Sistema Web para Projeto de PCR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Web para Projeto de PCR"

Transcrição

1 Sistema Web para Projeto de PCR Abstract. This paper describes a web system that help the work of molecular biologists, automatizating the steps necessary for preparing a PCR experiment. This system will search for genomic sequences in public databases, will do the design and analysis of primers that will be used in the reaction, will analyze the amplified product (considering restriction enzimes), and, at last step, will simulate the electrophoresis gel, showing the final result of the PCR. Resumo. Este artigo descreve um sistema web que auxilia o trabalho dos pesquisadores de ciências biológicas, automatizando as etapas necessárias para a realização de um experimento de PCR. O software fará a busca de seqüências genômicas em bancos de dados públicos, fará o projeto e análise de primers que serão usados na reação, a análise do produto amplificado (considerando enzimas de restrição) e, por fim, fará a simulação do gel de eletroforese, apresentando o resultado final da PCR. 1. Conceituação Teórica 1.1. Bancos de Dados Biológicos Públicos Com o aumento do número de pesquisas na área de bioinformática tornou-se indispensável a criação de bancos de dados para o armazenamento de informações relevantes sobre tal área. Esses bancos de dados possuem seqüências de DNA, RNA, proteínas, genes, ESTs (Expressed Sequence Tags), revistas e artigos de ciências biológicas e médicas, entre outras informações. Um dos principais trabalhos realizados na área de biologia molecular é o seqüenciamento de um trecho de DNA. Assim, para que os trechos seqüenciados fiquem disponíveis ao mundo todo, foram criados bancos de dados biológicos públicos. Esses bancos de dados estão disponíveis em sites da internet e podem ser acessados por pesquisadores do mundo todo. Os sites mais conhecidos são: o NCBI (National Center for Biotechnology Information), o GenBank e o Expasy. Uma das grandes vantagens da existência desses repositórios é a estruturação dos dados, que facilita o desenvolvimento de algoritmos para tratar os dados armazenados e evita que dados sejam armazenados duplicados Reação de PCR A PCR é uma técnica que possibilita a reprodução de milhares de cópias de um determinado fragmento de DNA. Através dessa técnica, uma seqüência particular de interesse pode ser amplificada (replicada), tornando-se majoritária na amostra de DNA, e assim a seqüência amplificada pode ser utilizada para outros fins (TRIUNFOL, 2003).

2 PCR é útil em diagnósticos para DNA para verificar a presença de um gene ou um estado mutacional de um gene específico, ou simplesmente na amplificação de um segmento específico (GRIFFITHS et al, 2002). Depois que uma seqüência é amplificada, ela pode ser utilizada em um experimento de eletroforese, por exemplo. Após a reação de PCR, normalmente a seqüência é analisada em outra ferramenta. O processo de PCR utiliza múltiplos ciclos de desnaturação, anelamento com primers e alongamento da seqüência por ação da polimerase (LIFE TECHNOLOGY, ca. 2000). Esses primers são pequenos fragmentos de DNA complementares a cada uma das extremidades da seqüência de DNA de interesse. A Figura 1 mostra uma representação da técnica de PCR. Figura 1. Reação em cadeia da polimerase PCR Fonte: Triunfol (2003) Há alguns tipos de reações de PCR com processos e finalidades diferentes. Entre eles, destacam-se no contexto deste trabalho: Nested PCR, Multiplex PCR, Universal Primers e Degenerate Primers (SINGH e KUMAR, 2003). Além dos tipos de PCR, existem parâmetros que afetam a eficiência da PCR, como a: temperatura de anelamento (Ta) e tempo de anelamento, temperatura de desnaturação (Tm) e tempo de desnaturação, concentração e seleção das enzimas de restrição, concentração e projeto de primer Primers Primer é uma pequena cadeia de DNA de fita simples, onde, a partir da posição 3, a enzima DNA polimerase iniciará a incorporação de nucleotídeos, formando a fita dupla do DNA. Os primers são produzidos in vivo ou in vitro. Na forma natural, os primers são produzidos por uma RNA polimerase especial chamada Primase (SILVA, 2001). Primers são utilizados para reações de PCR e para seqüenciamento. O projeto de primer é uma das mais importantes etapas para que se tenha uma reação de PCR bem sucedida (ALKAMI, 1999). Existem muitos pontos que devem considerados para se projetar um primer de boa qualidade. Os principais são: tamanho da seqüência do primer, temperatura de anelamento do primer, quantidade de nucleotídeos G e C no primer, potencial do primer para formar estruturas secundárias (primers que se anelam entre si ou se anelam a outros primers).

3 Existem várias ferramentas computacionais que projetam primers. Um exemplo de ferramenta disponível na internet é Web Primer (WEB PRIMER, 2003), e outra ferramenta, também gratuita, é Gene Runner. A ferramenta Web Primer provê primers para duas finalidades distintas: seqüenciamento ou PCR. A ferramenta Gene Runner para Windows está disponível para download gratuitamente em Gene Runner (2003). Essa ferramenta provê vários serviços. Para o projeto de primers essa ferramenta não é muito eficiente, pois não restringe os primers de acordo com os parâmetros de entrada Enzimas de Restrição Segundo De Robertis e Hib (2001), enzimas de restrição são enzimas que reconhecem seqüências específicas de nucleotídeos nas moléculas de DNA, e promovem um corte nesses pontos. As enzimas atuam como tesouras, cortando o DNA. As enzimas não cortam aleatoriamente. Elas cortam em locais específicos (GRIFFITHS et al, 2002). Cada enzima reconhece um trecho específico de uma seqüência de DNA. As enzimas de restrição são utilizadas em reações de PCR, técnica de DNA recombinante e clonagem de genes. Geralmente, após a reação de PCR faz-se necessário comprovar se uma seqüência contém um determinado trecho ou não. Então a seqüência é submetida à ação de enzimas. Se for verificado através da eletroforese que o trecho foi cortado, então o trecho procurado está presente na seqüência. Mas se a seqüência continuar inteira, o trecho procurado não foi amplificado. Um exemplo de enzima de restrição muito utilizada é a enzima EcoRI. Ela reconhece a seqüência GAATTC. Essa seqüência é um palíndromo, porque a fita complementar a ela é CTTAAG, que é exatamente a mesma seqüência, mas em orientação antiparalela. Quando a enzima corta essa seqüência ela deixa duas pontas adesivas, que podem se unir a qualquer outra seqüência que foi cortada pela mesma enzima, como pode ser visto na Figura 2 (GRIFFITHS et al, 2002). Existem enzimas que fazem um corte preciso, não deixando as pontas adesivas. Figura 2. Sítio-Alvo da Enzima EcoRI Fonte: Biomania (2003)

4 A digestão de DNA por enzimas de restrição ocorre de forma simples. A enzima em contato com a seqüência, a uma temperatura ideal (em geral 370 ºC), corta a seqüência em trechos definidos. O número de trechos é estabelecido pelo número de sítios de restrição reconhecidos pela enzima (TRIUNFOL, 2003) Eletroforese Eletroforese é a técnica pela qual, fragmentos de DNA de diferentes tamanhos são separados por peso molecular. As seqüências de DNA são colocadas em um equipamento que contém canais preenchidos de gel, e elas percorrem esse gel, movidos por uma diferença de potencial elétrico. Se o peso molecular de uma seqüência é maior que o de outra, o primeiro percorre o gel mais lentamente que o segundo (TRIUNFOL, 2003). A Figura 3 mostra um gel de eletroforese. Nas colunas de 1 a 14 há poços contendo diferentes seqüências de DNA. Pode-se ver os tamanhos dos fragmentos separados no gel no lado esquerdo da Figura. Figura 3 Exemplo de gel de eletroforese Fonte: Threlfall et al (2003) Trechos de DNA, depois de amplificados por PCR, e possivelmente cortados por enzimas de restrição, podem ser separados pela eletroforese e comparados a outras seqüências, para verificar se duas seqüências possuem o mesmo gene, por exemplo. Existem softwares disponíveis na web que simulam a eletroforese. Um exemplo é o Gel Electrophoresis Simulator (COWAN, 2003), que pode ser visto na Figura 4. Ele tem a possibilidade de ter no máximo oito fragmentos de DNA e o gel utilizado é

5 agarose. O maior problema desse simulador é que ele não mostra o tempo de corrida dos fragmentos no gel. Mas podem ser alterados o potencial de eletricidade e a concentração do gel de agarose. Figura 4. Tela do software Gel Electrophoresis Simulator Fonte: Cowan (2003) Outra ferramenta disponível na web é Simulation of Electrophoresis & Sequence Building of DNA (CRAIG, 2003). A tela desse software pode ser vista na Figura 5. Figura 5. Tela do software Simulation of Electrophoresis & Sequence Building of DNA Fonte: Craig (2003)

6 1.6. Bioinformática A bioinformática é uma ferramenta recente e em pleno desenvolvimento. Imagina-se que será a nova ciência do século XXI, e seus primeiros resultados já são visíveis, como a identificação de genes para inúmeras doenças, como o câncer de mama. A bioinformática é uma nova ferramenta científica que une a bioquímica com a informática. Criada nas últimas décadas para tratar a imensa massa de dados que vem sendo gerada pelos vários projetos de genoma ao redor do mundo, a bioinformática permite explorar informações nunca antes disponíveis, e pode gerar resultados nunca antes imaginados. A bioinformática inicia logo após o seqüenciamento de DNA. Com essa etapa concluída, a bioinformática é utilizada para extrair informações importantes a respeito das seqüências, fazer novas descobertas, como, por exemplo, quais trechos de DNA correspondem aos genes. A bioinformática poderá num futuro breve auxiliar na produção de fármacos com base na estrutura das proteínas. A bioinformática pode simular situações para minimizar custos e tempo, que é caso da simulação da eletroforese. 2. Descrição do Problema O projeto de PCR inclui basicamente quatro etapas: a busca de seqüências de interesse, o projeto e a análise de primers, a análise do produto amplificado, e a revelação do gel de eletroforese. Neste trabalho, são executadas as etapas acima, para que minimize os esforços do pesquisador. O sistema proposto serve para auxiliar biólogos e outros profissionais. Atualmente, o pesquisador precisa procurar pelas seqüências a serem amplificadas em sites como o NCBI; depois ele precisa usar ferramentas para projetar primers, o que é geralmente trabalhoso e demorado; então ele deve fazer um alinhamento local para saber se o primer é específico para a seqüência que ele quer; depois ele faz uma análise com as enzimas de restrição em outra ferramenta/site; e finalmente, vai ao laboratório aplicar sua amostra à eletroforese para verificar se algo foi amplificado. As etapas podem ser ainda mais trabalhosas se o mesmo primer for projetado para alinhar em mais de uma seqüência. 3. Desenvolvimento da Pesquisa Cada uma das fases do projeto permite a intervenção do pesquisador para melhor ajuste. Para cada fase são necessárias uma ou mais telas para a entrada de parâmetros e a saída dos resultados. O usuário pode escolher uma opção entre as que o sistema permite: Projeto de PCR (completo), Análise de Primers (análise de características de primers prontos definidos pelo usuário), Análise do Produto Amplificado (análise com enzimas de restrição para uma seqüência fornecida pelo usuário) e Simulação de Eletroforese (apenas simula a eletroforese de seqüência(s) fornecida(s) pelo usuário).

7 3.1. Fase 1 Busca de seqüências Esta etapa permite ao pesquisador digitar parâmetros de busca de seqüências no sistema. Assim, automaticamente, o sistema procura no site do NCBI as seqüências encontradas e monta uma página dinâmica com os resultados. O sistema permite ao pesquisador especificar a(s) seqüência(s) de interesse, ou realizar automaticamente uma busca em banco de dados públicos com base em palavras-chave especificadas pelo pesquisador. Também permite especificar quais seqüências deseja-se anelamento dos primers, e para quais os primers não devem se anelar. Para isso há ferramentas de alinhamento múltiplo e árvores filogenéticas que permitem que seja feita uma análise das seqüências para determinar em quais seqüências o primer deve anelar. Como a busca resultará em seqüências que não farão parte da análise de primers, há a opção, para cada seqüência, do pesquisador especificar se a seqüência será considerada na análise ou não. Para a busca são usadas classes do BioPerl (bibliotecas implementadas em Perl que tratam de assuntos biológicos, seqüências de DNA,...) que permitem a busca de seqüências, e um estudo aprofundado para montar uma string de pesquisa eficiente para que não haja muitos resultados indesejados. Há a opção do pesquisador guardar em banco de dados as seqüências que ele pesquisou, visualizar a árvore filogenética e o alinhamento múltiplo (essas duas últimas opções são feitas através de ferramentas já disponíveis na internet) Fase 2 Projeto e Análise de Primers Esta etapa é feita com base nas seqüências escolhidas e em parâmetros de primers especificados pelo pesquisador. O sistema projeta primers mais adequados à reação de PCR, sendo esta etapa o enfoque deste trabalho. A análise das características dos primers encontrados permite apresentar ao pesquisador uma relação ordenada pela qualidade dos mesmos. Os primers selecionados também são testados quanto a sua especificidade, onde o sistema realiza automaticamente alinhamento par-a-par com outras seqüências em banco de dados públicos. Através de uma tela de parâmetros de entrada, o usuário define qual o tipo de PCR e quais as características desejadas. Existem vários tipos de PCR e várias características diferentes. Com esses valores, são projetados primers específicos de acordo com as características. As regiões para fazer primers são pontuadas e mostradas em ordem decrescente de pontuação, para que o pesquisador possa escolher as melhores regiões para projetar primers. Este tipo de análise diminui o trabalho do pesquisador, por que o sistema já deixa definido quais as melhores e piores regiões. Após terem sido definidas as regiões para os primers, o sistema gera os primers, e mostra características de cada um. A etapa de gerar os primers é exaustiva: primeiramente projeta-se primers de menor tamanho possível (dentro dos limites estabelecidos pelo usuário) que se anelem a seqüência. Depois, para cada um dos primers gerados, verifica-se se está dentro dos outros limites estabelecidos pelo usuário, como temperatura de anelamento. Para cada primer gerado há uma pontuação específica. A pontuação difere pelo tipo de reação de PCR escolhida. Para alguns tipos

8 de PCR, não importa de o primer forma estruturas secundárias, mas para outros tipos de PCR, este parâmetro é de fundamental importância. Nesta mesma etapa, é feito um alinhamento par-a-par (com a ferramenta Blast (BLAST, 2003)) de cada um dos primers escolhidos pelo usuário com o banco de dados público. Isso faz a análise de especificidade de primer, para que o mesmo primer não se anele em outras seqüências do banco. Se o pesquisador quer um primer para verificar se um indivíduo possui um determinado gene de doença, esse mesmo primer não deve se anelar a seqüências que normalmente o individuo possui Fase 3 Análise do Produto Amplificado Esta etapa permite ao pesquisador obter características do amplicon (trecho da seqüência que foi amplificada) e aplicar a ação das enzimas de restrição, obtendo também informações sobre as enzimas possíveis de serem usadas, os cortes e os pesos moleculares dos produtos resultantes. Com isso, o pesquisador pode estar mais certo da identidade do produto amplificado pela PCR. O pesquisador pode escolher quais as enzimas de restrição que devem fazer parte da análise. Geralmente, o pesquisador não dispõe de todas as enzimas existentes, então ele só seleciona as que ele tem acesso. Ele escolhe quais os parâmetros de entrada, como tamanho do amplicon, número mínimo e máximo de cortes, etc. O pesquisador também pode incluir no banco de dados do sistema enzimas que não estão cadastradas. Para esta etapa, são utilizados recursos da linguagem Perl para tratamento de strings. As características de cada enzima são obtidas na internet, em sites de dados biológicos Fase 4 Simulação do Gel de Eletroforese Por último, para poder identificar com sucesso o resultado da PCR com gel de eletroforese, o sistema permite ao pesquisador informar os parâmetros da mesma e prever a aparência do gel e a separação das bandas esperadas. A eletroforese é importante para comprovar se a seqüência foi amplificada pelo(s) primer(s) escolhido(s) e se a ação das enzimas escolhidas foi a esperada. Como o objetivo da reação de PCR é amplificar um trecho de seqüência, é importante comprovar os resultados. Se uma seqüência foi amplificada corretamente, e foi usada uma enzima de restrição correta, no momento da simulação da eletroforese, aparece bandas de tamanhos diferentes no gel. Outra grande vantagem da simulação é determinar quanto tempo a seqüência leva para percorrer o gel, qual é a melhor concentração do gel, qual o tipo de gel utilizado. Se o gel for simulado com alguns parâmetros, e não foi obtido o melhor resultado, é interessante alterar os parâmetros e verificar o resultado novamente. Quando os parâmetros estiverem corretos, pode-se efetuar o experimento em um laboratório. Para que esta etapa seja feita são utilizadas fórmulas que calculam o tempo, qual a melhor concentração do gel, o melhor tipo de gel, etc...

9 5. Conclusões O sistema está sendo feito em parceria com o Laboratório de Biologia Molecular da UNIVALI e o Laboratório de Virologia da UEL (Universidade Estadual de Londrina). Ele ficará pronto e disponível na internet até a metade do ano corrente. O sistema terá grande utilidade para biólogos e outros profissionais da área. Ele diminuirá o tempo de projetar primers, e diminuirá custos de experimentos. Para a etapa de análise do produto amplificado e a simulação do gel de eletroforese provavelmente não será dispensado muito tempo. Para a análise do produto amplificado é feito um trabalho de tratamento de strings, e para a simulação são usadas fórmulas de física. Provavelmente para as etapas de busca de seqüência e projeto de primers, maior tempo será consumido. Durante o desenvolvimento da etapa de busca de seqüências, problemas foram já observados, como falta de classes do BioPerl ou classes com poucas opções de busca de seqüências. A busca de seqüências e outras etapas talvez se tornem lentas. Então seria necessário fazer os algoritmos rodarem em maquinas paralelas. E a etapa de projeto de primers, que é o grande objetivo do sistema, deverá ter algoritmos rápidos, e talvez será necessário analisar outros critérios ainda a serem definidos. A pontuação dos primers é uma tarefa que exige muita dedicação, por que vários são os tipos de PCR. As classes do BioPerl são de difícil compreensão, e isso pode se tornar um problema de relevância. Referência Bibliográfica ALKAMI Biosystems. Alkami Quick Guide for PCR. 1. ed. United States of America: Guanabara Koogan, BIOMANIA. Disponível em: < Acesso em: 15 set BLAST. Disponível em: < Acesso em: 22 nov COWAN, John. Gel Electrophoresis Simulator. Disponível em: < Acesso em: 23 nov CRAIG, Paul. Simulation of Electrophoresis & Sequence Building of DNA. Disponível em: < Acesso em: 23 nov DE ROBERTIS, E. M. F., HIB, Jose. Bases da Biologia Molecular e Celular. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. GENE RUNNER for Windows. Disponível em: < Acesso em: 20 set GRIFFITHS, A. et al. Introdução a Genética. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

10 LIFE TECHNOLOGY. PCR/RT-PCR Applications Guide. Induslab. [S.I. : s.n.], [ca. 2000] 29 p. SILVA, Flávio Henrique (Resp.). Módulo: Biologia Molecular. I Escola Brasileira de Inteligência Artificial e Bioinformática InBio - São Carlos: [s.n.], SINGH, Vinay K. e KUMAR, Anil. PCR Primer Design. Bioinformatics Sub-centre, School of Biotechnology, Devi Ahilya University, Índia. Disponível em: < Acesso em: 19 nov THRELFALL, E. John et al. Application of Pulsed-Field Gel Electrophoresis to an international Outbreak of Salmonella agona. Laboratory of Enteric Pathogens, Central Public Health Laboratory, London, United Kingdom. Abr-jun Disponível em: < Acesso em: 16 dez TRIUNFOL, Márcia L. O DNA vai à escola. Disponível em: < Acesso em: 24 out WEB PRIMER: DNA and Purpose Entry. Disponível em: < Acesso em: 14 nov

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs João Meidanis Scylla Bioinformática e UNICAMP III Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Gramado, RS Maio 2005 MINI-CURSO - AGENDA 1. Primeiro Dia

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

Anotação de Genomas. Fabiana G. S. Pinto

Anotação de Genomas. Fabiana G. S. Pinto Anotação de Genomas Fabiana G. S. Pinto Obtenção de Seqüências geradas pelo MegaBace 1000 Dados brutos (medidas analógicas) de saída do seqüênciamento Base calling BIOINFORMÁTICA * PHRED: - Transforma

Leia mais

CURSO SOBRE ACESSO ÀS BIBLIOTECAS ON-LINE DA MEDLINE/PubMed

CURSO SOBRE ACESSO ÀS BIBLIOTECAS ON-LINE DA MEDLINE/PubMed TUTORIAL PARA ACESSO BIBLIOTECA ON-LINE da MEDLINE/PUBMED CURSO SOBRE ACESSO ÀS BIBLIOTECAS ON-LINE DA MEDLINE/PubMed Este tutorial faz parte do curso de extensão da UNIFESP sobre acesso on-line às publicações

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 4 - Recursos Computacionais: Programas e Sites Relacionados

Leia mais

Replicação do DNA REPLICAÇÃO DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO DNA REPLICAÇÃO. REPLICAÇÃO - Bibliografia

Replicação do DNA REPLICAÇÃO DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO DNA REPLICAÇÃO. REPLICAÇÃO - Bibliografia REPLICAÇÃO Plano de Aula -DNA e Hereditariedade -Processo de replicação REPLICAÇÃO Prof. Juliana Schmidt Curso Farmácia 2012 REPLICAÇÃO - Bibliografia DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO ALBERTS, B.; BRAY, D.;

Leia mais

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR) Uma das dificuldades dos pesquisadores frente à análise baseada no DNA é a escassez deste. Na medicina forense pode-se ter

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE Importância da Engenharia Genética Diversidade biológica X Diversidade gênica Etapas básicas da Clonagem Escolha e amplificação do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR ESTUDO DIRIGIDO FLUXO DA INFORMAÇÃO GÊNICA págs:

Leia mais

Kit para calibração de PCR pht

Kit para calibração de PCR pht Kit para calibração de PCR pht Itens fornecidos: Tampões ( concentrado) Composição ( concentrado) I0 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton X-100 IB 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton

Leia mais

DNA barcoding é um método que utiliza um trecho do DNA de cerca de 650 nucleotídeos como marcador para caracterizar espécies. Trata-se de uma sequência extremamente curta em relação à totalidade do genoma,

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet 1. Autores Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet Luciano Eugênio de Castro Barbosa Flavio Barbieri Gonzaga 2. Resumo O custo de licenciamento

Leia mais

Introdução à Bioinformática. Prof. IVAné@

Introdução à Bioinformática. Prof. IVAné@ Introdução à Bioinformática Prof. IVAné@ Bioinformática União da ciência da computação com a biologia molecular É uma área nova Há 10 anos atrás o termo nem existia Depois da descoberta de Watson e Crick

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

Construção de Bibliotecas de cdna

Construção de Bibliotecas de cdna Construção de Bibliotecas de cdna Claudia Teixeira Guimarães Antônio A.C. Purcino Eliane A. Gomes Jurandir V. Magalhães Newton P. Carneiro Elto E.G. Gama Robert E. Schaffert Sidney N. Parentoni Vera M.C.

Leia mais

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva PCR MARCADORES MOLECULARES Prof. Dr. José Luis da C. Silva Histórico da PCR Kornberg (1960) Isolou e caracterizou a DNA polimerase. O isolamento desta enzima possibilitou o desenvolvimento da síntese in

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 3 - Análise dos produtos: Qualitativa e Semi- Quantitativa

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA VISUALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DOS DADOS CLIMATOLÓGICOS DO CPTEC/INPE Luciana Maria de Castro Mira¹, Bianca Antunes de S. R. Alves 2, Ana Paula Tavares 3, Luíz Henrique

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA Público alvo: Estudantes de 3º ano do ensino médio Local: Escolas de ensino médio e/ou cursos pré-vestibulares Carga horária: 12 horas Organização: HELIX

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além "PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE DEFICIENCIAS GÊNICAS COM UTILIZAÇÃO DE FLUORESCÊNCIA, OU PROCESSO PCR MULTIPLEX FLUORESCENTE". Trata o presente relatório da descrição detalhada acompanhada

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

Departamento de Informática em Saúde Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo

Departamento de Informática em Saúde Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo 1 Departamento de Informática em Saúde Escola Paulista de Medicina Universidade Federal de São Paulo TABELA DE COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS ALIMENTOS Manual do Usuário 2014 São Paulo 2 Sumário Página inicial...

Leia mais

O surgimento da Bioinformática Banco de Dados Biológicos

O surgimento da Bioinformática Banco de Dados Biológicos Rede de Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal Programa de Pós-Graduação da Bionorte FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

Resposta: Interbits SuperPro Web

Resposta: Interbits SuperPro Web 1. (Fuvest 2012) Uma mutação, responsável por uma doença sanguínea, foi identificada numa família. Abaixo estão representadas sequências de bases nitrogenadas, normal e mutante; nelas estão destacados

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 100 horas/aula

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA. Carga Horária: 100 horas/aula FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR NÚCLEO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - NCT DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA Código: CBIGEBA Créditos: 05 Período: 3 o (terceiro período) Disciplina: Genética Básica

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

Introdução ao SRS Sequence Retrieval System. Marcelo Falsarella Carazzolle

Introdução ao SRS Sequence Retrieval System. Marcelo Falsarella Carazzolle Introdução ao SRS Sequence Retrieval System Marcelo Falsarella Carazzolle Resumo Motivação Introdução Bancos de Dados Ferramentas de bioinformática SRS Exemplos Motivação Existem muitos bancos de dados

Leia mais

Replicação do DNA a Nível Molecular

Replicação do DNA a Nível Molecular Replicação do DNA a Nível Molecular Função do DNA Transferência de informação Copiada em DNA (Replicação) Traduzida em proteína Modelo de replicação do DNA proposto por Watson e Crick Replicação ou Duplicação?

Leia mais

Técnicas moleculares

Técnicas moleculares Técnicas moleculares PCR Reação em Cadeia da Polimerase Inventada em 1983 por Kary Mullis é uma das técnicas mais comuns utilizadas em laboratórios de pesquisas médicas e biológicas Kary Mullis ganhou

Leia mais

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala Técnicas de biologia molecular da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala os mesmos genes, qual a diferença? Dogma central Localizando alvos Técnicas iniciais para evidenciar

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs)

PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs) Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Curso de Licenciatura em Biologia Marinha e Pescas PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs)

Leia mais

Exercício 2 DNA e Eletroforese

Exercício 2 DNA e Eletroforese Exercício 2 DNA e Eletroforese Você já aprendeu sobre as enzimas de restrição e como elas clivam o DNA em fragmentos. Você também deve ter notado que, em alguns mapas de restrição, uma enzima pode produzir

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Como o DNA nuclear comanda todo o funcionamento da célula????

Como o DNA nuclear comanda todo o funcionamento da célula???? início Moléculas de RNA Como o DNA nuclear comanda todo o funcionamento da célula???? gene DNA espaçador fim Profa Estela Rossetto início O que faz o DNA? http://rizomas. net/ensino-debiologia/recur sospedagogicos/2

Leia mais

10 DICAS DE TECNOLOGIA PARA AUMENTAR SUA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO

10 DICAS DE TECNOLOGIA PARA AUMENTAR SUA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO 10 DICAS DE TECNOLOGIA PARA AUMENTAR SUA PRODUTIVIDADE NO TRABALHO UMA DAS GRANDES FUNÇÕES DA TECNOLOGIA É A DE FACILITAR A VIDA DO HOMEM, SEJA NA VIDA PESSOAL OU CORPORATIVA. ATRAVÉS DELA, ELE CONSEGUE

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS PIOS Cristiane Kioko Shimabukuro Dias Pós-doutorado - FAPESP E-mail: crisdias@ibb.unesp.br Laboratório de Biologia e Genética de Peixes - Departamento

Leia mais

Manual do Visualizador NF e KEY BEST

Manual do Visualizador NF e KEY BEST Manual do Visualizador NF e KEY BEST Versão 1.0 Maio/2011 INDICE SOBRE O VISUALIZADOR...................................................... 02 RISCOS POSSÍVEIS PARA O EMITENTE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA.................

Leia mais

Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno

Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno Índice 1 Acessando o sistema via internet...3 2 Funcionalidades...6 2.1 Horário Individual...7 2.2 Calendário Acadêmico...8 2.3 Biblioteca...9 2.3.1 Consultar

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO ÍNDICE Relatórios Dinâmicos... 3 Requisitos de Sistema... 4 Estrutura de Dados... 5 Operadores... 6 Tabelas... 7 Tabelas x Campos... 9 Temas... 13 Hierarquia Relacionamento...

Leia mais

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO

Adapti - Technology Solutions www.adapti.net Leonor cardoso nº 331 Fone : (041) 8844-7805 81240-380 Curitiba - PR MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO 1 Índice Administração de Documentos...2 Lista de documentos criados...3 Criando um novo documento...3 Barra de ferramentas do editor...4 Editando um documento...7 Administrando suas

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz Gene, é a unidade fundamental da hereditariedade. Cada gene é formado por uma sequência específica de ácidos nucléicos

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

Bioinformática Aula 01

Bioinformática Aula 01 Bioinformática Aula 01 Prof. Ricardo Martins Ramos * * Doutorando em Genética e Toxicologia Aplicada CEFET-PI/ULBRA-RS Linha de Pesquisa Bioinformática Estrutural E-mail: ricardo@cefetpi.br Visão Holística

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA RESUMO SYSTEM CONTROL OF CLIMATIC DATA IN THE WEB TO ASSIST THE AGRICULTURE

SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA RESUMO SYSTEM CONTROL OF CLIMATIC DATA IN THE WEB TO ASSIST THE AGRICULTURE SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA CAROLINE VISOTO 1 EDUARDO RUBIN 2 THIAGO X. V. OLIVEIRA 3 WILINGTHON PAVAN 4 JOSÉ MAURÍCIO CUNHA FERNANDES 5 CRISTIANO ROBERTO CERVI

Leia mais

Manual Signext Card Explorer

Manual Signext Card Explorer Índice 1. Gerenciador... 1 2. Editar... 4 3. Token... 7 4. Key Pair... 8 5. Certificado... 9 6. Sobre... 10 O Card Explorer é um software desenvolvido para que o usuário possa: gerar par de chaves, inserir/excluir

Leia mais

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br

Copyright 2015 Mandic Cloud Solutions - Somos Especialistas em Cloud. www.mandic.com.br Sumário 1. Boas vindas... 4 2. Dashboard... 4 3. Cloud... 5 3.1 Servidores... 5 o Contratar Novo Servidor... 5 o Detalhes do Servidor... 9 3.2 Cloud Backup... 13 o Alteração de quota... 13 o Senha do agente...

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA

ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA 136 ALGORITMOS GENÉTICOS: UMA VISÃO EXPLANATÓRIA FILITTO, Danilo 1 Resumo: Os algoritmos Genéticos inspiram-se no processo de evolução natural e são utilizados para resolver problemas de busca e otimização

Leia mais

Bioinformática. Licenciaturas em Biologia, Bioquímica, Biotecnologia, Ciências Biomédicas, Engenharia Biológica. João Varela jvarela@ualg.

Bioinformática. Licenciaturas em Biologia, Bioquímica, Biotecnologia, Ciências Biomédicas, Engenharia Biológica. João Varela jvarela@ualg. Bioinformática Licenciaturas em Biologia, Bioquímica, Biotecnologia, Ciências Biomédicas, Engenharia Biológica João Varela jvarela@ualg.pt Docentes Paulo Martel (alinhamentos, pesquisas de sequências em

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 -

Construtor de sites SoftPixel GUIA RÁPIDO - 1 - GUIA RÁPIDO - 1 - Sumário Introdução...3 Por que utilizar o Construtor de Sites?...3 Vantagens do Construtor de Sites...3 Conceitos básicos...3 Configuração básica do site...5 Definindo o layout/template

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca da bioinformática em geral, julgue os itens subsequentes. 41 A bioinformática pode ser definida como uma área multidisciplinar que envolve principalmente a Biologia, a Ciência da Computação, a Matemática

Leia mais

Bioinformática. Trabalho prático enunciado complementar. Notas complementares ao 1º enunciado

Bioinformática. Trabalho prático enunciado complementar. Notas complementares ao 1º enunciado Bioinformática Trabalho prático enunciado complementar Neste texto, enunciam- se algumas considerações adicionais ao 1º enunciado e uma lista de possíveis tarefas que complementam o enunciado original

Leia mais

O fluxo da informação é unidirecional

O fluxo da informação é unidirecional Curso - Psicologia Disciplina: Genética Humana e Evolução Resumo Aula 3- Transcrição e Tradução Dogma central TRANSCRIÇÃO DO DNA O fluxo da informação é unidirecional Processo pelo qual uma molécula de

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. 1. Descrição Geral Este manual descreve as operações disponíveis no módulo VTWEB Client, cuja finalidade é gerenciar cadastros de funcionários, realização de pedidos e controle financeiro dos pedidos.

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Manual. Formações Modulares Certificadas. A Relha Cooperativa de Serviços CRL. Formador/a: Ricardo Cabral. Data: 05/2013. N.

Manual. Formações Modulares Certificadas. A Relha Cooperativa de Serviços CRL. Formador/a: Ricardo Cabral. Data: 05/2013. N. Manual Formador/a: Ricardo Cabral Data: 05/2013 Formações Modulares Certificadas Área de Formação: Ciências Informáticas UFCD: 0755 Funcionalidades Avançadas N.º Horas: 25 A Relha Cooperativa de Serviços

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE

UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE UM NOVO TESTE PARA TUBERCULOSE Rio de Janeiro e Manaus testam para o Ministério da Saúde uma nova tecnologia para o diagnóstico da tuberculose pulmonar Que novo teste é este? O Xpert MTB/RIF é um método

Leia mais

Disciplina: Programas de Edição de Textos Professora: Érica Barcelos

Disciplina: Programas de Edição de Textos Professora: Érica Barcelos Disciplina: Programas de Edição de Textos Professora: Érica Barcelos CAPÍTULO 4 4. RECURSOS PARA ILUSTRAÇÕES Uma característica que difere os processadores de textos dos editores é a possibilidade de gerar

Leia mais

Documento de Requisitos Sistema WEB GEDAI

Documento de Requisitos Sistema WEB GEDAI Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Computação GEDAI-Grupo de Estudo e Desenvolvimento em Automação Industrial Documento de Requisitos Sistema WEB

Leia mais

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 - As enzimas de restrição ou endonucleases recebem uma designação que provem (1 valor) a)

Leia mais

SIMULADO Windows 7 Parte V

SIMULADO Windows 7 Parte V SIMULADO Windows 7 Parte V 1. O espaço reservado para a Lixeira do Windows pode ser aumentado ou diminuído clicando: a) Duplamente no ícone lixeira e selecionando Editar propriedades b) Duplamente no ícone

Leia mais

BDG - BANCO DE DADOS DE GRADES UMA FERRAMENTA PARA DISPONIBILIZAR DADOS DE PREVISÃO DE MODELOS NUMÉRICOS DE TEMPO E CLIMA

BDG - BANCO DE DADOS DE GRADES UMA FERRAMENTA PARA DISPONIBILIZAR DADOS DE PREVISÃO DE MODELOS NUMÉRICOS DE TEMPO E CLIMA BDG - BANCO DE DADOS DE GRADES UMA FERRAMENTA PARA DISPONIBILIZAR DADOS DE PREVISÃO DE MODELOS NUMÉRICOS DE TEMPO E CLIMA Antonio Carlos Fernandes da Silva 1, Luciana Santos Machado Carvalho 2, Denise

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR A Biologia Molecular é o estudo da Biologia em nível molecular, com especial foco no estudo da estrutura e função do material genético

Leia mais

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens em utilizar este serviço para facilitar a administração de pastas compartilhadas em uma rede de computadores.

Leia mais

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos

XDOC. Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos XDOC Solução otimizada para armazenamento e recuperação de documentos ObJetivo Principal O Que você ACHA De ter Disponível Online todos OS Documentos emitidos por SUA empresa em UMA intranet OU Mesmo NA

Leia mais

TRANSMISSÃO DA VIDA ÉTICA E MANIPULAÇÃO GÊNICA

TRANSMISSÃO DA VIDA ÉTICA E MANIPULAÇÃO GÊNICA TRANSMISSÃO DA VIDA ÉTICA E MANIPULAÇÃO GÊNICA OS FUNDAMENTOS DA HEREDITARIEDADE EXPERIMENTO Teste de paternidade 1. Resumo Essa aula propõe a simulação de um teste de paternidade por meio da análise de

Leia mais

07/05/2015. Replicação do DNA REPLICAÇÃO DO DNA DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO. Profª Juliana Schmidt Medicina 2015 REPLICAÇÃO DO DNA DNA

07/05/2015. Replicação do DNA REPLICAÇÃO DO DNA DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO. Profª Juliana Schmidt Medicina 2015 REPLICAÇÃO DO DNA DNA REPLICAÇÃO DO Plano de Aula -Composição e estrutura do - e Hereditariedade -Processo de replicação REPLICAÇÃO DO Profª Juliana Schmidt Medicina 2015 REPLICAÇÃO DO DIVISÃO CELULAR E REPLICAÇÃO Bibliografia

Leia mais

APOSTILA WORD BÁSICO

APOSTILA WORD BÁSICO APOSTILA WORD BÁSICO Apresentação O WORD é um editor de textos, que pertence ao Pacote Office da Microsoft. Suas principais características são: criação de textos, cartas, memorandos, documentos, mala

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler

PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler PCR Real-time thermal cycler Standard thermal cycler Tópicos (1) Estratégias gerais de estudo de sequências de DNA específicas em populações de DNA complexas Requisitos da reacção de polimerização em cadeia

Leia mais

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios

Portal Sindical. Manual Operacional Empresas/Escritórios Portal Sindical Manual Operacional Empresas/Escritórios Acesso ao Portal Inicialmente, para conseguir acesso ao Portal Sindical, nos controles administrativos, é necessário acessar a página principal da

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

Tutorial Introdução a anotação e comparação de genomas Tiago Mendes Doutorando em Bionformática

Tutorial Introdução a anotação e comparação de genomas Tiago Mendes Doutorando em Bionformática Tutorial Introdução a anotação e comparação de genomas Tiago Mendes Doutorando em Bionformática Hoje iremos trabalhar com dois programas free desenvolvidos pelo Sanger institute: Artemis e ACT. Artemis

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Unidade 4 Ambiente de desenvolvimento Java QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática SUMÁRIO A LINGUAGEM JAVA... 3 JVM, JRE, JDK... 3 BYTECODE... 3 PREPARANDO O AMBIENTE

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO ODONTOLÓGICA - SDO MANUAL ENDNOTE WEB: GUIA DO USUÁRIO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO ODONTOLÓGICA - SDO MANUAL ENDNOTE WEB: GUIA DO USUÁRIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA SERVIÇO DE DOCUMENTAÇÃO ODONTOLÓGICA - SDO MANUAL ENDNOTE WEB: GUIA DO USUÁRIO São Paulo 2009 2009 Serviço de Documentação Odontológica Serviço de Informação

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

STATGEN Plataforma web para análise de dados genéticos.

STATGEN Plataforma web para análise de dados genéticos. STATGEN Plataforma web para análise de dados genéticos. Diogo Gonçalves Neder 1 1 Introdução O melhoramento de plantas visa principalmente identificar combinações genotípicas com performance superior quando

Leia mais

3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation

3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation 29 3 Multi-Agent System for Stock Exchange Simulation A participação na competição Agent Reputation Trust (ART) Testbed [10] motivou o estudo do domínio

Leia mais

Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores

Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores A determinação da seqüência de bases de um segmento de DNA é um passo crítico em muitas aplicações da Biotecnologia.

Leia mais

Projeto Genoma e Proteoma

Projeto Genoma e Proteoma Projeto Genoma e Proteoma Grupo 3: *Artur S. Nascimento *Bárbara S. Costa *Beatrice Barbosa *Tamyres S. E. Guimarães *Yara Cavalcante O que é genoma? O genoma é o conjunto de todo o material genético que

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistemas de Informação 2011-2 SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE MANUTENÇÃO AUTOMOTIVA Alunos: WERNECK,

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP 2ª Edição Juliano Niederauer Novatec Copyright 2009, 2011 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO FAMERP PLANO DE ENSINO. Carga horária Total:

FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO FAMERP PLANO DE ENSINO. Carga horária Total: FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO FAMERP CURSO DE : MEDICINA SÉRIE: 1ª. série ANO LETIVO: 2010 BLOCO I IDENTIFICAÇÃO Código da Disciplina PLANO DE ENSINO Nome da Disciplina Biologia Molecular

Leia mais

COMO PESQUISAR NO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UnB

COMO PESQUISAR NO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UnB COMO PESQUISAR NO REPOSITÓRIO INSTITUCIONAL DA UnB No Repositório Institucional da UnB - RIUnB é possível realizar a pesquisa simples e avançada. A pesquisa é realizada nos metadados do item submetido,

Leia mais

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Compra Direta - Guia do Fornecedor PORTAL DE COMPRAS SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Página As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis referências a web sites, estão sujeitas

Leia mais