PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA"

Transcrição

1 PREFEITURA MUNICIPAL DE BLUMENAU SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE GERÊNCIA DE REGULAÇÃO PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA PARA ENCAMINHAMENTO AOS ESPECIALISTAS E EXAMES / PROCEDIMENTOS DE ALTA E MÉDIA COMPLEXIDADE VERSÃO 1/2012 BLUMENAU 2011

2 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE EQUIPE TÉCNICA CONSULTIVA EQUIPE DE REGULADORES - Alberto Pereira de Carvalho Ginecologia, Obstetrícia CRM Alexandre Ernani da Silva Urologia CRM Carlos Ivan Beduschi Ginecologia, Obstetrícia CRM Carmo Aparecido de Souza Oftalmologia CRM Elizabete Ternes Pereira Pediatria (medicina do Adolescente) - CRM Fábio Siquineli Neurologia, Clínica Médica CRM Gustavo Henrique Conceição Elias - Medicina de Família e Comunidade CRM José Lino Gonçalves Cirurgia Torácica CRM Leonardo Vassali Rigo- Cirurgião Dentista - CRO SC-CD Luciana Pantozzi de Souza Marchetti Nefrologia, Clínica Médica CRM Melissa Horvath de Lima Psiquiatria CRM Marilena Messina Brower - Ginecologia, Obstetrícia CRM Rodrigo Aurélio Monari - Ortopedia e Traumatologia CRM Romero Fenili - Cirurgia Torácica CRM Sandro Laércio Reichow Cancerologia CRM Zélia Cristina Araujo Fernandes De Mello Terapia Intensiva - CRM 3767 MÉDICO REVISOR - Sérgio Luiz Zimmermann Cardiologia CRM 3626

3 EQUIPE ADMINISTRATIVA - Alexandre Ernani da Silva Diretor de Assistência à Saúde - Alessandra Maass Gerente de Regulação - Andréa Ritter Responsável / Oftalmologia - Arlene Miranda Responsável / Odontologia - Cintia Larissa Cazagranda de Oliveira Responsável / Cirurgia Eletiva de Média Complexidade - Cleci Fátima da Silva Responsável / Cirurgia Eletiva de Média Complexidade - Eliziane De Souza Pereira Responsável / Amb. Furb - Gabriela Dalri - Estagiária - José Carlos Soares Júnior Responsável / Oncologia - Juçara de Souza Gomes David Responsável / Atenção Básica - Jucimara Regina Pamplona Waldrich Responsável / odontologia - Nilce Ribeiro Dos Santos Responsável / Média Complexidade - Ricardo César Weise Responsável / Atenção Básica - Sérgio Friese Responsável / Exames de Alta Complexidade - Uiara Rautenberg Responsável / Policlínica - Vanuza Vieira Muniz Responsável / PPI

4 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO FUNCIONALIDADE DO SISREG O QUE É SISREG? COMO ACESSAR? QUANDO E COMO ACIONAR O PROFISSIONAL REGULADOR? CLASSIFICAÇÃO DE RISCO ESPECIALIDADES PROTOCOLO SUGERIDO PARA CONSULTAS EM CARDIOLOGIA Motivos para o encaminhamento Hipertensão ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) de difícil controle Avaliação cardiológica para pessoas acima de 45 anos (sexo masculino) e 50 anos (sexo feminino) Insuficiência Cardíaca Congestiva Insuficiência Coronariana Dor Torácica e Precordialgia Sopros / Valvulopatias estabelecidas Miocardiopatias Parecer Cardiológico Pré-operatório / Avaliação do Risco Cirúrgico Avaliação Para Atividades Físicas Arritmias Síncope PROTOCOLO SUGERIDO PARA CONSULTAS EM NEFROLOGIA Motivos para o encaminhamento Alteração de exame de urina e aumento da creatinina sérica Edema a esclarecer com sedimento urinário alterado Lesão renal em diabetes, hipertensão, doenças reumatológicas e auto-imunes Síndrome Nefrítica PROTOCOLO SUGERIDO PARA CONSULTAS EM OFTALMOLOGIA Orientações para o primeiro atendimento na unidade básica MATERIAL... 20

5 4.3.2 Motivos para o encaminhamento Déficit Visual Cefaléia Pacientes com Diabetes/Hipertensão Inflamação Ocular Catarata Glaucoma Estrabismo PROTOCOLO SUGERIDO PARA CONSULTAS EM OTORRINOLARINGOLOGIA Motivos para o encaminhamento Amigdalite crônica hipertrófica Blastomas nasais e paranasais Hipertrofia das adenóides Laringite crônica Otomastoidite crônica Sinusites crônicas REFERÊNCIAS... 31

6 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU 4 1 APRESENTAÇÃO Protocolo de Regulação da Atenção Básica e um dos subsídios que visa à consolidação das Redes de Serviços Regionalizados, a partir da instituição de dispositivos de planejamento, programação e regulação, estruturando as chamadas redes funcionais, em busca de garantir de forma mais racional o acesso da população a todos os níveis de atenção. Esperamos que o presente Protocolo, que periodicamente será revisado e implementado, seja uma ferramenta para os profissionais da Atenção Básica, como orientador dos encaminhamentos para a alta e media complexidade. 2 INTRODUÇÃO O trabalho de um Complexo Regulador está condicionado à integração com diversas áreas da gestão. Atuando de forma efetiva no controle dos leitos e agendas, dos tetos e cotas, no controle da PPI, subsidiando ações de controle, avaliação, auditoria, planejamento e programação, qualificando a informação, agregando o processamento da produção, as autorizações pré e pós-fato. Gerando há qualificação das bases e das rotinas cadastrais, incorporando protocolos, integrando-se à atenção as urgências, qualificando a comunicação com o usuário, provendo princípios básicos de eqüidade e integralidade, além de viabilizar a real e efetiva hierarquização da rede de serviços de saúde. Blumenau assumiu a gestão plena mediante portaria GM/MS de , e é sede regional para o Vale do Itajaí, abrangendo 52 municípios. Historicamente, o município conta com boa estrutura de gestão nas áreas de controle, avaliação e auditoria, e tem nessa integração o grande pilar da estrutura de regulação no município. O Complexo Regulador de Blumenau foi inaugurado em novembro de 2006 atuando na regulação da Tomografia Computadorizada e da Ressonância Magnética. Em 2007 o Complexo Regulador já expandiu suas ações para as demais especialidades da alta complexidade ambulatorial, regulando inclusive os encaminhamentos de outros municípios.

7 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU 5 3 FUNCIONALIDADE DO SISREG 3.1 O QUE É SISREG? Sistema on-line, criado para o gerenciamento de todo complexo regulatório indo da rede básica à internação hospitalar, visando à humanização dos serviços, maior controle do fluxo e otimização na utilização dos recursos. 3.2 COMO ACESSAR? Cada unidade de saúde do município (UBS, ESF, Amb. de Especialidades, Policlínicas e Hospitais) acessam este sistema que funciona via web, 24 horas por dia, 7 dias da semana, ficando a disposição e operacionalização do sistema dentro do horário de funcionamento de cada unidade de saúde. Para acessar o Sisreg, deverá a unidade entrar na internet e acessa o site: O sistema trabalha com identificação individual. Todo operador deverá ser cadastrado pela equipe da central de regulação ambulatorial pelo telefone (47) Fax e/ou Após o cadastramento o usuário terá acesso a todo menu de especialidade e/ou exame que o município possui. Para solicitar algum procedimento no Sisreg, o usuário devera estar com o Capslock acionado e com posse do cartão nacional de saúde (CNS) do paciente e requisição medica do pedido com CID (código internacional da doença) que são itens obrigatórios. A regulação do acesso funciona com o principio da equidade (tratamento diferente para se chegar à igualdade, dar mais a quem precisa mais) por isso alguns procedimentos são regulados, passam por uma equipe multiprofissional a qual baseada nesse protocolo liberara a vaga imediatamente, mais tarde ou não. Os procedimentos regulados são aqueles onde hoje há uma demanda maior que a oferta e essa situação e dinâmica, assim que ela for mudando o rol de procedimentos regulados vai sendo alterado. A lista de procedimentos regulados e de acesso só para ambulatórios de especialidades se encontra na tela principal do Sisreg.

8 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU QUANDO E COMO ACIONAR O PROFISSIONAL REGULADOR? A Central de Regulação - Centro de Saúde Rosania Machado Pereira - Rua 2 de Setembro, nº º Piso Itoupava Norte CEP Blumenau SC Brasil. Para acionar o profissional regulador poderá ser de 3 formas: 1. Pelo Sisreg quando o regulador devolve algum pedido; 2. Pelos telefones da central: (47) (47) (47) Fax Oficial Geral 3.4 CLASSIFICAÇÃO DE RISCO OBSERVAÇÃO: O: UBS = UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

9 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU 7 4 ESPECIALIDADES 4.1 PROTOCOLO SUGERIDO PARA CONSULTAS EM CARDIOLOGIA MOTIVOS PARA O ENCAMINHAMENTO Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) de difícil controle. Avaliação cardiológica para populações acima de 45 anos (sexo masculino) e 50 anos (sexo feminino) que apresentarem dados importantes de história, exame físico ou eletrocardiograma. Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC). Insuficiência Coronariana. Dor Torácica / Precordialgia de origem suspeita ou sabidamente cardiovascular (previamente avaliada pelo clínico da unidade básica) Sopros / Valvulopatias estabelecidas. Parecer Cardiológico pré-operatório para pacientes acima de 50 anos, ou com alteração de ECG ou outro exame complementar em cardiologia, ou sabidamente cardiopatas. Miocardiopatias. Avaliação para atividade física para pacientes idosos ou com alteração ou dados importantes de história, exame físico ou eletrocardiograma. Arritmias. Síncope em pacientes maiores de 60 anos. Observações: Todo paciente encaminhado para o especialista continua sob a responsabilidade do médico que o encaminhou (médico da unidade básica), e a ele deve voltar mediante Referência e Contra-Referência.

10 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) DE DIFÍCIL CONTROLE DEFINIÇÃO pelo VII Report of the Joint National Committe on Prevention, Detection, Evaluation and Treatment of High Blood Pressure : podemos utilizar a mesma definição para Hipertensão Arterial Refratária, Resistente ou de Difícil Controle como aquela em que, após duas consultas consecutivas, os valores pressóricos mantêm-se acima de 140 mmhg para a pressão arterial sistólica (PAS) e 90 mmhg para a pressão arterial diastólica (PAD). A despeito de tratamento nãofarmacológico e farmacológico tríplice (3 anti-hipertensivos em dose terapêutica máxima incluindo diurético) em pacientes que tiveram adesão plena ao tratamento e medicamentoso. HDA Encaminhar os pacientes com HAS moderada ou severa, sem resposta ao tratamento clínico, associado à presença de alterações em órgão-alvo ou aqueles com co-morbidades, devendo o médico que solicitar a avaliação, justificar com clareza o que deseja do encaminhamento. Encaminhar os pacientes hipertensos acima de 60 anos independente de complicações pelo menos uma consulta anual. Observações: Pacientes com HAS de diagnostico recente, leve, sem complicações ou doenças associadas, deverão ser acompanhados pelo clinico ou generalista em Unidade Básica de Saúde. (conforme protocolo). EXAME FÍSICO - Medida da pressão arterial + relatos importantes (descrever as alterações de ausculta cardíaca e respiratória, edema e visceromegalias, etc.) EXAMES COMPLEMENTARES NECESSÁRIOS - Hemograma com plaquetas, glicemia de jejum, colesterol total e frações, triglicérides e creatinina, acido úrico, sumário de urina, TSH, sódio e potássio, eletrocardiograma (ECG) e RX de tórax.

11 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU 9 PRIORIDADE PARA A REGULAÇÃO - HAS severa com sinais de doenças associadas descompensada (ICC, diabetes mellitus (DM), doenças vascular periférica, doenças cérebro vascular (acidente isquêmico e hemorrágico), coronariopatias (póscirurgia cardíaca), insuficiência renal crônica (IRC)). S: P1 - PARA A PRIMEIRA CONSULTA P2 - PARA O RETORNO CONTRA-REFERÊNCIA Após avaliação do cardiologista será definido se o paciente permanecerá no nível secundário ou primário (ESF / AG). No caso de pacientes que não respondem ao tratamento verificar fatores de descompensação (uso de sal, uso inadequado de medicação, stress) AVALIAÇÃO CARDIOLÓGICA PARA PESSOAS ACIMA DE 45 ANOS (SEXO MASCULINO) E 50 ANOS (SEXO FEMININO) HDA Encaminhar os pacientes com idade 45 anos para os homens e 50 anos para as mulheres, com 2 ou mais fatores de risco cardiovasculares, ou que apresentarem dados importantes de história, exame físico ou eletrocardiograma. EXAME FÍSICO - Medida da pressão arterial + relatos importantes (descrever as alterações de ausculta cardíaca e respiratória, edema e visceromegalias, etc.). EXAMES COMPLEMENTARES NECESSÁRIOS - Hemograma com plaquetas, glicemia de jejum, colesterol total e frações, triglicérides e creatinina, acido úrico, sumário de urina, e potássio. PRIORIDADE PARA A REGULAÇÃO Paciente com historia de Diabetes Mellitus (DM) e/ou dois fatores de risco maiores para Doença Arterial Coronariana (DAC). S: P2 - PARA A PRIMEIRA CONSULTA

12 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU 10 P3 - PARA O RETORNO. CONTRA-REFERÊNCIA Após avaliação do cardiologista será definido se o paciente permanecerá no nível secundário ou primário (ESF / AG). No caso de pacientes que não respondem ao tratamento verificar fatores de descompensação (uso de sal, uso inadequado de medicação, stress) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA HDA Encaminhar os pacientes de ICC moderada e grave, com quadro de difícil compensação e/ou com fração de ejeção <50%%. Especificar os motivos de encaminhamento ao especialista, descrevendo os sinais e sintomas que justifiquem o encaminhamento. EXAME FÍSICO Medida da pressão arterial + relatos importantes da ausculta cardiorrespiratória. Descrever a presença de dispnéia, visceromegalias e edema de MMII. EXAMES COMPLEMENTARES NECESSÁRIOS - Hemograma com plaquetas, Glicemia de Jejum, Colesterol Total e frações, triglicerídeos, creatinina, sódio e potássio, raio-x e ECG. PRIORIDADE PARA A REGULAÇÃO - ICC de difícil controle e/ou presença de doenças associadas com sinais de descompensação (HAS. DM, IRC). ICC independente de classe, apresentando uma ou mais patologias associadas: DM, obesidade, arritmia, IRC. S: P1 - PARA A PRIMEIRA CONSULTA P2 - PARA O RETORNO

13 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU 11 CONTRA- REFERÊNCIA Retornar ao nível secundário, mas com acompanhamento mais freqüente na UBS (com relatório do especialista especificado pelo especialista a freqüência de reavaliação) INSUFICIÊNCIA CORONARIANA HDA Doenças coronarianas (DC) estabelecida (pós-infarto agudo do miocárdio (IAM), pós revascularização do miocárdio, pós-angioplastia). PRIORIDADES PARA REGULAÇÃO - dor torácica de início recente (em esforço ou repouso) ou angina instável, pós-infarto, pós-revascularizacao e pós-angioplastia. S: P1 - PARA A PRIMEIRA CONSULTA P2 - PARA O RETORNO EXAME FÍSICO Medida da pressão arterial + relatos importantes. Presença visceromegalias. EXAMES COMPLEMENTARES NECESSÁRIOS Hemograma com Plaquetas, Glicemia de Jejum, Colesterol Total e frações, triglicerídeos, creatinina, uréia, sódio e potássio, raio-x de tórax e ECG.. Observações: Angina Instável com história de precordialgia em menos de 48 horas e Insuficiência Coronariana Aguda (ICO) ou com suspeita de IAM, são situações que requerem avaliação de emergência em serviço de cardiologia DOR TORÁCICA E PRECORDIALGIA HDA Caracterizar a dor precordial se típica ou atípica, de acordo com os sintomas descritos pelo paciente. Descrever a presença ou não de diabetes mellitus, insuficiência renal, pneumopatia, obesidade, dislipidemias, história familiar para DAC e tabagismo.

14 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU 12 EXAME FÍSICO Medida da pressão arterial + relatos importantes. Presença de dispnéia, visceromegalias e edema de MMII. EXAMES COMPLEMENTARES NECESSÁRIOS Hemograma com Plaquetas, Glicemia de Jejum, Colesterol Total e frações, triglicerídeos, creatinina, TSH e potássio, RX de tórax e ECG. PRIORIDADE PARA A REGULAÇÃO - Dor torácica com características de angina (instável ou recente > estável > dor atípica). S: P1 - PARA A PRIMEIRA CONSULTA P2 - PARA O RETORNO CONTRA REFERÊNCIA - Dependendo da avaliação, o usuário poderá ser encaminhado a Unidade Básica de Saúde para acompanhamento de posse de relatório de contra referência. Observações: Angina Instável e/ou Insuficiência Coronária Aguda (ICA), com suspeita de Infarto Agudo do Miocárdio (IAM), são situações que requerem avaliação de emergência em serviço de cardiologia (PRONTO SOCORRO). Hospital de referência para cardiologia é o HSI SOPROS / VALVULOPATIAS ESTABELECIDAS HDA Encaminhar os pacientes com alterações de ausculta, excluindo causas clínicas como anemia e os pacientes com diagnostico de Valvulopatias préestabelecida. EXAME FÍSICO Medida da pressão arterial + relatos importantes. Presença de dispnéia, cianose e visceromegalias. INFORMAR AS CARACTERÍSTICAS DO SOPRO (intensidade em cruzes, se sopro recente, sistólico/diastólico, foco).

15 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU 13 Observações: em crianças, se o sopro for observado durante episodio febril, à pediatria deverá reavaliar após febre, antes de encaminhar ao especialista. EXAMES COMPLEMENTARES NECESSÁRIOS Hemograma com Plaquetas, creatinina, TSH, RX de tórax e ECG. PRIORIDADE PARA A REGULAÇÃO - Pacientes com sinais de descompensação cardíaca e sopro sabidamente de início recente. S: P2 - PARA A PRIMEIRA CONSULTA P3 - PARA O RETORNO CONTRA REFERÊNCIA Dependendo da avaliação, o usuário poderá ser encaminhado a Unidade Básica de Saúde para acompanhamento de posse de relatório de contra referência MIOCARDIOPATIAS HDA - Informar a procedência do paciente e os antecedentes mórbidos importantes e o tratamento realizado. Encaminhar os pacientes com sinais de descompensação cardíaca. EXAME FÍSICO - Medida da pressão arterial + dados importantes, visceromegalias. Informar as características da ausculta cardíaca. EXAMES COMPLEMENTARES Hemograma com Plaquetas, creatinina, TSH, RX de tórax e ECG. PRIORIDADE PARA A REGULAÇÃO - Pacientes com sinais clínicos de descompensação cardíaca. S: P1 - PARA A PRIMEIRA CONSULTA

16 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU 14 P2 - PARA O RETORNO CONTRA REFERÊNCIA Dependendo da avaliação, o usuário poderá ser encaminhado a Unidade Básica de Saúde para acompanhamento de posse de relatório de contra referência. Observações: O paciente com sinais de descompensação cardíaca grave deve ser encaminhado para o serviço de Emergência Cardiológica (PRONTO SOCORRO). Sendo o hospital de referência para cardiologia o HSI PARECER CARDIOLÓGICO PRÉ-OPERATÓRIO / AVALIAÇÃO DO RISCO CIRÚRGICO Paciente com mais de 50 anos, com indicação cirúrgica já confirmada será avaliado pelo cardiologista para realização do parecer. Encaminhar também os pacientes maiores de 40 anos que irão se submeter à cirurgia de toracotomia ou laparotomia extensa e paciente com fatores de risco observados em anamnese, exame físico e/ou exames complementares. EXAMES COMPLEMENTARES NECESSÁRIOS - Hemograma, coagulograma, glicemia de jejum, creatinina, TGO e TGP, ECG, e raio X de tórax. Se existirem outros exames específicos realizados (ECO, Cateterismo, Teste Ergométrico), orientarem o paciente a levar ao especialista. Nos pacientes em uso de diuréticos ou antihipertensivos: solicitar sódio e potássio. PRIORIDADE PARA A REGULAÇÃO - Pacientes com indicação de cirurgia de grande porte e cirurgias oncológicas. S: P1 - CONTRA REFERÊNCIA - Dependendo da avaliação o usuário poderá ser encaminhado ao cirurgião para acompanhamento de posse de relatório de contra referência (risco cirúrgico).

17 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU AVALIAÇÃO PARA ATIVIDADES FÍSICAS Pacientes jovens e hígidos: ECG e avaliação pelo clínico da unidade básica. HDA Para pacientes idosos (> 60 nos) e pacientes com alteração ou dados importantes de história, exame físico ou eletrocardiograma. EXAME FÍSICO - Medida da pressão arterial + relatos importantes (descrever as alterações de ausculta cardíaca e respiratória, edema e visceromegalias, etc.) EXAMES COMPLEMENTARES NECESSÁRIOS - Hemograma com plaquetas, glicemia de jejum, colesterol total e frações, triglicerídeos e creatinina, acido úrico, sumario de urina, ECG e RX tórax.. PRIORIDADE PARA A REGULAÇÃO Pacientes com historia de Hipertensão Arterial Sistêmica, Diabetes Mellitus ou idade 45 anos para homens e/ ou 50 anos para mulher. S: P3 - CONTRA REFERÊNCIA Após avaliação, o usuário será encaminhado a UBS em posse de relatório de Contra-Referência. (atestado liberando ou não para atividade física) ARRITMIAS HDA Encaminhar os pacientes com diagnóstico estabelecido de arritmia cardíaca, com ou sem história de síncope ou pré-síncope, e pacientes com história de marcapasso permanente.

18 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU 16 EXAME FÍSICO - Medida da pressão arterial + relatos importantes (descrever as alterações de ausculta cardíaca e respiratória, edema e visceromegalias, etc.) EXAMES COMPLEMENTARES NECESSÁRIOS - Hemograma com plaquetas, glicemia de jejum, colesterol total e frações, triglicerídeos, creatinina, TSH, ácido úrico, sumário de urina, sódio e potássio. PRIORIDADE PARA A REGULAÇÃO Paciente com diagnóstico de insuficiência cardíaca, ou insuficiência coronariana associada, arritmias agudas ou descompensadas. S: P1 - PARA A PRIMEIRA CONSULTA P2 - PARA O RETORNO CONTRA REFERÊNCIA Após avaliação do cardiologista, será definido se o paciente permanecerá no nível secundário ou primário (ESF / AG). No caso de pacientes que não respondem ao tratamento verificar fatores de descompensação Os pacientes portadores de fibrilação atrial devem ser encaminhadas à Cardiologia. Quando for indicada anticoagulação com Warfarina, em geral o INR deve ser mantido entre 2,0 e 3,0 com controle mensal de INR ou semanal em períodos de oscilação importante. Se o paciente for portador de estenose mitral ou de prótese valvar mecânica, o INR deverá ser mantido entre 2,5 e 3,5. O INR pode ser acompanhado na Unidade Básica de Saúde para ajuste de dose de Warfarina SÍNCOPE HDA Encaminhar os pacientes com mais de um episódio de síncope. Devem-se excluir causas clínicas como anemia, distúrbio hidroeletrolítico ou ácido-básico e distúrbio ventilatório. EXAME FÍSICO Medida da pressão arterial + dados importantes. Presença de dispnéia, dor torácica.

19 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU 17 EXAMES COMPLEMENTARES NECESSÁRIOS - Hemograma com plaquetas, glicemia de jejum, colesterol total e frações, triglicérides e creatinina, acido úrico, sumário de urina, TSH, TGO, TGP, sódio e potássio, eletrocardiograma (ECG) e RX de tórax. PRIORIDADE PARA A REGULAÇÃO Pacientes maiores de 60 anos, doenças ou sintomas cardíacos associados (principalmente precordialgia e arritmias). S: P1 - PARA A PRIMEIRA CONSULTA P2 - PARA O RETORNO CONTRA-REFERÊNCIA Após avaliação do cardiologista será definido se o paciente permanecerá no nível secundário ou primário (ESF / AG). 4.2 PROTOCOLO SUGERIDO PARA CONSULTAS EM NEFROLOGIA MOTIVOS PARA O ENCAMINHAMENTO Alteração de exame de urina e aumento da creatinina sérica. Edema a esclarecer com sedimento urinário alterado. Lesão Renal em Diabetes, Hipertensão, Doenças Reumatológicas e Auto-imune. Síndrome Nefrítica / Síndrome Nefrótica.

20 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU ALTERAÇÃO DE EXAME DE URINA E AUMENTO DA CREATININA SÉRICA HDA História sucinta constando tempo de evolução, história pregressa, doenças associadas e medicações em uso com a dose diária. EXAME FÍSICO Relatar os achados importantes, inclusive à medida da pressão arterial e volume urinário. EXAMES COMPLEMENTARES NECESSÁRIOS - Sumário de urina, uréia, creatinina >= 1,8 mg/dl, e glicemia de jejum, hemograma completo, colesterol total e frações e triglicérides. PRIORIDADE PARA A REGULAÇÃO Oligúria e/ou creatinina >= 1,8 mg/dl P1 URGÊNCIA, ATENDIMENTO O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL. CONTRA-REFERÊNCIA dependendo da avaliação, o usuário poderá ser encaminhado a Unidade Básica de Saúde (ESF UAS AG de referência) para acompanhamento de posse de relatório de contra-referência EDEMA A ESCLARECER COM SEDIMENTO URINÁRIO ALTERADO HDA Historia sucinta constando tempo de evolução, historia pregressa e doenças associadas, doenças associadas e medicações em uso com a dose diária. EXAME FÍSICO Relatar os achados importantes, inclusive à medida da pressão arterial EXAMES COMPLEMENTARES NECESSÁRIOS - urina I, uréia, creatinina, e glicemia de jejum. PRIORIDADE PARA A REGULAÇÃO Hematúria maciça P1 URGÊNCIA, ATENDIMENTO O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL.

21 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU 19 CONTRA-REFERÊNCIA - dependendo da avaliação o usuário poderá ser encaminhado a Unidade Básica de Saúde (ESF UAS AG de referência) para acompanhamento de posse de relatório de contra-referência LESÃO RENAL EM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇAS REUMATOLÓGICAS E AUTO-IMUNES HDA Historia sucinta constando tempo de evolução, historia pregressa e doenças associadas, doenças associadas e medicações em uso com a dose diária. EXAME FÍSICO Relatar os achados importantes, inclusive à medida da pressão arterial. EXAMES COMPLEMENTARES NECESSÁRIOS - Sumário de urina I, uréia, creatinina, e glicemia de jejum. PRIORIDADE PARA A REGULAÇÃO creatinina >= 2,0 mg/dl. P1 URGÊNCIA, ATENDIMENTO O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL. CONTRA-REFERÊNCIA - dependendo da avaliação o usuário poderá ser encaminhado a Unidade Básica de Saúde (ESF UAS AG de referência) para acompanhamento de posse de relatório de contra-referência. OUTROS MOTIVOS FREQÜENTES DE ENCAMINHAMENTO: Encaminhamento anual de Diabéticos e Hipertensos, Hematúria, Infecções Urinárias de Repetição (duas infecções nos últimos seis meses ou três infecções no último ano) e Cálculo Renal e Cisto Renal SÍNDROME NEFRÍTICA HDA História sucinta constando tempo de evolução, história pregressa, doenças associadas e medicações em uso com a dose diária. EXAME FÍSICO Relatar os achados importantes, inclusive à medida da pressão arterial e volume urinário.

22 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU 20 EXAMES COMPLEMENTARES NECESSÁRIOS - Sumario de urina, uréia, creatinina >= 1,8 mg/dl, proteinúria de 24 horas e glicemia de jejum, hemograma completo, colesterol total e frações e triglicérides. PRIORIDADE PARA A REGULAÇÃO Oligúria e/ou creatinina >= 1,8 mg/dl e proteinúria Nefrótica P1 URGÊNCIA, ATENDIMENTO O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL. CONTRA-REFERÊNCIA dependendo da avaliação, o usuário poderá ser encaminhado a Unidade Básica de Saúde (ESF UAS AG de referência) para acompanhamento de posse de relatório de contra-referência. 4.3 PROTOCOLO SUGERIDO PARA CONSULTAS EM OFTALMOLOGIA ORIENTAÇÕES PARA O PRIMEIRO ATENDIMENTO NA UNIDADE BÁSICA. Acuidade Visual (AV) é o grau de aptidão do olho, para discriminar os detalhes espaciais, ou seja, a capacidade de perceber a forma e o contorno dos objetos. Essa capacidade discriminatória é atributos dos cones (células fotossensíveis da retina), que são responsáveis pela Acuidade Visual, central, que compreende a visão de forma e a visão de cores. A medida da acuidade visual é um teste simples e de grande utilidade na promoção/avaliação da saúde visual. De um modo geral para crianças acima de 4 anos, utiliza-se a letra "E" (escala optométrica de Snellen, pedindo que mostre com as mãos ou verbalize para que lado o símbolo está direcionado. MATERIAL: Escala optométrica de Snellen. Vareta, ponteiro ou lápis preto.

23 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU 21 Cartão oclusor de cartolina ou papelão. Cadeira (opcional). Metro ou fita métrica. Ficha para anotação dos resultados. Local para aplicação do teste. Sala com boa iluminação (luz deve vir de traz ou dos lados do paciente). Marcar no piso um risco de giz ou colar uma fita crepe a uma distância de cinco metros da escala. Colocar a cadeira que o paciente irá sentar, de maneira que as pernas traseiras coincidam com a linha traçada no piso. As linhas de optotipos correspondentes a 0,8 (20/25) e 1,0 (20/20), devem esta situada na altura dos olhos do examinando. Evitar procedimentos que alterem as características da escala como Xerox, plastificação, emolduramento. Evitar barulho e pessoas circulando na frente do paciente (evite desvio da atenção) MOTIVOS PARA O ENCAMINHAMENTO Déficit Visual. Cefaléia. Retinopatia Diabética / Hipertensiva. Inflamação Ocular. Catarata. Glaucoma. Estrabismo infantil. Observações: Todo paciente encaminhado para o especialista continua sob a responsabilidade do medico que encaminhou e a ele deve voltar.

24 PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DA ATENÇÃO ESPECIALIZADA - BLUMENAU DÉFICIT VISUAL HDA Encaminhar os pacientes com relato de: Déficit Visual ou queixas oculares: prurido, lacrimejamento. Encaminhar com história sucinta, citando presença de outras patologias (diabetes e hipertensão). Observações: Os pacientes com queixa de déficit visual devem ser submetidos pelo medico clinico ou outro profissional habilitado ao teste de Snellem, medir acuidade para longo para todos os usuários e para perto para pacientes acima de 40 anos. EXAME FÍSICO Citar os achados significativos. P2 Prioridade para Regulação Priorizar pacientes entre 0 a 9 anos e com mais de 40 anos para consultas de 1ª Vez. CONTRA- REFERÊNCIA Retorno a UBS para acompanhamento com o relatório do especialista indispensável relatório completo para marcar retorno CEFALÉIA HDA Encaminhar os pacientes com cefaléia persistente, frontal (apos período escolar ou após esforços visuais), sem outras causas aparentes (ex: sinusite, inflamações dentarias e enxaquecas). Observações: Cefaléia Matinal ou no meio da noite não esta relacionada a problemas oculares. Descartar sempre problemas neurológicos mais graves antes de encaminhar para o oftalmologista. Pacientes com queixas agudas, de forte intensidade com sintomas associados, deverão ser sempre encaminhados às urgências clinicas para avaliação inicial. Em caso suspeito de meningite realizar a notificação compulsória.

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para o encaminhamento: 1. Déficit Visual; 2. Cefaléia acompanhada de baixa acuidade visual 3. Retinopatia Diabética 4. Inflamação Ocular;

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA RISCO CIRÚRGICO. 9/7/2003 Dr. José Mário Espínola - AMPB 1

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA RISCO CIRÚRGICO. 9/7/2003 Dr. José Mário Espínola - AMPB 1 ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA 1 I- CONCEITO: avaliação realizada por cardiologista, com fortes bases epidemiológicas, objetivando determinar classificação funcional do paciente, e risco de complicações

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com:

Anexo 2. Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Anexo 2 Recomendação para o tratamento da hipertensão arterial sistêmica Documento elaborado pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, em parceria com: Sociedade Brasileira de Cardiologia - Departamento

Leia mais

CONSULTA EM CLINICA MÉDICA CÓDIGO SIA/SUS 03.01.01.007-2

CONSULTA EM CLINICA MÉDICA CÓDIGO SIA/SUS 03.01.01.007-2 CONSULTA EM CLINICA MÉDICA CÓDIGO SIA/SUS 03.01.01.007-2 INDICAÇÃO 1. Diabetes Mellitus (CIDs E11 ao E14) 2. Tireoidopatias (CIDs E01 ao E02 e E04 ao E05) 2.1. Hipotireoidismo e 2.2. Hipertireoidismo 3.

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO Universidade Federal do Maranhão - UFMA Hospital Universitário Presidente Dutra - HUPD Liga Acadêmica de Hipertensão Arterial Sistêmica - LAHAS ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO São Luís

Leia mais

COORDENADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR

COORDENADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR PROCAPE / - CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA ANO: 0 HORÁRIO: 07:30 HS. ( em ponto) COORNADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR 07.0 ª A ANAMNESE EM CARDIOLOGIA SINTOMAS Dr.Luiz

Leia mais

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA

FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA EM ATENÇÃO PRIMÁRIA Maria Beatriz Cardoso Ferreira Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Básicas da Saúde - UFRGS Paciente de 68 anos procura atendimento

Leia mais

PREFEITURA DE GUARULHOS SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE

PREFEITURA DE GUARULHOS SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE PREFEITURA DE GUARULHOS SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE PARA ENCAMINHAMENTO AOS ESPECIALISTAS E EXAMES / PROCEDIMENTOS DE ALTA E MÉDIA COMPLEXIDADE Junho / 2009 Secretaria Municipal da Saúde CARLOS CHNAIDERMAN

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão CONSULTA DE CLÍNICA MÉDICA NO PROGRAMA DE HIPERTENSÃO

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento:

CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2. Motivos para encaminhamento: CONSULTA EM UROLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Alterações no exame de urina (urinálise) 2. Infecção urinária de repetição 3. Litíase renal 4. Obstrução do trato

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

PROPOSTA DE PROTOCOLOS DE REGULAÇÃO PARA ACESSO A CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS

PROPOSTA DE PROTOCOLOS DE REGULAÇÃO PARA ACESSO A CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS Subsecretaria de Assuntos de Regulação Organização da Atenção à Saúde Central de Regulação Consultas e Exames Ambulatoriais PROPOSTA DE PROTOCOLOS DE REGULAÇÃO PARA ACESSO A CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

3. Cópia dos resultados dos principais exames clínicos e os relacionados à obesidade Hemograma Glicemia Colesterol Triglicérides T3 T4 TSH

3. Cópia dos resultados dos principais exames clínicos e os relacionados à obesidade Hemograma Glicemia Colesterol Triglicérides T3 T4 TSH Cirurgia de Obesidade Mórbida Documentação Necessária Para solicitar a análise de Cirurgia de Obesidade ao Economus, é imprescindível o envio da relação completa dos documentos descritos abaixo: 1. Solicitação

Leia mais

(07001456) CONSULTA EM CIRURGIA ORTOPEDICA

(07001456) CONSULTA EM CIRURGIA ORTOPEDICA COMUNICADO CIRCULAR Nº 003/11-CR Manaus, 24 de março de 2011. DA: COORDENAÇÃO ESTADUAL DE REGULAÇÃO PARA: DIRETORES ESTABELECIMENTOS SOLICITANTES Prezados Diretores, Considerando a otimização dos serviços

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC)

Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) Protocolo de Dor Torácica / Doença Arterial Coronariana (DAC) 1 - Epidemiologia No Brasil, as doenças cardiovasculares (DCV) representam a principal causa de mortalidade. Calcula-se que existam 900.000

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

Check-ups Específicos

Check-ups Específicos Check-ups Específicos Os nossos check-ups específicos permitem obter um exame rigoroso e detalhado de uma área concreta da saúde, segundo as necessidades concretas de cada paciente. TIPOS DE EXAMES ESPECIAIS:

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A Estratificação de Risco na SMS de Curitiba HAS Diabete melito + Laboratório de Inovações na Atenção às

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Ocular no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Ocular no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Ocular no Programa Saúde na Escola O Programa Saúde na Escola (PSE) propõe que as ações de promoção e prevenção de agravos à saúde ocular

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

PEDIATRIA CLÍNICA 1. OBJETIVOS

PEDIATRIA CLÍNICA 1. OBJETIVOS PEDIATRIA CLÍNICA PROGRAMA PARA O 6º. ANO DE MEDICINA 2015 Estágio obrigatório em tempo integral, que visa à formação em Pediatria Geral, em estagio prático, sob supervisão docente, com ênfase ao raciocínio

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS

CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS CURSO NACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM EMERGÊNCIAS CLÍNICAS www.emergenciasclinicas.com.br HISTÓRICO DO EVENTO Em virtude da carência no ensino de urgências e emergências em algumas Faculdades de Medicina de

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Assessora Técnica da Diretoria de Atenção Especializada Oftalmologia/SESAB Reconhecendo as dificuldades do acesso da população brasileira, não só à consulta oftalmológica,

Leia mais

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I XXII CONGRESSO NACIONAL DO DEPARTAMENTO DE ERGOMETRIA, EXERCÍCIO, REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR, CARDIOLOGIA NUCLEAR E CARDIOLOGIA DO ESPORTE. PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA QUINTA-FEIRA 29 DE OUTUBRO DE 2015 07:30H

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

SERVIÇO DE CARDIOLOGIA - IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP

SERVIÇO DE CARDIOLOGIA - IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP SERVIÇO DE CARDIOLOGIA - IRMANDADE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP EDITAL/ REGULAMENTO INTERNO ESTÁGIO MÉDICO EM CARDIOLOGIA CLÍNICA 1. CORPO CLÍNICO. A disciplina de Cardiologia

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

A ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, DIABETES MELLITUS E DOENCA RENAL CRÔNICA

A ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, DIABETES MELLITUS E DOENCA RENAL CRÔNICA A ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO PARA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, DIABETES MELLITUS E DOENCA RENAL CRÔNICA CONTEÚDO EXTRAÍDO DA LINHA-GUIA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL, DIABETES MELLITUS E DOENÇA RENAL CRÔNICA

Leia mais

Processo Seletivo 2015.1

Processo Seletivo 2015.1 Processo Seletivo 2015.1 Edital 1. O Curso 2. Hospitais Sedes 3. Das Inscrições 4. Das vagas e seleção 5. Prova escrita / Entrevista 6. Apresentação do Programa 7. Requesitos para inscrição 8. Cronograma

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra.

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra. CONSULTA EM ANGIOLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Varizes em membros inferiores 2. Úlceras de pernas 3. Insuficiência circulatória arterial/venosa com dor e

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DIRETORIA ESTRATEGICA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DIRETORIA ESTRATEGICA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DIRETORIA ESTRATEGICA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE GERÊNCIA DE REGULAÇÃO DO ESTADO DE RONDÔNIA PROPOSTA DE PROTOCOLO DE REGULAÇÃO DO ESTADO DE

Leia mais

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal Semiologia Abordagem ao paciente cardiopata Ivan da Costa Barros Pedro Gemal DESAFIO!! 2011 Universidade Federal Fluminense 1. Paciente idoso procura PS à noite queixando- se de falta de ar, taquicárdico

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II DESENVOLVIMENTO DO PROJETO EM 2009 Objetivos: REUNIÕES TÉCNICAS DE TRABALHO PactuaçãodoPlanodeTrabalhoedoPlanodeAções Desenvolvimento

Leia mais

Avaliação Pré-Anestésica Para Procedimentos Eletivos. Pré-operatório, anestesiologia, avaliação. Médicos do Sistema de Saúde

Avaliação Pré-Anestésica Para Procedimentos Eletivos. Pré-operatório, anestesiologia, avaliação. Médicos do Sistema de Saúde NÚMERO: 029/2013 DATA: 31/12/2013 ATUALIZAÇÃO 24/04/2015 ASSUNTO: Avaliação Pré-Anestésica Para Procedimentos Eletivos PALAVRAS-CHAVE: Pré-operatório, anestesiologia, avaliação PARA: Médicos do Sistema

Leia mais

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 211, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2014.

PORTARIA CNMP-PRESI Nº 211, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2014. PORTARIA CNMP-PRESI Nº 211, DE 18 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os critérios para o concurso público de provimento dos cargos de Analista e Técnico Administrativo do CNMP e procedimentos de inspeção

Leia mais

Veja abaixo algumas perguntas e respostas que poderão esclarecer suas dúvidas sobre a RN 259/268

Veja abaixo algumas perguntas e respostas que poderão esclarecer suas dúvidas sobre a RN 259/268 Veja abaixo algumas perguntas e respostas que poderão esclarecer suas dúvidas sobre a RN 259/268 1) O que é a Resolução Normativa - RN 259/268? A RN 259, alterada pela RN 268, com vigência a partir do

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA. Área de abrangência do DRS XIII

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA. Área de abrangência do DRS XIII CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DE GUIAS DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA Área de abrangência do DRS XIII HOSPITAL DAS CLINICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Leia mais

Ácido nicotínico 250 mg, comprimido de liberação Atorvastatina 20 mg, comprimido; Bezafibrato 400 mg, comprimido; Pravastatina 20 mg, comprimido;

Ácido nicotínico 250 mg, comprimido de liberação Atorvastatina 20 mg, comprimido; Bezafibrato 400 mg, comprimido; Pravastatina 20 mg, comprimido; DISLIPIDEMIA PARA A PREVENÇÃO DE EVENTOS CARDIOVASCULARES E PANCREATITE (CID 10: E78.0; E78.1; E78.2; E78.3; E78.4; E78.5; E78.6; E78.8) 1. Medicamentos Hipolipemiantes 1.1. Estatinas 1.2. Fibratos Atorvastatina

Leia mais

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.)

CONCEITO: PRC. (Moraes RS, et al. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol 2005; 84: 431-40.) CONCEITO: PRC OMS: é o somatório das atividades necessárias para garantir aos pacientes portadores de cardiopatia as melhores condições física, mental e social, de forma que eles consigam, pelo seu próprio

Leia mais

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática.

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Faz tratamento para hipertensão arterial e insuficiência cardíaca

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CATARATA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO Esta indicada em portadores de opacidade do cristalino que, mesmo com melhor correção óptica,

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS

CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde Toledo PR PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS CRESEMS, CISCOPAR e 20ª. Regional de Saúde PROTOCOLOS CLÍNICOS ESPECIALIZADOS OFTALMOLOGIA Pré-requisitos: História clínica detalhada; Exame físico completo; Exames complementares essenciais conforme o

Leia mais

O que fazer. Gesso e fraturas.

O que fazer. Gesso e fraturas. DOUTOR,POSSO VOAR? (extraído de http://www.orkut.com.br/main#commmsgs?cmm=17111880&tid=5625830708854803828, em 15/05/2012) Posso viajar de avião se estou com conjuntivite ou depois de me recuperar de um

Leia mais

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Dra. Carla Romagnolli JNC 8 Revisão das evidências Ensaios clínicos randomizados controlados; Pacientes hipertensos com > 18 anos de idade;

Leia mais

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS ÍNDICE Apresentação...03 Hospital Universitário Cajuru...04 Estrutura...04 Especialidades Atendidas...05 Diferenças entre atendimento de urgência, emergência e eletivo...06 Protocolo de Atendimento...07

Leia mais

Procedimentos para Intervenção Multidisciplinar do Programa de Caminhada Orientada da Faculdade de Educação Física e Desportos da UFJF

Procedimentos para Intervenção Multidisciplinar do Programa de Caminhada Orientada da Faculdade de Educação Física e Desportos da UFJF Procedimentos para Intervenção Multidisciplinar do Programa de Caminhada Orientada da Faculdade de Educação Física e Desportos da UFJF Área Temática: SAÚDE Prof.Dr. José Marques Novo Júnior Centro de Atenção

Leia mais

Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações

Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações Valvulopatias Cardíacas II - Visão Cirúrgica Insuficiência Mitral Histórico Diagnóstico Indicações Tratamento cirúrgico Resultados e Complicações Prof. Dr. Jehorvan L. Carvalho História Existem relatos

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul 29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul BUSCA ATIVA DOS SERVIDORES HIPERTENSOS E DIABÉTICOS DA UEM: ORIENTAÇÃO, PREVENÇÃO, TRIAGEM E ENCAMINHAMENTO MÉDICO DE TRABALHADORES DE UMA INSTITUIÇÃO

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES AVISO DE RETIFICAÇÃO DE EDITAL Nº 01 A Comissão de Concurso torna publica

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA APRESENTAÇÃO QUALIVIDA (143.846 segurados ) (1.010.965 associados) (1.403.755 associados) (373.839 associados) 4.389 empresas 3.000.000 vidas * Dados jan 2013 2 MISSÃO NOSSA MISSÃO NOSSA MISSÃO Tornar

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Vencimento Inicial em reais.

ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Vencimento Inicial em reais. ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Cód. Cargo 1 Ajudante de Carga e Descarga Vagas Vagas Reservadas Deficientes Vencimento Inicial

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA PILOCARPINA ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril cloridrato de pilocarpina 1% / 2% / 4% BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA SUMÁRIO

ORIENTAÇÕES SOBRE O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA SUMÁRIO ORIENTAÇÕES SOBRE O SUMÁRIO CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO 2 CAPÍTULO II - ENCAMINHAMENTO PARA FISIOTERAPIA - MÉDIA COMPLEXIDADE 2 CAPÍTULO III - RECEPÇÃO E AUTORIZAÇÃO DE ENCAMINHAMENTOS 3 CAPÍTULO IV - CONSULTA

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013)

Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013) Diabetes mellitus tipo 2 Resumo de diretriz NHG M01 (terceira revisão, outubro 2013) Rutten GEHM De Grauw WJC Nijpels G Houweling ST Van de Laar FA Bilo HJ Holleman F Burgers JS Wiersma Tj Janssen PGH

Leia mais

Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC-

Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC- Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC- Modelo conceitual para DRC Antecedentes potenciais da DRC Estágios da DRC Consequências da DRC Complicações Normal

Leia mais

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO

PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 TÍTULO 1 PÔSTERES DIA 13/11/2015-08:00 ÀS 12:00 A CIRCULAÇÃO EXTRACORPOREA NA CIRURGIA CARDÍACA BRASILEIRA: HISTÓRICO, AVANÇOS E DESAFIOS. 2 A DISSECÇÃO AÓRTICA E O TRATAMENTO ENDOVASCULAR 3 A IMPORTÂNCIA DA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OBJETIVOS Classificação dos distúrbios do sono Classificação dos distúrbios respiratórios do sono Definições: ronco, ravas (rera),

Leia mais

Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015

Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015 Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015 A COREME- Comissão de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas comunica que estarão

Leia mais

Miocardiopatia Hipertrófica: Casuística da ULS da Guarda. Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o

Miocardiopatia Hipertrófica: Casuística da ULS da Guarda. Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o ANEXOS INDÍCE DE ANEXOS ANEXOS Anexo 1: Tabela 1- Distribuição da população de doentes identificada com o código diagnóstico do ICD-9...pág.3 Anexo 2: Questionário aplicado aos doentes com MCH..pág.3 Anexo

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

Como abordar um paciente nefropata

Como abordar um paciente nefropata Como abordar um paciente nefropata Filtra o plasma Reduz o volume do filtrado Altera sua composição!! Secreção / Reabsorção Mantem a homeostase corporal Sódio, potássio e ácidos Clearence da água livre

Leia mais

Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013)

Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013) Derrame cerebral Resumo de diretriz NHG M103 (dezembro 2013) Beusmans GHMI, Van Noortwijk-Bonga HGC, Risseeuw NJ, Tjon-A-Tsien MRS, Verstappen WHJM, Burgers JS, Wiersma Tj, Verburg AFE traduzido do original

Leia mais

Protocolos para exames complementares em oftalmologia

Protocolos para exames complementares em oftalmologia Protocolos para exames complementares em oftalmologia Regulamentar as indicações absolutas para a requisição dos 31 exames complementares oftalmológicos. É necessário entender que cada profissional poderá

Leia mais

DISCIPLINA: PROPEDÊUTICA MÉDICA II - 2011/I Responsável pela Disciplina: Prof. Maria Helena I. Lopes

DISCIPLINA: PROPEDÊUTICA MÉDICA II - 2011/I Responsável pela Disciplina: Prof. Maria Helena I. Lopes DISCIPLINA: PROPEDÊUTICA MÉDICA II - 2011/I Responsável pela Disciplina: Prof. Maria Helena I. Lopes CRONOGRAMA DE ATIVIDADES ATIVIDADE TEÓRICA Todo grupo Recepção 01.03-8h às 9h Auditório 1 DIA(S): 2ª-feira

Leia mais

Graças a ele, podemos perceber melhor o mundo e nosso corpo.

Graças a ele, podemos perceber melhor o mundo e nosso corpo. Graças a ele, podemos perceber melhor o mundo e nosso corpo. Assim, além de boas sensações, podemos escapar de problemas sérios, como evitar a ingestão de um alimento estragado, ao sentir o cheiro e gosto

Leia mais

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO

PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO PERFIL DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA LIGA DE OFTALMOLOGIA EM CIDADE DO INTERIOR GOIANO CREPALDI JÚNIOR, Luís Carlos 1 ; BARBOSA, Camila Caetano de Almeida 1 ; BERNARDES, Guilherme Falcão 1 ; GODOY NETO, Ubiratan

Leia mais