UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SOLUÇÃO DE NAVEGAÇÃO EM WEBSITES PARA DEFICIENTES VISUAIS Área de Sistemas de Informação por Rodrigo Della Pasqua Paulo Roberto Riccioni Gonçalves, M. Sc. Orientador Itajaí (SC), Junho de 2007.

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SOLUÇÃO DE NAVEGAÇÃO EM WEBSITES PARA DEFICIENTES VISUAIS Área de Sistemas de Informação por Rodrigo Della Pasqua Relatório apresentado à Banca Examinadora do Trabalho de Conclusão do Curso de Ciência da Computação para análise e aprovação. Orientador: Paulo Roberto Riccioni Gonçalves, M. Sc. Itajaí (SC), Junho de ii

3 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS... v LISTA DE FIGURAS... vi LISTA DE TABELAS...vii RESUMO...viii ABSTRACT... ix 1 INTRODUÇÃO PROBLEMATIZAÇÃO Formulação do Problema Solução Proposta OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos METODOLOGIA ESTRUTURA DO TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA INCLUSÃO DIGITAL DEFICIÊNCIA VISUAL TECNOLOGIAS ASSISTIVAS Soluções Atuais para Deficientes Visuais Comparativo ACESSIBILIDADE Instituições que Promovem Acessibilidade na Web Recomendações W3C para Acessibilidade na Web USABILIDADE A LINGUAGEM JAVA Java Applet DESENVOLVIMENTO MODELO DE AMBIENTE PROPOSTO - NAVEGAÇÃO WEB PARA DEFICIENTES VISUAIS CONVERSÃO DE TEXTO EM ÁUDIO PRÉ-REQUISITOS MODELAGEM Caso de Uso Requisitos Funcionais e Não Funcionais Outros Diagramas DIFICULDADES ENCONTRADAS PERSPECTIVAS FUTURAS CONCLUSÕES iii

4 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS A MODELAGEM...46 A.1 CASO DE USO...46 A.2 DIAGRAMA DE ROBUSTEZ...49 A.3 DIAGRAMA DE CLASSES...50 A.4 DIAGRAMA DE SEQUÊNCIA...51 iv

5 LISTA DE ABREVIATURAS ADA American with Disabilities Act ASCII American Standard Code for Information Interchange CANTIC Centro de Acessibilidade às Novas Tecnologias de Informação e Comunicação para pessoas com deficiência CD-ROM Compact Disk - Read Only Memory CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil CIC Centros de Informação e Convivência GUIA Grupo Português pelas Iniciativas em Acessibilidade HTML Hypertext Markup Language HTTP HyperText Transfer Protocol IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBM International Business Machine ICIDH International Classification of Impairments, Disabilities and Handicaps INRIA Institut National de Recherche en Informatique et Automatique ISO International Standards Organization J2SDK Java 2 Software Development Kit JRE Java Runtime Environment JVM Java Virtual Machine LCS Laboratory for Computer Science MB Megabyte MHz Megahertz MIT Massachusetts Institute of Technology MP3 Moving Picture Experts Group 1 (MPEG) Audio Layer 3 NCAM National Center for Accessible Media OMS Organização Mundial da Saúde ONU Organização das Nações Unidas PC Personal Computer PDF Portable Document Format RAM Random Access Memory SIDAR Seminario Iberoamericano sobre Discapacidad y Accesibilidad en la Red TCC Trabalho de Conclusão de Curso UNIVALI Universidade do Vale do Itajaí USB Universal Serial Bus UTAD Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro W3C World Wide Web Consortium WAI Web Accessibility Initiative v

6 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Desafios para Inclusão Digital...14 Figura 2. Símbolo da Acessibilidade na Web...25 Figura 1. Caso de uso Digitar opção do menu...38 vi

7 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Tabela comparativa entre soluções para navegação na Internet...25 vii

8 RESUMO DELLA PASQUA, Rodrigo. Solução de Navegação em Websites para Deficientes Visuais. Itajaí, Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência da Computação) Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, Segundo o SERPRO (2006), o uso da Internet está, cada vez mais, em todas as áreas da sociedade, tornando-a um importante recurso para educação, governo, entretenimento, comunicação e comércio. Em média, 10% da população mundial são de pessoas com deficiências e segundo os dados estatísticos do censo 2000 do IBGE, o Brasil possui 24,6 milhões de pessoas com deficiência, sendo 16,6 milhões com algum grau de deficiência visual. O benefício do uso da Internet, como a possibilidade da troca de informações de maneira rápida e eficiente, deve estar disponível também para estes cidadãos, pois os deficientes visuais atualmente têm grandes dificuldades para navegação em websites que, em sua grande maioria, são criados para pessoas sem restrições. Existem atualmente algumas soluções para navegação web, mas estas acabam encontrando grandes empecilhos para fazer a leitura dos websites, tornando a navegação e a conseqüente aquisição de conhecimento muitas vezes impossível para um deficiente visual. Portanto, este trabalho apresenta o desenvolvimento de uma ferramenta para promover a inclusão digital dos deficientes visuais através da elaboração de uma solução que transforme o acesso às informações da Internet um hábito normal e fácil de ser executado. Esta solução se baseia em uma ferramenta desenvolvida na linguagem Java com a capacidade de transformar todo conteúdo texto de um website em áudio, possibilitando assim, que um deficiente visual consiga o acesso ao conteúdo de uma forma fácil e acessível. Desta forma, o trabalho pretende oferecer uma nova vertente para aquisição de conhecimento pelos deficientes visuais, além de uma mudança em seus hábitos e sua vida, com uma nova ferramenta que o trata como uma pessoa comum. Palavras-chave: Deficientes Visuais. Tecnologias Assistivas. Navegação Web. viii

9 ABSTRACT According to SERPRO (2006), the use of the Internet is, each time more, in all the areas of the society, becoming it an important resource for education, government, entertainment, communication and commerce. In average, 10% of the world-wide population are of people with deficiencies and according to statistical data of census 2000 of the IBGE, Brazil possess 24,6 million people with deficiency, being 16,6 million with some degree of visual deficiency. The benefit of the use of the Internet, as the possibility of the exchange of information in fast and efficient way, must be available also for these citizens, therefore people who have visual deficiency currently have great difficulties for navigation in websites that, in its great majority, are created for people without restrictions. Some solutions for navigation exist currently web, but these finish finding great dificulty to make the reading of the websites, becoming the navigation and the consequent acquisition of knowledge many times impossible for a people who have visual deficiency. Therefore, this work presents the development of a tool to promote the digital inclusion of the people who have visual deficiency through the elaboration of a solution that transforms the access to the information of the Internet a normal and easy habit of being executed. This solution if bases on a tool developed in the Java language with the capacity to transform all content text of a website into audio, thus making possible, that a people who have visual deficiency obtains the access to the content of an easy and accessible form. Of this form, the work intends to offer a new source for acquisition of knowledge for the people who have visual deficiency, beyond a change in its habits and its life, with a new tool that treats it as a common person. Keywords: Visual Disability. Technology of Support. Navigation web. ix

10 1 INTRODUÇÃO O projeto baseia-se no desenvolvimento de uma solução inovadora e de fácil acesso, para que pessoas com necessidades especiais possam navegar em websites. O foco é uma solução para pessoas com deficiência visual capaz de prover o acesso às informações da Internet de uma forma fácil e rápida. Atualmente existem diversas soluções disponíveis no mercado e de forma gratuita para deficientes visuais, mas infelizmente ainda são softwares complicados no quesito navegação web, e muitas vezes é necessária a participação em cursos por parte do deficiente para aprender a utilizar o sistema. O objetivo é apresentar um website audível, na qual sua navegação é somente por meio do teclado numérico e, além disso, sua forma visual é apresentada normalmente aos usuários, tornando possível a navegação de deficientes ou não, ou ainda a utilização de instrutores para pessoas com maiores dificuldades. O projeto trata o deficiente visual como uma pessoa sem restrições, que poderá ir a qualquer Cyber Café e navegar normalmente, consultando notícias e novidades do mundo automotivo, por exemplo. Tudo isso sem a necessidade de softwares especiais para leitura de tela, cursos, manuais ou qualquer estrutura especial para a navegação. O projeto envolve uma pesquisa social em fundações de educação especial, técnicas atuais para navegação em websites, pesquisa na área de pedagogia, fonoaudiologia, tudo em busca da melhor forma possível para tornar o conteúdo da Internet acessível também a pessoas com necessidades especiais. 1.1 PROBLEMATIZAÇÃO Formulação do Problema Deficientes visuais atualmente têm grandes dificuldades para navegação em websites, pois estes, em sua grande maioria, são criados para pessoas sem restrições. Existem atualmente algumas soluções para navegação web, mas estas acabam encontrando grandes empecilhos para fazer a leitura dos websites, tornando a navegação e a conseqüente aquisição de conhecimento muitas vezes impossível para um deficiente visual. 10

11 Os deficientes visuais precisam de softwares especiais, cursos, manuais e vários outros recursos, muitas vezes somente para aprender a navegar em websites. Estas dificuldades acabam afastando estas pessoas da informação e resultam, de certa forma, em uma exclusão digital Solução Proposta Este trabalho se limita ao desenvolvimento de uma proposta de navegação em um portal de notícias, sendo este dividido por canais ou categorias que identificam seus temas. Inicialmente, uma aplicação em linguagem Java é carregada para informar via áudio as instruções de navegação e os canais disponíveis. Posteriormente, após a navegação neste menu, as notícias selecionadas pelo usuário serão informadas também via áudio. A tecnologia envolvida no contexto do projeto é a Tecnologia Java, mais especificamente Java Applet. 1.2 OBJETIVOS Objetivo geral Este trabalho tem como objetivo propor uma solução de navegação na web para deficientes visuais através de uma ferramenta para navegação auditiva Objetivos específicos Conhecer as tecnologias e metodologias para passagem de conhecimento aos portadores de deficiência visual; Elaborar uma proposta de implementação que auxilie deficientes visuais na navegação em websites; Facilitar aos deficientes visuais o acesso à informação disponível na Internet, sem a necessidade de recursos extras, como cursos, softwares leitores de telas ou qualquer estrutura especial; Implementar o trabalho proposto com uso de tecnologia WEB; 11

12 Elaborar uma estrutura que indique as opções de navegação por meio de áudio e capture as escolhas do usuário através do teclado numérico; e Disponibilizar aos deficientes visuais uma nova forma de inclusão digital, oferecendo os mesmos, outra opção para adquirir conhecimento. 1.3 METODOLOGIA Primeiramente foi desenvolvida uma pesquisa a respeito das soluções para deficientes visuais mais populares para navegação em websites, com análise de características ergonômicas, análise de custos, pontos positivos e negativos de cada solução. Em uma segunda etapa, foi desenvolvida uma pesquisa em fundações de educação especial e instituições relacionadas em busca de opiniões, sugestões e críticas para conseguir chegar à solução mais adequada para os problemas de navegação na Internet dos deficientes visuais. Quando a melhor solução estava definida, esta foi modelada computacionalmente e totalmente documentada para iniciar a fase de desenvolvimento. O desenvolvimento foi efetuado utilizando a tecnologia Java e esta fase foi concluída após diversos testes e validação da ferramenta. 1.4 ESTRUTURA DO TRABALHO Este documento está estruturado em cinco capítulos. O Capítulo 1, Introdução, apresentou uma visão geral do trabalho, seus objetivos e os motivos da pesquisa. No Capítulo 2, Fundamentação Teórica, é apresentado o conceito e uma análise da Inclusão Digital, assim como da Deficiência Visual no Brasil. Neste capítulo, também é feita uma descrição das Tecnologias Assistivas atuais disponíveis para os Deficientes Visuais, além de conceituar os termos Acessibilidade, Usabilidade e a tecnologia utilizada no trabalho - Java. O Capítulo 3, Desenvolvimento, apresenta o projeto detalhado do sistema desenvolvido, incluindo sua especificação e a sua modelagem em UML. O capítulo também discute sobre a implementação do sistema proposto, com a apresentação da metodologia utilizada no desenvolvimento, seus pré-requisitos e exemplo de funcionamento. Concluindo, no Capítulo 4, apresentam-se as considerações finais, onde são abordados os resultados esperados do trabalho. 12

13 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 INCLUSÃO DIGITAL O acesso à tecnologia da Informação é possível somente para um grupo seleto da sociedade, que obtém informações via Internet. Esta, como meio de comunicação, assume no mundo um papel essencial no desenvolvimento da sociedade. Neste contexto, constata-se que a inclusão digital é uma demanda atualmente, pois se vive na era da informação e mesmo com os questionamentos sobre as mudanças causadas na sociedade pela utilização de tecnologias da informação e comunicação, é notável o impacto que estas tecnologias causam de forma significativa nas relações sociais, econômicas, políticas e culturais. (SILVEIRA, 2001) De acordo com SILVINO (2004), a Internet permite um novo padrão de comunicação, uma sociedade em rede, com oferta de produtos, serviços, informação e conhecimento em diferentes níveis. É a possibilidade de uma comunicação globalizada, em que a ausência se torna outra forma de segregação social. Esta tecnologia causa implicitamente a exclusão digital dentro da sociedade, ou seja, desigualdades tecnológicas, falta de acesso à informação, pouca infra-estrutura solidária para utilização das tecnologias da informação e comunicação, e não só de pessoas portadoras de deficiência, mas também de uma grande parte da sociedade que não dispõe de condições para reverter esta situação. MIRANDA (2002) acredita que a inclusão digital provê a diminuição da exclusão sócioeconômica, portanto, a inclusão digital implica na inclusão social. Para que isto se torne realidade e para que o direito de acesso ao mundo digital seja garantido para toda população, várias ações referentes à inclusão digital estão sendo tomadas e, algumas delas, são integradas em esferas Federais, Estaduais e Municipais. A respeito da inclusão digital, SILVEIRA (2001) faz a seguinte colocação: A Internet permite aumentar o armazenamento, o processamento e a análise de informações, realizar bilhões de relações entre milhares de dados por segundo... A revolução tecnológica amplia exponencialmente as diferenças na capacidade de tratar informações e transformá-las em conhecimento. Por isso, essa revolução, não apenas pode consolidar desigualdades sociais, como também elevá-las, pois aprofunda o distanciamento cognitivo entre aqueles que já convivem com ela e os que dela estão apartados 13

14 De acordo com o CGI.br - Comitê Gestor da Internet no Brasil, o acesso e utilização do computador e da Internet no Brasil depende principalmente do nível sócio-econômico das pessoas, renda familiar e região onde vivem. A utilização de computador e Internet se concentram nos indivíduos de famílias mais ricas e que moram em regiões mais ricas. Além disso, pessoas mais jovens utilizam mais o computador e Internet em relação às pessoas mais idosas. As pesquisas realizadas pelo CGI.br (2006) constatam que: Quanto ao uso do Computador: 55% da população brasileira nunca utilizou um computador; 16,6% da população brasileira possui um computador em casa; 30% da população brasileira utilizou um computador nos últimos três meses; 13,8% da população brasileira usa computador diariamente. Quanto ao uso da Internet: 68% da população brasileira nunca utilizou a Internet; 24% da população brasileira utilizou nos últimos três meses; 9,6% da população brasileira usa a Internet diariamente; 41% da população brasileira utiliza a Internet para atividades educacionais; 32% da população brasileira utiliza a Internet para fins pessoais; 26% da população brasileira utiliza a Internet para trabalho. Segundo SILVINO (2004), a Figura 1 mostra as ações mais freqüentes para o favorecimento da inclusão digital: 14

15 Figura 2. Desafios para Inclusão Digital Fonte: SILVINO e ABRAHÃO (2003) Para promover a inclusão digital, deve-se inicialmente favorecer o acesso às tecnologias de informação e comunicação, com o objetivo de, conseqüentemente, reduzir o analfabetismo digital da sociedade. Além disso, deve-se prover interfaces com boa acessibilidade e usabilidade para garantir um correto aprendizado e fácil acesso aos objetivos do usuário. Com estas ações cumpridas, a sociedade em geral estará mais próxima da inclusão digital e conseqüente inclusão social. A inclusão digital, de acordo com MIRANDA (2002), não deve tratar somente da disponibilidade de recursos de tecnologia de informação e comunicação, mas também da eliminação de barreiras arquitetônicas, de comunicação e de acesso físico para pessoas com determinadas deficiências. Assim, será possível promover a equiparação de oportunidades de acesso ao mercado de trabalho através de adequação de recursos físicos, tecnológicos e humanos. 2.2 DEFICIÊNCIA VISUAL Temos presente na sociedade diversos tipos de deficiência, e estas foram classificadas pela Organização Mundial da Saúde através do documento ICIDH - International classification of impairments, disabilities, and handicaps. Este documento possui uma proposta de classificação da conceituação de deficiência e, com objetividade e uma hierarquia de intensidade, estabelece uma escala de deficiências de acordo com o nível de dependência e limitação. Seguem abaixo as classificações de acordo com AMIRALIAN (2000): 15

16 Deficiência (Impairment): perda ou anormalidade de estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica, temporária ou permanente. Podemos citar como exemplos a ocorrência de uma anomalia, defeito ou perda de um membro, órgão, tecido ou qualquer outra estrutura do corpo, inclusive das funções mentais. Representa a exteriorização de um estado patológico, refletindo um distúrbio orgânico, uma perturbação no órgão. Incapacidade (Disability): restrição, resultante de uma deficiência, da habilidade para desempenhar uma atividade considerada natural para o ser humano. Surge como conseqüência direta ou é resposta do indivíduo a uma deficiência psicológica, física, sensorial ou outra. Representa a objetivação da deficiência e reflete os distúrbios da própria pessoa nas atividades e comportamentos essenciais à vida diária. Desvantagem (Handicap): prejuízo para o indivíduo, resultante de uma deficiência ou uma incapacidade, que limita ou impede o desempenho de papéis de acordo com a idade, sexo, fatores sociais e culturais Caracteriza-se por uma discordância entre a capacidade individual de realização e as expectativas do indivíduo ou do seu grupo social. Representa a socialização da deficiência e relaciona-se às dificuldades nas habilidades de sobrevivência. Em relação ao conceito de deficiência visual, este é muito abrangente, e conforme MIRANDA (2002), inclui desde a chamada visão em tubo - redução do campo visual e de visão periférica, quando toma as bordas da visão, até a falta de acuidade - conceito utilizado para qualificar a precisão, capacidade ou nitidez da visão. Também pode-se considerar como deficiência visual a dificuldade para distinguir cores, a sensibilidade excessiva à luz ou cegueira noturna. Segundo MASINI (1994), educacionalmente os deficientes visuais são divididos em dois grupos: cegos e portadores de visão subnormal. Tradicionalmente a classificação tem sido feita a partir da acuidade visual, sendo cego àquele que dispõe de 20/200 de visão no melhor olho, após correção; e portador de visão subnormal aquele que dispõe de 20/70 de visão nas mesmas condições. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente 1% da população mundial apresenta algum grau de deficiência visual e mais de 90% dos portadores de deficiência encontram-se nos países em desenvolvimento. Segundo dados do IBGE, o Censo 2000 mostra que aproximadamente 24,6 milhões de pessoas, ou seja, 14,5% da população total do Brasil, apresentam algum tipo de incapacidade 16

17 ou deficiência. Entre estas pessoas, são 16,6 milhões com algum grau de deficiência visual, sendo que 150 mil pessoas já se declararam cegos. Estima-se que no Brasil aproximadamente deficientes visuais têm acesso ao computador e a Internet. Entre estes, existem pessoas em cursos superiores, ou que já completaram sua formação superior e, devido às dificuldades de acesso à tecnologia, estes se vêem, muitas vezes privados de meios para continuarem seus estudos ou exercerem sua profissão. (MIRANDA, 2002) Vários fatores dificultam ou comprometem a aquisição de conhecimento pelos deficientes visuais. A falta de material ampliado ou em relevo, livros transcritos para o Braille, livros sonoros e a insuficiência e precariedade de serviços especializados continuam aumentando a exclusão digital e social destas pessoas. Os sistemas web atualmente precisam ser mais acessíveis, para que indivíduos com necessidades especiais, em diferentes ambientes e situações, através de diferentes equipamentos e navegadores, consigam acessar informações. (GODINHO, 2001) Em relação à história dos deficientes visuais no Brasil, pode-se observar que as primeiras iniciativas que aconteceram em relação à educação dos mesmos ocorreram em 12 de setembro de 1854, quando o Imperador Pedro II baixou o decreto Imperial n 1428, fundando o Imperial Instituto de Meninos Cegos. Este instituto foi o marco inicial da educação de deficientes visuais no Brasil e América Latina. (MASINI, 1994) O instituto recebeu o nome de Benjamin Constant após o início da República no Brasil, e foi a única instituição responsável pela educação dos deficientes visuais no Brasil até 1926, quando foi inaugurado o Instituto São Rafael, em Belo Horizonte, no estado de Minas Gerais. (MASINI, 1994) De acordo com muitos pesquisadores e educadores cerca de 85% do aprendizado é feito de forma visual. Portanto, como uma pessoa cega está privada deste tipo de recurso, Telford e Sawrey (1974) citam que a adaptação para sua educação exige transferência de visão para os sentidos auditivo, tátil, sinestésico, como vias de instrução, aprendizagem, orientação. 2.3 TECNOLOGIAS ASSISTIVAS Tecnologias Assistivas são tecnologias de apoio com o intuito de quebrar barreiras, prover recursos e serviços para proporcionar ou ampliar as habilidades de pessoas com deficiência. 17

18 São diversos recursos disponíveis atualmente que abrangem e auxiliam os mais diversos tipos de deficiências, como cadeiras de rodas, telefones especiais, softwares etc. Formalmente, as tecnologias assistivas são definidas como dispositivos que correspondem a qualquer item, peça de equipamento ou sistema de produtos, adquirido comercialmente ou desenvolvido artesanalmente, produzido em série, modificado ou feito sob medida, que é usado para aumentar, manter ou melhorar habilidades de pessoas com limitações funcionais, sejam físicas ou sensoriais. (DATI, 2002) De acordo com o ADA 1 - American with Disabilities Act, que consiste em um conjunto de leis regulamentadoras dos direitos dos cidadãos deficientes dos Estados Unidos, a tecnologia assistiva se compõe de recursos e serviços, sendo ambos detalhados a seguir: Recursos: Podem variar entre softwares especiais, hardwares, roupas, bengalas, equipamentos de comunicação, para escuta ou auxílios visuais, ou seja, todo e qualquer item, equipamento ou parte dele, produto ou sistema fabricado em série ou sob-medida utilizado para aumentar, manter ou melhorar as capacidades funcionais das pessoas com deficiência. Serviços: São prestados aos deficientes por meio de profissionais, como por exemplo, treinamentos, avaliações, experiências, ou seja, aqueles que auxiliam diretamente uma pessoa com deficiência a selecionar, comprar ou usar recursos. Com a utilização de tecnologias assistivas, os deficientes visuais conseguem usufruir do computador, fazer o acesso a páginas e navegar na Internet. Portanto, por meio delas, algumas barreiras podem ser quebradas com a utilização de softwares leitores de tela, navegadores textuais ou navegadores com voz, em vez de utilizar um navegador comum com interface gráfica. A seguir são citadas as principais tecnologias assistivas que auxiliam os deficientes visuais na utilização do computador: Leitor de Tela: é um software que interpreta o texto que está sendo visualizado na tela do computador, além de transformar em voz tudo o que é digitado os caracteres digitados são soletrados pelo computador. A saída desta informação é feita através de um sintetizador de voz ou um display Braille. Na prática, o leitor de tela fala o texto apresentado para o usuário ou dispõe em Braille através de um dispositivo onde os pontos são salientados ou rebaixados 1 Importante elemento jurídico dentro da legislação norte-americana conhecida como Public Law, que compõe, com outras leis, o ADA - American with Disabilities Act. 18

19 para permitir a leitura. (SERPRO, 2006). Os softwares leitores de tela são utilizados principalmente por cegos ou pessoas com uma deficiência visual elevada e possuem uma grande quantidade de adeptos devido ao seu baixo custo em relação às outras soluções para deficientes visuais. Vale lembrar que este custo varia de acordo com o nível de qualidade do software leitor de tela. Navegador Textual: é um navegador que apresenta o conteúdo dos websites de forma textual - somente. Portanto, imagens não são consideradas, somente o conteúdo texto. Inclusive, este tipo de navegador é muito utilizado em conjunto com o software leitor de tela, pois em ambos as imagens são desconsideradas e com isso, o leitor de tela consegue trabalhar de forma otimizada, podendo ser utilizado em conexões mais simples com a Internet e em computadores com baixos recursos de hardware disponíveis. Navegador com Voz: é um sistema que permite a navegação orientada pela voz. Alguns navegadores contemplam o reconhecimento de voz e apresentação do conteúdo com som, mas ainda possuem várias limitações. Um exemplo é o recém lançado navegador Opera disponível em que aceita comandos de voz para navegar entre os links da página, ir para página inicial do navegador, atualizar a página que está sendo visualizada, fazer a leitura de blocos de textos mostrados na página, entre várias outras funcionalidades. Está disponível somente para Windows 2000 e XP, além de outras restrições, como o dicionário ser na língua inglesa, ou seja, todos os comandos devem ser informados em inglês. Ampliadores de Tela: são softwares utilizados por pessoas com visão subnormal, e se baseiam em aumentar os caracteres e gráficos apresentados no monitor. De acordo com BONATTO (2003), consistem em dois tipos de sistemas de ampliação de tela: Lentes de Aumento: estes sistemas possuem uma forma retangular e ampliam apenas uma parte da tela. Podem ser movidos para a área a ser ampliada, mas acabam fazendo com que a visão de conjunto da tela desapareça, pois a ampliação será por partes. Ampliação de Tela: são sistemas que fazem a ampliação de toda informação visualizada na tela do computador. Algumas características comuns no desenvolvimento de páginas para a Internet podem ser contornadas com a utilização de um software ampliador de tela. Estas podem ser desenvolvidas com o tamanho de fonte fixo, sem permitir sua alteração pelo usuário 19

20 através do navegador. Portanto, com um ampliador de tela, todo conjunto é ampliado e a visualização pode ser feita sem problemas. Além disso, os softwares ampliadores de tela geralmente são utilizados em conjunto com um monitor de tamanho maior, de acordo com a necessidade do deficiente. Sistemas de Saída em Braille: De acordo com BONATTO (2003), estes sistemas são divididos em dois grupos: Impressoras em Braille: é uma tecnologia que permite a impressão de textos eletrônicos no formato Braille. Podem ser utilizadas por deficientes visuais e até cegos, pois possui um painel de comandos em Braille e algumas aceitam comandos de voz para realizar suas funções. Podem ser ligadas normalmente em computadores através de porta serial ou paralela e, algumas aceitam como entrada de dados folhas escritas a mão ou impressas, fazem sua leitura e em seguida a impressão do mesmo conteúdo em Braille. O custo de uma impressora em Braille importada é em média de R$ 40 mil, mas já temos iniciativas nacionais que pretendem baixar o custo para aproximadamente R$ 3 mil. (AME, 2006). Terminais de Acesso em Braille (Display Braille): podem reproduzir em Braille os textos mostrados na tela do computador. É um dispositivo composto por uma fila de células eletrônicas Braille, com uma variação de 20 a 80 células, que faz a transformação instantânea do texto mostrado na tela do computador em Braille, por meio da ativação de suas células. Assim, os pontos nas células são salientados ou rebaixados para permitir a leitura do conteúdo codificado em Braille. Existem diversas barreiras que podem prejudicar ou até impossibilitar o acesso às páginas da Internet pelos deficientes visuais. As principais serão citadas abaixo: Imagens sem texto alternativo, ou hint ; Vídeos sem texto alternativo; Tabelas sem sentido quando lidas célula a célula; Frames sem a alternativa noframe, ou sem nomes significativos; Formulários sem seqüência lógica de navegação entre os campos ou sem rótulos; e Navegadores que não possuem suporte ao teclado para todos os comandos. 20

Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual

Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE.

Leia mais

Humano-Computador (IHC)

Humano-Computador (IHC) 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WA Professora: Clarisse Sieckenius de Souza Acessibilidade: Uma questão de lei e direitos humanos 15/Mar/2010 Stephen Hawking um dos maiores

Leia mais

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD Objetivos: Apresentar os principais problemas de acessibilidade na Internet. Apresentar as principais deficiências e as tecnologias de apoio.

Leia mais

Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES

Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES Quase todos nós vamos precisar de óculos um dia (a menos que a tecnologia médica promova a substituição deste artefato por alguma outra coisa tecnológica,

Leia mais

Acessibilidade na Web

Acessibilidade na Web Acessibilidade na Web Departamento de Computação - UFS Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Lucas Augusto Carvalho lucasamcc@dcomp.ufs.br Prof. Rogério Vídeo Custo ou Benefício? http://acessodigital.net/video.html

Leia mais

Em que consiste o DOSVOX O programa é composto por:

Em que consiste o DOSVOX O programa é composto por: Projeto DOSVOX O que é o DOSVOX O DOSVOX é um sistema para microcomputadores que se comunica com o usuário através de síntese de voz, viabilizando, deste modo, o uso de computadores por deficientes visuais,

Leia mais

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL Núcleo IFRS Manual do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 3 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 3 Procedimentos para Download

Leia mais

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Gláucio Brandão de MATOS 1 ; Alisson RIBEIRO 2 ; Gabriel da SILVA 2 1 Ex-aluno do Curso Superior

Leia mais

Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT

Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT Maurício Covolan Rosito Gerente do Núcleo de Bento Gonçalves do projeto de Acessibilidade Virtual da RENAPI Everaldo Carniel Pesquisador

Leia mais

1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais. Acessibilidade. Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007

1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais. Acessibilidade. Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007 1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais Acessibilidade Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007 Entendendo o problema: Porque desenvolver sistemas que permitam o acesso a pessoas

Leia mais

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 1 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 1 Procedimentos para Download e Instalação do NVDA... 2 Iniciando

Leia mais

Deficiência Visual. Eficiência Tátil Inteligência - Adaptações. V Compartilhando Eficiências. Seção de Educação Especial SEE - DE

Deficiência Visual. Eficiência Tátil Inteligência - Adaptações. V Compartilhando Eficiências. Seção de Educação Especial SEE - DE Deficiência Visual Eficiência Tátil Inteligência - Adaptações V Compartilhando Eficiências Seção de Educação Especial SEE - DE a voar como os pássaros, Temos aprendido a nadar como os peixes, Mas ainda

Leia mais

PRANCHAS ESTÁTICAS E DINÂMICAS CONSTRUÍDAS COM SÍMBOLOS ARASAAC EM SOFTWARES DE LIVRE ACESSO

PRANCHAS ESTÁTICAS E DINÂMICAS CONSTRUÍDAS COM SÍMBOLOS ARASAAC EM SOFTWARES DE LIVRE ACESSO PRANCHAS ESTÁTICAS E DINÂMICAS CONSTRUÍDAS COM SÍMBOLOS ARASAAC EM SOFTWARES DE LIVRE ACESSO Autoras: Vera Lucia Vieira Souza; Miryam Bonadiu Pelosi Universidade Federal do Rio de Janeiro. Introdução A

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

Painel de Controle e Configurações

Painel de Controle e Configurações Painel de Controle e Configurações Painel de Controle FERRAMENTAS DO PAINEL DE CONTROLE: - Adicionar Hardware: Você pode usar Adicionar hardware para detectar e configurar dispositivos conectados ao seu

Leia mais

Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade. Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3

Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade. Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3 Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3 1 Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI janaegm@univali.br

Leia mais

Acessibilidade Web na Universidade O que é? Por quê? Como Fazer? Amanda Meincke Melo amanda.melo@unipampa.edu.br http://ammelobr.blogspot.

Acessibilidade Web na Universidade O que é? Por quê? Como Fazer? Amanda Meincke Melo amanda.melo@unipampa.edu.br http://ammelobr.blogspot. Acessibilidade Web na Universidade O que é? Por quê? Como Fazer? Amanda Meincke Melo amanda.melo@unipampa.edu.br http://ammelobr.blogspot.com/ 2 Agenda Conceitos Acessibilidade Web Cenários Estudos de

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013)

Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013) Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013) Eduardo Bueno Simões Pires 1, Aline da Cunha Simões Pires 2 1 Instituto de Informática Universidade

Leia mais

LINVOX DOSVOX em Linux

LINVOX DOSVOX em Linux LINVOX DOSVOX em Linux Senabraille - Goiânia José Antonio Borges Projeto DOSVOX NCE/UFRJ - nov/2004 Uso de computadores por DVs Leitura e escrita foram tornadas, entre videntes e cegos, razoavelmente compatíveis

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

Tecnologias de Informação voltadas para pessoas com deficiência visual

Tecnologias de Informação voltadas para pessoas com deficiência visual Tecnologias de Informação voltadas para pessoas com deficiência visual (Technologies of Information destined to peoples with visual deficiency) Daniela Ragazzi dos Santos 1 ; Sérgio Ricardo Borges 2 1

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS SOFTWARES LEITORES DE TELA UTILIZANDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE

ANÁLISE COMPARATIVA DOS SOFTWARES LEITORES DE TELA UTILIZANDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE 1 ANÁLISE COMPARATIVA DOS SOFTWARES LEITORES DE TELA UTILIZANDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE Porto Alegre RS - maio de 2012. Clóvis da Silveira PUCRS csclovis@gmail.com Adriana Beiler PUCRS

Leia mais

PROPLAN Diretoria de Informações. Tutorial SisRAA Biblioteca

PROPLAN Diretoria de Informações. Tutorial SisRAA Biblioteca PROPLAN Tutorial SisRAA Biblioteca Ana Carla Macedo da Silva Jaciane do Carmo Ribeiro Diego da Costa Couto Mauro Costa da Silva Filho Dezembro 2014 SUMÁRIO 1. Menu: Acessibilidade... 3 1.1 Opção de menu:

Leia mais

As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País

As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País Audiência Pública As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País Carlos Bielschowsky Secretário de Educação a Distância Dados globais

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas 1. INTRODUÇÃO 1.1. Este documento tem por objetivo orientar a utilização dos recursos tecnológicos para o desenvolvimento dos cursos que serão disponibilizados via intranet ou internet no portal da Universidade

Leia mais

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Divane Marcon Fundação Universidade Federal do Pampa divanemarcon@unipampa.edu.br Fabiane C. Höpner

Leia mais

ENGENHARIA DE USABILIDADE Unidade V Acessibilidade à Web. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

ENGENHARIA DE USABILIDADE Unidade V Acessibilidade à Web. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático Conceitos e Importância Projeto e desenvolvimento de Web acessível Acessibilidade É o processo e as técnicas usadas para criar

Leia mais

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA EE Odilon Leite Ferraz PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA AULA 1 APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA Apresentação dos Estagiários Apresentação do Programa Acessa

Leia mais

TECNOLOGIA ASSISTIVA E ACESSIBILIDADE À WEB. Projeto de Acessibilidade Virtual - RENAPI Maio/2010

TECNOLOGIA ASSISTIVA E ACESSIBILIDADE À WEB. Projeto de Acessibilidade Virtual - RENAPI Maio/2010 TECNOLOGIA ASSISTIVA E ACESSIBILIDADE À WEB Projeto de Acessibilidade Virtual - RENAPI Maio/2010 Tecnologia Assistiva Expressão utilizada para identificar todo o arsenal de recursos e serviços que contribuem

Leia mais

São Paulo, 24 de novembro de 2005

São Paulo, 24 de novembro de 2005 São Paulo, 24 de novembro de 2005 CGI.br divulga indicadores inéditos sobre a internet no país Além de apresentar as pesquisas sobre penetração e uso da rede em domicílios e empresas, a entidade anuncia

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

AÇÕES DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMPARTILHAMENTO DE EXPERIÊNCIAS EUGÊNIA BELÉM CALAZANS COELHO

AÇÕES DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMPARTILHAMENTO DE EXPERIÊNCIAS EUGÊNIA BELÉM CALAZANS COELHO AÇÕES DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMPARTILHAMENTO DE EXPERIÊNCIAS EUGÊNIA BELÉM CALAZANS COELHO A DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO À INFORMAÇÃO EM SAÚDE: ACESSIBILIDADE DA BVS MS ÀS PESSOAS

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

Adenda ao Guia de Consulta Rápida ZoomText 10.1

Adenda ao Guia de Consulta Rápida ZoomText 10.1 Adenda ao Guia de Consulta Rápida ZoomText 10.1 Esta adenda ao Guia de Consulta Rápida ZoomText 10 abrange novas funcionalidades e outras alterações específicas ao ZoomText 10.1. Para obter instruções

Leia mais

CONCURSO DE WEBSITES DE RAMOS ESTUDIANTIS DO IEEE. Traduzido por: Adjamilton Junior Equipe de Tradução Região 9

CONCURSO DE WEBSITES DE RAMOS ESTUDIANTIS DO IEEE. Traduzido por: Adjamilton Junior Equipe de Tradução Região 9 CONCURSO DE WEBSITES DE RAMOS ESTUDIANTIS DO IEEE Traduzido por: Adjamilton Junior Equipe de Tradução Região 9 Regras e instruções O objetivo de uma página web é transmitir informação de uma maneira útil

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. IF baiano Turno: matutino Nome: Almiro,Erica,Flavia,Valdinéia Professora: Laís 2015

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. IF baiano Turno: matutino Nome: Almiro,Erica,Flavia,Valdinéia Professora: Laís 2015 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. IF baiano Turno: matutino Nome: Almiro,Erica,Flavia,Valdinéia Professora: Laís 2015 DISTRIBUIÇÃOS PARA DEFICIENTES DISTRIBUIÇÕES linuxacessivel.org

Leia mais

I Simpósio Internacional de Tecnologia Assistiva do CNRTA Softwares de Acessibilidade

I Simpósio Internacional de Tecnologia Assistiva do CNRTA Softwares de Acessibilidade I Simpósio Internacional de Tecnologia Assistiva do CNRTA Softwares de Acessibilidade Andréa Poletto Sonza Junho de 2014 Tecnologia Assistiva Recursos: Estão incluídos brinquedos e roupas adaptadas, computadores,

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB Isadora dos Santos Rodrigues, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil isadora.santosrodrigues@hotmail.com, bonetti@unipar.br

Leia mais

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1,Tiago Bonetti Piperno 1, Ricardo Germano 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR- Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

Deficiências. Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla. Tem dificuldade para:

Deficiências. Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla. Tem dificuldade para: Deficiências Deficiência Física Deficiência Auditiva Deficiência Visual Deficiência Mental Deficiência Múltipla Tem dificuldade para: ver a tela usar o mouse usar o teclado ler um texto ouvir um som navegar

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168

Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo. Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 Proposta de trabalho para produção do website do Programa Café Colombo Walmar Andrade atendimento@fatorw.com (81) 9922-7168 01. Apresentação Fator W é a marca fantasia através da qual o desenvolvedor web

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 5ª. Série Programação e Design para Web A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

OS RECURSOS COMPUTACIONAIS AUXILIANDO OS DEFICIENTES VISUAIS

OS RECURSOS COMPUTACIONAIS AUXILIANDO OS DEFICIENTES VISUAIS OS RECURSOS COMPUTACIONAIS AUXILIANDO OS DEFICIENTES VISUAIS 2011 Fabíola Magda Andrade Ventavoli Bacharel em Ciências da Computação, Licenciada em Matemática e Computação. Pós-graduada em Psicopedagogia

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

1 Como seu Cérebro Funciona?

1 Como seu Cérebro Funciona? 1 Como seu Cérebro Funciona? UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) O cérebro humano é capaz de processar as informações recebidas pelos cinco sentidos, analisá-las com base em uma vida inteira de experiências,

Leia mais

Existem 109 questões nesta pesquisa

Existem 109 questões nesta pesquisa FASE 2: ANÁLISE DO WEBSITE INSTRUÇÕES Leia atentamente todas as questões Explore o website em avaliação, procurando pelas questões propostas Depois, responda cada questão Algumas questões precisam de informações

Leia mais

CASE PRÊMIO ANSP 2005

CASE PRÊMIO ANSP 2005 CASE PRÊMIO ANSP 2005 1 BVP HAND: Mobilidade para fazer cotações através de dispositivos portáteis. Índice...2 Resumo Executivo...3 Clientes no Brasil...4 1. Sinopse...5 2. Problema...6 3. Solução...7

Leia mais

Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. 215 Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. www.governoeletronico.gov.br Recomendações de Acessibilidade para

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

A Pessoa com Deficiência Visual

A Pessoa com Deficiência Visual A Pessoa com Deficiência Visual Definição oftalmológica de deficiência visual Cegueira parcial (legal ou profissional): capaz de contar dedos a curta distância, identificar vultos, luminosidade e origem

Leia mais

A R P O BPMN++ MODELER KLUG PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE. Verificar requisitos para instalação. Testar instalação do software

A R P O BPMN++ MODELER KLUG PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE. Verificar requisitos para instalação. Testar instalação do software A R P O KLUG BPMN++ MODELER PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE Verificar requisitos para instalação Iniciar procedimento de instalação Executar procedimento de instalação Efetuar primeiro

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Você sabia que o computador pode ser uma rica ferramenta no. processo de inclusão escolar e social de crianças com necessidades

Você sabia que o computador pode ser uma rica ferramenta no. processo de inclusão escolar e social de crianças com necessidades Você sabia que o computador pode ser uma rica ferramenta no processo de inclusão escolar e social de crianças com necessidades educacionais especiais? Juliana Moraes Almeida Silva Em várias situações do

Leia mais

USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB

USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB USABILIDADE, DESIGN UNIVERSAL E ACESSIBILIDADE PARA PORTAIS WEB Adans Schopp dos Santos 1 Daniele Pinto Andres 2 RESUMO Este artigo procura abordar as principais características relacionadas a Portais

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

A importância da acessibilidade como mediadora da informação na internet para os deficientes visuais 1. Roberta Lucas SCATOLIM 2

A importância da acessibilidade como mediadora da informação na internet para os deficientes visuais 1. Roberta Lucas SCATOLIM 2 A importância da acessibilidade como mediadora da informação na internet para os deficientes visuais 1 Roberta Lucas SCATOLIM 2 RESUMO A Interação Humano - Computador permite a avaliação e solução de problemas

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada SO Windows Aula 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO Todo computador precisa de um sistema operacional. O Windows

Leia mais

ACESSIBILIDADE WEB: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DO CONHECIMENTO DO DESENVOLVEDOR WEB BRASILEIRO

ACESSIBILIDADE WEB: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DO CONHECIMENTO DO DESENVOLVEDOR WEB BRASILEIRO ACESSIBILIDADE WEB: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DO CONHECIMENTO DO DESENVOLVEDOR WEB BRASILEIRO Timóteo Moreira Tangarife, Cláudia Mont Alvão Laboratório de Ergonomia e Usabilidade de Interfaces LEUI Programa

Leia mais

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir Prof. Valdir Informática Informática Valdir Prof. Valdir Informática Informática PROVA DPF 2009 Julgue os itens subseqüentes, a respeito de Internet e intranet. Questão 36 36 - As intranets, por serem

Leia mais

Manual do Usuário Janeiro de 2016

Manual do Usuário Janeiro de 2016 Manual do Usuário Janeiro de 2016 SOBRE CMX CMX é uma interface que dá acesso aos estudantes a milhares de atividades, exercícios e recursos todos posicionados com os padrões e conceitos curriculares.

Leia mais

DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA E SURDOCEGUEIRA: O ACESSO AO CONHECIMENTO NA SALA DE AULA REGULAR.

DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA E SURDOCEGUEIRA: O ACESSO AO CONHECIMENTO NA SALA DE AULA REGULAR. DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA E SURDOCEGUEIRA: O ACESSO AO CONHECIMENTO NA SALA DE AULA REGULAR. VII Seminário de Educação Inclusiva: direito à diversidade SHIRLEY RODRIGUES MAIA Florianópolis 2011 Surdocegueira

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Configurações do Windows para Leitores de Tela

Configurações do Windows para Leitores de Tela MÓDULO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL - CEFET BG SIEP (SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA) Configurações do Windows para Leitores de Tela Desenvolvido por Celio Marcos Dal Pizzol e

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador

Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador 1 Arquitetura e Organização de Computadores Introdução à Organização do Computador Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Curso: Sistemas de Informação Introdução 2 O Computador é uma ferramenta que

Leia mais

Prefeitura de Guarulhos desenvolve o Guarux, sistema livre com foco educacional, profissional e em aplicativos acessíveis

Prefeitura de Guarulhos desenvolve o Guarux, sistema livre com foco educacional, profissional e em aplicativos acessíveis Prefeitura de Guarulhos desenvolve o Guarux, sistema livre com foco educacional, profissional e em aplicativos acessíveis Perfil Guarulhos é um dos 39 municípios da Grande São Paulo, região economicamente

Leia mais

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo Introdução Recursos de acessibilidade principais Navegação usando

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine ROCHA HUFFELL, Jefferson Lima BRAGA Maria Tereza Comunicação Oral RESUMO

FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine ROCHA HUFFELL, Jefferson Lima BRAGA Maria Tereza Comunicação Oral RESUMO AS TECNOLOGIAS FAZENDO A DIFERENÇA NO DESEMPENHO ESCOLAR DOS ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS NA ESCOLA INSTITUTO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO ISABEL DE ESPANHA 28ª CRE FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 Eduardo Laguna Rubai, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR- Brasil eduardorubay@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo.

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Arte X Engenharia Desenvolver Sistema Web é arte? A Web oferece espaço para arte...... mas os usuários também desejam

Leia mais

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Sérgio M. Baú Júnior* e Marco A. Barbosa* *Departamento de Informática

Leia mais

Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows

Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows Software de Tarifação para centrais PABX e ambiente Windows Um tarifador fácil de usar e poderoso. Com o tarifador STI Windows Atenas você poderá controlar os gastos com telefone, reduzir custos e otimizar

Leia mais

Informática na Educação Especial

Informática na Educação Especial Informática na Educação Especial Ciência da Computação Informática na Educação Educação Psicologia Sociologia... Profª. Dr ª. Márcia de Borba Campos - marciabc@inf.pucrs.br Profª. Dr ª. Milene Selbach

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

CAPÍTULO 4. AG8 Informática

CAPÍTULO 4. AG8 Informática 2ª PARTE CAPÍTULO 4 Este capítulo têm como objetivo: 1. Tratar das etapas do projeto de um Website 2. Quais os profissionais envolvidos 3. Administração do site 4. Dicas para não cometer erros graves na

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE, DE, DE 2013.

PROJETO DE LEI Nº, DE, DE, DE 2013. A Sua Excelência o Senhor Vereador JUARES CARLOS HOY Presidente da Câmara Municipal de Canoas PROJETO DE LEI Nº, DE, DE, DE 2013. Senhor Presidente, O Vereador Pedro Bueno, Vice-líder da Bancada do Partido

Leia mais

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 FileMaker Pro 14 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 2007-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

ÁudioTeste Software para Auxílio de deficiente visuais a realizar avaliações

ÁudioTeste Software para Auxílio de deficiente visuais a realizar avaliações ÁudioTeste Software para Auxílio de deficiente visuais a realizar avaliações Manoel P. A. Junior, Marden E. Santos, Marcelo H. S. da Silva, Jhozefem S. Pontes Nokia de Ensino (FNE) Av. Ministro Mário Andreazza,

Leia mais