A REPRESENTAÇÃO SOBRE OS ÍNDIOS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A REPRESENTAÇÃO SOBRE OS ÍNDIOS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO BRASIL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO POPULAR, COMUNICAÇÃO E CULTURA A REPRESENTAÇÃO SOBRE OS ÍNDIOS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO BRASIL Nayana Rodrigues Cordeiro Mariano João Pessoa- PB 2006

2 NAYANA RODRIGUES CORDEIRO MARIANO A REPRESENTAÇÃO SOBRE OS ÍNDIOS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO BRASIL Dissertação apresentada ao curso de Mestrado do Programa de Pós-graduação em Educação Popular, Comunicação e Cultura, do Centro de Educação, da Universidade Federal da Paraíba, como requisito à obtenção do título de Mestre. Área de Concentração: Fundamentos e Processos em Educação Popular Orientador: Prof Dr. Antonio Carlos Ferreira Pinheiro João Pessoa- PB 2006

3 M333r Mariano, Nayana Rodrigues Cordeiro. A representação sobre os índios nos livros didáticos de história do Brasil/Nayana Rodrigues Cordeiro Mariano.-João Pessoa, p. Orientador: Antonio Carlos Ferreira Pinheiro. Dissertação (Mestrado)-UFPB/CE. 1. Livro didático 2. Índios 3. História da educação. CDU: (043)

4 NAYANA RODRIGUES CORDEIRO MARIANO A REPRESENTAÇÃO SOBRE OS ÍNDIOS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO BRASIL BANCA EXAMINADORA Profº Dr. Antonio Carlos Ferreira Pinheiro Orientador PPGE/UFPB Profº Dr. Ricardo Pinto de Medeiros Membro PPGARQ/UFPE Profª Drª. Regina Célia Gonçalves Membro PPGH/UFPB João Pessoa- PB 2006

5 Para Terezinha e Paulo, meus pais.

6 AGRADECIMENTOS Ao professor Antonio Carlos, agradeço a confiança e a criteriosa orientação ao longo de todo o trabalho. Sua presença foi fundamental para o amadurecimento da minha dissertação. Aos professores Regina Célia Gonçalves e Ricardo pinto de Medeiros, sou grata pelas importantes indicações de leitura e pelas sugestões fundamentais para o desenvolvimento da minha dissertação. Meu agradecimento à professora Rosa Godoy, sempre prestativa e erudita, pelas críticas e sugestões precisas que enriqueceram meu trabalho, bem como por, gentilmente, ter-me cedido valiosos livros. Agradeço ao professor João Azevedo Fernandes, exímio conhecedor da temática indígena, que teceu importantes comentários na feitura desse trabalho. À professora Ariane Norma de M. Sá, pelos incentivos e auxílio com a bibliografia. À Serioja Mariano, minha irmã, pelas leituras incansáveis e pelo incentivo. Esse agradecimento se estende aos meus irmãos Yuri, Giovani, Danuza e Janina. Aos amigos Carmelo, Emmanuel, Luciana, Fabrício e Max, que sempre estiveram por perto, agradeço a presença amiga e os momentos de descontração, espero que tenhamos longos e prazerosos anos de convívio. Minha gratidão a Felipe, Guaraciane, Nina, Ítallo, Vanessa, Waldemar, Laércio e Nadiane, pelo apoio com os livros didáticos, e a Luciana Calissi, pelos empréstimos. Um agradecimento especial a Luciano Lima, pelo estímulo e dedicação que foram essenciais nesse período.

7 RESUMO O presente trabalho analisa a imagem construída sobre os índios nos livros didáticos de História do Brasil. Dessa forma, selecionamos obras produzidas no final do século XIX e início do XX, período em que esses compêndios começaram a ser discutidos e concebidos, bem como manuais escolares atuais (décadas de 1990 e 2000). A partir desse recorte temporal, percebemos a maneira pela qual esses livros abordaram e abordam a temática indígena. Essa temporalidade mostrou-se essencial para avaliarmos mudanças e permanências no tocante ao assunto estudado. Também procuramos entender determinadas representações que foram elaboradas acerca desses povos. Assim, o imaginário produzido pelos cronistas e viajantes a partir do século XVI, as teorias raciais do XIX, o Indianismo, o Positivismo e as abordagens atuais foram discutidas no presente estudo. Contudo, observamos que a temática ainda é relegada a um segundo plano e as sociedades indígenas são pouco pesquisadas e trabalhadas na área de Educação. Tal constatação também foi feita a partir de entrevistas realizadas na rede pública de ensino com alunos que se posicionaram acerca do assunto. A partir dessas análises, o trabalho busca oferecer uma contribuição para a construção de uma visão mais ampla e crítica sobre o tema em questão. Palavras-Chave: Livro Didático, Índios, História da Educação.

8 ABSTRACT The present work aims at analyzing the image of indians built up in textbooks of History of Brazil. In this way, works produced at the end of the 19 th century and at the beginning of the 20 th were selected, together with the current school manuals (decades of 1990 and 2000). Departing from this temporal element, we observed the way used by these books to approach the indigenous issue. This temporality revealed to be essential to evaluate changes and permanencies regarding the topic studied. We attempted to understand certain representations which were made up around these peoples. Being so, the imaginary produced by chroniclers and travelers from the 16 th century, the Indianism, the Positivism and the present approaches were discussed in the present study. Yet, we observed that the topic is still taken for granted and the indigenous societies are little researched in the Education field. Such observation was also done based on interviews carried out in the public teaching institutions with students positioning about the topic. Based on these analyses, the work attempts to offer a contribution to the construction of a broader and more critical view of the topic raised here. Key-words: Textbooks; Indians; History of Education.

9 SUMÁRIO Introdução 9 Capítulo I O Livro Didático e Suas Interfaces O Livro Didático como Objeto de Pesquisa em História da Educação História e Manuais Escolares: O Livro como Objeto Cultural 24 Capítulo II O Encontro Com o Outro: A Imagem dos Índios na Historiografia Do Paraíso à Detração As Teorias Raciais do Século XIX O Indianismo O Indígena e a República 59 Capítulo III A Representação Sobre os Índios na Historiografia Didática A Imagem dos Índios nos Primeiros Manuais Escolares Os Índios nos Livros Didáticos Atuais: Mudanças ou Permanências? 82 Considerações Finais 93 Referências Documentais e Bibliográficas 98

10 9 INTRODUÇÃO Esse trabalho faz uma análise da imagem construída sobre os índios nos livros didáticos de História do Brasil. Para tanto, investigamos dois períodos distintos, analisamos alguns manuais escolares produzidos e utilizados no final do século XIX e início do XX, assim como selecionamos livros didáticos do ensino médio, usados atualmente (décadas de 1990 e 2000). O critério que conduziu à escolha dos livros, foi o seu uso no universo escolar de maneira continuada, isto é, pela grande inserção que possuíam e possuem em suas épocas, formando sucessivas gerações de educandos. A opção de trabalhar nessa temporalidade, abrangendo duas épocas diferentes e inseridas em um tempo longo, envolveu-se ao próprio objeto da pesquisa, pois foi a partir do Oitocentos que esses livros começaram a ser pensados, discutidos e produzidos no Brasil. A escolha de um tempo longo foi necessária para percebermos as mudanças e/ou permanências sobre a temática estudada, visto que, com esse procedimento metodológico, poderíamos melhor compreender o nosso objeto de estudo na sua historicidade. É importante salientar que a persistência de determinadas representações, a conservação de certas práticas, se mostram perceptíveis, essencialmente, na chamada longa duração. Assim conseguimos perceber [...] amplos pedaços de história, sucessão de estruturas ou de modelos de comportamento, que, mais do que se sucederem, se sobrepõem e se encaixam como as telhas de um telhado. (VOVELLE, 1998, p. 75). O interesse pelo tema surgiu a partir da feitura da nossa monografia de final do Curso de Licenciatura em História (UFPB), intitulada A Representação dos Índios na Historiografia Paraibana (MARIANO, 2003), em que percebemos quão lacunar e

11 10 estereotipada é a temática indígena nessa produção. Ademais, constatamos que essa representação genérica também estava presente em muitos livros didáticos, o que demonstra a relevância dessa discussão, tendo em vista que esse é o material impresso mais utilizado no universo escolar, e é a partir dele que os alunos recebem uma gama de informações sobre a alteridade. É interessante ressaltar que, a partir da chegada dos europeus à América, uma considerável elaboração de representações sobre os povos aqui encontrados começou a ser construída. O olhar de estranhamento perante a nova terra e seus habitantes foi relatado por vários cronistas e viajantes desse período. Diante disso, a partir século XVI, duas imagens alicerçaram essas discussões: o bom e o mau selvagem, representações essas que estavam carregadas de elementos que os diferenciavam dos cristãos europeus. A leitura dessa diferença foi feita por muitos pensadores a partir da idéia de falta, isto é, do que estava ausente no outro. Já no século XIX, foi sustentada por diversas correntes de pensamento a tese da extinção dos povos indígenas. A partir, sobretudo, de pressupostos evolucionistas, os índios passaram a ser vistos como primitivos, sendo os europeus, os povos então civilizados, a referência nessa escala evolutiva. Muitos autores, partindo de uma perspectiva utilitária e funcionalista, descreveram os índios a partir da atuação dos europeus, não hesitaram em impor as suas concepções de mundo e, nas suas representações, não havia lugar para o diferente. Na realidade, tomavam o objeto como algo representado e imaginado pelo sujeito. Não havia propriamente um trabalho de pensamento a exigir reflexão em torno do que era visto. (NOVAES, 1999, p. 10). Havia, dessa forma, uma apropriação de determinados valores e idéias e a conseqüente edificação imaginária sobre a alteridade.

12 11 Como conseqüência dessas construções, os índios são quase sempre estudados no passado, aparecem em função do colonizador, representação essa que reforça a tendência etnocêntrica de grande parte da historiografia em curso. Desde então, esses povos têm tido uma participação pouco expressiva em nossa historiografia e no cotidiano escolar, sendo geralmente estudados como coadjuvantes, vítimas indefesas, dominados, aldeados e assimilados, nunca vistos com autonomia. Essas interpretações construíram uma imagem estática dos índios e tendem a afastá-los da história, e, o que é mais preocupante, essa representação está posta em muitos livros didáticos, e, no âmbito escolar, esse manual é um influente instrumento no processo de ensino-aprendizagem. O etnocentrismo é um evento que está presente na história das sociedades e conceitua-se como uma percepção de mundo onde o nosso grupo é pensado como centro de tudo e os nossos valores são colocados como referências para os demais. De acordo com Rocha (2004, p. 9), a sociedade do eu é a melhor, a superior, é representada como o espaço da cultura e da civilização por excelência. É onde existe o saber, o trabalho, o progresso. A sociedade do outro é atrasada. São os selvagens, os bárbaros. Nesse sentido, essa postura tende a dificultar a maneira como pensamos o diferente, visto que, ao exercermos a alteridade, devemos nos colocar no lugar do outro na relação interpessoal e, assim, exercer a cidadania e estabelecer uma relação construtiva com as diferenças. Contudo, o nosso objetivo é entender que tipo de conhecimento esses manuais produziram e produzem sobre aqueles que são diferentes de nós e em que consiste a representação dessa diferença; pretendemos discutir as deficiências mais recorrentes presentes nestes manuais, bem como as omissões mais significativas; procuramos

13 12 compreender em que medida a elaboração dos manuais didáticos acompanha a produção historiográfica, no que se refere às pesquisas e estudos mais recentes. Assim, o presente trabalho está inserido em uma linha de pesquisa interdisciplinar. A partir da década de 1920, com o movimento dos Annales e toda a sua contribuição para as novas abordagens, temas, fontes e problemas, a História passou a aproximar-se de outras disciplinas como a Antropologia, a Geografia, a Educação, a Sociologia, dentre outras, o que proporcionou discussões interdisciplinares. O principal ponto de convergência entre estas áreas tem-se dado, fundamentalmente, no terreno da História Cultural, onde o limite entre elas é fugaz. Logo, partimos da idéia de cultura histórica, para repensar a representação sobre esses povos nos livros didáticos, contribuindo para uma nova leitura. Pois, como chama a atenção Reis (1999, p. 9), a história é necessariamente escrita e reescrita a partir das posições do presente, lugar da problemática da pesquisa e do sujeito que a realiza. E reescrever a história é compreender as dimensões temporais do texto, que estão carregadas de influências, sejam sociais, políticas, econômicas ou culturais. A História Cultural, por sua vez, proporcionou a ampliação das fronteiras entre as diversas áreas e, conseqüentemente, uma variedade de abordagens e fontes descortinou um leque de possibilidades de estudo. Segundo Burke (2005, p. 10), o terreno comum dos historiadores culturais pode ser descrito como a preocupação com o simbólico e suas interpretações, buscando tornar conhecida a maneira como, em diferentes lugares e contextos, uma determinada realidade social é construída, pensada, dada a ler. (CHARTIER, 1990, p. 16). Dessa forma, as representações do universo social são produzidas, e, assim, podemos compreender as maneiras pelas quais as sociedades incutem seus valores, práticas, enfim, as suas concepções de mundo. O conceito de representação é uma categoria central

14 13 na História Cultural, e é manifestada por padrões, normas, instituições, imagens, cerimônias. De acordo com Pesavento (2005, p. 40), representar é, pois, fundamentalmente, estar no lugar de, é presentificação de um ausente; é um apresentar de novo, que dá a ver uma ausência. Contudo, a representação é uma construção que também encobre ordenamento, identificação, legitimação e exclusão. Ademais, entendemos que o livro didático não é uma produção neutra, visto que, traz consigo condicionantes das políticas educacionais vigentes, do mercado editorial, das concepções teórico-metodológicas do autor, enfim, de uma série de fatores que influenciam esta produção. Portanto, no ponto de articulação entre o mundo do texto e o do sujeito coloca-se uma teoria da leitura capaz de compreender a maneira em que os discursos afetam o leitor e o conduzem a uma nova norma de compreensão de si e do mundo. (CHARTIER, 1990, p. 24). Pretendemos analisar a representação sobre os índios nos livros didáticos de História do Brasil, pois o que está posto, é uma certa invisibilidade histórica: são lacunas, omissões, estereótipos que necessitam ser reavaliados, já que esses povos merecem ser desligados dessas concepções teórico-metodológicas que estão cristalizadas na história. Nesse trabalho utilizamos como recurso às fontes primárias, visto que, em um estudo dessa natureza, o livro didático é tratado como documentação básica para análise. Os relatos de cronistas, viajantes, religiosos e naturalistas também foram utilizados e têm muito a revelar, em suas entrelinhas, sobre a complexidade das ralações de alteridade. Logo, a pesquisa foi realizada nas bibliotecas públicas da cidade de João Pessoa, tais como: Biblioteca Central, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB); Biblioteca Prof Silvio Frank Allen, do Núcleo de Documentação e Informação Histórica Regional (NDIHR);

15 14 Biblioteca Irineu Pinto, do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano (IHGP), dentre outras. Vale salientar a especificidade e limite das fontes, pois não existe no Brasil uma política de preservação de livros didáticos, o que tornou a pesquisa mais difícil. É interessante, também, ressaltar que todo recorte temporal tem um nível de restrição, de finitude, enfim, de limitação e deve adquirir formas próprias de acordo com os objetivos de estudo. Dessa maneira, as nossas problematizações deram contorno ao nosso objeto de pesquisa, pois a história pode ser algo universalmente apreendido, por deficiente que seja a capacidade humana de evocá-la e registrá-la, e algum tipo de cronologia, ainda que irreconhecível ou imprecisa segundo nossos critérios, pode ser uma mensuração necessária disso. (HOBSBAWM, 1998, p. 35). Quanto à estrutura, a dissertação divide-se em três capítulos. O primeiro capítulo discute o livro didático e suas interfaces, com o propósito de entendê-lo enquanto objeto cultural, isto é, fruto de um contexto, de uma temporalidade, que possui uma historicidade. Logo, analisamos a sua trajetória desde o Oitocentos, período em que foram discutidos e produzidos, até os dias atuais. Neste capítulo, também discutimos a importância desse objeto como fonte de pesquisa em História da Educação. O segundo capítulo trata a construção de determinadas imagens sobre os índios na historiografia: para tanto, analisamos, a partir do século XVI, os discursos de cronistas e viajantes, as teorias raciais do XIX, o Indianismo, o Positivismo e as contribuições atuais sobre a temática em questão. Essas discussões mostraram-se fundamentais para podermos articular, no capítulo seguinte, a historiografia não didática com a didática. O terceiro e último capítulo analisa a representação sobre os índios nos livros didáticos de História. Nesse momento, avaliamos esses manuais em duas épocas diferentes,

16 15 com o intuito de percebermos as mudanças e as permanências no tocante ao assunto estudado, e foi a partir da análise de livros didáticos antigos e atuais, que compreendemos as inúmeras ligações que permeiam estes dois momentos distintos.

17 16 CAPÍTULO I O LIVRO DIDÁTICO E SUAS INTERFACES 1-O Livro Didático Como Objeto de Pesquisa em História da Educação Apesar de ilustre, o livro didático é o primo pobre da literatura, texto para ler e botar fora, descartável porque anacrônico: ou ele fica superado dados os progressos da ciência a que se refere ou o estudante o abandona, por avançar em sua educação. Sua história é das mais esquecidas e minimizadas, talvez porque os livros didáticos não são conservados, suplantando seu prazo de validade. (LAJOLO; ZILBERMAN, 1999, p.120) A história cultural, em especial, o estudo das representações, tem se firmado entre os historiadores que se interessam pela compreensão das sociedades históricas a partir da análise dos seus discursos, das suas idéias, imagens, versões, comportamentos e práticas que integram a complexa e dinâmica investigação cultural. Nesse contexto, a História da Educação ganhou um espaço de destaque para tais análises, pois, a partir dela, podemos entender um período, uma temporalidade, aliás, carregada de sentidos, uma vez que os fenômenos educacionais/educativos são manifestações da mais alta significação em relação à cultura de uma determinada sociedade. É também no âmbito educacional que se

18 17 produzem/reproduzem conhecimentos e saberes. Entender todos esses fenômenos na sua historicidade é uma das preocupações da História da Educação. A História da Educação surgiu com o propósito de colaborar para a organização pedagógica e, enquanto disciplina, nasceu no final do século XIX, em especial nas Escolas Normais e nos cursos de formação de professores. Desde a sua concepção, sempre possuiu uma íntima relação com a Pedagogia, o que a caracterizou como um ramo desta. As práticas pedagógicas e o caráter utilitário do sistema educacional marcaram, durante décadas, os trabalhos de História da Educação. Tudo o que era escrito e pensado se referia à solução prática dos problemas de ensino, bem como à formação de professores. Como herança desse período, a História da Educação sofreu uma certa marginalização na sua trajetória, o que dificultou o seu estabelecimento como uma área de estudo autônoma (LOPES; GALVÃO, 2001). Como campo de pesquisa, a História da Educação é relativamente nova e, de acordo com Scocuglia (2003), graças às amplificações historiográficas, aos avanços nas discussões teórico-metodológicas, a História da Educação vem sendo considerada História: Como é possível conhecer a história de um indivíduo, de um grupo, de um país...sem compreender suas educações, suas escolas, suas pedagogias? Como subsistiria uma história das representações, ou história das práticas culturais, sem o entendimento do educativo pedagógico, seja ele escolar ou não? Certamente incluindo a História da Educação, da escola, da pedagogia, dos educadores, da legislação educacional etc, na chamada história cultural. (SCOCUGLIA, 2003, p ) Atualmente, as pesquisas desenvolvidas nesse campo são muito inovadoras e frutíferas. Para Lopes e Galvão (2001), essa mudança de perspectiva foi e está sendo influenciada por duas tendências historiográficas: o Marxismo e a Nova História.

19 18 Segundo as referidas autoras, Louis Althusser ( ) e Antonio Gramsci ( ) foram os pensadores mais estudados nos anos de 1970 no Brasil. O Marxismo contribuiu, assim, de forma decisiva, na maneira de se pensar, entender e pesquisar a História da Educação, indicando-lhes novas abordagens, categorias sociais, fontes e objetos de pesquisa. Alguns estudiosos, porém, enfocaram a análise dos seus trabalhos apenas nas configurações econômicas e políticas. Logo, os aspectos econômicos e políticos de uma determinada época serviam para explicar (quase) tudo (LOPES; GALVÃO, 2001, p. 37), o que empobreceu a feitura de muitos trabalhos que seguiram essa perspectiva. Atualmente, a Nova História, especialmente a Nova História Cultural, tem influenciado a História da Educação. Esse movimento surgiu na década de 1920, na França, com a publicação da revista Annales d histoire économique et sociale, uma iniciativa de Lucien Febvre ( ) e Marc Bloch ( ), que pretendia exercer uma liderança intelectual nos campos da história social e econômica. Seria o porta-voz, melhor dizendo, o alto-falante de difusão dos apelos dos editores em favor de uma abordagem nova da história. (BURKE, 1997, p. 33). A Escola dos Annales, como ficou conhecida, surgiu como uma insatisfação em relação à história política convencional, na busca por uma substituição da tradicional narrativa dos acontecimentos, com total repulsa à história linear e acontecimental. Seus idealizadores objetivavam uma história-problema, interdisciplinar, como forma de superação da historiografia metódica e positivista do século XIX. Essa inovação proposta pelos Annales buscava uma história das atividades humanas e não apenas uma história política, diplomática e factualista. Nesse contexto, a história

20 19 passou a ser entendida como produto do historiador, não havendo, assim, uma realidade pronta e acabada. Essas características marcaram a primeira fase do movimento. Na segunda fase, Fernand Braudel ( ) foi um dos principais inspiradores e contribuiu com os conceitos de conjuntura e estrutura, o que trouxe mudanças na concepção de tempo histórico, que deixou de ser linear e progressiva, alcançando a idéia de duração, isto é, o tempo histórico passou a ser visto como múltiplo, diverso, complexo e nele observamos mudanças e permanências: o historiador dos Annales abordou a história com um novo olhar, isto é, com uma nova representação do tempo histórico. Ao se aproximarem das ciências sociais, os Annales realizaram uma revolução epistemológica quanto ao conceito de tempo histórico, ou melhor, uma renovação profunda, uma mudança substancial na forma de sua compreensão, mas sem perder a sua ligação com o projeto inaugural de Heródoto: conhecer as mudanças humanas no tempo. (REIS, 2000, p. 15) Nos anos de 1960, emergiu a terceira fase, e o movimento foi marcado por uma espécie de fragmentação, com uma historiografia diversificada e com uma ampla abordagem na história sociocultural. Dentro das várias inovações propostas pelos Annales está o diálogo com diversas áreas, e na terceira geração essa interdisciplinaridade tornou-se mais ampla, bem como o alargamento no conceito de fontes históricas, entendidas como qualquer vestígio deixado pelas sociedades passadas. De acordo com Burke (1997): [...] a mais importante contribuição do grupo dos Annales, incluindo-se as três gerações, foi expandir o campo da História por diversas áreas. O grupo ampliou o território da História, abrangendo áreas inesperadas do comportamento humano e a grupos sociais negligenciados pelos historiadores tradicionais. Essas extensões do território histórico estão vinculadas à descoberta de novas fontes e ao desenvolvimento de novos métodos para explorá-las. (p.126, grifos nossos)

21 20 Nesse sentido, a História da Educação vem conquistando seu espaço e ganhando um novo olhar por parte dos pesquisadores e estudiosos. Tais contribuições têm proporcionado uma rediscussão e uma ampliação dos temas e objetos estudados. Com o aumento dos assuntos abordados pela História da Educação, os pesquisadores foram problematizando, incorporando e ampliando o uso de novas fontes. Nesse contexto, o livro didático surgiu como um objeto riquíssimo de pesquisa, pois, a partir das influências e contribuições postas pelas tendências historiográficas anteriormente citadas, esses manuais escolares passaram a ser estudados de forma mais ampla e crítica. Atualmente, o livro didático não é mais entendido como uma produção isenta de parcialidade, visto que traz consigo influência das políticas educacionais em voga, do mercado editorial, das vinculações teórico-metodológicas do autor, enfim, de uma gama de fatores que influenciam essa produção. Contudo, o livro didático deve ser entendido como um objeto cultural (CHARTIER, 1990), pois possui uma grande variedade de conotações. Dessa forma, abre-se um leque de discussões e análises que, anteriormente, eram ignorados em estudos dessa natureza. Ele está inserido em um contexto político, econômico, social e cultural e deve ser analisado como tal: As obras, os discursos, só existem quando se tornam realidades físicas, inscritas sobre as páginas de um livro, transmitidas por uma voz que lê ou narra, declamadas num palco de teatro. Compreender os princípios que governam a ordem do discurso pressupõe decifrar, com todo o rigor, aqueles outros que fundamentam os processos de produção, de comunicação e de recepção dos livros. (CHARTIER, 1999, p. 8) Com esse novo olhar sobre os livros didáticos, diferentes temáticas e perspectivas devem ser consideradas, uma variedade de campos de conhecimento podem verticalizar

22 21 questões ligadas a sua produção, circulação, mudança/permanência, valores, conteúdos, usos e práticas, bem como aos diferentes agentes que estão envolvidos: autores, editores, autoridades, alunos e professores. O livro didático é um objeto de pesquisa importante na História da Educação, pois ele acompanha os alunos em todas as fases da aprendizagem, é portador de uma memória nacional, possui um valor cultural e merece todo o nosso respeito, porém, não vem recebendo um tratamento adequado, visto que, não vem sendo preservado. Diante do exposto, podemos perceber que o livro didático constitui uma fonte privilegiada de pesquisa, porém, é pouco valorizado pela nossa sociedade, é um objeto visto como de segunda categoria, que tem um uso efêmero, pois é destinado a uma determinada série e por um determinado período letivo, o que acarreta um processo seletivo e seu conseqüente descarte: Pouquíssimos são os espaços dedicados à preservação da memória nacional ou regional da educação. Daí a dificuldade que temos de acesso a fontes nessa área. Na verdade, a pesquisa histórica em educação requer que realizemos um verdadeiro trabalho de garimpagem sobre fontes na área educacional. (CORRÊA, 2000, p. 13) Em um estudo realizado na década de 1980, esse descaso foi percebido por pesquisadores que concluíram: apenas 32.7% das escolas públicas conservam o livro pelo período de três anos, que, segundo os professores entrevistados, é o período oficialmente reconhecido pelo PLIDEF 1 como o tempo de vida útil de um livro. (OLIVEIRA; GUIMARÃES; BOMÉNY, 1984, P. 101). Nessa pesquisa, 61.8% das escolas públicas analisadas utilizavam os livros por menos de três anos. Os autores, então, tentaram entender 1 O Programa do Livro Didático Para o Ensino Fundamental foi criado em 1980.

23 22 as razões para a substituição freqüente dos livros, e constataram que 55.5% das escolas mudavam os livros pelo envelhecimento do conteúdo e forma. Dessa amostra, 27.8% dos entrevistados fizeram referência à pressão das editoras que estimulavam a troca, enquanto 16.7% dos professores apontaram como causa da substituição a imposição da escola. Ainda com relação ao valor dado aos livros didáticos, para o mercado editorial é um material extremamente valorizado e por isso é rapidamente descartado, o alto volume de tiragem e circulação mostram bem essa relação. As editoras têm um papel fundamental nessa substituição. Essa indústria cultural que transformou o livro didático numa mercadoria, faz com que os novos lançamentos substituam rapidamente os livros de anos letivos anteriores. Segundo a referida pesquisa, 70.5% das escolas têm acesso aos lançamentos através de propagandas das editoras. Os livros, assim, passaram a ser cada vez menos reutilizados e, conseqüentemente descartados, ou seja, não são guardados ou preservados. A mesma pesquisa demonstrou que menos de 50% das escolas conservavam e armazenavam esse material, ficando evidente que, apesar da maioria das escolas possuírem um espaço físico que poderia ser utilizado para esse fim, isso não ocorre, provavelmente pela falta de uma política de incentivo à preservação desses manuais. Tal constatação é feita a partir de um passeio por nossos arquivos e bibliotecas, onde esses manuais não são catalogados e guardados, isto é, raramente são encontrados nas prateleiras dessas instituições. Consideramos esse um fator determinante para o anonimato do livro didático e para a memória coletiva que está perdendo uma fonte significativa para a história do pensamento e das práticas educativas. Felizmente, algumas iniciativas começam a mudar esse quadro, é o caso da Biblioteca do Livro Didático, na Faculdade de Educação da USP, implantada pela professora Circe Bittencourt na década de 1990.

Ordenar, Civilizar e Instruir: Os Livros Didáticos e a Construção do Saber Escolar no Brasil Oitocentista Nayana R. C. Mariano

Ordenar, Civilizar e Instruir: Os Livros Didáticos e a Construção do Saber Escolar no Brasil Oitocentista Nayana R. C. Mariano Ordenar, Civilizar e Instruir: Os Livros Didáticos e a Construção do Saber Escolar no Brasil Oitocentista Nayana R. C. Mariano O livro sempre visou instaurar uma ordem; fosse a ordem da sua decifração,

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD E A FORMAÇÃO COMPLEMENTAR NO CURSO DE MAGISTÉRIO PRESENCIAL: AS PERCEPÇÕES DOS ESTUDANTES Formação e Gestão em Processos Educativos Josiane

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO

UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO UMA PROPOSTA DE DRAMATIZAÇÃO PARA ABORDAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO ENSINO MÉDIO SOUZA, Caio Henrique Bueno de 1 RODRIGUES, Davi 2 SANTOS, Edna Silva 3 PIRES, Fábio José 4 OLIVEIRA, Jully Gabriela

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Vitor Cleton Viegas de Lima 1 Cristiane Camargo Aita 2 Daniele Pinto Andres 3 Resumo: este artigo tem por objetivo levantar

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Resumo O presente texto tem por objetivo refletir e discutir sobre a integração entre ensino,

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces

O Programa de Desenvolvimento Educacional e suas Interfaces 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador FORMAÇÃO CONTINUADA: UMA ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO SISMÉDIO NA ESCOLA PROFESSOR JOSÉ SOARES DE CARVALHO- GUARABIRA-PB Gyslâynne Mary dos Santos Hermenegildo Rodrigues EEEFM Professor José Soares de Carvalho

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático.

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático. A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA Fabricio Santos Almeida 1 Márcia Cristiane Eloi Silva Ataide 2 1 Licenciando em Química, Universidade Federal do Piauí - UFPI. 2 Professora

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

O USO DO LIVRO DIDÁTICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS CIÊNCIAS SOCIAIS : 1ª A 4ª SÉRIES

O USO DO LIVRO DIDÁTICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS CIÊNCIAS SOCIAIS : 1ª A 4ª SÉRIES Título: O USO DO LIVRO DIDÁTICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM NAS CIÊNCIAS SOCIAIS : 1ª A 4ª SÉRIES Área Temática: Educação e Ensino Fundamental Autora: ANELSI SALETTE BIANCHIM Instituição: Universidade

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um

LURDINALVA PEDROSA MONTEIRO E DRª. KÁTIA APARECIDA DA SILVA AQUINO. Propor uma abordagem transversal para o ensino de Ciências requer um 1 TURISMO E OS IMPACTOS AMBIENTAIS DERIVADOS DA I FESTA DA BANAUVA DE SÃO VICENTE FÉRRER COMO TEMA TRANSVERSAL PARA AS AULAS DE CIÊNCIAS NO PROJETO TRAVESSIA DA ESCOLA CREUSA DE FREITAS CAVALCANTI LURDINALVA

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física

Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Formação pedagógica docente na Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação Física Amanda Pires Chaves Universidade de Sorocaba, Sorocaba/SP e-mail: amanda.pireschaves@gmail.com Maura Maria Morita Vasconcellos

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE.

AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE. AS TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS NA REGIÃO DO BARREIRO: A METROPOLIZAÇÃO NA PERIFERIA DE BELO HORIZONTE. Saulo de Paula Pinto e Souza Evânio dos Santos Branquinho 1068 saulodepaula@gmail.com Geografia

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE Como Associação que abarca as instituições de educação superior públicas tendo como finalidade o desenvolvimento da educação a distância, a UniRede apresenta abaixo as considerações relativas aos três

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS LETRAS E ARTES PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE HISTÓRIA - LICENCIATURA João Pessoa, maio de 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Autor(a): Joycyely Marytza 1 INTRODUÇÃO As atuais concepções pedagógicas exigem do professor a inclusão das novas tecnologias para um melhor

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica. Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO

RELATÓRIO FINAL. BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica. Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO 190 RELATÓRIO FINAL BIBLIOTECA ESCOLAR: espaço de ação pedagógica Victor Hugo Vieira Moura 1 INTRODUÇÃO Uma das características mais marcantes da chamada sociedade da informação é o extraordinário desenvolvimento

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento

Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento S. M. R. Alberto 38 Relatos de Experiência Paraisópolis: relato do processo de transformação da Biblioteca Comunitária em rede do conhecimento Solange Maria Rodrigues Alberto Pedagoga Responsável pelo

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Tendências Pedagógicas. Formação de Professores. Contextualização. Tendências Não Críticas

Tendências Pedagógicas. Formação de Professores. Contextualização. Tendências Não Críticas Formação de Professores Teleaula 2 Prof.ª Dra. Joana Paulin Romanowski tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Críticas Não críticas Pedagogia Formação de Professores (SAVIANI, 2002) Contextualização Aprender

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA DITADURA, EDUCAÇÃO E DISCIPLINA: REFLEXÕES SOBRE O LIVRO DIDÁTICO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA Rafael Nóbrega Araújo, graduando em História (UEPB) e-mail: rafaelnobreg@hotmail.com Patrícia Cristina Aragão,

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais