Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede"

Transcrição

1 Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede

2 Índice 1 Introdução Política de cadastro e senhas Política de Utilização da Internet Política de Utilização de Política de utilização das estações de trabalho e da rede Penalidades Disposições finais... 12

3 1 Introdução O presente documento tem por objetivo estabelecer as Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede que serão adotadas pela Mútua de Assistência, objetivando resguardar os interesses da instituição e oferecer serviços e recursos de rede com altas qualidade e disponibilidade. Para isto, as Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede de agora em diante chamadas apenas de Política ou Política de Segurança, irão descrever as normas de utilização e as atividades que violam o bom uso dos serviços disponibilizados, as quais são consideradas proibidas. As normas descritas na presente Política, não são estáticas e podem ser alteradas a qualquer tempo para acompanhar a expansão própria da Tecnologia da Informação. Para facilitar o entendimento da Política algumas definições se fazem necessárias: a) Serviços e recursos de rede são os equipamentos e serviços disponibilizados ou mantidos pela Gerência Técnica, utilizados pelos funcionários e colaboradores da Mútua. Por exemplo, os e mails computadores, notebooks, acesso à internet, impressoras e afins. b) Informação é um ativo que, como os demais, tem valor para a organização e como tal deve ser protegido de acordo com sua relevância. c) A Segurança da Informação protege a informação de ameaças variadas, com vistas à garantir a continuidade dos negócios, a integridade, disponibilidade e a confiabilidade da informação. d) Política de Segurança é um conjunto de normas internas à organização cuja finalidade é minimizar e combater ameaças às informações da instituição. e) Ameaça é o potencial de violação da segurança. Existe enquanto houver uma ação ou evento que possa romper a segurança e causar dano à informação. f) Funcionário é todo profissional contratado direta ou indiretamente pela Mútua Sede ou Caixas de Assistência.

4 g) Colaborador são todos aqueles que de alguma forma interagem com as atividades da Mútua como estagiários, Coordenadores, Diretores e etc.

5 2 Política de cadastro e senhas É fundamental manter a senha secreta, de nada adianta os investimentos feitos em segurança se as senhas forem fáceis de descobrir ou se outras pessoas conhecerem sua própria senha. Lembre-se: a senha é pessoal e intransferível. O registro daquilo que foi feito estará em seu nome, logo, se alguém que não você, ainda que com boas intenções, fizer uso de sua senha e cometer algum ato ilícito, algum erro de cadastro, algum acesso não autorizado, a responsabilidade será sua! 2.1. A Gerência Administrativa é o setor responsável por solicitar o cadastramento ou exclusão de funcionários e colaboradores, devendo proceder ao registro das informações básicas dos mesmos Em caso de desligamento do funcionário ou colaborador, caberá à Gerência Administrativa a imediata solicitação de exclusão do acesso do mesmo A Gerência Administrativa deverá proceder a coleta de, no mínimo, as seguintes informações do funcionário ou colaborador: a) Nome completo; b) CPF; c) Data de nascimento; d) Carteira de identidade; e) Lotação; f) Telefone para contato; e, g) alternativo O cadastramento da senha será realizado pela Gerência Técnica, a qual fornecerá o nome de usuário e senha inicial ao funcionário ou colaborador por alternativo ou telefone A senha inicial só será fornecida ao próprio funcionário ou colaborador, sob nenhuma hipótese será informada a outra pessoa Caso a senha seja passada por telefone, o funcionário da GT poderá solicitar a confirmação de alguns dados cadastrais do funcionário ou colaborador.

6 2.3. A senha é de total responsabilidade do funcionário ou colaborador, sendo terminantemente proibida sua divulgação ou empréstimo a qualquer outra pessoa, nem mesmo da Gerência Técnica, devendo a mesma ser alterada imediatamente no caso de suspeita de sua divulgação Em caso de esquecimento ou bloqueio de senha, o funcionário ou colaborador deverá entrar em contato com a Gerência Técnica que irá confirmar algumas informações de cadastro, gerar uma nova senha e encaminhá-la para um dos s cadastrados do solicitante A Gerência Técnica não tem como saber a senha atual do usuário, por isso será necessário gerar nova senha A Gerência Técnica poderá adotar mecanismos eletrônicos de forma a evitar o cadastramento de senhas de fácil adivinhação Mesmo com a utilização destes mecanismos a Gerência Técnica não tem como descobrir a senha do usuário. Estes meios simplesmente permitem saber se a senha é de fácil adivinhação Qualquer ato praticado com a utilização da senha será responsabilidade do seu respectivo funcionário ou colaborador. Não será aceita alegação de que outra pessoa utilizou algum recurso com a senha do funcionário ou colaborador.

7 3 Política de Utilização da Internet A internet é a maior fonte de dados e a mais poderosa ferramenta de trabalho atual e assim deve ser considerada quando utilizada dentro da empresa, em horário de expediente: como ferramenta de trabalho A Mútua disponibilizará acesso à internet aos funcionários e colaboradores que necessitem deste recurso para execução de suas tarefas, ficando o funcionário responsável pelos acessos registrados em sua sessão de conexão É vedada, ao funcionário e colaborador, a utilização do acesso à internet para fins ilícitos. A Mútua adotará mecanismos para evitar a utilização para estes fins, estando o funcionário ou colaborador ciente de que é o único responsável pelos atos praticados na Internet Visando a otimização dos canais (links) de acesso à internet, a proteção contra ataques de vírus e hackers e, ainda, o aumento da produtividade dos funcionários e colaboradores, é vedada a utilização do acesso à internet para os seguintes fins: a) Acesso a conteúdo não relacionado com a atividade desempenhada; b) Download de arquivos não relacionados com a atividade desempenhada; c) Utilização de redes de relacionamentos; d) Download de arquivos ou programas ilegais; e) Acesso a rádios on-line ou servidores de stream de áudio ou vídeo; f) Utilização ou acesso de programas de rede P2P para compartilhamento de arquivos, músicas ou vídeos; g) Utilização de programas de mensagens instantâneas não homologados e autorizados pela Gerência Técnica; h) Utilização de qualquer programa não homologado pela Gerência Técnica que faça acesso à internet; i) Utilizar os recursos da empresa para fazer o download ou distribuição de software ou dados não legalizados;

8 A internet poderá ser utilizada no horário de almoço, ou fora de expediente, para acesso a conteúdo não relacionado com a atividade desempenhada pelo funcionário ou colaborador, desde que dentro das regras de uso definidas nesta política; Periodicamente serão gerados relatórios, com as categorias e sites acessados por usuário e, se necessário, haverá a publicação destes relatórios; Caberá aos responsáveis de cada setor encaminhar à Gerência Técnica solicitação formal de autorização ou bloqueio de acesso do funcionário ou colaborador à internet, conteúdo ou serviço, desde que seja essencial ao desempenho das tarefas do funcionário O gestor fica ciente de que será co-responsável caso algum dano proveniente da liberação de que trata o item anterior seja causado a funcionários, ou bens da Mútua, sejam os danos morais ou materiais A Mútua manterá softwares e sistemas que monitoram e gravam todos os usos de internet através da rede e das estações de trabalho da empresa;

9 4 Política de Utilização de O , seja pela sua agilidade, seja pela facilidade proporcionada, é tido como uma das principais formas de comunicação. Contudo, infelizmente, é, também, um dos principais meios de disseminação de pragas virtuais. Existem pragas virtuais que enviam, por exemplo, infectado como se fosse um de seus amigos ou familiares, assim, ao ler-se uma mensagem aparentemente inocente pode-se, na verdade, estar-se instalando um programa mal intencionado que irá capturar suas informações digitadas no site de um banco. Os servidores de da Mútua possuem software antivírus que são atualizados diariamente, mas, como o número de pragas virtuais cresce exponencialmente a cada dia, alguns cuidados por parte do usuário e outros mais profundos por parte da Gerência Técnica são necessários A Mútua disponibilizará uma caixa postal eletrônica ( ) para seus funcionários e colaboradores, a qual deverá ser utilizada exclusivamente para troca de mensagens relacionadas com a atividade desempenhada na instituição; 4.2. A Mútua poderá impor limites de armazenamento e de banda utilizada de acordo com os recursos disponíveis, a fim de manter a continuidade dos serviços; 4.3. A Mútua poderá monitorar a utilização do serviço de , inclusive analisar o conteúdo das mensagens, de forma a garantir a confidencialidade das informações transitadas; 4.4. A Mútua não se responsabilizará por qualquer mensagem enviada por seus funcionários ou colaboradores que venham a ferir qualquer tipo de legislação vigente, ficando o emissor da mensagem responsabilizado por quaisquer danos causados; 4.5. Não é permitida a utilização das contas de para envio de arquivos não relacionados com a atividade desempenhada, principalmente material fotográfico, vídeos, músicas e apresentações não relacionadas com os objetivos da empresa; 4.6. Cada funcionário ou colaborador receberá uma conta cujo nome será gerado por sistema próprio, podendo esta conta possuir 1 (um) apelido - alias, escolhido pelo seu proprietário;

10 4.7. A Mútua adotará mecanismos para evitar a disseminação de vírus, trojans, códigos maliciosos e demais pragas virtuais no envio ou recepção de . Esta medida não exime a responsabilidade e os cuidados que o funcionário ou o colaborador devem adotar para evitar danos aos recursos disponibilizados e roubo de informações. Devido a estes mecanismos, algumas mensagens suspeitas poderão ser descartadas sem aviso; 4.8. O funcionário ou colaborador deverá estar atento às tentativas de disseminação de pragas virtuais, roubo de informações e etc. adotando, entre outras, as seguintes atitudes: a) Não abrir anexos com as extensões.bat,.exe,.src,.lnk,.vbs,.com, e dll. b) Não abrir links contidos na mensagem, principalmente se estes links apontarem para o download de arquivos; c) Não enviar s do tipo corrente, aviso de vírus, avisos de grandes empresas, criança desaparecida, criança doente, promoções e etc. d) Não utilizar o para envio de mensagens pessoais; e) Evitar o envio de com anexos muito grandes; f) Evitar o envio de para mais de 10 pessoas de uma única vez (to, cc, bcc); g) Não abrir mensagens suspeitas, enviadas por desconhecidos, ou assunto alheio aos interesses da instituição;

11 5 Política de utilização das estações de trabalho e da rede Cada estação de trabalho é identificada de forma única na rede, assim como cada funcionário. Desta forma, é possível descobrir quem fez, o quê fez e de onde (qual computador) partiu aquele ato. Com isto, torna-se evidente a importância de não deixar o computador logado na sua ausência. Sempre efetue logoff antes de ausentar-se da sua mesa, isto evita que alguém se utilize da sua senha para cometer atos ilícitos que ficarão registrados como sendo seus A Mútua poderá disponibilizar estações de trabalho aos seus funcionários e colaboradores, quando a atividade assim o exigir O funcionário ou colaborador deverá observar as seguintes questões de segurança relativas à sua estação de trabalho: a) Não instalar ou remover qualquer tipo de software / hardware sem autorização expressa da Gerência Técnica; b) Não fazer uso de arquivos de música, filmes, fotos ou software protegidos por direitos autorais, nem de qualquer tipo de pirataria; c) Manter na sua estação somente o que for supérfluo ou pessoal. Todos os dados relativos à empresa devem ser mantidos no servidor, onde existe um sistema de backup diário e confiável. d) Não manter nos diretórios da rede arquivos pessoais, principalmente fotos, músicas, vídeos e etc., sob pena de exclusão dos mesmos sem prévio aviso; 5.3. Os documentos e arquivos relativos à atividade desempenhada pelo funcionário ou colaborador deverão, sempre que possível, serem armazenados em local próprio no servidor de rede, o qual possui rotinas diárias de backup de arquivos Não utilizar os recursos disponíveis como, gravador de CD ou DVD, impressoras e etc., caso existam, para atividades pessoais ou ilegais A Mútua poderá inspecionar qualquer arquivo armazenado na rede, estejam no disco local da estação ou nas áreas privativas da rede, visando assegurar o rígido cumprimento desta política;

12 6 Penalidades 6.1. No caso de não cumprimento das normas estabelecidas nesta Política de Segurança, o funcionário ou colaborador poderá sofrer as seguintes penalidades: a) Advertência verbal; b) Advertência formal; c) Suspensão por tempo determinado; d) Demissão por justa causa; 7 Disposições finais 7.1 Fica estabelecida a obrigatoriedade, a todos os atuais e novos funcionários e colaboradores, da assinatura do termo de conhecimento à Política de Segurança da Mútua.

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR GETAD/TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1-OBJETIVO Esta norma estabelece os critérios e procedimentos relacionados à utilização da REDE SETUR por todos os servidores, estagiários

Leia mais

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO 1 OBJETIVO: 1.1 A presente

Leia mais

FACULDADE CARLOS GOMES

FACULDADE CARLOS GOMES FACULDADE CARLOS GOMES MANTIDA PELA ARTE E MÚSICA LTDA. POLÍTICA DE USO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA FACULDADE CARLOS GOMES POLÍTICA DE USO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA E DA REDE Artigo 1º. Artigo 2º.

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB I Da Caracterização Art. 1 Os Laboratórios de Informática da FESB, sob responsabilidade do Departamento de Informática, dispõem de infra-estrutura

Leia mais

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida.

Proteger a informação de uma ameaça inclui evitar o seu corrompimento, o seu acesso às pessoas não autorizadas e seu furto ou deleção indevida. Segurança da Informação é a proteção das informações contra os vários tipos de ameaças as quais estão expostas, para garantir a continuidade do negócio, minimizar o risco ao negócio, maximizar o retorno

Leia mais

Segurança na Rede Local Redes de Computadores

Segurança na Rede Local Redes de Computadores Ciência da Computação Segurança na Rede Local Redes de Computadores Disciplina de Desenvolvimento de Sotware para Web Professor: Danilo Vido Leonardo Siqueira 20130474 São Paulo 2011 Sumário 1.Introdução...3

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na empresa Agiliza Promotora de Vendas, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA GADE SOLUTION Tatiana Lúcia Santana GADE SOLUTION 1. Conceituação: A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação de qualidade é capaz

Leia mais

Normas e Procedimentos de Utilização da Rede

Normas e Procedimentos de Utilização da Rede Normas e Procedimentos de Utilização da Rede Setor Laboratório de TI Objetivo O objetivo maior do estabelecimento desta política é garantir a prestação de um serviço de rede de boa qualidade aos nossos

Leia mais

Política de Segurança Corporativa da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará

Política de Segurança Corporativa da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará Política de Segurança Corporativa da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará Agenda Projeto Realizado Política de Segurança da ALCE Próximos passos Projeto realizado Definição/Revisão da Política de

Leia mais

ÁLAMO ENGENHARIA POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMÁTICA

ÁLAMO ENGENHARIA POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMÁTICA ELABORAÇÃO / REVISÃO APROVAÇÃO Marcelo Costa 16/05/2013 Fernando Matias 16/05/2013 NOME DATA NOME DATA Introdução: A segurança é um dos assuntos mais importantes dentre as preocupações de nossa empresa.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA. Contrato/Unidade/Seção: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INDICE DE REVISÕES

POLÍTICA DE SEGURANÇA. Contrato/Unidade/Seção: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INDICE DE REVISÕES Título: Data: Contrato/Unidade/Seção: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 de 6 INDICE DE REVISÕES REVISÃO DESCRIÇÃO DAS ALTERAÇÕES E/OU PÁGINAS ALTERADAS 0 Primeira Edição da Instrução de Trabalho. 1 Nova nomenclatura

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia da Informação Núcleo de Segurança da Informação Revisão: 00 Vigência:20/04/2012 Classificação:

Leia mais

POLÍTICA DE USO REDE UFAL.MACEIO / SERVIDOR SAMBA-MACEIO

POLÍTICA DE USO REDE UFAL.MACEIO / SERVIDOR SAMBA-MACEIO POLÍTICA DE USO REDE UFAL.MACEIO / SERVIDOR SAMBA-MACEIO O objetivo desta política de uso é prestar esclarecimentos sobre os recursos disponíveis na rede local UFAL.MACEIO e no servidor SAMBA-MACEIO, informando

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na FK EQUIPAMENTOS, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e

Leia mais

Laboratórios de Informática Regulamento

Laboratórios de Informática Regulamento 1 Laboratórios de Informática Regulamento Pagina 1/10 Sumário DA CONSTITUIÇÃO...3 DA ADMINISTRAÇÃO...4 DA UTILIZAÇÃO...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...10 Pagina 2/10 REGULAMENTO INTERNO DA CONTISTUIÇÃO Art. 1 -

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comissão de Segurança da Informação Núcleo de Governança Corporativa de TIC Setor de Segurança da Informação Revisão: 1.1 Vigência: 12/02/2016 Classificação:

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE SEGURANÇA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

BOAS PRÁTICAS DE SEGURANÇA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) BOAS PRÁTICAS DE SEGURANÇA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) André Gustavo Assessor Técnico de Informática MARÇO/2012 Sumário Contextualização Definições Princípios Básicos de Segurança da Informação Ameaças

Leia mais

ASTC Autarquia de Segurança, Trânsito e Transportes de Criciúma Departamento de Tecnologia da Informação ANEXO ÚNICO

ASTC Autarquia de Segurança, Trânsito e Transportes de Criciúma Departamento de Tecnologia da Informação ANEXO ÚNICO ANEXO ÚNICO POLÍTICA DE SEGURANÇA E USO ACEITÁVEL DOS RECURSOS E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA DA ASTC O presente texto visa informar a todos os usuários dos recursos de informática, a política de segurança

Leia mais

Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico

Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico Introdução A PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL-CHILE, através de seu setor de Tecnologia da Informação, tem como objetivo o provimento de um serviço de qualidade,

Leia mais

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EXPLORITAS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA LTDA MANUAL DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Janeiro 2016 O NÃO CUMPRIMENTO DESTE MANUAL PODERÁ RESULTAR EM AÇÕES DISCIPLINARES APROPRIADAS, INCLUINDO ADVERTÊNCIAS, QUE PODERÃO

Leia mais

Conscientização sobre a Segurança da Informação. Suas informações pessoais não tem preço, elas estão seguras?

Conscientização sobre a Segurança da Informação. Suas informações pessoais não tem preço, elas estão seguras? Conscientização sobre a Segurança da Informação Suas informações pessoais não tem preço, elas estão seguras? PROFISSIONAIS DE O que é Segurança da Informação? A Segurança da Informação está relacionada

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE Capítulo I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º Para os fins desta Norma,

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) Texto compilado até o Ato (N) nº 791/2013 PGJ de 11/10/2013 Estabelece normas

Leia mais

Diretrizes Gerais para uso dos recursos de Tecnologia da Informação

Diretrizes Gerais para uso dos recursos de Tecnologia da Informação DIRETRIZES GERAIS PARA USO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 6 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. DIRETRIZES GERAIS

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo )

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) A Política de segurança da informação, na A EMPRESA, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e serviços, incluindo trabalhos executados

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/SGP Nº 034/2012 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e

PORTARIA TRT 18ª GP/SGP Nº 034/2012 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e PORTARIA TRT 18ª GP/SGP Nº 034/2012 O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regulamentares, e tendo em vista o que consta do Processo

Leia mais

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Capítulo I Do regimento e seus objetivos O presente regimento, elaborado pela Central de Processamento de dados da UFV- CRP, visa disciplinar

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA Dos Laboratórios Art 1º O objetivo dos laboratórios de informática é suprir necessidades laboratoriais, de informática, nas áreas de ensino, pesquisa, extensão,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DATA: 25/01/2016 VERSÃO 2.0 VERSÃO 2 25/01/2016 ÁLVARO BARBOSA SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO... 3 II. PAPÉIS E RESPONSABILIDADES... 4 II.1 - COMITÊ EXECUTIVO... 4 II.2 - CONTROLES

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17.

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17. REGULAMENTO INTERNO DO USO E ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DA REDE DA FACULDADE PROCESSUS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este ato tem como objetivo definir o uso e administração

Leia mais

Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação

Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação Objetivo: Definir responsabilidades e orientar a conduta dos profissionais e usuários de informática da FECAP na utilização dos recursos computacionais,

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS

SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PO - PSI 1ª 1/9 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 4. CONCEITOS/CRITÉRIOS GERAIS... 2 5. DIRETRIZES... 3 6. RESPONSABILIDADES... 3 6.1 Todos

Leia mais

Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP

Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP Portaria UNESP - 385, de 25-06-2012 Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP O Vice-Reitor no Exercício da Reitoria da Universidade

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta a utilização dos serviços corporativos disponíveis na rede de computadores da ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Este documento tem por objetivo definir a Política de Privacidade da Bricon Security & IT Solutions, para regular a obtenção, o uso e a revelação das informações pessoais dos usuários

Leia mais

TE T R E MOS DE E US U O Carteira de Pedidos Atualizado em e 1 7 de d Ag A o g st s o o de d 2 01 0 3

TE T R E MOS DE E US U O Carteira de Pedidos Atualizado em e 1 7 de d Ag A o g st s o o de d 2 01 0 3 TERMOS DE USO Seja bem-vindo ao Carteira de Pedidos. Recomendamos que antes de utilizar os serviços oferecidos pelo Carteira de Pedidos, leia atentamente os Termos de Uso a seguir para ficar ciente de

Leia mais

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO O presente documento define o regulamento para o uso apropriado da rede de computadores

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES RESPONSABILIDADE DE TODOS PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dilma Rouseff MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Carlos Roberto Lupi SECRETÁRIO EXECUTIVO Paulo Roberto dos

Leia mais

Autores: Regina Mainente Ricardo Pereira da Silva Superintendente Controlador Interno Ano de 2015

Autores: Regina Mainente  Ricardo Pereira da Silva Superintendente Controlador Interno Ano de 2015 Autores: Regina Mainente Superintendente Ricardo Pereira da Silva Controlador Interno Ano de 2015 Índice 1. Apresentação... 03 2. Introdução... 04 3. Para que serve a Segurança da Informação... 05 4. Pilares

Leia mais

Política de Utilização da Rede. Sua Empresa. Atualizado em 00/00/0000. Sua Empresa

Política de Utilização da Rede. Sua Empresa. Atualizado em 00/00/0000. Sua Empresa Atualizado em 00/00/0000 O objetivo é prestar aos funcionários serviços de rede de alta qualidade e ao mesmo tempo desenvolver um comportamento extremamente ético e profissional. Assim, para assegurar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA BAHIA INSTRUÇÃO DO USO DA REDE DE COMPUTADORES DO CEFET-BA O Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia (CEFET-BA) possui uma rede

Leia mais

http://cartilha.cert.br/

http://cartilha.cert.br/ http://cartilha.cert.br/ Quanto mais informações você disponibiliza na Internet, mais difícil se torna preservar a sua privacidade Nada impede que você abra mão de sua privacidade e, de livre e espontânea

Leia mais

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA POLÍTICA DE USO DE FUNCIONAMENTO

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA POLÍTICA DE USO DE FUNCIONAMENTO FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO PIAUÍ - FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO PIAUÍ Rua 1º de Maio Nº 2235/N Bairro Primavera Qualidade em Educação Teresina PI Brasil Fone:(86) 2107-2200 www.faespi.com.br/faespi.edu@gmail.com

Leia mais

Certificado Digital e-cpf

Certificado Digital e-cpf Certificado Digital e-cpf Parabéns! Ao ter em mãos esse manual, significa que você adquiriu um certificado digital AC Link. Manual do Usuário 1 Índice Apresentação... 03 O que é um Certificado Digital?...

Leia mais

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente;

3.2. O USUÁRIO poderá alterar sua senha a qualquer momento, assim como criar uma nova chave em substituição a uma chave já existente; 1. CONTRATO Os termos abaixo se aplicam aos serviços oferecidos pela Sistemas On Line Ltda., doravante designada S_LINE, e a maiores de 18 anos ou menores com permissão dos pais ou responsáveis, doravante

Leia mais

III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet

III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet O B J E CT I V O Estabelecer critérios para acesso à Internet utilizando recursos do Projecto Portal do Governo de Angola. Orientar os Utilizadores sobre as competências, o uso e responsabilidades associadas

Leia mais

Leia com cuidado e procure respeitá-la!

Leia com cuidado e procure respeitá-la! Páginas: 1 de 5 Leia com cuidado e procure respeitá-la! Introdução: A Tecnologia da Informação, TI, está cada dia mais presente nas empresas, mudando radicalmente os hábitos e a maneira de comunicação,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto Seção Técnica de Informática. Política de Informática CCRP

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto Seção Técnica de Informática. Política de Informática CCRP Política de Informática CCRP Índice 1. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 2. ESPECIFICAÇÃO E AQUISIÇÃO DE NOVOS EQUIPAMENTOS... 2 3. INSTALAÇÃO DE SOFTWARES... 2 4. DESENVOLVIMENTO, MANUTENÇÃO E BACKUP DE SISTEMAS

Leia mais

MENINO JESUS Educando para a Paz e o respei t o à vi da

MENINO JESUS Educando para a Paz e o respei t o à vi da Centro Educacional MENINO JESUS Educando para a Paz e o respei t o à vi da Rua Esteves Júnior, 696 CEP: 88015-130 Fone/Fax: (48) 3251-1900 Centro - Florianópolis - SC www.meninojesus.com.br P O L Í T I

Leia mais

Privacidade.

Privacidade. <Nome> <Instituição> <e-mail> Privacidade Agenda Privacidade Riscos principais Cuidados a serem tomados Créditos Privacidade (1/3) Sua privacidade pode ser exposta na Internet: independentemente da sua

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Ibirubá Conselho de Câmpus REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO

Leia mais

Manual do usuário Certificado Digital e-cpf. Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD

Manual do usuário Certificado Digital e-cpf. Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD Manual do usuário Certificado Digital e-cpf Parabéns! Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD Índice Apresentação 03 O que é um Certificado Digital? 04 Instalando

Leia mais

Qual a importância da Segurança da Informação para nós? Quais são as características básicas de uma informação segura?

Qual a importância da Segurança da Informação para nós? Quais são as características básicas de uma informação segura? Qual a importância da Segurança da Informação para nós? No nosso dia-a-dia todos nós estamos vulneráveis a novas ameaças. Em contrapartida, procuramos sempre usar alguns recursos para diminuir essa vulnerabilidade,

Leia mais

ARTEC FACULDADE DE IMPERATRIZ

ARTEC FACULDADE DE IMPERATRIZ POLÍTICA DE USO DE EQUIPAMENTO DE INFORMATICA Objetivo: Definir responsabilidades e orientar a conduta dos técnicos administrativos, alunos e professores da FACIMP na utilização dos recursos computacionais,

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética Página 1 de 5 Código de Conduta e Ética 2012 Resumo A SAVEWAY acredita que seu sucesso está pautado na prática diária de elevados valores éticos e morais, bem como respeito às pessoas, em toda sua cadeia

Leia mais

Orientações de uso da rede na Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas

Orientações de uso da rede na Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Orientações de uso da rede na Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas 1. OBJETIVO Esta cartilha define normas para preservar a confidencialidade, integridade e a disponibilidade das informações e recursos

Leia mais

Índice. Ameaças à Segurança da Informação. Introdução. Dispositivos de Segurança no Bradesco Net Empresa. E-Mail. Como Identificar um Phishing Scan

Índice. Ameaças à Segurança da Informação. Introdução. Dispositivos de Segurança no Bradesco Net Empresa. E-Mail. Como Identificar um Phishing Scan www.bradesco.com.br Índice Versão 01-2007 Introdução 2 Ameaças à Segurança da Informação 12 Dispositivos de Segurança no Bradesco Net Empresa 3 E-Mail 14 Procuradores e Níveis de Acesso 6 Como Identificar

Leia mais

CONDIÇÕES DA HOSPEDAGEM

CONDIÇÕES DA HOSPEDAGEM CONDIÇÕES DA HOSPEDAGEM OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA 1.1. As presentes condições tem por objeto a Hospedagem, sem exclusividade, dos Conteúdos de propriedade do CONTRATANTE na revenda NETPCHOST compartilhados

Leia mais

Aula 12 Lista de verificação de segurança para o Windows 7

Aula 12 Lista de verificação de segurança para o Windows 7 Aula 12 Lista de verificação de segurança para o Windows 7 Use esta lista de verificação para ter certeza de que você está aproveitando todas as formas oferecidas pelo Windows para ajudar a manter o seu

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Em parceria com: Segurança da Informação Sua organização se preocupa em proteger as informações? Informação X Segurança DO QUE proteger as informações? ENTENDENDO A AMEAÇA Existem mais de 26.000 produtos

Leia mais

4. DEFINIÇÕES As definições estão no documento Política de Utilização da Rede Local CELEPAR, disponível em www.cooseg.celepar.parana.

4. DEFINIÇÕES As definições estão no documento Política de Utilização da Rede Local CELEPAR, disponível em www.cooseg.celepar.parana. Páginas 1 / 5 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para a utilização da Internet. 2. ÂMBITO DA APLICAÇÃO Aplica-se a todos os usuários da Rede Local CELEPAR. 3. PALAVRAS-CHAVES Rede Local, Internet, Intranet.

Leia mais

ATO Nº 195/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 195/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 195/2011 Institui a Norma de Segurança dos Recursos de Tecnologia da Informação - NSRTI, do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO,

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 002/DINFO/2014 29/10/2014. Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ, com vistas a assegurar:

ORDEM DE SERVIÇO OS 002/DINFO/2014 29/10/2014. Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ, com vistas a assegurar: A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ,

Leia mais

Certificado Digital e-cpf

Certificado Digital e-cpf Página1 Certificado Digital e-cpf Manual do Usuário Página2 Índice Apresentação... 03 O que é um Certificado Digital?... 03 Instalando o Certificado... 04 Conteúdo do Certificado... 07 Utilização, guarda

Leia mais

Prevenção. Como reduzir o volume de spam

Prevenção. Como reduzir o volume de spam Prevenção Como reduzir o volume de spam A resposta simples é navegar consciente na rede. Este conselho é o mesmo que recebemos para zelar pela nossa segurança no trânsito ou ao entrar e sair de nossas

Leia mais

Política de TI. 1 - Direitos do Colaborador

Política de TI. 1 - Direitos do Colaborador Política de TI A Política de segurança da informação da OPERARIO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO aplica-se a todos os colaboradores e prestadores de serviços, incluindo trabalhos executados externamente ou por

Leia mais

CONTRATO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM DE SITES

CONTRATO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM DE SITES CONTRATO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM DE SITES CLÁUSULA PRIMEIRA DAS PARTES 1.1 De um lado, JKL SERVIÇOS E TECNOLOGIA ME, Pessoa Jurídica com sede na Rua CAROLINA ROQUE nº 416, CEP 02472-030, cidade

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S.

Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 4: Trilhas de Auditoria Existe a necessidade

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS)

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS) POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS) 1. A aceitação a esta Política de Privacidade se dará com o clique no botão Eu aceito

Leia mais

SISTEMA DE AUTO ATENDIMENTO TREND OPERADORA TERMO DE USO

SISTEMA DE AUTO ATENDIMENTO TREND OPERADORA TERMO DE USO SISTEMA DE AUTO ATENDIMENTO TREND OPERADORA TERMO DE USO DA EMPRESA A TREND FAIRS E CONGRESSES OPERADORA DE VIAGENS PROFISSIONAIS LTDA, empresa com sede na Cidade de São Paulo, SP, na Rua Sete de Abril,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Página: 1 de 5 1. INTRODUÇÃO A informação é um ativo que possui grande importância para PRÓ-MEMÓRIA, sendo resguardada contra ameaças e riscos. Segurança da informação, segundo a NBR ISO/IEC 27002:2005,

Leia mais

TERMOS DE USO. Gestão eficiente do seu negócio

TERMOS DE USO. Gestão eficiente do seu negócio TERMOS DE USO Gestão eficiente do seu negócio SEJA BEM-VINDO AO SUASVENDAS! Recomendamos que antes de utilizar os serviços oferecidos pelo SuasVendas, leia atentamente os Termos de Uso a seguir para ficar

Leia mais

Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com

Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com Segurança da Informação Prof. Jeferson Cordini jmcordini@hotmail.com Segurança da Informação Segurança da Informação está relacionada com proteção de um conjunto de dados, no sentido de preservar o valor

Leia mais

Assunto: Política de uso dos Recursos Computacionais SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS...

Assunto: Política de uso dos Recursos Computacionais SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS... PÁGINA: 1 SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS... 02 IV. CONCEITO... 02 1. Recursos computacionais... 02 2. Usuário... 03 V. ATRIBUIÇÕES... 03 VI. POLÍTICA

Leia mais

Soluções em Segurança

Soluções em Segurança Desafios das empresas no que se refere a segurança da infraestrutura de TI Dificuldade de entender os riscos aos quais a empresa está exposta na internet Risco de problemas gerados por ameaças externas

Leia mais

Que informações nós coletamos, e de que maneira?

Que informações nós coletamos, e de que maneira? Política de Privacidade Vivertz Esta é a política de privacidade da Affinion International Serviços de Fidelidade e Corretora de Seguros Ltda que dispõe as práticas de proteção à privacidade do serviço

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Usando um firewall para ajudar a proteger o computador A conexão à Internet pode representar um perigo para o usuário de computador desatento. Um firewall ajuda a proteger o computador impedindo que usuários

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Título I Dos laboratórios de Informática Capítulo I - Da Organização Artigo 1º A área de Help Desk de TI executa a organização dos laboratórios de Informática

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE CONSULTOR HND

POLÍTICA DE PRIVACIDADE CONSULTOR HND POLÍTICA DE PRIVACIDADE CONSULTOR HND 1. Princípios Gerais Esta Política de privacidade descreve como o CONSULTOR HND coleta e usa informações pessoais fornecidas no nosso site: www.consultorhnd.com.br.

Leia mais

CARTILHA DE SEGURANÇA

CARTILHA DE SEGURANÇA ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO CARTILHA DE SEGURANÇA COORDENADORIA DE INFORMÁTICA Sumário O que é informação... 3 Cuidado com a Engenharia Social... 3 Dicas de Senhas... 4 Recomendações

Leia mais

SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES

SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 11 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. PRINCÍPIOS GERAIS DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA

OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA DIGITAL Wagner de Oliveira OBJETIVO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA Hoje em dia a informação é um item dos mais valiosos das grandes Empresas. Banco do Brasil Conscientizar da necessidade

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DA EMBRAPA

MANUAL DE NORMAS DA EMBRAPA Sumário 1. Objetivo 2. Campo de aplicação 3. Documentos de Referência 4. Definições 5. Condições gerais 6. Condições de Acesso aos Recursos 7. Autenticação de Usuários 8. Recursos de Hardware e Software

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) art 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo de complemento aos

Leia mais

Política de Segurança. Aldair Chaves, Alan Messias, Fábio Maia, Naiane Reis, Raul Libório

Política de Segurança. Aldair Chaves, Alan Messias, Fábio Maia, Naiane Reis, Raul Libório Política de Segurança Aldair Chaves, Alan Messias, Fábio Maia, Naiane Reis, Raul Libório Salvador, Novembro de 2007 NECESSIDADE DA IMPLEMENTAÇÃO DE SEGURANÇA NA EMPRESA Gerencia de recursos e funcionários,

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Art. 1º A missão do Laboratório de Informática da FACOS/Marquês é buscar a excelência no atendimento aos seus usuários. seguintes: informática.

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

Faculdade AlfaCastelo

Faculdade AlfaCastelo Faculdade AlfaCastelo REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA BARUERI - 2015 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA A Faculdade AlfaCastelo possui dois laboratórios de informática composto por uma

Leia mais

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR 1. INTRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR Este documento pretende descrever como deverá ser o uso apropriado dos recursos de computação

Leia mais

Segurança no Computador

Segurança no Computador Segurança no Computador Segurança na Internet: Módulo 1 (CC Entre Mar E Serra), 2008 Segurança na Internet, CC Entre Mar E Serra 1 Segurança no Computador Um computador (ou sistema computacional) é dito

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010. Dispõe sobre critérios de uso e segurança dos recursos de Tecnologia da Informação do Conselho Nacional

Leia mais

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 001/2012, DE 06 DE NOVEMBRO DE 2012. Versão nº 01 Aprovação em: 06/11/2012 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 55/2012 Unidade Responsável: Departamento de Tecnologia da Informação

Leia mais

Prof. Demétrios Coutinho

Prof. Demétrios Coutinho Prof. Demétrios Coutinho Hoje em dia a informação é o bem mais valioso de uma empresa/cliente. A segurança da informação é um conjunto de medidas que se constituem basicamente de controles e política de

Leia mais

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós!

Proteger as informações da empresa para a qual trabalhamos é um dever de todos nós! Prezado Colaborador, O conteúdo desta cartilha tem como objetivo compartilhar alguns conceitos relacionados ao tema Segurança da Informação. Além de dicas de como tratar os recursos e as informações corporativas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 1786/2015 - Quinta-feira, 06 de Agosto de 2015 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região 1 FL. 2 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015 REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015 Os laboratórios de informática utilizados pelos alunos das Faculdades Integradas Camões se encontram nas duas sedes: Treze de Maio e Muricy, funcionando

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET Pelo presente Instrumento Particular o BANCO MÁXIMA S/A, com sede na cidade de Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, na Avenida Atlântica, 1130, 12º andar

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Publicada no Boletim de Serviço Nº 4, em 7/4/2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Disciplina o uso dos recursos de tecnologia da informação do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências.

Leia mais