INTEGRAÇAO DE SISTEMAS DOMÓTICOS COM TV DIGITAL COM BASE EM GATEWAY BACNET/HTTP.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTEGRAÇAO DE SISTEMAS DOMÓTICOS COM TV DIGITAL COM BASE EM GATEWAY BACNET/HTTP. magnobc@unb.br, llanos@unb.br, jonesyudi@unb.br, pgondim@unb."

Transcrição

1 INTEGRAÇAO DE SISTEMAS DOMÓTICOS COM TV DIGITAL COM BASE EM GATEWAY BACNET/HTTP Magno Batista Corrêa, Carlos Humberto Llanos Quitero, Jones Yudi Mori Alves da Silva, Paulo Roberto de Lira Gondim Universidade de Brasília Campus Universitário Darcy Ribeiro Brasília, DF, Brasil s: Abstract The development of home automation s applications and the use of digital TV receivers are two threads with a social interest. This interest is motivated by the increasing population s earning power, the extensive use and tax incentives by the government, so that the standards for digital TV should be adopted. In this paper is presented a home automation integration methodology with digital TV receives, showing the design, development and testing of a BACnet gateway/http, facing execution in embedded devices, which is applied to develop an integration between domotics and digital TV. The development and testing were performed on different platforms, namely: (a) the PC architecture, (b) an SBC (Single Board Computer) with an ARM CPU and (c) a STB (Set-Top Box) in SH4 architecture. Keywords Domotics, Digital TV, BACNet, Intelligent Automation Resumo O desenvolvimento de aplicativos de automação domótica e o uso dos receptores de TV digital são dois tópicos com interesse social. Este interesse é motivado pelo aumento do poder aquisitivo da população, pela ampla utilização de receptores de TV e pelos incentivos fiscais dos governos, a fim de que sejam adotados os padrões de TV digital. Neste trabalho é apresentada uma metodologia de integração de automação residencial com receptores de TV digital, apresentando o projeto, desenvolvimento e testes de um gateway BACnet/HTTP, voltado para a execução em dispositivos embarcados, visando a integração entre sistemas domóticos e TV digital. O desenvolvimento e os testes foram realizados em diversas plataformas, sendo elas: (a) a arquitetura PC, (b) um SBC (Single Board Computer) com processador central ARM e (c) um STB (Set-Top Box) da arquitetura SH4. Palavras-chave Domótica, TVDigital, BACnet, Automação Inteligente. 1 Introdução Na atualidade, os mundos da domótica e da TV digital estão disjuntos e, quando se tenta utilizar seus serviços de forma integrada, encontra-se um cenário quase caótico, com a necessidade de utilização de vários controles remotos, custos elevados para a manutenção dos dois sistemas e até mesmo um certo grau de desconforto, devido à necessidade de convivência com este cenário. A domótica apresenta uma série de funcionalidades como, por exemplo, o provimento de conforto, segurança e saúde para os habitantes da residência automatizada (vide figura 1). Já a TV digital busca atender a uma série de requisitos sendo estes, por exemplo, a entrega de serviços de qualidade (QoS, em inglês Quality of Service), garantindo a qualidade da informação e o provimento de interatividade com o usuário (vide figura 1). A utilização da TV digital faz necessário o uso, em alguns casos, de equipamentos conhecidos em inglês como set-top box (STB). Estes STBs possuem um grande poder de processamento, geralmente com hardwares com mais de 400MHz (Heath, 2007). Tal hardware fica em boa parte do tempo ocioso, visto que as funções de descompactação de vídeo estão em decodificadores dedicados. Um uso interessante para este hardware no seu tempo ocioso seria a automação da residência do proprietário. A integração da TV com os computadores para automação está comumente baseada na inserção do computador dentro do receptor de TV (ou da STB), buscando a diminuição do número de componentes discretos e o provimento de serviços de melhor qualidade, como por exemplo o close caption e a nomeação de canais com o OSD (On Screen Display ). Nota-se também que o avanço do poder computacional tornou viável a inserção, a um custo aceitável, de processadores com mais de 200 MHz dentro de um aparelho de TV (Heath, 2007). Este poder computacional é semelhante aos computadores da década de 1990, que já eram capazes de acessar a internet e possuiam sistemas multimídia e jogos diversos. Este trabalho busca então prover meios para a fusão dos mundos da domótica e da TV digital, através do desenvolvimento de um gateway BACNet/HTTP, servindo de base para um ambiente de projetos objetivando sistemas domóticos integrados com TV digital, além de facilitar o desenvolvimento de soluções de automação. Por outro lado, a literatura mostra uma carência de trabalhos nesta direção, onde os desafios são muito grandes e as exigências de agilidade no desenvolvimento de novos produtos e soluções são imperiosas. Neste contexto, este trabalho apresenta um ferramental para a fusão destes dois mundos (vide 4166

2 Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática (ar-condicionado, aquecedor e umidificador), dentre diversos outros. Este acionamento pode ser atrave s de uma rede sem fio ou atrave s de um barramento RS485 ate o dispositivo, ou ainda atrave s de um CLP (Controlador Lo gico Programa vel ) residencial instalado ao lado do painel ele trico. Em uma abordagem mais ampla, o sistema pode ainda integrar soluc o es de seguranc a, com a instalac a o de sensores externos, sensores de presenc a ou mesmo prover a visualizac a o de ca meras de seguranc a. Figura 1: Mundos da Domotica e da TV Digital figura 1), atrave s do desenvolvimento de um ambiente de projetos para sistemas domo ticos integrados com TV digital, ale m de facilitar a proposta de soluc o es de automac a o atrave s da implementac a o de um tradutor do protocolo BACnet (utilizado em automac a o predial e reside ncial), para protocolo mais um simples e acessı vel a todos os interessados em realizar tarefas de automac a o. 2 3 BACnet (Building Automation and Control networks) e TV Digital BACnet e um protocolo de comunicac a o (Liu and Ren, 2007) voltado para a automac a o de edificac o es e seus sistemas de controle. Segundo a (Parsons, 2009) a ASHRAE (American Society of Heating, Refrigerating, and Air-Conditioning Engineers) define o BACnet como um grupo de regras governando a troca de informac a o atrave s de uma rede de computadores. Estas regras esta o descritas em um padra o especificado no padra o ANSI/ASHRAE Standard 135 e no padra o ISO O BACnet teve seu inı cio oficial em junho 1987, quando comite de projetos da ASHRAE buscou um padra o de que atendesse a necessidade de interoperabilidade entre muitos vendedores e muitas classes de automac a o predial(wolfgang Kastner, 2005). O protocolo foi alvo de interesse no desenvolvimento deste padra o o atendimento de va rios tipos de automac a o, desde pequenas automac o es reside ncias quanto a automac a o de grandes pre dios, passando por exemplo pelo controle de HVAC, iluminac a o, seguranc a, combate a fogo, controle de aceso, manutenc a o dentre outros (Parsons, 2009). O BACnet tornou-se padra o ASHRAE/ANSI sob o nu mero 135 em 1995 vindo a ser padra o ISO sob o nu mero ISO Os padro es de TV digital definem os mecanismos de transmissa o, recepc a o, configurac o es mı nimas de hardware, faixas de freque ncia de operac a o, padro es de transporte de dados e compactac a o dentre outros pontos mı nimos para garantir a interoperabilidade entre os equipamentos de TV digital comercializados (de Oliveira et al., 2008). As partes mais importantes de um padra o de TV digital podem ser definidas como Transmissa o, Transporte,Codificac a o, Middleware e Aplicac a o. Estrutura da proposta de integrac a o Uma proposta de integrac a o de sistemas de automac a o residencial com o uso do gateway BACnet/HTTP embarcado em um receptor de TV digital e apresentado na figura 2. Nesta proposta, o usua rio ira enviar comandos atrave s do controle remoto, tendo um retorno visual atrave s do aparelho de televisa o. O receptor de TV digital ale m de receber a programac a o difundida atrave s do sinal de TV digital da torre de TV, tambe m possui um aplicativo de automac a o residencial. Figura 2: Exemplo de uma possı vel implementac a o de um sistema integrando automac a o residencial com o uso de STB e do gateway BACnet/HTTP Os dispositivos BACnet podem interagir nesta proposta com o receptor de TV digital tanto atrave s de redes IP quanto de redes MS/TP (Master Slave/ Token Passing), respondendo aos comandos digitados pelo usua rio pelo controle remoto, retornando os estados para o usua rio atrave s do aparelho de TV. O usua rio pode ter controle de diversos elementos de sua reside ncia como, por exemplo, o controle sobre o acionamento de iluminac a o, tanto a artificial (la mpadas) quanto a natural (persianas), climatizac a o 4 Trabalhos correlatos em automac a o residencial e TV digital Alguns trabalhos buscam desenvolver formas alternativas de integrac a o sem a utilizac a o dos middlewares de TV digital, fundamentando a sua decisa o principalmente no fato do alto custo com- 4167

3 putacional agregado aos middlewares, geralmente baseados em uma JVM (Java Virtual Machine) completa, como é o caso do MHP e do Ginga. Esse fator causa uma baixa aderência dos middlewares no mercado. Tal abordagem é adotada por (Mark Umberger, 2008), que desenvolve seu próprio gateway Konnex/Webservice. No artigo apresentado por (Mark Umberger, 2008) é desenvolvido uma solução de integração de IPTV e automação residencial é baseada em uma rede Konnex. Esta solução foi desenvolvida em linguagem VisualBasic e sobre uma arquitetura PC, rodando sobre um sistema operacional WindowsXP. A arquitetura adotada no projeto separa claramente um gateway Konnex para um padrão de caracteres simples baseados no padrão RS232 como meio físico, e transportando caracteres no padrão AS- CII, onde cada caractere mapeia diretamente um comando para a rede, sem a definição de um protocolo mais sofisticado. Dentro do PC encontrase o desenvolvimento de um web Service que se liga ao gateway Konnex através de uma porta serial, sendo transmitidos os comandos pré-definidos simplistas. Alguns trabalhos buscam a utilização dos middlewares de TV digital para agregar as funcionalidades de automação residencial, como ocorre como o trabalho de (Oliveira et al., 2008), onde é proposto um sistema denominado de DIGA Ginga (Digital Automation in Monitoring and Control using GINGA technology). O DIGA Ginga é um conjunto de propostas baseadas profundamente no desenvolvimento do middleware Ginga. Este projeto gera uma série de subsistemas sendo eles o DIGA SAÚDE (monitoramento pessoal) o DIGA- BEM (base global) o DIGA CASA, com o monitoramento da casa, dentre outros subsistemas denominados de DIGA. Seu protótipo é o projeto Pimenter (Oliveira et al., 2008), desenvolvido pela CEFET do Ceará. A idéia básica por trás do projeto é implementar uma série de serviços desprezando as características de hardware, esperando que os receptores de TV Digital evoluam respeitando a lei de Moore (Patterson and Hennessy, 2008), tal como os PCs. Outros trabalhos como o de Lin et al (Lin and Chen, 2005) caminham em uma direção completamente oposta, abordando formas de se controlar o receptor de TV digital, utilizando para isso diversos dispositivos, como por exemplo computadores, PDAs e celulares com acesso a internet. No mesmo trabalho é usado o middleware MHP para a confecção de um servidor (interligado pela rede IP), sendo capaz de acionar o EPG, uma torradeira (Lin and Chen, 2005), dentre outros. No trabalho de Lin et al (Lin and Chen, 2005), o servidor também se baseia em um conjunto limitado de comandos, expressos no caso por números de -1 até 9, onde todos os comandos, exceto o - 1, são seguidos pelo caractere retorno de carro. Quanto aos clientes, eles necessariamente precisam ter suporte ao HTTP, porém se possuírem capacidade de tocar um stream (fluxo) de vídeo do tipo MMS (Microsoft Media Server) ainda se tem a possibilidade de se ver o conteúdo que está sendo executado atualmente. 5 Implementação da proposta de integração 5.1 Definição de estratégia de integração Adotou-se para este trabalho o desenvolvimento de um gateway de camada 7 (ou um gateway de camada de aplicativo), por restrição natural do protocolo BACnet que está definido até a camada de aplicativo, além de se ter uma maior facilidade de desenvolvimento, devido ao maior grau de abstração. Obteve-se com esta estratégia uma maior facilidade de reuso e expansão do gateway, bem como a possibilidade de implantá-lo em diferentes arquiteturas. Por outro lado, para o desenvolvimento da etapa BACnet do gateway foi utilizada como pilha de BACnet a implementação do BACnet Stack (BACnet, 2013), que se mostrou uma das mais completas do SourceForge (Geeknet, 2013) no segmento, com uma comunidade muito ativa e receptiva a novos desenvolvedores, respondendo prontamente aos questionamentos feitos. O gateway foi definido para poder ser composto de uma pilha BACnet compilada em dois modos, uma voltada para o padrão BACnet/IP e outra para o BACnet/MSTP. Por outro lado, se tem a implementação de duas formas distintas de acesso ao HTTP (vide figura 3). Uma forma é através da utilização do AXIS2, um servidor de webservice de boa receptividade no mercado. Outra forma é através de um servidor HTTP 1.0, desenvolvido especialmente para aplicações que necessitem de uma implementação mais enxuta. Este servidor visa uma melhor utilização de espaço em memória e a possibilidade de comunicação de clientes com implementações mais simplificadas, visto que estes clientes não precisariam implementar um cliente webservice e sim apenas um cliente HTTP 1.0. Figura 3: Arquitetura do gateway 5.2 Implementação do código Para a implementação do código foi buscado a facilidade de compreensão da implementação e 4168

4 a aplicação de abstração para que novas funcionalidades sejam acrescidas ao gateway. Para alcançar este objetivo, o gateway foi dividido em 4 grandes módulos: (a) HTTP-Server, (b) BACnet-Controler, (c) Web-Framework, e (d) Util-Fucntions. Esta abordagem torna possível as seguintes vantagens: (a) a manutenção do gateway, (b) o acréscimo de funcionalidades e (c) uma solução mais desacoplada. 5.3 Desenvolvimento da solução proposta Foi adotada como estratégia de integração a separação lógica do gateway em módulos. Tal abordagem facilita tanto a codificação quanto a depuração do código, sendo que cada uma destas atividades (codificação e depuração) podem ser realizadas somente no dado módulo, sem sofrer interferência de problemas relacionados com outros módulos. Outro aspecto positivo da abordagem da separação do código em módulos é que a codificação está voltada para um forte desacoplamento das diversas partes que compõem o gateway, o que vem facilitar tanto a compreensão do código por futuros desenvolvedores quanto a reutilização dos módulos para novas soluções que venham a ser projetadas e que se desejam funcionalidades parecidas. Figura 4: Implementação do gateway em alto nível. (a) módulo HTTP-Server, (b) módulo BACnet-Controler, (c) módulo Web-Framework e (d) módulo Util functions A parte em software que define o gateway foi concebida em quatro grandes módulos, tal como apresentado na figura 4, os quais serão descritos a seguir Servidor HTTP (HTTP-Server) Este módulo representa a implementação de um servidor aderente a definição de servidor HTTP 1.0 (RFC1945, 1996) básico, capaz de disponibilizar quaisquer recursos solicitados por quaisquer clientes HTTP (i.e. Firefox, Internet Explorer). Este módulo está subdivido em dois módulos menores, a fim de facilitar a compreensão e a manutenção do código, sendo estes os módulos de Operações com socket e Interpretador de funções HTTP: (a) Operações com socket (socketoperations): realiza todas as operações necessárias com os sockets de comunicação com os clientes HTTP, tal como as funcionalidades de abrir um socket, responder uma dada solicitação e fechá-lo ao término da conexão. (b) Interpretador de funções HTTP: é um interpretador das funções definidas da (RFC1945, 1996) que definem o padrão HTTP 1.0. Para este trabalho foi definido que seria implementado um interpretador de chamadas ao método GET do HTTP, a fim de tornar o servidor mais simples Controlador-BACnet (BACnetcontroler): o controlador BACnet é a parte do gateway voltada para a rede de automação predial, sendo capaz de se comunicar através do protocolo BACnet apresentado na seção 3. O controlador BACnet está para a rede BACnet assim como o Servidor HTTP está para a rede HTTP. O controlador BACnet está dividido logicamente em duas partes, que serão descritas a seguir (vide figura 4b): (a) Contexto-BACnet(BACnet-context): contém as implementações em alto nível das funcionalidades da rede BACnet, provendo meios de acesso a esta rede, aos seus dispositivos e as propriedades destes dados dispositivos. (b) Pilha-BACnet (BACnet-stack): é a parte do código que contém as funcionalidades de geração e interpretação dos APDUs e NPDUs, bem como prover o acesso ao meio físico adotado. Dentre as pilhas analisadas, foi eleita a (BACnet, 2013) e personalizada para que esta viesse a atender as funcionalidades necessárias ao gateway Framework-Web (Web-framework) Visando facilitar a implementação de novas soluções que objetivam utilizar o gateway como estratégia de acesso a rede BACnet foi desenvolvido um framework simplificado com base em filosofias e ferramentas comumente adotadas em projetos web, levando-se em conta projetos de servidores web em Java. Este framework provê uma camada de abstração do gateway, tornado possível o desenvolvimento de soluções de automação predial utilizando comunicação BACnet, sem a necessidade do conhecimento do protocolo em si. A descrição das partes é dada a seguir: (a) ulet: baseada nas filosofias do servlets (com.javax.servlet), possui de entrada e saída equivalente aos objetos de entrada e saída de Http- Servlets, também nomeadas de request e response, 4169

5 Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática com um domı nio de atributos muito parecido. Somente a func a o doget (equivalente ao me todo doget do HttpServlet) foi implementada, sem prejuı zos relevantes a soluc a o, visto que o servidor somente consegue interpretar me todos HTTP GET. (b) ustruts: baseado no framework Struts (STRUTS, 2013) prove uma soluc a o de implementac a o do Padra o de Projeto (design Pattern) MVC (Model View Control ), atuando na camada de controle. Na implementac a o do gateway deste framework, os dados (model ) sa o montados em estruturas chamadas actions sendo que a parte de apresentac a o (view ) e provida pelo framework uvelocity. Figura 5: Execuc a o de uma pa gina do gateway BACnet/HTTP no navegador Firefox Na figura 5 e apresentado o navegador web Firefox enviando solicitac o es para a rede de automac a o BACnet, atrave s de uma interface de pa ginas desenvolvido especialmente para navegadores de uso geral. A funcionalidade de gerac a o de pa ginas voltadas para navegadores mais modernos (com mais recursos dos que os geralmente encontrados em sistemas embarcados) visa demonstrar os capacidades da soluc a o proposta neste trabalho para a gerac a o de conteu do para sistemas com mais recursos computacionais, como os encontrados na arquitetura PC. (c) uvelocity : baseando no framework Velocity (Velocity, 2013) esta funcionalidade realiza a ana lise le xica de uma cadeia de caracteres (string) que pode tanto estar no sistema de arquivos do sistema operacional quanto dentro do pro prio co digo, e enta o realiza a fusa o (merge) dos dados passados em um contexto gerando no final uma nova cadeia de caracteres, que no caso de servic os web e um novo recurso, que pode ser, por exemplo, uma pa gina HTML O gateway BACnet/HTTP tambe m foi portado para o SBC TS7300, o qual possui um ARM9 como processador. Este resultado busca demonstrar a portabilidade do gateway em uma arquitetura mais acessı vel, tanto pela existe ncia de mais recursos computacionais quanto pelos dispositivos de entrada e saı da disponı veis. O uso desta arquitetura visou a facilitac a o da elaborac a o de trabalhos futuros, ale m deste SOC servir de um meio termo entre a arquitetura PC e os existentes nos STBs. Resultados Gateway BACnet/HTTP Para desenvolver gateway BACnet/HTTP (de uma forma que ele fosse plenamente porta vel entre diversas plataformas) os co digos foram testados em tre s plataformas distintas: (a) uma arquitetura PC, (b) um SOC do tipo TS7300 e (c) no STB adotado com processador ST7100 e STlinux. Como resultado tem-se uma versa o do gateway BACnet/HTTP porta vel e compilada para estas arquiteturas, as quais sera o apresentadas a seguir. 6.2 Execuc a o do gateway BACnet/HTTP no SBC TS7300 Execuc a o do gateway BACnet/HTTP em PC Figura 6: Fotografia do arranjo de testes do gateway BACnet/HTTP Um dos resultados deste trabalho foi uma versa o do gateway BACnet/HTTP compilado para ser executado na arquitetura PC. Esta foi a primeira versa o do gateway, devido principalmente a grande gama de ferramentas de desenvolvimento, o que tornou as fases de desenvolvimento mais a geis. Na figura 6 e apresentado o arranjo para execuc a o dos testes em laborato rio, onde foi utilizado o SBC TS7300 ligado a um monitor e teclado, se comunicando por Ethernet com notebook. No computador porta til encontra-se o Wireshark executando a interceptac a o dos pacotes trafegados na rede local, assim como um navegador de uso geral 4170

6 enviando os comandos e recebendo os resultados do gateway BACnet/HTTP. O gateway está sendo executado dentro do SBC TS7300. Figura 7: Gateway BACnet/HTTP executando dentro do STB adotado 6.4 Execução do gateway BACnet/HTTP no STB Outro resultado de portabilidade do gateway BACnet/HTTP foi a execução deste aplicativo dentro de um STB. As características do gateway permaneceram inalteradas das apresentadas para os casos de portabilidade para a arquitetura PC e para o SBC TS7300. No caso do STB utilizado neste trabalho, não foi possível a execução do gateway na configuração BACnet/IP, devido a inexistência de porta Ethernet neste equipamento na versão comercializada. Para demonstrar a execução do gateway BACnet/HTTP no STB adotado, foi tirado um printscreen (vide figura 7) de uma listagem de processos do sistema operacional, onde se pode observar a execução dos processo do gateway BACnet/HTTP (processo PID 78 - gtwbm) e do navegador (process PID 79 - navx). 6.5 Dispositivo BACnet (BACnet device) desenvolvido para testes em microcontroladores Um dos resultados deste trabalho um dispositivo BACnet de baixo custo baseado no microcontrolador ATMEGA328P. Este dispositivo foi confeccionado em dois módulos, sendo eles: (a) placa de controle USB e (b) placa de potência a relê (vide figura 8). Figura 8: Dispositivo (device) BACnet MSTP para ligar e desligar lâmpadas 7 Conclusões Este trabalho apresentou uma metodologia de integração de automação residencial com receptores de TV digital, através da elaboração de um gateway BACnet/HTTP, com a confecção de um navegador específico para o caso de STB, além da elaboração de um dispositivo BACnet de baixo custo. A abordagem deste problema de integração de uma forma que pudesse ser reutilizada, total ou parcialmente em outros trabalhos, levou ao desenvolvimento de uma série de subprodutos, que podem ser utilizados das mais diversas maneiras. Referências BACnet, P. (2013). Bacnet stack. de Oliveira, F. S., de Araujo, J. P. C., Tavares, T. A., Kulesza, R. and de Souza Filho, G. L. (2008). Uma análise de metadados de tvd para suporte a informações de serviço no middleware ginga, CEFETCE-Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará 1(1): 4. Geeknet, I. (2013). Lin, C.-C. and Chen, M.-S. (2005). On controlling digital tv set-top-box by mobile devices via ip network, IEEE - International Symposium on Multimedia 1(1): 8. Liu, Q. and Ren, P. (2007). Design and implementation of ms/tp in embedded system, IEEE - Second IEEE Conference on Industrial Electronics and Applications 1(1): 4. Mark Umberger, e. a. (2008). The integration of home-automation and iptv system and services, Computer Standards and Interfaces - Elsevier CSI-02616: 10. Oliveira, M., Figueiredo, M., Gonçalves, C. and Tonieto, M. (2008). Diga ginga- digital automation in monitoring and control using ginga technology, CEFETCE-Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará 1(1): 7. Parsons, B. (2009). Bacnet 20 years on, Canadian Consulting Engineer 1(1): Patterson, D. A. and Hennessy, J. L. (2008). Organização e Projeto de Computadores, Elsevier. RFC1945 (1996). Hypertext transfer protocol http/1.0, Technical report, HTTP Working Group. STRUTS (2013). Velocity (2013). Velocity user guide. Wolfgang Kastner, e. a. (2005). Communication systems for building automation and control, IEEE 93:

Automação Residencial

Automação Residencial Automação Residencial F. A. Dias G. M. de Paula L. S. de Oliveira G.F. Vieira 1 CEFET-MG, Brasil Contexto Social e Profissional, 2009 Graduação em Engenharia Mecatrônica Motivação Questão fundamental O

Leia mais

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Serviço de Controle e Programação para Dispositivos Remotos para Aplicações Interativas e Imersivas na TV Digital

Serviço de Controle e Programação para Dispositivos Remotos para Aplicações Interativas e Imersivas na TV Digital Serviço de Controle e Programação para Dispositivos Remotos para Aplicações Interativas e Imersivas na TV Digital Eduardo Agostinho¹, Victor Nogueira³, Samuel Azevedo³, Luiz Marcos Gonçalves³, Anelisa

Leia mais

MONITORAMENTO RESIDENCIAL UTILIZANDO O ZABBIX E O PADRÃO IEEE 802.15.4 RESIDENTIAL MONITORING USING ZABBIX AND IEEE 802.15.

MONITORAMENTO RESIDENCIAL UTILIZANDO O ZABBIX E O PADRÃO IEEE 802.15.4 RESIDENTIAL MONITORING USING ZABBIX AND IEEE 802.15. MONITORAMENTO RESIDENCIAL UTILIZANDO O ZABBIX E O PADRÃO IEEE 802.15.4 W. ROMEIRO * e F. COSTA Instituto Federal de Ciências e Tecnologias do Rio Grande do Norte wr.romeiro@gmail.com * Artigo submetido

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP

UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP UMA ABORDAGEM SOBRE A INTERFACE DE PROGRAMAÇÃO DE APLICAÇÕES SOCKETS E A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SERVIDOR HTTP Alan Jelles Lopes Ibrahim, alan.jelles@hotmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br

Leia mais

MSc. Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo. Escola SENAI Anchieta - DR São Paulo

MSc. Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo. Escola SENAI Anchieta - DR São Paulo MSc. Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Controle de Processo pela Internet INTRODUÇÃO: Rede Mundial de Computadores WWW World Wide Web Influência

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

O Conversor Serial Ethernet MUX-10

O Conversor Serial Ethernet MUX-10 O Conversor Serial Ethernet MUX-10 M. B. Pereira, E. Araujo, ENAUTEC e F. Santana, COELBA Resumo - O Conversor Serial Ethernet MUX-10 é um protótipo destinado a interconectar equipamentos baseados em porta

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado

Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado Bruno de Sousa Monteiro Orientação: Prof. Dr. Fernando da Fonseca de Souza Prof. Dr. Alex Sandro Gomes 1 Roteiro

Leia mais

Monitoramento e Controle Remotos do Microclima de uma Adega: Interface Programada em Java

Monitoramento e Controle Remotos do Microclima de uma Adega: Interface Programada em Java Monitoramento e Controle Remotos do Microclima de uma Adega: Interface Programada em Java Anderson P. Colvero 1, Guilherme P. Silva 1, Humberto B. Poetini 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

SISTEMAS EMBARCADOS. Petiano: Yuri Gonzaga G. da Costa

SISTEMAS EMBARCADOS. Petiano: Yuri Gonzaga G. da Costa SISTEMAS EMBARCADOS Petiano: Yuri Gonzaga G. da Costa ÍNDICE História O que são Sistemas Embarcados? Exemplos e Aplicações Arquitetura Conceitual Implementação de Projetos Futuro dos Sistemas Embarcados

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

3 Trabalhos Relacionados

3 Trabalhos Relacionados 35 3 Trabalhos Relacionados Alguns trabalhos se relacionam com o aqui proposto sob duas visões, uma sobre a visão de implementação e arquitetura, com a utilização de informações de contexto em SMA, outra

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

INTRODUÇÃO A PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA DE COMPUTADORES EM C

INTRODUÇÃO A PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA DE COMPUTADORES EM C INTRODUÇÃO A PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA DE COMPUTADORES EM C Prof. Msc. Helio Esperidião PROGRAMAS Um computador nada mais faz do que executar programas. Um programa é simplesmente uma seqüência de instruções

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo

Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Antonio Gomes de Araujo Laboratório de Eletrônica Industrial, Escola SENAI Anchieta São Paulo Toshi-ichi Tachibana Departamento de Engenharia Naval e Oceânica, Escola Politécnica da Universidade São Paulo

Leia mais

Convergência tecnológica em sistemas de informação

Convergência tecnológica em sistemas de informação OUT. NOV. DEZ. l 2006 l ANO XII, Nº 47 l 333-338 INTEGRAÇÃO 333 Convergência tecnológica em sistemas de informação ANA PAULA GONÇALVES SERRA* Resumo l Atualmente vivemos em uma sociedade na qual o foco

Leia mais

FRAMEWORK PARA SUPERVISÓRIO DE SISTEMA AUTOMATIZADO VIA CELULAR

FRAMEWORK PARA SUPERVISÓRIO DE SISTEMA AUTOMATIZADO VIA CELULAR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FRAMEWORK PARA SUPERVISÓRIO DE SISTEMA AUTOMATIZADO VIA CELULAR Uiliam Nelson Lendzion Tomaz Alves 1, Munif Gebara Junior 2 RESUMO: O grande número de

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Barramento Também conhecido como BUS É um conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação entre dispositivos,

Leia mais

AUTOR(ES): LUIS WAGNER PASSINHO, ALESSANDRA CRISTINA SILVA, DANIEL ALVES DA ROCHA

AUTOR(ES): LUIS WAGNER PASSINHO, ALESSANDRA CRISTINA SILVA, DANIEL ALVES DA ROCHA TÍTULO: AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL PELA INTERNET COM PHP E ARDUINO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE CAMPINAS AUTOR(ES):

Leia mais

Implementação de Web Services em Projetos de LabVIEW

Implementação de Web Services em Projetos de LabVIEW 1 Implementação de Web Services em Projetos de LabVIEW Alisson Kokot Engenheiro de Vendas Osvaldo Santos Engenheiro de Sistemas 2 Aplicações Web surgem como soluções viáveis profissionalmente 3 Aplicações

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais. Computador = hardware + software. Como é formado o meu computador? E como estes componentes se comunicam?

Introdução aos Sistemas Operacionais. Computador = hardware + software. Como é formado o meu computador? E como estes componentes se comunicam? Como é formado o meu computador? Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 1 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Mouse Teclado Monitor Placa de vídeo

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA SERVIDOR INTRODUÇÃO EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

PROGRAMAÇÃO PARA SERVIDOR INTRODUÇÃO EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 PROGRAMAÇÃO PARA SERVIDOR EM SISTEMAS WEB INTRODUÇÃO Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Visão Geral 1 2 3 4 Apresentação Programação Servidor? O que é Java? Grupos de Trabalho Apresentação Quem é o professor?

Leia mais

Emprego de Código de Barras Bidimensionais para Conferência da Autenticidade de Certificados Digitais

Emprego de Código de Barras Bidimensionais para Conferência da Autenticidade de Certificados Digitais Emprego de Código de Barras Bidimensionais para Conferência da Autenticidade de Certificados Digitais Caroline F. Vicentini 1, Francisco T. M. Avelar 1, João Carlos D. Lima 2, Iara Augustin 2 1 Ciência

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Orientador Informal. Co-orientador(es) Informal(is)

Orientador Informal. Co-orientador(es) Informal(is) RELATÓRIO FINAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Discente: Luís Gustavo Spern Barreto Curso: Análise e Desenvolvimento de Sistemas E-mail: gustavosbarreto@gmail.com Endereço: Rua Três, 490 - Pestano -

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Arquitetura WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Arquitetura de Software O sistema DIGIMAN é implementado em três camadas (apresentação, regras de negócio e armazém de

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Bringing All Users to the Television

Bringing All Users to the Television PUC Minas Campus de Poços de Caldas Departamento de Ciência da Computação Laboratório de Televisão Digital Interativa Bringing All Users to the Television Guia de Instalação, Configuração e Desenvolvimento

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE Roland Yuri Schreiber 1 ; Tiago Andrade Camacho 2 ; Tiago Boechel 3 ; Vinicio Alexandre Bogo Nagel 4 INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a área de Sistemas

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Tópico 4 Estrutura do Sistema Operacional Prof. Rafael Gross prof.rafaelgross@fatec.sp.gov.br FUNÇÕES DO NUCLEO As principais funções do núcleo encontradas na maioria dos sistemas

Leia mais

tecnologia para prédios inteligentes S

tecnologia para prédios inteligentes S tecnologia para prédios inteligentes S O Sistema: Características O VisAct é um produto da empresa Spherical Networks Ltda., um conjunto de softwares e hardwares integráveis que conforme suas configurações

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Embarcadas

Desenvolvimento de Aplicações Embarcadas Desenvolvimento de Aplicações Embarcadas Aplicações embarcadas, ou sistemas embarcados, executam em processadores instalados (embarcados) em dispositivos cuja função precípua não é o processamento da informação.

Leia mais

NEVA: Programa para aumento de performance de sites web usando o algoritmo de esteganografia

NEVA: Programa para aumento de performance de sites web usando o algoritmo de esteganografia NEVA: Programa para aumento de performance de sites web usando o algoritmo de esteganografia MÁRCIO PANTOJA LOBATO 1, PEDRO VICTOR PONTES PINHEIRO 1, ROBERTO YURI DA SILVA FRANCO 1, ALESSANDRA NATASHA

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Utilizando Cenários Virtuais para a Simulação de Ambientes Domésticos Controlados por Celular

Utilizando Cenários Virtuais para a Simulação de Ambientes Domésticos Controlados por Celular Utilizando Cenários Virtuais para a Simulação de Ambientes Domésticos Controlados por Celular Silvano Maneck Malfatti, Igor Yepes, Gabriel Lacerda dos Santos Faculdade Católica do Tocantins (FACTO) Palmas

Leia mais

O Hardware e o Software do Computador

O Hardware e o Software do Computador O Hardware e o Software do Computador Aula 3 Parte 2 Software de Computador Aplicativo Horizontal: tarefas genéricas, para quaisquer organizações Aplicativo Vertical: tarefas específicas, para organizações

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

UTFPR - Sistemas Distribuídos Prof. Cesar Augusto Tacla. Anotações. Copyright Cesar Augusto Tacla 2008 - 1 -

UTFPR - Sistemas Distribuídos Prof. Cesar Augusto Tacla. Anotações. Copyright Cesar Augusto Tacla 2008 - 1 - - 1 - - 2 - - 3 - Segundo (Garg, 2004), são sistemas compostos por múltiplos processadores conectados por uma rede de comunicação, sendo a rede de comunicação uma LAN (Ethernet) ou WAN (Internet). - 4

Leia mais

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Entrada / Saída. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Entrada / Saída Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Tópicos Princípios do hardware de E/S Princípios do software de E/S Camadas do software

Leia mais

DESENVOLVIMENTO & INTEGRAÇÃO DE SET-TOP-BOX 30/06/2010

DESENVOLVIMENTO & INTEGRAÇÃO DE SET-TOP-BOX 30/06/2010 DESENVOLVIMENTO & INTEGRAÇÃO DE SET-TOP-BOX 30/06/2010 1 Sistema Distribuição DTH HEADEND Serviços de Áudio e Vídeo Dados (aplicações interativas, jogos, CAS, etc.) Footprint Definição da configuração

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição

2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição 2 Geração Dinâmica de Conteúdo e Templates de Composição Alguns dos aspectos mais importantes na arquitetura proposta nesta dissertação são: a geração dinâmica de conteúdo e a utilização de templates de

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação Controle de Acesso Automático de Veículos Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma solução tecnológica que permita o controle dos portões automáticos remotamente através da internet. Aplicando-se

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

TOMADAS INTELIGENTES: SISTEMA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE TOMADAS ELÉTRICAS BASEADO EM SMARTPHONES

TOMADAS INTELIGENTES: SISTEMA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE TOMADAS ELÉTRICAS BASEADO EM SMARTPHONES TOMADAS INTELIGENTES: SISTEMA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE TOMADAS ELÉTRICAS BASEADO EM SMARTPHONES Sérgio Freitas da Silva Jr - 9º ano do Ensino Fundamental 1, Lucas Santos do Nascimento Portela 3º ano

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furbbr Resumo. Este artigo apresenta a especificação

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SIMULADOR

Leia mais

GTTV - Grupo de Trabalho de Televisão Digital. Guido Lemos de Souza Filho LAViD - DI CCEN UFPB

GTTV - Grupo de Trabalho de Televisão Digital. Guido Lemos de Souza Filho LAViD - DI CCEN UFPB GTTV - Grupo de Trabalho de Televisão Digital Guido Lemos de Souza Filho LAViD - DI CCEN UFPB Sistema de TV Digital ITV Middleware (eg. MHP or DASE) Real-Time Operating System Device Drivers Conditional

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO

LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO Aldo Ventura da Silva * RESUMO O presente trabalho teve como objetivo principal apresentar a tecnologia LonWorks, passando por alguns atributos da tecnologia,

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. André Dutton EMENTA: Conceitos fundamentais e histórico da ciência da computação; Histórico dos computadores, evolução e tendências; Modalidades de computadores

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 16 Índice 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE...3 1.1 O protocolo FTP... 3 1.2 Telnet... 4 1.3 SMTP... 4 1.4 SNMP... 5 2 1. SISTEMA OPERACIONAL DE REDE O sistema

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Ana Paula Carrion 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil anapaulacarrion@hotmail.com,

Leia mais

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle.

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle. Introdução Os principais elementos de um sistema de computação são a unidade central de processamento (central processing unit CPU), a memória principal, o subsistema de E/S (entrada e saída) e os mecanismos

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Sobre entidades externas ao sistema Quais sistemas externos devem ser acessados? Como serão acessados? Há integração com o legado a ser feita?

Leia mais

: TV Linear TV para todos. os dispositivos. SSPI Maio 2013. Jurandir Pitsch

: TV Linear TV para todos. os dispositivos. SSPI Maio 2013. Jurandir Pitsch os dispositivos : TV Linear TV para todos SSPI Maio 2013 Jurandir Pitsch Escopo: : Satelite para todos os dispositivos IP? 2 Solução 3 Conceito SAT>IP fará com que os serviços satélites: 1. estejam disponíveis

Leia mais

B ringing Al l U sers to the Television

B ringing Al l U sers to the Television PUC Minas Campus de Poços de Caldas Departamento de Ciência da Computação Laboratório de Televisão Digital Interativa B ringing Al l U sers to the Television Prof. Dr. João Benedito dos Santos Junior Coordenador

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE RASTREAMENTO PARA COMPUTADORES

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE RASTREAMENTO PARA COMPUTADORES UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE RASTREAMENTO PARA COMPUTADORES Bárbara Dias Pereira Prof. Miguel Alexandre Wisintainer, Orientador ROTEIRO DA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0. Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho. Florianópolis - SC 2005/1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0. Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho. Florianópolis - SC 2005/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0 Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho Florianópolis - SC 2005/1 1 Sumário 1 Introdução 3 2 Denição do Problema 3 3 Trabalhos Correlatos 4 4 Solução

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

DECODIFICADOR DE AUDIO MPEG-2 AAC-LC: IMPLEMENTAÇÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO AMBA-AXI. PALAVRAS-CHAVE: IP-Cores, Circuitos Integrados, AMBA-AXI.

DECODIFICADOR DE AUDIO MPEG-2 AAC-LC: IMPLEMENTAÇÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO AMBA-AXI. PALAVRAS-CHAVE: IP-Cores, Circuitos Integrados, AMBA-AXI. 683 DECODIFICADOR DE AUDIO MPEG-2 AAC-LC: IMPLEMENTAÇÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO AMBA-AXI Tiago da Silva Oliveira¹; Wagner Luiz Alves de Oliveira.² 1. Bolsista PIBIC, Graduando em Engenharia de Computação,

Leia mais