QUEM DIZ QUE O ENSINO PARTICULAR É MELHOR QUE O PÚBLICO?RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM LÍNGUA ESPANHOLA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUEM DIZ QUE O ENSINO PARTICULAR É MELHOR QUE O PÚBLICO?RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM LÍNGUA ESPANHOLA"

Transcrição

1 QUEM DIZ QUE O ENSINO PARTICULAR É MELHOR QUE O PÚBLICO?RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM LÍNGUA ESPANHOLA BALDIN, Fernanda UTP PEDRA, Nylcéa UFPR Resumo Eixo temático: Formação de Professores e Profissionalização Docente Agência financiadora: não contou com financiamento O presente artigo é resultado das reflexões feitas pelos acadêmicos do 5º. período do Curso de Letras da Universidade Tuiuti do Paraná, regularmente matriculados na disciplina Estágio II - Língua Espanhola Ensino Fundamental e Médio no primeiro semestre de Entendendo que a experiência da prática de ensino é condição sine qua non para a formação dos licenciados, apresentada no artigo 65 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, e conhecendo a banalização que pouco a pouco foi se instaurando na disciplina com a redução da carga horária dos cursos de Licenciatura nas Universidades particulares, bem como pela redução do número de escolas que oferecem o espanhol como língua estrangeira em sua grade curricular para o Ensino Fundamental e Médio, propusemos uma modalidade de prática que possibilitou o contato dos discentes com duas realidades de ensino bastante diversas: a de uma escola particular e a de uma escola pública, a do espanhol inserido no ensino regular escola particular - e no ensino extra-curricular dos CELEMS escola pública. Além disso, os alunos puderam conhecer e discutir as novas organizações pedagógicas, como o enfoque por projetos e a interdisciplinaridade, e as novas metodologias de ensino da língua estrangeira, especialmente o trabalho com os gêneros textuais, questionando a sua utilização nas escolas visitadas. Concluído o período de prática docente, os alunos avaliaram as realidades que vivenciaram. Ao estabelecer paralelos entre os espaços, os conteúdos, os docentes e os discentes das duas realidades, puderam reconsiderar a premissa, instaurada em muitos contextos, de que o ensino particular é sempre melhor que o público. Palavras-chave: prática de ensino de língua espanhola ensino particular ensino público Introdução Das Leis e da organização regimental do Estágio Supervisionado no Curso de Letras.

2 2982 Sabe-se que os estágios supervisionados são, no contexto das Licenciaturas, experiência obrigatória pela qual devem passar os acadêmicos para estar habilitados a atuar como docentes na sua área de formação. A obrigatoriedade da prática de ensino para a conclusão da Licenciatura registra-se na Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96: Título IV Dos profissionais da Educação Art.65. A formação docente, exceto para a educação superior, incluirá prática de ensino de, no mínimo, trezentas horas. (grifo nosso) No entanto, a mesma Lei em seu artigo 82, revogado pela Lei no , de 2008 prevê que os sistemas de ensino estabeleçam as normas de realização de estágio 1. Contemplando-se a abertura dada pelo artigo 82 que não exclui a obrigatoriedade das 300 horas mínimas de prática de ensino com a realidade do ensino superior privado no Brasil, a pergunta que nos vem à mente é como cumprir estas horas de estágio em currículos cada vez mais enxutos que, no caso específico da Licenciatura dupla em Letras, reduziu-se, em muitas instituições de ensino superior, a três anos. Tal enxugamento reflete-se indiscutivelmente na formação dos futuros docentes. Algumas deficiências da formação de professores que encontramos são a superficialidade no tratamento dos conhecimentos; a falta de proficiência na língua estrangeira dos alunos, mesmo no final da faculdade; a ausência de reflexão crítica sobre a posição e os papéis do professor e a falta de maturidade que o discente que passa a ser docente possui. No Regimento para a orientação do Estágio Supervisionado da Universidade Tuiuti do Paraná consta que a duração dos estágios no Curso de Licenciatura em Letras - dupla habilitação - obedece a Resolução CNE/CP 2 de 19 de fevereiro de 2002, publicada no Diário Oficial da União em 4 de março de Seção 1, p. 9, que institui a duração e carga horária dos cursos de Licenciatura de Graduação de formação de professores da Educação Básica em nível superior. A saber: Art. 1º A carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, em curso de licenciatura, de graduação plena, será efetivada mediante a integralização de, no mínimo, 2800 (duas mil e oitocentas) horas, nas quais a articulação teoria-prática garanta, nos termos dos seus projetos pedagógicos, as seguintes dimensões dos componentes comuns: I (quatrocentas) horas de prática como componente curricular, vivenciadas ao longo do curso; 1 Art. 82. Os sistemas de ensino estabelecerão as normas de realização de estágio em sua jurisdição, observada a lei federal sobre a matéria.

3 2983 II (quatrocentas) horas de estágio curricular supervisionado a partir do início da segunda metade do curso; (grifo nosso) III (mil e oitocentas) horas de aulas para os conteúdos curriculares de natureza científicocultural; IV (duzentas) horas para outras formas de atividades acadêmico-científico-culturais. Com base na obrigatoriedade das quatrocentas horas de estágio curricular supervisionado o Currículo de 2006 do curso de Letras aparece assim organizado: PERÍODOS QUARTO (ESTÁGIO I) QUINTO (ESTÁGIO II) SEXTO (ESTÁGIO DE APROFUNDAMENTO METODOLÓGICO 2 ) Ensino Ensino NÍVEL DE Fundamental Fundamental Ensino Médio/ Ensino Fundamental/ ENSINO (3º e 4º ciclo) e (3º e 4º ciclo) e Educação Especial/ EAD/ CELEM Ensino Médio Ensino Médio LÍNGUA Língua Portuguesa Língua Estrangeira Portuguesa e Língua Estrangeira CARGA HORÁRIA 144 Horas 144 Horas 144 Horas Verifica-se que a carga horária dos estágios totaliza 432 horas/aula. Destas, 356 são destinadas a práticas reflexivas em ambientes de ensino-aprendizagem, restando 76 horas de atividades teórico/práticas em oficinas, colóquios e palestras na universidade e em atividades extraclasse como complementação teórica às atividades práticas organizadas e à carga horária. A aparente grande carga horária destinada à prática de ensino, contudo, vê-se distribuída em três projetos investigativos, com as seguintes cargas horárias: PROJETOS Projeto I Administração OBJETIVOS Caracterizar a instituição de ensino, sua filosofia forma de gestão e encaminhamentos didáticos. Perceber a concepção institucional CARGA HORÁRIA 5 horas aula 2 O Estágio de Aprofundamento Metodológico será um momento prático reflexivo, no qual o acadêmico deverá aprofundar seus conhecimentos na Educação Básica ou investigar, em locais específicos, o ensino/aprendizagem na educação especial, educação de jovens e adultos ou em centros de língua estrangeira moderna.

4 2984 Escolar Projeto II - A realidade de sala de aula por meio de observação e participação Projeto II - Regências para o ensino de Língua, bem como a metodologia escolhida no projeto político pedagógico. Conviver com ambiente administrativo de uma instituição de ensino: secretaria, biblioteca, cantinas, entre outros. Observar as formas de ensino/aprendizagem de língua em sala de aula; acompanhar a prática docente e perceber a metodologia e a concepção de linguagem adotada pelo professor e sua equivalência ao método; perceber o comportamento do aluno frente ao ensino aprendizagem de língua; interagir em situações reais de ensino/aprendizagem. Elaborar planos de aula, de acordo com conteúdo solicitado durante as observações pelo professor regente da escola/colégio conveniado; pesquisar métodos e técnicas de ensino aprendizagem compatíveis com a realidade escolar e a faixa etária do aluno; elaborar material didático para utilização em sala de aula; reger um total de 4 horas aula na disciplina de Língua Portuguesa/Estrangeira em séries ou ciclos distintos conforme o estágio em questão;elaborar dossiê de estágio para entrega ao professor orientador/supervisor dos estágios. (grifo nosso) 16 horas 35 horas É indiscutível que o estágio de observação da Administração Escolar, a coregência e a elaboração das aulas são etapas fundamentais a serem cumpridas pelo acadêmico para a sua inserção no ambiente escolar. Parece-nos, porém, que limitar a sua regência a oito horas aula (quatro no Ensino Fundamental e quatro no Ensino Médio) é restringir o momento central e caracterizador da sua formação: a prática docente. As experiências relatadas neste artigo são vividas nesta realidade curricular e, embora tenhamos em mente uma série de outras propostas para a realização de uma prática docente mais efetiva nos Cursos de Letras, sabemos que a sua concretização depende de outra série de decisões, muito mais políticas que educativas. Deste modo, organizamos as Práticas de Ensino de Língua Espanhola (Ensino Fundamental e Médio) seguindo o projeto proposto pela Universidade, considerando que o acadêmico, durante a sua prática docente, deveria conhecer diferentes universos de atuação. Desenvolvimento A língua espanhola na escola. A obrigatoriedade do ensino de uma língua estrangeira a partir do 6º. ano do Ensino Fundamental aparece registrada no Artigo 26 5 da LDB 9394/96: Na parte diversificada do currículo será incluído, obrigatoriamente, a partir da quinta série, o ensino de pelo menos uma língua estrangeira moderna, cuja escolha ficará a cargo da comunidade escolar, dentro das possibilidades da instituição. (grifo nosso)

5 2985 Também a continuidade de sua oferta e a de outra língua estrangeira, segundo a disponibilidade da instituição, durante o Ensino Médio, conforme registro do Artigo 36, parágrafo III: será incluída uma língua estrangeira moderna, como disciplina obrigatória, escolhida pela comunidade escolar, e uma segunda, em caráter optativo, dentro das disponibilidades da instituição. (grifo nosso) Historicamente sabemos que a escolha da comunidade escolar tem sido, majoritariamente, pela língua inglesa. O papel hegemônico desta língua nas trocas econômicas, sociais e culturais internacionais pode parecer justificar tal escolha, dada a preocupação do Ministério da Educação e da sociedade em geral - pela formação de alunos que possam se inserir no mundo do trabalho e da comunicação. Afirmamos isso porque uma das grandes justificativas se não a maior pela opção pela língua inglesa é a necessidade desta língua para o mercado de trabalho. Todavia não acreditamos que esta justificativa seja válida em todos os contextos e possa excluir outras opções (que não se resumiriam ao espanhol). No que cabe a oferta de outra língua estrangeira na grade curricular regular do Ensino Médio basta uma rápida aproximação às escolas para ver a sua pouca efetivação. O que se tem criado cada vez com mais frequência tanto em instituições públicas quanto em particulares são os Centros de Línguas, que se dedicam ao ensino de idiomas em contra-turno escolar. A sanção da Lei no , no dia 05 de agosto de 2005, tornando obrigatório o ensino da língua espanhola nas escolas públicas e privadas de nível Médio, gerou a expectativa de que a oferta desta disciplina se ampliasse no âmbito escolar. Não obstante, faltando pouco mais de um ano para a conclusão do tempo previsto para sua implantação, o que se verifica não é o crescimento da sua oferta regular, mas sua redução. Tampouco cremos que este panorama mudará com a conclusão do período de implantação da Lei, uma vez que já no artigo 1º. destaca-se que a escola é obrigada a oferecer a disciplina, estando vinculada sua abertura à matrícula, que é facultativa para o aluno, ou seja, a oferta é obrigatória, mas não a abertura de turmas. Assim, a garantia de oferta pela Lei só se converte em abertura de turma se há interessados em estudar outra língua, que não inglês. Nesse ponto também entraria a

6 2986 comunidade escolar, a promover outras línguas, o que normalmente não acontece. Comumente, então, só a motivação pré-existente dos alunos para o estudo dessas outras línguas funcionaria para a abertura de turmas. Nestes cinco anos em que supervisionamos as práticas de ensino de língua estrangeira, observamos o progressivo desaparecimento da oferta de língua espanhola no Ensino Fundamental da rede pública alegado pela sua obrigatoriedade no Ensino Médio e o seu reduzido número nas escolas particulares. Em contrapartida, constatamos a sua expansão no Ensino Médio, muito mais no contexto extra-curricular (nos CELEMS e Centros de Línguas) que nas grades horária. Esta realidade nos impõe outra série de limitações para a realização das práticas didáticas dos nossos discentes. Ao reduzido número de escolas que ofertam a língua na etapa fundamental, soma-se o pequeno número de aulas a ela atribuído, não mais que duas horas/aula semanais. No Ensino Médio, ainda que haja uma maior abrangência de oferta, o tempo de aula no ensino regular também é de duas horas/aula semanais e de três, nos centros de línguas. Com este panorama, para realizar o estágio dos acadêmicos do 5o. período do Curso de Letras regularmente matriculados na disciplina de Estágio Supervisionado II (Língua Estrangeira, Ensino Fundamental e Médio), fundamentamo-nos na Resolução CNP/CP 1, de 19 de fevereiro de 2002, ao referenciar no art. 14, a flexibilidade que cada instituição tem de adotar a construção de projetos inovadores e próprios, bem como no parágrafo único do art. 4º., no qual se descreve que a aprendizagem deverá ser orientada pelo princípio metodológico geral, que pode ser traduzido pela açãoreflexão-ação e que aponta a resolução de situações-problema como uma das estratégias didáticas privilegiadas. Deste modo, propusemos que os acadêmicos desenvolvessem as quatro aulas previstas pelo regimento em cada uma das modalidades tomando como eixo norteador o uso dos gêneros textuais, proposta dos PCN+: A análise de textos de diferentes gêneros (slogans, quadrinhos, poemas, notícias de jornal, anúncios publicitários, textos de manuais de instrução, entre outros), vazados em língua estrangeira, permite a consolidação do conceito e o reconhecimento de que

7 2987 um texto só se configura como tal a partir da articulação de determinados elementos, de uma intencionalidade, explícita ou não, e de um contexto moldado por variáveis socioculturais. (p. 93) Os materiais desenvolvidos foram adequados à faixa etária e ao conhecimento dos alunos de cada etapa, já que os discentes fizeram observações nas turmas antes da preparação dos materiais. Passamos a relatar alguns dos resultados alcançados. Duas escolas, duas realidades. Com o intuito de que os alunos tivessem a oportunidade de experimentar a realidade docente tanto no ensino particular quanto no público ainda que em dois contextos muito específicos - e que também tivessem a experiência da regência regular e a extra-curricular, propusemos-lhes o estágio em sala de aula regular, no Ensino Fundamental, e no CELEM, no Ensino Médio. A instituição escolhida para a realização das práticas de Ensino Fundamental foi a Escola Bambinata, localizada na rua Dr. Leão Mocelin, no Bairro de Santa Felicidade. Com uma política pedagógica construída no enfoque por projetos, propõem-se desenvolver o ensino interdisciplinar, conduzido por projetos de interesse dos alunos: Em nossa concepção de educação, a Escola tem por função pedagógica trabalhar com o conhecimento em sua dimensão prática / teórica, dirigir e organizar esse processo.assim, professor e aluno interagem com o objetivo do conhecimento para que progressivamente internalize os Pilares Fundamentais de sua Educação, aprender a fazer, aprender a ser, aprender a conviver e aprender a aprender. Entre as propostas pedagógicas da escola, está a progressiva eliminação do material didático convencional, substituindo-o por materiais elaborados por professores e alunos ao longo dos projetos propostos. Em língua espanhola, ainda utiliza o livro didático Interacción, da editora FTD, para apoio dos conhecimentos gramaticais a serem desenvolvidos em paralelo com a realização do projeto proposto para cada série. Atualmente, a língua espanhola encontra-se vinculada ao projeto Linguagens, junto

8 2988 com a língua portuguesa e a inglesa e caminha rumo à construção de seus próprios materiais. Antes da imersão no universo escolar, constatou-se a necessidade de que os discentes em prática tivessem uma série de discussões sobre o ensino por projetos, que foram realizadas nas aulas de Prática de Ensino da Universidade. Neste período, também foram instruídos a desenvolver um pequeno projeto dentro do grande projeto desenvolvido pela escola. Durante as suas quatro aulas de regência deveriam dar início e fim a ele observando o tipo textual de cada série, a saber: as 5as. séries, os textos informativos; as 6as séries, os textos descritivos; as 7as. séries, os narrativos e para as 8as., os textos de mídia. Entendemos que essa separação não segue nem as normas de gênero, nem de tipo de texto, visto que os textos informativos podem ter descrição e narração e, por vezes até mesmo algo de argumentação. E os textos informativos e narrativos apresentam-se sob gêneros diversos, bem como os textos de mídia. Utilizamos e problematizamos nas nossas reflexões essas nomenclaturas porque são as usadas na escola. Além da proposta bastante inovadora em seu modelo pedagógico, a escola conta com uma estrutura física bastante satisfatória. As turmas não têm mais que 25 alunos em salas de aula que dispõem de vários recursos tecnológicos. Por tratar-se de uma escola de ensino regular, os alunos têm idades bastante próximas, em conformidade com a série em que estão, havendo alguns poucos desperiodizados que conformam o quadro de alunos em inclusão. A distribuição das aulas de língua espanhola é feita de modo diferente para os primeiros e últimos anos de Ensino Fundamental. Os alunos de 5ª. e 6ª. séries têm dois encontros semanais de 45 minutos, enquanto os alunos de 7ª. e 8ª. têm apenas um, de também 45 minutos. A instituição escolhida para a realização das práticas de Ensino Médio foi o Colégio Paulo Leminski que integra a rede estadual de ensino do Estado do Paraná. Neste colégio, a língua espanhola não é oferecida na grade curricular, mas no CELEM. Funcionando nos períodos tarde e noite, está aberto para alunos e comunidade em encontros de duas vezes por semana, com duração de uma hora e meia cada. Ao contrário da Escola Bambinata, as turmas são grandes e heterogêneas e a ausência de um controle de assiduidade exige o comprometimento dos alunos com a sua frequência.

9 2989 O Colégio Paulo Leminski sempre foi reconhecido como modelo na rede estadual. Em parte pelo seu espaço físico, as salas pequenas recebem no máximo 25 alunos realidade bastante diferente de outras escolas estaduais todo o espaço é bem mantido por professores e alunos, sem pichações, lixo fora de lugar ou desordem; mas muito mais pelo comprometimento dos seus professores e por um projeto pedagógico bastante reflexivo. Nele não encontramos as teorias de aprendizagem mais atuais, como as propostas pela Escola Bambinatta, mas ainda assim há a preocupação de um ensino coerente e de qualidade em uma instituição pública: Defendemos na nossa escola alguns princípios fundamentais: igualdade de condições para o acesso e permanência na escola. Igualdade de oportunidades não é só o aumento quantitativo de ofertas, mas também a ampliação do atendimento com garantia da manutenção da qualidade. Qualidade que não pode ser privilégio de minorias econômicas e sociais. O desafio que se coloca é propiciar uma qualidade para todos. Buscamos dois tipos de qualidade a formal ou técnica e a política. A primeira enfatiza os instrumentos e os métodos, a técnica. A segunda, a qualidade política é condição fundamental da participação. Está voltada para os fins, valores e conteúdos. A qualidade centra-se no desafio de manejar os instrumentos adequados para fazer a história humana. A qualidade formal está relacionada com a qualidade política e esta depende da competência dos meios. A escola que queremos tem obrigação de evitar de todas as maneiras possíveis a repetência e a evasão. Tem que garantir um desempenho satisfatório de todos. Qualidade para todos é mais do que garantir o acesso é preciso garantir a permanência dos que ingressam. Qualidade implica consciência crítica e capacidade de ação, saber e mudar. Neste contexto educativo se insere o ensino da língua espanhola do CELEM. Com os objetivos programáticos para cada nível apresentado na proposta do colégio o curso de língua espanhola tem duração de dois anos, com dois semestres básicos e dois intermediários. As aulas são realizadas com material didático preparado pela professora regente que afirma unir de cada método o que há de mais interessante. No semestre em que realizamos a prática estavam em funcionamento os níveis Básico I e II. Propusemos, portanto, o desenvolvimento de 4 aulas a partir das grandes tipologias textuais: descrição (para o Básico I) e narração (para o Básico II), também construídos e discutidos na disciplina, antes de desenvolvidos na sala de aula. Depois de apresentar, mesmo que em linhas gerais, os dois espaços onde foram desenvolvidas as práticas, parece-nos importante recuperar a voz de algumas personagens importantes deste projeto: nossos discentes (professores estagiários). São eles que responderão a pergunta-título deste artigo.

10 2990 Quem diz que o ensino particular é melhor que o público? Terminado o período de prática docente, realizamos uma série de seminários para a avaliação do trabalho desenvolvido. Afinal, foram incorporadas à prática realidades até então não vividas por nossos acadêmicos. Interessava-nos saber o que haviam apreendido dos diferentes contextos de aprendizagem. As respostas que encontramos foram bastante surpreendentes. Reproduzimos o testemunho de uma das acadêmicas que nos confirma uma compreensão muito pertinente da atividade que lhes foi proposta: Cuando llega el momento de salir del aula de la facultad para las prácticas en los colegios tenemos muchas expectativas, y la oportunidad de hacerlas en dos ambientes, la escuela privada y la pública, rompió paradigmas hasta entonces internalizados. Las prácticas en las escuelas públicas apuntan siempre para la dificultad en todos los ámbitos, mientras en la escuela privada abunda la calidad. Pero ni todo lo que parece lo es, y la experiencia en el aula nos sorprendió. A primeira constatação feita pelos acadêmicos foi a da motivação. São consensuais em afirmar que os alunos do CELEM são muito mais interessados no aprendizado da língua que os da Escola de Ensino Fundamental. Certamente a faixa etária e a não obrigatoriedade de participação contribuem para esta postura. No entanto, vale ressaltar que em alguns grupos do turno da tarde, predominavam os alunos do Ensino Fundamental e Médio e as aulas eram muito mais participativas que no ensino regular, no qual se constatou muita indisciplina: Con sorpresa observé que la indisciplina y la falta de respeto fueron más evidentes en la escuela particular que en la escuela pública, donde, teóricamente, el alumnado es más carente. Questionados sobre a que atribuíam esta diferença no comportamento dos alunos, também foram unânimes ao responder: na conduta do professor. Parece-nos, porém, bastante radical a atribuição de importância total ao professor. A aprendizagem requer outros fatores e componentes igualmente importantes. Sabemos da importância da postura didática do docente para a boa condução de sua aula embora não seja o único fator para aula adequada - que foi também percebida

11 2991 pelos acadêmicos nos períodos de observação e co-regência registrados em considerações como as que reproduzimos: Creo que esta indisciplina se debe a un motivo: los alumnos están acostumbrados con su profesora que no se impone y les permite ciertos comportamientos dentro del aula. ( ) Comparando estas prácticas con las realizadas en una Escuela pública también para alumnos de la 6ª serie, queda claro para mí que la postura más rígida de la profesora es esencial para el buen funcionamiento de las clases. En esa ocasión no hubo indisciplina y los alumnos prestaron mucha más atención a las clases que en la escuela particular. Comparando ahora las clases en la Escuela Bambinata con las clases dadas en el CELEM, La profesora regente colaboró en el andamiento de las clases y pude comprobar el respeto que los alumnos tienen hacia su persona. No caso do ensino de língua estrangeira, soma-se ao desempenho didático, o conhecimento e desempenho lingüístico, bem como as posturas metodológicas do professor para o ensino da língua alvo. Rompendo, mais uma vez, o paradigma de que nas escolas particulares estão os melhores alunos e os melhores professores, os acadêmicos encontraram uma profissional linguística e teoricamente mais bem preparada no ensino público que no privado: Durante las observaciones de la enseñanza fundamental nos deparamos con un docente sin preparo y condiciones de ministrar una clase, se notaban las dificultades del profesor en la oralidad, lectura y escrita, hablando una lengua que no era ni español ni portugués. Lo sorprendente fueron las prácticas en la enseñanza media en la escuela pública. El profesor se desarrollaba perfectamente en las cuatro habilidades en lengua, tenía una propuesta de enseñanza que estaba incluida en el proyecto político-pedagógico de la institución y un material preparado con lo que había de más adecuado para ministrar las clases. Era visible el compromiso y el preparo de las clases por parte del profesor, además de la preocupación con el aprendizaje de los alumnos.

12 2992 comprobé también que hay por parte de ciertos profesores una actitud más positiva demostrada por la dedicación y empeño con que llevan a cabo su misión y que hace con que superen parcialmente algunas deficiencias de formación en E/LE. Y también, profesores que tienen bastantes dificultades con fosilización, interferencias y errores lexicales y gramaticales que perjudican el aprendizaje de los alumnos. Trazidos todos estes argumentos pudemos discutir com os discentes a importância do elemento presente em todos eles: o professor. Esta figura, muitas vezes esquecida pelo protagonismo que métodos, espaços e discentes assumiram nos estudos sobre as práticas escolares é imprescindível para a criação de um ambiente propício ao aprendizado. Antes disso, ele mesmo tem que ser um aprendiz, alguém que sabe refletir a sua prática e a sua formação de maneira crítica. Só assim compreenderemos que o que se ensina e como se ensina são reflexo de quem ensina. Considerações finais As constatações relatadas pelos discentes possibilitaram uma rica e profunda reflexão sobre as suas futuras atuações como docentes. Mais do que vivenciar o ambiente escolar e a rotina de uma sala de aula seguindo a obrigatoriedade acadêmica, foram capazes de ser observadores e avaliadores da práxis de outros docentes. E delas, certamente o maior aprendizado foi o de que os professores são figuras essenciais nas relações de ensino e aprendizagem e que da sua postura e de seu comprometimento também depende o sucesso do que se propõem a ensinar, independente do lugar onde ocorra. REFERÊNCIAS BRASIL. Lei no. 20/12/96. estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, v. CXXXIV, no. 248, de 23/12/96, p , 23/12/1996. Seção 1. MEC.CNE. Resolução CNE/CP 2, de 19/02/02. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da educação Básica em nível superior. Brasília: MEC. PCN + : Orientações complementares ao Parâmetros Curriculares Nacionais (Linguagens, códigos e suas tecnologias). Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/linguagens.pdf>. Acesso em 02.jun.2009

13 2993 V.A. Projeto pedagógico do Colégio Estadual Paulo Leminski. Curitiba, fevereiro de V.A. Projeto pedagógico da Escola Bambinata. Curitiba, 03 de março de 2007.

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

Escola Superior de Ciências Sociais ESCS

Escola Superior de Ciências Sociais ESCS Escola Superior de Ciências Sociais ESCS Manual do Estágio Supervisionado Curso de Graduação - Licenciatura em História MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Conforme legislação em

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA E LÍNGUAS ESTRANGEIRAS (INGLESA, ESPANHOLA E ALEMÃ) CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4

CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 CAMPUS CARAGUATUBA CURSO: LICENCIATURA DA MATEMÁTICA DISCIPLINA: PRÁTICA DE ENSINO 4 PROFESSOR: ANDRESSA MATTOS SALGADO-SAMPAIO ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS PARA A PRÁTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO forma: A disciplina de Estágio Supervisionado ocorrerá, sempre que possível, da seguinte 1. Primeiro contato com a administração e o serviço de supervisão

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O presente regulamento fundamenta-se nos termos

Leia mais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

CURSO: EDUCAR PARA TRANSFORMAR. Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Fundação Carmelitana Mário Palmério Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Educação de Qualidade ao seu alcance EDUCAR PARA TRANSFORMAR O CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO: LICENCIATURA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 01/2013 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUARUJÁ 2013 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1. APRESENTAÇÃO O curso de Educação Física da FISMA, através de sua orientação de estagio supervisionado obrigatório, vem por meio de o presente documento estabelecer as diretrizes básicas da realização

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 16/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS TELÊMACO BORBA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA Telêmaco Borba,

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DO ISEI RESOLUÇÃO Nº 01/ 2007, DE 29 DE JUNHO DE 2007

CONSELHO SUPERIOR DO ISEI RESOLUÇÃO Nº 01/ 2007, DE 29 DE JUNHO DE 2007 CONSELHO SUPERIOR DO ISEI RESOLUÇÃO Nº 01/ 2007, DE 29 DE JUNHO DE 2007 Aprova o regulamento dos Estágios Supervisionados dos cursos de Graduação - Licenciaturas do ISEI. O Presidente do Conselho Superior

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I- DA EXIGÊNCIA - Resolução CNE/CP 1/ 2002, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA Credenciamento: Decreto Publicado em 05/08/2004 Recredenciamento: Decreto Publicado em 15/12/2006

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA Credenciamento: Decreto Publicado em 05/08/2004 Recredenciamento: Decreto Publicado em 15/12/2006 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA (Ato de Aprovação: Resolução do Reitor Nº 53/2010 de 30/04/2010) Art. 1º O Estágio Supervisionado é uma parte do currículo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA CREDENCIAMENTO: Decreto Publicado em 05/08/2004 RECREDENCIAMENTO: Decreto Publicado em 15/12/2006

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA CREDENCIAMENTO: Decreto Publicado em 05/08/2004 RECREDENCIAMENTO: Decreto Publicado em 15/12/2006 REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG (Ato de Aprovação: Resolução do Reitor Nº 47/2010 de 30/04/2010) Art. 1º O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Faculdade de Alta Floresta - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF

Faculdade de Alta Floresta - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE DE ALTA FLORESTA - FAF Alta Floresta/2011 Sumário DA FINALIDADE E DA COORDENAÇÃO 03 DOS OBJETIVOS 04 DO CURRÍCULO E DA CARGA HORÁRIA

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 04/2014 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA MISSÃO: FORMAR PROFISSIONAIS CAPACITADOS, SOCIALMENTE RESPONSÁVEIS E APTOS A PROMOVEREM AS TRANSFORMAÇÕES FUTURAS. ESTÁGIO SUPERVISIONADO LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 16/2014 Aprova a estrutura curricular do Curso de Letras, modalidade licenciatura,

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras

MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras MANUAL DE ESTÁGIO Licenciaturas em: - Geografia - História - Informática - Letras Rio de Janeiro Julho/2013 1. Apresentação O presente Manual foi reorganizado pelos membros do Colegiado dos Cursos de Licenciatura

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenador Geral de Estágio: Prof. Ricardo Constante Martins

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura em Educação Artística (Artes Cênicas Artes Plásticas Música)

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura em Educação Artística (Artes Cênicas Artes Plásticas Música) MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Licenciatura em Educação Artística (Artes Cênicas Artes Plásticas Música) FACULDADE PAULISTA DE ARTES FPA Av. Brigadeiro Luís Antonio, 1224 Bela Vista CEP: 01318-001 São

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Curso de Administração Hospitalar Faculdade São Camilo - RJ

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Curso de Administração Hospitalar Faculdade São Camilo - RJ REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Curso de Administração Hospitalar Faculdade São Camilo - RJ 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - O Curso de Administração da Faculdade São Camilo mantém

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007

RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007 RESOLUÇÃO CONSEPE 19/2007 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO, DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, MODALIDADE LICENCIATURA DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Vice-Reitor

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Língua Portuguesa Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola.

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO DE HISTÓRIA/LICENCIATURA MANUAL DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO EM HISTÓRIA Apresentação O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011)

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) Aplicável a partir de 2013/1 1 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 2 Quais os critérios para que a Instituição de Ensino Superior altere a

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º. As Práticas de Campo do Curso de Enfermagem parte integrante

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 003 DE 18 DE SETEMBRO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA MINAS GERAIS CAMPUS SABARÁ Endereço provisório: Avenida Serra Piedade, 341,

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular

Regulamento de Estágio Curricular Regulamento de Estágio Curricular REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR O presente regulamento normatiza o Estágio Curricular em acordo com a Lei nº 11.788, de 25/09/2008, componente do Projeto Pedagógico

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Universidade Estadual De Londrina

Universidade Estadual De Londrina Universidade Estadual De Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO E ARTES DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO PEDAGOGIA LONDRINA 2009 2 REITOR WILMAR SACHETIN MARÇAL

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES NORMAS GERAIS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS Prezados alunos, As atividades Acadêmico-Científico Culturais foram instituídas como carga horária visando a complementação

Leia mais

RESOLUÇÃO N 003/2010

RESOLUÇÃO N 003/2010 RESOLUÇÃO N 003/2010 Institui regulamento para o cumprimento das atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia da FCH/ FUMEC. O PRESIDENTE DO COLEGIADO DE CURSOS NO USO DE SUAS

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

Estágio Supervisionado Educação Básica - Matemática

Estágio Supervisionado Educação Básica - Matemática Estágio Supervisionado Educação Básica - Matemática Não se pretende que o estágio se configure como algo com finalidade em si mesmo, mas sim que se realize de modo articulado com o restante do curso. Para

Leia mais

METODOLOGIA. 1 Centros de Educação de Jovens e Adultos, criados pela portaria nº 243 de 17 de fevereiro de 2005.

METODOLOGIA. 1 Centros de Educação de Jovens e Adultos, criados pela portaria nº 243 de 17 de fevereiro de 2005. USO DE SITES VISANDO A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA DE FÍSICA NO CURSO SEMIPRESENCIAL DA EJA INTRODUÇÃO Francinaldo Florencio do Nascimento Governo do Estado da Paraíba fran.nice.fisica@gmail.com Vivemos

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA DE ENSINO EM UM CURSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA A DISTÂNCIA Telma Aparecida de Souza Gracias Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas/UNICAMP telmag@ft.unicamp.br

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Curso de Administração Faculdade São Camilo - RJ

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Curso de Administração Faculdade São Camilo - RJ REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Curso de Administração Faculdade São Camilo - RJ 2013 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - O Curso de Administração da Faculdade São Camilo, possui a exigência

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Grades 2014/1-2014/2 2015/1

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Grades 2014/1-2014/2 2015/1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Grades 2014/1-2014/2 2015/1 INTRODUÇÃO As Atividades Complementares são consideradas componentes pedagógicos próprios ao processo de ensino aprendizagem,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades do Estágio Supervisionado em Publicidade e Propaganda

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO JUSTIFICATIVA:

ESTÁGIO SUPERVISIONADO JUSTIFICATIVA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO JUSTIFICATIVA: O estágio curricular do Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário do Cerrado Patrocínio pressupõe atividades pedagógicas efetivadas em um ambiente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

LETRAS, LICENCIATURA

LETRAS, LICENCIATURA Manual de Estágio LETRAS, LICENCIATURA Estágio Supervisionado I Ementa: Participação e regência, em classes de Ensino Fundamental II, elaboração de Planos de Aula pautado nas orientações curriculares em

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA Art. 1º O presente regulamento estabelece as orientações básicas

Leia mais

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG

NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA NA UEPG 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA NAP NÚCLEO DE ASSESSORIA PEDAGÓGICA: PROPOSIÇÕES PARA

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Gastronomia

Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Gastronomia Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Gastronomia Art. 1º - Compreende-se como Atividade Complementar toda e qualquer atividade que complemente a formação acadêmica oferecida pelas disciplinas

Leia mais

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 2.3. PROFESSORES

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 111 DE 18 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 111 DE 18 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 111 DE 18 DE JULHO DE 2011. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Integrar o processo de ensino, pesquisa e extensão;

Integrar o processo de ensino, pesquisa e extensão; REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE AGRONOMIA DO IFES CAMPUS ITAPINA O Estágio Curricular constitui um momento de aquisição e aprimoramento de conhecimentos e de habilidades essenciais ao

Leia mais

PRÁTICAS CURRICULARES EDUCAÇÃO FÍSICA

PRÁTICAS CURRICULARES EDUCAÇÃO FÍSICA PRÁTICAS CURRICULARES EDUCAÇÃO FÍSICA As diretrizes curriculares dos cursos de licenciatura prevêem desenvolvimento de atividades práticas e teóricas relacionadas com o exercício da docência do futuro

Leia mais

MANUAL DO ALUNO (A) ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES

MANUAL DO ALUNO (A) ATIVIDADES COMPLEMENTARES/ESTUDOS INDEPENDENTES A formação complementar é fruto da participação do aluno, durante o período de realização do seu curso superior, em atividades que não estão inseridas na grade curricular, mas que reconhecidamente contribuem

Leia mais