ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NOS PRIMEIROS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA ESCOLA PÚBLICA DE JANDIRA *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NOS PRIMEIROS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA ESCOLA PÚBLICA DE JANDIRA *"

Transcrição

1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NOS PRIMEIROS ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA ESCOLA PÚBLICA DE JANDIRA * Resumo Aparecida Lúcia de Souza Lima (Faceq) Cláudia Vasconcelos Dantas (Faceq) Este trabalho teve como objetivo analisar as situações que permeiam o processo de alfabetização e letramento dos alunos do ciclo I da Escola Municipal de Ensino Fundamental Moisés Cândido Vieira. Para tanto, foram utilizadas pesquisas bibliográficas que promoveram a fundamentação teórica, servindo como alicerce para os conceitos do alfabetizar letrando. Também foi feita a pesquisa de campo para analisar a prática pedagógica e verificar como ocorreram as relações de ensino-aprendizagem no processo de alfabetização e letramento, bem como as hipóteses de leitura e escrita construídas por três alunos durante as aulas de alfabetização. Dessa forma, pudemos concluir que a maneira como o professor desenvolveu seu trabalho dentro da sala de aula faz a diferença no processo de aquisição de leitura e da linguagem escrita e que os processos de letramento e de alfabetização devem ser conduzidos concomitantemente. Palavras-chave: Letramento, alfabetização, professor alfabetizador. Abstract This study aimed to analyze situations that permeate the process of literacy and literacy of students from the first cycle of the Municipal School of Basic Education Moses Cândido Vieira. Thus, we used literature searches that promoted the theoretical foundation, serving as a foundation for the concepts of literacy. Was also done field research to analyze the pedagogical practice and see how relations were teaching-learning process in literacy and literacy, as well as reading and writing hypotheses constructed by three students during literacy classes. Thus, we conclude that the way the teacher developed their work in the classroom makes a difference in the acquisition of reading and written language and literacy processes and literacy should be conducted concurrently. Keywords: literacy, alphabetization, literacy teacher. * Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade Eça de Queiros (Faceq-Uniesp) em 2012, como exigência parcial para obtenção do título de Licenciatura em Pedagogia, sob orientação do Prof. Ms. Washington Nascimento. 1

2 Introdução Os anos iniciais de alfabetização são de grande preocupação para Ferreiro, Teberoski (2007) e outros teóricos que, ao longo dos anos vêm desenvolvendo vários tipos de estudos sobre essa temática. Muitos deles tentam desmistificar o conceito entre letramento e alfabetização que tanto traz dúvidas para os alfabetizadores e algumas áreas educacionais. Para estes teóricos os conceitos de letramento e alfabetização se misturam e se confundem e, a discussão sobre ambos parece estar envolta de concepções equivocadas que levam a síntese diversificada entre os dois processos. O presente trabalho tem como foco estudar a Alfabetização que, como cita Paulo Freire e Macedo (1990) é a relação entre o educando e o mundo, mediada pela prática transformadora deste mundo e o Letramento, segundo Magda Soares (2000) é o estado em que vive o indivíduo que não só sabe ler e escrever, mas exerce as práticas sociais de leitura e escrita que circulam na sociedade em que vive. Então, podemos entender que a alfabetização e o letramento são processos que concomitante, caminham juntos e preferivelmente não podem ficar dissociados, Todavia o que se percebe no cotidiano escolar e nas práticas pedagógicas é que nem sempre a teoria sustenta a prática, ou seja, não necessariamente um aluno alfabetizado (em primeiro momento) terá a capacidade de exercer as práticas sociais de leitura e escrita que permeiam a sociedade, ou seja, tem-se a concepção de que o aluno deve primeiro adquirir o conhecimento sobre o sistema da escrita (como conhecer o alfabeto, junções de sílabas) para posteriormente exercer a prática de leitura cotidiana como ler bilhetes, cartas, convites, receitas e etc. Diante dessa temática e refletindo sobre o modo como fomos alfabetizadas método tradicional com uso de cartilhas podemos dizer que um indivíduo que faz correspondência entre grafemas e fonemas (codificação e decodificação) e não se apropria desse conhecimento para informar ou informar-se, interagir e ampliar o seu próprio repertório, não é considerado um sujeito alfabetizado/letrado. Com isso, após ingressarmos no Curso de Pedagogia e no mercado de trabalho na área da Educação, nos interessamos prontamente em pesquisar e entender um pouco mais o processo pelo qual ocorre a alfabetização e letramento no segmento escolar, bem como as polêmicas que cercam os métodos utilizados no processo de ensino aprendizagem. 2

3 Procuramos também compreender os fatores que corroboram para que um número elevado de alunos chegue ao 4ª e ao 5º ano do Ensino Fundamental I sem terem se apropriado dos requisitos mínimos que exigem a leitura e a escrita, Dessa forma, delineou-se o problema da pesquisa: quais são os motivos que justificam as falhas existentes na alfabetização e letramento? Porque o processo não ocorre simultaneamente para que haja uma efetivação mais rápida na aquisição do saber? Os métodos utilizados são realmente eficazes ou necessitam de uma nova abordagem? Diante de tantas indagações surgiram algumas hipóteses que buscamos confirmar na execução desse trabalho. Dentre elas estão: a) os métodos atuais, principalmente o global, são vagos e não seguem uma sequência de grau de dificuldade, por isso, a criança se perde no meio do caminho e não consegue acompanhar o grupo, b) com o método tradicional, utilizado nos primórdios, as crianças se apropriavam mais rápido da leitura e da escrita, pois este método seguia uma sequência lógica e crescente de grau de dificuldade, c) trabalhando o método tradicional juntamente com a teoria construtivista, seria possível um resultado melhor e menos insatisfatório. Das leituras realizadas, debates e discussões desenvolvidas de maneira formal e informal, participação nos grupos de pesquisa, análise de documentos e experiência empírica, surgiram reflexões e questionamentos que nos levaram a este estudo que tem como objetivo geral analisar as situações que permeiam o processo de alfabetização e letramento dos alunos em classes do ensino fundamental do ciclo I. Especificamente temos como objetivos: analisar as bases teóricas que fundamentam os conceitos de alfabetização e letramento, refletir sobre os processos de evolução da leitura e da escrita nas fases iniciais, identificar os métodos de ensino utilizados pelos professores e como estes se posicionam frente à heterogeneidade existente em sala de aula, averiguar e analisar as hipóteses levantadas pelos alunos acerca do processo de aprendizagem da leitura e escrita, fazendo uma observação sobre as principais dificuldades que ambos (alunos e professores) enfrentam em seu cotidiano escolar. Refletir sobre os fatores que contribuem para que uma gama de crianças não consiga atingir os requisitos mínimos de instrução. Este estudo justifica-se e tem relevância na medida em que nos dá subsidio para uma compreensão e reflexão mais aprofundada sobre as causas que levam aos paradoxos alarmantes de fracasso escolar que é notório por qualquer observador que, apesar dos esforços 3

4 e das boas intenções dos educadores e funcionários é perceptível que os problemas e suas causas ainda persistem em aparecer. Nessa mesma perspectiva, cabe aqui contribuir com uma reflexão acerca da metodologia que é trabalhada o letramento e alfabetização dentro da escola pública, pois acreditamos que a eficiência e/ou ineficiência dos métodos de ensino e o modo como ocorre a aprendizagem é fator de grande relevância e merece ser estudado, pois os dados estatísticos que aparecem sobre o analfabetismo funcional acabam direta ou indiretamente comprometendo o trabalho do professor alfabetizador, pois muitos alunos apesar de estarem dentro da mesma sala de aula não conseguem acompanhar os outros ficando em sérias defasagens. Apesar da diversidade de métodos existentes para ensinar a ler e escrever percebe-se que o problema é complexo, amplo e necessita de uma atenção especial. Afinal, pode-se dizer que a leitura e a escrita se constitui no principal objetivo da instrução básica e, sua aprendizagem é o que determina o sucesso ou o fracasso escolar. Com esse quadro, e com as observações realizadas e sentidas na prática cotidiana de sala de aula, decidimos fazer o estudo de pesquisa de campo na Escola Municipal de Educação Básica (EMEB) Moisés Cândido Vieira, visto que nesta escola, é bem notável, a existência de uma parcela de crianças no 4º e 5º ano que, ainda não conseguem se apropriar do sistema de leitura e escrita, mantendo-se à margem da alfabetização e consequentemente do letramento. Ruiz (1998) explicita que a pesquisa de campo tem como alicerce a observação dos fatos assim como ocorrem espontaneamente, na coleta de dados e no registro de variáveis relevantes. Sendo assim, para a realização desse trabalho foi abordada a técnica de pesquisa de campo e caráter exploratório com abordagem qualitativa. Segundo Marina Markoni e Eva Lakatos (1999) a pesquisa exploratória tem como objetivo a formulação de questões ou de um problema com o intuito de desenvolver hipóteses, aumentar a familiaridade do pesquisador com o ambiente, fato ou fenômeno para a realização de uma pesquisa futura mais fidedigna, clareando e modificando conceitos. Para esse estudo foram realizadas pesquisas em fontes bibliográficas, pesquisa documental, aplicação de questionários com questões abertas, observação direta de como ocorre o processo de ensino/aprendizagem de alfabetização e letramento em sala de aula. Os participantes foram os pais dos alunos e a professora do primeiro ano do Ensino Fundamental 4

5 I, os quais responderam a questionários elaborados pelas próprias autoras do trabalho. Estes foram distribuídos durante a reunião de pais e mestre e nos horários de entrada e saída dos filhos. Para a professora o questionário foi dado durante a aula de especialistas, devido à impossibilidade de responder durante o tempo da aula. Salientando que os discentes foram os protagonistas do estudo, pois contribuíram de forma direta para as observações e registros feitos pelas pesquisadoras. As respostas dos questionários e observações dos alunos foram analisadas paralelamente com referencial teórico e a prática no cotidiano escolar. Com relação aos cuidados éticos os nomes dos alunos e professores envolvidos no estudo foram mantidos em sigilo, e os nomes exposto nesse trabalho foram figurativos para evitar constrangimento ou qualquer tipo de coerção. Antecedendo a análise dos questionários, houve a verificação dos dados e a tabulação. Mattar (1996) justifica que a verificação dá a possibilidade de verificar se todas as questões foram respondidas, se o entrevistado seguiu corretamente as instruções de preenchimento, se houve coerência nas respostas, se as respostas foram escritas legivelmente e se o texto foi compreensível. E a tabulação consiste em organizar os dados gráficos e/ou tabelas, para serem analisados por técnica de análise estatística. CAPITULO I - ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: QUESTÕES CONCEITUAIS E TEÓRICAS. Ao longo da história o conceito de alfabetização foi sendo identificado como ensinoaprendizagem do sistema alfabético de escrita, ou seja, na leitura a capacidade de decodificar os sinais gráficos transformando-os em sons, e na escrita, a capacidade de codificar os sons da fala e transformá-los em sinais gráficos. Nos dicionários da Língua Portuguesa, alfabetizado se refere ao indivíduo que somente aprendeu a ler e escrever, não se refere aquele que adquiriu o estado ou condição de quem se apoderou da leitura e da escrita, e que consegue de maneira satisfatória responder as demandas das práticas sociais (DONALDO, 1990). Com os estudos realizados por Emília Ferreiro e Ana Teberoski (2007), o conceito de alfabetização foi sendo ampliado. Segundo as autoras, a escrita não se reduzia ao domínio e a 5

6 correspondência entre grafemas (letras/decodificação) e fonemas (sons/codificação), mas, se caracteriza como um processo ativo, por meio do qual a criança construiria e desconstruiria suas hipóteses acerca do funcionamento da língua escrita para compreendê-la como um sistema de representação da fala. No desenvolvimento da leitura e escrita, considerado como um processo cognitivo, há uma construção efetiva de princípios organizadores que, não apenas podem ser derivados somente da experiência externa, como também são contrários a ela; são contrários, inclusive, ao ensino escolar sistemático e às informações não sistemáticas. (FERREIRO, 2011, p. 20) Partindo dessa afirmação, percebe-se que o termo alfabetização, foi passando progressivamente a ser visto como um domínio de conhecimento que permite o uso de várias habilidades que ultrapassam as barreiras e os métodos escolares no qual o sujeito está inserido. Emília Ferreiro (2011) defende a importância da compreensão do mecanismo de interação da criança com a língua, deixando claro que esta aquisição não pode estar vinculada a uma simples reprodução do falado para o escrito, mas que é preciso um nível de significância para que a criança assimile o aprendizado. Nesse contexto, percebe-se que houve grandes mudanças, no que durante um bom tempo, consideramos como sendo alfabetização. Se até o início do século XX basta que o sujeito soubesse assinar seu próprio nome para ser considerado alfabetizado, com o passar do tempo, esta denominação careceu de maiores especificações. Ler e escrever um bilhete simples também passou a não ser mais capaz de designar os diferentes graus de apreensão da linguagem escrita. A insuficiência de conceitos e expressões capazes de retratar a situação da população em relação à apropriação da linguagem escrita, bem como de designar os diferentes aspectos que englobam esse fenômeno levou alguns estudiosos a empregarem o termo letramento. O termo letramento provém de literacy, uma palavra inglesa vinda etimologicamente do latim litera (letra), com o sufixo cy, que denota qualidade, estado ou condição que assume aquele que aprende a ler e escrever. Ou seja: literacy é o estado ou condição que assume aquele que aprende a ler e escrever. Implícita nesse conceito está a ideia de que a escrita traz consequências sociais, culturais, políticas, econômicas, cognitivas e linguísticas, quer para o grupo social em que seja introduzido, que para o indivíduo que aprende a usá-la. (SOARES, 2003, p. 17). 6

7 O termo Letramento passa a ser designador de uma prática social, onde o individuo demonstra suas habilidades de compreensão total da leitura e da escrita e as utiliza para transformar sua realidade, inter-relacionando essas habilidades com suas necessidades para mudanças posteriores, mudanças que correspondem a valores, progresso profissional, práticas sociais e cidadania. Nessa perspectiva, os conceitos de alfabetização e letramento ressaltam duas dimensões da aprendizagem escrita. De um lado, as capacidades de ler e escrever propriamente ditas, e, de outro, a apropriação efetiva da língua escrita. A maneira como as pessoas se apropriam da escrita no contexto social pode ser reconhecida em seus comportamentos e atitudes diante de situações em que a escrita torna-se um instrumento fundamental para as suas interações e inserção no mundo. A condição letrada parece ser resultado de um conjunto de fatores que se articulam entre si: o convívio com pessoas letradas, a participação efetiva em eventos de letramento, o desenvolvimento das capacidades de leitura e escrita, o conhecimento de protocolos de uso da escrita. Esses são alguns dos elementos presentes na formação do perfil letrado dos diferentes grupos sociais e culturais que compõem uma sociedade. Evidentemente adultos e crianças participam de diversos eventos de letramento 1 e neles têm a possibilidade de ampliar seus conhecimentos sobre a linguagem escrita. No entanto, a escola desempenha um papel importante na inserção da criança no mundo letrado, e também tem a responsabilidade na sua formação como usuário desse sistema simbólico. Em geral, é na escola que a criança se alfabetiza, desenvolve a capacidade de leitura e produz textos. Mas, é nas crianças menos provida de acesso a materiais escritos, que a importância da escola se acentua. Para esse segmento, a escola se constitui num espaço privilegiado e, às vezes único para adquirir e usufruir da cultura letrada que tem dominado as relações sociais nos diversos contextos. A aprendizagem da escrita está relacionada ao desenvolvimento individual interiorizado na história de cada um, iniciado pela criança muito antes da primeira vez em que o professor coloca um lápis em sua mão e lhe mostra como formar letras (VYGOTSKY, 2006). 1 Eventos de letramento são situações nas quais o uso da língua escrita se mostra determinante para a realização de algumas tarefas. 7

8 As pesquisas desenvolvidas pelas argentinas Emilia Ferreiro e Ana Teberosky (2008), demonstram que a aprendizagem é resultado de um processo de reconstrução cognitiva da interação do sujeito com a escrita enquanto conhecimento culturalmente contextualizado. Pretendemos demonstrar que a aprendizagem da leitura, entendida como questionamento a respeito da natureza, função e valor desse objeto cultural que é a escrita, inicia-se muito antes do que a escola imagina, transcorrendo por insuspeitos caminhos. Que, além dos métodos, dos manuais, dos recursos didáticos, existe um sujeito que busca a aquisição de conhecimento, que se propõem problemas e trata de solucioná-los, seguindo sua própria metodologia [...] insistiremos sobre o que se segue: trata-se de um sujeito que procura adquirir conhecimento, e não simplesmente de um sujeito disposto a adquirir uma técnica particular. Um sujeito que a psicologia da lecto-escrita esqueceu. (FERREIRO E TEBEROSKY, 2008) Ferreiro e Teberosky (2008), na investigação de como a criança aprender a ler e escrever verificou que a aquisição da lecto-escrita é uma aquisição de natureza conceitual que não se restringe ao ambiente escolar, mas é construída durante vários anos. Assim como os seres humanos que construíram as formas de representação da escrita durante vários longos anos, o sujeito ao longo de sua história pessoal também chega à escrita num processo evolutivo similar. Cada aluno tem suas particularidades e individualidades e apresenta novos desafios e novos questionamentos para o educador. Como discípula de Jean Piaget, Emília Ferreiro (2011) procura aplicar as descobertas realizadas por ele a respeito de como ocorre o processo de aprendizagem na área específica de leitura e escrita. Com isso, ela consegue mudar o foco do trabalho, que era tradicionalmente o educador, para colocá-lo no aluno. Essa visão teórica deu alicerce às críticas das práticas alfabetizadoras presentes nos métodos de ensino da língua escrita. Até então, os estudos sobre a alfabetização estava na disputa de definir qual o melhor método e mais eficaz para se alfabetizar, centrada, principalmente entre os métodos sintéticos (que se inicia por elemento menor que a palavra) e analíticos (da palavra e frases para unidades menores). Essa disputa foi, seguidamente, aumentada pela chegada do método fônico que tem como ponto de partida, a linguagem falada. Na teoria de Piaget, então, um mesmo estímulo (ou objeto) não é o mesmo a menos que os esquemas assimiladores à disposição também o sejam. O que equivale a colocar o sujeito da aprendizagem no centro do processo, e não aquele que, supostamente, conduz a aprendizagem (o método, na ocasião, ou quem o veicula). E isso nos obriga - felizmente - a estabelecer uma clara distinção entre os passos que um método propõe e o que efetivamente ocorre 8

9 na cabeça do sujeito. Dizemos felizmente, já que a [...] conclusão que nos parece inaceitável: os êxitos na aprendizagem são atribuídos ao método e não ao sujeito que aprende. (FERREIRO E TEBEROSKY, 2008, p. 27) De acordo com Ferreiro e Teberosky (2011), o sujeito coloca em jogo todos os esquemas de conhecimento cognitivo que tem, construindo teorias e hipóteses sobre a linguagem escrita, e isso sucede em uma progressão regular constituindo os níveis ou fases de aquisição. Distinguem nessa progressão três períodos em que tentam solucionar problemas específicos: diferenciação entre o modo de representação icônico e não icônico 2 : diferenciação entre o que se escreve, com critérios ligados a quantidade e tipo de marca que se empregará; inserção de recursos fonéticos à escrita. Ainda nessa perspectiva, as autoras relatam que antes da criança se apropriar do sistema de representação escrita, ela precisa conseguir respostas para duas perguntas: O que a escrita representa e qual a estrutura que é preciso utilizar para sua representação. Esses estudos revelam que antes de fazer relação entre o falado e o escrito, a criança elabora outras formas para a representação do sistema. No entanto, A escola considera evidente que a escrita é um sistema de signos que expressam sons individuais da fala e supõe que também para a criança isso seja dado a priori. Mas não é. No início do processo, toda criança supõe que a escrita é uma outra forma de desenhar as coisas. (WEISZ, 2001, p. 4) Ferreiro (2011) relata que a aprendizagem da leitura e da escrita passa por níveis. O nível pré-silábico um, é quando a criança, ainda sem fazer distinções, propõe-se a imitar o ato de escrever. Nesse suposta escrita ela crê que poderia ou deveria escrever certo conjunto de palavras imitando a ação de escrever. O resultado dessas primeiras escritas infantis pode aparecer, desde o ponto de vista figural, como linhas onduladas ou quebradas (zig-zag), contínuas ou fragmentadas, ou como uma série de elementos discretos (séries de linhas verticais ou bolinhas). No nível dois a intenção subjetiva do escritor conta mais que as diferenças objetivas no resultado. O aprendiz formula a hipótese segundo a qual é necessário certo número de caracteres para escrever algo, e uma variedade entre as grafias. 2 A representação icônico remete ao termo ícone sendo que uma de suas acepções, aquela relacionada à semiótica, designa signo que apresenta uma relação de semelhança ou análoga com o objeto que representa (como uma fotografia, uma estátua ou um desenho figurativo). 9

10 Na fase silábica passa-se de uma correspondência global para uma correspondência termo a termo, cada letra vale por uma sílaba. Destacam-se duas características centrais deste nível: 1. Supera-se a etapa de uma correspondência global entre a forma escrita e a expressão oral e se passa a uma correspondência entre partes do texto (cada letra) e partes da expressão oral (recorte silábico do nome), 2. A criança trabalha pela primeira vez com a hipótese de que a escrita representa partes sonoras da fala. O nível silábico-alfabético é quando o aprendiz abandona a hipótese silábica e descobre a necessidade de fazer uma análise que vai além das sílabas. È movido pelo conflito que experimenta a partir da hipótese silábica, juntamente com a exigência de quantidade mínima de grafias (ambas, hipóteses originais da criança) e as formas gráficas que o meio lhe propões. No nível alfabético o aprendiz compreendeu que cada caractere da escrita equivale a valor sonoro menor que a silaba, e realiza sistematicamente uma análise sonora dos fonemas das palavras que serão escritas. A partir desse momento, a criança se confrontará com as dificuldades próprias da ortografia, mas não terá problemas de escrita, no sentido estrito. O estudo desses níveis é de estrema relevância para o alfabetizador, pois lhe dá a possibilidade de interpretar os tipos de escrita sob uma nova ótica e permite aceitar com naturalidade a existência destas produções, ao invés de enxergar um aluno que come letras, que tem problemas patológicos ou que não dá a devolutiva da forma como foi ensinado. Nesta situação, a teoria é bem válida, no entanto, se torna ineficaz quando no contexto social, a mesma não é significativa e não tem função alguma. Nisso concordamos com Lerner (2008, p. 28) sobre a transposição didática que relata que há um: [...] abismo que separa a prática escolar da prática social da leitura e da escrita.... Infelizmente, durante o processo educacional, o saber é muito fragmentado e gradual, no principio é proposto uma leitura mecanizada, depois, bem depois, vem a leitura compreensiva. Primeiramente ensinam-se as letras, depois as sílabas, palavras, textos e interpretações e depois, quando isto é feito, vem a realização de uma leitura crítica. Lerner (2008) nos chama a atenção sobre a transposição didática, que não pode e não deve ser responsabilidade só do professor, é também dos governos, da equipe diretiva, docente de cada unidade e comunidade cientifica. O professor tem a incumbência de planejar eficazmente às suas ações, refletir sobre sua prática e efetuar retificações quando necessárias e possíveis. 10

11 Portanto, a escola não deve ser palco de exercícios sem significados para o aluno. Isto não é tarefa fácil, mas é salutar e imprescindível o envolvimento de todos. CAPÍTULO II A IMPORTÂNCIA DA LEITURA E DA ESCRITA Apesar da leitura e da escrita ser descoberta a mais de cinco mil anos elas continuam modernas no que se refere à sua importância como meio de comunicação entre os seres humanos. Não podemos negar que elas estão presentes em nosso cotidiano e já fazem parte de nossa vida mesmo quando não a queremos. A todo instante nos deparamos com a leitura de embalagens, rótulos, bilhetes, revistas, jornais, outdoors, mandamos e recebemos s, mensagens e etc. Pode-se dizer então, que as ações do homem são em sua maior parte, acompanhadas pela leitura e a escrita. Portanto, a leitura não é e nem deve ser compreendida como a simples ação de decodificação de símbolos gráficos. Ler é um processo onde ocorre a interação do leitor com o texto, é onde leitor consegue interpretar os conteúdos que o texto apresenta (SOLÉ, 1997). Esse exercício [...] implica habilidades várias, tais como: capacidade de ler ou escrever para atingir diferentes objetivos para informar ou informar-se, para interagir com os outros, para imergir no imaginário, no estético, para ampliar conhecimentos, para seduzir ou induzir, para divertir-se, para orientar-se, para apoio à memória, para catarse...: habilidades de interpretar e produzir diferentes tipos e gêneros de textos; habilidades de orientar-se pelos protocolos de leitura que marcaram o texto ou de lançar mão desses protocolos, ao escrever: atitudes de inserção efetiva no mundo da escrita, tendo interesse e informações e conhecimentos, escrevendo ou lendo de forma diferenciada, segundo as circunstâncias, os objetivos, o interlocutor [...]. (SOARES, 2001, p.92) Sobre esse respeito, ler é compreender as mensagens explícitas e implícitas da leitura fazendo uso delas para interpretar a informação. Por sua vez, escrever não é a imagem de uma transcrição do pensamento. Escrever exige bem mais, exige que o indivíduo reflita sobre o conteúdo, reorganize as ideias e recorra à melhor maneira de expressar suas reais intenções, representando os possíveis destinatários, controlando também todas as variáveis que estiverem ao seu alcance num intuito de que o texto escrito esteja o mais próximo possível do texto que se lê. 11

12 Nesse sentido podemos afirmar que há uma continuidade do processo entre a aquisição do desenvolvimento da linguagem oral e aprendizagem da escrita: Não é um processo linear. Ao contrário da ideia razoavelmente difundida de complexidade cumulativa, tão cara à escola, é um processo de construção que envolve idas e vindas, reorganizações, reestruturações não concomitantes de subsistemas, articulações entre eles [...]. Em todos os casos, o sujeito está necessariamente presente, assim como o outro, o mundo e a própria linguagem, em interação e inter-relação. ( SCARPA, 1987, p ). Nesse mesmo contexto, Freire (1991) afirma: Não basta saber ler Eva viu a uva. É preciso compreender qual a posição que Eva ocupa no contexto social, quem trabalha para produzir a uva e quem lucra com esse trabalho. Dessa forma Freire nos chama a atenção sob o fato de que a não basta apenas dominar a escrita como instrumento tecnológico. É preciso considerar as consequências políticas que cercam o aprendiz no mundo da escrita e essa inserção favoreceria uma leitura crítica sob a sociedade na qual ele está inserido. Assim Inicialmente, o desenvolvimento da linguagem escrita ou do processo de letramento da criança é dependente, por um lado, do grau de letramento da instituição familiar a que pertence isto é, da maior ou menor presença, em seu cotidiano, de práticas de leitura e de escrita (LEMOS, 1988, p.11). No entanto, é importante destacar também que o professor deve ter a consciência de que uma parte da responsabilidade ao acesso ao mundo da escrita é da escola, e cabe a eles conceber a alfabetização e o letramento como fenômenos complexos que merecem atenção, principalmente no que diz respeita às múltiplas possibilidades de uso da leitura e da escrita na sociedade. Portanto, as práticas pedagógicas em sala de aula devem estar sempre direcionadas no sentido da alfabetização na perspectiva do letramento proporcionando a construção de habilidades para o exercício dentro da sociedade em que o sujeito está inserido. Trabalhar a alfabetização na perspectiva do letramento é uma opção política e, acreditar que isso é possível é um aspecto a ser refletido, pois não basta compreender a alfabetização como aquisição de uma tecnologia, é preciso ter ciência de que o ato de ensinar a ler e a escrever requer a possibilidade de criar condições para que o sujeito faça parte do seu 12

13 contexto social, agindo como ser ativo e crítico, capaz de exercer práticas conscientes de consumo e produção de conhecimento em diferentes instâncias sociais e políticas. Nesse ínterim, o professor é constantemente desafiado a assumir uma postura política que envolve o conhecimento e o domínio do que irá ensinar principalmente no que se refere à complexidade de alfabetizar e letrar. CAPÍTULO III A ESCOLA: HISTÓRIA E ESTRUTURA Na cidade de Jandira, no Jardim Europa, encontra-se a Escola Municipal de Educação Básica Moisés Cândido Vieira. É uma escola da rede pública municipal, cuja missão está em desenvolver nos alunos valores culturais, morais e éticos integrando os elementos da vida social aos conteúdos trabalhados no ambiente escolar, visando compreendê-los como cidadãos que devem ser agentes transformadores da sociedade, além de críticos, responsáveis e participantes. A Unidade é considerada de grande porte e está distribuída em térreo, primeiro e segundo andares, sendo que no térreo há secretaria, sala da Direção, sala da Coordenação, almoxarifados, banheiro para funcionários e funcionárias, banheiro da Direção, banheiro adaptado para deficientes, banheiro para os alunos (masculino e feminino), sala de informática, sala de recursos multifuncionais, sala dos inspetores, sala das funcionárias da Empresa NB (Serviços Gerais, refeitório, cozinhas, pátio, sala dos professores, cantina, três salas de aula e estacionamento). No primeiro andar encontramos doze salas de aula, biblioteca, sala de jogos e sala de vídeo. No segundo andar uma sala de aula e uma sala de suporte para aulas teóricas da Fanfarra. Já no lado externo da Unidade Escolar há uma quadra coberta e outra descoberta. Também há o prédio da UAB (Universidade Aberta do Brasil) e banheiros femininos e masculinos com vestiários. A Unidade encontra-se entre o centro e a periferia da cidade, há muitas casas residenciais feitas de alvenaria e muitos comércios como bares, padarias, supermercados, farmácias e etc. E a comunidade possui um perfil socioeconômico bem diversificado, mas a maior parte encontra-se inserida na renda mínima, onde pais e mães trabalham fora como empregados na indústria, comércio, construção civil e etc., sendo a renda familiar 13

14 complementada com programas da bolsa família, uniformes escolares e auxilio com materiais didáticos. A escola trabalha com ensino infantil e fundamental do Ciclo I e possui uma sala multifuncional para atendimento de crianças portadoras de necessidades especiais. Ela possui 1039 alunos matriculados, distribuídos nos dois turnos. A faixa etária varia entre 06 a 12 anos de idade. Os alunos inseridos nesta escola são bem carentes tanto no aspecto econômico, social quanto cultural. Percebe-se que muitos não possuem os materiais básicos para se manterem na escola, cabendo a ela (escola) suprir essas necessidades. Também devemos salientar que a dificuldade de aprendizagem é bem saliente e, não podemos afirmar se ela provém de problemas neurológico, psicológico ou se é de fato consequência da falta de auxílio e/ou incentivo no ambiente de casa ou porque não, do ambiente escolar. No aspecto cultural, percebeu-se que muitos alunos nunca foram ao cinema, teatro ou participaram de algum evento que envolve qualquer tipo de cultura e, com relação a aquisição e pertencimento de livros, ficou bem explícito, que também são bem necessitados, e muitas vezes a escola é a provedora mais importante e quase única desse material, entre tantos outros. O corpo docente é formado por professores efetivos e efetivos adjuntos. Os adjuntos só lecionam em salas em que os professores titulares se afastam por motivos de doenças, licença maternidade, licença prêmio ou outros tipos de ausências. Todos os professores possuem formação no magistério ou nível superior, alguns possuem cursos especialização e a maioria fez cursos de formação ofertados pela secretaria da educação. De acordo com conversas informais, eles relataram que já lecionam a mais de cinco anos e procuram estar sempre se atualizando na medida em que sobra algum tempo, pois muitos fazem jornada dupla em outros municípios para aumentar a renda familiar e conseguir suprir suas necessidades. A equipe gestora é formada por duas coordenadoras, uma diretora e uma vice-diretora. Todas possuem curso superior e são efetivadas na prefeitura do município. Para a nomeação ao cargo de diretor escolar e vice-diretor, de acordo com a Lei nº. 1374/ 2002 do município de Jandira, é preciso que os candidatos possuam curso em Pedagogia ou que tenha sido indicado por alguma pessoa política. No caso em questão, a diretora foi 14

15 indicada por um representante da Secretaria da Educação e a vice-diretora sob indicação direta da diretora. O cargo de professor-coordenador pode ser por indicação política ou indicação direta da Secretaria da educação. No entanto, para a ocupação do cargo, de acordo com a Lei é necessário que o candidato seja professor efetivo ou efetivo adjunto. Já o cargo de professor é adquirido por meio de concurso público ou contrato sob Consolidação das Leis do trabalho (CLT) CARACTERIZAÇÃO DA SALA DE AULA PERFIL DOS ALUNOS O estudo foi desenvolvido numa sala de primeiro ano do Ensino Fundamental I com 38 alunos freqüentes, com faixa etária entre seis e sete anos de idade. Cerca de dez alunos nunca freqüentou a escola, três evadiram-se no ano anterior e o restante dos alunos concluiu a fase pré-escolar. Percebe-se que é uma sala bem heterogênea onde há alunos entre os dois extremos, há os que estão na fase silábica alfabética e existem alunos que ainda não conseguem escrever o próprio nome e encontram-se na fase pré-silábica e garatuja. É notória a indisciplina entre eles, a maioria quer resolver os conflitos no grito ou por meio de agressões, tendo a professora que mediar constantemente essa situação. Nota-se que a maioria dos alunos é bem carente, principalmente, no que se refere às vestimentas, material escolar, e a própria nutrição. Muitos deles nunca foram ao teatro, cinemas e nem a uma biblioteca, tendo a escola, como único meio para proporcionar essas atividades. Os alunos pertencem à classe média baixa e necessitam da bolsa escola para completar a renda familiar, contam também com o auxilio de material escolar e uniforme doados pela prefeitura do município PERFIL DOS PAIS A pesquisa se desenvolveu, primeiramente, com um questionário dado aos pais dos alunos. Questionário este que teve como objetivo traçar o perfil socioeconômico e cultural dos envolvidos. 15

16 O estudo revelou que cerca de sessenta por cento dos pais é de origem nordestina e migraram de suas cidades para procurar melhores condições de trabalho, os outros quarenta por cento são do próprio município, mas todos relataram que tiveram os seus filhos nas regiões do estado de São Paulo, regiões como Carapicuíba, Osasco, Jandira e outras. Um percentual salutar trabalha fora da região, ocupando cargos em empresas, lojas e padarias, outros estão no mercado informal, como vendedores autônomos, camelôs e etc. Recebem renda entre um a dois salários mínimos e, necessita da bolsa família para complementar a renda, contando também com o material escolar e uniformes doados pela prefeitura. De acordo com a pesquisa, quarenta por cento dos pais possuem o antigo primeiro grau, ou seja, completou a quarta-série do ensino fundamental, trinta por cento terminaram a oitava série, mas tiveram que deixar os estudos para trabalhar e sustentar a família e o restante conseguiu concluir o Ensino Médio, porém muitos destes relataram que iam esporadicamente à escola. Quando indagados a respeito da leitura, muitos responderam que não leem e nem tem material de leitura em casa, justificaram que os livros são caros, não têm tempo para irem às bibliotecas, e nem compram revistas porque o preço não cabe no orçamento, e ficam sabendo das noticias por meio televisivo, bancas de revistas e alguns jornais distribuídos gratuitamente no trem ou metrô. Cerca de vinte por cento respondeu que nem mesmo o jornal gratuito eles leem, pois devido à falta de instrução não conseguem compreender o que a notícia quer dizer PERFIL DA PROFESSORA A professora Cátia Oliveira cursou Magistério em uma instituição pública do município de Osasco tradicionalmente renomada com relação à formação de professores, concluindo o curso no ano de Graduou-se no curso de Pedagogia no ano de 2003 com habilitação para as quatro séries iniciais 3 numa instituição privada do município de Cotia. No ano letivo de 2008 participou de um curso de formação de professores sobre alfabetização, promovido pela cidade de Itapevi, curso este, que tem a denominação Letra e Vida e tem como principal objetivo envolver e capacitar o professor às novas práticas de ensino e aprendizagem. No ano de 2010 deu continuidade aos seus estudos, cursando Pós 3 Nomeados como 1ª,2ª,3ª e 4ª séries. 16

17 Graduação em Psicopedagogia numa instituição privada. Cabe também ressaltar a experiência profissional: a atuação da docente em turmas de alfabetização na Rede Municipal de Ensino de Jandira concomitante com outras cidades 4. De 2004 a 2009, a professora atuou em turmas de primeira série, no ano de 2010 até início de 2011 se afastou da sala de aula para atuar como coordenadora pedagógica, voltando a lecionar nas salas de alfabetização, completando assim, seis anos de experiência. Destacamos que a continuidade dos estudos em uma mesma área começada pelo magistério, pedagogia, cursos de extensão e psicopedagogia, evidenciam o interesse da professora em se instrumentalizar para um melhor ensino no que referencia a alfabetização. Esse fato, segundo Pires, Morais e Neves (2004) nomeia de competência cientifica, ou seja, a competência docente no conhecimento que deve ser ensinado tendo domínio sobre as propriedades investigativas a serem desenvolvidas nas crianças melhorando assim a aprendizagem. A formação na área de alfabetização e psicopedagogia possibilitam à professora uma melhor compreensão sobre as dificuldades que as crianças enfrentam no seu dia-a-dia, e isso, sobretudo, dá suporte para que saiba como agir nos momentos em que encontrar dificuldades O AMBIENTE Percebe-se que o ambiente da sala de aula é um recinto bem precário que merece atenção de todos. A lousa possui rachaduras e buracos que dificultam a escrita do professor e entendimento dos alunos. Eles ficam constantemente perguntando o que está escrito e, para evitar essas perguntas o professor evita utilizar as partes mais afetadas, porém muitas vezes o professor não tem como evitar. As mesas da sala também são bem desproporcionais ao tamanho dos alunos, muitos deles ficam em pé ou de cócoras na cadeira para poderem alcançar a mesa e produzir uma escrita melhor, sem contar que as mesas são de formatos diversos, umas mais baixas, outras mais altas, algumas retangulares, outras em formato de trapézio e, isso dificulta ou impossibilita o trabalho em grupo. Essa situação ficou clara quando a professora propôs um trabalho com jogos alfabetizadores, que no caso em questão foi o dominó com palavras e figuras, os alunos se sentido impossibilitados, devido às condições desproporcionais das 4 No ano de 2007 e 2008 lecionou na cidade de Carapicuíba, 2009 a 2012 no município de Cotia. 17

18 mesas, pediram à docente para concluir o jogo no chão. Outra situação que mereceu destaque foi em relação à iluminação. A sala apresentava algumas lâmpadas queimadas propiciando um ambiente escuro e dificultando a visualização, outras vezes, em dias quentes, o sol refletia constantemente no quadro negro fazendo com que os alunos mudassem rotineiramente de lugar para poder enxergar a escrita ou algumas intervenções que a professora realizava com a utilização do quadro negro. Com relação ao aspecto visual, percebeu-se que a sala de aula possuía o alfabeto ilustrado, ou seja, composto de desenhos, cujas letras representavam a inicial do nome do desenho, nele (alfabeto) havia a representação de letras maiúsculas, minúsculas, cursivas e bastão, também se notou colados na parede vários cartazes, cujas escritas eram de músicas, parlendas e atividades diversas que foram trabalhadas durante os meses, em outra parede havia as famílias silábicas para que as crianças consultassem todas as vezes que fosse necessário e ao lado havia a relação dos nomes das crianças em ordem alfabética. Com relação a noticias, mantidas em portadores originais (revistas, jornais, panfletos), não foram visualizadas nenhuma. CAPÍTULO IV ANÁLISE DO MÉTODO DE ENSINO UTILIZADO PELA PROFESSORA E SEU POSICIONAMENTO FRENTE À HETEROGENEIDADE A professora Cátia é formada no curso de pedagogia e trabalha há quinze anos na mesma profissão. Já trabalhou em diversas prefeituras como Itapevi, Carapicuíba e Osasco e, no município de Jandira está a quatro anos atuando como docente no primeiro ciclo do ensino fundamental. Segundo relato da professora, ensinar não é somente fazer o aluno aprender a ler e a escrever, mas é mostrar-lhe o significado social da leitura e da escrita. Tal significação é transmitida às crianças por meio de uma espécie de sacralização da leitura, com ênfase nos rituais que ajudam a promovê-la, como pode ser observado na fala seguinte: Todos os dias vocês não comem? Não veem novela? Então, todos os dias terão que estudar. Será sagrado. Será a oração de vocês. Em vez de rezar, terão que estudar, escrever e ler, pois tudo que estamos vendo em sala de aula, vocês deverão ir além, pesquisando e realizando as atividades até o final do ano. Deus irá entender, porque ele sabe que é importante. (Fala da professora Cátia durante a aula). 18

19 A sua competência, como professora alfabetizadora revela-se também de outras formas, por exemplo, no estímulo que dá às crianças, na certeza de que todas têm capacidade para aprender a ler e a escrever, e no modo como incentiva seu pensamento. Essa certeza e sua expectativa em relação ao que elas podem produzir levam-na a puxar pelos alunos e a aumentar gradativamente o nível das dificuldades nos exercícios. Acha que sendo exigente e puxando pode mexer com eles e aumentar a sua capacidade de produção. Não se nega a receber crianças difíceis em sua turma, encarando esse tipo de situação como um desafio a transpor. É constante seu cuidado na correção dos trabalhos o que faz individualmente, percorrendo carteira por carteira. Mostra-se atenta e incentiva os alunos a buscarem o acerto a cada vez que erram. A prática de ensino é uma ação intencional, que procura atingir determinados fins e, para ser realizada, apoia-se em conhecimentos sobre como funciona a realidade da sala de aula, nos conteúdos a serem ensinados, e no perfil dos alunos que são objeto desse ensino. (CASTANHEIRA, MACIEL E MARTINS, 2009, p. 36) O método de trabalho concretamente desenvolvido pela professora não permite uma classificação de tradicional ou novo. Na prática, há momentos em que as estratégias inovadoras são utilizadas tendo em vista a aquisição dos conteúdos e há situações em que as estratégias mais convencionais, além de visarem à transmissão dos conteúdos, são empregadas com o objetivo de favorecer a criatividade, a compreensão dinâmica ou outros aspectos que seriam identificados com as pedagogias novas. Apresenta em sua prática atitudes tanto do método tradicional aparentemente mais rígidas quanto do novo, aparentemente flexíveis. Por um lado, procura em determinadas atividades fazer com que os alunos internalizem a aprendizagem de maneira consciente e não meramente automática; por outro lado, em outras situações, não se preocupa muito com a atividade realizada, mas sim com o produto que quer extrair de sua ação. Nesse sentido, o confronto rigidez/flexibilidade é utilizado alternadamente na sala de aula, ficando evidenciada não só a importância do aprender a pensar, como também o resultado dessa aprendizagem. Nesse contexto, não se pode falar simplesmente em opção entre método tradicional ou novo, nem em ênfase nos conteúdos ou nos processos. Dois aspectos merecem ser ainda mencionados, a fim de caracterizar a metodologia empregada pela professora sua persistente tentativa de explicar às crianças tudo (palavras, 19

20 situações, regras) e sempre, e a constante organização das atividades em grupo, mesmo as individualmente realizadas. Pode ser que o fato de explicar de maneiras diversas aumente a probabilidade de a criança compreender, na medida em que lhe dá mais tempo e procura encontrar o ponto que a sensibilize. O fato é que, no seu trabalho diário, a professora procura, simultaneamente, que cada criança compreenda o segredo da escrita e tenha a mais absoluta confiança em si mesma e na sua possibilidade de ler e escrever. que: Então, com relação ao método utilizado pela professora a autora abaixo deixa claro A escolha de como se ensina deve estar, então, relacionada a compreensão de como a criança aprende e também ao entendimento de que na prática da alfabetização há pessoas (professores e alunos, adultos ou crianças) que são criadores de cultura e que são criados na cultura. Além disso, na decisão sobre os métodos e as técnicas é necessário que tenhamos definido o para quê da alfabetização. (KRAMER, 2010, p. 100) Sendo assim, torna-se imprescindível que o professor conheça bem sua prática de ensino, como também é essencial que saiba como cada aluno aprende, para que assim possa desenvolver um trabalho satisfatório e significativo alcançando a aprendizagem de cada aluno. Com relação à heterogeneidade da sala de aula a professora consegue administrar muito bem. As carteiras da sala são sempre arrumadas em grupos de quatro alunos ou duplas de maneira a favorecer as trocas e conversas entre eles, mesmo que a atividade seja individual. Além disso, muitas vezes os jogos realizados são de equipe e é também bastante frequente o incentivo ao empréstimo de materiais, quando sua falta impede que alguma criança faça seu trabalho. Tal incentivo se expressa através do modelo (em que a professora não só empresta ao aluno seu lápis, tesoura ou borracha, mas também explicita que o faz), bem como através de pedidos afetuosos, acompanhados de explicações sobre por que preciso ajudar o outro. Interação entre as crianças e espírito de cooperação são pontos fundamentais da prática observada, com o intuito de como diz, reiteradamente, a professora fazer com que eles saibam viver em grupo. O livro adotado pela professora é o Leitura, Escrita e Reflexão ( L.E.R). Mas não segue o livro à risca, ela utiliza outras formas e técnicas para ensinar. A professora tanto passa trabalhos e exercícios convencionais em folhas de papel mimeografado e/ou copiado, 20

21 exigindo que as crianças os executem conforme um padrão, como conta histórias, propõe jogos de palavras, de sílabas, modifica os exercícios do livro, utilizando também, com muita frequência letras móveis e jogos de alfabetização diversos. Vale ressaltar algumas atividades feitas no sentido de tornar mais explícita a dinâmica que a professora imprime às suas aulas. Uma delas é a forma como introduz as vogais deixaas expostas na parede (a-u-o-e-i, por exemplo) fora da clássica sequência, portanto, e as inverte esporadicamente para se evitar a decoreba. Outra técnica utilizada se refere aos ditados em que a professora estabelece um nível intermediário de dificuldade, escrevendo, por exemplo, vinte palavras no quadro para que as crianças as identifiquem, à medida que ela dita, para só então, escrevê-las. Usa assim a leitura como auxílio à escrita das dificuldades ortográficas. O ensino da leitura e escrita prevê diversas etapas: tanto a professora trabalha com palavras individuais como também utiliza um determinado gênero textual para fazer a análise da leitura e da escrita. Nesse ínterim Cagliari (2009) ressalta que Não basta saber escrever para escrever. É preciso ter uma motivação para isso. Portanto, a alfabetização precisa ser pensada não em função de uma cultura julgada ideal e excelente para todos, mas de acordo com as reais necessidades e anseios de cada um. Sendo assim, ler e escrever, é ir além dos textos formais escolares, é ler e escrever o que gosta, para quem gosta e sentir prazer no que está executando. Quanto ao plano de aula a professora segue o plano bimestral realizado no inicio de cada bimestre em consonância com as outras professoras da mesma série/ano. Elabora suas aulas baseada nesse plano e tem sua própria rotina escrita num caderno denominado semanário, nele a professora registra as aulas da semana e segue a rotina com seus alunos. Algumas vezes não se segue à risca o semanário devido aparecem de ultima hora vários projetos enviados pela secretaria da educação, comprometendo assim a sequência do trabalho da professora. Em algumas semanas percebemos que a rotina da professora seguiu esse roteiro: 1º Leitura de diversos gêneros textuais realizados pela professora (um gênero a cada dia) 2º Uma interpretação oral sobre o que foi lido, o que entenderam e qual a mensagem proposta pela leitura; 21

22 3º Leitura feita pelo aluno individual ou coletiva (palavras, músicas, parlendas, travalíngua, alfabeto etc.) 4º Estudo da formação das palavras com registro da Rotina do Dia. 5º Exercícios variados no quadro ou no livro, 6º Escrita espontânea baseada em escrita de música que se sabe de cor, lendas, parlendas e outros (duas ou três vezes por semana); 7º Merenda; 8º Atividade de matemática em folha mimeografada e/ou xerocada e jogos diversos; 9º Canto e dança de músicas infantis 10º A professora (quando sobra tempo) deixa os alunos a vontade para conversarem e interagirem sobre assuntos diversos. (Fonte: Observação em sala de aula) Nesse roteiro semanal percebe-se a importância que a professora dá à leitura e a escrita bem como aos diferentes tipos de textos oferecidos por ela. Apesar de não se ver fixado ou colado nenhuma notícia de jornal, panfleto ou outros gêneros nas paredes da sala a professora consegue fazer um trabalho amplo e significativo. Nota-se que as crianças conseguem distinguir os diversos tipos de textos lidos por ela, nas atividades de interpretação oral os alunos conseguiram perceber a funcionalidade dos diversos gêneros no contexto social. Exemplo disso foi quando a professora indagou sobre a bula de remédio e eles prontamente responderam para que e para quem fosse designado esse tipo de informação. 4.1 O REGISTRO DA ROTINA DO DIA E A CONSTRUÇÃO DE OPORTUNIDADES DA APRENDIZAGEM DA ESCRITA. Ao longo dos últimos anos, mais e mais professores iniciam suas aulas definindo, juntamente com seus alunos, a agenda de atividades do dia que será desenvolvida pela turma. Chamada de Rotina ou Agenda do dia, a lista e atividades e os horários em que elas deverão acontecer são registrados no quadro, enquanto o professor apresenta suas propostas de trabalho e os alunos fazem seus comentários, indagações e, às vezes, contestações. 22

23 Nesse contexto, destacaremos as oportunidades de aprendizagem da estrutura silábica das palavras. Para tanto, escolhemos fazer uma narrativa detalhada de um caso ocorrido durante a aula Registro da Rotina do Dia, realizada no dia 9 de abril deste ano. Interessa-nos demonstrar como é a relação, em sala de aula, dos processos de alfabetização e letramento, através do trabalho conjunto de um gênero textual e o estudo de características estruturais do sistema de escrita. Castanheira denomina esse trabalho como evento e esse evento como: O conjunto de atividades delimitado interacionalmente em torno de um tema comum num dia especifico. Um evento é identificado analiticamente observando-se como o tempo foi usado, por quem, em que, com que objetivo, quando, onde, em que condições, com que resultados, e como os membros [do grupo] sinalizam mudança na atividade. (CASTANHEIRA, 2007, p. 79). Interessa-nos também compreender como professora e alunos constroem, por meio de suas interações, oportunidades de aprendizagem da escrita à medida que interagem em sala de aula. Nessa pesquisa temos observado o quanto a professora se esforça e dedica, diariamente, parte do tempo da aula para a apresentação, discussão e registro da Rotina do Dia com o envolvimento dos seus alunos. Percebe-se que tal registro faz parte do cotidiano da sala de aula e suas características foram sendo estabelecidas e modificadas durante o ano. No início do ano escolar, a professora costumava escrever na lousa os itens da rotina e, em seguida, pedia aos alunos que fizessem com ela a leitura oral das anotações que havia feito. Com o passar das atividades os alunos iam adquirindo um domínio maior da leitura e da escrita, então a professora pediu que eles soletrassem as palavras que se apresentavam na Rotina para que ela pudesse escrevê-las no quadro. Com o envolvimento dos alunos chegou o dia em que eles seriam os escribas. Cada dia um aluno era escolhido para escrever as palavras que a professora pedia. Essas várias situações possibilitaram aos alunos diferentes oportunidades de aprendizagem e ao produzirem a Rotina do Dia, a professora e os alunos, simultaneamente, realizam uma prática de uso social e escolar da linguagem e tornam a escrita de palavras objeto de estudo. Nesse sentido: A sala de aula funciona como uma cultura, em que os membros (re) constroem maneiras para interagirem uns com os outros e com objetos nas práticas culturais de que participam. Essas maneiras de interação entre participantes do grupo, por seu turno, levam a formas particulares de fazer e conhecer, bem como à construção do conhecimento comum e de 23

24 enquadramentos que orientam a interpretação e a participação do grupo. (CASTANHEIRA, MACIEL E MARTINS, 2009, p. 62) Seguidamente apresentaremos a análise de como, ao tomarem a linguagem escrita como objeto de estudo, os participantes (alunos e professora) focalizam a estrutura silábica das palavras. Nessa análise, buscaremos evidenciar alguns aspectos: como a professora desenvolve esse trabalho com os alunos, ou seja, que ações ela realiza nesse processo e quais as oportunidades de aprendizagem da estrutura silábica das palavras resultam da interação entre professora e alunos nesse tipo de atividade. O processo de transcrição da atividade/aula necessitou de uma transcrição criteriosa, para tanto foram feitas gravações que permitiram analisar quem fez ou falou o quê, com quem, quando, onde, de que maneira e com quais frequências. Esse trabalho foi parcialmente desenvolvido: fizemos uma microanálise de um segmento selecionado, para exemplificarmos como os participantes se envolveram no registro da Rotina do Dia e o que tiveram oportunidade de aprender nesse momento. Como acontecia diariamente, a professora entrou na sala de aula, cumprimentou os alunos, fizeram uma oração e anunciou a escrita da Rotina do Dia. Esse momento foi dividido em vários outros, primeiramente os alunos soletraram as palavras que compunham a atividade; escreveram no quadro em letra bastão; leram e copiaram as palavras registradas no quadro em seus cadernos; refletiram sobre como se escrevem as palavras e sobre a composição silábica. No quadro I apresentamos o resumo de alguns momentos da aula. Quadro 1 Descrição da interação entre aluno e professora: Rotina da Sala de Aula Participantes/f alantes 5 Descrição da interação entre participantes considerando os tópicos discutidos. 5 Nesse quadro, destacamos como participantes aqueles que fizeram uso da palavra. Entretanto é importante salientar que o restante da turma manifestava uma escuta ativa que, em muitos momentos, resultava em intervenções da professora com um dos alunos. 24

25 Professora Lara. e A professora pede auxilio à Lara para escrever o quinto item da Rotina do Dia, PARA CASA, Lara soletra as letras dessas palavras e a professora as escreve no quadro em letra bastão. Quando a professora termina o registro, Lara conta quantas vezes a letra a se repete em PARA CASA. Matheus vai ao quadro e mostra as letras repetidas. A professora dá ênfase a reflexão desses dois alunos ao dizer para toda a turma: 1,2,3,4. Isso mesmo, tem quatro as. Professora Ana. e A professora pede à Ana que a ajude a escrever o sexto item da Rotina, BRINQUEDO. Ao ouvir a palavra a turma toda vibrou. Professora, Júlia e A professora pergunta à Lara: Como é que se começa a palavra BRINQUEDO? Gustavo. Dois alunos, Júlia e Gustavo, apresentam respostas: BI e BIN, respectivamente. A partir daí, inicia-se a discussão sobre a estrutura silábica das palavras que se torna objeto de reflexão dos participantes no restante da atividade. (Fonte: Observação feita em sala de aula) O quadro 1 está organizado da seguinte forma: na primeira coluna estão os participantes que tomaram a palavra durante o momento da atividade e na outra coluna, descrevemos partes dessa atividade, a partir da indicação dos tópicos discutidos pelos participantes. O resumo apresentado nesse quadro representa uma parcela da atividade analisada dentre os minutos que transcorreram o evento. No primeiro momento descrito no quadro 1, os participantes estão envolvidos na escrita das palavras para casa, o quinto item da Rotina do dia. Lara é a aluna que a professora pediu para soletrar a expressão. Ela soletra todas as letras das palavras sem dificuldade, e a professora as escreve no quadro nas letras bastão. Esse registro dá aos alunos a oportunidade de refletir quanto à composição das palavras. Conforme a descrição no quadro 1, Lara, Matheus e toda a turma observam a quantidade de vezes que a letra a aparece na expressão para casa. Essa observação pode 25

26 ser vista como uma expressão de uma reflexão comumente vivenciada por crianças em fase de aquisição da escrita. Conforme FERREIRO E TEBEROSKY (2008), crianças nessa fase têm como hipótese que deve haver uma variedade de caracteres na composição das palavras. Assim, o registro da expressão, no quadro, pela professora possibilitou aos alunos observar que é possível que um mesmo caractere, no caso a letra a, se repita numa mesma palavra ou em duas palavras que compõem uma expressão. Essas ações tomadas pela professora e pelos alunos demonstram como a escrita das palavras se constitui, nessa atividade, como objeto de estudo na sala de aula. Na segunda etapa dos trabalhos indicada no quadro 1, a professora pede a Ana que soletre o sexto item da Rotina, a palavra brinquedo. Ao ver que essa atividade faz parte do dia as crianças vibram com a palavra, isso demonstra a familiaridade e preferência em relação a essa atividade. QUADRO 2 A escrita e a soletração da palavra BRINQUEDO e a reflexão sobre estrutura silábica. Professora Júlia Gustavo Descrição das ações dos participantes Ana, me ajuda Professora escreve no escrever brinquedo. BI BIN quadro bri e pára. Como é que começa? Espera aí deixa eu entender o que a Júlia está falando aqui. Primeiro o quê? A segunda tem que ser vogal. Mas dá uma olhadinha nessa palavra aqui ó: C é consoante? C é o que? Vogal? Consoante é primeira e a segunda é vogal. Não. Não Não, professora. Ela tava falando que todas palavras tem que ter uma vogal e uma consoante também. Nessa hora a professora sai do quadro e aponta a palavra CHEGADA, registrada no inicio da atividade. A professora volta ao quadro e mostra a palavra CHEGADA, escrita no início da aula. 26

27 Pode ter palavra só com vogal? Não.. Vogal é A-E- I-O-U Gustavo volta-se para os outros alunos. Sempre tem que ter vogal A-E-I-O-U Ah! È Isso aqui não é uma palavra não? Olha. (Fonte: observação feita em sala de aula) O aqui se refere à palavra A da expressão A CASA escrita no quadro pela professora. Como registrado no quadro 1, após todas as manifestações dos alunos, a professora volta a perguntar a Ana como começa a escrever brinquedo. Dois alunos, Júlia e Gustavo apresentam respostas como: bi e re, como alternativa. No quadro 2 está organizado em quatro colunas. Na primeira é a fala da professora, na segunda e terceira são os alunos e na quarta é a transcrição dos acontecimentos, como vimos nesse quadro, a solicitação da professora a Ana e as respostas dada por Júlia e Gustavo. Conforme indicada na última coluna, a professora escreve no quadro a sílaba bri da palavra brinquedo e para a fim de ficar atenta às sugestões feitas pelos alunos. Após escrever as três primeiras letras dessa palavra (bri), volta-se para a turma e diz que precisa entender o que Júlia está falando. Em resposta ao registro feito pela professora da sílaba bri, Júlia diz: Consoante é primeira, e a segunda é vogal. O comentário da aluna demonstra o seu estranhamento em relação ao registro feito pela professora no quadro. Por sua vez, a professora responde ao comentário da aluna chamando sua atenção para a palavra chegada, que havia sido registrada no início da aula. A professora vai ao quadro aponta para a palavra chegada e pergunta se C é consoante. Júlia diz não e a professora indaga: C é o quê? Vogal? Júlia responde novamente que não. Nesse momento, Gustavo interrompe e busca esclarecer a hipótese de sua colega, dizendo: Não professora, ela r falando que toda palavra tem que ter uma consoante e uma vogal também. Novamente, vemos um aluno expressar uma hipótese sobre a escrita de palavras que é comumente feita por aprendizes em fase inicial de aquisição da escrita. Esses aprendizes elaboram tal hipótese não sem razão, visto que a estrutura silábica consoantevogal, conhecida como sílaba canônica, é a mais frequente na escrita do português. 27

28 A professora põe em dúvida a hipótese de Gustavo com uma pergunta: Pode ter palavras só com vogal? Júlia é bem segura e responde: não. Gustavo então completa a informação explicando que vogal é A-E-I-O-U. Entretanto, a professora continua desafiando os alunos escrevendo na lousa as palavras a casa e pergunta: Isso aqui [apontando para letra A ] não é uma palavra, não? Olha. A conversa entre a professora e os alunos, representada no quadro 2, possibilita ver como a professora conduz a reflexão do grupo sobre a composição das palavras, propondo questões e apresentando exemplos registrados na lousa que são tomados como objeto de análise. Esse processo de reflexão se prolongará por mais alguns minutos e incluirá novos desafios e tópicos. Isso ocorre devido ao fato de alguns alunos não conseguir compreender e não diferenciar letras de palavras. Nesse caso, ela propõe perguntas como: Quantas letras tem aqui [ apontando para a casa, registrada no quadro]? Quantas palavras? Após conferir com os alunos o número de letras e palavras presentes em a casa a professora analisa juntamente com eles a composição dessas palavras em termos do uso de consoantes e vogais. Ao final, alunos e professora verificam que uma palavra, de apenas uma letra, no caso uma vogal (o artigo A), pode ser lida. Além disso, todos observam que a palavra casa corresponde perfeitamente à hipótese levantada por Júlia de que palavras são escritas pela sequência de consoantes e vogais. Após essa análise, entretanto, a professora parece ter reconhecido a necessidade de continuar com essa reflexão. Nesse momento, ela novamente, desafia os alunos a refletirem sobre a composição da palavra chegada. No quadro 3 que será exposto a seguir, apresentamos a finalização dessa sequência de atividades. QUADRO 3 Discussão sobre a presença de consoantes e vogais nas palavras. Professora Júlia Discussão das ações dos A palavra CHEGADA tem uma consoante e logo depois uma vogal? Vamos ver? C é consoante, não é? E H? Também é, e o E? Também é. Vogal participantes. Escreve a palavra CHEGADA na lousa 28

29 Ah! Então eu tenho consoante, consoante, vogal num dá pra ler, não? Eu achei, Júlia, que só podia ser consoante com vogal. Pode ter duas consoantes? Dá Igual isso, olha. J é uma consoante U é vogal L é consoante I é vogal A é vogal É. Olhando para Júlia Júlia vai até a lousa e enquanto escreve seu nome vai dizendo se a letra é consoante ou vogal. A professora e a turma observam Júlia. No final do seu nome tem duas vogais. Então é possível ler? Isso, a semana que vem iremos fazer isso com os nossos nomes, ta? (Fonte: Observação feita em sala de aula) A professora vai ao quadro e aponta as últimas letras do nome da aluna. Conforme pode ser visualizado o quadro 3 tem estrutura semelhante ao quadro 2. O quadro 3 mostra que a professora retoma a análise da composição das palavras em consoantes e vogais, dizendo aos alunos: A palavra chegada tem uma consoante e logo depois uma vogal? Ao propor essa reflexão a professora retoma o foco da discussão e apresenta nova possibilidade de análise que trará elementos para a revisão da hipótese levantada por Júlia. É diante desse novo desafio que a aluna responde demonstrando ter finalmente compreendido que as palavras podem apresentar diferentes estruturas silábicas diferentes da sílaba canônica consoante-vogal; ela vai ao quadro e, utilizando o próprio nome como exemplo, nota que, além de palavras compostas somente por sílabas consoante-vogal, como é 29

30 o caso no início do nome Júlia e no final da escrita do seu próprio nome percebe que há palavras com sílabas diferentes do padrão consoante-vogal. Em resposta à aluna, a professora valida a conclusão dela e anuncia que a reflexão sobre a composição das palavras a partir dos nomes dos participantes da turma, conforme acabara de ser realizada pela aluna, seria retomada e desenvolvida na próxima semana. Neste texto, buscamos demonstrar como o trabalho com gêneros textuais em sala de aula pode ser aliado ao estudo das características do sistema de escrita por meio da análise de situações em que os alunos são levados a refletirem sobre a composição de palavras escritas (por exemplo, variação de caracteres e alternância de vogais e consoantes nas sílabas das palavras escritas), enquanto estão envolvidos na elaboração e registro da agenda diária de trabalhos. A análise apresentada buscou focalizar as ações realizadas pela professora e seus alunos à medida que esses se envolviam na construção das oportunidades de aprendizagem em sala de aula. Dessa forma podemos dizer que a articulação entre alfabetização e letramento pode ocorrer em sala de aula, desde que os professores estejam atentos às demandas envolvidas no processo de escrita, seja do pondo de vista da observação das características e funções do gênero explorado, seja do ponto de vista daquilo que é necessário saber para produzi-lo. No caso em questão, para se produzir a Agenda do Dia, os alunos deveriam saber escrever as palavras que descreveriam as atividades a serem realizadas. No capítulo a seguir faremos uma análise da escrita no processo de alfabetização averiguando as hipóteses levantadas pelos alunos acerca do processo de aprendizagem da leitura e escrita. Estaremos também observando as dificuldades que professora e aluno enfrentam no cotidiano escolar. 4.2 ANÁLISE DA ESCRITA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. Soares (2000) afirma que alfabetizar letrando é orientar a criança para que ela aprenda a ler e escrever inserindo-a num contexto real de leitura e de escrita. Para demonstrar este processo de aquisição da linguagem escrita, procuramos evidenciar a prática e as intervenções realizadas por uma professora alfabetizadora na formação do sujeito letrado. A rotina diária da professora iniciava-se sempre com leituras de diferentes gêneros textuais (textos de literatura infantil, informativos, receitas, poemas, músicas, entre outros). 30

31 Salientando que a leitura inicial era sempre feita por ela abrindo margem à interpretação oral por parte dos alunos. Para os alunos não acostumados com a participação em atos de leitura, que não conhecem o calor que possui, é fundamental ver seu professor envolvido com a leitura e com o que conquista dela. Ver alguém seduzido pelo que faz pode despertar o desejo de fazer também. (PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS LÍNGUA PORTUGUESA, p. 58) A professora organizava os alunos em duplas ou em grupos que formavam um quarteto onde uns contribuiriam para o aprendizado do outro e cooperariam para a produção de trabalhos mais produtivos e significativos. De certa forma, é preciso agir como se o aluno já soubesse aquilo que deve aprender. Entre a condição de destinatário de textos escritos e a falta de habilidade temporária para ler automaticamente é que reside a possibilidade de, com ajuda dos já leitores, aprender a ler pela prática da leitura. Trata-se de uma situação na qual é necessário 30 que o aluno ponha em jogo tudo que sabe para descobrir o que não sabe, portanto, uma situação de aprendizagem. Essa circunstância requer do aluno uma atividade reflexiva que, por sua vez, favorece a evolução de suas estratégias de resolução das questões apresentadas pelos textos. Essa atividade só poderá ser realizada com a intervenção do professor, que deverá colocar-se na situação de principal parceiro, agrupar seus alunos de forma a favorecer a circulação de informações entre eles, procurar garantir que a heterogeneidade do grupo seja um instrumento a serviço da troca, da colaboração e, consequentemente, da própria aprendizagem, sobretudo em classes numerosas nas quais não é possível atender a todos os alunos da mesma forma e ao mesmo tempo. A heterogeneidade do grupo, se pedagogicamente bem explorada, desempenha a função adicional de permitir que o professor não seja o único informante da turma. (PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS LÍNGUA PORTUGUESA, p. 56) Em consonância com a intenção da atividade, os agrupamentos fizeram variações, por exemplo: em uma atividade de escrita o alfabético foi o escriba e o silábico alfabético foi o redator e em outros momentos eles trocaram de função e a criança alfabética auxiliou a outra criança a refletir sobre sua forma de escrever. No caso da criança pré-silábica a professora colocou-a para fazer dupla com uma criança silábica com valor sonoro, pois no momento de interação a criança pré-silábica começou a pensar que a escrita necessitava de uma determinada quantidade de caracteres para se escrever. Análise da Escrita de Pedro 31

32 Pedro é um aluno de 6 anos que frequentou a pré escola juntamente com mais 28 crianças. Iniciaram o ano letivo em fevereiro, 20 crianças estavam na hipótese de escrita pré silábica e 8 alunos na hipótese silábica com valor sonoro. Em Emilia Fevereiro (2011) a professora realizou um diagnóstico dos alunos onde usou uma lista de nomes de personagens que eles já conheciam. Pedro encontrava-se na hipótese pré-silábica e já tinha um repertório significativo sobre o sistema de escrita, já sabia que a escrita tinha uma direção, que era preciso uma sequência de letras, que coisas diferentes têm que ter escritas diferentes e que é preciso um número mínimo de caracteres para que algo seja escrito. Vejamos a produção escrita dos nomes: Cebolinha, Mônica, Cascão, Zé e Bidú e por último uma frase O Bidú é bonito. Fonte: Atividade diagnóstica realizada pela professora. O garoto que já escrevia seu nome utilizou, com frequência, algumas letras do seu nome para formar as palavras da lista. Nota-se no exemplo a escrita da palavra Mônica onde escreveu EPR. 32

33 Infelizmente, ao realizar essa primeira diagnóstica, a professora fez a atividade coletivamente, e não teve a oportunidade de acompanhar a leitura individual das palavras, dificultando a interpretação da escrita do aluno. Como a primeira diagnóstica deixou dúvidas em relação à hipótese de escrita de algumas crianças, a professora realizou novamente a atividade só que individualmente e pediu que o aluno fizesse a leitura de cada palavra, assim pode verificar com precisão a hipótese em que se encontrava a criança. Na lista abaixo a professora ditou uma lista de animais: Dinossauro, formiga, cobra e rã e por fim ditou uma frase Eu vi um dinossauro. Então, podemos notar o avanço da escrita de Pedro, que agora se encontra na hipótese silábica com valor sonoro e já compreende que cada letra representa um som. Vemos aqui um grande avanço na escrita em sua escrita, ora usa letras para formar as sílabas e ora as utiliza para representar os fonemas. Fonte: Atividade diagnóstica realizada pela professora. Este nível está pela tentativa de dar um valor sonoro a cada uma das letras que compõem uma escrita. Nesta tentativa, a criança passa por um período 33

34 de maior importância evolutiva: cada letra vale por uma sílaba. É o surgimento do que chamaremos a hipótese silábica. Com esta hipótese, a criança dá um salto qualitativo com respeito aos níveis precedentes. (FERREIRO E TEBEROSKI, 2009, p. 209). É importante ressaltar que o número 1 escrito na frase não representa um erro do aluno, mas uma relação que ele conseguiu fazer da palavra um com o algoritmo 1. No mês de setembro, Pedro já se encontrava na hipótese silábica alfabética para alfabética, como podemos perceber na escrita da lista abaixo: Computador, revista, jornal, rádio e a frase: Eu gosto de mexer no computador. Fonte: Atividade diagnóstica realizada pela professora. A escrita alfabética constitui o final dessa evolução. Ao chegar a este nível, a criança já franqueou a barreira do código : compreendeu que cada um dos caracteres da escrita corresponde a valores sonoros menores que a sílaba e realiza sistematicamente uma análise sonora dos fonemas das palavras que vai escrever. (FERREIRO E TEBEROSKI, 2009, p. 220). 34

35 Isso não significa que todas as dificuldades foram sanadas, a partir de então, a criança se defrontará com as dificuldades próprias da ortografia, mas não terá problemas de escrita, no sentido estrito. Percebemos que na escrita do aluno acima possui alguns equívocos como colocar o Q para COM na palavra computador, e trocou a palavra Gosto para Codu e Mexer escreveu Mege, Pelo que pudemos notar durante a realização dessa atividade o aluno errou na forma de escrever porque ele fala exatamente desse jeito. Dessa forma não podemos considerar isso um erro e sim ensiná-lo a falar da maneira correta, assim posteriormente essas dificuldades serão sanadas. Análise da escrita de Diego Diego é um garoto de seis anos, falante, ativo e bem participativo. Compreende os comandos e segue-os com muita facilidade. No entanto, possui um sério problema na fala, muitas palavras são incompreensíveis e outras ele nem consegue pronunciar, para dizer PROFESSORA ele diz Tetetola e para pronunciar a palavra VACA ele diz dlala. Ele freqüenta a mesma sala de aula que Pedrp, porém percebemos que as limitações de sua fala acarreta sérios problemas tanto para ele que não consegue se fazer entender, quanto para a professora que muitas vezes fica limitada ao tentar ajudá-lo. Muitas vezes a professora pede que ele repita várias vezes a mesma palavra para que ela possa entender, porém o aluno fica nervoso e acaba desistindo de sua investida. Assim como Pedro e os outros alunos, a professora fez a diagnóstica (coletivamente) com Diego e percebeu que ele também possuía um repertório próprio sobre a escrita, tinha entendimento sobre a direção que se deve escrever, a quantidade mínima de caracteres e compreendia que cada letra tinha um valor sonoro. Nesse aspecto percebe-se que Diego encontra-se num nível mais avançado que Pedro, visto que no início do ano e no mesmo tempo da atividade diagnóstica Pedro representava a escrita com a utilização das letras do seu nome. Vejamos: 35

36 Fonte: Atividade diagnóstica realizada pela professora. Percebe-se que para o nome Cebolinha, Mônica e Bidú, Diego atribuiu uma vogal para cada sílaba, já no nome Cascão nota-se que o aluno colocou para a sílaba Ca o A e para Cão não admitiu colocar outro A então utilizou outras letras para justificar sua escrita. Na escrita da frase percebemos que o mesmo se repetiu. Vejamos: O bidú é bonito manteve a letra O, bidú utilizou o I e o U para a letra È utilizou o H e bonito escreveu OIO. Posteriormente a professora fez novamente a diagnóstica, só que desta vez utilizou a lista de animais: Dinossauro, formiga, cobra e rã e a frase Eu vi um dinossauro. Percebeu-se que o aluno possuía outros conhecimentos sobre o sistema de escrita que ora utilizava letras para formar as sílabas e ora as utilizava para representar os fonemas. Notou-se que a escrita de Diego se assemelhou à escrita de Pedro e que ambos estavam na mesma hipótese silábica, apesar do ponto de partida ter sido diferenciado. Pedro escrevia as letras do próprio nome para representar os nomes das figuras, enquanto Diego estava um pouco mais avançado, visto que já atribuía sons para as sílabas. 36

37 Fonte: Atividade diagnóstica realizada pela professora. No mês de setembro a professora fez outra atividade diagnóstica utilizando uma lista de meios de comunicação: Computador, revista, jornal e rádio e como frase utilizou: Eu gosto de mexer no computador. Notamos um grande avanço na escrita de Diego, o aluno, na escrita de palavras, passou da hipótese silábica com valor para a hipótese silábica alfabética. Entretanto, na escrita da frase ele está passando por uma transição ora escreve a sílaba completa, ora atribui uma letra para cada palavra. Percebe-se ainda que a escrita de Diego esteja visivelmente comprometida, visto que o aluno escreve exatamente como se fala. Na escrita da palavra computador escreveu codudado, revista escreveu revida e jornal como jolau e na escrita da frase escreveu: EU O (gosto) TE (de) PELG (mexer) LO (no) CODUDADO (computador). 37

38 Fonte: Atividade diagnóstica realizada pela professora. Embora houvesse uma progressão na escrita do aluno, percebeu-se que ele possui muita dificuldade na compreensão da composição das palavras e, para se chegar a esse resultado, a professora tinha que constantemente dedicar a maior parte de seu tempo para que ele conseguisse assimilar o mínimo dos conteúdos. Percebeu-se que na escrita de palavras ele obteve avanço, no entanto, para desenvolver um trabalho individual de escrita de frases ou pequenos textos o aluno sentia-se limitado e quase não realizava a atividade com autonomia, necessitando sempre da ajuda de um coleguinha ou solicitando constantemente a professora. Quando conseguia realizar a atividade de produção de pequenos textos o aluno escrevia letras aleatoriamente sem se preocupar com a quantidade ou com o valor sonoro das palavras. Nota-se então, uma limitação, que infelizmente, se não for tratada, o aluno sofrerá consequência que poderão ser irreversíveis. Ao concluirmos este estudo de casos percebemos que a professora estava visivelmente atenta às dificuldades de todos, e ao verificar o déficit de aprendizagem de determinado aluno, despendia um esforço enorme para que todos pudessem aprender. Ela estava constantemente passando de mesa em mesa para verificar o que o aluno havia aprendido o que não entendeu e quais eram as principais dificuldades. No momento da correção, quando percebia que o aluno 38

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO.

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. Duarte, Karina. Rossi, Karla. Discentes da faculdade de ciências Humanas/FAHU. Rodrigues, Fabiana. Docente da faculdade de ciências Humanas/FAHU.

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento.

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento. ALFABETIZANDO E LETRANDO: UMA EXPERIÊNCIA NO/DO PROJETO PACTO PELA ALFABETIZAÇÃO Claudionor Alves da Silva 1 Oney Cardoso Badaró Alves da Silva 2 Resumo: O objetivo deste trabalho é apresentar uma experiência

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Alfabetização Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) História

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA NA 1ª FASE DO 1º CICLO NA ESCOLA FRANCISCO SOARES DE OLIVEIRA JACIARA -MT

CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA NA 1ª FASE DO 1º CICLO NA ESCOLA FRANCISCO SOARES DE OLIVEIRA JACIARA -MT CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA NA 1ª FASE DO 1º CICLO NA ESCOLA FRANCISCO SOARES DE OLIVEIRA JACIARA -MT Cimária França de Oliveira 1 Terezinha Felix Silva C. Deus 2 Resumo A função desse trabalho é de

Leia mais

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com.

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com. A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: DESAFIOS EMERGENTES NA PRÁTICA E POSSIBILIDADES CONSTRUÍDAS NA PÓS-GRADUAÇÃO EM ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E LINGUAGEM MATEMÁTICA Francini Sayonara Versiani Soares.

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS Resumo LUCAS, Maria Angélica Olivo Francisco 1 - UEM Grupo de Trabalho - Formação de professores e

Leia mais

COLABORAÇÃO NA DOCÊNCIA EM UMA TURMA DE ALFABETIZAÇÃO.

COLABORAÇÃO NA DOCÊNCIA EM UMA TURMA DE ALFABETIZAÇÃO. COLABORAÇÃO NA DOCÊNCIA EM UMA TURMA DE ALFABETIZAÇÃO. LUCION, Jucélia Demezuk G (UNIOESTE/PIBID/CAPES/MEC), ARANHART, Leonice Tocheto G (UNIOESTE/PIBIDI/CAPES/MEC) SILVEIRA, Luciana G (UNIOESTE/PIBID/CAPES/MEC)

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DE SUA EVOLUÇÃO E DA LUDICIDADE COMO FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA.

A ALFABETIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DE SUA EVOLUÇÃO E DA LUDICIDADE COMO FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. A ALFABETIZAÇÃO NA PERSPECTIVA DE SUA EVOLUÇÃO E DA LUDICIDADE COMO FERRAMENTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. PRESTES, Jessica Franson Discente na Graduação do Curso de Pedagogia na

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM LETRAMENTO, LEITURA, LITERATURA E PRODUÇÃO DE TEXTO: SUAS IMPLICAÇÕES NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Kelly Cristina Costa Martins 1 Simônica da Costa Ferreira 2 Introdução Nos dias atuais percebemos

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

VIVÊNCIAS DO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LECTO-ESCRITA RESUMO

VIVÊNCIAS DO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LECTO-ESCRITA RESUMO VIVÊNCIAS DO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LECTO-ESCRITA FROELICH, T. C. 1 UFSM tatyfch@gmail.com BOLZAN, D. P. V. 2 UFSM professoradoris@smail.ufsm.br RESUMO A alfabetização é um processo que desperta muitas

Leia mais

O posicionamento teórico do alfabetizador e...

O posicionamento teórico do alfabetizador e... Page 1 of 6 suas conseqüências Prof. Ms. Joana Maria Rodrigues Di Santo Após as pesquisas de Emilia Ferreiro e Ana Teberosk sobre a psicogênese da língua escrita, ficou claro que a capacidade de ler e

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA

AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA AQUISIÇÃO DA LEITURA E ESCRITA: ANÁLISES DE ATIVIDADES A LUZ DA PSICOLINGUÍSTICA Marciel Alan Freitas de CASTRO (PIBIC CNPq/UERN) RESUMO: O referido trabalho constitui, antes, numa análise das atividades

Leia mais

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL

ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Departamento de Educação 1 ABORDAGEM DO CICLO DE POLÍTICAS SEGUNDO STEPHEN BALL Aluna: Ana Carolina de Souza e Paula Gomes Orientadora: Maria Inês G.F. Marcondes de Souza Introdução Esse texto é resultado

Leia mais

Eixo temático: Eixo III - Educação e trabalho docente: formação, remuneração, carreira e condições de trabalho. Resumo

Eixo temático: Eixo III - Educação e trabalho docente: formação, remuneração, carreira e condições de trabalho. Resumo A IMPORTÂNCIA DA SONDAGEM DA ESCRITA PARA O INÍCIO DE ATIVIDADES DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO DO PIBID NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL EM ESCOLAS PÚBLICAS NORONHA, Gessica Nunes UFC gessicanunes.noronha@hotmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS Polyana Lucena Camargo de Almeida (G-UEL) poly_uel@yahoo.com.br Viviane Boneto Pinheiro (G-UEL) vivianeboneto@hotmail.com

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

PRODUÇÃO ESCRITA DAS CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MARTINHO ALVES DOS SANTOS

PRODUÇÃO ESCRITA DAS CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MARTINHO ALVES DOS SANTOS PRODUÇÃO ESCRITA DAS CRIANÇAS: UM ESTUDO DE CASO NA ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MARTINHO ALVES DOS SANTOS Andréa Aparecida Bernardo Santos BACH Mariana Pedroso RODRIGUES Mônica Medeiros FLORES 1 RESUMO:

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Slides produzidos a partir do caderno: Currículo no ciclo de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura.

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

LEITURA, LITERATURA E LETRAMENTO LITERÁRIO: UM PROJETO EM AÇÃO.

LEITURA, LITERATURA E LETRAMENTO LITERÁRIO: UM PROJETO EM AÇÃO. LEITURA, LITERATURA E LETRAMENTO LITERÁRIO: UM PROJETO EM AÇÃO. Kelly Cristina Costa Martins 1 Simônica da Costa Ferreira 2 Rosicléia Moreno Leal 3 Renata Junqueira de Souza 4 Resumo Neste texto, de cunho

Leia mais

METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO: DIALOGANDO NAS PERSPECTIVAS DO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E SUAS RELAÇÕES 1

METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO: DIALOGANDO NAS PERSPECTIVAS DO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E SUAS RELAÇÕES 1 METODOLOGIA DA ALFABETIZAÇÃO: DIALOGANDO NAS PERSPECTIVAS DO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E SUAS RELAÇÕES 1 Daniele Santiago Santos 2 Olivia Margarete Machado Queiroz Souza 3 Resumo: Este artigo

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral ENSINANDO A LER: AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA SILVA, Joice Ribeiro Machado da 1 RESUMO Buscamos nessa pesquisa compreender como a criança poderá se tornar uma leitora competente através do letramento literário.

Leia mais

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Isabel Cristina Alves da Silva Frade(1) Introdução Como realizar um planejamento de trabalho de alfabetização e letramento com crianças de

Leia mais

AUTOR(ES): CARMELITA PEREIRA ALVES DOS SANTOS, MARIA CRISTINA DE OLIVEIRA MACHI

AUTOR(ES): CARMELITA PEREIRA ALVES DOS SANTOS, MARIA CRISTINA DE OLIVEIRA MACHI TÍTULO: OS TEXTOS LITERÁRIOS NA APRENDIZAGEM NOS ANOS INICIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES): CARMELITA PEREIRA

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Alfabetização. Introdução

Alfabetização. Introdução Alfabetização Introdução As parcerias entre o Instituto Ayrton Senna e governos estaduais e municipais são firmadas porque ambas as partes acreditam na importância do desenvolvimento do potencial das crianças

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

O PROJETO BEPA E A INVESTIGAÇÃO DIDÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES

O PROJETO BEPA E A INVESTIGAÇÃO DIDÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES O PROJETO BEPA E A INVESTIGAÇÃO DIDÁTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Resumo Fernanda Guinoza Matuda 1 Maria Elena Roman de Oliveira Toledo 2 Esta pesquisa buscou, por

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola http://luizsoaresdecassia.blogspot.com.br APRENDER A ESCREVER Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola Todos os anos, milhares de meninos e meninas do ensino fundamental de todo

Leia mais

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica

AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem. Palavras-chave: Avaliação. Ensino e aprendizagem. Docente. Prática pedagógica AVALIAÇÃO: Uma prática constante no processo de ensino e aprendizagem Resumo Maria Rita Leal da Silveira Barbosa * Angélica Pinho Rocha Martins ** É sabido que a prática de avaliação é uma intervenção

Leia mais

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Lilian Simone Leal Machado URZEDO 1, Rosely Ribeiro LIMA 2 (UFG/CAJ) lilianmachadoinove@hotmail.com

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As letrinhas mágicas. 2. EPISÓDIO TRABALHADO Uma tarde assustadora. 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Nesse emocionante episódio, enquanto as vogais

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores LETRAMENTO NA CONCEPÇÃO DE VIGOTSKI: O PAPEL DO/A PROFESSOR/A NA APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ORAL

Leia mais

Orientações para avaliação

Orientações para avaliação AVALIAÇÃO A concepção de avaliação dos Parâmetros Curriculares Nacionais vai além da visão tradicional, que focaliza o controle externo do aluno mediante notas ou conceitos, para ser compreendida como

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

Palavras-chave: Lecto-escrita. Atividades lúdicas. Formação em diferentes níveis.

Palavras-chave: Lecto-escrita. Atividades lúdicas. Formação em diferentes níveis. Resumo: ATIVIDADES DIVERSIFICADAS NA SALA DE AULA: UMA TROCA DE EXPERIÊNCIAS DE DOCENTES DE DIFERENTES NÍVEIS DO ENSINO Doris Pires Vargas Bolzan 1 Alexandra Pozzatti Machesan 2 Carla Markus Lopes 3 Francine

Leia mais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais

Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Curso: Alfabetização e Letramento na Ed. Infantil e nas séries iniciais Datas: 11 e 18 de Setembro Horário: 14:00h às 17:40h Carga Horária: 8 horas Vagas: O número mínimo de inscritos será: 20 pessoas

Leia mais

Palavras-chaves: Dificuldade de aprendizagem; leitura e escrita; sala de recursos; pré-leitura.

Palavras-chaves: Dificuldade de aprendizagem; leitura e escrita; sala de recursos; pré-leitura. Causas das dificuldades na leitura e escrita. Elsa Midori Shimazaki, Lucyanne Cecília Dias, Nerli Nonato Ribeiro Mori. Universidade Estadual de Maringá-PR, Lucilia Vernaschi de Oliveira; Universidade Estadual

Leia mais

INTERAÇÕES GRUPAIS: O PORCESSO DE CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA ATRAVÉS DE ATIVIDADES DIVERSIFICADAS EM SALA DE AULA.

INTERAÇÕES GRUPAIS: O PORCESSO DE CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA ATRAVÉS DE ATIVIDADES DIVERSIFICADAS EM SALA DE AULA. INTERAÇÕES GRUPAIS: O PORCESSO DE CONSTRUÇÃO DA LEITURA E ESCRITA ATRAVÉS DE ATIVIDADES DIVERSIFICADAS EM SALA DE AULA. TÁSIA FERNANDA WISCH (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA). Resumo O presente artigo

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Alfabetização (aprendizagem da escrita/métodos). Ciclo Alfabetizador. Ensino Fundamental de nove Anos.

PALAVRAS-CHAVE: Alfabetização (aprendizagem da escrita/métodos). Ciclo Alfabetizador. Ensino Fundamental de nove Anos. O PROCESSO INICIAL DE ALFABETIZAÇÃO NO PRIMEIRO E SEGUNDO ANOS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS EM DUAS INSTITUIÇÕES ESCOLARES: UMA PÚBLICA MUNICIPAL E UMA PARTICULAR Janine CANDIDO Rosiane PRUDÊNCIO

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS Ana Lúcia Silva Vargas 1 Ana Maria Lara Lopes 2 Resumo A aprendizagem de crianças de 7 a 10 anos nas séries

Leia mais

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA Camila Escarlety Costa 1, Jaciara Serafim De Souza 2, Lídia Thaislene Dos Santos 3, Nora Lucia Corrêa 4. 1 Universidade

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS TESTE 2 SEGUNDO SEMESTRE 2010 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Presidência do Instituto Nacional

Leia mais

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA

DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA DIFERENTES PRODUÇÕES ESCRITAS DE CRIANÇAS EM CLASSES DE ALFABETIZAÇÃO: ABORDAGENS SINTÉTICAS E DE BASE CONSTRUTIVISTA Fernanda Cargnin Gonçalves 1 Introdução O embate entre os métodos de alfabetização

Leia mais

Alfabetização e letramento: um estudo sobre as concepções que permeiam as práticas pedagógicas dos professores alfabetizadores

Alfabetização e letramento: um estudo sobre as concepções que permeiam as práticas pedagógicas dos professores alfabetizadores Alfabetização e letramento: um estudo sobre as concepções que permeiam as práticas pedagógicas dos professores alfabetizadores Resumo Este artigo é o resultado da investigação realizada junto a um grupo

Leia mais

A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação do Processo de Alfabetização. Unidade 3

A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação do Processo de Alfabetização. Unidade 3 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA A apropriação do Sistema de Escrita Alfabética e a Consolidação

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA ALFABÉTICA: UMA ANÁLISE DA ESCRITA DE DISCENTES DO 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Francisca Roseneide Gurgel Campêlo Graduanda de Pedagogia CAMEAM/UERN Francisca Rozângela Gurgel

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA ALFABETIZAÇÃO Fernanda Gonçalves Doro E.M. Gilberto de Alencar fgdoro@pop.com.br

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA ALFABETIZAÇÃO Fernanda Gonçalves Doro E.M. Gilberto de Alencar fgdoro@pop.com.br 1 PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA ALFABETIZAÇÃO Fernanda Gonçalves Doro E.M. Gilberto de Alencar fgdoro@pop.com.br No processo de aprendizagem da língua escrita, o trabalho com objetos significativos

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA REGULAR: UM ESTUDO SOBRE A VISAO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO

Leia mais

Palavras chaves: Oralidade. Ensino e aprendizagem. Língua materna

Palavras chaves: Oralidade. Ensino e aprendizagem. Língua materna A ORALIDADE NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE LÍNGUA PORTUGUESA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES 1 Maria Betânia Dantas de Souza - UFRN Márcia Rejane Brilhante Campêlo - UFRN Departamento do Programa de

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA ANÁLISE ACERCA DOS CONCEITOS.

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA ANÁLISE ACERCA DOS CONCEITOS. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA ANÁLISE ACERCA DOS CONCEITOS. Gersivalda Mendonça da Mota (Universidade Tiradentes) historiagerssyn@hotmail.com Carlos Vinícius de Farias (Universidade Tiradentes) Alfabetizar

Leia mais

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA I - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA O Colégio Ceom, fundamenta seu trabalho educacional na área da Educação Infantil, Ensino Fundamental I, Fundamental II e Ensino Médio, a partir das teorias de Jean Piaget e Emília

Leia mais

1 A legislação estadual para a implantação do Ciclo Básico de Alfabetização.

1 A legislação estadual para a implantação do Ciclo Básico de Alfabetização. O CICLO BÁSICO NO ESTADO DO PARANÁ: A ORGANIZAÇÃO DO TEMPO NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO. MÁRCIA REGINA FALCIONI PINESSO 1 NERLI NONATO RIBEIRO MORI 2 RESUMO: O presente texto tem por objetivo mostrar a

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1. Fevereiro de 2013

A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1. Fevereiro de 2013 A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1 Fevereiro de 2013 SUMÁRIO / PAUTA DO ENCONTRO A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Iniciando a conversa (pág.5) Aprofundando o

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais