Verificação da Origem Legal. Auditoria de Monitoramento 2012 Resumo Público para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda. em Iranduba/AM - Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Verificação da Origem Legal. Auditoria de Monitoramento 2012 Resumo Público para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda. em Iranduba/AM - Brasil"

Transcrição

1 SmartWood Headquarters 65 Millet St. Suite 201 Richmond, VT05477USA Tel: Fax: Verificação da Origem Legal Auditoria de Monitoramento 2012 Resumo Público para: Verificado por: Imaflora IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda em Iranduba/AM - Brasil Estrada Chico Mendes, Caixa Postal 411 Piracicaba, SP, Brasil, CEP Tel e Fax: Contato: Versão do resumo: 28 de Fevereiro de 2012 Relatório finalizado: 24 de Fevereiro de 2012 Datas da auditoria: Equipe de auditoria: 29 de Agosto à 02 de Setembro de 2011 Marcos Planello Cedric de Ville de Goyet Código da verificação: SW-VLO Data da verificação: 06 de Abril de 2011 Relatório baseado na(s) Norma(s): Norma do SmartWoodpara a Verificação da Origem Legal (VLO) Brasil Versão: 25 de fevereiro de 2010

2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO Histórico Resolução de conflitos CONCLUSÕES DA VERIFICAÇÃO Recomendação do auditor Novas solicitações de ações corretivas (CARs) com resultado dessa auditoria Observações Ações tomadas pelo empreendimento antes da finalização do relatório Observações para a próxima auditoria PROCESSO DE AUDITORIA Descrição do processo de auditoria Equipe de auditoria Cronograma de avaliação Pessoas entrevistadas INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO Contato principal do empreendimento que solicita a verificação Contato para cobrança Locais onde registros relevantes serão mantidos Informações públicas on-line ESCOPO DA VERIFICAÇÃO Descrição do escopo Detalhes dos sites: Processamento e Comércio Detalhes dos sites: Empreendimentos de Manejo Florestal (EMF) Detalhe do Grupo de Produtos Informações de entidades NÃO incluídas no escopo da verificação ANEXO I: EVIDÊNCIAS DE NÃO CONFORMIDADE DA AUDITORIA ANEXO II: LISTA DE VERIFICAÇÃO VLO E VLC PARA EMPREENDIMENTOS DE INDÚSTRIA E COMÉRCIO (Confidencial) ANEXOIII: LISTA DE VERIFICAÇÃO DA NORMA VLO PARA EMFs (Confidencial) ANEXOIV: RESUMOS DE PRODUTOS VERIFICADOS (Confidencial) ANEXOV: AVALIAÇÃO DE RISCO DO ESCOPO DA VERIFICAÇÃO (Confidencial) ANEXOVI: RESUMO DAS EVIDÊNCIAS (Confidencial) Programa SmartWood Página 2

3 1 INTRODUÇÃO A finalidade deste relatório é documentar a conformidade com os requisitos da norma SmartWood de Verificação da Origem Legal (VLO),versão de 25 de fevereiro de 2010, pela IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda., doravante denominada Empreendimento. O relatório apresenta as evidências dos auditores do Imaflora/SmartWood que avaliaram os sistemas e o desempenho do Empreendimento em relação à(s) norma(s) aplicável(is). A Seção 2 abaixo fornece as conclusões da auditoria e quaisquer ações de acompanhamento necessárias pelo Empreendimento por meio de solicitação de ações corretivas (CARs). A Seção 3 descreve o processo de auditoria e a Seção 5 define o escopo da verificação (incluindo fornecedores de materiais brutos ou processados, vinculados ou não ao empreendimento). Comentários adicionais sobre a auditoria: A IPA realiza o manejo em duas áreas de terceiros verificadas com VLO e pretende adquirir uma UMF maior. 1.1 Histórico O programa SmartWood da Rainforest Alliance foi fundado em 1989 para verificar práticas florestais responsáveis e agora se concentra no fornecimento de vários serviços de auditorias de certificação e verificação. Os serviços de Verificação da Legalidade SmartWood são aplicáveis para Empreendimentos de Manejo Florestal (EMF), processadores de madeira, empreendimentos de comercialização, sendo para toda cadeia de produção ou parte dela, envolvendo EMF e processamento industrial. As auditorias de Verificação da Origem Legal (VLO) verificam se a fonte florestal obteve a licença de colheita, as aprovações e as licenças dos planos necessárias, se pagou os impostos, royalties e/ou taxas de colheita e se manteve um sistema de cadeia de custódia. Auditorias de Verificação da Conformidade Legal (VLC) verificam se a fonte florestal está em conformidade com a totalidade das leis relacionadas com a proteção ambiental, a fauna, a conservação da água e da terra, regras e práticas de colheita, saúde e segurança dos trabalhadores e tratamento justo das comunidades. Assim, o VLC examina a conformidade com todos os regulamentos da legislação florestal pertinentes na região em questão. Para empreendimentos de processamento, beneficiamento ou comercialização a auditoria inclui verificação do cumprimento dos requerimentos aplicáveis ao transporte e registro, incluindo pagamento de taxas e royalty, assim como a verificação da manutenção de um sistema de cadeia de custódia para as fontes de madeira. Para verificações de multi-site de toda ou parte da cadeia de produção, todos os sites são obrigados a manter um sistema de CoC para rastrear e documentar a produção da madeira desde a origem florestal através de todas as entidades participantes da cadeia de produção. 1.2 Resolução de conflitos Se organizações ou indivíduos com considerações ou comentários sobre o Imaflora ou a Rainforest Alliance/SmartWood e seus serviços, estes são fortemente encorajados a contatar diretamente o escritório regional ou a sede do Imaflora/SmartWood (ver informações de contato na capa deste relatório). Reclamações ou considerações formais devem ser enviadas por escrito. Programa SmartWood Página 3

4 2 CONCLUSÕES DA VERIFICAÇÃO A seguinte seção contém as conclusões da auditoria, assim como uma lista de Solicitações de Ações Corretivas aplicáveis emitidas durante a auditoria. As CARs são emitidas para cada site individual (EMF ou instalações industriais ou entidade participante) incluída do escopo da verificação. Abaixo, as CARs aplicáveis são listadas para cada site incluído no escopo. 2.1 Recomendação do auditor Com base na conformidade do empreendimento com os requisitos da Rainforest Alliance/SmartWood de verificação da legalidade, o auditor faz a seguinte recomendação: Verificação aprovada: No aceite da(s) CARs emitidas abaixo Verificação não aprovada: Conformidade com as CARs maiores exigidas Comentários adicionais: Este relatório é o resultado da auditoria para verificação de origem legal dos insumos florestais utilizados pela IPA. Com base nas informações obtidas ao longo da auditoria e, através da análise das evidências coletadas, os auditores recomendam a emissão da declaração de VLO, mediante o aceite das CARs emitidas. Observação: As CARs descrevem as ações ou melhorias exigidas que aborda asnão conformidades do empreendimento identificadas durante a auditoria. As CARs incluem prazos definidos para a conclusão. As CARs maiores emitidas durante as avaliações/reavaliações devem ser fechadas antes da emissão da declaração de verificação. As CARs maiores emitidas durante auditorias devem ser fechadas no prazo ou resultar em suspensão. 2.2 Novas solicitações de ações corretivas (CARs) com resultado dessa auditoria CAR emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda CAR 01/12 Norma e requisito de referência: SW-STD-VER-19; Requisito Não conformidade: Descrição da não conformidade: Nas UMFs, faltam procedimentos escritos e instalados adequados para destinação de resíduos domésticos (lixo) e manipulação de substâncias tóxicas (combustíveis, óleos, graxas), conforme solicitado nos itens 13, 19 e 20 da Licença de Operação n o 613/10 e nos itens 10, 16 e 19 da Licença de Operação n o 424/11. Também não foram apresentados ao IPAAM os Atestados de Condição Sanitária expedidos pela Fundação de Vigência em Saúde (FVS). Ação corretiva:a empresa deverá, dentro do prazo estabelecido, implementar medidas apropriadas para corrigir as não conformidades identificadas e descritas acima e evitar assim sua recorrência. Prazo para cumprimento: Até a próxima auditoria. Evidência para fechar a CAR: Status da CAR: Ação de seguimento (se houver): PENDENTE ABERTA Programa SmartWood Página 4

5 CAR emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda CAR 02/12 Norma e requisito de referência: SW-STD -VER-19; Requisito Não conformidade: Descrição da não conformidade: Foi verificado que a documentação das motosserras está regular, no entanto não está disponível para consulta no campo (no barco de apoio). A documentação dos veículos não está disponível ou está irregular. São evidências objetivas: a documentação do barco de apoio (recreio) está desatualizada e indica tripulantes que não fazem parte da equipe presente durante a auditoria; a documentação da lancha (voadeira) não estava disponível; a documentação apresentada de um dos caminhões está vencida. Ação corretiva: A empresa deverá, dentro do prazo estabelecido, implementar medidas apropriadas para corrigir as não conformidades identificadas e descritas acima e evitar assim sua recorrência. Prazo para cumprimento: Até a próxima auditoria. Evidência para fechar a CAR: Status da CAR: As cópias digitais das licenças foram encaminhas e arquivadas no campo. ENCERRADA Ação de seguimento (se houver): CAR emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda CAR 03/12 Norma e requisito de referência: SW-STD -VER-19; Requisito Não conformidade: Descrição da não conformidade: Nas UMFs, os procedimentos de segurança e mínimo impacto de corte não estão sendo seguidos conforme estabelecido no documento do POA. São evidências objetivas: o motosserrista não utiliza corretamente os EPIs; o teste do oco não é um procedimento padrão; é aberto apenas 1 caminho de fuga; falta instruções/orientações para os funcionários que estão acompanhando a atividade de abate e que não fazem parte da equipe de abate. Ação corretiva: A empresa deverá, dentro do prazo estabelecido, implementar medidas apropriadas para corrigir as não conformidades identificadas e descritas acima e evitar assim sua recorrência. Prazo para cumprimento: Até a próxima auditoria. Evidência para fechar a CAR: Status da CAR: PENDENTE ABERTA Ação de seguimento (se houver): CAR emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda CAR 04/12 Norma e requisito de referência: SW-STD -VER-19; Requisito Não conformidade: Descrição da não conformidade: O planejamento da etapa de abertura de estradas do manejo florestal não possui informações sobre as árvores protegidas e outras remanescentes. Ação corretiva: A empresa deverá, dentro do prazo estabelecido, implementar medidas apropriadas para corrigir as não conformidades identificadas e descritas acima e evitar assim sua recorrência. Prazo para cumprimento: Até a próxima auditoria. Evidência para fechar a CAR: Status da CAR: As árvores protegidas foram incluídas no mapa de planejamento de estradas. ENCERRADA Programa SmartWood Página 5

6 Ação de seguimento (se houver): CAR emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda CAR 05/12 Norma e requisito de referência: SW-STD -VER-19; Requisito Não conformidade: Descrição da não conformidade: Os direitos trabalhistas de alguns funcionários de terceiros nas UMFs não estão sendo respeitados. São evidências objetivas entrevistas realizadas com a cozinheira e sua ajudante (funcionárias do barco de apoio). Ação corretiva: A empresa deverá, dentro do prazo estabelecido, implementar medidas apropriadas para corrigir as não conformidades identificadas e descritas acima e evitar assim sua recorrência. Prazo para cumprimento: Até a próxima auditoria. Evidência para fechar a CAR: Status da CAR: PENDENTE ABERTA Ação de seguimento (se houver): CAR emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda CAR 06/12 Norma e requisito de referência: SW-STD -VER-19; Requisito 4.1 Não conformidade: Descrição da não conformidade: A empresa não possui um PPRA/PCMSO (Plano de Prevenção de Riscos Ambientais/Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional) tanto para fábrica quanto para as UMFs. Nas UMFs, falta segurança no transporte de funcionários no campo. O transporte é realizado na carroceria de uma caminhonete adaptada com dois bancos simples junto com ferramentas soltas. As motosserras acompanham soltas, nos pés dos funcionários e sem bainha. No carregamento de toras também há problemas de segurança, visto que o motorista fica sobre a carroceria orientando o operador de carregadeira durante a operação de carga. Na fábrica os operadores de motosserra que atuam no traçamento de toras não utilizam EPIs obrigatórios. Ação corretiva: A empresa deverá, dentro do prazo estabelecido, implementar medidas apropriadas para corrigir as não conformidades identificadas e descritas acima. Prazo para cumprimento: Até a próxima auditoria. Evidência para fechar a CAR: Status da CAR: PENDENTE ABERTA Ação de seguimento (se houver): CAR emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda CAR 07/12 Norma e requisito de referência: SW-STD -VER-19; Requisito 4.2 Não conformidade: Descrição da não conformidade: A manutenção de máquinas pesadas e equipamentos não contempla alguns itens de segurança. Foram verificadas nas UMFs máquinas pesadas sem sinal de ré e retrovisores. Na fábrica, a motosserra utilizada no traçamento das toras não possui pino de segurança e trava do acelerador. Programa SmartWood Página 6

7 Ação corretiva: A empresa deverá, dentro do prazo estabelecido, implementar medidas apropriadas para corrigir as não conformidades identificadas e descritas acima e evitar assim sua recorrência. Prazo para cumprimento: Até a próxima auditoria. Evidência para fechar a CAR: Status da CAR: PENDENTE ABERTA Ação de seguimento (se houver): CAR emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda CAR 08/12 Norma e requisito de referência: SW-STD -VER-19; Requisito 4.1 Não conformidade: Descrição da não conformidade: Nas UMFs, alguns funcionários não estão licenciados para função realizada. Foi verificado que um dos piloteiros da lancha (voadeira) não possui arrais ou licença de categoria superior. Ação corretiva: A empresa deverá, dentro do prazo estabelecido, implementar medidas apropriadas para corrigir as não conformidades identificadas e descritas acima e evitar assim sua recorrência. Prazo para cumprimento: Até a próxima auditoria. Evidência para fechar a CAR: Status da CAR: PENDENTE ABERTA Ação de seguimento (se houver): CAR emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda CAR 09/12 Norma e requisito de referência: SW-STD -VER-19; Requisito 4.1 Não conformidade: Descrição da não conformidade: Nas UMFs, em caso de acidente faltam equipamentos para atendimentos de emergências. O EMF não possui uma maca e, caso for preciso um transporte rápido à noite, a lancha (voadeira) não tem sinalização adequada. Ação corretiva: A empresa deverá, dentro do prazo estabelecido, implementar medidas apropriadas para corrigir as não conformidades identificadas e descritas acima e evitar assim sua recorrência. Prazo para cumprimento: Até a próxima auditoria. Evidência para fechar a CAR: Status da CAR: PENDENTE ABERTA Ação de seguimento (se houver): CAR emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda CAR 10/12 Norma e requisito de referência: SW-STD -VER-19; Requisito CoC 02 e 09 Não conformidade: Descrição da não conformidade: Na fábrica, faltam procedimentos escritos Programa SmartWood Página 7

8 e instalados para possíveis falhas de controle da cadeia de custódia da madeira. Foi verificado no pátio de madeira VLO um setor com toras sem identificação (placa, número escrito no giz de cera ou etiqueta) e o engenheiro florestal responsável não tinha conhecimento dessas toras. Também foi verificado que, na carga da balsa que saiu da UMF durante a auditoria e com previsão de chegada no pátio da fábrica no dia 03/09/2011, haviam 2 toras no romaneio que estavam no sistema de controle em cargas anteriores. Ação corretiva: A empresa deverá, dentro do prazo estabelecido, implementar medidas apropriadas para corrigir as não conformidades identificadas e descritas acima, evitar assim sua recorrência, apresentar o encaminhamento das toras encontradas no setor de madeira sem identificação e das 2 toras da balsa. Prazo para cumprimento: Até a próxima auditoria. Evidência para fechar a CAR: Status da CAR: Ação de seguimento (se houver): PENDENTE ABERTA CAR emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda CAR 11/12 Norma e requisito de referência: SW-STD -VER-19; Requisito Não conformidade: Descrição da não conformidade: Os contratos de prestação de serviços firmados com terceiros estão fora do prazo de validade. Ação corretiva: A empresa deverá, dentro do prazo estabelecido, implementar medidas apropriadas para corrigir as não conformidades identificadas e descritas acima, evitar assim sua recorrência. Prazo para cumprimento: Até a próxima auditoria. Evidência para fechar a CAR: Status da CAR: Ação de seguimento (se houver): PENDENTE ABERTA 2.3 Observações Observação: As observações são emitidas nos estágios iniciais de um problema que não constitui por si só uma não conformidade, mas que o auditor considera que pode levar a uma futura não conformidade se não for solucionado peloempreendimento; as observações podem levar a não conformidades diretas se não forem atendidas. OBS emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda OBS 01/12 Norma e requisito de referência: SW-STD -VER-19; Requisito Descrição das evidências que levaram à observação: Os Contratos de Vinculação de PMFS estabelecem que a IPA é co-responsável pela manutenção da floresta manejada. O ciclo de manejo é de 25 anos e a exploração dessas UMFs será realizada em um único ano. Observação:Não está claro qual a estratégia e quais serão as atividades que visam garantir a manutenção da floresta ao longo do ciclo dos referidos PMFS; e qual será o tratamento com as comunidades do entorno que tem um histórico de extração de cipó e breu nas áreas de exploração madeireira. Programa SmartWood Página 8

9 OBS emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda OBS 02/12 Norma e requisito de referência: SW-STD -VER-19; Requisito 4.1 Descrição das evidências que levaram à observação: A empresa possui um programa de segurança eficiente na fábrica, porém na UMF nem todos os pontos da NR31 são verificados. Observação: A adequação aos pontos aplicáveis da NR31 poderia trazer benefícios aos trabalhadores florestais. OBS emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda OBS 03/12 Norma e requisito de referência: SW-STD -VER-19; Requisito CoC 05 Descrição das evidências que levaram à observação: No relatório de treinamento da fábrica, alguns funcionários não assinaram a lista de presença. Observação: Na fábrica, falta o registro do treinamento de alguns funcionários com responsabilidade pelas etapas de controle, contudo, foi verificado que os mesmos têm conhecimentos dos procedimentos. 2.4 Ações tomadas pelo empreendimento antes da finalização do relatório Antes da finalização do relatório a empresa enviou aos auditores documentos pendentes e que necessitavam de ajustes. Todas as informações apresentadas foram consideradas na elaboração desse relatório, entretanto há pontos que devem ser checados presencialmente na próxima auditoria. 2.5 Observações para a próxima auditoria Checar algumas árvores protegidas no campo, principalmente na borda da estrada. Iniciar a auditoria pela UMF. 3 PROCESSO DE AUDITORIA 3.1 Descrição do processo de auditoria A IPA Indústria de Pisos da Amazônia é uma empresa de capital privado recém instalada no município de Iranduba/AM, constituída com o objetivo de fabricar pisos sólidos de madeira, utilizando como matéria-prima espécies variadas de madeira dura encontradas na região Amazônica. A empresa possui um sistema de controle para entrada de matéria prima VLO, FSC e sem uma verificação independente. Toda a matéria prima é adquirida de terceiros, contudo a madeira com verificação VLO tem origem de dois PMFS elaborados em co-responsabilidade com os proprietários das duas áreas vizinhas através dos Contratos de Compra e Venda de PMFS com Responsabilidade Civil e Criminal e, dos Contratos de Vinculação de PMFS com Indústria Processadora de Matéria Prima. As duas UMF estão situadas em Urucará/AM, à margem esquerda do rio Amazonas, na zona rural do município. A primeira, com uma área de 1.094,00ha, foi elaborada em 2010 na propriedade de Izabel V. F. Soiferde. A segunda, com uma área de 1.650,67ha, foi elaborada em 2011 na propriedade da MADEPRAM Madeiras Preciosas da Amazônia Ltda de 2.053,25ha, vizinha a anterior. Programa SmartWood Página 9

10 A auditoria para Verificação de Origem Legal teve início com a reunião de abertura na fábrica. Em seguida foram solicitados alguns documentos e seguimos viagem de carro para Itapiranga, onde pernoitamos. No segundo dia, seguimos de lancha (voadeira) para as UMFs, no interior de Urucará, na margem esquerda do Rio Amazonas. Em campo, foram analisados aspectos legais do manejo, incluindo o direito legal de colheita, autorizações de exploração, pagamentos de taxas e impostos, registros legais, autorizações para transporte e comércio, aspectos trabalhistas e documentos de porte obrigatório. Além disso, foram analisados os procedimentos de trabalho, envolvendo treinamento, planejamento da operação, abertura de estradas principais e secundárias, corte, arraste, estocagem, carregamento, o transporte da floresta até a margem do Rio Amazonas, o carregamento da balsa, identificação (das toras e tocos), registros e manutenção dos equipamentos. Para a etapa de campo, foram necessárias 4,5 horas de carro e 2,5 horas de voadeira para ir e o mesmo para a volta e, 1,5 dias para a auditoria. Durante essa etapa foram identificadas algumas não conformidades de grau menor, das quais 2 foram encerradas durante a elaboração do relatório : Foi observado que parte do lixo do barco de apoio (resíduo doméstico) estava sendo jogado em um buraco no solo, queimado e enterrado. O combustível é armazenado em tambores dispostos diretamente sobre o solo próximo ao barco de apoio e do rio. Durante sua manipulação há a contaminação direta do solo. Inclusive, evidenciou-se um funcionário manipulando uma bomba de diesel para abastecer as máquinas, jogando o resíduo diretamente no solo. Para a manutenção das máquinas, não tem disponível um coletor de óleo e resíduos e faltam procedimentos para os responsáveis. Foi solicitada a documentação do barco (recreio) da lancha (voadeira) e de um caminhão. A documentação do barco está desatualizada e indica tripulantes que não fazem parte da equipe presente durante a auditoria; a documentação da lancha não está disponível; a documentação apresentada de um dos caminhões está vencida. Considerando esses problemas, foi emitida a CAR 01/11. Acompanhando a atividade de abate, evidenciou-se uma série de problemas: foram disponibilizados os EPIs, mas o motosserrista não os utiliza corretamente; o teste do oco não é um procedimento padrão; é aberto apenas 1 caminho de fuga; além da equipe de abate e os auditores, haviam outros funcionários acompanhando a atividade e que permaneceram em um posição de risco durante o abate. Considerando esses problemas, foi emitida a CAR 03/11. A(s) equipe(s) de planejamento de abertura de estradas trabalham com um mapa sem as informações sobre as árvores protegidas e outras remanescentes. Considerando esse problema, foi emitida a CAR 04/11. Em entrevista com a cozinheira e sua ajudante foi verificado que: a cozinheira não tem um vínculo trabalhista, sua jornada de trabalho é das 3h00 às 21h00 e estava há alguns meses sem folga; a ajudante que acabava de começar, não tem um vínculo trabalhista, não sabe o valor que irá receber e sua jornada de trabalho é das 3h00 às 21h00. Considerando esses problemas e o contexto local, foi emitida a CAR 05/11 de grau menor. A IPA está trabalhando para desenvolver o PPRA/PCMSO (Plano de Prevenção de Riscos Ambientais/Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional) da fábrica, no entanto, as UMFs não estão inseridas. O transporte dos funcionários no campo é realizado na carroceria de uma caminhonete (Toyota Bandeirante) adaptada com dois bancos simples (2 tábuas na transversal) junto com ferramentas soltas. Por exemplo, as motosserras acompanham soltas, nos pés dos funcionários e sem bainha. Evidenciou-se na UMF o motorista do caminhão sobre a carroceria, apoiado sobre toras soltas durante o carregamento no pátio da floresta, exposto a um risco desnecessário. Considerando esse problema, foi emitida a CAR 06/11. Evidenciaram-se pás carregadeira sem sinal de ré e retrovisores. Considerando esse problema, foi emitida a CAR 07/11. Programa SmartWood Página 10

11 Foi verificado que um dos piloteiros da lancha (voadeira) não possui arrais ou licença de categoria superior. Considerando esse problema, foi emitida a CAR 08/11. Nas UMFs, em caso de acidente faltam equipamentos para atendimentos de emergências. O EMF não possui uma maca e, caso for preciso um transporte rápido a noite, a lancha (voadeira) não tem sinalização adequada. Considerando esses problemas, foi emitida a CAR 09/11. A documentação das motosserras não estava disponível para consulta no campo, no entanto foi verificado no arquivo da fábrica que a documentação estava regular. Considerando esse problema, foi emitida a CAR 02/11. Durante a elaboração desse relatório, o EMF encaminhou um documento contendo o Plano de Ações onde está descrito que foram encaminhadas para o campo cópias digitais das licenças. A CAR 02/11 foi considerada encerrada. No quarto e quinto dia, a auditoria foi realizada na fábrica, onde foram analisados todos os procedimentos para segregação, identificação e controle dos materiais verificados e os registros ao longo de todo o processo produtivo. Além disso, foram analisados os procedimentos de trabalho, envolvendo treinamento e segurança, a documentação legal para operação, os relatórios e encaminhamentos das auditorias internas. Na fábrica foram evidenciadas outras não conformidades de grau menor: Evidenciou-se que a motosserra utilizada no traçamento das toras não possui pino de segurança e trava do acelerador. Esse problema foi referenciado na CAR 07/11 Também durante o traçamento das toras, não foram disponibilizado os EPIs adequados para a atividade e os que foram disponibilizados não estavam sendo usados; os motosserristas não receberam treinamento para a atividade. Considerando esse problema, foi emitida a CAR 06/11. Faltam procedimentos para possíveis falhas de controle da cadeia de custódia da madeira. Foi verificado no pátio de madeira VLO um setor com toras sem identificação (placa, número escrito no giz de cera ou etiqueta) e o engenheiro florestal responsável não tinha conhecimento dessas toras. Também foi verificado que, na carga da balsa que saiu da UMF durante a auditoria e com previsão de chegada no pátio da fábrica no dia 03/09/2011, haviam 2 toras no romaneio que estavam no sistema de controle em cargas anteriores. Considerando esse problema, foi emitida a CAR 10/11. Ao final da auditoria, no quinto dia, foi realizada uma reunião de encerramento onde os auditores apresentaram suas impressões, indicando a recomendação ao Smartwood da manutenção da declaração de Verificação de Origem Legal VLO à Indústria de Pisos da Amazônia IPA, mediante o aceite das CAR menores emitidas. 3.2 Equipe de auditoria Auditor(es) Marcos B. Planello Cedric de Ville de Goyet Qualificações, afiliações Gestor Ambiental com experiência em implantação de projetos florestais. Auditor Líder do Programa de Certificação Florestal do Imaflora em processos de certificação de cadeia de custódia FSC. Líder da auditoria. Engenheiro Florestal, auditor do Programa de Certificação Florestal do Imaflora em empreendimentos de manejo florestal. Possui quatro anos de experiência em manejo florestal na Amazônia. 3.3 Cronograma de avaliação Data(s) Local(is) Atividades principais Programa SmartWood Página 11

12 29/08/11 Iranduba e Itapiranga/AM 30/08/11 Itapiranga e Urucará/AM 31/08/11 Urucará e Manaus/AM Reunião de abertura na fábrica; Deslocamento terrestre até Itapiranga/AM. Deslocamento de voadeira até as UMFs no interior do município de Urucará/AM; Verificação das atividades de manejo florestal; Verificação de documentos. Verificação das atividades de manejo florestal; Reunião dos auditorias com a equipe de campo; Deslocamento até Manaus/AM. 01/09/11 Iranduba/AM Verificação da cadeia de custódia e indústria; Verificação de documentos. 02/09/11 Iranduba/AM Verificação da cadeia de custódia e indústria; Verificação de documentos; Reunião de fechamento. 3.4 Pessoas entrevistadas Nome Paula Gomes Iague Adamir da Rocha Nina Junior Celso dos Santos Couto Adenilson Gonçalves Raimundo Rodrigues Evandro Oliveira Anderson Serrão dos Santos Milton Rodrigues Regineia Silva de Souza Maria Ordenha dos Santos Valdecir Serrão Mendonça Joaquim Oliveira dos Santos João Soares Antônio Francisco de Souza Sérgio Cavalcante Roberto Ângelo Grunpeter Alexandre Guimarães de Paiva Izaque de Oliveira Izel Elinelson Pinheiro de Souza Hosana Silva Cargo e organização Gerente florestal Engenheiro Florestal Técnico Florestal Planejamento Motosserrista Planejamento Planejamento de estradas e arraste Piloto florestal Cozinheira Auxiliar de cozinha Apontador Operador de Skidder Encarregado de pátio Apontador de serraria Operador de plaina Gerente administrativo Coordenador de RH Técnico de segurança do trabalho Supervisor de PCP Assistente de PCP 4 INFORMAÇÕES SOBRE O EMPREENDIMENTO 4.1 Contato principal do empreendimento que solicita a verificação Principal contato, cargo: Endereço: Tel/fax/ Paula Gomes Iague, Gerente Florestal Margem Esquerda do Rio Solimões, s/n - Lote Areia Preta CEP Caixa Postal n 8 Iranduba/AM Brasil Tel.: Programa SmartWood Página 12

13 4.2 Contato para cobrança O mesmo indicado para o contato principal 4.3 Locais onde registros relevantes serão mantidos O mesmo mostrado para o contato principal 4.4 Informações públicas on-line Observação: Após a verificação, o site dosmartwood divulga e mantém detalhes das empresas com as informações da tabela abaixo, em Campo Texto Essas informações mudaram? Contato, cargo: (Vendas e Marketing) Paula Gomes Iague, Gerente Florestal Sim Não Endereço: Margem Esquerda do Rio Solimões, s/n - Lote Areia Preta CEP Caixa Postal n 8 Sim Não Iranduba/AM Brasil Tel/fax/ /site: Tel.: Sim Não Programa SmartWood Página 13

14 5 ESCOPO DA VERIFICAÇÃO 5.1 Descrição do escopo Item do escopo Marcar todas as opções aplicáveis ao Escopo da verificação Tipo de verificação: Único Vários locais/sites Atividade principal: Produtor florestal e Processador primário Unidade legal do Sociedade Ltda. empreendimento: Local: Número de sites incluídos no escopo: Número de EMFs incluídos no escopo: Iranduba/AM Não aplicável. Um. Alteração no escopo (N/A para Avaliações) Comentários: A verificação de origem legal se estende do manejo à produção de pisos, sendo que todas as etapas são de responsabilidade da IPA. É 1 EMF com 2 UMFs. 5.2 Detalhes dos sites: Processamento e Comércio Site IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda. Local (Endereço, tel./fax/ ) Margem Esquerda do Rio Solimões, s/n - Lote Areia Preta CEP Caixa Postal n 8 Iranduba/AM Brasil Tel.: Tipo de operação Produção de pisos sólidos de madeira a partir de toras. 5.3 Detalhes dos sites: Empreendimentos de Manejo Florestal (EMF) N/A: Nenhum EMF está incluída no escopo Nome e local (Endereço, tel./fax/ ) IPA Indústria de Pisos da Amazônia. Margem esquerda do Rio Amazonas Zona Rural de Urucará/AM, Brasil. Sem tel./fax. Área total Espécie colhida (Ha) Nome botânico Nome comum 1.102,75 da propriedade de Izabel V. F. Soifer e, 1.094,00 do PMFS Hymenolobium excelsum Pithecellobium incuriale (Vell.) Benth. Dinizia excelsa Licania microcarpa Hook. f. Cariniana micrantha Lecythis zabucajo Aubl. Angelim-pedra Angelim-rajado Angelim-vermelho Caraipé Castanha de macaco Castanha Sapucaia Programa SmartWood Página 14

15 Dipteryx odorata (Aubl.) Willd. Goupia glabra Aubl. Parkia multijuga Benth. Vatairea guianensis Aubl. Piptadenia suaveolens Miq. Pouteria pachycarpa Pires Mezilaurus itauba (Meisn.) Taub. Ex Mez Lecythis chartacea O. Berg Hymenaea courbaril L. Ocotea rubra Mez. Ocotea cymbarum Kunth Licania oblongifolia Standl. Qualea paraensis Manilkara paraensis (Huber) Standl. Manilkara huberi () Chevalier Lecythis amara (Aubl.) Mouriri calocarpa Astronium Lecointei Swartzia cinerea Enterolobium schomburgkii (Benth.) Benth. Brosimun rubescens Taub. Caryocar villosum (Aubl.) Pers. Caryocar glabrum (Aubl.) Pers. Lecythis idatimon Aubl. Micrandra rossiana R. E. Schult. Sweetia fruticosa Spreng. Andira parviflora Bowdichia nitida Spruce Buchenavia macrophylla Eichler Couratari guianensis Cumaru Cupiúba Faveira Faveira amarela Faveira folha fina Goiabão Itaúba Jarana Jatobá Louro gamela Louro inamuí Macucu chiador Mandioqueira Maparajuba Massaranduba Matamatá amarelo Miraúba Muiracatiara Muirajiboia Orelha-de-macaco Pau rainha Pequia Pequiarana Ripeiro Seringarana Sucupira amarela Sucupira chorona Sucupira preta Taninbuca Tauari branco Programa SmartWood Página 15

16 Aubl. Couratari stellata A. C. Sm. Sloanea eichleri Schum. Endopleura uchi (Huber) Cuatrec. Tauari vermelho Urucurana Uxi liso IPA Indústria de Pisos da Amazônia. Margem esquerda do Rio Amazonas Zona Rural de Urucará/AM, Brasil. Sem tel./fax ,25 da propriedade de Madepram Madeiras Preciosas da Amazônia Ltda e 1.650,67 do PMFS Hymenolobium excelsum Pithecellobium incuriale (Vell.) Benth. Dinizia excelsa Dipteryx odorata (Aubl.) Willd. Dipteryx punctata (Blake) Amshoff Goupia glabra Aubl. Vataireopsis speciosa Vatairea guianensis Aubl. Piptadenia suaveolens Miq. Tabebuia serratifolia (Vahl) Nichols. Mezilaurus itauba (Meisn.) Taub. Ex Mez Mezilaurus lindaviana Schwacke & Mez Hymenaea courbaril L. Ocotea rubra Mez. Ocotea neesiana (Miq.) Kosterm Manilkara paraensis (Huber) Standl. Manilkara huberi () Chevalier Astronium Lecointei Enterolobium schomburgkii (Benth.) Benth. Brosimun rubescens Taub. Sweetia fruticosa Spreng. Bowdichia nitida Spruce Buchenavia macrophylla Eichler Cariniana decandre Angelim-pedra Angelim-rajado Angelim-vermelho Cumaru Cumarurana Cupiúba Fava amargosa Faveira amarela Faveira folha fina Ipe Itaúba Itauba abacate Jatobá Louro gamela Louro preto Maparajuba Massaranduba Muiracatiara Orelha-de-macaco Pau rainha Sucupira amarela Sucupira preta Taninbuca Tauari vermelho Programa SmartWood Página 16

17 5.4 Detalhe do Grupo de Produtos Site (nome e local) IPA Indústria Iranduba/AM Margem Esquerda do Rio Solimões, s/n - Lote Areia Preta Iranduba/AM Brasil Insumos (produtos e espécies) Grupo de Produto Toras de Madeira VLO das espécies Pisos maciços de Madeira VLO das espécies Nome botânico Nome comum Nome botânico Nome comum Hymenolobium Angelim-pedra Hymenolobium Angelim-pedra excelsum Pithecellobium incuriale (Vell.) Benth. Dinizia excelsa Licania microcarpa Hook. f. Cariniana micrantha Lecythis zabucajo Aubl. Dipteryx odorata (Aubl.) Willd. Dipteryx punctata (Blake) Amshoff Goupia glabra Aubl. Vataireopsis speciosa Parkia multijuga Benth. Vatairea guianensis Aubl. Piptadenia suaveolens Miq. Pouteria pachycarpa Pires Tabebuia serratifolia (Vahl) Nichols. Mezilaurus itauba (Meisn.) Taub. Ex Mez Mezilaurus lindaviana Schwacke & Mez Angelim-rajado Caraipé Castanha de macaco Castanha Sapucaia Cumaru Cumarurana Cupiúba Fava amargosa Faveira Faveira amarela Faveira folha fina Goiabão Ipe Itaúba Itauba abacate excelsum Pithecellobium incuriale (Vell.) Benth. Dinizia excelsa Licania microcarpa Hook. f. Cariniana micrantha Lecythis zabucajo Aubl. Dipteryx odorata (Aubl.) Willd. Dipteryx punctata (Blake) Amshoff Goupia glabra Aubl. Vataireopsis speciosa Parkia multijuga Benth. Vatairea guianensis Aubl. Piptadenia suaveolens Miq. Pouteria pachycarpa Pires Tabebuia serratifolia (Vahl) Nichols. Mezilaurus itauba (Meisn.) Taub. Ex Mez Mezilaurus lindaviana Schwacke & Mez Angelim-rajado Angelimvermelho Angelimvermelho Caraipé Castanha de macaco Castanha Sapucaia Cumaru Cumarurana Cupiúba Fava amargosa Faveira Faveira amarela Faveira folha fina Goiabão Ipe Itaúba Lecythis Jarana Lecythis Jarana Itauba abacate Tipo de Produto (FSC-STD a) 3110 Programa SmartWood Página 17

18 chartacea O. Berg Hymenaea courbaril L. Ocotea rubra Mez. Ocotea cymbarum Kunth Ocotea neesiana (Miq.) Kosterm Licania oblongifolia Standl. Qualea paraensis Manilkara paraensis (Huber) Standl. Manilkara huberi () Chevalier Lecythis amara (Aubl.) Mouriri calocarpa Astronium Lecointei Swartzia cinerea Enterolobium schomburgkii (Benth.) Benth. Brosimun rubescens Taub. Caryocar villosum (Aubl.) Pers. Caryocar glabrum (Aubl.) Pers. Lecythis idatimon Aubl. Micrandra rossiana R. E. Schult. Sweetia fruticosa Spreng. Andira parviflora Bowdichia nitida Spruce Jatobá Louro gamela Louro inamuí Louro preto Macucu chiador Mandioqueira Maparajuba Massaranduba Matamatá amarelo Miraúba Muiracatiara Muirajiboia Pau rainha Pequia Pequiarana Ripeiro Seringarana Sucupira amarela Sucupira chorona Sucupira preta chartacea O. Berg Hymenaea courbaril L. Ocotea rubra Mez. Ocotea cymbarum Kunth Ocotea neesiana (Miq.) Kosterm Licania oblongifolia Standl. Qualea paraensis Manilkara paraensis (Huber) Standl. Manilkara huberi () Chevalier Lecythis amara (Aubl.) Mouriri calocarpa Astronium Lecointei Swartzia cinerea Enterolobium schomburgkii (Benth.) Benth. Brosimun rubescens Taub. Caryocar villosum (Aubl.) Pers. Caryocar glabrum (Aubl.) Pers. Lecythis idatimon Aubl. Micrandra rossiana R. E. Schult. Sweetia fruticosa Spreng. Andira parviflora Bowdichia nitida Spruce Jatobá Louro gamela Louro inamuí Louro preto Macucu chiador Mandioqueira Maparajuba Massaranduba Matamatá amarelo Miraúba Muiracatiara Muirajiboia Orelha-demacaco Orelha-demacaco Pau rainha Pequia Pequiarana Ripeiro Seringarana Sucupira amarela Sucupira chorona Sucupira preta Buchenavia Taninbuca Buchenavia Taninbuca Programa SmartWood Página 18

19 macrophylla Eichler Couratari guianensis Aubl. Cariniana decandre Couratari stellata A. C. Sm. Sloanea eichleri Schum. Endopleura uchi (Huber) Cuatrec. Tauari branco Tauari vermelho Tauari vermelho Urucurana Uxi liso macrophylla Eichler Couratari guianensis Aubl. Cariniana decandre Couratari stellata A. C. Sm. Sloanea eichleri Schum. Endopleura uchi (Huber) Cuatrec. Tauari branco Tauari vermelho Tauari vermelho Urucurana Uxi liso 5.5 Informações de entidades NÃO incluídas no escopo da verificação N/A: Não há nenhum fornecedor verificado. Programa SmartWood Página 19

20 ANEXO I: EVIDÊNCIAS DE NÃO CONFORMIDADE DA AUDITORIA Histórico da auditoria Período da auditoria (intervalo de datas coberto pela auditoria): 06 de Dezembro de 2010 a 02 de Setembro de 2011 O sistema de manejo foi alterado desde a avaliação anterior: Sim Não Em caso afirmativo, revise brevemente as alterações: - Houve alguma reclamação, disputa ou alegação de não conformidade com as normas feitas em relação aoempreendimento durante o período de auditoria: Sim Não Em caso afirmativo, mencione a norma e os critérios nos quais as evidências correspondentes foram encontradas no relatório: - Observação: Esta seção indica as ações doempreendimento para ficar em conformidade com as CARs que foram emitidas durante ou desde a última auditoria. Falha em atender à CAR menor resulta na transformação da CAR em Maior; o Empreendimento deve realizar a ação de acompanhamento especificada ou ocorrerá suspensão involuntária. Categorias de status Encerrada Aberta Explicação A operação atendeu a CAR com sucesso. A operação não atendeu ou atendeu parcialmente a CAR. Assinale se N/A (não existem CARs em aberto para revisar). CAR emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda CAR 01/10 Referência à norma & requisito: SW-STD-VER-19; Requisito Não Conformidade: Descrição da não-conformidade: A empresa não utilizou o micro zoneamento em seus mapas de corte, bem como em seu mapa geral da UMF, subestimando as Áreas de Preservação Permanente e ocasionando o abate de duas árvores nelas contidas. (UPA 4 - árvores e ). Ação Corretiva: O EMF deverá, dentro do prazo estabelecido, implementar medidas apropriadas para corrigir as não conformidades identificadas e descritas acima e evitar assim sua recorrência. Prazo para cumprimento: Antes da emissão da declaração de VLO. Evidências de encerramento da CAR: Situação da CAR: Ações de Seguimento (se O empreendimento apresentou plano de ação que contém medidas como a revisão dos mapas de corte incluindo-se as APPs, árvores imunes e protegidas; desclassificação e uso interno das toras abatidas em APP; Recuperação da área degrada em APP; reformulação dos mapas de corte com inserção completa do microzoneamento; remoção de árvores em APP da lista de corte e apresentação futura ao Imaflora dos relatórios pósexploratórios. ENCERRADA. Emissão da CAR 03/10 para verificação de cumprimento das medidas Programa SmartWood Página 20

21 necessárias): propostas. CAR emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda CAR 02/10 Referência à norma & requisito: SW-STD -VER-19; Requisito Não Conformidade: Descrição da não-conformidade: O mapa geral da UMF (denominado mapa logístico) não condiz com a realidade de campo, apresentando diferenças significativas na localização de árvores e demarcação incorreta de APPs. Ação Corretiva: O EMF deverá, dentro do prazo estabelecido, implementar medidas apropriadas para corrigir as não conformidades identificadas e descritas acima e evitar assim sua recorrência. Prazo para cumprimento: Até a próxima auditoria realizada em 29 de Agosto de Evidências de encerramento da CAR: Situação da CAR: Ações de Seguimento (se necessárias): O mapa geral foi revisado e corrigido. A seleção de árvores para abate foi corrigida de acordo com a revisão das APPs. As equipes de campo receberam orientação específica quanto à proteção das APPs e os cuidados no abate de árvores no entorno próximo. ENCERRADA. N/A CAR emitida para: IPA Indústria de Pisos da Amazônia Ltda CAR 03/10 Referência à norma & requisito: SW-STD -VER-19; Requisito Não Conformidade: Descrição da não-conformidade: O plano de ação da empresa para tratativa da pré-condicionante foi aceito mediante a desclassificação das toras e , além de outras medidas correlatas, passíveis de verificação somente após o uso da madeira explorada. Ação Corretiva: O EMF deverá, dentro do prazo estabelecido, implementar medidas apropriadas para corrigir as não conformidades identificadas e descritas acima e evitar assim sua recorrência. A empresa deve apresentar ao Imaflora evidências de cumprimento de todas as propostas contidas em seu plano de ação. Prazo para cumprimento: Até a próxima auditoria realizada em 29 de Agosto de Evidências de encerramento da CAR: Situação da CAR: Ações de Seguimento (se necessárias): A empresa fez a revisão dos mapas de corte com inserção completa do microzoneamento e da lista de árvores para abate, excluindo indivíduos localizados em APP. ENCERRADA. N/A Programa SmartWood Página 21

22 ANEXO II: LISTA DE VERIFICAÇÃO VLO E VLC PARA EMPREENDIMENTOS DE INDÚSTRIA E COMÉRCIO (Confidencial) ANEXOIII: LISTA DE VERIFICAÇÃO DA NORMA VLO PARA EMFs (Confidencial) ANEXOIV: RESUMOS DE PRODUTOS VERIFICADOS (Confidencial) ANEXOV: AVALIAÇÃO DE RISCO DO ESCOPO DA VERIFICAÇÃO (Confidencial) ANEXOVI: RESUMO DAS EVIDÊNCIAS (Confidencial) Programa SmartWood Página 22

Verificação da Origem Legal

Verificação da Origem Legal SmartWood Headquarters 65 Millet St. Suite 201 Richmond, VT 05477 USA Tel: 802-434-5491 Fax: 802-434-3116 www.smartwood.org Verificação da Origem Legal Avaliação Completa Relatório para: Verificado por:

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 1129 1 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Certificação

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 11029 1000 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Fazenda Olhos d Água

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Fazenda Olhos d Água Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Fazenda Olhos d Água Cultivo(s): Café (Coffea arabica L.) Data do Resumo Público: 18 de abril de 2012 Data de Entrega do Relatório:

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Usina São Francisco S.A e Usina Santo Antonio S.A

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Usina São Francisco S.A e Usina Santo Antonio S.A Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Verificação Usina São Francisco S.A e Usina Santo Antonio S.A Cultivo(s): Cana-de-açúcar (Saccharum officinarum L.) Data do Resumo Público:

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 11029 1000 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Osvaldo Cruz

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Osvaldo Cruz Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Osvaldo Cruz Cultivo(s): Café (Coffea arabica L.) Data do Resumo Público: 18 de abril de 2012 Data de Entrega do Relatório: 16

Leia mais

APENAS PARA VISUALIZAÇÃO

APENAS PARA VISUALIZAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE SEMA/PA Protocolo Nº: 2007/0000150412 Data do protocolo: 27/04/2007 RESPONSÁVEL TÉCNICO: Autorização para Exploração Florestal AUTEF Nº: 679/2009 VALIDADE ATÉ: 31/08/2010

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Sustainable Agriculture Network info@san.ag Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Certificação Fazenda São Paulo Imaflora Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola.

Leia mais

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL Resumo Público RIO CAPIM PA / 2011 2 EMPRESA CIKEL BRASIL VERDE MADEIRAS LTDA - COMPLEXO RIO CAPIM Fazenda Rio Capim, Rod. BR 010, Km 1564, Zona Rural Paragominas-PA

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 11029 1000 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Certificação

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 11029 1000 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

I. INFORMAÇÕES GERAIS DA EMPRESA. 1. Razão Social (como deve aparecer no certificado)

I. INFORMAÇÕES GERAIS DA EMPRESA. 1. Razão Social (como deve aparecer no certificado) 2200 Powell St. Suite 725 Emeryville CA 94608 USA Phone: +1.510.452.8000 Fax: +1.510.452.6882 Programa de Conservação Florestal da SCS Formulário para Certificação de Cadeia de Custódia do FSC. Favor digitar

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 11029 1000 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Certificação

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Capetinga e Sassafrás

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Capetinga e Sassafrás Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Capetinga e Sassafrás Cultivo(s): Café (Coffea arabica L.) Data do Resumo Público: 04 de janeiro de 2012 Data de Entrega do Relatório:

Leia mais

Resumo Público de Avaliação de Cadeia de Custódia CERFLOR para: Fibria International Trade GmbH em Lustenau, Áustria

Resumo Público de Avaliação de Cadeia de Custódia CERFLOR para: Fibria International Trade GmbH em Lustenau, Áustria Auditoria Realizada por: IMAFLORA Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola Estrada Chico Mendes, 185. Piracicaba SP Brasil Tel: +55 19 3429-0800 Fax: +55 19 3429-0800 www.imaflora.org Pessoa

Leia mais

ANEXO 06 Resultados do Inventário Florestal

ANEXO 06 Resultados do Inventário Florestal ANEXO 06 Resultados do Inventário Florestal Nota Técnica sobre o Inventário Florestal da FLONA Jamari 1. Apresentação Esta nota técnica tem por objetivo apresentar as principais informações geradas pelo

Leia mais

Resumo Público de Avaliação de Cadeia de Custódia para: Grafica Packaging International do Brasil Embalagens Ltda em Jundiaí, SP

Resumo Público de Avaliação de Cadeia de Custódia para: Grafica Packaging International do Brasil Embalagens Ltda em Jundiaí, SP Certificação Concedida e Gerenciada por: IMAFLORA Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola Estrada Chico Mendes, 185. Piracicaba SP Brasil Tel: +55 19 3429-0800 Fax: +55 19 3429-0800 www.imaflora.org

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 11029 1000 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Certificação

Leia mais

A escolha natural para sua casa. Respeito ao meio ambiente utilizando o manejo florestal

A escolha natural para sua casa. Respeito ao meio ambiente utilizando o manejo florestal 2010 A escolha natural para sua casa PE NSE VER DE! Respeito ao meio ambiente utilizando o manejo florestal Respeito em que você acredita Nossa Empresa acredita que o respeito é a base para uma relação

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

COOPERFLORESTA realiza planejamento participativo da safra 2013

COOPERFLORESTA realiza planejamento participativo da safra 2013 COOPERFLORESTA realiza planejamento participativo da safra 2013 A Cooperativa de Produtores Florestais Comunitários COOPERFLORESTA realizou no dia 01/07, no alojamento da equipe técnica, no Cachoeira Xapuri/AC

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: SAMAB CIA. IND. COM. DE PAPEL ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO: Importação

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. Este documento está disponível nos seguintes sites: www.sanstandards.org

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br C e rtificação gr u p o em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil www.fsc.org.br 28 01 C er t ifi ca çã o emgrupo em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: BIGNARDI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PAPÉIS E ARTEFATOS LTDA.

Leia mais

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013.

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013. LO N : 0019/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Secretaría de la Red de Agricultura Sostenible Rainforest Alliance P. O. Box 1129 1 San José Costa Rica standards@sanstandards.org Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual 1 para

Leia mais

1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO

1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO 1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO Mobilização inicial até 30 de janeiro 2009 CAÇU E SÃO SIMÃO JANEIRO DE 2009 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO... 3 2.1. EMPREENDEDOR...

Leia mais

CAPÍTULO 1 METODOLOGIA PARA A ESTIMAÇÃO DOS PREÇOS DA MADEIRA EM PÉ NO ESTADO DO PARÁ

CAPÍTULO 1 METODOLOGIA PARA A ESTIMAÇÃO DOS PREÇOS DA MADEIRA EM PÉ NO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO 1 METODOLOGIA PARA A ESTIMAÇÃO DOS PREÇOS DA MADEIRA EM PÉ NO ESTADO DO PARÁ Antônio Cordeiro de Santana 1 Este capítulo apresenta uma metodologia para determinar os preços da madeira em pé, de

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Re-certificação de Propriedade Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria de Re-certificação Propriedade A. C Agro Mercantil Ltda Cultivo: café (Coffea

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP

Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP Programa de Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais, Paragominas- PA PECUÁRIA VERDE RICARDO RIBEIRO RODRIGUES-ESALQ/USP Adequação Ambiental e Agrícola de Propriedades Rurais em Paragominas,

Leia mais

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina:

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: 1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: OCA OCS OCF 2- Considerando a sistemática de uma certificação de sistemas enumere de 1 à 6 a seqüência correta das etapas

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira SÃO PAULO SP 22 / 05 / 2013 SOJA BRASILEIRA A soja é a principal cultura agrícola do Brasil - 28 milhões de ha (25% da área mundial plantada)

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX.

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.017 Denominação: Análise Crítica SUMÁRIO Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. ÍNDICE

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização. TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL DE EXPLORAÇÃO - POE CATEGORIA: MENOR E MAIOR IMPACTO DE EXPLORAÇÃO 1. Informações Gerais 1.1 Identificação Processo Administrativo; Número do Processo;

Leia mais

PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS

PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS INTERNATIONAL PAPER DO BRASIL LTDA. Unidade Florestal PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção 1 de 16 1. OBJETIVO: Estabelecer a metodologia para a solicitação, extensão, manutenção e revalidação de certificados de conformidade. 2. APLICAÇÃO: Aplicável a todo processo de certificação, extensão

Leia mais

CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL

CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL Alexandre Sakavicius Borges Coordenador de certificação florestal alexandre@imaflora.org São Paulo 18/11/2009 www.imaflora.org MISSÃO O Imaflora incentiva e promove mudanças

Leia mais

Chapas de compensado de Pinus sp com variações de 06 a 44 mm onde as mais utilizadas são as de 18 e 20 mm.

Chapas de compensado de Pinus sp com variações de 06 a 44 mm onde as mais utilizadas são as de 18 e 20 mm. 1 - OBJETIVO O Tecpar está disponibilizando este Relatório Sumário da Madeireira Rio Claro Ltda à sociedade para que emitam seus comentários e questionamentos. A divulgação tem o objetivo de proporcionar

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 6 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL É proibida a reprodução total ou parcial deste documento por quaisquer meios

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Campo Grande, 11/04/2013

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Campo Grande, 11/04/2013 Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Campo Grande, 11/04/2013 Organizadores Parceiros UFV LINHAS DE AÇÃO I. Qualidade de vida no trabalho II. Melhores práticas de produção

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

BEMATECH S.A. EXERCÍCIO DE 2014

BEMATECH S.A. EXERCÍCIO DE 2014 BEMATECH S.A. 1ª. EMISSÃO (PÚBLICA) DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente Fiduciário

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

3. Documentos de referência Manual de Eventos Item 3

3. Documentos de referência Manual de Eventos Item 3 Sumário 1. Objetivo 2. Envolvidos 3. Documentos de referência 4. Definições e codificações 5. Ciclo do processo 6. Fluxograma 7. Lista das Atividades e das responsabilidades 8. Arquivos 9. Anexos 1. Objetivo

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

FSC Forest Stewardship Council

FSC Forest Stewardship Council FSC Forest Stewardship Council Título: Código de referência do documento: FSC-POL-01-004 V2-0 EN Política de Associação de Empreendimentos com o FSC Escopo: Internacional Aprovação: Parte I: julho de 2009

Leia mais

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO

I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO I DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAÇÃO DE LICENÇA PRÉVIA (LP) IMOBILIÁRIO ( ) Este documento Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal; deve ser preenchido e assinado pelo requerente

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES:

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES: OBJETIVO DA AUDITORIA PROCEDIMENTOS VERIFICAR, ATESTAR SE AS ATIVIDADES E OS RESULTADOS A ELA RELACIONADOS, DE UM SISTEMA DE GESTÃO FORMAL, ESTÃO IMPLEMENTADOS EFICAZMENTE. DEFINIÇÕES: AUDITORIA: UM EXAME,

Leia mais

Concessionárias Adaptação de Dispositivo de Fixação de Contêiner (DIF)

Concessionárias Adaptação de Dispositivo de Fixação de Contêiner (DIF) PROCEDIMENTO SL - 002 Página 1 de 6 EDIÇÃO 11/12 Título: Concessionárias Adaptação de Dispositivo de Fixação de Contêiner (DIF) Rev.: 00 Data: 11/12 Emitido Por Verificado Verificado Aprovado Nome Marcos

Leia mais

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1

Manual do Usuário. Pré-Cadastro de Participantes. 08.11.2004 Versão 1.1 Manual do Usuário Pré-Cadastro de Participantes 08.11.2004 Versão 1.1 Índice 1. Introdução ao Pré-Cadastro...3 1.1. Pré-Cadastro de pessoa Física...3 1.1.1. Termo...3 1.1.2. Dados de identificação...4

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

Controle e uso de EPI s e Uniformes NIK 026

Controle e uso de EPI s e Uniformes NIK 026 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ESCOPO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 3.1. EPI S... 2 3.2 UNIFORMES... 2 3.3 FICHA DE CONTROLE DE EPI S E UNIFORMES... 2 3.4 GESTORES... 2 3.5 ASSOCIADOS... 2 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Um portal de promoção dos PMFSPE

Um portal de promoção dos PMFSPE Um portal de promoção dos PMFSPE Prestações de serviço n 4 Termos de Referência JF Kibler Floresta Viva / GRET Outubro de 2006 1. UM PORTAL DE PROMOCÃO DOS PMFSPE... 3 1.1. Objetivos do portal... 3 1.2.

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO

INFORMAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS À IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS SUSPEITAS DE CONTAMINAÇÃO E CONTAMINADAS POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS NO ESTADO DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES GERAIS A FEAM - Fundação Estadual do

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal RELATÓRIO DE ESTÁGIO Curso técnico em manejo florestal DANIEL DE PAULA GONDIM Manaus dezembro 2007 PROJETO FLORESTA VIVA DANIEL DE PAULA GONDIM RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM MANEJO FLORESTAL MANAUS

Leia mais

Sistemas de gestão da informação em Planos de Manejo e Indústrias Madeireiras de Mato Grosso. Júlio Bachega Consultor-ICV Cuiabá, 27/03/2014

Sistemas de gestão da informação em Planos de Manejo e Indústrias Madeireiras de Mato Grosso. Júlio Bachega Consultor-ICV Cuiabá, 27/03/2014 Sistemas de gestão da informação em Planos de Manejo e Indústrias Madeireiras de Mato Grosso Júlio Bachega Consultor-ICV Cuiabá, 27/03/2014 Contexto Necessidade de rastreabilidade estabelecida pela resolução

Leia mais

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS Página 1 de 9 POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 27/01/2014 Revisado por: Rominik M. Fontenele 03/10/2014

Leia mais

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Atestado de conformidade para Avaliações in loco Prestadores de serviços Versão 3.0 Fevereiro de 2014 Seção 1: Informações de Avaliação

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR 4.3.2 e PGR-4.3.1 e IGR-4.4.6-12.

Leia mais

NORMA INTERNACIONAL FSC

NORMA INTERNACIONAL FSC Forest Stewardship Council NORMA INTERNACIONAL FSC Todos os direitos reservados Todos os direitos reservados FSC Internacional (FSC F000100) CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Código de Referência do Documento:

Leia mais

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS ADEQUAÇÃO AO SISTEMA MUNICIPAL DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Este documento. Requerimento padrão do empreendedor ou representante legal. Cadastro Descritivo da Atividade - Geral devidamente

Leia mais

Manual de utilização do Relatório de Viagens

Manual de utilização do Relatório de Viagens Manual de utilização do Relatório de Viagens Os Módulos do Sistema de Relatório de Viagens foram criados tendo com base a Regulamentação de Viagem da MGS - Minas Gerais Administração e Serviços S/A (RG/AD/02/10ª).

Leia mais

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS Dossier informativo - Cimentos LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS INTRODUÇÃO Qualquer entidade legalmente estabelecida, nacional ou estrangeira, pode solicitar ao LNEC a certificação

Leia mais

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ - (4.2.3 - Controle de Documentos) (820.40 Document Control) APROVAÇÃO MARCOS FERNANDES NUNES Gerente da QA/RA Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO GISELA CRISTINA LUÇOLLI NASS Assistente Administrativo APARECIDA

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

GP01 FSC CoC eng v5.0 Bureau Veritas Certification

GP01 FSC CoC eng v5.0 Bureau Veritas Certification GP01 Forest Stewardship Council Cadeia de certificação de custódia Descrição do processo de certificação Referência do Documento: [GP01 FSC CoC Eng v5.0] Bureau Veritas Certification France Wood & Forest

Leia mais

II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ. Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos

II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ. Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos II FÓRUM DE SAÚDE PÚBLICA E MEIO AMBIENTE DO CRMV-RJ Licenciamento Ambiental e o Controle da Comercialização de Agrotóxicos NOVO SISTEMA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DECRETO Nº

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Sumário do Plano de Testes

Sumário do Plano de Testes GESTOC Versão 9.1 Plano de Testes Sumário do Plano de Testes 1. Introdução... 2 2. Escopo... 2 3. Implementações... 2 0002061: Emissão de notas de remessa com vasilhames e embalagens... 3 0002062: Emissão

Leia mais

Manual do usuário. Acesso ao GEFAU

Manual do usuário. Acesso ao GEFAU Manual do usuário Acesso ao GEFAU Fev/2015 GEFAU PORTAL DO EMPREENDEDOR Conteúdo Introdução... 2 1. Acesso ao GEFAU... 3 2. Cadastro de empreendimentos... 5 2.1. Consulta aos empreendimentos do usuário...

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 Através da vasta experiência, adquirida ao longo dos últimos anos, atuando em Certificações de Sistemas de Gestão, a Fundação Vanzolini vem catalogando

Leia mais

RESUMO PÚBLICO 2014 / 2015

RESUMO PÚBLICO  2014 / 2015 RESUMO PÚBLICO 2014 / 2015 APRESENTAÇÃO O GRUPO JARI que atua nos setores de celulose e agroflorestal, tem a sustentabilidade como estratégia de negócios. As empresas do grupo atuam de forma integrada

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores

Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores A Cisco Systems, Inc. (Cisco) tomará todas as medidas práticas e razoáveis para garantir a segurança do local de trabalho

Leia mais

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS LICENÇA PRÉVIA - Documentação necessária 1. Requerimento Padrão definido pelo IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Cadastro do empreendimento, definido

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade 3 Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade Não existe um jeito único de se implementar um sistema da qualidade ISO 9001: 2000. No entanto, independentemente da maneira escolhida,

Leia mais

A Tégula é certificada pelo FSC para a cadeia de custódia. Isto significa que toda a madeira proveniente de manejo florestal pode ser rastreada.

A Tégula é certificada pelo FSC para a cadeia de custódia. Isto significa que toda a madeira proveniente de manejo florestal pode ser rastreada. Madeira Certificada A Tégula é certificada pelo FSC para a cadeia de custódia. Isto significa que toda a madeira proveniente de manejo florestal pode ser rastreada. Considerando uma área equivalente a

Leia mais

Sandro Yamauti Freire Coordenador de Monitoramento e Controle Florestal

Sandro Yamauti Freire Coordenador de Monitoramento e Controle Florestal Sandro Yamauti Freire Coordenador de Monitoramento e Controle Florestal Cuiabá - MT, 20 de agosto de 2012 SUMÁRIO 1. CAR 2. LAF 3. DOF a) Avanços b) Perspectivas de curto, médio e longo prazo c) Desafios

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO SETOR FLORESTAL DE COTRIGUAÇU, ESTADO DE MATO GROSSO RELATÓRIO FINAL

DIAGNÓSTICO DO SETOR FLORESTAL DE COTRIGUAÇU, ESTADO DE MATO GROSSO RELATÓRIO FINAL DIAGNÓSTICO DO SETOR FLORESTAL DE COTRIGUAÇU, ESTADO DE MATO GROSSO RELATÓRIO FINAL Belém, Pará 1 DE DEZEMBRO DE 2010 1 DIAGNÓSTICO DO SETOR FLORESTAL DE COTRIGUAÇU, ESTADO DO MATO GROSSO. RELATÓRIO FINAL

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

NEWCOLLECTOR SISTEMA DE COBRANÇA. Controle Judicial. Manual de Instruções. Versão 8.32

NEWCOLLECTOR SISTEMA DE COBRANÇA. Controle Judicial. Manual de Instruções. Versão 8.32 NEWCOLLECTOR SISTEMA DE COBRANÇA Controle Judicial Manual de Instruções Versão 8.32 1 Sumário 1 CONTROLE DE COBRANÇA JUDICIAL... 4 1.1 ARQUIVO... 4 1.1.1 Processos...4 1.1.1.1 Réus Principais do Processo...13

Leia mais