FACULDADE NOVO MILÊNIO. Layon Endlich Rodrigues Danilo Rocha Freitas Gabriel Nicchio Fábio Ferreira Pablo Buzato Bacheti VIRTUALIZAÇÃO DE DATACENTER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE NOVO MILÊNIO. Layon Endlich Rodrigues Danilo Rocha Freitas Gabriel Nicchio Fábio Ferreira Pablo Buzato Bacheti VIRTUALIZAÇÃO DE DATACENTER"

Transcrição

1 FACULDADE NOVO MILÊNIO Layon Endlich Rodrigues Danilo Rocha Freitas Gabriel Nicchio Fábio Ferreira Pablo Buzato Bacheti VIRTUALIZAÇÃO DE DATACENTER VILA VELHA ES ABRIL DE 2008

2 Layon Endlich Rodrigues Danilo Rocha Freitas Gabriel Nicchio Fábio Ferreira Pablo Buzato Bacheti VIRTUALIZAÇÃO DE DATACENTER Trabalho de pesquisa apresentado ao professor David Gomes Barboza, como requisito da disciplina Tópicos Avançados em Tecnologia da Informação, pelos alunos do terceiro período do curso de Tecnologia em Gestão de Tecnologias da Informação. VILA VELHA ES ABRIL DE 2008

3 Súmario Introdução Objetivo O que é um datacenter? O que faz um datacenter? Qual o custo pra se manter um datacenter? O que é virtualização? Virtualização de servidores Algumas ferramentas de virtualização Os oito principais desafios da virtualização de datacenters Abdicando do físico Performance de aplicativos abaixo da média Segurança falha Aprisionamento Acúmulo de máquinas virtuais Custos de licenciamento Paixão por armazenamento Barreiras virtuais Vantagens do ponto de vista ambiental do ponto de vista financeiro do ponto de vista técnico Outras considerações Conclusão Referências bibliográficas

4 Introdução Nos dias de hoje, é imprescindível para as empresas que buscam pelo sucesso possuir uma área de TI flexível, pronta para crescer na mesma proporção que crescem seus negócios. A virtualização de sistemas é uma solução para melhorar os recursos do hardware e ao mesmo tempo aproveitar todo o poder de processamento. Quando um computador é incapaz de explorar todo o potencial de uma CPU moderna, você pode deixar vários computadores tentarem. Múltiplos servidores virtuais num pequeno número de máquinas físicas compõem uma solução para melhorar o uso dos recursos de hardware, ao mesmo tempo consolidando o panorama do sistema. 04

5 Objetivo O objetivo deste trabalho é apresentar a tecnologia de virtualização de datacenter, mostrando-a como um recurso de menor custo e uma tecnologia mais verde. Com este trabalho poderá ser tirada conclusões sobre quando optar por um datacenter virtualizado ou físico. 05

6 1 O que é um datacenter? 1.1 O que faz um datacenter? Um DataCenter é uma modalidade de serviço de valor agregado que oferece recursos de processamento e armazenamento de dados em larga escala para que organizações de qualquer porte e mesmo profissionais liberais possam ter ao seu alcance uma estrutura de grande capacidade e flexibilidade, alta segurança, e igualmente capacitada do ponto de vista de hardware e software para processar e armazenar informações. Na década de 1970, quando os sistemas Mainframe eram utilizados em grande escala, o conceito de DataCenter era muito conhecido como "Bureaux de Serviços". Atualmente podemos definir duas categorias principais de DataCenters: DataCenter Privado (PDC) e o Internet DataCenter (IDC). Um PDC pertence e é operado por corporações privadas, instituições ou agências governamentais com o propósito principal de armazenar dados resultantes de operações de processamento interno e também em aplicações voltadas para a Internet. Por outro lado, um IDC normalmente pertence e é operado por um provedor de serviços de telecomunicações, pelas operadoras comerciais de telefonia ou outros tipos de prestadores de serviços de telecomunicações. O seu objetivo principal é prover diversos tipos de serviços de conexão, hospedagem de sites e de equipamentos dos usuários. Os serviços podem incluir desde comunicações de longa distância, Internet, acesso, armazenamento de conteúdo, etc. O gerenciamento é um dos principais serviços que um DataCenter oferece na previsão de falhas dos sistemas e equipamentos dos usuários. São duas as categorias de gerenciamento: Básico e Avançado. A diferença entre eles está no 06

7 fato que no gerenciamento básico os servidores são monitorados continuamente através do envio de pacotes de dados de verificação e no gerenciamento avançado, além do envio desses pacotes de dados, os serviços (www, SQL, entre outros) são checados, ou seja, o servidor do provedor fará uma requisição aos serviços que estão rodando para assegurar a qualidade máxima no gerenciamento do sistema do usuário. O gerenciamento avançado é o método mais eficaz na garantia de disponibilidade do site, possibilitando em muitos casos o envio de mensagens de e- mail, Pager, etc, aos administradores da rede, informando o estado das aplicações. Até mesmo pode-se avaliar o desempenho médio e ter diagnóstico antes mesmo do problema acontecer. Um dos aspectos que devem ser observados na contratação de um serviço de DataCenter, é o tipo de acesso (co-location) que o usuário terá ao servidor do provedor de serviços. O tipo de acesso irá definir por qual método o servidor será acessado em caso de necessidade. Se o co-location for contratado, o acesso é feito pelos funcionários do provedor, localmente. Se o co-location for remoto, o acesso será feito através de softwares de controle remoto que será escolhido pelo usuário. Neste caso o aplicativo de acesso remoto é instalado no servidor pelos funcionários do provedor de serviço. Eventualmente uma ou mais ferramentas podem necessitar de manutenção ou pode haver a necessidade de instalação de novos aplicativos. Nesses casos, o usuário deve solicitar ao provedor do serviço que providencie o que for necessário para a operação. Durante a hospedagem no servidor, o usuário assina um termo constatando a legalidade de todos os softwares instalados em seu servidor. Pode-se observar que através do co-location (locação de um servidor exclusivo do usuário, instalado e operado na estrutura do provedor), o usuário pode 07

8 se beneficiar de uma série de recursos. Um co-location proporciona alta escalabilidade, ou seja, em caso de necessidade de ampliação dos serviços ou equipamentos, a mesma pode ser feita imediatamente, com monitoramento 24 horas por dia e 7 dias por semana (24X7), backup, otimização dos custos de operação e manutenção, rede com alta disponibilidade e carga balanceada. Existem várias modalidades de utilização dos DataCenters. Dentre elas destacam-se o "Modelo Corporativo Monolítico" (pertence a uma única organização e não é compartilhado), o "Modelo Corporativo Compartilhado" (permite usufruir uma infra-estrutura comum) e o "Modelo ASP" (Provedor de Aplicações e Serviços). Nas modalidades corporativas o objetivo central é terceirizar a operação e a gestão dos processos informatizados da empresa na forma de Outsourcing, onde o provedor de serviços passa a se responsabilizar pelos processos operacionais da área de TI. Na modalidade ASP, a organização ou o profissional liberal, passa a utilizar os recursos disponíveis no DataCenter na modalidade de prestação de serviços, locando licenças de software, espaço para armazenamento em disco e também capacidade de processamento em servidores hospedeiros. Nessa forma de utilização o usuário não necessita dispor de licenças de software aplicativos ou de automação de escritórios, não necessita licenciar sistemas operacionais, nem licenciar algum tipo de Banco de Dados. Todos os recursos necessários para a operação do sistema normalmente são fornecidos como parte da solução em forma de serviço, liberando a empresa para focar exclusivamente nos negócios. 08

9 1.2 Qual o custo pra se manter um datacenter? É relativamente alto, para empresas de médio e grande porte. Já que os investimentos em hardware, licenciamento, consumo de energia e infra-estrutura são altos. 09

10 2 O que é virtualização? Máquina Virtual, assim chamada na década de 60 quando começou a ser utilizada e é assim que é conhecida até os dias atuais, significava simplesmente um software instalado em um sistema operacional real (ou hóspede) que interagia com o mesmo, literalmente como um sistema virtual. Porém nesta época era restrito somente ao uso em mainframes. Conceitualmente, virtualização, quer dizer softwares especializados em criar uma camada lógica entre o SO hóspede e o hardware do computador a fim de prover um ambiente funcional com todas as características de uma máquina real. Virtualização refere-se a tecnologias criadas para fornecer uma camada de abstração entre sistemas de hardware de computador e o software que roda nestes sistemas (WATERS, 2007). A Virtualização, como também é chamada, nada mais é do que a criação de uma máquina virtual munida de periféricos fictícios, porém utilizando uma máquina real. O sistema operacional, por exemplo, acha que está sendo executado em uma máquina real com todos os periféricos necessários, porém, o que realmente está acontecendo é que esta máquina virtual está utilizando parte física de uma máquina real, ocupando espaço em um disco rígido real, ocupando memória principal, utilizando um processador real, enfim, ela necessita de uma máquina real para que seja criada, mas na prática é e sempre será uma máquina virtual. As máquinas virtuais fazem o milagre da multiplicação do PC. Na prática, não passam de espaços em disco e na memória, que podem ser apagados quando você quiser (MACHADO, p. 82, 2007). 10

11 Diante dos conceitos apresentados pode-se abstrair que: as máquinas virtuais podem servir para executar vários sistemas operacionais simultaneamente. Para ilustrar como isso pode beneficiar a organização que venha a utilizar essa tecnologia pode-se citar um exemplo que seria de que uma empresa especializada em Web 6 Design precisa testar seus sites em vários sistemas e navegadores diferentes. É aqui que entram as máquinas virtuais. Outro exemplo simples de utilização: uma organização precisa testar seu aplicativo no novo Windows VISTA, para isto pode utilizar o software VMware, que em sua nova versão traz suporte ao novo sistema operacional da Microsoft. Instalase o VMware em um computar emula-se uma máquina virtual com o VISTA e faz-se os testes necessários para averiguação de possíveis problemas (bugs) que seu aplicativo apresentará na nova plataforma. As pessoas todos os dias utilizam diretamente máquinas virtuais sem que percebam em seus aparelhos celulares. São as máquinas virtuais Java. A grande maioria desses aparelhos modernos de comunicação, incluindo os smartphones, que, segundo um estudo do IDC apontou que 232 mil aparelhos foram comprados no país em Mas o número de aparelhos vendidos cresceu 140% entre o primeiro trimestre de 2006 e o mesmo período de Até 2012, os smartphones corresponderão a 22% do total de celulares no mundo [ ] (GREGO, p. 60, 2007), possuem essa funcionalidade para utilização de aplicativos como: jogos, softwares para downloads de mp3 e outros formatos de multimídia, até mesmo compiladores de outras linguagens de programação que rodam sob a máquina virtual Java. Utilidades para máquinas virtuais são o que não faltam. Diversas ferramentas para implementação do mesmo podem ser citadas: Virtual PC e Virtual Server 2005 (da Microsoft), Qemu (livre), VMware Player (gratuito), Bochs 11

12 (proprietário), VirtualBox (opensource) e XenExpress (da XenSource, gratuito e opensource). Todos com uma interface muito simples e intuitiva, o que ajuda muito na configuração. Segundo a INTEL CORPORATION (2007), a virtualização é uma mudança de paradigma; ela muda seu modo de pensar em relação aos recursos. Com a virtualização, você não está mais restrito a executar apenas um sistema operacional em um servidor ou workstation de baixa utilização. É possível consolidar vários sistemas operacionais e aplicativos em servidores poderosos, o que propicia a simplificação do datacenter, uso mais eficiente, redução de custos e mais segurança em sua empresa. Um outro conceito importante tratando-se do assunto de máquinas virtuais é o de monitor também chamado de hypervisor, Virtual Machine Monitor ou VMM. O monitor é uma camada de software inserida entre o sistema visitante (guest system) e o hardware onde o sistema visitante executa (ANDRADE, apud XENSOURCE, p. 11, 2006). É ele quem gerencia o hardware da máquina real compartilhando-o para todas as máquinas virtuais. São os monitores que criam e controlam as máquinas virtuais, gerenciando todos os dispositivos físicos da máquina hóspede. Existem ainda dois tipos de VMMs, onde esses tipos são relacionas devido ao nível de abstração do hardware da máquina hóspede. No primeiro tipo, as VMMs criam device drivers nos SOs das máquinas hóspedes para serem utilizados pelas máquinas virtuais. No segundo tipo é diferente; os monitores não utilizam essa funcionalidade, executando independentemente da arquitetura de hardware do sistema hóspede. Como é o caso da máquina virtual Java já citada neste trabalho. 12

13 2.1 Virtualização de servidores; Em uma definição simplificada, a virtualização é um processo que, através do compartilhamento de hardware, permite a execução de inúmeros sistemas operacionais em um único equipamento. Cada máquina virtual criada neste processo é um ambiente operacional completo, seguro e totalmente isolado como se fosse um computador independente. Com a virtualização, um único servidor pode armazenar diversos sistemas operacionais em uso. Isto permite que um data center opere com muito mais agilidade e com um custo mais baixo. 2.2 Algumas ferramentas de virtualização; VMware Infrastructure O datacenter com alta capacidade de resposta. Dinâmico. Eficiente. Disponível. O VMware Infrastructure é o pacote de software mais amplamente implantado para otimizar e gerenciar ambientes de TI padrão do setor por meio da virtualização desde o desktop até o datacenter. Único pacote de software de virtualização pronto para a produção, o VMware Infrastructure fornece resultados comprovados a mais de clientes de todos os portes, sendo usado em uma grande diversidade de ambientes e aplicações. O pacote é totalmente otimizado, rigorosamente testado e certificado para uma ampla gama de produtos de hardware, sistemas operacionais e aplicativos de software. O VMware Infrastructure fornece recursos de gerenciamento incorporado, otimização de recursos, disponibilidade de aplicativos e automação operacional que proporcionam uma economia de custos transformadora, além de maior eficiência operacional, flexibilidade e níveis mais elevados de serviços de TI. 13

14 Oracle VM Consistindo em um software para servidor de código aberto e um console de gerenciamento integrado baseado em browser, o Oracle VM oferece uma interface gráfica rica e fácil de usar para criar e gerenciar pools de servidores virtuais, executados em sistemas x86 e x86-64 em toda a empresa. O Oracle VM oferece: Instalação simplificada com uma única instalação, aplicação de correção e atualização para Oracle VM e Oracle Enterprise Linux; Implementação mais rápida por meio de imagens de Máquina Virtual pré-configuradas do Banco de Dados Oracle e do Oracle Enterprise Linux; Mais eficiência três vezes mais eficiente do que outros produtos de virtualização de servidores; Suporte para Linux e Windows suporte para sistemas operacionais hóspedes Linux e Windows, incluindo Oracle Enterprise Linux 4 e 5; RHEL3, RHEL4 e RHEL5; Windows 2003, Windows Server 2003 e Windows XP (em hardware com suporte para HV); Uma única fonte de suporte com o respaldo da organização de suporte da Oracle, os clientes têm um único ponto de contato para todo o seu ambiente virtual, incluindo o sistema operacional Linux e o Banco de Dados Oracle, Fusion Middleware e aplicativos Oracle; Baixo custo total de propriedade permite implementar a virtualização de servidores por uma fração do custo, em comparação com os produtos de outros fabricantes; 14

15 2.3 Os oito principais desafios da virtualização de datacenters A economia promovida pela virtualização é enorme, mas o processo ainda tem seus transtornos. Acompanhe os principais desafios levantados pela NetworkWorld. O benefício de virtualizar servidores x86 é evidente. O vínculo entre software e hardware se desfaz e é criada uma base para um data center mais dinâmico, flexível e eficiente. Com a perspectiva de que o mercado de software de virtualização poderá ultrapassar 1 bilhão de dólares este ano, as empresas não estão se limitando a um olhar apressado sobre a tecnologia. O caminho para um data center virtual, entretanto, tem seus percalços. Por meio de conversas com profissionais, analistas e fornecedores de TI, compilamos uma lista de oito obstáculos que o usuário poderá enfrentar para implementar ambientes virtuais. Acompanhe. Abdicando do físico A idéia de migrar para um ambiente virtual é executar mais cargas de trabalho virtuais em um número menor de sistemas físicos, mas isso não significa que o hardware desce no rol de prioridades. As organizações podem ter problemas se não se dedicarem a analisar atentamente quais recursos físicos serão necessários para dar suporte a cargas de trabalho virtuais e a monitorar esses recursos de hardware. 15

16 Tudo é uma questão de escorar a virtualização com os sistemas físicos certos, observa David Payne, CTO da Xcedex, empresa norte-americana de consultoria em virtualização. Alguns profissionais acham que, para se ter um ambiente virtual, basta comprar um sistema barato da Dell ou da HP, acrescentar o hardware e colocar a virtualização em cima, acrescenta Payne. Muitas vezes, esta receita leva em conta mais o preço do que as próprias cargas de trabalho virtuais. Performance de aplicativos abaixo da média Embora a virtualização esteja cada vez mais disseminada, muitos aplicativos ainda não foram ajustados para ambientes virtuais. Daniel Burtenshaw, engenheiro sênior de sistemas da Universidade Health Care, nos Estados Unidos, por exemplo, implementou o ESX Server da VMware, da EMC, há cerca de um ano e os resultados, no geral, foram bons. Nossos maiores problemas têm sido com alguns fornecedores de aplicativos que não se mostram dispostos a dar suporte a seus produtos em servidores virtuais, e limitações da versão do ESX que estamos usando, revela Burtenshaw. A organização de serviços de saúde possui um grande ambiente Citrix, mas, quando migrou alguns servidores Citrix para o ambiente VMware, descobriu que a performance não se manteve. Basicamente, temos um número muito limitado de usuários por servidor. Se virtualizamos, um grupo de servidores virtuais em um host é equivalente a ter 16

17 apenas um host físico", diz Burtenshaw. Sua empresa está atualizando para o Virtual Infrastructure 3 da VMware. Segurança falha Quando você implementa um ambiente virtual, elimina o vínculo entre hardware e software, o que pode gerar confusão na hora de proteger sua infraestrutura. "Esta desvinculação tem o risco de cegar os profissionais especializados quanto ao que está acontecendo por trás de seus hardware de segurança da rede", diz Allwyn Sequeira, vice-presidente sênior de operações de produto da Blue Lane Technologies, especializada em patching. O ambiente de servidor fica mais fluido, mais complexo, e os profissionais de segurança acabam perdendo a estabilidade que o hardware proporcionava. Qualquer tipo de varredura de vulnerabilidades pode tornar-se obsoleta em questão de minutos. Dennis Moreau, CTO da Configuresoft, que atua na área de segurança e adequação, concorda. A virtualização otimiza provisionamento e processos como patching, mas também acrescenta complicações que os profissionais de TI talvez não estejam cogitando. Portanto, o trabalho de manter um ambiente seguro e documentar isso para fins de adequação, pelo simples fato de acrescentar uma camada de tecnologia de virtualização, torna tudo muito mais complexo. Aprisionamento O mercado de virtualização está evoluindo rapidamente e até a VMware está fomentando uma maneira-padrão de criar e gerenciar máquinas virtuais. Mas padrões e interoperabilidade virão lentamente. As empresas que não forem 17

18 cautelosas poderão acabar presas ao enfoque de determinados fornecedores, tornando-se difícil além de caríssimo mudar de enfoque à medida que as tecnologias amadurecem. "Tente escolher produtos que possam ser considerados padrões e que sejam abertos ao mercado de virtualização, aconselha Ulrich Seif, CTO da National Semiconductor. Acúmulo de máquinas virtuais Originalmente, a virtualização era uma ótima jogada para consolidar servidores físicos e, assim, reduzir demandas de energia e saída de calor. Mas, dada a facilidade de implementação das máquinas virtuais, as organizações talvez descubram que, apesar de terem diminuído o número de dispositivos físicos, o número de sistemas virtuais a serem gerenciados aumentou extraordinariamente. "Uma das maiores ciladas é o acúmulo de máquinas virtuais", salienta John Humphreys, diretor de programa da IDC. A melhor maneira de evitar este acúmulo é planejar o ciclo de vida da máquina virtual, recuperando instâncias virtuais que não estão sendo mais usadas. Custos de licenciamento Assim como as empresa discutem com fornecedores de software independentes que estabelecem taxas de licença baseadas no uso de CPU em torno do preço em servidores com múltiplos processadores, elas também têm surpresas com as licenças em ambientes virtuais. "As licenças de software podem ser uma barreira, aponta John Enck, vice-presidente de pesquisa do Gartner. Talvez você queira rodar um aplicativo em 18

19 um grande servidor virtualizado, mas a licença foi criada para os núcleos de processador físicos na máquina. Se, por exemplo, você migrar este aplicativo de um servidor com dois processadores para um servidor virtualizado com quatro processadores, seu custo de licença de software poderá aumentar, apesar de o software só usar dois processadores no ambiente virtual", explica Enck. Paixão por armazenamento Tendo em vista que muitos dos candidatos à virtualização baseavam-se em sistemas x86 distribuídos, é fácil se esquecer do impacto que a arquitetura mais centralizada de recursos virtuais pode ter. O storage, por exemplo, deve ser examinado com atenção, já que, em muitos casos, os recursos virtuais vão acessar uma storage area network (SAN) compartilhada. "Algumas empresas talvez comprem um determinado tipo de storage array e não considerem a carga de trabalho que o ambiente VMware imporá a ele, fazendo com que aquele array simplesmente não consiga suportá-la: I/O demais", diz Payne, da Xcedex. Se este array fica inativo e traz problemas para a SAN, cada máquina virtual será afetada, ou seja, provavelmente quebrará, será corrompida, resultando em uma experiência extremamente ruim. Seif, da National Semiconductor, acha que a preocupação com storage deve ser prioridade para a empresa que planeja um ambiente virtual. Para ele, o armazenamento baseado em SAN é essencial. 19

20 Barreiras virtuais Com servidores AMD e Intel funcionando lado a lado em muitos data centers, algumas empresas talvez pensem que máquinas virtuais móveis podem ser movidas em qualquer hardware x86, mas não é bem assim. Segundo Humphreys, da IDC, "a questão com que as pessoas estão se confrontando é: à medida que movimento estas máquinas virtuais, preciso ter hardware similar?" As máquinas virtuais de hoje não podem comutar entre sistemas baseados em Intel e AMD, explica Raghu Raghuram, vice-presidente de marketing de produtos e soluções da VMware. "Nossa tecnologia VMotion permite que você migre um aplicativo que está sendo executado de uma máquina física para outra, mas os processadores nestas máquinas têm de ser iguais: você pode passar de AMD para AMD ou de Xeon para Xeon, diz Raghuram. Isto por causa da diferença das arquiteturas de processador e do comportamento de determinadas instruções. É um problema que será resolvido em um prazo mais longo. 20

21 3 O que é um datacenter virtualizado? O termo virtualização nasceu no tempo dos mainframes. Na atual versão para servidores e storage, um software permite que cada máquina real seja multiplicada em várias virtuais. Desse modo, as empresas conseguem enxergar a capacidade de processamento total disponível, independentemente do servidor. As aplicações não ficam restritas a um único computador, e os usuários não percebem que estão compartilhando recursos. De acordo com a demanda por processamento, o poder computacional pode ser deslocado de uma aplicação para outra. Há, assim, uma economia em recursos físicos para servidores, já que o uso torna-se compartilhado. A consolidação resolve bem o passado e a virtualização prepara as máquinas para o futuro, afirma André Vilela, diretor de soluções corporativas da Unisys América Latina. "Nos próximos dois ou três anos, a virtualização será prática normal na maioria das grandes empresas", afirma Eraldo Jiaqueto, diretor de data center da Global Crossing. Há seis anos, a empresa, que oferece serviços de data center dos tipos hosting e colocation, consolidou os servidores de seus três data centers, que abrigam 4 mil processadores. No serviço de hosting, o cliente loca o data center e o fornecedor é também responsável pela provisão das máquinas. No colocation, ou housing, o cliente utiliza seus próprios servidores, no data center alugado. Esses serviços são atualmente os de maior demanda no mercado. Segundo o Gartner, empresas que possuem máquinas ecologicamente corretas optam pelo colocation e as que não têm condições de investir em modernização do parque preferem o hosting. 21

22 4 Vantagens A virtualização de servidores e máquinas proporciona às empresas a consolidação de Servidores, que consiste em centralizar ou diminuir o numero de equipamentos e aplicações instaladas em cada um dos servidores da organização, com objetivo de aumentar a produtividade da infra-estrutura, melhorar o gerenciamento do ambiente, aumentar a segurança, diminuir a manutenção e economizar em recursos humanos, físicos e financeiros. A virtualização pode reduzir o consumo de energia, ar-condicionado e espaço físico. Existem várias vantagens para utilização de máquinas virtuais em sistemas de computação: 4.1 do ponto de vista ambiental; Redução do consumo de energia Os custos médios de energia e refrigeração de um servidor são reduzidos em 560 dólares ao ano com o uso da tecnologia de virtualização. E a causa é esta: o aplicativo médio normalmente usa apenas de 10 a 15% da energia de um servidor, mas este ainda exige o mesmo tanto de energia e refrigeração para executar alguns poucos aplicativos e para muitos aplicativos. Por isso, se um servidor que em geral roda com 10% de sua capacidade pode usar 50%, o resultado pode ser um ganho de cinco vezes na eficiência de energia Estudos mostraram que nos Estados Unidos, os data centers representaram 1,2% do consumo de energia em 2005, e que cada servidor gera um custo facilmente superior a U$1.200 por ano 22

23 considerando apenas seu consumo de energia direto e indireto, como, por exemplo, o consumo gerado para refrigeração do ambiente Redução de dissipação do calor A virtualização reduz a quantidade de equipamentos físicos dentro de um data center e, conseqüentemente, a dissipação de calor, a necessidade de refrigeração, o consumo de energia elétrica e a emissão de CO2, contribuindo na redução do aquecimento global. Outros tantos benefícios podem ser encontrados em nosso menu especial sobre virtualização Contribui na redução de CO O aquecimento global despertou a atenção de todos nos últimos anos. O mundo percebeu os efeitos desastrosos que a poluição e a alteração climática podem causar A indústria de TI utiliza substâncias perigosas e não recicláveis durante o ciclo de produção. E com o barateamento das máquinas, as vendas crescem e, em conseqüência, aumenta o consumo de energia elétrica, muitas vezes gerada por fontes não-renováveis O crescimento descontrolado dos data centers na última década tornou estes ambientes bastante nocivos ao meio ambiente. Esforços para redução da utilização de matérias primas poluentes na fabricação dos equipamentos têm sido constante pelos grandes fabricantes, mas um dos maiores problemas, hoje, é a baixa eficiência energética destes ambientes, causada por equipamentos com densidade cada vez maior e com uma média de utilização muito baixa. Esta baixa eficiência não 23

24 apenas prejudica o meio ambiente como, também, traz grandes desperdícios de dinheiro para as empresas. 4.2 do ponto de vista financeiro; Otimização de uso e redução da quantidade de máquinas necessárias, Economia em sistemas, aplicações, manutenção e backup Em média, os servidores utilizam somente de 5% a 10% da sua capacidade, o restante da sua capacidade fica sem nenhuma utilidade Menos gastos com energia devido à redução de número de máquinas e na infra-estrutura Com o objetivo de reduzir os custos de administração e manutenção e centralizar o trabalho dos gerentes de tecnologia, as empresas apostaram em um novo conceito: utilizar equipamentos mais robustos, com mais recursos de processamento e espaço em disco, para hospedar as diversas aplicações da companhia, prática batizada de consolidação de servidores. 4.3 do ponto de vista técnico Simplificação dos processos de manutenção Facilidades no gerenciamento, migração e reaplicação de computadores, aplicações ou sistemas operacionais Prover um serviço dedicado a um cliente específico com segurança e confiabilidade Desenvolvimento de novas aplicações para diversas plataformas, garantindo a portabilidade dessas aplicações Simular alterações e falhas no hardware para teste e reconfiguração de um sistema operacional, provendo confiabilidade para as aplicações. 24

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 1 Ambiente de Data Center Os serviços de comunicação em banda larga estão mais

Leia mais

Virtualização - VMWare e Xen

Virtualização - VMWare e Xen Virtualização - VMWare e Xen A virtualização consiste na emulação de ambientes isolados, capazes de rodar diferentes sistemas operacionais dentro de uma mesma máquina, aproveitando ao máximo a capacidade

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil.

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil. Virtualização Meu nome: Nome de guerra: Meu e-mail: Marcos Vinicios Bueno Marques Professor Cidão marcos@cidao.com.br Quem sou? Professor e coordenador de cursos de TI do Senac Informática em Porto Alegre,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE EM AMBIENTE CORPORATIVO

VIRTUALIZAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE EM AMBIENTE CORPORATIVO VIRTUALIZAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE EM AMBIENTE CORPORATIVO Cássio Moda 1 Fabiano Loverbeck Cremonin 2 Rodrigo Marassi Cremonin 3 Resumo Virtualização e alta disponibilidade já são uma constante nas empresas

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado de TI. Apresentar alguns conceitos e técnicas sobre a tecnologia

Leia mais

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Microsoft VDI e Windows VDA Perguntas Frequentes Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Como a Microsoft licencia o Windows das estações de trabalho em ambientes virtuais? A Microsoft

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Xen - O case de virtualização da Alergs XIII Enial - Brasília Novembro/2010 DTI Superintendência Administrativa e Financeira Assembleia Legislativa do RS Tópicos abordados: A infraestrutura de TI Alergs

Leia mais

Virtualização de desktop da NComputing

Virtualização de desktop da NComputing Virtualização de desktop da NComputing Resumo Todos nos acostumamos ao modelo PC, que permite que cada usuário tenha a sua própria CPU, disco rígido e memória para executar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização

Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização Virtualização Microsoft: Da Estação de Trabalho ao Data Center Estudo de Caso de Solução de Cliente Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização Visão Geral

Leia mais

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Virtualização Microsoft: Data Center a Estação de Trabalho Estudo de Caso de Solução para Cliente Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Visão

Leia mais

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe.

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtualização Virtualização? A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtual: Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, significa: adj (lat virtuale) 1- Que não existe como realidade,

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO OBJETIVO Objetivo do deste trabalho é o autoaprendizado e a disseminação do conhecimento empregado no conceito de virtualização. Assim como a demostração de seu uso em conjunto

Leia mais

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Sumário Introdução... 3 Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3 Live Migration... 3 Volumes compartilhados do Cluster... 3 Modo de Compatibilidade de Processador...

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Melhorando o desempenho do data center por meio da virtualização de bancos de dados SQL Server

Melhorando o desempenho do data center por meio da virtualização de bancos de dados SQL Server Melhorando o desempenho do data center por meio da virtualização de bancos de dados SQL Server Conteúdo Resumo.........................................................1 O papel do SQL Server em pequenas

Leia mais

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING)

UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) UMA INTRODUÇÃO SIGNIFICATIVA SOBRE COMPUTAÇÃO NAS NUVENS (CLOUD COMPUTING) Thiago Batista de Oliveira¹, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil thiagoolyveira@gmail.com,juliocesarp@unipar.br

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS SAGRADO CORAÇÃO - UNILINHARES COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS SAGRADO CORAÇÃO - UNILINHARES COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS SAGRADO CORAÇÃO - UNILINHARES COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MARCELO MARQUES GOMES WEVERSON FANTIN FRACALOSSI MÁQUINAS VIRTUAIS LINHARES 2007 MARCELO MARQUES

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Prof. M.Sc. Diego Fernandes Emiliano Silva diego.femiliano@gmail.com Agenda Infraestrutura de TI Infraestrutura de TI: hardware Infraestrutura de TI: software Administração dos recursos

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa Relatório de Pesquisa A Vantagem da Virtualização de Mainframe: Como Economizar Milhões de Dólares Utilizando um IBM System z como um Servidor em Nuvem Linux Sumário Executivo Os executivos de TI (Tecnologia

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópico 33 e 34 Virtualização São Paulo 2009 Virtualização Ao falar em virtualização,

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro Virtualização Prof. Emiliano Monteiro Conceitos Virtualização significa criar uma versão virtual de um dispositivo ou recurso, como um servidor, dispositivo de armazenamento, rede ou até mesmo um sistema

Leia mais

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Agenda A UTAD Virtualização Uma definição Introdução e abrangência

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)?

O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)? O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)? Introdução A denominação Cloud Computing chegou aos ouvidos de muita gente em 2008, mas tudo indica que ouviremos esse termo ainda por um bom tempo. Também

Leia mais

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT A importância da inovação em fornecedores de sistemas, serviços e soluções para criar ofertas holísticas Julho de 2014 Adaptado de Suporte a ambientes de datacenter: aplicando

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Computação em Nuvem Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente Computadores

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com VIRTUALIZAÇÃO Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com Virtualização o que é? É uma forma de esconder as características físicas de uma plataforma computacional dos usuários, emulando

Leia mais

Manual de Vendas. Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2

Manual de Vendas. Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2 Manual de Vendas Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2 O Windows Server 2012 R2 fornece soluções de datacenter e de nuvem híbrida de classe empresarial que são simples

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

Cloud. Tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não teve paciência para explicar. {/} CLOUD SOLUTIONS

Cloud. Tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não teve paciência para explicar. {/} CLOUD SOLUTIONS Cloud Tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não teve paciência para explicar. {/} CLOUD SOLUTIONS Cloud Computing: O que é. O que faz. As vantagens. E tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não

Leia mais

White Paper Replicação baseada em Hypervisor

White Paper Replicação baseada em Hypervisor Replicação baseada em Hypervisor Uma Nova Abordagem à Continuidade dos Negócios Recuperação de Desastres A Zerto introduziu uma solução de replicação de conhecimento virtual, exclusivo de software, de

Leia mais

Sistema IBM PureApplication

Sistema IBM PureApplication Sistema IBM PureApplication Sistema IBM PureApplication Sistemas de plataforma de aplicativos com conhecimento integrado 2 Sistema IBM PureApplication A TI está vindo para o centro estratégico dos negócios

Leia mais

2Avalie novos modelos de investimento. Otimize a estrutura de tecnologia disponível

2Avalie novos modelos de investimento. Otimize a estrutura de tecnologia disponível Crise? Como sua empresa lida com os desafios? Essa é a questão que está no ar em função das mudanças no cenário econômico mundial. A resposta a essa pergunta pode determinar quais serão as companhias mais

Leia mais

EXECUTIVE. Virtualização eficiência sob medida

EXECUTIVE. Virtualização eficiência sob medida EXECUTIVE briefing guia executivo para decisões estratégicas Virtualização eficiência sob medida Alta capacidade de processamento em espaço reduzido a custos menores. O conceito reúne todas essas vantagens

Leia mais

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> O que é software na nuvem... 6 >> Vantagens do software na nuvem... 8 >> Conclusão... 13 >> Sobre a Frota Control... 15 3 Introdução

Leia mais

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Obtenha soluções em nuvem comprovadas para as suas prioridades mais urgentes Destaques da solução Saiba sobre os benefícios mais comuns de implementações

Leia mais

Benefícios da Virtualização as para empresas

Benefícios da Virtualização as para empresas Benefícios da Virtualização as para empresas Os investimentos no processo de Virtualização na área de Tecnologia da Informação (TI) aumentaram cerca de 80% nos últimos três anos, segundo informações da

Leia mais

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Phil Maynard UNIDADE DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO DE DADOS PARA O CLIENTE FEVEREIRO DE 2012 Introdução Em todos os lugares, o volume de

Leia mais

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV DATA CENTER VIRTUAL - DCV Em entrevista, Pietro Delai, Gerente de Pesquisa e Consultoria da IDC Brasil relata os principais avanços

Leia mais

Virtualização. Roberto de Beauclair Seixas rbs@impa.br

Virtualização. Roberto de Beauclair Seixas rbs@impa.br Virtualização Roberto de Beauclair Seixas rbs@impa.br News De acordo com a IDC, ela está a caminho de se tornar uma prática padrão entre as mil maiores empresas do mundo, listadas no ranking Fortune 1000.

Leia mais

Material 5 Administração de Recursos de HW e SW. Prof. Edson Ceroni

Material 5 Administração de Recursos de HW e SW. Prof. Edson Ceroni Material 5 Administração de Recursos de HW e SW Prof. Edson Ceroni Desafios para a Administração Centralização X Descentralização Operação interna x Outsourcing Hardware Hardware de um Computador Armazenamento

Leia mais

Máquinas Virtuais com o VirtualBox

Máquinas Virtuais com o VirtualBox Máquinas Virtuais com o VirtualBox Marcos Elias Picão www.explorando.com.br No exemplo: Windows XP dentro do Windows 7 Você pode compartilhar livremente sem interesses comerciais, desde que não modifique.

Leia mais

Sede global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.508.872.8200 Fax.508.935.4015 www.idc.com

Sede global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.508.872.8200 Fax.508.935.4015 www.idc.com Sede global: 5 Speen Street Framingham, MA 01701 EUA Tel.508.872.8200 Fax.508.935.4015 www.idc.com B O L E T I M I N F O R M A T I V O R e d H a t E n t e r p r i s e L i n u x e m u s o : G i g a n t

Leia mais

Symantec Backup Exec.cloud

Symantec Backup Exec.cloud Proteção automática, contínua e segura que faz o backup dos dados na nuvem ou usando uma abordagem híbrida, combinando backups na nuvem e no local. Data Sheet: Symantec.cloud Somente 2% das PMEs têm confiança

Leia mais

Serviços IBM de Resiliência:

Serviços IBM de Resiliência: Serviços IBM de Resiliência: Sempre disponível, em um mundo sempre conectado Como chegamos até aqui? Dois profissionais de TI estão sofrendo com interrupções de negócios frequentes, os problemas estão

Leia mais

CA ARCserve Backup. Visão geral

CA ARCserve Backup. Visão geral INFORME DE PRODUTO: CA ARCSERVE BACKUP R12.5 CA ARCserve Backup CA ARCSERVE BACKUP, O PRODUTO DE ALTA PERFORMANCE, LÍDER DA INDÚSTRIA DE PROTEÇÃO DE DADOS, COMBINA TECNOLOGIA INOVADORA DE ELIMINAÇÃO DE

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Tecnologias WEB Virtualização de Sistemas Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Conceitos Virtualização pode ser definida como técnica que combina ou divide recursos computacionais para prover

Leia mais

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Introdução a Virtualização Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Por que virtualizar? Descentralização de recursos computacionais Cloud computing Plena utilização de recursos físicos

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO NComputing Brasil - #110502 Instalando o Oracle Virtualbox 4.0.2 e Criando uma VM Windows Server 2008 no Virtualbox O que é virtualbox? O virtualbox é um aplicativo de virtualização multi-plataforma

Leia mais

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles FAMÍLIA EMC VPLEX Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles GARANTINDO DISPONIBILIDADE CONTÍNUA E MOBILIDADE DE DADOS PARA APLICATIVOS ESSENCIAIS A infraestrutura de armazenamento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

Qual servidor é o mais adequado para você?

Qual servidor é o mais adequado para você? Qual servidor é o mais adequado para você? Proteção de dados Tenho medo de perder dados se e o meu computador travar Preciso proteger dados confidenciais Preciso de acesso restrito a dados Acesso a dados

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL Produto: Servidores Dedicados Gerenciados

PROPOSTA COMERCIAL Produto: Servidores Dedicados Gerenciados PROPOSTA COMERCIAL Produto: Servidores Dedicados Gerenciados Página 1 de 10 Sumário SOBRE A LOCAWEB 3 INFRAESTRUTURA DO DATA CENTER 4 SOLUÇÃO PROPOSTA 5 DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS INCLUSOS 6 CONDIÇÕES COMERCIAIS

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo:

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo: INFRAESTRUTURA Para que as empresas alcancem os seus objetivos de negócio, torna-se cada vez mais preponderante o papel da área de tecnologia da informação (TI). Desempenho e disponibilidade são importantes

Leia mais

PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08

PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08 PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08 Coletar Informática Armazenar Disseminar Dados DADOS Elementos conhecidos de um problema INFORMAÇÃO Um conjunto estruturado de dados transmitindo conhecimento. Novas Tecnologias

Leia mais

Apresentação da Empresa e seus Serviços.

Apresentação da Empresa e seus Serviços. Apresentação da Empresa e seus Serviços. 1 Conteúdo do Documento Sobre a MSCTI... 3 Portfólio de Serviços... 4 O que a consultoria MSCTI faz?... 5 Outros Serviços e Soluções... 6 Certificações... 7 Clientes

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Professor: Fernando Zaidan Agosto - 2009 Tecnologia

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

Virtualização de Desktops NComputing

Virtualização de Desktops NComputing NComputing Resumo Todos já nos acostumamos ao formato do PC, que permite que cada usuário tenha sua própria CPU, seu próprio disco rígido e sua própria memória para rodar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento Introdução Embora o conceito de virtualização, não seja um conceito novo, o uso desta tecnologia vem crescendo exponencialmente nas infra-estruturas de TI. Este crescimento deve-se sobretudo aos benefícios

Leia mais

INE651600 Sistemas Operacionais I

INE651600 Sistemas Operacionais I INE651600 Sistemas Operacionais I Thiago Machado Seminário sobre Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização Definição: Permite abstrair os recursos de hardware que uma máquina possui. Criando

Leia mais

Marcos Vinicios Marques Professor Cidão. Professor Marcelo Neves

Marcos Vinicios Marques Professor Cidão. Professor Marcelo Neves Virtualização Marcos Vinicios Marques Professor Cidão Professor Marcelo Neves Virtualizar??? Executar várias instâncias de um sistema operacional, ou vários sistemas operacionais em instâncias distintas,

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2

CLOUD COMPUTING. Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2 CLOUD COMPUTING Gustavo Matos Rodrigues 1 Leandro Panatta Vissentini 1 Sandy Júnior Sagiorato 1 Victor Daniel Scandolara 1 Eva Lourdes Pires 2 Resumo: Este artigo tem como objetivo falar da computação

Leia mais

CA Server Automation. Visão geral. Benefícios. agility made possible

CA Server Automation. Visão geral. Benefícios. agility made possible FOLHA DE PRODUTOS: CA Server Automation agility made possible CA Server Automation O CA Server Automation é uma solução integrada de gerenciamento de data center que automatiza o provisionamento, a aplicação

Leia mais

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas

Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas Monitoramento de Rede de Nuvens Privadas White Paper Autores: Dirk Paessler, CEO da Paessler AG Dorte Winkler, Redatora Técnica na Paessler AG Primeira Publicação: Maio de 2011 Edição: Fevereiro de 2013

Leia mais

Symantec Backup Exec 2014 V-Ray Edition

Symantec Backup Exec 2014 V-Ray Edition Visão geral O Symantec Backup Exec 2014 V-Ray Edition destina-se a clientes que possuem sistemas total ou parcialmente virtualizados, ou seja, que moveram os servidores de arquivos, servidores de impressão,

Leia mais

ARMAZENAMENTO E COMPUTAÇÃO

ARMAZENAMENTO E COMPUTAÇÃO EMC SCALEIO SAN de servidor convergente definida por software PRINCÍPIOS BÁSICOS Apenas software Arquitetura convergida de camada única Capacidade de expansão linear Desempenho e capacidade sob demanda

Leia mais

Gerenciamento unificado de recuperação de dados

Gerenciamento unificado de recuperação de dados IBM Software Thought Leadership White Paper Gerenciamento unificado de recuperação de dados Reduzindo risco e custo mediante a simplificação da infraestrutura de recuperação de dados 2 Gerenciamento unificado

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO DO PARCEIRO Soluções de garantia do serviço da CA Technologies você está ajudando seus clientes a desenvolver soluções de gerenciamento da TI para garantir a qualidade do serviço e a

Leia mais

O melhor data center

O melhor data center Comparativo CAPA O melhor data center Comparamos os melhores data centers do Brasil em quatro categorias de ofertas. Leia e descubra qual é o mais adequado para a sua necessidade. por Pablo Hess A nuvem

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Leandro Brito 1, Linsmar Pinheiro 1, Roberto Carlos Santana 1, Thiago Vasconcelos 1, Vanessa Ferraz 1 1 Curso de Sistemas de Informação na Faculdade Integrada da

Leia mais