Regulamento de mobilidade internacional do programa Erasmus no ISAVE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento de mobilidade internacional do programa Erasmus no ISAVE"

Transcrição

1 Regulamento de mobilidade internacional do programa Erasmus no ISAVE Artigo 1º Objecto O presente Regulamento rege a mobilidade de estudantes, docentes e funcionários ao abrigo do Programa Erasmus no ISAVE Instituto Superior de Saúde do Alto Ave. Artigo 2º Objectivos O Programa Erasmus no ISAVE é um programa de mobilidade de estudantes, docentes e funcionários entre Universidades e instituições europeias que tem por objectivo: - Promover a aprendizagem e a diversidade cultural e linguística; - Desenvolver competências de trabalho e promover a empregabilidade - Promover o crescimento pessoal, a autonomia e a responsabilidade dos estudantes; - Promover a possibilidade de comparar diferentes contextos de aprendizagem e de trabalho; - Promover a transferência de saberes e de tecnologia aplicada ao desenvolvimento do ensino superior, do conhecimento científico e práticas clínicas no domínio das ciências da saúde. Artigo 3º Tipologia de acções de mobilidade O Programa Erasmus inclui os seguintes tipos de acções de mobilidade: a) Mobilidade de Estudantes - Realização de um período de Estudos (SMS) em Universidades com quem o ISAVE tem acordos de cooperação bilateral; - Realização de um período de Estágio Profissional (SMP) em empresas propostas pelos estudantes do ISAVE ou em empresas indicadas por Universidades com quem o ISAVE tem acordos de cooperação bilateral. b) Mobilidade de Pessoal - Missões de Ensino (STA) - Pessoal Docente do ISAVE poderá leccionar numa instituição de ensino superior estrangeira ou desenvolver acções de troca de conhecimentos e experiências. c) Mobilidade de Pessoal Missões de formação (STT) - Funcionários do ISAVE poderão participar em programas de transferência de saberes junto das universidades com as quais o ISAVE mantém acordos bilaterais.

2 Artigo 4º Duração do período de mobilidade O programa Erasmus SMS e SMP têm uma duração: - Mínima: 3 meses (90 dias consecutivos); - Máxima: Um ano lectivo completo. O programa Erasmus STA e STT têm uma duração de 5 dias úteis. Artigo 5º Candidaturas Podem candidatar-se ao programa Erasmus todos os alunos a frequentar um curso de Licenciatura no ISAVE. A candidatura deve ser feita no ano lectivo anterior aquele em que o aluno pretenda fazer o programa de mobilidade, e de preferência até ao final do mês de Fevereiro de cada ano lectivo. O mesmo sucede com os programas de mobilidade de docentes e funcionários. A candidatura de alunos, docentes e funcionários é feita no Gabinete Erasmus do ISAVE. Artigo 6º Bolsas de mobilidade Os estudantes, docentes e funcionários contam, geralmente, com uma bolsa de mobilidade num montante adequado ao nível de vida de cada país. Os montantes mínimos das Bolsas de mobilidade são fixados em cada ano para cada país pela Agência Nacional (PROALV) e divulgados junto aos interessados na altura em que decorrem as candidaturas aos programas de mobilidade. A atribuição das bolsas é definida pelo ISAVE e nenhum estudante poderá receber uma bolsa inferior ao valor mínimo ou superior ao valor máximo estipulado na Tabela de Bolsas da Agência Nacional. Os alunos que beneficiem de uma bolsa dos Serviços de Acção Social, podem continuar a usufruir da mesma durante todo o período da sua mobilidade. No caso de antecipação do regresso, após iniciada a mobilidade, há lugar à devolução da quantia correspondente aos meses de bolsa não utilizados. A bolsa concedida será creditada em duas tranches: a primeira, corresponde a 80% do total da bolsa; a segunda, corresponde aos restantes 20% da bolsa e será creditada na conta do aluno após o regresso e a entrega de todos os documentos solicitados pelo ISAVE e/ou Agência Nacional. Caso o estudante não obtenha aproveitamento no seu período de mobilidade, este deverá devolver, na íntegra, o valor da bolsa de mobilidade recebida. Em casos de força maior, devidamente justificados e documentados, colocados por escrito, e devidamente autorizados pela Agência Nacional, os estudantes podem ficar isentos da devolução da bolsa. O Programa Erasmus poderá não assegurar bolsas de mobilidade a todos os estudantes, docentes e funcionários seleccionados, mas é permitida a mobilidade Erasmus com bolsa

3 zero, ou seja, estudantes, docentes e funcionários, que apesar de não receberem bolsa, podem usufruir de todos os direitos e deveres dos demais participantes no Programa, à excepção da bolsa. Se não receber uma Bolsa de Mobilidade, o participante deve encarar esta experiência como um investimento no seu percurso académico, pessoal e profissional. Artigo 7º Selecção dos participantes No caso de o número de candidatos ultrapassar o número de vagas disponíveis para cada Universidade e instituição de destino, a selecção faz-se em função do ano curricular e da média de curso. Os alunos dos últimos anos dos seus cursos têm preferência em relação a alunos que poderão fazer o programa Erasmus no ano seguinte. Na hipótese de equivalência de situações, realizar-se-ão entrevistas individuais para determinar as motivações e competências linguísticas de cada um. No caso dos docentes e funcionários é realizada uma entrevista com cada um dos candidatos para aferir as objectivos e as razões que os levam a querer realizar o programa de mobilidade. Artigo 8º Notificação do resultado da candidatura Após a selecção e ordenação dos candidatos, estes serão informados por . Os candidatos ficam em três situações: seleccionado, suplente e não seleccionado. Caso haja candiatos não seleccionados, os mesmos serão informados acerca das razões que justificaram a decisão. Caso haja desistências, eles serão substituídos pelos candidatos que se mantenham em lugar de suplente. Artigo 9º Preparação da mobilidade Erasmus Uma vez seleccionados, os candidatos serão contactados para uma reunião destinada a prestar informação sobre o programa de mobilidade e sobre os procedimentos necessários para receber a bolsa de mobilidade, esta reunião também é destinada a preparar o plano de trabalho na instituição de destino. Cabe ao estudante preencher: - O application form com os seus dados pessoais para enviar à instituição de destino, que será entregue ao estudante pelo Gabinete Erasmus; - O contrato de Estudos/Learning Agreement documento negociado entre o estudante e o coordenador do respectivo curso que descreve quais as unidades curriculares que o estudante irá realizar na instituição de destino e às quais irá ter o reconhecimento académico; - O Training agreement documento que especifica o plano de trabalho do estudante durante o estágio e que é acordado entre o coordenador do curso do ISAVE, o coordenador da instituição de destino e o estudante (o preenchimento deste

4 documento não dispensa o preenchimento do learning agreement que também terá que ser preenchido); - Outros documentos a entregar Fotocópia do número de identificação bancária (NIB), do Bilhete de Identidade/Cartão de cidadão e uma foto, tipo passe e digitalizada que deverá ser remetida para O Gabinete Erasmus do ISAVE também estabelecerá nessa altura o contrato de mobilidade Erasmus com o estudante. Este documento especifica o nome da instituição de destino, o valor da bolsa de mobilidade e o número de identificação bancária para se fazer os pagamentos. Ao estudante vai ser entregue a Carta de Estudante Erasmus que especifica os direitos e deveres do estudante e o Certificate of attendance que o estudante deverá levar consigo para a universidade de destino. O certificate of attendance tem que ser datado, assinado e carimbado no dia da chegada à universidade de destino, por parte do Gabinete Erasmus ou de relações internacionais dessa universidade. Esse mesmo certificado também tem que ser datado, assinado e carimbado no último dia do programa Erasmus do estudante na Universidade de destino. Quando o aluno regressar ao ISAVE tem que entregar este documento no Gabinete Erasmus. Cabe ao estudante tratar da compra da sua viagem de ida e volta bem como do alojamento, mas geralmente a universidade de destino providencia informação sobre alojamento, ou reserva alguns lugares na residência universitária para estudantes Erasmus. No caso das candidaturas de docentes e funcionários, eles terão que preencher o application form e terão que entregar um programa de formação e actividades que será negociado com a entidade de destino por via do Gabinete Erasmus do ISAVE. Também têm que entregar a fotocópia do NIB e do cartão de cidadão e uma foto digitalizada. No seu regresso têm que trazer o certificate of attencance assinado pela instituição acolhedora e terão que redigir um relatório final referente ao seu programa de mobilidade de acordo com o previsto pela ANPROALV anexo V.11 (docentes STA), anexo V.14 (funcionários STT). Artigo 10º Desistência antes do início da mobilidade Qualquer inscrito no programa Erasmus que se veja obrigado a desistir do programa deverá informar o Gabinete Erasmus do ISAVE com a maior brevidade possível, competindo ao ISAVE informar de seguida a instituição de acolhimento. Artigo 11º Seguro Todos os estudantes matriculados no ISAVE estão cobertos por um seguro de acidentes pessoais para actividades escolares. Antes do início dos programas de mobilidade é solicitado para todos os alunos a extensão desse seguro no país de destino. Procedimento semelhante é seguido no caso dos docentes e funcionários.

5 Todos os inscrito no programa Erasmus deverão dirigir-se ao Centro Regional de Segurança Social da área da sua residência a fim de solicitarem o documento que lhes garanta assistência médica no país de destino (Cartão Europeu de Seguro de Doença). Este cartão também pode ser pedido através do seguinte endereço: Artigo 12º Chegada à Instituição de acolhimento Uma vez na instituição de acolhimento o participante no programa Erasmus deverá apresentarse no Gabinete Erasmus ou no serviço de recursos humanos ou relações internacionais da instituição de destino devendo cumprir os procedimentos que aí estejam em vigor. Deverá ainda solicitar que lhe seja datado, assinado e carimbado o Certificate of attendance, que deverá ser remetido digitalizado por para pela instituição de acolhimento. Artigo 13º Propinas O Estudante em mobilidade deve continuar a pagar as propinas do ISAVE, mas está dispensado de pagar as propinas da Instituição de Acolhimento durante o período de mobilidade acordado. A instituição de acolhimento poderá cobrar pagamentos referentes a seguros, associações de estudantes, fotocópias, produtos de laboratório, etc.. Artigo 14º Documentos a trazer da instituição de acolhimento Os estudantes têm que trazer da instituição de acolhimento: - Carta de Confirmação/ The certificate of attendance - emitida pela instituição de destino com as respectivas datas da mobilidade comprovando que o estudante efectuou esse período de estudos ou de estágio. Este documento deverá ser entregue ao estudante na véspera da sua partida e deverá ser entregue ao Gab. Erasmus do ISAVE até 15 dias após o seu regresso. - Boletim de Registo Académico/Transcript of Records - emitido pela instituição de destino com as classificações obtidas e que servirá para formalizar o reconhecimento académico no ISAVE. Os docentes e funcionários apenas têm que trazer a carta de confirmação, devidamente assinada e carimbada no momento do início e no momento de conclusão das actividades. Artigo 15º Relatório final individual do aluno Erasmus

6 Após o regresso ao ISAVE o estudante tem que preencher o relatório Final Individual do programa Erasmus que é preenchido no site da Agência Nacional (PROALV). O estudante tem que o preencher obrigatoriamente em 15 dias após o seu regresso. No momento posterior à submissão deste relatório o estudante receberá os restantes 20% do valor da sua bolsa de mobilidade. O endereço para preencher este relatório será entregue aos estudantes, pelo Gabinete Erasmus do ISAVE, após o seu regresso. Os docentes e funcionários têm que redigir um relatório de acordo com o previsto pela ANPROALV anexo V.11 (docentes STA), anexo V.14 (funcionários STT), que lhes será entregue por parte do Gabinete erasmus do ISAVE. Artigo 16º Equivalência de unidades curriculares 1. A equivalência das unidades curriculares do ISAVE homologas às unidades curriculares de instituições de ensino superior estrangeiras é verificada aquando do estabelecimento de acordos bilaterais de intercâmbio de estudantes no âmbito do programa Erasmus. Durante este processo os directores de curso de cada uma das instituições analisam o plano de estudo tendo em conta a descrição das unidades curriculares e o seu número de créditos ECTS. 2. As unidades curriculares que o estudante opte por vir a fazer, por opção própria, e que não tenham correspondência com unidades curriculares do plano curricular do ISAVE são reconhecidas a título de disciplinas opcionais no suplemento ao diploma. Artigo 17º Reconhecimento de unidades curriculares 1. As unidades curriculares realizadas na instituição de acolhimento são automaticamente reconhecidas pelo Conselho Técnico-Científico do ISAVE, desde que respeitem o acordo de aprendizagem (learning agreement) previamente definido pelo estudante com o director de curso; 2. O learning agreement acordado entre o estudante e o seu director de curso é enviado para a instituição de acolhimento, que após a sua análise e assinatura se compromete a apoiar o estudante na realização das unidades curriculares identificadas; 3. Qualquer alteração ao plano de estudos que ocorra durante a estadia do estudante na Instituição de acolhimento deve ser comunicada ao Director de curso para aprovação, devendo ser remetido o programa da unidade curricular e outra informação complementar de modo a assegurar o desenvolvimento dos conhecimentos e competências necessárias à realização do plano de estudos que o aluno deverá cumprir. Artigo 18º Reconhecimento de créditos ECTS

7 1. O reconhecimento das unidades curriculares realizadas numa instituição de ensino superior onde vigora o sistema de créditos ECTS determina a atribuição desses créditos a unidades curriculares homólogas das dos cursos do ISAVE. 2. Às unidades curriculares realizadas em instituições onde não vigore o sistema de créditos ECTS são reconhecidas através de um processo de análise da descrição dos planos de estudo e da aferição do número de horas necessárias à obtenção dos créditos ECTS no ISAVE. 3. Para o cálculo dos créditos ECTS de cada unidade curricular consideram-se os seguintes princípios: a) O trabalho de um ano curricular realizado a tempo inteiro situa-se entre mil e quinhentas e mil e seiscentas e oitenta horas e é cumprido num período de 36 a 40 semanas; b) O número de créditos correspondentes ao trabalho de um ano curricular realizado a tempo inteiro é de 60 ECTS, um semestre curricular corresponde a 30 ECTS; c) O aluno poderá fazer mais créditos ECTS num semestre ou ano curricular se optar por frequentar outras unidades curriculares cotadas no âmbito do sistema de créditos ECTS de cursos do ISAVE ou de cursos da instituição de ensino superior de acolhimento durante o período de mobilidade internacional; d) As unidades curriculares opcionais não previstas no plano de curso que um aluno venha a fazer são consideradas no âmbito do suplemento ao diploma e não como unidades curriculares do plano de curso corrente do aluno; e) O ISAVE fixou em 27 horas o número de horas de trabalho equivalente a um crédito ECTS; f) O número de horas de trabalho do estudante a considerar inclui todas as formas de trabalho previstas, designadamente as horas de contacto e as horas dedicadas a estágios, projectos, trabalhos no terreno, estudos e avaliação; g) Os créditos atribuídos a cada unidade curricular calculam-se dividindo por vinte e sete horas o número de horas de trabalho presenciais e/ou tutoriais do estudante estimadas para a unidade curricular, obtendo-se deste modo os correspondentes créditos ECTS; h) As unidade curriculares homólogas realizadas em instituições de ensino superior de outros países cotadas no âmbito do sistema ECTS são reconhecidas pelo ISAVE desde que correspondam a um período entre 25 a 30 horas presenciais e/ou tutoriais. i) A realização de unidades curriculares correspondentes a estágios clínicos numa instituição onde não se utiliza o sistema ECTS pressupõe que o estudante realize 27 horas presenciais de estágio para que lhe seja atribuído um crédito ECTS. j) Quando uma unidade curricular pressupõe o cumprimento de um plano de estudos que é realizado em duas ou mais instituições distintas realizado através do ISAVE e/ou através de uma ou mais instituições de acolhimento noutro país, os créditos a considerar serão os efectivamente feitos em cada uma das instituições e a

8 classificação atribuída resultará da ponderação das notas obtidas em cada instituição tendo em conta a proporção de créditos ECTS realizados em cada uma delas. k) Não é permitida a realização de exames de melhoria de classificação às unidades curriculares realizadas através do processo de creditação de ECTS. Artigo 19º Classificações obtidas e escala de conversão de créditos ECTS 1. A classificação das unidades curriculares é a classificação atribuída pela instituição de acolhimento estrangeira, quando esta adopte a escala de classificação portuguesa de 0 a 20 valores. 2. Quando o sistema de classificação da instituição de acolhimento é diferente do português a classificação resulta da conversão da escala de classificações ECTS para a escala de classificações portuguesa. 3. O documento que identifica as unidades curriculares, os créditos ECTS e as classificações obtidas é o transcript of records. 4. O tanscript of records contém os seguintes campos: Unidade curricular, duração da unidade curricular, classificação local, classificação ECTS e número de créditos ECTS. 5. O aluno levará consigo o transcript of records do ISAVE para que seja preenchido pela instituição de destino, em alternativa, o aluno poderá trazer o transcript of records da instituição de acolhimento que deverá conter os mesmos campos que o transcript of records do ISAVE. Este documento, em todas as circunstâncias, tem que fazer referência ao número de horas realizadas e/ou créditos ECTS e a uma classificação numa de duas escalas: alfanumérica (A a E, classificações positivas, F ou G em caso de classificação negativa) ou numérica de 0 a 20 valores. 6. Para que um aluno seja aprovado a uma unidade curricular ele tem que obter uma classificação mínima de E ou de 10 valores, numa escala de 0 a 20 valores. 7. Para o estabelecimento das classificações finais por cada uma das classes da escala de classificação ECTS, o ISAVE considera a distribuição das classificações finais no conjunto dos três anos anteriores àquele em que o estudante obteve o aproveitamento. Se a unidade curricular não tiver um precedente de classificações num período de 4 anos, serão considerados os anos curriculares em que a unidade curricular decorreu. Se não houver qualquer ano curricular de precedência serão consideradas as classificações obtidas no ano corrente para determinar a percentagem de estudantes que concluiu a unidade curricular com um determinado nível de classificações. 8. Distinguem-se unidades curriculares Pré-bolonha e adequadas ao processo de Bolonha. Uma unidade curricular com a mesma designação em cursos Pré-bolonha e cursos adequados ao processo de Bolonha são consideradas como unidades curriculares distintas, contando para efeitos de classificação apenas o período Pré-Bolonha para unidades curriculares realizadas durante esse ciclo e contando para efeitos de

9 classificação apenas o período de Bolonha para unidades curriculares realizadas durante este novo ciclo. 9. A classificação global de todas as unidades curriculares que constituem um plano de estudos de uma licenciatura segue o mesmo princípio das unidades curriculares Pré- Bolonha e de Bolonha, em que se consideram apenas os anos dos respectivos ciclos até um máximo de 4 anos. 10. A escala de conversão de classificações ECTS é apresentada no quadro seguinte: Classificação ECTS % de estudantes que conclui com sucesso a UC A 10 [16-20] B 25 [15] C 30 [14] D 25 [13] E 10 [10-12] Classificação Definição Excelente desempenho com pequenas falhas Muito bom desempenho com algumas falhas Bom desempenho mas com algumas falhas Desempenho satisfatório com alguns pontos fracos Tem os requisitos mínimos para ser aprovado 11. Aos alunos que obtenham a classificação de A poderá ser atribuída uma nota entre os 16 e os 20 valores, a nota final a atribuir será de acordo com a média corrente do aluno tendo em conta a devida ponderação dos créditos ECTS obtidos até ao momento. Se a classificação média ponderada for inferior a 16 valores manter-se-á esta nota, se for superior a classificação a atribuir será a mesma do valor da média ponderada obtida. O mesmo sucede a alunos que obtenham a classificação de E na escala ECTS. 12. Considera-se a título excepcional, para alunos que obtenham a classificação de A na escala ECTS a possibilidade de trazerem um documento em papel timbrado e devidamente assinado e carimbado pela instituição de acolhimento em que o orientador ou tutor do aluno pode propor a nota a atribuir no intervalo compreendido entre 16 e 20 valores. Este documento prevalecerá sobre a média ponderada que o aluno obteve nas unidades curriculares realizadas no ISAVE. Artigo 20º Outras informações Alterações ao Contrato de Estudos/Learning Agreement O estudante tem até 1 mês após a chegada à instituição de destino para alterar o Contrato de Estudos previamente negociado. Essas alterações deverão igualmente ser negociadas e aprovadas pelo director de curso e inscritas na folha corresponde que se encontra anexa ao Contrato de Estudos inicial (learning agreement). Declarações para Prolongamento de Estudos

10 Caso o estudante decida prolongar o seu período de estudos terá de requerer duas declarações autorizando e justificando esse prolongamento: uma à instituição de origem (coordenador da mobilidade do respectivo curso) e outra à instituição de destino. Ambas as declarações devem ser entregues antes do fim do período inicial. O período extra deverá começar no dia seguinte ao último do período inicial; Adendas ao Contrato Individual do Estudante em Mobilidade Qualquer alteração ao que consta no Contrato de Estudante, como o prolongamento do período de estudos, é formalizada através de uma adenda ao Contrato. A assinatura destas adendas processa-se da mesma forma que a assinatura do Contrato de Estudante: a adenda é enviada por ao estudante que a terá de assinar em 2 exemplares. A adenda será válida após a assinatura do Coordenador Institucional e um dos originais entregue ao estudante. Artigo 21º Informação útil Locais de estágio/instituições de acolhimento A instituição de acolhimento poderá ser uma empresa, um Hospital, Centro de Saúde, universidade, centro de investigação, etc., desde que reconhecida e aprovada pelo director de curso. Apenas são excluídas como entidades de acolhimento os seguintes tipos de instituições: - Instituições Europeias (incluindo Agências Europeias); - Organizações gestoras de Programas Europeus; - Representações diplomáticas do país de origem do estudante, sedeadas no país de acolhimento (embaixadas, consulados, etc.). Como encontrar o local de estágio O ISAVE tem acordos bilaterais com diversas Universidades e instituições para a realização de estágios curriculares. No entanto, se o aluno quiser fazer estágio noutra instituição ou noutro país com o qual não tenhamos acordos de colaboração, o aluno pode procurar e propor novos locais de estágio devendo, nestes casos, informar o Gabinete Erasmus do ISAVE e fazer os primeiros contactos junto das instituições do seu interesse para manifestar o seu inteesse. Caso a instituição aceda, o Gabinete Erasmus remeterá par esta nova instituição uma carta para formalizar o pedido de aceitação e obter uma declaração de compromisso de responsabilidade pedagógica durante o exercício das práticas clínicas do estudante. Para facilitar a procura de instituições de estágio, o estudante poderá: - Contactar os docentes do curso, no sentido de obter uma orientação a este respeito e informações sobre eventuais locais de estágio de que tenham conhecimento; - Consultar alguns sites que disponibilizam ofertas de estágio e enviar a sua candidatura para as instituições que sejam do teu interesse:

11 - EURES: - Europlacement: - Expertise in Labour Mobility (ELM): - Global Placement Network: - Interntown: - Leo-Net: Job Offer exchange - Placements UK: Artigo 22º Candidatura de alunos Erasmus de Universidades estrangeiras O ISAVE tem acordos bilaterais para o intercâmbio de estudantes, docentes e trabalhadores com diversas Universidades europeias. As Universidades devem comunicar ao ISAVE durante os mês de Julho, Agosto e Setembro o nome e identificação dos estudantes, docentes e trabalhadores seleccionados para fazerem o programa Erasmus no ISAVE. Nessa altura é enviado à Universidade e aos seleccionados o learning agreement e o formulário de candidatura, que deverá ser preenchido pelos seleccionados e validado pela Universidade de destino que nos deverá fazer chegar estes documentos digitalizados por para Todos os candidatos seleccionados serão recebidos desde que cumpram os requisitos dos acordos bilaterais estabelecidos. Recebido o learning agreement e o formulário de candidatura, estes documentos são validados pelo Gabinete Erasmus e pelo Director do departamento ao qual está associado o candidato seleccionado e será emitido um parecer sobre a possibilidae de realização do programa Erasmus nas datas assinaladas e com os conteúdos e objectivos pretendidos. Neste momento também se procede ao contacto com os candidatos seleccionados para lhes dar mais informações sobre as características das unidades curriculares e informação sobre a chegada ao ISAVE e alojamento. Artigo 23º Acolhimento de alunos Erasmus de Universidades estrangeiras À chegada ao ISAVE, os alunos, docentes e funcionários, devem-se dirigir ao Gabinete Erasmus para fazerem o seu registo. Para fazer o registo devem trazer o learning agremeent e o formulário de candidatura (application form) devidamente assinados e devem trazer o certificado de presença para que se proceda ao registo da sua chegada e partida. Seguidamente os recém-chegados terão uma reunião com o director do departamento a que estão associados para obterem mais informação sobre o seu plano de estudos e actividades. Artigo 24º Conclusão do ciclo de estudos Erasmus de alunos de Universidades estrangeiras

12 Após a conclusão das unidades curriculres e antes da sua partida os alunos devem dirigir-se ao Gabinete Eramus para assinarem o seu certificado de presença, para confirmarem as unidades curriculares concluídas e para confirmar os seus dados de contacto para que lhes seja enviado o transcript of records. Neste momento os alunos também preenchem um questionário de avaliação do seu programa Erasmus, a informação deste questionário será guardada em arquivo confidencial no que concerne à identificação e contactos do estudante. A informação recolhida será utilizada para obter um retorno dos pareceres dos estudantes sobre o seu programa Erasmus no ISAVE. Artigo 25º Dúvidas e omissões Os casos omissos e as dúvidas de interpretação ou de aplicação deste regulamento, são resolvidas pelo Gabinete Erasmus do ISAVE. Contactos Gabinete Erasmus ISAVE Instituto Superior de Saúde do Alto Ave Quinta de Matos - Geraz do Minho Póvoa de Lanhoso Tel:

INSTITUTO SUPERIOR DE SAÚDE DO ALTO AVE Regulamento de Mobilidade Internacional

INSTITUTO SUPERIOR DE SAÚDE DO ALTO AVE Regulamento de Mobilidade Internacional INSTITUTO SUPERIOR DE SAÚDE DO ALTO AVE Regulamento de Mobilidade Internacional Programa ERASMUS - Outgoing Artigo 1º Objecto O presente Regulamento rege a mobilidade de estudantes, docentes e colaboradores

Leia mais

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante ERASMUS Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Guia do Estudante Normas Gerais A mobilidade de estudantes, uma das acções mais frequentes do Programa, inclui duas vertentes de actividade: realização

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE PROGRAMA SECTORIAL ERASMUS REGULAMENTO DE MOBILIDADE

INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE PROGRAMA SECTORIAL ERASMUS REGULAMENTO DE MOBILIDADE INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE PROGRAMA SECTORIAL ERASMUS REGULAMENTO DE MOBILIDADE 1. Introdução O presente documento visa regulamentar as condições a que deve obedecer a mobilidade de estudantes,

Leia mais

Regulamento Erasmus 2011/2012

Regulamento Erasmus 2011/2012 1. Preâmbulo O Programa Erasmus tem como objetivo geral apoiar a criação de um Espaço Europeu de Ensino Superior e reforçar o contributo do ensino superior para, entre outros, o processo de inovação a

Leia mais

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO ESCOLA DAS ARTES PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional para estágio dos estudantes de Licenciatura

Leia mais

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016

Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 Regulamento Geral de Mobilidade Internacional de Estudantes da Universidade Fernando Pessoa 2015-2016 1. Mobilidade Internacional de Estudantes Os alunos da Universidade Fernando Pessoa (UFP) que cumpram

Leia mais

da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E PSICOLOGIA MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional para estudos

Leia mais

REGULAMENTO DE PROGRAMAS DE MOBILIDADE E INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES OUTGOING INCOMING

REGULAMENTO DE PROGRAMAS DE MOBILIDADE E INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES OUTGOING INCOMING 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente regulamento estabelece o regime aplicável aos programas de intercâmbio, mobilidade de estudantes e cooperação internacional nos quais o IPAM

Leia mais

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA INSTITUTO CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Mobilidade Internacional para Estudos REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade

Leia mais

Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa

Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional

Leia mais

MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP)

MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP) MOBILIDADE DE ESTUDANTES (SMS SMP) Critérios de elegibilidade do Estudante Erasmus Estatuto legal do estudante: Os estudantes devem ser nacionais de um estado membro participante no Programa de Aprendizagem

Leia mais

da Universidade Católica Portuguesa

da Universidade Católica Portuguesa Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa MOBILIDADE INTERNACIONAL PARA ESTUDOS REGULAMENTO Aprovado no Conselho Científico de 2 de julho de 2014 CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS Programa ERASMUS Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS FORMALIZAÇÃO DA CANDIDATURA 1. Quais são os prazos para formalizar a candidatura?

Leia mais

Programa Erasmus Regras de mobilidade para alunos da ECT

Programa Erasmus Regras de mobilidade para alunos da ECT Programa Erasmus Regras de mobilidade para alunos da ECT Introdução O Programa Erasmus é uma iniciativa da União Europeia que fornece meios para a realização de períodos de mobilidade académica em instituições

Leia mais

FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio

FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio FAQ's - Preparação da mobilidade e questões logísticas do intercâmbio 1. Devo matricular-me na UAc mesmo indo para o estrangeiro? 2. Tenho de pagar propinas na UAc? 3. Tenho que pagar propinas na Universidade

Leia mais

REGULAMENTO Regulamento do programa de Aprendizagem ao Longo da Vida (LLP) ERASMUS Mobilidade de Alunos Missão de Estudos e Estágios

REGULAMENTO Regulamento do programa de Aprendizagem ao Longo da Vida (LLP) ERASMUS Mobilidade de Alunos Missão de Estudos e Estágios RG- 10-01 Data: 2010-01-06 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA ESAC Escola Superior Agrária de Coimbra ESEC Escola Superior de Educação de Coimbra ESTeSC Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

Mobilidade Estudantil:

Mobilidade Estudantil: Mobilidade Estudantil: 1. Programa Erasmus: Alunos de Economia, Finanças, Gestão e MAEG 2. Protocolo Brasil e China: Alunos de Economia, Finanças, Gestão e MAEG 2 Protocolo Brasil e China As regras a aplicar

Leia mais

PROGRAMA SÓCRATES / ACÇÃO ERASMUS Gabinete de Relações Internacionais e Apoio a Projectos Europeus REGULAMENTO. Preâmbulo

PROGRAMA SÓCRATES / ACÇÃO ERASMUS Gabinete de Relações Internacionais e Apoio a Projectos Europeus REGULAMENTO. Preâmbulo PROGRAMA SÓCRATES / ACÇÃO ERASMUS Gabinete de Relações Internacionais e Apoio a Projectos Europeus REGULAMENTO Preâmbulo O Programa de Mobilidade de Estudantes SÓCRATES / ERASMUS é uma iniciativa da União

Leia mais

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA Programa ERASMUS Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA 1. Quem se pode candidatar à mobilidade Erasmus para estudos?

Leia mais

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA

Programa ERASMUS. Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA Programa ERASMUS Mobilidade de Estudantes para Estudos - (Students Mobility for Study -SMS) GUIA ERASMUS PERGUNTAS E RESPOSTAS PRÉ-CANDIDATURA 1. Quem se pode candidatar à mobilidade Erasmus para estudos?

Leia mais

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 Esclarecimentos de dúvidas/informações adicionais: Carolina Peralta/Isabel Silva Gabinete de Relações Internacionais - GRI Rua de Santa Marta, 47, 1º Piso sala 112-1169-023

Leia mais

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci

REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci REGULAMENTO DE MOBILIDADE DE DIPLOMADOS Leonardo da Vinci Tendo a Coordenação em colaboração com o DGA RI, elaborado e submetido uma candidatura ao Programa Leonardo da Vinci, foi esta aprovada pela Agência

Leia mais

GUIA DE CANDIDATURA PARA. ESTÁGIOS ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMp)

GUIA DE CANDIDATURA PARA. ESTÁGIOS ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMp) GUIA DE CANDIDATURA PARA ESTÁGIOS ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMp) INTRODUÇÃO 1. O que é um estágio Erasmus? O Estágio Erasmus é uma parte da sua formação académica (curricular ou extra-curricular) efectuada

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS)

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1º Objecto

Leia mais

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos ESTE ANO VOU CONHECER NOVAS PESSOAS ESTE ANO VOU ALARGAR CONHECIMENTOS ESTE ANO VOU FALAR OUTRA LÍNGUA ESTE ANO VOU ADQUIRIR NOVAS COMPETÊNCIAS ESTE ANO VOU VIAJAR ESTE ANO VOU SER ERASMUS Guia do Estudante

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO. VI. Mobilidade internacional REG-001/V00

REGULAMENTO ACADÉMICO. VI. Mobilidade internacional REG-001/V00 Mobilidade de Estudos 1. Objeto O presente Regulamento define as regras de Mobilidade de Estudantes ao abrigo dos Programas Garcilaso (Laureate International Universities) e de Aprendizagem ao Longo da

Leia mais

GUIA DE CANDIDATURA ESTÁGIO ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMP)

GUIA DE CANDIDATURA ESTÁGIO ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMP) GUIA DE CANDIDATURA ESTÁGIO ERASMUS - ERASMUS PLACEMENTS (SMP) INFORMAÇÃO GERAL 1. O que é um estágio Erasmus? O Estágio Erasmus é uma parte da sua formação académica (curricular ou extracurricular) efectuada

Leia mais

Já fui beneficiário de uma mobilidade Erasmus. Posso candidatar-me novamente? Durante quanto tempo poderei realizar o período de mobilidade?

Já fui beneficiário de uma mobilidade Erasmus. Posso candidatar-me novamente? Durante quanto tempo poderei realizar o período de mobilidade? ERASMUS+ - MOBILIDADE DE ESTUDANTES PERGUNTAS FREQUENTES O que é o Erasmus+? Quais os tipos de mobilidade a que posso concorrer? Quem pode candidatar-se? Que restrições existem? Já fui beneficiário de

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016

PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016 O que é o Erasmus+? O Erasmus+ teve início no dia 1 de Janeiro de 2014. PERGUNTAS FREQUENTES ERASMUS+ 2015/2016 O Erasmus+ é o novo programa da UE para a educação, formação, juventude e desporto que se

Leia mais

normas de carácter geral programa ERASMUS na vertente estudos

normas de carácter geral programa ERASMUS na vertente estudos programa ERASMUS+ 2016 2017 FACULDADE DE BELAS-ARTES UNIVERSIDADE DE LISBOA guia informativo do programa erasmus estudos o que é o programa ERASMUS +? O programa ERASMUS+, com início em Janeiro de 2014,

Leia mais

FAQ S ESTUDOS ERASMUS

FAQ S ESTUDOS ERASMUS FAQ S ESTUDOS ERASMUS 1. Quem se pode candidatar? Podem-se candidatar ao programa Erasmus todos os estudantes cidadãos, ou com estatuto de residente permanente de um dos 27 países da União Europeia, e

Leia mais

wertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopas Guia Prático de Mobilidade dos dfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjkl

wertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopas Guia Prático de Mobilidade dos dfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjkl qwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwert yuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopa sdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghj klçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxc vbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmq Gabinete de Relações Exteriores wertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwerty

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO E MESTRADOS EXECUTIVOS DO ISLA CAMPUS LISBOA 1.º OBJECTIVO Os Cursos de Pós-Graduação e Mestrados Executivos do ISLA Campus Lisboa são programas de estudos que visam

Leia mais

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do

Leia mais

PROGRAMAS DE MOBILIDADE - GUIA DO ALUNO

PROGRAMAS DE MOBILIDADE - GUIA DO ALUNO PROGRAMAS DE MOBILIDADE - GUIA DO ALUNO 1. ENTIDADES COORDENADORAS Coordenador de Mobilidade do Mestrado em: Engenharia Biológica (https://fenix.tecnico.ulisboa.pt/cursos/mebiol/programas-de-mobilidade

Leia mais

Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES. Regulamento. Artigo 1º (Disposições Gerais)

Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES. Regulamento. Artigo 1º (Disposições Gerais) Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES Regulamento Artigo 1º (Disposições Gerais) O Programa de Bolsas de Mobilidade para Estudantes da Universidade de Lisboa tem por objectivo proporcionar

Leia mais

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Regulamento do Gabinete Erasmus da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) O presente regulamento estabelece a orgânica do Gabinete Erasmus, bem

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Duração e estrutura do ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre 1. O ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre, ministrado na ESTBarreiro/IPS,

Leia mais

Instituto Ciências da Saúde. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO

Instituto Ciências da Saúde. da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO Instituto Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa PROGRAMA ERASMUS ESTÁGIO REGULAMENTO 1 CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Objeto) O presente regulamento rege a mobilidade internacional

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado. Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Programa ERASMUS+ Acção-chave 1 Mobilidade para aprendizagem GUIA DE CANDIDATURA PARA MOBILIDADE DE ESTUDANTES PARA ESTÁGIOS ERASMUS+ (SMP)

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 É do interesse das Instituições de Ensino Superior promover a excelência do ensino, propiciando aos seus estudantes

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2015

Regulamento PAPSummer 2015 Regulamento PAPSummer 2015 Artigo 1º Objectivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses (Estudante) de desenvolver um

Leia mais

REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISVOUGA

REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISVOUGA Página 1 de 6 Preâmbulo O presente regulamento define as regras de acesso e ingresso nos cursos técnicos superiores profissionais do e institui os critérios pelos quais se pautam as provas de avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO A disciplina de Seminário/Estágio, do 3º ano da Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

Programa ERASMUS+ Regulamento UBI

Programa ERASMUS+ Regulamento UBI Programa ERASMUS+ Regulamento UBI 1. Critérios de elegibilidade dos estudantes ERASMUS+ O (a) estudante deverá preencher todos os requisitos enunciados nas Normas para a Gestão das Subvenções Erasmus 2014/2015,

Leia mais

Regulamento da Creditação

Regulamento da Creditação Regulamento da Creditação Por decisão do Director, ouvido o Conselho Técnico-Científico, é aprovado o presente Regulamento da Creditação, que visa disciplinar o processo de creditação, nos termos definidos

Leia mais

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente

DESPACHO. N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente DESPACHO N.º 21 /2011 Data: 2011/05/30 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e Não Docente ASSUNTO: Regulamento de Cursos de Especialização Tecnológica da ESTeSL. No âmbito da sua missão e objectivos

Leia mais

GPRI GABINETE DE PROGRAMAS E RELAÇÕES INTERNACIONAIS

GPRI GABINETE DE PROGRAMAS E RELAÇÕES INTERNACIONAIS GPRI GABINETE DE PROGRAMAS E RELAÇÕES INTERNACIONAIS GUIA DE CANDIDATURA PARA ENSINO E ESTÁGIOS ERASMUS+ Conteúdos I Mobilidade Erasmus+ ENSINO II Candidatura à Mobilidade de Ensino ERASMUS + III Outras

Leia mais

REGULAMENTO Mobilidade Macau

REGULAMENTO Mobilidade Macau Face à parceria estabelecida entre a Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE) e o Instituto de Formação Turística em Macau (IFT Macau) no âmbito da qual são facultadas possibilidades de

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1.

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1. REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Artigo 1.º Objeto O presente regulamento disciplina os regimes de reingresso,

Leia mais

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015 REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER TOTTA/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2015 Este concurso visa reforçar a cooperação existente entre a Universidade de Coimbra (UC) e as instituições suas parceiras,

Leia mais

Artigo 3.º Do número de vagas e fixação de prazos Artigo 4.º Das condições de funcionamento Artigo 5.º Da estrutura curricular e plano de estudos

Artigo 3.º Do número de vagas e fixação de prazos Artigo 4.º Das condições de funcionamento Artigo 5.º Da estrutura curricular e plano de estudos Normas Regulamentares do Mestrado em Intervenção Comunitária: áreas de especialização em Intervenção Comunitária e Educação para a Saúde, Intervenção Comunitária e Envelhecimento Activo e Intervenção Comunitária

Leia mais

INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO. Candidaturas para o Ano Académico 2009/2010

INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO. Candidaturas para o Ano Académico 2009/2010 INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO Candidaturas para o Ano Académico 2009/2010 Serviço de Cooperação com os Países Lusófonos e Latino-Americanos SCPLLA Endereço Reitoria da Universidade

Leia mais

PROGRAMA DE CRIAÇÃO DE TALENTOS PARA ANGOLA BOLSA ESCOM Bolsa de Estudo para Cursos Superiores

PROGRAMA DE CRIAÇÃO DE TALENTOS PARA ANGOLA BOLSA ESCOM Bolsa de Estudo para Cursos Superiores PROGRAMA DE CRIAÇÃO DE TALENTOS PARA ANGOLA BOLSA ESCOM Bolsa de Estudo para Cursos Superiores A pretende impulsionar as actividades de Responsabilidade Social em Angola, contribuindo para o seu desenvolvimento.

Leia mais

Sessão Esclarecimento ERASMUS

Sessão Esclarecimento ERASMUS Sessão Esclarecimento ERASMUS 2014/2015 07/03/2014 O Erasmus Estudos (SMS) - podem fazer disciplinas e o trabalho/projeto para a tese; O Erasmus Estágio (SMP) - não podem fazer disciplinas, mas podem fazer

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015 O Programa Bolsas Ibero-américa. Estudantes de Licenciatura e

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO GERAL DE MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento fixa as normas gerais relativas a Matrículas e Inscrições nos diferentes

Leia mais

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015

PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014-2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 PROPINAS E EMOLUMENTOS 2014 / 2015 30-06-2014 INTRODUÇÃO Este sistema de propinas e emolumentos constitui um mecanismo inovador que permite ao estudante fasear e planear o seu plano de estudos curricular,

Leia mais

Licenciatura em Biologia

Licenciatura em Biologia Licenciatura em Biologia Regulamento de Estágio Profissionalizante Para dar cumprimento ao estipulado no Despacho n.º 22 420/2001 da Reitoria da Universidade de Aveiro, publicado no Diário da República

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) EDITAL MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

GUIA PARA CANDIDATURAS ONLINE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

GUIA PARA CANDIDATURAS ONLINE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA GUIA PARA CANDIDATURAS ONLINE ESTUDANTES OUTGOING DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Este é um guia prático do processo de inscrição online em programas de mobilidade para estudantes da Universidade de Coimbra

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

Programa de Bolsas Ibero-américa Santander Normas do Programa ISCTE-IUL 2016

Programa de Bolsas Ibero-américa Santander Normas do Programa ISCTE-IUL 2016 Programa de Bolsas Ibero-américa Santander Normas do Programa ISCTE-IUL 2016 Introdução O Banco Santander, através da sua divisão Santander Universidades, promove o Programa de Bolsas Ibero-américa, um

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO Preâmbulo Considerando o Decreto-Lei n.º 216/92 de 13 de Outubro; Considerando o Decreto-Lei n.º 16/94 de 22 de Janeiro; Considerando o Decreto-Lei n.º 42/2005

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado

Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições. no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Regulamento Geral de Matrículas e Inscrições no ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

GUIA DO ESTUDANTE EM MOBILIDADE NO ESTRANGEIRO PERÍODO DE ESTUDOS ERASMUS

GUIA DO ESTUDANTE EM MOBILIDADE NO ESTRANGEIRO PERÍODO DE ESTUDOS ERASMUS GUIA DO ESTUDANTE EM MOBILIDADE NO ESTRANGEIRO PERÍODO DE ESTUDOS ERASMUS Gabinete de Mobilidade, Estágios e Inserção Profissional Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa 2 Calendarização até à

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa. Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa. Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO Nos termos do disposto no artigo 10º do Regulamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

Regulamento de Bolsas de Investigação Científica

Regulamento de Bolsas de Investigação Científica Regulamento de Bolsas de Investigação Científica REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência

Leia mais

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa

Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa FAQ S 1. Quais os requisitos necessários para ingressar num Mestrado? O candidato deverá ser titular do grau de licenciatura ou de mestre sendo as áreas de formação definidas aquando da publicação do edital

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Deliberação nº 50/2014)

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Deliberação nº 50/2014) REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MEIOS COMPLEMENTARES DE DIAGNÓSTICO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA MINISTRADO PELAS ESCOLAS SUPERIORES AGRÁRIAS DOS INSTITUTOS POLITÉCNICOS DE BRAGANÇA, DE CASTELO BRANCO,

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO IPVC

PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO IPVC PROPOSTA DE REGULAMENTO GERAL CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO E DE PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO Artigo 1º Objectivo e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento visa orientar

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE ESTUDO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ARAGÃO PINTO E INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE ESTUDO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ARAGÃO PINTO E INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO REGULAMENTO DAS BOLSAS DE ESTUDO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ARAGÃO PINTO E INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente Regulamento de Bolsas de Estudo

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 REGULAMENTO DAS PROVAS DE ADMISSÃO AO INSTITUTO SUPERIOR DE PAÇOS DE BRANDÃO ISPAB PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS NÃO TITULARES DE HABILITAÇÃO

Leia mais

INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO. Candidaturas para o Ano Académico 2011/2012

INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO. Candidaturas para o Ano Académico 2011/2012 INTERCÂMBIO DE ESTUDANTES AO ABRIGO DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO Candidaturas para o Ano Académico 2011/2012 Serviço de Cooperação com os Países Lusófonos e Latino-Americanos SCPLLA Endereço Reitoria da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO Instituto de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Comunicação REGULAMENTO DE ESTÁGIO Mestrado em Ciências da Comunicação Versão revista, aprovada em reunião da Comissão Coordenadora do Departamento

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior 1 Artigo 1º Objeto e âmbito O disposto no presente regulamento aplica-se aos ciclos de estudos conducentes ao

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP Guimarães confere o grau de Mestre em Animação Digital. O ciclo de estudos

Leia mais

GUIA PARA ACOLHIMENTO DE PESSOAL DE EMPRESA ERASMUS. Missões de Ensino e Formação no IPV 2010/11

GUIA PARA ACOLHIMENTO DE PESSOAL DE EMPRESA ERASMUS. Missões de Ensino e Formação no IPV 2010/11 GUIA PARA ACOLHIMENTO DE PESSOAL DE EMPRESA ERASMUS Missões de Ensino e Formação no IPV I 2010/11 11 1 GUIA ERASMUS PARA ACOLHIMENTO DE PESSOAL DE EMPRESA 2010/11 -Mis Missões sões de Ensino e Formação

Leia mais

Regulamento dos Regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência

Regulamento dos Regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência Regulamento dos Regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência A Portaria n 401/2007, de 5 de Abril, aprova o Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL Universidade da Madeira O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído pelo Decreto- Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org

Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica. Ano Letivo 2013-2014. www.ipiaget.org Instituto Piaget Campus Académico de Vila Nova de Gaia Escola Superior de Saúde de Vila Nova de Gaia www.ipiaget.org Ano Letivo 201-201 Regulamento Cursos de Especialização Tecnológica Índice Artigo 1º

Leia mais

Regulamento das Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos

Regulamento das Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos Regulamento das Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos O Decreto-Lei nº64/2006, de 21 de Março, regulamenta as provas especialmente adequadas destinadas a avaliar

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

Anexo 7 CTC 25/1/2012

Anexo 7 CTC 25/1/2012 Anexo7 CTC25/1/2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE LISBOA Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso da Escola Superior de Educação de Lisboa

Leia mais