Palavras-chave: criança - contemporaneidade - infância - práticas de leitura - escola

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Palavras-chave: criança - contemporaneidade - infância - práticas de leitura - escola"

Transcrição

1 25 CONTEMPORANEIDADE CRIANÇAS E AS NOVAS FORMAS DE LEITURA Dione Machado Silva Coelho PPGE UFRJ/Colégio Pedro II Resumo Pensar a leitura entre as crianças na contemporaneidade é pensar na multiplicidade de maneiras de ler. Não existe uma única forma de contato com a leitura. A História Cultural (DARNTON,1995; CHARTIER,1994,1995,1998; CAVALLO,1998) nos ensina através das diferentes maneiras de ler ao longo da história que as novas formas de leitura definem novos gestos, novas relações com o escrito e novas formas de pensar. Nesta perspectiva este trabalho tem como objetivo refletir sobre as formas de leitura que as crianças estão trazendo e nos revelando dentro da escola na contemporaneidade. Segundo Agamben (2010), ser contemporâneo é manter os olhos fixos no tempo e para isso é preciso deslocamento. O conceito de dispositivo trazido por este autor também é fundamental para compreendermos os gestos de leitura, como movimentos condicionados e controlados pelas e nas circunstâncias e usos nas quais são efetuadas. Este trabalho também fundamenta as concepções de linguagem e de sujeito nas teorias de Mikhail Bakhtin (1988, 2010) para quem, o conhecimento de um outro requer um movimento exotópico, ou seja, exige um deslocamento de lugar que possibilite o sujeito ver do ponto de vista do outro aquilo que ele mesmo não é capaz de ver do lugar aonde se encontra. Pensar a contemporaneidade assim como identificar os diferentes modos de ler das crianças, no espaço escolar, exige este movimento de tensão que nos leve a enxergar vestígios de gestos aparentemente antigos e inteiramente estranhos ao momento em que vivemos, mas que ao mesmo tempo podem estar nos revelando novos gestos, característicos de uma contemporaneidade digital. Palavras-chave: criança - contemporaneidade - infância - práticas de leitura - escola Livro 1 - p

2 26 A contemporaneidade, as crianças e suas formas de ler Em seu livro O que é o contemporâneo? E outros ensaios, Agamben (2010) afirma que poderíamos definir a fase extrema do desenvolvimento do capitalismo em que nos encontramos como a fase de gigantesca acumulação e proliferação de dispositivos. Segue afirmando que não há um só instante em que não somos definidos ou controlados por algum deles. Como não é objetivo deste trabalho discutir o conceito de dispositivo, segue então apenas para efeito de esclarecimento, a definição do autor, para quem o termo significa qualquer coisa que tenha de algum modo a capacidade de capturar, orientar, determinar, interceptar, modelar, controlar e assegurar os gestos, as condutas, as opiniões e os discursos dos seres viventes. (Id.,p.40). O autor menciona a caneta, a escritura, a literatura, a filosofia, a agricultura, o cigarro, a navegação, os computadores, os telefones celulares (Id.,p.40-41) e inclui entre eles, a linguagem como alguns do objetos que nos capturam, nos controlam e de certa forma nos dominam. Portanto, não são apenas as instituições de poder, tão obviamente comprometidas com a disciplina, que nos aprisionam e nos impõem determinados movimentos. Ao mesmo tempo, Agamben (Ibid.) afirma que que tais dispositivos não são obra do acaso e sim parte do processo de hominização (Id. p.43, grifo do autor) que transformou o homem em ser humano. Nunca em tão pouco tempo tantos objetos foram inventados e fabricados. Inventam-se os desejos e posteriormente criam-se os objetos para atender àqueles. Assim, podemos pensar que o que nos torna humanos também nos aprisiona. É nesta realidade, repleta de coisas, tecnologias, instrumentos, bugigangas, parafernálias, e brinquedos eletrônicos de todo tipo que se encontram as crianças na contemporaneidade. Mas o que é a contemporaneidade? A contemporaneidade também é apresentada como uma singular relação com o próprio tempo, que adere a este e, ao mesmo tempo, dele toma distâncias; mais precisamente, essa é a relação com o tempo que a este adere através de uma dissociação e anacronismo (Id., p.59). Nesta perspectiva, ser contemporâneo é não coincidir com o tempo, é ser capaz de afastar-se para a partir do deslocamento poder ter a visão do seu próprio tempo. Para Bakhtin (2010) é este excedente de visão, que pressupõe um lugar Livro 1 - p

3 27 exterior ao que o sujeito do conhecimento ocupa e que só é possível a partir de seu deslocamento, que vai possibilitar a compreensão enquanto conhecimento. A este lugar exterior proporcionado pelo deslocamento Bakhtin (Ibid.) chama de exotopia. Segundo o autor [A] grande causa para a compreensão é a distância do individuo que compreende no tempo, no espaço, na cultura em relação aquilo que ele pretende conhecer de forma criativa. (Id., p.366, grifo do autor). Agambem também propõe outra definição para contemporaneidade: contemporâneo é aquele que mantém fixo o olhar no seu tempo, para nele perceber não as luzes, mas o escuro (2010, p.62). Este escuro não consiste na falta ou na negação de algo que existe, ao contrário, consiste em algo que por ter sido ofuscado, nossa visão não captou. Precisamos desenvolver a capacidade de neutralizar a luz que ofusca a visão daquilo que não pode fisicamente nos alcançar, ser visto. Explicar o contemporâneo é tentar enxergar o escuro, mas também ter consciência das luzes que nos impedem de enxergar e por isso, só aparentemente, nos cega. Como falar do contemporâneo sem falar das coisas que o constituem e que nele são constituídas? Como não falar de seus dispositivos? Daquilo que nos aprisiona e que nos torna os mesmos, nos fazendo repetir? Este texto refere-se à parte da pesquisa de campo ora em andamento em uma escola pública de ensino fundamental do Rio de Janeiro e tem como objetivo refletir sobre as formas e os gestos de leitura trazidos pelas crianças e revelados em sala de aula. Estas práticas, como a história da leitura nos indica, nem sempre são novas, inusitadas. A atitude de distanciamento que nos coloca no lugar do contemporâneo, nos possibilita pensar nossa prática, fazendo-nos questionar até que ponto vimos nos repetindo e cristalizando formas antigas de trabalho que não avançam, que não mudam e que de certa forma não ajudam nossos alunos. Somente a partir de um inventário do que se tem, poderemos buscar alternativas, inovar, inventar novas formas de ver e agir. Nosso objetivo é mais o de problematizar algumas das implicações que as novas formas de leitura podem trazer para a escola, do que apresentar soluções ou formas de trabalhá-la. A História Cultural nos mostra como os textos impressos em suas diferentes formas discursivas e materiais foram recebidos e apropriados de diferentes modos por grupos distintos em momentos históricos diversos. A história da leitura pode assim ser Livro 1 - p

4 28 apresentada de diferentes pontos de vista, além de muitas vezes ser confundida com a própria história do livro. Conforme Chartier e Cavallo nos lembra, não existe texto fora do suporte que permite sua leitura (ou da escuta), fora da circunstância na qual é lido (ou ouvido) (1998, p.9). Portanto para compreendermos os gestos suscitados pelo ato da leitura também torna-se peça indispensável de observação, o suporte que o constitui. Este também determina e condiciona os gestos. Darnton afirma que a leitura não evoluiu numa direção única, a da extensividade. Ela assumiu muitas formas diferentes entre diferentes grupos sociais em épocas diversas (1995, p.155). Portanto, seria difícil discutir essas diferenças e suas singularidades ao longo de toda a história da leitura, no curto espaço de tempo que possuímos para discutir o tema neste artigo. Assim sendo, pretendemos inscrever a leitura e seus gestos, não em um tempo específico, mas após o início da Idade Moderna em suas modalidades de leitura - em voz alta e silenciosa, - para passarmos a refletir sobre essas formas, que durante muito tempo tornaram-se predominantes entre as pessoas e como a partir dos textos criados para serem lidos com tais propósitos, gestos e práticas foram sendo reveladas e construídas. Até que ponto encontramos formas antigas (grifo nosso) de leitura em situações de sala de aula nos dias de hoje e como ressignificá-las como práticas contemporâneas? A leitura oral em voz alta, compartilhada, servia tanto para informar como para alegrar e passar o tempo. Era exercida em pé, em praça pública, no âmbito familiar ou em grupos reduzidos. Enquanto a leitura individual se restringia aos que sabiam ler e podiam adquirir livros, a leitura em voz alta, pública, transitava pelos diversos segmentos, das elites às pessoas do povo. E se constituía em uma das formas mais populares de leitura praticada no Antigo Regime, na França e na Alemanha. Darnton descreve uma de suas variações, conhecida como veillée: Enquanto as crianças brincavam, as mulheres costuravam e os homens consertavam suas ferramentas, alguém do grupo que soubesse decifrar um texto lido iria regalá-los com as aventuras de Les quatre fils Aymon, Till Eulenspiegel ou alguma outra história apreciada dentre o repertório corrente dos livretos populares baratos.(id., p. 157) Nas oficinas, no século XIX, a leitura em voz alta também era muito praticada entre os trabalhadores, que se revezavam nessa prática. Muitas vezes chegavam até mesmo a contratar alguém para que lesse com o único intuito de prazer e divertimento. Mesmo com Livro 1 - p

5 29 a difusão do livro, após o advento da imprensa, essa forma de leitura se manteve dominante, começando a desaparecer apenas durante o nosso século. Darnton afirma que hoje a leitura oral pública, substituída pelos meios de comunicação de massa perdeu sua função política, embora sobreviva em alguns espaços, como [...] vestígio de uma prática em vias de extinção e como exercício bem ritualizado de aprendizagem [...] ela se torna um dos símbolos da leitura primária hesitante ou enfática, que se julga com indulgência ou reprovação, conforme o caso, quer se trate de crianças noviças ou de adultos iletrados.(id., p.157) O autor também afirma que, apesar de a leitura oral ter perdido seu espaço político, ainda hoje muitos se mantêm informados através das notícias, que são lidas na televisão. E defende que talvez a televisão não seja tanto uma ruptura com o passado como muitos podem querer acreditar e que os livros durante muito tempo contaram mais com ouvintes do que com leitores. Diferentemente da forma com que os leitores se apropriavam da leitura de textos em voz alta para diversão, informação, prazer -, hoje a leitura feita na televisão e nos meios de comunicação em geral, tem o objetivo de informar e por isso, seus gestos são outros. Mais moderados e menos dramatizados. A partir de uma imagem de leitura datada de 1610 a partir da qual Darnton descreve uma situação de leitura, podemos imaginar como agiam seus leitores: Ela mostra os livros, pesados volumes in foliu comprimidos em altas prateleiras que se destacam das paredes, numa sequencia determinada pelas rubricas da bibliográfica clássica: Jurisconsulti, Medici, Historici, e assim por diante. Os estudiosos estão espalhados pelo aposento, lendo os livros em balcões erguidos a altura do ombro, sob as prateleiras. Eles leem de pé, protegidos do frio por chapéus e capas grossas, com um pé apoiado numa barra para aliviar a pressão do corpo. A leitura não havia de ser cómoda na era do humanismo clássico. (Id., p.156) A leitura como prática privada, segundo Darnton (Ibid.), constituía-se experiência restrita ao círculo de pessoas cultas cujas condições sociais permitiam a compra do livro, contudo Chartier (1994, p.15-16) nos alerta para esse tipo de classificação que impõe fronteiras rígidas entre as práticas sociais, lembrando-nos que existem outros fatores de diferenciações como gênero, geração, religião, agremiações profissionais entre outras, plenamente pertinentes. A partir da introdução da prática da leitura silenciosa na sociedade, a leitura solitária introduziu uma outra forma de relação com o livro, trazendo a liberdade de estar a sós, na intimidade - em oposição à leitura pública, partilhada. A biblioteca, para os que a ela podiam ter acesso, passou a ser lugar de afastamento, de privacidade, de refúgio. Os gestos de leitura também passaram a ser outros. Pessoas podiam ser vistas, principalmente Livro 1 - p

6 30 mulheres, recostadas em confortáveis cadeiras abandonadas (grifo nosso) ao ato da leitura. Aos poucos o corpo vai se distanciando da leitura. Os movimentos dos olhos são os novos gestos. Leituras e rupturas Darnton (1995) observa que, mesmo conhecendo as formas de leitura de outros grupos ao longo dos tempos, não é possível de fato saber como os textos, em seus diversos formatos, foram lidos e que sentidos lhes foram atribuídos. Muito menos os gestos construídos. Segundo o autor, pode-se apenas supor já que se desconhece o que se passava entre os leitores e os textos lidos. "Seja lá o que fosse" (Id., p. 163), as interpretações empreendidas por determinados grupos poderiam ser feitas segundo maneiras que nos escapam inteiramente. Tal afirmativa pode ser fundamentada em uma das proposições sobre a leitura, desenvolvida por Michel de Certeau, A primeira delas lembra, contra todas as reduções que anulam a força criativa e inventiva dos usos, que a leitura não é jamais limitada, não podendo, assim, ser deduzida dos textos dos quais ela se apropria. A segunda sublinha que as táticas dos leitores, insinuadas nesse lugar próprio produzido pelas estratégias da escrita, obedecem a regras, lógicas, modelos. Fica, assim, enunciado o paradoxo fundador de toda a história da leitura, que deve postular a liberdade de uma prática da qual só podemos capturar as determinações.(1990, p.251 apud CHARTIER, 1994, p. 27) Entretanto, se é apenas suposição o que se pode fazer, como afirma Darnton pois "não sabemos de fato" (Ibid. P.147) as formas como os textos foram lidos e, as interpretações e os significados atribuídos à leitura, por nossos ancestrais, e obviamente seus gestos, conhecer e entender tais práticas nos dias de hoje é capturar, as determinações dessas formas e tecer as interpretações como defende Chartier (Ibid., p.27). O autor, então, destaca a necessidade de se observar, em nossos dias, formas de leitura que de certa maneira desapareceram: Por exemplo, a leitura em voz alta, em sua dupla função: comunicar o texto aos que não o sabem decifrar, mas também cimentar as formas de sociabilidade imbricadas igualmente em símbolos de privacidade a intimidade familiar, a convivência mundana, a convivência letrada. Uma história da leitura não deve, pois, limitar-se à genealogia única da nossa maneira contemporânea de ler em silêncio e com os olhos. Ela tem, também e sobretudo, a tarefa de encontrar os gestos esquecidos, os hábitos desaparecidos. (Id., p. 17) Não há dúvida de que a leitura pública em voz alta perdeu seu espaço político, contudo tais gestos podem ser encontrados entre nós, mas é preciso buscar seus sentidos, seus significados. Talvez eles estejam menos esquecidos e perdidos do que possamos pensar ou ver. Cabe a nós encontrá-los, entendê-los e ressignificá-los descobrir seu novo Livro 1 - p

7 31 valor. Podemos conceber a nossa maneira contemporânea de ler como uma multiplicidade de formas de ler. Basta observar nas ruas, nos lares, nas escolas, nas igrejas, nos teatros, pessoas lendo para outros: seja a bíblia, seja um livro de história para o filho, sejam as manchetes dos jornais pendurados nas esquinas, um comentário de futebol, uma crônica, uma mensagem recebida no celular, na internet, nas redes sociais ou em qualquer aparato digital. Assim como Chartier (Ibid), Darnton (Ibid) concebe tais determinações, que orientam e governam as variações das leituras, como fruto de um contexto históricocultural, no qual são construídas e afirma que esquemas de interpretação fazem parte de configurações culturais, que variam imensamente ao longo do tempo. Como nossos antepassados viviam em mundos mentais diferentes, deviam ler de maneira diferente, e a história da leitura pode ser tão complexa quanto a história do pensamento (Id., p ). Para compreender a atividade de leitura, práticas e gestos empreendidos por um determinado grupo, é preciso captar a lógica, as regras e os modelos - as determinações - que orientam e governam os dispositivos, determinando e condicionando novos hábitos e comportamentos. Tais determinantes, ao mesmo tempo que orientam e influenciam as diversas formas de leitura de um grupo, são constituídas por elas no e pelo grupo, diferenciando-o e definindo-o. Linguagem e Leitura A leitura não é somente uma operação abstrata de intelecção; ela é engajamento do corpo, inscrição num espaço, relação consigo e com os outros. Chartier, (1994, p.16) A leitura como forma de interação verbal, é historicamente situada e encontra-se, portanto, vinculada às condições concretas em que se constitui. Ao mesmo tempo, constituindo-se e sendo constituidoras dos sujeitos que dela tomam parte, as práticas de leitura revelam assim, em cada tempo e espaço, gestos e modos de ler, que por serem produções ideológicas, exigem novos sentidos e significados. Bakhtin afirma que: [O] livro, isto é, o ato de fala impresso, constitui elemento da comunicação verbal. Ele é objeto de discussões ativas sob a forma de diálogo e, além disso, é feito para ser apreendido de maneira ativa, para ser estudado a fundo, comentado e criticado no quadro do discurso interior, sem contar as reações impressas, institucionalizadas, que se encontram nas diferentes esferas da comunicação verbal (críticas, resenhas que exercem influência sobre os trabalhos posteriores, etc.) (1988, p.123). Livro 1 - p

8 32 A citação de Bakhtin acima deixa entrever a coincidência na concepção de livro e leitura. Mas a partir de sua conceituação de livro, podemos inferir um conceito de leitura que ao constituir-se em forma de diálogo e manter-se em interação com outras formas verbais de comunicação, passa também a fazer parte da cadeia verbal assim como a enunciação. Na perspectiva de compreendermos as práticas de leitura e seus gestos, na contemporaneidade, é preciso portanto, pensarmos nas condições e usos em que tais práticas efetivamente se constroem e se efetuam, ou seja, seu tempo histórico, o espaço físico, o ambiente, os sujeitos, levando-se em conta não somente os textos em seus discursos, mas também em sua materialidade e concebendo os gestos, não como elemento exterior ao sentido e significado constituídos no ato de leitura, mas também como elemento constituidor desta mesma atividade. Ao discorrer sobre a psicologia do corpo social, Bakhtin afirma que este elo de ligação entre a estrutura sócio-política e a ideologia, definida como a esfera da ciência, arte, etc., se efetua sob a forma de interação verbal (ou, mais genericamente, semiótica), a psicologia do corpo social se transforma num conceito metafísico ou mítico (a alma coletiva, o inconsciente coletivo, o espírito do povo, etc.) (1988, p.41, grifos do autor). Segundo o autor, este elo é o meio ambiente onde se constituem todas as formas de interações verbais, que enquanto cadeias ideológicas ininterruptas se manifestam em diferentes formas de discurso. Afirma também que tais manifestações verbais estão por certo ligadas aos demais tipos de manifestação e de interação de natureza semiótica, à mímica, à linguagem gestual, aos gestos condicionados, etc. (Id., p.42). A internet, vídeo games, redes sociais, assim como a leitura e a escrita são tecnologias que podem ser compreendidas como meios de interação social. Desta forma, para entendermos as mudanças nas relações com as práticas de leitura estabelecidas pelas crianças em sala de aula, precisamos começar a refletir sobre as formas de ler que esses novos dispositivos estão revelando e que de certa maneira condicionam os sujeitos, principalmente as novas gerações. Não podemos duvidar de que, com seus suportes, estas tecnologias estão trazendo novas formas de ler, novos gestos, novos códigos, novas formas de interação e de enunciação. Mas o que estaria mudando? Livro 1 - p

9 33 Chartier (2002, p.31) enfatiza o fato de que ler numa tela, não é a mesma coisa que ler no códex. A nova representação do escrito muda a noção de contexto espacial. Na tela, a forma como o texto se organiza e como o leitor se movimenta em relação a este texto, assim como o modo com que a informação é acessada mudaram. O modo de identificação e de manuseio do texto também mudaram e agora, este passa a ser acessado na vertical. Enquanto o livro no formato de códex tem uma organização visível que nos permite distinguir e classificar os discursos de maneira que a materialidade do computador e os aparelhos digitais não nos permitem, a textualidade digital tem outra dimensão física. Ela é tridimensional. Por outro lado, os novos dispositivos de leitura (tablets entre outros) nos oferecem uma possibilidade de movimentos facilitadores. É leve, fácil de manusear e carregar, além de ser possível armazenar centenas e milhares de textos sem pesar. Leituras contemporâneas As três cenas a seguir relatam práticas de leitura em diferentes situações. A primeira é o relato de uma cena filmada por uma família americana e que circulou na internet durante um tempo na época em que morreu Steve Jobs, criador da Apple. O vídeo mostra uma menina de aproximadamente 1 ano manuseando um ipad e posteriormente uma revista. As duas cenas seguintes fazem parte do acervo de vídeo de da pesquisa em andamento em turmas de 5º ano de uma escola pública durante uma atividade de livre escolha de livros na aula de Português. As atividades são de turmas diferentes. Cena 1: O vídeo Revista é um ipad que não funciona, cujo título sintetiza bem o que pode vir a ser uma revista, ou quem sabe até mesmo o livro, para as próximas gerações, introduz a menina manuseando um ipad. Ela aperta o dedinho, desliza-o e vê imediatamente que as figuras mexem, mudam, aparecem e desaparecem. Em seguida aparece um subtítulo: Isso não funciona. Desta vez, a menina está diante de uma revista. Ela folheia, alisa e aperta as folhas da revista com o indicador, com movimentos de quem já domina (levanto em conta sua idade) tanto uma revista quanto aparelhos eletrônicos que respondem a movimentos e toques feitos diretamente na tela, os chamados touch screen. Demonstra, como toda criança curiosidade e entretenimento. Aparece novo subtítulo: Esta tão pouco funciona. A menina reaparece com outra revista. Os movimentos, seguidos de uma sonoplastia típica digital, se repetem e inicia o processo de frustração. Nota-se que os movimentos com o dedinho forçando, empurrando a revista, esperando a resposta como em uma tela digital, começam a ficar mais repetitivos, intensos e rápidos. Outro subtítulo: Sem serventia. Outra vez, com uma revista, encontra um encarte colado em uma página, tenta alguma coisa com ele. Aperta-o, escarafunchandoo, mas nada. Sinais de impaciência começam a aparecer. Um outro subtítulo questiona Será que está quebrado?. A criança se desinteressa e empurra a revista. Próximo subtítulo: Ainda assim meu dedo funciona. Após apertar algumas vezes a revista, sem obter resposta aperta a própria perninha algumas vezes. O toque aumenta em intensidade parecendo querer comprovar a funcionalidade do dedo em sua perna. Sente-o. Demonstrando impaciência, irritação e descontentamento busca pelo ipad. Encontra-o e começa a dar gritinhos e a demonstrar sua alegria e prazer. Livro 1 - p

10 34 O título e subtítulos que anunciam cada cena introduzida traduzem perfeitamente a situação em que vivemos, pelo menos, no que diz respeito a relação com a leitura e seus novos gestos. Esta cena, riquíssima em detalhes, nos permitiria uma discussão e análise que infelizmente não nos possibilita. Gostaríamos de enfocar como um comportamento, aparentemente simples, pode se constituir em gesto de leitura e marcar um tempo, a partir de um novo suporte em que se é dado a ler. Outra questão que nos colocamos é como a facilidade no manuseio de um novo meio, como o de um tablete por exemplo, pode levar pouco a pouco, a um deslocamento a outra forma de leitura e até mesmo ao desaparecimento da velha modalidade. Gestos tão bem assimilados e aparentemente simples como virar a página de uma revista ou um livro podem tornar-se desinteressante e até mesmo desaparecer. Enquanto a leitura do rolo antes do códex, por exemplo, mobilizava o corpo inteiro e exigia das mãos e braços um espaço que impedia a leitura em espaços mais restritos, a leitura de um tablet, ao contrário demanda apenas um ínfimo movimento do dedo, cujo toque na tela, efetua o trabalho necessário. Se nem mencionar sobre os sensores que obedecem o movimento das pupilas. Podemos também empreender um outro deslocamento e tentar encontrar estes mesmos gestos e formas de leitura construídas e criadas a partir de um novo suporte, em outras condições de produção, aparentemente distinta, embora no mesmo tempo. Cena 2: Dois meninos leem um livro de geografia. Abrem aleatoriamente o livro e se deparam com uma página sobre relevo geográfico. Um deles, Hugo, desliza os dedos sobre a cachoeira desde a parte superior até a inferior desabando no lago enquanto faz o barulho imitando a correnteza. Hugo (nome fictício) tem doze anos, lê fluentemente, é ótimo aluno, gosta de ler e tira ótimas notas. O movimento empreendido por ele não tele relação com a falta de habilidade com a leitura, tampouco lê este livro. Somente observa as figuras com o amigo. Os dois brincam com o livro, que não apresenta nenhum artifício extra, enquanto riem e comentam as fotografias. Seriam esses movimentos comuns entre crianças ledoras, antes da era do touch screen, da era digital? Que sentidos lhe são atribuídos, para que os utilizam as crianças? Cena 3 Cinco meninas riem muito, porém baixo, mas chamam minha atenção. Apontam para o livro, que encontra-se sobre a mesa. Duas estavam sentadas. Uma em frente à outra, enquanto as outras permaneciam de pé. Voltam apontar para o livro. Agora, parecem estar em outra parte do texto. Continuam a rir. Agora, apontam apenas para uma delas. Fui aproximando-me. Mas para minha surpresa não pararam e ao contrário me incluíram na conversar. Perguntei o que liam. Mostraram-me o livro: Eu te gosto, você me gosta de Marcia Kupstas. Pedi Livro 1 - p

11 35 emprestado, o que fizeram imediatamente ao final do tempo de leitura. Após a leitura do livro, foi mais fácil entender e explicar todo aquele burburinho e o movimento durante a atividade de leitura das meninas. Uma delas, para quem todas apontavam estava namorando um menino da sala. O livro falava sobre as emoções, decepções e alegrias de uma menina no dia dos namorados. Ao rever o vídeo pudemos perceber o movimento de seus braços, seus rostos, o balanço dos corpos, as idas e vindas. Posição que a princípio poderíamos pensar incômoda, para elas não parece perturbar ou cansar. O prazer da leitura e da troca pareciam superar qualquer desconforto. Este episódio nos remete à cena de leitura ocorrida por volta do século XVII, reproduzida por Darnton e por mim relatada no início deste trabalho, em que segundo o autor, a leitura naquele tempo não devia de ser cômoda (1995, p.156), ao contrário dos dias de hoje, onde principalmente nos momentos livres, mesmo no espaço escolar, como no caso das meninas aqui relatado o prazer e a comodidade são esperados. Para entender os gestos de leitura, atribuindo-lhes um sentido é preciso entender as condições em que suas práticas se constroem. Essas cenas de leitura entre as crianças, também nos mostram e nos fazem pensar que a leitura de corpo inteiro não é característica somente das crianças pequenas. Cada leitor, com suas experiências próprias, interage com a leitura e promove experiências e práticas compartilhadas. A partir de seus gestos, percebemos como são tomadas pela leitura, como se envolvem de corpo inteiro e interagem entre elas, trazendo suas experiências e inquietações. Compreender a leitura em suas práticas e rupturas ao longo da história nos ajuda a entender e refletir sobre elas nos dias de hoje, projetando-as no futuro. Apesar de termos em determinadas épocas características de práticas de leituras mais marcantes, isso não quer dizer que diferentes formas não sejam coexistentes. A contemporaneidade e seus novos dispositivos de leitura nos impõem novas formas de ler e consequentemente novas práticas, novos gestos, novas formas de engajamentos corporais e intelectuais, mas elas não se excluem. Proporcionar momentos e espaços que possibilitem as crianças, na escola, independentemente de suas idades, usarem o corpo é de extrema importância. Que possam ler juntas, sussurrar, segredar, rir. Tais práticas, vestígios de comportamentos introduzidos com a expansão do livro e o surgimento da leitura silenciosa em espaços privados, Livro 1 - p

12 36 sobrevivem no mundo digital, onde também são encontrados índices de uma cultura oral medieval em que o partilhar da leitura era fundamental, não só para a informação como para o prazer e o deleite no entretenimento. Conclusões Este trabalho teve como objetivo refletir sobre a leitura entre as crianças no tempo em que vivemos. Para isso, foi preciso empreender um movimento de deslocamento para tentar perceber os traços do passado que as práticas de leitura ainda nos revelam, mas que ao mesmo tempo poderiam nos estar indicando traços de uma contemporaneidade. O trabalho de reflexão constituiu-se mais como um desafio de ler no escuro do que em trazer respostas clarificadoras. Quem lê, onde lê, o que lê, como lê, para quê e para quem se lê são variantes que governam práticas leitoras. Os sujeitos leem de acordo com seus interesses e expectativas. A perspectiva da Histórica Cultural situou nosso trabalho em relação à leitura, concebendoa como prática inserida historicamente e portanto sendo determinada pelas condições em que é produzida. Mas também, ao revelar as diferenças e rupturas históricas das práticas de leitura trazendo a tensão entre o passado e o presente, nos ajudou a exercer o deslocamento necessário para tentar enxergar índices de uma contemporaneidade. Sem ter a pretensão de explicar o contemporâneo, mas na perspectiva de refletir sobre o tempo em que vivemos, este texto também pretendeu refletir sobre nosso trabalho como professores, e a partir de um entendimento de que a leitura constitui também um dispositivo, pensar as práticas de leitura e seus gestos como práticas condicionadas e determinadas, para que possamos encontrar caminhos para o novo em sala de aula, criando assim formas diferentes e criativas de ensino de leitura levando em consideração não apenas as atividades, mas os sujeitos envolvidos, os novos suportes e os espaços. E que estes sejam agradáveis e acolhedores. Relembrando Michel de Certeau: Emancipado dos lugares, o corpo que lê se acha mais livre em seus movimentos. (1998, p. 272). Referências Bibliográficas AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? E outros ensaiors. Chapecó BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. Hucitec: São Paulo, Estética da criação verbal. Martins Fontes: São Paulo, Livro 1 - p

13 37 CAVALLO, Guglielmo.,CHARTIER, Roger.(Org). Introducão. In: História da leitura no mundo ocidental. Ática: São Paulo, CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano. Editora Vozes: Petrópolis, 1998, p CHARTIER, Roger. As práticas da escrita. In: ARIÈS, Philippe.; CHARTIER, Roger. (Org.). História da Vida Privada. Editora Companhia das Letras: São Paulo, A Ordem dos Livros. Editora Universidade de Brasília: Brasília, Os desafios da escrita. Editora UNESP: São Paulo, DARNTON, Robert. O Beijo de Lamourette. Companhia das Letras: São Paulo, Vídeo disponível em <http://thenextweb.com/shareables/2011/10/13/this-baby-tried-to-usea-glossy-magazine-like-an-ipad-and-failed> Acesso em: 27 fev.2012, 7:20. Livro 1 - p

Resenha (recesso) - Aprendizagem, Arte e Invenção de Virgínia Kastrup

Resenha (recesso) - Aprendizagem, Arte e Invenção de Virgínia Kastrup Resenha (recesso) - Aprendizagem, Arte e Invenção de Virgínia Kastrup RESUMO. O texto aborda o tema da aprendizagem, usando como referência as contribuições de Gilles Deleuze e Félix Guattari. O objetivo

Leia mais

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias TEXTOS SAGRADOS Noções introdutórias A ORIGEM Os Textos Sagrados, via de regra, tiveram uma origem comum: Experiência do sagrado. Oralidade. Pequenos textos. Primeiras redações. Redação definitiva. Organização

Leia mais

6. Conclusão. Contingência da Linguagem em Richard Rorty, seção 1.2).

6. Conclusão. Contingência da Linguagem em Richard Rorty, seção 1.2). 6. Conclusão A escolha de tratar neste trabalho da concepção de Rorty sobre a contingência está relacionada ao fato de que o tema perpassa importantes questões da reflexão filosófica, e nos permite termos

Leia mais

Benefícios da Leitura

Benefícios da Leitura Ler a par Benefícios da Leitura Proporciona à criança informação e conhecimento sobre o mundo. Apresenta à criança situações e ideias novas Estimulando a curiosidade, o pensamento crítico, e ainda a consciência

Leia mais

Transmissão da ideologia dominante como forma de inserção na cultura científica

Transmissão da ideologia dominante como forma de inserção na cultura científica Transmissão da ideologia dominante como forma de inserção na cultura científica Rafaella Martins* 1 Primeiras Considerações No seu livro Marxismo e filosofia da linguagem (MFL) Mikhail Bakhtin trata sobre

Leia mais

CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR.

CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR. CONTAR UMA HISTÓRIA É DAR UM PRESENTE DE AMOR. LEWIS CARROL Elaborado pelas assessoras Patrícia Ribeiro e Rosinara Nascimento, em 2011, nas oficinas pedagógicas para as educadoras, ocorridas nas Livrarias

Leia mais

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e MORFOSSINTAXE Quando analisamos a que classe gramatical pertencem as palavras de determinada frase, estamos realizando sua análise morfológica. A morfologia é a parte da gramática que estuda a classificação,

Leia mais

Indicado para professores, alunos e f uncionários.

Indicado para professores, alunos e f uncionários. Indicado para professores, alunos e f uncionários. Caro leitor, O objetivo deste manual é sensibilizar a comunidade acadêmica para as questões relacionadas à inclusão, assim como, esclarecer algumas dúvidas

Leia mais

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 Profa. Gláucia Russo Um projeto de pesquisa pode se organizar de diversas formas, naquela que estamos trabalhando aqui, a problematização estaria

Leia mais

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem (Anotações de leitura por Eliana Gagliardi) Geraldi, em seu livro Portos de Passagem, São Paulo, Martins Fontes, 1991, coloca-nos que o ensino de Português

Leia mais

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva Por que análise de discurso no campo da educação científica? Análise

Leia mais

Diário de Classe. Aulas, projetos, experimentos, dinâmicas.

Diário de Classe. Aulas, projetos, experimentos, dinâmicas. Diário de Classe Aulas, projetos, experimentos, dinâmicas. A escola é, ou deveria tornar-se, um local privilegiado para diminuir a distância entre os jovens e a leitura. Essa atividade é necessária e vital

Leia mais

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 1 PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 Silmara Cristina DELA-SILVA Universidade Estadual Paulista (Unesp)... as palavras, expressões, proposições etc., mudam de sentido segundo as posições sustentadas

Leia mais

SEMIÓTICA E GESTÃO DO DESIGN 2

SEMIÓTICA E GESTÃO DO DESIGN 2 SEMIÓTICA E GESTÃO DO DESIGN 2 II- Um recorte na Semiótica Discursiva ou Greimasiana (de Algirdas Julien Greimas) Para a Semiótica Discursiva, as manifestações (sejam elas verbais, visuais, gestuais, plásticas,

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Edilva Bandeira 1 Maria Celinei de Sousa Hernandes 2 RESUMO As atividades de leitura e escrita devem ser desenvolvidas com textos completos

Leia mais

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância Colégio Valsassina Modelo pedagógico do jardim de infância Educação emocional Aprendizagem pela experimentação Educação para a ciência Fatores múltiplos da inteligência Plano anual de expressão plástica

Leia mais

O FENOMENO DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

O FENOMENO DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER O FENOMENO DO MUNDO NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Caroline Martins de Sousa Bolsista PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROJETO DE PESQUISA PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROJETO DE PESQUISA PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Gênero Resenha Literária nas Crônicas de Olavo Bilac publicadas na Gazeta de Notícias do Rio de Janeiro Beatriz Cristine Honrado (NºUSP: 9305799) Orientador:

Leia mais

LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS

LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS Contexto Crise econômica Crise de representatividade institucional Classe dominante com unidade mínima Classe trabalhadora fragmentada Estamos entre dois mundos

Leia mais

Transformação, institucionalização e conflito nas esferas espacial, econômica, social e política

Transformação, institucionalização e conflito nas esferas espacial, econômica, social e política iências Humanas E SUAS TEC ECNOLOGIAS Ficha de Estudo 96 Tema Transformação, institucionalização e conflito nas esferas espacial, econômica, social e política Tópico de estudo Representação espacial Entendendo

Leia mais

Linguagens de meninas e meninas, em especial: o desenho entrelaçando manifestações expressivas. Marcia Gobbi FEUSP

Linguagens de meninas e meninas, em especial: o desenho entrelaçando manifestações expressivas. Marcia Gobbi FEUSP Linguagens de meninas e meninas, em especial: o desenho entrelaçando manifestações expressivas Marcia Gobbi FEUSP Construtoras de culturas infantis Social e historicamente situadas Sujeitos de direitos

Leia mais

OS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS

OS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS OS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS UMA COMPARAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE CADA HEMISFÉRIO esquerdo Verbal: usa palavras para nomear, descrever e definir; Analítico: decifra as coisas de maneira sequencial e por partes;

Leia mais

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB )

Gilmara Teixeira Costa Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) GT 4 LINGUAGENS, LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO. Gilmara Teixeira Costa (gilmara-teixeira-01@hotmail.com/ Professora da Educação Básica- Barra de São Miguel/PB ) Juliana Maria Soares dos Santos (PPGFP UEPB)¹

Leia mais

5 DICAS PARA APRENDER A DESENHAR DO ZERO. Descubra como aprender a desenhar de forma simples e objetiva.

5 DICAS PARA APRENDER A DESENHAR DO ZERO. Descubra como aprender a desenhar de forma simples e objetiva. 5 DICAS PARA APRENDER A DESENHAR DO ZERO Descubra como aprender a desenhar de forma simples e objetiva. INTRODUÇÃO OLÁ, OLÁ, OLÁ... Eu sou o Ivan Querino, ilustrador, professor e empreendedor, escrevi

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE AS FORMAS GEOMÉTRICAS EM NOSSO COTIDIANO. Instituto de Ciências Exatas da Universidade Federal de Minas Gerais

UM ESTUDO SOBRE AS FORMAS GEOMÉTRICAS EM NOSSO COTIDIANO. Instituto de Ciências Exatas da Universidade Federal de Minas Gerais UM ESTUDO SOBRE AS FORMAS GEOMÉTRICAS EM NOSSO COTIDIANO Fernanda Lima Ferreira Instituto de Ciências Exatas da Universidade Federal de Minas Gerais Introdução O presente relato de experiência se refere

Leia mais

Hábitos de Estudo. 1. Onde estudar?

Hábitos de Estudo. 1. Onde estudar? Hábitos de Estudo Queridos alunos, Você sabe estudar? Estudar deve ser um hábito como escovar os dentes, comer e dormir? Qual o lugar apropriado para estudar? É adequado estudar da mesma forma para as

Leia mais

LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS

LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS Estamos entre dois mundos 58% dos Brasileiros usam internet 42% dos Brasileiros NÃO usam internet Redes sociais: presença diária e ativa 13% televisão 89% 58% celular

Leia mais

SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS. Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin

SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS. Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin Resumo: O objetivo deste artigo é tecer questões acerca da Semiótica, relacionando-a com o curso Artes Visuais.

Leia mais

Cap. 6: PREGAÇÃO PURITANA. PROPOSTA: Tentar ir além do texto. Sugestões de respostas. Debate.

Cap. 6: PREGAÇÃO PURITANA. PROPOSTA: Tentar ir além do texto. Sugestões de respostas. Debate. Cap. 6: PREGAÇÃO PURITANA PROPOSTA: Tentar ir além do texto. Sugestões de respostas. Debate. Introdução As pessoas gostavam muito do sermão puritano. Por quê? (capítulo responde essa pergunta (?); até

Leia mais

GESTÃO E LEITURA- UMA PARCERIA QUE DÁ CERTO

GESTÃO E LEITURA- UMA PARCERIA QUE DÁ CERTO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CULTURA E ESPORTES DE IBIRAMA PRÊMIO AMAVI DE EDUCAÇÃO-2013 GESTÃO E LEITURA- UMA PARCERIA QUE DÁ CERTO CATEGORIA- QUALIDADE EM GESTÃO ANO DE IMPLEMENTAÇÃO- 2013 1 GESTOR

Leia mais

Capacidades de leitura e aprendizagem nas diversas disciplinas

Capacidades de leitura e aprendizagem nas diversas disciplinas Capacidades de leitura e aprendizagem nas diversas disciplinas A leitura, como comentamos em outro artigo, é instrumento indispensável para toda e qualquer aprendizagem. Ao usar esse instrumento, é preciso

Leia mais

NOVA ORDEM MUNDIAL - O QUE VEM PELA FRENTE?

NOVA ORDEM MUNDIAL - O QUE VEM PELA FRENTE? NOVA ORDEM MUNDIAL - O QUE VEM PELA FRENTE? Professor Gasparetto Título Original em Português: Nova Ordem Mundial - O que vem pela frente? 2012 de Fernando Gasparetto Todos os direitos desta edição reservados

Leia mais

A Leitura em Voz Alta

A Leitura em Voz Alta A Leitura em Voz Alta A Leitura em voz alta Escolher bem os livros As listas de livros recomendados pelo Plano Nacional de Leitura para os diferentes anos de escolaridade podem apoiar a selecção de obras

Leia mais

FILOSOFIA: RESUMO DAS AULAS 4, 5 e 6

FILOSOFIA: RESUMO DAS AULAS 4, 5 e 6 FILOSOFIA: RESUMO DAS AULAS 4, 5 e 6 Antes de elaborar um resumo do conteúdo das AULAS 4, 5 e 6, é necessário entender o panorama geral dentro do qual as discussões destas aulas fazem sentido. Isto é,

Leia mais

O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA O ENSINO NA CONSTRUÇÃO DE COMPETÊNCIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Autor: EDILSON JOSÉ DE CARVALHO E ANA ALICE Introdução Este trabalho é uma síntese das aulas da professora Ana Alice, que administrou a disciplina:

Leia mais

Instrumento. COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, Mariângela Maia de Oliveira *

Instrumento. COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, Mariângela Maia de Oliveira * Resenha Instrumento COSTA, Sérgio Roberto. Dicionário de Gêneros Textuais. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. Mariângela Maia de Oliveira * Tomando por base os novos conceitos subjacentes ao processo de

Leia mais

Inaf contempla duas dimensões do Alfabetismo:

Inaf contempla duas dimensões do Alfabetismo: 02 de outubro de 2014 O que é o Inaf? Indicador de Alfabetismo Funcional: parceria com a ONG Ação Educativa, permite estimar os níveis de alfabetismo da população entre 15 e 64 anos e compreender seus

Leia mais

UM ESPETÁCULO DE DANÇA COMO MEDIADOR SEMIÓTICO NA AULA DE ARTE

UM ESPETÁCULO DE DANÇA COMO MEDIADOR SEMIÓTICO NA AULA DE ARTE UM ESPETÁCULO DE DANÇA COMO MEDIADOR SEMIÓTICO NA AULA DE ARTE Mary Fátima Gomes Rodrigues Fundação Regional Educacional de Avaré e-mail: rodriguesmary@bol.com.br Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula I. Prof. Carlos Café Dias

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula I. Prof. Carlos Café Dias CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL Aula I Prof. Carlos Café Dias APRESENTAÇÃO O CURSO O curso de extensão em Programação visual aborda a teoria e prática da comunicação visual, oportunizando o estudo

Leia mais

Diagnóstico PPA (Perfil e Potencial de Aprendizagem): como ler e interpretar o relatório do(a) seu(sua) filho(a)

Diagnóstico PPA (Perfil e Potencial de Aprendizagem): como ler e interpretar o relatório do(a) seu(sua) filho(a) Diagnóstico PPA (Perfil e Potencial de Aprendizagem): como ler e interpretar o relatório do(a) seu(sua) filho(a) Como parte integrante das ferramentas de gestão pedagógica disponibilizadas pelo sistema

Leia mais

aula LEITURA: Um pouco de história: o ensino de leitura - ontem e hoje UM CONCEITO POLISSÊMICO

aula LEITURA: Um pouco de história: o ensino de leitura - ontem e hoje UM CONCEITO POLISSÊMICO Um pouco de história: o ensino de leitura - ontem e hoje LEITURA: UM CONCEITO POLISSÊMICO 14 aula META Apresentar concepções de leitura; discutir as condições de legibilidade dos textos; mostrar a distinção

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 3 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:História ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 3 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 SER CIDADÃO *Reconhecer e valorizar atitudes de convivência, respeito, solidariedade a outras pessoas. *Desenvolver, reconhecer e valorizar as atividades do cotidiano. *Conhecer direitos e deveres

Leia mais

Dança em cadeira de rodas e inclusão. Prof. Dr. Maria Beatriz Rocha Ferreira

Dança em cadeira de rodas e inclusão. Prof. Dr. Maria Beatriz Rocha Ferreira Dança em cadeira de rodas e inclusão Prof. Dr. Maria Beatriz Rocha Ferreira No último século ocorreram mudanças sociais importantes no mundo. Podemos observar mudanças de comportamentos, de organização

Leia mais

1. A comunicação e a argumentação em sala de aula

1. A comunicação e a argumentação em sala de aula COMUNICAÇÃO, ARGUMENTAÇÃO E A APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Profª Drª Regina Maria Pavanello Universidade Estadual de Maringá reginapavanello@hotmail.com Resumo: Os professores mostram,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO: PRIMEIRAS MANIFESTAÇÕES DA LEITURA E ESCRITA NA CRIANÇA

ALFABETIZAÇÃO: PRIMEIRAS MANIFESTAÇÕES DA LEITURA E ESCRITA NA CRIANÇA ALFABETIZAÇÃO: PRIMEIRAS MANIFESTAÇÕES DA LEITURA E ESCRITA NA CRIANÇA Ana Paula Martins de Sousa 1 Adrielle Alves Pereira Vilela 2 Jorge Luiz Tolentino de Almeida 3 Yasmin de Jesus Araújo 4 Irondina de

Leia mais

DANÇA PARA ADOLESCENTES COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

DANÇA PARA ADOLESCENTES COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL DANÇA PARA ADOLESCENTES COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL Kamila Pimentel dos Santos Leila Márcia Azevedo Nunes Lionela da Silva Corrêa Universidade Federal do Amazonas - UFAM Práticas Pedagógicas inclusivas

Leia mais

O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental. Aula 2

O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental. Aula 2 O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental Aula 2 Objetivos da aula Conhecer os a pluralidade de interpretações sobre os processos de ensino aprendizagem em Ciências; Discutir

Leia mais

Psicologia da Educação. A Teoria Sociocultural do desenvolvimento e da Aprendizagem

Psicologia da Educação. A Teoria Sociocultural do desenvolvimento e da Aprendizagem Psicologia da Educação A Teoria Sociocultural do desenvolvimento e da Aprendizagem Objetivos Definir a Teoria Psicologica da aprendizagem Sócio-cultural Conceituar a Teoria de Vigostki e descrever os conceitos

Leia mais

LIVRO PARADIDÁTICO: MANIA DE EXPLICAÇÃO

LIVRO PARADIDÁTICO: MANIA DE EXPLICAÇÃO LIVRO PARADIDÁTICO: MANIA DE EXPLICAÇÃO (FALCÃO, Adriana. Mania de Explicação. São Paulo: Salamandra, 2013.) O livro utiliza a inocência e imaginação de uma menina muito esperta que adora inventar e imaginar

Leia mais

COMO É QUE APRENDES? TIPOS DE APRENDIZAGEM FORMAÇÃO

COMO É QUE APRENDES? TIPOS DE APRENDIZAGEM FORMAÇÃO F2 FORMAÇÃO APRENDES MELHOR ATRAVÉS DA OBSERVAÇÃO, OUVINDO OU PRATICANDO A INFORMAÇÃO QUE RECEBES? Todos somos diferentes quando se trata de aprendizagem e retenção de informação. Existem vários estilos

Leia mais

AULA 04. Profª DENISE VLASIC HOFFMANN,Jussara Avaliar respeitar primeiro, educar depois.

AULA 04. Profª DENISE VLASIC HOFFMANN,Jussara Avaliar respeitar primeiro, educar depois. AULA 04 Profª DENISE VLASIC HOFFMANN,Jussara Avaliar respeitar primeiro, educar depois. Jussara Hoffmann Avaliar respeitar primeiro, educar depois Interesse questões avaliativas As crianças permanecem

Leia mais

ROSANA RIOS. Três noites de medo

ROSANA RIOS. Três noites de medo Leitor iniciante Leitor em processo Leitor fluente ROSANA RIOS Três noites de medo ILUSTRAÇÕES: GIROTTO PROJETO DE LEITURA Maria José Nóbrega Rosane Pamplona Três noites de medo ROSANA RIOS UM POUCO SOBRE

Leia mais

O que é competência?

O que é competência? O que é competência? São múltiplos os significados de competência. Eu a definirei aqui como sendo uma capacidade de agir eficazmente em um determinado tipo de situação, apoiada em conhecimentos, mas sem

Leia mais

GENETTE, Gérard. Paratextos Editoriais. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009, 376 p.

GENETTE, Gérard. Paratextos Editoriais. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009, 376 p. Resenha GENETTE, Gérard. Paratextos Editoriais. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009, 376 p. DE TEXTOS E DE PARATEXTOS Rodrigo da Costa Araujo (Doutorando, UFF) rodrigoara@uol.com.br Na obra intitulada Paratextos

Leia mais

PROVA DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO CÓD. 01. A vida em cliques

PROVA DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO CÓD. 01. A vida em cliques 14 PROVA DE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO CÓD. 01 A vida em cliques Era uma vidinha monótona sem perspectivas: medíocre emprego numa empresa, as conversas inconseqüentes com os amigos, o trânsito congestionado.

Leia mais

HABILIDADES DO 1 o TRIMESTRE DE os ANOS

HABILIDADES DO 1 o TRIMESTRE DE os ANOS HABILIDADES DO 1 o TRIMESTRE DE 2015 6 os ANOS LÍNGUA PORTUGUESA 1 Analisar a norma padrão em funcionamento no texto. 2 Distinguir os diferentes recursos da linguagem, utilizados em variados sistemas de

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO ACADÊMICO 1

METODOLOGIA DO TRABALHO ACADÊMICO 1 METODOLOGIA DO TRABALHO ACADÊMICO 1 A Redação Quando se fala em redação, em geral se associa a uma composição literária ou a uma dissertação de tese. No primeiro caso, relaciona-se a um trabalho fantasioso;

Leia mais

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura Laura Garbini Both Mestre em Antropologia Social UFPR Profa. da UNIBRASIL laura.both@unibrasil.com.br No nosso dia-a-dia

Leia mais

GÊNERO CHARGE: DO PAPEL AOS BYTES

GÊNERO CHARGE: DO PAPEL AOS BYTES GÊNERO CHARGE: DO PAPEL AOS BYTES Anderson Menezes da Silva Willame Santos de Sales Orientadora: Dra. Maria da Penha Casado Alves Departamento de Letras UFRN RESUMO A charge é um gênero recorrente nos

Leia mais

Contribuições do pensamento de Bakhtin para a alfabetização

Contribuições do pensamento de Bakhtin para a alfabetização Contribuições do pensamento de Bakhtin para a alfabetização Vania Grim Thies 1 O objetivo do presente texto é pensar as questões relativas à linguagem e a educação com as contribuições do pensamento bakhtiniano,

Leia mais

DO TEMA E SIGNIFICAÇÃO APLICADOS À LÍNGUA ESPACIAL: CUTUCANDO BAKHTIN. Por Anderson Simão DUARTE

DO TEMA E SIGNIFICAÇÃO APLICADOS À LÍNGUA ESPACIAL: CUTUCANDO BAKHTIN. Por Anderson Simão DUARTE S (...) a palavra nova significa uma relação estabelecida entre um objeto e outro, e essa relação, dada a experiência, está sempre presente na origem de cada palavra. E ainda nenhuma palavra surge por

Leia mais

SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO

SUGESTÕES DE AVALIAÇÃO UNIDADE 1 EU E OS OUTROS *Perceber a diversidade étnica física e de gênero no seu meio de convivência. *Reconhecer mudanças e permanências nas vivências humanas, presentes na sua realidade e em outras

Leia mais

Grupo 01. I) Ambas as concepções mantêm um discurso no qual é alimentado pela expansão política e econômica das sociedades industrializadas;

Grupo 01. I) Ambas as concepções mantêm um discurso no qual é alimentado pela expansão política e econômica das sociedades industrializadas; Grupo 01 QUESTÃO 01 - Segundo José Luiz dos Santos, ao abordar o tema O Que se Entende por Cultura ele afirma que não há por que nos confundirmos com tanta variação de significado. O que importa é que

Leia mais

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso cfernandes@utfpr.edu.br Profa. Dr. Carolina Mandaji Análise do Discurso Fernanda Mussalim Condições de produção do discurso Formação discursiva, formação ideológica

Leia mais

ROBOFREVANDO. Professora: Silveira Munhoz, Rosemeire.

ROBOFREVANDO. Professora: Silveira Munhoz, Rosemeire. ROBOFREVANDO Professora: Silveira Munhoz, Rosemeire. Resumo: Este artigo descreve o projeto realizado pela equipe da Escola Municipal EMEIEF Governador Mário Covas da cidade de Tupã-SP, envolvendo todas

Leia mais

COMPORTAMENTOS LEITORES E COMPORTAMENTOS ESCRITORES

COMPORTAMENTOS LEITORES E COMPORTAMENTOS ESCRITORES COMPORTAMENTOS LEITORES E COMPORTAMENTOS ESCRITORES Aula 4 META Apresentar os comportamentos leitores e escritores como conteúdos das aulas sobre gêneros textuais. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR. interação e inter-relação que esperamos potencializar.

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR. interação e inter-relação que esperamos potencializar. BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR interação e inter-relação que esperamos potencializar. Tendo como ponto de partida algumas obras expostas na 29ª Bienal, pretendemos tecer uma rede de ideias enquanto refletimos

Leia mais

TÉCNICA S. para um estudo eficaz

TÉCNICA S. para um estudo eficaz TÉCNICA S para um estudo eficaz Planeamento e organização do estudo O aluno capaz de estabelecer horários adequados e de organizar os seus estudos obterá melhores resultados escolares, terá tempo para

Leia mais

A avaliação visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo ( ).

A avaliação visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo ( ). Externato da Luz Ano Lectivo 2009 / 2010 Critérios de Avaliação Departamento de Ciências Humanas e Sociais Agrupamento História (3º Ciclo) Professor: Pedro Machado A avaliação é um elemento integrante

Leia mais

Metas Curriculares de Geografia. Documento de apoio

Metas Curriculares de Geografia. Documento de apoio Metas Curriculares de Geografia Ensino Básico: 3.º Ciclo Documento de apoio Adélia Nunes António Campar de Almeida Cristina Castela Nolasco 1. Âmbito do documento As Metas Curriculares de Geografia para

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA MATERNA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA MATERNA TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Materna: uma entrevista com Luiz Carlos Travaglia. ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. LINGUÍSTICA APLICADA AO

Leia mais

4.3 A solução de problemas segundo Pozo

4.3 A solução de problemas segundo Pozo 39 4.3 A solução de problemas segundo Pozo Na década de noventa, a publicação organizada por Pozo [19] nos dá uma visão mais atual da resolução de problemas. A obra sai um pouco do universo Matemático

Leia mais

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO Sociologia I PLANO DE DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Sociologia I CURSO: Técnico em Segurança do Trabalho (Integrado) SÉRIE: 1ª CARGA HORÁRIA: 67 h (80 aulas) DOCENTE: EMENTA A introdução ao pensamento

Leia mais

3ª Geralda Helena. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

3ª Geralda Helena. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Filosofia 3ª Geralda Helena 6º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Competência 1 teoria do conhecimento sobre os quais se compôs a produção filosófica, elaboradas a partir dos diferentes

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) MATRIZ CURRICULAR. Móduloe 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) MATRIZ CURRICULAR. Móduloe 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Móduloe 1 Carga horária total: 400h Projeto Integrador I 40 Não tem Aprendizagem Infantil

Leia mais

Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS

Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS Esta linha de pesquisa objetiva o exame dos processos de construção do conhecimento docente do professor de línguas, com ênfase no papel da linguagem

Leia mais

Inteligência Lingüística:

Inteligência Lingüística: Inteligência Lingüística: Capacidade de lidar bem com a linguagem, tanto na expressão verbal quanto escrita. A linguagem é considerada um exemplo preeminente da inteligência humana. Seja pra escrever ou

Leia mais

Benefícios da leitura

Benefícios da leitura A importância da Parceria Família e Escola da Formação de Cidadãos Leitores Júlio Furtado www.juliofurtado.com.br Benefícios da leitura Quem lê adquire cultura, passa a escrever melhor, tem mais senso

Leia mais

As descobertas da primeira infância

As descobertas da primeira infância As descobertas da primeira infância Uma característica natural dos seres humanos é o prazer pela descoberta. Ao nos depararmos com o novo, imediatamente sentimos o desejo de nos apropriarmos da novidade,

Leia mais

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO A comunicação permeia toda a ação do enfermeiro PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual Marly de Fátima Monitor de Oliveira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp Araraquara e-mail:

Leia mais

O celular na sala de aula

O celular na sala de aula O celular na sala de aula ELABORANDO NOTÍCIAS Objetivo: Noticiar um fato - Entrevistar, utilizando o gravador do celular, pessoas que fazem parte do fato a ser noticiado, no bairro ou comunidade em que

Leia mais

O ENSINO DO GÊNERO TEXTUAL CARTA PESSOAL: UMA EXPERIÊNCIA EM SALA DE AULA

O ENSINO DO GÊNERO TEXTUAL CARTA PESSOAL: UMA EXPERIÊNCIA EM SALA DE AULA O ENSINO DO GÊNERO TEXTUAL CARTA PESSOAL: UMA EXPERIÊNCIA EM SALA DE AULA INTRODUÇÃO CABRAL, Juliana da Silva. julianacabralletras@hotmail.com NASCIMENTO, Edna Ranielly do. niellyfersou@hotmail.com LUNA,

Leia mais

A DECODIFICAÇÃO DA LEITURA E O PROCESSO DE COMPREENSÃO DO TEXTO

A DECODIFICAÇÃO DA LEITURA E O PROCESSO DE COMPREENSÃO DO TEXTO A DECODIFICAÇÃO DA LEITURA E O PROCESSO DE COMPREENSÃO DO TEXTO Maria de Fátima de Souza Aquino Universidade Estadual da Paraíba fatimaaquinouepb@yahoo.com.br RESUMO A leitura é uma atividade complexa

Leia mais

CARTOGRAFIA E ENSINO: PERSPECTIVAS DA REALIDADE

CARTOGRAFIA E ENSINO: PERSPECTIVAS DA REALIDADE CARTOGRAFIA E ENSINO: PERSPECTIVAS DA REALIDADE Edmar Martins de Oliveira 1, Cleidson Reginaldo Ferreira Ribeiro 2, Renata de Melo Paulino 3, Divino Ordones 4. 1 Graduando no Curso de Licenciatura Plena

Leia mais

Gamification. Além do joguinho. Leandro Guarino

Gamification. Além do joguinho. Leandro Guarino Gamification Além do joguinho Leandro Guarino Que graça tem? Que graça tem? Que graça tem? Game lembra... O que você lembra? Game também lembra... Gamification é mais do que isso... Processo de fazer sistemas,

Leia mais

ROTEIRO DE OBJETO DE APRENDIZAGEM - RIVED- CURSO DE FILOSOFIA Título: Por que devo ser justo? Tela#1 (opção!)

ROTEIRO DE OBJETO DE APRENDIZAGEM - RIVED- CURSO DE FILOSOFIA Título: Por que devo ser justo? Tela#1 (opção!) ROTEIRO DE OBJETO DE APRENDIZAGEM - RIVED- CURSO DE FILOSOFIA 30.10.2007 Título: Por que devo ser justo? Título da animação: [1] Por que devo ser justo? [2] Fui educado assim. Para não ser punido. Porque

Leia mais

Formador Residente, Maurício Ferreira

Formador Residente, Maurício Ferreira A Compreensão do Oral A compreensão do oral consiste na atribuição de significado a cadeias fónicas produzidas de acordo com a gramática da língua. Formador Residente, Maurício Ferreira Factores de compreensão

Leia mais

Conhecimento e Inovação Nas Empresas. Renata Lèbre La Rovere Aula 6

Conhecimento e Inovação Nas Empresas. Renata Lèbre La Rovere Aula 6 Conhecimento e Inovação Nas Empresas Renata Lèbre La Rovere Aula 6 Estrutura da Aula Conceitos de Proximidade (Amin e Cohendet) Economia do conhecimento : conceitos e evidências (Cooke et al.) Clusters

Leia mais

LEITURA E ESCRITA COM ÊNFASE NA PRODUÇÃO DE CORDEL DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA ESTADUAL JOÃO TOMÁS NETO

LEITURA E ESCRITA COM ÊNFASE NA PRODUÇÃO DE CORDEL DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA ESTADUAL JOÃO TOMÁS NETO LEITURA E ESCRITA COM ÊNFASE NA PRODUÇÃO DE CORDEL DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA ESTADUAL JOÃO TOMÁS NETO Maria Solange de Lima Silva FCU/UNIFUTURO Sol_lyma@hotmail.com INTRODUÇÂO A característica básica

Leia mais

TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS

TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS TÍTULO: DIDÁTICA EM AÇÃO: ADAPTAÇÃO DOS CONTOS INFANTIS NAS AULAS DE YOGA PARA CRIANÇAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE

Leia mais

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA.

O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. O TRABALHO NA DIALÉTICA MARXISTA: UMA PERSPECTIVA ONTOLÓGICA. SANTOS, Sayarah Carol Mesquita UFAL sayarahcarol@hotmail.com INTRODUÇÃO Colocamo-nos a fim de compreender o trabalho na dialética marxista,

Leia mais

1. Observe este quadro do pintor René Magritte.

1. Observe este quadro do pintor René Magritte. 9 Corel 1. Observe este quadro do pintor René Magritte. RENÉ MAGRITTE. O mês da vindima. 1959. Óleo sobre tela: color.; 130 x 160 cm. Coleção particular, Paris. Grandes pintores do século XX: Magritte.

Leia mais

PLANEJAMENTO 2º ANO ENSINO FUNDAMENTAL I

PLANEJAMENTO 2º ANO ENSINO FUNDAMENTAL I PLANEJAMENTO 2º ANO ENSINO FUNDAMENTAL I MÓDULO TEMAS CONTEÚDO CONCEITUAL QUANTIDADE DE AULAS DESCOBRINDO A SI MESMO A importância dos nomes Estou mudando Em prosa e verso Descobrir a si mesmo e compreender

Leia mais

Atividade de análise de erros

Atividade de análise de erros Atividade de análise de erros Os seguintes trechos foram retirados do livro Análise de erros: o que podemos aprender com as respostas dos alunos de Helena Noronha Cury (2008) que traz o ponto de vista

Leia mais

Especial Formação. Professor

Especial Formação. Professor Especial Formação Professor Especial Formação de Professor Por Beatriz Tavares de Souza* Como ser amigo Um livro sobre amizade Autor: Molly Wigand Ilustrações: Anne FitzGerald Elaboração do Projeto: Beatriz

Leia mais

Laboratório de ensino de matemática e materiais didáticos manipuláveis. Fernanda Trevisol Ramoni Silvano

Laboratório de ensino de matemática e materiais didáticos manipuláveis. Fernanda Trevisol Ramoni Silvano Laboratório de ensino de matemática e materiais didáticos manipuláveis Fernanda Trevisol Ramoni Silvano INTRODUÇÃO Muitos foram os educadores que nos últimos séculos, ressaltaram a importância do apoio

Leia mais

Jogador: Eu te Desafio!

Jogador: Eu te Desafio! Jogador: Eu te Desafio! E.E. Suetônio Bittencourt Jr. Professor(es) Apresentador(es): Bruno Amorim Branquinho Marilene Rezende Duarte Realização: Foco do Projeto Desenvolver as habilidades matemáticas

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Ana Paula de Souza Fernandes Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: Aplins-@hotmail.com Beatriz Viera de

Leia mais