Formas patológicas de amar 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formas patológicas de amar 1"

Transcrição

1 Formas patológicas de amar 1 Só se pode viver perto de outro, e conhecer outra pessoa, sem perigo de ódio, se a gente tem amor. Qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura. (Guimarães Rosa, Grande Sertão: Veredas, 1956) Não se escreve muito sobre o amor em Psicanálise, como nos fazem ver diversos autores (Green, 1988a; Paz, 2001; Person, 2007; Escribens, 2007; Kernberg, 1995). À parte o amor de transferência, que toca muito mais na questão técnica da transferência do que no amor em si, esse é um assunto que pouco se produz teoricamente. Muito se diz sobre Eros, sexualidade, narcisismo, pulsão, mas raro é o trabalho dirigido especificamente ao amor. Podemos pensar em algumas questões para isso, no entanto nenhuma que chegue a uma resposta definitiva. Talvez o amor tenha ficado mais restrito aos filósofos e poetas, por isso Freud não quis entrar nesta seara para não se distanciar do seu objetivo de tornar a Psicanálise uma ciência. É possível também que o amor seja algo demasiadamente etéreo e os autores preferiram se deter na parte um pouco mais objetiva da questão tal como o objeto da escolha amorosa, a dinâmica dos vínculos, o erotismo enquanto concretização desse sentimento. Talvez o amor por estar entrelaçado a vários afetos assuma caminhos muito distintos e amplos que dificultem uma discussão. Ou será que o amor não é inexplicável mesmo e seja impossível caber dentro de uma teorização? No entanto isso não nos impede de abordar o tema, ao contrário, o torna ainda mais instigante, especialmente quando, além de falar sobre o amor, o viés para isso são justamente suas formas patológicas. A princípio podemos até considerar que, paradoxalmente, o amor por si só já é um estado patológico, em especial seu parente mais próximo, a paixão. É um estado de loucura temporária, em que o juízo crítico da realidade fica suspenso, o objeto escolhido adquire uma aura de idealização e tudo a sua volta que não lhe tenha relação direta torna-se desinteressante. Uma psicose branda, poderíamos diagnosticar poeticamente e citar os versos de Camões para ilustrar esse ponto de vista 2. Apesar de ser tentador seguir esse caminho, que seria até muito pertinente, penso que o tema dessa mesa nos convida a olhá-lo sob uma perspectiva menos romântica, digamos assim, e nos leva a debruçar-nos sobre o assunto naquilo que ele tem de genuinamente patológico e indesejável. Comecei esse texto com um trecho do Grande Sertão: Veredas onde Guimarães Rosa (1956) escreve que afirma que Qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura. Ao escrever sobre o narcisismo, Freud (1914) 1 Trabalho apresentado na mesa-redonda da XIII Jornada da Sociedade Psicanalítica do Recife, ocorrida no período de 18 a 20 de setembro de Amor é fogo que arde sem se ver;/ É ferida que dói e não se sente;/ É um contentamento descontente;/ É dor que desatina sem doer. 1

2 Formas patológicas de amar devemos começar a amar a fim de não adoecermos, e estamos destinados a cair doentes se, em conseqüência de frustrações, formos incapazes de amar (pág. 101). Afinal, se o amor é um reasseguramento da saúde, como pode tornar-se patológico? Em que circunstâncias isso ocorre? Que tipos de patologias ele pode encobrir, ou melhor, desvendar? Antes de entrar no cerne da questão, gostaria de delimitar que tipo de amor vamos tratar. Penso que ao se atribuir o sentido psicanalítico à sexualidade, o do investimento pulsional, qualquer idéia, abstração ou objeto que for libidinalmente investido pode ser entendido como objeto de amor. No entanto, me referirei a um tipo específico de amor, aquele entre duas pessoas que estejam numa relação (real ou imaginária). Abordarei o amor que se expressa pela escolha de uma única pessoa dentre tantas, movida pelas mais diversas razões, mas na base delas, o desejo de completude, a ilusão que o outro tem aquilo que falta em si próprio, fazendo do ser amado um objeto idealizado. Apesar do sentimento amoroso existir desde sempre, nós apenas tivemos conhecimento da idéia a respeito do amor romântico a partir do fim do século XI com o surgimento do amor cortês 3. O que caracterizava o amor cortês dos poetas e trovadores era um amor impossível de um vassalo por uma dama comprometida fadado a não concretização. Era um amor restrito às cortes senhoriais, em oposição ao amor praticado nas vilas, o amor cortês não tinha por fim o prazer carnal nem a reprodução, mas o sentimento elevado exaltado em versos e prosa (Paz, 2001). É possível verificar uma semelhança entre o amor cortês, com seu objeto inatingível, e o amor vivido na história infantil do homem 4. Assim como no amor dos trovadores, o primeiro objeto de investimento da criança é igualmente proibido e inalcançável. Esta situação faz parte da configuração edípica, quando há a descoberta do objeto de amor em um dos pais e os impulsos sexuais se unificam nele. Neste período da infância se dá a separação das duas correntes que compõem o investimento libidinal, a corrente afetiva e a corrente sensual. Cada uma delas caracteriza uma maneira de se relacionar com o objeto: na corrente afetiva, a libido é inibida no seu objetivo sexual e se expressa pela ternura e afeição, responsabilizando-se pelos laços duradouros com os outros, ela conserva uma forma de vínculo que fixa o investimento no objeto (Green, 1988b). No segundo caso, da corrente sensual, há a descarga da pulsão sexual por meio de sua satisfação direta, acarretando numa diminuição do interesse pelo outro. Com a culminação do Complexo de Édipo, o recalque compele a criança a renunciar à maior parte dos objetivos sexuais e a manter a ligação com os pais através de pulsões inibidas em seu objetivo. São sentimentos caracterizados pela afetuosidade e ternura em contraste com aqueles sensuais que foram recalcados (Freud, 1921). A manutenção exclusiva deste investimento terno se apresenta como a melhor maneira de desviar o temor da castração. No entanto, da mesma forma que a não concretização do amor cortês não se manteve ao longo dos séculos, o mesmo também não deve acontecer na história particular do homem. O esperado é que ambas as correntes, sensual e afetiva, se juntem em direção ao mesmo objeto e haja a concretização do amor sexual, quando, a partir da adolescência, o mundo libidinal se 3 Apesar de Platão, muito antes, ter escrito sobre o amor, sua abordagem era do amor ideal, fundamentado mais na virtude do que no interesse, mesmo que sexual. 4 Isso nos faz pensar como tendemos a observar uma repetição, na cultura, daquelas situações que constituem a história pessoal de todo ser humano e que são de tal importância que terminam por se expressar em distintas oportunidades. É interessante notar que tal qual o complexo de Édipo, a amor cortês também era fruto de uma situação triangular. 2

3 estender para além dos próprios pais. Contudo, mesmo que superada, essa primeira experiência de amor edípico marcará para sempre a vida do sujeito e estará presente ao longo de toda sua história. Baseado nessa perspectiva é dito que o encontro com o objeto, na realidade é sempre um reencontro com o mesmo, já que ele é uma reedição desse modelo inicial (Freud, 1905). Todos os encontros e escolhas futuras trarão consigo o selo dessa primeira descoberta amorosa. Para Escribens (2007), a maior contribuição de Freud à teoria do amor é o reconhecimento que o ser amado é um vulto do passado, que o amor é um artifício da fascinação que remete a uma sombra projetada de um tempo distante, do qual sequer temos recordações mais que fragmentárias. Apesar de não termos lembrança dessa época, haverá sempre a presença do desejo, da pulsão e sua procura pela realização. A partir do momento que não temos um objeto definido para nossa satisfação, isto inaugura uma questão pessoal que nos leva a criar e buscar constantemente esse objeto numa dinâmica que traz em si o reflexo da estruturação interna e particular de cada um. A variedade da vida erótica e amorosa do homem é vastíssima, indo das modalidades mais comuns até aquelas mais patológicas que são resultado da maneira possível que cada um encontrou para lidar com seu desejo. Amor e erotismo podem não estar separados em muitos casos, mas são distintos. A vida erótica diz respeito à dimensão humana do sexo, aquilo que a imaginação acrescenta à natureza. O amor é desejo de completude e assim responde por uma necessidade profunda nos homens 5. Amar coloca em cena o desejo relacionado à falta e não ao sexo. Nesse sentido amor e desejo sexual são diferentes, mas não excludentes (Ferreira, 2004), como ilustra Octavio Paz (2001) ao falar sobre a dupla chama da vida: o fogo da sexualidade levanta a chama vermelha do erotismo e esta, ao seu turno, sustenta a azul e trêmula do amor. Para ele O amor é atração por uma única pessoa: por um corpo e uma alma. O amor é escolha; o erotismo aceitação. Sem erotismo sem a forma visível que entra pelos sentidos não há amor, mas este atravessa o corpo desejado e procura a alma no corpo e, na alma, o corpo. A pessoa inteira. (pág. 34) Uma condição básica para o sentimento de amor forte e verdadeiro é a capacidade de se colocar no lugar do outro e identificar-se com ele, como nos diz Melanie Klein (1937). Ao nos identificarmos com outras pessoas compartilhamos da satisfação que nós mesmos lhes oferecemos e retomamos de um lado o que perdemos do outro. A percepção verdadeira do outro e a possibilidade de se colocar no seu lugar favorece o desenvolvimento da capacidade de reparação, uma condição fundamental para o estabelecimento de vínculos maduros e construtivos, não apenas no amor romântico, mas em todas as formas de relacionamentos pessoais. Porém algumas dificuldades podem atrapalhar a criação ou manutenção do vínculo amoroso. Por exemplo, em certos casos não há o reconhecimento do outro. Ou então, pode ocorrer o oposto, uma identificação maciça que prejudique ou mesmo impeça o desenvolvimento de uma relação saudável. Nas duas situações o que está em jogo é a percepção do outro enquanto objeto inteiro e separado de si. Para que isso aconteça é preciso sair do narcisismo, nesse caso, patológico, para efetuar uma escolha de objeto. É também necessário manter a própria integridade, não permitindo a anulação de si mesmo frente o outro que, conseqüentemente, se torna imprescindível. A 5 Basta lembrar o mito do andrógino relatado em O Banquete de Platão pela voz de Aristófanes, para se ter uma idéia dessa eterna busca pela outra metade que nos complete. Nas palavras de Octavio Paz (2001): somos seres incompletos e o desejo amoroso é perpétua sede de completude. (pág.41) 3

4 Formas patológicas de amar capacidade de intercambiar as próprias vivências conservando, entretanto, as respectivas autonomias são requisitos básicos para o envolvimento amoroso sadio. Vejamos as duas situações. O narcisismo permite ao sujeito sedimentar seu ego numa unidade e organizar os investimentos pulsionais em torno desta nova unidade formada. No entanto, caso a pessoa tenha tido sérias dificuldades no estágio narcísico, caso ela não tenha conseguido realizar de uma forma bem-sucedida o investimento no próprio eu, a presença do objeto mais do que meio de descarga, passa a ser fonte de angústia. Ou seja, a presença do outro, e das trocas com ele, são sentidas como constantemente ameaçadoras para o ego que teme se esvair por completo ao dirigir seu investimento para o mundo externo. No que se refere à economia narcísica, o objeto entra em conflito com o ego, pois o desejo pelo outro descentra o sujeito; a busca da satisfação por meio do objeto, do objeto que falta, desperta no sujeito a sensação de que seu centro não está em si, mas num outro do qual ele está separado e ao qual tenta se juntar para reconstruir sua identidade. Segundo André Green (1988b) o objeto nunca é tão presente quanto na ausência onde vem nos faltar. Ele é a procura dos desejos do id na falta de algo para satisfazê-los, portanto é gerador de tensões libidinais, contraditórias, de amor e ódio. Por meio do direcionamento da libido para o ego é possível transformar o desejo pelo objeto em desejo pelo ego. Desta forma espera-se contornar o mal-estar despertado pelo desejo e pela falta do objeto. Tenta-se prescindir dele através do investimento libidinal no próprio ego, tomando-o como objeto de amor. O narcisismo furta do objeto seus investimentos (Green, 1988b). À medida que se deseja o próprio ego, a separação entre pulsão e objeto está anulada. Porém, cria-se uma situação de isolamento em si mesmo num sistema onde não há trocas. Pela impossibilidade de suportar perdas e separações o indivíduo vive num processo ilusório (mais, ou menos grave de acordo com a extensão de sua patologia narcísica) onde a presença do outro e das trocas afetivas tendem a parecer prescindíveis (Zuanella, 2006). O narcisismo é o apagamento da marca do Outro no desejo do Um, escreve Green (1988b). Os narcisistas não têm outro objeto de amor além deles mesmos, são pessoas feridas, de fato carentes do ponto de vista do narcisismo. Quanto à questão se eles amam apenas a si mesmos, pode-se pensar que, na realidade, eles amam a si mesmos tão pouco quanto eles amam os outros (van der Waals, 1965). As pessoas com patologia narcísica não podem correr o risco de empobrecer ainda mais seu ego já tão frágil e ferido direcionando o investimento do ego para o objeto, ou dito de outra maneira, elas não podem transformar a libido do ego em libido de objeto. De acordo com Kernberg (1995) a situação edípica deixou uma profunda frustração e ressentimento nessas pessoas, cuja ressonância é sentida na agressão que domina e dificulta suas relações amorosas na vida adulta. Nestas relações há o predomínio do ódio ao invés do amor. Este ódio experimentado em relação aos primeiros objetos devido às intensas frustrações pode ter feito com que o outro fosse vivido como alguém que excita, mas nega o prazer. Na vida adulta do homem, estes conflitos serão dirigidos às escolhas amorosas e irão favorecer a dissociação entre as duas correntes da pulsão sexual. Sem a junção da corrente afetiva à sensual, não se criam laços duradouros com os outros e o interesse se acaba após a satisfação libidinal. Os objetos desejados serão também odiados e desprezados. Em casos menos severos ocorrerá uma constante idealização e uma rápida desvalorização, resultando numa intensa troca de pares. O dom-juanismo é um exemplo clássico disto, 4

5 o Don Juan é um eterno desejoso de conquistar porque é incapaz de reter (Kristeva, 1988). Esse afastamento ou não vinculação ao objeto sexual pode ser também resultado do esforço para protegê-lo da destrutividade. Para os teóricos das relações objetais como Melanie Klein (1937) a dependência em relação à pessoa amada é intolerável, pois subjaz o medo que tal pessoa de início, a mãe possa morrer por causa dos danos que lhe são impingidos em fantasia. Esses danos imaginários fazem parte da ambivalência amor/ódio em relação ao objeto. Tanto pela intensidade do ódio quanto pela voracidade do amor, o objeto pode ser destruído e vir a abandonar o sujeito, portanto, para preservá-lo e preservar-se da dor, é melhor que não haja um envolvimento. Nessa perspectiva, outra maneira de se entender o Don Juan é enxergá-lo como aquele que usa sua infidelidade para se defender da perda objetal, com esse recurso, ele prova a si mesmo que seu grande objeto de amor (originalmente a mãe, cuja morte era temida devido à voracidade e destrutividade do seu amor) não é indispensável, pois sempre é possível encontrar outra mulher. Nesse caso ele não se afasta simplesmente das mulheres, ele faz um duplo movimento com dois objetivos: ao abandonar e rejeitar reiteradamente as mulheres, ele se afasta inconscientemente da mãe, salvando-a dos seus desejos ameaçadores e se libertando de uma dependência insuportável; por outro lado, ao procurar outras mulheres, dando-lhes atenção e prazer, ele mantém ou recria, no seu inconsciente, a mãe amada (Klein, 1937). Segundo os teóricos da Escola Inglesa é no momento em que se integram as relações de objeto parciais dando lugar às relações objetais totais que se desenvolvem os vínculos edípicos triangulares e tornam-se preeminentes as proibições infantis contra a sexualidade. É importante a superação das inibições sexuais no contexto da resolução edípica para possibilitar o aprofundamento e o pleno desenvolvimento de uma relação amorosa. A fusão dos desejos ternos e eróticos com a aceitação cada vez maior da realidade da outra pessoa se produz simultaneamente com o aparecimento do sentido de individualidade e do reconhecimento da natureza limitada de todo vínculo humano (Kernberg, 1979). Algumas pessoas não conseguem ver as limitações das relações, pois tampouco foram capazes de solidificar sua individualidade e conviver com suas próprias limitações. Isto dá margem a uma outra forma patológica de amar. É uma falha na constituição narcísica primária que ao contrário de acarretar o afastamento do objeto, acaba por intensificar o laço com o mesmo de uma maneira doentia. Em casos desse tipo há uma devoção do ego ao objeto, onde este, o objeto, foi colocado no lugar do Ideal do Ego (Freud, 1921). Quando estamos amando, uma quantidade considerável de libido narcísica transborda do ego para o objeto. Em algumas formas de amor, esse transbordamento ocorre quase por inteiro e o objeto acaba servindo de substituto para um ideal inatingível de si mesmo. O amor sentido pelo outro ocorre em virtude das perfeições que o sujeito queria para si, como uma forma de satisfazer o seu narcisismo. (Freud, 1921) Dentre as funções do Ideal do Ego está a de agir como uma instância crítica. Quando o objeto é alçado completamente ao lugar de ideal esta atribuição fica comprometida. Portanto, em casos extremos de idealização, a natural supervalorização do outro assume graus exagerados e o objeto se torna cada vez mais precioso e sublime à custa da transformação do ego do sujeito em mais modesto e humilde. O objeto se alimenta do amor-próprio que deveria sustentar o ego. Freud (1921) escreve que o objeto, por assim dizer, consumiu o ego. Com a capacidade crítica anulada, o sujeito passa a achar tudo no objeto maravilhoso, 5

6 Formas patológicas de amar correto e perfeito. É a cegueira da paixão inicial que se perpetua sem levar em conta os indícios corriqueiros da realidade. O objeto adquire um status essencial para a sobrevivência do ego e qualquer ameaça de perdê-lo se torna insuportável, pois, com o ideal instalado no outro, a ausência deste significa o abandono pelo próprio ego, significa a perda de uma grande parte de si. O objeto se torna imprescindível. O medo da perda do amado remete, nesse tipo de vínculo, à angústia de castração. Desse temor exagerado, surge, por exemplo, o ciúme patológico, onde qualquer fato da realidade é reinterpretado com ausência do juízo crítico, assim tudo e todos se transformam em ameaças concretas à perda do objeto, o qual, aos olhos do indivíduo, é tão especial, que só pode atrair o desejo de todos. Esse tipo de amor patológico pode ser atribuído a personalidades infantis com organização fronteiriça, como propõe Kernberg (1979). São pessoas que se aferram a amores idealizados de uma maneira tão primitiva e irreal que chega a ser difícil obter uma imagem fidedigna da pessoa amada com base na descrição feita por elas. Supõe-se que nesses casos há o predomínio de mecanismos dissociativos e também da idealização primitiva de objetos totalmente bons como defesa contra a projeção generalizada da agressão em múltiplos objetos totalmente maus. Tanto na atitude de indiferença em relação ao objeto sexual quanto na idealização exagerada deste, podemos inferir uma raiz em comum em ambas as patologias, que diz respeito à dificuldade na estruturação do sujeito, na solidificação do narcisismo primário, mesmo que mais tarde o percurso libidinal seja distinto para os dois casos. Podemos pensar se no primeiro caso, da impossibilidade de amar, o que está em jogo não é uma dificuldade onde prevalecem escolhas do tipo narcísicas, que numa evolução patológica, levam o sujeito a apenas enxergar nos objetos espelhos de si mesmo e nada mais. Onde se vê somente um autoreflexo, é impossível reconhecer o outro e o sujeito encerra-se em si próprio. No segundo caso, da exacerbação da idealização a um nível doentio, a patologia desencadeada nessa direção acontece, a meu ver, quando há uma escolha de objeto do tipo anaclítico e o outro passa a ser responsável pela sobrevivência física e mental do sujeito, assim como o foram no início do desenvolvimento libidinal, as figuras parentais, protótipos de cuidado e proteção. Enfim, muitas questões podem ser levantadas, algumas respondidas, outras tantas gradativamente elaboradas. Isto faz parte da nossa condição humana, seres que têm que lidar eternamente com seus próprios questionamentos. Amar é uma dessas respostas, um desses caminhos. É sempre uma aposta na saúde. Mesmo que esta não seja plenamente atingida, é ao menos, uma tentativa de descanso na loucura. E o amor permanece com várias questões em aberto, é provável que seja realmente inexplicável, impossível de ser delimitado. Quem sabe, ele não deva mesmo ser compreendido, mas apenas buscado e vivido?.. 6

7 Bibliografia ESCRIBENS, A. (2007). El principio de irrealidad. Acerca del amor, el sexo y el psicoanálisis. In: Revista Psicoanálisis de la Sociedad Peruana de Psicoanálisis, vol. 5. FREUD, S. (1905). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade E.S.B. Rio de Janeiro: Imago, vol. VI. (1912). Sobre a tendência universal à depreciação na esfera do amor (Contribuições à psicologia do amor II). E.S.B. Rio de Janeiro: Imago, vol. XI. (1914). Sobre o narcisismo: uma introdução. E.S.B. Rio de Janeiro: Imago, vol. XIV. (1921). Psicologia de grupo e a análise do ego. E.S.B. Rio de Janeiro: Imago, vol. XVIII. FERREIRA, N. P. (2004). A teoria do amor em psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. GREEN, A. (1988a). Sobre a loucura pessoal. Rio de Janeiro: Imago. (1988b). Narcisismo de Vida, Narcisismo de Morte. São Paulo: Escuta PAZ, O. (2001). A dupla chama amor e erotismo. São Paulo: Editora Siciliano. PERSON, E. S. (2007). Eros, amor y sexualidad. In: Revista Psicoanálisis de la Sociedad Peruana de Psicoanálisis. Vol.V. KERNBERG, O. (1979). La teoria de las realciones objetales y el Psicoanálisis clínico. Buenos Aires: Editorial Paidós (1995). KERNBERG, O. F. (1995). Love Relations: Normality and Pathology. London: Yale University Press. KLEIN, M. (1937). Amor, culpa e reparação. Rio de Janeiro: Imago. KRISTEVA, J. (1988). Histórias de amor. Rio de Janeiro: Paz e Terra. VAN DER WAALS,H.G. (1965). Problems of narcissism. Bulletin of the Menninger Clinic, n 29. ZUANELLA, A.C. (2006). A fugacidade das relações e a dificuldade de criar vínculos. Trabalho apresentado na XI Jornada da SPR. Psicanalista Membro Titular e Didata da Sociedade Psicanalítica do Recife Mestranda em Psicanálise pela Universidade Católica de Pernambuco data de publicação: 21/02/2014 7

A fugacidade das relações e as dificuldades de criar vínculos 1

A fugacidade das relações e as dificuldades de criar vínculos 1 Publicações Online: www.psicanalisearacaju.org.br 28 de fevereiro de 2014 A fugacidade das relações e as dificuldades de criar vínculos 1 Há algum tempo ouvimos, seja no consultório ou na vida cotidiana,

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação

Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Os impasses na vida amorosa e as novas configurações da tendência masculina à depreciação Maria José Gontijo Salum Em suas Contribuições à Psicologia do Amor, Freud destacou alguns elementos que permitem

Leia mais

Seminários Psicanalíticos 2014

Seminários Psicanalíticos 2014 Seminários Psicanalíticos 2014 CONSIDERAÇÕES SOBRE O MUNDO MENTAL BODERLINE: Teoria e manejo técnico Mara Guimarães Pereira Lima Degani Breve histórico Borderline = Limítrofe = Fronteiriço Conhecidos também

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas,

Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? nossos tempos não foge à regra. As mulheres, afetadas pela condição de não-todas, Ô MÃE, ME EXPLICA, ME ENSINA, ME DIZ O QUE É FEMININA? Fernanda Samico Küpper É notória a contribuição que as mulheres sempre deram à engrenagem da psicanálise enquanto campo teórico. Desde Anna O., passando

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO Sandra C. Tschirner 1 Winnicott compreende que as técnicas psicanalíticas clássicas atenderiam a um grupo específico de pacientes, aos neuróticos, que

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE

SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE Leila Sharon Nasajon * A sexualidade representa uma questão crucial no desenvolvimento e na preservação da identidade pessoal e social. Para que relações interpessoais satisfatórias

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana

A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A prova da devastação Daniela Goulart Pestana A comunicação que segue procura pensar algumas especificidades constitucionais do feminino a partir do aforismo lacaniano: Não há relação sexual. Para dizer

Leia mais

Violência e Sustentabilidade *

Violência e Sustentabilidade * 1 Violência e Sustentabilidade * Uma menina reclamou sentida e veementemente com a avó quando a viu arrancando uma planta. Ela lhe disse que ela não podia fazer isso, porque estaria matando a natureza.

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

Há ou não um ato sexual? 1

Há ou não um ato sexual? 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 13 março 2014 ISSN 2177-2673 Há ou não um ato sexual? 1 Patrícia Badari Um, dois, três..., uma série de homens, uma série de encontros sexuais é o que ouvimos

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias

IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO. o processo de constituição do psiquismo. A discussão será feita à luz das idéias IDENTIFICAÇÃO MASCULINA E SUAS ARTICULAÇÕES COM O RECALCAMENTO Cristiana de Amorim Mazzini 1 O presente trabalho discorrerá sobre a identificação masculina ocorrida durante o processo de constituição do

Leia mais

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a.

Palavras chave: Desamparo, mãe, feminilidade, infância, objeto a. A FILHA ENTRE A MÃE E A MULHER Cláudia Regina de Oliveira Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ Leila Guimarães Lobo de Mendonça Mestranda em Pesquisa e Clínica em Psicanálise da UERJ

Leia mais

Transformações na intimidade no século XXI

Transformações na intimidade no século XXI Transformações na intimidade no século XXI Sissi Vigil Castiel* A clínica de anos atrás era freqüentada principalmente por mulheres que vinham por desventuras amorosas, por não entenderem o que os homens

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39

PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 39 QUESTÃO 26 Alguns dos desafios às novas formas de acolher e tratar os doentes mentais, a partir das reformas psiquiátricas, são, EXCETO: a) O risco de se tratar dos sintomas,

Leia mais

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Myriam Moreira Protasio CRP 05/07251 Para este trabalho selecionamos três obras do filósofo dinamarquês, através das quais poderemos

Leia mais

O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA.

O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA. O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA. Mariza P. Porto 1 É preciso ler isto, não com os olhos, não com a memória, mas com a imaginação. (M. de Assis) A psicanálise nos ensina que a pulsão de saber transcende

Leia mais

Motivações para a mulher HIV positivo gestar

Motivações para a mulher HIV positivo gestar Motivações para a mulher HIV positivo gestar Maria Regina Limeira Ortiz* Tania Mara Andreoli Gomes** Resumo Trabalhar com mulheres portadoras do vírus da Imuno Deficiência adquirida(hiv) é algo extremamente

Leia mais

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas

de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à infância nortearam as suas 9 1. PSICANÁLISE DE CRIANÇAS 1.1 Freud: uma criança é abordada Embora a pesquisa original de Freud tenha se desenvolvido a partir da análise de pacientes adultos, desde o início as questões relativas à

Leia mais

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade

Apresentação. Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade A Apresentação Acompanho os acontecimentos relativos à sexualidade desde 1966, ano da minha graduação na faculdade de Medicina. É difícil imaginar outro período de tempo assim curto no qual tenham ocorrido

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010. Trabalho para Mesa-redonda IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental -2010 Trabalho para Mesa-redonda TÍTULO: Amor e ódio na neurose obsessiva: a questão do domínio

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas )

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas ) 1 TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE ( personalidades psicopáticas ) I) DEFINIÇÃO A personalidade é a totalidade relativamente estável e previsível dos traços emocionais e comportamentais que caracterizam a

Leia mais

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS Mariana Tironi de Camargo Mariana Gonçales Gerzeli Francisco Hashimoto Resumo: A presente pesquisa tem por objetivo compreender como

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

produzir conhecimento, com vistas a contribuir, a posteriori, para a transmissão do saber em psicanálise. Logo após decidirmos que gostaríamos de

produzir conhecimento, com vistas a contribuir, a posteriori, para a transmissão do saber em psicanálise. Logo após decidirmos que gostaríamos de Conclusão: Os destinos da sedução em psicanálise É tempo de concluir sobre quais seriam os destinos da sedução, de acordo com os pensamentos de Freud, Ferenczi e Laplanche. Pensamos em retomar alguns pontos

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1

FUNÇÃO MATERNA. Luiza Bradley Araújo 1 FUNÇÃO MATERNA Luiza Bradley Araújo 1 Entendemos por função materna a passagem ou a mediação da Lei que a mãe opera. Nós falamos de uma função e não da pessoa da mãe, função de limite entre o somático

Leia mais

ESTRUTURAS PSÍQUICAS

ESTRUTURAS PSÍQUICAS ] ESTRUTURAS PSÍQUICAS ESTRUTURAS PSÍQUICAS (Bergeret) Na linguagem usual, estrutura é uma noção que implica uma disposição complexa, estável e precisa das partes que a compõem. É o modo pelo qual um todo

Leia mais

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às transformações. Eixo temático 3 A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com intensidade pela dupla, seja

Leia mais

Comentários sobre. dissolução do complexo de Édipo. (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924)

Comentários sobre. dissolução do complexo de Édipo. (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924) A dissolução do complexo de Édipo Comentários sobre A dissolução do complexo de Édipo (Volume XIX das Obras Completas ano de publicação: 1924) Em extensão sempre crescente, o complexo de Édipo revela sua

Leia mais

PsicoDom, v.2, n.2, jun. 2008

PsicoDom, v.2, n.2, jun. 2008 1 PsicoDom, v.2, n.2, jun. 2008 A Clínica do Amor Jorge Sesarino 1... um egoísmo forte constitui uma proteção contra o adoecer, mas num último recurso devemos começar a amar afim de não adoecermos, e estamos

Leia mais

ENTRE O LAGO E O FOGO 1

ENTRE O LAGO E O FOGO 1 ENTRE O LAGO E O FOGO 1 LUCIANA KNIJNIK 2 Escolher a psicanálise como ofício requer certo espírito de aventura. Uma disponibilidade para abrir a porta do consultório e percorrer histórias, afetos e cenários

Leia mais

TORNAR-SE HOMEM Eliane Mendlowicz Freud, ao desenvolver o complexo de Édipo e suas determinações nas identificações sexuais, definiu a sexualidade humana como dependente das vicissitudes edípicas, ou seja,

Leia mais

MOVIMENTO PSICANALÍTICO

MOVIMENTO PSICANALÍTICO MOVIMENTO PSICANALÍTICO Sigmund Freud (1856-1939) Psicanálise: escola psicológica que busca penetrar na dimensão profunda do psiquismo humano. Objeto de Estudo: o inconsciente Métodos: 1. Hipno-catártico

Leia mais

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO

ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO ESTUDO SOBRE VIVÊNCIA DO LUTO EM ADOLESCENTES E SUA MANIFESTAÇÃO EM DECORRÊNCIA DO TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO AMOROSO Autoras: Tânia Regina Goia; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade

Leia mais

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset

Devastação: um nome para dor de amor Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Gabriella Dupim e Vera Lopes Besset No início da experiência analítica, foi o amor, diz Lacan 1 parafraseando a fórmula no

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO MÓDULO INFÂNCIA E MORTE

APRESENTAÇÃO DO MÓDULO INFÂNCIA E MORTE APRESENTAÇÃO DO MÓDULO INFÂNCIA E MORTE Apresentação Seja bem vindo ao curso de Formação em Tanatologia à distancia oferecido pela Rede Nacional de Tanatologia. Você será acompanhado em seus estudos por

Leia mais

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica Natália De Toni Guimarães dos Santos O humano só advém a partir de outros humanos. O filho do homem é um ser absolutamente dependente

Leia mais

ONDE ESTÁ O SEU TESÃO? OU SOBRE A FALTA DE DESEJO NOS TEMPOS ATUAIS

ONDE ESTÁ O SEU TESÃO? OU SOBRE A FALTA DE DESEJO NOS TEMPOS ATUAIS ONDE ESTÁ O SEU TESÃO? OU SOBRE A FALTA DE DESEJO NOS TEMPOS ATUAIS Alessandra da Silva Eisenreich RESUMO Trabalho, família, casa, celular conectado 24h por dia, com tantas demandas onde sobra um espaço

Leia mais

O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos.

O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos. O Caminho d Os 12 Passos em Companhia de Hércules é o titulo da palestra que nosso pai fez para apresentar, hoje neste 10 Encontro com os Veteranos. É uma honra ter a oportunidade de acompanhá-lo no desenvolvimento

Leia mais

Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL. Declaração de cessão de direitos autorais:

Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL. Declaração de cessão de direitos autorais: Título do trabalho: O AMOR DE TRANSFERÊNCIA NO TRABALHO INSTITUCIONAL Declaração de cessão de direitos autorais: Eu Luciano Bregalanti Gomes, autor do trabalho intitulado O amor de transferência no trabalho

Leia mais

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA

O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA O FALO E A MORTE NA DINÂMICA DA NEUROSE OBSESSIVA Doris Rinaldi 1 A neurose obsessiva apresenta uma complexidade e uma riqueza de aspectos que levou, de um lado, Freud a dizer que tratava-se do tema mais

Leia mais

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168

UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY. Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 UNIVERSIDAD ARGENTINA JOHN F. KENNEDY Mestranda em Psicanálise Joana S. Oliveira Psicóloga CRP 06/114168 Considerações psicanalíticas sobre a imagem corporal, algumas conseqüências após intervenções sobre

Leia mais

SIMBOLIZAÇÃO E SUBLIMAÇÃO : REFLEXÕES E CONJECTURAS INTRODUÇÃO

SIMBOLIZAÇÃO E SUBLIMAÇÃO : REFLEXÕES E CONJECTURAS INTRODUÇÃO 1 SIMBOLIZAÇÃO E SUBLIMAÇÃO : REFLEXÕES E CONJECTURAS Cora Sophia Schroeder Chiapello* INTRODUÇÃO Há muitos anos tenho pensado na distância existente entre a descoberta e Freud da presença fundamental

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Muito além do arco íris

Muito além do arco íris Muito além do arco íris amor, sexo e relacionamentos na terapia homoafetiva Klecius Borges muito Além do arco-íris Amor, sexo e relacionamentos na terapia homoafetiva Copyright 2013 by Klecius Borges Direitos

Leia mais

Existe uma terapia específica para problemas sexuais?

Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Existe uma terapia específica para problemas sexuais? Maria de Melo Azevedo Eu acho que a terapia sexual para casos bem específicos até que pode funcionar. Ou, pelo menos, quebra o galho, como se diz.

Leia mais

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz

A Sublimação e a Clínica em Lacan. Eliane Mendlowicz A Sublimação e a Clínica em Lacan Eliane Mendlowicz O conceito de sublimação aparece na obra freudiana em 1897, nas cartas a Fliess (manuscrito L), quando Freud se perguntando sobre a histérica, descobre

Leia mais

Aproximação do tema da Transferência na obra de Freud e sua pertinência para o estudo das psicoses

Aproximação do tema da Transferência na obra de Freud e sua pertinência para o estudo das psicoses Aproximação do tema da Transferência na obra de Freud e sua pertinência para o estudo das psicoses Palavras-chave: Transferência; Neurose de Transferência; Tratamento da Psicose; Psicanálise com crianças.

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Leandro Assis Santos Voluntário PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora

Leia mais

OS RELACIONAMENTOS AFETIVOS DE MULHERES COM TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE

OS RELACIONAMENTOS AFETIVOS DE MULHERES COM TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE OS RELACIONAMENTOS AFETIVOS DE MULHERES COM TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE Élide Dezoti Valdanha, Fernanda Kimie Tavares Mishima e Valéria Barbieri. INTRODUÇÃO De acordo com o DSM-IV-TR - Manual

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Um novo começo: mudança de analista para o devenir do analista

Um novo começo: mudança de analista para o devenir do analista Um novo começo: mudança de analista para o devenir do analista Arellano Valdez, María Paz; Ramírez González, Vicenta 1 Chega o momento em que o analista, em um discurso que legitima, possibilita a passagem

Leia mais

Pais e filhos : companheiros de viagem 1

Pais e filhos : companheiros de viagem 1 Pais e filhos : companheiros de viagem 1 Janete Rosane Luiz Dócolas 2 Existem algumas coisas que marcam a época em que vivemos. Uma época em que o avanço tecnológico provocou mudanças em praticamente todas

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL

DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL Professor Responsável: Mohamad A. A. Rahim Quadro sinóptico baseado na bibliografia sugerida em cada aula DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL 1. SEXUALIDADE E LIBIDO Libido : é uma fonte original de energia afetiva

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO. perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que

PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO. perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que PSICANÁLISE: UMA ÉTICA DO DESEJO Sérgio Scotti Lacan dizia que a única coisa da qual se pode ser culpado, pelo menos da perspectiva analítica, é de ter cedido de seu desejo (LACAN, 1991, p. 385). Mas que

Leia mais

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica

De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica De todas as relações humanas, esta é a principal e mais básica Para as crianças, a família é a segurança, proteção, apoio, compreensão e a aceitação de que tanto necessitam. Pai e mãe são, com efeito,

Leia mais

SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1. A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos,

SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1. A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos, SOBRE A SEXUALIDADE ( MASCULINA) 1 Alejandro Luis Viviani A sedução abre o jogo da promessa de prazeres desconhecidos, supondo veladamente uma resposta sobre a origem da sexualidade. Jogo em espelho onde,

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS

REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS Centro Universitário de Brasília FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - FACS CURSO: PSICOLOGIA REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS CAROLINA MOURA BENTO BRASÍLIA NOVEMBRO/2005 CAROLINA MOURA BENTO REFLEXÕES

Leia mais

UMA LEITURA PSICANALÍTICA DA ADOLESCÊNCIA: MUDANÇA E DEFINIÇÃO

UMA LEITURA PSICANALÍTICA DA ADOLESCÊNCIA: MUDANÇA E DEFINIÇÃO UMA LEITURA PSICANALÍTICA DA ADOLESCÊNCIA: MUDANÇA E DEFINIÇÃO DOMINGUES, Mariana Rosa Cavalli Docente do Curso de Psicologia do Centro Universitário Católico Aulixiun - Unisalesiano - Lins/SP Brasil mrosacavalli@yahoo.com.br

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA. Mestrado de Psicanálise Saúde Sociedade COMIDA: OBJETO DA PULSÃO POR: ADRIANA RIBEIRO MACEDO VARGAS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA. Mestrado de Psicanálise Saúde Sociedade COMIDA: OBJETO DA PULSÃO POR: ADRIANA RIBEIRO MACEDO VARGAS 1 UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA Mestrado de Psicanálise Saúde Sociedade COMIDA: OBJETO DA PULSÃO POR: ADRIANA RIBEIRO MACEDO VARGAS Orientadora: Profa Dra Maria Anita Carneiro Ribeiro Rio de Janeiro Agosto.2014

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE

ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE ADOLESCÊNCIA E SEXUALIDADE Adolescência É o período de transição entre a infância e a idade adulta. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS),o período da adolescência situa-se entre os 10 e os 20 anos.

Leia mais

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade

Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Impasses na clínica psicanalítica: a invenção da subjetividade Teresa Pinheiro Regina Herzog Resumo: A presente reflexão se

Leia mais

A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1

A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1 A angústia: qual sua importância no processo analítico? 1 Anelise Scheuer Rabuske Uma das coisas que aprendi é que se deve viver apesar de. Apesar de, se deve comer. Apesar de, se deve amar. Apesar de,

Leia mais

V Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental XI Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Tema: Corpo e Dietética Fortaleza, 2012

V Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental XI Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Tema: Corpo e Dietética Fortaleza, 2012 1 V Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental XI Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental Tema: Corpo e Dietética Fortaleza, 2012 Luto e Reconstrução na Adoção de Crianças Maiores

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM...

QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... QUANDO AMAR É DAR AQUILO QUE SE TEM... Adelson Bruno dos Reis Santos adelsonbruno@uol.com.br Mestrando em Psicologia - IP/UFRJ; Bolsista CAPES; Membro do CLINP-UFRJ/CNPq (Grupo de Pesquisa Clínica Psicanalítica);

Leia mais

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 1 Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 Maria Izabel Oliveira Szpacenkopf izaszpa@uol.com.br Psicanalista, Membro

Leia mais

E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br.

E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br. Título: A incidência do narcisismo na esquizofrenia e na histeria Autora: Graciela Bessa Psicanalista, Doutora em Teoria Psicanalítica (UFRJ). E-mail: gracielabessa@yahoo.com.br. RESUMO: No texto Sobre

Leia mais

Por que repetimos os mesmos erros

Por que repetimos os mesmos erros J.-D. Nasio Por que repetimos os mesmos erros Tradução: André Telles Neste livro, eu gostaria de mostrar como a minha experiência de psicanalista me levou a concluir que o inconsciente é a repetição. Normalmente,

Leia mais

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO

PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO PERDÃO E SAÚDE: TENSÕES ENTRE MEMÓRIA E ESQUECIMENTO Andréa Lima do Vale Caminha A temática do Perdão tem nos atraído nos últimos tempos e para atender a nossa inquietação, fomos investigar esse tema no

Leia mais

Analista em função ama?

Analista em função ama? Analista em função ama?... o amor demanda o amor. Ele não deixa de demandá-lo. Ele o demanda... mais... ainda (Lacan) (1) Este texto é causado pelo interrogante insistente sobre o que é do amor ao final?

Leia mais

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli.

Aqui estão algumas dicas, diretrizes, e questões a considerar para pessoas que estão iniciando no mundo poli. Então você quer experimentar o poliamor Ginny Brown, 7 de abril de 2014, Everyday Feminism http://everydayfeminism.com/2014/04/so-you-want-to-try-polyamory/ Então você tem lido sobre poliamor e decidiu

Leia mais

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca

Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Psicologia: Teoria e Prática 2007, 9(2):149-154 Resenha bibliográfica sobre o livro O ser interior na psicanálise de Walter Trinca Iraní Tomiatto de Oliveira Universidade Presbiteriana Mackenzie Nessa

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 10. Janeiro a julho de 2012

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 10. Janeiro a julho de 2012 Título: A sintonia do eu com o sintoma: a problemática da angústia na neurose obsessiva Autora: Simone Souto Psicanalista, Membro da Escola Brasileira de Psicanálise (EBP) e da Associação Mundial de Psicanálise

Leia mais

BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR

BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 713 BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia

Leia mais

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro A expressão politicamente correto refere-se a uma política que consiste em

Leia mais