FINANÇAS E CONTABILIDADE AUTÁRQUICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FINANÇAS E CONTABILIDADE AUTÁRQUICA"

Transcrição

1 Campus de Gualtar Braga P Escola de Economia e Gestão PROPOSTA DE ADEQUAÇÃO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM FINANÇAS E CONTABILIDADE AUTÁRQUICA Departamento de Relações Internacionais e Administração Pública Dossier interno elaborado com base no Despacho RT-45/2005 de 14 de Julho de 2005 e RT-41/2005 sobre a Orientações para a Apresentação de Propostas de Criação ou Reestruturação de Cursos e Aplicação do Sistema de Créditos Curriculares 1

2 Índice Página I. Introdução e Objectivos 3 II. Estrutura do Curso e Plano de Estudos 4 II.1. Organização e Duração do Curso 4 II.2. Área Científica do Curso 4 II.3. Área de Especialização do Curso 4 II.4. Número de Unidades de Crédito 4 II.5. Direcção do Curso 4 III. Estrutura Curricular e Conteúdos Programáticos 5 III.1. Estrutura Geral do Curso 5 III.2. Conteúdos das Disciplinas 5 IV. Regime de Funcionamento 7 V. Condições de Acesso, Critérios de Selecção e Propinas 8 VI. Recursos Humanos e Materiais 8 VII. Encargos Decorrentes do Curso 8 VIII. Plano de Estudos (de acordo com o ponto 11 do 9 Formulário da DGES) IX. Fichas por Unidade Curricular do Curso 10 Anexo 1 Minuta de Resolução do Senado Universitário 19 Anexo 2 Anexo 3 Proposta de Regulamento Interno da Direcção do Curso Condições de Candidatura e Critérios de Selecção

3 I. Justificação e Objectivos Uma das características da Nova Gestão Pública é preocupação generalizada com o controlo dos défices orçamentais e do endividamento público e a obtenção de informação económica, financeira e patrimonial fiável e oportuna que possibilite a tomada de decisões e uma gestão mais eficiente, eficaz e económica na utilização dos sempre escassos recursos financeiros. Em Portugal, várias têm sido as iniciativas desenvolvidas com vista à concretização destes objectivos, nomeadamente as relacionadas com a reforma dos sistemas de informação contabilística pública. A nível da administração local, a Lei das Finanças Locais e o POCAL (Plano Oficial de Contabilidade para as Autarquias Locais) representam marcos históricos nas finanças e na contabilidade das autarquias locais, permitindo que pela primeira vez estas entidades elaborassem e apresentassem informação financeira e contabilística numa perspectiva não só orçamental e de caixa, mas também económica e patrimonial. Desta forma, o sistema contabilístico das autarquias locais é mais informativo, permitindo obter informação contabilística permanente que constitui um importante instrumento de suporte à tomada de decisão. O POCAL obrigou a grandes alterações quer na estrutura organizativa quer na necessidade de formação complementar. E esta formação não pode ser apenas sobre Contabilidade Autárquica. De facto, é necessário: a) Compreender o enquadramento da Contabilidade Autárquica na Contabilidade Pública da Administração Central e na Contabilidade Nacional; b) Ter bons conhecimentos sobre finanças e contabilidade locais, organização autárquica, regime de contratação de bens e serviços, auditoria pública, gestão do património e outras áreas afins ou complementares; c) Elaborar informação fiável, oportuna, que obedeça aos princípios e regras de valorimetria estabelecidas, e que represente a imagem verdadeira apropriada da situação económica, financeira e patrimonial, da instituição; d) Saber ler a múltipla informação obtida do novo sistema contabilístico para que essa informação seja útil na tomada de decisões. É neste contexto e com base nestes pressupostos sobre necessidade de formação, que o departamento de Relações Internacionais e Administração Pública da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho, pretendeu criar o Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica, nos termos do nos termos do Despacho RT-16/2007, de 7 de Fevereiro. II. Organização do Curso Avançado de Curta Duração Finanças e Contabilidade Autárquica II.1. Organização e Duração do Curso 3

4 A parte curricular do curso está organizada de acordo com o regime de Unidades de Crédito Europeu (U.C.) previstas no Decreto-Lei nº 42/ 05 de 22 de Fevereiro, e nos nºs 1 e 3 da Circular RT/ 91, de 12 de Junho. Tem a duração de cento e cinquenta horas de contacto (150) e exige a obtenção de 30 unidades de crédito. Os alunos que terminem com aproveitamento o Curso Avançado em Finanças e Contabilidade Autárquica têm direito a uma certidão de estudos pós-graduados, emitida pela Universidade do Minho, que especifica o domínio da Administração Pública e a área científica da Administração Autárquica. Os alunos que terminem o curso sem aproveitamento, ou sem se terem sujeito a avaliação têm direito a uma certidão de presença emitida pela Escola de Economia e Gestão, desde que o número de presenças seja igual ou superior a 90% da respectiva carga total. II.2 Área Científica do Curso Administração Pública II.3. Área de Especialização do Curso Administração Autárquica II.4. Número de Unidades de Créditos Necessários à Concessão de Certidão 30 Unidades de Crédito Europeu II.5 Avaliação A avaliação terá lugar através da realização de um exame escrito e de um trabalho individual ou outro método proposto à Comissão Directiva, sendo atribuída a cada aluno, no final do fim do curso, uma classificação global, expressa na escala de 0-20 valores. II.6. Direcção do Curso 4

5 A Direcção do Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica é da responsabilidade de docentes doutorados da secção de Administração Pública do Departamento de Relações Internacionais e Administração Pública. III. Estrutura Curricular e Conteúdos Programáticos III.1 Estrutura Geral do Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica UNIDADES CURRICULARES 1 º SEMESTRE ÁREA CIENTÍFICA (2) ECTS (6) Finanças Locais AP 4 Contabilidade Autárquica AP 6 Organização e Gestão dos Serviços Municipais AP 3 Contratação Pública AP 4 Desenho, Administração e Controlo de Projectos Europeus AP 3 Gestão do Património AP 4 Auditoria Pública AP 4 Seminários/Conferências com oradores conhecidos AP 2 TOTAL 30 III.2 Conteúdos Programático das Unidades Curriculares Finanças Locais 1 - Introdução 2 - Breve História das Finanças Locais Portuguesas 3 - Uma Perspectiva Comparada das Finanças Locais 4 - A Dimensão Política das Finanças Locais 5 - Descentralização 6 - Funções Económicas da Administração Local. 7 - O Regime Financeiro das Autarquias Locais. 8 - Transferências Financeiras para as Autarquias Locais. 5

6 9 - Financiamento Local das Autarquias A Provisão de Bens Públicos Locais O Orçamento das Autarquias Locais Reforma das Finanças Locais. Contabilidade Autárquica 1 - Contabilidade Autárquica. 2 - Os Documentos Previsionais. 3 - A Execução Orçamental 4 - Operações Não Orçamentais 5 - A Prestação de Contas 6 - Contabilidade de Custos 7 - Consolidação de Contas Organização e Gestão dos Serviços Municipais 1 - O Sistema Político Local. 2 - Serviços Municipais e Modelos de Organização. 3 - Serviços Municipalizados. 4 - Empresas Municipais. 5 - Outras formas de funcionamento dos serviços a nível local, competência às fundações, institutos políticos locais. ONGs, parcerias, etc. 6 - O Papel do Presidente da Câmara como líder local. 7 - Políticas desenvolvidas pelos serviços municipais. Auditoria Pública 1 - Auditoria 2 - Normas de Auditoria 3 - Métodos e Técnicas de Auditoria 4 - Sistema de Controlo Interno 5 - O Tribunal de Contas 6 - A Actividade Profissional 6

7 Desenho, Administração e Controlo de Projectos Europeus 1 - Elementos para Desenho e elaboração de projectos. 2 - Etapas do Ciclo do projecto. 3 - Métodos de análise de projectos. 4 - Questões particulares na elaboração projectos. 5 - Programas nacionais e comunitários. Contratação Pública 1 - Introdução: a importância da contratação pública; a política da contratação pública; a justificação da existência de um regime jurídico; 2 - Regime jurídico: fontes; conceitos - em especial, o contrato e o procedimento pré-contratual; 3 - O regime jurídico comunitário da contratação pública; 4 - O regime jurídico da contratação no direito português; 5 - Controlo: mecanismos gerais e específicos; referência especial às garantias dos particulares. Gestão do Património 1 - O conceito de património. Alguns marcos históricos; 2 - Tipo de Bens: Os bens de domínio público versus bens de domínio privado; 3 - Regimes de exploração de activos: locação financeira; concessões; parcerias público-privado; 4 - Inventariação dos bens. O modelo CIBE; 5 - Avaliação dos bens; 6 - Gestão dos bens; 7 - Controlo dos bens. IV. Regime de Funcionamento do Curso de Formação Especializada O período lectivo do Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica será em horário pós-laboral. V. Condições de Acesso, Critérios de Selecção e Propinas 7

8 As condições de acesso, o numerus clausus, as regras de matrícula e inscrição, bem como o regime de faltas e de avaliação de conhecimentos e classificação de disciplinas e as propinas estão estabelecidas no Regulamento do Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica. VI. Recursos Humanos e Materiais Não se prevê qualquer encargo com a contratação de pessoal docente. O curso proposto conta com o apoio dos docentes do Departamento de Relações Internacionais e Administração Pública e Departamento de Gestão da Escola de Economia e Gestão na Universidade do Minho. A secção de Administração Pública do Departamento de Relações Internacionais e Administração Pública conta com diversos docentes com trabalhos publicados na área de formação, como os Profs. Doutores Oliveira Rocha, Joaquim Filipe Araújo, Sílvia Mendes, Pedro Camões, Fernando Tavares e Isabel Pinho. O Departamento de Gestão conta com quatro docentes doutorados em Contabilidade. Em termos de recursos materiais, este curso recorre às instalações da Escola de Economia e Gestão. Para além de salas de aulas equipadas com multimédia, bem como auditórios, a EEG dispõe de laboratórios de informática e software especializado. VII. Encargos com o Funcionamento do Curso Os meios existentes no Departamento de Relações Internacionais e Administração Pública são os básicos necessários ao funcionamento do curso. Não se prevêem custos adicionais, mas se porventura existirem no futuro, serão integralmente suportados pelas receitas das propinas, pelo que o curso será auto-suficiente. 8

9 VIII. Plano de Estudos UNIDADES CURRICULARES TIPO TEMPO DE TRABALHO (H) 1 º SEMESTRE ÁREA CIENTÍFICA (2) TOTAL CONTACTO ECTS (3) (4) (5) (6) Finanças Locais AP T 84 T:20 4 Contabilidade Autárquica AP T 112 T:30 6 Organização e Gestão dos Serviços Municipais AP T 84 T:15 3 Contratação Pública AP T 84 T:20 4 Desenho, Administração e Controlo de Projectos Europeus AP T 84 T:15 3 Gestão do Património AP T 84 T:20 4 Auditoria Pública AP T 84 T:20 4 Seminários/Conferências com oradores conhecidos AP T 84 S:10 2 TOTAL Legenda: HORAS DE CONTACTO: Ensino teórico (T) / Seminário (S) ÁREAS CIENTÍFICAS: AP Administração Pública 9

10 IX. Fichas por Unidade Curricular do Curso Escola de Economia e Gestão CURSO: Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica UNIDADE CURRICULAR: Contabilidade Autárquica ÁREA CIENTÍFICA: Administração Pública UC: Semestral /Obrigatória Distribuição das horas creditadas ao aluno para obtenção de 6 créditos (ECTS) Resultados de aprendizagem (RA) Horas de contactos com o docente Horas de trabalho independente Listagem de RA Colectivas Labora T. de Seminário Tutorias Estágios Trabalho Trabalho toriais Campo Estudo grupo projecto T TP PL TC S E OT Horas de avaliação Apreender os princípios de contabilidade autárquica Compreender a contabilidade autárquica, nomeadamente a execução orçamental, a prestação e a consolidação de contas Analisar a informação contabilística nas ópticas patrimonial, orçamental e económica TOTAL Notas:. l Unidade de Crédito (ECTS) = 28 horas de trabalho. Legenda:T Ensino teórico; TP Ensino teórico-prático; PL Ensino prático e laboratorial; TC Trabalho de campo; S Seminário; E Estágio; OT Orientação tutória. Total 10

11 Escola de Economia e Gestão CURSO: Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica UNIDADE CURRICULAR: Finanças Locais ÁREA CIENTÍFICA: Administração Pública UC: Semestral /Obrigatória Distribuição das horas creditadas ao aluno para obtenção de 4 créditos (ECTS) Resultados de aprendizagem (RA) Horas de contactos com o docente Horas de trabalho independente Listagem de RA Colectivas Labora T. de Seminário Tutórias Estágios Trabalho Trabalho toriais Campo Estudo grupo projecto T TP PL TC S E OT Horas de avaliação Descrever as finanças locais em Portugal, tendo em ,5 25,5 conta uma perspectiva comparada e a dimensão política Analisar as funções económicas da Administração ,5 25,5 Local e a provisão de bens públicos locais Analisar o financiamento e o orçamento das ,5 35,5 autarquias locais. Discutir a reforma das finanças locais ,5 25,5 TOTAL Notas:. l Unidade de Crédito (ECTS) = 28 horas de trabalho. Legenda:T Ensino teórico; TP Ensino teórico-prático; PL Ensino prático e laboratorial; TC Trabalho de campo; S Seminário; E Estágio; OT Orientação tutória. Total 11

12 Escola de Economia e Gestão CURSO: Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica UNIDADE CURRICULAR: Contratação Pública ÁREA CIENTÍFICA: Administração Pública UC: Semestral /Obrigatória Distribuição das horas creditadas ao aluno para obtenção de 4 créditos (ECTS) Resultados de aprendizagem (RA) Horas de contactos com o docente Horas de trabalho independente Listagem de RA Colectivas Labora T. de Seminário Tutórias Estágios Trabalho Trabalho toriais Campo Estudo grupo projecto T TP PL TC S E OT Horas de avaliação Compreender a importância da contratação pública ,5 40,5 e conhecer o seu regime jurídico Analisar o regime jurídico comunitário de contratação pública Conhecer os mecanismos gerais e específicos de ,5 35,5 controlo TOTAL Notas:. l Unidade de Crédito (ECTS) = 28 horas de trabalho. Legenda:T Ensino teórico; TP Ensino teórico-prático; PL Ensino prático e laboratorial; TC Trabalho de campo; S Seminário; E Estágio; OT Orientação tutória Total 12

13 Escola de Economia e Gestão CURSO: Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica UNIDADE CURRICULAR: Organização e Gestão dos Serviços Municipais ÁREA CIENTÍFICA: Administração Pública UC: Semestral /Obrigatória Distribuição das horas creditadas ao aluno para obtenção de 3 créditos (ECTS) Resultados de aprendizagem (RA) Horas de contactos com o docente Horas de trabalho independente Listagem de RA Colectivas Labora T. de Seminário Tutórias Estágios Trabalho Trabalho toriais Campo Estudo grupo projecto T TP PL TC S E OT Horas de avaliação Descrever o sistema político local Identificar os modelos de organização municipal ,5 30,5 Apreender outras formas de funcionamento dos ,5 25,5 serviços a nível local TOTAL Notas:1 Unidade de Crédito (ECTS) = 28 horas de trabalho. Legenda: T Ensino teórico; TP Ensino teórico-prático; PL Ensino prático e laboratorial; TC Trabalho de campo; S Seminário; E Estágio; OT Orientação tutória Total 13

14 Escola de Economia e Gestão CURSO: Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica UNIDADE CURRICULAR: Desenho, Administração e Controlo de Projectos Europeus ÁREA CIENTÍFICA: Administração Pública UC: Semestral /Obrigatória Distribuição das horas creditadas ao aluno para obtenção de 3 créditos (ECTS) Resultados de aprendizagem (RA) Horas de contactos com o docente Horas de trabalho independente Listagem de RA Colectivas Labora T. de Seminário Tutórias Estágios Trabalho Trabalho toriais Campo Estudo grupo projecto T TP PL TC S E OT Horas de avaliação Identificar os elementos para desenho e etapas de elaboração de projectos, e as etapas do ciclo do projecto Conhecer os métodos de análise de projecto ,5 30,5 Conhecer, identificar, discutir e avaliar os ,5 25,5 programas comunitários Total Notas: 1 Unidade de Crédito (ECTS) = 28 horas de trabalho. Legenda:T Ensino teórico; TP Ensino teórico-prático; PL Ensino prático e laboratorial; TC Trabalho de campo; S Seminário; E Estágio; OT Orientação tutória Total 14

15 Escola de Economia e Gestão CURSO: Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica UNIDADE CURRICULAR: Gestão do Património ÁREA CIENTÍFICA: Administração Pública UC: Semestral /Obrigatória Distribuição das horas creditadas ao aluno para obtenção de 4 créditos (ECTS) Resultados de aprendizagem (RA) Horas de contactos com o docente Horas de trabalho independente Listagem de RA Colectivas Labora T. de Seminário Tutórias Estágios Trabalho Trabalho toriais Campo Estudo grupo projecto T TP PL TC S E OT Horas de avaliação Compreender o conceito de património ,5 25,5 Descrever os regimes de exploração de activos ,5 25,5 Descrever a inventariação de bens e o modelo ,5 35,5 CIBE Analisar o papel da gestão e do controlo dos bens ,5 25,5 TOTAL Notas: 1 Unidade de Crédito (ECTS) = 28 horas de trabalho. Legenda:T Ensino teórico; TP Ensino teórico-prático; PL Ensino prático e laboratorial; TC Trabalho de campo; S Seminário; E Estágio; OT Orientação tutória Total 15

16 Escola de Economia e Gestão CURSO: Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica UNIDADE CURRICULAR: Auditoria Pública ÁREA CIENTÍFICA: Administração Pública UC: Semestral /Obrigatória Distribuição das horas creditadas ao aluno para obtenção de 4 créditos (ECTS) Resultados de aprendizagem (RA) Horas de contactos com o docente Horas de trabalho independente Listagem de RA Colectivas Labora T. de Seminário Tutórias Estágios Trabalho Trabalho toriais Campo Estudo grupo projecto T TP PL TC S E OT Horas de avaliação Conhecer as normas de auditoria ,5 25,5 Conhecer os métodos e técnicas de auditoria ,5 35,5 Descrever o sistema de controlo interno ,5 25,5 Analisar o papel do Tribunal de Contas ,5 25,5 TOTAL Notas: 1 Unidade de Crédito (ECTS) = 28 horas de trabalho. Legenda:T Ensino teórico; TP Ensino teórico-prático; PL Ensino prático e laboratorial; TC Trabalho de campo; S Seminário; E Estágio; OT Orientação tutória Total

17 Escola de Economia e Gestão CURSO: Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica UNIDADE CURRICULAR: Seminário ÁREA CIENTÍFICA: Administração Pública UC: Semestral /Obrigatória Distribuição das horas creditadas ao aluno para obtenção de 2 créditos (ECTS) Resultados de aprendizagem (RA) Horas de contactos com o docente Horas de trabalho independente Listagem de RA Colectivas Labora T. de Seminário Tutórias Estágios Trabalho Trabalho toriais Campo Estudo grupo projecto T TP PL TC S E OT Discussão de temas actuais com relevância para a administração autárquica Horas de avaliação Total TOTAL Notas: 1 Unidade de Crédito (ECTS) = 28 horas de trabalho. Legenda:T Ensino teórico; TP Ensino teórico-prático; PL Ensino prático e laboratorial; TC Trabalho de campo; S Seminário; E Estágio; OT Orientação tutória 17

18 Anexos

19 Anexo 1 Minuta da Resolução do Senado Universitário 19

20 Senado Universitário resolução SU-XX/2007 Sob proposta da Escola de Economia e Gestão; Ouvido o Conselho Académico nos termos da alínea g), nº 2, artigo 24º dos Estatutos da Universidade; Ao abrigo do disposto no nº 1 do artigo 7º da Lei nº 108/88, de 24 de Setembro, no nº 1 do artigo 1º do Decreto-Lei nº 155/ 89, de 11 de Maio; no Decreto-Lei nº 42/ 2005, de 22 de Fevereiro; no Decreto-Lei nº 74/ 2006, de 24 de Março; e no nº 2 do artigo 20º dos Estatutos da Universidade do Minho; O Senado Universitário da Universidade do Minho, em sessão plenária de. de 2007, determina: 1º (Criação do curso) É criado na Universidade do Minho o Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica, ministrando, em consequência, o respectivo curso. 2º (Objectivo do curso) A proposta tem o objectivo principal de transmitir conhecimentos actualizados sobre ter bons conhecimentos sobre finanças e contabilidade locais. 3º (Organização e estrutura curricular) 1. O Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica, doravante designado por Curso, organiza-se pelo sistema de unidades de crédito europeus. 2. Os elementos a que se refere o artigo 3º do Decreto-Lei nº 155/ 89, de 11 de Maio, são os constantes do anexo I à presente Resolução. 4º (Plano de Estudos) O plano de estudos do Curso será fixado por despacho do Reitor, sob proposta do Conselho Académico, a publicar na II Série do Diário da República 20

21 5º (Habilitações de acesso) 1. Podem candidatar-se ao Curso os titulares do 1º Ciclo (licenciatura) em Administração Pública. 2. Podem ainda candidatar-se os detentores do grau de licenciatura (1º Ciclo) noutras licenciaturas, de preferência com experiência profissional na administração local e ainda detentores do1ºciclo em ciclos de estudo integrados conducentes ao grau de mestre. 6º (Limitações quantitativas) 1. A matrícula e a inscrição no Curso estão sujeitas a limitações quantitativas a fixar anualmente por despacho do Reitor. 2. O despacho a que se refere o ponto anterior estabelecerá ainda o número mínimo de inscrições indispensável ao funcionamento do Curso. 7º (Prazos) Os prazos em que decorrerão a candidatura, a afixação dos resultados, a matrícula e a inscrição serão fixados por despacho do Reitor, sob proposta do Conselho Científico da Escola de Economia e Gestão. 8º (Propinas) A inscrição do curso estará sujeita ao pagamento de uma propina de valor a ser fixado pelo Conselho Científico da Escola de Economia e Gestão. 9º (Classificação final) A avaliação terá lugar através de realização de exames e de trabalhos realizados no âmbito do Curso. 10º (Certidão do Curso) Os alunos que terminem com aproveitamento o Curso têm direito a uma certidão, passado nos termos do anexo II à presente Resolução. 11º (Início de funcionamento) O início de funcionamento do Curso será fixado por despacho do Reitor, verificada a existência de recursos humanos e materiais necessários à sua concretização. Universidade do Minho, de de 2007 O Presidente do Senado Universitário, A. Guimarães Rodrigues 21

22 Senado Universitário resolução SU-XX/2007 (anexo I) 1. Área Científica do curso: Administração Pública 2. Duração normal do curso: 1 semestre. 3. Número mínimo de unidades de crédito necessário à concessão da certidão: 30 (ECTS). 4. Áreas científicas e distribuição das unidades de crédito: 4.1. Áreas científicas obrigatórias: Área Científica ECTS Obrigatórios ECTS Optativos Administração Pública 30 0 Economia 0 0 Gestão 0 0 Direito Taxa de matrícula e propinas: 0 0 Total 30 0 A propina é fixada pelo Reitor sob proposta da Escola de Economia e Gestão dentro dos limites da lei. 22

23 Senado Universitário resolução SU-XX/2007 (anexo II) República (*) Portuguesa Universidade do Minho CERTIDÃO DE CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA (a) Reitor da Universidade do Minho Certifico que (b), filho de... (c), natural de...(d), concluiu nesta Universidade, em... (e), com a classificação de...valores (f), o Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica, constituído pelas seguintes unidades curriculares:...(h). Mais certifico que o referido curso constitui uma modalidade de formação pós-graduada no domínio de... perfazendo um total de... unidades de crédito. Pelo que, em conformidade com as disposições legais em vigor, lhe mandei passar a presente Certidão final em que o(a) declaro habilitado(a) com o referido Curso. Universidade do Minho,... (i) O Reitor,... O Director dos Serviços Académicos, (*) Emblema da Universidade do Minho (a) Nome do Reitor (b) Nome do titular da certidão (c) Nome do pai e da mãe do titular (d) Freguesia, concelho e distrito do titular da certidão (e) Data da conclusão do Curso (f) Classificação final do Curso (g) Designação do Curso de Formação Especializada, nos termos da respectiva Resolução SU (h) Designação das unidades curriculares e dos correspondentes ECTS (i) Data da emissão da Certidão 23

24 Anexo 2 Proposta de Regulamento Interno da Direcção do Curso 24

25 Regulamento do Curso Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no Despacho RT-04/ 2007, de 23 de Janeiro de 2007 aplicável por analogia, bem assim como ao Despacho RT-16/2007, de 7 de Outubro. 2. As disposições contidas neste Regulamento destinam-se ao Curso Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Administração Autárquica, adiante simplesmente designado por Curso, conducente à obtenção de uma certidão de pós-graduação. Artigo 2º (Objectivos) Constituem objectivos do Curso compreender o enquadramento da Contabilidade Autárquica na Contabilidade Pública da Administração Central e na Contabilidade Nacional; ter bons conhecimentos sobre finanças e contabilidade locais, organização autárquica, regime de contratação de bens e serviços, auditoria pública, gestão do património e outras áreas afins ou complementares; elaborar informação fiável, oportuna, que obedeça aos princípios e regras de valorimetria estabelecidas, e que represente a imagem verdadeira apropriada da situação económica, financeira e patrimonial da instituição; saber ler a múltipla informação obtida do novo sistema contabilístico para que essa informação seja útil na tomada de decisões. Artigo 3º (Concessão de certidão) A frequência do Curso é atestada por uma certidão mediante a aprovação na totalidade das disciplinas que integram o respectivo plano de estudos do curso, correspondendo a 30 U.C.. Artigo 4º (Duração) O Curso tem a duração de 150 horas, funcionando às Sextas-feiras à tarde e Sábados de manhã Artigo 5º 25

26 (Organização e estrutura curricular) 1. O curso está organizado de acordo com o sistema de unidades de crédito (30 U. C.) e as respectivas áreas científicas, disciplinas, regime de escolaridade e carga horária são os que constam do diploma de criação do Curso e do plano de estudos aprovado. 2. As equivalências e transferência de créditos serão objecto de análise da Direcção do Curso de Formação Especializada em Finanças e Contabilidade Autárquica. Artigo 6º (Condições de acesso) Podem candidatar-se a este curso: 1) Licenciados em Administração Pública ; 2) Outros licenciados, preferentemente com experiência profissional na administração local. 3) Detentores do 1ºciclo em ciclos de estudos integrados conducentes ao grau de mestre. Artigo 7º (Numerus clausus) 1. É fixado em 20 o número mínimo de inscrições para que o Curso possa funcionar. 2. O numerus clausus pode ser aumentado em mais 10 estudantes recrutados no âmbito do programa de apoio à formação na Administração Local Artigo 8º (Regime geral) As regras de matrícula e inscrição, o regime de faltas, de avaliação de conhecimentos e de classificação das disciplinas que integram o curso são os previstos pela legislação em geral, pelo Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação, pelo diploma de criação do curso e pelo presente Regulamento. Artigo 9º (Direcção de Curso) A Direcção do Curso será da responsabilidade de três docentes da Secção de Administração Pública, do Departamento de Relações Internacionais e Administração Pública da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho, devendo o Director ser um docente doutorado. Artigo 10º 26

27 (Apresentação de candidaturas) 1. A apresentação de candidaturas é efectuada no local e no prazo indicado no respectivo aviso de abertura, através do preenchimento de um boletim de candidatura. 2. Deverão ainda ser anexados os seguintes documentos: a) Cópia da certidão do curso de licenciatura com a indicação da respectiva classificação final; b) Currículum Vitae detalhado; c) Outros elementos comprovativos solicitados no aviso de abertura ou que os candidatos entendam relevantes para a apreciação da sua candidatura. Artigo 11º (Critérios de selecção) 1- A selecção dos candidatos será da responsabilidade da Comissão Directiva e efectuada com base nos seguintes critérios: a. Classificação do curso de licenciatura e/ou de outros graus já obtidos pelo candidato; b. Curriculum académico, científico e técnico-profissional; c. Outros elementos considerados relevantes. Artigo 12º (Taxa de matrícula e propina de inscrição) São devidas a taxa de matrícula e a propina de inscrição de valor a definir pelo Conselho Científico da Escola de Economia e Gestão. Artigo 13º (Matrículas e inscrições) 1. Os candidatos admitidos deverão proceder à matrícula e no prazo fixado no aviso de abertura. 2. No caso de algum candidato desistir expressamente da matrícula e inscrição ou não comparecer a realizar a mesma, no prazo de três dias após o termo do período de matrícula e inscrição, através de carta registada com aviso de recepção, serão convocados para inscrição o(s) candidato(s) imediatamente a seguir na lista ordenada, até esgotar as vagas. 3. Os candidatos convocados nos termos do artigo anterior terão um prazo irrevogável de 6 dias úteis após a recepção da notificação para procederem à matrícula e inscrição. 27

28 Artigo 14º (Revisão do Regulamento do curso) O presente Regulamento poderá ser revisto decorridos dois anos após a sua aprovação e entrada em vigor, e sempre que as exigências do funcionamento do curso o justifiquem. Artigo 15º (Entrada em vigor) O presente regulamento entra em vigor após a sua aprovação pelo Conselho Académico e respectiva homologação pelo Reitor. 28

29 Anexo 3 Condições de Candidatura e Critérios de Selecção 29

30 Condições de Acesso e Critérios de Selecção Podem candidatar-se ao Curso os licenciados (1º ciclo) em Administração Pública, outros licenciados, preferentemente com experiência profissional na administração local, e detentores do 1ºciclo em ciclos de estudos integrados conducentes ao grau de mestre. A abertura de candidaturas para a participação do curso obedece ao estipulado no Anexo IV, n.º 6, al. b) da Portaria 1141/2005, de 8 de Novembro. Numerus Clausus O numerus clausus do Curso e o número mínimo de inscrições indispensável ao seu funcionamento serão fixados por despacho reitoral, depois de divulgação efectuada pelos serviços de Administração Pública. Propinas As propinas devidas pelos alunos serão fixadas e pagas segundo as regras definidas pela Universidade do Minho em conjugação com a política de financiamento definida pelo Ministério da Ciência e Ensino Superior. 30

31 This document was created with Win2PDF available at The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA - SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAP)

REGULAMENTO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA - SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAP) REGULAMENTO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA - SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAP) REGULAMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA - SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS ARTIGO

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira

Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira 1 Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente articulado baseia-se

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017)

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017) EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA (Edição 2015-2017) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) EDITAL MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning. Normas regulamentares. Artigo 1.º Criação

Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning. Normas regulamentares. Artigo 1.º Criação Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning Normas regulamentares Artigo 1.º Criação A Universidade Nova de Lisboa, através da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH/UNL), confere o grau de Mestre

Leia mais

Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação

Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação Mestrado em Conservação e Restauro 1 Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação Artigo 1º Criação A Universidade Nova de Lisboa (UNL),

Leia mais

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos ANEXO Normas regulamentares do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição no ciclo

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO IPVC

PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO IPVC PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Artigo 1º Objectivo e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento visa orientar

Leia mais

Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares. Artigo 1.º Grau

Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares. Artigo 1.º Grau Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere a Pós-Graduação em Arte Contemporânea Artigo 2.º Objectivos do curso 1. A Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.2 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira)

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLO DE GESTÃO E FISCALIDADE PARA PME S

PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLO DE GESTÃO E FISCALIDADE PARA PME S PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLO DE GESTÃO E FISCALIDADE PARA PME S CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO E INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Angra do Heroísmo 2010/2011 1 Objectivos Este curso de pós-graduação

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS INDICE PREÂMBULO... 2 ARTIGO 1 - (Âmbito)... 2 ARTIGO 2 (Natureza)... 2 ARTIGO 3 (Gestão das atividades de pós-gradução)...

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO: MESTRADOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO CURSOS AVANÇADOS DE CURTA DURAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO: MESTRADOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO CURSOS AVANÇADOS DE CURTA DURAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO: MESTRADOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO CURSOS AVANÇADOS DE CURTA DURAÇÃO 6 DE ABRIL DE 2005 ÍNDICE PREÂMBULO. CAPÍTULO I - PRINCÍPIOS GERAIS Artº 1º - Âmbito Artº 2º

Leia mais

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Aviso (extracto) n.º 23548/2011 Nos termos do disposto no n.º 6 do artigo 12.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de

Leia mais

Deliberação n.º 762/2003

Deliberação n.º 762/2003 Deliberação n.º 762/2003 de 27 de Maio Deliberação n.º 763/2003. - Por deliberação da Secção Permanente do Senado, em reunião de 5 de Fevereiro de 2003, foi aprovada a criação do curso de Mestrado em Ciências

Leia mais

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de

Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de 3 APROVADO POR: Conselho Técnico Científico 26 09 2011 Data: / / 26 09 2011 Regulamento Geral dos Cursos de 1.º Ciclo de Estudos, conducentes ao grau de licenciado na ESEP INTRODUÇÃO Os Decretos Lei n.º

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA REGULAMENTO. Objeto, duração e definições

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA REGULAMENTO. Objeto, duração e definições CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA REGULAMENTO Objeto, duração e definições Artigo 1.º Objecto do Curso 1. O Curso de Especialização em Gestão e Organização da Justiça é um Curso de

Leia mais

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Licenciado Versão: 01 Data: 15/06/2009 Elaborado: Verificado: Aprovado: RG-PR12-02 Vice-Presidente do

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS. (edição 2010-2012)

EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS. (edição 2010-2012) EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS (edição 2010-2012) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações introduzidas

Leia mais

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011

47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 47586 Diário da República, 2.ª série N.º 232 5 de Dezembro de 2011 2) Cartas de curso identificação do Reitor da Universidade Nova de Lisboa, identificação do titular do grau, n.º do documento de identificação

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA. (Edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA. (Edição 2012-2014) 1/10 EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA (Edição 2012-2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM 01 APROVADO POR: CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 16 03 2012 Data: 16/03/2012 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012 Reitoria Despacho RT-12/2012 Por proposta do Conselho Pedagógico do Instituto de Ciências Sociais, é homologado o Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente à obtenção do Grau de Mestre em Geografia, anexo

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ANO LECTIVO 2008/2009 O Presidente do Conselho Directivo da Escola Náutica Infante D. Henrique,

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (2ª Edição 2011/2013)

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (2ª Edição 2011/2013) EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE (2ª Edição 2011/2013) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL (Edição 2012-2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Duração e estrutura do ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre 1. O ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre, ministrado na ESTBarreiro/IPS,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 3907 seguem as atribuições e competências que lhes são conferidas pelos respectivos estatutos, aprovados, respectivamente, pelos Decretos-Leis n. os 74/95,

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 184/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

Regulamento dos regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência no Ciclo de Estudos conducente ao Grau de Licenciado

Regulamento dos regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência no Ciclo de Estudos conducente ao Grau de Licenciado ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Regulamento dos regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência no Ciclo de Estudos conducente ao Grau de Licenciado (Preâmbulo)

Leia mais

Estudos em Direito. 2º Ciclo Mestrado. Apresentação. Ano Lectivo 2010 2011

Estudos em Direito. 2º Ciclo Mestrado. Apresentação. Ano Lectivo 2010 2011 Estudos em Direito 2º Ciclo Mestrado Ano Lectivo 2010 2011 Apresentação O 2º Ciclo de Estudos em Direito tem a designação internacional corrente de Master. Com a oferta do seu Programa de Mestrados 2º

Leia mais

PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO

PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO - REGULAMENTO Escola de Economia e Gestão Departamento de Relações Internacionais e Administração Pública REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO JORNALISMO Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. Artigo 2.º Destinatários O Mestrado em Jornalismo

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA 1.º OBJECTIVO Os Cursos de Pós-Graduação e Mestrados Executivos do ISLA Campus Lisboa são programas de estudos que visam

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA De acordo com o art. 14 da Lei de Bases do Sistema Educativo e ao abrigo do Capítulo III do Decreto-Lei 74/2006, e para aprovação pelo Conselho

Leia mais

Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 88/2006, de 23 de maio, que regula os cursos de especialização tecnológica.

Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 88/2006, de 23 de maio, que regula os cursos de especialização tecnológica. Regulamento do Concurso Especial de Acesso aos Cursos da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa para Titulares de Cursos Médios, Superiores e Pós- Secundários Tendo por base

Leia mais

CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS. Normas Regulamentares

CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS. Normas Regulamentares CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS Normas Regulamentares PREÂMBULO As presentes Normas Regulamentares do Ciclo de Estudos

Leia mais

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS)

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) (Ratificado pelo Conselho Científico em 20 de Abril de 2006) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1.º Objecto Em conformidade

Leia mais

Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES. Regulamento. Artigo 1º (Disposições Gerais)

Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES. Regulamento. Artigo 1º (Disposições Gerais) Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES Regulamento Artigo 1º (Disposições Gerais) O Programa de Bolsas de Mobilidade para Estudantes da Universidade de Lisboa tem por objectivo proporcionar

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL Considerando que, nos termos do n 3 do artigo 45. do Decreto -Lei n 74/2006, de 24 de margo, alterado pelos Decretos-Lei n

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL Universidade da Madeira O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído pelo Decreto- Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA. Normas Regulamentares

CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA. Normas Regulamentares CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA Normas Regulamentares PREÂMBULO As presentes Normas Regulamentares do Ciclo de Estudos de Mestrado em Genética Molecular

Leia mais

Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores.

Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores. Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores Preâmbulo De acordo com a portaria n.º 401/2007, de 5 de Abril,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM SOCIOLOGIA: EXCLUSÕES E POLÍTICAS SOCIAIS Artigo 1º Objecto O Regulamento do

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO

Leia mais

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Edital 4ª Edição 2012-2013 Barreiro, Julho de 2012 Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado 1 ENQUADRAMENTO A Pós-Graduação em Conservação

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação

Leia mais

LICENCIATURA EM DESIGN E COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA

LICENCIATURA EM DESIGN E COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA LICENCIATURA EM DESIGN E COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO Instituto de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Comunicação REGULAMENTO DE ESTÁGIO Mestrado em Ciências da Comunicação Versão revista, aprovada em reunião da Comissão Coordenadora do Departamento

Leia mais

Regulamento do Curso de. Mestrado Integrado em Engenharia Informática

Regulamento do Curso de. Mestrado Integrado em Engenharia Informática Regulamento do Curso de Mestrado Integrado em Engenharia Informática (Ciclo integrado de estudos superiores) (Registado na DGES através do n.º R/A-Cr 21/2013) Artigo 1.º Regulamento geral aplicável O Curso

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Exploratório - Centro Ciência Viva de Coimbra torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de

Leia mais

Universidade dos Açores Escola Superior de Enfermagem de Angra do Heroísmo

Universidade dos Açores Escola Superior de Enfermagem de Angra do Heroísmo 3ª EDIÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO DE GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE NOTA JUSTIFICATIVA O Curso de Pós-Graduação em Gestão de Unidades de Saúde é proposta da Escola Superior de Enfermagem de Angra do Heroísmo - Universidade

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS SEM CURSO DE DOUTORAMENTO

ESCOLA DE DIREITO REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS SEM CURSO DE DOUTORAMENTO ESCOLA DE DIREITO REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS SEM CURSO DE DOUTORAMENTO UNIVERSIDADE DO MINHO 2008 REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE À OBTENÇÃO DO GRAU DE DOUTOR EM CIÊNCIAS

Leia mais

Mestrado Construção Civil. Edital 3ª Edição 2011-2012

Mestrado Construção Civil. Edital 3ª Edição 2011-2012 Mestrado Construção Civil Edital 3ª Edição 2011-2012 Barreiro, Maio de 2011 ENQUADRAMENTO O curso de Mestrado em Construção Civil da Escola Superior de Tecnologia do Barreiro do Instituto Politécnico de

Leia mais

Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Saúde de Portalegre

Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Saúde de Portalegre Instituto Politécnico de Portalegre Escola Superior de Saúde de Portalegre Edital Cursos de Mestrado em Enfermagem (Despachos n.º 23087/2009, n.º 23089/2009, n.º 23088/2009 20 de Outubro de 2009). 1 Por

Leia mais

DESPACHO Nº 18/2007. Assunto: Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso

DESPACHO Nº 18/2007. Assunto: Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso DESPACHO Nº 18/2007 Assunto: Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Nos termos do nº 1 do artigo 10º do Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso,

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos

Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos REPUBLICA DE MOÇAMBIQUE Instituto Superior Politécnico de Manica Regulamento de Bolsas de Estudos Deliberação nº /CI/2007 Reunido em sua Sessão Ordinária no dia 6 de Setembro de 2007, a Comissão Instaladora

Leia mais

Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007. Normas regulamentares

Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007. Normas regulamentares Mestrado em Arte e Ciência do Vidro versão 19 10 2007 Normas regulamentares Artigo 1.º - Criação A Universidade Nova de Lisboa, através da Faculdade de Ciências e Tecnologia, confere o grau de mestre em

Leia mais

16050 Diário da República, 2.ª série N.º 77 21 de Abril de 2009

16050 Diário da República, 2.ª série N.º 77 21 de Abril de 2009 16050 Diário da República, 2.ª série N.º 77 21 de Abril de 2009 Unidades curriculares Área Tipo científica Obs Diagnóstico Molecular.................. BT Semestral 140 T: 15 TP: 5 PL: 5 S: 5 OT: 5 O: 5

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Centro Ciência Viva de Constância torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de Gestão de Ciência

Leia mais

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014

MBA Negócios Internacionais. Edital 1ª Edição 2013-2014 MBA Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2013-2014 Sines, Junho de 2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é um curso de pós-graduação desenvolvido pela Escola Superior de Ciências Empresariais

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO

REGULAMENTO ACADÉMICO I. Disposições Gerais Artigo 1º Objetivo O regulamento académico tem por objetivo definir a aplicação das normas que organizam e regulam todas as formações conducentes à obtenção do grau de licenciado

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1.

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1. REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Artigo 1.º Objeto O presente regulamento disciplina os regimes de reingresso,

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM BIOLOGIA (ESPECIALIDADE ENSINO)

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM BIOLOGIA (ESPECIALIDADE ENSINO) UNIVERSIDADE DOS AÇORES REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM BIOLOGIA (ESPECIALIDADE ENSINO) Art.º 1º Âmbito O Curso de Mestrado em Biologia (Especialidade em Ensino) adiante designado por Mestrado ou simplesmente

Leia mais

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10

Data 17/05/2012 Revisão 00 Código R.EM.DE.10 Artigo 1º Objectivo e âmbito O Regulamento do Curso de Pós-Graduação em Coordenação de Unidades de Saúde, adiante designado por curso, integra a organização, estrutura curricular e regras de funcionamento

Leia mais

EDITAL CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE MESTRADO EM TERAPIA OCUPACIONAL ANO LECTIVO DE 2015/2016 REPUBLICAÇÃO

EDITAL CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE MESTRADO EM TERAPIA OCUPACIONAL ANO LECTIVO DE 2015/2016 REPUBLICAÇÃO EDITAL CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE MESTRADO EM TERAPIA OCUPACIONAL ANO LECTIVO DE 2015/2016 REPUBLICAÇÃO Agostinho Luís da Silva Cruz, Presidente da Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Porto (ESTSP),

Leia mais

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico DESPACHO/SP/42/2014 Aprovo a seguinte alteração ao Regulamento do Mestrado em Fisioterapia na área de especialização de movimento humano, ministrado na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Escola Superior de Desporto de Rio Maior (ESDRM) Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir

Leia mais

C1 C2 C3 C4 C5 C6 a) 6 2 1 2 1. Licenciatura em Design a) 20 8 10 14 8

C1 C2 C3 C4 C5 C6 a) 6 2 1 2 1. Licenciatura em Design a) 20 8 10 14 8 EDITAL 1º Ciclo de Estudos - Ano Letivo 2015/2016 Concurso para os regimes de Reingresso, Mudança de Curso, Transferência, e Concursos Especiais de Ingresso (titulares de curso médio ou superior e maiores

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 vem obedecer às orientações para este efeito emitidas por despacho do Director da FCSH. 2 A tese de doutoramento deverá ter um mínimo de

Leia mais

MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS

MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS PROCEDIMENTOS E REGRAS A ADOPTAR PARA A FIXAÇÃO DOS CRÉDITOS A OBTER EM CADA ÁREA CIENTÍFICA E A ATRIBUIR POR CADA UNIDADE CURRICULAR (de acordo com Dec.- Lei nº 42/2005)

Leia mais

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados. do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Estudos Pós-Graduados do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 O presente Regulamento Geral (RG) aplica-se

Leia mais

Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto

Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto Artigo 1º Criação e objectivos 1. A Universidade do Porto, através da sua Faculdade de Desporto (FADEUP)

Leia mais

Universidade Portucalense. Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING

Universidade Portucalense. Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING Universidade Portucalense Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING APROVADAS NO CONSELHO CIENTÍFICO 9 _2009 DE 23 DE SETEMBRO DE 2009

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar Normas regulamentares Preâmbulo O regulamento do Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE FORMAÇÃO ACADÉMICA, OUTRA FORMAÇÃO E DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Preâmbulo No seguimento da terceira alteração ao Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, introduzida pelo Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

47768 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011

47768 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 47768 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 Artigo 17.º Elementos que constam obrigatoriamente dos diplomas e cartas de curso Dos diplomas e cartas de curso constarão os seguintes

Leia mais

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org Instituto Piaget Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Saúde de Vila Nova de Gaia www.ipiaget.org Ano Letivo 201-201 Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica Índice Artigo 1º

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE INTRODUÇÃO O Mestrado em Teatro, área de especialização em Teatro e Comunidade, é um programa de segundo ciclo, constituído

Leia mais

EDITAL CONCURSO DE ACESSO AO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL. Ano letivo de 2015/2016

EDITAL CONCURSO DE ACESSO AO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL. Ano letivo de 2015/2016 EDITAL CONCURSO DE ACESSO AO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL Ano letivo de 2015/2016 João Baptista da Costa Carvalho, Presidente do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA), torna público a

Leia mais