Departamento de Engenharia Mecânica Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Departamento de Engenharia Mecânica Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra"

Transcrição

1 Departamento de Engenharia Mecânica Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra Plano de transição da Licenciatura em Engenharia Mecânica para o Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica

2 1. Estrutura Curricular e Plano de Estudos 1 O modelo adoptado para a adequação da actual Licenciatura em Engenharia Mecânica ao Formato de Bolonha é um modelo composto por um único ciclo de ensino designado por Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica-MIEM, com 300 unidades de crédito ECTS e uma duração de 10 semestres, sendo que no final do 3º ano (6º semestre) é conferido aos alunos o grau de Licenciatura para efeitos de mobilidade. O MIEM está estruturado em três áreas de especialização, Projecto Mecânico, Energia e Ambiente e Sistemas de Produção. A estrutura curricular e o número de créditos a obter em cada área científica para a conclusão do curso é a seguinte: QUADRO N.º 1 Área de Especialização de Projecto Mecânico CRÉDITOS ÁREA CIENTÍFICA SIGLA OBRIGATÓRIOS OPTATIVOS Ciências Básicas CB 64,5 Ciências de Engenharia CE 87,5 Ciências de Engenharia Mecânica CEM Ciências Complementares CC 5 Área de Integração AI 15 Dissertação D 30 TOTAL (1) (1) Indicar o número de créditos das áreas científicas optativas, necessários para a obtenção do grau ou diploma. 1 De acordo com a referência [1] - 2 -

3 QUADRO N.º 2 Área de Especialização de Energia e Ambiente CRÉDITOS ÁREA CIENTÍFICA SIGLA OBRIGATÓRIOS OPTATIVOS Ciências Básicas CB 64,5 Ciências de Engenharia CE 87,5 Ciências de Engenharia Mecânica CEM Ciências Complementares CC 5 Área de Integração AI 15 Dissertação D 30 TOTAL (1) (1) Indicar o número de créditos das áreas científicas optativas, necessários para a obtenção do grau ou diploma. QUADRO N.º 3 Área de Especialização de Sistemas de Produção CRÉDITOS ÁREA CIENTÍFICA SIGLA OBRIGATÓRIOS OPTATIVOS Ciências Básicas CB 64,5 0 a 6 Ciências de Engenharia CE 87,5 Ciências de Engenharia Mecânica CEM a 30 Ciências Complementares CC 5 Área de Integração AI 15 Dissertação D 30 TOTAL (1) (1) Indicar o número de créditos das áreas científicas optativas, necessários para a obtenção do grau ou diploma

4 O plano de estudos em cada uma das áreas de especialização é o que se segue sendo que a escolha das disciplinas da especialidade optativas deve ser feita de modo a que formem grupos consistentes de disciplinas, que configurem um perfil formativo significativo no âmbito da respectiva área de especialização. QUADRO N.º 4 Plano de estudos da área de especialização de Projecto Mecânico Unidades curriculares Projecto Mecânico Área científ. Ano e sem. Tempo de trabalho (horas) Créd. Total Contacto Análise Matemática I CB 1A1S 202,5 T-45, TP-45 7,5 Estrutura e Propriedades da Matéria CB 1A1S 162 T-30, TP-30, S-10, OT-30 6,0 Desenho Técnico I CE 1A1S 121,5 T-30, PL-30 4,5 Álgebra Linear e Geometria Analítica CB 1A1S 162 T-45, TP-30 6,0 Programação de Computadores CE 1A1S 162 T-28, TP-28, OT-4 6,0 Análise Matemática II CB 1A2S 202,5 T-45, TP-45 7,5 Probabilidades e Estatística CB 1A2S 162 T-30, TP-30 6,0 Desenho Técnico II CE 1A2S 121,5 T-30, PL-30 4,5 Física Geral I CB 1A2S 162 T-45, TP-30 6,0 Métodos Numéricos e Computacionais CB 1A2S 162 T-30, TP-30, PL-15 6,0 Análise Matemática III CB 2A1S 202,5 T-45, TP-45 7,5 Física Geral II CB 2A1S 162 T-45, TP-30 6,0 Ciência e Engenharia de Materiais I CE 2A1S 121,5 T-30, TP-30, OT-10 4,5 Mecânica Aplicada CE 2A1S 162 T-30, TP-30, OT-30 6,0 Termodinâmica CB 2A1S 162 T-30, TP-28, PL-2, OT-2 6,0-4 -

5 Elasticidade e Plasticidade CE 2A2S 162 T-30, TP-30 6,0 Resistência de Materiais I CE 2A2S 162 T-30, TP-30, PL-4, OT-2 6,0 Instrumentação e Medida CE 2A2S 162 T-28, TP-14, PL-14, O-10 6,0 Termodinâmica Aplicada CEM 2A2S 162 T-26, TP-24, PL-4, OT-2 6,0 Ciência e Engenharia de Materiais II CE 2A2S 162 T-30, TP-30, OT-10 6,0 Mecânica dos Fluidos I CE 3A1S 162 T-30, TP-28, PL-2, OT-2 6,0 Resistência de Materiais II CE 3A1S 162 T-30, TP-30, PL-4, OT-2 6,0 Automação Industrial CEM 3A1S 162 T-30, TP-15, PL-15 6,0 Tecnologia Mecânica I CEM 3A1S 162 T-30, TP-15, PL-15, S-6 6,0 Gestão da Produção CEM 3A1S 162 T-30, TP-30, O-10 6,0 Mecânica dos Fluidos II CEM 3A2S 162 T-30, TP-28, PL-2, OT-2 6,0 Transmissão de Calor I CE 3A2S 162 T-40, TP-40, OT-20 6,0 Mecânica dos Sólidos CE 3A2S 162 T-30, TP-30, OT-2 6,0 Introdução ao Projecto Mecânico AI 3A2S 162 T-30, TP-45 6,0 Vibrações e Ruído CE 3A2S 162 T-30, TP-26, PL-4 6,0 Economia e Gestão Industrial CC 4A1S 135 T-30, TP-30 5,0 Transmissão de Calor II CEM 4A1S 135 T-40, TP-40, OT-10 5,0 Electrotecnia e Máquinas Eléctricas CE 4A1S 135 T-30, TP-28, PL-4 5,0 Manutenção CEM 4A1S 135 T-30, TP-26, PL-4 5,0 Tecnologia Mecânica II CEM 4A1S 135 T-30, TP-15, PL-15, S-6 5,0 Comportamento Mecânico dos Materiais CEM 4A1S 135 T-30, TP-15, PL-15 5,0 Gestão da Qualidade CEM 4A2S 162 T-30, TP-30, O-10 6,0 Motores de Combustão Interna CEM 4A2S 162 T-28, TP-14, PL-14 6,0 Controlo Industrial CEM 4A2S 162 T-30, TP-10, PL-20 6,0 Mecânica Estrutural CEM 4A2S 162 T-30, PL-45, OT-15 6,0-5 -

6 Órgãos de Máquinas CEM 4A2S 162 T-30, TP-30 6,0 Higiene e Segurança Ocupacionais CE 5A1S 81 T-45 3,0 Projecto de Sistemas Mecânicos AI 5A1S 243 TP-90 9,0 Cálculo Automático de Estruturas CEM 5A1S 162 T-30, PL-45, OT-15 6,0 Optativa 1 CEM 5A1S 162 T-30, TP-30, OT-15, O-4 6,0 Optativa 2 CEM 5A1S 162 T-14, TP-21, OT-14 6,0 Tese de Mestrado D 5A2S 810 OT-45 30,0 Consideram-se significativos para a área de especialização de Projecto Mecânico os seguintes perfis formativos: QUADRO N.º 5: Perfis Formativos oferecidos na Área de Especialização de Projecto Mecânico N. Perfil Optativa 1 Optativa 2 A Selecção de Materiais e Processos de 1 Fabrico 2a 2b 2c 2d 3a 3b 3c 3d Selecção de Materiais e Processos de Fabrico Selecção de Materiais e Processos de Fabrico Selecção de Materiais e Processos de Fabrico Selecção de Materiais e Processos de Fabrico Projecto de Estruturas em Materiais Compósitos Projecto de Estruturas em Materiais Compósitos Projecto de Estruturas em Materiais Compósitos Projecto de Estruturas em Materiais Compósitos Projecto de Estruturas em Materiais Compósitos Gestão Energética e Ambiental Mecânica Computacional em Tecnologia Robótica Industrial Tecnologia Mecânica IV Gestão Energética e Ambiental Modelação Numérica de Fenómenos de Transferência Mecânica Computacional em Tecnologia Robótica Industrial - 6 -

7 3e Projecto de Estruturas em Materiais Compósitos Tecnologia Mecânica IV A Perfil de base do curso na área de especialização de Projecto Mecânico QUADRO N.º 6 Plano de estudos da área de especialização de Energia e Ambiente Energia e ambiente Unidades curriculares Área científ. Ano e sem. Tempo de trabalho (horas) Total Contacto Créd. Análise Matemática I CB 1A1S 202,5 T-45, TP-45 7,5 Estrutura e Propriedades da Matéria CB 1A1S 162 T-30, TP-30, S-10, OT-30 6,0 Desenho Técnico I CE 1A1S 121,5 T-30, PL-30 4,5 Álgebra Linear e Geometria Analítica CB 1A1S 162 T-45, TP-30 6,0 Programação de Computadores CE 1A1S 162 T-28, TP-28, OT-4 6,0 Análise Matemática II CB 1A2S 202,5 T-45, TP-45 7,5 Probabilidades e Estatística CB 1A2S 162 T-30, TP-30 6,0 Desenho Técnico II CE 1A2S 121,5 T-30, PL-30 4,5 Física Geral I CB 1A2S 162 T-45, TP-30 6,0 Métodos Numéricos e Computacionais CB 1A2S 162 T-30, TP-30, PL-15 6,0 Análise Matemática III CB 2A1S 202,5 T-45, TP-45 7,5 Física Geral II CB 2A1S 162 T-45, TP-30 6,0 Ciência e Engenharia de Materiais I CE 2A1S 121,5 T-30, TP-30, OT-10 4,5 Mecânica Aplicada CE 2A1S 162 T-30, TP-30, OT-30 6,0 Termodinâmica CB 2A1S 162 T-30, TP-28, PL-2, OT-2 6,0-7 -

8 Elasticidade e Plasticidade CE 2A2S 162 T-30, TP-30 6,0 Resistência de Materiais I CE 2A2S 162 T-30, TP-30, PL-4, OT-2 6,0 Instrumentação e Medida CE 2A2S 162 T-28, TP-14, PL-14, O-10 6,0 Termodinâmica Aplicada CEM 2A2S 162 T-26, TP-24, PL-4, OT-2 6,0 Ciência e Engenharia de Materiais II CE 2A2S 162 T-30, TP-30, OT-10 6,0 Mecânica dos Fluidos I CE 3A1S 162 T-30, TP-28, PL-2, OT-2 6,0 Resistência de Materiais II CE 3A1S 162 T-30, TP-30, PL-4, OT-2 6,0 Automação Industrial CEM 3A1S 162 T-30, TP-15, PL-15 6,0 Tecnologia Mecânica I CEM 3A1S 162 T-30, TP-15, PL-15, S-6 6,0 Gestão da Produção CEM 3A1S 162 T-30, TP-30, O-10 6,0 Mecânica dos Fluidos II CEM 3A2S 162 T-30, TP-28, PL-2, OT-2 6,0 Transmissão de Calor I CE 3A2S 162 T-40, TP-40, OT-20 6,0 Mecânica dos Sólidos CE 3A2S 162 T-30, TP-30, OT-2 6,0 Introdução ao Projecto Mecânico AI 3A2S 162 T-30, TP-45 6,0 Vibrações e Ruído CE 3A2S 162 T-30, TP-26, PL-4 6,0 Economia e Gestão Industrial CC 4A1S 135 T-30, TP-30 5,0 Transmissão de Calor II CEM 4A1S 135 T-40, TP-40, OT-10 5,0 Electrotecnia e Máquinas Eléctricas CE 4A1S 135 T-30, TP-28, PL-4 5,0 Manutenção CEM 4A1S 135 T-30, TP-26, PL-4 5,0 Tecnologia Mecânica II CEM 4A1S 135 T-30, TP-15, PL-15, S-6 5,0 Energética do Meio Ambiente CEM 4A1S 135 T-30, TP-15, PL-15 5,0 Gestão da Qualidade CEM 4A2S 162 T-30, TP-30, O-10 6,0 Motores de Combustão Interna CEM 4A2S 162 T-28, TP-14, PL-14 6,0 Controlo Industrial CEM 4A2S 162 T-30, TP-10, PL-20 6,0 Climatização e Refrigeração CEM 4A2S 162 T-30, TP-15, PL-15 6,0 Turbomáquinas CEM 4A2S 162 T-30, TP-10, PL-20 6,0 Higiene e Segurança Ocupacionais CE 5A1S 81 T-45 3,0 Projecto de Sistemas Energéticos AI 5A1S 243 T-30, TP-45, OT-15 9,0-8 -

9 Gestão Energética e Ambiental CEM 5A1S 162 T-30, TP-15, PL-15 6,0 Optativa 1-5A1S 162-6,0 Optativa 2-5A1S 162-6,0 Tese de Mestrado D 5A2S 810 OT-45 30,0 Consideram-se significativos para a área de especialização de Energia e Ambiente os seguintes perfis formativos: QUADRO N.º 7: Perfis Formativos oferecidos na Área de Especialização de Energia e Ambiente N. Perfil Optativa 1 Optativa 2 1 B Combustão 2 B Aerodinâmica 3 B Aerodinâmica Combustão 4a 4b 4c 4d Modelação Numérica de Fenómenos de Transferência Modelação Numérica de Fenómenos de Transferência Modelação Numérica de Fenómenos de Transferência Modelação Numérica de Fenómenos de Transferência Modelação Numérica de Fenómenos de Transferência Modelação Numérica de Fenómenos de Transferência Cálculo Automático de Estruturas Mecânica Computacional em Tecnologia Robótica Industrial Tecnologia Mecânica IV 5a Combustão Robótica Industrial 5b Combustão Tecnologia Mecânica IV 6a Aerodinâmica Robótica Industrial 6b Aerodinâmica Tecnologia Mecânica IV B - Perfil de base do curso na área de especialização de Energia e Ambiente - 9 -

10 QUADRO N.º 7 Plano de estudos da área de especialização de Sistemas de Produção Sistemas de Produção Tempo de trabalho (horas) Unidades curriculares Área científ. Ano e sem.s Créd. Total Contacto Análise Matemática I CB 1A1S 202,5 T-45, TP-45 7,5 Estrutura e Propriedades da Matéria CB 1A1S 162 T-30, TP-30, S-10, OT-30 6,0 Desenho Técnico I CE 1A1S 121,5 T-30, PL-30 4,5 Álgebra Linear e Geometria Analítica CB 1A1S 162 T-45, TP-30 6,0 Programação de Computadores CE 1A1S 162 T-28, TP-28, OT-4 6,0 Análise Matemática II CB 1A2S 202,5 T-45, TP-45 7,5 Probabilidades e Estatística CB 1A2S 162 T-30, TP-30 6,0 Desenho Técnico II CE 1A2S 121,5 T-30, PL-30 4,5 Física Geral I CB 1A2S 162 T-45, TP-30 6,0 Métodos Numéricos e Computacionais CB 1A2S 162 T-30, TP-30, PL-15 6,0 Análise Matemática III CB 2A1S 202,5 T-45, TP-45 7,5 Física Geral II CB 2A1S 162 T-45, TP-30 6,0 Ciência e Engenharia de Materiais I CE 2A1S 121,5 T-30, TP-30, OT-10 4,5 Mecânica Aplicada CE 2A1S 162 T-30, TP-30, OT-30 6,0 Termodinâmica CB 2A1S 162 T-30, TP-28, PL-2, OT-2 6,0 Elasticidade e Plasticidade CE 2A2S 162 T-30, TP-30 6,0 Resistência de Materiais I CE 2A2S 162 T-30, TP-30, PL-4, OT-2 6,0 Instrumentação e Medida CE 2A2S 162 T-28, TP-14, PL-14, O-10 6,0-10 -

11 Termodinâmica Aplicada CEM 2A2S 162 T-26, TP-24, PL-4, OT-2 6,0 Ciência e Engenharia de Materiais II CE 2A2S 162 T-30, TP-30, OT-10 6,0 Mecânica dos Fluidos I CE 3A1S 162 T-30, TP-28, PL-2, OT-2 6,0 Resistência de Materiais II CE 3A1S 162 T-30, TP-30, PL-4, OT-2 6,0 Automação Industrial CEM 3A1S 162 T-30, TP-15, PL-15 6,0 Tecnologia Mecânica I CEM 3A1S 162 T-30, TP-15, PL-15, S-6 6,0 Gestão da Produção CEM 3A1S 162 T-30, TP-30, O-10 6,0 Mecânica dos Fluidos II CEM 3A2S 162 T-30, TP-28, PL-2, OT-2 6,0 Transmissão de Calor I CE 3A2S 162 T-40, TP-40, OT-20 6,0 Mecânica dos Sólidos CE 3A2S 162 T-30, TP-30, OT-2 6,0 Introdução ao Projecto Mecânico AI 3A2S 162 T-30, TP-45 6,0 Vibrações e Ruído CE 3A2S 162 T-30, TP-26, PL-4 6,0 Economia e Gestão Industrial CC 4A1S 135 T-30, TP-30 5,0 Transmissão de Calor II CEM 4A1S 135 T-40, TP-40, OT-10 5,0 Electrotecnia e Máquinas Eléctricas CE 4A1S 135 T-30, TP-28, PL-4 5,0 Manutenção CEM 4A1S 135 T-30, TP-26, PL-4 5,0 Tecnologia Mecânica II CEM 4A1S 135 T-30, TP-15, PL-15, S-6 5,0 Tecnologia Mecânica III CEM 4A1S 135 T-23, TP-23, S-4 5,0 Gestão da Qualidade CEM 4A2S 162 T-30, TP-30, O-10 6,0 Motores de Combustão Interna CEM 4A2S 162 T-28, TP-14, PL-14 6,0 Controlo Industrial CEM 4A2S 162 T-30, TP-10, PL-20 6,0 Optativa 1-4A2S 162-6,0 Optativa 2-4A2S 162-6,0 Higiene e Segurança Ocupacionais CE 5A1S 81 T-45 3,0 Projecto de Sistemas Mecânicos AI 5A1S 243 TP-90 9,0-11 -

12 Optativa 3-5A1S 162-6,0 Optativa 4-5A1S 162-6,0 Optativa 5-5A1S 162-6,0 Tese de Mestrado D 5A2S 810 OT-45 30,0 Consideram-se significativos para a área de especialização de Sistemas de Produção os seguintes perfis formativos: QUADRO N.º 9: Perfis Formativos oferecidos na Área de Especialização de Sistemas de Produção N. Perfil Optativa 1 Optativa 2 Optativa 3 Optativa 4 Optativa 5 1 C Tecn. Avançadas Mét. Apoio à Dec. Logística Robótica Industrial Tecnologia Mecânica IV 2 C Tecn. Avançadas Mét. Apoio à Dec. Logística Mec. Comput. em Tecnologia Tecnologia Mecânica IV 3 C Tecn. Avançadas Mét. Apoio à Dec. Logística Robótica Industrial Mec. Comput. em Tecnologia 4 Tecn. Avançadas Órgãos de Máq. Robót. Industrial Mec. Comput. em Tecnologia Tecnologia Mecânica IV 5 Tecn. Avançadas Mét. Apoio à Dec. Tecn. Mec. IV Robótica Industrial Selecção Mat. e Proc. Fabrico 6 Tecn. Avançadas Mét. Apoio à Dec. Logística Robótica Industrial Gestão Energét. e Ambiental 7 Órgãos de Máq. Mét. Apoio à Dec. Robót. Industrial Mec. Comput. em Tecnologia Cálc. Automático Estruturas C - Perfil de base do curso na área de especialização de Sistemas de Produção

13 2. Princípios Gerais Os princípios gerais que presidem à elaboração do plano de transição da Licenciatura em Engenharia Mecânica, para o Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica são os que constam no documento aprovado nos Conselhos Científico e Directivo da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra de 22 de Setembro e de 13 de Outubro de 2006, respectivamente [2]. Esses princípios, cujo enquadramento legal é feito pelo disposto no Capítulo IV do Decreto-Lei nº 74/2006, são os seguintes: I. Nenhum estudante de licenciatura deve recuar no seu percurso académico ao transitar para o mesmo curso em formato de Bolonha. II. A transição de um curso de licenciatura pré-bolonha é feita para o par 1ºciclo- 2ºciclo, ou ciclo integrado, correspondente, que no caso da Licenciatura em Engenharia Mecânica é o Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica. III. Todos os estudantes são integrados logo no primeiro ano de funcionamento dos cursos em formato de Bolonha, excepto aqueles que possam terminar no ano de transição, que terão um ano para terminar no figurino antigo, se o desejarem [cf. 1º da ref. 2]. IV. As regras de transição devem ser de fácil aplicação, para serem directamente utilizáveis pelos Serviços Académicos, sem intervenção, a não ser para casos muito fora do comum, da comissão científica de Engenharia Mecânica. [cf. 9 da ref. 2] V. Estabelece-se o princípio de equivalência directa: isto é, sempre que possível, dase equivalência a uma disciplina com conteúdo análogo. Deste modo, a nenhum estudante deverá ser possível frequentar uma disciplina em que já tenha tido aprovação. [cf. 13 e 18 da ref. 2]

14 VI. Quando no novo plano não houver nenhuma disciplina que dê equivalência directa a uma disciplina do plano antigo essa disciplina (do plano antigo) dará equivalência a créditos anónimos. VII. É possível estabelecer equivalências que requeiram que um aluno tenha completado mais do que uma disciplina no formato antigo para ter equivalência a uma ou mais disciplinas no formato novo, ou que requeiram que um aluno tenha completado uma disciplina e disponha de créditos anónimos para ter equivalência a uma determinada disciplina. A classificação a atribuir será a média aritmética, ponderada pelos créditos respectivos, das classificações das disciplinas e créditos anónimos que deram origem à equivalência. [cf. 15 e 24 da ref. 2] VIII. Será sempre possível frequentar no ano de transição as disciplinas de estágio/seminário/projecto do regime antigo, independentemente de existirem ou não no regime de Bolonha disciplinas com equivalência directa [cf. 37 da ref. 2] 3. Disposições particulares No actual plano de curso, e de acordo com o Anexo B2 - Directivas internas para aprovação de grupos de disciplinas optativas do Plano de Adequação da Licenciatura em Engenharia Mecânica ao Curso de Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica, [2] aprovado na CC da FCTUC e no Senado da UC, e submetido ao MCTES para aprovação, estabelece-se que: apenas são admitidos grupos consistentes de disciplinas de opção, que configurem um perfil formativo significativo no âmbito da respectiva área de especialização. A cada perfil, de cada área de especialização, corresponde um plano de estudos e uma tabela de transição que indica a que disciplinas, ou créditos anónimos, dá equivalência cada disciplina do plano antigo. Deste modo o plano de transição da Licenciatura em Engenharia Mecânica para o Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica é constituído por 28 tabelas de transição 10 da área de especialização de

15 Projecto Mecânico, 11 da área de especialização da Energia e Ambiente e 7 da área de especialização de Sistemas de Produção. As disposições particulares que estiveram na base da elaboração dessas tabelas são as seguintes: 1. A cada disciplina do plano antigo sem equivalência directa no plano novo será dada equivalência a 6 créditos anónimos da área científica CEM. 2. Os créditos anónimos da área científica CEM devem ser usados na obtenção de equivalências indirectas de disciplinas constituídas em lista ordenada. 3. Na lista ordenada de disciplinas a que se pode obter equivalência indirecta surge em 1º lugar Tese de Mestrado 2., seguindo-se, pela ordem inversa relativa ao modo como surgem no anexo B do Plano de Adequação, as disciplinas de opção desse perfil. Por último, ordenadas por ordem decrescente do ano e semestre onde são leccionadas (no novo plano), surgem as disciplinas que sendo obrigatórias no novo plano de estudos específico do perfil em causa eram de opção no plano antigo (vd. exemplo no quadro 10). 4. Para a obtenção da cada equivalência indirecta são necessários no mínimo 6 créditos anónimos. 5. Para se evitar que, à custa da utilização dos créditos anónimos, um aluno mude de área de especialização o número máximo de créditos anónimos transformável em equivalências indirectas é de 26 para a área de especialização de Projecto Mecânico, de 44 para a área de especialização de Energia e Ambiente e de 38 para a área de especialização de Sistemas de Produção 3. 2 Os critérios e as disposições especiais que permitem obter equivalência a esta disciplina serão abordados mais à frente. 3 Valores máximos admitindo que o aluno tem aprovação a PSM ou PSE e, nas áreas de especialização de EA e de SP, também a complementos de órgãos de máquinas. Caso o aluno não tenha aprovação numa das referidas disciplinas o valor máximo de créditos anónimos convertíeis em equivalências indirectas será reduzido em 6 ECTS

16 QUADRO N.º 10: Lista ordenada de disciplinas para o Perfil 1 da área de especialização de Projecto Mecânico Lista ordenada de disciplinas que podem ser obtidas por equivalência indirecta utilizando os créditos anónimos Nome ano e sem. ECTS Classif. Tipo de equival. Tese de Mestrado 5A2S Sem equivalência Projecto de Estruturas em Materiais Compósitos 5A1S Sem equivalência Selecção de Materiais e Processos de Fabrico 5A1S Sem equivalência Cálculo Automático de Estruturas 5A1S Sem equivalência Mecânica Estrutural 4A2S Sem equivalência Comportamento Mecânico dos Materiais 4A1S Sem equivalência Manutenção 4A1S Sem equivalência 6. No actual plano de estudos, os alunos que completam o 4º ano tiveram aprovação a 5 disciplinas no 1º semestre e a 5 no 2º semestre pelo que têm a legitima expectativa de, ao transitarem para o 5º ano, terem uma carga lectiva correspondendo a 30 ECTS e 5 disciplinas, no 1º semestre desse ano. As alterações introduzidas no plano de estudos (para todos os perfis) implicam que, no entanto, para completar o curso os alunos tenham de se inscrever a 6 disciplinas e 35 ECTS nesse semestre o que acaba por configurar um recuo no seu percurso lectivo, contrariando um dos princípios básicos dos planos de transição. A resolução deste problema passa pela creditação adicional, para além da equivalência directa, de 2 créditos anónimos às disciplinas que no novo plano de estudo constituem o

17 1º semestre do 4º ano, e que no plano antigo não eram de opção. São elas: Economia e Gestão Industrial, Tecnologia Mecânica II, Electrotécnia e Máquinas Eléctricas e Transmissão de Calor II: ou seja, por exemplo: a aprovação à disciplina de Tecnologia Mecânica II no plano antigo dará equivalência a Tecnologia Mecânica II do novo plano e mais 2 unidades de crédito anónimas A equivalência da disciplina de Projecto de Sistemas Mecânicos (ou de Sistemas Energéticos) do plano de estudos antigo, com 14 ECTS, não pode ser realizada directamente com a de PSM (ou PSE) do no novo plano de estudos, com 9 ECTS, sem que isso represente um retrocesso no percurso lectivo dos alunos. Assim, a quem tenha tido aprovação na disciplina de PSM (ou PSE) do plano de estudos antigo será atribuída equivalência a PSM (ou PSE) do novo plano de estudos mais 6 ECTS anónimos da área científica CEM. 8. A quem tenha tido aprovação na disciplina de Projecto de Investigação serão atribuídos 14 ECTS anónimos da área científica Dissertação. 9. A aprovação à Tese de Mestrado, por equivalência indirecta será conseguida combinando 14 ECTS anónimos da área científica Dissertação com 16 ECTS da área científica CEM sendo a nota final calculada através da média ponderada dos créditos utilizados na obtenção da equivalência. 4 A adopção desta solução deveu-se ao facto de os alunos poderem não ter escolhido, com legitimidade, algumas das disciplinas que agora surgem no 1º semestre do 4º ano. Pretendeu-se também evitar que o facto de o aluno não ter tido aprovação numa das disciplinas desse grupo jocker de disciplinas fosse impeditivo de transformar esses créditos anónimos numa equivalência indirecta concreta. São necessários pelo menos 6 créditos anónimos para que isso possa ocorrer

18 QUADRO N.º 10: Quadro de equivalências Plano pré-bolonha Plano de Bolonha Unidades curriculares Unidades curriculares Ano e Sem ECTS Cálculo I Análise Matemática I 1ª1S 7.5 1º ano 1º semestre 2º semestre Tronco comum Programação de Computadores Programação de Computadores 1ª1S 6.0 Algebra Linear Álgebra Linear e Geometria Analítica 1ª1S 6.0 Desenho Técnico I Desenho Técnico I 1ª1S 4.5 Física I Física Geral I 1ª2S 6,0 Física II Física Geral II 2ª1S 6.0 Estrutura e Propriedades da Matéria Estrutura e Propriedades da Matéria 1ª1S 6.0 Desenho Técnico II Desenho Técnico II 1ª2S 4.5 Cálculo II Análise Matemática II 1ª2S 7.5 Mét. Numéricos e Computacionais Métodos Numéricos e Computacionais 1ª2S 6.0 Cálculo III Análise Matemática III 2ª1S 7.5 2º ano 1º semestre 2º semestre Tronco comum Termodinâmica Termodinâmica 2ª1S 6.0 Estatística Aplicada Probabilidades e Estatística 1ª2S 6.0 Mecânica Aplicada Mecânica Aplicada 2ª1S 6.0 Ciência e Eng. Dos Materiais I Ciência e Engenharia de Materiais I 2ª1S 4.5 Ciência e Eng. Dos Materiais II Ciência e Engenharia de Materiais II 2ª2S 6.0 Elasticidade e Plasticidade Elasticidade e Plasticidade 2ª2S 6.0 Instrumentação e Medida Instrumentação e Medida 2ª2S

19 Termodinâmica Aplicada Termodinâmica Aplicada 2ª2S 6.0 Resistência de Materiais I Resistência de Materiais I 2ª2S 6.0 Resistência de Materiais II Resistência de Materiais II 3ª1S 6.0 3º ano 1º semestre 2º semestre Tronco comum Automação Industrial Automação Industrial 3ª1S 6.0 Mecânica dos Fluídos I Mecânica dos Fluidos I 3ª1S 6.0 Economia e Gestão Industrial Economia e Gestão Industrial + 2 créditos anónimas da área científica CEM 4ª1S 5.0 Tecnologia Mecânica I Tecnologia Mecânica I 3ª1S 6.0 Tecnologia Mecânica II Tecnologia Mecânica II + 2 créditos anónimas da área científica CEM 4ª1S 5.0 Mecânica dos Fluídos II Mecânica dos Fluidos II 3ª2S 6.0 Mecânica dos Sólidos Mecânica dos Sólidos 3ª2S 6.0 Transmissão de Calor I Transmissão de Calor I 3ª2S 6.0 Orgãos de Máquinas Introdução ao Projecto Mecânico 3ª2S 6.0 Electrotecnia e Máquinas Eléctricas Electrotecnia e Máquinas Eléctricas + 2 créditos anónimas da área científica CEM 4ª1S 5.0 4º ano 1º semestre 2º semestre Tronco comum CCSI EA Vibrações e Ruído Vibrações e Ruído 3ª2S 6.0 Motores de Combustão Interna Motores de Combustão Interna 4ª2S 6.0 Comp. Org. De Máq. E Antepr. Transmissão de Calor II Gestão de Qualidade Controlo Industrial Gestão da Produção Manutenção Cálculo Automático de Estruturas Climatização e Refrigeração Órgãos de Máquinas ou 6 créditos anónimos da área científica CEM Transmissão de Calor II + 2 créditos anónimas da área científica CEM Gestão da Qualidade ou 6 créditos anónimos da área científica CEM Controlo Industrial ou 6 créditos anónimos da área científica CEM Gestão da Produção ou 6 créditos anónimos da área científica CEM Manutenção ou 6 créditos anónimos da área científica CEM Cálculo Automático de Estruturas ou 6 créditos anónimos da área científica CEM Climatização e Refrigeração ou 6 créditos anónimos da área cintífica CEM 4ª2S 6.0 4ª1S 5.0 4ª2S 6.0 4ª2S 6.0 3ª1S 6.0 4ª1S 5.0 5ª1S 6.0 4ª2S

20 Turbomáquinas Turbomáquinas ou 6 créditos anónimos da área científica CEM 4ª2S 6.0 CCSI SP Robótica Industrial Complementos de Tecnologia Materiais Compósitos Sel. de Mat. e Proc. de Fabrico Comp. Mec. dos Materiais Robótica Industrial ou 6 créditos anónimos da área científica CEM Tecnologia Mecânica III ou 6 créditos anónimos da área científica CEM Projecto de Estruturas em Materiais Compósitos ou 6 créditos anónimos da área científica CEM Selecção de Materiais e Processos de Fabrico ou 6 créditos anónimos da área científica CEM Comportamento Mecânico dos Materiais ou 6 créditos anónimos da área científica CEM 5ª1S 6.0 4ª1S 5.0 5A1S 6.0 5A1S 6.0 4A1S 5.0 Mecânica Estrutural Mecânica Estrutural ou 6 créditos anónimos da área científica CEM 4A2S 6.0 Aerodinâmica Aerodinâmica ou 6 créditos anónimos da área científica CEM 5A1S 6.0 5º ano 1º semestre EA Gestão Energética e Ambiental Combustão Mod. Num. Fenóm. Transferência Energética do Meio Ambiente Tecnologias Avançadas Gestão Energética e Ambiental ou 6 créditos anónimos da área científica CEM Combustão ou 6 créditos anónimos da área científica CEM Modelação Numérica de Fenó. de Transferência ou 6 créditos anónimos da área científica CEM Energética do Meio Ambiente ou 6 créditos anónimos da área científica CEM Tecnologias Avançadas ou 6 créditos anónimos da área científica CEM 5A1S 6.0 5A1S 6.0 5A1S 6.0 4A1S 5.0 4A2S 6.0 SP Mec. Computacional em Tecnologia Logística Mecânica Computacional em Tecnologia ou 6 créditos anónimos da área científica CEM Logística ou 6 créditos anónimos da área científica CEM 5A1S 6.0 5A1S 6.0 Métodos de Apoio à Decisão Métodos de Apoio à Decisão ou 6 créditos anónimos da área científica CEM 4A2S 6.0 Projecto de Sistemas Mecânicos Projecto de Sistemas Mecânicos + 6 ECTS anónimos da área científica CEM 5A1S 9.0 2º semestre Tronco comum Projecto de Sistemas Energéticos 14 ECTS anónimos da área científica Dissertação + 16 ECTS anónimos da área científica CEM Projecto de Investigação Projecto de Sistemas Energéticos + 6 ECTS anónimos da área científica CEM 5A1S 9.0 Tese de Mestrado 5A2S ECTS anónimos da área científica Dissertação Segurança Industrial Higiene e Segurança Ocupacionais 5A1S 3.0 Sem equivalência Tecnologia Mecânica IV 5A1S

21 Anexo Instruções de preenchimento das tabelas de transição O conjunto característico das tabelas de transição de cada uma das áreas de especialização encontra-se agrupado por folha de cálculo; uma por cada área de especialização, e, dentro desta, dividido por folhas de trabalho. As folhas de trabalho encontram-se, por sua vez, divididas em duas partes referindo-se uma ao conjunto de disciplinas dos três ramos do antigo plano de estudos e outra ao conjunto de disciplinas do novo plano de estudos, sendo que, as que constituem o conjunto específico do perfil em causa, e que permitirão ao aluno terminar o curso, surgem em quadrículas coloridas. O preenchimento das tabelas de transição é feito colocando a classificação na quadrícula respectiva das disciplinas do plano antigo. Todo o processo de contabilização de créditos anónimos e atribuição de equivalências, directas ou indirectas, é automático. Dentro de cada folha de cálculo o preenchimento da tabelas de transição deve ser feito apenas para a folha de trabalho que diz respeito ao perfil 1 (o preenchimento das folhas referentes ao outros perfís é automático). Até ao terceiro ano (do plano antigo) os alunos poderão, indiferenciadamente, utilizar qualquer tabela de transição que irão obter o mesmo resultado conjunto de disciplinas com aprovação por equivalência

22 Referências: Ref. 1 - Projecto de Adequação Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica; Ref. 2 - Regulamento de transição para Bolonha; (Aprovado na Comissão Coordenadora do Conselho Pedagógico a 20 de Setembro de 2006, na Comissão Coordenadora do Conselho Científico a 22 de Setembro de 2006, e no Conselho Directivo a )

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR B ESTRUTURA CURRICULAR E PLANO DE ESTUDOS 1. Estabelecimento de ensino: 2. Unidade orgânica (faculdade, escola, instituto, etc.):. Curso: Engenharia e Tecnologia de Materiais 4. Grau ou diploma: Licenciatura

Leia mais

ACEF/1314/02887 Decisão de apresentação de pronúncia

ACEF/1314/02887 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1314/02887 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1314/02887 Decisão de apresentação de pronúncia Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido

Leia mais

Processo de Bolonha. Regime de transição na FCTUC

Processo de Bolonha. Regime de transição na FCTUC Processo de Bolonha Regime de transição na FCTUC Aprovado na Comissão Coordenadora do Conselho Pedagógico a 20 de Setembro de 2006, na Comissão Coordenadora do Conselho Científico a 22 de Setembro de 2006,

Leia mais

Regulamento do Curso de. Mestrado Integrado em Engenharia Informática

Regulamento do Curso de. Mestrado Integrado em Engenharia Informática Regulamento do Curso de Mestrado Integrado em Engenharia Informática (Ciclo integrado de estudos superiores) (Registado na DGES através do n.º R/A-Cr 21/2013) Artigo 1.º Regulamento geral aplicável O Curso

Leia mais

1.2. Ramo de especialização: Automação Industrial Créditos (ECTS)

1.2. Ramo de especialização: Automação Industrial Créditos (ECTS) 1. Áreas científicas e créditos para a obtenção do grau: 1.1. Ramo de especialização: Eletrónica e Instrumentação Área Científica Sigla (ECTS) Obrigatórios Optativos (1) Matemática Mat 36 0 Física Fis

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

REGIME DE TRANSIÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA APLICADA PARA O CURSO DE LICENCIATURA EM ESTATÍSTICA E APLICAÇÕES

REGIME DE TRANSIÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA APLICADA PARA O CURSO DE LICENCIATURA EM ESTATÍSTICA E APLICAÇÕES REGIME DE TRANSIÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA APLICADA PARA O CURSO DE LICENCIATURA EM ESTATÍSTICA E APLICAÇÕES Normas regulamentares Artigo 1º Objecto O presente documento apresenta as normas

Leia mais

ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL

ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL Universidade d de Coimbra A Universidade nº 1 dos países de expressão portuguesa (World University Rankings, The Times Higher Education Supplement e QS QuacquarelliSymonds) É a universidade portuguesa

Leia mais

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR 11. Plano de estudos: «1º Ano / 1º semestre» QUADRO N.º 2 Arquitecturas e Sistemas de Computadores CE Semestral 160 TP: 40 PL: 40 6 Algoritmos e Estruturas de Dados CE Semestral 186 TP: 46 PL: 46 7 Análise

Leia mais

O Sistema de Créditos ECTS

O Sistema de Créditos ECTS O Sistema de Créditos ECTS Isabel Nunes Gabinete de Estudos e Planeamento Coord. Marta Pile Maio 2001 Índice 1. O Sistema de Créditos ECTS 1 1.1. ECTS/Sistema em vigor 1 1.2. Declaração de Bolonha 2 1.3.

Leia mais

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA De acordo com o art. 14 da Lei de Bases do Sistema Educativo e ao abrigo do Capítulo III do Decreto-Lei 74/2006, e para aprovação pelo Conselho

Leia mais

HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA

HORÁRIO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA 1º A 2016 Noturno Central 1S/2016 Introdução à Engenharia de Controle à Automação Lógica e Matemática Discreta Física Geral Física Geral Fundamentos de Cálculo Lógica e Matemática Discreta Algoritmos e

Leia mais

Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira

Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira 1 Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente articulado baseia-se

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) EDITAL MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

3784 Diário da República, 2.ª série N.º 17 26 de Janeiro de 2010

3784 Diário da República, 2.ª série N.º 17 26 de Janeiro de 2010 3784 Diário da República, 2.ª série N.º 17 26 de Janeiro de 2010 Regulamento n.º 59/2010 A Universidade Nova de Lisboa (UNL), através da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT-UNL), ao abrigo dos artigos

Leia mais

16050 Diário da República, 2.ª série N.º 77 21 de Abril de 2009

16050 Diário da República, 2.ª série N.º 77 21 de Abril de 2009 16050 Diário da República, 2.ª série N.º 77 21 de Abril de 2009 Unidades curriculares Área Tipo científica Obs Diagnóstico Molecular.................. BT Semestral 140 T: 15 TP: 5 PL: 5 S: 5 OT: 5 O: 5

Leia mais

Regulamento de Transição do Mestrado Integrado em Engenharia de Materiais

Regulamento de Transição do Mestrado Integrado em Engenharia de Materiais Regulamento de Transição do Mestrado Integrado em Engenharia de O presente documento estabelece as regras para a transição dos estudantes do Mestrado Integrado em Engenharia de do plano de estudos em vigor

Leia mais

Regulamento dos cursos de primeiro ciclo na FCTUC

Regulamento dos cursos de primeiro ciclo na FCTUC Regulamento dos cursos de primeiro ciclo na FCTUC Aprovado na reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico de 2006-10-09, na reunião do Conselho Directivo de 2006-10-13 e na reunião da Comissão

Leia mais

Universidade de Aveiro

Universidade de Aveiro Universidade de Aveiro Licenciatura (1º Ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Director de Curso: Prof.ª Doutora Ana Isabel Couto Miranda Objectivos: A Licenciatura em Engenharia

Leia mais

Mestrado em Ensino da Física e da Química

Mestrado em Ensino da Física e da Química Mestrado em Ensino da Física e da Química Mestrado em Ensino da Física e da Química - Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 1 5. Estrutura curricular e plano de estudos FORMULÁRIO 1. Estabelecimento

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS. (edição 2010-2012)

EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS. (edição 2010-2012) EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS (edição 2010-2012) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações introduzidas

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL (Edição 2012-2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei

Leia mais

Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação

Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação Mestrado em Conservação e Restauro 1 Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação Artigo 1º Criação A Universidade Nova de Lisboa (UNL),

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (2ª Edição 2011/2013)

EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. (2ª Edição 2011/2013) EDITAL MESTRADO EM SISTEMAS E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE (2ª Edição 2011/2013) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar Normas regulamentares Preâmbulo O regulamento do Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA. (Edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA. (Edição 2012-2014) 1/10 EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA (Edição 2012-2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes

Leia mais

Universidade do Minho, 9 de Abril de 2008.

Universidade do Minho, 9 de Abril de 2008. Divisão Académica despacho RT/C-172/2008 Nos termos do disposto no artigo 4º da Resolução SU-63/07, de 5 de Novembro de 2007, do Senado Universitário da Universidade do Minho que, ao abrigo do disposto

Leia mais

CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS. Normas Regulamentares

CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS. Normas Regulamentares CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS Normas Regulamentares PREÂMBULO As presentes Normas Regulamentares do Ciclo de Estudos

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

Proposta de Adequação de LESI- Ramo de Sistemas em Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica e Telecomunicações. Versão 6.0

Proposta de Adequação de LESI- Ramo de Sistemas em Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica e Telecomunicações. Versão 6.0 Proposta de Adequação de LESI- Ramo de Sistemas em Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica e Telecomunicações Versão 6.0 Preâmbulo LESI (Ramo de Informática) LI LEI (3 anos) MEI (2 anos) LESI (Ramo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DE ENGENHARIA ENGENHARIA MECÂNICA. Ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre em engenharia mecânica

DEPARTAMENTO DE DE ENGENHARIA ENGENHARIA MECÂNICA. Ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre em engenharia mecânica DEPARTAMENTO DE DE ENGENHARIA ENGENHARIA MECÂNICA MECÂNICA Ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre em engenharia mecânica Tronco comum º ANO Cálculo Diferencial e Integral I 6 Cálculo Diferencial

Leia mais

Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares. Artigo 1.º Grau

Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares. Artigo 1.º Grau Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere a Pós-Graduação em Arte Contemporânea Artigo 2.º Objectivos do curso 1. A Pós-Graduação

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Primeiro Semestre (Manhã) Carga Horária Total: 450 Horas. Segundo Semestre (Manhã)

MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO. Primeiro Semestre (Manhã) Carga Horária Total: 450 Horas. Segundo Semestre (Manhã) MATRIZ CURRICULAR ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Primeiro Semestre (Manhã) Cálculo I 90 h Básico - Experimental I 90 h Básico - Geometria Analítica 36 h Básico - Introdução à Engenharia de Controle

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL Universidade da Madeira O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído pelo Decreto- Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O documento que serviu de base para a análise a seguir é o denominado "Diretrizes Curriculares

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

III Integralização Curricular do Curso de Engenharia de Produção

III Integralização Curricular do Curso de Engenharia de Produção III Integralização Curricular do Curso de Engenharia de Produção 1º SEMESTRE Carga Horária PRÉ-REQUISITO 1. Álgebra e Geometria Analítica 60-60 04-2. Antropologia Teológica 45-30 02-3. Cálculo Diferencial

Leia mais

O Processo de Bolonha:

O Processo de Bolonha: O Processo de Bolonha: Mudanças e desafios António Fragoso, Universidade do Algarve Origens do Processo de Bolonha Declaração de Bolonha (19/06/1999) declaração conjunta dos ministros da Educação Europeus

Leia mais

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br ENGENHARIA MECÂNICA COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br 222 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Mecânico ATUAÇÃO O curso de Engenharia Mecânica da UFV visa fornecer a seus estudantes

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Contabilidade, Fiscalidade e Finanças Empresariais ÍNDICE CONTABILIDADE, FISCALIDADE E FINANÇAS EMPRESARIAIS... 3 OBJECTIVOS...

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017)

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017) EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA (Edição 2015-2017) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

MESTRADO EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

MESTRADO EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES PROCESSO REFERENTE À CRIAÇÃO E ENTRADA EM FUNCIONAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES (De acordo com o Artigo 8.º do Decreto-Lei n.º 74/200, de 24 de Março) DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR

Leia mais

Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning. Normas regulamentares. Artigo 1.º Criação

Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning. Normas regulamentares. Artigo 1.º Criação Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning Normas regulamentares Artigo 1.º Criação A Universidade Nova de Lisboa, através da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH/UNL), confere o grau de Mestre

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Setembro de 2013 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 Aprovado no CONGRAD 25.08.2015 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/2 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 I NÚCLEO DE CONTEÚDOS BÁSICOS Matemática

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação pela Arte Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais

Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC

Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC Autorizado na reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico de 2006-10-09, na reunião do Conselho Directivo de 2006-10-13 e na reunião

Leia mais

Universidade Portucalense. Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING

Universidade Portucalense. Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING Universidade Portucalense Departamento de Ciências Económicas e Empresariais NORMAS REGULAMENTARES DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM MARKETING APROVADAS NO CONSELHO CIENTÍFICO 9 _2009 DE 23 DE SETEMBRO DE 2009

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Engenharia Mecânica/Electrónica, Telecomunicações e Informática (9163) 1. INTRODUÇÃO Transição curricular dos alunos dos cursos

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

Despacho/SP/116/2014 Publicação das alterações ao plano de estudos do ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado em Turismo

Despacho/SP/116/2014 Publicação das alterações ao plano de estudos do ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado em Turismo Página 1 de 5 Despacho/SP/116/2014 Publicação das alterações ao plano de estudos do ciclo de estudos conducente ao grau de Licenciado em Turismo De acordo com o disposto nos artigos 75.º e seguintes do

Leia mais

Instituto Politécnico de Tomar

Instituto Politécnico de Tomar Diário da República, 2. a série N. o 21 30 de Janeiro de 2007 2571 INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR Despacho n. o 1469/2007 Em cumprimento do determinado no n. o 6 do despacho n. o 13 199/2006, de 6 de Junho,

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

Mestrado em Aeronáutica Militar, na especialidade de Engenharia de Aeródromos

Mestrado em Aeronáutica Militar, na especialidade de Engenharia de Aeródromos Áreas científicas e créditos que devem ser reunidos para a obtenção do grau ou diploma: Obrigatórios Mestrado Optativos Área científica Sigla Ciências Militares Aeronáuticas Ciências Militares CMIL 30

Leia mais

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR B Estrutura curricular e plano de estudos ESTRUTURA CURRICULAR 1. Estabelecimento de ensino: 2. Unidade orgânica (faculdade, escola, instituto, etc.): 3. Curso: 4. Grau ou diploma: 5. Área científica predominante

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho ÍNDICE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 3 INSCRIÇÕES E NÚMERO

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

30546 Diário da República, 2.ª série N.º 140 22 de Julho de 2011

30546 Diário da República, 2.ª série N.º 140 22 de Julho de 2011 30546 Diário da República, 2.ª série N.º 140 22 de Julho de 2011 INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA Despacho n.º 9220/2011 Ao abrigo do disposto nos artigos 75.º a 80.º do Decreto -Lei n.º 74/2006, de 24 de

Leia mais

MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS

MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS MANUAL DE CONSTRUÇÃO DE CRÉDITOS ECTS PROCEDIMENTOS E REGRAS A ADOPTAR PARA A FIXAÇÃO DOS CRÉDITOS A OBTER EM CADA ÁREA CIENTÍFICA E A ATRIBUIR POR CADA UNIDADE CURRICULAR (de acordo com Dec.- Lei nº 42/2005)

Leia mais

LICENCIATURA EM ECOLOGIA E PAISAGISMO. Normas Regulamentares

LICENCIATURA EM ECOLOGIA E PAISAGISMO. Normas Regulamentares LICENCIATURA EM ECOLOGIA E PAISAGISMO Normas Regulamentares As presentes normas visam dar cumprimento ao artigo 14º do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março. Diversa informação relativa a matérias aqui

Leia mais

Regulamento dos cursos de segundo ciclo na FCTUC

Regulamento dos cursos de segundo ciclo na FCTUC Regulamento dos cursos de segundo ciclo na FCTUC Aprovado na reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico de 2006-10-09, na reunião do Conselho Directivo de 2006-10-13 e na reunião da Comissão

Leia mais

Proposta de transição para Bolonha dos cursos de Gestão e de Economia. Universidade da Madeira

Proposta de transição para Bolonha dos cursos de Gestão e de Economia. Universidade da Madeira Proposta de transição para Bolonha dos cursos de Gestão e de Economia Universidade da Madeira Departamento de Gestão e Economia Funchal, 11 de Dezembro de 2007 Alteração única feita na página 7 Substitui

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM SOCIOLOGIA: EXCLUSÕES E POLÍTICAS SOCIAIS Artigo 1º Objecto O Regulamento do

Leia mais

REORIENTAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO EM CURSOS DO NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO

REORIENTAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO EM CURSOS DO NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO REORIENTAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO EM CURSOS DO NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Outubro) O Despacho normativo n.º 29/2008, de 5 de Junho, introduziu alterações ao Despacho

Leia mais

Departamento de Informática..:Engenharia Informática:. revisão para adequação ao processo de Bolonha

Departamento de Informática..:Engenharia Informática:. revisão para adequação ao processo de Bolonha Departamento de Informática.:Engenharia Informática:. revisão para adequação ao processo de Bolonha 1 Cursos 1 ciclo em Engenharia Informática 2 perfis 2 ciclo em Engenharia Informática 1 perfil 1 ciclo

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de 31 de Agosto de 2011 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto

Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Escola Superior de Desporto de Rio Maior (ESDRM) Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento do Curso de Mestrado em Desporto Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

Edital para Opção de Curso de Segundo Ciclo 2014/2

Edital para Opção de Curso de Segundo Ciclo 2014/2 Edital para Opção de Curso de Segundo Ciclo 2014/2 A faz público o Processo de Opção para Curso de Segundo Ciclo para ocupação de vagas de acordo com exposto abaixo. 1 - Vagas para opção para segundo ciclo.

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO I Objecto e conceitos

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação: área

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de Mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

Edital para Opção de Curso de Segundo Ciclo 2014/1

Edital para Opção de Curso de Segundo Ciclo 2014/1 Edital para Opção de Curso de Segundo Ciclo 2014/1 A faz público o Processo de Opção para Curso de Segundo Ciclo para ocupação de vagas de acordo com exposto abaixo. 1 - Vagas para opção para segundo ciclo.

Leia mais

ANEXO C DESPACHO DO ALMIRANTE CHEFE DO ESTADO-MAIOR DA ARMADA, N.º 38/13, DE 7 DE NOVEMBRO: ATRIBUIÇÃO DO GRAU DE MESTRE A OFICIAIS DOS CURSOS DA ESCOLA NAVAL A adequação do Processo de Bolonha às antigas

Leia mais

Relatório de Equivalências entre Disciplinas

Relatório de Equivalências entre Disciplinas UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI Relatório de Equivalências entre Disciplinas Colegiado do de Engenharia Elétrica Abril de 2011 1. INTRODUÇÃO O presente documento refere-se ao estudo de equivalências

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Finalidades e objectivos educacionais 2 3. Organização interna do CEAH 2 4. Habilitações de acesso

Leia mais

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS)

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) (Ratificado pelo Conselho Científico em 20 de Abril de 2006) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1.º Objecto Em conformidade

Leia mais

Mestrado em Aeronáutica Militar, especialidade de Engenharia Electrotécnica

Mestrado em Aeronáutica Militar, especialidade de Engenharia Electrotécnica Áreas científicas e créditos que devem ser reunidos para a obtenção do grau ou diploma: () Mestrado Obrigatórios Optativos Área científica Sigla Ciências Militares Aeronáuticas Ciências Militares CMIL

Leia mais

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Licenciatura (1º Ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Directores de Curso: Prof.ª Doutora Maria João Bebianno

Leia mais

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011

47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 47720 Diário da República, 2.ª série N.º 233 6 de Dezembro de 2011 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Aviso (extracto) n.º 23548/2011 Nos termos do disposto no n.º 6 do artigo 12.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de

Leia mais

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

DGES DIRECÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR 11. Plano de estudos: 1º semestre curricular (1º ano/1º semestre) QUADRO N.º 2 CRÉD ITOS Álgebra Linear A CB semestral 140 T:30, TP: 30 5 Cálculo I CB semestral 140 T:30, TP:30 5 Tópicos de Matemática

Leia mais

Desenho Técnico (5 ETCS) Gestão da Produção e Manutenção (4 ECTS) Qualidade e Gestão de Recursos (4 ECTS) Órgãos de Máquina I (5 ECTS)

Desenho Técnico (5 ETCS) Gestão da Produção e Manutenção (4 ECTS) Qualidade e Gestão de Recursos (4 ECTS) Órgãos de Máquina I (5 ECTS) Recomendação n.º 15.2012-PE Processo n.º: 104.2012-PE Assunto: Reclamação sobre alteração de creditações na licenciatura provenientes de For.CET Data: 29-01-2013 Na qualidade de Provedor do Estudante recebi,

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE

REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE REGULAMENTO DO MESTRADO EM TEATRO, ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO TEATRO E COMUNIDADE INTRODUÇÃO O Mestrado em Teatro, área de especialização em Teatro e Comunidade, é um programa de segundo ciclo, constituído

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Controle e Automação para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-481/2012,

Leia mais

REGULAMENTO DO 1º CICLO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO- PRIVADA E DO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DO 1º CICLO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO- PRIVADA E DO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DO 1º CICLO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO- PRIVADA E DO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA CAPÍTULO I Objecto e conceitos Artigo 1.º Objecto O

Leia mais

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DOS MESTRADOS DA FDUAN

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DOS MESTRADOS DA FDUAN UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DOS MESTRADOS DA FDUAN Por deliberação do Conselho Cientifico da FDUAN de 11 de Dezembro de 2001 e Julho de 2002, foram aprovadas as bases gerais

Leia mais

2º Física I Retirar o pré-requisito Geometria Analítica 2º Física I Experimental

2º Física I Retirar o pré-requisito Geometria Analítica 2º Física I Experimental MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO COSUEN N 005, DE 07 ABRIL DE 2014. Aprova as adequações em disciplinas da matriz

Leia mais

Desenho Técnico (P2 - L) 32 h / 34 h . EAD - PUC MINAS VIRTUAL. Física Geral I. Física I (P1 - T) 64 h / 68 h (P2 - T) 60 h.

Desenho Técnico (P2 - L) 32 h / 34 h . EAD - PUC MINAS VIRTUAL. Física Geral I. Física I (P1 - T) 64 h / 68 h (P2 - T) 60 h. CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA - PUC CAMPUS POÇOS DE CALDAS INTEGRAÇÃO CURRICULAR TABELA DE EQUIVALÊNCIAS DE DISCIPLINAS 7301/7304 7302/7305/7308 7303 7306/7309 7307/7310 Desenho / 32 h Física I (P1 ) (T):

Leia mais

REGIME DE TRANSIÇÃO PARA O CURSO DE LICENCIATURA EM GESTÃO. Normas regulamentares. Artigo 1º. Objecto

REGIME DE TRANSIÇÃO PARA O CURSO DE LICENCIATURA EM GESTÃO. Normas regulamentares. Artigo 1º. Objecto REGIME DE TRANSIÇÃO PARA O URSO DE LIENIATURA EM GESTÃO Normas regulamentares Artigo 1º Objecto O presente documento apresenta as normas regulamentares que são adoptadas na Universidade Aberta para efeito

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais