GERIR O ORÇAMENTO FAMILIAR PREVENIR O SOBREENDIVIDAMENTO EVITAR DÍVIDAS E GASTOS DESNECESSÁRIOS. Porto 24 de Outubro de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERIR O ORÇAMENTO FAMILIAR PREVENIR O SOBREENDIVIDAMENTO EVITAR DÍVIDAS E GASTOS DESNECESSÁRIOS. Porto 24 de Outubro de 2013"

Transcrição

1 GERIR O ORÇAMENTO FAMILIAR PREVENIR O SOBREENDIVIDAMENTO EVITAR DÍVIDAS E GASTOS DESNECESSÁRIOS Porto 24 de Outubro de 2013 Célia Marques Gabinete Jurídico da UGC 1

2 ORGANIZAR AS DESPESAS EXISTEM 3 GRANDES CATEGORIAS DE DESPESAS: Correntes: despesas que são inevitáveis, dificilmente reduoveis e de montante variável como por ex. alimentação/higiene, transportes, saúde. Ocasionais: despesas que são evitáveis, suscepoveis de redução e de montante variável, como por ex. vestuário, beleza, férias, viagens, equipamentos, compras pontuais. Fixas: despesas que são inevitáveis, não suscepoveis de redução e de montante definido, de que são ex. habitação, impostos e outras taxas, educação e formação, crédito, energia, telefone, internet. 2

3 ORGANIZAR AS DESPESAS No início do ano deve determinar: O montante de despesas fixas e dividi- lo por 12 meses O montante dos rendimentos habituais A quan]a a poupar para imprevistos e projectos As despesas de lazer Possíveis alterações nestas despesas 3

4 ORGANIZAR AS DESPESAS No fim do mês controlar: As despesas Os extractos bancários As prestações regulares as despesas superiores ao previsto 4

5 ORGANIZAR AS DESPESAS Ao longo de cada mês lembrar de: Fazer contas regularmente com a ajuda de facturas Conservar os extractos bancários Pagar as despesas fixas a tempo Não ultrapassar o montante previsto inicialmente 5

6 ORGANIZAR AS DESPESAS Deve estar preparado em todo o momento para: Ajustar o orçamento diminuindo as despesas ou aumentando os rendimentos Dirigir- se ao banco em caso de necessidade 6

7 GERIR O ORÇAMENTO FAMILIAR CONSELHOS: Atenção à publicidade! Analise cuidadosamente toda a publicidade e informe- se junto das respec]vas ins]tuições de crédito Pesquise e compare rigorosamente todas as informações para poder planear correctamente a opção que melhor se adequa às suas necessidades de acordo com as suas possibilidades Informe- se sobre os contratos financeiros e termos técnicos que lhes são inerentes: taxas de juro, spreads, TAEG, TAE etc. Calcule os seus inves]mentos de forma realista Crie o seu orçamento familiar (através por exemplo de tabelas mensais) 7

8 GERIR O ORÇAMENTO FAMILIAR Não ceder a desejos que não se consegue pagar Tentar fazer uma poupança para os imprevistos Evitar o recurso ao crédito para despesas correntes Avaliar a relação qualidade/preço dos produtos Mantenha a torneira fechada enquanto lava os dentes ou faz a barba. Reduz o consumo em 50% (e poupa o ambiente). Tome duche em vez de banho de imersão. Num banho de imersão gasta cerca de 150 l de água. Num duche gasta 50 l. Instale redutores de caudal nas torneiras. Subs]tua as lâmpadas incandescentes por lâmpadas economizadoras. São mais caras, mas no longo prazo compensam pelo baixo consumo. Nunca deixe os aparelhos eléctricos em modo repouso (stand by). Desligue- os da tomada. Antes de ir às compras, faça uma lista e siga- a à risca. Opte por comprar marcas brancas. Podem chegar a custar menos 20 a 50% e com a mesma qualidade dos produtos de marca. Não vá as compras com fome. Acaba por comprar mais do que realmente precisa. Compre tudo de uma vez. Várias compras ao mês levam a que compre mais coisas e gaste mais dinheiro em deslocações. Se ]ver condições para almoçar no trabalho, faça- o. Acaba por poupar mais de 150 euros por mês. 8

9 GERIR O ORÇAMENTO FAMILIAR PREVENIR O SOBREENDIVIDAMENTO (CONSELHOS) Só deve recorrer ao crédito ao consumo em situações de estrita necessidade e na justa medida em que preveja poder cumprir integralmente os compromissos financeiros resultantes do crédito; Evite fazer vários contratos de crédito em simultâneo; Nunca contraia créditos para pagar outros créditos; Só deve celebrar o contrato de crédito depois de estar na posse da informação julgada necessária e essencial (Ex. condições gerais do contrato; taxa anual efec]va global, condições de reembolso do crédito, período de reflexão, possibilidade de cumprimento antecipado, possibilidade de renegociação da dívida) Procure comparar previamente, junto de várias en]dades financeiras, as condições de concessão do crédito, por forma a fazer a melhor opção; Leia com atenção as cláusulas contratuais antes de assinar; 9

10 GERIR O ORÇAMENTO FAMILIAR Em caso de insuficiência financeira para cumprir todas as obrigações resultantes do contrato de crédito, procure um acordo com o credor no sen]do de renegociar a dívida Se, de facto, os seus rendimentos não são suficientes para amor]zar todas as suas dívidas, sendo o passivo largamente superior aos rendimentos que aufere, pode pedir a insolvência de pessoa singular O pedido de insolvência pode ser feito com recurso ao apoio judiciário nas modalidades de dispensa de pagamento de taxa de jus]ça e demais encargos com o processo, nomeação e compensação de patrono nomeado ou de pagamento faseado das referidas despesas. 10

11 SOBRE- ENDIVIDAMENTO RESPOSTAS DOS CONSUMIDORES 11

12 SOBREENDIVIDAMENTO O fenómeno do sobreendividamento tem vindo a crescer nos úl]mos anos, afectando hoje em dia um número considerável de famílias. Até há poucos anos, o sobreendividamento ]nha origem nos chamados três D: Doença Desemprego Divórcio Hoje o sobreendividamento já não tem só esta origem. A conjuntura de crise que se vive a nível nacional e internacional e as medidas de austeridade que têm sido adoptadas, com aumento de impostos e redução do rendimento disponível das famílias leva a que muitos consumidores se encontrem em sérias dificuldades para cumprir as obrigações assumidas em contratos de crédito (habitação, consumo ect.) mesmo não se encontrando em situação de desemprego ou de doença. Com o objec]vo de prevenir o incumprimento e de promover a regularização das situações de incumprimento já existentes, têm sido adoptadas algumas medidas legisla]vas de que se destacam: 12

13 SOBREENDIVIDAMENTO Decreto- Lei N.º 227/2012 de 25 de Outubro cria a RACE e o Regime Geral de Incumprimento dos Contratos de Crédito por Par]culares Lei N.º 57/2012 de 9 de Novembro Reembolso do Valor dos PPR para Pagamento de Prestações de Crédito à Habitação Lei N.º 58/2012 de 9 de Novembro - Cria o Regime Extraordinário de Protecção de Devedores de Crédito à Habitação em Situação Económica Muito Divcil Decreto- Lei N.º 58/2013 de 8 de Maio Classificação e Contagem do Prazo das Operações de Crédito, Juros Remuneratórios e Mora do Devedor 13

14 SOBREENDIVIDAMENTO RISCO DE INCUMPRIMENTO O que é uma situação de risco de incumprimento? Existe risco de incumprimento sempre que seja previsível que o cliente bancário não consiga pagar as prestações rela]vas a um contrato de crédito na data do vencimento Situações que indiciam risco de incumprimento: Incumprimento de outros contratos de crédito Incumprimento de outras obrigações (obrigações fiscais, serviços essenciais ) Atrasos frequentes no pagamento das prestações do crédito Desemprego do cliente bancário ou de um membro do seu agregado familiar A detecção precoce de indícios de risco de incumprimento é determinante para o sucesso de medidas que visem prevenir a sua ocorrência 14

15 SOBREENDIVIDAMENTO O que fazer em caso de risco de incumprimento? Manter uma a]tude preven]va, antecipando eventuais dificuldades de cumprimento dos compromissos financeiros que assumiu Alertar a ins]tuição de crédito para a possível ocorrência de incumprimento u]lizando os meios por esta indicados para o efeito ( informação que tem de estar disponível nos sí]os da Internet e nos balcões das ins]tuições de crédito) As ins]tuições de crédito têm o dever de acompanhar a execução dos contratos de crédito dos seus clientes no âmbito do PARI (Plano de Acção para o Risco de Incumprimento) Sempre que o cliente alerte para o risco de incumprimento ou que seja detectada a existência desse risco, a insftuição de crédito deve, em conjunto com o cliente, procurar soluções que previnam o incumprimento 15

16 SOBREENDIVIDAMENTO Qual o papel da RACE (Rede de Apoio ao Consumidor Endividado) nas situações de risco de incumprimento? Aconselhar o cliente bancário a alertar a ins]tuição de crédito para o possível incumprimento, informando- o dos canais disponibilizados pelas ins]tuições de crédito para esse efeito Informar o cliente bancário em risco de incumprimento sobre as diligências a desenvolver pela ins]tuição de crédito após o alerta ou a detecção de situação de risco de incumprimento, bem como sobre os seus direitos e deveres no âmbito dessas diligências Apoiar o cliente bancário na avaliação da sua capacidade financeira e na análise das propostas que vierem a ser apresentadas pelas ins]tuições de crédito Acompanhar o cliente bancário na negociação das propostas apresentadas 16

17 SOBREENDIVIDAMENTO Quais os direitos do cliente bancário em risco de incumprimento? O cliente bancário que alerte para o risco de incumprimento tem direito a receber um documento com a descrição dos seus direitos e com a indicação dos contactos que poderá u]lizar nas comunicações com a ins]tuição de crédito A ins]tuição de crédito deve proceder à avaliação da capacidade financeira do cliente Caso o consumidor disponha de capacidade financeira para evitar o incumprimento, a ins]tuição de crédito deve apresentar- lhe propostas adequadas à sua situação financeira A ins]tuição de crédito não pode cobrar comissões pela renegociação do contrato O cliente bancário tem o dever de colaborar com a ins]tuição de crédito fornecendo, no prazo de 10 dias, os documentos e as informações que lhe forem pedidas 17

18 SOBREENDIVIDAMENTO PAPEL DA RACE Funções já atrás descritas de informação sobre os direitos e deveres, de apoio ao cliente bancário na avaliação das sua capacidade financeira e na análise das propostas que lhe vierem a ser apresentadas e de acompanhamento na negociação destas propostas Procurar, em conjunto com o consumidor, caracterizar o incumprimento (]po de contrato de crédito, montante e duração do incumprimento, situação profissional e familiar, rendimentos e despesas, ) Informar o consumidor sobre os procedimentos de regularização do incumprimento previstos na Lei: PERSI Procedimento Extrajudicial de Regularização de Situações de Incumprimento e Regime Extraordinário de Protecção de Devedores em Situação Económica Muito Dijcil (Regime Extraordinário) 18

19 SOBRE- ENDIVIDAMENTO PERSI DL n.º 227/2012, de 25 de Outubro Âmbito: generalidade dos contratos de crédito celebrados com pessoas individuais Iniciafva: do cliente bancário ou da ins]tuição de crédito Acesso: não depende da verificação de condições de aplicabilidade Limite Temporal de Acesso: até à resolução do contrato de crédito Soluções: as que forem acordadas entre o cliente e a ins]tuição de crédito (renegociação, consolidação etc.) Regime Extraordinário Lei n.º 58/2012, de 9 de Novembro Âmbito: contratos de crédito des]nados à aquisição de habitação, construção ou obras em habitação própria permanente Iniciafva: cabe ao cliente bancário apresentar requerimento de acesso Acesso: depende do preenchimento de determinadas condições Limite temporal de acesso: até à venda judicial do imóvel Soluções: plano de reestruturação, medidas complementares, medidas subs]tu]vas 19

20 SOBRE- ENDIVIDAMENTO PERSI Procedimento Extrajudicial de Regularização de Situações de Incumprimento Início com o incumprimento Insftuição de crédito informa o cliente do início do procedimento Avaliação da capacidade financeira e apresentação de propostas pela insftuição de crédito Negociação entre o cliente bancário e a insftuição de crédito 20

21 SOBRE- ENDIVIDAMENTO GARANTIAS DO CONSUMIDOR DURANTE O PERSI Durante o Persi a ins]tuição bancária não pode: Resolver o contrato de crédito com fundamento em incumprimento Intentar acções judiciais para sa]sfazer o seu crédito Ceder o crédito ou transmi]r a sua posição contratual FIADORES: Os fiadores, enquanto responsáveis pelo pagamento da dívida, também podem ser integrados no PERSI No entanto, o PERSI dos mutuários do crédito e o PERSI dos fiadores são autónomos 21

22 SOBRE- ENDIVIDAMENTO REGIME EXTRAORDINÁRIO SITUAÇÕES ABRANGIDAS: CONDIÇÕES RELATIVAS AO CONTRATO DE CRÉDITO: Incumprimento do contrato de crédito rela]vo à aquisição, construção ou realização de obras em habitação própria permanente Crédito garan]do por hipoteca sobre imóvel que seja a única habitação do agregado familiar do consumidor Inexistência de outras garan]as reais ou pessoais (excepção: existência de fiadores também eles em situação económica muito divcil) CONDIÇÕES RELATIVAS AO IMÓVEL: O valor tributário do imóvel igual ou inferior a: (coeficiente de localização até 1,4) (coeficiente de localização entre 1,5 e 2,4) (coeficiente de localização entre 2,5 e 3,5) 22

23 SOBRE- ENDIVIDAMENTO CONDIÇÕES RELATIVAS AO AGREGADO FAMILIAR DO CONSUMIDOR: Situação económica muito dijcil: Desemprego de um dos mutuários, cônjuge ou pessoa com quem viva em união de facto ou redução de 35% ou mais do rendimento anual bruto do agregado familiar nos 12 meses anteriores ao incumprimento Taxa de esforço com o crédito à habitação igual ou superior a 45% (com dependentes) ou 50% (sem dependentes) Património financeiro do agregado familiar inferior a metade do rendimento anual bruto Património imobiliário cons]tuído apenas pela habitação própria e permanente e, eventualmente, por garagem e imóveis não edificáveis até Rendimento anual bruto do agregado familiar igual ou inferior a 12 vezes o valor máximo resultante da soma das seguintes parcelas: % do salário mínimo nacional por mutuário 2. 70% do salário mínimo nacional por membro adulto do agregado familiar 3. 50% do salário mínimo nacional por membro menor do agregado familiar 23

24 SOBRE- ENDIVIDAMENTO Medidas de protecção dos devedores Plano de reestruturação das dívidas do crédito à habitação Medidas subsftufvas da execução hipotecária PLANO DE REESTRUTURAÇÃO: Período de carência (12-48 meses), eventualmente com redução de spread Valor residual (máximo de 30% do capital em dívida) Prorrogação do prazo (50 anos de duração do emprés]mo/75 anos de idade do mutuário) Concessão de um emprés]mo adicional para pagamento da dívida Consolidação de créditos A INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO NÃO PODE AUMENTAR O SPREAD NEM COBRAR COMISSÕES PELA RENEGOCIAÇÃO DO CONTRATO 24

25 SOBRE- ENDIVIDAMENTO MEDIDAS SUBSTITUTIVAS DA EXECUÇÃO HIPOTECÁRIA DAÇÃO EM CUMPRIMENTO: entrega do imóvel à ins]tuição de crédito para liquidação da dívida ALIENAÇÃO A UM FIIAH: venda do imóvel a um Fundo de Inves]mento Imobiliário para Arrendamento Habitacional PERMUTA POR IMÓVEL DE VALOR INFERIOR: troca do imóvel hipotecado por outro de valor inferior 25

26 SOBRE- ENDIVIDAMENTO DIREITOS DO CLIENTE BANCÁRIO DURANTE O PLANO DE REESTRUTURAÇÃO: A ins]tuição de crédito não pode resolver o contrato de crédito A ins]tuição de crédito não pode intentar acções judiciais, declara]vas ou execu]vas, para sa]sfazer o seu crédito DEVERES DO CLIENTE BANCÁRIO DURANTE O PLANO DE REESTRUTURAÇÃO: Durante o Plano de Reestruturação o cliente bancário deve comprovar anualmente a manutenção das condições de acesso ao regime extraordinário, sob pena de a ins]tuição de crédito pôr termo à aplicação do plano de reestruturação ESTE REGIME EXTRAORDINÁRIO VIGORARÁ ATÉ 31 DE DEZEMBRO DE

27 SOBRE- ENDIVIDAMENTO LEI N.º 57/2012 DE 9 DE NOVEMBRO Permite que os consumidores possam exigir o reembolso dos PPR em caso de u]lização para pagamento de prestações de crédito à aquisição de habitação própria e permanente 27

28 SOBRE- ENDIVIDAMENTO DECRETO- LEI N.º 58/2013 DE 8 DE MAIO Classifica os créditos concedidos pelas ins]tuições como de curto, médio e longo prazo Contagem do prazo inicia- se na data em que os fundos são colocados à disposição do beneficiário Em caso de mora do devedor a taxa anual máxima de juros moratórios que as ins]tuições podem cobrar é de 3% a acrescer à taxa de juros remuneratórios aplicável ao contrato Juros moratórios incidem sobre o capital vencido e não pago Com fundamento na mora as ins]tuições estão proibidas de cobrar quaisquer comissões ou outras quan]as, mesmo que como cláusula penal moratória Apenas pode ser cobrada uma comissão pela recuperação de valores em dívida de 4% (máximo) do valor da prestação vencida e não paga Entrada em vigor destas disposições sobre mora 8 de Setembro de

29 GERIR O ORÇAMENTO FAMILIAR E SOBRE- ENDIVIDAMENTO A UGC ESTÁ DISPONÍVEL PARA FORNECER INFORMAÇÃO E ACONSELHAMENTO SOBRE ESTAS MATÉRIAS PODEM CONTACTAR- NOS PARA: TEL: E

30 GERIR O ORÇAMENTO FAMILIAR E SOBRE- ENDIVIDAMENTO MUITO OBRIGADA 30

PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES

PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES Lisboa, 2013 Disponível em www.clientebancario.bportugal.pt BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis,

Leia mais

O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias

O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias O incumprimento por parte dos compradores, consequências e soluções, a perda de habitação e das poupança das famílias Natália Nunes Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado CONFERÊNCIA HABITAÇÃO, ARRENDAMENTO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº./XII/3.ª REFORÇA A PROTEÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL

PROJETO DE LEI Nº./XII/3.ª REFORÇA A PROTEÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI Nº./XII/3.ª REFORÇA A PROTEÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL (1ª ALTERAÇÃO À LEI N.º 5/2012, DE 9 DE NOVEMBRO) Exposição de motivos

Leia mais

PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES

PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES Lisboa, 2013 Disponível em www.clientebancario.bportugal.pt BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis,

Leia mais

15 de Janeiro 2013 Contencioso de Cobrança

15 de Janeiro 2013 Contencioso de Cobrança O último trimestre de 2012 fica marcado pela aprovação de alguns diplomas legais com incidência nas operações bancárias relativas a contratos de crédito, que visam, genericamente, assegurar uma maior protecção

Leia mais

Sobre-endividamento endividamento das

Sobre-endividamento endividamento das CONFERÊNCIA O Endividamento e o Sobre-endividamento endividamento das Famílias Problemas e soluções CIAB Tribunal Arbitral de Consumo 3 de outubro de 2013 PLANO DE EXPOSIÇÃO I O Plano Nacional de Formação

Leia mais

INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares

INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares BANCO DE PORTUGAL E U R O S I S T E M A INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção

Leia mais

PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES

PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES PREVENÇÃO E GESTÃO DO INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO CELEBRADOS COM CLIENTES BANCÁRIOS PARTICULARES Lisboa, 2013 Disponível em www.clientebancario.bportugal.pt BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis,

Leia mais

O (Sobre)-Endividamento das Famílias: Prevenir ou Solucionar?

O (Sobre)-Endividamento das Famílias: Prevenir ou Solucionar? O (Sobre)-Endividamento das Famílias: Prevenir ou Solucionar? Luísa Marabuto Clara Magalhães Celeste Varum Carla Monteiro GEACE-UA 5ª Conferência Internacional de Educação Financeira 15 e 16 de Julho de

Leia mais

O DINHEIRO NÃO CAI DO CÉU E PARECE QUE VOA DO BOLSO *

O DINHEIRO NÃO CAI DO CÉU E PARECE QUE VOA DO BOLSO * PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2012 POR O DINHEIRO NÃO CAI DO CÉU E PARECE QUE VOA DO BOLSO * Elaborar o orçamento familiar é muito importante porque permite controlar melhor

Leia mais

NOVAS INICIATIVAS LEGISLATIVAS NO ÂMBITO DO CRÉDITO À HABITAÇÃO

NOVAS INICIATIVAS LEGISLATIVAS NO ÂMBITO DO CRÉDITO À HABITAÇÃO 3 de junho de 2012 NOVAS INICIATIVAS LEGISLATIVAS NO ÂMBITO DO CRÉDITO À HABITAÇÃO 1. Introdução A crise financeira e económica, aliada ao aumento do registo de incumprimentos no crédito à habitação a

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO SOBRE-ENDIVIDAMENTO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO SOBRE-ENDIVIDAMENTO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO SOBRE-ENDIVIDAMENTO Índice Origem e consequências do sobre-endividamento O que é e como surge o sobre-endividamento? Quais as consequências do incumprimento? Prevenção

Leia mais

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Tipo de Propriedade 1ª Habitação Residência habitual do agregado familiar (habitação própria permanente). 2ª Habitação Residência não habitual do agregado familiar

Leia mais

Novas regras na habitação

Novas regras na habitação Novas regras na habitação PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 7 DE JANEIRO DE 2013 POR JM A lei n.º 59/2012, de novembro, cria salvaguardas para os mutuários de crédito à habitação e altera o decreto-lei

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ASSUNTO: Comunicação de informação relativa a contratos de crédito abrangidos pelos procedimentos previstos no

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO Índice Finalidades do crédito à habitação Avaliação da capacidade financeira Ficha de Informação Normalizada (FIN) Prazo Modalidades de reembolso

Leia mais

REGIME GERAL DE PROTECÇÃO DOS CONSUMIDORES

REGIME GERAL DE PROTECÇÃO DOS CONSUMIDORES REGIME GERAL DE PROTECÇÃO DOS CONSUMIDORES - Algumas Notas Prof. Doutor António Pedro A. Ferreira UAL Universidade Autónoma de Lisboa RSA - Raposo Sub9l e Associados, Soc. Adv. RL 1 SUMÁRIO 1. Introdução.

Leia mais

O novo regime de protecção de clientes bancários particulares

O novo regime de protecção de clientes bancários particulares A parte da imagem com o ID de relação rid4 não foi encontrada no ficheiro. O novo regime de protecção de clientes bancários particulares Cristina Catarino Enquadramento legal Decreto-Lei 227/2012, de 25

Leia mais

Formação. Gestão do Orçamento Familiar Prevenção/Gestão do Incumprimento

Formação. Gestão do Orçamento Familiar Prevenção/Gestão do Incumprimento Formação Gestão do Orçamento Familiar Prevenção/Gestão do Incumprimento AÇÃO DE FORMAÇÃO Gestão do orçamento familiar Prevenção e gestão do incumprimento 26 de junho de 2013 Comissão de Coordenação do

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 217 9 de novembro de 2012 6473 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 57/2012 de 9 de novembro 2.ª alteração ao Decreto -Lei n.º 158/2002, de 2 de julho, permitindo o reembolso

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado

Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado A Direção-Geral do Consumidor (DGC) apresenta um conjunto de respostas às perguntas suscitadas com maior frequência. Em caso de dúvida,

Leia mais

UM ESPECIALISTA AO SEU LADO. www.doutorfinancas.pt

UM ESPECIALISTA AO SEU LADO. www.doutorfinancas.pt UM ESPECIALISTA AO SEU LADO www.doutorfinancas.pt Programa Principais sintomas de doença financeira Principais Ferramentas de Gestão de Finanças Pessoais Orçamento familiar O Negócio Bancário Mecanismos

Leia mais

Lei n. o 58/2012 09-11-2012

Lei n. o 58/2012 09-11-2012 Lei n. o 58/2012 09-11-2012 Assunto: Cria um regime extraordinário de proteção de devedores de crédito à habitação em situação económica muito difícil A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008,

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DE 29 DE MAIO E PELO DECRETO-LEI N.º 192/2009, DE 17 DE AGOSTO Regula as práticas comerciais das instituições de crédito no

Leia mais

Ficha de Informação Geral

Ficha de Informação Geral Objectivo da Ficha de Informação Geral Oferecer aos Clientes informação de carácter geral sobre o crédito à habitação, o mais transparente, sistemático e rigorosamente possível, antes da formalização de

Leia mais

Simulação de Crédito Pessoal

Simulação de Crédito Pessoal Simulação de Crédito Pessoal Data de Impressão: 22-10-2013 14:13 Número de Simulação: 13901487 Resumo Multifinalidades Prestação Comissão de Processamento (mensal) (Acresce Imposto do Selo à Taxa em vigor)

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde S DO BANCO DE CABO VERDE CRÉDITO À HABITAÇÃO Banco de Cabo Verde Banco de Cabo Verde Crédito à Habitação Banco de Cabo Verde Cidade da Praia 013 Ficha Técnica Título: Crédito à Habitação Autor: Banco de

Leia mais

Simulação de Crédito Pessoal

Simulação de Crédito Pessoal Simulação de Crédito Pessoal Data de Impressão: 22-10-2013 13:38 Número de Simulação: 13901487 Resumo Multifinalidades Prestação Comissão de Processamento (mensal) (Acresce Imposto do Selo à Taxa em vigor)

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO RESPONSABILIDADES DE CRÉDITO Índice Conceito de responsabilidade de crédito Central de Responsabilidades de crédito (CRC) O que é a CRC? Para que serve a CRC? Mapa de

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 01-set-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

CRÉDITO PESSOAL. (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) Praça D. João I, 28 4000-295 Porto

CRÉDITO PESSOAL. (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) Praça D. João I, 28 4000-295 Porto CRÉDITO PESSOAL FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 01-set-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

CONFERÊNCIA REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS

CONFERÊNCIA REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS CONFERÊNCIA REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS Cristina Bogado Menezes REESTRUTURAÇÃO DE CRÉDITOS [ ] a insolvência é resultado, e não causa, que tem por génese graves dificuldades económico-financeiras verificadas

Leia mais

Instituto dos Advogados de Empresa Ordem dos Advogados 5 de fevereiro de 2013

Instituto dos Advogados de Empresa Ordem dos Advogados 5 de fevereiro de 2013 Instituto dos Advogados de Empresa Ordem dos Advogados 5 de fevereiro de 2013 1 I. DISPOSIÇÕES COMUNS A) LEGISLAÇÃO APLICÁVEL LEGISLAÇÃO DIRETAMENTE APLICÁVEL: - Decreto-Lei n.º 227/2012, de 25 de outubro;

Leia mais

1 Redacção introduzida pelo Decreto-Lei n.º 192/2009, de 17 de Agosto.

1 Redacção introduzida pelo Decreto-Lei n.º 192/2009, de 17 de Agosto. MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Decreto-Lei n.º 51/2007 de 7 de Março (Alterado pelo Decreto-Lei n.º 88/2008, de 29 de Maio, e pelo Decreto-Lei n.º 192/2009, de 17 de Agosto) Artigo 1.º 1 Objecto

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 A Instrução n.º 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão n.º 2001/193/CE, de 1 de Março de 2001,

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro

Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro Decreto-Lei nº 227/2012, de 25 de outubro A concessão responsável de crédito constitui um dos importantes princípios de conduta para a atuação das instituições de crédito. A crise económica e financeira

Leia mais

O sobreendividamento

O sobreendividamento Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções 19 de Junho de 2010 O sobreendividamento O papel do Gabinete de Apoio ao Sobreendividado da DECO Natália Nunes GAS Gabinete de Apoio ao Sobreendividado

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 20-abr-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

Título: Regime extraordinário de proteção de devedores de crédito à habitação em situação económica muito difícil

Título: Regime extraordinário de proteção de devedores de crédito à habitação em situação económica muito difícil Título: Regime extraordinário de proteção de devedores de crédito à habitação em situação económica Autor: Eurico Santos, Advogado Correio eletrónico do Autor: euricosantos@sapo.pt N.º de Páginas: 26 páginas

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual

Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral. Informação pré-contratual A. Elementos de Identificação 1. Identificação da instituição de crédito Ficha de Informação Normalizada em Matéria de Crédito aos Consumidores, em Caso de Contratação à Distância - Geral Informação pré-contratual

Leia mais

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Termos de referência para as condições mínimas de acesso ao Fundo de Contragarantia Mútua,

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 7.091/11.7 TBVNG 2º Juízo Cível Insolventes: ARMINDO JOSÉ SILVA LOPES E MARIA EMILIA ANDRADE TAVARES LEITE FERNANDES Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente

Leia mais

Trabalho realizado por: Disciplina: Formação Cívica. Ano letivo: 2011-2012

Trabalho realizado por: Disciplina: Formação Cívica. Ano letivo: 2011-2012 Trabalho realizado por: Disciplina: Formação Cívica Ano letivo: 2011-2012 Realizámos um estudo relativo à Gestão do Orçamento Familiar a 46 alunos do 7º ao 9º ano da Escola Secundária Poeta Al Berto de

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 399/14.1 TBVNG 4º Juízo Cível Insolventes: JOÃO JOAQUIM SOUSA SOBRAL E ISABEL MARIA DOS SANTOS ROCHA SOBRAL Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRÉDITO Índice Conceito de empréstimo Avaliação da capacidade financeira Principais tipos de crédito Ficha de Informação Normalizada Principais características

Leia mais

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo 1 CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo Comunicamos que a Diretoria do Banco Central, tendo em vista o disposto no i- tem XXIII

Leia mais

Banif SA - Pag. 1 de 13

Banif SA - Pag. 1 de 13 FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA - CRÉDITO À HABITAÇÃO E DE CRÉDITO CONEXO PARTE I - CONDIÇÕES FINANCEIRAS DO CRÉDITO À HABITAÇÃO A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO E OBSERVAÇÕES 1. Identificação da Instituição

Leia mais

Oficina Pedagógica COMO CONSTRUIR E GERIR UM ORÇAMENTO FAMILIAR. 10.11.2011 Formadora: Olga Fernandes

Oficina Pedagógica COMO CONSTRUIR E GERIR UM ORÇAMENTO FAMILIAR. 10.11.2011 Formadora: Olga Fernandes Oficina Pedagógica COMO CONSTRUIR E GERIR UM ORÇAMENTO FAMILIAR Formadora: Olga Fernandes 1 ORÇAMENTO FAMILIAR PROGRAMA 19.00 H -Abertura 19.05 H Visionamento de um vídeo sobre Orçamento Familiar 19.15

Leia mais

Preçário. CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A. Instituição Financeira de Crédito

Preçário. CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A. Instituição Financeira de Crédito Preçário CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO Índice Componentes do custo do crédito Taxa de juro Comissões Despesas Seguros Medidas agregadas do custo do crédito: TAE e TAEG Taxas máximas no crédito

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 9.494/12.0 TBVNG 1º Juízo Cível Insolventes: ESMERALDA MARIA RIBEIRO CARVALHO GONÇALVES E ANÍBAL AUGUSTO RODRIGUES GONÇALVES Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O

Leia mais

Projeto de lei n.º 224/XII

Projeto de lei n.º 224/XII Projeto de lei n.º 224/XII 10.ª Alteração ao Decreto-Lei n.º 349/98, de 11 de Novembro, introduzindo mecanismos adicionais de proteção dos devedores no contratos de crédito para aquisição de habitação

Leia mais

Fiscalidade de Seguros

Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros (aplicável a partir de 01 de Janeiro de 2015) O presente documento tem natureza meramente informativa, de carácter necessariamente geral, e não constitui nem

Leia mais

A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO B. DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO CRÉDITO

A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO B. DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO CRÉDITO FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação Banco Bilbao

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 125/2014 de 4 de Agosto de 2014 Através da Resolução do Conselho de Governo n.º 97/2013, de 3 de outubro, foi criada a Linha de Apoio à Reabilitação

Leia mais

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo da Cofidis, contém

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos Crédito Habitação Para Aquisição, Construção, Obras e Aquisição de Terreno para Habitação Própria, Secundária ou Arrendamento, Crédito Sinal, Transferências;

Leia mais

Decreto-Lei nº 58/2013, de 8 de maio

Decreto-Lei nº 58/2013, de 8 de maio Decreto-Lei nº 58/2013, de 8 de maio Através do presente diploma, procede-se à revisão e atualização de diversos aspetos do regime aplicável à classificação dos prazos das operações de crédito, aos juros

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1980 R E S O L V E U:

RESOLUÇÃO Nº 1980 R E S O L V E U: RESOLUÇÃO Nº 1980 Aprova regulamento que disciplina direcionamento dos recursos captados pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstismo (SBPE) e as operações de financiamento

Leia mais

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987 1 06/01/1988. CIRCULAR Nº 1.214 Documento normativo revogado pela Circular 1278, de 05/01/1988, a partir de Às Sociedades de Crédito Imobiliário, Associações de Poupança e Empréstimo e Caixas Econômicas

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL Índice Finalidades do crédito pessoal Ficha de Informação Normalizada (FIN) Montante e prazo Modalidades de reembolso Garantias Custos do crédito Taxa

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

(VAR2) Não se aplica. Não se aplica. Não se aplica. Não se aplica. Cartão de Crédito BBVA Private. Cartão de Crédito com Período de Free-Float

(VAR2) Não se aplica. Não se aplica. Não se aplica. Não se aplica. Cartão de Crédito BBVA Private. Cartão de Crédito com Período de Free-Float FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação 1.2. Endereço

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 217 9 de novembro de 2012 6481. 10 de abril, e 222/2009, de 11 de setembro, passa a ter a seguinte redação:

Diário da República, 1.ª série N.º 217 9 de novembro de 2012 6481. 10 de abril, e 222/2009, de 11 de setembro, passa a ter a seguinte redação: Diário da República, 1.ª série N.º 217 9 de novembro de 2012 6481 ainda decorrido o prazo para a oposição à execução relativa a créditos à habitação e créditos conexos garantidos por hipoteca, ou até à

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

Preçário. CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A. Instituição Financeira de Crédito

Preçário. CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A. Instituição Financeira de Crédito Preçário CrediAgora, Instituição Financeira de Crédito, S.A Instituição Financeira de Crédito Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo

Leia mais

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL BENFMEMD_20130701 Benfica Member CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS,

Leia mais

Guia crédito respon sável

Guia crédito respon sável uia rédito espon ável 1_ _2 O que é o Crédito Responsável? 3_ _4 Um Crédito Responsável exige um compromisso. O Compromisso de trabalhar com o cliente de forma leal, justa e transparente em relação aos

Leia mais

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração

Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração Ordem de Serviço Nº 03/CA/2011 Presidente do Conselho de Administração ASSUNTO: ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DE CRÉDITO O Conselho de Administração da Cooperativa de Poupança e Crédito, SCRL, no âmbito das

Leia mais

Comissões IVA. Acresce Imposto. Valor Com Imposto IS Cont. Mad. Aç. Cont. Mad. Aç. Comissões Iniciais -- -- 23% 22% 18% 24,60 24,40 23,60

Comissões IVA. Acresce Imposto. Valor Com Imposto IS Cont. Mad. Aç. Cont. Mad. Aç. Comissões Iniciais -- -- 23% 22% 18% 24,60 24,40 23,60 2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (CLIENTES PARTICULARES) - FOLHETO DE COMSÕES E DESPESAS Entrada em vigor: 17-agosto-2015 2.1. Crédito à Habitação e Contratos Conexos - Crédito Habitação para Residentes [2.1.20150922.18]

Leia mais

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL ITICCRD_20150701 Caixa ITIC CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS,

Leia mais

4,567% 35, Arrendamento: 20 anos). Ver Nota (1) Crédito Habitação Regime Deficientes Civis - 0,739% 5,641%

4,567% 35, Arrendamento: 20 anos). Ver Nota (1) Crédito Habitação Regime Deficientes Civis - 0,739% 5,641% 18. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (CLIENTES PARTICULARES) FOLHETO DE TAXAS DE JURO Entrada em vigor: 7setembro2015 18.1. Crédito à Habitação e Contratos Conexos [18.1.20150923.08] Empréstimos em Taxa Variável Crédito

Leia mais

(a) (b) Aviso n.º 17/2012, de 17 de dezembro, que regulamenta o Regime Geral; (c)

(a) (b) Aviso n.º 17/2012, de 17 de dezembro, que regulamenta o Regime Geral; (c) Entendimentos do Banco de Portugal sobre o novo quadro legal e regulamentar relativo à prevenção e regularização do incumprimento de contratos de crédito celebrados com clientes bancários particulares

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de Comissões e Despesas

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Estas são as condições gerais do Empréstimo, solicitado e contratado por você. Leia atentamente estas condições gerais, que serão aplicáveis durante todo o período

Leia mais

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL MMORECLD_20150701 Miles & More da Caixa Classic CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação CAIXA

Leia mais

Lei n. o 64/2014 26-08-2014

Lei n. o 64/2014 26-08-2014 Lei n. o 64/2014 26-08-2014 Assunto: Aprova o regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência e revoga os Decretos-Leis n. os 541/80, de 10 de novembro, e 98/86, de 17 de

Leia mais

PROPOSTA DE VALOR PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ADVOGADOS CONDIÇÕES

PROPOSTA DE VALOR PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ADVOGADOS CONDIÇÕES PROPOSTA DE VALOR PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ADVOGADOS CONDIÇÕES Cartão Ordem dos Advogados Um cartão de crédito PERSONALIZADO E DIFERENCIADOR com vantagens únicas para a classe profissional COMPRE AGORA

Leia mais

Decreto-Lei n.º 349/98, de 11 de Novembro, Estabelece o regime jurídico de concessão de crédito à habitação própria

Decreto-Lei n.º 349/98, de 11 de Novembro, Estabelece o regime jurídico de concessão de crédito à habitação própria 1/34 Decreto-Lei n.º 349/98, de 11 de Novembro, Estabelece o regime jurídico de concessão de crédito à habitação própria JusNet 216/1998 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 261, Série

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN No-328, DE 22 DE ABRIL DE 2013 Altera a Resolução Normativa - RN 4, de 19 de abril de 2002, que dispõe sobre o parcelamento de débitos tributários e não tributários para com a

Leia mais

Banco Popular - Simulador Crédito Habitação

Banco Popular - Simulador Crédito Habitação Página 1 de 16 Ficha de Informação Normalizada de Crédito à Habitação, de Crédito Conexo e de Outro Crédito Hipotecário PARTE I - CONDIÇÕES FINANCEIRAS DO CRÉDITO À HABITAÇÃO Imprimir A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Módulos de Formação 2013

Módulos de Formação 2013 Módulos de Formação 2013 Documento de trabalho Editores Banco de Portugal Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Instituto de Seguros de Portugal Design, impressão e acabamento Banco de Portugal Departamento

Leia mais

Projeto de resolução n.º 308/XII Recomenda ao Governo a criação de um Fundo de Garantia ao Crédito à Habitação. Exposição de motivos

Projeto de resolução n.º 308/XII Recomenda ao Governo a criação de um Fundo de Garantia ao Crédito à Habitação. Exposição de motivos Projeto de resolução n.º 308/XII Recomenda ao Governo a criação de um Fundo de Garantia ao Crédito à Habitação Exposição de motivos Os últimos meses têm revelado um aumento preocupante e muito significativo

Leia mais

Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS

Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Preçário SOFINLOC - INSTITUICAO FINANCEIRA DE CREDITO, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Entrada em vigor: 1-out-2015

Leia mais

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto das Comissões

Leia mais

Responsabilidades no crédito II

Responsabilidades no crédito II Responsabilidades no crédito II PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 26 DE MARÇO DE 2012 POR JM A Central de Responsabilidades de Crédito do Banco de Portugal tem como principal objectivo apoiar

Leia mais

Código de Conduta Voluntário de Crédito Habitação

Código de Conduta Voluntário de Crédito Habitação Código de Conduta Voluntário de Crédito Habitação Indíce ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR 3 ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO

Leia mais

CONTRATO DE MÚTUO. * Celebram o presente Contrato de Mútuo que se rege pelas Cláusulas seguintes:--------------------------

CONTRATO DE MÚTUO. * Celebram o presente Contrato de Mútuo que se rege pelas Cláusulas seguintes:-------------------------- CONTRATO DE MÚTUO Primeira Contraente: --------------------------------------------------------------------------------------------------- CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DA COSTA AZUL, C. R. L., com sede

Leia mais

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA Protocolo exclusivo. Soluções Financeiras ANEXO I Aproveite o Protocolo BBVA para realizar os seus projectos pessoais. O Banco Bilbao Vizcaya Argentaria, coloca ao seu dispor um conjunto de Produtos e

Leia mais

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma.

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma. Decreto-Lei N.º 512/99 De 24 de Novembro Cria um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior A Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro - Lei de Bases do Financiamento do Ensino Superior Público

Leia mais

Literacia Financeira para Jovens Universitários 30.04.2013

Literacia Financeira para Jovens Universitários 30.04.2013 Literacia Financeira para Jovens Universitários 30.04.2013 Segundo os Princípios estabelecidos pelo Plano Nacional de Formação Financeira e definidos pelo Conselho Nacional de Supervisores Financeiros,

Leia mais

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto das Comissões

Leia mais

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto das Comissões

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais