ELEIÇÕES 2014 PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES CONTA BANCÁRIA CNPJ PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES ARRECADAÇÃO, GASTOS DE CAMPANHA E PRESTAÇÃO DE CONTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELEIÇÕES 2014 PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES CONTA BANCÁRIA CNPJ PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES ARRECADAÇÃO, GASTOS DE CAMPANHA E PRESTAÇÃO DE CONTAS"

Transcrição

1 ELEIÇÕES 2014 ARRECADAÇÃO, GASTOS DE CAMPANHA E PRESTAÇÃO DE CONTAS PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES Arrecadar ou gastar antes de cumpridos os requisitos = Contas desaprovadas! Professora Rita Gonçalves 1 2 PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES registro da candidatura ou do comitê CNPJ abertura de conta bancária específica para a campanha emissão de recibos eleitorais 3 CNPJ fornecido automaticamente pela Rec Federal em até 48 horas após registro de candidatura divulgado nos sites da RFB e do TSE; necessário para abertura de conta bancária cancelado automaticamente em 31/12/2014. problemas (CPF inválido, cancelado, etc) 4 CONTA BANCÁRIA CONTA BANCÁRIA ESPECÍFICA - chamada: Doações para Campanha - tem de registrar todo o movimento financeiro da campanha - deve ser aberta pelos candidatos, em qualquer banco, em até 10 dias após a obtenção do CNPJ (3 dias para o banco abrir) 5 - todos os depósitos têm de ser identificados (tem que ter CPF ou CNPJ do doador) 6 1

2 CONTA BANCÁRIA ESPECÍFICA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA CANDIDATOS E COMITÊS FINANCEIROS: RACE - Requerimento Abertura Conta Eleitoral site CNPJ ou 7 CONTA BANCÁRIA ESPECÍFICA Os extratos eletrônicos deverão: - compreender o registro da movimentação financeira entre a data da abertura e a do encerramento da conta bancária específica de campanha. Atenção! Cuidado com extratos sem validade legal - As contas bancárias de campanha serão automaticamente canceladas na data da diplomação dos eleitos 8 ATENÇÃO! A movimentação de recursos fora da conta específica de campanha implica a desaprovação das contas e envio dos autos ao Ministério Público Eleitoral para a propositura da ação cabível. RECIBOS ELEITORAIS Comprovado abuso do poder econômico, será cancelado o registro da candidatura ou cassado o diploma, se já houver sido outorgado (Lei nº 9.504/97, art. 22, 3º) RECIBOS ELEITORAIS UTILIZAÇÃO OBRIGATÓRIA devem ser emitidos para todo e qualquer recurso recebido, financeiros ou estimáveis em dinheiro. mesmo que seja do próprio candidato deverão ser emitidos no momento do recebimento da doação, ainda que estimável. Não emitir recibos eleitorais pode levar à desaprovação das contas 11 RECIBOS ELEITORAIS - Os recibos eleitorais deverão ser impressos diretamente do Sistema de Prestação de Contas Eleitorais (SPCE), - antes porém, tem que pegar autorização obtida no SRE (Sistema de Recibos Eleitorais - no site do TSE) 12 2

3 RECIBOS ELEITORAIS Depois de autorizada a emissão de recibos eleitorais pelo SRE, a concessão de nova permissão ficar condicionada: - à prévia inclusão de informação no SRE relativa à utilização dos anteriormente autorizados - com identificação do CPF/CNPJ do doador, valor e data das doações recebidas ou ainda os dados relativos à sua inutilização 13 ARRECADAÇÃO DE CAMPANHA 14 PRAZO PARA RECEBER DOAÇÕES Permitidas somente a partir: do registro do candidato ou do comitê financeiro, abertura da conta bancária específica com CNPJ de campanha e obtenção dos recibos eleitorais. Permitidas até a data da eleição Obs: Se houver dívida pode arrecadar até a apresentação das contas. 15 FONTES DE ARRECADAÇÃO recursos próprios do candidato recursos próprios dos partidos, desde que identificada a origem doações financeiras ou estimáveis em dinheiro, de pessoas físicas ou jurídicas doações de outros candidatos, comitês financeiros e partidos políticos repasse do Fundo Partidário receita decorrente da comercialização de bens e/ou da promoção de eventos, realizada diretamente pelo candidato, comitês ou partido receita decorrente de aplicação financeira dos recursos de campanha 16 FORMAS DE ARRECADAÇÃO As doações, inclusive pela internet, feitas por pessoas físicas e jurídicas, deverão ser por meio de: COMPROVAÇÃO DOS RECURSOS FINANCEIROS ARRECADADOS cheque cruzado e nominal, transferências bancárias (TED/DOC) boleto de cobrança com registro; cartão de crédito ou cartão de débito; depósitos em espécie, devidamente identificados com o CPF/CNPJ do doador; doação ou cessão temporária de bens e/ou serviços estimáveis em dinheiro

4 ARRECADAÇÃO DE RECURSOS DOCUMENTAÇÃO COMPROBATÓRIA canhotos dos recibos eleitorais emitidos e extratos bancários da conta de campanha DOAÇÕES ESTIMÁVEIS EM DINHEIRO Atenção! A comprovação da ausência de movimentação de recursos financeiros será por: extratos bancários da conta de campanha ou declaração firmada pelo gerente do banco No caso de utilização de recursos próprios poderá ser exigida documentação comprobatória da origem DOAÇÕES ESTIMÁVEIS EM DINHEIRO São aquelas doações que não envolvem dinheiro, pagamento, recursos financeiros. São aquelas doações emprestadas ou cedidas aos candidatos, comitês e partidos, durante a campanha, gratuitamente. DOAÇÕES ESTIMÁVEIS EM DINHEIRO Exemplos: Bens: empréstimo de imóveis, veículos, equipamentos Materiais: doação de papel, impressos, tinta, gasolina etc Serviços: prestação de serviços em geral, ex: distribuição de panfletos, impressão de santinhos, serviços de informática, motorista etc 23 DOAÇÕES ESTIMÁVEIS EM DINHEIRO descrição quantidade valor unitário avaliação de mercado* origem da avaliação tudo amparado por recibo eleitoral * Sugestão: - Bolsa Eletrônica de Compras (preços de materiais e serviços) 24 4

5 ATENÇÃO! ATENÇÃO! Os bens estimáveis em dinheiro fornecidos pelo próprio candidato, deverão integrar o seu patrimônio em período anterior ao pedido de registro da candidatura. Os bens e/ou serviços estimáveis doados por terceiros devem constituir produto de seu próprio serviço, de suas atividades econômicas. No caso dos bens permanentes, deverão integrar o patrimônio do doador EXCEÇÃO! COMPROVAÇÃO DAS DOAÇÕES ESTIMADAS (NÃO FINANCEIRAS) Partidos, comitês e candidatos podem doar, entre si, bens e/ou serviços estimáveis, ainda que não sejam produtos de seu próprio serviço ou de suas atividades econômicas ARRECADAÇÃO DE RECURSOS ESTIMÁVEIS EM DINHEIRO DOCUMENTAÇÃO COMPROBATÓRIA Se o doador for pessoa jurídica: documento fiscal de doação de bens ou serviços e termo de doação firmado pela empresa doadora Se o doador for pessoa física: documentos fiscais emitidos em nome do doador ou termo de doação firmado pelo doador ARRECADAÇÃO DE RECURSOS ESTIMÁVEIS EM DINHEIRO DOCUMENTAÇÃO COMPROBATÓRIA Quando se tratar de bens pertencentes a pessoa física ou pessoa jurídica: Termo de Cessão quando se tratar de bem pertencente ao cedente, cedido temporariamente, ou seja, emprestado, ao candidato, comitê ou partido, acompanhado da respectiva comprovação de propriedade

6 DOAÇÕES PELA INTERNET desenvolver site contratar instituição financeira ou credenciadora de cartão de crédito por meio cartão de crédito/débito titular do cartão emitir recibo eleitoral, dispensada a assinatura do doador (...) 31 DOAÇÕES PELA INTERNET cartões crédito/débito efetivar crédito na conta específica até a data da eleição identificar o doador (CPF/CNPJ) vencimento de boletos até a data da eleição utilizar máquinas de cartão de crédito e de cartão de débito. É proibido fazer vaquinha pela internet (crowdfunding) 32 LIMITES DE DOAÇÕES LIMITES DE DOAÇÕES Pessoa Física: - até 10% dos rendimentos brutos recebidos no ano anterior à eleição, - até R$ ,00 - cessão gratuita de bens móveis* ou imóveis de propriedade do doador ou da prestação de serviços próprios, apurados conforme o valor de mercado. 33 Pessoa Jurídica: até 2% do faturamento bruto do ano anterior à eleição. 34 LIMITES DE DOAÇÕES EMPRÉSTIMOS CONTRAÍDOS Recursos Próprios do Candidato: - limitado a 50% do patrimônio informado à Receita Federal do Brasil na declaração de imposto de renda 2014/2013. Obs: Empréstimos contraídos pela pessoa física do candidato são considerados doação de recursos próprios e, portanto, não podem ser quitados com recursos da campanha. (art. 19, parágrafo único Res /14 - art. 548/549 do CC)

7 DOAÇÕES ENTRE CANDIDATOS LIMITE ULTRAPASSADO O candidato que receber a doação de outro candidato ou comitê deverá: registrar a doação recebida e emitir recibo eleitoral Para o candidato ou comitê financeiro doador essas doações são computados no limite de gastos. Se o limite de doação for ultrapassado, o doador estará sujeito ao pagamento de multa no valor de 5 a 10 vezes a quantia em excesso, sem prejuízo de o candidato responder por abuso do poder econômico ATENÇÃO! Se o infrator for pessoa jurídica: - além de se submeter à multa, - ele não poderá participar de licitações públicas e celebrar contratos com o Poder Público, - pelo período de 5 anos, por decisão da Justiça Eleitoral, 39 VEDAÇÃO A NOVAS EMPRESAS É vedada a realização de doações por pessoas jurídicas que tenham: - iniciado ou retomado suas atividades no ano-calendário de DOAÇÕES DO PARTIDO DOAÇÕES RECEBIDAS DO PARTIDO POLÍTICO Cuidados ao receber doações do partido: - Identificar a origem da doação para emissão do recibo eleitoral Se tiver vindo de uma pessoa física e/ou jurídica, emite o recibo eleitoral para o(s) doador(es). 42 7

8 COMERCIALIZAÇÃO E EVENTOS DE ARRECADAÇÃO 43 COMERCIALIZAÇÃO E EVENTOS ATENÇÃO! esses recursos são considerados doações e, portanto, estão sujeitos aos limites legais. deve-se emitir recibos eleitorais individualizados, independente do valor. todos os gastos pertinentes deverão ser comprovados por documentação idônea. 44 COMERCIALIZAÇÃO E EVENTOS Se resolver fazer, deverá providenciar: comunicação prévia e formal à Justiça Eleitoral com antecedência mínima de 5 dias úteis poderá haver fiscalização da Justiça Eleitoral FONTES VEDADAS DOAÇÕES PROIBIDAS Obs: o montante bruto dos recursos arrecadados deverá, antes da utilização, ser depositado na conta bancária específica de 45 campanha 46 FONTES VEDADAS FONTES VEDADAS É proibido a partido político, comitê financeiro e candidato: - receber direta ou indiretamente, - doação em dinheiro ou estimável em dinheiro, - inclusive por meio de publicidade de qualquer espécie, - procedente de fontes vedadas. 47 São elas: entidade ou governo estrangeiro; órgão da administração pública direta e indireta ou fundação mantida com recursos provenientes do poder público; concessionário ou permissionário de serviço público; (...) 48 8

9 FONTES VEDADAS FONTES VEDADAS entidade de direito privado que receba, na condição de beneficiária, contribuição compulsória em virtude de disposição legal; entidade de utilidade pública; pessoa jurídica sem fins lucrativos que receba recursos do exterior; entidades beneficentes e religiosas; entidades esportivas; entidade de classe ou sindical; (...) organizações não governamentais que recebam recursos públicos; (...) FONTES VEDADAS FONTES VEDADAS organizações da sociedade civil de interesse público; sociedades cooperativas de qualquer grau ou natureza, cujos cooperados sejam concessionários ou permissionários de serviços públicos ou estejam sendo beneficiadas com recursos públicos. cartórios de serviços notariais e de registros 51 A utilização de recursos recebidos de fontes vedadas constitui irregularidade insanável e causa a desaprovação das contas, ainda que o valor seja restituído. Atenção! Além de restituídos à fonte, deverão ser transferidos ao Tesouro Nacional em até 5 dias do trânsito em julgado da decisão (GRU). 52 RECURSOS DE ORIGEM NÃO IDENTIFICADA RECURSO DE ORIGEM NÃO IDENTIFICADA É aquele recurso sem identificação do doador ou cujo número de CPF e/ou CNPJ seja inválido e, portanto: não poderão ser utilizados; deverão ser recolhidos ao Erário, tão logo seja constatado, no prazo de até 5 dias do trânsito em julgado da decisão final e

10 GASTOS DE CAMPANHA LIMITE DE GASTOS PENALIDADE se ultrapassar o limite de gastos, multa no valor de 5 a 10 vezes a quantia gasta em excesso Obs: doações estimadas também são computadas no cálculo do limite utilizado PERÍODO PERMITIDO PARA DESPESAS APÓS registro de candidatura abertura da conta bancária com CNPJ de campanha recibos eleitorais ATÉ o dia da eleição DÍVIDAS DE CAMPANHA Se tiver dívidas e não conseguir pagar até o dia da eleição, pode arrecadar até o dia da entrega da prestação de contas (04/11/14) Se não conseguir quitar tudo a direção nacional decide se assume a dívida ou não TIPOS DE GASTOS GASTOS ELEITORAIS São gastos eleitorais sujeitos a registro e aos limites (rol taxativo) : confecção de material impresso qualquer natureza e tamanho; de propaganda e publicidade direta ou indireta, por qualquer meio de divulgação; 59 aluguel de locais para a promoção de atos de campanha eleitoral; (...) 60 10

11 GASTOS ELEITORAIS GASTOS ELEITORAIS despesas com transporte ou deslocamento de candidato e de pessoal a serviço das candidaturas; correspondências e despesas postais; despesas de instalação, organização e funcionamento de comitês financeiros e serviços necessários às eleições; (...) 61 remuneração ou gratificação de qualquer espécie paga a quem preste serviços às candidaturas, aos comitês financeiros ou aos partidos políticos; montagem e operação de carros de som, de propaganda e de assemelhados; realização de comícios ou eventos destinados à promoção de candidatura; (...) 62 GASTOS ELEITORAIS GASTOS ELEITORAIS produção de programas de rádio, televisão ou vídeo, inclusive os destinados à propaganda gratuita; realização de pesquisas ou testes préeleitorais; custos com a criação e inclusão de páginas na internet; (...) 63 multas aplicadas, até as eleições, aos partidos ou aos candidatos por infração do disposto na legislação eleitoral; doações para outros candidatos, comitês financeiros ou partidos políticos; produção de jingles, vinhetas e slogans para propaganda eleitoral. 64 GASTOS ELEITORAIS MATERIAL IMPRESSO As multas mencionadas não podem ser pagas com recursos do fundo partidário. Obs: As aplicadas por propaganda antecipada não podem ser lançadas como despesa de campanha. Estas deverão ser quitadas com recursos próprios, ainda que o infrator venha a se tornar candidato. A impressão de todo o material de campanha eleitoral deve indicar: CNPJ/CPF de quem confeccionou CNPJ/CPF de quem pagou tiragem

12 FORMAS PERMITIDAS DE GASTOS FORMAS PERMITIDAS DE GASTOS cheque ou transferência bancária. Exceção: Fundo de Caixa Rotativo para pequenas despesas PEQUENAS DESPESAS PEQUENAS DESPESAS Para o pagamento de despesas de pequeno valor, - poderão o candidato, o comitê financeiro e o partido político constituir reserva individual em dinheiro (Fundo de Caixa), - em montante a ser aplicado por todo o período da campanha eleitoral, - observado o trânsito prévio desses recursos na conta bancária específica, - devendo ser mantida a documentação correspondente para fins de fiscalização. 69 As despesas não podem ultrapassar R$ 400,00 Atenção! Somente após transitar pela conta bancária de campanha e tudo amparado com documentação comprobatória, emitida na data da realização da despesa. Obs: o valor da reserva não pode ser superior a 2% do total das despesas ou a R$ ,00, o que for menor. 70 GASTOS PROIBIDOS 71 O CANDIDATO NÃO PODE DOAR: Constitui captação de sufrágio, vedada por esta Lei, o candidato doar, oferecer, prometer, ou entregar, ao eleitor, com o fim de obter-lhe o voto, bem ou vantagem pessoal de qualquer natureza, inclusive emprego ou função pública, desde o registro da candidatura até o dia da eleição, inclusive, sob pena de multa de mil a cinquenta mil Ufir, e cassação do registro ou do diploma (...). (art. 41-A da Lei 9.504/97) 72 12

13 GASTOS PROIBIDOS produção ou patrocínio de espetáculos ou eventos promocionais de candidatura; COMPROVAÇÃO DAS DESPESAS pagamento de cachê de artistas e animadores de eventos, showmícios; confecção, aquisição e distribuição de camisetas, chaveiros, canetas, cestas básicas e quaisquer outros brindes de campanha; troféus, prêmios, dinheiro, ajudas de qualquer espécie, DOCUMENTAÇÃO DAS DESPESAS DESPESA AÉREA E COM HOSPEDAGEM - nota fiscal emitida na data da contratação - recibo (apenas nas hipóteses permitidas pela legislação fiscal) - em nome do candidato, com CNPJ campanha - original ou cópia autenticada 75 Obs: a comprovação de despesas relativas ao transporte aéreo e hospedagem do candidato e das pessoas que trabalham em prol da sua campanha poderão ser comprovadas mediante a apresentação das respectivas faturas emitidas pelas agências de viagem, desde que, concomitantemente, seja apresentada: (...) 76 DESPESA AÉREA E COM HOSPEDAGEM I prova de que o beneficiário participa da campanha eleitoral e a viagem foi realizada para atender propósitos da campanha; SOBRAS DE CAMPANHA II bilhete da passagem, acompanhado dos comprovantes de embarque ou declaração de embarque emitida pela companhia responsável pelo transporte; III nota fiscal emitida pelo estabelecimento hoteleiro com identificação do hóspede

14 SOBRAS DE CAMPANHA FISCALIZAÇÃO diferença positiva entre receitas /despesas bens e materiais permanentes adquiridos ou recebidos pela campanha As sobras de campanha deverão ser transferidas para o diretório estadual e o comprovante deve ser juntado à prestação de contas FISCALIZAÇÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS DE CAMPANHA Durante todo o processo eleitoral, a Justiça Eleitoral poderá: - pesquisar despesas e doações junto a fornecedores e doadores de campanha - fiscalizar eventos de arrecadação - fiscalizar gastos com propaganda - fiscalizar comitês de campanha QUEM DEVE PRESTAR CONTAS? Todos os candidatos que requereram o registro de candidatura: deferidos indeferidos renúncias substituídos substitutos falecidos (por meio do partido ou administrador financeiro) 83 PRESTAÇÃO DE CONTAS O candidato pode administrar financeiramente sua campanha, ou se quiser, designar administrador financeiro, - não pode alegar ignorância sobre as irregularidades detectadas nas contas apresentadas. - Se houver administrador financeiro, este responde solidariamente pelas informações prestadas

15 PRESTAÇÃO DE CONTAS PRESTAÇÃO DE CONTAS SEM MOVIMENTAÇÃO O candidato e o profissional de contabilidade responsável deverão assinar a prestação de contas, sendo obrigatória a constituição de advogado. (art. 33, 4º da Res TSE /14) mesmo sem ter arrecadado recursos financeiros, todos os candidatos estão obrigados a prestar contas de campanha não existe prestação de contas zerada recursos estimáveis devem ser declarados PRESTAÇÃO DE CONTAS PARCIAIS PRESTAÇÃO DE CONTAS PARCIAIS todos os candidatos por meio da internet 28/07/14 a 02/08/14 1ª. parcial 28/08/14 a 02/09/14 2ª. parcial MESMO QUE NÃO TENHAM REALIZADO CAMPANHA! PRESTAÇÃO DE CONTAS PARCIAIS PENALIDADES - A ausência de prestação de contas parcial caracteriza grave omissão de informação, que poderá levar à desaprovação das contas finais. - A prestação de contas parcial que não corresponda à efetiva movimentação de recursos ocorrida até a data da entrega, caracteriza infração grave, a ser apurada no exame final. Obs: Após o prazo, serão aceitas apenas retificadoras. 89 PRESTAÇÃO DE CONTAS FINAL 90 15

16 PRESTAÇÃO DE CONTAS PRAZO SPCE é obrigatório Sistema de Prestação de Contas Eleitorais Disponível nos site do TSE e dos Tribunais Regionais. Atenção para as atualizações do programa! 1º TURNO: até 19h00 do dia 4/11/14 2º TURNO: até 19h00 do dia 25/11/ DESCUMPRIMENTO DO PRAZO Findo o prazo (04/11/14 e 25/11/14) no máximo em 5 dias o Juiz notificará para apresentação em 72 horas. Se não forem apresentadas, serão julgadas como não prestadas. Se desacompanhadas de documentos também serão julgadas como não prestadas 93 INADIMPLÊNCIA Consequências: divulgação na mídia dos candidatos que não prestaram contas encaminhamento ao Ministério Público impedimento de obtenção da Certidão de Quitação Eleitoral no curso do mandato para o qual concorreu (4 e 8 anos) 94 CONTAS INTEMPESTIVAS Atenção! Contas apresentadas após serem julgadas como não prestadas, não serão objeto de novo julgamento. ENTREGA DA PRESTAÇÃO DE CONTAS O candidato permanecerá inelegível, sem a possibilidade de obter Certidão de Quitação Eleitoral até o final do mandato ao qual concorreu. Obs: Após esse período, persistem os efeitos até a efetiva apresentação das contas

17 ENTREGA DA PRESTAÇÃO DE CONTAS - A prestação de contas será encaminhada à Justiça Eleitoral pela internet - O sistema emitirá o Extrato da Prestação de Contas, certificando a entrega eletrônica, que deverá ser impresso, assinado e, juntamente com os documentos que a acompanham, deverá ser protocolizado no órgão competente. - Apenas após a certificação de que o número de controle do Extrato da Prestação de Contas é idêntico àquele constante na base de dados da 97 Justiça Eleitoral, será gerado o recibo de entrega. PROBLEMAS NA ENTREGA - ausente o número de controle no Extrato da Prestação de Contas ou - sendo divergente daquele constante da base de dados da Justiça Eleitoral - o SPCE emitirá aviso com a informação de impossibilidade técnica de sua recepção - fazendo-se necessária a sua reapresentação, sob pena de serem as contas julgadas não prestadas. 98 PUBLICIDADE E IMPUGNAÇÃO DAS CONTAS - Apresentadas as contas finais, a Justiça Eleitoral disponibilizará dados na internet - determinará a imediata publicação de edital para que qualquer partido político, candidato ou coligação, bem como o Ministério Público as impugne no prazo de 3 dias. A impugnação deverá ser formulada em petição fundamentada - O Relator abrirá vista ao prestador das contas para manifestação no prazo de 3 dias. - A não apresentação de impugnação não obsta a análise das contas pelos órgãos técnicos, nem impede a atuação 99 do Ministério Público Eleitoral como custos legis. DILIGÊNCIAS Se detectadas irregularidades, serão propostas diligências para complemento de informações, apresentação de documentos e/ou esclarecimentos. - devem ser atendidas no prazo de 72 horas, a contar da intimação, podendo ser prorrogado por idêntico período. 100 JULGAMENTO 101 JULGAMENTO DAS CONTAS aprovação, quando estiverem regulares; aprovação com ressalvas, quando as irregularidades não comprometerem as contas; desaprovação, quando as falhas comprometerem a regularidade das contas; não prestação, quando as contas não forem apresentadas dentro dos prazos, qdo não forem apresentados os documentos solicitados ou quando não forem reapresentadas por problemas na numeração do extrato das contas

18 DESAPROVAÇÃO DAS CONTAS DESAPROVAÇÃO DAS CONTAS - CANDIDATOS Remessa de cópia de todo o processo ao Ministério Público Eleitoral, que poderá promover: recurso contra a expedição do diploma ação de impugnação do mandato eletivo 103 ação de investigação judicial eleitoral por abuso de poder econômico 104 GUARDA DOS DOCUMENTOS GUARDA DA DOCUMENTAÇÃO COMPROBATÓRIA Os documentos concernentes à prestação de contas serão mantidos à disposição da Justiça Eleitoral pelo prazo de até 180 dias da decisão final que julgar as contas. 105 Pendente de julgamento qualquer processo judicial relativo às contas, a documentação correspondente deverá ser conservada até a sua decisão final. 106 BOM TRABALHO E BOA SORTE A TODOS! Acompanhe atualizações no site:

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Módulo - 4 FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Sob pena de rejeição das contas a arrecadação de recursos e os gastos por candidatos, inclusive dos seus vices e

Leia mais

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo Lembre-se de que este guia foi elaborado para facilitar a sua compreensão do que é prestar contas à Justiça Eleitoral. Todas as normas, que contêm o assunto detalhadamente, estão disponíveis na página

Leia mais

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo

Prestar contas é fácil: um guia passo a passo Quais as regras que devem ser observadas para a Prestação de Contas nas Eleições 2012? Além das normas contidas na Lei nº 9.096/1995 (a Lei dos Partidos Políticos) e na Lei nº 9.504/1997 (a Lei das Eleições),

Leia mais

expert PDF Trial Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Setembro 2014 Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP

expert PDF Trial Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Setembro 2014 Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP Palestra Prestação de Contas Eleitorais Res. 23.406/14 TSE Elaborado por: Grupo de Trabalho CRC SP Prestação de Contas Eleitorais A reprodução total ou parcial, bem como a reprodução de apostilas a partir

Leia mais

Palestra: Prestação de Contas Eleitoral. Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT

Palestra: Prestação de Contas Eleitoral. Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT Palestra: Prestação de Contas Eleitoral Atila Pedroso de Jesus Conselheiro do CRC MT LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Lei n. 9.504, de 30 de setembro de 1997: - Código Eleitoral (dispõe normas para eleição). Lei

Leia mais

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

LIMITE DE GASTOS. Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça)

LIMITE DE GASTOS. Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça) Prestação de Contas Eleitoral: Legislação x Prática Contador Ruberlei Bulgarelli Julho 2012 LIMITE DE GASTOS Cada partido deve fixar o limite de gastos a ser observado, por candidatura(caso Lei não faça)

Leia mais

Arrecadação Gastos Prestação de contas

Arrecadação Gastos Prestação de contas Arrecadação Gastos Prestação de contas Tatão Bom de Voto História ilustrativa e simplificada de como arrecadar recursos, realizar despesas e prestar contas à Justiça Eleitoral. Arrecadação Gastos Prestação

Leia mais

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

NORMAS E REGULAMENTOS

NORMAS E REGULAMENTOS NORMAS E REGULAMENTOS Lei nº 9.096/1995; Lei nº 9.504/1997; Resolução TSE nº 23.406/2014; Comunicado BACEN nº 25.091/2014; IN Conjunta RFB/TSE nº 1.019/2010. REQUISITOS PARA ARRECADAR E REALIZAR GASTOS

Leia mais

A LUTA DOS JUÍZES PELA ÉTICA NA POLÍTICA

A LUTA DOS JUÍZES PELA ÉTICA NA POLÍTICA A LUTA DOS JUÍZES PELA ÉTICA NA POLÍTICA APRESENTAÇÃO O financiamento das campanhas eleitorais tem sido, até hoje, matéria por poucos conhecida, restrita em grande medida aos órgãos julgadores, à classe

Leia mais

RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES

RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES RESOLUÇÃO TSE 23.276 DAS DOAÇÕES As doações poderão ser realizadas por pessoas físicas ou jurídicas em favor do candidato, comitê financeiro e/ou partido político, mediante (art.22): I cheques cruzados

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS. Direção-Geral Coordenadoria de Controle Interno Assessoria de Contas Eleitorais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS. Direção-Geral Coordenadoria de Controle Interno Assessoria de Contas Eleitorais TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS Direção-Geral Coordenadoria de Controle Interno Assessoria de Contas Eleitorais FINANCIAMENTO DE CAMPANHAS ELEITORAIS E PRESTAÇÕES DE CONTAS NAS ELEIÇÕES DE 2008

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.406 - INSTRUÇÃO Nº 957-41.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.406 - INSTRUÇÃO Nº 957-41.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.406 - INSTRUÇÃO Nº 957-41.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Ementa: Dispõe sobre a arrecadação e

Leia mais

CONTABILIDADE ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS

CONTABILIDADE ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Departamento de Desenvolvimento Profissional www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br CONTABILIDADE ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS LUIS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.250. INSTRUÇÃO Nº 102 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.250. INSTRUÇÃO Nº 102 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.250 INSTRUÇÃO Nº 102 CLASSE 12ª DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Gerardo Grossi. Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos nas campanhas eleitorais e sobre a prestação

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEI Nº 11.300, DE 10 DE MAIO DE 2006 Dispõe sobre propaganda, financiamento e prestação de contas das despesas com campanhas eleitorais, alterando a Lei n o 9.504, de 30

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Eleições 2008: passo a passo da candidatura a vereador Eduardo de Souza Floriano* Com base na legislação atinente ao processo eleitoral, foi elaborado um passo a passo para os candidatos

Leia mais

Pontos da Res. TSE nº 23.376/12 diretamente relacionados à internet: I A Arrecadação dos Recursos a emissão dos Recibos Eleitorais:

Pontos da Res. TSE nº 23.376/12 diretamente relacionados à internet: I A Arrecadação dos Recursos a emissão dos Recibos Eleitorais: Pontos da Res. TSE nº 23.376/12 diretamente relacionados à internet: I A Arrecadação dos Recursos a emissão dos Recibos Eleitorais: Art. 4º Toda e qualquer arrecadação de recursos para a campanha eleitoral,

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR PRESTAÇÃO DE CONTAS PARTE 1 ANTES DA MINIRREFORMA ELEITORAL

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR PRESTAÇÃO DE CONTAS PARTE 1 ANTES DA MINIRREFORMA ELEITORAL Modular - Analistas TRE/TRF Disciplina: Direito Eleitoral Prof.: Thales Tácito Data: 17/10/2009 Aula n 06 MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR PRESTAÇÃO DE CONTAS PARTE 1 ANTES DA MINIRREFORMA ELEITORAL 1) APURAÇÃO

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS

PRESTAÇÃO DE CONTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRESTAÇÃO DE CONTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS Eleição 2012 Brasília - 2012 Partido do Movimento Democrático Brasileiro Diretório Nacional PMDB - Diretório Nacional Tesouraria Nacional do PMDB Senado Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.217, DE 02 DE MARÇO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 23.217, DE 02 DE MARÇO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 23.217, DE 02 DE MARÇO DE 2010 INSTRUÇÃO Nº 23-88.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Dispõe sobre a arrecadação e os gastos de recursos

Leia mais

RESOLUÇÃO N 23.217 INSTRUÇÃO N 23-88.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL.

RESOLUÇÃO N 23.217 INSTRUÇÃO N 23-88.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.217 INSTRUÇÃO N 23-88.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral.

Leia mais

Financiamento de campanhas e prestação de contas

Financiamento de campanhas e prestação de contas Financiamento de campanhas e prestação de contas Crescimento do gasto declarado com campanhas (total nacional) ANO TOTAL DE GASTOS (R$ milhões) ELEITORADO (milhões) CANDIDATOS (unidades) GASTO POR ELEITOR

Leia mais

Manual Técnico de Arrecadação e Aplicação de Recursos e de Prestação de Contas

Manual Técnico de Arrecadação e Aplicação de Recursos e de Prestação de Contas Manual Técnico de Arrecadação e Aplicação de Recursos e de Prestação de Contas Brasília 2010 Tribunal Superior Eleitoral Manual Técnico de Arrecadação e Aplicação de Recursos e de Prestação de Contas Eleições

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL Procuradoria Regional Eleitoral do Estado do Piauí

MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL Procuradoria Regional Eleitoral do Estado do Piauí Prestação de Contas nº 275-29.2012.6.18.0030 Classe 25 Procedência: Agricolândia/PI (30ª Zona Eleitoral São Pedro do Piauí/PI) Protocolo: 69.643/2012 Relator: Dr. Valter Alencar Rebelo Assunto: Prestação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.376 INSTRUÇÃO Nº 1542-64.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.376 INSTRUÇÃO Nº 1542-64.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.376 INSTRUÇÃO Nº 1542-64.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre a arrecadação e os gastos

Leia mais

Tribunal Superior Eleitoral

Tribunal Superior Eleitoral ESOLUÇÃO N O 22.715/2008 INSTRUÇÃO N O 118 RESOLUÇÃO Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos por candidatos e comitês financeiros e prestação de contas nas eleições municipais de 2008. Brasília

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22.715 INSTRUÇÃO Nº 118 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL.

RESOLUÇÃO Nº 22.715 INSTRUÇÃO Nº 118 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. RESOLUÇÃO Nº 22.715 INSTRUÇÃO Nº 118 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari Pargendler. Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos por candidatos e comitês financeiros e

Leia mais

DE ARRECADAÇÃO ELEIÇÕES

DE ARRECADAÇÃO ELEIÇÕES MANUAL DE ARRECADAÇÃO E APLICAÇÃO DE RECURSOS E DE PREST RESTAÇÃO DE CONT ONTAS ELEIÇÕES 2008 2 a EDIÇÃO Brasília 2008 Tribunal Superior Eleitoral Diretor-Geral da Secretaria Athayde Fontoura Filho Tribunal

Leia mais

Ano 2010, Número 088 Brasília, quarta-feira, 12 de maio de 2010

Ano 2010, Número 088 Brasília, quarta-feira, 12 de maio de 2010 Página 75 Art. 14. Na divulgação de pesquisas no horário eleitoral gratuito devem ser informados, com clareza, o período de sua realização e a margem de erro, não sendo obrigatória a menção aos concorrentes,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 21.609 (com as alterações introduzidas pela Resolução TSE n. 21.668/2004) INSTRUÇÃO Nº 74 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 21.609 (com as alterações introduzidas pela Resolução TSE n. 21.668/2004) INSTRUÇÃO Nº 74 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Inst. 74/DF 1 JUSTIÇA ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 21.609 (com as alterações introduzidas pela Resolução TSE n. 21.668/2004) INSTRUÇÃO Nº 74 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Fernando

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral.

INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. * RESOLUÇÃO Nº 23.216 ** INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Ementa: Dispõe sobre a arrecadação

Leia mais

RESOLUÇÃO TSE Nº 22.715/2008 ANOTADA (Prestação de Contas)

RESOLUÇÃO TSE Nº 22.715/2008 ANOTADA (Prestação de Contas) RESOLUÇÃO TSE Nº 22.715/2008 ANOTADA (Prestação de Contas) Gustavo Kanffer Departamento Jurídico CEN-PSDB RESOLUÇÃO Nº 22.715 INSTRUÇÃO Nº 118 CLASSE 12ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Ari

Leia mais

Prestação de Contas das Eleições 2014

Prestação de Contas das Eleições 2014 Cartilha sobre a Prestação de Contas das Eleições 2014 Brasília 2014 2014 Tribunal Superior Eleitoral É proibida a reprodução total ou parcial desta obra sem a autorização expressa dos autores. Secretaria

Leia mais

Belo Horizonte, junho de 2012. Desembargador Brandão Teixeira Presidente do TRE-MG

Belo Horizonte, junho de 2012. Desembargador Brandão Teixeira Presidente do TRE-MG O adequado controle sobre o financiamento das campanhas eleitorais tem sido objeto de constante aprimoramento por parte Justiça Eleitoral que, no cumprimento de sua missão institucional, busca oferecer

Leia mais

Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito.

Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito. OL ESOLUÇÃO TSE TSE N.. 23.216, DE 02 02 DE MARÇO DE DE 2010 INSTRUÇÃO N. 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. RELATOR: MINISTRO ARNALDO VERSIANI. (DJE-TSE, n.43, p.66, 04.3.10) Dispõe

Leia mais

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Prestação de Contas Eleitoral Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Janeiro de 2006 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DA PRESTAÇÃO DE CONTAS PARA AS ELEIÇÕES DE 2006 Trata-se de um tema revestido

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.216 INSTRUÇÃO N 22-06.2010.6.00.0000 - CLASSE 19 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral.

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO GERAR E ENVIAR A PRESTAÇÃO DE CONTAS FINAL

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO GERAR E ENVIAR A PRESTAÇÃO DE CONTAS FINAL ORIENTAÇÃO SOBRE COMO GERAR E ENVIAR A PRESTAÇÃO DE CONTAS FINAL Termina no próximo dia 6 de novembro o prazo para a entrega das prestações de contas finais dos candidatos que concorreram no primeiro turno

Leia mais

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral:

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: PRESTAÇÃO DE CONTAS Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: Conceitos: Nós juízes, em especial os que atuam na área cível, somos acostumados com a obrigação de prestação de contas de

Leia mais

23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL.

23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. 23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros

Leia mais

Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos nas campanhas eleitorais e sobre prestação de contas nas eleições de 2002.

Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos nas campanhas eleitorais e sobre prestação de contas nas eleições de 2002. RESOLUÇÃO Nº 20.987* Instrução nº 56 - Classe 12ª Brasília - DF Relator: Ministro Fernando Neves. Dispõe sobre a arrecadação e a aplicação de recursos nas campanhas eleitorais e sobre prestação de contas

Leia mais

Passo a passo para regularização dos Diretórios Municipais PSDB (prestação de contas).

Passo a passo para regularização dos Diretórios Municipais PSDB (prestação de contas). Passo a passo para regularização dos Diretórios Municipais PSDB (prestação de contas). 1º PASSO: VERIFICAÇÕES: a) Certificar-se junto ao site do TRE quanto à validade do prazo do mandato da direção. b)

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARÁ SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARÁ SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PARÁ SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA Cartiillha de Arrecadação de Recursos, Gastos Elleiitoraiis e Prestação de Contas BELÉM PARÁ 2012 APRESENTAÇÃO Aproxima-se

Leia mais

A CIÊNCIA CONTÁBIL NAS CAMPANHAS ELEITORAIS

A CIÊNCIA CONTÁBIL NAS CAMPANHAS ELEITORAIS A CIÊNCIA CONTÁBIL NAS CAMPANHAS ELEITORAIS Autor: Sérgio Pastori Este artigo foi elaborado com base na Resolução de nº. 21.609/04, de 05/02/2004, do TSE, a qual dispõe sobre a arrecadação, a aplicação

Leia mais

Resolução n o 23.216. Brasília DF. Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito.

Resolução n o 23.216. Brasília DF. Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Instrução n o 22-06.2010.6.00.0000 Resolução n o 23.216 Brasília DF Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha

Leia mais

Da Propaganda Eleitoral Propaganda eleitoral em geral

Da Propaganda Eleitoral Propaganda eleitoral em geral Da Propaganda Eleitoral Propaganda eleitoral em geral 1.1. A propaganda eleitoral, inclusive na imprensa escrita e internet, somente será permitida a partir de 6 de julho de 2014. 1.2. A propaganda eleitoral

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

RESOLUÇÃO Nº TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº xxxx CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito O Tribunal Superior

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 01 DE ABRIL DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 01 DE ABRIL DE 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Comissão Eleitoral de Consulta à Comunidade Universitária para a Eleição de Reitor 2011-2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 01 DE ABRIL DE 2011

Leia mais

Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016.

Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016. 1 Roteiro para Prestação de Contas referente ao Programa de Patrocínios DME 2016. Formulários obrigatórios para Prestação de Contas PRESTAÇÃO DE CONTAS - PROJETOS INCENTIVADOS PELA DME E/OU SUAS SUBSIDIÁRIAS.

Leia mais

Administração Financeira de Campanha e Prestação de Contas

Administração Financeira de Campanha e Prestação de Contas Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso ELEIÇÕES GERAIS 2014 Administração Financeira de Campanha e Prestação de Contas COMISSÃO EDITORIAL Titulares: Nilson Fernando Gomes Bezerra (Presidente) Júlia

Leia mais

Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010

Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010 Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010 Página 66 AYRES BRITTO, PRESIDENTE- ARNALDO VERSIANI, RELATOR RICARDO LEWANDOWSKI CÁRMEN LÚCIA- FELIX FISCHER- MARCELO RIBEIRO. PUBLICAÇÃO

Leia mais

O que Fazer - Como Fazer E o que não Fazer

O que Fazer - Como Fazer E o que não Fazer O que Fazer - Como Fazer E o que não Fazer 11 PARTIDO O que Fazer - Como Fazer E o que não Fazer índice apresentação Apresentação--------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Art.. 30-A, Lei nº n 9.504/97)

Art.. 30-A, Lei nº n 9.504/97) REPRESENTAÇÃ ÇÃO O POR CAPTAÇÃ ÇÃO O E GASTOS ILÍCITOS DE RECURSOS (Art( Art.. 30-A, Lei nº n 9.504/97) 1. CAIXA DOIS Recursos não contabilizados de campanha eleitoral, que não transitam em conta bancária

Leia mais

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. * V. Dec. 6.180/2007 (Regulamenta a Lei 11.438/2006).

Leia mais

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 1/6 ÍNDICE 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 2. OBJETIVOS 3. ABRANGÊNCIA E VIGÊNCIA

Leia mais

A LUTA DOS JUÍZES PELA ÉTICA NA POLÍTICA

A LUTA DOS JUÍZES PELA ÉTICA NA POLÍTICA A LUTA DOS JUÍZES PELA ÉTICA NA POLÍTICA Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) Centro Empresarial Liberty Mall, SCN, Qd. 02, Bl. D, Torre B, Conjunto 1302, Brasília/DF, CEP: 70712-903 TEL. (61)

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Texto compilado Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter

Leia mais

Financiamento de Campanhas Eleitorais. Brasília - DF 09/10/2014

Financiamento de Campanhas Eleitorais. Brasília - DF 09/10/2014 Financiamento de Campanhas Eleitorais Brasília - DF 09/10/2014 Democracia representativa Direito de votar e ser votado Financiamento de campanhas Financiamento de campanhas Nº Nome Partido Receitas 21

Leia mais

Orientações Básicas. FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS

Orientações Básicas. FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS 1 FAPERGS Edital 16/2013 Orientações Básicas Execução Financeira dos Recursos de Subvenção Econômica FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS 2 1. Regras Básicas Vedado alteração do objeto do Termo de Subvenção

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

GUARDA DE DOCUMENTOS

GUARDA DE DOCUMENTOS GUARDA DE DOCUMENTOS Tabela de Temporalidade de Documentos de Pessoa Física 1. VIDA FINANCEIRA 1.1 PAGAMENTO DE TRIBUTOS 1.1.1 Imposto de 5 anos, contados Renda de Pessoa a partir do Física (IRPF) e exercício

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e

Leia mais

ACÓRDÃO N ( /4 /05/2015)

ACÓRDÃO N ( /4 /05/2015) TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE ALAGOAS ACÓRDÃO N ( /4 /05/2015) b PRESTAÇÃO DE CONTAS N 1609-67.2014.6.02.0000. Requerente: VICENTE HIGINO DE OLIVEIRA. Advogada: Dr.a ARIANA MELO MOTA ATA1DE. Relator:

Leia mais

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS ANEXO IV ORIENTAÇÕES E FORMULÁRIOS PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS Em conformidade às competências do CAU/BR previstas na Lei nº 12.378/2010 e em seu Regimento Geral, são apoiados projetos que contribuem para

Leia mais

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE?

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? 1. O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 23.432

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 23.432 TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO Nº 23.432 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 1581-56.2014.6.00.0000 CLASSE 26 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Henrique Neves Interessado: Tribunal Superior Eleitoral

Leia mais

REGISTRO DE CANDIDATO

REGISTRO DE CANDIDATO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL - Constituição Federal - Código Eleitoral (Lei n. 4737/65) - Lei n. 9.504/97 (Lei das Eleições) - Lei Complementar n. 64/90 (Lei das Inelegibilidades) DISPOSIÇÕES GERAIS REGISTRO DE

Leia mais

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Nenhum ato legislativo contrário à Constituição pode ser válido (...). A presunção natural, à falta de norma expressa, não pode ser

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 23.432

RESOLUÇÃO N o 23.432 RESOLUÇÃO N o 23.432 Alterada pela Resolução TSE nº 23.437, publicada no TSE-e de 18/05/2015, págs. 36/37. PROCESSO ADMINISTRATIVO N o 1581-56.2014.6.00.0000 CLASSE 26 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator

Leia mais

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Dispõe sobre os procedimentos de acompanhamento, controle e avaliação a serem adotados na utilização dos benefícios fiscais instituídos pela Lei n

Leia mais

ANEXO IV MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS REFERENTE À CONCESSÃO DE PATROCÍNIO. Lei 12.378 de 31/12/2010 Conselho de Arquitetura e Urbanismo

ANEXO IV MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS REFERENTE À CONCESSÃO DE PATROCÍNIO. Lei 12.378 de 31/12/2010 Conselho de Arquitetura e Urbanismo ANEXO IV MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS REFERENTE À CONCESSÃO DE PATROCÍNIO Lei 12.378 de 31/12/2010 Conselho de Arquitetura e Urbanismo Resolução nº 23 de 04/05/12 CAU/BR Portaria Interministerial Nº 507

Leia mais

Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015

Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015 Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015 1. PREÂMBULO O CEADEC - Centro de Estudos e Apoio ao Desenvolvimento,

Leia mais

MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DE PARTIDOS POLÍTICOS

MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DE PARTIDOS POLÍTICOS MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAL DE PARTIDOS POLÍTICOS (com as alterações introduzidas pela Resolução TSE n. 23.432/14) Manual de prestação de contas anual de partidos políticos -1 Manual de prestação

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Cartão de crédito corporativo

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Cartão de crédito corporativo pág.: 1/4 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos referentes à utilização do cartão de crédito corporativo para pagamento das despesas de viagem e deslocamento dos empregados a serviço da COPASA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 23, DE 30 DE ABRIL DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 23, DE 30 DE ABRIL DE 2009 MNSTÉRO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACONAL DE DESENVOLVMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELBERATVO RESOLUÇÃO Nº 23, DE 30 DE ABRL DE 2009 Estabelece os documentos necessários à certificação da situação de regularidade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO AUDITORIA GERAL DO ESTADO BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS APLICAÇÃO DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

Leia mais

EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS

EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS EDITAL 02/2015 EDITAL DE CONCESSÃO DO AUXÍLIO EVENTOS A Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), por meio da Pró-Reitoria de Sustentabilidade e Integração Social (PROSIS) torna público o presente EDITAL

Leia mais

QUESTÕES SOBRE A PROPAGANDA ELEITORAL

QUESTÕES SOBRE A PROPAGANDA ELEITORAL QUESTÕES SOBRE A PROPAGANDA ELEITORAL São as seguintes situações as mais comuns de Propaganda Eleitoral: 1. PROPAGANDA ELEITORAL NOS EDIFÍCIOS PÚBLICOS. Nos bens cujo uso dependa de cessão ou permissão

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO EDITAL Nº JFRJ-EDT-2015/00176 EDITAL DE EDITAL PÚBLICO DE CADASTRAMENTO E SELEÇÃO DE ENTIDADES (PRAZO DE PRAZO PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS: ATÉ 01 DE DEZEMBRO DE 2015) O DOUTOR FÁBIO DE SOUZA SILVA,

Leia mais

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 058/2012 NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE O Conselho Municipal de Saúde,

Leia mais

Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013.

Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013. Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013. PESQUISAS E TESTES PRÉ-ELEITORAIS Duas regras básicas: 1º) para conhecimento pessoal ou uso interno, pode ser feita de forma livre e informal;

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para

Leia mais

A Lei nº 9.504/97 e a Prestação de Contas das Campanhas Eleitorais

A Lei nº 9.504/97 e a Prestação de Contas das Campanhas Eleitorais TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL A Lei nº 9.504/97 e a Prestação de Contas das Campanhas Eleitorais > Dispositivos da Lei das Eleições > Instruções-TSE (1998 a 2006), com resoluções complementares e alteradoras

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL INFORMAÇÕES ÚTEIS SOBRE CONSIGNADO EMPRÉSTIMO, CARTÃO DE CRÉDITO E/OU SERVIÇOS CONTRATADOS - ANO 2015. 1) O que é Margem Consignável? Resposta: É o dado que indica os limites estabelecidos por lei específica

Leia mais

RELATÓRIO. Os documentos obrigatórios de prestação de contas deram entrada dentro do

RELATÓRIO. Os documentos obrigatórios de prestação de contas deram entrada dentro do Processo : Nº630042009-00 Origem : Fundo Municipal de Saúde de Rio Maria Assunto: Prestação de Contas Anuais de Gestão exercício de 2009 Instrução: 6ªControladoria Ordenador: Edimilson Batista Alves Procuradoria:

Leia mais

Manual de orientação do Sistema de Recibos Eleitorais SRE

Manual de orientação do Sistema de Recibos Eleitorais SRE TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL - TSE Manual de orientação do Sistema de Recibos Eleitorais SRE Janeiro/2014 Apresentação do sistema: Este manual tem o intuito de orientar os candidatos e partidos/comitês

Leia mais

ELEIÇÕES 2012 CAMPANHA ELEITORAL

ELEIÇÕES 2012 CAMPANHA ELEITORAL 2S SOLUÇÕES pode e não pode Elaboração: Victor Ferreira João de Oliveira 2 COMÍCIOS E REUNIÕES PÚBLICAS Tradicional forma de arregimentação de pessoas para difundir a proposta do candidato, partido ou

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para

Leia mais

ELEIÇÕES 2014 ORIENTAÇÕES AOS PRÉ-CANDIDATOS

ELEIÇÕES 2014 ORIENTAÇÕES AOS PRÉ-CANDIDATOS ELEIÇÕES 2014 ORIENTAÇÕES AOS PRÉ-CANDIDATOS - ESCOLHA E REGISTRO DAS CANDIDATURAS - PROPAGANDA ELEITORAL -ARRECADAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS ESCOLHA E REGISTRO DE CANDIDATOS CONVENÇÃO As convenções destinadas

Leia mais

Pode. Alto-falantes ou amplificadores de som. Pode

Pode. Alto-falantes ou amplificadores de som. Pode O Tribunal Superior Eleitoral publicou a Resolução nº 23.404/14, com as regras sobre propaganda eleitoral a serem seguidas nas eleições de 2014. Estão relacionados abaixo os tipos de propaganda mais comuns

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL ORIENTAÇÃO TÉCNICA ASEPA N o 1 DE 4 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre a apresentação das prestações de contas partidárias anuais pelos diretórios nacionais dos partidos políticos,

Leia mais

REGULAMENTO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DA VENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS DOS ESTOQUES PÚBLICOS N.º 004/ 04

REGULAMENTO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DA VENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS DOS ESTOQUES PÚBLICOS N.º 004/ 04 REGULAMENTO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DA VENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS DOS ESTOQUES PÚBLICOS N.º 004/ 04 A Companhia Nacional de Abastecimento - Conab, empresa pública federal vinculada ao Ministério da

Leia mais

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Prefeitura Municipal de São Leopoldo Secretaria Municipal da Fazenda Coordenadoria Tributária Divisão de Tributos Mobiliários Seção

Leia mais