PROCESSO CONSULTA Nº 27/2010, protocolizado em 11/10/2010.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO CONSULTA Nº 27/2010, protocolizado em 11/10/2010."

Transcrição

1 PROCESSO CONSULTA Nº 27/2010, protocolizado em 11/10/2010. INTERESSADO: Dr. D. J. P L e Dr. J. C. W. P. A ASSUNTO: Solicita posicionamento do CRM-PB quanto às questões relacionadas à emissão de Declaração de Óbito. PARECERISTA: Cons. Eurípedes Sebastião Mendonça de Souza Conselheiro Diretor do Departamento de Fiscalização do CRM-PB. EMENTA: nenhum médico pode atestar óbito quando não o tenha verificado pessoalmente, ou quando não tenha prestado assistência ao paciente, salvo, no último caso, se o fizer como plantonista, médico substituto ou em caso de necrópsia e verificação médico-legal (Art. 83 do Código de Ética Medica ou seja Res. CFM N 1931#2009). Nas situações em que um médico seja o único em condições de atestar o óbito, independente de ser ou não médico assistente, deve emitir a Declaração de Óbito (DO), obtendo informações ou na impossibilidade de formulação de causas registrar morte de causa desconhecida ou ainda enviar, de acordo com o caso e a existência dos serviços na cidade para o SVO ou IML. H I S T Ó R I C O Em 11 de outubro de 2010, foi protocolizado neste CRM-PB, sob o número 2606/2010, o pedido de consulta assinado pelos médicos Dr. D. J. P L e Dr. J. C. W. P. A. No dia 11 de outubro de 2010, este conselheiro foi designado para emitir parecer. Considerando que para o entendimento do parecer é importante a reprodução na integra dos dois questionamentos. Consulta 1. CONSULTA Ao presidente do Conselho Regional de Medicina da Paraíba CRM-PB Dr. João Gonçalves de Medeiros Assunto: Fornecimento de declaração de óbito sem verificar o óbito pessoalmente, Remetente: XXXXXX Sou médico do PSF, no município de Patos, desde 2006, e atuo na ESF (Equipe Saúde da Família) Aderbal Martins. No dia 22 de maio do corrente ano (num sábado), a senhora Maria Fernandes do Espírito Santo faleceu em seu domicílio. A família ligou para o SAMU, e quando o mesmo chegou à sua residência a mesma já havia falecido. No entanto, o médico do SAMU falou para a família que quem deve fornecer a Declaração de Óbito é o médico do PSF, de fato segundo a Resolução CFM Nº 1779/2005, publicada no DOU de 05/10/2005, Seção I, p. 12) regulamenta a

2 responsabilidade médica no fornecimento da Declaração de Óbito e revoga a Resolução CFM Nº 1601/2000. Resolve: Art. 2º. Os médicos, quando do preenchimento da declaração de óbito, obedecendo as seguintes normas: 1) Morte natural: II. Morte com assistência médica: d) A declaração de óbito do paciente em tratamento sob regime domiciliar (Programa de Saúde da Família, internação domiciliar e outros) deverá ser fornecido pelo médico pertencente ao programa ao qual o paciente estava cadastrado, ou pelo SVO, caso o médico não consiga correlacionar o óbito com o quadro clínico concernente ao acompanhamento do paciente. No entanto, essa senhora que faleceu no sábado, foi sepultada no domingo, 23 de maio de 2010, e o PSF só funciona de segunda a sexta, na manhã do dia 24 de maio de 2010 dona Benedita Fernandes da Silva me procurou solicitando que eu fornecesse a Declaração de Óbito da sua mãe, a senhora Maria Fernandes do Espírito Santo, expliquei a mesma que não podia fornecer tal declaração, pois não pude verificar o óbito pessoalmente, haja vista já ter sido sepultada no dia anterior, então me baseei no que diz a Resolução CFM nº 1779/2005 que regulamenta a responsabilidade médica no fornecimento da Declaração de Óbito e o Código de Ética Médica no seu artigo 114 É vedado à médico atestar óbito quando não o tenha verificado pessoalmente, ou quando não tenha prestado assistência ao paciente, salvo, no último caso, se o fizer como plantonista, médico substituto ou em caso de necropsia e verificação médico-legal. Daí Dona Benedita Fernandes da Silva foi ao Ministério Público Estadual Promotoria da Justiça de Patos, procurar uma solução para que o problema em questão fosse resolvido, foi marcada uma audiência na Curadoria Cumulativa de Patos no dia 22 de setembro de 2010, na qual estiveram presentes a Promotora de Justiça Dra. Edivane Saraiva de Souza, eu, XXXX João Pereira Lopes e o Coordenador Geral do SAMU/Patos, Dr. Pedro Augusto e Benedita Fernandes da Silva, filha da falecida. Na audiência o Dr. Pedro Augusto disse que conforme portaria do Ministério da Saúde nº 2048, que os médicos do SAMU não podem fornecer declaração de óbito, afirmando que o SAMU pode fornecer uma declaração de atendimento, fazendo constar de que ao chegar ao local, a paciente já se encontrava em óbito. Pela Promotora Curadora foi dito: ficou acertado entre as partes PSF e SAMU, que o médico do PSF, no caso Dr. XXXX, com a Declaração de Atendimento fornecida pelo SAMU, de que houve atendimento à paciente Maria Fernandes, e que o médico do SAMU ao chegar ao local a encontrou em óbito, o Dr.XXXX fornecerá a Declaração de Óbito de Maria Fernandes do Espírito Santo, esta foi a solução dada pela Promotora e acordada entre os participantes. Diante do exposto, faço as seguintes indagações: 1) O CRM tem alguma ferramenta para solucionar o problema? 2) É legal, do ponto de vista ético e jurídico, o médico do SAMU fornecer esta Declaração de Atendimento e outro médico, no caso o do PSF, assinar a DO sem ter verificado o óbito pessoalmente? 3) Eticamente e juridicamente, o médico do PSF, assinando a DO, caso porventura a família conteste na justiça que o óbito não foi por morte natural e sim evidência de morte violenta, o médico do SAMU responderá juridicamente juntamente com o médico do PSF? ou só o do PSF? 4) O que foi dito pela Promotora de Justiça para nós médicos é legal? 5) como o caso em questão configura que o médico não pôde fornecer a DO, haja vista não ter verificado o óbito pessoalmente, qual a solução que o CRM pode apresentar para os médicos resolverem casos dessa natureza?

3 Consulta 2. Caso o CRM ache necessário entrar em contato com a Promotoria de Justiça de Patos, para que seja resolvido o problema de uma só vez, pois estamos constantemente sendo pressionados pelo representante da secretaria de saúde de Patos e, no caso mais recente, a Promotoria, para fornecermos Declaração de óbito nos casos dessa natureza. Endereço: Rua José Mendes, 670 Santo Antonio CEP Patos-PB Cel. (83) Sem mais, agradeço antecipadamente, votos de estima e consideração. Médicos (dentre os quais me incluo) e agentes comunitários de saúde (ACS) na internet, estão com uma dúvida aqui em Patos (PB): nos casos de atendimentos médicos realizados pelo SAMU, na hipótese de morte do paciente, quem preencherá o formulário de Declaração de Óbito e Atestado de Óbito? Quais as diferenças entre: Declaração de Óbito e Atestado de Óbito. Li algo no site do CRM PB, mais ainda me restaram muitas dúvidas. Faço estas perguntas, porque sou membro do Conselho Municipal de Saúde (Patos), mas não soube como responder tal indagação. Agradece, XXXX. (médico imaginologista). Dr. C.P. W Em decorrência do exposto, os questionamentos de ambos os consulentes resumem-se a: 1) O CRM tem alguma ferramenta para solucionar o problema? 2) É legal, do ponto de vista ético e jurídico, o médico do SAMU fornecer esta Declaração de Atendimento e outro médico, no caso o do PSF, assinar a DO sem ter verificado o óbito pessoalmente? 3) Eticamente e juridicamente, o médico do PSF, assinando a DO, caso porventura a família conteste na justiça que o óbito não foi por morte natural e sim evidência de morte violenta, o médico do SAMU responderá juridicamente juntamente com o médico do PSF? ou só o do PSF? 4) O que foi dito pela Promotora de Justiça para nós médicos é legal? 5) como o caso em questão configura que o médico não pôde fornecer a DO, haja vista não ter verificado o óbito pessoalmente, qual a solução que o CRM pode apresentar para os médicos resolverem casos dessa natureza? 6) Nos casos de atendimentos médicos realizados pelo SAMU, na hipótese de morte do paciente, quem preencherá o formulário de Declaração de Óbito e Atestado de Óbito? 7) Quais as diferenças entre: Declaração de Óbito e Atestado de Óbito MÉRITO Inicialmente gostaria de dizer que o caso acima relatado está deixando de ser uma exceção e ficando cada vez mais comum. Logo caberia a emissão de uma resolução pelo CFM ou CRM PB para nortear e otimizar a tomada de decisão por parte dos médicos que se envolvam em situações similares. Destaco como fonte mais importante da literatura consultada a Cartilha A Declaração de Óbito: documento necessário e importante

4 publiciazado no ano de 2007 e elaborado pelo CFM em parceria com o Ministério da Saúde e o Centro Brasileiro de Doenças. Da fonte supra destaco: Na página 10, no tópico O que o médico não deve fazer, no item 2 é assinalado Preencher a DO sem pessoalmente examinar o corpo e constatar a morte. Recomendo a leitura da ainda do tópico QUEM DEVERA EMITIR A DO EM CASO DE OBITO ASSISTIDO PELO PROGRAMA DE SAUDE DA FAMILIA PSF, na página 26 da cartilha CFM/ MS que conclui ser o médico do PSF, mas ao final alerta Contudo o médico deverá verificar pessoalmente o cadáver, após ter sido comunicado do óbito (grifo nosso). LOGO NENHUM MEDICO, DEVE ASSINAR A DECLARAÇÃO DE ÓBITO (DO) SEM EXAMINAR O CADÁVER. A fundamentação é o artigo 83 do Código de Ética Médica em vigor (Res. CFM n 1931/2009) que assinala: É vedado ao médico: Art. 83. Atestar óbito quando não o tenha verificado pessoalmente, ou quando não tenha prestado assistência ao paciente, salvo, no último caso, se o fizer como plantonista, médico substituto ou em caso de necropsia e verificação médico-legal. Lembrar que a Resolução CFM n 1.779/2005 que normatiza o fornecimento da declaração de óbito, apesar de nos seus artigos/parágrafos e incisos não alertar para a necessidade do diagnóstico presencial da morte ao emitir a DO o faz em seus considerandos ao citar o artigo 114 do então Código de Ética Médica. Este artigo apenas foi renumerado no atual Código Médico passando a ser o 83. A conclusão é que como o óbito foi em um sábado, dia que não funciona o PSF, e o paciente fora enterrado, não há como o médico do PSF examinar o cadáver logo NÃO poderia nem deveria PRENCHER A DO. No estado do Tocantins, a prefeitura da capital criou um plantão de médico de PSF, logo se ocorrer um óbito de pacientes de morte natural assistidos pelos PSFs da cidade nos horários em que os médicos daquelas unidades não estejam presentes no serviço como horário do almoço, sábados domingos e feriados um plantonista atestará o óbito e preencherá a DO. Quanto à participação do médico do SAMU que atestou o óbito na residência. Como foi o único médico que diagnosticou a morte pessoalmente era o único que poderia emitir a DO, até porque em Patos não há SVO. Na dúvida, se não tivesse condições de preencher o item VI da DO, no campo causas da morte, escreveria MORTE DE CAUSA DESCONHECIDA. A alegação de que os médicos do SAMU não podem fornecer uma DO, com base na Portaria 2048#2002 não encontra respaldo na Cartilha MS/CFM supracitada pois foi elaborada, friso mais uma vez, em parceria CFM e MS, no item 1, do tópico Esclarecendo as dúvidas mais comuns, cujo titulo é 1 Óbito ocorrido em ambulância com médico.

5 Quem deveria fornecer a DO?. O texto assinala que a responsabilidade pela emissão da DO é do médico da ambulância e não excetua nenhum médico nem os do SAMU. Por último gostaria de questionar a fundamentação para o cemitério providenciar o sepultamento sem a competente Certidão de Óbito pois a mesma só é emitida pelo cartório com a apresentação da Declaração de Óbito uma vez que os dados da DO são transcritos para a certidão de óbito notadamente os alusivos às causas mortes. Quanto à diferença entre atestar e declarar, destacamos o posicionamento do prof. Genival Veloso de França, no seu livro Comentários ao Código de Ética Médica, Editora Guanabara-Koogan, 6ª edição, Rio de Janeiro, Pág. 194 Deve-se entender ainda que o atestado é diferente de declaração. No atestado, quem o firma, por ter fé de ofício, prova, reprova ou comprova. Na declaração exige-se apenas um relato de testemunho. Entendemos que, na área de saúde, apenas os profissionais responsáveis pela elaboração do diagnóstico são competentes para firmarem atestados. Os demais podem declarar o acompanhamento ou s coadjuvação do tratamento, o que não deixa, também, de constituir uma significante contribuição como probante. Explicitando: antigamente chamava-se de atestado de óbito e assim apenas o médico poderia preenchê-lo e assiná-lo. Como no Brasil, existem ainda muitos municípios nos quais não existem médicos alcançáveis para comprovar a morte e conseqüentemente emitir o Atestado de Óbito, o legislador inseriu no documento oficial o campo IX, localizado na parte mais inferior, intitulado Localidade sem médico com espaços para a assinatura de um declarante (obviamente não médico), portanto leigo e duas testemunhas. Em decorrência da mudança o documento - ao abrir a possibilidade de um declarante assiná-lo não poderia continuar com o nome de Atestado de Óbito, passando a Declaração de Óbito e que em conseqüência a DO será preenchida obrigatoriamente por médicos nos locais em que eles sejam alcançáveis e por leigos nos demais casos. CONCLUSÃO Respondendo objetivamente aos questionamentos: 1) O CRM tem alguma ferramenta para solucionar o problema? RESPOSTA. As resoluções CFM n , o Código de Ética Médica, A Cartilha de DO e os processos consultas para casos específicos ou duvidas na interpretação das resoluções do CFM/CRMs. 2) É legal, do ponto de vista ético e jurídico, o médico do SAMU fornecer esta Declaração de Atendimento e outro médico, no caso o do PSF, assinar a DO sem ter verificado o óbito pessoalmente? RESPOSTA. Ao CRM não compete abordar os aspectos jurídicos e sim os relacionados à ética medica. Todo ato médico deve ser registrado a termo, logo o SAMU pode implantar formulários próprios para tal finalidade, que deveriam ser chamados de atestados. Resumindo: a declaração de atendimento é ética. Por outro lado um médico não pode emitir uma declaração de óbito sem ter

6 presencial e pessoalmente diagnosticado a morte, pois infringe o artigo 83 da Res. CFM n 1931/2009 (Código de Ética Médica que vai abreviado em CEM). 3) Eticamente e juridicamente, o médico do PSF, assinando a DO, caso porventura a família conteste na justiça que o óbito não foi por morte natural e sim evidência de morte violenta, o médico do SAMU responderá juridicamente juntamente com o médico do PSF? ou só o do PSF? RESPOSTA. Repito ao CRM não compete abordar os aspectos jurídicos e sim os relacionados á ética médica. Logo o médico do PSF infringiu ao artigo 83 do CEM. Por sua vez, compete ao medico do SAMU, como atestou a morte, fez o exame do cadáver e a descrição em prontuário de possíveis causas de morte externas e ou suspeitas deverá neste caso formular denúncia junto às autoridades policiais. Se não havia indícios de lesão externa e o médico não diagnosticou a morte e nem emitiu a DO o mesmo poderá responder junto ao CRM por infração aos artigos 91 do CEM. 4) O que foi dito pela Promotora de Justiça para nós médicos é legal? RESPOSTA. Não compete ao CRM averiguar a legalidade dos atos do MP. Do ponto de vista ético o médico do PSF não deveria assinar uma declaração de óbito que não o verificou pessoalmente. 5) Como o caso em questão configura que o médico não pôde fornecer a DO, haja vista não ter verificado o óbito pessoalmente, qual a solução que o CRM pode apresentar para os médicos resolverem casos dessa natureza? RESPOSTA. Que seja criado um plantão do PSF para o diagnóstico e emissão de Declaração de Óbito nas 24 horas do dia como ocorre em Palmas no Estado do Tocantins. Enquanto isso nas situações em que um médico seja o único em condições de atestar o óbito, independente de ser ou não médico assistente, deve emitir a Declaração de Óbito, obtendo informações ou na impossibilidade de formulação de causas registrar MORTE DE CAUSA DESCONHECIDA ou ainda enviar, de acordo com o caso e a existência dos serviços na cidade para o SVO ou IML. 6) Nos casos de atendimentos médicos realizados pelo SAMU, na hipótese de morte do paciente, quem preencherá o formulário de Declaração de Óbito e Atestado de Óbito? RESPOSTA. Caso o médico assistente possa emitir a Declaração de Óbito a responsabilidade é dele, caso contrário o médico do SAMU deve emitir a DO. 7) Quais as diferenças entre: Declaração de Óbito e Atestado de Óbito. RESPOSTA. A declaração tanto pode ser assinada por um leigo quanto por um profissional que tenha fé de oficio. Já o atestado é um documento que só pode ser assinado por um profissional que tenha fé de oficio. No Brasil o documento Atestado de Óbito passou a ser chamado de Declaração de Óbito. Logo não existe mais o Atestado de Óbito. Este é o parecer, salvo melhor juízo. João Pessoa, 13 de dezembro de Conselheiro Eurípedes Sebastião Mendonça de Souza Conselheiro Diretor do Departamento de Fiscalização do CRM-PB Parecerista Aprovado ad referendum em reunião de Diretoria de 17/01/2011

PARECER CREMEC N.º 26/2012 21/09/2012

PARECER CREMEC N.º 26/2012 21/09/2012 PARECER CREMEC N.º 26/2012 21/09/2012 PROCESSO CONSULTA: 7362/2012 ASSUNTO: Preenchimento da Declaração de Óbito RELATOR: JOSÉ MÁLBIO OLIVEIRA ROLIM EMENTA: É vedado ao médico atestar o óbito quando não

Leia mais

CONSULTA Nº 76.842/2013

CONSULTA Nº 76.842/2013 1 CONSULTA Nº 76.842/2013 Assunto: Sobre a hipótese diagnóstica correta no preenchimento de uma declaração de nascimento vivo. Relator: Conselheiro Henrique Carlos Gonçalves e Dr. Luiz Frederico Hoppe,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE ÓBITO Código de Ética Médica (CEM sendo o seu fornecimento direito inquestionável do paciente A Declaração de óbito (DO),

DECLARAÇÃO DE ÓBITO  Código de Ética Médica (CEM sendo o seu fornecimento direito inquestionável do paciente A Declaração de óbito (DO), 1 DECLARAÇÃO DE ÓBITO Atestado é qualquer declaração efetuada por alguém capacitado por lei, podendo ser documento público ou particular, oficial (requisitado por autoridade judicial) ou oficioso (solicitado

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA CÓDIGO PENAL Artigo 154. Revelar alguém, sem justa causa, segredo, de que tem ciência em razão de função, ministério, ofício ou profissão, e cuja revelação possa produzir dano a outrem: Pena detenção,

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER COMISSÃO DE ÓBITO NORMAS E ROTINAS

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER COMISSÃO DE ÓBITO NORMAS E ROTINAS NORMAS E ROTINAS CUIABÁ - 2012 1 DO HUJM Apresentação: A Comissão de Óbito do Hospital Universitário Julio Muller tem as seguintes finalidades: - Normatizar e padronizar os procedimentos e as condutas

Leia mais

A Declaração de Óbito. Consa. Maria Madalena de Santana

A Declaração de Óbito. Consa. Maria Madalena de Santana A Declaração de Óbito Consa. Maria Madalena de Santana APRESENTAÇÃO CAMPO I IDENTIFICAÇÃO INDISPENSÁVEL! CAMPO II RESIDÊNCIA CAMPO III OCORRÊNCIA CAMPO IV FETAL OU MENOR QUE 1 ANO CAMPO V CONDIÇÕES E

Leia mais

PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011

PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011 PARECER CREMEC Nº 07/2011 26/02/2011 PROCESSO-CONSULTA - Protocolo CREMEC nº 9287/10 INTERESSADO Dr. Franklin Veríssimo Oliveira CREMEC 10920 ASSUNTO Responsabilidade de médico plantonista e do chefe de

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

Imprimir. Em 29 de março do mesmo ano, o dr. R.S.S. respondeu ao interessado nos seguintes termos:

Imprimir. Em 29 de março do mesmo ano, o dr. R.S.S. respondeu ao interessado nos seguintes termos: Imprimir PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 1.955/01 PC/CFM/Nº 10/2002 INTERESSADO: Sociedade Santamarense de Beneficência de Guarujá ASSUNTO: Reformulação da Resolução nº 1.076/81 RELATOR: Cons. Luiz Salvador de

Leia mais

CONSULTA Nº 37.748/2015

CONSULTA Nº 37.748/2015 1 CONSULTA Nº 37.748/2015 Assunto: Sobre atestados que ultrapassam mais de um dia de licença efetuados por médicos do Programa Mais Médicos, sem a assinatura do médico tutor ou supervisor. Relatores: Conselheiro

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 CC. 010062310 INFORMAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE EQUIPES PARA TRANSPLANTE DE TECIDO OSTEO-CONDRO-FÁCIO-LIGAMENTOSO

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC Nº 6566/08 ASSUNTO: RESPONSABILIDADE MÉDICA PARECERISTA: CÂMARA TÉCNICA DE AUDITORIA DO CREMEC EMENTA O ato médico é responsabilidade

Leia mais

Aviso de Sinistro por Morte Planos de Previdência com Benefício de Proteção (Pecúlio)

Aviso de Sinistro por Morte Planos de Previdência com Benefício de Proteção (Pecúlio) 1 - Dados do Sinistro Produto Plano Certificado Data do Evento Gerador Data da Comunicação 2 - Dados do Participante CPF Endereço Bairro Cidade UF CEP DDD Telefone 3 - Dados do Reclamante: Beneficiário

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM 55/12 PARECER CFM 39/12 INTERESSADOS:

PROCESSO-CONSULTA CFM 55/12 PARECER CFM 39/12 INTERESSADOS: PROCESSO-CONSULTA CFM nº 55/12 PARECER CFM nº 39/12 INTERESSADOS: ANS; S.A.R.G.; Cremesp; Cremepe; S.C.F.; Febrasgo ASSUNTO: Cobrança de honorários, por médicos obstetras, pelo acompanhamento presencial

Leia mais

Momento ético Prontuário Médico

Momento ético Prontuário Médico Momento ético Prontuário Médico Luiz Antonio da Costa Sardinha Conselheiro Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo PRONTUÁRIO MÉDICO Tem um morto no plantão. Por onde iniciar História Tudo

Leia mais

PARECER CRM/MS N 11/2012 PROCESSO CONSULTA CRM-MS N 03 / 2012 ASSUNTO: Falta a plantão médico PARECERISTA: Conselheiro Faisal Augusto Alderete Esgaib

PARECER CRM/MS N 11/2012 PROCESSO CONSULTA CRM-MS N 03 / 2012 ASSUNTO: Falta a plantão médico PARECERISTA: Conselheiro Faisal Augusto Alderete Esgaib PARECER CRM/MS N 11/2012 PROCESSO CONSULTA CRM-MS N 03 / 2012 ASSUNTO: Falta a plantão médico PARECERISTA: Conselheiro Faisal Augusto Alderete Esgaib EMENTA: O médico poderá faltar a um plantão preestabelecido,

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57 Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57 CONSULTA nº 110.469/11 Assunto: paciente menor, genitores separados, fornecimento prontuário Relator: Laide Helena

Leia mais

PARECER CRM/MS N 06/2012 PROCESSO CONSULTA CRM-MS N 28/2011. ASSUNTO: Guarda de Prontuário Médico

PARECER CRM/MS N 06/2012 PROCESSO CONSULTA CRM-MS N 28/2011. ASSUNTO: Guarda de Prontuário Médico PARECER CRM/MS N 06/2012 PROCESSO CONSULTA CRM-MS N 28/2011 ASSUNTO: Guarda de Prontuário Médico PARECERISTA: Conselheiro Faisal Augusto Alderete Esgaib EMENTA: A guarda do prontuário médico compete à

Leia mais

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA Conjunto de normas que definem os aspectos da

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014

PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014 PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 7331/2014 ASSUNTO: ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO PERITO E DO AUXILIAR DE NECROPSIA. PARECERISTA: CONSELHEIRO JOSÉ AJAX NOGUEIRA QUEIROZ

Leia mais

PORTARIA DO PRESIDENTE PUBLICADA EM 11.03.02

PORTARIA DO PRESIDENTE PUBLICADA EM 11.03.02 PORTARIA N o 003/PRES, de 14 de janeiro de 2002. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO- FUNAI, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto aprovado pelo Decreto nº 564, de 8 de junho

Leia mais

Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio.

Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio. PARECER CRM/MS N 12/2014 PROCESSO CONSULTA CRMMS 0011/2014 Interessado: Dr. M.M.S. Assunto: Escala de plantão de sobreaviso. Medico Plantonista de sobreaviso. Desligamento com ou sem aviso prévio. PARECERISTA:

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 33/2011 INTERESSADA: Dra V. da C. R. F. Perita Médica Precidenciária/SST/MOB

Leia mais

Indaga se devem tratar consultoria técnica como auditoria médica para tomarem providências.

Indaga se devem tratar consultoria técnica como auditoria médica para tomarem providências. PARECER CFM nº 7/15 INTERESSADO: Conselho Regional de Medicina do Estado do Paraná ASSUNTO: Consultoria técnica de auditoria à distância RELATOR: Cons. José Albertino Souza EMENTA: A prestação de serviços

Leia mais

CONSULTA FUNDAMENTAÇÃO. Quanto às obrigações do médico plantonista ou médico de guarda, o nosso Código de Ética Médica orienta que é vedado ao médico:

CONSULTA FUNDAMENTAÇÃO. Quanto às obrigações do médico plantonista ou médico de guarda, o nosso Código de Ética Médica orienta que é vedado ao médico: PARECER CREMEB Nº 33/12 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/10/2012) EXPEDIENTE CONSULTA Nº. 214.608/11 ASSUNTO: Implicações éticas da conduta profissional de médico, único plantonista da unidade, quanto

Leia mais

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Versão: 24/05/2010 Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como

Leia mais

PARECER CREMEC Nº 18/2010 10/04/2010

PARECER CREMEC Nº 18/2010 10/04/2010 PARECER CREMEC Nº 18/2010 10/04/2010 PROTOCOLO 5688/09 E 0178/10 INTERESSADO: DR.ROBERTO AMAURI SILVA ASSUNTO: ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO PARECERISTA: Dra. Patrícia Maria de Castro Teixeira

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

PARECER CFM 6/15 INTERESSADOS:

PARECER CFM 6/15 INTERESSADOS: PARECER CFM nº 6/15 INTERESSADOS: Sr. Artur Augusto Rodrigues Junior Sra. Clarice Moraes Durães Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro ASSUNTO: Microfilmagem de prontuários RELATOR:

Leia mais

Faz os seguintes questionamentos:

Faz os seguintes questionamentos: PARECER CFM nº 9/16 INTERESSADO: 1ª Vara da Fazenda da Comarca de Joinville/SC ASSUNTO: Dúvidas quanto à necessidade de especialidade médica para realização de exame pericial e determinação de capacidade

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 4.728/08 PARECER CFM Nº 10/09 INTERESSADO:

PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 4.728/08 PARECER CFM Nº 10/09 INTERESSADO: PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 4.728/08 PARECER CFM Nº 10/09 INTERESSADO: Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem ASSUNTO: Tempo de guarda de exames radiológicos; RELATOR: responsabilidade

Leia mais

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

INDEPENDE DE HOMOLOGAÇÃO (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

INDEPENDE DE HOMOLOGAÇÃO (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES INDEPENDE DE HOMOLOGAÇÃO (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Kátia de Araújo UF: RJ ASSUNTO: Convalidação de estudos realizados no período compreendido entre o 2º semestre

Leia mais

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir:

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: São Paulo, de de 20. Ref.: Solicitação de Documentos Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: Aviso de Sinistro: devidamente preenchido e assinado. Formulário de Declaração

Leia mais

NOTA TÉCNICA 034/2000

NOTA TÉCNICA 034/2000 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO COORDENAÇÃO DE NORMALIZAÇÃO Brasília, 20 de julho de 2000. NOTA TÉCNICA 034/2000 ASSUNTO:

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos;

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos; ANEXO I DO OBJETO Descrição da PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NEUROCIRURGIA E NEUROLOGIA AOS PACIENTES DO HOSPITAL, PRONTO SOCORRO ADULTO, PRONTO SOCORRO INFANTIL E AMBULATÓRIO, compreendendo as seguintes funções:

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Via Rápida Empresa VRE. 1. O Cadastro WEB e o Sistema Integrado de Licenciamento - SIL não existem mais?

Perguntas frequentes sobre o Via Rápida Empresa VRE. 1. O Cadastro WEB e o Sistema Integrado de Licenciamento - SIL não existem mais? Perguntas frequentes sobre o Via Rápida Empresa VRE 1. O Cadastro WEB e o Sistema Integrado de Licenciamento - SIL não existem mais? Desde o dia 21/10/2013, esta em operação o Módulo Estadual de Licenciamento

Leia mais

LEI N.º 1.852/2014 DATA: 21/05/2014

LEI N.º 1.852/2014 DATA: 21/05/2014 LEI N.º 1.852/2014 DATA: 21/05/2014 SÚMULA: Cria o Programa Remédio em Casa no Município de Pinhão, e dá outras providências. Autoria do vereador: Alain César de Abreu e Eu Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Versão 1.0 23/07/2009 Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como

Leia mais

EDITAL Nº. 01/2014 Projeto de Extensão Centro de Línguas da Universidade Federal da Grande Dourados

EDITAL Nº. 01/2014 Projeto de Extensão Centro de Línguas da Universidade Federal da Grande Dourados EDITAL Nº. 01/2014 Projeto de Extensão Centro de Línguas da Universidade Federal da Grande Dourados A Coordenação do Projeto de Extensão Centro de Línguas da Universidade Federal da Grande Dourados, no

Leia mais

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ PROVIMENTO N 001/2003 CGJ Estabelece normas de serviço acerca dos Procedimentos de Registro de Nascimento, Casamento e Óbito de Brasileiros ocorridos em País Estrangeiro, bem como o traslado das certidões

Leia mais

TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015

TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015 TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E

Leia mais

A cremação e suas implicações jurídicas:

A cremação e suas implicações jurídicas: A cremação e suas implicações jurídicas: 1.Introdução e considerações iniciais Tendo em vista a crescente procura pelo serviço de cremação no município do Rio de Janeiro e em todo o Brasil, e o grande

Leia mais

ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério Vasconcellos

ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério Vasconcellos EXPEDIENTE CONSULTA N.º 209.644/11 PARECER CREMEB Nº 21/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 21/05/2013) ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério

Leia mais

PARECER CFM nº 29/14 INTERESSADO: CRM-AP Inscrição de empresa funerária em Conselho de Medicina Cons. José Albertino Souza

PARECER CFM nº 29/14 INTERESSADO: CRM-AP Inscrição de empresa funerária em Conselho de Medicina Cons. José Albertino Souza PARECER CFM nº 29/14 INTERESSADO: CRM-AP ASSUNTO: Inscrição de empresa funerária em Conselho de Medicina RELATOR: Cons. José Albertino Souza EMENTA: O Manual de Procedimentos Administrativos padrão para

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Marco Tebaldi) Dispõe sobre o Programa de agendamento de consultas e entrega domiciliar de medicamentos de uso contínuo às pessoas portadoras de necessidades especiais

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N º 1.834/2008

RESOLUÇÃO CFM N º 1.834/2008 RESOLUÇÃO CFM N º 1.834/2008 (Publicada no D.O.U. de 14 de março de 2008, Seção I, pg. 195) As disponibilidades de médicos em sobreaviso devem obedecer normas de controle que garantam a boa prática médica

Leia mais

Autorização de Viagem

Autorização de Viagem 1ª Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Autorização de Viagem Viagem nacional Viagem internacional 1ª Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal Renato Rodovalho Scussel Juiz de

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 60/10

PARECER CREMEB Nº 60/10 PARECER CREMEB Nº 60/10 (Aprovado em Sessão da 2ª Câmara de 28/10/2010) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 182.993/10 ASSUNTO: Registro de Clínicas Médicas em Conselhos fiscalizadores de profissões não médicas. RELATOR:

Leia mais

Termo de Compromisso para Publicidade

Termo de Compromisso para Publicidade Termo de Compromisso para Publicidade Eu,, responsável técnico da pessoa jurídica, (RAZÃO SOZIAL) CNPJ declaro que o nome a ser utilizado para publicidade será. (NOME FANTASIA) Declaro ainda, que tomei

Leia mais

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas RESOLUÇÃO DO CONSEPE Nº 12/2010 Aprova o Regulamento das Atividades de Estágio do Curso de Engenharia de Produção da FSSS e dá outras Providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-

Leia mais

Qd. 702 Sul, Conj. 01, Lt. 01 Centro Fone: PABX (63) 2111-8100 Fax: 2111-8108 Informática (63) 2111-8111

Qd. 702 Sul, Conj. 01, Lt. 01 Centro Fone: PABX (63) 2111-8100 Fax: 2111-8108 Informática (63) 2111-8111 PARECER CRM-TO nº 08 / 2015 INTERESSADO: Auditoria Médica XX XXXXX XXXXX - XX ASSUNTO: Consulta sobre solicitação de exames complementares para SCREENING sem embasamento na literatura médica científica

Leia mais

CONSULTA Nº 99.871/03

CONSULTA Nº 99.871/03 CONSULTA Nº 99.871/03 Assunto: Agente sanitário médico solicitar além do PCMSO e PPRA o prontuário médico, com fim de fiscalizar se os exames médicos obrigatórios estão sendo cumpridos e se os exames que

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO DISTRITO FEDERAL

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO CRM/DF nº 378/2015 (Publicada no DODF de 25 de março de 2015, Seção 03, p. 47) Dispõe sobre a instituição do Termo de Ajustamento de Conduta no âmbito da jurisdição do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

CONSULTA Nº 164.517/2013

CONSULTA Nº 164.517/2013 1 CONSULTA Nº 164.517/2013 Assunto: Sobre como SAMU deve proceder em certas situações na sala de Regulação Médica do 192, procedimentos em diversas situações, na sala de Regulação Médica do 192, devido

Leia mais

CARTILHA JUSTIÇA E FAMÍLIA

CARTILHA JUSTIÇA E FAMÍLIA CARTILHA JUSTIÇA E FAMÍLIA Orientação aos acadêmicos que atuarão em ações comunitárias relacionadas ao Direito da Família. Em caso de dúvida sobre a orientação jurídica e ser repassada, o aluno deverá

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 032/2012 CT PRCI n 100.074/2012 e Ticket 279.456

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 032/2012 CT PRCI n 100.074/2012 e Ticket 279.456 PARECER COREN-SP 032/2012 CT PRCI n 100.074/2012 e Ticket 279.456 Ementa: Preenchimento de atestado médico por profissional de Enfermagem. 1. Do fato Questionamento de Enfermeiro sobre a possibilidade

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 13/2012 DATA DA ENTRADA: 12 de junho de 2012 INTERESSADO: Dr. MHM CRM-MT XXXX CONSELHEIRA CONSULTORA: Dra. Hildenete Monteiro Fortes ASSUNTO:

Leia mais

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS Prof. Dr. Eduardo Daruge Titular de Odontologia Legal e Deontologia da FOP-UNICAMP Prof. Medicina Legal da Faculdade de Direito da UNIMEP DEFINIÇÃO: PERÍCIAS

Leia mais

NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS AO CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2 O SEMESTRE DE 2013

NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS AO CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 2 O SEMESTRE DE 2013 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS COORDENADORIA DE INGRESSO DISCENTE NORMAS PARA O PROCESSO SELETIVO DE CANDIDATOS AO CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências.

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências. RESOLUÇÃO CoCEx nº 6667, de 19 de dezembro de 2013. (D.O.E. 21.12.13) (Protocolado 11.5.2443.1.5). Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo

Leia mais

Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares

Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS, DELEGADOS, MÉDICOS FISCAIS E SERVIDORES Salvador/2012 REGISTRO Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares nos conselhos

Leia mais

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

RESIDÊNCIA EM CIRURGIA VASCULAR SANTA CASA DE LONDRINA 2012. Prova de Seleção para Residência Médica em Cirurgia Vascular / 2012. Edital de Convocação

RESIDÊNCIA EM CIRURGIA VASCULAR SANTA CASA DE LONDRINA 2012. Prova de Seleção para Residência Médica em Cirurgia Vascular / 2012. Edital de Convocação RESIDÊNCIA EM CIRURGIA VASCULAR SANTA CASA DE LONDRINA 2012 Prova de Seleção para Residência Médica em Cirurgia Vascular / 2012 Edital de Convocação A Irmandade Santa Casa de Londrina faz saber que realizará

Leia mais

Regulamento de Estágio

Regulamento de Estágio Regulamento de Estágio Capitulo I - Do Estágio e suas Finalidades Capitulo II - Da Forma de Realização Capitulo III - Da Inscrição, Duração e Encerramento do Estágio Capitulo IV - Do Acompanhamento e Avaliação

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57 Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Autarquia Federal Lei nº 3.268/57 CONSULTA nº 157.177/11 Assunto: Sistema sem registro no Brasil, com servidor hospedado em outro país, para conter

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Serviços de Saúde INSTITUTO DANTE PAZZANESE DE CARDIOLOGIA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA ANÁLISE DE PROJETOS DE PESQUISA 1 Folha de Rosto http://portal2.saude.gov.br/sisnep/pesquisador - está folha de rosto deverá ser impressa em 3 vias; deverá ser assinada pelo

Leia mais

A DECLARAÇÃO (ATESTADO ) DE ÓBITO

A DECLARAÇÃO (ATESTADO ) DE ÓBITO A DECLARAÇÃO (ATESTADO ) DE ÓBITO Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo Delegacia Regional de Ribeirão Preto PROGRAMA DE EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA São Joaquim da Barra, 09/04/2015 Declaração

Leia mais

Abrir uma empresa PRÉ-CONSTITUIÇÃO

Abrir uma empresa PRÉ-CONSTITUIÇÃO Abrir uma empresa As três formas jurídicas mais utilizadas são as Empresas de Sociedade Simples, Sociedade Empresária e Empresário Individual, é nelas que eu vou me basear para mostrar os procedimentos

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01/2014 A Defensora Pública-Geral do Estado de Minas Gerais, Presidente da Comissão de Concurso, no uso de suas atribuições,

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01/2014 A Defensora Pública-Geral do Estado de Minas Gerais, Presidente da Comissão de Concurso, no uso de suas atribuições, EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01/2014 A Defensora Pública-Geral do Estado de Minas Gerais, Presidente da Comissão de Concurso, no uso de suas atribuições, informa que em virtude da publicação da Emenda Constitucional

Leia mais

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS.ª ANA MARIA SILVEIRA MACHADO DE MORAES EMENTA: Assinatura

Leia mais

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados:

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados: Abono de faltas e a acreditação na avaliação médica. A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de abono de faltas mediante atestado médico: Constituem motivos justificados:

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

Formulário PB4 O que é?

Formulário PB4 O que é? Formulário PB4 O que é? O PB4 é resultado de um acordo firmado em 1969 entre o Brasil e Portugal (e outros países, como Espanha, Grécia, Itália, Cabo Verde e Chile), no qual todo beneficiário do INSS tem

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Extensão (CoEx), órgão colegiado

Leia mais

GUIA PRÁTICO PROVA ESCOLAR (Abono de Família para Crianças e Jovens e Bolsa de Estudo)

GUIA PRÁTICO PROVA ESCOLAR (Abono de Família para Crianças e Jovens e Bolsa de Estudo) GUIA PRÁTICO PROVA ESCOLAR (Abono de Família para Crianças e Jovens e Bolsa de Estudo) INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Prova Escolar (Abono de Família

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.867

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.867 PARECER Nº 14.867 TRADUTOR PÚBLICO E INTÉRPRETE COMERCIAL. INCLUSÃO, REINCLUSÃO E HABILITAÇÃO EM MAIS UM IDIOMA, SOB CONDIÇÃO PRECÁRIA. IMPOSSIBILIDADE. Vêm ao exame desta Equipe de Consultoria, encaminhados

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA EMENTA: Concurso público para o cargo de Supervisor Médico Pericial do INSS Em face das atividades desempenhadas pelo Supervisor médico pericial do INSS, podemos concluir que

Leia mais

Dúvidas mais frequentes. Concurso Público para de servidores Técnicos Administrativos em Educação IMPORTANTE

Dúvidas mais frequentes. Concurso Público para de servidores Técnicos Administrativos em Educação IMPORTANTE Dúvidas mais frequentes Concurso Público para de servidores Técnicos Administrativos em Educação IMPORTANTE O Edital 30/2015 do concurso e seus anexos, todos disponíveis no sitio eletrônico do INSTITUTO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 758 /2012/CGNOR/DENOP/SEGEP/MP. Assunto: Ponto Eletrônico. Atestado de Comparecimento. Compensação de Horário

NOTA INFORMATIVA Nº 758 /2012/CGNOR/DENOP/SEGEP/MP. Assunto: Ponto Eletrônico. Atestado de Comparecimento. Compensação de Horário Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Gestão Pública Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais de Pessoal Coordenação-Geral de Elaboração, Orientação e Consolidação das Normas

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS MUNICIPIOS TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS DE I. P. APLICAÇÃO DA NOVA RESOLUÇÃO DA ANEEL

ORIENTAÇÕES AOS MUNICIPIOS TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS DE I. P. APLICAÇÃO DA NOVA RESOLUÇÃO DA ANEEL ORIENTAÇÕES AOS MUNICIPIOS TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS DE I. P. APLICAÇÃO DA NOVA RESOLUÇÃO DA ANEEL 17/12/2013 É preciso se atentar que a nova resolução aprovada pela ANEEL não apenas prorrogou o prazo limite

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ABERTA DO PIAUÍ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ABERTA DO PIAUÍ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ABERTA DO PIAUÍ Centro de Educação Aberta e a Distância CEAD Coordenação do curso de Pedagogia/ EaD Rua Olavo Bilac, 1148 Centro Sul CEP

Leia mais

-------------------------------------- I GERAL ----------------------------------------

-------------------------------------- I GERAL ---------------------------------------- REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DO CATAVENTO E FÁBRICAS DE CULTURA -------------------------------------- I GERAL ---------------------------------------- Artigo 1º - Este regulamento

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Despachante Aduaneiro e Ajudante de Despachante Aduaneiro-Exercício das Profissões INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-PR N º 150/2007 (Publicado no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/04/2007 p. 86) (Revogada pela Resolução CRMPR 181/2011)

RESOLUÇÃO CRM-PR N º 150/2007 (Publicado no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/04/2007 p. 86) (Revogada pela Resolução CRMPR 181/2011) CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO PARANÁ RUA VICTÓRIO VIEZZER. 84 - CAIXA POSTAL 2.208 - CEP 80810-340 - CURITIBA - PR FONE: (41) 3240-4000 - FAX: (41) 3240-4001 - SITE: www.crmpr.org.br - E-MAIL: protocolo@crmpr.org.br

Leia mais

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR

TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR TRASLADO DE CERTIDÕES DE REGISTRO CIVIL EMITIDAS NO EXTERIOR DISPOSIÇÕES GERAIS Édison Renato Kirsten Registrador Santo Antônio da Patrulha/RS Conforme artigo 32 da Lei 6015/73, os assentos de nascimento,

Leia mais

Carta de Serviços aos Cidadãos

Carta de Serviços aos Cidadãos Carta de Serviços aos Cidadãos Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul: a cada dia mais próximo da comunidade www.tre-jus.br O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul é um órgão do Poder

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 1598/2000 (Publicado no D.O.U, 18 de agosto de 2000, Seção I, p.63) (Modificada pela Resolução CFM nº 1952/2010)

RESOLUÇÃO CFM nº 1598/2000 (Publicado no D.O.U, 18 de agosto de 2000, Seção I, p.63) (Modificada pela Resolução CFM nº 1952/2010) RESOLUÇÃO CFM nº 1598/2000 (Publicado no D.O.U, 18 de agosto de 2000, Seção I, p.63) (Modificada pela Resolução CFM nº 1952/2010) REVOGADA pela Resolução CFM n. 2.057/2013 Normatiza o atendimento médico

Leia mais

Conselho Federal de Medicina Veterinária

Conselho Federal de Medicina Veterinária RESOLUÇÃO Nº 1071, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a normatização de documentos emitidos pelos serviços veterinários de clínica e cirurgia destinados aos animais de companhia, com relação a declarações,

Leia mais

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro

Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro PARECER CFM nº 4/13 INTERESSADO: CRM-PE ASSUNTO: Funcionamento das comissões hospitalares metropolitanas que funcionam sob a gestão do Imip RELATOR: Cons. Mauro Luiz de Britto Ribeiro EMENTA: Em obediência

Leia mais

EMENTA: Paciente internado por mais de 15 dias - Honorários médicos Pagamento a cada 3 dias de visita Discriminação. CONSULTA

EMENTA: Paciente internado por mais de 15 dias - Honorários médicos Pagamento a cada 3 dias de visita Discriminação. CONSULTA PARECER Nº 2418/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 16/2013 PROTOCOLO N. º 4071/2013 ASSUNTO: HONORÁRIOS MÉDICOS - PACIENTE INTERNADO POR MAIS DE 15 DIAS PARECERISTA: ADV. ANTONIO CELSO CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE

Leia mais

Traslados e Certidões.

Traslados e Certidões. Traslados e Certidões. Ementa: Noções sobre traslados e certidões, suas distinções, possibilidades, capacidade para expedição, finalidades, validade jurídica e efeitos. Noções Gerais Nesta aula abordaremos

Leia mais

EMENTA: Auditoria Hospitalar Relação Contratual entre Hospitais e Operadoras de Saúde CONSULTA

EMENTA: Auditoria Hospitalar Relação Contratual entre Hospitais e Operadoras de Saúde CONSULTA PARECER Nº 2442/2014 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 157/2010 PROTOCOLO N. º 20097/2010 ASSUNTO: AUDITORIA HOSPITALAR RELAÇÃO CONTRATUAL ENTRE HOSPITAIS E OPERADORAS DE SAÚDE PARECERISTA: CONS.º DONIZETTI

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 8.077/07 PARECER CFM Nº 16/08 INTERESSADO: S.J.W ASSUNTO:

PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 8.077/07 PARECER CFM Nº 16/08 INTERESSADO: S.J.W ASSUNTO: PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 8.077/07 PARECER CFM Nº 16/08 INTERESSADO: S.J.W ASSUNTO: Exigência, pelo médico, de fornecimento de materiais e instrumentais de determinada marca comercial para realização de

Leia mais