Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 1"

Transcrição

1 Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 1

2 Passos para programação de BVS: - Configurando comunicação entre BVS e PC: PROGRAMAÇÃO DE BVS Primeiro é preciso configurar o endereço da porta IP do PC. No Windows XP clicar em INICIAR no rodapé da página de inicialização do micro, depois em CONFIGURAÇÕES, em seguida PAINEL DE CONTROLE, clicar em CONEXÕES DE REDE. No ícone de conexão local clicar com o botão direito do mouse e clicar em propriedades. Obs.: Caso você tenha em seu computador o Windows Seven instalado, você deverá instalar na máquina um Windows XP Virtual atualizando pelo link: Clicar em PROTOCOLO TCP/IP e depois em PROPRIEDADES. Ativar o modo: Usar o seguinte endereço de IP: e configurar o endereço de IP e Máscara de sub-rede (subnet mask): Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 2

3 Pronto! O PC está configurado para comunicação com a BVS. Depois clicar no ícone do software da BVS ConVis respeitando a versão do software. Hoje BVS ConVis Ao abrir a tela do software da BVS, automaticamente aparece a tela abaixo solicitando a opção de trabalho: Clicar em Find Sensors e acompanhar no canto superior direito da tela a confirmação de comunicação On- Line entre BVS e software com endereço de IP com fundo verde conforme mostra a figura abaixo. Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 3

4 Caso não estabeleça a comunicação, verifique alguns itens: - A câmera BVS está alimentada com 24VCC; - Verifique o status do ícone de Conexão de Rede quanto a conexão: Ativo ou Inativo. Este passo você verifica clicando no ícone de Conexão de Rede com o botão direito do mouse e é a primeira linha da janela que se abre. - Se for necessário, volte ao passo de configuração do endereço de IP e coloque Este último número remete ao endereço do preriférico (BVS ou PC) na rede. É importante que estes números sejam diferentes entre BVS e PC como: IP da BVS = / PC = IP do PC = Depois de tudo checado, tente novamente estabelecer uma comunicação On-line e com a comunicação estabelecida (mostrando a tarja verde conforme imagem acima), inicie a programação clicando em Connect logo abaixo da confirmação do modo em tarja verde. No passo número 1 devemos optar por New Inspection no campo Select a task da figura abaixo. Aparecerá uma janela perguntando qual o modelo de BVS está sendo programada. Veja o modelo do sensor de visão que você tem: Standard ou a Advanced? - Standart: BVS OI-3-00X-E - Avançada: BVS OI-3-05X-E A coluna direita da tela apresenta uma janela de ajustes de imagem. É interessante, não é regra, clicar em Automatic no campo Basic Settings, que dá as configurações de brilho e contraste da imagem. Depois de estabelecida a imagem, deve-se ajustar o foco manualmente girando a lente da BVS até atingir a nitidez desejada. A imagem pode não estar na melhor condição de nitidez do objeto a ser inspecionado quanto ao Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 4

5 brilho e contraste e neste momento volta a pequenos ajustes destes parâmetros como mostra a figura abaixo: O campo Image Resolution não dá opção de escolha quando se usa os sensores de visão Standart, somente para as avançadas. No campo External Illuminator é possível ativar ou não iluminação auxiliar. No conector M12 8 vias da BVS, o de número 3, como mostra abaixo é o pino que alimentará a iluminação auxiliar para acender. O campo internal Illuminator mostra opções para a iluminação própria, ao redor da lente para desligada, ligada e ligada no modo de alta potência, o que confere mais iluminação sobre o alvo. O campo Trigger Options dá três opções para captura das imagens: - Continuous: As imagens são capturadas a todo instante para inspeção; - External Rising: Através do trigger de entrada (pino 8), toda vez que este sinal sai de 0 para 24V (rampa de subida), podendo ter um atraso ajustável; Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 5

6 - External Falling: Através do trigger de entrada (pino 8), toda vez que este sinal sair de 24 para 0V (rampa de descida), podendo ter um atraso ajustável. O ícone (botão) mostrado na figura com o escrito START LIVE, diz o seguinte: ainda no passo quando as imagens estão sendo capturadas frame a frame e descrevendo um vídeo, este estado caracteriza uma geração de imagens ao vivo (LIVE) e neste momento esta tecla vai estar escrita STOP LIVE e se acionada, as imagens deixarão de ser capturadas e armazenadas e esta tecla assume os dizeres START LIVE, pedindo a inicialização da captura de imagens. Obs.: caso esteja no passo 2 ou 3 da programação e seja necessário rever alguns parâmetros da imagem e voltar ao passo 1, é necessário clicar em START LIVE para que as alterações da configuração da imagem sejam visualizadas. Resumindo passo 1: Ajustar distância física entre BVS e alvo, foco, brilho e contraste da imagem, trigger para captura de imagens e a iluminação interna e/ou externa. Depois de tudo ajustado, clicar em SET REFERENCE IMAGE para que a BVS armazene esta como imagem padrão a ser comparada com as demais. No passo 2 é onde se seleciona as ferramentas de localização e inspeção. A ferramenta de localização permite que quando o detalhe seja localizado, leve as ferramentas consigo obedecendo as coordenadas X e Y, como mostra a figura abaixo. Caso não seja utilizado uma ferramenta de localização, as ferramentas de inspeção estarão sempre na mesma posição na tela. Desta forma o posicionamento da peça deve ser sempre 100% fiel ao da peça piloto que gerou o programa de inspeção para que a reprovação não aconteça por causa da não localização como mostra a figura abaixo: Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 6

7 sem localização com localização Ferramenta Position de localização: Procura pela primeira borda na região da imagem em uma direção particular. A direção (ex. esquerda para a direita, de cima para baixo) para buscar pode ser determinada mudando o ângulo de direção do ROI em 360º. Quando selecionada, o padrão é inspeção da esquerda para a direita. Nota: Com esta ferramenta somente uma mudança de posição na direção selecionada pode ser localizada. Ferramenta Pattern Match de localização: Procura em toda a região da tela a imagem selecionada como referência no retângulo. A localização pode ser feita na horizontal da esquerda para a direita ou na vertical de cima para baixo. NOTA: Com esta ferramenta apenas uma mudança no local X e Y pode ser localizado. Mudanças no ângulo de rotação pode (dependendo do valor desejado) ter um desvio aceito de 5 a 10 graus. NOTA: Pode ser selecionado apenas uma ferramenta de localização em sua inspeção! Atenção aos níveis de permissividade de erro da ferramenta de localização, pois a imagem da área de localização deve ter um tom verde claro para como a figura da direita. A figura da esquerda tem a mesma ferramenta, mas com nível menor. É interessante reduzir este valor ao mínimo possível, mas mantendo característica da tonallidade verde que preenche a área de cobertura da ferramenta. O programador vai perceber também que a imagem de erro abaixo aparece na tela quando este nível não garante fidelidade de busca: Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 7

8 Este aviso diz que está numa má seleção de ferramenta padrão e deve ser revisada os níveis de aprovação. Ferramentas de inspeção ou controle: A BVS possui sete ferramentas que podem ser chamadas quantas vezes forem necessárias e repetidas. A advertência é que quanto maior a área inspecionada e/ou mais ferramentas selecionadas, maior o tempo de processamento e conseqüentemente menor a capacidade de resposta à cadência do processo. Compara o valor médio de brilho na área de inspeção com o selecionado. Existe uma barra de resposta e o valor para aprovação de estar entre eles. Se o brilho for menor que o mínimo ou maior que o máximo, a ferramenta aponta a rejeição da inspeção. Esta ferramenta permite o ajuste da forma geométrica da área de inspeção: retangular (padrão) ou elíptica que pode ser selecionado no campo ROI Shape, conforme figura abaixo. Quanto maior o brilho, maior o nível de resposta. Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 8

9 Compara o máximo valor de resposta de contraste da área de inspeção com o máximo e o mínimo valor selecionado. Esta ferramenta também permite ajuste da forma geométrica de retangular para elíptica. Um diferencial desta ferramenta está no campo de sensibilidade que maior este valor (o padrão é 50%), maior é a resposta de contraste da área inspecionada. Isto ajuda a diferenciar objetos de pouco contraste. Quanto mais escura a peça, maior o nível de resposta. Uma observação quanto à utilização destas duas ferramentas é quanto a cor do alvo. É fato que, na ótica a cor branca é a reflexão de todas as cores, a cor preta é a absorção de todas as cores, o azul reflete todas menos o azul, o vermelho é a reflexão de todas menos o vermelho. O fato é que a cor da iluminação integrada da BVS é vermelha! Neste caso uma atenção diferenciada deve ser tomada, pois pode ser o caso de lançar mão de uma iluminação auxiliar! Tudo é passivo de teste, mas caso tenham que diferenciar cores claras como branco ou amarelo, a imagem da peça vermelha na tela vai estar muito próxima das cores citadas. Para que o vermelho realce na tela é preciso uma iluminação auxiliar com luz diferente do vermelho, como branca, por exemplo. Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 9

10 Verifica se o contorno da imagem inspecionada concorda com o contorno da imagem padrão (referência). É possível realçar o contorno de peças escuras ou claras. Compara a largura em pixels entre bordas e verifica se a resposta está entre o mínimo e o máximo permitido. Detalhe é que não é uma ferramenta de precisão, mas sim uma ferramenta comparativa e seu valor de resposta é adimensional. Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 10

11 Conta as bordas dentro da área de inspeção de mudanças de tons de claro para escuro e vice-versa ao longo de uma linha. Esta ferramenta com sua linha padrão na horizontal, mas pode ser rotacionada de modo que esta linha assuma um eixo na vertical ou em qualquer outro ângulo. Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 11

12 Calcula a similaridade de um padrão (característica) com um padrão correspondente da imagem de referência e conta com que freqüência o padrão é encontrado na área de busca. Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 12

13 Encontra a posição da primeira borda dentro da área de inspeção e verifica se está entre os valores de máximo e mínimo selecionados. Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 13

14 Configurado qual(is) ferramenta(s) vai(ão) ser utilizada(s), deve-se então configurar como as saídas devem se comportar, ou seja, determinar em que momento cada uma das três saídas deve ser ativadas. Deves-se clicar em e configurar as saídas conforme a janela abaixo: Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 14

15 Lembrando que a BVS possui três saídas a serem configuradas conforme a necessidade da aplicação. O usuário pode selecionar ativar a saída na aprovação de uma determinada ferramenta, na aprovação de todas as ferramentas (INSPECTION OK), reprovação de qualquer uma das ferramentas insatisfaz a aprovação da inspeção (INSPECTION NG),... Quando a saída não for utilizada, esta deve estar desabilitada (DISABLED). Quando se seleciona mais que três ferramentas de inspeção, algo comum é selecionar saída 1 como inspeção OK, saída 2 como inspeção não OK e saída 3 desativada. Mas esta última pode ser selecionada caso queira confirmar se aquele detalhe de inspeção. A BVS pode armazenar até 20 programas de inspeção, mas apenas 1 programa roda por vez, ou seja, o usuário deve carregar o programa da referida peça e começa a inspeção. O software deve estar programado para reprovar as que não estiverem de acordo com a original e também peças diferentes da original. Assim cada produto tem seu próprio programa de inspeção. Mas, caso o cliente tenha apenas três produtos a ser diferenciado, o programador pode optar em fazer a seguinte programação: - Ajustar a imagem de referência no passo 1 para o primeiro produto; - Configurar a melhor ferramenta para inspeção deste e configurar uma saída para esta ferramenta; - Voltar ao passo 1, clicar em Start Live ( ) para que recomece a captura de imagens e sem alterar nada do foco, brilho e contraste da imagem, selecionar uma nota imagem de referência e seguir ao passo 2 para determinar uma segunda ferramenta, que pode ser igual ao do primeiro produto, e determinar uma segunda saída para este segundo produto; - Voltar ao passo 1 e repetir este mesmo processo para o terceiro produto e ativar no passo 2 uma terceira ferramenta na terceira saída e então no passo 3 fazer os testes e verificar se há necessidade de ajuste fino. Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 15

16 No caso se sensores de visão avançados (BVS OI-3-05X-E), o diferencial é que sensor oferece como recurso adicional a localização do alvo com rotação de 360º que a versão Standard não odefece, além de configurar as saídas com portas lógicas como é mostrado abaixo: Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 16

17 No passo 3 é onde se realiza os testes quanto a eficiência de todos os ajustes de imagem e condições para aprovação e reprovação do produto. As figuras abaixo mostram o modo que o programa vai rodar (Test ou Run). No modo Test as saídas são mostradas como ativas conforme figura da esquerda, mas não há tensão aplicada nelas e no modo Run, efetivamente se ilustra a saída com tensão de saída. Isso acontece porque quando estamos no modo Test, o programa está sendo processado pelo computador (PC ou lap top), e quando no modo Run, o programa é processado pelo próprio sensor de visão. Assim é possível fazer um simulado de sensor Advanced usando um Standard, mas não é possível fazer o download e ativar as saídas. Uma vez que a programação satisfaça a necessidade da aplicação, pode-se então clicar em Run e para que efetivamente a inspeção aconteça e dê sinais ao sistema (CLP por exemplo) de aprovação ou reprovação. Obs.: no modo teste, o programador pode não ativar nenhuma saída e se concentrar na cor de preenchimento de fundo ou contorno, ou seja, se for verde a inspeção está OK e se estiver vermelho a inspeção está reprovada. Uma ferramenta importante de resposta de inspeção neste passo é o Inspection Explorer que mostra a resposta da ferramenta ao objeto monitorado. É ideal sempre ter no mínimo duas peças sendo uma aprovada e outra reprovada, mas é interessante ter mais exemplares tanto de peças OK como de peças não OK para se que se possa medir esta janela de variantes de valores entre as peças OK e as não OK. Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 17

18 A figura acima mostra para a ferramenta de localização 98% ( ). É interessante anotar os níveis de aprovação e reprovação da cada peça para as ferramentas de inspeção. Esta resposta é individual, ou seja, por ferramenta e se for necessário um ajuste fino, o programador deve então interromper o teste, voltar ao passo 2, selecionar a ferramenta de inspeção desejada e corrigir o nível de aprovação mínimo ou máximo dependendo do estudo deste caso. Neste passo quando no modo Test, as saídas são mostradas na tela do computador, mas não há tensão sobre elas, pois o programa de inspeção está sendo processado pelo computador. Quando no modelo Run, o programa de inspação passar a ser processado pelo próprio sensor e só assim as saídas são ativadas. Lembrando que as saídas são ativadas de modo cíclico, ou seja, é feito a captura das imagens, depois o processamento das ferramentas para aprovação ou não e então dispara as saídas segundo aprovação ou rejeição e acontece o reset das saídas para mais um ciclo de inspeção. Obs.: O sinal de saída de cada uma das saídas é cíclico, ou seja, tem uma forma de onda quadrada, pois há um ciclo constante de captura de imagem, depois o processamento das ferramentas seguido da ativas cão das respectivas ferramentas e por fim o reset das saídas para um novo ciclo. Caso o sensor estaja programado para trabalhar com trigger externo, da mesma forma a saída terá um pulso de ativação de acordo com o processamento. ESCOLHA DO MODELO DE BVS A OFERTAR A Balluff dispõe de três modelos que se diferem pelo zoom da lente. O sensor de visão não tem ajuste eletrônico de zoom. Assim a especificação é feita em cima da distância entre BVS e detalhe do alvo a ser inspecionado. A tabela abaixo mostra a área de cobertura a ser inspecionada pala BVS. A tela seu tamanho padrão e quando aproxima-se a BVS do alvo tem-se o detalhe em maior dimensão na tela, o que confere maior definição de imagem. Quando a distância não puder ser menor, a BVS-OI E traz a imagem para mais próximo. Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 18

19 Além do sensor de visão, é necessário ofertar também: - Suporte de fixação: BVS Z-MB-01 - Conector de rede M12-RJ45: BKS AD-05-RJ45/GS Conector de alimentação e sinais M12-8 pinos: RKTS 8-299/5,0M Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 19

20 Mudança de programa de inspeção na BVS NO FEEDBACK O sensor de visão BVS possui quatro tipos de mudanças de programa: - SELECT - NO FEEDBACK; - SELECT + TRIGGER BINARY FEEDBACK; - SELECT + TRIGGER BINARY FEEDBACK + EXTERNAL TEACH - SELECT EXTERNAL TEACH O texto abaixo remete a troca no primeiro modo: NO FEEDBACK Para a mudança de programa, são necessários três pulsos de igual duração de t on e t off e pulsos subseqüentes cuja quantidade determina o número do programa desejado. Este trem de pulsos deve ser programado no CLP. O programador deve fazer uma rotina de programa no CLP para chamada de troca de programa da BVS. Como o gráfico nos mostra, os períodos são de igual duração tanto a parte ligada do semi-ciclo, quanto a parte desligada. Caso deseje selecionar o programa número 4, é preciso um trem de 7 pulsos e caso deseje selecionar o programa 15, serão necessários 18 pulsos. Não há diferença entre os três primeiros pulsos de chamada de programa e os demais pulsos referentes ao número do programa desejado. Para ajustar a BVS para este modo de seleção de programa, deve-se seguir alguns passos: - Com o software BVS ConVis on-line com a BVS, clicar em SENSOR, como mostra abaixo: Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 20

21 - Deposis em Settings como mostrado e aparecerá a janela abaixo: Selecione SELECT NO FEEDBACK e ajuste o tempo de troca de inspeção. O tempo de inspeção na BVS deve ser levemente menor que os pulsos ajustados no CLP. Ex.: Ajustar a BVS para 10ms e o CLP para 12ms. Mas não igualar os valores. O tempo mínimo da BVS é de 10ms. Caso seu CLP aceite a programação em múltiplos de 10, ou seja, 10ms 20ms 30ms 40ms..., deve selecionar 20ms e aumentar o tempo da BVS para 17 ou 18ms. Este tempo de chaveamento da BVS é igual ao semi-ciclo t on e não t on + t off. Algumas considerações: - No momento que se deseja fazer a troca de programa da BVS via CLP, o software BVS ConVis deve estar off-line, pois caso contrário a troca não será aceita! - Os pulsos devem ser disparados no pino 1 da BVS e o 0V da BVS deve ser o mesmo ou estar alinhado com o 0V do CLP, ou seja, a mesma fonte ou duas fontes mas com o 0V de ambas ligado junto para que a referência de 0V entre CLP e BVS seja a mesma; - Depois de disparados o trem de pulsos da chamada de programa, deve-se aguardar de 3 a 10 segundos para que seja aceito o novo programa. Esta confirmação se dá depois de acender e apagar os leds de saída da BVS. O programa que demanda mais tempo para ser ativado é o de número 20. Assumindo pulsos de 20ms temos: Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 21

22 - 20ms t on + 20ms t off : 40ms de ciclo; - 23 ciclos (3 de ativação de chamada + 20 referente ao programa): 23 X 40ms = 920ms (aproximadamente 1s). Mais o tempo de espera de aceitação. Este modo é mais rápido entre os quatro citados. Porém, o tempo para carregar o programa depois de selecionado é uma variante das ferramentas contempladas no programa, bem como quantidade, área de inspeção e peso de cada uma delas. As ferramentas que mais interferem em tempo de processamento e tempo para carregar o programa são: Pattern Match e Contour Match. Caso seja necessário a utilização de uma delas, procure diminuir a área de inspeção ao máximo possível. Mudança de programa de inspeção na BVS WITH FEEDBACK AND EXTERNAL TEACHING. Neste modo de seleção de programa de inspeção, o usuário tem a opção de ter um retorno do sensor de visão informando ao sistema (CLP) que o programa foi trocado e também o número do programa é informado pelas saídas digitais. É preciso considerar o tempo mínimo para mudança de programa de inspeção. Para ajustar a BVS para este modo de seleção de programa, deve-se seguir alguns passos: Com o software BVS ConVis on-line com a BVS, clicar em SENSOR, como mostra abaixo: - Deposis em Settings como mostrado e aparecerá a janela abaixo: Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 22

23 Selecione SELECT EXT. TEACH ONLY e ajuste o tempo de troca de inspeção. O tempo de inspeção na BVS deve ser levemente menor que os pulsos ajustados no CLP. Ex.: Ajustar a BVS para 10ms e o CLP para 12ms. Mas não igualar os valores. O tempo mínimo da BVS é de 10ms. Caso seu CLP aceite a programação em múltiplos de 10, ou seja, 10ms 20ms 30ms 40ms..., deve selecionar 20ms e aumentar o tempo da BVS para 17 ou 18ms. Este modo de troca de programa é composto por 8 passos como segue descrito: Passo nº1: Ativar a entrada de seleção de programa. O sensor como resposta vai resetar todas as três saídas. Passo nº2: Com as três saídas desligadas (nível baixo) e o pino de seleção de programa ainda ativo, dar um pulso no trigger de entrada. O sensor como resposta vai setar todas as três saídas (nível alto). Passo nº3: Com as três saídas e o pino de seleção de programa ativos, disparar uma seqüência de pulsos correspondente ao número do programa desejado. Ex.: prog 1 = 1 pulso; prog 3 = três pulsos; prog 10 = 10 pulsos e assim até o prog de número 20. Nota: Caso não seja dado nenhum pulso no passo nº3 ou a quantidade for superior a 20 pulsos, não haverá troca de programa e o sensor manterá o último programa executado. Passo nº4: Fim do processo de seleção de programa. Não há mais pulso de trigger para selecionar o programa. Deve-se desativar o pino de seleção de programa (select input). Nesmo momento as três saídas permanecem ativas. Passo nº5: Com as entradas de trigger e seleção de programa desativadas, a resposta do sensor é resetar as três saídas. Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 23

24 Passo nº6: Resposta com os bits menos significativos. Com o atraso do tempo mínimo de pulso para troca de programa, o sensor responde com código binário ao comando do trigger de entrada, os três bits menos significativos relativos ao número do programa desejado. Passo nº7: Resposta com os bits mais significativos. Com o atraso do tempo mínimo de pulso para troca de programa, o sensor responde com código binário ao comando do trigger de entrada, os três bits mais significativos relativos ao número do programa desejado. Ex.: Programa nº5: ( ) Assim: Passo 6: 2 2 x 1 = 1 / 2 1 x 0 = 0 / 2 0 x 1 = 1 Passo 7: 2 5 x 0 = 0 / 2 4 x 0 = 0 / 2 3 x 0 = 0 Passo 8: Fim de processo. O CLP dá o último comando de trigger e o sensor responde com o atraso do tempo mínimo de pulso para troca de programa ativando as três saídas. Logo que o programa é carregado, as três saídas são resetadas e o sensor está pronto para operar com o novo programa. Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 24

25 A Balluff também disponibiliza um bloco de funções parametrizado para os usuários de CLP Siemens S7-300: FB21 Com este bloco de funções, o usuário deve apenas atribuir nomes às variáveis como quais entradas do CLP são as saídas da BVS, quais saídas do CLP são entradas de trigger e seleção de programa do sensor. Obs.: Esta rotina do bloco de funções parametrizado deve rodar apenas no momento em que a troca de programa for requerida. Engº Marco Antonio de Almeida BALLUFF Controles Elétricos 25

Gerenciador USB do Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Versão 3.6

Gerenciador USB do Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Versão 3.6 Gerenciador USB do Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro Versão 3.6 O Gerenciador é um Software para ambiente Windows que trabalha em conjunto com o Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro, através de

Leia mais

Guia do Usuário da Ferramenta de Instalação da Câmera Avigilon

Guia do Usuário da Ferramenta de Instalação da Câmera Avigilon Guia do Usuário da Ferramenta de Instalação da Câmera Avigilon Versão 4.10 PDF-CIT-D-Rev1_PT Copyright 2011 Avigilon. Todos os direitos reservados. As informações apresentadas estão sujeitas a modificação

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS 1 Para iniciar a edição de um esquema elétrico para posterior simulação, busque no menu Iniciar do Windows, a opção Todos os Programas. Localize a pasta onde foi instalado o Proteus e selecione o programa

Leia mais

Manual. Rev 2 - junho/07

Manual. Rev 2 - junho/07 Manual 1.Desbloquear o software ------------------------------------------------------------------02 2.Botões do programa- --------------------------------------------------------------------- 02 3. Configurações

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK

APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK 1 SÚMARIO ASSUNTO PÁGINA Componentes da Lousa... 03 Função Básica... 04 Função Bandeja de Canetas... 05 Calibrando a Lousa... 06

Leia mais

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8 NAPNE / RENAPI Google SketchUp 8 Agosto de 2011 Sumário 1 Introdução... 4 2 Requisitos básicos... 4 3 Itens... 4 3.1 Assista os tutoriais em vídeo... 5 3.2 Leia dicas e truques... 6 3.3 Visite a Central

Leia mais

NVS (Servidor de vídeo em rede) e Câmeras IPS

NVS (Servidor de vídeo em rede) e Câmeras IPS NVS (Servidor de vídeo em rede) e Câmeras IPS Guia rápido de usuário (Versão 3.0.4) Nota: Esse manual pode descrever os detalhes técnicos incorretamente e pode ter erros de impressão. Se você tiver algum

Leia mais

MANUAL. Objetivo: Descrever o procedimento de instalação e uso do equipamento e software.

MANUAL. Objetivo: Descrever o procedimento de instalação e uso do equipamento e software. MANUAL Objetivo: Descrever o procedimento de instalação e uso do equipamento e software. Público alvo: Instaladores, prestadores de serviços, técnicos de manutenção, TI e supervisores. Revisão D 09/02/2011

Leia mais

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados.

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados. Bem Vindo GDS TOUCH Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touchscreen de controle residencial, com design totalmente 3D, interativo

Leia mais

Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client?

Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client? Produto: CL Titânio Assunto: Quais as funções que podem ser executadas no software client? Assim que abrir o DVR Client, no canto superior direito há um grupo de opções denominado Login, preencha de acordo

Leia mais

O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo:

O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo: UNIDADE 1: CONFIGURAÇÃO O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo: Pc12.lnk, ao ser clicado, Para iniciar um projeto, utilize a barra de ferramentas abaixo: Clique

Leia mais

Manual de Instruções SOFTWARE DVISION PROTECTION DVR

Manual de Instruções SOFTWARE DVISION PROTECTION DVR Manual de Instruções SOFTWARE DVISION PROTECTION DVR ÍNDICE DESCRIÇÃO................................................. PÁG. 1 - Configuração necessária para o bom funcionamento................... 03 2

Leia mais

Stratus. Stratus. Floorplan Monitor

Stratus. Stratus. Floorplan Monitor Allied Allied Professional Professional Access Access Point Point Stratus Stratus Floorplan Monitor Manual de operação Release 0506.2014 Índice Alterar / Importar Plano de fundo... 13 Apresentação do Allied

Leia mais

O Servidor de impressão DP-300U atende a seguinte topologia: Podem ser conectadas 2 impressoras Paralelas e 1 USB.

O Servidor de impressão DP-300U atende a seguinte topologia: Podem ser conectadas 2 impressoras Paralelas e 1 USB. O Servidor de impressão DP-300U atende a seguinte topologia: Podem ser conectadas 2 impressoras Paralelas e 1 USB. 1 1- Para realizar o procedimento de configuração o DP-300U deve ser conectado via cabo

Leia mais

INSTALAÇÃO DO CHEF FOODS NET

INSTALAÇÃO DO CHEF FOODS NET INSTALAÇÃO DO CHEF FOODS NET Obs.: Caso já possua um programa compactador de arquivo pular a etapa 1. 1 - Compactador de Arquivo Para instalar o Chef Foods Net você precisa de um programa descompactador

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA INSTALAR REDE ETHERNET EM CNC s FAGOR.

PROCEDIMENTO PARA INSTALAR REDE ETHERNET EM CNC s FAGOR. PROCEDIMENTO PARA INSTALAR REDE ETHERNET EM CNC s FAGOR. INDICE 1 Verificar a compatibilidade dos sistemas de hardware e software 1.1 Opcionais de Hardware 1.2 Opcionais de Software 2 Parametrização do

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Manual EasyGas. Bosch. www.bosch.com.br

Manual EasyGas. Bosch. www.bosch.com.br Manual EasyGas www.bosch.com.br Revisado em Março/2008 Página 1/15 Índice 1. EasyGas...3 2. Tela de Principal...3 2.1 Configurar ou F12...3 3. Cadastro de Clientes...4 3.1. Adicionar um Novo Cliente ou

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 18 de fevereiro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI Manual de Utilização Família MI ÍNDICE 1.0 COMO LIGAR O MÓDULO... pág 03 e 04 2.0 OBJETIVO... pág 05 3.0 COMO CONFIGURAR O MÓDULO MI... pág 06, 07, 08 e 09 4.0 COMO TESTAR A REDE... pág 10 5.0 COMO CONFIGURAR

Leia mais

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev P27070 - Rev. 0 1. RESTRIÇÕES DE FUNCIONAMENTO RECEPTOR IP ÍNDICE 1. Restrições de Funcionamento... 03 2. Receptor IP... 03 3. Inicialização do Software... 03 4. Aba Eventos... 04 4.1. Botão Contas...

Leia mais

Tornando sites mais fáceis para visualização 16

Tornando sites mais fáceis para visualização 16 Primeiros passos com o essential Accessibility 3 O que é essential Accessibility? essential Accessibility : uma visão geral Sobre este manual Como instalar o essential Accessibility Requisitos do sistema

Leia mais

O Servidor de impressão DP-301U atende a seguinte topologia: Com o DP-301U pode ser conectada uma impressora USB.

O Servidor de impressão DP-301U atende a seguinte topologia: Com o DP-301U pode ser conectada uma impressora USB. O Servidor de impressão DP-301U atende a seguinte topologia: Com o DP-301U pode ser conectada uma impressora USB. 1 1- Para realizar o procedimento de configuração o DP-301U deve ser conectado via cabo

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control MANUAL DO USUÁRIO Software de Gerenciamento Controlador de Fator de Potência Self Control ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 4 1.1 Aplicações 4 2.0 CARACTERÍSTICAS 4 2.1 Compatibilidade 4 3.0 INSTALAÇÃO 4 4.0 INICIALIZAÇÃO

Leia mais

Software Ativo. Operação

Software Ativo. Operação Software Ativo Operação Página deixada intencionalmente em branco PROTEO MANUAL OPERAÇÃO SUMÁRIO 1 - INSTALAÇÃO DO SOFTWARE ATIVO... 5 2 CRIANDO PROJETO UVS/ TMS PROTEO... 10 2.1 - Estrutura do Projeto...

Leia mais

Tutorial MSN Messenger

Tutorial MSN Messenger Tutorial MSN Messenger Este tutorial irá ensiná-lo(a) a usar o programa MSN Messenger, utilizado para conversação Online. Dependendo da sua conexão a página pode demorar um pouco até ser carregada totalmente.

Leia mais

Em seguida leia com atenção o manual de instruções para obter um melhor aproveitamento de seu painel.

Em seguida leia com atenção o manual de instruções para obter um melhor aproveitamento de seu painel. MANUAL - Manual De Instruções Do Software - Termo De Garantia Manual de instruções do software LEDMIDIA Seu Painel Ledmidia tem as seguintes características: 1 Exibe qualquer tipo de fonte de letra que

Leia mais

VIPMON. VIPMON Software de monitoramento. 21.15.001_VIPMON_REV 04.doc 1

VIPMON. VIPMON Software de monitoramento. 21.15.001_VIPMON_REV 04.doc 1 Software de monitoramento 21.15.001 REV 04.doc 1 Tópicos da Ajuda 01. 03 02. INSTALAÇÃO 03 03. DESINSTALAÇÃO 05 04. INICIANDO O 08 05. CONFIGURAÇÃO DO TIPO DE COMUNICAÇÃO 09 06. E-MAIL 12 07. MENSAGENS

Leia mais

Guia de consulta rápida

Guia de consulta rápida Guia de consulta rápida DigiFlash Smart Trigger 1 2 3 4 5 17 Smart Trigger 6 7 8 9 16 15 14 13 12 11 10 O DigiFlash Smart Trigger é um dispositivo para disparar flashes a partir de um evento externo. Pode

Leia mais

1 Procedimento de atualização de firmware do modem D-Link modelo DSL-G604T com o firmware DESATUALIZADO

1 Procedimento de atualização de firmware do modem D-Link modelo DSL-G604T com o firmware DESATUALIZADO 1 Procedimento de atualização de firmware do modem D-Link modelo DSL-G604T com o firmware DESATUALIZADO 1.1 Antes de começar, você deve fazer o download do arquivo Utilitario_DSL- G604T_V2.00B01T01.BR.20060626.zip,

Leia mais

GX - ULT MANUAL DO USARIO V1.1. NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2012-2015 - Todos os direitos Reservados

GX - ULT MANUAL DO USARIO V1.1. NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2012-2015 - Todos os direitos Reservados GX - ULT MANUAL DO USARIO V1.1 NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2012-2015 - Todos os direitos Reservados IMPORTANTE Máquinas de controle numérico são potencialmente perigosas. A Nevex Tecnologia Ltda não

Leia mais

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1 CNC...3 2.1.1. Configuração...3 2.2 PC...6 2.2.1 Configurar a rede Microsoft...6 2.2.2. Inibir o Firewall da rede

Leia mais

Data Autor Descrição Revisão Configuração HX600 via GPRS 1.0

Data Autor Descrição Revisão Configuração HX600 via GPRS 1.0 Data Autor Descrição Revisão 06/05/2009 Barbarini Configuração HX600 via GPRS 1.0 Page 1 / 13 Procedimento de Instalação 1 O módulo deverá ser fixado próximo ao medidor. Para alimentá-lo é necessária uma

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

DISCADORA PHONE CELL

DISCADORA PHONE CELL DISCADORA PHONE CELL - Caro Usuário A interface celular Phone Cell foi desenvolvida com o objetivo de unir segurança e conectividade em um só aparelho. O produto realiza e recebe ligações telefônicas através

Leia mais

_PTBR. Guia de configuração de digitalização para aplicativos TWAIN

_PTBR. Guia de configuração de digitalização para aplicativos TWAIN _PTBR Guia de configuração de digitalização para aplicativos TWAIN Como usar a fonte de dados TWAIN Como iniciar a Ferramenta de validação de scanner... 2 A caixa de diálogo Ferramenta de validação de

Leia mais

IINTRODUÇÃO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO GP-SOFTWARE

IINTRODUÇÃO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO GP-SOFTWARE IINTRODUÇÃO SOFTWARE DE PROGRAMAÇÃO GP-SOFTWARE Rev.: 01 (03/09/2007) PRODUTOS ELETRÔNICOS METALTEX LTDA. Rua: José Rafaelli, 221 - Socorro - S. Amaro - São Paulo / SP. CEP: 04763-280 - Brasil Tel.: 55

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Microcontrolador Modelix 3.6

Microcontrolador Modelix 3.6 Curso de Robótica 1 Curso de Robótica Introdução à robótica O desenvolvimento da robótica surgiu da necessidade de se aperfeiçoar processos de fabricação, no sentido de melhorar a qualidade dos produtos.

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário

MODEM USB 3G+ WM31. Manual do Usuário MODEM USB 3G+ WM31 Manual do Usuário 2 Tabela de Conteúdo 1 Introdução... 3 2. Instalação... 5 3. Descrição da interface do cliente... 6 4. Conexão... 10 5.SMS... 11 6.Contatos... 14 7.Estatística... 18

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.6.0

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.6.0 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.6.0 09 de novembro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Controladora Biométrica Bio SA

Controladora Biométrica Bio SA Manual do usuário Controladora Biométrica Bio SA 1 2 Manual do usuário Parabéns, você acaba de adquirir um produto desenvolvido com qualidade e segurança Citrox. Este manual foi desenvolvido para ser uma

Leia mais

CONFIGURADOR DO PAINEL FP1 v 1.3

CONFIGURADOR DO PAINEL FP1 v 1.3 CONFIGURADOR DO PAINEL FP1 v 1.3 1. INTRODUÇÃO Este software permite a configuração dos dispositivos de detecção manuais e ou automáticos do sistema digital de alarme de incêndio FP1. Pode-se, por intermédio

Leia mais

CONFIGURAÇÃO PARA ACESSO À FAMERPNET INTERNET WIRELESS

CONFIGURAÇÃO PARA ACESSO À FAMERPNET INTERNET WIRELESS Willian Spinola Alves dos Santos Érico Alessandro Gandolfi João Marcelo Rondina CONFIGURAÇÃO PARA ACESSO À FAMERPNET INTERNET WIRELESS São José do Rio Preto 2012 Santos, Willian Spinola Alves dos. Configuração

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

TUTORIAL DE PROGRAMAÇÃO. Configuração do cartão de entrada / saída analógica CP1W-MAD11.

TUTORIAL DE PROGRAMAÇÃO. Configuração do cartão de entrada / saída analógica CP1W-MAD11. TUTORIAL DE PROGRAMAÇÃO Configuração do cartão de entrada / saída analógica CP1W-MAD11. 1.0 Alocação de memória Antes de utilizar o cartão, é necessário conhecer a forma como a linha CP1 aloca as memórias

Leia mais

Manual de instruções da unidade da impressora

Manual de instruções da unidade da impressora Manual de instruções da unidade da impressora Para Windows 7 DS-RX1 Ver.1.01 Em relação aos direitos autorais Os direitos autorais para o Manual de Instruções da Unidade da Impressora DS-RX1, a Unidade

Leia mais

Ambiente de Programação dos Painéis de Operação. Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP

Ambiente de Programação dos Painéis de Operação. Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP Ambiente de Programação dos Painéis de Operação Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP Índice 1)Introdução...2 2)Instalação do Oppe...3 3)Descrição do OPPE...4 3.1 Selecionar

Leia mais

GX - USB MANUAL DO USARIO V1.1

GX - USB MANUAL DO USARIO V1.1 GX - USB MANUAL DO USARIO V1.1 NEVEX Tecnologia Ltda Copyright 2012 - Todos os direitos Reservados IMPORTANTE Máquinas de controle numérico são potencialmente perigosas. A Nevex Tecnologia Ltda. não se

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE Tutorial SweetHome3D Trabalho apresentado ao Prof. Carlo na Disciplina de Software Livre no curso Pós Graduação em Tecnologia da Informação Aplicada a

Leia mais

Manual Captura S_Line

Manual Captura S_Line Sumário 1. Introdução... 2 2. Configuração Inicial... 2 2.1. Requisitos... 2 2.2. Downloads... 2 2.3. Instalação/Abrir... 3 3. Sistema... 4 3.1. Abrir Usuário... 4 3.2. Nova Senha... 4 3.3. Propriedades

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Manual do equipamento Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição

Leia mais

DS-RX1 Manual de instruções da unidade da impressora Para Windows 7

DS-RX1 Manual de instruções da unidade da impressora Para Windows 7 DS-RX1 Manual de instruções da unidade da impressora Para Windows 7 Version 1.01 Em relação aos direitos autorais Os direitos autorais para o Manual de Instruções da Unidade da Impressora DS-RX1, a Unidade

Leia mais

Linha de Módulos de Comando

Linha de Módulos de Comando RKM SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E CONTROLE LTDA. Rua Catão Coelho, 215 PORTO ALEGRE RS Fone: (51) 3029-3250 www.rkmautomacao.com.br Linha de Módulos de Comando RKM Aurora MANUAL DE CONFIGURAÇÃO Rev. 1.0 Abril

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL TISS. Manual. Usuário. Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL TISS. Manual. Usuário. Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013 Manual do Usuário Versão 1.3 atualizado em 13/06/2013 1. CONFIGURAÇÕES E ORIENTAÇÕES PARA ACESSO... 4 2 GUIAS... 11 2.1 DIGITANDO AS GUIAS... 11 2.2 SALVANDO GUIAS... 12 2.3 FINALIZANDO UMA GUIA... 13

Leia mais

O Software... 3. Ferramentas Fixas...7 Ajuda...7 Atualização automática...7 Info...7. Configurações... 8 Verificar conexões... 8

O Software... 3. Ferramentas Fixas...7 Ajuda...7 Atualização automática...7 Info...7. Configurações... 8 Verificar conexões... 8 Sumário O Software... 3 O IrrigaCAD...3 Versões do AutoCAD...3 Configurações Mínimas...3 Acionamento... 4 Elementos Gráficos... 4 Apresentando as Ferrametas...5 Barra de Títulos e Agrupamentos...5 Ferramentas

Leia mais

Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800

Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800 Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800 Atenção: Antes de operar o equipamento, leia o manual do usuário, qualquer dano causado decorrente de utilização errônea do mesmo implicará na perda imediata

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

Guia de Referência Rápida de Operação

Guia de Referência Rápida de Operação Guia de Referência Rápida de Operação Projetor Proinfo GIPM.04/2U Guia de Referência Rápida de Operação LS-5580 Projetor Proinfo 69.000.70207-1 Guia de Referência Rápida de Operação Projetor Proinfo 1-2

Leia mais

Manual PAINT.NET de imagens

Manual PAINT.NET de imagens Manual PAINT.NET de imagens 1. Instalação 1.1 - Para instalar o programa paint.net, o primeiro passo é baixá-lo do endereço a seguir e salvá-lo em seu computador. http://ww2.prefeitura.sp.gov.br/paint_net/paint.net.3.36.exe

Leia mais

Vid8 Servidor. Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR;

Vid8 Servidor. Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR; Vid8 Servidor Versão 8.13.0411 Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Versão 8.12.0311 Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR; Versão 8.11.0311 Correção

Leia mais

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR $,'(GR5HSRUW0DQDJHU

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR $,'(GR5HSRUW0DQDJHU $,'(GR5HSRUW0DQDJHU Neste capítulo vamos abordar o ambiente de desenvolvimento do Report Manager e como usar os seus recursos. $FHVVDQGRRSURJUDPD Depois de instalado o Report Manager estará no Grupo de

Leia mais

PROGRAMANDO TCP/IP NX-590E

PROGRAMANDO TCP/IP NX-590E Descrição dos Leds PROGRAMANDO TCP/IP NX-590E O módulo de Internet tem cinco LEDs (5) vermelhas ao longo da frente do bordo e mais dois no módulo SIM. Esses LEDs fornecem valiosas informações sobre o estado

Leia mais

TUTORIAL DE PROGRAMAÇÃO. Procedimento de backup do programa no cartão de memória.

TUTORIAL DE PROGRAMAÇÃO. Procedimento de backup do programa no cartão de memória. TUTORIAL DE PROGRAMAÇÃO Procedimento de backup do programa no cartão de memória. 1.0 Instalação do cartão de memória: O cartão de memória é do tipo CF (Compact Flash), para conectar basta retirar a proteção

Leia mais

ANTES DE TUDO, FAÇA ISTO...

ANTES DE TUDO, FAÇA ISTO... ATENÇÃO PARA SAT DIMEP: o EXISTEM 2 TIPOS DE SAT DIMEP. o O DE COR BRANCA QUE DEVE SER USADO PARA FAZER DEMONSTRAÇÕES. CASO A REVENDA DESEJE APARELHO PARA DEMONSTRAÇÃO, É ESTE QUE DEVE SER ADQUIRIDO o

Leia mais

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores Attack 1.35 Software de controle e Monitoração de amplificadores 1 Índice 1 Hardware necessário:... 3 1.1 Requisitos do computador:... 3 1.2 Cabos e conectores:... 3 1.3 Adaptadores RS-232 USB:... 4 1.4

Leia mais

KID MANUAL DE SOFTWARE

KID MANUAL DE SOFTWARE KID MANUAL DE SOFTWARE Sumário 1.1. O que é Programação em Blocos?... 3 1.2. Conhecendo o KID Programador... 3 1.2.1. Instalação do Software... 3 1.2.2. Áreas do Software... 5 1.3. Blocos usados para Programação...

Leia mais

A seguir serão detalhados os atuadores da estação com a finalidade de facilitar a visualização e ilustrar os circuitos contidos em anexo.

A seguir serão detalhados os atuadores da estação com a finalidade de facilitar a visualização e ilustrar os circuitos contidos em anexo. MANUAL DE OPERAÇÃO Estação de Distribuição MPS Documentação Técnica Estação de distribuição Vista superior da estação Detalhe do terminal de válvulas CPV 2 Descrição da Estação Essa estação tem como principal

Leia mais

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo.

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo. O que é o Gimp? O GIMP é um editor de imagens e fotografias. Seus usos incluem criar gráficos e logotipos, redimensionar fotos, alterar cores, combinar imagens utilizando o paradigma de camadas, remover

Leia mais

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master)

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

Bem-vindo ao melhor do entretenimento.

Bem-vindo ao melhor do entretenimento. Manual do usuário Bem-vindo ao melhor do entretenimento. Agora, com a Vivo TV, você tem alta qualidade de som e imagem para assistir a uma programação completa com canais infantis, seriados, programas

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

Sistema Integrado de Automação Módulo TECHMANAGER Versão 1.0.0.77 (serial)

Sistema Integrado de Automação Módulo TECHMANAGER Versão 1.0.0.77 (serial) SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA Sistema Integrado de Automação Módulo TECHMANAGER Versão 1.0.0.77 (serial) Manual de Usuário TECHNEXT (2012) 1 de 28 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA Página Sumário 1. Sobre o Techmanager...

Leia mais

Este documento consiste em 25 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Março de 2010.

Este documento consiste em 25 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Março de 2010. Manual do Usuário Este documento consiste em 25 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Março de 2010. Impresso no Brasil. Sujeito a alterações técnicas. A reprodução deste documento,

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line)

Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Manual de Utilização do Sistema GRServer Cam on-line (Gerenciamento de Câmeras On-line) Criamos, desenvolvemos e aperfeiçoamos ferramentas que tragam a nossos parceiros e clientes grandes oportunidades

Leia mais

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução A energia é algo intangível e, portanto, as medidas de energia envolvem, necessariamente, processos de medidas indiretas. Em outras palavras, para medir energia, medimos outras grandezas

Leia mais

Manual do usuário. Mobile Client

Manual do usuário. Mobile Client Manual do usuário Mobile Client Mobile Client Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para a sua instalação e operação e traz

Leia mais

MANUAL BÁSICO PARA O USO DO TRACKMAKER. I Organizar os arquivos para uso, baixar e instalar o programa.

MANUAL BÁSICO PARA O USO DO TRACKMAKER. I Organizar os arquivos para uso, baixar e instalar o programa. MANUAL BÁSICO PARA O USO DO TRACKMAKER I Organizar os arquivos para uso, baixar e instalar o programa. 1. Entrar na site www.gpstm.com/downloads.php?lang=port, clique no Download da versão GPS TrackMaker

Leia mais

LUXVISION HÍBRIDO VER AS IMAGENS ATRAVÉS DO INTERNET EXPLORER. Abra o INTERNET EXPLORER, vá em FERRAMENTAS, OPÇÕES DA INTERNET.

LUXVISION HÍBRIDO VER AS IMAGENS ATRAVÉS DO INTERNET EXPLORER. Abra o INTERNET EXPLORER, vá em FERRAMENTAS, OPÇÕES DA INTERNET. LUXVISION HÍBRIDO VER AS IMAGENS ATRAVÉS DO INTERNET EXPLORER. Abra o INTERNET EXPLORER, vá em FERRAMENTAS, OPÇÕES DA INTERNET. Clique na guia SEGURANÇA, NÍVEL PERSONALIZADO. Ir até os ActiveX ( desenho

Leia mais

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4

Características... 3. Identificando a placa... 3. Esquema de ligação... 3. Parâmetros programados no painel de alarme... 4 P18640 - Rev. 0 Índice Características... 3 Identificando a placa... 3 Esquema de ligação... 3 Parâmetros programados no painel de alarme... 4 Instalação do software programador... 4 Instalação do cabo

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DE SOFTWARE

MANUAL DO USUÁRIO DE SOFTWARE MANUAL DO USUÁRIO DE SOFTWARE P-touch P700 O conteúdo deste manual e as especificações deste produto estão sujeitos a alterações sem prévio aviso. A Brother reserva-se o direito de fazer alterações sem

Leia mais

STK VPN TEF IP Daruma (Configuração e Instalação) Ambiente ONLINE

STK VPN TEF IP Daruma (Configuração e Instalação) Ambiente ONLINE STK VPN TEF IP Daruma (Configuração e Instalação) Ambiente ONLINE Versão 1.0.0.6 Data: 23/05/2011 Pag. 1-20 Premissas: 1. Possuir um dos sistemas operacionais Windows a seguir: Windows XP, Vista, Windows

Leia mais

GEOVISION VER AS IMAGENS ATRAVÉS DO INTERNET EXPLORER.

GEOVISION VER AS IMAGENS ATRAVÉS DO INTERNET EXPLORER. GEOVISION VER AS IMAGENS ATRAVÉS DO INTERNET EXPLORER. Abra o INTERNET EXPLORER, vá em FERRAMENTAS, OPÇÕES DA INTERNET. Clique na guia SEGURANÇA, NÍVEL PERSONALIZADO. Ir até os ActiveX ( desenho de uma

Leia mais

Planilhas Eletrônicas EXCEL

Planilhas Eletrônicas EXCEL Planilhas Eletrônicas EXCEL Pasta de Trabalho Quando você inicia o excel ele automaticamente cria uma pasta de trabalho. Esta pasta de trabalho é um arquivo que pode ter até 255 planilhas. Cada planilha

Leia mais

ÍNDICE Bem Vindo Procedimentos Gerais Mensagem do Depto

ÍNDICE Bem Vindo Procedimentos Gerais Mensagem do Depto ÍNDICE Bem Vindo Procedimentos Iniciais... Pagina 2 Procedimentos Gerais 1. Iniciando o Windows XP... Pagina 3 2. Acesso a Internet e Web Mail... Pagina 4 3. Uso da Rede Wireless... Pagina 6 4. Tocando

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE INJEÇÃO ELETRÔNICA

MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE INJEÇÃO ELETRÔNICA MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE DIAGNÓSTICO DE INJEÇÃO ELETRÔNICA ÍNDICE PÁG. 1 Apresentação. Visão geral 02 Requisitos de sistema 02 Interface de comunicação 03 Conectores 03 HARD LOCK (Protetor) 04 2 Instalação

Leia mais

1. Apresentação. Fig. 1 - Rastreador Portátil OnixMiniSpy. Led indicativo de Sinal GSM/GPRS e GPS. LED indicativo de recarga de bateria

1. Apresentação. Fig. 1 - Rastreador Portátil OnixMiniSpy. Led indicativo de Sinal GSM/GPRS e GPS. LED indicativo de recarga de bateria 1. Apresentação O OnixMiniSpy é um rastreador portátil que utiliza a tecnologia de comunicação de dados GPRS (mesma tecnologia de telefone celular) para conectar-se com a central de rastreamento e efetuar

Leia mais

BLOCKGAS. Sistema de Monitoração e Alarme de vazamento de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás SB330.

BLOCKGAS. Sistema de Monitoração e Alarme de vazamento de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás. É composto por um circuito inteligente (microcontrolado) que recebe o sinal gerado por um sensor eletrônico de gás, processa sua calibração

Leia mais

Manual de utilização do módulo NSE METH 3E4RL

Manual de utilização do módulo NSE METH 3E4RL INSTALAÇÃO 1 - Baixe o arquivo Software Configurador Ethernet disponível para download em www.nse.com.br/downloads-manuais e descompacte-o em qualquer pasta de sua preferência. 2 - Conecte a fonte 12Vcc/1A

Leia mais

1. StickerCenter... 3. 2. Menu Broadcast Stickers... 4. 3. Menu MyStickers... 9

1. StickerCenter... 3. 2. Menu Broadcast Stickers... 4. 3. Menu MyStickers... 9 1. StickerCenter... 3 1.1. O que é?... 3 1.2. O que são Stickers?... 3 1.3. Como acessar o StickerCenter?... 3 1.4. Como atualizar o StickerCenter?... 3 2. Menu Broadcast Stickers... 4 2.1. O que é?...

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Versão 1.0 Julho/2012 ÍNDICE 1 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO... 4 1.1 Equipamento e Sistemas Operacionais 4 1.1.1

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AUTOCAD

INTRODUÇÃO AO AUTOCAD INTRODUÇÃO AO AUTOCAD O AUTOCAD é um software que se desenvolveu ao longo dos últimos 30 anos. No início o programa rodava no sistema D.O.S., o que dificultava um pouco seu uso. Com o surgimento do sistema

Leia mais