Indicadores Industriais do Espírito Santo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indicadores Industriais do Espírito Santo"

Transcrição

1 Ano 07 - Mai 2017 Indicadores Industriais do Espírito Santo Faturamento Real Horas Trabalhadas na Produção Emprego Massa Salarial Real Rendimento Médio Real Utilização da Capacidade Instalada

2 INDICADORES MOSTRAM AQUECIMENTO DA ATIVIDADE INDUSTRIAL EM MAIO Os indicadores industriais do Espírito Santo apresentaram crescimento em todas as variáveis em maio de 2017, em relação a abril. Contudo, na comparação com maio de 2016, no acumulado do ano e nos últimos 12 meses, ainda se observa retração na maioria dos indicadores. A alta do faturamento foi motivada pelo aumento da demanda interna e externa, principalmente. As horas trabalhadas na produção se elevaram em decorrência do aumento de pessoal e das horas extras. O acréscimo da massa salarial foi impulsionado pelo maior pagamento de férias, horas extras e aumento de pessoal. INDÚSTRIA GERAL ¹Deflator: IPA/ OG-FGV - ²Deflator: INPC-IBGE Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI Mai 17/ Abr 17 Mai 17/ Mai 16 Variação Percentual Acum 17/ Acum meses/ 12 meses Faturamento real 1 8,8 8,5 2,2-14,4 Horas Trabalhadas na Produção 9,6-4,0-8,3-12,0 Pessoal Empregado Total 0,9-7,3-8,1-7,9 Massa salarial Real 2 6,5-1,3-3,1-5,9 Rendimento Médio Real 2 5,5 6,4 5,5 2,2 Percentual médio INDÚSTRIA GERAL Mai/17 Abr/17 Mai/16 Utilização da capacidade instalada 76,3 75,0 77,4

3 1 8,8 % FATURAMENTO REAL mês/mês anterior FATURAMENTO REGISTROU AUMENTO EM TODAS AS BASES DE COMPARAÇÃO, EXCETO EM 12 MESES O faturamento real registrou um acréscimo de 8,8% na passagem de abril para maio de 2017, destacando-se os setores de biocombustíveis (álcool), impressão e reprodução, minerais não metálicos, metalurgia e borracha e plástico. Também houve aumento na comparação com maio de 2016 (8,5%) e no acumulado do ano (2,2%). Somente nos últimos 12 meses observou-se queda (-14,4%) Índice mensal do Faturamento Real (%) Faturamento Real Média Móvel Semestral mai/14 nov/14 mai/15 nov/15 mai/16 nov/16 mai/17 Deflator: IPA/ OG-FGV Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

4 1 Acumulado Principais Influências (p.p) 4,6 3,6 2,2 % do ano FATURAMENTO REAL 0,7 No acumulado de janeiro a maio, frente a igual período de 2016, o setor de metalurgia exerceu a maior influência positiva (4,6 pontos percentuais - p.p.) e também a maior variação positiva (21,4%). A indústria extrativa registrou a segunda maior influência positiva (3,6 p.p.) e variação (12,5%). O setor de biocombustíveis (álcool), por sua vez, registrou a maior queda (-50,1%). Metalurgia Alimentos Metalurgia 21,4 12,5 Alimentos Geral 4,0 2,2 Transformação Impressão e Reprodução Confecções Borracha e Material Plástico Químicos Celulose e Papel Móveis Minerais não metálicos Derivados de Petróleo e Biocombustíveis -1,9-8,2-10,3-12,6-13,0-13,5-20,2-23,3 Variação Positiva Deflator: IPA/ OG-FGV Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI Variação Negativa -50,1

5 2 mês/mês 9,6 % AUMENTO DAS HORAS TRABALHADAS EM MAIO NÃO FOI SUFICIENTE PARA REVERTER QUEDA NOS DEMAIS COMPARATIVOS anterior HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO As horas trabalhadas na produção aumentaram 9,6% em maio, frente a abril, com as maiores contribuições advindo dos setores de impressão e reprodução, móveis, confecções e alimentos. Em relação a igual mês de 2016, o indicador caiu 4,0%. Houve queda também no acumulado do ano (-8,3%) e em 12 meses (-12,0%) Índice mensal das Horas Trabalhadas na Produção (%) Horas Trabalhadas Média Móvel Semestral mai/14 nov/14 mai/15 nov/15 mai/16 nov/16 mai/17 Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

6 2-8,3 % acumulado do ano HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO No acumulado do ano, ante ao mesmo período de 2016, o setor de minerais não metálicos apresentou a maior influência negativa (-3,7 p.p.) e a segunda maior variação negativa (-19,7%). A segunda maior influência negativa pertenceu ao setor de alimentos (-2,7 p.p.) e sua variação foi a terceira mais negativa (-16,1%). O setor moveleiro foi responsável pela maior queda (-22,5%) e o setor de celulose e papel foi o único a crescer (4,2%). Principais Influências (p.p.) Minerais Não Metálicos Alimentos Metalurgia -0,4-3,7-2,7 Celulose e Papel 4,2 Químicos Impressão e Reprodução Confecções Metalurgia Derivados de Petróleo e Biocombustíveis Geral Transformação Borracha e Material Plástico Alimentos Minerais não metálicos Móveis -0,8-2,1-2,9-3,8-5,1 Variação Positiva Variação Negativa -7,8-8,3-12,0-12,4-16,1-19,7-22,5 Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

7 3 mês/mês 0,9 % EMPREGO REGISTRA LEVE ACRÉSCIMO NA VARIAÇÃO MENSAL, MAS RECUA NAS DEMAIS COMPARAÇÕES anterior EMPREGO O indicador de pessoal empregado registrou leve aumento em maio, diante de abril (0,9%), sobressaindo-se os setores de biocombustíveis (álcool) e alimentos. Frente ao mesmo mês de 2016, houve uma queda de 7,3%. No acumulado do ano e nos últimos 12 meses, os decréscimos foram de 8,1% e 7,9%, respectivamente Índice mensal do Emprego (%) Emprego Média Móvel Semestral mai/14 nov/14 mai/15 nov/15 mai/16 nov/16 mai/17 Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

8 3-8,1 % acumulado do ano EMPREGO No acumulado de janeiro a maio, em relação ao mesmo período de 2016, as maiores influências negativas couberam aos setores de minerais não metálicos (-2,8 p.p.) e indústria extrativa (-2,8 p.p.). Esses setores registraram, respectivamente, as seguintes variações negativas: 14,2% e 9,4%. A maior queda ocorreu no setor moveleiro (-21,3%). O setor de celulose e papel foi o único a crescer (2,2%). Principais Influências (p.p.) Minerais Não Metálicos Alimentos -0,9-2,8-2,8 Celulose e Papel 2,2 Metalurgia Químicos Borracha e Material Plástico Alimentos Impressão e Reprodução Confecções Transformação Geral Derivados de Petróleo e Biocombustíveis Minerais não metálicos Móveis -1,6-2,8-3,1-5,7-7,1-7,6-8,0-8,1-8,9-9,4-14,2 Variação Positiva Variação Negativa -21,3 Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

9 4 mês/mês 6,5 % MASSA SALARIAL AVANÇA NO MÊS E DECRESCE EM TODAS AS OUTRAS BASES DE COMPARAÇÃO anterior MASSA SALARIAL REAL A massa salarial real se elevou em maio, frente de abril (6,5%), destacando-se os setores de móveis, metalurgia e indústria extrativa. Maio de 2017, comparado a maio de 2016, mostrou queda de 1,3%. No acumulado do ano e nos últimos 12 meses, ocorreram decréscimos de 3,1% e 5,9%, respectivamente. 300 Índice mensal da Massa Salarial Real (%) Massa Salarial Média Móvel Semestral mai/14 nov/14 mai/15 nov/15 mai/16 nov/16 mai/17 Deflator: INPC-IBGE Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

10 4-3,1 % acumulado do ano MASSA SALARIAL REAL No acumulado de janeiro a maio de 2017, frente ao mesmo período de 2016, a indústria extrativa exerceu a principal influência negativa (-2,0 p.p.), seguida do setor de minerais não metálicos (-0,9 p.p.). As principais variações negativas ocorreram nos setores de móveis (-17,8%) e minerais não metálicos (-8,8%). Já as maiores altas se verificaram nos setores de celulose e papel (12,1%) e químicos (6,9%). Principais Influências (p.p.) Minerais Não Metálicos -0,9 Alimentos -0,4-2,0 Celulose e Papel 12,1 Químicos 6,9 Borracha e Material Plástico 1,7 Metalurgia Derivados de Petróleo e Transformação Biocombustíveis Geral Alimentos Impressão e Reprodução Confecções Minerais não metálicos Móveis Variação Positiva Deflator: INPC-IBGE Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI -0,2-0,8 Variação Negativa -2,4-3,1-3,7-5,5-5,7-7,4-8,8-17,8

11 5 mês/mês 5,5 % RENDIMENTO MÉDIO REAL AUMENTA EM MAIO E EM TODAS AS BASES DE COMPARAÇÃO anterior RENDIMENTO MÉDIO REAL O rendimento médio real registrou acréscimo em maio, relativamente a abril (5,5%), destacando-se os setores de biocombustíveis (álcool), móveis, metalurgia e indústria extrativa. Em maio de 2017, frente a maio de 2016, cresceu 6,4%. No acumulado do ano e em 12 meses, os aumentos foram de 5,5% e 2,2%, respectivamente. 250 Índice mensal do Rendimento Médio Real (%) Rendimento Médio Real Média Móvel Semestral mai/14 nov/14 mai/15 nov/15 mai/16 nov/16 mai/17 Deflator: INPC-IBGE Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

12 5 5,5 % Acumulado do ano RENDIMENTO MÉDIO REAL No acumulado de janeiro a maio de 2017, em relação a igual período de 2016, todos os setores da indústria do Espírito Santo registraram acréscimo no rendimento médio real. As maiores altas couberam aos setores químico (10,3%), biocombustíveis/álcool (10,1%), celulose e papel (9,7%) e impressão e reprodução (5,6%). Químicos Derivados de Celulose e Petróleo e Papel Biocombustíveis Minerais não metálicos Transformação Geral Borracha e Material Plástico Móveis Impressão e Reprodução Metalurgia Confecções Alimentos 10,3 10,1 9,7 6,3 6,3 5,6 5,5 4,7 4,5 1,5 1,4 0,7 0,2 Variação Positiva Variação Negativa Deflator: INPC-IBGE Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

13 6 1,3 p.p. UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA mês/mês anterior UCI CRESCE EM MAIO, PORÉM DECRESCE EM TODOS OS OUTROS PERÍODOS ANALISADOS A UCI atingiu 76,3% em maio, ficando a ociosidade em 23,7%. Em relação a abril, houve um aumento de 1,3 p.p., sobressaindo-se os setores de biocombustíveis (álcool), químicos e confecções. Em maio de 2017, frente a maio de 2016, decresceu 1,1 p.p.. Também ocorreram quedas no acumulado do ano (-1,7 p.p.) e em 12 meses (-2,5 p.p.) Índice mensal da Utilização da Capacidade Instalada (%) UCI Média Móvel Semestral mai/14 nov/14 mai/15 nov/15 mai/16 nov/16 mai/17 Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

14 6-1,7 p.p. acumulado do ano UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA No acumulado do ano, em relação ao mesmo período do ano anterior, os maiores decréscimos na utilização da capacidade instalada couberam aos setores de produtos alimentícios (-12,0 p.p.), móveis (-4,2 p.p.) e biocombustíveis/álcool (-3,0 p.p.). Em contrapartida, os maiores acréscimos ocorreram na indústria extrativa (2,0 p.p.) e de metalurgia (1,4 p.p.). Utilização da Capacidade Instalada Variação acumulada no ano (%) Metalurgia Minerais não metálicos Químicos Celulose e Papel Impressão e Reprodução Borracha e Material Plástico Confecções Geral Derivados de Transformação Petróleo e Biocombustíveis Móveis Alimentos 2,0 1,4 0,5 0,4 0,1-0,9-1,1-1,5-1,7-2,3-3,0-4,2 Variação Positiva Variação Negativa -12,0 Fonte: Ideies/Sistema Findes/CNI

15 PERÍODO DE COLETA DAS INFORMAÇÕES: 05 A 19 DE JUNHO DE PERFIL DA AMOSTRA: 92 empresas industriais capixabas de extração e transformação. INFORMAÇÕES METODOLÓGICAS: A pesquisa Indicadores Industriais tem o objetivo de monitorar a evolução mensal da atividade da indústria do Espírito Santo. A amostra é selecionada pela Confederação Nacional da - CNI e classificada de acordo com a Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE 2.0). A série histórica está disponível a partir de 2003, exceto das variáveis massa salarial real e rendimento médio real, com início em 2006, devido a mudanças metodológicas na coleta do indicador de massa salarial.

16 IDEIES - Instituto de Desenvolvimento Educacional e Industrial do Espírito Santo Av. Nossa Senhora da Penha, º andar - Santa Lúcia - Vitória/ES CEP: Tel.: (27) Telefax: (27)

Indicadores Industriais do Espírito Santo

Indicadores Industriais do Espírito Santo Ano 07 - Ago 2017 Indicadores Industriais do Espírito Santo 1 2 3 4 5 6 Faturamento Real Horas Trabalhadas na Produção Emprego Massa Salarial Real Rendimento Médio Real Utilização da Capacidade Instalada

Leia mais

-0,9% +1,9% -1,9% -0,5% +0,1% 78,7% -0,2 p.p. -2,1% Março de 2017

-0,9% +1,9% -1,9% -0,5% +0,1% 78,7% -0,2 p.p. -2,1% Março de 2017 Março de 2017-0,9% +1,9% -1,9% -0,5% +0,1% 78,7% -0,2 p.p. Atividade industrial caiu 2,5% no primeiro trimestre O IDI/RS caiu 0,9% em março ante fevereiro, com ajuste sazonal, devolvendo parte do aumento

Leia mais

-1,4% -3,0% +0,5% -0,3% -1,8% 78,6% -1,8% -4,5% Março de Atividade volta a cair em março

-1,4% -3,0% +0,5% -0,3% -1,8% 78,6% -1,8% -4,5% Março de Atividade volta a cair em março Março de 2016-1,4% -3,0% +0,5% -0,3% -1,8% 78,6% Atividade volta a cair em março O IDI/RS não sustentou a recuperação registrada em fevereiro (+1,2%) e recuou 1,4% em março na comparação com o mês anterior,

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL Março de 2015 + 3,0% + 10,3% - 0,3% -0,6 % +0,4% +1,0% +2,5% +6,2% 113 111 109 107 103 101 99 97 Atividade volta a crescer Com expressivos crescimentos do faturamento

Leia mais

Região Sul. Regional Abril 2015

Região Sul. Regional Abril 2015 Regional Abril 2015 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Sul engloba a Fiemg Regional Sul. Região Sul GLOSSÁRIO Setores que fazem parte

Leia mais

Região Centro-Oeste. Regional Fevereiro 2015

Região Centro-Oeste. Regional Fevereiro 2015 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Centro- Oeste engloba a Regional Fiemg Centro-Oeste. Região Centro-Oeste GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 31 número 10 novembro 2016 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Outubro de 2016 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

Região Norte. Regional Maio 2015

Região Norte. Regional Maio 2015 Regional Maio 2015 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Norte engloba a Fiemg Regional Norte, Vale do Jequitinhonha e Mucuri. Região Norte

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 2º Trimestre/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 2º Trimestre/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação 2º Trimestre/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção industrial

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 3º Trimestre/2016

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 3º Trimestre/2016 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação 3º Trimestre/2016 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção industrial

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Junho/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Abr17/Mar17 (%) dessaz. Abr17/Abr16 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até abril

Leia mais

Regional Junho 2015 Triângulo Mineiro

Regional Junho 2015 Triângulo Mineiro Triângulo Mineiro O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Triângulo engloba as Regionais Fiemg Pontal do Triângulo, Vale do Paranaíba e Vale

Leia mais

Triângulo Mineiro. Regional Setembro 2010

Triângulo Mineiro. Regional Setembro 2010 Triângulo Mineiro O mapa mostra a Divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Triângulo engloba as Regionais Fiemg Pontal do Triângulo, Vale do Paranaíba e Vale

Leia mais

Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento

Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 2 Número 4 outubro/dezembro de 2012 www.cni.org.br Participação de importados na economia brasileira segue em crescimento

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE. Regional Centro-Oeste Divinópolis ANÁLISE SETORIAL

INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE. Regional Centro-Oeste Divinópolis ANÁLISE SETORIAL #8 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Ago.2016 REGIÃO CENTRO-OESTE Regional Centro-Oeste Divinópolis INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS D A RE GIÃO LESTE FIEMG INDEX.

Leia mais

Região Norte. Regional Abril 2014

Região Norte. Regional Abril 2014 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Norte engloba a Fiemg Regional Norte, Vale do Jequitinhonha e Mucuri. Região Norte GLOSSÁRIO Setores

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 1º Trimestre/2017

Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação. 1º Trimestre/2017 Coeficientes de Exportação e Importação da Indústria de Transformação 1º Trimestre/2017 Os Coeficientes de Exportação e de Importação tem como objetivo analisar de forma integrada a produção industrial

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 31 número 06 julho 2016 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Junho de 2016 Vendas Industriais página 04 O resultado de

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Fevereiro/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Dez16/Nov16 (%) dessaz. Dez16/Dez15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

#12. dez.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO FATURAMENTO REAL UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA

#12. dez.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO FATURAMENTO REAL UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS #12 dez.2016 1 2 3 4 5 6 FATURAMENTO REAL HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO EMPREGO MASSA SALARIAL E RENDIMENTO MÉDIO REAL UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA ANÁLISE

Leia mais

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 EM FOCO O índice de preços das exportações encerrou o ano de 2013 com queda de 3,2% em relação ao ano anterior. A redução dos preços de exportação foi generalizada, afetando

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL AGOSTO DE 2011 Novo crescimento não altera o quadro desfavorável Agosto de 2011 www.fiergs.org.br Os resultados dos Indicadores Industriais do RS referentes ao

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Fevereiro de 2016

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Fevereiro de 2016 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Fevereiro de 2016 BRASIL Abril/2016 A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação apresentou uma queda de 1,6% em fevereiro

Leia mais

ano XVI, n 6, junho de 2012

ano XVI, n 6, junho de 2012 ,, junho de 2012 EM FOCO O índice de preços das exportações apresentou alta de 0,3% em maio na comparação com abril, causada pela evolução positiva em produtos básicos e manufaturados (0,4%). Contudo,

Leia mais

REGIÃO LESTE. Fev.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares

REGIÃO LESTE. Fev.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares #2 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Fev.2016 REGIÃO LESTE Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS

Leia mais

REGIÃO LESTE. Mar.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares

REGIÃO LESTE. Mar.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS. Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares #3 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS Mar.2016 REGIÃO LESTE Regional Vale do Aço - Ipatinga Regional Rio Doce Governador Valadares INDICADORES ANÁLISE SETORIAL TABELAS I N D I CADORES IN DUST RIAIS

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Janeiro de 2016

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Janeiro de 2016 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Janeiro de 2016 Março/2016 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação apresentou uma queda de 2,3% em Janeiro

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL ANO 06 SETEMBRO 2016

SONDAGEM INDUSTRIAL ANO 06 SETEMBRO 2016 SONDAGEM INDUSTRIAL ANO 06 SETEMBRO SONDAGEM INDUSTRIAL ANO 06 SETEMBRO METODOLOGIA A Sondagem Industrial é uma pesquisa de opinião realizada mensalmente pela Confederação Nacional da Indústria - CNI em

Leia mais

Apresentação. Queda da Produção Industrial em Junho. 1. Evolução do Número de Empregados

Apresentação. Queda da Produção Industrial em Junho. 1. Evolução do Número de Empregados Apresentação A Sondagem Industrial CNI abrange os 26 Estados brasileiros e o Distrito Federal e tem por objetivo identificar a tendência passada e futura da indústria brasileira. A pesquisa é realizada

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Abril de 2016

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Abril de 2016 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Abril de 2016 Junho/2016 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação apresentou queda de 0,1% em abril de 2016,

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL JANEIRO DE 2013 Janeiro de 2013 www.fiergs.org.br Indicadores industriais apontam crescimento da atividade A atividade industrial gaúcha medida pelo Índice de

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016 Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial Brasília, julho de 2016 Coeficientes de abertura comercial Estrutura 1. O que são os coeficientes de exportação e penetração de importações?

Leia mais

Produção industrial em queda

Produção industrial em queda SONDAGEM INDUSTRIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria ISSN 1676-0212 Ano 15 Número 6 junho de 2012 www.cni.org.br Produção industrial em queda A produção industrial mostra tendência de

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 31 número 12 janeiro 2017 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Dezembro de 2016 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 1 Número 2 outubro/dezembro de 2011 www.cni.org.br Indústria brasileira continua perdendo com a valorização cambial

Leia mais

abr.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS FATURAMENTO REAL HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA ANÁLISE SETORIAL

abr.2016 INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS FATURAMENTO REAL HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA ANÁLISE SETORIAL INDICADORES INDUSTRIAIS DE MINAS GERAIS #4 abr.2016 1 2 3 4 5 6 FATURAMENTO REAL HORAS TRABALHADAS NA PRODUÇÃO EMPREGO MASSA SALARIAL E RENDIMENTO MÉDIO REAL UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA ANÁLISE

Leia mais

Março de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Março de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional Março de 2013 Em março de 2013 a taxa anualizada da produção física da indústria de transformação da Bahia alcançou 2,9%, pouco acima da taxa registrada no mês

Leia mais

A PRODUÇÃO INDUSTRIAL CATARINENSE ABRIL/2016

A PRODUÇÃO INDUSTRIAL CATARINENSE ABRIL/2016 ABR/2016 A PRODUÇÃO INDUSTRIAL CATARINENSE ABRIL/2016 A indústria catarinense volta a registrar queda em sua produção industrial, -2,2% em relação ao mês de março de 2016. No ano, registra uma retração

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica de Goiás N.39/Jul.2013

Boletim de Conjuntura Econômica de Goiás N.39/Jul.2013 Segue abaixo uma breve explicação sobre os indicadores analisados neste Boletim. Produção Industrial Mensal Produção Física (PIM-PF) A dinâmica da atividade econômica de uma região pode ser aferida de

Leia mais

ano V, n 47, Março de 2015

ano V, n 47, Março de 2015 ,, Março de 2015 EM FOCO Em fevereiro, o Índice de rentabilidade das exportações totais registrou aumento de 2,6%, em relação a janeiro. O aumento da Rentabilidade exportadora no mês foi devido ao impacto

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Indicadores CNI COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Mercado externo fica mais importante para a indústria O mercado externo torna-se mais importante para a indústria brasileira, sobretudo para os setores

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Julho de 2015

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Julho de 2015 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Julho de 2015 Setembro/2015 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação cresceu 0,9% em julho de 2015, na comparação

Leia mais

ano V, n 46, Fevereiro de 2015

ano V, n 46, Fevereiro de 2015 ,, Fevereiro de 2015 EM FOCO O Índice de rentabilidade das exportações registrou queda de 10,1% em janeiro de 2015 na comparação com janeiro de 2014 (Tabela 1). A queda do Índice resultou da forte diminuição

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL. Estoques na indústria próximos do ajuste 47,1 50,6. ANÁLISE ECONÔMICA Retomada da atividade deverá ser lenta Pág.

SONDAGEM INDUSTRIAL. Estoques na indústria próximos do ajuste 47,1 50,6. ANÁLISE ECONÔMICA Retomada da atividade deverá ser lenta Pág. SONDAGEM INDUSTRIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria ISSN 1676-0212 Ano 15 Número 9 setembro de 2012 www.cni.org.br Estoques na indústria próximos do ajuste Em setembro, a indústria não

Leia mais

COMENTÁRIOS. O emprego industrial, que ficou praticamente estável nos últimos três. meses, recuou 0,6% em novembro frente a outubro, na série livre de

COMENTÁRIOS. O emprego industrial, que ficou praticamente estável nos últimos três. meses, recuou 0,6% em novembro frente a outubro, na série livre de COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO O emprego industrial, que ficou praticamente estável nos últimos três meses, recuou 0,6% em novembro frente a outubro, na série livre de influências sazonais. Esta

Leia mais

Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1. Agosto de 2016 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1. Agosto de 2016 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 Agosto de 2016 A produção física da Indústria de Transformação da Bahia apresentou queda de 5,3%, na comparação dos últimos 12 meses, terminados em agosto,

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Setembro de 2013 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Junho de 2017

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Junho de 2017 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Junho de 2017 Agosto/2017 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação apresentou uma alta de 1,1% em junho

Leia mais

Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1. Julho de 2017 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1. Julho de 2017 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 Julho de 2017 A produção física da Indústria de Transformação da Bahia apresentou queda de 7,5% no acumulado de 12 meses até maio de 2017, permanecendo na

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Junho de 2013 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Indicadores CNI DE ABERTURA COMERCIAL Com recuperação da demanda doméstica, o desafio é elevar a competitividade da indústria brasileira A reversão da tendência de depreciação do real e o início da recuperação

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Fevereiro de 2017

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Fevereiro de 2017 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Fevereiro de 2017 BRASIL Abril/2017 A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação apresentou uma alta de 0,1% em fevereiro

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Setembro de 2016

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Setembro de 2016 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Setembro de 2016 BRASIL Novembro/2016 A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação apresentou uma queda de 0,7% em

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL JANEIRO DE 2007

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL JANEIRO DE 2007 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NO DISTRITO FEDERAL JANEIRO DE 2007 Taxa de desemprego registra variação negativa, devido a saída de pessoas do mercado de trabalho. As informações captadas pela Pesquisa

Leia mais

Queda de produção mais intensa que o usual

Queda de produção mais intensa que o usual SONDAGEM INDUSTRIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria de produção mais intensa que o usual ISSN 1676-0212 Ano 15 Número 12 dezembro de 2012 www.cni.org.br A indústria registrou forte recuo

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS Maiores informações: /ASTEC Fone: (68) 3212-4246 Ano 14 - Nº 13 1. NOTA PRELIMINAR A pesquisa Indicadores Industriais da s do Estado consiste de um processo de coleta e análise sistemática de informações

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL ABRIL DE 2011 Abril de 2011 www.fiergs.org.br Atividade voltou a cair em abril Em abril, o IDI/RS apontou redução de 0,6% na variação mensal (dessazonalizado),

Leia mais

Atividade industrial registra queda em agosto

Atividade industrial registra queda em agosto AGOSTO / 2009 Atividade industrial registra queda em agosto Agosto de 2009 www.fiergs.org.br O Índice de Desempenho Industrial (IDI/RS) 1 referente ao mês de agosto demonstrou que a recuperação da atividade

Leia mais

Agosto de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Agosto de Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL Nota sobre os resultados da PIM-PF Regional 1 Agosto de 2014 Em agosto de 2014, a taxa anualizada da produção física da indústria de transformação da Bahia foi de -3,5%, abaixo da registrada em julho de

Leia mais

Sondagem Industrial do RN: Indústrias Extrativas e de Transformação

Sondagem Industrial do RN: Indústrias Extrativas e de Transformação Atividade industrial potiguar volta a crescer em maio RESUMO E COMENTÁRIOS A Sondagem das indústrias Extrativas e de do Rio Grande do Norte, elaborada pela FIERN, mostra que, em maio, o nível de produção

Leia mais

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria Fevereiro de 2017 Este relatório visa a fornecer informações econômicas sobre a Indústria de Transformação

Leia mais

Números de Empresas e Emprego Industrial

Números de Empresas e Emprego Industrial 1 1 Números de Empresas e Emprego Industrial DEPECON/FIESP 08/08/2005 2 2 A FIESP consultou o Cadastro de Estabelecimentos e Empresas referente à sua parte industrial (Min. do Trabalho e Emprego) resultando

Leia mais

Pesquisa da CNI ainda mostrou piora de indicadores do setor em abril

Pesquisa da CNI ainda mostrou piora de indicadores do setor em abril Boletim 992/2016 Ano VIII 03/06/2016 Pesquisa da CNI ainda mostrou piora de indicadores do setor em abril Por Lucas Marchesini O setor manufatureiro do país ficou mais ocioso em abril e registrou um faturamento

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica de Goiás N.1/mar. 2010

Boletim de Conjuntura Econômica de Goiás N.1/mar. 2010 Boletim de Conjuntura Econômica de Goiás N.1/mar. 2010 1 Na primeira edição do Boletim de Conjuntura Econômica de Goiás serão apresentadas análises de quatro índices que retratam a dinâmica da economia

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Fevereiro de 2015

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Fevereiro de 2015 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Fevereiro de 2015 Abril/2015 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação apresentou uma queda de 0,8% em Fevereiro

Leia mais

Vale do Aço. Fevereiro/2016

Vale do Aço. Fevereiro/2016 Fevereiro/2016 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Março de 2017

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Março de 2017 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Março de 2017 Maio/2017 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação apresentou uma queda de 1,0% em março de

Leia mais

Números de Empresas e Emprego Industrial

Números de Empresas e Emprego Industrial 1 1 Números de Empresas e Emprego Industrial DEPECON/FIESP 24/03/2006 2 2 A FIESP consultou o Relatório Anual de Informações Sociais referente à sua parte industrial (Rais - Min. do Trabalho e Emprego)

Leia mais

IGP-M registra variação de 0,33% em abril

IGP-M registra variação de 0,33% em abril Segundo Decêndio Março de 2014 IGP-M registra variação de 0,33% em abril O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,33%, em abril. Em março, o índice variou 0,51%. Em abril de 2015, a variação foi

Leia mais

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria

DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos. Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria DEPECON Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Cenário Econômico e Desempenho Mensal da Indústria Março de 2017 Este relatório visa a fornecer informações econômicas sobre a Indústria de Transformação

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA ECONÔMICA FLUMINENSE. Mês de referência: Abril de 2011

BOLETIM DE CONJUNTURA ECONÔMICA FLUMINENSE. Mês de referência: Abril de 2011 Ano III - número 04 BOLETIM DE CONJUNTURA ECONÔMICA FLUMINENSE Mês de referência: Abril de 2011 Tel.: 2334 7320. Junho de 2011 Apresentação Este Boletim de Conjuntura Econômica Fluminense, elaborado pelo

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL DEZEMBRO DE 2013 Dezembro de 2013 www.fiergs.org.br Atividade industrial cresceu 4,5% em 2013, mas tendência é pouco animadora A atividade industrial gaúcha, segundo

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS 1. NOTA PRELIMINAR A pesquisa Indicadores Industriais da s do Estado consiste de um processo de coleta e análise sistemática de informações industriais, cujo objetivo básico é promover a geração de índices

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Agosto de 2014 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

Custo do Trabalho na Indústria de Transformação

Custo do Trabalho na Indústria de Transformação Esta publicação contempla os seguintes temas: Abril/2016 Custo do Trabalho na Indústria de Transformação O país passa por uma das mais longas recessões da sua história. O quadro econômico atual combina

Leia mais

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL

COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL exportações líquidas da indústria de transformação cai para -1% O coeficiente de exportação da indústria geral se mantém estável em 20. Já os coeficientes de penetração

Leia mais

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Janeiro de 2017

Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Janeiro de 2017 Produtividade Física do Trabalho na Indústria de Transformação em Janeiro de 2017 Março/2017 BRASIL A produtividade física do trabalho da Indústria de Transformação apresentou uma alta de 0,5% em janeiro

Leia mais

Índice de Preços ao Produtor varia 0,31% em agosto 27/09/2017

Índice de Preços ao Produtor varia 0,31% em agosto 27/09/2017 Índice de Preços ao Produtor varia 0,31% em agosto 27/09/2017 Editoria: Estatísticas Econômicas Produto: Índice de Preços ao Produtor - Indústrias Extrativas e de Transformação Em agosto de 2017, o Índice

Leia mais

Índices de Obras Públicas IPOP

Índices de Obras Públicas IPOP Índices de Obras Públicas IPOP Setor de Obras Públicas com Deflação em São Paulo Denise Cyrillo (*) Maio é o mês de dissídio da grande maioria das categorias de mão de obra empregadas na Construção Civil.

Leia mais

Outubro de 2013 IGP-M registra variação de 0,86% em outubro Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) IGP-M IGP-M

Outubro de 2013 IGP-M registra variação de 0,86% em outubro Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) IGP-M IGP-M IGP-M registra variação de 0,86% em outubro O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,86%, em outubro. Em setembro, o índice variou 1,50%. Em outubro de 2012, a variação foi de 0,02%. A variação

Leia mais

Produção Industrial Maio de 2014

Produção Industrial Maio de 2014 Produção Industrial Maio de 214 PRODUÇÃO INDU S TRI AL DE SANTA C AT AR INA EM M AIO/14 A produção industrial de Santa Catarina ficou estável em maio (,%), em relação ao mesmo mês do ano anterior. Resultado

Leia mais

Monitor do PIB-FGV Indicador mensal de julho de Número setembro.2017

Monitor do PIB-FGV Indicador mensal de julho de Número setembro.2017 Indicador mensal de julho de 2017 Número 22 18.setembro.2017 O Monitor do PIB-FGV, aponta que, na série dessazonalizada, o PIB apresenta em julho crescimento de 0,1% quando comparado a junho; e, no trimestre

Leia mais

Nos últimos 12 meses, a retração da indústria de SC foi de 7,9% e a brasileira de 9%.

Nos últimos 12 meses, a retração da indústria de SC foi de 7,9% e a brasileira de 9%. ABRIL/2016 Sumário Executivo Produção Industrial - Fevereiro 2016 Variação percentual mensal (Base: mês anterior): A indústria catarinense diminuiu a produção em 3,3%, ante uma contração da indústria nacional

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Junho de 2011 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Rio Grande Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais

Leia mais

Na média de 2015, a economia brasileira fechou mais de 525,3 mil postos de trabalho em relação aos dez primeiros meses de O setor de serviços,

Na média de 2015, a economia brasileira fechou mais de 525,3 mil postos de trabalho em relação aos dez primeiros meses de O setor de serviços, Novembro de 2015 1 Na média de 2015, a economia brasileira fechou mais de 525,3 mil postos de trabalho em relação aos dez primeiros meses de 2014. O setor de serviços, contudo, continuou abrindo vagas.

Leia mais

Receita nominal. Setembro/Agosto 0,5 0,1 1,5 1,2 Média móvel trimestral 1,0 0,1 1,1 0,5 Setembro 2015 / Setembro 2014

Receita nominal. Setembro/Agosto 0,5 0,1 1,5 1,2 Média móvel trimestral 1,0 0,1 1,1 0,5 Setembro 2015 / Setembro 2014 Vendas no varejo variam 0,5% em setembro Período Volume de vendas Varejo Receita nominal Varejo Ampliado Volume de vendas Receita nominal Setembro/Agosto 0,5 0,1 1,5 1,2 Média móvel trimestral 1,0 0,1

Leia mais

IGP-M registra variação de 0,51% em março

IGP-M registra variação de 0,51% em março Segundo Decêndio Março de 2014 IGP-M registra variação de 0,51% em março O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,51%, em março. Em fevereiro, o índice variou 1,29%. Em março de 2015, a variação

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Divulgação dos Resultados da Indústria Geral e Setorial 1º Trimestre de 2011 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Maio de 2011 Objetivos Calcular

Leia mais

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ ASSESSORIA ECONÔMICA Dados divulgados entre os dias 24 de julho e 28 de julho Crédito O estoque total de crédito do sistema financeiro nacional (incluindo recursos livres e direcionados) registrou variação

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Além da forte queda da indústria (-18,5%), ressalta-se o fato de que somente

Leia mais

ICEICON-MG. Sondagem da Indústria da Construção de Minas Gerais ÍNDICE DE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE MINAS GERAIS SONDAGEM

ICEICON-MG. Sondagem da Indústria da Construção de Minas Gerais ÍNDICE DE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE MINAS GERAIS SONDAGEM ÍNDICE DE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE MINAS GERAIS Sondagem da Indústria da Construção de Minas Gerais 1 2 3 4 5 ICEICON - MG SONDAGEM SONDAGEM SONDAGEM SONDAGEM ATIVIDADE EXPECTATIVAS

Leia mais

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões São Paulo, 18 de janeiro de 2016 NOVEMBRO DE 2015 Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões No acumulado até novembro, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram

Leia mais

Indústria registra queda de 1,5% em julho, acumulando recuo de 5,4% nos últimos 12 meses. % contra mês anterior (c/ ajuste sazonal) Acum.

Indústria registra queda de 1,5% em julho, acumulando recuo de 5,4% nos últimos 12 meses. % contra mês anterior (c/ ajuste sazonal) Acum. Indústria 1 Indústria registra queda de 1,5% em julho, acumulando recuo de 5,4% nos últimos 12 meses De acordo com a Pesquisa Mensal da Indústria, a produção industrial recuou 1,5% na passagem de junho

Leia mais

PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO

PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO PAINEL DO MERCADO DE TRABALHO JANEIRO DE 212 - CAGED Emprego Formal na Economia Emprego no mês de Janeiro 213 - Ocorreu um saldo positivo de 28.9 postos de emprego e no comparativo dos meses de janeiro,

Leia mais

RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1

RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1 RESULTADOS DAS PESQUISAS PIM-PF E PMC DO IBGE 1 Produção Industrial Mensal Produção Física: Março de 2012 Os indicadores da Pesquisa Industrial Mensal Produção Física PIM-PF, referentes ao mês de março

Leia mais

ano IV, n 40 agosto de 2014

ano IV, n 40 agosto de 2014 ano IV, n 40 agosto de 2014 SÍNTESE JULHO DE 2014 Em US$ milhões Período Exportações Importações Saldo Julho 23.024 21.450 1.574 Variação em relação a julho de 2013 10,7% - 5,5 % 3.473 Acumulado no ano

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Fevereiro de 2016 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais