ÍNDICE. Identificadores-Chave & Dados Adicionais. Normas Globais para Identificação Automática. Normas Globais para Mensagens Electrónicas Comerciais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. Identificadores-Chave & Dados Adicionais. Normas Globais para Identificação Automática. Normas Globais para Mensagens Electrónicas Comerciais"

Transcrição

1 SISTEMA DE NORMAS DA GS1 A Linguagem Global dos Negócios

2 ÍNDICE ÁREA CORPORATIVA: A Organização Internacional A Arquitectura do Sistema de Normas Globais GS1 A Arquitectura do Sistema GS1 em Portugal GS1 ECRservices Serviços prestados aos utilizadores Identificadores-Chave & Dados Adicionais 14 Normas Globais para Identificação Automática 21 Normas Globais para Mensagens Electrónicas Comerciais 25 Normas Globais para Ambientes de Sincronização de Dados 31 Normas Globais para a RFID Identificação por Rádio Frequência 35 3

3 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL A GS1 NO MUNDO É uma Organização Global formada por mais de 100 Organizações-Membro (OM) As OM representam mais de 1 milhão de empresas que operam em mais de 150 países Todos os dias são lidos, em todo o planeta, pelo menos 5 biliões de códigos de barras Na GS1, a nossa Visão é a de um mundo onde as coisas e a sua informação circulam de forma eficiente e em segurança para benefício dos negócios e melhoria da qualidade de vida das pessoas, todos os dias e em toda a parte. A nossa Missão é sermos um parceiro neutro, promotor do desenvolvimento e da implementação global de Standards/Normas, fornecendo as ferramentas, a credibilidade e a confiança necessárias para atingir a nossa Visão. A GS1 É UMA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL COM MAIS DE 30 ANOS DE EXPERIÊNCIA NA NORMALIZAÇÃO. ÁREA CORPORATIVA A GS1 opera em múltiplas indústrias representando mais de 20 sectores de actividade desde os FMCG (Fast Moving Consumer Goods) até à Saúde, Transportes e Defesa. O NOSSO SISTEMA DE NORMAS É: de adesão voluntária; o mais utilizado nas cadeias de valor em todo o mundo; representa todos os elos da Cadeia de Valor. COMPETÊNCIAS NUCLEARES O QUE É QUE NÓS SABEMOS FAZER MELHOR DO QUE NINGUÉM? STANDARDS GLOBAIS gerimos e desenvolvemos processos orientados para o utilizador de forma a entregar standards/normas de fácil implementação, quer para Indústria, quer para os Parceiros Tecnológicos. IDENTIFICAÇÃO somos proprietários de um sistema único de numeração de bens, serviços, activos e localizações que apoia e reforça os processos de automatização e segurança da cadeia de valor. GLOBALIDADE possuímos uma rede internacional de prestação de serviços de elevada qualidade que apoia a implementação de Standards/Normas junto dos associados. COMUNICAÇÃO desenvolvemos uma capacidade globalizada de comunicação que permite níveis de partilha de projectos e experiências muito eficazes dentro da própria GS1, com os nossos Associados, com os Parceiros Tecnológicos e todos Operadores da Cadeia de Valor. 5

4 O QUE SÃO STANDARDS/NORMAS? Standards são Normas. Normas são Acordos entre Parceiros. São regras ou orientações que todos podem aplicar, constituindo uma forma de medir, descrever ou classificar produtos ou serviços e, no nosso caso, reconhecidas internacionalmente. A ARQUITECTURA DO SISTEMA DE NORMAS GLOBAIS DA GS1 O SISTEMA GS1 É um conjunto de Normas integradas, abertas e globais, que contribui para a gestão eficiente das cadeias de valor. As Normas GS1 têm como base uma identificação única e inequívoca: Os Identificadores-Chave e os Dados Adicionais. As Normas GS1 permitem que a informação sobre os produtos, unidades de expedição, activos, localizações e serviços seja integrada nos sistemas centrais de informação das organizações, agilizando todos os processos negociais, incluindo o comércio electrónico e a rastreabilidade. a linguagem global dos negócios BENEFÍCIOS - Melhorar a Eficiência e a Visibilidade dos bens nas Cadeias de Valor SOLUÇÕES & SERVIÇOS QUE UTILIZAM AS NORMAS DA GS1 SOLUÇÕES: POS Gestão de Inventários Gestão de Activos Planeamento Colaborativo Rastreabilidade Facturação Electrónica, etc... SERVIÇOS GLOBAIS: GSMP - Global Standards Management Process - Informação contínua sobre a evolução das Normas do Sistema GS1 GEPIR - Global Electronic Party Information Register é uma base de dados que contém informação básica (códigos) de mais de 1,000,000 companhias em mais de 100 países. Este serviço é fornecido em parceria com as Organizações Membro Nacionais. GDD - Global Data Dictionary é o repositório que foi desenvolvido pela GS1 para apoiar o GS1 Business Message Standards e os Esquemas de Normas para GS1 XML. Formação e Acreditação entre outros. SERVIÇOS LOCAIS: Certificação Implementação Formação NORMAS GLOBAIS PARA IDENTIFICAÇÃO AUTOMÁTICA NORMAS GLOBAIS PARA MENSAGENS ELECTRÓNICAS COMERCIAIS NORMAS GLOBAIS PARA AMBIENTES DE SINCRONI- ZAÇÃO DE DADOS NORMAS GLOBAIS PARA IDENTIFICAÇÃO BASEADA NA TECNOLOGIA RFID Identificação rápida e inequívoca do Artigo, Activo, Localização ou Serviço Troca rápida, eficiente e inequívoca de informação comercial Dados normalizados e fiáveis para uma transacção comercial efectiva Maior precisão, rapidez e custo efectivo da visibilidade da Informação OS IDENTIFICADORES CHAVE GS1: GS1 CEP - Códigos de Empresa Portuguesa GS1 GTIN-8 - Códigos de Produtos de Dimensões Reduzidas GS1 GTIN-13 - Códigos de Coupons e Meios de Pagamento GS1 GLN - Códigos de Localização GS1 para a EDI NCR (Números de Circulação Restrita) - Códigos de Produtos de Peso e Quantidade Variável DADOS ADICIONAIS GS1: Data de Validade Lote Número de Série Quantidade Outros 7

5 A BASE DA ARQUITECTURA DO SISTEMA DE NORMAS GS1: CHAVES DE IDENTIFICAÇÃO ÚNICAS G T I N GS1 GTIN GLOBAL TRADE ITEM NUMBER G R A I GS1 GRAI GLOBAL RETURNABLE ASSET IDENTIFIER S S C C GS1 SSCC SERIAL SHIPPING CONTAINER CODE G S R N GS1 GSRN GLOBAL SERVICE RELATION NUMBER G L N GS1 GLN GLOBAL LOCATION NUMBER G D T I GS1 GDTI GLOBAL DOCUMENT TYPE IDENTIFIER G I A I GS1 GIAI GLOBAL INDIVIDUAL ASSET IDENTIFIER 560 E P C GS1 CEP CÓDIGO DE EMPRESA PORTUGUESA 560 9

6 A ARQUITECTURA DO SISTEMA GS1 EM PORTUGAL A GS1 EM PORTUGAL Fundada em 1985, a GS1 Portugal (CODIPOR - Associação Portuguesa de Identificação e Codificação de Produtos) é uma Associação privada, sem fins lucrativos, constituída por Fabricantes, Distribuição e Parceiros Tecnológicos, sendo a representante em Portugal da GS1. A GS1 Portugal é uma organização multi-sectorial que tem por objectivo: a gestão de SISTEMAS DE IDENTIFICAÇÃO E CODIFICAÇÃO que apoiam e reforçam as boas práticas de gestão e que conduzem à Normalização de sistemas/operações nos sectores da Indústria, Comércio e Serviços. oferece um portfólio de produtos, soluções e serviços que contribuem para a melhoria, eficiência e visibilidade das cadeias de valor, baseado na utilização de Normas. A NOSSA VISÃO A nossa Visão é a de um Mundo onde os bens e a informação se movimentam de forma eficiente e segura, para benefício dos negócios e melhoria da vida das Pessoas, todos os dias. A NOSSA MISSÃO Desenvolver standards globais e promover a implementação de boas práticas operacionais, contribuindo assim para tornar mais eficiente e sustentável a relação entre os vários agentes na Cadeia de Valor, sempre com o objectivo de beneficiar os Consumidores finais. ECRservices A nova marca GS1 ECRservices, é uma plataforma que visa a redução de barreiras ao longo da cadeia de valor, incrementando a cooperação entre fabricantes, retalhistas e operadores logísticos acrescentando valor ao consumidor final. A GS1 ECRservices exige e gera trabalho de equipas multidisciplinares com vista a responder às expectativas dos consumidores de forma mais célere, eficiente e ao mais baixo custo, enquanto proporciona mais valias económico-financeiras e sociais para Micro, Pequenas e Médias Empresas (PME s), assim como para as Multinacionais. A marca GS1 ECRservices, lançada em 2009 pela GS1 Portugal, promove uma vantagem competitiva para os diversos parceiros de negócio, acrescentando igualmente benefícios claros para o consumidor final. A GS1 ECRservices desempenha também um papel facilitador, enquanto entidade neutra, entre fabricantes e retalhistas beneficiando das sinergias de estar integrado na GS1 Portugal e na utilização dos seus standards. Qualquer empresa, seja Multinacional, PME, Micro Empresa ou Associação Sectorial pode participar na plataforma ECRservices tornando-se parte activa nos projectos que integram a mesma, entre os quais se destacam os da área da sustentabilidade, redução de rupturas e aumento de eficiência ao longo da cadeia de valor. As boas práticas da GS1 ECRservices são assim transversais às empresas/associações que adoptam o trabalho em equipa e a partilha de experiências e de know-how como modelo de gestão e atitude empresarial. A implementação de boas práticas de gestão ECR (Efficient Consumer Response) significa o redesenhar de processos, alteração dos paradigmas e mudanças de atitudes com o objectivo de eliminar ineficiências e criar valor para o consumidor final. O GS1 ECRservices faz parte da estrutura do ECR Europe que representa na Europa o The Consumer Goods Forum e abrange todos os intervenientes da cadeia de valor até ao Consumidor Final. É esta organização que orienta estrategicamente todos os desenvolvimentos que ocorrem pelo mundo em termos de práticas colaborativas. SERVIÇOS GS1 PARA PROJECTOS DE PRÁTICAS COLABORATIVAS Constituição de Grupos de Trabalho com vista à: - Implementação de projectos de eficiência na cadeia de valor - Elaboração e publicação de de Manuais de Boas Práticas e Case Studies Promoção e intensificação do intercâmbio de informações nas diferentes cadeias de valor Apoiar e suportar os Associados para que optimizem o valor da cadeia de valor, reforçando o seu desempenho. GS1 - The Global Language of Business 11

7 SERVIÇOS GS1 PRESTADOS EXCLUSIVAMENTE AOS ASSOCIADOS TABELA DOS IDENTIFICADORES-CHAVE GS1 Atribuição e Gestão de IDENTIFICADORES-CHAVE GS1: GS1 CEP - Códigos de Empresa Portuguesa GS1 GTIN-8 - Códigos de Produtos de Dimensões Reduzidas GS1 GTIN-13 - Códigos de Coupons e Meios de Pagamento GS1 GLN - Códigos de Localização GS1 para a EDI NCR (Números de Circulação Restrita) - Códigos de Produtos de Peso e Quantidade Variável Controlo da circulação dos Códigos GS1 no mercado nacional, nomeadamente com o prefixo 560 Verificação de Qualidade de Impressão e de Leitura dos Códigos de Barras GS1 Helpdesk sobre o Sistema de Normas GS1 Participação em projectos de ECR SERVIÇOS GS1 PRESTADOS AOS UTILIZADORES DE IDENTIFICADORES-CHAVE OU DADOS ADICIONAIS DO SISTEMA GS1 - COMUNIDADE EMPRESARIAL E ENTIDADES Atribuição de GS1 GLN s - Códigos de Localização GS1 para a EDI Assessoria Técnica na implementação e desenvolvimento do Sistema GS1 Validação do Software e Equipamentos que suportam o Sistema GS1 Formação nas Empresas e para as Empresas - Desenvolvimento e promoção de Acções de Formação sobre o Sistema GS1 - Seminários, Conferências, Workshops para divulgação e aplicação das Normas GS1 - Publicação de materiais técnicos e informativos que apoiem a comunidade empresarial na implementação do Sistema GS1 Publicações Desenvolvimento de Guias de Implementação que evidenciem o Valor Acrescentado da aplicação do Sistema GS1 Comunicação integrada do Sistema GS1 e dos Serviços da GS1 Portugal SISTEMA GS1 GS1 PORTUGAL IDENTIFICAÇÃO O QUÊ GS1 CEP CÓDIGO DE EMPRESA PORTUGUESA IDENTIFICAÇÃO CHAVES DE IDENTIFICAÇÃO ÚNICAS GS1 GTIN GLOBAL TRADE ITEM NUMBER GS1 SSCC - SERIAL SHIPPING CONTAINER CODE GS1 GLN GLOBAL LOCATION NUMBER GS1 GIAI GLOBAL INDIVIDUAL ASSET IDENTIFIER COMO Prefixo ou Código 560 CODIFICAÇÃO TRANSPORTE / VEÍCULO / SUPORTE SIMBOLOGIA Códigos de Barras Etiquetas Inteligentes Todos QUAIS TIPOS DE CÓDIGOS TIPO DE TRANSPORTE / VEÍCULO / SUPORTE Código de Barras EAN GS1 DataMatrix GS1 DataBar Etiqueta Logística GS1-128 PARA QUÊ Fluxo Físico de Produtos e de Informação PRODUTO O QUE TRANSPORTAM Fluxo Físico de Produtos Fluxo Físico de Produtos Fluxo Físico de Produtos Fluxo Físico de Produtos POSICIONAMENTO MARCAS PRECISA DE TER ACESSO AO SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO GS1? Adira à GS1 Portugal (CODIPOR-Associação Portuguesa de Identificação e Codificação de Produtos). De acordo com os Estatutos e Regulamento Interno da GS1 Portugal (CODIPOR) existem dois tipos de Associados: Ordinários e Extraordinários. GS1 GRAI GLOBAL RETURNABLE ASSET Código Emissor de Vales/Coupons Fluxo Físico de Produtos Os Associados Ordinários são todos aqueles que têm necessidade de utilizar o Sistema GS1 para colocar os seus produtos no mercado. Podem ser produtores, distribuidores, grossistas, armazenistas, retalhistas, representantes comerciais, importadores ou exportadores, entidades públicas ou privadas. Os Associados Extraordinários, são todos aqueles que, independentemente de utilizarem o Sistema GS1 nos seus processos comerciais, suportam tecnologicamente o Sistema GS1, ou seja, que sejam fabricantes, construtores ou distribuidores de equipamento de leitura e/ou codificação, meios técnicos de impressão, equipamentos informáticos software, solution providers e prestadores de serviços, incluindo empresas de consultoria e profissionais liberais. GS1 GSRN GLOBAL SERVICE RELATION NUMBER GS1 GDTI GLOBAL DOCUMENT TYPE IDENTIFIER Documentos Comerciais ou Mensagens Electrónicas Mensagens Electrónicas Mensagens GS1 EANCOM 7 GS1 XML Subscritor ou Utilizadores GS1 EPCglobal Fluxo de Informação Fluxo Físico de Produtos e Informação 13

8 IDENTIFICADORES-CHAVE & DADOS ADICIONAIS GS1 O Sistema GS1 tem na sua base um conjunto de Normas reconhecidas como Identitificadores-Chave e Dados Adicionais que são utilizadas como linguagem comum para identificar e comunicar com exactidão a informação comercial ao longo da cadeia de valor de qualquer sector e em qualquer país. Os Identificadores-Chave ou dados primários são aqueles que identificam unicamente o produto ou serviço e que intervêm nas operações comerciais. Os Identificadores-Chave e os Dados Adicionais GS1 podem ser representadas através de uma simbologia de Código de Barras e funcionam como transportadores de informação, permitindo que os dígitos de identificação sejam lidos através de meios electrónicos de modo a facilitar a recolha automática de dados e o seu tratamento. ATRIBUTOS DOS IDENTIFICADORES-CHAVE GS1 EXCLUSIVIDADE Únicos e Inequívocos - uma identificação exclusiva para cada item, activo, localização ou serviço. UNIVERSALIDADE Multi-sectoriais e internacionais: aplicáveis em todos os sectores, e utilizáveis e reconhecidas em todo o mundo. SEGURANÇA Possui um dígito de controlo que garante a segurança da informação contida no código. CONVERSÃO E SIMBOLOGIA A sua configuração permite gerar informação em tempo real. SUSTENTABILIDADE Facilita o comércio electrónico, preconizando transações sem a troca física de documentos. DADOS ADICIONAIS (AI s) Os Dados Adicionais são aqueles que interagem nos processos de produção, armazenagem e distribuição dos produtos, nomeadamente: números de lote; datas de validade; números de série; localizações, entre muitos outros, cuja chave de acesso é dada pelos Identificadores de Aplicação (AIs) GS1;... todas as informações que forem necessárias para melhor servir o rigor da informação para o mercado e consumidores. São cerca de 100 AI s que pode introduzir como informação. Os AIs são prefixos utilizados para identificar o significado e o formato da informação que lhes é sequente, ou seja, foram definidos para codificar e acompanhar o mais variado tipo de informação e constituem um conjunto de ferramentas normalizadas para identificar automaticamente os itens e os seus atributos variáveis, permitindo ainda o controlo de expedições e entregas de mercadorias. Tratando-se de uma norma aberta, os Identificadores de Aplicação podem ser compreendidos e utilizados por todos os intervenientes da cadeia de valor e poderão ser desenvolvidos à medida que novas necessidades do mercado sejam detectadas. TIPOLOGIA DOS IDENTIFICADORES-CHAVE GS1 GTIN - Global Trade Item Number (Número Global de Item Comercial) O GTIN é o identificador-chave de qualquer Item (Produto ou Serviço), do qual é necessário obter informação pré-definida e que pode ser vendido, encomendado ou facturado em qualquer ponto da cadeia de valor. Esta definição abrange desde as matérias-primas até aos produtos acabados. O GTIN é utilizado quer no nível primário de embalamento do produto, inclusive nas unidades vendidas no retalho, devendo contemplar as estruturas de dados GTIN-13 ou GTIN-8, quer noutros níveis de embalamento, inclusive as caixas comercializadas na cadeia de valor, devendo para tal utilizar as estruturas de dados GTIN-13 ou GTIN-14. Estas estruturas de dados oferecem uma identificação única quando justificadas à direita num campo de 14 dígitos das bases de dados, designado como Formato GTIN. GS1 GTIN 13 UNIDADES DE CONSUMO Para identificar qualquer Unidade de Consumo, entendida como a unidade de venda que pode ser adquirida pelo cliente ou consumidor final, o Sistema GS1 adoptou o GTIN-13, uma estrutura numérica com um total de 13 dígitos. PRODUTOS DE PESO VARIÁVEL Unidades de Consumo Produtos de Circulação Interna IN STORE Indústria de Editores e Livreiros Coupons e Meios de Pagamento A legislação portuguesa obriga a que, no comércio retalhista, os produtos de peso variável expostos para venda estejam claramente marcados unitariamente com o preço por quilo, peso e valor a ser pago pelo consumidor final. A identificação dos Produtos de Peso Variável, embora seja identificada com 13 dígitos, não segue a mesma estrutura utilizada no GTIN-13 dos produtos caracterizados como unidades de consumo. Nos Produtos de Peso Variável existem duas variáveis que, obrigatoriamente, têm que ser consideradas: o peso e o preço por quilo. Estes dados permitem determinar o valor de cada uma das unidades de consumo de peso variável. 15

9 Quando o produto vem codificado de origem, ou seja, pelo produtor, o Prefixo que identifica um código de produto de peso variável é o 27 ou o 29 e este código é atribuído produto a produto pela GS1 Portugal (CODIPOR). Quando o produto é codificado no ponto de venda, ou seja, pelo retalhista, o Prefixo que identifica o código de produto de peso variável é o 26 ou 28 e este código é atribuído pelo próprio retalhista. PRODUTOS DE QUANTIDADE VARIÁVEL A Codificação dos Produtos de Quantidade Variável, embora também seja identificada com 13 dígitos, não segue a mesma estrutura utilizada no GTIN-13 dos produtos caracterizados como unidade de consumo. Nos Produtos de Quantidade Variável existem duas variáveis que, obrigatoriamente, têm que ser consideradas: a quantidade e o preço por unidade. Estes dados permitem determinar o valor de cada uma das unidades de consumo de quantidade variável. Quando o produto vem codificado de origem, ou seja, pelo produtor, o Prefixo que identifica um código de produto de quantidade variável é o 25 e este código é atribuído produto a produto pela GS1 Portugal (CODIPOR-Associação Portuguesa de Identificação e Codificação de Produtos). PRODUTOS DE CIRCULAÇÃO INTERNA IN STORE O Sistema GS1 permite a identificação de produtos que apenas circulam internamente na organização e se destina a aplicações internas (armazéns, centrais de compras,...). Estes códigos com 13 dígitos têm um prefixo exclusivo de 20 a 24 para esta codificação interna (in-store), atribuído pela organização, viabilizando assim a codificação de produtos, não codificados de origem, desde que a circulação dos mesmos seja limitada àquela área comercial. A validade destes códigos só é garantida no interior da empresa emissora. INDÚSTRIA DE EDITORES E LIVREIROS No caso específico da Indústria de Editores e Livreiros, o Sistema GS1 disponibiliza o prefixo 978 para o ISBN - International Standard Book Numbering, que é utilizado em todo o mundo pelos editores e livreiros e em Portugal é gerido pela APEL - Associação Portuguesa de Editores e Livreiros. O prefixo 977 para o ISSN - International Standard Serial Number, utilizado para a identificação de publicações periódicas, é gerido pela Biblioteca Nacional numa estrutura numérica de 13 dígitos. COUPONS E MEIOS DE PAGAMENTO A identificação de Coupons e Meios de Pagamento tem como objectivo principal a sua automatização e aceleração dos processos de tratamento, oferecendo a possibilidade de redução de custos de processamento e fomentar a fidelização do consumidor. A sua estrutura numérica é de 13 dígitos, começando pelo prefixo 981 ou 982, sendo sempre atribuída pela GS1 Portugal (CODIPOR -Associação Portuguesa de Identificação e Codificação de Produtos) GS1 GTIN-8 É uma versão curta do código GTIN-13, ou seja, o GTIN-8, um código com 8 dígitos atribuído directamente pela GS1 Portugal-CODIPOR, produto a produto. GS1 GTIN-14 O GTIN-14 é utilizado para identificar as unidades de expedição que, por definição, são itens que não se destinam a serem vendidos directamente ao consumidor. Uma Unidade de Expedição pode ser um produto simples ou uma grupagem do mesmo produto embalada para facilitar o manuseamento, armazenagem, encomenda, preparação ou expedição. O GTIN-14 é um GTIN-13 do produto, precedido de uma variável logística que pode variar entre o dígito 1 até 8, inclusive. É uma estrutura definida pelo produtor de acordo com as suas necessidades específicas para cada nível de embalamento. GS1 GLN - GLOBAL LOCATION NUMBER CÓDIGO DE LOCALIZAÇÃO A identificação de localizações é necessária para permitir a troca eficiente de mercadoria e informação entre parceiros comerciais, através das mensagens EDI, do mapeamento das informações nas unidades logísticas e da marcação da localização física específica. Um GLN é uma estrutura numérica composta por 13 dígitos, que identifica qualquer localização, seja esta uma entidade legal, funcional ou física no interior de uma empresa ou organização e funciona como chave de acesso a toda a informação nos sistemas de informação. Entidades Legais: empresas, filiais, subsidiárias ou fornecedores, clientes, bancos, etc; Entidades Funcionais: um departamento específico dentro de uma entidade legal, por exemplo, departamento financeiro de uma empresa; Entidades Físicas: uma determinada área num edifício, por exemplo, um armazém ou local de entrega de uma empresa. Para uma boa recolha de informação a partir de bases de dados, os GLN são referência obrigatória e são atribuídos pela GS1 Portugal. GS1 SSCC - SERIAL SHIPPING CONTAINER CODE CÓDIGO DE SÉRIE DE UNIDADE DE EXPEDIÇÃO: O SSCC é uma estrutura numérica de 18 dígitos que permite uma identificação única e inequívoca de cada unidade logística, entendida como aquela que se destina única e exclusivamente para transporte de mercadorias como, por exemplo, paletes ou contentores, quer sejam homogéneas (um único produto) ou mistas (vários produtos). G L N S S C C 17

10 GS1 GRAI - GLOBAL RETURNABLE ASSET IDENTIFIER IDENTIFICADOR GLOBAL DE ACTIVOS RETORNÁVEIS / CIRCULA Os activos retornáveis são todos aqueles que pertencem ao imobilizado corpóreo da organização, que podem ser passíveis ou não de facturação por cedência a terceiros, mas que retornam à organização e são geridos como um item no inventário da organização como, por exemplo, bidões de gás ou ar, macas ou caixas de produtos hortofrutícolas utilizadas para transporte. A chave de identificação GS1 utilizada para este tipo de activos é o GRAI que consiste numa estrutura de dados alfanumérica variável a 30 posições. GS1 GIAI - GLOBAL INDIVIDUAL ASSET IDENTIFIER IDENTIFICADOR GLOBAL DE ACTIVO INDIVIDUAL IMOBILIZADO Os activos individuais são todos aqueles que pertencem ao imobilizado corpóreo da organização e que não são passíveis de qualquer tipo de facturação, por exemplo, camiões, cadeiras ou computadores. A chave de identificação GS1 utilizada para este tipo de activos é o GIAI que consiste numa estrutura de dados alfanumérica variável a 30 posições. GS1 EPC - Electronic Product Code CÓDIGO ELECTRÓNICO DE PRODUTO O EPC - Electronic Product Code ou Código Electrónico de Produto é um número de série global único que identifica inequivocamente e individualmente cada item, unidade de expedição, unidade logística ou activos, permitindo pesquisas sobre os seus movimentos ao longo da cadeia de valor. A sua estrutura numérica contempla todas as chaves de identificação anteriormente definidas, acrescidas da identificação do número de série atribuído directamente a cada item individual. G R A G I I A I VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO GS1 - NAS EMPRESAS DEPARTAMENTOS LOGÍSTICA & GESTÃO DE ARMAZÉNS Total eficiência na gestão de stocks e na gestão de espaço de armazenagem Possibilidade de criação de sistemas de controlo interno, através da codificação das Unidades de Expedição Redução das operações de manuseamento de produtos DEPARTAMENTOS FINANCEIROS E COMERCIAIS Racionalização das operações administrativas devido à utilização de uma linguagem comum nas relações com os produtores e os distribuidores/retalhistas Facilidade de gestão financeira em virtude de se trabalhar com informação rigorosa e precisa Rentabilidade assegurada Melhoria absoluta das relações entre os parceiros comerciais PONTO DE VENDA Aumento da disponibilidade e rapidez do produto no mercado Criação de um fluxo de informação do distribuidor ao produtor, que permite obter dados reais sobre o mercado a partir do ponto de venda Melhoria na planificação das encomendas em consequência da melhoria do controlo e necessidades do retalhista Melhoria na gestão de encomendas, programação de vendas, controlo de promoções e recepção/expedição de mercadorias Eliminação da quebra e tempo decorrente de erros de etiquetagem, digitação do preço, entre outros Aumento da produtividade dos operadores de caixa Mix de produtos afinado às reais necessidades e tendências de consumo Eficiência na Prestação de Serviços devido a um atendimento mais rápido, com menor índice de erro e pela entrega de um talão de caixa claro, exaustivo e discriminado VANTAGENS DA APLICAÇÃO DO SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO GS1 - NO MERCADO Total controlo e visibilidade da cadeia de valor com consequente redução de custos pelo aumento da eficiência Diminuição dos gastos das rotinas administrativas de intercâmbio de documentos (por exemplo, encomendas, facturas, recibos) entre distribuidores e produtores Resposta às exigências legais e regulamentares Melhoria das relações entre os parceiros comerciais PARCEIROS TECNOLÓGICOS (equipamentos de leitura/impressão e software houses) Acesso a mais de um milhão de associadas via Organizações Membro GS1 Capacidade de desenvolver soluções integradas para a gestão da cadeia de valor que estejam de acordo com as exigências do mercado ENTIDADES FISCALIZADORAS Operações de Rastreabilidade asseguradas Aumento da precisão da informação sobre os produtos (preços, promoções, datas de produção, datas de validade, entre outros) Redução da contrafacção de produtos CONSUMIDORES Aumento da disponibilidade dos produtos Eliminação dos erros de digitação do preço Diminuição do tempo de espera no pagamento, uma vez que o sistema acelera a passagem dos Consumidores pela caixa de saída 19

11 NORMAS GLOBAIS PARA A IDENTIFICAÇÃO AUTOMÁTICA As Normas Globais para a Identificação Automática - GS1 BarCodes - servem para identificar fisicamente o Item, Activo, Localização ou Serviço através de uma codificação única e exclusiva. São compostas por: Identificadores-Chave Identificadores de Aplicação (AI s) As Normas GS1 BarCodes são reconhecidas pela ISO e contemplam várias simbologias, nomeadamente: EAN-13, EAN-8 e ITF-14 Na simbologia do Código de Barras cada dígito de um código numérico é convertido em combinações binárias (bites 0 e 1) entendidas pelos computadores. As barras claras (bite 0) e as escuras (bite 1) são as representações gráficas destas combinações. Estas barras claras e escuras são descodificadas por leitores ópticos (scanners) através da reflexão e absorção da luz. O tamanho do código, isto é, a sua magnitude, varia consoante o tipo de código de barras a imprimir (EAN-13, EAN-8, ITF-14) e deverá ser determinada em função do: processo de impressão a utilizar; suporte físico; espaço disponível; design da embalagem. No entanto, a redução da altura das barras (truncagem) é permitida nos casos onde não exista espaço disponível para a inserção da magnitude desejada. Mas, mesmo assim, deve ser evitada, porque quanto menores forem as barras, menor a eficiência de leitura do símbolo. EAN-13 EAN-8 ITF-14 21

12 GS1-128 Codificação de informações complementares Com a introdução do GS1-128, específico para a representação dos Identificadores de Aplicação, o Sistema GS1 passou a permitir a codificação de informações complementares, tais como datas limite de conservação e prazos de validade, quantidades, pesos, origem e localizações, entre outros, permitindo ainda a representação do número de lote de produção que, conjuntamente com a Norma ISO 9000, possibilita controlar o próprio padrão de qualidade e ainda obter a localização e rastreabilidade dos produtos ao longo da cadeia de valor. GS1 DataBar A maior revolução de codificação depois da introdução do Código de Barras. Porquê? Este novo código de barras permite a marcação de produtos de pequenas dimensões e o transporte de dados suplementares para além da identificação básica de produto. O que é o GS1 DataBar? O GS1 DataBar (anteriormente denominado RSS - Reduced Space Symbology) é o novo código de barras para o retalho, juntando-se assim à família dos códigos de barras EAN de forma a possibilitar a marcação de mais produtos. O GS1 DataBar permite a Identificação com o GTIN - Global Trade Item Number de produtos de pequenas dimensões e/ou difíceis de codificar, como é o caso dos bens perecíveis e as peças de hardware, e pode transportar informação adicional como o peso, a data de validade e os números de lote. GS1 Data Matrix Data Matrix é um Código de Barras 2D que já existe desde 1994 e não requer uma simbologia linear. O Sistema GS1 adoptou o GS1 Data Matrix como um transportador de dados normalizado, a par dos já existentes códigos de barras lineares. O GS1 Data Matrix destina-se à implementação em sistemas abertos ou seja, um sistema no qual o fornecedor pode marcar os produtos na expectativa de que todos os parceiros comerciais sejam capazes de ler e interpretar correctamente os dados codificados. Este sistema de identificação e codificação é especificamente aplicável no sector automóvel, eléctrico, da saúde entre outros e de itens de pequeníssima dimensão que não comportem a impressão do GS1 DataBar. O GS1 DataBar não só aumenta a percentagem de produtos que podem ser identificados automaticamente nos pontos de venda, como vem responder às necessidades dos negócio, tais como a autenticação, a rastreabilidade, a identificação de produtos de pesos variável e de cupões é o ano previsto para a implementação global do GS1 DataBar no retalho. Este código de barras permite marcar produtos de dimensões reduzidas e transportar mais informação sobre o produto. Graças a estas características, o GS1 DataBar abre novas possibilidades de gestão dos produtos perecíveis, utilizando os Identificadores-Chave GS1 já usadas nos produtos de grande consumo (FMCG) deste Os benefícios do GS1 DataBar são directos: mais informação e menos espaço. A codificação dos produtos de peso variável, das operações logísticas, dos produtos farmacêuticos e de muitos outros artigos de pequena dimensão, onde a falta de espaço das suas embalagens ou configurações não possibilita a leitura óptica de todos os dados que lhes deverão estar associados, pode ser feita através da família GS1 DataBar que contém três tipos de simbologias lineares para serem utilizadas com o Sistema GS1. 23

13 NORMAS GLOBAIS PARA AS MENSAGENS ELECTRÓNICAS COMERCIAIS A solução para o e-business EDI - Electronic Data Interchange ou Transferência Electrónica de Documentos GS1 EANCOM - através da EDI-Electronic Data Interchange ou Transferência Electrónica de Documentos GS1 XML GS1 (com interface Lite EDI) - Alinhamento dos Ficheiros Mestre (Produtos e Parceiros Comerciais) - Encomendas - Aviso de Expedição - Factura As Normas Globais para as Mensagens Electrónicas Comerciais permitem uma rápida, eficiente e inequívoca troca electrónica automática de dados comerciais entre os parceiros de negócio. A utilização das Normas GS1 ecom, tais como as GS1 EANCOM ou GS1 XML fornece uma estrutura normalizada e segura de mensagens electrónicas comerciais, possibilitando a comunicação rápida, eficiente e inequívoca de dados comerciais entre parceiros de negócio independentemente do tipo de hardware ou software. As Normas GS1 ecom também estão baseadas nos Identificadores-Chave GS1, como o GTIN, GLN ou SSCC, o que viabiliza uma relação directa entre o fluxo físico da mercadoria e o fluxo de informação. São a chave fundamental para a produção just-in-time ou comunicação rápida e eficiente entre clientes e fornecedores. GS1 EANCOM Os negócios geram e processam diariamente um enorme volume de documentos impressos, que vão desde notas de encomenda, a facturas, passando por catálogos de produtos e relatórios de vendas. Como é desejável que esta informação anteceda, acompanhe ou siga o fluxo físico de produtos nas transacções comerciais, a EDI-Electronic Data Interchange ou Transferência Electrónica de Documentos surgiu como o meio mais efectivo de gerir o processo, ou seja, como uma ferramenta automática eficiente na transmissão directa de informação de um sistema informático para outro, através uma Rede de Valor Acrescentado (VAN) ou Internet, entre os diversos agentes da cadeia de valor. A EDI permite uma maior produtividade e a eliminação de redundâncias, conferindo mais qualidade e competitividade às empresas, mas para tal é essencial identificar, sem qualquer ambiguidade, o produto ou serviço, bem como as partes associadas à transacção dos documentos. Codificar a informação trocada é essencial para o processo automático. 25

14 NORMAS GS1 XML - UMA SOLUÇÃO DE E-BUSINESS Actualmente, todos estamos familiarizados com o HTML. O XML vem completar os nossos conhecimentos, disponibilizando num formato aberto, os mecanismos para estruturar um documento e que permita o seu intercâmbio e manipulação, tornando-se interoperacional com tendência a ser uma linguagem universal. Para este efeito, é imprescindível a sua normalização. Para responder às necessidades de normalização do XML, surgem os primeiros standards abertos e globais GS1 para os Esquemas do XML, proporcionando, desta forma, uma linguagem global de e-business aos utilizadores para tornar cada vez mais eficiente o comércio electrónico através da Internet. Os Esquemas GS1 XML especificam várias transações comerciais, tais como: Alinhamento dos Ficheiros Mestre (Produtos e Parceiros Comerciais) Encomendas Aviso de Expedição Factura. As Normas GS1 XML, desenvolvidas como uma solução de e-business global e multi-industrial que permite a aerodinâmica dos processos pela melhoria da interoperacionalidade e eficiência da transmissão de dados entre todas as empresas, são baseados em Modelos de Processos Comerciais e em princípios simples de comércio electrónico (Simple-web) para agilizar os processos comerciais, independentemente da sintaxe e tecnologia. Este suporte serve para potencializar os benefícios e as eficiências do XML no comércio global baseado na Internet entre todas as empresas, independentemente do sector, dimensão e localização geográfica. No futuro serão desenvolvidos esquemas adicionais para as extensões das mensagens principais. SISTEMA DE NORMAS GS1 ecom E NORMAS DAS NAÇÕES UNIDAS UN/EDIFACT Transferência Electrónica de Dados das para a Administração, Comércio e Transportes Pela absoluta importância que esta linguagem traz à eficiência e ao rigor da informação e dos dados, em qualquer dimensão ou escala, as Nações Unidas desenvolveram o Standard UN/EDIFACT - Transferência Electrónica de Dados para a Administração, Comércio e Transportes, (United Nations Electronic Data Interchange for Administration, Commerce and Transport) - que inclui um conjunto internacionalmente aceite de normas, directórios e linhas de orientação para a Transferência Electrónica de Documentos. NORMAS GS1 EANCOM As Normas GS1 EANCOM constituem um subconjunto das mensagens UN/EDIFACT. Foram desenvolvidas com base nos standards definidos pelo UN/EDIFACT e funcionam como um guia detalhado de implementação de mensagens codificadas através de definições e explicações claras que permitem a simplificação e eficiência da troca de documentos comercias entre os diferentes parceiros comerciais. Através das mensagens EANCOM a informação - identificada por um GLN único - pode ser comunicada de um modo muito rápido, eficaz e correcto, independentemente do tipo de hardware e/ou software do utilizador. A GS1 EANCOM é uma norma aberta que contempla, à data, um amplo conjunto de mensagens comercais para a transferência electrónica de documentos. RECOMENDAÇÕES A importância da construção de DATA POOLS e do ALINHAMENTO DE FICHEIROS MESTRE BASEADOS NO SISTEMA GS1 Uma Data Pool é um repositório de dados a partir do qual os parceiros comerciais podem obter, manter ou trocar informação sobre os produtos, serviços ou localizações num formato normalizado, via electrónica. As Data Pools podem ser utilizadas por múltiplos parceiros comerciais para alinhar as suas bases de dados internas. O objectivo principal de uma Data Pool é ajudar todos os parceiros comerciais a utilizar, de forma precisa, os mesmos dados nas suas aplicações internas para aumentar a eficiência em toda a cadeia de valor, através da melhoria da qualidade das trocas de dados. Este conceito é designado como Alinhamento dos Ficheiros Mestre e envolve a manutenção correcta e sincronizada das bases de dados dos produtos, preços, promoções e localizações. 27

15 1. Os benefícios resultantes das relações comerciais suportadas pelas Data Pools cujos dados estão normalizados, são: Identificação normalizada dos itens comerciais ao longo da cadeia de valor; Simplificação e promoção do alinhamento de ficheiros mestre entre os parceiros comerciais; Simplificação da pesquisa de produtos e da introdução de novos produtos; Suportar a Nota de Encomenda Assistida por Computador (CAO); Suportar a automatização dos ficheiros price-look-up (PLU); Optimização da exploração da gestão espacial (na loja e no armazém); Melhoria dos cálculos de Rentabilidade Directa do Produto (DPP); Agilização da auditoria e carregamento das unidades comerciais e logísticas na loja e no armazém. APLICAÇÃO DE PRÁTICAS DE ECR EFFICIENT CONSUMER RESPONSE A Interoperacionalidade das Data Pools é a inter-conexão das diferentes Data Pools de forma a que constituam um repositório lógico. O objectivo principal da interoperacionalidade é tornar disponível a informação da descrição dos produtos e/ou serviços e localizações físicas de uma Data Pool para outra sem perda de informação. Esta pode ser obtida através da harmonização das estruturas, regras, datas e interfaces dos repositórios. Neste sentido, a GS1 apresenta um conjunto de recomendações para a Interoperacionalidade das Data Pools, que incluem informações sobre as Data Pools com a utilização dos standards GS1 EANCOM para apoiar a troca de dados entre as Data Pools, assim como a definição de um conjunto único básico de informação exigido para conceber uma Data Pool. 2. Segurança das Mensagens GS1 EANCOM A GS1 desenvolveu um guia de recomendações para obter a segurança nas Mensagens EANCOM baseadas nas recomendações Security for EANCOM Message que cobrem os problemas mais comuns com a segurança da EDI: Alteração do conteúdo das mensagens; Criação de mensagens sem autorização; Devolução do recipiente/receptor da mensagem; Acesso não autorizado ao conteúdo da mensagem. Estas recomendações correspondem a soluções como a integridade, autorização e não repúdio da origem/recepção e confidencialidade. As recomendações GS1 para a segurança das mensagens GS1 EANCOM apresentam soluções de segurança a serem implementadas pelos próprios parceiros comerciais. São independentes das ferramentas de comunicação utilizadas e não envolvem alterações nas mensagens individuais, mas sim uma aproximação genérica aplicável a todas as mensagens EDIFACT. 3. LITE EDI - Comunicação EDI via Internet Actualmente, o meio mais utilizado para fazer troca de mensagens EDI é a VAN - Rede de Valor Acrescentado. Contudo, o aparecimento da Internet veio alargar as opções de comunicações electrónicas, possibilitando a diminuição de custos nas comunicações. Como a Internet é uma rede de redes interligadas, oferece a possibilidade de várias empresas comunicarem de uma maneira similar com todos os parceiros comerciais, tendo em conta a rede de cada um deles. A Internet é uma excelente solução em termos de custos para as comunicações EDI, principalmente para as PME s. O Lite EDI utiliza a Internet. No entanto, este sistema não integra medidas de segurança que normalmente são fornecidas pelas VAN s. Como uma das funções principais da Lite EDI é a simplificação, a GS1 identificou o seguinte núcleo para mensagens EANCOM com melhores suportes para funções de negócio básicas: Nota de Encomenda Aviso de Expedição Factura (ORDERS) (DESADV) (INVOIC) O interface entre a mensagem EDI e o utilizador é conhecido como Forms EDI e permite aos utilizadores alcançarem os benefícios da EDI sem necessidade de terem conhecimentos técnicos. Este conceito é similar a qualquer aplicação informática e permite ao utilizador uma introdução dos dados sem ter necessidade de conhecer como funciona o programa informático e a aplicação. PME s a par das empresas tecnologicamente mais desenvolvidas A utilização dos Forms EDI permite às PME s fazerem EDI de uma forma clara, mesmo que não tenham experiência em EDI, e dá-lhes também a oportunidade de usufruírem dos benefícios da EDI, tal como as empresas tecnologicamente mais desenvolvidas. 29

16 NORMAS GLOBAIS PARA AMBIENTES DE SINCRONIZAÇÃO DE DADOS A GS1 GDSN - Global Data Sincronization Network é uma ferramenta global normalizada que permite uma sincronização de dados segura e contínua através de uma rede de Data Pools e é um sistema de distribuição de dados dos fornecedores e clientes que permite fazer a harmonização em tempo real. No centro da GS1 GDSN está o Global Registry, que é uma espécie de directório páginas amarelas, que identifica onde é que, no universo global das Data Pools, a informação do item se encontra localizada ou armazenada e a quem pertence. O Global Registry permite uma sincronização de dados global, eficiente, escalonada, de acordo com os standards e inserida no ambiente de parcerias comerciais. A unicidade do GTIN (item) e do GLN (parceiro comercial) está garantida. As Data Pools certificadas que pertencem à GS1 GDSN estão ligadas ao Global Registry e fornecem aos utilizadores serviços de suporte e sincronização dos produtos (item), bem como informação adicional sobre os parceiros comerciais de acordo com as Normas GS1. A GS1 GDSN e o Global Registry permitem que estes dados sejam fiáveis e trocados entre parceiros comerciais, aumentando assim eficiência da cadeia de valor. OS BENEFÍCIOS DA UTILIZAÇÃO DA GS1 GDSN TRADUZEM-SE EM TRANSACÇÕES MAIS FIÁVEIS E EFECTIVAS PELA: Garantia de que os parceiros comerciais estão a trabalhar de forma normalizada, baseada nas Normas Globais GS1 GDSN, reduzindo a duplicação de processos e sistemas; Garantia de que os dados sobre os Itens estão actualizados e são consistentes entre os parceiros comerciais; Validação dos dados que não estão de acordo com as normas e regras do negócio; Garantia de que os parceiros comerciais classificam os seus produtos de uma forma normalizada, isto é, de acordo com GS1 GPC-Global Product Classification; Existência de uma única porta de entrada para os parceiros comerciais (cliente - fornecedor), através de uma Data Pool por eles seleccionada, diminuindo os custos inerentes a operar com múltiplos prestadores de serviços; Garantia de unicidade do Item (Produto, Caixa ou Palete), do parceiro e da localização através do Global Registry; Certificação de que as Data Pools e o Global Registry estão de acordo com as regras GS1 GDSN. 31

17 VANTAGENS DA GS1 GDSN DATA POOLS Interconectividade normalizada Capacidade de alcançar mais clientes Expansão do portfolio de soluções e serviços O Global Registry permite a sincronização dos dados à escala global O Global Registry funciona como hub para certifcar as Data Pools, possibilitando a manutenção de uma única conexão com a GS1 GDS Network a todos os seus clientes Os pontos de entrada normalizados diminuem os custos de implementação dos utilizadores finais UTILIZADORES FUNCIONAIS Aumento da Rentabilidade: Aumento da produtividade através de transacções mais eficientes Diminuição de custos administrativos pela eliminação de custos resultantes de erros de facturação ou de encomendas Melhoria na resposta ao mercado, disponibilidade de produtos e promoções Redução das rupturas de stock Distribuição Automática dos dados do fornecedor a múltiplos clientes Pré-requisito essencial para a colaboração na cadeia de valor/iniciativas comerciais (p.e. CPFR ou RFID) Melhoria das relações entre os parceiros comerciais PARCEIROS TECNOLÓGICOS: CONSULTORAS INTEGRADORES DE SISTEMAS PRESTADORES DE SERVIÇOS DE DATA POOL Melhoria do serviço ao cliente e oportunidades marginais Mais fácil interconectividade das soluções normalizada com a GDSN Expansão do portfolio de soluções, sendo que a GS1 GDSN passa a ser mais uma solução para as Data Pools Expansão do portfolio de serviços para suportar a GS1 GDSN (formação, marketing e alinhamento de dados) CLIENTES FINAIS: FABRICANTES DE MARCAS E RETALHISTAS Melhoria do serviço ao cliente e informação Melhoria dos serviço ao cliente, isto é, aumento da rapidez no ponto de venda, melhoria da disponibilidade do produto e promoções, armazenamento do produto para responder aos hábitos de compra do consumidor local Melhoria da precisão da informação sobre o produto Redução de preços 33

18 NORMAS GLOBAIS PARA A RFID IDENTIFICAÇÃO POR RÁDIO FREQUÊNCIA GS1 EPCglobal é o conjunto de Normas Globais mais sofisticado do Sistema GS1. Combina a tecnologia de RFID-Radio Frequency IDentification (Identificação por Rádio Frequência) com as infra-estruturas de rede comunicacionais existentes e o EPC -Electronic Product Code ou Código Electrónico de Produto, para permitir identificar e localizar de forma imediata e automática itens ao longo das cadeias de valor. GS1 EPCglobal = RFID + Código Electrónico de Produto + Tecnologias da Internet Por outras palavras, a GS1 EPCglobal, através da EPC Network, permite a integração da RFID e das tecnologias da Internet para alcançar a visibilidade em tempo real dos itens na cadeia de valor. A RFID é um método de identificação automática de itens, que se baseia na armazenagem e recolha remota (sem ligação física) de dados por Rádio Frequência. Esta ferramenta tecnológica é formada por vários componentes: Dispositivos denominados por RFID tags ou Etiquetas RFID ou Transponders; Leitores (Antena Emissora/Receptora com Transreceptores); Servidores de Ligação; Hardware Intermédio; Software de Aplicação O QUE É A TECNOLOGIA RFID? A tecnologia RFID, ou Radio Frequency Identification, é uma tecnologia que utiliza tags, por exemplo utilizadas em passaportes, cartões de identificação ou até nos dispositivos de acesso às vias rápidas nas portagens de pontes ou auto-estradas com pagamento por débito directo. Estas tags RFID compõem-se chips de sílica e antenas, com capacidade para transportar grandes quantidades de informação, que pode ser lida sem que seja necessária a incidência directa em linha de vista de um scanner ou leitor. Este é um processo tecnologicamente mais exigente e complexo. A utilização da RFID significa uma gestão adequada de todos os elementos envolvidos: as tags e os seus pequenos componentes, os leitores portáteis, os leitores tipo portal, o software, as frequências precisas em que os equipamentos irão funcionar, assim como o tipo de papel e cola que são usados para produzir as etiquetas que transportam as tags RFID. 35

19 Em todo o mundo, as empresas começam a preparar-se para beneficiar das melhorias revolucionárias trazidas à cadeia de valor e aos consumidores pela utilização desta tecnologia. A tecnologia RFID pode ajudar na gestão de expedições, inventários e activos, reduzir a contrafacção, combater o roubo, entre inúmeras outras aplicações. Dado a tecnologia RFID ser tão complexa e multifacetada, os standards são de importância vital. É aí que nós entramos. Os standards GS1 EPCglobal colocam a tecnologia RFID ao serviço das empresas e das pessoas. Quando a informação normalizada codificada nas etiquetas desta tecnologia - RFID - é lida, os empregados do armazém e das lojas podem saber não só de que artigo se trata, mas também onde se encontra nesse momento e onde se encontrava antes. Isto resulta em processos mais fluidos e efectivos em diferentes sectores. A GS1 EPCglobal está hoje integrada na organização GS1 encontrando-se vocacionada para liderar e apoiar o desenvolvimento da tecnologia RFID, definindo e apoiando os standards que tornem a RFID operacional através das geografias, fronteiras e sectores. Também desenvolve esforços no sentido de assegurar as melhores práticas no que respeita às políticas de privacidade, promovendo a adesão e o respeito às mesmas por parte dos membros aderentes, assegurando desta forma que os direitos dos consumidores são respeitados. AS ETIQUETAS RFID As etiquetas de RFID têm uma capacidade de armazenagem de informação que se situa entre os 64 e os 96 bits, podem ser apenas de leitura ou de leitura e escrita, e podem ser passivas ou activas. As passivas não requerem uma fonte de energia interna e as activas necessitam de uma fonte de alimentação. Em termos de funcionamento, a antena Emissora/Receptora envia um sinal por Rádio Frequência que é recebido pela tag que seguidamente devolve à antena os dados que constam na etiqueta RFID. O transreceptor interpreta a informação e, em última análise, transmite-a para um computador. O QUE É O EPC A sigla EPC significa Código Electrónico de Produto que nada mais é do que um código numérico ou alfanumérico GS1 que, ao invés de se fazer transportar num Código de Barras GS1, passa a fazê-lo numa etiqueta inteligente ou RFID tag. QUAL É A DIFERENÇA ENTRE O CÓDIGO DE BARRAS GS1 e a ETIQUETA INTELIGENTE EPC As Normas GS1 EPCglobal asseguram a interoperacionalidade, maximizando o potencial da tecnologia de RFID VANTAGENS PARCEIROS Aumento da rentabilidade através da gestão eficiente da cadeia de valor e de uma maior responsabilização às necessidades do cliente: Aumento da produtividade pela minimização das perdas, aumento da rapidez e precisão dos fornecimentos, bem como pela redução dos níveis de stock Redução da contrafacção e das quebras na cadeia de valor Melhoria na responsabilização às exigências dos clientes e capacidade de reacção relacionada com os aspectos da qualidade do produto Melhor resposta ao mercado PARCEIROS TECNOLÓGICOS Ponto de referência único para a RFID baseada em Normas: Acesso a uma rede global Acesso ao mercado Testes de conformidade e interoperabilidade CLIENTES FINAIS Melhoria dos serviços ao cliente e protecção: Rapidez nas saídas de caixa Melhor disponibilidade dos produtos Produtos mais frescos Melhoria da protecção do cliente Melhor informação sobre o produto Retirada rápida dos produtos Menor volume de contrafacção A diferença principal entre o Código de Barras GS1 e a etiqueta inteligente EPC reside no facto dos Códigos de Barras identificarem apenas grupos de itens (GTIN), a etiqueta EPC, para além de identificar os grupos de itens, contém um número de série único para cada item. 37

20 A IMPORTÂNCIA DAS NORMAS Tomemos por exemplo o tamanho dos sapatos: - o número 7 de senhora em Nova York, corresponde ao - 38 em Shangai em Londres em Portugal - 23 em Tóquio em Sydney Para quem viaja e pretende comprar calçado, a proliferação de números é um factor que inibe a compra. Para as empresas produtoras as implicações são ainda maiores e também acabam por afectar os consumidores finais. Pelo facto de não existirem standards globais para o tamanho dos sapatos, as empresas produtoras têm de marcar os mesmos sapatos em função do país de destino; de especificar a referência do tamanho de cada um dos países em todas as notas de encomenda, facturas e guias de entrega. Estas operações de registo de especificações de região consomem tempo e atenção, para além de aumentar os custos que, impreterivelmente, serão reflectidos no preço ao Consumidor. A Linguagem Global dos Negócios Visite-nos em:

GS1 Contributo para uma Classificação Global

GS1 Contributo para uma Classificação Global GS1 Contributo para uma Classificação Global GS1 Portugal e o Sistema GS1 1ª Reunião da Rede Portuguesa sobre Composição dos Alimentos Projecto PortFIR 16 Dezembro 2008 Agenda Quem somos Sistema GS1 Quem

Leia mais

O Sistema GS1 Normas para os T&L

O Sistema GS1 Normas para os T&L O Sistema GS1 Normas para os T&L MARCA Optimize as suas Operações Workshop Movimente Normas GS1 Eficiência nos T&L 29 Novembro, Hotel Villa Rica - Lisboa O QUE É A GS1? Sem Fins Lucrativos Neutra em relação

Leia mais

Norma Global para a Rastreabilidade: A base para a visibilidade, qualidade e segurança na cadeia de valor

Norma Global para a Rastreabilidade: A base para a visibilidade, qualidade e segurança na cadeia de valor Norma Global para a Rastreabilidade: A base para a visibilidade, qualidade e segurança na cadeia de valor Introdução O Sistema GS1, devido à sua capacidade de fornecer uma identificação única e global

Leia mais

ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto

ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto The global language of business GS1 EPCglobal/RFID Uma ferramenta logística RASTREABILIDADE INFORMAÇÃO EM TEMPO REAL GS1 EPC

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Normas Globais para a Codificação de Produtos 14 de Dezembro 2010 Silvério Paixão

NORMALIZAÇÃO Normas Globais para a Codificação de Produtos 14 de Dezembro 2010 Silvério Paixão NORMALIZAÇÃO Normas Globais para a Codificação de Produtos 14 de Dezembro 2010 Silvério Paixão The global language of business Construindo pontes entre diversos parceiros da cadeia de distribuição Qual

Leia mais

Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade

Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade Sistema EAN UCC para a Rastreabilidade Marcos Gaspar Carreira Técnico de CAD Um Mundo Um Sistema The Global Language of Business A Linguagem Global dos Negócios GS1 Início de actividade em 1977; Com sede

Leia mais

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS GS1 Portugal entrada em vigor 01/01/2014

TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS GS1 Portugal entrada em vigor 01/01/2014 TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS entrada em vigor 01/01/2014 ÍNDICE TABELA DE PREÇOS E CONDIÇÕES COMERCIAIS 01 ADMISSÃO À GS1 PORTUGAL JÓia Quota Anual Condições Comerciais 02 PRODUTOS GS1 PORTUGAL

Leia mais

FILIAÇÃO À GS1 PORTUGAL

FILIAÇÃO À GS1 PORTUGAL FILIAÇÃO À GS1 PORTUGAL Jóia Admissão à Associação (Direitos e Deveres Estatutários) 150,00 Quota Anual Permanência como Associado e Acesso e Licença de Utilização dos Produtos/Serviços GS1 Volume de negócios

Leia mais

Seminário GS1 Portugal FIPA

Seminário GS1 Portugal FIPA GS1 - The Global Language of Business Seminário GS1 Portugal FIPA Nuno Miranda 14.06.2012 2 EDI = Electronic Data Interchange - Transferência Electrónica de Documentos EDI é a transferência de MENSAGENS

Leia mais

Rastreabilidade e Eficiência dos Negócios na Agro-indústria

Rastreabilidade e Eficiência dos Negócios na Agro-indústria A origem e a qualidade dos alimentos estão na mira do Consumidor. Cada vez mais conscientes e exigentes, os Consumidores têm em conta uma série de atributos na hora de decidir o que vai para o carrinho

Leia mais

Experiência de implementação de soluções RFID e RTLS em função do Inventário e de controlo de stock tanto em armazéns como em lojas

Experiência de implementação de soluções RFID e RTLS em função do Inventário e de controlo de stock tanto em armazéns como em lojas Experiência de implementação de soluções RFID e RTLS em função do Inventário e de controlo de stock tanto em armazéns como em lojas Silvério Paixão l Director de Inovação & Standars l GS1 Portugal 17 e

Leia mais

Distinga-se pelo conhecimento

Distinga-se pelo conhecimento 2012 Distinga-se pelo conhecimento Índice Clique na Informação que deseja consultar Calendário de Formação GS1 Porquê Formação no Sistema GS1? Modelos de Formação Competências Informação Práticas 02 03

Leia mais

GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 2

GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 2 Quem é a GS1 Como gerar seu Código de Barras Produtos e Soluções GS1 GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 1 GS1025-13 Miolo Wellcome Kit GS1.indd 2 Quem é a GS1 GS1 Brasil A GS1 Brasil Associação Brasileira

Leia mais

Conhecendo o GLN. Número Global de Localização. Volume 2

Conhecendo o GLN. Número Global de Localização. Volume 2 Conhecendo o GLN Número Global de Localização Volume 2 Conhecendo o GLN O material Conhecendo o GLN tem como objetivo integrar a sua empresa, de forma ainda mais eficiente, à cadeia de suprimentos. Além

Leia mais

GS1 EPCglobal: O que necessita saber...

GS1 EPCglobal: O que necessita saber... GS1 EPCglobal: O que necessita saber... GS1 EPCglobal Em 1999, um grupo de produtores e distribuidores identificou o potencial da RFID - Radio Frequency IDentification (Identificação por Rádio Frequência)

Leia mais

Varejo e Tecnologia:

Varejo e Tecnologia: Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas Iniciativas de Colaboração Sergio Ribinik CEO da GS1 BRASIL MEMBRO DO ADVISORY COUNCIL DA GS1 MEMBRO DO BOARD DO EPC GLOBAL Agenda Tecnologia

Leia mais

Ask the local Barcoding Expert. Silvério Paixão, GS1 Portugal 23 Outubro, 2012

Ask the local Barcoding Expert. Silvério Paixão, GS1 Portugal 23 Outubro, 2012 Ask the local Barcoding Expert Silvério Paixão, GS1 Portugal 23 Outubro, 2012 9 7 8 8 5 7 1 6 4 4 9 5 3 Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara. ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA José Saramago Agenda Quem Somos

Leia mais

Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool. Lisboa 2014-03-06

Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool. Lisboa 2014-03-06 Alinhamento de dados com Sync PT Data Pool Lisboa 2014-03-06 3 O Alinhamento de dados com a plataforma SYNC PT Data Pool O PROJETO IMPLEMENTAÇÃO O PROCESSO 4 O Alinhamento de dados com a plataforma SYNC

Leia mais

Brasil EPC. Código Eletrônico de Produto. Volume 3

Brasil EPC. Código Eletrônico de Produto. Volume 3 Brasil EPC Código Eletrônico de Produto Volume 3 A implementação do código eletrônico de produto (EPC) e da tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID), promete importantes benefícios aos consumidores

Leia mais

Guia de Codificação para Livros

Guia de Codificação para Livros Guia de Codificação para Livros 1. Introdução A GS1 e as Agências Internacionais do ISBN e ISSN elaboraram diretrizes para ajudar os editores na compreensão das funcionalidades do Sistema GS1 para o setor

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO. UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO. UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AU TOMAÇÃO UMA QUESTÃO DE SEGURANÇA Padrões GS1: Tranquilidade para você e seu cliente. Volume 7 Padrões do Sistema GS1 Habilitando a visibilidade da cadeia de valor. Identificação

Leia mais

Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja

Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja Decorreu no primeiro trimestre 2009, um estudo de avaliação de implementação e desempenho dos códigos de barras comerciais, no âmbito do espaço nacional.

Leia mais

O Contributo Internacional da GS1 no Contexto da Sincronização de Bases de Dados

O Contributo Internacional da GS1 no Contexto da Sincronização de Bases de Dados O Contributo Internacional da GS1 no Contexto da Sincronização de Bases de Dados Lançamento da Plataforma G.R.I.A. 20-04-2009 The global language of business O que é a sincronização de dados? 2009 GS1

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Rotulagem nutricional Intercâmbio de informação entre Sync PT, GS1 Portugal e PortFIR/SGRIA, INSA

Rotulagem nutricional Intercâmbio de informação entre Sync PT, GS1 Portugal e PortFIR/SGRIA, INSA Rotulagem nutricional Intercâmbio de informação entre Sync PT, GS1 Portugal e PortFIR/SGRIA, INSA 6ª Reunião Anual PORTFIR 31 Outubro 2013 Silvério Paixão O Mundo está a mudar Sabia que? Os Consumidores

Leia mais

Informática. Estrutura e Funcionamento de Computadores Software. Aula 8. Tipos de Software. Aplicação Genérica. Aplicação Específica

Informática. Estrutura e Funcionamento de Computadores Software. Aula 8. Tipos de Software. Aplicação Genérica. Aplicação Específica Informática Aula 8 Estrutura e Funcionamento de Computadores Software Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Tipos de Software Software de Sistema Software Aplicacional Gestão do Sistema

Leia mais

The global language of business

The global language of business Serviços de ECR Roadshow Braga 25 de Novembro de 2010 ECR Services Pedro Vítor The global language of business Visão e Missão VISÃO Ser promotora da excelência nas relações eficazes e eficientes ao longo

Leia mais

Centro de Operações Logísticas do Futuro

Centro de Operações Logísticas do Futuro Centro de Operações Logísticas do Futuro Luís Simões Logística Integrada Workshop Normas GS1 nos T&L 29 de Novembro de 2012 - Villa Rica - Lisboa Agenda Apresentação Luís Simões Projeto COL do Futuro -

Leia mais

Agenda. Simpósio Internacional EPC e GDSN 2005. A Importância da Padronização Para a Cadeia de Suprimentos

Agenda. Simpósio Internacional EPC e GDSN 2005. A Importância da Padronização Para a Cadeia de Suprimentos Simpósio Internacional EPC e GDSN 2005 A Importância da Padronização Para a Cadeia de Suprimentos Sergio Ribinik CEO GS1 BRASIL MEMBRO DO ADVISORY COUNCIL DA GS1 E DO BOARD OF GOVERNORS DO EPC GLOBAL Agenda

Leia mais

Rastreabilidade. Sistema EAN UCC 128

Rastreabilidade. Sistema EAN UCC 128 Rastreabilidade Sistema EAN UCC 128 Enquadramento Legal Caracterização Objectivos Rastreabilidade Procedimentos - Etiquetagem Enquadramento legal Regulamento (CE) nº 178/2002, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

WMS - Warehouse Management System

WMS - Warehouse Management System Sistema de Gestão Empresarial LUSANA SOUZA NATÁLIA BATUTA MARIA DAS GRAÇAS TATIANE ROCHA GTI V Matutino Prof.: Itair Pereira Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. WMS... 2 3. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 2 4. POLÍTICA

Leia mais

YET - Your Electronic Transactions. Soluções globais de transações eletrónicas

YET - Your Electronic Transactions. Soluções globais de transações eletrónicas YET - Your Electronic Transactions Soluções globais de transações eletrónicas Conhecimento e experiência na desmaterialização de processos A YET Your Electronic Transactions é uma empresa especializada

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Acompanhamento e Rastreabilidade de Explosivos

Acompanhamento e Rastreabilidade de Explosivos Acompanhamento e Rastreabilidade de Explosivos A solução para implementar a diretiva UE de identificação 2008/43/CE e 2012/4/UE Para pequenas, médias e grandes empresas Considerável potencial de melhoria

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

ZetesAthena Gestão in-store mais inteligente

ZetesAthena Gestão in-store mais inteligente ZetesAthena Gestão in-store mais inteligente WWW.ZETES.COM ALWAYS A GOOD ID Precisão de aprovisionamento para o retalhista omnicanal Evitar a perda de vendas As expetativas dos clientes estão a mudar e

Leia mais

BENCHMARKING 2014. Estudo dos niveis de serviço

BENCHMARKING 2014. Estudo dos niveis de serviço BENCHMARKING 2014 Estudo dos niveis de serviço Objetivo do estudo BENCHMARKING 2014 O objectivo deste estudo é conhecer o nível de serviço oferecido pelos fabricantes do grande consumo aos distribuidores,

Leia mais

Roadshow GS1 PORTUGAL AVEIRO

Roadshow GS1 PORTUGAL AVEIRO Roadshow GS1 PORTUGAL AVEIRO # Café-temático: Qualidade dos dados na Gestão da Informação Susana Gaspar Técnica de Qualidade dos dados GS1 4 de junho 2015 Agenda 1. Qualidade dos dados da informação 2.

Leia mais

Manual do GesFiliais

Manual do GesFiliais Manual do GesFiliais Introdução... 3 Arquitectura e Interligação dos elementos do sistema... 4 Configuração do GesPOS Back-Office... 7 Utilização do GesFiliais... 12 Outros modos de utilização do GesFiliais...

Leia mais

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos 1 1 2 A gestão do armazém está directamente relacionada com o processo de transferência de produtos para os clientes finais, e têm em conta aspectos como a mão-de-obra, o espaço, as condições do armazém

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

Etiquetagem energética de janelas

Etiquetagem energética de janelas Etiquetagem energética de janelas Apresentação sumária Outubro 2012 Razões para um sistema de etiquetagem Ferramenta de comunicação de simples compreensão e suporte à decisão a tomar; Potencia a escolha

Leia mais

5 passos para. implementação. do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE

5 passos para. implementação. do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE 5 passos para implementação do código de barras IDENTIFIQUE CAPTURE COMPARTILHE O que é o código de Barras? Os números de identificação de um produto podem ser representados por meio de um código, possibilitando

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. AUDIÊNCIA 3 3. VALOR DA INFORMAÇÃO 4 4. IMPORTÂNCIA DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 5. MODELO DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 6. RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 7 7. MANUTENÇÃO

Leia mais

VISÃO E MISSÃOECR services

VISÃO E MISSÃOECR services VISÃO E MISSÃOECR services VISÃO Ser promotora da excelência nas relações eficazes e eficientes ao longo da cadeia de valor. MISSÃO Liderar o desenvolvimento e implementação de standards e de boas práticas

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Fonte: http://www.mckinsey.com

Fonte: http://www.mckinsey.com 30000000 70000000 Fonte: http://www.mckinsey.com 700000 1400000 Fonte: http://www.mckinsey.com 22000 43000 Fonte: http://www.mckinsey.com Fonte: http://www.mckinsey.com Disponível em: http://www.gs1.org/healthcare/mckinsey

Leia mais

R evolução no ponto-de-venda Mais dados menos espaço

R evolução no ponto-de-venda Mais dados menos espaço R evolução no ponto-de-venda Mais dados menos espaço 1 Como varejistas, estamos sempre a procura de formas para melhorar a experiência de compra dos clientes. Tendo como base os últimos 25 anos do Sistema

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

Gestão de Armazéns Gestão de Fabrico Gestão de Bobines Registo de Chegadas Sistema para Agentes

Gestão de Armazéns Gestão de Fabrico Gestão de Bobines Registo de Chegadas Sistema para Agentes Laserdata, Lda. Especificidades Para além dos módulos tradicionais num sistema de gestão (Facturação, Stocks, Contas a Receber e Contas a Pagar, Gestão de Encomendas, Orçamentos, etc.), o Lasernet 2000

Leia mais

Regime de bens em circulação e SAF-T

Regime de bens em circulação e SAF-T Regime de bens em circulação e SAF-T Novas regras Julho 2013 Legislação Quem está abrangido Emissão de documentos transporte Comunicação de documentos à AT SAF-T Oportunidades comerciais Sage Portugal

Leia mais

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação

A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação A Gestão de Configurações suporte dos Sistemas de Informação O funcionamento dos sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas organizações um papel cada vez mais crítico na medida em que

Leia mais

ROADSHOW BRAGA Códigos de Barras (EAN, GS1-128, GS1 DataBar e GS1 DataMatrix) 25 de Novembro 2010 Marcos Gaspar Carreira

ROADSHOW BRAGA Códigos de Barras (EAN, GS1-128, GS1 DataBar e GS1 DataMatrix) 25 de Novembro 2010 Marcos Gaspar Carreira ROADSHOW BRAGA Códigos de Barras (EAN, GS1-128, GS1 DataBar e GS1 DataMatrix) 25 de Novembro 2010 Marcos Gaspar Carreira The global language of business Standards Globais Desempenham um importante papel

Leia mais

PHC Pocket Encomendas

PHC Pocket Encomendas PHCPocket Encomendas DESCRITIVO Com o módulo PHC Pocket Encomendas controla totalmente a pré-venda com emissão de encomendas, gere clientes e contas correntes, consulta stocks e promoções em sincronia

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 AUDIÊNCIA 3 IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 3 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 5 RESPONSABILIDADES NA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 6 MANUTENÇÃO E COMUNICAÇÃO DAS

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Desafios da Facturação Electrónica A facturação electrónica (e-invoicing) poderá fazer parte das iniciativas emblemáticas

Leia mais

Gestão dos Níveis de Serviço

Gestão dos Níveis de Serviço A Gestão dos Níveis de Serviço (SLM) Os sistemas e tecnologias de informação e comunicação têm nas empresas um papel cada vez mais importante evoluindo, hoje em dia, para níveis mais elevados de funcionamento

Leia mais

PHC ControlDoc CS. A gestão documental da empresa ou organização

PHC ControlDoc CS. A gestão documental da empresa ou organização PHC ControlDoc CS A gestão documental da empresa ou organização O arquivo digital de todo o tipo de ficheiros (imagens, word, excel, pdf, etc.) e a possibilidade de os relacionar com os dados existentes

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

Manual do Utilizador EAN UCC CODIPOR 72006. 1 www.gs1pt.org

Manual do Utilizador EAN UCC CODIPOR 72006. 1 www.gs1pt.org 1 www.gs1pt.org índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. FUNDAMENTOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA EAN UCC... 6 2.1 ÁREAS DE APLICAÇÃO... 6 2.2 IDENTIFICAÇÃO NUMÉRICA EAN UCC... 6 GTIN NÚMERO GLOBAL DE ITEM COMERCIAL...

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola

Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02. Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Politicas de Armazenagem Formador: João Matias TL02 Trabalho Realizado Por: Helena Pereira - Dora Costa - Armando Gonçalves Paulo Caiola Introdução A informação sempre foi importante, essencial mesmo,

Leia mais

Manual de código de Barras

Manual de código de Barras 1. VISÃO GERAL 1.1 MODITIVAÇÃO: O código de barras é uma forma de representar a numeração, que viabiliza a captura automática dos dados por meio de leitura óptica nas operações automatizadas (EAN Brasil,

Leia mais

BENEFÍCIOS SOLUÇÃO DESTINATÁRIOS

BENEFÍCIOS SOLUÇÃO DESTINATÁRIOS PHC Imobilizado CS DESCRITIVO O módulo PHC Imobilizado CS permite processar automaticamente as amortizacões/depreciacões, as reavaliacões, as imparidades/reversões, bem como as revalorizacões dos activos

Leia mais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais Derechos Quem Somos O Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos, organizada e posicionada para a oferta integrada de Serviços Partilhados para o sector da Saúde.

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007

Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 Biblioteca Virtual BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 A. Introdução A Biblioteca Virtual da Universidade do Porto (BVUP) continuará no ano de 2007 com a sua missão

Leia mais

Factura Electrónica. Diminua os custos do processo de facturação da empresa. Factura Electrónica. Página 1

Factura Electrónica. Diminua os custos do processo de facturação da empresa. Factura Electrónica. Página 1 Diminua os custos do processo de facturação da empresa Página 1 O software PHC é uma ferramenta imprescindível na gestão diária de uma empresa. Trata-se de um software cuidadosamente estudado por utilizadores

Leia mais

Princalculo Contabilidade e Gestão

Princalculo Contabilidade e Gestão COMUNICAÇÃO EXTERNA Junho/2013 REGIME DOS BENS EM CIRCULAÇÃO A obrigação é a partir de quando? 1 de Julho de 2013 Quem está obrigado? Os que no ano anterior tiveram um volume de negócios superior a 100.000

Leia mais

Centro de Inovação e Competitividade

Centro de Inovação e Competitividade Centro de Inovação e Competitividade Contexto para a criação do centro Tendência Internacional das MO s GS1 Análise de melhores práticas mostra que muitas MO s da GS1 têm vindo a implementar Centros Similares,

Leia mais

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta Em início de nova fase, alarga a oferta Com o objectivo de ajudar as empresas a controlar e reduzir custos relacionados com transacções de bens e serviços, o adicionou à sua oferta um conjunto de aplicações

Leia mais

PHC Imobilizado CS BENEFÍCIOS. _ Gestão completa do património imobilizado. _ Impressão de mapas legais obrigatórios

PHC Imobilizado CS BENEFÍCIOS. _ Gestão completa do património imobilizado. _ Impressão de mapas legais obrigatórios PHCImobilizado CS DESCRITIVO O módulo PHC Imobilizado permite processar automaticamente as amortizacões/ reintegracões bem como as reavaliacões dos bens que compõem o imobilizado de uma empresa. PHC Imobilizado

Leia mais

GS1 Brasil Associação Brasileira de Automação. 2011 GS1 Brasil

GS1 Brasil Associação Brasileira de Automação. 2011 GS1 Brasil GS1 Brasil Associação Brasileira de Automação O que são padrões? São acordos que estruturam qualquer atividade ou setor da economia. São regras ou guias que todos aplicam. Ou uma forma de medição, descrição,

Leia mais

PHC ControlDoc BENEFÍCIOS. _Fim do papel a circular na empresa. _Rapidez de encontrar um documento

PHC ControlDoc BENEFÍCIOS. _Fim do papel a circular na empresa. _Rapidez de encontrar um documento Com o ControlDoc pode arquivar digitalmente todo o tipo de ficheiros (Imagens, Word, Excel, PDF, etc.) e relacioná-los com os dados existentes nas restantes aplicações. PHC ControlDoc Reduza os custos

Leia mais

PHC Imobilizado CS. ππ Cadastro e histórico de activos ππ Amortizações. ππ Reavaliações ππ Imparidades ππ Revalorizações ππ Abates ππ Mapas Legais

PHC Imobilizado CS. ππ Cadastro e histórico de activos ππ Amortizações. ππ Reavaliações ππ Imparidades ππ Revalorizações ππ Abates ππ Mapas Legais PHCImobilizado CS DESCRITIVO O módulo PHC Imobilizado permite processar automaticamente as amortizacões/depreciacões, as reavaliacões, as imparidades/reversões bem como as revalorizacões dos activos que

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Os Serviços Partilhados do SUCH

Os Serviços Partilhados do SUCH Os Serviços Partilhados do SUCH ONI e-powered: 1ª Conferência sobre Soluções Integradas para o Sector Público 8 de Abril de 2008 Serviço de Utilização Comum dos Hospitais 7 áreas de negócio Todas operando

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

O aumento da qualidade e eficiência das vendas

O aumento da qualidade e eficiência das vendas PHC dfront O aumento da qualidade e eficiência das vendas A solução Business-to-Business que permite a introdução das encomendas directamente no próprio sistema, bem como a consulta, pelo cliente, de toda

Leia mais

Controle e visibilidade: Internet das Coisas Roberto Matsubayashi*

Controle e visibilidade: Internet das Coisas Roberto Matsubayashi* Controle e visibilidade: Internet das Coisas Roberto Matsubayashi* Existem diversas atividades fundamentais desempenhadas pelas empresas no cumprimento de sua missão, sempre com o objetivo de agregar de

Leia mais

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema

Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Plataforma de Gestão de Actualizações de Software Descrição do Problema Pedro Miguel Barros Morgado Índice Introdução... 3 Ponto.C... 4 Descrição do Problema... 5 Bibliografia... 7 2 Introdução No mundo

Leia mais

Carta de Segurança da Informação

Carta de Segurança da Informação Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA QUAL FOR A SUA NATUREZA. Todo e qualquer produto

Leia mais

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade

PHC dcrm. Aumente o potencial da força de vendas da sua empresa ao aceder remotamente à informação comercial necessária à sua actividade PHC dcrm DESCRITIVO O módulo PHC dcrm permite aos comerciais da sua empresa focalizar toda a actividade no cliente, aumentando a capacidade de resposta aos potenciais negócios da empresa. PHC dcrm Aumente

Leia mais

Introdução à tecnologia RFID

Introdução à tecnologia RFID Sumário Como surgiu a tecnologia RFID... 2 Como funciona?... 2 Quais os benefícios e onde utilizar o sistema de RFID... 4 Utilização proposta... 4 Etapas para leitura de dados via RFID... 5 Diagrama de

Leia mais

Obrigatoriedade do código de Barras nos Produtos

Obrigatoriedade do código de Barras nos Produtos Código: PT-130517 Módulo: PRODUTOS Data: 17/05/2013 Revisão: 17/05/2013 Assunto: Obrigatoriedade do código de Barras nos Produtos GTIN - "Global Trade Item Number" Número Global de Item Comercial na Nota

Leia mais

Grupo MedLog. 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde. Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010

Grupo MedLog. 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde. Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010 Grupo MedLog 35 anos de experiência e inovação em exclusivo na logística da saúde Susana Quelhas Coimbra, 14 de Outubro 2010 MedLog - As Empresas MedLog Passado e Presente Distribuição de medicamentos

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

Guia de apoio à codificação de medicamentos

Guia de apoio à codificação de medicamentos Guia de apoio à codificação de medicamentos Para atender à RDC 54/2013 (Versão 2) Apoio: Introdução... 3 Benefícios esperados... 3 Aplicações... 4 Embalagem secundária:... 4 Identificação: GTIN Codificação:

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos

PHC Workflow CS. O controlo e a automatização de processos internos PHC Workflow CS O controlo e a automatização de processos internos A solução que permite que um conjunto de acções a executar siga uma ordem pré-definida, de acordo com as normas da empresa, aumentando

Leia mais

Segurança do Consumidor na Plataforma Sync PT. IMPLEMENTAÇÃO DO REGULAMENTO (UE) N.º 1169/2011 2 de Abril 2014 INSA

Segurança do Consumidor na Plataforma Sync PT. IMPLEMENTAÇÃO DO REGULAMENTO (UE) N.º 1169/2011 2 de Abril 2014 INSA Segurança do Consumidor na Plataforma Sync PT IMPLEMENTAÇÃO DO REGULAMENTO (UE) N.º 1169/2011 2 de Abril 2014 INSA AGENDA 1. Enquadramento 2. Plataforma Sync PT 3. Qualidade da Informação 4. Regulamento

Leia mais

Benefícios Aumento de produtividade; Sincronização directa e sem problemas; Muito fácil de utilizar.

Benefícios Aumento de produtividade; Sincronização directa e sem problemas; Muito fácil de utilizar. Pocket Encomendas Descritivo completo A solução ideal para os vendedores que precisam de enviar as encomendas por telefone. Evita perdas de tempo e erros, com o PDA acede à informação dos clientes, introduz

Leia mais

Webinar Pergunte ao especialista.

Webinar Pergunte ao especialista. Webinar Pergunte ao especialista. Código de Barras: Entenda, crie e gerencie a identificação do seu produto. Edson Matos 26/02/2015 Padrões GS1 que serão abordados Webinar Para fazer perguntas coloque:

Leia mais

PHC Clínica CS. A gestão operacional total da clínica ou consultório

PHC Clínica CS. A gestão operacional total da clínica ou consultório PHC Clínica CS A gestão operacional total da clínica ou consultório A informação confidencial sobre cada paciente, o seu historial e, se integrado com o módulo PHC Gestão CS, a gestão financeira e a facturação

Leia mais