CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA"

Transcrição

1 CAPITULO III CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO DIRETA 31

2 3 CONSOLIDAÇÃO ORÇAMENTÁRIA - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3.1 DOS BALANÇOS Resultado Financeiro do Exercício Considerando que a receita arrecadada atingiu o valor de R$ ,00, ficando acima do montante da Despesa Realizada que totalizou R$ ,00, conclui-se que o resultado financeiro decorrente da execução orçamentária resultou em um Superávit Financeiro no valor de R$ ,00, sendo R$ ,00 de Superávit Corrente e Déficit de Capital de R$ ,00, conforme demonstrado no quadro a seguir: DEMONSTRATIVO DA RECEITA E DESPESA REALIZADA - ADM. DIRETA CATEGORIA ECONÔMICA REALIZADA PARTICIPAÇÃO.2005 % RECEITAS CORRENTES ,01 TRIBUTÁRIA ,95 CONTRIBUIÇÕES 0 0,00 PATRIMONIAL ,35 AGROPECUARIA 0 0,00 SERVIÇOS ,00 TRANSF. CORRENTES ,82 OUTRAS RECEITAS CORRENTES ,01 Dedução Receita ( ) (11,14) RECEITAS DE CAPITAL ,99 OPERAÇÕES DE CRÉDITOS ,03 ALIENAÇÃO DE BENS ,01 TRANSFERÊNCIA DE CAPITAL ,77 OUTRAS RECEITAS DE CAPITAL ,18 TOTAL DA RECEITA ,00 DESPESAS CORRENTES ,46 PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS ,42 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA ,26 OUTRAS DESPESAS CORRENTES ,77 DESPESAS DE CAPITAL ,54 INVESTIMENTOS ,31 INVERSÕES FINANCEIRAS ,03 AMORTIZAÇÃO DA DÍVIDA ,20 TOTAL DA DESPESA ,00 SUPERÁVIT CORRENTE DÉFICIT DE CAPITAL ( ) SUPERÁVIT FINANCEIRO DEC. DA EXECUÇÃO ORÇAMENTARIA fonte : SIAFEM - valores em R$ 1,00. 32

3 Comparando-se com 2004, observa-se um aumento de 111,85% no Superávit Financeiro decorrente da execução orçamentária. Essa forte alta deve-se ao fato do aumento considerável do superávit corrente de 130,24%, devido principalmente aos aumentos das transferências correntes e da arrecadação tributaria, respectivamente em 39,27% e 16,44%. COMPARATIVO DA RECEITA E DESPESA REALIZADA 2004 x ADM. DIRETA CATEGORIA ECONÔMICA VALORES VARIAÇÃO.2005 %.2004 RECEITAS CORRENTES ,83 TRIBUTÁRIA ,44 CONTRIBUIÇÕES PATRIMONIAL ,63 AGROPECUARIA SERVIÇOS (91,71) TRANSF. CORRENTES ,27 OUTRAS RECEITAS CORRENTES (54,18) Dedução da Receita 0 ( ) RECEITAS DE CAPITAL ,92 OPERAÇÕES DE CRÉDITOS (91,03) ALIENAÇÃO DE BENS (44,87) TRANSFERÊNCIA DE CAPITAL ,26 OUTRAS RECEITAS DE CAPITAL ,19 TOTAL DA RECEITA ,71 DESPESAS CORRENTES ,42 PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS ,32 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA ,96 OUTRAS DESPESAS CORRENTES (6,28) DESPESAS DE CAPITAL ,66 INVESTIMENTOS ,09 INVERSÕES FINANCEIRAS (72,17) AMORTIZAÇÃO DA DÍVIDA ,70 TOTAL DA DESPESA ,85 SUPERÁVIT CORRENTE ,24 SUPERAVIT/DEFICIT DE CAPITAL ( ) ( ) 157,77 SUPERÁVIT FIN. DEC. DA EXEC. ORÇAMENTARIA ,85 fonte : SIAFEM - valores em R$ 1,00. 33

4 Balanço Patrimonial O Balanço Patrimonial no encerramento do exercício de 2005, de um lado, evidencia a posição das contas representativas de bens, direitos e, quando for o caso, o saldo patrimonial negativo. Do outro lado, a posição das contas representativas dos compromissos assumidos e saldo patrimonial positivo, ou seja, do Patrimônio Liquido da Instituição Pública, conseqüência dos atos e fatos praticados pelo Governo, retratado os efeitos nas variações que impactaram no resultado do Patrimônio do Estado. O Ativo Financeiro representa as Disponibilidades, composta pelas contas - Caixa, Bancos contas Movimento e Aplicações Financeiras - adicionando-se as contas representativas do Realizável, composto pelos créditos da Fazenda Pública em Curtos e Longos Prazos, inclusive Dívida Ativa. Os itens do Ativo Permanente estão compreendidos pelos valores fixos atribuídos as Imobilizações e os Créditos em Longo Prazo. Os itens que compõem o Ativo Permanente não sofreram correção em relação a 2004, e os valores apresentados no item Participações Societárias são nominais. O Passivo Financeiro demonstra as Obrigações que independem de autorização orçamentária para serem pagas, representadas por depósitos e retenções de terceiros e Obrigações em Circulação representadas por Restos a Pagar, Pessoal a Pagar, Obrigações Tributárias e Valores Pendentes, provenientes de créditos recebidos e não identificados. Quanto ao Passivo Permanente, os valores relativos a Dívida Fundada, representada no grupo Obrigações Exigível a Longo Prazo e seus sub grupos representativos, foram corrigidos pela variação da TR, IGP-M e IGP-DI e os da Dívida Fundada Externa, pela variação do dólar, tudo de acordo com cláusulas contratuais. É importante destacar que a Dívida Pública Estadual está inserida em um contexto nacional, onde o Governo Federal, através do Programa de Reestruturação e Ajuste Fiscal, procura manter o controle de endividamento nas várias esferas de Governo, este Ajuste é de extrema importância para a sociedade, uma vez que, o comprometimento de receitas futuras com o serviço da divida traz efeitos nocivos sobre a quantidade e qualidade dos serviços públicos que devem ser prestados a população. Cabe ressaltar que no Patrimônio Público, a imobilização tem uma particularidade: determinados bens não são passíveis de inventário ou registros contábeis, mas têm contrapartida em financiamentos, inclusive corrigida, apesar de serem investimentos não são agregados ao patrimônio estadual, que são os chamados bens de uso comum do povo, que correspondem às estradas, praças, pontes, ruas etc.. Outro fato que reflete decisivamente no resultado do Balanço Patrimonial é a Despesa de Capital relativa a parte correspondente aos bens móveis e imóveis inscritos em Restos a Pagar não processados, uma vez que não foram liquidados estes, não tem contrapartida no Ativo Permanente, isto é, ainda não se encontra incorporado ao Patrimônio do Estado, tal procedimento ocorre por ocasião do seu efetivo pagamento, o que no caso de Restos a Pagar, somente se caracteriza no exercício seguinte. Abaixo está demonstrado o Balanço Patrimonial de forma analítica: 34

5 BALANÇO PATRIMONIAL ITEM DO BALANÇO R$ ITEM DO BALANÇO R$ 1. ATIVO FINANCEIRO ,27 4. PASSIVO FINANCEIRO ,73 DISPONÍVEL ,18 DEPOSITOS ,29 BANCO C/ MOVIMENTO ,49 CONSIGNAÇÕES ,69 APLICAÇÕES FINANCEIRAS ,50 DEPOSITOS DE DIVERSAS ORIGENS ,60 RECURSOS VINCULADOS ,19 OUTROS DEPÓSITOS - CRÉDITOS EM CIRCULAÇÃO ,80 OBRIGAÇÕES EM CIRCULAÇÃO ,44 CRÉDITOS DIVERSOS A RECEBER 195,86 RESTOS A PAGAR ,10 ADIANTAMENTOS CONCEDIDOS ,97 PESSOAL A PAGAR ,32 DEVEDORES DIVERSOS ,37 OP DE CRÉDITOS INTERNA E EXTERNA ,02 RECURSOS VINCULADOS 6.110,60 ADIANTAMENTOS RECEBIDOS ,00 BENS E VALORES EM CIRCULAÇÃO ,04 ESTOQUES ,04 REALIZÁVEL ,25 TITULOS E VALORES ,27 5. PASSIVO PERMANENTE ,02 RECURSOS VINCULADOS - OBRIGAÇÕES EXIGIVEL A LONGO PRAZO ,33 CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS E NÃO TRIBUTÁ ,08 OPERAÇÕES DE CRÉDITOS ,33 DÍVIDA ATIVA ,90 DÍVIDA FUNDADA INTERNA ,98 EM TÍTULOS ,60 EM CONTRATOS ,38 2. ATIVO PERMANENTE ,73 DÍVIDA FUNDADA EXTERNA ,35 INVESTIMENTOS ,30 EM CONTRATOS ,35 PARTICIPAÇÃO ACIONARIAS ,08 RECURSOS VINCULADOS ,94 OUTROS INVESTIMENTOS 7.024,22 EMPRESTIMOS E FINANCIAMENTOS ,59 IMOBILIZADO ,43 OUTRAS OBRIGAÇÕES ,16 BENS MÓVEIS ,90 BENS IMÓVEIS ,53 6. TOTAL DO PASSIVO REAL (4 + 5) ,75 POSIÇÃO LÍQUIDA FINAL SUPERAVIT FINANCEIRO (1-4) ,54 DÉFICIT PERMANENTE (2-5) ( ,29) 3. TOTAL DO ATIVO REAL (1 + 2) ,00 7.PASSIVO REAL DESCOBERTO (3-6) ( ,75) fonte: SIAFEM Resultado Patrimonial Ao analisar os componentes que definiram o resultado patrimonial, verifica-se que o resultado apresentado entre o Ativo Financeiro de R$ ,27 e Passivo Financeiro de R$ ,73 apontam para um superávit financeiro no valor de R$ ,54 como posição liquida no exercício. Já o Ativo Permanente apresentou o valor de R$ ,73 e o Passivo Permanente de R$ ,02 demonstrando uma posição líquida no final do exercício de déficit permanente no valor de R$ Ao contrário dos componentes do Ativo Permanente, como os bens móveis e imóveis, que não tem atualização monetária, e estão representados contabilmente pelo valor de aquisição, a Dívida Fundada Interna, composta por obrigações de longo prazo, tem seus valores corrigidos por indicadores de mercado, TR, IGP-M, IGP-DI, taxa SELIC e variação cambial. 35

6 Demonstração das Variações Patrimoniais O Demonstrativo das Variações Patrimoniais evidencia as alterações verificadas no Patrimônio, resultantes e independentes da execução orçamentária e indica o resultado Patrimonial e Econômico do exercício, apurado pelo confronto entre as Variações Ativas e Passivas, que em 2005 aponta um déficit no Patrimônio Liquido no valor de R$ ,41, conforme demonstrado no quadro a seguir: DEMONSTRATIVO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS TÍTULO R$ TÍTULO R$ 1.RESULTANTE DA EXECUÇÃO ORÇAMENTARIA ,31 5.RESULTANTE DA EXECUÇÃO ORÇAMENTARIA ,68 2. RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS ,93 6. DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS ,55 RECEITAS CORRENTES ,89 DESPESAS CORRENTES ,07 TRIBUTÁRIAS ,68 PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS ,38 V PATRIMONIAL ,50 V JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA ,21 A SERVIÇOS ,43 A OUTRAS DESPESAS CORRENTES ,48 R TRANSFERÊNCIAS CORRENTES ,44 R DESPESAS DE CAPITAL ,48 I OUTRAS RECEITAS CORRENTES ,90 I INVESTIMENTOS ,22 A DEDUÇÃO DA RECEITA CORRENTE - FUNDEF ( ,06) A INVERSÕES FINANCEIRAS ,00 Ç RECEITAS DE CAPITAL ,04 Ç AMORTIZAÇÃO DA DÍVIDA ,26 Õ OPERAÇÕES DE CRÉDITO ,13 Õ 7. MUTAÇÕES PATRIMONIAIS PASSIVAS ,13 E ALIENAÇÕES DE BENS ,74 E LIQUIDAÇÃO DE CRÉDITOS ,13 S TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL ,66 S 8. INDEPENDENTE DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA ,56 OUTRAS RECEITAS DE CAPITAL ,51 CORRESPONDÊNCIA DE CRÉDITOS INTERNOS ,79 3. MUTAÇÕES PATRIMONIAIS ATIVAS ,38 TRANSFERÊNCIAS NO ESTADO ,44 A AQUISIÇÃO DE BENS IMÓVEIS ,79 P MOVIMENTO DE FUNDOS PRÓPRIOS ,48 T AQUISIÇÃO DE BENS MÓVEIS ,14 A ORDEM DE TRANSFERÊNCIA CONCEDIDA ,27 I AQUISIÇÃO DE TÍTULOS E VALORES ,00 S BAIXA DE BENS MÓVEIS ,25 V DESINCORPORAÇÃO DE PASSIVOS ,72 S BAIXA DE TÍTULOS E VALORES ,45 A SUB REPASSE RECEBIDO ,31 I BAIXA DE DIREITOS ,09 S CORRESPONDÊNCIAS DE DÉBITOS INTERNOS ,42 V INCORPORAÇÃO DE OBRIGAÇÕES ,59 4. INDEPENDENTE DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA ,52 A ATUALIZAÇÃO DE OBRIGAÇÕES INTERNAS ,57 INCORPORAÇÃO DE BENS MÓVEIS ,00 S ATUALIZAÇÃO DE OBRIGAÇÕES EXTERNAS ,63 INCORPORAÇÃO DE TÍTULOS E VALORES ,95 INCORPORAÇÕES DE DIREITOS ,45 AJUSTES DE CRÉDITOS ,29 DESINCORPORAÇÃO DE OBRIGAÇÕES ,83 RESULTADO PATRIMONIAL (1-5)+(4-8) DÉFICIT ( ,41) O déficit verificado em 2005 de R$ ,41, somado ao Passivo Real a Descoberto de 2004, de R$ ,34 e ao superávit financeiro ocasiona o resultado do exercício no valor de R$ ,29 demonstrado no Balanço Patrimonial. 3.2 Limites Constitucionais Receita Corrente Líquida A Receita Corrente Líquida, no valor de R$ ,00 foi apurada somando-se as receitas arrecadadas no mês de referência (dezembro) e nos 11 anteriores, que serve de base para a fixação dos limites para despesas com pessoal, despesas previdenciárias, serviços de terceiros, das garantias da dívida consolidada e das operações de crédito. O quadro completo está demonstrado a seguir: 36

7 EVOLUÇÃO DA RECEITA CORRENTE LÍQUIDA REALIZADA NOS ÚLTIMOS 12 MESES CATEGORIA ECONÔMICA JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL I - RECEITAS CORRENTES RECEITA TRIBUTÁRIA ICMS IPVA Outras Receitas Tributárias RECEITA DE CONTRIBUIÇÕES RECEITA PATRIMONIAL RECEITA AGROPECUÁRIA RECEITA INDUSTRIAL RECEITA DE SERVIÇOS TRANSFERÊNCIAS CORRENTES Cota Parte do FPE Transf. Financeira LC 87/ Transf. do FUNDEF Outras Transfêrencias OUTRAS RECEITAS CORRENTES II - DEDUÇÕES TRANSF. CONSTITUCIONAIS E LEGAIS CONTRIB. PLANO SEG. SOCIAL SERVIDOR Servidor Patronal CONTRIB. P/ CUSTEIO PENSÕES MILITARES COMP. FINANCEIRA ENTRE REGIMES PREV DEDUÇÃO DE REC. P/ FORMAÇÃO DO FUNDEF CONTRIBUIÇÃO PARA PIS/PASEP PIS PASEP III - RECEITA CORRENTE LÍQUIDA (I-II) EVOLUÇÃO DA RECEITA CORRENTE LÍQUIDA REALIZADA NOS ÚLTIMOS 12 MESES CATEGORIA ECONÔMICA AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL I - RECEITAS CORRENTES RECEITA TRIBUTÁRIA ICMS IPVA Outras Receitas Tributárias RECEITA DE CONTRIBUIÇÕES RECEITA PATRIMONIAL RECEITA AGROPECUÁRIA RECEITA INDUSTRIAL RECEITA DE SERVIÇOS TRANSFERÊNCIAS CORRENTES Cota Parte do FPE Transf. Financeira LC 87/ Transf. do FUNDEF Outras Transfêrencias OUTRAS RECEITAS CORRENTES ( ) II - DEDUÇÕES TRANSF. CONSTITUCIONAIS E LEGAIS CONTRIB. PLANO SEG. SOCIAL SERVIDOR Servidor Patronal CONTRIB. P/ CUSTEIO PENSÕES MILITARES COMP. FINANCEIRA ENTRE REGIMES PREV DEDUÇÃO DE REC. P/ FORMAÇÃO DO FUNDEF CONTRIBUIÇÃO PARA PIS/PASEP PIS PASEP III - RECEITA CORRENTE LÍQUIDA (I-II) fonte : SIAFEM - Valores em R$ 1.000,00 37

8 3.2.2 Despesa com Pessoal Conforme determina o Art. 55, Inciso I, Alínea a da Lei Complementar 101, é demonstrada a seguir a Despesa de Pessoal em relação à Receita Corrente Liquida. No total de gastos com pessoal o indicador verificado foi de 55,23%, tendo o Poder Executivo participado com 43,77%, o Poder Legislativo com 2,14% e o Poder Judiciário com 4,59%. Alagoas alcançou o índice mínimo determinado pelo Art. 19, Inciso II, da LRF que é de 60%. Demonstrativo Da Despesa de Pessoal em Relação a Receita Corrente Liquida EXECUTIVO LRF, ART. 55, INCISO I, ALÍNEA "a", ANEXO I DESPESAS DE PESSOAL 2005 DESPESA LÍQUIDA COM PESSOAL ( I ) Pessoal Ativo Pessoal Inativo e Pensionista Despesas não computadas (art.19, 1º da LRF) ( - ) Decorrentes de Decisão Judicial ( - ) Inativos e Pensionistas com Recursos Vinculados ( - ) Indenizações por Demissão e incentivos à Demissão Voluntária - ( - ) Despesas de Exercícios Anteriores OUTRAS DESPESAS DE PESSOAL DECORRENTES DE CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO (art.18, 1º) ( II ) TOTAL DA DESPESA LÍQUIDA COM PESSOAL (I+II) MINISTÉRIO PÚBLICO LRF, ART. 55, INCISO I, ALÍNEA "a", ANEXO I DESPESAS DE PESSOAL ,77% DESPESA LÍQUIDA COM PESSOAL ( I ) Pessoal Ativo Pessoal Inativo e Pensionista Despesas não computadas (art.19, 1º da LRF) ( - ) Decorrentes de decisão judicial - ( - ) Inativos com Recursos Vinculados - ( - ) Indenizações p/ Demissão e incentivos a Demissão Voluntária - ( - ) Despesas de exercícios anteriores OUTRAS DESPESAS DE PESSOALDECORRENTES DE CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO (art.18, 1º) ( II ) - TOTAL DA DESPESA LÍQUIDA COM PESSOAL (I+II) ,14% JUDICIÁRIO LRF, ART. 55, INCISO I, ALÍNEA "a", ANEXO I DESPESAS DE PESSOAL 2005 DESPESA LÍQUIDA COM PESSOAL ( I ) Pessoal Ativo Pessoal Inativo e Pensionista Despesas não computadas (art.19, 1º da LRF) ( - ) Decorrentes de decisão judicial - ( - ) Inativos com Recursos Vinculados - ( - ) Indenizações p/ Demissão e incentivos a Demissão Voluntária - ( - ) Despesas de exercícios anteriores OUTRAS DESPESAS DE PESSOAL DECORRENTES DE CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO(art.18, 1º) ( II ) - TOTAL DA DESPESA LÍQUIDA COM PESSOAL (I+II) ,59% LEGISLATIVO LRF, ART. 55, INCISO I, ALÍNEA "a", ANEXO I DESPESAS DE PESSOAL 2005 DESPESA LÍQUIDA COM PESSOAL ( I ) Pessoal Ativo Pessoal Inativo e Pensionista Despesas não computadas (art.19, 1º da LRF) ( - ) Decorrentes de decisão judicial - ( - ) Inativos com Recursos Vinculados - ( - ) Indenizações p/ Demissão e incentivos a Demissão Voluntária - ( - ) Despesas de exercícios anteriores OUTRAS DESPESAS DE PESSOALDECORRENTES DE CONTRATOS DE TERCEIRIZAÇÃO (art.18, 1º) ( II ) - TOTAL DA DESPESA LÍQUIDA COM PESSOAL (I+II) ,73% DESPESA LIQUIDA TOTAL DE PESSOAL (Exec., Leg., Jud, e MP) ,23% Fonte SIAFEM - em R$1,00 RECEITA CORRENTE LIQUIDA

9 3.2.3 Demonstrativo do Gasto com Saúde A receita oriunda de impostos arrecadados somada à receita de transferências e deduzida as transferências constitucionais a Municípios determina a Receita Líquida de Impostos, resultando no valor de R$ ,00. O Estado de Alagoas aplicou em ações e serviços de saúde R$ ,00 o que corresponde a 12,10% da Receita Liquida de Impostos, percentual acima do limite mínimo de 12% determinado pela Emenda Constitucional nº 29 de 14 de Setembro de RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DA RECEITA LÍQUIDA DE IMPOSTOS E DAS DESPESAS PRÓPRIAS COM SAÚDE ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL NOVEMBRO A DEZEMBRO 2005 / BIMESTRE NOVEMBRO - DEZEMBRO ADCT, art Anexo XVI R$1 RECEITAS jan a dez 2005 % (a) (b) (b / a) RECEITA LÍQUIDA DE IMPOSTOS E TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS E LEGAIS (I) ,45% Impostos ,34% Receitas de Transferências Constitucionais e Legais ,80% (-) Transferências Constitucionais e Legais ( ) ( ) ( ) 90,99% TRANSFERÊNCIAS DE RECURSOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE-SUS (II) ,56% Da União para o Estado ,56% Dos Municípios para o Estado ,00% Demais Estados para o Estado ,00% Outras Receitas do SUS ,00% RECEITAS DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO VINCULADAS À SAÚDE (III) ,00% OUTRAS RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS ,66% (-) DEDUÇÃO PARA O FUNDEF ( ) ( ) ( ) 109,43% TOTAL ,64% DESPESAS COM SAÚDE ATUALIZADA jan a dez 2005 % (c) (d) (d / c) (Por Grupo de Natureza da Despesa) DESPESAS CORRENTES ,77% Pessoal e Encargos Sociais ,45% Juros e Encargos da Dívida ,00% Outras Despesas Correntes ,76% DESPESAS DE CAPITAL ,40% Investimentos ,62% Inversões Financeiras ,00% Amortização da Dívida ,00% TOTAL (IV) ,13% DESPESAS PRÓPRIAS COM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE ATUALIZADA jan a dez 2005 % (c) (e) (e/desp saúde) DESPESAS COM SAÚDE ,13% (-) DESPESAS COM INATIVOS E PENSIONISTAS ,77% (-) DESPESAS CUSTEADAS COM OUTROS RECURSOS DESTINADOS À SAÚDE ,02% Recursos de Transferência do Sistema Único de Saúde - SUS ,02% Recursos de Operações de Crédito ,00% Outros recursos ,00% (-) RP INSCRITOS NO EXERCÍCIO SEM DISPONIBILIDADE FINANCEIRA VINCULADA DE RECURSOS PRÓPRIOS ,00% TOTAL DAS DESPESAS PRÓPRIAS COM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE (V) ,96% CONTROLE DE RESTOS A PAGAR INSCRITOS EM EXERCÍCIOS ANTERIORES VINCULADOS À SAÚDE RP DE DESPESAS PRÓPRIAS COM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE COMPENSAÇÃO DE RESTOS A PAGAR CANCELADOS NO EXERCÍCIO (VI) PREVISÃO INICIAL INICIAL INICIAL PREVISÃO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS RESTOS A PAGAR Aplicação Aplicação apurada Cancelados em mínima em 2005 em 2005 Inscritos em /12/2004 (f) (g) (h) PARTICIPAÇÃO DAS DESPESAS COM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE NA RECEITA LÍQUIDA DE IMPOSTOS E TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS E LEGAIS - LIMITE CONSTITUCIONAL<%> 2 [(V - VI) / I ] DESPESAS COM SAÚDE (Por Subfunção) 12,10% jan a dez 2005 % (i) (i/desp saúde) Atenção Básica ,13% Assistência Hospitalar e Ambulatorial ,02% Suporte Profilático e Terapêutico ,51% Vigilância Sanitária ,00% Vigilância Epidemiológica ,60% Alimentação e Nutrição ,30% Outras Subfunções ,25% TOTAL ,00% (-) DESPESAS COM INATIVOS E PENSIONISTAS ,42% (-) DESPESAS CUSTEADAS COM OUTROS RECURSOS DESTINADOS À SAÚDE ,36% Recursos de Transferência do Sistema Único de Saúde - SUS ,36% Recursos de Operações de Crédito ,00% Outros recursos ,00% (-) RP INSCRITOS NO EXERCÍCIO SEM DISPONIBILIDADE FINANCEIRA VINCULADA DE RECURSOS PRÓPRIOS ,00% TOTAL DAS DESPESAS PRÓPRIAS COM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE (V) FONTE: SIAFEM Nota 1 : Essa linha apresentará valor somente no RREO do último bimestre do exercício Nota 2 : Limite anual mínimo a ser cumprido no encerramento do exercício INICIAL ATUALIZADA 39

10 3.2.4 Demonstrativo do Gasto com Educação Alagoas no exercício de 2005 aplicou na Manutenção e Desenvolvimento do Ensino R$ ,00, o que equivale a 25% das receitas resultantes de impostos, respeitando o limite mínimo estabelecido pelo Art. 212 da Constituição Federal. No relatório abaixo está demonstrado cada item da formação da Receita Líquida de Impostos e da Despesa com Educação. RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL NOVEMBRO A DEZEMBRO 2005 / BIMESTRE NOVEMBRO - DEZEMBRO LEI 9.394/96, Art Anexo X RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS ( I ) Receitas de Impostos Receita resultante do ICMS ICMS Dívida Ativa do ICMS IRRF Dívida Ativa do ITCD, IPVA e IRRF Multas, Juros de Mora e outros encargos do ITCD, IPVA, e IRRF e da Dívida Ativa Receitas de Transferências Constitucionais e Legais Cota-Parte FPE (85%) Transferência Financeira ICMS-Desoneração - LC 87/96 (85%) Cota-Parte IPI-Exportação (85%) Parcela das Transferências destinadas à Formação do FUNDEF (II) Cota-Parte IOF-Ouro (100%) (-) Transferências Constitucionais RECEITAS VINCULADAS AO ENSINO (III) Transferências Multigovernamentais do FUNDEF Transferências de Recursos do FUNDEF (IV) Complementação da União ao FUNDEF Cota-Parte da Contribuição Social do Salário-Educação Transferências do FNDE R$ 1 PREVISÃO RECEITAS REALIZADAS PREVISÃO INICIAL ATUALIZADA No Bimestre jan a dez 2005 % (a) (b) (b/a) ,21% ,34% ,59% ,47% ,00% ,00% ,77% ,31% ,98% ,73% ,50% ,34% ,16% ,40% ,50% ,62% ,94% ,29% ,00% ,99% ,22% ,65% ,20% ,00% ,76% ,00% ,44% ,00% ,00% ,11% DESPESAS COM ENSINO POR VINCULAÇÃO jan a dez 2005 % No Bimestre (c) (d) (d/c) VINCULADAS ÀS RECEITAS RESULTANTES DE IMPOSTOS ( VI ) ,87% Despesas com Ensino Fundamental (VII) ,54% Despesas com Ensino Médio ,16% Outras Despesas com Ensino ,76% VINCULADAS AO FUNDEF, NO ENSINO FUNDAMENTAL ( VIII ) ,67% Pagamento dos Professores do Ensino Fundamental (IX) ,87% Outras Despesas no Ensino Fundamental ,58% VINCULADAS À CONTRIBUIÇÃO SOCIAL DO SALÁRIO-EDUCAÇÃO ,06% FINANCIADAS COM RECURSOS DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO ,00% OUTRAS DESPESAS VINCULADAS À EDUCAÇÃO ,57% TOTAL DAS DESPESAS COM O ENSINO ( X ) ,50% RESTOS A PAGAR CANCELADOS - VINCUL. À EDUCAÇÃO / RP INSCRITOS SEM DISPONIBILIDADE FINANCEIRA VINCULADA Despesas com Ensino Fundamental (XIII) Outras Despesas com Ensino RECEITAS Multas, Juros de Mora e outros encargos do ICMS e da dívida Ativa do ICMS Parcela da receita resultante do ICMS destinada à formação do FUNDEF (II) Receita resultante de Outros Impostos ITCD IPVA Transferências de Convênios destinados a Programas de Educação Receitas de Operações de Crédito destinada à Educação Outras Receitas Vinculadas à Educação TOTAL DAS RECEITAS ( V ) = (I+III-II) [Se II > IV] = PERDA NAS TRANSFERÊNCIAS DO FUNDEF ( XI ) [SE II < IV] = GANHO NAS TRANSFERÊNCIAS DO FUNDEF DEDUÇÕES DA DESPESA PARCELA DO GANHO/COMPLEMENTAÇÃO DO FUNDEF APLICADA NO EXERCÍCIO (XII) INICIAL ATUALIZADA DESPESAS VINCUL. AO SUPERÁVIT FINANCEIRO DO GANHO/COMPLEMENT. DO FUNDEF DO EXERCÍCIO ANTERIOR (XIV) TOTAL (XV) TOTAL DE DESPESAS CONSIDERADAS P/ FINS LIMITE CONSTITUCIONAL ( XVI ) = ( VI + VIII + XI ) - (XV) TABELA DE CUMPRIMENTO DOS LIMITES CONSTITUCIONAIS % Mínimo de 25% das receitas resultantes de impostos na manutenção e desenvolvimento do ensino - (XVI/I) - Caput art. 212 da CF/88 25,00% Mínimo de 60% das despesas com MDE no ensino fundamental - [(VII+VIII+XI) - (XII+XIII+XIV)] / (I x 0,25)] - Caput do art. 60 do ADCT da CF/88 55,81% Mínimo de 60% do FUNDEF na remuneração do magistério ensino fundamental - (IX / VIII) - & 5º art. 60 do ADCT da CF/88 92,63% SALDO FINANCEIRO DO FUNDEF DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO POR SUBFUNÇÃO INICIAL ATUALIZADA No Bimestre jan a dez 2005 % (e) (f) (f/e) ENSINO FUNDAMENTAL ,49% ENSINO MÉDIO ,86% ENSINO PROFISSIONAL ,57% ENSINO SUPERIOR ,86% EDUCAÇÃO INFANTIL ,00% EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS ,74% EDUCAÇÃO ESPECIAL ,32% Outras Sub-funções ,43% TOTAL DAS DESPESAS ,50% FONTE: SIAFEM/AL VALOR Em 31 de dez de 2004 jan a dez

11 3.3 Resultado Primário O Resultado Primário, nos termos do inciso III do art. 53, é obtido em confronto das Receitas Fiscais (Receita Orçamentária arrecadada, descontadas as Aplicações Financeiras, Operações de Credito, Amortização de Empréstimos e Alienação de Bens) com as Despesas Fiscais (Despesa Total, descontada dos Juros e Encargos da Divida e Amortização da Divida). O demonstrativo a seguir aponta um Resultado Primário no exercício de R$ ,00. O resultado final ficou acima do fixado no anexo de metas fiscais da Lei de Diretrizes Orçamentárias para o exercício de referencia em R$ , já em relação a 2004 o resultado primário foi inferior em R$ ,00. O quadro abaixo, demonstra a evolução do Resultado Primário nos anos de 2004 e 2005, conforme determina a Lei de Responsabilidade Fiscal. RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DO RESULTADO PRIMÁRIO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL NOVEMBRO A DEZEMBRO 2005 / BIMESTRE NOVEMBRO - DEZEMBRO LRF, art 53, inciso III - Anexo VII RECEITAS FISCAIS R$ 1 PREVISÃO RECEITAS REALIZADAS ATUALIZADA No Bimestre jan a dez 2005 jan a dez 2004 RECEITAS FISCAIS CORRENTES - LÍQ DO FUNDEF (I) RECEITA TRIBUTÁRIA ICMS IPVA ITCD Outras Receitas Tributárias (-) Dedução da Receita Tributária ( ) ( ) ( ) - RECEITA DE CONTRIBUIÇÃO Receita Previdenciária Outras Contribuições RECEITA PATRIMONIAL LÍQUIDA Receita Patrimonial (-) Aplicações Financeiras - ( ) ( ) ( ) TRANSFERÊNCIAS CORRENTES FPE Outras Transferencias Correntes (-) Dedução das Receitas de Transferência ( ) ( ) ( ) - DEMAIS RECEITAS CORRENTES Dívida Ativa Diversas Receitas Correntes RECEITAS DE CAPITAL (II) Operações de Crédito (III) ( ) Amortização de Empréstimos (IV) Receitas de Alienação da Ativos (V) Transferências de Capital Convênios Outras Transferências de Capital Outras Receitas de Capital RECEITAS FISCAIS DE CAPITAL (VI)=(II-III-IV-V) RECEITAS FISCAIS LÍQUIDAS (VII)=(I+VI) DESPESAS FISCAIS ATUALIZADA No Bimestre jan a dez 2005 jan a dez 2004 DESPESAS CORRENTES (VIII) Pessoal e Encargos Sociais Outras Despesas Correntes Juros e Encargos da Dívida (IX) DESPESAS FISCAIS CORRENTES (X)=(VIII-IX) DESPESAS DE CAPITAL (XI}) Investimentos Inversões Financeiras Concessão de Empréstimos (XII) Aquisição de Título de Capital já Integralizado (XIII) Demais Inversões Financeiras Amortização da Dívida (XIV) DESPESAS FISCAIS DE CAPITAL(XV=XI-XII-XIII-XIV) RESERVA DE CONTINGÊNCIA (XVI) DESPESAS FISCAIS LÍQUIDAS (XVII=X+XV+XVI) RESULTADO PRIMÁRIO (VII-XVII) ( ) SALDOS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES DISCRIMINAÇÃO DA META FISCAL META DE RESULTADO PRIMÁRIO FIXADA NO ANEXO DE METAS FISCAIS/LDO P/ O EXERC. DE REFERÊNCIA VALOR FONTE: SIAFEM/AL 41

12 3.4 Dívida Pública Constitui a Dívida Pública do Estado de Alagoas as classificadas como Fundada (interna e externa), que representam obrigações exigíveis a Longo Prazo assumidas pelo Estado através de Leis, contratos, convênios e tratados de longo prazo e a Dívida Mobiliária, representada por títulos emitidos pelo tesouro estadual. O quadro abaixo, verifica que a Dívida Interna corresponde a maior representatividade, com 99,79%, que por sua vez é quase toda composta pela Divida Fundada Interna, com 98,36%. O total da divida é de R$ ,00 e teve aumento nominal de 7,01%, quando comparado com o ano de DEMONSTRATRATIVO DA DÍVIDA PÚBLICA ADM. DIRETA x 2005 SEGMENTOS VALORES VARIAÇÃO PARTIC % % DÍVIDA INTERNA ,19 99,79 Dívida Fundada Interna ,00 98,36 Dívida Mobiliária ,57 1,43 DÍVIDA EXTERNA (40,98) 0,21 Dívida Fundada Externa (40,98) 0,21 TOTAIS ,01 100,00 fonte : SIAFEM - valores em R$ 1,00. 42

PREFEITURA MUNICIPAL DE JACOBINA RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JACOBINA RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO ABRIL 2015/ BIMESTRE MARÇOABRIL RREO ANEXO I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) R$ 1,00 RECEITAS PREVISÃO

Leia mais

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Imprimir Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Riacho da Cruz - RN Relatório Resumido da Execução Orçamentária Demonstrativo

Leia mais

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS

Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Imprimir Tabela 10.2 - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Ruy Barbosa - RN Relatório Resumido da Execução Orçamentária Demonstrativo das

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL RECEITAS DO ENSINO

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL RECEITAS DO ENSINO RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da Constituição) INICIAL (a) No Bimestre 1. RECEITA DE IMPOSTOS 508.511.839,00 508.511.839,00 99.498.308,43 191.352.419,40 37,63 1.1-

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011 PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA AUDIÊNCIA PÚBLICA AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS METAS 3º QUADRIMESTRE DE 2011 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL DA TRANSPARÊNCIA DA GESTÃO FISCAL Art. 48. São instrumentos

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santana

Prefeitura Municipal de Santana Segunda 30 de janeiro de 2012 Prefeitura Municipal de Santana 6 Bimestre e 3 de 2011 http://www.tribunanet.com.br/?tipo=1&gs=2&cidade=20&anos=&imagefield.x=51&imagefield.y=17 Prefeitura Municipal de Santana

Leia mais

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 Apresentação Este volume compõe o Balanço Geral do Estado do exercício financeiro 2010. Nele são apresentados os anexos exigidos na LEI 4.320/64. LUIZ MARCOS DE LIMA SUPERINTENDENTE

Leia mais

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS Governo Municipal de Lagoa de Dentro DEMONSTR. DAS RECEITAS E DESPESAS Pag.: 0001 RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS INICIAL ATUALIZADA

Leia mais

ANEXO DE RISCOS FISCAIS TABELA 1 - DEMONSTRATIVO DE RISCOS FISCAIS E PROVIDÊNCIAS 2013 ARF (LRF, art. 4º, 3º) PASSIVOS CONTINGENTES PROVIDÊNCIAS Descrição Valor Descrição Valor Abertura de créditos adicionais

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE FOMENTO À HABITAÇÃO

SECRETARIA MUNICIPAL DE FOMENTO À HABITAÇÃO SEMANÁRIO OFICIAL João Pessoa, 27 de julho de 212 * n 1332 ESPECIAL * Pág. 11/66 SECRETARIA MUNICIPAL DE FOMENTO À HABITAÇÃO Pág. 12/66 * n 1332 ESPECIAL * João Pessoa, 27 de julho de 212 SEMANÁRIO OFICIAL

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS

RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITAS REALIZADAS Governo Municipal de Pacajá DEMONSTR. DAS RECEITAS E DESPESAS Pag.: 0001 RREO - ANEXO VIII (Lei 9.394/1996, Art.72) R$ 1,00 RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS INICIAL ATUALIZADA NO BIMESTRE

Leia mais

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC.

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC. 1 ANEXO III - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 MODELOS E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SÃO AS EXTRAÍDAS DOS LIVROS, REGISTROS E

Leia mais

(EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) 19.331.000,00 19.331.000,00 1.019.712,35 5,28 12.775.069,85 66,09 6.555.930,15 RECEITAS CORRENTES

(EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) 19.331.000,00 19.331.000,00 1.019.712,35 5,28 12.775.069,85 66,09 6.555.930,15 RECEITAS CORRENTES RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO 2014/ BIMESTRE NOVEMBRODEZEMBRO RREO ANEXO I (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas

Leia mais

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA

41210.29.13 - Contribuição Previdenciária para Amortização do Déficit Atuarial. Origem dos dados/descrição LINHA DA DCA ANEXO II VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS QDCC_Sistn A planilha abaixo ilustra a aplicação da metodologia simplificada descrita no item 10 da Nota Técnica nº 4/2015/CCONF/SUCON/STN/MFDF ao Plano de

Leia mais

ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL

ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ PÁGINA: 1 BALANÇO PATRIMONIAL CONSOLIDADO - 2005 ANEXO 14 ATIVO ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL 450.323.096,72 CAIXA 47.294,31 BANCOS CONTA MOVIMENTO 210.194.091,20

Leia mais

Total 420.044.577,42 Total 420.044.577,42

Total 420.044.577,42 Total 420.044.577,42 Anexo 01 Demonstrativo da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas RECEITA DESPESA RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES RECEITA PATRIMONIAL 1.324.567,17 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA 0,00 RECEITA

Leia mais

5 Análise do Balanço Patrimonial

5 Análise do Balanço Patrimonial 5 Análise do Balanço Patrimonial Essa análise tem por finalidade confrontar os dados e valores que constituem o Balanço Patrimonial correspondente ao exercício de 2002, com os do mesmo período de 2001,

Leia mais

Diário Oficial. Prefeitura Municipal de Ichú Ba. Ano VI - Edição Ordinária n º. 480 26 de março de 2015- Pg1/23 PREFEITURA MUNICIPAL ICHU - BAHIA

Diário Oficial. Prefeitura Municipal de Ichú Ba. Ano VI - Edição Ordinária n º. 480 26 de março de 2015- Pg1/23 PREFEITURA MUNICIPAL ICHU - BAHIA Diário Oficial Prefeitura Municipal de Ichú Ba Ano VI - Edição Ordinária n º. 480 26 de março de 2015- Pg1/23 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 021/2015 DE 26 DE MARÇO DE 2015. Reajusta os vencimentos dos cargos

Leia mais

Novas Portarias da STN: Alterações nos Demonstrativos Fiscais da LRF

Novas Portarias da STN: Alterações nos Demonstrativos Fiscais da LRF Novas Portarias da STN: Alterações nos Demonstrativos Fiscais da LRF Edson Ronaldo Nascimento (edson.nascimento@fazenda.gov.br) José Carlos Gerardo (jose.gerardo@fazenda.gov.br) Este texto expressa as

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2015. (Diário Oficial de Contas de 01.12.2015)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2015. (Diário Oficial de Contas de 01.12.2015) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2015 (Diário Oficial de Contas de 01.12.2015) Estabelece diretrizes para a prestação das contas anuais do Chefe do Poder Executivo Municipal referente ao exercício de 2015 e dá

Leia mais

Prefeitura Municipal de Iaçu-BA

Prefeitura Municipal de Iaçu-BA ANO. 2015 Prefeitura Municipal de IaçuBA DO MUNICÍPIO DE IAÇU BAHIA ANO.V EDIÇÃO Nº 00450 A Prefeitura Municipal de Iaçu, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. 1 Este documento

Leia mais

BALANÇO GERAL ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. Controladoria Geral do Estado Contabilidade Geral

BALANÇO GERAL ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. Controladoria Geral do Estado Contabilidade Geral BALANÇO GERAL ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 2013 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Controladoria Geral do Estado Contabilidade Geral GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Rosalba Ciarlini Rosado CONTROLADORIA

Leia mais

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público QUEM ATUALIZOU AS DEMONSTRAÇÕES?

Leia mais

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade Metas Fiscais e Riscos Fiscais Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Curso Multiplicadores 2012 Programa do Módulo 2 Metas Fiscais e Riscos Fiscais CH: 04 h Conteúdo: 1.

Leia mais

Fontes. Executivo 2.707.918 406.554 3.114.472 87,92. Legislativo 119.200 100 119.300 3,37. Judiciário 236.004 8.900 244.904 6,91

Fontes. Executivo 2.707.918 406.554 3.114.472 87,92. Legislativo 119.200 100 119.300 3,37. Judiciário 236.004 8.900 244.904 6,91 RELATÓRIO O Balanço Geral do Estado do exercício de 2004 traz em primeiro plano as demonstrações consolidadas composta pela Administração Direta, representada pelos Poderes Executivo, Legislativo, Judiciário

Leia mais

Análise de Balanços. Flávia Moura

Análise de Balanços. Flávia Moura Análise de Balanços Flávia Moura 1 Tópicos para Reflexão O que é análise de balanços? A análise de balanços consiste em proceder a investigações dos fatos com base nos dados Para que serve a análise de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA GLORIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA GLORIA Página 1 de 28 ESTADO DE GOIÁS PÁG: 001 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO RREO ANEXO 1 (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas a e b do inciso II e 1º) R$ RECEITAS PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS REALIZADAS NO BIMESTRE % ATÉ BIMESTRE

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis Contabilidade Pública Aula 4 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Plano de Contas Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão Consiste em um rol ordenado de forma sistematizada de contas

Leia mais

Resultados da gestão orçamentária e financeira do Estado do Rio Grande do Norte: análise comparativa - Período: 2010 a 2014

Resultados da gestão orçamentária e financeira do Estado do Rio Grande do Norte: análise comparativa - Período: 2010 a 2014 Resultados da gestão orçamentária e financeira do Estado do Rio Grande do Norte: análise comparativa - Período: 2010 a 2014 Introdução Este relatório apresenta os principais resultados da gestão orçamentária

Leia mais

Demonstrativo das Variações Patrimoniais

Demonstrativo das Variações Patrimoniais RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 3.953.236.822,66 RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 3.320.180.698,63 RECEITAS 1.684.972.053,82 ORÇAMENTÁRIA 1.684.972.053,82 DESPESA ORÇAMENTARIA 3.044.151.183,85

Leia mais

Diário Oficial ÓRGÃO OFICIAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA FRIBURGO

Diário Oficial ÓRGÃO OFICIAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA FRIBURGO Diário Oficial R$ 0,50 ÓRGÃO OFICIAL DA PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA FRIBURGO PUBLICAÇÃO DA SUBSECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL ANO IV - EDIÇÃO N. 116-2 de abril de 2014 www.pmnf.rj.gov.br Saúde Bucal

Leia mais

Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44. Apresentação

Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44. Apresentação Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44 Apresentação Este Plano de Contas tem o propósito de atender, de maneira uniforme e sistematizada, ao registro contábil dos atos e

Leia mais

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro:

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro: Anexo I - Regras de Validação DCA 2014 O presente anexo possui o objetivo de apresentar a estrutura das mensagens de erros emitidas quando o sistema encontra alguma inconsistência na validação das fórmulas

Leia mais

Balanço Patrimonial. Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará: I o Ativo Financeiro

Balanço Patrimonial. Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará: I o Ativo Financeiro Segundo o MCASP, o é a demonstração contábil que evidencia, qualitativa e quantitativamente, a situação patrimonial da entidade pública, por meio de contas representativas do patrimônio público, além das

Leia mais

ENCERRAMENTO DE MANDATO. Heraldo da Costa Reis Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ.

ENCERRAMENTO DE MANDATO. Heraldo da Costa Reis Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ. ENCERRAMENTO DE MANDATO Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ. No ano em curso de 2008, dois fatos ocuparão as nossas atenções: O encerramento dos mandatos dos atuais prefeitos,

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil

Governo do Estado do Piauí Secretaria da Fazenda Unidade de Gestão Financeira e Contábil do Estado Gerência de Controle Contábil R I S C O S F I S C A I S (Artigo 4º, 3º da Lei Complementar nº 101/2000) A Lei Complementar n.º 101 de 2002 Lei de Responsabilidade Fiscal, estabelece que a Lei de Diretrizes Orçamentárias conterá o Anexo

Leia mais

Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios - Secofem

Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios - Secofem Subsecretaria de Contabilidade Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios - Secofem Módulo 10 - Resultado Primário e Resultado Nominal

Leia mais

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde.

Área Técnica: Equipe responsável pelo SIOPS Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva Ministério da Saúde. Assunto: Composição dos indicadores estaduais calculados automaticamente pelo SIOPS, após a declaração de dados contábeis, pelos Estados e pelo DF, a partir do SIOPS 2007 semestral. Área Técnica: Equipe

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação ao arquivos publicados em 03/06/2014: Item alterado/incluído Motivo Regras de consolidação. b.8 Numeração errada. Regras de consistência, b Exclui-se as consignações do passivo financeiro

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

ANEXO I METAS FISCAIS LDO 2015

ANEXO I METAS FISCAIS LDO 2015 ANEXO I METAS FISCAIS LDO 2015 LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2015 ANEXO I METAS FISCAIS ANEXO I.1 DEMONSTRATIVO DE METAS FISCAIS E MEMÓRIA DE CÁLCULO ( 1º, art.4º da Lei Complementar Federal nº 101,

Leia mais

Demonstrativo das Variações Patrimoniais

Demonstrativo das Variações Patrimoniais RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 28.393.390.678,55 RESULTANTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 28.527.468.836,27 RECEITAS 13.532.898.028,40 ORÇAMENTÁRIA 13.532.898.028,40 DESPESA ORÇAMENTARIA 10.266.008.652,65

Leia mais

Este Plano de Contas será atualizado pela Gerência de Normas da Diretoria da Contabilidade Pública Genor/Dicop.

Este Plano de Contas será atualizado pela Gerência de Normas da Diretoria da Contabilidade Pública Genor/Dicop. Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda P l a n o d e C o n t a s 1 /3 Apresentação Este Plano de Contas tem o propósito de atender, de maneira uniforme e sistematizada, ao registro contábil dos

Leia mais

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas XI Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas Oficina nº 63 Consultas às Demonstrações Contábeis no SIAFI ABOP Slide 1 XI Semana de Administração Orçamentária, Financeira

Leia mais

RECEITAS DO ENSINO PREVISÃO INICIAL

RECEITAS DO ENSINO PREVISÃO INICIAL RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da Constituição) RECEITAS DO ENSINO 1 - RECEITA DE IMPOSTOS 666.027,96 666.027,96 543.552,01 81,61 1.1- Receitas Resultante Imposto s/ Propriedade Predial

Leia mais

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42

Documento gerado em 28/04/2015 13:31:35 Página 1 de 42 DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial Ativo - Ativo - 1.0.0.0.0.00.00 - Ativo 96.744.139,42 1.1.0.0.0.00.00 - Ativo Circulante 24.681.244,01 1.1.1.0.0.00.00 -

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 17/2013 CÂMARA DOS DEPUTADOS OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO DO EXCESSO DE ARRECADAÇÃO DOS RECURSOS QUE COMPÕEM O FUNDEB E DAQUELES DESTINADOS À MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO.

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro RELAÇÃO DE DOCUMENTOS INTEGRANTES DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA (CONTAS DE GOVERNO) EXERCÍCIO DE 2014 CONFORME OFÍCIO-CIRCULAR Nº 14/2015 PRS/GAP RESPONSABILIZAÇÃO CADASTROS do Prefeito

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

Da confrontação entre a Receita Arrecadada e a Despesa Realizada, no exercício de 2001, verifica-se um Déficit Orçamentário de R$ 323.706.193,60.

Da confrontação entre a Receita Arrecadada e a Despesa Realizada, no exercício de 2001, verifica-se um Déficit Orçamentário de R$ 323.706.193,60. CAPITULO IV 4. DOS BALANÇOS GERAIS 4.1. Balanços da Administração Direta 4.1.1. Balanço Orçamentário O Balanço Orçamentário consiste em comparar as receitas previstas com as realizadas, bem como as despesas

Leia mais

Pessoal Inativo e Pensionistas 159.580.361,44 - 9.915.970,42 DESPESA TOTAL COM PESSOAL (IV) = (III a + III b)

Pessoal Inativo e Pensionistas 159.580.361,44 - 9.915.970,42 DESPESA TOTAL COM PESSOAL (IV) = (III a + III b) Prefeitura de São Luís (MA) Relatório de Gestão Fiscal Demonstrativo da Despesa de Pessoal Poder Executivo Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social Publicação: Diário Oficial do Município nº 21 Referência:

Leia mais

SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONDAI

SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONDAI SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE MONDAI Receita Prevista e Realizada - Balanço Orçamentário (Artigo 2º, Inciso XIV da I.N. nº 028/1999) Admiministração Direta, Indireta e Fundacional Títulos Orçada

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO : PCP 06/00076210 UNIDADE : Município de BALNEÁRIO CAMBORIÚ RESPONSÁVEL : Sr. RUBENS SPERNAU - Prefeito

Leia mais

BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013

BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA DO LIVRAMENTO SECRETARIA DA FAZENDA BALANÇO FINANCEIRO ANO 2013 Receita Despesa ORÇAMENTÁRIA (1) ORÇAMENTÁRIA (5) Receitas Orçamentárias Despesas

Leia mais

Metodologia de Elaboração dos Demonstrativos do Relatório de Gestão Fiscal RGF

Metodologia de Elaboração dos Demonstrativos do Relatório de Gestão Fiscal RGF Metodologia de Elaboração dos Demonstrativos do Relatório de Gestão Fiscal RGF 3º Quadrimestre/2008 Centro Administrativo do Governo Rodovia SC 401 - km. 5, nº 4600 Saco Grande II - Florianópolis - SC

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Outubro/2011 GOVERNADOR DO ESTADO João Raimundo Colombo SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA Nelson Antônio

Leia mais

Tabela de Fatos - DCA 2014

Tabela de Fatos - DCA 2014 Tabela de Fatos - DCA 2014 Element siconfi-cor:p1.0.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.0.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.0.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.0.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.1.00.00 siconfi-cor:p1.1.1.1.2.00.00

Leia mais

DEMONSTRATIVO CONSOLIDADO DA DESPESA COM PESSOAL

DEMONSTRATIVO CONSOLIDADO DA DESPESA COM PESSOAL DEMONSTRATIVO CONSOLIDADO DA DESPESA COM PESSOAL JANEIRO/2014 A DEZEMBRO/2014 RGF ANEXO 1 (LRF, art. 55, inciso I, alínea "a") DESPESA BRUTA COM PESSOAL (I) DESPESAS COM PESSOAL DESPESAS EXECUTADAS (Últimos

Leia mais

QUADRO DEMONSTRATIVO DA RECEITA CREA- MÊS: ANEXO I ANO:

QUADRO DEMONSTRATIVO DA RECEITA CREA- MÊS: ANEXO I ANO: QUADRO DEMONSTRATIVO DA RECEITA CREA- MÊS: ANEXO I ANO: CÓDIGO DISCRIMINAÇÃO VALORES 1.000.00.00 RECEITAS CORRENTES 1.200.00.00 RECEITAS DE CONTRIBUIÇÕES 1.210.00.00 CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS 1.210.40.00 Contribuições

Leia mais

II - QUADROS ORÇAMENTÁRIOS CONSOLIDADOS

II - QUADROS ORÇAMENTÁRIOS CONSOLIDADOS II - QUADROS ORÇAMENTÁRIOS CONSOLIDADOS 1 - QUADROS CONSOLIDADOS DA RECEITA E DA DESPESA Receita e Despesa dos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social segundo Categorias Econômicas Quadro 1A - Receita

Leia mais

SALDO (f)=(a+b-c-e) DESPESAS CORRENTES 8.201,60 4.051.439,12 3.861.681,23 25.087,21 172.872,28

SALDO (f)=(a+b-c-e) DESPESAS CORRENTES 8.201,60 4.051.439,12 3.861.681,23 25.087,21 172.872,28 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ANEXO I - DEMONSTRATIVO DE EXECUÇÃO DOS RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS : 2013 Data de Emissão: 29/03/2014 BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ANEXO II - DEMONSTRATIVO DE EXECUÇÃO DOS RESTOS A PAGAR

Leia mais

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro:

As mensagens de erro são representadas por um código seguido da descrição do erro encontrado. Abaixo segue a estrutura do código de erro: Anexo I - Regras de Validação - RREO O presente anexo possui o objetivo de apresentar a estrutura das mensagens de erros emitidas quando o sistema encontra alguma inconsistência na validação das fórmulas

Leia mais

2. RECEITA DE OUTRAS FONTES 1.101.135.119,00 1.3 OUTRAS DESPESAS CORRENTES 1.546.004.708,00

2. RECEITA DE OUTRAS FONTES 1.101.135.119,00 1.3 OUTRAS DESPESAS CORRENTES 1.546.004.708,00 RELATÓRIO DA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA, FINANCEIRA, PATRIMONIAL E FISCAL 6.1. DO ORÇAMENTO 6.1.1 ORÇAMENTO GERAL O Governo do Estado do Tocantins estabeleceu como bases orçamentárias de sua gestão para o exercício

Leia mais

10.936.971,00 3.2.4.3.1.00.00 - Benefícios Eventuais por Situações de Vulnerabilidade Temporária - Consolidação

10.936.971,00 3.2.4.3.1.00.00 - Benefícios Eventuais por Situações de Vulnerabilidade Temporária - Consolidação PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE FINANÇAS GERÊNCIA GERAL DA CONTABILIDADE DO MUNICÍPIO DEMONSTRAÇÃO DAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS - CONSOLIDADO - 2013 Demonstrativo das Variações Patrimoniais e Resultado

Leia mais

37.899.634,30 PASSIVO CIRCULANTE CRÉDITOS DE TRANSFERÊNCIAS A RECEBER EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTO CONCEDIDOS

37.899.634,30 PASSIVO CIRCULANTE CRÉDITOS DE TRANSFERÊNCIAS A RECEBER EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTO CONCEDIDOS MUNICÍPIO DE CALDAS NOVAS ESTADO DE GOIAS Balanço Financeiro Anexo 1 (Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MCASP)Portaria STN nº 37/2012 5a edição BALANÇO GERAL DO EXERCICIO DE 201 PERÍODO(MÊS)

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO CRC-DF DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO Domingos Poubel de Castro Brasília/DF, 18 de Maio de 2012 NECESSIDADES PERMANENTES DO GESTOR INFORMAÇÕES CONTROLE Cenário Externo 0800 570 0800

Leia mais

RECEITA. Despesas Correntes, sob forma: Tributária Patrimonial Industrial Recursos financeiros Outras. Tributo: Definição: Receita derivada,

RECEITA. Despesas Correntes, sob forma: Tributária Patrimonial Industrial Recursos financeiros Outras. Tributo: Definição: Receita derivada, RECEITA Definição : receita recebida de pessoa de direito público Definição: Receita recebida de pessoas de direito público ou privado, ou privado, para atender despesas classificáveis em para atender

Leia mais

DESPESA TOTAL COM PESSOAL - DTP (IV) = (lila + 111b) 26.013.142,93

DESPESA TOTAL COM PESSOAL - DTP (IV) = (lila + 111b) 26.013.142,93 PREFEITURA MUNICIPAL DE PEIXOTO DE AZEVEDO DEMONSTRATIVO DA DESPESA COM PESSOAL ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL Maio/2013 a Abril/2014 - Consolidado RGF - Anexo I (LRF, art. 55, inciso I alinea

Leia mais

Documento gerado em 25/05/2015 15:12:26 Página 1 de 13

Documento gerado em 25/05/2015 15:12:26 Página 1 de 13 RGF-Anexo 01 Tabela 1.0 - Demonstrativo da Despesa com Pessoal Padrao Despesa Executada com Pessoal Despesa com Pessoal Despesas Executadas - Últimos 12 Meses DESPESAS LIQUIDADAS (a) DESPESAS INSCRITAS

Leia mais

Classificação por Categoria Econômica

Classificação por Categoria Econômica Classificação por Categoria Econômica 1. Classificação A classificação por categoria econômica é importante para o conhecimento do impacto das ações de governo na conjuntura econômica do país. Ela possibilita

Leia mais

DESPESA COM PESSOAL LIQUIDADAS

DESPESA COM PESSOAL LIQUIDADAS - CONSOLIDADO DEMONSTRATIVO DA DESPESA COM PESSOAL MAIO/2014 A ABRIL/2015-1º QUADRIMESTRE/2015 (JANEIRO A ABRIL) RGF - ANEXO 1 (LRF, art. 55, inciso I, alínea "a") R$ 1,00 DESPESAS EXECUTADAS JANEIRO A

Leia mais

30/06/2015 IPSAS. Lançamentos Contábeis Típicos e DCASP MCASP. Lucy Fátima de Assis Freitas. 6ª Edição - 2015 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS

30/06/2015 IPSAS. Lançamentos Contábeis Típicos e DCASP MCASP. Lucy Fátima de Assis Freitas. 6ª Edição - 2015 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS CONVERGÊNCIA CONTÁBIL SETOR PUBLICO BRASILEIRO Lançamentos Contábeis Típicos e DCASP Lucy átima de Assis reitas Plano de Implantação Procedimentos Contábeis Patrimoniais Regulamenta o art. 13 da Portaria

Leia mais

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA MANUAL DE ELABORAÇÃO REVISÃO 2006 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA MANUAL DE ELABORAÇÃO REVISÃO 2006 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA MANUAL DE ELABORAÇÃO REVISÃO 2006 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES PORTARIA Nº 633, DE 30 DE AGOSTO DE 2006 A Portaria nº 633, 30 agosto 2006, foi publicada no Diário

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função

Contabilidade Pública. Aula 6. Apresentação. Demonstração do Balanço Patrimonial. Demonstração dos Fluxos de Caixa. Necessidade e Função Contabilidade Pública Aula 6 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Demonstração do Balanço Patrimonial Necessidade e Função Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração do Resultado Econômico Contextualização

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO ATIVO R$ CIRCULANTE 19.549.765,82 17.697.855,44 Disponibilidades 1.222.288,96 946.849,34 Mensalidades a receber 4.704.565,74 4.433.742,86 Endosso para terceiros 1.094.384,84

Leia mais

DEMONSTRATIVOS FISCAIS DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS

DEMONSTRATIVOS FISCAIS DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação - CCONF Gerência de Normas e Procedimentos de Gestão Fiscal - GENOP DEMONSTRATIVOS FISCAIS DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS Apresentação das alterações

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL. Esse município. temautonomia. Índice do diário. Publicações de Atos Oficiais. Câmara Municipal de Cruz das Almas

DIÁRIO OFICIAL. Esse município. temautonomia. Índice do diário. Publicações de Atos Oficiais. Câmara Municipal de Cruz das Almas OFICIAL Câmara Municipal de Cruz das Almas 201 Páginas: 06 Terça-Feira Índice do diário Responsabilidade Fiscal Relatório de Gestão Fiscal - 1º QUADRIMESTRE Esse município temautonomia Diário Oficial Publicações

Leia mais

Prefeitura Municipal de Capela do Alto Alegre-BA

Prefeitura Municipal de Capela do Alto Alegre-BA ANO. 2015 Prefeitura Municipal de Capela do Alto AlegreBA DO MUNICÍPIO DE CAPELA DO ALTO ALEGRE BAHIA ANO. V EDIÇÃO Nº 00652 A Prefeitura Municipal de Capela do Alto Alegre, Estado Da Bahia Visando a Transparência

Leia mais

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente:

Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Adamantina, 16 de novembro de 2011. Prezado cliente: Assunto: Procedimentos contábeis, administrativos e patrimoniais para o fechamento das contas do exercício de 2011 e abertura das contas de 2012. Dentro

Leia mais

Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul.

Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul. Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul. Público Alvo: Servidores de Prefeituras do Estado do Rio Grande do Sul que atuam na área contábil.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL PERÍODO DE REFERÊNCIA: JANEIRO A AGOSTO DE 2015 EXERCÍCIO DE 2015

RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL PERÍODO DE REFERÊNCIA: JANEIRO A AGOSTO DE 2015 EXERCÍCIO DE 2015 PERÍODO DE REFERÊNCIA: JANEIRO A AGOSTO DE 2015 Elaborado conforme instruções contidas na Portaria STN nº 553, de 22 de setembro de 2014. EXERCÍCIO DE 2015 PORTARIA Nº 153/15 - SEPLAN DE 29 DE SETEMBRO

Leia mais

Balanço Geral Fundo Municipal de Previdência de Palmas

Balanço Geral Fundo Municipal de Previdência de Palmas Fundo Municipal de Previdência de Palmas Contabilidade Geral do Município Balanço Geral Fundo Municipal de Previdência de Palmas Exercício 2008 MARLY COUTINHO AGUIAR PRESIDENTE DO PREVIPALMAS MIGUEL ANGELO

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

Segunda-feira, 13 de Abril de 2015 Edição N 385

Segunda-feira, 13 de Abril de 2015 Edição N 385 CONSÓRCIO JACUÍPE CNPJ: 16.749.050/0001-06 Rua Manoel Gonçalves, 45, Centro 44.610-000 Pintadas Bahia cdsjacuipe@yahoo.com.br AVISO DE LICITAÇÃO CONSÓRCIO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO TERRITÓRIO BACIA

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU DESTINAÇÃO DA RECEITA PÚBLICA - APLICÁVEL PARA O EXERCÍCIO DE 2012 CODIFICAÇÃO UTILIZADA PARA CONTROLE DAS

Leia mais

Cidades Metropolitanas: Estrutura Fiscal e Capacidade de Financiamento de Investimentos

Cidades Metropolitanas: Estrutura Fiscal e Capacidade de Financiamento de Investimentos Cidades Metropolitanas: Estrutura Fiscal e Capacidade de Financiamento de Investimentos Planejamento Urbano O orçamento importa! O Planejamento está subordinado ao orçamento? Restrições orçamentárias ou

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 ESPECIFICAÇÃO 2014 2013

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - DEPARTAMENTO NACIONAL BALANÇO PATRIMONIAL ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 ESPECIFICAÇÃO 2014 2013 BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO Ativo Circulante 1.149.479.180,77 989.839.743,43 Passivo Circulante 317.274.300,38 283.051.918,44 Caixa e Equiv. Caixa Moeda Nacional 800.954.874,69 676.326.925,34 Obrig.

Leia mais

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO GOVERNO CENTRAL METODOLOGIA DE CÁLCULO DO SUPERÁVIT PRIMÁRIO O resultado primário, que exclui das receitas totais os ganhos de aplicações financeiras e, dos gastos totais,

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO PCP 08/00199278 UNIDADE Município de Joinville RESPONSÁVEL Sr. Marco Antonio Tebaldi - Prefeito Municipal

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO Existe conceito de Contabilidade como um todo. Contabilidade é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação e controle relativas aos atos e

Leia mais

Anexo Único da Portaria nº 175 de 15 de janeiro de 2014.

Anexo Único da Portaria nº 175 de 15 de janeiro de 2014. Anexo Único da Portaria nº 175 de 15 de janeiro de 2014. Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 004/2013 Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis para os registros patrimoniais e orçamentários do Fundo

Leia mais

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Manual Técnico. Volume III. Recurso Vinculado

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Manual Técnico. Volume III. Recurso Vinculado Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Manual Técnico Volume III Recurso Vinculado Aplicável aos Órgãos, Entidades e Consórcios Públicos municipais regidos pela Lei Federal nº 4.320/64

Leia mais