição possui também informações sobre os eventos realizados e apoiados pelo INPRI, possui também artigos, decretos e leis referentes ao Direito, principalmente o Internacional, Comércio Exterior e Relações Internacionais. No novo site há notícias, também relacionadas a estas áreas, disponíveis a todos os internautas além da revista eletrônica científica. PROJETO PARCEIROS DA NOTÍCIA Este projeto tem como objetivo tornar o Instituto Paranaense de Relações Internacionais referência em informação de qualidade e, conseqüentemente, a parcerias com agências de notícia renomadas e de credibilidade, como: a Gazeta Mercantil, Folha de São Paulo, Folha de Londrina, e sites de informação sobre exportação, como por e- xemplo, ExportNews, Casa Mercosul, Instituto de Relações Internacionais, Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, Ministério do Desenvolvimento, dentre outros. Certificase o crédito à fonte e ao jornalista responsável pela matéria, respeitando a imprensa como um todo. Esta parceria formada com as agencias de noticias citadas anteriormente possibilitou que o novo site do INPRI disponibilize a todos os internautas informações e noticias atualizadas abordando assuntos de Comercio Exterior, Relações Internacionais, E- conomia Nacional e Internacional, etc. PROJETO PÁGINAS VIRTUAIS Tendo ainda em vista o objetivo do Instituto Paranaense de Relações Internacionais em transformar-se em órgão capacitador de profissionais das diversas áreas a ele ligadas e ainda de se tornar fonte de informação sobre os mesmos, o projeto Páginas Virtuais propõe-se a criação de uma Revista Científica Eletrônica, que chamar-se-á INPRI Cientifico e será acessada pelo próprio site do INPRI. O lançamento estava previsto para novembro de 2004, com a publicação dos artigos produzidos durante o Grupo de Estudos: Direito no Turismo, porém, com o atraso na execução do projeto Cara Nova, a primeira edição será publicada apenas em 2005.

13 13 A publicação da revista ocorrerá semestralmente, devidamente documentada pelo órgão fiscalizador destas ISSN. Ressalta-se, novamente, o crescimento da participação dos sócios nas ações do instituto. Muitos deles, profissionais renomados nacionalmente e com titulações (mestre e doutores) anseiam por tornarem-se parte do corpo científico da revista virtual, visando o estímulo à pesquisa e à produção de artigos que tragam benefícios para a sociedade. PROJETO UMA MÃO LAVA A OUTRA & PROJETO UNIVERSIDADE AMIGA Estes projetos foram desenvolvidos para o público de comportamento e o intuito principal é apoiar empresas e instituições em eventos e ações cuja temática esteja ligada com Direito, Comércio Exterior e Relações Internacionais, e a realização direcionada para os mesmos objetivos do instituto, como a capacitação da sociedade. Dessa forma o INPRI apoiou vários eventos acadêmicos, como: Conferência Direito e Internet; Congresso Brasileiro de Direito Internacional; II Encontro Ibero-Americano de Relações Internacionais; X Reunião do Conselho Nacional dos Estudantes de Relações Internacionais; I Encontro Inter-Institucional de Estudos Avançados em Direito Internacional. E ainda obteve-se êxito em algumas parcerias: Centro Acadêmico Sete de Março, da Universidade Estadual de Londrina; Universidade de Coimbra Lisboa; CO- DEL (Companhia de Desenvolvimento de Londrina); ACIL (Associação do Comércio e Indústria de Londrina); OAB (Ordem dos Advogados do Brasil); Casa Mercosul Maringá; Universidade Tuiuti do Paraná Curitiba; Escola da Magistratura do Paraná; UniFil (Universidade Filadélfia); Faccar (Faculdade Paranaense); Universidade Metropolitana; UNO- PAR (Universidade do Norte do Paraná); UNIVEM (Universidade Eurípides Soares da Rocha - Marília); Cedro Hotel; Câmara Americana de Comércio Curitiba Café Itamaraty; ADETEC; Londrina Convention & Visitors Bureau. Estes projetos visam uma exposição adequada e estratégica da marca do IN- PRI, relacionando esta com eventos educacionais e culturais ligados aos temas e à identidade do instituto.

14 14 PROJETO DE EVENTO - EXPORTAÇÃO: PREPARE SUA EMPRESA, O objetivo desse projeto era capacitar a sociedade e ao mesmo tempo divulgar a identidade institucional do INPRI. Esse evento foi realizado em julho de 2004, voltado para médios e grandes empresários. Contou com apoio do Banco do Brasil, Companhia de Desenvolvimento de Londrina, Cedro Hotel, Comex Arapongas, Londrina Convention & Visitors Bureau, entre outros. A divulgação do evento foi realizada por meio de folders, mailling e no Jornal de Londrina. Os palestrantes principais do evento forma: Diógenes Alves Rocha, ex-diretor da Divisão da Área de Câmbio do Banco Central do Brasil, que abordou o tema: Contratos de Câmbio; e também o Dr. Luiz Fernando Franceschini da Rosa, sócio do INPRI, doutor em Direito Internacional, que ministrou a palestra Contratos Internacionais, explorando os temas: Pesquisa de Mercados, Identificação de Clientes, Negociações, Contratação, Transporte, Pagamentos Questões Fiscais, Defesa Comercial, Representação Institucional, Propriedade Industrial, Joint Ventures, Financiamento e Investimentos, Contratos Internacionais e Solução de Conflitos Comerciais. Houve um público de 70 empresários, muitos dos quais estavam entrando pela primeira vez em contato com o instituto. Durante este evento houve a realização de uma pesquisa de opinião a fim de avaliar qual a imagem que os participantes tinham do Instituto Paranaense de Relações Internacionais. Notou-se, por meio de análises dos dados obtidos que após o evento e com a abertura feita pelo Presidente, Dr. João Alberto Graça, a imagem do INPRI foi mais condizente com sua realidade e sua identidade institucional, proporcionando um resultado do fortalecimento desta. Ainda observou-se que durante o coquetel de encerramento deste evento, muitos participantes se dirigiram à Coordenadora Geral e às estagiárias de Relações Públicas a fim de obter informações sobre como se associar à instituição, como se tornar parceiro da mesma e sobre a agenda dos próximos eventos, o que ressaltou a utilização estratégica deste tipo de comunicação. É necessário ressaltar que este evento trouxe benefícios a todos os envolvidos, uma vez que Exportação é um tema muito discutido no contexto econômico globalizado

15 15 vigente, pois exportar tornou-se uma necessidade para muitas empresas. Assim, quanto maior o entendimento sobre as técnicas e as dificuldades de exportação, maiores serão as chances das empresas conquistarem e destacarem-se em novos e grandes mercados. E além disso contribuiu para a divulgação e o entendimento do Instituto. Graças ao seu sucesso, foi proposto que este evento se torne anual, trazendo estudiosos e profissionais ligados à área de Comércio Exterior para esclarecimentos aos empresários de Londrina e região, possibilitando que os empresários entrem no comércio internacional com o menor risco possível. Para 2005 já foi planejado o I Congresso Brasileiro de Direito Empresarial, a ser realizado em junho de Ele contará com a presença de profissionais competentes e renomados nacionalmente. PROJETO DE GRUPO DE ESTUDO Também para a capacitação da sociedade, houve a criação e execução de um grupo de estudos de Direito no Turismo, que envolveu desde questões ambientais até assuntos internacionais, e no qual participaram acadêmicos de ambas as áreas e profissionais das mesmas. Este grupo de estudos finalizou-se com o evento - I Encontro Paranaense de Direito no Turismo (Apêndice I), que em parceria com a Universidade Filadélfia, trouxe diversos profissionais para palestrar e ministrar oficinas, dentre eles Rui Aurélio de Lacerda Badaró, estudioso renomado na área do Direito no Turismo e presidente do Instituto Brasileiro de Ciência e Direito no Turismo. Estes profissionais contribuíram com seus conhecimentos para estudantes e profissionais, mostrando à sociedade de Londrina e região a possibilidade de desenvolvimento por meio do turismo e sua ligação com o Direito e a importância disto. Este evento, assim como o anteriormente citado, terá sua segunda edição em Para o primeiro semestre de 2005, além da continuação do grupo de estudos de Direito no Turismo, com novos temas e pesquisas, está sendo organizado o grupo de estudos sobre Relações Internacionais Oriente Médio, com realização na filial do instituto em Curitiba PR. Também no primeiro semestre de 2005, em Londrina, iniciar-se-á um grupo de estudos de Direito Internacional.

16 16 PROJETO PRESS-KIT Para um melhor contato e aproximação com a imprensa, foi elaborado o projeto Press-Kit, o qual além da pasta do INPRI contém o folder institucional, mensagens informativas de interesse exclusivo de jornalistas e o convite para o próximo evento a ser realizado pelo INPRI. Para que haja um melhor contato e interação com esse público, propõe-se a criação de um banco de dados com todos os jornalistas da imprensa Londrinense e de Curitiba com nome, endereço da empresa e data de aniversário, para que recebam cartões comemorativos virtuais e nominais. PROJETO DE MÃOS DADAS COM A IMPRENSA Tendo ainda como alvo concretização do relacionamento entre a instituição e a imprensa, para o início do próximo ano pretende-se realizar um café da manhã com o Presidente do INPRI e a imprensa. Este projeto de Mãos dadas com a Imprensa, possibilitará que todos os agentes da comunicação conheçam de fato os anseios e desejos do INPRI e principalmente a pré-agenda de eventos da instituição. Além desse café da manhã, propõe-se a realização de reuniões semestrais com imprensa para que haja um maior contato e relacionamento, para que a imprensa conheça a idoneidade do Instituto e de suas ações. Esses projetos com a imprensa ainda não puderam ser realizados devido ao período eleitoral, uma vez que o Presidente do instituto era candidato à prefeitura de Arapongas, o que poderia ser confundido com propaganda eleitoral e assim prejudicar a identidade idônea da instituição. Desta forma, todos estão programados para o inicio de PROJETO JUNTOS PELO BRASIL Nota-se que a instituição não possui nenhum relacionamento com público de decisão, que é formado pelo governo, seja este federal, estadual ou municipal, a não ser

17 17 os previstos em lei, ou seja, apenas há formalidades entre estes agentes. Salienta-se que um relacionamento mais próximo com este público facilita a divulgação internacional do INPRI, conseqüentemente colaborando com as atividades do mesmo. Devido às eleições realizadas neste ano, o projeto Juntos pelo Brasil terá sua execução apenas em Este projeto está dividido em 2 partes, na qual primeiramente serão realizadas reuniões com os responsáveis da secretaria de assuntos Internacionais municipais e estaduais para estabelecer como o INPRI, juntamente com o poder Executivo, podem proporcionar o desenvolvimento do comércio exterior para as pequenas e médias empresas do norte do Paraná. Na segunda fase, pretende-se criar uma cartilha que aborde assuntos de exportação para incentivar o micro e médio empresário a entrar no mercado internacional, a ser distribuída nos eventos realizados ou apoiados pelo INPRI com cunho empresarial, ou ainda em feiras sobre comércio exterior que sejam apoiadas pelo governo. CONSIDERAÇÕES FINAIS O mundo contemporâneo propõe o aumento constante das relações de interdependências entre os países e exige, cada vez mais, que as organizações tenham novas posturas e mecanismos que as diferenciem no mercado e as tornem especiais, pois tanto a opinião pública quanto os próprios públicos exigem certos diferenciais. Assim surge a necessidade de planejar estrategicamente a comunicação nas organizações e instituições, criando relacionamentos efetivos e duradouros, enfatizando seus valores, objetivos, visão, missão para, dessa forma, construir uma imagem favorável e uma identidade corporativa sólida. Assim, o que se pretendeu desenvolver neste trabalho de conclusão de curso, aplicado no Instituto Paranaense de Relações Internacionais, foi, de maneira estratégica, efetivar e consolidar a atividade de Relações Públicas para o fortalecimento da identidade corporativa da instituição. É necessário salientar que a comunicação criou meios que devem ser mantidos e controlados, a fim de que esse seja realmente um trabalho de Relações Públicas, ou

18 18 seja, coeso e contínuo, pois de nada adianta dar o primeiro passo agora e considerar que este é suficiente. Pequenas ações vêm sendo realizadas, porém seus resultados foram surpreendentes. A consolidação da identidade institucional do Instituto Paranaense de Relações Internacionais, principal objetivo deste trabalho foi a sua maior vitória. Internamente, onde se havia perdido o verdadeiro significado da instituição, pode-se observar a sua vivificação, ou seja, quem antes não sabia por quê o INPRI estava ali e o motivo que fez aquela pessoa se tornar sócio, pode relembrar a motivação e o sentimento de sociedade que possuía naquele tempo. Os avanços obtidos com os estudos e teorias apresentadas neste trabalho foram notáveis e observáveis com a prática. Porém, esclarece-se que este é apenas o início de um trabalho voltado para o fortalecimento da identidade institucional, e assim para a construção de uma imagem positiva. Construção de imagem é trabalho permanente, coerente e planejado. Exige exercício contínuo do diálogo com todos os públicos, funcionamento incessante de pontes de duas mãos, trânsito livre de informações objetivas. (LORENZETTI, 1989, p. 01) Compreende-se que pequenas atitudes tomadas de forma estratégicas alcançaram resultados mais concretos do que grandes ações tomadas sem planejamento. Por isso, este trabalho buscou os conceitos básicos de Relações Públicas, assim como a forma estratégica que os projetos propostos poderiam ser administrados pela instituição, que não possui grande possibilidade orçamentária. Além disso, salienta-se que este é o primeiro ano da atividade de Relações Públicas dentro do INPRI, o que ocasionou a necessidade de um trabalho básico de comunicação, com a efetivação dos relacionamentos até então adormecidos. Os resultados obtidos, estão sendo visíveis na mudança de atitude dos públicos em relações à instituição, principalmente o público de consulta, os sócios, que vêm participando mais ativamente das atividades do instituto e colaborando com diversas a- ções e projetos. Nota-se, de maneira abstrata, que a cada projeto executado, a identidade institucional do Instituto Paranaense de Relações Internacionais foi sendo consolidada, o que

19 19 motiva a outros projetos e ações maiores, comprovando que a informação e a comunicação, associadas ao posicionamento estratégico das Relações Públicas pode trazer resultados antes almejados. A continuidade das ações e posturas apresentadas por esse TCC é de fundamental importância para que a identidade corporativa do INPRI não se perca novamente em ações imaturas. Considera-se que a instituição entendeu a importância de um trabalho profissional e bem estruturado de comunicação em suas atividades e reconheceu o devido destaque do profissional de Relações Públicas para o desenvolvimento institucional. É necessário salientar que todas as atividades desenvolvidas trouxeram para a instituição credibilidade e reconhecimento dos públicos estratégicos, que passaram a valorizar ainda mais o INPRI e suas atividades, fortalecendo, dessa forma, sua identidade corporativa. REFERÊNCIAS ANDRADE, Cândido Teobaldo. Para entender Relações Públicas. São Paulo: Loyola, Como administrar reuniões: dirigir, organizar, planejar, coordenar, controlar. São Paulo: Loyola, Curso de Relações Públicas: relações com os diferentes públicos. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, CARISSIMI, João. Reflexões sobre os processos organizacionais utilizados pelo Relações Públicas na construção da imagem organizacional. Disponível em:<http://www.portalrp.com.br/bibliotecavirtual/relacoespublicas/teoriaseconceitos/0149. htm>. Acesso em: 01 ago FORTES, Waldyr Gutierrez. Relações Públicas: processo, funções, tecnologia e estratégias. Londrina: Ed. UEL, LORENZETTI, Valentim. A boa imagem começa em casa. Revista Exame. São Paulo, v.21, n. 19, p. 154, set

20 SIMÕES, Roberto Porto. Relações Públicas: função política. São Paulo: Summus, TORQUATO, Francisco Gaudêncio. Cultura, poder, comunicação e imagem: fundamentos da nova empresa. São Paulo: Pioneira, Tratado de Comunicação organizacional e política. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, BIBLIOGRAFIA ANDRADE, Cândido Teobaldo. Para entender Relações Públicas. São Paulo: Loyola, Como administrar reuniões: dirigir, organizar, planejar, coordenar, controlar. São Paulo: Loyola, Curso de Relações Públicas: relações com os diferentes públicos. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, ANDRADE, Renato Brenol. Manual de eventos. Caxias do Sul: EDUCS, ANSOFF, H. Igor. Implantando a Administração Estratégica. São Paulo: Atlas, AURÉLIO: dicionário prático. 18 ed. São Paulo: Melhoramentos, CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, CARISSIMI, João. Reflexões sobre os processos organizacionais utilizados pelo Relações Públicas na construção da imagem organizacional. Disponível em:<http://www.portalrp.com.br/bibliotecavirtual/relacoespublicas/teoriaseconceitos/0149. htm>. Acesso em: 01 ago CESCA, Cleuza G. Gimenes. Comunicação dirigida escrita nas empresas: teoria e prática. São Paulo: Summus, COHEN, David. O Desafio de defender a Imagem. Revista Exame. São Paulo, ano 38 nº 8, Abril de COMUNICAÇÃO & SOCIEDADE. Relações Públicas e contemporaneidade. São Bernardo dos Campos: UMESP, n. 39, ano 24. CORRADO, Frank. A força da comunicação. São Paulo: Makron, 1994.

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

COMO SE ASSOCIAR 2014

COMO SE ASSOCIAR 2014 2014 QUEM SOMOS FUNDADO EM 2004, O CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL CHINA CEBC É UMA INSTITUIÇÃO BILATERAL SEM FINS LUCRATIVOS FORMADA POR DUAS SEÇÕES INDEPENDENTES, NO BRASIL E NA CHINA, QUE SE DEDICA À PROMOÇÃO

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Projeto de Assessoria de Imprensa 1 Transportadora Americana

Projeto de Assessoria de Imprensa 1 Transportadora Americana Projeto de Assessoria de Imprensa 1 Transportadora Americana Ana Carla CANDIDO 2 Gabriela Almeida MINGHINI 3 Maria Juliana Gomes de OLIVEIRA 4 Renata Andrade de RAMOS 5 Marcel José CHEIDA 6 Pontifícia

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

As Relações Públicas no Secretariado Executivo

As Relações Públicas no Secretariado Executivo 2010 Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação As Relações Públicas no Secretariado Executivo Giovanna de Araújo LEITE 1 Universidade de Pernambuco - UPE Autarquia do Ensino

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS Daniela Valdez Rodrigues A RELAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO COM RELAÇÕES PÚBLICAS São Leopoldo

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

I CIPPEB - CONGRESSO INTERNACIONAL DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RELATO DE EXPERIÊNCIA

I CIPPEB - CONGRESSO INTERNACIONAL DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA SEMANA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA Mestranda Rita Aparecida Nunes de Souza da Luz PROGEPE UNINOVE Resumo O objetivo desse trabalho é relatar a experiência

Leia mais

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC)

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC) Título (Limite de 250 caracteres incluindo os espaços) Título: Relações Públicas e Ferramentas de Comunicação um estudo abordando à realidade de Ibitinga A capital nacional do bordado 1 Autores (Incluir

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹

Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Site institucional da Secretaria de Saúde de Goiânia como comunicação estratégica¹ Serena Veloso GOMES² Thamara Rocha Ribeiro FAGURY³ Kalyne Menezes SOUZA4 Silvana Coleta Santos PEREIRA5 Universidade Federal

Leia mais

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00

Número de. Empregados. Pessoa Física Nenhum R$ 50,00 R$ 600,00. Microempresa Até 5 R$ 70,00 R$ 840,00. Acima de 5 R$ 400,00 R$ 4800,00 FICHA DE ADESÃO Por esta Ficha de adesão, solicito meu ingresso como associado da ABRIMPE ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INCENTIVO E MELHORIA EM PROJETOS EMPRESARIAIS, EMPREENDEDORISMO E EDUCACIONAL, comprometendo-me

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare

Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare Instituto Nacional de Pós Graduação INPG Sustentare O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO CORPORATIVA E A FIDELIZAÇÃO DE SEUS PÚBLICOS ESTRATÉGICOS Vitor Roberto Krüger Gestão da Comunicação Empresarial e Relações

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 GESTÃO PARTICIPATIVA NA CONSTRUÇÃO DA QUALIDADE DE ENSINO EM COOPERATIVAS EDUCACIONAIS DO PIAUÍ Cyjara Orsano

Leia mais

Os Veículos de Comunicação Dirigida da Embrapa Soja

Os Veículos de Comunicação Dirigida da Embrapa Soja Os Veículos de Comunicação Dirigida da Embrapa Soja FERREIRA, L.L. 1, GALERANI, G.S.M. 2, 1 Universidade Estadual de Londrina UEL, Cx. Postal 6001 CEP 86051-990 - Londrina - PR, 2 Embrapa Soja O profissional

Leia mais

Comunicação dirigida nas organizações: o caso da GPS Net 1. Franciele PIMENTA 2 Joseane Curtis REINAÇO 3

Comunicação dirigida nas organizações: o caso da GPS Net 1. Franciele PIMENTA 2 Joseane Curtis REINAÇO 3 Comunicação dirigida nas organizações: o caso da GPS Net 1 Franciele PIMENTA 2 Joseane Curtis REINAÇO 3 Marcela Guimarães e SILVA 4 Universidade Federal do Pampa, Rio Grande do Sul, RS Resumo: A atividade

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa:

São distintos os conteúdos expostos pela comunicação interna e externa: 31 6 COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL Um dos principais objetivos da comunicação institucional é o estabelecimento de relações duradouras com os seus públicos. Isso é possível através de ações personalizadas

Leia mais

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica.

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Além de tornar-se fundamental para a difusão do conhecimento e geração das relações interpessoais, a Internet

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

MOVIMENTO LONDRINA CRIATIVA

MOVIMENTO LONDRINA CRIATIVA MOVIMENTO LONDRINA CRIATIVA Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Implantação (projetos que estão em fase inicial) Nome da Instituição/Empresa: "Profissional Autonoma Abril 2009

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

PINTON GERALDINO DAOLIO 3

PINTON GERALDINO DAOLIO 3 MARKETING CULTURAL COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO LUIZ FABIANO FERREIRA¹, PAULO ALEXANDRE PINHEIRO SOARES 2, RAQUEL PINTON GERALDINO DAOLIO 3 1 Aluno do 3º semestre do curso Superior de Tecnologia de Gestão

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão. Conselho de Clientes 1 PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Conselho de Clientes Setembro 2012 ORGANOGRAMA 2 PRESIDÊNCIA ASSESSORIAS 1 2 3 4 5 ORGANIZAÇAO

Leia mais

Identificação, classificação e análise dos públicos de uma organização do Terceiro Setor 1. Introdução

Identificação, classificação e análise dos públicos de uma organização do Terceiro Setor 1. Introdução Identificação, classificação e análise dos públicos de uma organização do Terceiro Setor 1 Marcello Chamusca 2 Márcia Carvalhal 3 Resumo Este artigo pretende introduzir o estudante de relações públicas,

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Produto da Divisão Marketing

Produto da Divisão Marketing Marketing para o Terceiro Setor Produto da Divisão Marketing OBJETIVO Dispor ao mercado de entidades relacionadas ao Terceiro Setor, um leque de atividades relacionados ao marketing e comunicação voltados

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil.

A ABEMD trabalha para incentivar, valorizar, desenvolver e difundir o Marketing Direto no Brasil. A ABEMD, Associação Brasileira de Marketing Direto, é uma entidade civil, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e constituída por pessoas jurídicas e físicas interessadas na aplicação de estratégias e técnicas

Leia mais

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado.

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado. Briefing Prestação de Serviços de Comunicação e Marketing para o Instituto Nacional do Plástico Programa de Incentivo à Exportação Think Plastic Brazil Introdução Este briefing propõe e organiza as ações

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

81,9(56,'$'(&$7Ï/,&$'(%5$6Ë/,$±8&% 35Ï5(,725,$'(*5$'8$d 2±35* 81,'$'('($32,2','È7,&2('8&$&,21$/±8$'( &225'(1$d 2'(3/$1(-$0(172('8&$&,21$/±&3(

81,9(56,'$'(&$7Ï/,&$'(%5$6Ë/,$±8&% 35Ï5(,725,$'(*5$'8$d 2±35* 81,'$'('($32,2','È7,&2('8&$&,21$/±8$'( &225'(1$d 2'(3/$1(-$0(172('8&$&,21$/±&3( 81,9(56,'$'(&$7Ï/,&$'(%5$6Ë/,$±8&% 35Ï5(,725,$'(*5$'8$d 2±35* 81,'$'('($32,2','È7,&2('8&$&,21$/±8$'( &225'(1$d 2'(3/$1(-$0(172('8&$&,21$/±&3( 3/$12'((16,125('8=,'2±9HUVmRGR$OXQR,'(17,),&$d 2 &8562 Comunicação

Leia mais

Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1

Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1 Blogs corporativos: uma inovação na Comunicação Organizacional 1 Ediane Barbosa Oliveira 2 ECOS/UCPel Resumo: O trabalho busca um estudo sobre uma ferramenta estratégica do ciberespaço no meio da comunicação

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1

EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1 EMPRESA JÚNIOR UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E SOCIEDADE EMPRESARIAL 1 PACHECO, Jean Alves 2 ; CARDOSO, Fernando Assunção 3 ; YAMANAKA, Lie 4 Palavras-chaves: Empresa Júnior, extensão,

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET CONCEITOS, OBJETIVOS, BENEFÍCIOS E TENDÊNCIAS Renato Schumacher

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

Nas Ruas de BH. BIENAL ANTP de MARKETING 2.006 Categoria: Marketing Institucional. Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte - BHTRANS

Nas Ruas de BH. BIENAL ANTP de MARKETING 2.006 Categoria: Marketing Institucional. Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte - BHTRANS BIENAL ANTP de MARKETING 2.006 Categoria: Marketing Institucional Nas Ruas de BH Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte - BHTRANS Responsável pela Experiência: Rodrigo César Magalhães Silva

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

Redes Sociais como ferramenta fundamental para a comunicação institucional atual 1

Redes Sociais como ferramenta fundamental para a comunicação institucional atual 1 Redes Sociais como ferramenta fundamental para a comunicação institucional atual 1 Jaqueline ECLISSI 2 Jesse James dos SANTOS 3 Sergio RODRIGUES 4 Daniele DOMINGOS 5 Drielle Ferreira de LIMA 6 Adriana

Leia mais

SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO

SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO SETE SEMANAS PARA O SUCESSO DE UM ESCRITÓRIO - ETAPAS BÁSICAS PARA IMPLANTAÇÃO DO MARKETING JURÍDICO Ari Lima É possível implantar um plano prático e funcional de marketing jurídico com ótimas chances

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE

PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGURO 2014 GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE O modelo de Gestão da Sustentabilidade do GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE é focado no desenvolvimento de

Leia mais

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS.

TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MARKETING DIGITAL, ESTRATÉGIA FUNDAMENTAL PARA O CRESCIMENTO DAS EMPRESAS. CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

A COMUNICAÇÃO COMO FERRAMENTA CHAVE PARA CONSOLIDAÇÃO DE PARQUES TECNOLÓGICOS

A COMUNICAÇÃO COMO FERRAMENTA CHAVE PARA CONSOLIDAÇÃO DE PARQUES TECNOLÓGICOS A COMUNICAÇÃO COMO FERRAMENTA CHAVE PARA CONSOLIDAÇÃO DE PARQUES TECNOLÓGICOS Paula Soares Matias 1 Janaine Farrane Cardoso 2 RESUMO O artigo tem como objetivo evidenciar a comunicação como ferramenta

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

A INFLUÊNCIA DO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO A INFLUÊNCIA DO RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NO AMBIENTE DE TRABALHO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO Micaele Rodrigues Feitosa 3, Agna Ligia Pinheiro Máximo 1. Correspondência para: micaele-melo@hotmail.com Palavras-chave:

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS

POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança - ABESE Entidade que representa, nacionalmente, as empresas de sistemas

Leia mais

Linha Editorial da Agência de Notícias

Linha Editorial da Agência de Notícias UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Linha Editorial da Agência de Notícias Cruz das Almas BA 2012 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. RESPONSABILIDADE...3

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Declaração de Apoio Continuo da Presidente 23/10/2015 Para as partes interessadas: É com satisfação que comunicamos

Leia mais

Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR

Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR Projetos educacionais transformadores realizados por instituições de ensino particular do Paraná ganharam reconhecimento

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Paraná se destaca no cenário brasileiro de sistemas de segurança eletrônica

Paraná se destaca no cenário brasileiro de sistemas de segurança eletrônica Rogério Reis Paraná se destaca no cenário brasileiro de sistemas de segurança eletrônica CRESCIMENTO ECONÔMICO DA REGIÃO SUL IMPULSIONA MERCADO PARANAENSE POR ADRIANE DO VALE redacao@cipanet.com.br FOTOS

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1.1. TÍTULO: Viagens de Estudos e Visitas Técnicas Internacionais

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

EDITAL PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO JOVEM DA UFPE

EDITAL PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO JOVEM DA UFPE EDITAL PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO JOVEM DA UFPE A Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) torna pública, através da Diretoria de Inovação e Empreendedorismo (DINE) da Pró-Reitoria para Assuntos de

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário

Plano de Negócios PLANEJAMENTO DO PROJETO FINAL. Sumário Plano de Negócios Plano de Negócios Sumário Introdução... 3 Plano de Negócios... 3 Etapas do Plano de Negócio... 3 Fase 1... 3 Fase 2... 8 Orientação para entrega da Atividade de Avaliação... 12 Referências

Leia mais

Eventos Fehosp. Promovendo e fortalecendo as relações para o aprimoramento das ações na saúde.

Eventos Fehosp. Promovendo e fortalecendo as relações para o aprimoramento das ações na saúde. Eventos Fehosp. Promovendo e fortalecendo as relações para o aprimoramento das ações na saúde. Quem Somos A Fehosp Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes do Estado de São Paulo, é uma instituição

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO. Assessoria de Comunicação Social - ASCOM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO. Assessoria de Comunicação Social - ASCOM UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Assessoria de Comunicação Social - ASCOM Petrolina Junho de 2013 APRESENTAÇÃO A Assessoria de Comunicação Social (Ascom) da Univasf tem como missão planejar

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi

Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi Oficina de Educomunicação: Construção de um Fotodocumentário Histórico da Escola Augusto Ruschi EJE: Comunicacion y Extensión AUTORES: Garcia, Gabriela Viero 1 Tumelero, Samira Valduga 2 Rosa, Rosane 3

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais