HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS"

Transcrição

1 HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS

2 DEFINIÇÕES EVENTRAÇÃO EVISCERAÇÃO HÉRNIA

3 eventração

4 eventração

5 eventração

6 evisceração

7 HÉRNIAS Hérnias abdominais Hérnia abdominal interna Hérnias verdadeiras Hérnias falsas

8 Partes da hérniah Anel Saco herniário Conteúdo

9 status do conteúdo herniário rio Redutível x não redutível Encarcerada Estrangulada

10 PRINCÍPIOS PIOS DE REPARO DAS HÉRNIAS 1 Reduzir a hérnia Geralmente abordagem local Pode ser necessário ampliar o defeito Técnica atraumática Liberação e aderências Cuidado no reposicionamento

11 PRINCÍPIOS PIOS DE REPARO DAS HÉRNIAS 2 Checar a viabilidade do conteúdo herniário Ressecção de parte ou totalidade dos órgãos desvitalizados Reposicionar pedículos rotacionados antes de excisar

12 PRINCÍPIOS PIOS DE REPARO DAS HÉRNIAS 4 Obliterar o espaço-morto Se necessário, usar drenos

13 PRINCÍPIOS PIOS DE REPARO DAS HÉRNIAS 5 Eliminar a causa predisponente

14 PRINCÍPIOS PIOS DE REPARO DAS HÉRNIAS 6 Manejo de hérnias congênitas Evitar reprodução de animais afetados

15 HÉRNIAS ABDOMINAIS 1- H. paracostal 2- H. dorsal lateral 3- H. inguinal 4- Ruptura do ligamento pubiano cranial (h. pré-pubica) 5 H. femoral 6- H. umbilical 7- H. ventral 8- H. escrotal

16 Hérnias Abdominais Etiologia: Congênitas Onfalocele Adquiridas

17 Hérnias Abdominais Epidemiologia Umbilicais mais comuns Caráter herdado Raças Airedale Terrier, Basenji, Pequinês, Weinmaraner e Pointer Pode ocorrer em gatos

18 Hérnias Abdominais Diagnóstico Histórico / anamnese Animais jovens ou depois de trauma Massa arredondada, macia na cicatriz umbilical Estrangulamento

19 Hérnias Abdominais Diagnóstico Exame Físico Palpação massa macia, conteúdo redutível ou não, anel herniário Palpar o animal em decúbito dorsal Avaliar outros defeitos congênitos

20 Hérnias Abdominais Diagnóstico por imagem Radiografia Não é necessária em hérnias umbilicais Indicação quando não é possível palpar o defeito na parede Observa-se a presença de alças intestinais ou outros órgãos fora da cavidade e/ou perda da linha de continuidade da parede

21 Hérnias Abdominais Diagnóstico por imagem Ultra-sonografia Indicada para melhor avaliação do conteúdo

22 Hérnias Abdominais Diagnóstico Diferencial Abscessos Celulite Hematoma / seroma Neoplasia

23 Hérnias Abdominais Tratamento Conservativo Filhotes fechamento espontâneo até 6 meses Pequenas hérnias redutíveis em adultos Pode-se realizar a cirurgia junto com procedimentos eletivos (ex: castração)

24 Hérnias Abdominais Tratamento Cirúrgico Hérnias com aproximadamente a largura do intestino Hérnias que contenham órgãos abdominais Hérnias encarceradas ou estranguladas emergência cirúrgica

25 HÉRNIAS ABDOMINAIS CAUDAIS HÉRNIA INGUINAL HÉRNIA ESCROTAL HÉRNIA FEMURAL

26 Hérnia Inguinal Epidemiologia Geralmente adquiridas Relativamente freqüente em cães Acomete fêmeas de meia-idade Não há predileção por raça

27 Anatomia do anel inguinal

28 Hérnia Inguinal Patogenia Fatores predisponentes Anatômicos Hormonais (estrógenos) Metabólicos

29 Hérnia Inguinal Sinais clínicos Massa indolor, uni ou bilateral, consistência macia a firme na região inguinal Acomete mais o lado esquerdo Aspecto e tamanho variáveis Conteúdo omento, gordura, útero, intestino delgado, bexiga, colo e baço

30 Hérnia Inguinal

31 Hérnia Inguinal Diagnóstico Exame clínico e palpação Elevação dos membros posteriores Radiografia visibilização do conteúdo Ultra-sonografia

32 Hérnia Inguinal Diagnóstico Diferencial Neoplasia mamária Lipomas Linfadenomegalia Abscesso Hematoma

33 Hérnia Inguinal Tratamento Cirúrgico Cirurgia precoce Abordagem mediana Evita incisão do tecido mamário Permita abordagem dos dois canais Facilita a laparotomia Herniorrafia tradicional Realizar castração

34 Hérnia Inguinal- Cirurgia

35 Hérnia Inguinal- Cirurgia

36 Hérnia Inguinal- Cirurgia

37 Hérnia Inguinal- Cirurgia

38 Hérnia Inguinal- Cirurgia

39 Hérnia Inguinal- Cirurgia

40 Hérnia Inguinal- Cirurgia

41 Hérnia Inguinal- Cirurgia

42 Hérnia Escrotal Epidemiologia Rara em cães Geralmente unilateral

43 Hérnia Escrotal Patogenia Suspeita-se de hereditariedade Defeito anatômico congênito ou fraqueza muscular Pode estar associada a trauma

44 Hérnia Escrotal Sinais clínicos Aumento de volume alongado, unilateral, do anel inguinal até a porção caudal do escroto Estrangulada escurecimento dos tecidos, edema e dor à palpação Conteúdo gordura periprostática, omento e intestinos

45 Hérnia Escrotal Diagnóstico Confirmado por palpação e redução do conteúdo Ultra-sonografia Diagnóstico Diferencial Inflamação escrotal, orquite, neoplasia

46 Hérnia Escrotal Tratamento cirúrgico Deve ser realizado o mais cedo possível Incisão da pele sobre ou ao lado do anel inguinal, paralela à prega da pele Herniorrafia Pode ser feita sem ou com castração (evita a recidiva)

47 Hérnia Escrotal Hérnia escrotal incisão cirúrgica Fossum, 1997

48 Fossum, 1997 Hérnia Escrotal- Procedimento cirúrgico rgico com castração

49 Fossum, 1997 Hérnia Escrotal- Procedimento cirúrgico rgico sem castração

50 Hérnia Femural Epidemiologia Ocorrência rara em pequenos animais Etiologia desconhecida Pode ser iatrogênica (pectinectomia)

51 Hérnia Femural Fossum, 1997

52 Hérnia Femural Sinais clínicos Similar à hérnia inguinal Aumento de volume na face medial da coxa, estendendo-se até a região inguinal Diagnóstico Palpação e redução

53 Hérnia Femural Tratamento Cirúrgico Pode ser direto ou através de laparotomia Cuidado com estruturas vitais

54 Hérnia Perineal Epidemiologia Relatada em cães, gatos, humanos, vacas e éguas Acomete machos de meia-idade (7-9 anos) Raças: Boston terrier, Boxer, Collie, daschshund, pequines, Sheepdog Geralmente unilateral

55 Slatter, 1993 Diafragma PélvicoP

56 Hérnia Perineal Patogenia Fatores predisponentes Atrofia muscular ou miopatias Atrofia senil Atrofia neurogênica Fatores hormonais (efeito androgênico) associado a neoplasias testiculares

57 Hérnia Perineal Patogenia Fatores predisponentes Aumento prostático Condições que causam disquezia Prostatite / cistite Obstrução urinária Dilatação / divertículo retal Inflamação perianal

58 Hérnia Perineal Patogenia Fatores determinantes Fragilidade muscular acúmulo de fezes distensão ou saculação retal Esforço para defecar + aumento da pressão intra-abdominal protrusão do reto através da musculatura

59 Hérnia Perineal Sinais clínicos Aumento de volume perineal redutível + um ou mais destes sintomas: Constipação, obstipação, tenesmo e disquezia Aumento geralmente ventrolateral ao ânus Estrangúria aumento prostático ou retroflexão da bexiga

60 Hérnia Perineal

61 Hérnia Perineal

62 Hérnia Perineal

63 Hérnia Perineal

64 Hérnia Perineal

65 Hérnia Perineal Sinais clínicos Ocasionais: ulceração e inflamação da pele, incontinência fecal e urinária e alteração postural da cauda Conteúdo saculação ou flexura retal, próstata, líquido, tecido conjuntivo, gordura retroperitoneal, bexiga, jejuno, cisto prostático ou colo

66 Hérnia Perineal

67 Hérnia Perineal Tratamento Conservativo Realizado como adjuvante à cirurgia Dieta rica em fibra Laxativos formadores de massa (psyllium) Laxativos osmóticos (docusatos, lactulona) Terapia hormonal (visa reduzir a próstata) castração, antiandrogênicos

68 Hérnia Perineal Tratamento Cirúrgico Procedimentos pré-operatórios Cateterização urinária /cistocentese Fluidoterapia Radiografia (trânsito intestinal) Enema (12 a 18 horas antes da cirurgia) Jejum (24 horas)

69 Hérnia Perineal - cistocentese

70 Hérnia Perineal Tratamento Cirúrgico 1- incisão padrão 2- transposição do glúteo A- crista ilíaca B- trocanter maior do femur C- tuberosidade isquiática D- sutura em bolsa de tabaco

71 Hérnia Perineal - Cirurgia

72 Hérnia Perineal Tratamento Cirúrgico Herniorrafia tradicional A- musc. coccígeo B- esfincter anal externo C- musc. obturador interno D- nervo pudendo

73 Hérnia Perineal - Cirurgia

74 Hérnia Perineal - Cirurgia

75 Hérnia Perineal - Cirurgia

76 Hérnia Perineal - Cirurgia

77 Hérnia Perineal - Cirurgia

78 Hérnia Perineal Tratamento Cirúrgico Elevação do músculo obturador interno

79 Hérnia Perineal Tratamento Cirúrgico Colocação de próteses Sintéticas Membranas biológicas

80 Hérnia Perineal - Cirurgia

81 Hérnia Perineal - Cirurgia

82 Hérnia Perineal - Cirurgia

83 Hérnia Perineal - Cirurgia

84 Hérnia Perineal - Cirurgia

85 Hérnia Perineal - Cirurgia

86 Hérnia Perineal - Cirurgia

87 Hérnia Perineal Tratamento Cirúrgico Complicações Infecção cirúrgica Incontinência fecal (lesão do nervo pudendo ou caudais) Tenesmo Prolapso retal Disfunção urinária

88 Hérnia Perineal Tratamento Cirúrgico Complicações Paralisia do nervo ciático (claudicação temporária ou permanente) Recidiva da hérnia (erro de técnica ou fraqueza muscular) Herniação contralateral

João Moreira da Costa Neto

João Moreira da Costa Neto HÉRNIAS João Moreira da Costa Neto HÉRNIAS PROTUSÃO/PROJEÇÃO DE UM ÓRGÃO OU PARTE ATRAVÉS DE DEFEITO NA PAREDE DA CAVIDADE ANATÔMICA ONDE O ÓRGÃO ESTÁ SITUADO. PROLASO DE DISCO INTERVERTEBRAL HÉRNIAS ABDOMINAIS

Leia mais

Prof. Diogo Mayer Fernandes Clínica Cirúrgica Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados

Prof. Diogo Mayer Fernandes Clínica Cirúrgica Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados Prof. Diogo Mayer Fernandes Clínica Cirúrgica Medicina Veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados CONCEITOS E DEFINIÇÕES HÉRNIAS ABDOMINAIS INTERNAS Passagem de conteúdo abdominal por um orifício interno

Leia mais

HERNIA INGUINAL INDIRETA EM FELINO ASSOCIADA À INGESTÃO DE CORPO ESTRANHO RELATO DE CASO

HERNIA INGUINAL INDIRETA EM FELINO ASSOCIADA À INGESTÃO DE CORPO ESTRANHO RELATO DE CASO HERNIA INGUINAL INDIRETA EM FELINO ASSOCIADA À INGESTÃO DE CORPO ESTRANHO RELATO DE CASO THAÍS GUIMARÃES MORATO ABREU 1, GABRIELA RODRIGUES SAMPAIO 2, PAULA BAÊTA DA SILVA RIOS 3, LÍVIA DE PAULA COELHO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE PERICÁDIO BOVINO NA HERNIORRAFIA PERINEAL EM CÃES RELATO DE DOIS CASOS

UTILIZAÇÃO DE PERICÁDIO BOVINO NA HERNIORRAFIA PERINEAL EM CÃES RELATO DE DOIS CASOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 UTILIZAÇÃO DE PERICÁDIO BOVINO NA HERNIORRAFIA PERINEAL EM CÃES RELATO DE DOIS CASOS Clarisse Guillem Cardoso¹, Danilo Roberto Custódio Marques², Thiago

Leia mais

23/08/2016 HÉRNIAS HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS HÉRNIAS HÉRNIAS PARTES DE UMA HÉRNIA: CLASSIFICAÇÃO PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO:

23/08/2016 HÉRNIAS HÉRNIAS EM PEQUENOS ANIMAIS HÉRNIAS HÉRNIAS PARTES DE UMA HÉRNIA: CLASSIFICAÇÃO PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO: EM PEQUENOS ANIMAIS PROFA. MSC. ANALY RAMOS MENDES PARTES DE UMA HÉRNIA: DEFINIÇÃO: Saída de uma víscera de seu local de origem através de um anel herniário PARTES DE UMA HÉRNIA: Anel herniário Saco herniário:

Leia mais

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário

Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES. Traumatismos. Urolitíase. Neoplasias. Infecções do trato t urinário CIRURGIAS DO OSS SISTEMA URINÁRIO Prof. Dr. João Moreira da Costa Neto Departamento de Patologia e Clínicas Escola de Medicina Vetrinária -UFBA Cirurgias do sistema urinário INDICAÇÕES Traumatismos Urolitíase

Leia mais

PATOLOGIAS INGUINO-ESCROTAL NA CRIANÇA

PATOLOGIAS INGUINO-ESCROTAL NA CRIANÇA Hérnia umbilical Hérnia inguinal Hérnia escrotal Hérnia genital Fimose Distopias testiculares o Criptoquirdia o Testículo retido o Testículo retrátil o Testículo ectópico Trauma testicular PATOLOGIAS INGUINO-ESCROTAL

Leia mais

Hérnia Inguinal. HGJ Serviço de Cirurgia Geral Dr. Antonio Marcilio F. Neves Sessão Clínica de 22/04/10 Douglas Machado Caetano (R2)

Hérnia Inguinal. HGJ Serviço de Cirurgia Geral Dr. Antonio Marcilio F. Neves Sessão Clínica de 22/04/10 Douglas Machado Caetano (R2) Hérnia Inguinal HGJ Serviço de Cirurgia Geral Dr. Antonio Marcilio F. Neves Sessão Clínica de 22/04/10 Douglas Machado Caetano (R2) Introdução Hérnia é derivada do latim ruptura; Definida como uma protusão

Leia mais

20/4/2017 DEFINIÇÃO. Protrusão/projeção de órgão (ou parte dele) por um defeito na parede da cavidade anatômica na qual está contido.

20/4/2017 DEFINIÇÃO. Protrusão/projeção de órgão (ou parte dele) por um defeito na parede da cavidade anatômica na qual está contido. DEFINIÇÃO Prof a. Dr a. Aline A. Bolzan VCI/FMVZ/USP Protrusão/projeção de órgão (ou parte dele) por um defeito na parede da cavidade anatômica na qual está contido. EVENTRAÇÃO EVISCERAÇÃO DEFINIÇÃO Protrusão/projeção

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

Parede Abdominal. Isabel Pimentel Rosa Santos Rui Campos Rui Fonseca. Turma E

Parede Abdominal. Isabel Pimentel Rosa Santos Rui Campos Rui Fonseca. Turma E Parede Abdominal Isabel Pimentel Rosa Santos Rui Campos Rui Fonseca Turma E Ano lectivo 2006/2007 Anatomia Camadas constituintes da parede abdominal: Pele Tecido celular subcutâneo Fáscia de Scarpa Músculos

Leia mais

Hospital Cardoso Fontes. Rebeka Cavalcanti Maio 2008

Hospital Cardoso Fontes. Rebeka Cavalcanti Maio 2008 Hospital Cardoso Fontes Rebeka Cavalcanti Maio 2008 Caso clínico n⁰1 M.F.S, masculino, 37 anos, casado, natural da Bahia, vendedor HDA: Paciente relatando herniorrafia inguinal bilateral de emergência

Leia mais

Curso de Medicina da ULBRA 2.004/01 Departamento de Pediatria Área Cirurgia Pediátrica - Prof. Lionel Leitzke. CIRURGIA PEDIÁTRICA na PAREDE ABDOMINAL

Curso de Medicina da ULBRA 2.004/01 Departamento de Pediatria Área Cirurgia Pediátrica - Prof. Lionel Leitzke. CIRURGIA PEDIÁTRICA na PAREDE ABDOMINAL Curso de Medicina da ULBRA 2.004/01 Departamento de Pediatria Área Cirurgia Pediátrica - Prof. Lionel Leitzke CIRURGIA PEDIÁTRICA na PAREDE ABDOMINAL Afecções cirúrgicas da região umbilical Hérnia Umbilical

Leia mais

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges RADIOGRAFIA ABDOMINAL Profª Drª Naida Cristina Borges Produção de Radiografias Diagnósticas Preparo adequado jejum/enema Pausa da inspiração evita o agrupamento das vísceras Indicações para a Radiologia

Leia mais

5ªs Jornadas de Medicina Desportiva do Leixões Sport Clube

5ªs Jornadas de Medicina Desportiva do Leixões Sport Clube 5ªs Jornadas de Medicina Desportiva do Leixões Sport Clube Centro de Congressos de Matosinhos Matosinhos, 23 de Abril de 2010 Hospital de S. João - Faculdade de Medicina - 1 PERSPECTIVA DO ORTOPEDISTA

Leia mais

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA HEMORRÓIDAS: PROCTOLOGIA DilataÅÉes varicosas dos plexos artñrio-venosos hemorroidörios situados na regiço anorretal, causadas por aumento na pressço hidrostötica no plexo venoso hemorroidörio. Podem ser

Leia mais

17/02/2012. Diafragma

17/02/2012. Diafragma Diafragma Topografia Repouso - linha retilínea da 7º costela à 13º costela. Inspiração - linha ligeiramente convexa da 7º costela à 3º vértebra lombar. Expiração - linha convexidade cranial da 7º costela

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica Medicina Veterinária FAD

Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica Medicina Veterinária FAD Prof. Diogo Mayer Fernandes Disciplina de Técnica Cirúrgica Medicina Veterinária FAD Incisão cirúrgica para acesso à cavidade abdominal SINÔNIMO Celiotomia TERMOS Abdômen Agudo = Alteração repentina dos

Leia mais

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa

Centro Médico. Plínio de Mattos Pessoa Centro Médico Será solicitado que você coloque uma bata cirúrgica. Poderá receber um sedativo pela boca. Será então transferido para a mesa de operações. Você será submetido a uma anestesia peridural ou

Leia mais

www.ettinger.med.br Hérnia Inguinal Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral

www.ettinger.med.br Hérnia Inguinal Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral www.ettinger.med.br Hérnia Inguinal Manual do paciente João Ettinger Euler Ázaro Paulo Amaral Copyright BGC- 2009 1 O que é uma hérnia abdominal? Hérnia é uma protrusão (abertura) na parede abdominal causada

Leia mais

RADIOLOGIA DO ESÔFAGO

RADIOLOGIA DO ESÔFAGO RADIOLOGIA DO ESÔFAGO Esofagograma : administração de substância com densidade diferente do órgão. São elas sulfato de bário (rotina) e soluções iodadas (casos de suspeita de ruptura) na dose de 2 a 6

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Hérnia Inguinal. O que é uma hérnia abdominal? Hérnia é a protrusão (saliência ou abaulamento) de uma víscera ou órgão através de

Leia mais

Hérnias Inguinal: Crural ou Femoral: Umbilical: Epigástrica: Incisional:

Hérnias Inguinal: Crural ou Femoral: Umbilical: Epigástrica: Incisional: Hérnias A definição clássica de hérnia é a saída de uma estrutura (órgão ou tecido) de sua cavidade normal através de uma abertura congênita ou adquirida. Elas podem ser classificadas de acordo com a sua

Leia mais

ARTIGO DE REVISÃO DE CIÊNCIAS VETERINÁRIAS. Fernando Ferreira 1 e Esmeralda Delgado 2

ARTIGO DE REVISÃO DE CIÊNCIAS VETERINÁRIAS. Fernando Ferreira 1 e Esmeralda Delgado 2 ARTIGO DE REVISÃO R E V I S T A P O R T U G U E S A DE CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Hérnias perineais nos pequenos animais Perineal hernias in small animals Fernando Ferreira 1 e Esmeralda Delgado 2 1 Secção

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

Escroto Agudo: Diagnóstico e Tratamento

Escroto Agudo: Diagnóstico e Tratamento Escroto Agudo: Diagnóstico e Tratamento Autoria: Sociedade Brasileira de Urologia Colégio Brasileiro de Radiologia Elaboração Final: 27 de junho de 2006 Participantes: Dénes FT, Souza NCLB, Souza AS O

Leia mais

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO

RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO RADIOLOGIA DO SISTEMA URINÁRIO Aspectos Radiográficos Normais de Rins e Ureteres Visualização variável da imagem renal quanto ao número, forma, contorno, tamanho, posição e densidade (intermediária entre

Leia mais

Obstrução Intestinal no Adulto

Obstrução Intestinal no Adulto Obstrução Intestinal no Adulto Dra. Ana Cecília Neiva Gondim Cirurgia Geral / Coloproctologia Serviço de Coloproctologia do HUWC/UFC Introdução Obstrução intestinal é causa frequente de abdome agudo 20%

Leia mais

PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA

PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA HÉRNIAS RENATO LINHARES SAMPAIO INTRODUÇÃO CONCEITO É A PROTRUSÃO, INSINUAÇÃO OU PASSAGEM DE UM ÓRGÃO OU PARTE DELE, DE SUA CAVIDADE ORIGINAL PARA OUTRA VIZINHA, ATRAVÉS DE

Leia mais

Profª. Drª. Josaine C. S. Rappeti Pedrozo Médica Veterinária

Profª. Drª. Josaine C. S. Rappeti Pedrozo Médica Veterinária OVARIOSALPINGOHISTERECTOMIA (OSH) EM PEQUENOS ANIMAIS Ovariosalpingohisterectomia remoção dos ovários, trompas e útero. Indicações: Esterilização eletiva, suspensão de cio, tumores ovarianos, cistos ovarianos,

Leia mais

Anatomia da Reprodução Masculina

Anatomia da Reprodução Masculina FUPAC Fundação Presidente Antônio Carlos Faculdade Presidente Antônio Carlos de Uberlândia CURSO: MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA: FISIOPATOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Anatomia da Reprodução Masculina Prof.

Leia mais

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA

AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA AFECÇÕES TORÁCICAS CIRÚRGICAS EM PEDIATRIA Diafragma Hérnia diafragmática o Hérnia de Bochdalek o Hérnia de Morgagni o Hérnia do hiato esofágico o Hérnia traumática Eventração ou elevação Ausência congênita

Leia mais

UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA. DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA IV e V

UNIC - UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA. DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA IV e V UNIC UNIVERSIDADE DE CUIABÁ FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS APLICADAS A MEDICINA VETERINÁRIA IV e V Roteiro de aula prática de Anatomia Veterinária Prof a. Juliana

Leia mais

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem SAÚDE DO HOMEM Por preconceito, muitos homens ainda resistem em procurar orientação médica ou submeter-se a exames preventivos, principalmente os de

Leia mais

HERNIORRAFIA PERINEAL COM TELA DE POLIPROPILENO EM CÃO RELATO DE CASO HERNIORRAFIA PERINEAL WITH POLYPROPYLENE SCREEN IN DOG: CASE REPORT

HERNIORRAFIA PERINEAL COM TELA DE POLIPROPILENO EM CÃO RELATO DE CASO HERNIORRAFIA PERINEAL WITH POLYPROPYLENE SCREEN IN DOG: CASE REPORT HERNIORRAFIA PERINEAL COM TELA DE POLIPROPILENO EM CÃO RELATO DE CASO HERNIORRAFIA PERINEAL WITH POLYPROPYLENE SCREEN IN DOG: CASE REPORT Leonardo Martins LEAL Mestrando em Cirurgia Veterinária, Departamento

Leia mais

Cisto Poplíteo ANATOMIA

Cisto Poplíteo ANATOMIA Cisto Poplíteo O Cisto Poplíteo, também chamado de cisto de Baker é um tecido mole, geralmente indolor que se desenvolve na parte posterior do joelho. Ele se caracteriza por uma hipertrofia da bolsa sinovial

Leia mais

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE

EXAME DO QUADRIL E DA PELVE EXAME DO QUADRIL E DA PELVE Jefferson Soares Leal O quadril é composto pela articulação coxofemural e a pelve pelas articulações sacroilíacas e pela sínfise púbica. O exame do quadril e da pelve devem

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO AMBULATORIAL

PROTOCOLO DE ATENDIMENTO AMBULATORIAL PROTOCOLO DE ATENDIMENTO AMBULATORIAL QUAIS AFECÇÕES CIRÚRGICAS DEVERÃO SER ENCAMINHADAS DAS UBS PARA O HOSPITAL SANTA MARCELINA? CIRURGIA PEDIÁTRICA FIMOSE HÉRNIA UMBILICAL HÉRNIA INGUINAL Dificuldade

Leia mais

CURSOS PRÉ-CONGRESSO MÓDULO I - MOTILIDADE DIGESTIVA BAIXA Hotel Serra Azul, Gramado, 24 de Setembro de 2008

CURSOS PRÉ-CONGRESSO MÓDULO I - MOTILIDADE DIGESTIVA BAIXA Hotel Serra Azul, Gramado, 24 de Setembro de 2008 1 MÓDULO I - MOTILIDADE DIGESTIVA BAIXA Hotel Serra Azul, Gramado, 24 de Setembro de 2008 08:00 08:15 Etiopatogenia da Incontinência Anal 08:15 08:30 Etiopatogenia da Constipação Intestinal 08:30 08:45

Leia mais

ACHADOS ULTRA-SONOGRÁFICOS EM RUPTURA DE TENDÃO PRÉ-PÚBICO EM ÉGUA RELATO DE CASO

ACHADOS ULTRA-SONOGRÁFICOS EM RUPTURA DE TENDÃO PRÉ-PÚBICO EM ÉGUA RELATO DE CASO ACHADOS ULTRA-SONOGRÁFICOS EM RUPTURA DE TENDÃO PRÉ-PÚBICO EM ÉGUA RELATO DE CASO Kate Moura da Costa Barcelos 1 ; Anna Paula Balesdent Barreira 2 ; Daniel Augusto Barroso Lessa 3 ABSTRACT: BARCELOS, K.M.C.;

Leia mais

Pontos Gatilho da parede abdominal

Pontos Gatilho da parede abdominal Pontos Gatilho da parede abdominal Paula Barbeiro, Odete Tomé Sociedade Portuguesa Médica de Acupunctura Coimbra, 30 Novembro 2015 Unidade Multidisciplinar de Dor Crónica do Centro Hospitalar Lisboa Norte

Leia mais

COLOPEXIA E DEFERENTOPEXIA ASSOCIADAS À OMENTOPEXIA NA TERAPÊUTICA CIRÚRGICA DA HÉRNIA PERINEAL EM CÃES MARIO JORGE MELHOR HEINE D ASSIS

COLOPEXIA E DEFERENTOPEXIA ASSOCIADAS À OMENTOPEXIA NA TERAPÊUTICA CIRÚRGICA DA HÉRNIA PERINEAL EM CÃES MARIO JORGE MELHOR HEINE D ASSIS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA MESTRADO EM CIÊNCIA ANIMAL NOS TRÓPICOS COLOPEXIA E DEFERENTOPEXIA ASSOCIADAS À OMENTOPEXIA NA TERAPÊUTICA CIRÚRGICA DA HÉRNIA PERINEAL EM CÃES

Leia mais

TÉCNICAS CIRÚRGICAS NOS INTESTINOS

TÉCNICAS CIRÚRGICAS NOS INTESTINOS TÉCNICAS CIRÚRGICAS NOS INTESTINOS INTESTINOS - ANATOMIA Intestino de carnívoros 2 a 5 vezes o comprimento do tronco Intestino delgado 4 vezes o tamanho do grosso INTESTINOS - ANATOMIA DUODENO Relativamente

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Radiografia simples e contrastada (sulfato de bário e iodinas) Endoscopia AFECÇÕES CIRÚRGICAS DO ESÔFAGO Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos DIAGNÓSTICO DA DOENÇA ESOFÁGICA SINAIS CLÍNICOS Regurgitação Disfagia, dificuldade de preensão Ptialismo Tosse, estertores Dispnéia

Leia mais

Comprometimento esofágico (torácico) Obstrução por corpo estranho; Perfuração do esôfago por corpo estranho; Divertículo esofágico; Neoplasias;

Comprometimento esofágico (torácico) Obstrução por corpo estranho; Perfuração do esôfago por corpo estranho; Divertículo esofágico; Neoplasias; CIRURGIA TORÁCICA Toracotomia ABERTURA E O FECHAMENTO DA CAVIDADE TORÁCICA INDICAÇÕES Comprometimento esofágico (torácico) Obstrução por corpo estranho; Perfuração do esôfago por corpo estranho; Divertículo

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

Afecções Ano Retais. Disciplina de Cirurgia Proctológica. Paulo César

Afecções Ano Retais. Disciplina de Cirurgia Proctológica. Paulo César Afecções Ano Retais Disciplina de Cirurgia Proctológica Paulo César Hemorroida Hemorroida Doença hemorroidária: Ocorre quando há congestão, dilatação e aumento dos plexos cavernosos, formando grandes emaranhados

Leia mais

CELIOTOMIA 2/9/2016 CELIOTOMIA. CELIOTOMIA (laparotomia mediana) DEFINIÇÃO CLASSIFICAÇÃO:

CELIOTOMIA 2/9/2016 CELIOTOMIA. CELIOTOMIA (laparotomia mediana) DEFINIÇÃO CLASSIFICAÇÃO: Prof a. Dr a. Aline A. Bolzan DEFINIÇÃO Abertura cirúrgica da cavidade abdominal, em qualquer região. Celio (koilia) = abdome + tomia (tome) = corte (laparotomia mediana) CLASSIFICAÇÃO: de acordo com a

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS CIRÚRGICOS

TABELA DE HONORÁRIOS CIRÚRGICOS 1 TABELA DE HONORÁRIOS CIRÚRGICOS Relação adotada entre peso e porte dos pacientes (P, M, G, Gigante). COD. PROCEDIMENTO VALOR (R$) 1. CIRURGIA 1 Caudectomia terapêutica adulto pequeno 200,00 2 Caudectomia

Leia mais

Prolapsos Cloacais e Outros mais

Prolapsos Cloacais e Outros mais Prolapsos Cloacais e Outros mais Cloaca Câmara onde termina o intestino, oviductos, ureteres e ductos deferentes nos répteis Constituída por 3 partes: Coprodeum porção mais cranial onde termina o recto

Leia mais

CIRURGIA DO ESTÔMAGO. Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos

CIRURGIA DO ESTÔMAGO. Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos CIRURGIA DO Carmen Helena de Carvalho Vasconcellos CIRURGIA DO CUIDADOS ESPECIAIS Presença de vômito desidratação, desequilíbrio eletrolítico e ácido-básico Hematemese ulceração ou úlcera gástrica Pneumonia

Leia mais

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER Próstata Sobre o Câncer Sintomas Diagnóstico e exame Tratamento Recomendações O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

Sistema reprodutor masculino e feminino

Sistema reprodutor masculino e feminino ANATOMIA E FISIOLOGIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS Sistema reprodutor masculino e feminino Valdirene Zabot valdirene@unochapeco.edu.br Introdução O sistema genital masculino está constituído principalmente por:

Leia mais

Oclusão do tubo digestivo

Oclusão do tubo digestivo ABDOME AGUDO O diagnóstico sindrômico de abdome agudo (AA) é caracterizado pela presença de dor abdominal intensa e aguda (horas até 4 dias). O número de causas é enorme e ainda assim, a maioria dos casos

Leia mais

Reparação de prolapsos de órgãos pélvicos

Reparação de prolapsos de órgãos pélvicos Reparação de prolapsos de órgãos pélvicos O prolapso de órgão pélvico é uma condição muito comum, principalmente em mulheres maiores de quarenta anos. Estima-se que a metade das mulheres que têm filhos

Leia mais

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013)

Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Sintomas do trato urinário inferior em homens Resumo de diretriz NHG M42 (Março 2013) Blanker MH, Breed SA, van der Heide WK, Norg RJC, de Vries A, Wolters RJ, van den Donk M, Burgers JS, Opstelten W,

Leia mais

Temas da aula. Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 15/01/2009

Temas da aula. Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 15/01/2009 Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 15/01/2009 Disciplina: Cirurgia Prof.: Dr. Albuquerque Tema da Aula TeóricaTeorico-Prática: Hérnias da parede abdominal Autores: Diva Trigo Equipa Revisora: Miguel Menezes

Leia mais

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica

Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Avaliação da Fisioterapia em Pré e Pós Cirurgia Plástica Ms. Giovana B. Milani Mestre em Ciências pela FMUSP Pós- Graduada em Fisioterapia Dermatofuncional Pós- Graduada em Aparelho locomotor no esporte

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO Identificação do animal Nome/número RG do HV Espécie: Raça: Idade: Sexo: Peso: Cor: Data e hora do

Leia mais

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS INTRODUÇÃO Um grande grupo muscular, que se situa na parte posterior da coxa é chamado de isquiotibiais (IQT), o grupo dos IQT é formado pelos músculos bíceps femoral, semitendíneo

Leia mais

Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 22/11/07

Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 22/11/07 Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 22/11/07 Disciplina: Cirurgia Prof.: Dr.ª Fernanda Quirino Tema da Aula: Hérnias da Parede Abdominal Autores: João Marques Equipa Revisora: Mariana Freire e Samuel Almeida

Leia mais

Cuidados com a gestante. Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG

Cuidados com a gestante. Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG Cuidados com a gestante Profª Drª Rosângela de Oliveira Alves EVZ/UFG Período gestacional Cadelas 56-60 dias Gatas 58-72 dias (63) Data do cruzamento Objetivos Parto seguro Bem-estar da cadela/ gata e

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

Relato de caso: Hiperestrogenismo em cão decorrente de sertolioma

Relato de caso: Hiperestrogenismo em cão decorrente de sertolioma PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Relato de caso: Hiperestrogenismo em cão decorrente de sertolioma Amanda Furjan Rial 1 ; Scharla Walesca 1 ; Vanessa Satie Yamanaka 1 ; Lilian Helena

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DE OSTEOPATIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DE OSTEOPATIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DE OSTEOPATIA Carga Horária: 135h Preço: 1080 Horário de funcionamento: Laboral ou pós laboral Destinatários: fisioterapeutas, enfermeiros, terapeutas ocupacionais, outros profissionais

Leia mais

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA CONTRIBUIÇÃO DA ULTRASSONOGRAFIA NO DIAGNÓSTICO DE LITÍASES EM URETRA PENIANA EM UM SCHNAUZER: RELATO DE CASO NATHALIA BRANT MALTA SALGUEIRO 1, PATRÍCIA DE CASTRO STEHLING 2, PAULA LAISE RIBEIRO DE OLIVEIRA

Leia mais

Alterações ósseas e articulares

Alterações ósseas e articulares Alterações ósseas e articulares Renato Cesar Sacchetto Tôrres Júlio César Cambraia Veado Índice Alterações nutricionais e metabólicas Osteopenia Osteopatia hipertrófica (pulmonar) Hipervitaminose A Osteopatia

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

HÉRNIA INGUINAL DIRETA EM CÃO MACHO NÃO CASTRADO. RELATO DE CASO

HÉRNIA INGUINAL DIRETA EM CÃO MACHO NÃO CASTRADO. RELATO DE CASO HÉRNIA INGUINAL DIRETA EM CÃO MACHO NÃO CASTRADO. RELATO DE CASO Talita Bianchin Borges 1 ; Ana Maria Quessada 2 ; Rallyson Ramon Fernando Barbosa Lopes 3 ; João Moreira da Costa Neto 4 ; Pedro Henrique

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

Dr. Adriano Czapkowski. Ano 2 - Edição 13 - Setembro/2010

Dr. Adriano Czapkowski. Ano 2 - Edição 13 - Setembro/2010 NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 13 - Setembro/2010 Importância da Artéria Epigástrica Inferior Dr. Adriano Czapkowski Graduado pela Faculdade de Medicina de Jundiaí Médico coordenador do curso de 2

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo

Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo Curso de Diagnóstico por Imagem do Abdome Agudo EPM/UNIFESP - Março de 2011 Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo Rogério Caldana Obstrução intestinal 20 % dos casos cirúrgicos de abdome agudo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular.

EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA. Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. EXOFTALMIA/ ENOFTALMIA EXOFTALMIA Definição Protusão do globo ocular, de volume normal, provocada por um processo ocupando espaço retrocular. Fisiopatologia Secundário a um aumento do volume de gordura

Leia mais

Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais

Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais Simpósio: FUNDAMENTOS EM CLÍNICA CIRÚRGICA - 3ª Parte Capítulo V Estomas intestinais (ileostomias e colostomias) e anastomoses intestinais Intestinal stomas (Ileostomy and Colostomy) and intestinal anastomosis

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

5/13/2010. Conjunto de sinais e sintomas específicos previsíveis, que resulta de uma determinada lesão do SNC, SNP ou músculos esqueléticos;

5/13/2010. Conjunto de sinais e sintomas específicos previsíveis, que resulta de uma determinada lesão do SNC, SNP ou músculos esqueléticos; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VETERINÁRIA Conjunto de sinais e sintomas específicos previsíveis, que resulta de uma determinada lesão do SNC, SNP

Leia mais

Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica

Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica André Montillo UVA Anatomia do Quadril Anatomia do Quadril Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica Definição: Bursite Trocanteriana É o Processo Inflamatório da Bursa

Leia mais

O períneo na saúde feminina

O períneo na saúde feminina O períneo na saúde feminina Renata Olah Como vai seu períneo? Conhece ele? Já viu ele? Onde fica? Como é? Conversa sobre ele? Ele está bem? Está mal? Está mais ou menos? É forte? Ou fraco? Doula e Fisioterapeuta

Leia mais

INTUSSUSCEPÇÃO EM CÃES

INTUSSUSCEPÇÃO EM CÃES UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CLÍNICA CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA INTUSSUSCEPÇÃO EM CÃES Lígia Paula Rodrigues Ribeirão Preto, maio de 2008. LÍGIA PAULA RODRIGUES Aluna do

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO

FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO FISIOLOGIA REPRODUTIVA DO MACHO BOVINO O sistema reprodutivo masculino é constituído de diversos órgãos peculiares que atuam em conjunto para produzir espermatozóides e liberá- los no sistema reprodutor

Leia mais

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Prof André Montillo Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Fraturas Proximal do Fêmur: Anatomia: Elementos Ósseos Cabeça do Fêmur Trocanter Maior Colo

Leia mais

Prof.: José Rubens de Andrade

Prof.: José Rubens de Andrade Prof.: José Rubens de Andrade 2º Semestre/2012 Divertículo verdadeiro (congênito) X Pseudodivertículos Pseudodivertículos: Formações saculares provenientes da herniação da mucosa e submucosa através da

Leia mais

Introdução. Comum Primária ou secundária Identificar causa base

Introdução. Comum Primária ou secundária Identificar causa base Piodermite Canina Introdução Comum Primária ou secundária Identificar causa base Bactérias residentes Etiopatogenese Staphylococcus pseudintermedius Não são particularmente virulentos. Necessário distúrbio

Leia mais

Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto FAMERP OBSTRUÇÃO INTESTINAL. Prof. Dr. João Gomes Netinho. Disciplina de Coloproctologia

Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto FAMERP OBSTRUÇÃO INTESTINAL. Prof. Dr. João Gomes Netinho. Disciplina de Coloproctologia Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto FAMERP OBSTRUÇÃO INTESTINAL Prof. Dr. João Gomes Netinho Disciplina de Coloproctologia OBSTRUÇÃO INTESTINAL DEFINIÇÃO Parada de progressão do conteúdo intestinal

Leia mais

Boletim Informativo 6-2007

Boletim Informativo 6-2007 PEETT IMAGEEM I DIAGNÓSSTTI ICOSS VEETTEERRI INÁRRI IOSS TTOI ICCOLLOGI IAA Conforme muitos pedidos de médicos veterinários e também por solicitação de muitos proprietários, podemos contar agora com um

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES MAPA AUDITÓRIO LARGO DA ORDEM (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO 8:15 8-30 TEMA LIVRE SELECIONADO 8:30

Leia mais