UMA EMPRESA FORTE EM ENERGIA. Energy Expo Fórum. Estratégias Vencedoras na Compra de Energia no Mercado Livre

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA EMPRESA FORTE EM ENERGIA. Energy Expo Fórum. Estratégias Vencedoras na Compra de Energia no Mercado Livre"

Transcrição

1 UMA EMPRESA FORTE EM ENERGIA Energy Expo Fórum Estratégias Vencedoras na Compra de Energia no Mercado Livre

2 Uma Empresa Forte em Energia 24 Usinas em Operação e 5 em Construção R$ 1,4 bilhão de investimentos em ativos de geração v Entre as maiores comercializadoras independentes do País Mais de 16 anos de mercado Mais de 500 clientes de gestão

3 GESTÃO DE ENERGIA PARA O CONSUMIDOR Gestão de energia nos Ambientes Cativo e Livre de contratação de energia Inserção e gestão de consumidores em projetos de Geração Distribuída Ampla atuação na estruturação de projetos de Eficiência Energética Monitoramento Online das principais variáveis que compõe o faturamento elétrico Diversas modalidades de Contratos de Performance

4 GESTÃO DE ENERGIA PARA O CONSUMIDOR Gestor exclusivo Área específica de Research, Inteligência de Mercado e Gestão de Risco Assessoria comercial, econômico-financeira e técnico-regulatória Relatórios gerenciais e boletins periódicos específicos Portal com ferramentas gerenciais online e banco de dados exclusivo

5 Entre as maiores comercializadoras independentes do país MWm *corresponde ao consumo anual de 5 Milhões de pessoas

6 GERAÇÃO DE ENERGIA 24 usinas em operação 105 MW de geração hidráulica USINAS 24 em operação 05 em implantação 14 em desenvolvimento

7 Fatores que Impactam a Contratação de Energia Definição da Estratégia de Contratação

8 Fatores que Impactam a Contratação de Energia Definição da Estratégia de Contratação

9 Matriz Energética: cada vez menos hidráulicas SITUAÇÃO 2007 SITUAÇÃO ATUAL PROJEÇÃO PARA OS PRÓXIMOS 5 ANOS 76,00% - 11% em hidráulicas + 7% térmicas + 4% eólicas 61,11% 57,97% 20,00% 26,74% 26,82% 2,10% 1,90% 0,11% 0,36% 3,23% 1,30% 7,15% 0,77% 3,23% 0,34% 2,02% 8,85% Usinas Hidrelétricas PCHs Solar Fotovoltaica Usinas Termelétricas CGHs Eólica Nuclear Participação na matriz por Potências Instaladas FONTE: Banco de Informação de Geração Aneel / BEN EPE Aumento significativo de Fontes Intermitentes Aumento da geração Térmica

10 Potência Instalada - Hidro (MW) Cada vez menos capacidade de armazenamento Belo Monte: Potência Instalada MW Garantia Física MWm Itaipu: Potência Instalada MW Geração anual média: MWm Volume Útil (1000 hm 3 ) De 2000 até 2017: Potência Instalada +74% Volume Útil de reservatórios +11% Potência Instalada Volume Útil

11 4,9 4,8 4,7 4,5 4,4 4,2 4,0 3,9 3,7 Cada vez menos capacidade de armazenamento ENERGIA ARMAZENADA / CARGA DO SIN (Meses de Armazenamento) 7,0 6,8 6,5 5,9 5,7 5,7 5,4 5,2 5, Hoje o reservatório cheio atende a carga do Sistema Interligado Nacional (SIN) por aproximadamente 4 meses Cada vez mais o SIN depende mais de afluência em cada período e despacho de termoelétricas

12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 nov/15 jan/16 mar/16 mai/16 jul/16 set/16 nov/16 jan/17 mar/17 mai/17 MWmed Evolução do Despacho Térmico Geração Hidráulica Segurança Energética Ordem de Mérito

13 % da Capacidade Máxima Evolução dos reservatórios 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0, EAR Médio à 2016

14 % da Capacidade Máxima Evolução dos reservatórios 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0, EAR Médio à 2016

15 % da Capacidade Máxima Evolução dos reservatórios 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0, EAR Médio à 2016

16 % da Capacidade Máxima Evolução dos reservatórios 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0, EAR Médio à 2016

17 % da Capacidade Máxima Evolução dos reservatórios 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0, EAR Médio à 2016

18 % da Capacidade Máxima Evolução dos reservatórios 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0, EAR Médio à 2016

19 % da Capacidade Máxima Evolução dos reservatórios 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0, EAR Médio à 2016

20 % da Capacidade Máxima Evolução dos reservatórios 100,00 90,00 80,00 70,00 60,00 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0, EAR Médio à 2016

21 MWmed Evolução da carga

22 MWmed Evolução da carga

23 MWmed Evolução da carga

24 MWmed Evolução da carga

25 MWmed Evolução da carga

26 MWmed Evolução da carga

27 Histórico PLD mai/03 out/03 mar/04 ago/04 jan/05 jun/05 nov/05 abr/06 set/06 fev/07 jul/07 dez/07 mai/08 out/08 mar/09 ago/09 jan/10 jun/10 nov/10 abr/11 set/11 fev/12 jul/12 dez/12 mai/13 out/13 mar/14 ago/14 jan/15 jun/15 nov/15 abr/16 set/16 fev/17 jul/17 SE/CO S NE N

28 R$/ MWh Evolução de Preços Curva Forward Convencional SE/CO 450,00 400, ,00 300,00 250,00 200,00 150,00 100,00 50, /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/2017

29 R$/ MWh Evolução de Preços 500,00 450,00 400,00 350,00 300,00 250,00 200,00 150,00 100,00 50,00 - Curva Forward Incentivada 50% SE/CO /09/ /10/ /11/ /12/ /01/ /02/ /03/ /04/ /05/ /06/ /07/ /08/ /09/ /10/2017

30 Índice de reajuste (%) R$/MWh Tendência de Tarifas Tarifa de Energia - TE TUSD Encargos TUSD Fio 40,24% -13,89% 12,71% 7,77% -3,21% 3,44% 4,15% -0,20% 0,45% 5,00% 1,85% ÍNDICE DE REAJUSTE

31 Preço de Equilíbrio Consumidor Especial Preço de equilíbrio Energia Incentivada 50% - Consumidor A4 (R$/MWh) R$299,67 MWh Preço de equilíbrio atual (R$/MWh)

32 4,3 bi de montante Aberto na CCEE. Sobras nas distribuidoras Aprimoramento do Modelo do Setor Elétrico 25x Mais migrações em 2016 e 2017 Alteração nos modelos de formação do PLD

33 Inteligência de Mercado - Relatórios

34 Fatores que Impactam a Contratação de Energia Definição da Estratégia de Contratação

35 O que o consumidor deseja? Custo de energia competitivo Segurança contratual Horizonte de contratação adequado Flexibilidades Energia limpa

36 Estratégia de Contratação de Energia Custos Informações do mercado Estratégia Planejamento e Projeções de consumo Apetite a Risco Tendências Tomar a melhor decisão possível a partir da sua análise, considerando seu planejamento de consumo, suas limitantes de risco e dadas as condições e tendências do mercado

37 PONTOS QUE DEVEM SER ANALISADOS PARA A OBTENÇÃO DOS RESULTADOS

38 Estratégia de Contratação de Energia Diretrizes da empresa quanto ao prazo de contratação Prazos mais longos: Alta previsibilidade de preços e fluxo de caixa; Risco reduzido de oscilações de mercado. Prazos mais curtos: Sujeito a oscilações de mercado; Possibilidade de coincidir recontratação com período de stress de mercado.

39 Estratégia de Contratação de Energia Avaliação criteriosa sobre volumes previstos. Dimensionamento correto das condições comerciais (Flexibilidade, Sazonalização e Paradas Programadas). Definição do grau de risco aceitável.

40 Estratégia de Contratação de Energia Análise das modalidades de preços oferecidas pelo mercado. Preços escalonados ou flat. Desconto frente à tarifa do mercado cativo. Escolha correta dos potenciais fornecedores de energia. Negociação adequada das contratações.

41 Conclusões Monitoramento de mercado permanente e renovações contratuais com antecedência adequada. Preços desejados alinhados com atual situação estrutural e conjuntural. Cada vez mais o consumidor terá opções e participará das decisões sobre energia, obtendo boas economias com o mercado livre. Importante contar com apoio especializado de quem entende do mercado e atua com responsabilidade e segurança.

42 Obrigado Energy Expo Fórum

43 SÃO PAULO Av. Engenheiro Luís Carlos Berrini, º Andar Berrine One - Vila Olímpia - Cep : (11) BELO HORIZONTE Av. Raja Gabáglia, 339, Cidade Jardim Cep: (31) GOIÂNIA Av. T-63, sl 1503, Setor Bueno Cep: (62) FLORIANÓPOLIS Av. Trompowsky, 291, sala 206, Centro Cep: (48) SALVADOR Av. Tancredo Neves, 2539, salas 1203 e 1204 Caminho das Árvores - Cep: (71)

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Palestra Apimec RJ 19/set/2011 Leonardo Lima Gomes Agenda 1. Visão Geral do Setor 2. Mercado de Energia Elétrica 3. Perspectivas Desenvolvimento Mercado 4. Perspectivas

Leia mais

AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE. Felipe Barroso

AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE. Felipe Barroso AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE Felipe Barroso AGENDA CARACTERÍSTICAS DO MERCADO LIVRE ESPECIAL MONITORAMENTO DAS VARIÁVEIS DE FORMAÇÃO DOS PREÇOS APETITE AO RISCO EXPECTATIVA DE PREÇOS

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Março de 2014 1 Conjuntura do Sistema 2 Recordes de demanda mensal de energia elétrica... Fev/14 68.500 61.106

Leia mais

Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético. Maio de 2017

Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético. Maio de 2017 Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético Maio de 2017 Instabilidade do preço-teto nos leilões O preço teto para a fonte biomassa tem

Leia mais

Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários. Juliana Chade

Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários. Juliana Chade Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários Juliana Chade Agenda Cenário atual Preços Afluências Reservatórios Consumo de energia elétrica Meteorologia/Clima Expansão da Oferta Projeções de PLD 2 Agenda

Leia mais

O Mercado Livre de Energia Elétrica

O Mercado Livre de Energia Elétrica O Mercado Livre de Energia Elétrica Conjuntura atual do setor elétrico, seus impactos na indústria e perspectivas futuras. Campetro Energy Novembro de 2015 Sumário 1. Institucional Grupo Votorantim e Votorantim

Leia mais

Obrigado! Consultoria em Energia

Obrigado! Consultoria em Energia Obrigado! Marcos Guimarães Consultoria em Energia Pedro Kurbhi Agenda 1 - Eficiência Energética x Gestão Contratual 2 - Pontos Críticos na Gestão de Energia 3- A Demanda 4 - O Consumo 5- Reativos 6 - A

Leia mais

A Energia na Cidade do Futuro

A Energia na Cidade do Futuro Ministério de Minas e Energia A Energia na Cidade do Futuro 2º Workshop Perspectivas da Matriz Elétrica Brasileira I Participação das Fontes Renováveis e Alternativas Campinas, 07 de junho de 2013 José

Leia mais

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração Operações do Mercado de Energia Evolução e Perspectiva Seminário FIEPE 11 de abril de 2013 Paulo Born Conselho de Administração Agenda Visão Geral do Mercado de Energia Governança e Ambientes de Comercialização

Leia mais

Ambiente Institucional

Ambiente Institucional Ministério de Minas e Energia Ministério de Minas e Energia Encontro Técnico GT São Marcos Setor Elétrico Suprimento e Armazenamento de Energia: O Desafio Goiânia, Agosto de 2016. 1 Ambiente Institucional

Leia mais

Resultados 2016 Março, 2017

Resultados 2016 Março, 2017 Resultados Março, 2017 Hidrologia e Reservatórios Redução da afluência no SIN em (86,7% da MLT 1 vs. 89,4% em 2015) com maior nível dos reservatórios em 31,7% em vs. 29,4% em 2015 Destaques $ Preço de

Leia mais

Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado

Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado ENASE 2017-14º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração 17/05/2017 Agenda CCEE Mercado

Leia mais

Café da Manhã JP Morgan Ricardo Cyrino 27 de julho de 2017

Café da Manhã JP Morgan Ricardo Cyrino 27 de julho de 2017 Café da Manhã JP Morgan Ricardo Cyrino 27 de julho de 2017 Agenda Hidrologia e Regulação Estratégia de Crescimento & Nova Plataforma Comercial Atualizações Setoriais 2 Hidrologia e Regulação 3 Desempenho

Leia mais

Workshop de Eficiência Energética Gerar sua própria energia é realmente um bom negócio? Jun/17

Workshop de Eficiência Energética Gerar sua própria energia é realmente um bom negócio? Jun/17 Workshop de Eficiência Energética Gerar sua própria energia é realmente um bom negócio? Jun/17 Programação Capítulo 1 Quem somos Capítulo 2 Energia Solar Fotovoltaica no Brasil Capítulo 3 Cases Capítulo

Leia mais

Nº 003 Março/ Nº de usinas

Nº 003 Março/ Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira

A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira V Seminário de Geração e Desenvolvimento Sustentável Fundación MAPFRE Prof. Nivalde José de Castro Prof. Sidnei

Leia mais

Nº 54 Fevereiro/

Nº 54 Fevereiro/ www.ccee.org.br Nº 54 Fevereiro/212 8 1 8 O Info Mercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da CCEE. Esta edição refere-se aos dados da contabilização

Leia mais

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas Nº de usinas www.cceorg.br Nº 008 Agosto/2014 0 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia

Leia mais

3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016

3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016 3 Seminário Socioambiental Eólico Solenidade de Abertura Salvador, 05 de Dezembro de 2016 Panorama político-econômico para a geração de energia eólica e perspectivas ambientais para o setor Saulo Cisneiros

Leia mais

Elbia Melo Presidente Executiva

Elbia Melo Presidente Executiva Elbia Melo Presidente Executiva QUEM SOMOS A ABEEólica Associação Brasileira de Energia Eólica congrega, em todo o Brasil, contando com 94 empresas pertencentes à cadeia produtiva direcionada à produção

Leia mais

VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil

VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração Câmara de Comercialização

Leia mais

ENERGY TRADING BRASIL 2009

ENERGY TRADING BRASIL 2009 ENERGY TRADING BRASIL 2009 Sessão 2.2.1 Fontes Incentivadas de Energia Cenários de Comercialização de Energia Elétrica para 2009 JOSE AMORIM ROTEIRO DA PALESTRA MENSAGEM INSTITUCIONAL CADEIA DE VALORES

Leia mais

Solange David. Vice-presidente do conselho de administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE)

Solange David. Vice-presidente do conselho de administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) Solange David Vice-presidente do conselho de administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE: oportunidades e desafios

Leia mais

A bioeletricidade e o setor sucroenergético brasileiro: oportunidades e desafios

A bioeletricidade e o setor sucroenergético brasileiro: oportunidades e desafios A bioeletricidade e o setor sucroenergético brasileiro: oportunidades e desafios Zilmar Souza 5ª Edição do CampetroEnergy Bioeletricidade Campinas SP 29 de novembro de 2016 Geração da biomassa em 2014

Leia mais

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para 2015 Hermes Chipp Diretor Geral FGV Rio de Janeiro, 02/06/2014 1 Visão de Curto Prazo Avaliação das Condições Meteorológicas

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de abril

Análise PLD 4ª semana operativa de abril 1,16 37,61 13, 19,3 8,9 67,31 97,36 13,43 38,73 7,8 9,4 166,69 63,6 94,1 3,66 3,4 37,73 49,4 7,93 61,3 83,43 11,8 149,,1 166, 1,19 11,44 18,43 16,4 87, 39,73 46,1 36,68 3,66 331,1 689, www.ccee.org.br

Leia mais

Análise PLD 1ª semana operativa de fevereiro

Análise PLD 1ª semana operativa de fevereiro A 125,16 395,73 37,61 13,25 19,03 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 70,28 29,42,69 263,06 689,25 287,20 94,28 35,66 30,42 37,73 49,42 75,93 61,32 83,43 115,58 149,02,21,05,19 121,44,64 www.ccee.org.br Nº

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 94,28 35,66 3,42 37,73 49,42 75,93 61,32 83,43 115,58 149,2 2,21 166,5 122,19 121,44 1,64 111,91 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br

Leia mais

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Zilmar José de Souza Câmara Consultiva do Açúcar e Etanol na BM&F-Bovespa São Paulo - 9 de setembro de 2014 Bioeletricidade: capacidade instalada (em MW)

Leia mais

Planejamento Energético Matriz Futura

Planejamento Energético Matriz Futura Planejamento Energético Matriz Futura Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor PROMOÇÃO Belo Horizonte, MG 24 de Abril de 2014 O planejamento energético é orientado para atender

Leia mais

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Zilmar José de Souza XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA Rio de Janeiro 23 de outubro de 2012 A UNICA A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA)

Leia mais

Fernando Henrique Schüffner Neto

Fernando Henrique Schüffner Neto Fernando Henrique Schüffner Neto 24/Março/2011 Tópicos i. Produção de Energia Elétrica ii. Comercialização da Energia Elétrica iii. Panorama Atual das Fontes Geração Grandes Centrais Hidrelétricas (UHE)

Leia mais

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios Zilmar Souza Federação das Indústrias do Estado de Goiás FIEG Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios 18ª Reunião Goiás - GO 18 de agosto de 2015 BIOELETRICIDADE DA CANA

Leia mais

Case: a sobre contratação das distribuidoras, suas causas e seus efeitos

Case: a sobre contratação das distribuidoras, suas causas e seus efeitos Case: a sobre contratação das distribuidoras, suas causas e seus efeitos Fernando Umbria LPS Consultoria Energética LPS Sobras das distribuidoras As distribuidoras encontram-se com elevados excedentes

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Análise PLD 1ª semana operativa de agosto

Análise PLD 1ª semana operativa de agosto a 125,16 395,73 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 689,25 287,2 35,66 3,42 37,73,42 75,93 61,32 83,43 117,58 www.ccee.org.br Nº 253 1ª semana de agosto/216 8 1 8 O

Leia mais

ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE

ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE Como reduzir custos sem comprometer a produção? MERCADO LIVRE DE ENERGIA MERCADO LIVRE DE ENERGIA Liberdade para escolher o fornecedor de energia, obter economia

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 25 03 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2.

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Por Dentro da Tractebel Florianópolis, 1º de agosto de 2013 Manoel Zaroni Torres - CEO Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Expansão da Matriz

Leia mais

Visão Geral do Setor Elétrico Brasileiro e o Desenvolvimento Sustentável da Geração. Manoel Zaroni Torres Março, 2009

Visão Geral do Setor Elétrico Brasileiro e o Desenvolvimento Sustentável da Geração. Manoel Zaroni Torres Março, 2009 Visão Geral do Setor Elétrico Brasileiro e o Desenvolvimento Sustentável da Geração Manoel Zaroni Torres Março, 2009 Agenda 1. O Setor Elétrico Brasileiro 2. Tractebel Energia e o Grupo GDF SUEZ 3. A Sustentabilidade

Leia mais

CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA

CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA ACMMINAS CONSELHO EMPRESARIAL DE MINERAÇÃO E SIDERURGIA JULHO DE 2016 SUMÁRIO A CEMIG E O SETOR INDUSTRIAL HISTÓRICO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E DE ATENDIMENTO REPRESENTATIVIDADES

Leia mais

Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS

Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS Flávio Guimarães Lins Gerente de Pré-operação e Tempo Real do ONS/COSR-NE Natal-RN, 27 de junho de 2017 Sumário Os Centros de

Leia mais

Expansão para o Mercado Livre: PRODUTOS

Expansão para o Mercado Livre: PRODUTOS Expansão para o Mercado Livre: PRODUTOS 05 de Outubro de 2007 Delta Comercializadora de Energia Av. Cardoso de Melo, 900 11º andar CEP: 04548-003 São Paulo, SP www.deltaenergia.com.br Produtos Ofertados

Leia mais

Preços no mercado de energia elétrica brasileiro

Preços no mercado de energia elétrica brasileiro Preços no mercado de energia elétrica brasileiro Função, Formação e Evolução Dilcemar P. Mendes ANEEL São Paulo SP, 02 de junho de 2008 Roteiro I. Introdução II. A Função dos Preços de Curto Prazo II.

Leia mais

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte, 24 de abril de 2014 Associadas da ABRAGE Usinas das associadas da ABRAGE Hidrelétricas

Leia mais

ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil

ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil Diversificação da Matriz Termelétrica Outubro de 2009 A Importância da Diversificação das Fontes no Sistema Elétrico Brasileiro Diversificação das Fontes

Leia mais

PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE

PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE PLANEJAMENTO E PERSPECTIVAS DO MERCADO DE ENERGIA PARA O SETOR SUCROENERGÉTICO: BIOELETRICIDADE : a Energia Elétrica da Cana de Açúcar Belo Horizonte, 05 de outubro de 2016 José Mauro Coelho Diretoria

Leia mais

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil

Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Seminário Inserção de Fontes Renováveis no Brasil Fontes Renováveis na Matriz Energética Amilcar Guerreiro Economia da Energia e do Meio Ambiente Diretor Rio de Janeiro, RJ 29 Abril 2014 Seminário Inserção

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa pouco mais de 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia

Leia mais

FÓRUM E MOSTRA TECNOLÓGICA ÁGUA E ENERGIA.

FÓRUM E MOSTRA TECNOLÓGICA ÁGUA E ENERGIA. FÓRUM E MOSTRA TECNOLÓGICA ÁGUA E ENERGIA Sandra Carneiro ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA COMPARATIVA DE FONTES DE ENERGIA Vitória (ES), Junho de 2017. Sandra Carneiro PEDRO PACHECO BACHETI 2013 2014 2015

Leia mais

Resultados 3T16 Novembro, 2016

Resultados 3T16 Novembro, 2016 Resultados Novembro, 2016 Hidrologia e Reservatórios Redução da afluência do SIN no para 86,5% da MLT 1 na comparação com o 3T15 e nível dos reservatórios ficaram em 38,3% Preço de Energia Expectativa

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa já representa quase 10% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

PARCERIA SEGURA E COM EXPERIÊNCIA

PARCERIA SEGURA E COM EXPERIÊNCIA PARCERIA SEGURA E COM EXPERIÊNCIA O GRUPO CPFL ENERGIA Grupo com mais de 100 anos de história Maior grupo privado do setor elétrico nacional Mais de 30 anos de relacionamento com o setor sucroenergético

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

42,6 42,0 43,0 40,0 40,3 29,0 30,1 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4 23,1 20,5

42,6 42,0 43,0 40,0 40,3 29,0 30,1 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4 23,1 20,5 % Armazenamento JUNHO RV0 1.1 ARMAZENAMENTO HISTÓRICO DO SISTEMA INTEGRADO NACIONAL 20 56,8 55,7 54,8,2 42,3 42,9 38,5,4 42,6 42,0 43,0,0 34,9 37,0 38,1,3 34,4 35,7 29,0 30,1 32,3 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4

Leia mais

Análise PLD 3ª semana operativa de março

Análise PLD 3ª semana operativa de março 12,16 37,61 13,2 19,3 28,9 67,31 97,36 13,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 287,2 94,1 3,66 3,42 37,73 49,42 7,93 61,32 83,43 11,8 149,2 2,21 166, 122,19 121,44 128,43 184,49 18,6 238, 39,73 689,2 www.ccee.org.br

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%.

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%. O InfoMercado mensal apresenta os dados da prévia de medição de fevereiro/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em janeiro/15. Este boletim traz um

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO 01 de Abril de 2011 Mesa Redonda sobre Energia no Brasil: Energia e o Novo Governo Rio de Janeiro Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia!

... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia! Cenário Energético Nacional e as Oportunidades na Cogeração de Energia Elétrica Set/2015... um novo e sustentável ciclo de produção descentralizada de energia! Blackout New York 14, August 2003 COGEN Associação

Leia mais

Expansão do Sistema Elétrico Brasileiro

Expansão do Sistema Elétrico Brasileiro Expansão do Sistema Elétrico Brasileiro Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE São Paulo, SP 13 de Março de 2015 Expansão do Sistema

Leia mais

Inovação e Desenvolvimento do Setor Elétrico Brasileiro

Inovação e Desenvolvimento do Setor Elétrico Brasileiro Inovação e Desenvolvimento do Setor Elétrico Brasileiro i Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário Características teóricas-econômicas do SE Fases do Desenvolvimento do SEB Modelo de Privatização

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA

PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA Manoel Zaroni Torres São Paulo, 30 de Março de 2016 1 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 PIB: histórico x projeção 7,6%

Leia mais

Oportunidades no Mercado Livre de Energia Grupo Enel Diretoria de Trading e Gestão de Energia Feira da Indústria Eletro-Eletrônica 2017

Oportunidades no Mercado Livre de Energia Grupo Enel Diretoria de Trading e Gestão de Energia Feira da Indústria Eletro-Eletrônica 2017 Oportunidades no Mercado Livre de Energia Grupo Enel Diretoria de Trading e Gestão de Energia Feira da Indústria Eletro-Eletrônica 2017 31/07/2017 Enel no Mundo Dados Presença: 32 países e 4 continentes

Leia mais

Desenvolvimento da Indústria Eólica no Brasil Necessidades e Oportunidades de Investimentos

Desenvolvimento da Indústria Eólica no Brasil Necessidades e Oportunidades de Investimentos Desenvolvimento da Indústria Eólica no Brasil Necessidades e Oportunidades de Investimentos 17 Julho de 2017 Associados 2 Data: junho/2016 Contexto Mundial Trajetória Mundial (Capacidade Instalada Acumulada)

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08

www.ccee.org.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 www.cceorg.br Nº 009 Setembro/2014 0800 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PMO de Novembro Semana Operativa de 28/10/2017 a 03/11/2017

PMO de Novembro Semana Operativa de 28/10/2017 a 03/11/2017 1. APRESENTAÇÃO Na primeira quinzena de outubro ocorreu chuva fraca a moderada nas bacias dos subsistemas Sul e Sudeste/Centro-Oeste. Na quarta semana do mês ocorreram totais elevados de precipitação nas

Leia mais

Santander VII Conferência Setor Elétrico Brasil Wilson Ferreira Jr CEO

Santander VII Conferência Setor Elétrico Brasil Wilson Ferreira Jr CEO Santander VII Conferência Setor Elétrico Brasil Wilson Ferreira Jr CEO Fevereiro São Paulo, 2016 07 de março de 2012 1 Temas para discussão 1 2 3 4 5 6 7 Panorama 2015-2016 Repactuação do risco hidrológico

Leia mais

Agenda Positiva do Mercado Livre de Energia 14º Encontro Internacional de Energia - FIESP 5 de agosto de Ricardo Lima Conselho de Administração

Agenda Positiva do Mercado Livre de Energia 14º Encontro Internacional de Energia - FIESP 5 de agosto de Ricardo Lima Conselho de Administração Agenda Positiva do Mercado Livre de Energia 14º Encontro Internacional de Energia - FIESP 5 de agosto de 2013 Ricardo Lima Conselho de Administração Agenda Visão geral de mercado Dados de Comercialização

Leia mais

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016

O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF. Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 O Setor de Energia Limpa dos Pequenos e Médios Produtores CONFEA/DF Brasília/DF, 22 de novembro de 2016 A Abragel Possui 16 anos de atuação Congrega 252 empresas associadas Consolidadas em 70 grupos econômicos

Leia mais

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017 Destaques: A capacidade instalada atualmente pela biomassa (14.619 MW) supera a capacidade instalada pela usina Itaipu. Com 9% da matriz elétrica brasileira, a fonte biomassa em geral ocupa a 2ª posição

Leia mais

Energia Eólica Agosto / 2016

Energia Eólica Agosto / 2016 Energia Eólica Agosto / 2016 ABEEólica: Quem somos? A ABEEólica Associação Brasileira de Energia Eólica, pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, fundada em 2002, congrega, em todo o Brasil,

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de maio

Análise PLD 4ª semana operativa de maio 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 35,66 3,42 37,73 49,42 135,43 86,45 8,39 74,51 73,31 166,69 263,6 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br Nº 243 4ª semana de o/216 8 1 8 O InfoPLD

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios

Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios XXIII SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRNSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Setor Elétrico Brasileiro: Crescimento e Desafios Políticas do Ministério de para o Setor Elétrico Brasileiro Altino Ventura

Leia mais

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002 O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO Walfrido Avila - 06/2002 1 1 - CENÁRIOS DE EVOLUÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO CENÁRIO DE REFERÊNCIA (1) Critérios com base na Resolução

Leia mais

Redução de custo energético. Eficiência técnica e econômica. Energia limpa e soluções customizadas

Redução de custo energético. Eficiência técnica e econômica. Energia limpa e soluções customizadas Redução de custo energético Eficiência técnica e econômica Energia limpa e soluções customizadas NOSSA EMPRESA A Trader Energia atua em todo o Brasil comercializando energia elétrica, desenvolvendo projetos

Leia mais

Apresentação para ENASE Modernização e Evolução do Modelo Setorial

Apresentação para ENASE Modernização e Evolução do Modelo Setorial Apresentação para ENASE Modernização e Evolução do Modelo Setorial Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do Operador Luiz Eduardo Barata Ferreira Diretor Geral Rio de Janeiro, 17 de maio de

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica e Formação de Preços

Mercado de Energia Elétrica e Formação de Preços Mercado de Energia Elétrica e Formação de Preços Gustavo Arfux Agenda Principais aspectos da comercialização de energia no mercado livre A cadeia de modelos matemáticos de planejamento e operação Formação

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Belo Horizonte, 21 de Agosto de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Potencial Energético das Bacias do Sul

Potencial Energético das Bacias do Sul Potencial Energético das Bacias do Sul Explorado e a explorar 15 de setembro de 2017 Diretoria de Geração DG Departamento de Operação da Produção DOP Coordenação de Pré-Operação e Hidrologia Operacional

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro 15 de agosto de 2012 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

GERAÇÃO EM HORÁRIO DE PONTA

GERAÇÃO EM HORÁRIO DE PONTA GERAÇÃO EM HORÁRIO DE PONTA 1 TÓPICOS A SEREM ABORDADOS 1) Geração de energia através de Grupos Geradores para operação em Emergência e Horário de Ponta: DIESEL GÁS NATURAL 2) Algumas formas de geração

Leia mais

Análise PLD 3ª semana operativa de maio

Análise PLD 3ª semana operativa de maio 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 35,66 3,42 37,73 49,42 86,45 8,39 74,51 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br

Leia mais

Utilities Day Santander São Paulo, Fevereiro de 2016

Utilities Day Santander São Paulo, Fevereiro de 2016 Utilities Day Santander São Paulo, Fevereiro de 2016 1 Fluxos nos Sistemas de Potência O fluxo dos elétrons Baseado em Leis Universais: - Kirchhoff's - Ohm s - Gauss s - Equações de Maxwell - Equações

Leia mais

Plano da Apresentação

Plano da Apresentação Plano da Apresentação 1. Algumas características do Setor Elétrico Brasileiro. 2. Algumas características de PCHs e CGHs. 3. Simulação de Fluxos de Caixa. 4. Modelos de desenvolvimento de PCHs. Monopólio

Leia mais

Panorama do Setor Elétrico Brasileiro. Adriano Pires Janeiro/2015

Panorama do Setor Elétrico Brasileiro. Adriano Pires Janeiro/2015 Panorama do Setor Elétrico Brasileiro Adriano Pires Janeiro/2015 1 Índice Contextualização e Perspectivas para o Setor Elétrico: Mudança no perfil do setor elétrico Questão regulatória (MP 579) Momento

Leia mais

Matriz Elétrica Brasileira e

Matriz Elétrica Brasileira e Matriz Elétrica Brasileira e as REI s 3 0 Seminário Inserção de Novas Fontes Renováveis e Redes Inteligentes no Planejamento Energético Nacional Rio de Janeiro, 20 de Setembro de 2016 Jeferson Borghetti

Leia mais

Desafios da Regulação no Setor Elétrico. Desafios da expansão do setor elétrico. Amilcar Guerreiro III SEMINÁRIO INTERNACIONAL MESA I

Desafios da Regulação no Setor Elétrico. Desafios da expansão do setor elétrico. Amilcar Guerreiro III SEMINÁRIO INTERNACIONAL MESA I III SEMINÁRIO INTERNACIONAL Desafios da Regulação no Setor Elétrico MESA I Desafios da expansão do setor elétrico Amilcar Guerreiro Diretor Estudos Energia Elétrica Coimbra, Portugal 14-15 novembro 2016

Leia mais

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa

Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Expectativas Relacionadas às Políticas Governamentais e Incentivos Fiscais para as Térmicas à Biomassa Zilmar José de Souza Planejamento Termelétrico Brasileiro Rio de Janeiro RJ 11 de abril de 2012 A

Leia mais

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ 30 de agosto de

Leia mais

Painel 2: O mercado em /04/2017 Agenda Setorial 2017: Abastecimento, Preço e Perspectivas

Painel 2: O mercado em /04/2017 Agenda Setorial 2017: Abastecimento, Preço e Perspectivas Painel 2: O mercado em 2017 03/04/2017 Agenda Setorial 2017: Abastecimento, Preço e Perspectivas Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração Agenda Grandes números da CCEE A expansão do mercado

Leia mais

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng.

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. VII Conferência Anual da RELOP Praia, Cabo Verde 04 e 05/09/2014 Workshop:

Leia mais

Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro

Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro 15 de Agosto de 2016 Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro A energia elétrica é insumo essencial à indústria, podendo representar até 40% dos custos de produção em setores eletrointensivos.

Leia mais

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Painel 3 - INTEGRAÇÃO NO MERCOSUL Seminário Internacional de Integração Elétrica da América do Sul 7 de agosto de 2012 Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Sistema Interligado

Leia mais

Resultados 4T

Resultados 4T Resultados 4T16 2016 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira

Leia mais

Apresentação Credit Suisse 26 de agosto de /07

Apresentação Credit Suisse 26 de agosto de /07 Apresentação Credit Suisse 26 de agosto de 2016 05/07 Nova Realidade no Setor Matriz mais complexa e centrada no cliente Cogeração Geração Energia Eólica Geração Veículos Elétricos Transmissão Energia

Leia mais