INOVAÇÃO TECNOLOGICA NOS PROCESSOS LOGISTICOS, DIFERENCIAL NO CRECIMENTO DAS ORGANIZAÇÕES.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INOVAÇÃO TECNOLOGICA NOS PROCESSOS LOGISTICOS, DIFERENCIAL NO CRECIMENTO DAS ORGANIZAÇÕES."

Transcrição

1 INOVAÇÃO TECNOLOGICA NOS PROCESSOS LOGISTICOS, DIFERENCIAL NO CRECIMENTO DAS ORGANIZAÇÕES. RESUMO Sirnei César Kach 1 Rosani de Mattos Fernandes 2 Neste trabalho estarão sendo mostrados alguns conceitos básicos da inovação tecnologica na logistica e sua aplicação para o mercado, como uma ferramenta importante na modernização das organizações. A metodologia utilizada, servirá para apresentação dos principais conceitos e sistema de gestão do processo logistico. A análise de dados poderá demonstrar com maior clareza os resultados de sua aplicação no transporte e satisfação de quem usufrui deste sistema. A logistica não significa apenas o deslocamento de produtos e serviços, mas sim o resultado no que se referem à estocagem correta respeitando as exigências normativas dos mais variados produtos, garantindo a qualidade do mesmo, que no momento é um diferencial devido à exigência consumidor. Empresas que se especializam neste segmento, exercem uma função de grande importância no atendimento às necessidades dos bastidores do setor industrial que precisa deste apoio eficaz e de grande importância efetivamente. A logistica indispensável na conquista de mercados internos e externos agrega valor no rendimento final da organização, pois o diferencial está na forma de como o produto é entregue, agregando qualidade, valor e não apenas custo ao consumidor final. Palavras chave: Logistica Cadeia Produção Suprimentos Gestão Lean Serviços. A APLICAÇÃO DE TECNOLOGIA NA LOGISTICA MODERNA O segmento logistico na cadeia produtiva do mercado atual, Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos (Supply Chain Management) são conceitos importantes que representam um paradoxo interessante, pois dizem respeito a uma das mais antigas e ao mesmo tempo recente descoberta da melhor forma de negócio, com excelentes resultados para as organizações. Dificilmente algum produto chega ao cliente, sem suporte logístico por menor que seja sua interferência, porém, somente há pouco tempo, as empresas têm focado na Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos como possibilidade para obter vantagens competitivas. Aumentando o foco neste segmento, a conquista de mercado se torna mais fácil, devido à necessidade do encurtamento das distancias e atendimento imediato à necessidade do consumidor. Neste trabalho a principal técnica utilizada, foi a pesquisa sobre os conceitos e literaturas especializadas em logística. Análise de documentos e resultados de pesquisas feitos por autores ou especialistas da área. Segundo Novaes (2004), em seis décadas pós-guerra a evolução do sistema logístico foi grande, passando a ter uma importancia relevante quando entendida como diferencial competitivo das organizações ao ponto principal da cadeia produtiva atuando conforme o SCM Supply Chain Management (Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos). É bem aceito no setor empresarial que nenhuma companhia pode ser melhor que seu sistema logístico. Isto se torna cada vez mais importante, dada a crescente redução do ciclo de vida dos produtos, da diversidade destes e da concorrência global cada vez mais intensa. A grande mudança de mercado e carta de produtos fabricados alimenta uma rede de transformação de movimentação de produtos e materiais, que diferenciam a logistica não como custo, mas valor agregado ao produto, pois a forma de acondicionamento e qualidade do serviço, garantindo a integridade do mesmo no recebimento pelo cliente. Deste modo, Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos tornaram-se além de um diferencial de mercado, uma fonte de ganho, seja financeiro como na conquista de uma maior carteira de clientes. Atualmente a Logística, vem apresentando uma evolução e tornando-se um dos elementos-chave na estratégia competitiva das organizações. Com esta evolução 1 Acadêmico Formando em Engenharia da Produção. Gerente Industrial. 2 Administratora. Professora na Fahor (Logistica)

2 2 conceitual da logística, adaptável a evolução da sociedade no sentido de ser mais exigente em relação aos resultados esperados pode perceber os benefícios que estes conceitos propiciam. 1. REVISÃO DA LITERATURA 1.1 LOGÍSTICA CONHECIMENTO E APLICAÇÃO DE SEUS CONCEITOS NO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. A meta principal dentro das organizações, é de a logística diminuir as dificuldades existentes entre a produção de bens e serviços e a necessidade de consumo agilizando seu transporte e entrega ao destino que normalmente é o setor consumidor, seja de produtos ou serviços. O objetivo geral da distribuição física, como meta ideal, é o de levar os produtos certos, para os lugares certos, no momento certo e com nível de serviço desejado, pelo menor custo possível. Uma vez que as distâncias significam custos agregados ao custo de produção, dependendo do ponto de vista, pois de acordo com a necessidade de utilização, dificuldade de encontrar determinado produto no mercado, o resultado oferecido pelo produto utilizado o custo beneficio poderá empatar, fazendo com que isso seja uma possibilidade de ganho desconsiderando o custo logístico envolvido no processo de compra e entrega do equipamento ou produto. (NOVAES, 2004) Segundo Novaes (2004) os conceitos de logistica tiveram sua origem e efetivação na época das guerras, pois a partir desta situação, desenvolveram-se conceitos e processos de organização deste segmento do transporte e gestão da cadeia logistica da produção. Após a 2ª. Guerra Mundial, o desenvolvimento dos meios de transporte e a evolução industrial no mundo como um todo, intensificaram a demanda pela movimentação de mercadorias. A partir dos anos 90, intensificaram-se os investimentos e atenções para este segmento, levando em conta os ganhos relacionados ao tópico produção-entrega, diferencial próspero que começava a despontar na cadeia produtiva como um todo. Conforme Fleury (ET al. 2000), a visão empresarial sobre a logística deixou de ser uma simples atividade para tornar-se uma estratégia de negócio competitivo e potencial para as organizações. A distribuição física de produtos é notadamente um dos itens que mais adiciona custos em uma organização, pois engloba transportes, processamento de pedidos e movimentação de cargas. Um dos custos maiores das empresas é a ineficiência de logística provocando gastos e investimentos relacionados as condições de estocagem cruzamento de rotas, demora nas entregas e perda de mercadorias perecíveis, comprometendo desta forma o faturamento das organizações. Por outro lado, muitas são as oportunidades de aumentar a eficiência do sistema logístico e da cadeia de suprimentos, sendo que os aspectos chave estão relacionados com a administração dos processos de armazenagem e com a gestão do sistema de transporte. A especialização de algumas empresas neste segmento de mercado torna-se cada vez mais primordial, por outro lado a maioria dos grupos foca a especialização em determinado processo ou produto, exemplo montadora de automóveis somente faz a montagem do produto, terceirizando todo o restante da cadeia de assessoramento à sua atividade, precisam deste apoio incondicional para desenvolvimento de suas necessidades. A principal missão da logistica se resume em uma filosofia semelhante ao Just in Time, produção na hora certa, quantidade certa, e forma correta, sem prejudicar o atendimento a uma necessidade ou geração de custo a quem produz ou transporta. [...] mapear o grau de comprometimento de recursos de cada parte pode avaliar o risco inerente em uma cadeia de suprimentos específica e através das operações de distribuição. Contrato e negociações empresariais tendem a modificar os comprometimentos em vez de reduzi-los ou eliminá-los. A chave para o sucesso das relações através de toda a cadeia de suprimentos está em reduzir o risco e eliminar a fonte do comprometimento de recursos, o principio fundamental da filosofia enxuta. (ZYLSTRA, 2008).

3 3 A evolução dos conceitos e da tecnologia aplicada favorecem a preparação das organizações para atuarem de forma produtiva e eficáz no novo sistema logístico exigido pelo mercado. 1.2 CONCEITOS DE LOGISTICA A logística é uma ferramenta de apoio na ligação entre produção e consumidor final do produto, esta consiste em um processo de planejamento, implementação e controle eficiente e eficaz da movimentação e armazenamento, a partir de um procedimento ideal para o produto disponibilizando-o neste processo, que vai desde a fabricação ao comprador do mesmo. Na logistica como em qualquer outro segmento de produção, busca-se a otimização das atividades bem como a redução de custos de fabrico no segmento industrial. O estoque, manuseio, processamento de pedidos, projeto de embalagens, gerenciamento das informações, precisam buscar um resultado ótimo para garantia de resultados positivos, justificando o envolvimento de profissionais e o investimento para desenvovlimento destes projetos. A busca pelo ótimo dessas atividades é orientada para a racionalização máxima do fluxo de produtos e serviços do ponto de origem ao ponto do consumo final portanto, ao longo de toda a cadeia de suprimentos. A logística pode ser entendida como um conjunto de atividades que não só participam no transporte ou armazenamento do produto final, mas em toda a mudança de local da matéria prima, produto semi acabado ou movimentação de conjuntos, subconjuntos que acontece dentro das empresas, em toda movimentação a participação do processo logistico é presente e de grande atuação na garantia de resultado para as transformações de produtos, segundo Novaes (2004). 1.3 OS MODAIS DE TRANSPORTE Para melhor entendimento dos sistemas de transporte utilizados na sociedade atual, seguem esplanações de alguns conceitos de transporte utilizados na logistica mundial. Unimodal entende-se como a forma mais simples de transporte, ou seja, aplica-se apenas um veículo para movimentação da mercadoria desde seu carregamento até o consumidor. Sucessivo é quando a mercadoria de precisa de um ou mais veículos para o transporte sofrendo baldeações, podendo gerar mais de um contrato de transporte. Segmentado será quando se utilizam mais de um modal de transporte, sendo que todos os serviços serão contratados separadamente, a diferentes transportadoras que deverão cumprir com a entrega da mercadoria ao cliente. Multimodal, quando se utilizam inúmeros métodos de transporte até a entrega das mercadorias contratadas para o transporte em apenas um único contrato. Os métodos de transporte estão classificados em partes de acordo com o meio utilizado. Na sequencia os instrumentos e o que cada um utiliza como meio de transporte e locomoção. Rodoviário, é o meio de transporte mais utilizado no Brasil atualmente com a utilização da malha rodoviária onde circulam caminhões dos mais diversos portes e condição de transporte variando conforme o foco da produção na região de atuação. Ferroviário um processo de logistica onde utiliza-se as ferrovias exitentes no país, aplicados em maior escala nas regiões sudeste e centro-oeste, principalmente na industria extrativa de minerais. No fluvial / lacustre, aproveita-se das garndes extenções aquiferas, incluindo lagos, rios, enfim onde estão disponiveis os canais que permitem a navegação, estão sendo aproveitados para transporte que pode ser considerado de baixo custo mas com limitações em relação a determinados pontos de entrega dos produtos. Meio utilizado para movimentação de produtos, na região norte do país principalmente. Marítimo, aplicado com grandes embarcações na exportação e importação de produtos. Aquaviário inclui em seu conceito os meios de transportes modais marítimos e fluvial. Aéreo inclui todo o meio de logistica movimentado através do ar, este meio pode locomover pessoas e produtos, fazendo uma ligação rápida, barata e eficáz entre a nações. Dutoviário, tem a capacidade de movimentar de forma eficáz e muito barata através de tubulações, produtos sólidos, líquidos e gasosos por grandes extenções. 1.4 FORMAS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS LOGISTICOS

4 4 Exitem formas de prestação de serviços, variando de acordo com a capacidade e necessidade da empresa, mercado em que esta incerido, tanto de seu produto e do mercado consumidor. Fatores excenciais na definição dos meios a serem utilizados. [...] a importância de o operador logístico ter indicadores de performance operacional focado em seus parceiros da cadeia, e por intermédio deles estabelecer o canal de comunicação como meio de facilitar a relação, é o meio mais fácil e comum de implementar a colaboração na cadeia. Este método de controle do processo deve ser coordenado por Tecnologia de Informação e por sistemas de medida suportando a operação colaborativa. A efetividade operacional depende das medidas e da acuracidade da informação entre clientes, supridores de serviço e material. (BOWERSOX, 2003) No sistema 1 PL - Logistica in house, que referse-se a operação logistica própria, onde a empresa que produz tambem faz a gestão da movimentação e entrega dos produtos, não envolendo terceiros no seu processo. 2 PL Asset-based logistics, normalmente utilizado em empresas que não possuem espaço ou equipamentos suficientes para armazenamento e movimentação de seus produto, com esta dificuldade contrata-se uma empresa espcializada para efetuar este serviço. 3 PL Forwarding / Contrato logistico, nesta forma de logistica ocorre a efetivação de um contrato de trabalho, onde se define o tipo de prestação de serviço, seja ele total ou parcial dentro de uma organização que não possui condição para tal serviço. A atuação da empresa é por conta da utilização de equipamentos próprios, para todas as necessidades exigidas para o processo. 4 PL Gestão da Cadeia de Abastecimento, envolve gestão logistica complexa, ou seja, uma evolução do 3PL. Neste segmento a contratada envolve terceiros especializados para auxiliar no cumprimento de seu contrato. É um contratador único, mesmo sabendo que ele faz utilização de outras empresas ou meios especializados para atendimento de prazos com qaulidade em uma esfera maior de abrangencia. 5 PL e-business, integra os PL s 3 e 4, atendendo principalmente o mercado eletroeletronico, trata de promover a concretização das melhores transações de oferta e procura de mercado. De certa forma o 5 Pl será um gestor de todas as demais cadeias de abastecimento, principalmente dos eletroeletronicos, segundo CARVALHO (2006). Abaixo gráfico para entendimento, da aplicação dos tipos de PSL s e possível aplicação: Diferentes tipos de PSL s Fonte: Carvalho, 2006, pag. 7

5 5 A gestão correta dos meios logisticos é um diferencial importante para os prestadores de serviços. A correta definição do PL a ser utilizado, fará uma diferença importante no resultado financeiro da organização. A forma mais comum de se estabelecer relacionamentos entre empresas com foco na venda do produto final tem sido contratação específica e terceirização. Neste processo, a empresa que contrata ou terceiriza precisa manter o relacionamento baseado em performance e custo. (BOWERSOX, 2003) De acordo com a necessidade ou forma de organização da empresa, aplica-se um dos métodos de operação dos serviços logísticos, seja próprio ou terceirizado. 1.5 O CONCEITO DE GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS (SCM - SUPPLY CHAIN MANAGEMENT) De acordo com Romeyer (2004), Supply Chain Manegement, conceito de gestão da cadeia de suprimentos ligado diretamente ao processo de logistica, seja no armazenamento bem como na movimentação de materiais, processos ou produtos. Para conhecedores técnicos desta ferramenta, gestão da cadeia de suprimentos incorpora uma abordagem sistêmica, busca integrar e otimizar as cinco áreas da logística: armazenamento, transporte, inventário, processamento de pedidos e agrupamento de lotes. A otimização isolada de uma área pode comprometer a cadeia de suprimentos, por exemplo, um armazém central único reduz os custos de estocagem, mas pode aumentar os custos de transporte. A gestão da cadeia de suprimentos integram as atividades logisticas de transporte, distribuição, armazenamento e produção com objetivo de conseguir uma vantagem competitiva sustentável. Podemos entender que os principais objetivos do Supply Chain Manegement, é a ligação e coordenação estreita das atividades envolvidas na compra, fabricação e movimentação de um produto. Integração dos fornecedores fabricantes, distribuidores e consumidores, otimização de processos e custo, tendo como principal objetivo gerar lucro de melhor forma possível a todos envolvidos nesta movimentação de produtos e valore. O objetivo principal sempre será um retorno significativo a quem esta envolvido. 1.6 LOGISTICA REVERSA [...] para existirem laços informacionais entre os parceiros de supply chain, existem dois grandes tipos de solução: (1) criar interfaces entre o SI internos das empresas parceiras; (2) desenvolver um Sistema de Informação Intre-Organizacional (SIIO), fruto de uma colaboração entre parceiros e complementar em relação aos SI de cada um dos atores (o SIIO é aticulado com diferentes SI). A aioria das vezes, escolhe-se a primeira solução, por motivos de facilidade de implementação. (ROMEYER, 2004) Conforme Leite (2003) a logística, é aquela que planeja, implementa e controla de maneira efetiva e econômica, o fluxo de matérias brutas, bens acabados e as informações relativas, desde o ponto de origem ao de consumo, de modo a atender as exigências dos clientes. A logística reversa agrega valores de diferentes tipos e se define como uma área empresarial que planeja e controla as informações do retorno de bens de pós-venda e pós-consumo ao ciclo de negócios ao ciclo produtivo por meio de canais de distribuição reversos, agregando valor da mais variada natureza. A logística reversa de revalorização de materiais apresenta duas características diversas, os canais reversos fechados e os abertos. Enquanto a logística tradicional trata do fluxo de saída dos produtos, a Logística Reversa tem que se preocupar com o retorno de produtos, materiais e peças ao processo de produção da empresa, reciclágem por exemplo. Devido ao maior rigor de legislação ambiental, a necessidade de reduzir custos e a necessidade de oferecer mais serviços por meio de políticas de devolução mais liberais, as empresas estão não só utilizando uma maior quantidade de materiais reciclados como

6 6 também se preocupando com o descarte ecologicamente correto de seus produtos ao final do seu ciclo de vida. Nos canais reversos fechados os materiais voltam a se constituir matéria prima para produto igual ao inicial. Exemplo deste tipo de procedimento é o processo de reciclagem de materiais, latas aluminio, sucata de aço, papel, enfim qualquer produto que tenha possibilidade de reaproveitamento e aplicabilidade em outro processo de industrialização. [...] os mais diferentes resíduos são reciclados, alguns como a sucata ferrosa, o papel e papelão são tradicionais e apresentam processos e negócios consolidados. Materiais novos para embalagem com menor peso, maior segurança e menor custo, viáveis por tecnologias recentes levaram a novos negócios de reciclagem, como é o caso das latas de alumínio e das garrafas PET. (LEITE, 2003) Representação gráfica da logistica reversa com base em um processos de reciclagem de materiais: Fonte: Atividade Típica do Sistema Reverso da Logistica (Adaptado de Lacerda, 2003 pag. 478). Acima podemos entender de forma mais clara, utilizando o processo da coleta seletiva, o que significa a logistica reversa, onde o produto percorre um caminho contrário ao normalmente sabido, ou seja, o processo invertido ao caminho da produção sequencial de uma linha de produção da industria ou outro setor de transformação de produtos. O ciclo de vida do produto não termina mais ao chegar no consumidor final, ali apenas começa um novo estágio, ou seja, a real necessidade que o produto se propõe a satisfazer será definida a partir dali, dando retorno ao investimento feito com seu raproveitamento. Parte dos produtos necessitam retornar aos fornecedores por razões comerciais, garantias dadas pelos fabricantes, erros no processamento de pedidos e falhas de funcionamento, procedimentos garantidos pelo Código do Consumidor bastante rigoroso que permite ao consumidor desistir e retornar sua compra num prazo determinado por lei, variando de acordo com o caso. A logística reversa de pós-venda, segue o propósito da criação deste setor cada vez mais eficiente e presente nas empresas, sejam elas de grande porte ou pequenas organizações, pois agregando valor ao produto e garantindo um diferencial competitivo, só tendem a somar nos resultados positivos.

7 7 A confiança entre os dois extremos da cadeia de distribuição pode se tornar o ponto chave para a próxima venda, e expanção do negócio, segundo Lacerda (2003). Estas possíveis devoluções ou trocas de produtos se dão por fatores como danos no transporte, defeitos de fabricação, recal, mau acondicionamento na fase de estocagem e outros problemas que podem ocorrer, pois quanto mais tempo estocado ou distância transportada o risco de problemas é maior. 2 LOGISTICA: MÉTODOS E TÉCNICAS DE CONTROLES DO DESEMPENHO. Como em qualquer tipo de transfromação de produtos, como fabricação, movimentação ou armazenamento, o uso de medidas do desempenho é essencial para que uma organização possa avaliar os resultados de sua atuação. Ao dimensionar um sistema de distribuição é importante lembrar que, sob o ponto de vista do nível de serviço logístico, a restrição de tempo é normalmente mais severa do que a restrição de capacidade. (NOVAES, 2004) Para que seja feito de forma eficáz, é preciso a obtenção corrreta de dados e controles eficientes das informações que alimentam o sistema de compilação de dados. Os objetivos dos sistemas modernos da medida do desempenho logístico incluem a monitoração, o controle e o direcionamento das operações logísticas. As medidas de controle, por sua vez, permitem acompanhar o desempenho ao longo da execução, e são utilizadas para refinar um processo logístico, com o intuito de torná-lo compatível com os padrões estabelecidos, quando esses são excedidos. Um exemplo de aplicação de controle é o acompanhamento das avarias ocorridas no transporte. Podemos citar como um exemplo o controle de avarias em containers durante o transporte, sabendo a incidencia desta ocorrência, mede-se para tomada uma ação preventiva referente a este problema que por sua vez precisa de uma ação corretiva e que poderá trazer melhorias ao processo e maior conquista de mercado. Toda a medição se compõe de dados numéricos, tornando-se a ssim a mais eficiente forma de gestão do processo, pois somente medindo podemos saber o resultado real das normas e procedimentos aplicados, o retorno somente poderá ser visto após uma medição confiável e atualizada periódicamente através de ferramentas e processos revisados. De forma geral, as medidas de desempenho logístico contemplam parâmetros tais como custos de transporte, armazenagem, prazo de entrega, tempos de movimentos, lead time, estoque, numero de devoluções, avarias em produtos ou embalagens no transporte, perda de pedidos, frequencia na falta de mercadorias, enfim tudo que de certa forma apresente prejuizo finaceiro ou em relação ao mercado consumidor, poderá apresentar variação no desenpenho logistico, conforme Novaes (2004). Custo contempla a habilidade de produzir bens ou serviços ao menor custo possível; Produtividade é a capacidade de produzir os maiores resultados possíveis com a menor quantidade de recursos disponíveis; Qualidade refere-se a habilidade de gerar bens e serviços que satisfaçam ou excedam as expectativas dos consumidores; por fim o tempo será a capacidade da empresa em responder às mudanças no menor tempo possível; 2.1 ANÁLISE E CONTROLE DOS CUSTOS DE LOGÍSTICA Todo processo logistico, precisa de uma análise principalmente relacionada a custos, o foco de uma empresa sempre será o retorno financeiro. A partir desta concepção a melhoria dos processos sejam produtivos como os de logistica, onde envolve armazenamento e transporte. Toda gestão desta situação precisa ser avaliada da melhor maneira a atingir resultados positivos. [...] os paradigmas operacionais atuais, e os processos empresariais que buscam prever, planejar e aperfeiçoar perfeitamente a distribuição estão na mesma trajetória das mudanças dramáticas que a Dell, a Apple e a Wal-Mart estão perseguindo. Os clientes e os mercados industriais estão se movendo muito rápido para que as previsões sejam suficientemente exatas e um plano otimizado e executado.

8 8 Alternativa? Uma aboradgem dirigda para o mercado, simples e flexível, construido de acordo com os princípios enxutos da distribuição. (ZYLSTRA, 2008, p. 20). À medida que o mercado vai aquecendo e os produtos sendo ofertada de uma forma mais constante, a busca pela venda cada vez maior focando no lucro da organização, a consequencia é o aumento da exigencia do cliente e a menor custo de produção, tanto na fábricação bem como na logistica de entrega. A pressão de se fazer mais com menos, é constante no mercado atual, esta redução de custo é indispensável a aplicação de conceitos Lean de produção. O armazenamento, transporte e mão de obra, se tornam o grande foco para esta redução ocorrer de forma a trazer beneficios as organizações envolvidas, tanto no processo produtivo como logistico, sem a perda de qualidade dos serviços. Para haver competição de preços, prazos e qualidade dos produtos ou serviços prestados, a automação se torna um diferencial para as organizações. Na indústria a aquisição de tecnologias em máquinas reduz o custo de produção quando se analisa pela ótica do volume produtivo com menor acréscimo possivel no custo de produção. Na linha logistica a implementação da tecnologia nos meios de controle dos modais de transporte é que faz a diferença no final de seu processo. O controle automatizado das frotas com gestão dos gastos, redução de consumo, monitoramente do operador, definição exata dos pontos de origem e chagada de cargas evitando movimentação do caminhão principalmente quando a desvio de trajeto. Acompanhamento constante de todas as atividades do motorista, paradas, saidas, caminhos alternativos, cargas, etc. A tecnologia cada vez mais presente nos modais de transporte, sendo inicialmente vista como um mal necessário, pois haverá um investimento em equipamentos, treinamento de funcionários, a gestão correta destas ferramentas, obtenção de resultados positivos poderão ser vistos em um primeiro momento, retorno imediato ao processo, produto ou serviço. [...] o papel principal da distribuição tem tambem mudado à medida que as necessidades dos clientes se expandem além do atendimento do prazo de entrega. Os clientes estão demandando mais personalização, mais etiquetagem e mais manuseio especializado a fim de enxugar suas cadeias de suprimentos e operações. Eles tem direcionado a mudança para seus fornecedores, de modo que os produtos cheguem prontos para uso ou venda e fluam facilmente através de suas operações nos centros de distribuição. (ZYLSTRA, 2006, p. 54) CONCLUSÃO O segmento produtivo relacionado à logistica torna-se muito importante a medida que produção aumenta. A necessidade de aplicação de um processo rentável de movimentação e armazenamento, exige especialização e atendimento aos objetivos propostos em cada organização, meta. Para que esta ação seja eficáz em termos de produtividade e faturamento, não basta uma gestão técnica de alta performance, mas sim que tenha como objetivo principal a aplicação de métodos técnicos e façam uma logistica com olhares voltados a gestão Lean dos processos. Os beneficios de uma distribuição enxuta serão efetivamente sentidos na organização fabricante, com cumprimento de prazos de entrega, bem como a redução de custo para ambos envolvidos neste processo. A conquista de mercado se alcança com redução de custo e serviço da mais lata qualidade, para que isto ocorra de forma normal a tendencia é o aumento na gestão de processos enxutos. O que podemos entender é de que a técnica de logistica associada aos conceitos precisam trabalhar com processos de produção enxuta (Lean Manufecturing), devido a evolução do mercado atual, onde a exigencia do cliente se torna maior e por consequencia um diferencial na fixação da empresa dentro deste mercado. Não basta apenas produzir, mas possuir um diferencial competitivo para ser diferente frente a concorrência a qual todas organizações estão submetidas. Não se conquista mercado apenas com os quesitos técnicos de fabricação, mas toda cadeia de processos e terceiros envolvidos de alguma forma forma seja na transformação da matéria prima bem como a entrega na data contratada e com a qualidade minima exigida pelo cliente, principal elemento da efetivação de todo este processo.

9 9 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] NOVAES, Antonio Galvão Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição Editora Elsevier 2ªEdição ª Reimpressão; [2] ZYLSTRA, D. Kirk Distribuição Lean, a abordagem enxuta aplicada a distribuição, logistica e cadeia de suprimento Editora Bookman 1ª Edição 2008; [3] ROMEYER, Cécile - Obstáculos para Implementação de um Sistema de Traçabilidade de uma Suply Chain: Tributo da Experiência Hospitalar (RIRL 2004); [4] LACERDA, Leonardo Logística Reversa: Uma visão sobre os conceitos básicos e práticas operacionais LGC; [5] NUNES, Fernando Ribeiro de Melo Arruda, João Bosco Furtado - A Logistica a serviço da empresa e do desenvolvimento: a contribuição da pesquisa (Melhores trabalhos da RIRL 1ª Edição 2004); [6] WANKE, Peter Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos, modelos e decisões quantitativas Editora Atlas 2ª Edição 2006; [7] PESSOA, Paulo Daniel Miotto, Claudio Luis O estudo de caso da logistica Reversa: reutilização de embalagens do tipo big bag (XXVI ENEGEP Fortaleza 2006); [8] ANASTÁCIO, Assis Francisco SCHMEISKE, Oscar Ricardo Macedo Identificação e Avaliação dos Canais de Logistica Reversa (Curitiba 2008);

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa.

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos A terceirização de serviços logísticos se constitui uma das Logística e Distribuição novas tendências da prática empresarial moderna, principalmente dentro dos conceitos da Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA Plano de Trabalho Docente 2010 ETEC RODRIGUES DE ABREU Ensino Técnico Código: 135 Município: BAURU/SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação: TÉCNICO

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Coordenação Acadêmica: Prof. Jamil Moysés Filho OBJETIVO: Ao final do Curso, o aluno será capaz de: Conhecer

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONCEITOS 1. Sabe-se que o conceito de Sistema de Informação envolve uma série de sistemas informatizados com diferentes características e aplicações, os quais, porém, têm em comum

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES Página 1 de 11 SUMÁRIO: 1 VISÃO...3 2 MISSÃO...3 3 PRINCÍPIOS...3 4 POLÍTICA DE GESTÃO INOVA...4 5 - MENSAGEM AO FORNECEDOR...4 6 - OBJETIVO DO MANUAL...5 7 - REQUISITOS BÁSICOS DO SGQ...5 8 - AVALIAÇÃO

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Uma boa gestão de estoques comprova sua importância independente do segmento em questão. Seja ele comércio, indústria ou serviços, o profissional que gerencia

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável.

WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA. Eficiente. Flexível. Confiável. WAMAS SOFTWARE DE LOGÍSTICA Eficiente. Flexível. Confiável. Automação SSI Schaefer: Pensamento Global Ação Local Liderança de mercado A SSI SCHAEFER é uma empresa mundialmente conhecida quando se trata

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Nível

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3.

CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. CONCEITOS RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS NOS EPISÓDIOS 1, 2 E 3. PROBLEMA: É UM OBSTÁCULO QUE ESTÁ ENTRE O LOCAL ONDE SE ESTÁ E O LOCAL EM QUE SE GOSTARIA DE ESTAR. ALÉM DISSO, UM PROBLEMA

Leia mais

PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS!

PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS! PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS! sdfgdfhfdgfsgfdgfsdg sdfgsdgsfdgfd PRODUTOS PARA VOCÊ PRODUTOS PARA VOCÊ Simples e econômico: com apenas uma apólice, toda sua frota fica segurada.

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC de São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data 9 Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Sua empresa sabe interpretar os dados que coleta? Para aumentar

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

Grupo CARGO. Um jeito inteligente de fazer logística.

Grupo CARGO. Um jeito inteligente de fazer logística. Grupo CARGO Um jeito inteligente de fazer logística. Empresas do Grupo Cargo Iniciou suas atividades em 1.980 em Córdoba Argentina, prestando serviço no segmento de Transporte Nacional e Internacional.

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Evolução do Conceito de Logística

Evolução do Conceito de Logística CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS COM HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR DISCIPLINA: Logística, Transportes e Seguros DOCENTE: Dd. Alberto Possetti A PERÍODO: 2º SEMESTRE/2004 Evolução do Conceito de Logística

Leia mais

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL

A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL A LOGÍSTICA NO CENÁRIO EMPRESARIAL MOREIRA, Fabiano Greter (FANOVA) BORGHI, Wagner (FANOVA) INTRODUÇÃO Quando pensamos em produtos para consumo ou matéria prima para industrialização, não importando sua

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 198 Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Isailma da Silva Araújo; Luanna Nari Freitas de Lima; Juliana Ribeiro dos Reis; Robson

Leia mais