Sandro Luiz Silva SISTEMA PARA INTEGRAR E-BUSINESS E CRM ATRAVÉS DE AGENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sandro Luiz Silva SISTEMA PARA INTEGRAR E-BUSINESS E CRM ATRAVÉS DE AGENTES"

Transcrição

1 i UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Sandro Luiz Silva SISTEMA PARA INTEGRAR E-BUSINESS E CRM ATRAVÉS DE AGENTES Dissertação submetida à Universidade Federal de Santa Catarina como parte dos requisitos para obtenção do grau de Mestre em Ciência da Computação João Bosco Mangueira Sobral Orientador Florianópolis, Dezembro de 2002

2 ii UM SISTEMA PARA INTEGRAR E-BUSINESS E CRM ATRAVÉS DE AGENTES Sandro Luiz Silva Esta Dissertação foi julgada para obtenção do título de MESTRE EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO na área de SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO e aprovada em sua forma final pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação. Prof. Fernando A. O. Gauthier. Dr. Coordenador Banca Examinadora Prof. João Bosco Mangueira Sobral, Dr. (Presidente) Prof. Rosvelter João Coelho da Costa,Dr. Membro Prof. Bernardo Gonçalves Riso, Dr. Membro Jorge Muniz Barreto, Dr. Membro

3 iii DEDICATÓRIA Aos meus pais, Moacir e Eliete, pois sem eles seria impossível alcançar mais esta etapa da minha vida. Dedico este trabalho ao meu amigo, Marcio Gonçalves que muito me ajudou nesta etapa de minha vida e a todos os outros companheiros que me ajudaram e torceram pelo meu sucesso.

4 iv Sumário LISTA DE FIGURAS... VII LISTA DE ANEXOS...VIII LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS...IX RESUMO...X ABSTRACT...XI CAPÍTULO TRABALHOS RELACIONADOS ESTRUTURA DO TRABALHO CAPÍTULO GERENCIAMENTO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE INTRODUÇÃO VISÃO GERAL OBJETIVO ESPECÍFICO IMPLANTANDO SISTEMA DE CRM Obstáculos previsíveis na implantação de sistemas de CRM PORQUE CRM É IMPERATIVO CANAIS DE COMUNICAÇÃO INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS OBTIDAS INFORMAÇÕES NÃO-ESTRATÉGICAS OBTIDAS CAPÍTULO PERSONALIZAÇÃO DO MERCADO ASPECTOS DO MERCADO Comoditização A concorrência no mercado ONE-TO-ONE NÃO É PARA TODOS O FOCO NO CLIENTE CAPÍTULO

5 v 4.1 NEGÓCIOS ELETRÔNICOS CONCEITOS ENVOLVIDOS E-BUSINESS E E-COMMERCE INFRA-ESTRUTURA NECESSÁRIA E VANTAGENS Vantagens do e-business INTEGRANDO CRM E E-BUSINESS CAPÍTULO AGENTES HISTÓRICO Mobilidade de Agentes CARACTERÍSTICAS BÁSICAS E FUNCIONAMENTO Autonomia Mobilidade Navegação Arquitetura TIPOS DE AGENTES FOCOS DE APLICAÇÃO Computação móvel Sistemas distribuídos Aplicações de Rede Infra-Estrutura de Rede PERSPECTIVAS DA APLICAÇÃO DOS AGENTES AGENTE BASEADO EM AGLETS Elementos Básicos O Modelo de Eventos dos Aglets O Modelo de Comunicação dos Aglets CAPÍTULO INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES INTRODUÇÃO TIPOS DE INTEGRAÇÃO Integração ao nível de dados Integração funcional Integração ao nível de interface de usuário... 64

6 vi 6.3 INTEGRAÇÃO UTILIZADA CAPÍTULO SISTEMA SEMA ANÁLISE E PROJETO Clientes Empresa Diagrama de classes Diagrama de Interação INTERFACE DE ENTRADA CADASTRAMENTO NO SISTEMA IDENTIFICANDO PARA O SISTEMA CARRINHO DE COMPRAS CAPÍTULO SEMA CONCEPÇÃO DO SISTEMA SISTEMA DE COMÉRCIO ELETRÔNICO DESENVOLVIMENTO DO E-COMMERCE FUNCIONAMENTO DOS AGENTES Agente CRM Sintético Transferência de Informações ao Agente CONCLUSÃO ANEXO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

7 vii Lista de Figuras FIGURA 2.2 ORGANIZAÇÃO DE EMPRESAS POR CLIENTE FIGURA 2.3 LUCRATIVIDADE DE EMPRESAS POR CLIENTES FIGURA CRM INTEGRAÇÃO ENTRE ÁREAS DE TI E DE NEGÓCIOS FIGURA EMPRESAS BRASILEIRAS DESCOBREM CENTRAIS, INTEGRADAS A CRM FIGURA 2.5 FASES DO PROCESSO DO CRM FIGURA 3.1 APLICAÇÃO DO MARKETING 1TO FIGURA FUNCIONAMENTO GERAL DE UM SISTEMA DE AGENTES MÓVEIS FIGURA ÁREA DE AGENTES FIGURA SEMA E AS DUSA PARTES INTEGRANTES DE SEU SISTEMA FIGURA DIAGRAMA DE CLASSE DO SISTEMA SEMA FIGURA 7.3 DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA ESCOLHA DE ITENS NA LOJA VIRTUAL FIGURA DIAGRAMA DE SEQÜÊNCIA - CONFIRMA PEDIDO COMPRA FIGURA ILUSTRA A TELA DE ENTRADA DO SISTEMA FIGURA ILUSTRA A TELA DE ENTRADA DO SISTEMA FIGURA CADASTRAMENTO DO CLIENTE FIGURA IDENTIFICAÇÃO DO CLIENTE FIGURA CARRINHO DE COMPRAS FIGURA 8.1 -PÁGINAS PRINCIPAIS DO PROJETO SEMA FIGURA ESTRUTURA GERAL DAS PÁGINAS FIGURA 8.3 APLICAÇÃO AGENTE CRM SINTÉTICO FIGURA 8.4 FUNCIONAMENTO DO AGENTE CRM SINTÉTICO... 81

8 viii Lista de Anexos Anexo I Código BookAgent Anexo II Código BookAgentSlave Anexo III Código BookAgletsSlave Anexo IV Código SlaveAgent.. 90 Anexo V Código SlaveAgentInft Anexo VI Código ConnectionListener Anexo VII Código SQLRunner Anexo VIII Código Traveler

9 ix Lista de Abreviaturas e Siglas API CRM E-CRM EDI ERP MON OMG PDA PHP RPC SAC UML WAN XML Application Program Interface Customer RelationShip Management Eletronic Customer RelationShip Management Intercambio de dados Eletrônicos Enterprise Resource Planning Message Oriented Middleware Object Manager Group Personal Digital Assistant Personal Hyper Processor Remote Procedure Call Sistema Atendiento a Cliente Unifield Modelling Language Wide Area Network Extensible Markup Language

10 x Resumo Esta dissertação mostra como pode ser feita a integração de comércio eletrônico e CRM (Customer Relationship Management), utilizando tecnologia de agentes. No contexto de CRM são considerados as definições de CRM analítico e CRM sintético, aplicadas a um site de comércio eletrônico. No desenvolvimento deste trabalho, procurou-se gerenciar uma série contínua de interações com os clientes, de forma personalizada, identificando-se os clientes, no sentido de maximizar a lucratividade no contexto do comércio eletrônico. O projeto mostra o conceito de CRM, funcionalidades, técnicas e planejamento de sua implementação; e como agentes podem ajudar no processo de aplicação destes conceitos em um site de Internet. A arquitetura do projeto é modelada com a utilização da UML, a fim de mostrar o funcionamento e classes utilizadas. O projeto apresenta um diagrama de classe do sistema onde descreve os tipos de objetos que existem no sistema e os relacionamentos entre eles sob uma perspectiva conceitual. Conta também com dois diagramas de interação que visam esclarecer de que forma o grupo de objetos colabora entre si a fim de realizar uma tarefa. Existem dois tipos de agentes, um deles implementado em Java, o qual é um agente estático utilizando os conceitos de CRM sintético, e outro, que representa um agente móvel utilizando a API Aglets, que utiliza o conceito de CRM analítico. Palavras chaves: CRM, Comércio Eletrônico, Agentes

11 xi Abstract This dissertation shows how can be done the integration of an e-commerce and CRM ( customer Relationship Management), making use of agents. At the CRM context are considered the definitions of analytic CRM and Synthetic CRM, applied at an e-commerce web site. At the development of this job, it was tried to manage a continuos series of integration with customers, as a personalized way, identifying the costumers to increase the profit at the eletronic context. The project shows a CRM concept, funcionalism, planning and ways for its introduction; and how agents can help the process to put in practice this concept at a internet website. The architecture of the project is modeled making use of UML, showing how it functions and the classes that are used. The project shows a diagram of the class of the system which describes the kinds of objects that exists at the system and the relationship between them on a conceptual perspective. It has also two diagrams of integrations which work to clear and show the way that the group of object contribute to accomplish a job. There are two kinds of agents, one of them implemented in Java, which is one static agent making use of the Synthetic CRM concepts, and the another, and one mobile agent making use of an API Aglets, that utilize the analytic CRM concept. Key word: CRM, E-commerce, Agents

12 Capítulo 1 Introdução Este trabalho versa sobre o tema de CRM no contexto de Comércio Eletrônico, utilizando o paradigma dos agentes móveis para integrar um sistema de comércio eletrônico ao conceito de CRM, a fim de dar uma maior interoperabilidade de recursos a aplicação. A concorrência cresce não só entre adversários tradicionais em mercados tradicionais, mas também com novos personagens em nichos ou setores específicos de negócios. É isso resultado da desintegração das fronteiras e da abertura dos mercados antes protegidos. As empresas já não podem ficar confiantes em sua participação de mercado e em sua posição competitiva, pois a concorrência pode vir inesperadamente de qualquer setor e de qualquer tipo de organização, pois as fusões e aquisições alteram a relação de força existente no mercado. A reorganização empresarial processa-se em dois pólos: o da tecnologia da informação e o do marketing. A informação tem-se tornado um bem capital, com valor similar a mão-de-obra, matéria-prima e recursos financeiros. A empresa da informationdriven (de informação intensiva) não apenas sobre a concorrência, a economia e o ambiente de negócios, mas também, e principalmente, pelo conhecimento profundo que acumula sobre cada cliente em sua individualidade e em seus motivos de preferência, processo de compra, necessidades e expectativas não atendidas possui a chave para o ganho de posicionamento e de vantagem competitiva no mercado. [BRETZKE (2000)]. Também com a popularização da Internet o comércio eletrônico se expandiu. Por sua vez, com a digitalização das informações comerciais, as companhias conseguiram montar verdadeiras empresas virtuais tanto para transações com clientes (b2c) como para transações entre empresas (b2b).

13 13 Assim surge a necessidade de focar a empresa no cliente, utilizando o conceito de CRM e tecnologia emergentes dos agentes em sistemas para e-commerce, e-business e ERP, em uma única solução, solucionando assim o problema dos sistemas heterogêneos. Baseado no estudo de sistemas de comércio eletrônico, é verificado que sua principal característica é ter funcionalidades que se aproximem do comportamento de um cliente em uma loja no mundo real. Para tal, o projeto proposto integra esta funcionalidade à utilização do conceito de CRM que é uma estratégia de negócio voltado ao entendimento e antecipação das necessidades dos clientes atuais e potenciais de uma empresa, utilizando esta informações para interagir no ambiente eletrônico.

14 Trabalhos Relacionados Três trabalhos sobre a implementação do conceito de CRM foram tomados com base para pesquisa. CRM Series Marketing 1TO1 ROGERS (2000), Marketing de Relacionamento e Competição em Tempo Real com CRM, BRETZKE (2000) CRM & e-business OLIVEIRA (2000) e Compiere - The Smart Open Source ERP Solution with integrated CRM Solution, JANKE (2002) CRM Series Marketing 1TO1 ROGERS (2000), traz o conceito de CRM através de duas analogias, CRM Sintético e Analítico explorando, cada um desde sua criação e implantação, Marketing de Relacionamento e Competição em Tempo Real com CRM [BRETZKE (2000)], tem seu foco voltado ao uso da informação para uma campanha de Marketing mais agressiva, utilizando a informação em tempo real. CRM & e-business OLIVEIRA (2000), que é voltado a implementação do CRM em um aplicativo para de E-business. Compiere The Smart Open Source ERP Solution With Integrated CRM Soluction um sistema de código aberto, que aplica técnicas avanças de CRM e ERP, que podem ser utilizadas em empresas de pequeno porte. Tais pesquisas serviram para nortear o projeto e a implementação do sistema chamado SEMA, que busca aplicar o conceito de CRM em empresas e-business utilizando agentes como meio de comunicação, Tal aplicativo busca soluções inovadoras, dentre elas: Identificar e conservar os clientes mais importantes; Realizar atividades específicas para manter os clientes; Gerenciar uma série contínua de interações com os clientes;

15 15 Solucionar problemas de conectividade entre sistemas heterogêneos 1.2 Estrutura do Trabalho Os capítulos deste trabalho estão divididos da seguinte forma: No Capítulo 2, é apresentado o conceito de CRM e suas características e analogias. No Capítulo 3, é apresentado a definição de Marketing 1TO1, nosso foco principal. No Capítulo 4, é apresentado o conceito de Comércio Eletrônico, características e implicações. No Capítulo 5,o conceito de agentes, características e tipos. No Capítulo 6, a análise do sistema sema No Capítulo 7, a concepção do sistema sema.

16 16 Capítulo 2 Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente 2.1 Introdução CRM é muito mais do que uma simples implementação de tecnologia, é um processo contínuo que compreende a aquisição e disponibilização de conhecimento sobre clientes, e que tem o potencial de permitir a uma empresa vender seus serviços e produtos mais eficientemente. O Gerenciamento do Relacionamento com os Clientes pode ser entendido como o sistema, suportado por Tecnologias da Informação, que permite o contínuo e efetivo contato com os clientes/consumidores de uma organização, facilitando e agilizando o tratamento das demandas apresentadas por esses clientes/consumidores e a geração de informação estratégica para a empresa.

17 Visão Geral O CRM deve ser visto como um conceito para se obter o melhor relacionamento com os clientes, e não, como um produto ou uma tecnologia. Sua estratégia é obter a fidelidade, prover serviços personalizados, adquirir melhor conhecimento dos clientes e se diferenciar da competição. Temos agora um nova redefinição do atual relacionamento comercial com o cliente. Assim sendo algumas atividades se tornam necessárias como: -Identificar, atrair e conservar os clientes mais importantes; -Calcular parâmetros para cada cliente: lucratividade, satisfação, potencial de rompimento do relacionamento comercial; -Acompanhar a lucratividade dos clientes; -Realizar atividades específicas para manter os clientes; -Gerenciar uma série contínua de interações com os clientes; -Mensurar a relação comercial com os clientes dos diferentes produtos/serviços ou grupos de produtos/ serviços; -Acompanhar o apoio dado aos clientes Os negócios bem sucedidos, centrados nos clientes são baseados também em outras tecnologias tais como; Data Warehouses (com informações históricas das compras e contatos realizados) com ferramentas de Data Mining (extração de dados relevantes). Essas ferramentas devem ser utilizadas para uma complementação extremamente relevante da estratégia de marketing existente nas empresas, e não como uma substituição aos canais tradicionais.

18 Objetivo Específico O CRM é um conceito que busca informações sobre o cliente, seus costumes, hábitos e suas tendências, antecipando assim suas futuras necessidades, fazendo com que o cliente prefira manter este relacionamento. Não só por estes motivos, mas o CRM aplica o conceito do Marketing 1to1 ou marketing personalizado, cujas premissas são: -Identificar os clientes; -Diferenciá-los em segmentos; -Interagir de forma diferenciada em função dos segmentos; -Customizar progressivamente a interação. A personalização envolve capturar os dados do cliente ao longo de toda a empresa, consolidar todos os dados capturados interna e externamente em um BDs central, analisar os dados consolidados, e distribuir os resultados desta análise aos vários pontos de contato com o cliente, e usar esta informação ao interagir com o cliente através de qualquer ponto de contato com a empresa.

19 Implantando Sistema de CRM Os sistemas de CRM dividem-se em 2 tipos: analítico e sintético(operacional) A função do analítico é determinar quais clientes devem ser tratados de forma personalizada, one-to-one e quais são esses clientes que devem ser deslocados por níveis de prioridade inferior. Poucas empresas investem na infra-estrutura necessária à implementações de sistemas de CRM analítico. Entretanto, sem esta estratégia todos outros esforços são nulos. Já no CRM operacional (sintético), a maioria das empresas estão focadas em sistemas como: automatização da força de vendas, centros de atendimento a clientes (call-centers), sites de comércio eletrônico e sistemas automatizados de pedido. Não que esta área do CRM não seja importante, mas muitas vezes essas iniciativas, têm pouco ou quase nada a ver com as necessidades ou com a coveniência do cliente. O objetivo é racionalizar e otimizar processos da empresa. Em poucos casos este tipo de CRM traz algumas vantagens aos clientes, pois métricas aplicadas como por exemplo em um call-center tem a ver com o tempo de cada ligação, quantidade de ligações não atendidas, chamadas por agentes, chamadas por motivo etc, quando deveria ser medido quantas vezes um cliente de alto valor para a empresa esperou a um cliente de menor valor a ser atendido, quantas chamadas foram necessárias para resolver o problema do cliente. A implementação de projetos de CRM, deve sempre ter como linha-mestra, a mudança nos processos que envolvem o cliente, de ver a empresa com os olhos críticos dos melhores clientes. Sem isso, não se está implementando CRM, está se implementando mais um pacote de software. CRM envolve capturar dados do cliente ao longo de toda a empresa, consolidar todos os dados capturados interna e externamente em um banco de dados central, analisar os dados consolidados, distribuir os resultados dessa análise aos vários pontos de contato com o cliente e usar essa informação ao interagir com o cliente através de qualquer ponto de contato com a empresa.

20 20 Do ponto de vista dos sistemas, CRM é a integração dos módulos de automação de vendas, gerência de vendas, telemarketing e televendas, serviço de atendimento e suporte ao cliente (SAC), automação de marketing, ferramentas para informações gerenciais, Web e comércio eletrônico Obstáculos previsíveis na implantação de sistemas de CRM O projeto de CRM é por definição um projeto corporativo, que envolve todas as áreas da empresa, embora geralmente comece em uma área específica e seja desenvolvido em etapas. Um dos principais problemas em projetos de CRM é a falta de compromisso da alta direção da empresa, pois se trata de uma nova forma de tratar o cliente e portanto tem mais a ver com mudança de cultura do que com a implementação de um novo sistema. Freqüentemente, as empresas acabam utilizando os sistemas de CRM operacional contra os usuários. Por exemplo, em sistemas de automação de vendas, utilizam-se os relatórios de visitas a clientes como forma de pressionar os vendedores. O que eles acabam fazendo? mentindo. Colocam no sistema menos oportunidades de negócios do que as que realmente existem, diminuindo a expectativa e pressão da gerência.

21 Porque CRM é imperativo O crescimento e a qualidade da receita são os objetivos das organizações e, por isso, hoje, CRM é mais importante do que nunca. Abaixo apresentamos dados de uma pesquisa feita em outubro de 1998 pela Andersen Consulting e pela revista The Economist com mais de 200 executivos de empresas de diversas áreas. 18% Empresas organizadas por tipo de cliente Em 10/ % Em 2002 FIGURA 2.2 ORGANIZAÇÃO DE EMPRESAS POR CLIENTE O acompanhamento da lucratividade dos clientes é fundamental para o estabelecimento de estratégias de diferenciação. 26% Empresas que acompanham a LUCRATIVIDADE dos clientes Em 10/ % Em 2002 FIGURA 2.3 LUCRATIVIDADE DE EMPRESAS POR CLIENTES

22 22 Talvez o dado mais revelador seja a expectativa de alta integração entre as áreas de negócios (marketing, vendas, etc) com a área de tecnologia de informação. Pois sem esta integração é impossível implementar sistemas de CRM. Esperam alta integração entre as áreas 27% Em 10/ % Em 2002 FIGURA CRM INTEGRAÇÃO ENTRE ÁREAS DE TI E DE NEGÓCIOS

23 Canais de comunicação O canais de comunicação estabelecidos envolvem o uso de correspondência (correio tradicional), (correio eletrônico), homepage(web) telefone (geralmente congregado em call centers), fac-símile, contato pessoal, notas na imprensa e outros. Em função de sua importância e crescimento acelerado, vale destacar os call centers, particularmente no que tange aos aspectos relacionados à terceirização de seus serviços conforme preconiza [KRAUSE (1999)], quando elenca os motivos para adotar a terceirização: garantia do foco na atividade principal da empresa, redução de gastos, aumento da produtividade, gerenciamento das oscilações de demanda, melhoria da qualidade e eliminação de problemas relacionados ao core business (competências específicas da empresa). Complementa o que se deve esperar de um call center: facilidade de acesso, consistência das informações, cortesia e atenção para com o cliente, solução de problemas, rapidez nas respostas, conhecimento técnico e dos produtos, além de confidencialidade nas informações e nos dados tratados. Acrescenta, ainda, que os parceiros/terceirizados dos serviços precisam ter por características: especialização, gestão completa do centro, infra-estrutura adequada, flexibilidade às necessidades do contratante, garantia dos melhores padrões de qualidade, quadro de profissionais experientes e especializados, área de recursos humanos especializada, tecnologia de ponta e sistemas de segurança (implantações, migrações e planos de contingência). Atualmente, muitas empresas oferecem soluções integradas de CRM e telefonia, conforme mostrado no artigo publicado por PINTO (1999) do qual condensamos as principais características na tabela seguinte: SOLUÇÕES DE CRM EMPRESA LOCALIZAÇÃO DA MATRIZ SOLUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA SOLUÇÃO Lucent Technologies USA Definity e Melita Aberta, flexível e customizável

24 24 Nortel Canadá não disponível Siemens Alcatel Alemanha França Utiliza a tecnologia CTI computador e telefone integrados Parceria com fabricantes de softwares (Genesys, Easyphone, Vantive) e produdores de URAs como a GMK e a Technet Capacidade de alocação de muitos atendentes Integração de dados e som Gestão integrada de recursos FIGURA EMPRESAS BRASILEIRAS DESCOBREM CENTRAIS, INTEGRADAS A CRM Além dos canais, é válido mencionar o processo de tratamento das demandas apresentadas pelos clientes/consumidores dentro de um sistema de gerenciamento de relacionamento com clientes, seguindo as seguintes fases: a) recepção: corresponde à entrada da solicitação no órgão responsável pelo CRM, que se dará por meio dos canais anteriormente citados; b) avaliação: corresponde aos trabalhos de triagem inicial da demanda recebida, conhecimento de seu teor e verificação da necessidade de dados adicionais para seu completo entendimento ou solução, bem como à abertura da correspondência (no caso de correio convencional); objetivando seu cadastramento; c) cadastramento: corresponde à transposição dos dados do usuário para o formulário próprio (eletrônico ou manual), instaurando-se processo para análise e apresentação de posicionamento quanto à demanda do cliente/consumidor; d) classificação: é a fase realizada simultaneamente a de cadastramento, quando são definidos o tipo de solicitação, o assunto, o(s) órgão(s) da estrutura organizacional envolvido(s), a data de recebimento e o agente captador;

25 25 e) encaminhamento: corresponde ao envio do formulário a outros órgãos internos à organização, quando os atendentes verificarem a impossibilidade de prestar os esclarecimentos devidos ao cliente/consumidor com as informações/documentações disponíveis no próprio órgão responsável pelo CRM; f) tratamento: corresponde aos procedimentos adotados na busca das informações para solução da demanda do cliente/consumidor, podendo envolver a pesquisa documental, a apuração de dados, o questionamento a especialistas e outras atividades; g) resposta: corresponde à preparação e formatação de posicionamento à demanda do cliente/consumidor, podendo ser realizada pelos responsáveis do órgão envolvido, da área de atendimento ou por funcionários do CRM, bem como seu repasse ao cliente/consumidor; h) controle: corresponde à permanente manutenção de dados sobre o andamento do processo de avaliação da demanda do cliente/consumidor, a fim de mantê-lo informado sobre a evolução no trato de sua solicitação. esquemática: As fases do processo do CRM podem ser assim representadas de forma FIGURA 2.5 FASES DO PROCESSO DO CRM

26 Informações Estratégicas Obtidas Dentro da concepção de que informações estratégicas são aquelas obtidas do monitoramento estratégico, que subsidia a formulação de estratégias pelos tomadores de decisão nos níveis gerenciais da organização e, por extensão, que o monitoramento externo ou estratégico é a sistemática observação e coleta de dados do ambiente externo à organização [MIRANDA (1999)], os CRM são fonte importantíssima de informações estratégicas do tipo cliente. Entre as informações estratégicas que podem ser obtidas, identificamos: 1. As consultas mais freqüentes do cliente/consumidor Informações sobre os temas mais freqüentes nas demandas dos clientes/consumidores podem indicar lacunas no processo de comunicação da organização com seus clientes/consumidores, interesse específico dos clientes sobre um produto/serviço ofertado/prestado ou boa repercussão do produto/serviço no mercado. Em todos os casos, a partir da visão dos clientes/consumidores, os dirigentes podem direcionar seu foco de atuação para ações estratégicas já adotadas e avaliá-las (quanto à eficácia, adequabilidade e etc.) em função da retroação dos clientes/consumidores. Além disso, podem e devem formular novas estratégias, rever as existentes e acompanhar e implementar ações correspondentes às expectativas identificadas CORRÊA (1993). 2. O perfil do consumidor/cliente Os clientes/consumidores que acessam a organização demonstram, implicitamente, que utilizam/consomem algum serviço/produto da empresa, identificam o serviço/produto como a organização e principalmente, buscam contato, abrindo canal para que se explore e melhor conheça seus hábitos de compra, freqüência, produtos/serviços demandados, qualidade requerida para os produtos/serviços, necessidades não atendidas etc.

27 27 3. A resistência dos clientes/consumidor O pior cliente/consumidor para uma organização é aquele que não conhece seus produtos, conhece e não utiliza ou conhece e não quer utilizar e, em todos os casos, não interage com a organização, mantendo-se à distância. O cliente/consumidor que aciona o CRM não se enquadra nos anteriores, pois sua postura é ativa frente à organização, já que sua demanda por informação, produtos ou serviços indica seu interesse e vínculo com a empresa. Nesse caso, deve-se aproveitar esse contato para sondar junto ao cliente/consumidor sua visão, e a impressão de pessoas dele conhecidas, sobre os produtos/serviços, bem como sobre os que a organização pretende lançar no mercado. Com isso, obtém-se retroinformação prévia que possa retificar ou ratificar ação estratégica implantada ou em implantação. 4. Os índices de reclamações Talvez a informação estratégica obtida no CRM que mereça maior atenção dos dirigentes sejam os índices de reclamações sobre produtos/serviços. Tais índices indicam os focos dos problemas da organização sob a perspectiva do cliente/consumidor. No caso, caberá ao dirigente identificar as falhas nos processos organizacionais internos ou na forma de atuação da empresa junto aos clientes/consumidores. 5. A percepção do cliente/consumidor sobre a organização Entre os questionamentos dos dirigentes das organizações quanto à atuação da empresa está a percepção de que os clientes/consumidores têm dos produtos/serviços ofertados. Das demandas apresentadas por clientes/consumidores é possível utilizar métodos que permitam identificar pontos comuns quanto à sua percepção da

28 organização, importantíssimo para as tomadas de decisão estratégica. 28

29 Informações não-estratégicas Obtidas As informações de acompanhamento visam auxiliar na tomada de decisão interna à organização, particularmente quanto à atuação e ao desempenho do CRM no contrato empresa-cliente/consumidor. Entre as informações obtidas citamos: o tempo de espera do usuário do CRM para ser atendido, o volume de demandas apresentadas por tipo de canal, a taxa de abandono por não atendimento, a produtividade dos atendentes, os custos de manutenção de canais e atendentes, o tempo livre dos atendentes, entre outras.

30 30 Capítulo 3 Personalização do Mercado Com a concorrência global, não somente em relação à abrangência geográfica, mas também ao fato de não sabermos de onde vem a concorrência. Por exemplo, hoje qual é o maior concorrente da enciclopédia Britânica, tradicional e aparentemente inabalável? Quem pensou na Encarta, da Microsoft, acertou, pois é de repente uma empresa de software que começa a competir com um tradicional fornecedor de enciclopédias, coisa impensável há algum tempo. O primeiro passo para iniciar uma relação de personalização (1to1) com seus clientes é identificar cada um dele lembrando que (1to1) não é para todos os clientes, entretanto sem identificar cada um deles é impossível saber com quem iniciar uma relação 1to1. Identificar o cliente significa conhecer sua identidade, forma de contato preferida, todas as transações e interações realizadas com a empresa, todas as reclamações feitas e quais foram as providências tomadas. Conhecer cada cliente e sua história de forma individual. Os clientes são diferentes, ignorar as diferenças, ou não saber quais são elas, não as eliminam e não faz com que os clientes tornem-se todos iguais. Isso implica em que o dito O cliente sempre tem razão não é bem válido. Se há clientes que seguramente lhe dão lucro e outros seguramente lhe dão prejuízo, como podemos tratá-los igualmente?

Fonte de Informação Estratégica e Não-Estratégica Costumer Relationship Management por Roberto Campos da Rocha Miranda

Fonte de Informação Estratégica e Não-Estratégica Costumer Relationship Management por Roberto Campos da Rocha Miranda 1 de 7 21/3/2007 07:00 DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação - v.2 n.3 jun/01 ARTIGO 05 Fonte de Informação Estratégica e Não-Estratégica Costumer Relationship Management por Roberto Campos

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (AULA 04) 1 CRM Sistema de Relacionamento com clientes, também

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

APLICATIVOS CORPORATIVOS

APLICATIVOS CORPORATIVOS Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 3 APLICATIVOS CORPORATIVOS PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos de Sistemas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE

INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Curso de Contabilidade INFORMÁTICA APLICADA À CONTABILIDADE Prof. Francisco José Lopes Rodovalho Gerência do Relacionamento com o Cliente CRM CUSTOMER RELATIONSHIP

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito

Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas Integrados de Gestão História e Evolução do Conceito Sistemas de Informação Prof. Gerson gerson.prando@fatec.sp.gov.br Evolução dos SI OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Professor Wagner Luiz Aula - Como obter sucesso em uma implementação de CRM e o Processo da Comunicação. Março de 2014 São Paulo -SP Call Center & CRM 2007 CRM: do

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES MARKETING Mercado Atual Competitivo Produtos / Serviços equivalentes Globalizado Conseqüências Infidelidade dos clientes Consumidores mais exigentes Desafio Conquistar clientes fiéis MARKETING TRADICIONAL

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de ERP Enterprise Resource Planning Pacote de ferramentas que integram toda a empresa, a grande vantagem é que os dados

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser:

Dados x Informações. Os Sistemas de Informação podem ser: CONCEITOS INICIAIS O tratamento da informação precisa ser visto como um recurso da empresa. Deve ser planejado, administrado e controlado de forma eficaz, desenvolvendo aplicações com base nos processos,

Leia mais

CRM Customer Relationship Management

CRM Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management C R M : DEFINIÇÃO TEÓRICA NO PASSADO CONHECÍAMOS NOSSOS CLIENTES PELO NOME, ONDE VIVIAM, QUE TIPO DE PRODUTOS NECESSITAVAM, COMO SERIAM ENTREGUES, COMO QUERIAM PAGAR

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO DO PARCEIRO Soluções de garantia do serviço da CA Technologies você está ajudando seus clientes a desenvolver soluções de gerenciamento da TI para garantir a qualidade do serviço e a

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web

Estratégias em Tecnologia da Informação. Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 09 Posição e Vantagem Competitiva Aplicações integradas Aplicações Web Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1

Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados. slide 1 Conquistando excelência operacional e intimidade com o cliente: aplicativos integrados slide 1 Objetivos de estudo Como os sistemas integrados ajudam as empresas a conquistar a excelência operacional?

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal.

A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal. A plataforma de software modular ud121 E-Business, oferece uma das mais sofisticadas ferramentas para comunicações integradas multi-canal. Adoptada por diversas empresas líderes de mercado em vários sectores

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Sistemas. ções Gerenciais

Sistemas. ções Gerenciais Sistemas Como elaborar seu currículo? de Informaçõ 04/2006 ções Gerenciais Um currículo bem feito não garante sua contratação mas um currículo mal elaborado elimina-o do processo seletivo. Novas Tecnologias...

Leia mais

Capítulo 2 E-Business global e colaboração

Capítulo 2 E-Business global e colaboração Objetivos de estudo Capítulo 2 E-Business global e colaboração Quais as principais características de um negócio que são relevantes para a compreensão do papel dos sistemas de informação? Como os sistemas

Leia mais

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce;

Objetivos. Universo. Transformação. Administração 10/10/2012. Entender as definições de e-business e e- commerce; Objetivos Administração Profª Natacha Pouget Módulo: Gestão de Inovação e Ativos Intangíveis Tema da Aula: E-Business e Tecnologia da Informação I Entender as definições de e-business e e- commerce; Conhecer

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel

E-BUSINESS AGENDA. Profª. Kelly Hannel E-BUSINESS Profª. Kelly Hannel AGENDA Evolução da internet nos negócios Conceitos de E-BUSINESS e COMÉRCIO ELETRÔNICO Identificando tendências do E-BUSINESS Quadro das interações possíveis no meio eletrônico

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números

ERP. Agenda ERP. Enterprise Resource Planning. Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Enterprise Resource Planning 1 Agenda Origem Funcionalidades Integração Projeto Caso de Sucesso Projeto ERP em Números ERP Com o avanço da TI as empresas passaram a utilizar sistemas computacionais

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las agility made possible sumário resumo executivo 3 efetivo do servidor: 3 difícil e piorando

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

O que significa esta sigla?

O que significa esta sigla? CRM Para refletir... Só há duas fontes de vantagem competitiva. A capacidade de aprender mais sobre nossos clientes, mais rápido que o nosso concorrente e a capacidade de transformar este conhecimento

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo

Competindo com Tecnologia da Informação. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Identificar as diversas estratégias competitivas básicas e explicar como elas podem utilizar a tecnologia da informação para fazer frente às forças competitivas que as empresas enfrentam.

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

Uma infraestrutura centrada em aplicativos possibilitará agilidade comercial

Uma infraestrutura centrada em aplicativos possibilitará agilidade comercial Uma infraestrutura centrada em aplicativos possibilitará agilidade comercial Março de 2014 Preparado por: Zeus Kerravala Uma infraestrutura centrada em aplicativos possibilitará agilidade comercial by

Leia mais

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT A importância da inovação em fornecedores de sistemas, serviços e soluções para criar ofertas holísticas Julho de 2014 Adaptado de Suporte a ambientes de datacenter: aplicando

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior

Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Disciplina: Gestão Estratégica de TI Profº: João Carlos da Silva Junior Conceitos Por que eu preciso deste curso? Não sou de TI Sou de TI conteúdo utilizado exclusivamente para fins didáticos 2 Não sou

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Sistemas Integrados ASI - II

Sistemas Integrados ASI - II Sistemas Integrados ASI - II SISTEMAS INTEGRADOS Uma organização de grande porte tem muitos tipos diferentes de Sistemas de Informação que apóiam diferentes funções, níveis organizacionais e processos

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Dê uma força à sua inovação: coloque a EIS Suite no centro do seu negócio

Dê uma força à sua inovação: coloque a EIS Suite no centro do seu negócio VISÃO GERAL DA SOLUÇÃO: BENS E DANOS Dê uma força à sua inovação: coloque a EIS Suite no centro do seu negócio Esse é um fato inquestionável as seguradoras de bens e danos devem concentrar toda a sua capacidade

Leia mais

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03 Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03 Marketing de Relacionamento C.R.M. Custumer Relationship Management Marketing de Assiduidade Programa de milhagens Benefício financeiro Brinde por utilização

Leia mais

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 13: Tecnologia da Informação Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Uma informação é um arranjo de dados (nomes, palavras, números, sons, imagens) capazes de dar forma ou sentido a algo do interesse

Leia mais

O uso consciente da tecnologia para o gerenciamento. Fonte dos dados: ASI - Emerson de Oliveira Batista - Editora Saraiva

O uso consciente da tecnologia para o gerenciamento. Fonte dos dados: ASI - Emerson de Oliveira Batista - Editora Saraiva Sistemas de Informação O uso consciente da tecnologia para o gerenciamento Fonte dos dados: ASI - Emerson de Oliveira Batista - Editora Saraiva o ponto de venda fixo loja, agência bancária, hospital móvel

Leia mais

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio Conceitos e-commerce PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Intranet e Extranet Rede privada baseada na mesma tecnologia utilizada na internet, sendo sua única diferença o objetivo por trás

Leia mais

Agregando valor com Business Service Innovation

Agregando valor com Business Service Innovation Agregando valor com Business Service Innovation A TI é enorme. Existem tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários

Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Comparativo entre os meios de comunicação para atingir 50 milhões de usuários Fonte: TAKAHASHI, 2000; VEJA ONLINE, 2006 Definições de comércio eletrônico/e-business E - BUSINESS, acrônimo do termo em

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios fornecendo valor com inovações de serviços de negócios A TI é grande. Tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO CALL CENTER EM CLÍNICAS E HOSPITAIS. Descubra como otimizar os Call Centers na área de saúde

PRIMEIROS PASSOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO CALL CENTER EM CLÍNICAS E HOSPITAIS. Descubra como otimizar os Call Centers na área de saúde ebook GRÁTIS PRIMEIROS PASSOS PARA A OTIMIZAÇÃO DO CALL CENTER EM CLÍNICAS E HOSPITAIS Descubra como otimizar os Call Centers na área de saúde Primeiros passos para a otimização do call center em clínicas

Leia mais

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT)

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Estudar a Colaboração Empresarial. Objetivos do Capítulo Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Estudar

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais