ALFREDO MONTES: VESTÍGIOS DE UM PROFESSOR DE INGLÊS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALFREDO MONTES: VESTÍGIOS DE UM PROFESSOR DE INGLÊS"

Transcrição

1 ALFREDO MONTES: VESTÍGIOS DE UM PROFESSOR DE INGLÊS Simone Silveira Amorim 1 / UFSE RESUMO Nas últimas décadas, o desenvolvimento de pesquisas sob a égide dos pressupostos teóricos da Nova História Cultural tem trazido uma ampliação do elenco das fontes a serem utilizadas nos trabalhos em História da Educação. Da mesma forma, os estudos biográficos têm demonstrado seu valor no sentido de que, através da análise da trajetória de um personagem, pode-se reconstruir o passado com vistas a compreendermos os acontecimentos relacionados com a área educacional. É através dessas considerações que se pretende corroborar a importância do uso de biografias como fonte de estudo no campo da História da Educação, analisando-se a trajetória de Alfredo de Siqueira Montes, o primeiro professor da cadeira de inglês da Escola Normal de Sergipe, e que esteve envolvido não só na implantação da cadeira, mas também foi figura influente no cenário educacional sergipano. Palavras-chave: biografia, Nova História Cultural, cadeira de inglês, Escola Normal, História da Educação. ALFREDO MONTES: TRACES OF AN ENGLISH TEACHER ABSTRACT In the last decades, the development of researches based on the New Cultural History theories have been broaden the number of sources to be used in works related to the History of 1 Mestranda em Educação do NPGED/UFS sob a orientação da Profª. Drª. Anamaria Gonçalves Bueno de Freitas Integra o Grupo de Estudos e Pesquisas em História da Educação: Intelectuais da Educação, Instituições Educacionais e Práticas Escolares do Núcleo de Pós-Graduação em Educação da UFS.

2 Education. Likewise, the biographical studies have shown their value bearing in mind that, throughout the analysis of someone s life, it is possible to rebuild the past in order to understand the facts related to the educational major. Thru these considerations we intend to reinforce the importance of biographies as a source in the major of the History of Education, analyzing the life history of Alfredo de Siqueira Montes, the first English teacher at Escola Normal, who was involved not only in introducing the new subject, but was also a very influent person in the educational setting. Key-words: biography, New Cultural History, English specialty, Escola Normal, History of Education. Estudos recentes têm comprovado que muito foi realizado durante o século XIX e que muitos frutos plantados durante esse século foram colhidos no século XX, haja vista a educação feminina que se iniciou de forma revolucionária com as Escolas Normais, a partir da década de 1830, e que culminou com a inserção das mulheres no ensino superior e conseqüentemente no mercado de trabalho formal. Esta afirmação pode ser comprovada através de estudos realizados de acordo com os pressupostos teórico-metodológicos da História da Educação e da Nova História Cultural. Neste sentido, entende-se a importância dos estudos biográficos para a compreensão da configuração do trabalho docente no século XIX em Sergipe. O fato é que, a partir da década de 1980, começou a se instaurar uma verdadeira revolução no fazer histórico com o advento da Nova História Cultural trazendo consigo um alargamento das fontes a serem utilizadas pelos historiadores. Um dos grandes problemas a atormentar os que trabalham a história da educação pela via da cultura escolar é o de fontes, porque, salvo quanto aos atos institucionais formais e os do sistema educativo, os demais raramente se reduzem a termo escrito. Daí a busca por fontes alternativas, que incluem a iconografia, a oralidade e plantas arquitetônicas. Mesmo entre as fontes escritas, muitas aparecem com o ar de alternativas para os profissionais da área, como os cadernos de exercícios escolares, os diários de classe e outros do tipo (CASTANHO, 2000, p. 9). Segundo Warde, entre as disciplinas que compõem o campo dos estudos educacionais superiores, é a História da Educação que apresenta as mudanças mais significativas nos últimos anos (2003, p. 47). A importância da Nova História Cultural sobre os estudos de

3 História da Educação no Brasil se dá pela incorporação e redefinição através da incorporação e da redefinição de problemas, temas e objetos de estudos, como que relegados aos historiadores da educação (NUNES e CARVALHO, 1993, p. 37). Esse casamento entre a Nova História Cultural e a História da Educação veio dar um novo vigor à historiografia que pode agora nos ajudar, através dos vestígios colhidos das mais variadas fontes, a compreender melhor o que ocorria no campo educacional em uma determinada época. Mas é necessário ressaltar que A história cultural continuará sendo história cultural, interessada no estudo da teia simbólica tecida pelas sociedades humanas. A história da educação seguirá sendo história da educação, preocupada com o estudo no tempo e no espaço do fenômeno educativo em mudança. Mas ao estudar as práticas e representações dos atores e instituições educativas, a história da educação estará filtrando para dentro de seu próprio campo, numa espécie de processo osmótico, temáticas e olhares antes específicos da história cultural, não importa em qual das modalidades das muitas que pontilharam seu itinerário (CASTANHO, 2000, p. 9). No que diz respeito à educação feminina e a criação das Escolas Normais, essa iniciativa passou por diversos processos. Segundo Azevedo (1976), com a descentralização do ensino, através do Ato adicional de 1834, as Províncias passaram a ter o direito de promover a educação primária e secundária. A partir de então foram sendo estabelecidas as primeiras escolas normais no Brasil. A primeira a iniciar os seus trabalhos foi na cidade de Niterói em 1835 e essa província teve o papel de laboratório de práticas que foram estendidas a todo o país por causa da supremacia, a nível nacional, que os políticos fluminenses exerciam. Pouco tempo depois, em 1836, começa a funcionar a escola normal da Bahia e em seguida a do Ceará, em A necessidade da formação de professores em uma instituição de ensino especializada foi questionada durante as décadas de 1850 e Na verdade, durante o século XIX, os governadores das províncias ameaçavam fechar as portas das escolas normais sempre que havia outras prioridades em suas administrações e, conseqüentemente, em seus orçamentos. Algumas delas tiveram suas portas fechadas em várias ocasiões. Nessas fases de instabilidade as velhas fórmulas de prover as cadeiras vagas no magistério por meio dos concursos e/ou da utilização dos professores adjuntos passavam a substituir o investimento na formação (VILLELA, 2000, p. 113). E é nesse contexto que os diretores dessas instituições sentiram o quão difícil era manter um curso que não era valorizado pelos próprios dirigentes das

4 províncias. Por outro lado, freqüentemente, pessoas pouco preparadas para a função do magistério prestavam concursos sem maiores exigências e assumiam as cadeiras de ensino. Além disso, por muitas vezes, esses concursos já tinham seus candidatos indicados, ficando conhecidos como concursos de palácio. No entanto, a fase que se inicia a partir da década de 1970 é testemunha de uma revalorização das escolas normais. Em Sergipe, os anos de 1870 foram marcados por tentativas de implantação, organização e aperfeiçoamento da educação para professores primários. Naquela década, à medida que os presidentes se sucediam, também eram feitas mudanças, não somente no currículo, mas também na duração do curso. É nesse contexto que o diretor da instrução pública, no relatório de 4 de março de 1872, constata que o curso não oferece as melhores esperanças para satisfazer essa necessidade, chamando a atenção para a baixa freqüência ao mesmo. Nos anos que se seguiram, observa-se a preocupação constante com a Escola Normal: questiona-se o currículo, a necessidade da fiscalização das aulas e a avaliação do trabalho do professor. Em 1877 foi criada pelo Diretor Geral da Instrução Pública, Manuel Luís, uma Escola Normal feminina já que se acreditava que a mulher estaria mais habilitada para exercer o magistério primário. Também foi criada, no mesmo ano, uma outra escola normal sediada no Asilo N. S. da Pureza (extinto em 1891) pelo então presidente João Ferreira de Araújo Pinho (VALENÇA, 2002, p. 12). Até então não há registros da disciplina inglês no currículo da Escola Normal, mas apenas no curso de humanidades do Atheneu Sergipense. Quanto à instituição escolar, podemos afirmar que a mesma está permeada por discursos, inclusive da sociedade em geral. As configurações que estão implícitas nos mesmos são determinantes no sentido de que elas direcionam a cultura escolar e a ação dos professores. Por conseguinte, é imprescindível analisar o papel daqueles que têm o encargo de transmitir conhecimentos dentro do contexto em que cada um deles se inserem, bem como o dos seus semelhantes e da sociedade como um todo, levando em conta que o corpo docente de uma instituição é parte essencial na consecução da transmissão de uma cultura escolar pensada para uma determinada época. Segundo Frago e Escolano (1998), faz-se obrigatória a delimitação, ordenação e seqüenciamento daquilo que se quer transmitir, ensinar ou apreender. É nesse sentido que se encontra a ação do corpo docente de uma instituição. Neste trabalho pode-se analisar a

5 trajetória do professor Alfredo Montes, que dedicou sua vida à instrução, desde o momento em que passou no concurso para a prestigiosa posição de lente do Atheneu no ano de 1877 até os últimos dias da sua vida e conseqüente morte em agosto de É importante salientar que, mesmo antes de se tornar lente de inglês, Alfredo Montes exerceu o cargo de chefe de seção da Secretaria de Governo, fato este que já lhe concedia bastante prestígio na vida política sergipana. No ano de 1877, no dia 22 de junho, foi realizado concurso para a cadeira de inglês do Atheneu cuja vaga foi preenchida por Alfredo de Siqueira Montes (SOUSA, 2002, p. 23). A sua posse deu-se a 3 de julho de O mesmo ocupou por algum tempo a mesma cadeira na Escola Normal, a partir de abril de 1882 (GUARANÁ,1925, p. 10). Durante as provas para o concurso para ocupar a cadeira de inglês, houve uma polêmica entre ele e seu concorrente, Hormecindo Mello, demonstrando a disputa pelo poder político presente nos concursos para a prestigiosa posição de Lente da Congregação do Atheneu. Após a sua aprovação, ele se tornou um dos mais influentes e importantes lentes dessa instituição, pois foi eleito secretário da Congregação em 1882 e também fez parte das comissões de exames finais de Inglês, Francês, Latim, Português, Geografia, e Filosofia. No ano de 1882 mais um desafio se pôs à sua frente: implantar a primeira Cadeira de Inglês da recém criada Escola Normal. Mas isso não o assustava, pois Perante as perplexidades, os sujeitos esclarecidos produzem sentidos e possibilidades para a Escola Normal, propõem novo começo e futuro iminente (MONARCHA, 1999, p. 112). Ao buscar perceber as relações de interdependência estabelecidas pelo Professor Alfredo Montes no decorrer de sua trajetória, os documentos já localizados, apresentam situações de enfrentamento e expressam relações de força serão analisadas a partir das proposições de Carlo Ginzburg: Mas, ao avaliar as provas, os historiadores deveriam recordar que todo ponto vista sobre a realidade, além de ser intrinsecamente seletivo e parcial, depende das relações de força que condicionam, por meio da possibilidade de acesso à documentação, a imagem total que uma sociedade deixa de si. (...) é preciso aprender os testemunhos às avessas, contra as intenções de quem os produziu. Só dessa maneira será possível levar em conta tanto as relações de força quanto aquilo que é irredutível a elas. (...) Os instrumentos que nos permitem compreender culturas diversas da nossa são os instrumentos que nos permitem

6 compreender culturas diversas da nossa são os instrumentos que nos permitirão dominá-las (GINZBURG, 2002, p. 43). Em 30 de dezembro de 1889, Alfredo Montes foi convidado para compor uma comissão, juntamente com Gumercindo Bessa e Tomás Leopoldo, com o objetivo de orientar o presidente Felisbelo Freire na reforma educacional a ser feita durante o seu governo. Ela teria uma missão árdua e penosa, pois deveria encontrar um meio de retirar das salas de aula os professores que não fossem habilitados para estar nelas, respeitando os direitos já adquiridos pelos mesmos desde que não houvesse sacrifício pecuniário para o Estado. Deveria apontar o melhor método educacional a ser utilizado nas escolas de primeiro grau bem como os livros que deveriam ser adotados e também especificar os meios mais eficientes de levar os professores a exercer com dignidade as suas funções. Conseqüentemente, seriam muitas as nuances a serem levadas em consideração. Durante os trabalhos, a Comissão se desentendeu no que dizia respeito pontos importantes: (...) a obrigatoriedade do ensino elementar, a educação dos sentidos e a adoção de método objetivo nas escolas primárias, a elevação do nível intelectual e moral dos professores, o ensino profissional, a severa fiscalização do magistério e a divisão das escolas em rústicas e urbanas, sendo estas subdivididas em 1º e 2º graus (NUNES, 1984, p. 178). Após apenas um mês de trabalho, Gumercindo Bessa se desligou da Comissão por defender e discordar dos rumos que seriam dados aos pontos acima expostos. Felisbelo Freire elaborou a Reforma contida no Regulamento oficializada pelo Decreto de 12 de março de 1890, com base em diversos pontos levantados pelo projeto educacional em que o professor Alfredo Montes estava inserido. Salienta-se a importância daquela reforma por sua originalidade. Ele também esteve envolvido em polêmicas, pois, em maio de 1898 foi jubilado pelo fato de ter enviado, juntamente com outras pessoas, um telegrama a diversas autoridades em todo o Brasil denunciando o fato de que o Presidente Martinho Garcez ter instalado sua amásia no Palácio do Governo. Ele foi considerado moralmente incapaz para exercer sua posição de Lente por fazer ostentação de menospreço dos poderes constituídos, recusando-lhes obediência.

7 Duro golpe para aquele que já havia sido Diretor da Instrução Pública, que via na condição de pessoa pública a obrigação de cultivar os conceitos morais e que foi tolhido no seu direito de fazer aquilo de que mais gostava: ensinar. De acordo com Carlos Monarca: A liberdade sujeitar-se à condição humana efetiva-se mediante o desenvolvimento intelectual, compreendido como clareação. Em outras palavras, o administrador público, enquanto ideólogo, busca instaurar uma síntese harmônica das forças morais e jurídicas, reunindo as vantagens do estado natural e do estado civil: a liberdade mantém o homem isento do vício e a moralidade o eleva à virtude. Trata-se, assim, de tornar policiado e civilizado aquilo que não o é (MONARCHA, 1999, p.76). Mas, em agosto de 1900, retornou ao cargo e em 1903 entrou com uma ação civil para receber os benefícios pecuniários do seu cargo, pois durante o período em que ficou jubilado ele estava percebendo remuneração proporcional ao seu tempo de serviço. A princípio ele perdeu a ação, mas recorreu da decisão através de seu advogado, Gumercindo Bessa, e obteve uma sentença favorável em Infelizmente não pôde usufruir do dinheiro, pois morreu em agosto de 1906 e, na ocasião, foi homenageado por proposta de alguns de seus alunos, dentre eles Gentil Tavares da Motta e Clodomir Silva. Estes mesmos alunos sugeriram que fosse inaugurado um retrato de Montes no salão nobre do Atheneu no dia 18 de maio de Dentre outros, estava presente o presidente Rodrigues Dória. A aposição de retratos nos ambientes escolares é destacado por Rosa Fátima de Souza: O retrato torna-se, assim, um elemento de decoração das escolas públicas. Porém, não somente isso. Além de homenagem, o retrato ratifica a história social e política do Estado e da localidade e constrói uma memória que articula a história social com a história da instituição (SOUZA, 1998, p.136). Além de trabalhar na Escola Normal e ocupar importantes cargos públicos, Alfredo Montes criou e manteve um estabelecimento de ensino particular, o Ginásio Sergipense, que funcionou sob sua direção apenas no período de 1888 a Como sua paixão era o magistério, não se eximiu de lecionar inglês e quando precisou se afastar da instituição foi seu filho Alfredo Junior que assumiu a direção da instituição e velou para que o projeto educacional do seu pai idolatrado continuasse a formar a mentalidade sergipana.

8 O trabalho sério e competente de Montes ficou marcado na memória de alguns de seus alunos que vieram a ser intelectuais sergipanos como Gilberto Amado e Carvalho Neto. Este rememora uma aula de inglês no Colégio situado à Rua da Frente e dirigido por Alfredo Montes Junior, filho mais velho de Montes, em que se distraiu a olhar o vapor Esperança que singrava as águas calmas do rio que podia ser visto pela janela da sala. O fato é que, por conta de sua desatenção, o professor Alfredo Montes havia interrompido a aula e aguardava em silêncio que o seu aluno voltasse seu olhar para o mestre e prestasse atenção ao assunto que estava sendo ministrado. Carvalho Neto descreve como prática constante de Montes o fato de observar cada um de seus discípulos, conhecê-los, despertar suas energias para então guiá-los. Segundo Carvalho Neto, fazendo uso da psico-pedagogia, ele media os níveis mentais, classificava os retardados desatentos, preguiçosos, deficitários de qualquer sorte. Após essas ações ele conversava com os pais sobre a capacidade e possibilidades dos alunos em questão. Apesar de ter vivido em uma época em que o uso da palmatória era comum, Montes preferia ter conversas paternais e persuasivas mesmo com aqueles alunos considerados rebeldes aos estímulos do bem (CARVALHO, 1945, p. 13). A descrição deste acontecimento nos dá indícios de que esta teria sido uma aula qualquer e até mesmo uma situação corriqueira se seu professor não agisse de maneira pouco usual para a época, pois Dera-me o acatado mestre, com o seu silêncio intencional, uma reprimenda de luvas de pelica... (CARVALHO, 1945, p. 17). Segundo Vago, esta atitude do professor em questão demonstra uma permanente tentativa de controle de seus movimentos [das crianças] nos espaços e tempos escolares (VAGO, 2002, p. 125). Objetivando perceber as representações que Montes deixou na memória dos que conviveram como ele podemos afirmar que: É do crédito concedido (ou recusado) à imagem que uma comunidade produz de si mesma, portanto de seu ser percebido, que depende a afirmação (ou a negação) de seu ser social. O porquê da importância da noção de representação, que permite articular três registros de realidade: por um lado, as representações coletivas que incorporam nos indivíduos as divisões do mundo social e organizam os esquemas de percepção a partir dos quis eles classificam, julgam e agem; por outro, as formas de exibição e de estilização da identidade que pretendem ver reconhecida;enfim, a delegação a representantes (indivíduos particulares, instituições, instâncias abstratas) da coerência e da estabilidade da identidade assim afirmada. A história da construção das identidades sociais

9 encontra-se assim transformada em uma história das relações simbólicas de força (CHARTIER, 2002, p.10-11). Além disso, Carvalho Neto afirmou que deve sua formação aos dois Alfredo Montes (pai e filho), especialmente ao velho Montes, descrevendo o mestre como tendo: Estatura acima de médio, torso alevantado, cabeça longa e bem constituída, firme o pescoço sobre ombros largos. Órbitas de leve cavadas, sob o veludo de sobrancelhas regulares, velando um meigo e doce olhar. Nariz reto, proporcionado; boca discreta, sob bigodes caindo aos cantos. Queixo forte, tomado em ponta por um andó petulante, que lhe dá à fisionomia um grave aspecto, quase severo. E vem andando... passo seguro, medido, cronométrico. Colarinho alvíssimo, fechado, alto, circundado por uma gravata preta, laço cheio, plastron. Casaco escuro sobre colete branco, de fustão; calças de lista; botinas negras, bem lustradas, rangindo... E juntando-se a estes traços uma tez róseo-ambar e grisalhos cabelos; dir-se-ia que contemplo, nos seus tons de antiga, remota e evocadora oleografia de Rembrandt, representando um desses austeros tipos de reitor de Universidade, em épocas mortas... (CARVALHO Neto, 1989b, p ). O continuador de sua obra, Alfredo Montes Junior, ao criar a Sessão Demostênica nas dependências do Ginásio Sergipense e que objetivava criar nos alunos o gosto da escrita e da eloqüência erudita, perpetuou o legado educacional dos Montes, pois que trouxe uma grande significação no sentido de transformá-los em grandes oradores (CARVALHO Neto, 1989b, p ). No seu livro História da minha infância, Gilberto Amado também deixou registrada a representação que ficou guardada na sua memória a respeito do seu respeitável professor. Eu tomava lições particulares com Alfredo Montes, de inglês, e com Teixeira de Faria, de matemáticas. Entrei com essa condição [no Colégio Oliveira]. Oliveira não gostou, mas meu pai queria que eu aprendesse de verdade. Era impossível deixar de aprender com Alfredo Montes e Teixeira de Faria. (...) Serviu-me muito ainda a caminha de manhã, do colégio, com um livro na mão, para a casa de um e de outro, rua da Frente abaixo (AMADO, 1999, p.163). O jornal A Razão, da cidade sergipana de Estância, prestou sua homenagem ao mestre a quem uma geração inteira, que recebeu os seus ensinamentos e que o adorava, hoje pranteia d alma. Ressaltou as qualidades de Alfredo Montes chamando-o de querido e bondoso mestre, como também pae amantíssimo, cavalheiro de tempera superior, caráter de uma candura admirável e mestre, mestre de uma competencia inegualavel (Professor Alfredo Montes. Jornal A Razão Ano XIII. Nº 30. Estância, 5 de agosto de 1996, 3).

10 As homenagens não cessaram na época do seu falecimento, pois no dia 18 de maio de 1910 foi inaugurado no salão nobre do Atheneu um retrato seu, estando na solenidade o presidente Rodrigues Dória (NASCIMENTO, 2003b). Alfredo de Siqueira Montes foi o típico exemplo de uma pessoa que, quando tem certeza do que realmente quer, procura caminhos para alcançar seus objetivos. Sua vida, representada por uma infância iniciada na cidade de Socorro, com a mudança para São Cristóvão para estudar com Graciliano Aristides do Prado Pimentel e em seguida mudando para a recém transferida capital da província para dar continuidade aos seus estudos, seu forte desejo de se tornar professor demonstram sua singularidade, o caráter e força de vontade do mesmo. Sua história de vida e formação no magistério marcou não somente seus alunos, de forma específica, mas alcançaram aqueles que de alguma maneira estiveram ao seu redor. Sua trajetória, certamente, ainda terá muito que nos contar. No seu livro Templos de Civilização: a implantação da escola primária graduada no Estado de São Paulo ( ), Souza afirma que esse comportamento dos professores fazia parte da cultura escolar que se queria implantar durante a República. Os reformadores da instrução pública republicana inspiraram-se nos modernos dispositivos disciplinares advogados pela pedagogia moderna e em uso nas escolas públicas estrangeiras. Tais dispositivos substituíram os castigos físicos pela emulação e persuasão amistosa (SOUZA, 1998, p. 147). Estas considerações a respeito das instituições escolares demonstram a força e a importância dos seus professores na consecução da cultura escolar que se pretendia inculcar nas mentes e no comportamento dos alunos que por elas passavam. Pois a escola pública, se constituía não só como o lugar onde se ensinavam os valores cívicos, mas como instituição guardiã desses valores, cuja ação moral e pedagógica se estendia para toda a sociedade (SOUZA, 1998, p. 268). Além disso, os fatos relativos ao professor Alfredo Montes nos dão indícios suficientes de que havia uma fomentação no contexto educacional muito grande durante o século XIX e início do século XX. A História da Educação ainda tem muito a reconstruir através dos pesquisadores que se arvoram a contestar verdades que se transformaram em monumentos e que, de fato, estão equivocadas. No mais, O avanço dos estudos em História da Educação no Estado de Sergipe, na última década, permite, provisoriamente, uma única conclusão: há muito por fazer (...) (NASCIMENTO, 2003a, p. 79).

11 BIBLIOGRAFIA E FONTES AMADO, Gilberto História da minha infância. São Cristóvão: EDUFS/. Fundação Oviêdo Teixeira. AZEVEDO, Fernando de A cultura brasileira. Parte III. 5ª. ed. São Paulo: Melhoramentos/ Brasília: INL. BONTEMPI Junior, Bruno História da educação brasileira: o terreno do consenso. São Paulo, PUC. Dissertação Mestrado em Educação. CARVALHO NETO, Antonio Manuel de Alfredo Montes: grande educador. In: Revista da Academia Sergipana de Letras. Separata n. 12. Aracaju: S/ed. CARVALHO Neto, Paulo de. 1989b. Um precursor do direito trabalhista. Cartago Editorial Limitada, 2ª edição. São Paulo. CASTANHO, Sérgio Questões teórico-metodológicas de História Cultural e Educação. In: Anais do I Congresso Brasileiro de História da Educação. Rio de Janeiro: SBHE. CD Rom. CHARTIER, Roger À beira da falésia: a história entre incertezas e quietudes. Porto Alegre: Editora da UFRGS. Documento n. 2 da apelação civil contra a fazenda pública do Estado. Arquivo Geral do Judiciário. Fundo JU/C. TJ. Série Cível. Período Acervo:01. Módulo III. Nº Geral FRAGO, Antonio Viñao e ESCOLANO, Augustín. Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. Trad. Alfredo Veiga Neto. Rio de Janeiro: DP&A GINZBURG, Carlo Relações de Força: História, retórica, prova. São Paulo: Ed. Companhia das Letras.

12 GUARANÁ, Armindo Dicionário Bio-bibliográfico Sergipano. Governo de Sergipe/Rio de Janeiro: Pongetti. MONARCHA, Carlos Escola Normal da Praça: o lado noturno das luzes. Campinas: Editora da Unicamp. NASCIMENTO, Jorge Carvalho do, 2003a. Historiografia educacional sergipana: uma crítica aos estudos de História da Educação. São Cristóvão: Grupo de Estudos e Pesquisas em História da Educação/NPGED/UFS. NASCIMENTO, Jorge Carvalho do. 2003b. Alfredo Montes e o primeiro concurso para a cadeira de inglês do Atheneu. Cinform. Edição 1061, Aracaju de agosto. NUNES, Maria T História da Educação em Sergipe. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Relatório da Instrução Pública: NUNES, Clarice e CARVALHO, Marta Maria Chagas de Historiografia da educação e fontes. In: Cadernos ANPED. Belo Horizonte (5). p Professor Alfredo Montes. Jornal A Razão Ano XIII. Nº 30. Estância, 5 de agosto de 1996, p. 3. SOUZA, Rosa Fátima de Templos de Civilização: a implantação da escola primária graduada no Estado de São Paulo ( ). São Paulo: Fundação Editora da Unesp. SOUSA, Deyci Lucide de O Ensino de Inglês em Sergipe Durante o Império. São Cristóvão, UFS. Relatório Final. TOLEDO, Maria Rita de Almeida Fernando de Azevedo e a Cultura Brasileira ou as Aventuras e Desventuras do Criador e da Criatura. São Paulo, PUC. Dissertação Mestrado em Educação. THOMPSON, E. P A miséria da teoria. Rio de Janeiro; Zahar Editores, VAGO, Tarcísio Mauro Cultura escolar, cultivo de corpos: Educação Physica e Gymnastica como práticas constitutivas dos Corpos de crianças no ensino público primário de Belo Horizonte ( ). Bragança Paulista: Edusf. VALENÇA, Cristina de A Perfil Histórico e Antropológico do Desenvolvimento Urbano de Aracaju : a educação da mulher e a Escola Normal em Aracaju Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC)-CNPq/UFS. VILLELA, Heloisa de O.S O mestre-escola e a professora. In: LOPES, Eliane Marta T. et alli. 500 Anos de Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica. pp

13 WARDE, Mirian Jorge Historiografia da Educação Brasileira: mapa conceitual e metodológico (dos anos 70 aos anos 90). In: Revista do Mestrado em Educação. Fev./Jun. São Cristóvão, NPGED/UFS. p

PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES SOBRE A FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS: UM OLHAR SOBRE O CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (1956 1971)

PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES SOBRE A FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS: UM OLHAR SOBRE O CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (1956 1971) PRIMEIRAS APROXIMAÇÕES SOBRE A FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS: UM OLHAR SOBRE O CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (1956 1971) Gilvânia Andrade do Nascimento 1 Simone Silveira Amorim 2 GT. 8 Espaços Educativos,

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999.

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. Ana Paula Pupo Correia* O livro de Anne-Marie Châtelet, 1 O nascimento

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

ANÍSIO TEIXEIRA E AS POLÍTICAS DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES NO RIO DE JANEIRO (1931-1935) E NA BAHIA (1947-1951)

ANÍSIO TEIXEIRA E AS POLÍTICAS DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES NO RIO DE JANEIRO (1931-1935) E NA BAHIA (1947-1951) ANÍSIO TEIXEIRA E AS POLÍTICAS DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES NO RIO DE JANEIRO (1931-1935) E NA BAHIA (1947-1951) DÓREA, Célia Rosângela Dantas Universidade do Estado da Bahia UNEB 1. INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM MÉDICO EDUCADOR EM SERGIPE. (1913-1935)

MEMÓRIAS DE UM MÉDICO EDUCADOR EM SERGIPE. (1913-1935) MEMÓRIAS DE UM MÉDICO EDUCADOR EM SERGIPE. (1913-1935) Cristina de Almeida Valença* A educação em Sergipe, nas primeiras décadas republicanas, é alvo de um efervescente movimento de idéias conhecidas como

Leia mais

LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA

LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA LIVROS PARA A ESCOLA NORMAL NO PARANÁ: MODELOS E PROJETOS SOCIAIS SE VIABILIZAM NA ESCOLA Marlete dos Anjos Silva Schaffrath 13 Maria Elisabeth Blanck Miguel 14 Faculdade de Artes do Paraná Área: História

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO N. o 30 10 de Fevereiro de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 1095 ANEXO IV (a que se refere o n. o 7 do anexo II) No quadro das iniciativas destinadas a alcançar tal desiderato, e em paralelo com a revisão

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA.

A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA. A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA. Luciane C. G. Ribeiro 1, Fátima Maria Neves 2, UEM/PR Eixo temático nº 2 - História da profissão docente e das instituições escolares

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO

O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO O COLÉGIO ESTADUAL PRESIDENTE VARGAS DE DOURADOS E O SEU LABORATÓRIO (1958-1971) Inês Velter Marques Mestranda em Educação /Linha História, Memória e Sociedade/Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)/Programa

Leia mais

Plano Estadual de Educação está disponível para consulta pública

Plano Estadual de Educação está disponível para consulta pública Veículo: Portal Agência Alagoas Data: 15/05/2015 Coluna/Editoria: EDUCAÇÃO Página: On-line Agência Alagoas Plano Estadual de Educação está disponível para consulta pública Documento está disponível no

Leia mais

CURRICULUM VITAE EROS PICELI

CURRICULUM VITAE EROS PICELI CURRICULUM VITAE DESEMBARGADOR EROS PICELI Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo DGJUD 1.2 - Serviço de Publicações e Divulgação Dados Pessoais Desembargador EROS PICELI Filiação: José Piceli Maria

Leia mais

HISTÓRIA, EDUCAÇÃO E ARQUITETURA: UM DIÁLOGO POSSÍVEL.

HISTÓRIA, EDUCAÇÃO E ARQUITETURA: UM DIÁLOGO POSSÍVEL. HISTÓRIA, EDUCAÇÃO E ARQUITETURA: UM DIÁLOGO POSSÍVEL. Maria Helena Pupo Silveira 1 Secretaria de Estado da Educação do Paraná maripupo@ig.com.br EIXO: Patrimônio educativo e cultura material escolar PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO

TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO ULISSES F. ARAÚJO TEMAS TRANSVERSAIS, PEDAGOGIA DE PROJETOS E AS MUDANÇAS NA EDUCAÇÃO Copyright 2004, 2014 by Ulisses F. Araújo Direitos

Leia mais

Nossa memória é nossa coerência, nossa razão, nossa ação, nosso sentimento. Sem ela, somos nada." Luis Buñuel, cineasta

Nossa memória é nossa coerência, nossa razão, nossa ação, nosso sentimento. Sem ela, somos nada. Luis Buñuel, cineasta 1 A HISTÓRIA NA EMPRESA: IDENTIDADES E OPORTUNIDADES Karen Worcman, graduada em História e mestre em Lingüística pela Universidade Federal Fluminense. Fundadora e diretora do Instituto Museu da Pessoa.

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO Elisa Machado Matheussi elisa@rla01.pucpr.br Sirley Terezinha Filipak sirley@rla01.pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná RESUMO Este estudo

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA ARQUIVO PÚBLICO MINEIRO INVENTÁRIO DO FUNDO AURÉLIO PIRES Revisão e Atualização Diretoria de Arquivos Permanentes Diretoria de Acesso à

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1º A Área de Concentração

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

A DESCRIÇÃO DO NOVO PERFIL PROFISSIONAL EXIGIDO EM PROCESSOS SELETIVOS DO RJ A ATUAÇÃO DO PROFESSOR- INTÉRPRETE NA EDUCAÇÃO DE SURDOS.

A DESCRIÇÃO DO NOVO PERFIL PROFISSIONAL EXIGIDO EM PROCESSOS SELETIVOS DO RJ A ATUAÇÃO DO PROFESSOR- INTÉRPRETE NA EDUCAÇÃO DE SURDOS. A DESCRIÇÃO DO NOVO PERFIL PROFISSIONAL EXIGIDO EM PROCESSOS SELETIVOS DO RJ A ATUAÇÃO DO PROFESSOR- INTÉRPRETE NA EDUCAÇÃO DE SURDOS. RENATA DOS SANTOS COSTA BORGES (INSTITUTO NACIONAL DE EDUCAÇÃO DE

Leia mais

Prefácio. Antonietta d Aguiar Nunes

Prefácio. Antonietta d Aguiar Nunes Prefácio Antonietta d Aguiar Nunes SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros NUNES, AA. Prefácio. In BOAVENTURA, EM. A construção da universidade baiana: objetivos, missões e afrodescendência [online].

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO: REFLEXÕES SOBRE AS CONTRIBUIÇÕES DA COMPANHIA DE JESUS

HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO: REFLEXÕES SOBRE AS CONTRIBUIÇÕES DA COMPANHIA DE JESUS HISTÓRIA DA ALFABETIZAÇÃO: REFLEXÕES SOBRE AS CONTRIBUIÇÕES DA COMPANHIA DE JESUS Ayala de Sousa Araújo 1 Universidade Federal de Sergipe - UFS Núcleo de Pós-Graduação em educação NPGED sousayala@gmail.com

Leia mais

EDITAL Nº. 02/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA - UFJF CURSO DE DOUTORADO - TURMA 2015

EDITAL Nº. 02/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA - UFJF CURSO DE DOUTORADO - TURMA 2015 EDITAL Nº. 02/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM - CURSO DE DOUTORADO - TURMA 2015 O Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Juiz de Fora Área

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES Resumo SILVA, Amanda Oech 1 - UEL Grupo de Trabalho: História da Educação Agência Financiadora: não

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores LEVANTAMENTO E ANÁLISE DAS NECESSIDADES DOCENTES DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 101/2008

RESOLUÇÃO N.º 101/2008 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 101/2008 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-graduação, nível Especialização, em SMS em Obras de Engenharia

Leia mais

SAÚDE MENTAL NAS ESCOLAS: REPENSANDO O ATO DE EDUCAR POR MEIO DO AMOR TRANSFERENCIAL

SAÚDE MENTAL NAS ESCOLAS: REPENSANDO O ATO DE EDUCAR POR MEIO DO AMOR TRANSFERENCIAL 1 SAÚDE MENTAL NAS ESCOLAS: REPENSANDO O ATO DE EDUCAR POR MEIO DO AMOR TRANSFERENCIAL NOME E ENDEREÇO COMPLETO DOS AUTORES: Diego Alonso Soares Dias Rua Pouso Alegre, 2442, apto 601, Bairro Santa Tereza,

Leia mais

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação 50.nutr@capes.gov.br DOCUMENTOS DA PRIMEIRA REUNIÃO DA COMISSAO PRO-TEMPORE DE ESTRUTURAÇÃO DA

Leia mais

PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR DO UNASP PCCSD - UNASP

PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR DO UNASP PCCSD - UNASP Texto Aprovado CONSU Nº 2008-08 - Data: 02/04/2008 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR DO UNASP Introdução: PCCSD - UNASP O PCCSD - UNASP é um documento

Leia mais

Diálogos intelectuais: a cooperação entre Brasil e Estados Unidos e a circulação das teorias psicológicas no campo da educação (1927-1935)

Diálogos intelectuais: a cooperação entre Brasil e Estados Unidos e a circulação das teorias psicológicas no campo da educação (1927-1935) Diálogos intelectuais: a cooperação entre Brasil e Estados Unidos e a circulação das teorias psicológicas no campo da educação (1927-1935) ANA CRISTINA S. M. ROCHA As décadas de 1920 e 1930 foram marcadas

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO. Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO

CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO. Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA Á EDUCAÇÃO Luis Carlos Azevedo 1 RESUMO Este artigo apresenta como objeto de as pesquisas sobre as Contribuições da Psicologia à Educação. O objetivo foi analisar a produção

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS A PRÁTICA MUSICAL NA ESCOLA PÚBLICA PAULISTA

POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS A PRÁTICA MUSICAL NA ESCOLA PÚBLICA PAULISTA POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS A PRÁTICA MUSICAL NA ESCOLA PÚBLICA PAULISTA Leila Guimarães dos Santos Dorotéa Machado Kerr RESUMO: Pretende-se discutir o papel do ensino da música nos diferentes períodos

Leia mais

EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA

EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA EDITAL 01/2012DH 2011.2 SELEÇÃO PARA MONITOR DE ENSINO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA A Direção do Departamento de História, no uso de suas atribuições, conferidas pela resolução CONSEPE 04/2001, torna público

Leia mais

The present study discusses the legacy of the last 30 years of the Special Education's

The present study discusses the legacy of the last 30 years of the Special Education's A educação inclusiva e a universidade brasileira Enicéia Gonçalves Mendes 1 egmendes@power.ufscar.br RESUMO O presente artigo aborda o legado de 30 anos da história da institucionalização da Educação Especial

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

Alfredo de Almeida Russell

Alfredo de Almeida Russell Diretoria-Geral de Comunicação e de Difusão do Conhecimento Acervo do Museu da Justiça Alfredo de Almeida Russell Natural da cidade do Rio de Janeiro, nasceu em 3 de agosto de 1875. Estudou no Colégio

Leia mais

Formação de Professores de História no período da República

Formação de Professores de História no período da República Formação de Professores de História no período da República Renata Sampaio de Hollanda Vitória Chérida Costa Freire Introdução O presente trabalho propõe-se descrever como se institucionalizou o primeiro

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO FACULDADE UNIÃO A avaliação institucional tem sido objeto de discussões na Faculdade Educacional de Ponta Grossa - Faculdade União e sempre foi reconhecida como um instrumento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS (Regimento Interno aprovado pela Comissão de Pós-graduação do IPEC em 25/08/2010 e pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

REDES PÚBLICAS DE ENSINO

REDES PÚBLICAS DE ENSINO REDES PÚBLICAS DE ENSINO Na atualidade, a expressão redes públicas de ensino é polêmica, pois o termo público, que as qualifica, teve suas fronteiras diluídas. Por sua vez, o termo redes remete à apreensão

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980

UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980 UMA LEITURA SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1980 ELAINE RODRIGUES (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ), ALLINE MIKAELA PEREIRA (PPE/UEM). Resumo Por

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

HISTÓRIA DO CURSO DE PEDAGOGIA UEL 1960 a 2005.

HISTÓRIA DO CURSO DE PEDAGOGIA UEL 1960 a 2005. 1 HISTÓRIA DO CURSO DE PEDAGOGIA UEL 1960 a 2005. Maria Luiza Macedo Abbud UEL Universidade Estadual de Londrina abbud@sercomtel.com.br Marta Regina Gimenez Favaro Weber UEL Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 046/2014

RESOLUÇÃO N.º 046/2014 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 046/2014 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização em Micropolítica da

Leia mais

MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com

MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com MARCAS DA AVALIAÇÃO DA MATEMÁTICA MODERNA: O SIGNIFICADO DAS PROVAS FRANÇA, Iara da Silva. PUCPR isfranca@gmail.com Resumo Historicamente o ensino da Matemática passou por diversas transformações e entre

Leia mais

O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2008/CONEPE Aprova criação do Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA

O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA Maria Cecilia Bueno Fischer 1 Fabiane Carpes 2 Resumo A pesquisa que apresentamos,

Leia mais

Art. 3º Cada Programa de Pós-Graduação é organizado em 1 (um) Corpo Docente e 1 (uma) Comissão de Pós-Graduação (CPG).

Art. 3º Cada Programa de Pós-Graduação é organizado em 1 (um) Corpo Docente e 1 (uma) Comissão de Pós-Graduação (CPG). 1 O Programa de Pós-Graduação do Observatório Nacional foi credenciado pelo parecer do Conselho Federal de Educação CFE, 05/73 de 22/01/73. Foi recredenciado pelo CFE, através do Parecer 755/93 de 06/12/93,

Leia mais

RESUMO. Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP, Campus Guarulhos. naravlp@yahoo.com.br. 2

RESUMO. Universidade Federal de São Paulo, UNIFESP, Campus Guarulhos. naravlp@yahoo.com.br. 2 A Era dos Testes e a Aritmética para o Ensino Primário: as mudanças na avaliação escolar em tempos da pedagogia científica Nara Vilma Lima Pinheiro 1 Wagner Rodrigues Valente 2 RESUMO Esse artigo analisa

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO

PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO LOCAL DOS ENCONTROS Campinas: POLICAMP Rua: Luiz Otávio, 1281 Parque Santa Cândida Campinas SP Fone: (19) 3756-2300

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

A CONSTRUÇÃO HISTÓRICO CULTURAL DA DEFICIÊNCIA E AS DIFICULDADES ATUAIS NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO

A CONSTRUÇÃO HISTÓRICO CULTURAL DA DEFICIÊNCIA E AS DIFICULDADES ATUAIS NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO A CONSTRUÇÃO HISTÓRICO CULTURAL DA DEFICIÊNCIA E AS DIFICULDADES ATUAIS NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO (2009) Taís Evangelho Zavareze Psicóloga - CRP 12/07644 - Brasil. Especialista em Avaliação Psicológica.

Leia mais

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG 1 O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG O presente trabalho apresenta resultados preliminares de uma

Leia mais

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO II DOS CENTROS

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO II DOS CENTROS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE DOS CENTROS SEÇÃO II DOS DEPARTAMENTOS Art. 10. Os Departamentos que desenvolverão atividades de ensino, NAS MODALIDADES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA, em nível de graduação

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Toda reforma implica um processo de readaptação da estrutura acadêmica vigente, composta principalmente

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Direito

Universidade Agostinho Neto Faculdade de Direito Workshop sobre a Formação Pós Graduada e Orientação Programa (Actualizado) Data de Realização: 10 de Fevereiro de 2011 Local: Auditório Maria do Carmo Medina Abertura: 15 horas Pelo Magnifico Reitor da

Leia mais

Atos do Poder Executivo

Atos do Poder Executivo Página 1 de 8 Marcelo Franca Alves De: "BDE on-line" Para: "BDE on-line" Enviada em: quarta-feira, 25 de agosto de 2004 17:39 Assunto: BDE on-line -

Leia mais

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA A GESTÃO DEMOCRÁTICA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Adriano Ribeiro¹ adrianopercicotti@pop.com.br Resumo: A gestão democrática do Projeto Político-Pedagógico na escola

Leia mais

Regulamento de 1890 e Provas de Concurso para Professores do Ensino Primário no Estado de Sergipe

Regulamento de 1890 e Provas de Concurso para Professores do Ensino Primário no Estado de Sergipe Regulamento de 1890 e Provas de Concurso para Professores do Ensino Primário no Estado de Sergipe Heloísa Helena Silva 1 Wilma Fernandes Rocha 2 RESUMO No presente artigo apresentamos o exame do Decreto

Leia mais

Casamento, Família e Felicidade: Gênero, código civil e jornais do século XX

Casamento, Família e Felicidade: Gênero, código civil e jornais do século XX Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP 22250-040 Tel.: (21) 9317-5380 Casamento, Família e Felicidade: Gênero, código

Leia mais

A EXPANSÃO DA ESCOLA PRIMÁRIA NO PIAUÍ (1930-1950): MENSAGENS GOVERNAMENTAIS E RELATÓRIOS DA EDUCAÇÃO

A EXPANSÃO DA ESCOLA PRIMÁRIA NO PIAUÍ (1930-1950): MENSAGENS GOVERNAMENTAIS E RELATÓRIOS DA EDUCAÇÃO A EXPANSÃO DA ESCOLA PRIMÁRIA NO PIAUÍ (1930-1950): MENSAGENS GOVERNAMENTAIS E RELATÓRIOS DA EDUCAÇÃO Camila Oliveira Neves¹- Universidade Federal do Piauí (UFPI) camilapeixes@hotmail.com Maria do Amparo

Leia mais

CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO E OS ANOS INICIAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFSM

CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO E OS ANOS INICIAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFSM CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO E OS ANOS INICIAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFSM Carla Vargas Pedroso - UFF e UFSM Sandra Lucia Escovedo Selles - UFF Agência Financiadora: CAPES

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

PROPOSTAS DE FORMAÇÃO OFERECIDAS ÀS PROFISSIONAIS DOCENTES DAS CRECHES DA UNICAMP

PROPOSTAS DE FORMAÇÃO OFERECIDAS ÀS PROFISSIONAIS DOCENTES DAS CRECHES DA UNICAMP PROPOSTAS DE FORMAÇÃO OFERECIDAS ÀS PROFISSIONAIS DOCENTES DAS CRECHES DA UNICAMP. Luciane Siqueira das Chagas Pina, Creche Área de Saúde (CAS-UNICAMP), Campinas, SP. lucianec@unicamp.br Este texto foi

Leia mais

HEITOR VILLA-LOBOS E A FORMAÇÃO MORAL DO POVO BRASILEIRO: O CANTO ORFEÔNICO

HEITOR VILLA-LOBOS E A FORMAÇÃO MORAL DO POVO BRASILEIRO: O CANTO ORFEÔNICO 163 HEITOR VILLA-LOBOS E A FORMAÇÃO MORAL DO POVO BRASILEIRO: O CANTO ORFEÔNICO Priscila Paglia Marlete dos Anjos S. Schaffrath RESUMO: Este estudo é o resultado da investigação, análise e registro de

Leia mais

REFORMA EDUCACIONAL E SISTEMA PÚBLICO DE ENSINO NO DISTRITO FEDERAL ENTRE AS DÉCADAS DE 1920 E 1930

REFORMA EDUCACIONAL E SISTEMA PÚBLICO DE ENSINO NO DISTRITO FEDERAL ENTRE AS DÉCADAS DE 1920 E 1930 REFORMA EDUCACIONAL E SISTEMA PÚBLICO DE ENSINO NO DISTRITO FEDERAL ENTRE AS DÉCADAS DE 1920 E 1930 André Luiz Paulilo / USP Introdução: objeto de estudo e objetivos de pesquisa As reformas do ensino público

Leia mais

de informantes que por meio de entrevistas forneceram dados de fases da escola e ajudaram na localização dos documentos não disponíveis nas

de informantes que por meio de entrevistas forneceram dados de fases da escola e ajudaram na localização dos documentos não disponíveis nas 163 7. Conclusão A presente pesquisa tomou como objeto a trajetória das transformações da Escola Técnica Estadual do Pará, impulsionadas pela implementação das políticas de educação profissional no Estado

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 23480.011516/2014-33 Assunto: Restrição de acesso: Providências adicionais: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente:

Leia mais

PEDAGOGIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO BRASIL: VICISSITUDES DOS DOIS ÚLTIMOS SÉCULOS

PEDAGOGIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO BRASIL: VICISSITUDES DOS DOIS ÚLTIMOS SÉCULOS PEDAGOGIA E FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO BRASIL: VICISSITUDES DOS DOIS ÚLTIMOS SÉCULOS Dermeval Saviani UNICAMP Eixo temático: 1. Políticas educacionais e movimentos sociais. Introdução O objetivo deste

Leia mais

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC)

Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Uma Análise da História da Matemática Apresentada nos Planos de Aulas para o Ensino Fundamental no Espaço da Aula do Portal do Professor (MEC) Rosana Rodrigues da Silva 1 GD5 História da Matemática e Cultura

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA REGULAR: UM ESTUDO SOBRE A VISAO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO

Leia mais

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Geral da Pós Lato Sensu da Universidade Estadual de Roraima. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO E REITOR PRO TEMPORE DA - UERR, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIAS DO MEIO AMBIENTE REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições

Leia mais

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR Autora: Lívia Costa de ANDRADE- liviacandrade@uol.com.br Orientadora: Sandra de Fátima OLIVEIRA sanfaoli@gmail.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS E DO TRABALHO Coordenadoria de Desenvolvimento de Recursos Humanos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS E DO TRABALHO Coordenadoria de Desenvolvimento de Recursos Humanos ANEXO 1 CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DO FATOR IV PRODUTIVIDADE 1 A avaliação do Fator Produtividade será realizada de acordo com as atividades de Ensino, Pesquisa, Extensão e Produção Intelectual, e Gestão,

Leia mais

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO

PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA REGULAMENTO TÍTULO I : DAS DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO II : DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Capítulo 1: Das atribuições do

Leia mais