Teste UNIDADE 1-Tema 3 Métodos para o estudo do interior da geosfera

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Teste UNIDADE 1-Tema 3 Métodos para o estudo do interior da geosfera"

Transcrição

1 72 GEOLOGIA Teste UNIDADE 1-Tema 3 Métodos para o estudo do interior da geosfera 1. Leia com atenção o seguinte texto referente ao acesso ao interior da Terra. É mais fácil ir à Lua do que chegar com uma sonda a poucos quilómetros dentro da Terra. As perfurações são lentas e complicadas. A partir de certa profundidade são mesmo impossíveis. Apesar disso, sabe-se cada vez mais o que existe e o que acontece debaixo dos nossos pés. A Terra não é um bloco homogéneo: é possível compará-la a uma imensa cebola, onde diversas zonas se sobrepõem como camadas. 1.1 A razão por que é difícil penetrar no interior da Terra é A. porque as rochas são muito rígidas. B. por causa das influências magnéticas e das correntes de convecção. C. porque as tecnologias não resistem às condições físicas extremas de temperatura e de pressão aí existentes. D. porque existem condições físicas extremas que fazem os motores das naves funcionarem mal. (Selecione a opção correta.) 1.2 Selecione a opção que completa corretamente a afirmação: As viagens à Lua, bem como a Marte, têm ajudado a conhecer o interior da Terra, pois admite-se atualmente a origem dos astros do Sistema Solar a partir dos mesmos e por processos semelhantes. Considera - -se que estudar esses corpos nos dá indicações sobre o que se passa, sobretudo quando, tal como a Lua, estes sofreram poucas alterações desde há milhões de anos. A. parecida [ ] elementos [ ] na superfície da Terra B. comum [ ] materiais [ ] no interior da Terra C. comum [ ] materiais [ ] no Cosmos D. diferente [ ] elementos [ ] nesses planetas 2. Observe a figura seguinte, onde pode identificar diferentes métodos de estudo do interior da Terra. F 2.1 Utilizando os termos da seguinte chave, faça a legenda da figura. CHAVE A E D I. Astrogeologia e planetologia comparada II. Sismologia III. Deteção por satélite IV. Sondagem V. Exploração mineira VI. Vulcanismo B C 2.2 No método C, uma das figuras refere-se a uma tecnologia atual que permite visualizar modelos tridimensionais do interior da Terra e que tem dado muito bons resultados nos estudos recentes. Refira-se a essa tecnologia, identificando-a e caracterizando-a em geral. 2.3 Identifique dois tipos de dados sobre o interior do planeta que o método B nos fornece.

2 Tema 3 - UNIDADE 1 - Métodos para o estudo do interior da geosfera Explique por que razão o estudo de outros astros do Sistema Solar pode ajudar a conhecer o interior da Terra. 4. Classifique cada uma das seguintes afirmações, que se referem a métodos utilizados no estudo do interior da Terra, como verdadeira (V) ou falsa (F). A. Uma sondagem pode recolher materiais até cerca de 100 km de profundidade. B. Os dados obtidos por técnicas aplicadas em astrogeologia do Sistema Solar podem ser usados no estudo da Terra. C. Verificam-se anomalias gravimétricas positivas na presença de rochas menos densas, como é o caso dos domas salinos. D. Os fragmentos das rochas encaixantes presentes no magma podem trazer informações importantes sobre a constituição do manto. E. O gradiente geotérmico medido na crusta assegura que a temperatura aumenta com a profundidade, de um modo uniforme em todo o interior da Terra. F. A velocidade e direção de propagação das ondas sísmicas mantêm-se constantes em qualquer ponto do interior da Terra. 5. Na figura ao lado está representado um sismograma. A análise destes registos gráficos tornou-se fundamental no estudo da estrutura interna da Terra. 5.1 Explique porque é que estes registos fornecem informação do interior da Terra. 5.2 Indique o tipo de informações que se podem obter deste modo. 6. Utilizando a chave, selecione os números que completam o quadro, de modo a caracterizar os métodos referidos de estudo do interior da Terra, fazendo-os corresponder às letras. CHAVE: 1. Diretos 2. Indiretos 3. Manto 4. Crusta 5. Erosão 6. Dezenas 7. Milhares 8. Sondagem 9. Perfuradas 10. Analisadas 11. Deposição 12. Núcleo MÉTODOS [A] Vulcanismo Tectónica e [C] [E] Permitem a observação direta dos constituintes da Terra. Permite a observação à superfície de materiais provenientes do [B]. Colocam a descoberto os materiais formados a [D] de metros de profundidade. Permite a observação de amostras das rochas [F], nas profundidades alcançadas. 7. Na figura pode observar o levantamento gravimétrico (A) numa região com determinado perfil geológico (B). A Gravidade (mgal) 10 Eliminado o efeito da topografia 10 km B Perfil geológico 0 5 km 10 km Distância (km) 7.1 Refira os valores máximo e mínimo aproximados, em mgals, dados pelo gravímetro.

3 74 GEOLOGIA Transcreva a opção que completa corretamente cada uma das afirmações As anomalias gravimétricas registadas são A. primeira positiva e a segunda negativa. B. ambas negativas. C. primeira negativa e a segunda positiva. D. ambas positivas Essas anomalias gravimétricas sugerem que em profundidade existem materiais A. no estado de fusão. B. mais densos do que os circundantes. C. menos densos do que os circundantes. D. magnetizados. 7.3 Refira o que se entende por anomalia gravimétrica positiva. 7.4 Relacione as anomalias gravimétricas positivas com a prospeção mineira. 8. No gráfico ao lado, atente nos valores das temperaturas registadas no interior de determinada exploração mineira. 8.1 Calcule o valor do gradiente geotérmico. 8.2 Utilize a chave para caracterizar o tipo de geotermismo registado. CHAVE A. Não apresenta nenhuma anomalia. B. Apresenta duas anomalias, uma negativa e uma positiva. C. Apresenta uma anomalia positiva. D. Apresenta uma anomalia negativa. Temperatura ( o C) Profundidade (m) 8.3 Justifique o facto de a mina se situar numa região vulcânica. 8.4 Apresente uma explicação, ligada ao processo de transmissão do calor, para o facto de o gradiente geotér mico no manto ser inferior ao da crusta. 9. Na figura pode observar orientações de polaridade magnética em faixas rochosas, de um e de outro lado de um rifte, designadas por anomalias magnéticas simétricas. 9.1 Distinga polaridade normal de polaridade inversa, traçando no seu caderno a posição das setas que as representam e legendando. 9.2 As anomalias magnéticas simétricas registadas no fundo oceânico, observadas na figura, evidenciam que A. existe um íman no núcleo, que muda periodicamente de posição. B. os fundos marinhos autorrevertem o seu magnetismo. C. o magnetismo terrestre ocorre por efeito eletromagnético. D. o núcleo externo está no estado líquido. E. o núcleo interno está no estado sólido. (Selecione as opções corretas.) C B A Sentido da polaridade

4 372 BIOLOGIA E GEOLOGIA ,5%, de acordo com o conceito de período de semivida em que por cada período de semivida metade do número de átomos-pai é transformado em átomos-filhos. Assim, no 1. o período de semivida o n. o de átomos-filhos aumenta para 50%; no 2. o período de semivida o n. o de átomos-filhos aumenta para 75%; no 3. o período de semi vida o n. o de átomos-filhos aumenta para 87,5%. 5.4 A rocha terá 5200 Ma pois, pelos valores percentuais de átomos - -filhos existentes, deverão ter ocorrido quatro períodos de semivida do potássio o período = 50% de átomos-filhos; 2. o período = 75% de átomos - -filhos; 3. o período = 87.5% de átomos-filhos; 4. o período = 93,75% de átomos-filhos. Período de semivida = 1300 Ma 4 = 5200 Ma. 6.1 A Azoto 14. B Carbono O momento t 2 do gráfico corresponde a um período de semivida. 6.3 No momento t 4 existem cerca de 87,5% de átomos de azoto A rocha terá 5700 anos, já que esta idade corresponde a um período de semivida o que equivale a 50% de átomos-pai e átomos filho. 6.5 No princípio de que os isótopos radioativos, instáveis, se desintegram a uma taxa regular ao longo do tempo constante de decaimento em átomos estáveis. 7. A 3; B 4; C 5; D 1; E A F; B V; C F; D V; E V. UNIDADE B; 2 C; 3 A; 4 C; 5 D; 6 D; 7 A; 8 D; 9 B. 2. Segundo o catastrofismo, as grandes mudanças no curso da história da Terra foram repentinas. Os catastrofistas defendem que aconteci mentos bruscos, como grandes catástrofes de dimensão planetária ou cósmica, levam às transformações terrestres. Ora, segundo Alvarez, foi este o contexto que levou à extinção abrupta dos dinossáurios. 3. A F; B F; C V; D F; E V. 4.1 C. 4.2 Selecionar três de entre: paleoclimáticos (marcas de climas antigos/glaciações); paleontológicos (fósseis); geológicos (complementaridade de formações montanhosas/litológicas); morfológicos (recorte dos continentes) B; 2 A; 3 E; 4 D; 5 C; 6 B. 5.2 Zona A. Esta zona corresponde à dorsal oceânica, onde se veri fica emissão de lavas e, por consequência, a formação de nova litosfera e o alastramento das placas para um e outro lado da dorsal. 5.3 A subducção da placa oceânica sob a placa continental transporta sedimentos e água que, ao descerem, ficam sujeitos a temperaturas elevadas, provocando a sua fusão junto com a própria placa subductada. Esses magmas podem originar fenómenos de vulcanismo nas proximidades das fossas A; 2 B; 3 C; 4 A; 5 C; 6 A; 7 B; 8 B; 9 B; 10 B. 7.1 Basalto. 7.2 Ao longo dos riftes das dorsais oceânicas ,5 cm/ano. Ou seja cm/ anos. 7.4 É o africano, pois a velocidade de expansão para este con tinente é de aproximadamente 1,6 cm/ano enquanto que para oeste é de 1,5 cm/ano. 8.1 Convergência/colisão. 8.2 É um limite convergente. As placas colidem e a placa mais densa mergulha por baixo da outra. Geram-se forças de compressão. Uma placa mergulha por baixo da outra (subducção da placa oceânica sob a placa continental) juntamente com sedimentos e água e funde. O material fundido pode ascender à superfície por fraturas nas rochas, dando origem a vulcões na proximidade das fossas. 9.1 O centro da ilha está ocupado por um enorme vale limitado por falhas longitudinais e cortado por fraturas; os basaltos mais antigos situam-se na periferia da ilha e os mais recentes na parte mais central; a atividade vulcânica é intensa. 9.2 A existência da dorsal oceânica com as características indicadas corresponde a uma zona de alastramento da placa para um e outro lado. Consequentemente, os pon tos X e Y vão-se afastando B Não há construção nem destruição de placas, havendo apenas movimento relativo entre elas Limite divergente Convergentes 5. Divergentes C. Tema 2. UNIDADE B D A C. 1.2 B Nébula primitiva. D Formação do Proto-Sol. A As partí culas que rodeiam o Proto-Sol começam a colidir e agregar. C Formação dos planetas (telúricos) C; 2 A; 3 F; 4 E; 5 B; 6 D; 7 B; 8 C. 3.1 B. 3.2 D. 4. A F; B V; C F; D V; E V; F F; G V. 5. B. 6.1 Os cometas são constituídos por materiais rochosos, água e gases congelados. 6.2 Quando o cometa se aproxima do Sol, os seus constituintes começam a descongelar e os gases a evaporar. O cometa adquire assim a forma que se observa na figura em que se distingue, para além do núcleo, uma nuvem que o envolve (designada por cabeleira) e uma cauda que corresponde à projeção dos materiais, que foram descongelando sempre na direção oposta à do Sol devido aos ventos solares. 7.1 Os cometas são fundamentais para a compreensão da formação do Sistema Solar porque, por um lado, são considerados os corpos mais primitivos do Sistema e, por outro, pela sua composição química, pois acredita-se que não sofreram alterações na sua composição ao longo do tempo. 8. D. 9.1 Planeta-anão. 9.2 Apesar de ter uma forma esférica, Plutão não têm massa suficiente que lhe permita ter uma órbita desimpedida de outros astros, cruzando a órbita de Neptuno. 10. CARACTERÍSTICAS PLANETAS TELÚRICOS PLANETAS GASOSOS Distância ao Sol Posição relativa à cintura de asteroides Densidade Número de satélites Composição Dimensão Movimentos de translação 11.1 A I; B I; C III; D I; E IV; F II II IV III I. UNIDADE 2 Menos distantes Interiores Média e elevada Poucos ou nenhuns Fundamentalmente sólidos silicatos, ferro e níquel Pequena Presente Mais distantes Exteriores Baixa Muitos Fundamentalmente gases hidrogénio e hélio Grande Presente 1.1 A V; B IV; C/D II/VI; E/F I/III. 1.2 D. 1.3 A transformação da superfície por agentes da geodinâmica externa, nomeadamente, erosão pelo vento e, sobretudo, pela água, ajudados pelos seres vivos. 1.4 C. 2.1 Quanto maior a distância ao Sol maior é o período de translação. 2.2 Vénus. Massa, dimensões e densidade semelhantes. 2.3 São planetas com pequenas dimensões e pouca massa. Não têm força graví tica suficiente para reter atmosfera. 2.4 Vénus está próximo do Sol e recebe muito calor. A sua atmosfera é rica em CO 2, que retém grande parte desse calor, provocando um efeito de estufa acentuado. 3. A; F; H.

5 228 BIOLOGIA Teste UNIDADE 2 - Tema 5 Crescimento e regeneração de tecidos versus diferenciação celular 1. A mitose desempenha um papel essencial para os seres vivos. 1.1 Na figura pode observar um dos processos nos quais a mitose é um acontecimento fundamental. Selecione, de entre os seguintes processos, aquele a que se refere. A. Crescimento. D. Regeneração de órgãos. B. Reparação de tecidos lesionados. E. Renovação de células. C. Reprodução. 1.2 De entre os seguintes processos, selecione aqueles em que há intervenção de mitose. A. Divisão celular. C. Diferenciação celular. B. Multiplicação celular. D. Reprodução celular. 2. Um ser humano adulto é formado por cerca de células que constituem aproximadamente 200 tipos celulares distintos, todos com origem numa única célula, o ovo ou zigoto. 2.1 Identifique o processo envolvido: na formação do elevado número de células; na diversidade celular. 3. Selecionando uma das letras da chave, classifique corretamente o conjunto de afirmações seguintes: CHAVE A. A afirmação 1 é verdadeira; as afirmações 2 e 3 são falsas. B. A afirmação 2 é verdadeira; as afirmações 1 e 3 são falsas. C. As afirmações 1 e 3 são verdadeiras; a afirmação 2 é falsa. AFIRMAÇÕES 1. O processo de mitose é o único responsável pela quantidade e variedade de células presentes num organismo. 2. As células especializadas resultam de células indiferenciadas. 3. As células embrionárias são altamente especializadas. 4. Considere a seguinte afirmação: A capacidade de multiplicação de uma célula é tanto maior quanto maior for o seu grau de diferenciação. 4.1 Classifique a afirmação como verdadeira ou falsa. 4.2 Justifique a sua resposta. 5. Selecione a opção que completa corretamente a afirmação. A formação de uma célula especializada a partir de uma célula indiferenciada faz-se por, sendo um processo mais complexo nos, o que pode ser resultante, entre outros motivos, do facto de estes seres apresentarem maior. A. mitose [ ] procariontes [ ] informação genética B. diferenciação [ ] procariontes [ ] compartimentação celular C. diferenciação [ ] eucariontes [ ] informação genética D. clonagem [ ] procariontes [ ] compartimentação celular 6. Todas as células somáticas do organismo humano possuem A. a capacidade de se dividirem por mitose. D. as mesmas proteínas. B. o mesmo DNA. E. uma organização eucariótica. C. o mesmo tipo de mrna. F. o mesmo número de cromossomas. (Selecione as opções corretas.)

6 Tema 5 - UNIDADE 2 - Crescimento e renovação de tecidos versus diferenciação celular Em fevereiro de 1997, um artigo da revista Nature anunciou o nascimento de Dolly, um clone de uma ovelha de seis anos, o primeiro mamífero a ser clonado com sucesso. 7.1 Clones são indivíduos A. geneticamente semelhantes. C. com características semelhantes. B. geneticamente idênticos. D. que partilham muitas propriedades. (Selecione a opção correta.) 7.2 Explique o significado do termo clonagem. 7.3 Existe uma característica indispensável, que as células possuem, que possibilita a clonagem Indique de que característica se trata Explique no que consiste. 7.4 A figura representa, simplificadamente, o processo de clonagem da ovelha Dolly Indique como foi obtido o ovo que deu origem à ovelha Dolly Justifique a afirmação: Apesar de no processo de clonagem participarem várias ovelhas, Dolly tem apenas uma progenitora Refira se a Dolly é um clone da ovelha A, B ou C, justificando a sua resposta. 1. Isolar uma célula da ovelha A, retirar e conservar o núcleo. Ovelha A Ovelha B 2. Recolher um óvulo da ovelha B, eliminar o núcleo e conservar o resto da célula. Dolly 5. Ao fim de alguns meses nascerá uma ovelha sem que tivesse havido fecundação. Ovelha C 4. Ao fim de alguns dias introduzir o embrião obtido in vitro no útero de uma mãe portadora. Pode ser a ovelha A, B ou uma terceira ovelha, C. 3. Colocar o núcleo da ovelha A e o óvulo anucleado da ovelha B num tubo de ensaio. Aplicar um pequena descarga elétrica para permitir a fusão do núcleo com o óvulo anucleado. Esta célula torna-se totipotente. 8. Selecione a opção que completa corretamente a afirmação. Nos o processo de regulação génica parece estar restrito à, enquanto nos é um processo de maior complexidade, podendo ocorrer na transcrição dos genes, do mrna, e pós-tradução. A. procariontes [ ] transcrição [ ] eucariontes [ ] processamento [ ] tradução B. eucariontes [ ] tradução [ ] procariontes [ ] duplicação [ ] replicação C. eucariontes [ ] transcrição [ ] procariontes [ ] processamento [ ] tradução D. procariontes [ ] tradução [ ] eucariontes [ ] duplicação [ ] replicação 9. Estabeleça a correspondência correta entre as letras da coluna I, que designam diversos processos da síntese proteica, e os números da coluna II, referentes a agentes/acontecimentos característicos desses processos, relativamente à regulação da expressão génica nos eucariontes e, consequentemente, à regulação da diferenciação celular. COLUNA I COLUNA II A. Transcrição B. Processamento do mrna C. Tradução D. Pós-tradução E. Todos os processos F. Nenhum processo 1. Inibidores do processo 2. Fatores de transcrição 3. Regulação da expressão génica 4. Remoção de setores do polipéptido 5. Ligação de exões e saída de intrões 6. DNA sintetase

7 Soluções C A A V; B F; C F; D F; E V B Perdem água por osmose; C Absorvem sais por difusão; D Segregam sais para o meio exterior por transporte ativo. II 1. D. 2. G, I. 3. A, D, F, G. 4.1 A C E B D. 4.2 A F; B V; C F; D V. 5.1 A. 5.2 A resposta deverá contemplar os seguintes tópicos: a taxa fotossintética depende, para além da intensidade luminosa, da concentração de CO 2 e da temperatura; por comparação das curvas B e C, é posta em evidência a influência da temperatura; por comparação das curvas A e B, é posta em evidência a influência da concentração de CO A resposta deverá contemplar os seguintes tópicos: as temperaturas elevadas desnaturam as proteínas; as proteínas desnaturadas perdem irreversivelmente a sua capacidade funcional; com as enzimas não funcionais não ocorre a via metabólica, logo a taxa fotossintética deverá ser nula. 6.1 D. 6.2 A. 6.3 D. 7.1 A descida do líquido no tubo deve-se à produção e libertação de CO 2 pelas leveduras. 7.2 B A resposta deverá contemplar os seguintes tópicos: as leveduras são seres anaeróbios facultativos; ao retirar-se a rolha, o oxigénio do ar entra em contacto com a cultura das leveduras, permitindo que estas o utilizem no processo de obtenção de energia, passando a realizar respiração celular em vez de fermentação; como a respiração celular é um processo mais eficaz na produção de energia as leveduras passam a ter maior disponibilidade energética, o que lhes permite reproduzirem-se mais rapidamente. BIOLOGIA ANO Tema 5. UNIDADE o par D; 2. o par C; 3. o par A; 4. o par B; 5. o par C. 2. A molécula apresentará 400 moléculas de timina, uma vez que a adenina e a timina são bases complementares, existindo em igual número na molécula A característica é a presença de cápsula A resposta deverá ter em conta os seguintes aspetos: as bactérias do tipo S, patogénicas, sujeitas ao aquecimento perdem a capacidade de ser patogénicas pois morrem, pelo que os ratos sobrevivem à sua inoculação; as bactérias do tipo S mortas devem transmitir às bactérias do tipo R, não capsuladas, a possibilidade de produzirem uma cápsula e tornarem-se patogénicas provocando a morte dos ratos. 3.3 O DNA é a molécula que contém a informação para a formação da cápsula das bactérias S. Quando estas foram mortas pelo calor o seu DNA foi incorporado pelas bactérias do tipo R passando estas a ter informação genética para produzirem cápsula 4.1 Os factos em evidência são que: o valor percentual da adenina e timina e o da guanina e citosina são muito semelhantes em todas as espécies apresentadas; o valor percentual de adenina ou timina é muito diferente do valor da citosina ou guanina em todas as espécies apresentadas. 4.2 A resposta deverá ter em conta os seguintes tópicos: o modelo estrutural da molécula de DNA apresenta-a como sendo constituída por duas cadeias de nucleótidos, unidas por pontes de hidrogénio entre as bases complementares; os dados observados sugerem que as bases que apresentam valores percentuais muito próximos adenina e timina, por um lado, e citosina e guanina, por outro, são complementares, estabelecendo ligações entre si. 5.1 A III; B IV; C I O DNA, molécula 1, apresenta uma estrutura em cadeia dupla com enrolamento em hélice; o RNA, molécula 2, apresenta uma cadeia simples que pode apresentar-se muito dobrada Uma de entre: a molécula de DNA apresenta a pentose desoxirribose e o RNA apresenta ribose; a base timina é exclusiva do DNA e a base uracilo é exclusiva do RNA. 5.3 C. 6.1 trna 3 UAA; trna 5 GCG. 6.2 Glicina. 6.3 Este facto permite a formação de várias cadeias peptídicas iguais em simultâneo RNA mensageiro; 2 e 6 ribossoma; 8 polipéptido. 7. A V; B F; C V; D F; E V; F F. 8. C codões com expressão proteica pois um codão corresponde a um aminoácido e o codão de terminação. 9.1 TACCGGTGA 9.2 C A B A 1; B 3; C 1, 2; D 3; E 2; F I; 3 II; 4 III; 2 IV Profase. 2 Metafase. 3 Anafase. 4 Profase. 5 Telofase. 6 - Anafase C. 12. A 7; B 2, 8; C 3, 9; D 1; E 4, 6; F 5; G 10. UNIDADE D. 1.2 A, B e D Mitose Diferenciação celular. 3. B. 4.1 Falsa. 4.2 A resposta deverá contemplar os seguintes aspetos: quanto menos diferenciada, isto é, quanto mais indiferenciada uma célula for, maior a capacidade de se multiplicar e originar células semelhantes. Uma célula já diferenciada, com uma morfologia e função definidas, possui uma capacidade de divisão muito reduzida, sendo em alguns casos até inexistente. Exemplo: sistema nervoso. 5. C. 6. B, E, F. 7.1 B. 7.2 Clonagem é o processo que utiliza uma célula somática de um organismo multicelular, para obter, através de divisões celulares por mitose, um ou mais clones Totipotência A clonagem é possível porque qualquer célula somática de um organismo possui a totalidade da informação genética desse organismo, codificada no DNA que se encontra no núcleo. Assim, qualquer célula possui a informação necessária para produzir todo o tipo de células e originar o organismo completo Fundindo o núcleo da célula da ovelha A com um óvulo anucleado (sem núcleo) da ovelha B Apesar de participarem no processo de clonagem várias ovelhas, a ovelha Dolly tem apenas uma progenitora: a ovelha A, uma vez que é dela que recebe o núcleo e consequentemente o DNA, ou seja, Dolly apenas herda o material genético desta ovelha, sem haver contributo em termos genético das ovelhas B e C A Dolly é um clone da ovelha A, uma vez que o seu material genético é igual ao da ovelha A, sendo portanto indivíduos geneticamente iguais. 8. A C; 2 A; 3 E; 4 D; 5 B; 6 F. Tema 6. UNIDADE B. 1.2 C. 2. B. 3. A 4; B 5; C 1; D 2; E 3.

A TERRA, UM PLANETA MUITO ESPECIAL

A TERRA, UM PLANETA MUITO ESPECIAL A TERRA, UM PLANETA MUITO ESPECIAL Sol Planetas principais (giram diretamente à volta do Sol) Planetas secundários ou satélites (giram à volta de outros planetas) Planetas anões (Plutão, Ceres, Xena)

Leia mais

Métodos para o estudo do interior da Geosfera

Métodos para o estudo do interior da Geosfera Métodos para o estudo do interior da Geosfera Escola Portuguesa do Lubango Hélder Giroto Paiva Page 1 Page 2 Como Investigar o interior da Terra? Como Investigar o interior da Terra? Métodos Directos Indirectos

Leia mais

Enunciado de Prova Escrita de Avaliação Sumativa

Enunciado de Prova Escrita de Avaliação Sumativa Enunciado de Prova Escrita de Avaliação Sumativa Ano Lectivo: 2007/200 Disciplina: Biologia e Geologia (ano 2) Ano: 11º Turma: CT Curso: C.H. - C.T. Duração: 0 min. Data: 31 / /2007 Docente: Catarina Reis

Leia mais

Qual o nome das bases pirimídicas?. R: Timina e Citosina. Quais os constituintes dos nucleótidos?

Qual o nome das bases pirimídicas?. R: Timina e Citosina. Quais os constituintes dos nucleótidos? O que significam as siglas? R: Ácido desoxirribonucleico. A molécula de tem mensagens codificadas em sequências de que contêm bases púricas e pirimídicas. R: nucleótidos Qual o nome das bases pirimídicas?.

Leia mais

PROVA ESCRITA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS

PROVA ESCRITA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA Instituto Politécnico de Coimbra 2014 PROVA ESCRITA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS DATA 05/05/2014 HORA 10.00H - 12.00H

Leia mais

Teste de Avaliação. Turma: Nº: Duração 50 minutos. 1. Observe os esquemas da figura 1 que representam tipos de actividade vulcânica.

Teste de Avaliação. Turma: Nº: Duração 50 minutos. 1. Observe os esquemas da figura 1 que representam tipos de actividade vulcânica. 1. Observe os esquemas da figura 1 que representam tipos de actividade vulcânica. Figura 1 1.1 Identifique os tipos de actividades vulcânicas, representadas na figura 1 A Actividade vulcânica de tipo efusivo;

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA PROVA ESPECÍFICA DE INGRESSO PARA O ESTUDANTE INTERNACIONAL PROVA MODELO DE BIOLOGIA E GEOLOGIA 2015

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA PROVA ESPECÍFICA DE INGRESSO PARA O ESTUDANTE INTERNACIONAL PROVA MODELO DE BIOLOGIA E GEOLOGIA 2015 INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA PROVA ESPECÍFICA DE INGRESSO PARA O ESTUDANTE INTERNACIONAL PROVA MODELO DE BIOLOGIA E GEOLOGIA 2015 A prova é constituída por 20 a 30 questões de escola múltipla, selecção

Leia mais

Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir. Dúvidas Mais Comuns BIO 11. Flipping Book.

Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir. Dúvidas Mais Comuns BIO 11. Flipping Book. Livro Interactivo 3D Permite Fazer Anotações e Imprimir Dúvidas Mais Comuns BIO 11 Flipping Book http://netxplica.com DÚVIDAS MAIS COMUNS :: BIOLOGIA E GEOLOGIA 11 http://netxplica.com 1. Crescimento e

Leia mais

Ainda não compreendemos totalmente como é constituído e como funciona o interior do nosso planeta.

Ainda não compreendemos totalmente como é constituído e como funciona o interior do nosso planeta. Ainda não compreendemos totalmente como é constituído e como funciona o interior do nosso planeta. Os dados que permitem conhecer o interior da Terra podem ser obtidos de forma direta, através de métodos

Leia mais

Assinale abaixo quais os processos que resultam na expressão das características individuais:

Assinale abaixo quais os processos que resultam na expressão das características individuais: Atividade extra Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais os processos que resultam na expressão

Leia mais

10º ANO MÓDULO 2 (dois) F i c h a d e p r e p a r a ç ã o p a r a o t e s t e d o d i a 31 d e M a r ç o GRUPO I

10º ANO MÓDULO 2 (dois) F i c h a d e p r e p a r a ç ã o p a r a o t e s t e d o d i a 31 d e M a r ç o GRUPO I E S C O L A S E C U N D Á R I A A N T Ó N I O S É R G I O 10º ANO MÓDULO 2 (dois) F i c h a d e p r e p a r a ç ã o p a r a o t e s t e d o d i a 31 d e M a r ç o 2 7-03- 201 4 GRUPO I 1 1 Os seres vivos

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O BIOLOGIA E GEOLOGIA Módulo 1 10º CTec CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO

Leia mais

Biologia e Geologia 10º ano de escolaridade

Biologia e Geologia 10º ano de escolaridade Tema II A Terra, um planeta muito especial Ficha de Trabalho nº 7 Constituição do sistema solar A tabela seguinte resume as principais características dos planetas do Sistema Solar. Tabela 1 Nota: * -

Leia mais

LÍGIA SILVA OSÓRIO BIOLOGIA E GEOLOGIA

LÍGIA SILVA OSÓRIO BIOLOGIA E GEOLOGIA 10 LÍGIA SILVA OSÓRIO BIOLOGIA E GEOLOGIA PREPARAR OS TESTES BIOLOGIA E GEOLOGIA 10 ÍNDICE GEOLOGIA 1. A Geologia, os Geólogos e os seus métodos 6 A Terra e os seus subsistemas em interação 6 As rochas,

Leia mais

2ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia e Geologia (ano 2) GRUPO I

2ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia e Geologia (ano 2) GRUPO I 2ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia e Geologia (ano 2) GRUPO I 1. Complete as frases que se seguem preenchendo os espaços com os termos mais adequados. 1.1. Por reprodução assexuada formam-se

Leia mais

VERSÃO 1 FICHA DE AVALIAÇÃO DE BIOLOGIA E GEOLOGIA. Ano: 11º Turma: C e D Data: 17/11/2015. Duração: 100 MINUTOS. Estruturas Pedagógicas

VERSÃO 1 FICHA DE AVALIAÇÃO DE BIOLOGIA E GEOLOGIA. Ano: 11º Turma: C e D Data: 17/11/2015. Duração: 100 MINUTOS. Estruturas Pedagógicas Estruturas Pedagógicas Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro Área disciplinar de Biologia e Geologia Ano letivo 2015/2016 FICHA DE AVALIAÇÃO DE BIOLOGIA E GEOLOGIA

Leia mais

A síntese proteica envolve várias fases, que culminam na síntese de proteínas nos ribossomas, tendo como base a informação genética do DNA. Classifica

A síntese proteica envolve várias fases, que culminam na síntese de proteínas nos ribossomas, tendo como base a informação genética do DNA. Classifica BG 11 EPM 14/15 A síntese proteica envolve várias fases, que culminam na síntese de proteínas nos ribossomas, tendo como base a informação genética do DNA. Classifica como Verdadeira (V) ou Falsa (F) cada

Leia mais

A estrutura da Terra. Prof. Eder C. Molina IAGUSP.

A estrutura da Terra. Prof. Eder C. Molina IAGUSP. 1 Prof. Eder C. Molina IAGUSP http://www.iag.usp.br/~eder/deriv.ppt 2 Raio médio: 6.371 km Densidade média: 5,5 g cm -3 Massa: 5,976 x10 24 kg Temperatura superficial média: 15 o C Pressão atmosférica

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A A N T Ó N I O S É R G I O

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A A N T Ó N I O S É R G I O A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A A N T Ó N I O S É R G I O TESTE ESCRITO 10º ANO - Biologia e Geologia - MÓDULO 2 (dois) Data

Leia mais

Alguns Equipamentos de Exploração Espacial

Alguns Equipamentos de Exploração Espacial Geologia 10.ºAno Alguns Equipamentos de Exploração Espacial Telescópios Radiotelescópio Satélites Estação espacial Vaivém espacial Foguetões Sonda espacial SISTEMA SOLAR Formado por SOL PLANETAS PRINCIPAIS

Leia mais

Teste de avaliação Teste de avaliação Teste de avaliação Teste de avaliação Teste de avaliação Teste de avaliação 6 50

Teste de avaliação Teste de avaliação Teste de avaliação Teste de avaliação Teste de avaliação Teste de avaliação 6 50 Índice Ficha 1 Paisagens geológicas: paisagens magmáticas 4 Ficha 2 Paisagens geológicas: paisagens metamórficas e paisagens sedimentares 6 Ficha 3 Minerais: as unidades básicas das rochas 8 Teste de avaliação

Leia mais

Biologia. Código Genético. Professor Enrico Blota.

Biologia. Código Genético. Professor Enrico Blota. Biologia Código Genético Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia CÓDIGO GENÉTICO NÚCLEO E SÍNTESE PROTEICA O núcleo é de fundamental importância para grande parte dos processos que

Leia mais

Provas de Conhecimento Específico. Módulo I (conhecimentos básicos) (resposta obrigatória a todas as Partes: I, II e III) Programa

Provas de Conhecimento Específico. Módulo I (conhecimentos básicos) (resposta obrigatória a todas as Partes: I, II e III) Programa Provas de Admissão para Maiores de 23 anos Ano lectivo: 2016 Curso de Engenharia do Ambiente Provas de Conhecimento Específico Módulo I (conhecimentos básicos) (resposta obrigatória a todas as Partes:

Leia mais

é a herança para os nossos filhos e netos com a sua atmosfera rica em oxigénio, permite-nos respirar com a camada de ozono, protege-nos das radiações

é a herança para os nossos filhos e netos com a sua atmosfera rica em oxigénio, permite-nos respirar com a camada de ozono, protege-nos das radiações é a herança para os nossos filhos e netos com a sua atmosfera rica em oxigénio, permite-nos respirar com a camada de ozono, protege-nos das radiações ultravioletas com a água evita a desidratação com as

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO Disciplina de BIOLOGIA E GEOLOGIA 11º ano

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO Disciplina de BIOLOGIA E GEOLOGIA 11º ano ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO Disciplina de BIOLOGIA E GEOLOGIA 11º ano 1º Teste de avaliação sumativa 11º A TEMA: Diversidade na Biosfera, a Célula, DNA e Síntese de Proteínas, Reprodução assexuada

Leia mais

3ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia e Geologia (ano 1)

3ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia e Geologia (ano 1) 3ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia e Geologia (ano 1) Ano Lectivo: 2007/2008 Nome: Nº Turma: º CT Curso: CH-CT Data: 23/11/2007 Docente: Catarina Reis 1. Complete as frases que se seguem,

Leia mais

Nome do aluno Nº 10º CTEC

Nome do aluno Nº 10º CTEC A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o - V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A A N T Ó N I O S É R G I O TESTE ESCRITO 10º ANO - Biologia e Geologia - MÓDULO 2 (dois)

Leia mais

A Terra estremece cerca de um milhão de vezes por ano

A Terra estremece cerca de um milhão de vezes por ano A Terra estremece cerca de um milhão de vezes por ano SISMO vibração das partículas dos materiais do globo terrestre originada pela libertação brusca de energia acumulada numa zona do interior da Terra,

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007 DE 29 DE OUTUBRO. BIOLOGIA E GEOLOGIA 10º e 11º ANOS

MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007 DE 29 DE OUTUBRO. BIOLOGIA E GEOLOGIA 10º e 11º ANOS MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/2007 DE 29 DE OUTUBRO Duração da Prova 90 minutos + 30 minutos de tolerância BIOLOGIA E GEOLOGIA 10º e 11º ANOS (Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS GEOLOGIA Nome: BI: Classificação: CHAMADA DE ATENÇÃO:

Leia mais

Paulo Tumasz Junior. Geologia

Paulo Tumasz Junior. Geologia Paulo Tumasz Junior Geologia - Geologia: Ciência que estuda a estrutura interna da terra, história a partir dos processos rochosos e processos que as modificam; - Distância da superfície terrestre ao centro

Leia mais

Resoluções das atividades

Resoluções das atividades Resoluções das atividades Aula 8 Ácidos nucleicos Atividades para sala 01 D 02 B No DNA, ocorrem duas fitas de polinucleotídios. As duas fitas são unidas por pontes de hidrogênio estabelecidas entre os

Leia mais

Ficha de Avaliação Sumativa Versão 2

Ficha de Avaliação Sumativa Versão 2 Escola Secundária c/ 3º Ciclo João Gonçalves Zarco Ano Lectivo 2008/2009 Biologia/Geologia (ano 2) Ficha de Avaliação Sumativa Versão 2 Unidade 5 Crescimento e renovação celular A ficha de avaliação consiste

Leia mais

Compreender a importância do conhecimento da Lua para reconstituir a história dos primeiros 700 M.a. da história da Terra.

Compreender a importância do conhecimento da Lua para reconstituir a história dos primeiros 700 M.a. da história da Terra. Compreender a importância do conhecimento da Lua para reconstituir a história dos primeiros 700 M.a. da história da Terra. Conhecer as características que fazem da Terra um planeta único. Conhecer as condições

Leia mais

Escola Secundária Anselmo de Andrade Biologia e Geologia de 10º Ano

Escola Secundária Anselmo de Andrade Biologia e Geologia de 10º Ano Escola Secundária Anselmo de Andrade Biologia e Geologia de 10º Ano Nome: Nº Turma Data- 1. A parede celular encontra-se presente: nas células vegetais e animais. nas células eucarióticas vegetais e nas

Leia mais

Características particulares da Terra: composição química

Características particulares da Terra: composição química Características particulares da Terra: composição química Predomínio de carbono, oxigénio, azoto, enxofre e fósforo Abundância de água Elementos químicos essenciais a todos os seres vivos Características

Leia mais

ÁCIDOS NUCLÉICOS ESTRUTURA E FUNÇÕES

ÁCIDOS NUCLÉICOS ESTRUTURA E FUNÇÕES DNA ÁCIDOS NUCLÉICOS ESTRUTURA E FUNÇÕES Prof. Edimar Campos Antes de 1950 sabia-se apenas que qualquer que fosse a natureza do material genético, ele deveria possuir 3 características importantes: O MATERIAL

Leia mais

FICHA DE TRABALHO. 1. Distinga sistema fechado, sistema aberto e sistema isolado.

FICHA DE TRABALHO. 1. Distinga sistema fechado, sistema aberto e sistema isolado. 1. Distinga sistema fechado, sistema aberto e sistema isolado. 2. A classificação dos sistemas (em fechado, aberto ou isolado) tem em linha de conta: a) a sua dimensão. b) a forma do seu limite. c) o seu

Leia mais

DNA: Replicação e Transcrição. Professora: MSc Monyke Lucena

DNA: Replicação e Transcrição. Professora: MSc Monyke Lucena EXTRA, EXTRA Se a mãe for (DD) e o pai (D), nenhum dos descendentes será daltónico nem portador. Se a mãe (DD) e o pai for (d), nenhum dos descendentes será daltônico, porém as filhas serão portadoras

Leia mais

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 Nome: 7.º Ano Turma Nº: Encarregado de Educação: Classificação: Professor: 1. Observe a figura seguinte,

Leia mais

Ficha de Avaliação Sumativa Versão 1

Ficha de Avaliação Sumativa Versão 1 Escola Secundária c/ 3º Ciclo João Gonçalves Zarco Ano Lectivo 2008/2009 Biologia/Geologia (ano 2) Ficha de Avaliação Sumativa Versão 1 Unidade 5 Crescimento e renovação celular A ficha de avaliação consiste

Leia mais

A Terra é constituída basicamente de três camadas: Crosta, Manto e Núcleo.

A Terra é constituída basicamente de três camadas: Crosta, Manto e Núcleo. Estrutura da Terra A Terra é constituída basicamente de três camadas: Crosta, Manto e Núcleo. Crosta Crosta - Camada superficial sólida que circunda a Terra. A crosta (que forma a maior parte da litosfera,

Leia mais

Devido aos fenómenos de contracção da matéria, o núcleo desta nuvem foi aquecendo gradualmente e a nuvem começou a rodar (2 e 3);

Devido aos fenómenos de contracção da matéria, o núcleo desta nuvem foi aquecendo gradualmente e a nuvem começou a rodar (2 e 3); Há 4600 M.a. uma nuvem enriquecida com elementos pesados, fria, de dimensões gigantescas e constituída por gases e poeiras (Nébula solar) começou a condensar e contrair (1); Devido aos fenómenos de contracção

Leia mais

I. Espaço. 2.2 Os planetas e as características que os distinguem. Novo. Físico-Química - 7º ano. M. Neli G. C. Cavaleiro M.

I. Espaço. 2.2 Os planetas e as características que os distinguem. Novo. Físico-Química - 7º ano. M. Neli G. C. Cavaleiro M. Físico-Química - 7º ano que os distinguem M. Neli G. C. Cavaleiro M. Domingas Beleza Novo Dimensões dos planetas Período de rotação O tempo que um planeta demora para realizar uma rotação completa em

Leia mais

Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano)

Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano) Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano) 10.º Ano Objetivos Averiguar os conhecimentos prévios dos alunos acerca de alguns dos temas de Geociências que irão ser tratados ao longo do ensino secundário,

Leia mais

Núcleo. Vera Andrade Robert Brown (1833) descreveu o núcleo celular

Núcleo. Vera Andrade  Robert Brown (1833) descreveu o núcleo celular Vera Andrade http://histologiavvargas.wordpress.com/ Núcleo Robert Brown (1833) descreveu o núcleo celular Nux (grego) = semente, por ser considerado tão importante para a célula quanto a semente é para

Leia mais

1.Nos parênteses escreva (L) ou (I), conforme o astro seja luminoso ou iluminado.

1.Nos parênteses escreva (L) ou (I), conforme o astro seja luminoso ou iluminado. COLÉGIO SHALOM Atividades de recuperação semestral 6º Ano - Disciplina: Ciências Profª: Nize G. Chagas Pavinato Aluno(a): Data: / / Valor: 12,0 1.Nos parênteses escreva (L) ou (I), conforme o astro seja

Leia mais

CÉLULAS 2/14/2017 FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA COMPOSIÇÃO MOLECULAR DAS CÉLULAS COMPOSIÇÃO QUÍMICA DAS CÉLULAS COMPOSIÇÃO MOLECULAR DAS CÉLULAS

CÉLULAS 2/14/2017 FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA COMPOSIÇÃO MOLECULAR DAS CÉLULAS COMPOSIÇÃO QUÍMICA DAS CÉLULAS COMPOSIÇÃO MOLECULAR DAS CÉLULAS 2/14/2017 FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA CÉLULAS Células são estruturas complexas e diversas; São capazes de autoreplicação; Realizam uma ampla variedade de papeis especializados em organismos multicelulares:

Leia mais

A Terra no Sistema Solar

A Terra no Sistema Solar A Terra no Sistema Solar Sistema Solar Via Láctea A Via Láctea é uma galáxia constituída por milhões de estrelas, planetas, gases, poeiras e uma infinidade de outros corpos celestes. Terra A Terra é o

Leia mais

Tectónica de Placas e Grandes Estruturas Geológicas. Fábio Cruz Nº10 12ºA

Tectónica de Placas e Grandes Estruturas Geológicas. Fábio Cruz Nº10 12ºA Tectónica de Placas e Grandes Estruturas Geológicas Fábio Cruz Nº10 12ºA Teoria da Deriva Continental Criada por Alfred Wegener, é a teoria mobilista pioneira; Baseada na semelhança verificada entre as

Leia mais

Fluxo do calor interno

Fluxo do calor interno Fontes de energia Fluxo do calor interno Manifestações de actividade geológica Acreção Contracção gravitacional Desintegração radioactiva Origem interna Efeito das marés Plumas térmicas Vulcanismo Sismos

Leia mais

I. Espaço. 2.1 Astros do Sistema Solar. Novo. Físico-Química - 7º ano. M. Neli G. C. Cavaleiro M. Domingas Beleza

I. Espaço. 2.1 Astros do Sistema Solar. Novo. Físico-Química - 7º ano. M. Neli G. C. Cavaleiro M. Domingas Beleza Físico-Química - 7º ano M. Neli G. C. Cavaleiro M. Domingas Beleza Novo O Sistema Solar formou-se, segundo se pensa, pela contração de uma nuvem de matéria em rotação, há cerca de 4,6 mil milhões de anos.

Leia mais

Duplicação do DNA e Síntese de PROTEÍNAS

Duplicação do DNA e Síntese de PROTEÍNAS Duplicação do DNA e Síntese de PROTEÍNAS Nucleotídeos É a unidade formadora dos ácidos nucléicos: DNA e RNA. É composto por um radical fosfato, uma pentose (ribose RNA e desoxirribose DNA) e uma base nitrogenada

Leia mais

é a herança para os nossos filhos e netos com a sua atmosfera rica em oxigénio, permite-nos respirar com a camada de ozono, protege-nos das radiações

é a herança para os nossos filhos e netos com a sua atmosfera rica em oxigénio, permite-nos respirar com a camada de ozono, protege-nos das radiações é a herança para os nossos filhos e netos com a sua atmosfera rica em oxigénio, permite-nos respirar com a camada de ozono, protege-nos das radiações ultravioletas com a água evita a desidratação com as

Leia mais

COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO ANO LETIVO 2013/2014

COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 FICHA DE TRABALHO DE GEOLOGIA - SISMOLOGIA NOME: TURMA: N.º: DATA: 1. Durante o sismo de Loma Prieta (São Francisco, EUA, 1989), ocorreu o colapso do

Leia mais

Magmas e formação de rochas ígneas

Magmas e formação de rochas ígneas Magmas e formação de rochas ígneas O que é um magma? Um fundido (geralmente silicatado) + cristais + gases (H 2 O, CO 2 SO 2, Cl, F, etc ), que é gerado no interior da Terra, provido de mobilidade. Quando

Leia mais

Unidade 5 Cresc. e renovação celular VIII CRESCIMENTO E RENOVAÇÃO DE TECIDOS

Unidade 5 Cresc. e renovação celular VIII CRESCIMENTO E RENOVAÇÃO DE TECIDOS 1 Unidade 5 Cresc. e renovação celular VIII CRESCIMENTO E RENOVAÇÃO DE TECIDOS A mitose garante que 2 a partir de uma única célula, se formem duas células geneticamente idênticas todos os fenómenos de:

Leia mais

EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO AGOSTO BIOLOGIA RECUP. PARCIAL

EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO AGOSTO BIOLOGIA RECUP. PARCIAL 1ª série Ens. Médio 1. A figura a seguir refere-se à hereditariedade: a) EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO AGOSTO BIOLOGIA RECUP. PARCIAL b) Explique de que forma a molécula de DNA atua no fenômeno da

Leia mais

Apostila de Geografia 07 Noções de Geologia

Apostila de Geografia 07 Noções de Geologia 1.0 Geosfera Apostila de Geografia 07 Noções de Geologia Meios de estudo da estrutura interna da Terra: Diretos: Afloramentos rochosos à superfície. Vulcanismo. Sondagens. Geotermia. Indiretos: Magnetismo.

Leia mais

Biologia e Geologia Módulo 4 Cromossomas, ciclo celular e reprodução assexuada

Biologia e Geologia Módulo 4 Cromossomas, ciclo celular e reprodução assexuada FICHA (IN)FORMATIVA Nº 2 Biologia e Geologia Módulo 4 Cromossomas, ciclo celular e reprodução assexuada Cromossomas No núcleo das células o DNA encontra-se associado a proteínas e a rrna formando estruturas

Leia mais

PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS GEOLOGIA.

PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS GEOLOGIA. PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS GEOLOGIA Nome: BI: Classificação: CHAMADA DE ATENÇÃO: Esta prova é constituída

Leia mais

Terra um planeta com Vida

Terra um planeta com Vida Condições que permitiram o aparecimento da Vida na Terra O aparecimento da Vida resultou das características particulares da Terra. Formação da Terra há cerca de 4600 M.a. Formação de uma atmosfera primitiva.

Leia mais

4º Teste Sumativo (90 minutos) 10º Ano - Turma A

4º Teste Sumativo (90 minutos) 10º Ano - Turma A ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO 4º Teste Sumativo (90 minutos) DISCIPLINA DE BIOLOGIA E GEOLOGIA 10º Ano - Turma A TEMA : Componente de Geologia. 31 de Janeiro de 2011 Lê com atenção as questões

Leia mais

Exame de Biologia e Geologia

Exame de Biologia e Geologia Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2016 Exame de Biologia e Geologia Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: Esferográfica

Leia mais

FICHA (IN)FORMATIVA Nº 2 Biologia e Geologia Módulo 2

FICHA (IN)FORMATIVA Nº 2 Biologia e Geologia Módulo 2 FICHA (IN)FORMATIVA Nº 2 Biologia e Geologia Módulo 2 Sismologia Sismo Abalo brusco da superfície da Terra provocado por uma súbita libertação de energia no seu interior. Os sismos tectónicos originam-se

Leia mais

ANO: 10º NÍVEL: BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/12. Total: 92

ANO: 10º NÍVEL: BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/12. Total: 92 ANO: 10º NÍVEL: BIOLOGIA E GEOLOGIA ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/12 1º PERÍODO Apresentação Teste diagnóstico Avaliar os conhecimentos dos alunos Total: 92 2 2 COMPONENTE DE GEOLOGIA MÓDULO INICIAL TEMA

Leia mais

Departamento Matemática e Ciências Experimentais. Ano 10º Ano letivo Disciplina Biologia e Geologia Professores: Célia Fernandes

Departamento Matemática e Ciências Experimentais. Ano 10º Ano letivo Disciplina Biologia e Geologia Professores: Célia Fernandes Modelo Dep-01 Planificação Anual Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Departamento Matemática e Ciências Experimentais Ano 10º Ano letivo 2013.2014 Disciplina Biologia e Geologia Turmas A e B Professores:

Leia mais

Duplicação do DNA e Síntese de PROTEÍNAS. Telmo Giani Fonte: Internet

Duplicação do DNA e Síntese de PROTEÍNAS. Telmo Giani Fonte: Internet Duplicação do DNA e Síntese de PROTEÍNAS Telmo Giani Fonte: Internet OS ÁCIDOS NUCLEICOS DNA Ácido fosfórico Desoxirribose Bases Púricas: A e G Bases Pirimídicas: C e T Dupla fita RNA Ácido fosfórico Ribose

Leia mais

SISMICIDADE E ESTRUTURA INTERNA DA TERRA

SISMICIDADE E ESTRUTURA INTERNA DA TERRA SISMICIDADE E ESTRUTURA INTERNA DA TERRA AS PRINCIPAIS CAMADAS DA TERRA # A maior parte do interior da Terra é inacessível às observações diretas. Para conhecer sua constituição interna, é necessário recorrer

Leia mais

DNA e RNA Replicação do DNA

DNA e RNA Replicação do DNA DNA e RNA Replicação do DNA 1953 1952 1952 1944 1928 1869 À descoberta do Material Genético Watson e Crick Modelo do DNA dupla hélice Hershey-Chase experiências com bacteriófagos confirmam o DNA como suporte

Leia mais

Escola Secundária/3 Morgado de Mateus

Escola Secundária/3 Morgado de Mateus Escola Secundária/3 Morgado de Mateus FICHA DE TRABALHO Ano lectivo 2009/2010 1. Para cada uma das questões seguintes, escolha a opção correcta. 1.1. A reprodução é uma função A- necessária à sobrevivência

Leia mais

Noções de Geologia. Prof. Msc. João Paulo Nardin Tavares

Noções de Geologia. Prof. Msc. João Paulo Nardin Tavares Noções de Geologia Prof. Msc. João Paulo Nardin Tavares Objetivos da aula Conhecer a estrutura da Terra Definir os conceitos e teorias da deriva continental e das placas tectônicas Compreender fenômenos

Leia mais

Processos Geológicos Internos -Aula 5-

Processos Geológicos Internos -Aula 5- Processos Geológicos Internos -Aula 5- Prof. Alexandre Paiva da Silva UACTA/CCTA/UFCG TECTÔNICA DE PLACAS INTRODUÇÃO Terra Planeta dinâmico Planeta azul se contorcendo Fragmentação da crosta PLACAS TECTÔNICAS

Leia mais

COMPREENDER A ESTRUTURA E A DINÂMICA DA GEOSFERA

COMPREENDER A ESTRUTURA E A DINÂMICA DA GEOSFERA Escola Secundária c/ 3º ciclo D. Manuel I Biologia Geologia (10º ano) COMPREENDER A ESTRUTURA E A DINÂMICA DA GEOSFERA ONDAS SÍSMICAS E DESCONTINUIDADES Quando um feixe luminoso passa de um meio (ar) para

Leia mais

A ORIGEM DA TERRA CAPÍTULO 1 2º PERÍODO

A ORIGEM DA TERRA CAPÍTULO 1 2º PERÍODO A ORIGEM DA TERRA CAPÍTULO 1 2º PERÍODO CONCEPÇÃO DO INÍCIO DA FORMAÇÃO DA LITOSFERA PANGEIA O INÍCIO DA SEPARAÇÃO DA PANGEA FÓSSEIS ENCONTRADOS POR WEGENER MODELO DO MOVIMENTO PROPOSTO POR WEGENER OS

Leia mais

A grande incidência da actividade sísmica em determinados locais.

A grande incidência da actividade sísmica em determinados locais. A grande incidência da actividade sísmica em determinados locais. A grande incidência da actividade vulcânica em determinados locais. Como resultado destas novas evidências, Robert Palmer e Donald Mackenzie,

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO HISTÓRIA DA TERRA / TECTÓNICA

TESTE DE AVALIAÇÃO HISTÓRIA DA TERRA / TECTÓNICA TESTE DE AVALIAÇÃO HISTÓRIA DA TERRA / TECTÓNICA Ciências Naturais 7º ano Nome n.º Turma Data: Classificação: Professor(a): Enc. Educação Lê com atenção cada uma das questões que te são propostas e responde

Leia mais

C2EF.6 CIÊNCIAS GRACE K. ESTUDO DIRIGIDO- ATMOSFERA

C2EF.6 CIÊNCIAS GRACE K. ESTUDO DIRIGIDO- ATMOSFERA C2EF.6 CIÊNCIAS GRACE K. ESTUDO DIRIGIDO- ATMOSFERA Atmosfera é o nome dado à camada gasosa que envolve os planetas. No caso da atmosfera terrestre ela é composta por inúmeros gases que ficam retidos por

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA AVALIAÇÃO ESTUDOS INDEPENDENTES DE RECUPERAÇÃO RESOLUÇÃO SEE Nº 2.197, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012

ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA AVALIAÇÃO ESTUDOS INDEPENDENTES DE RECUPERAÇÃO RESOLUÇÃO SEE Nº 2.197, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012 ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA AVALIAÇÃO ESTUDOS INDEPENDENTES DE RECUPERAÇÃO RESOLUÇÃO SEE Nº 2.197, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012 Aluno: Ano:2016 Série: 1ºAno Data : Matéria: Biologia Turno:

Leia mais

METAMORFISMO: AGENTES DE METAMORFISMO E PRINCIPAIS ROCHAS METAMÓRFICAS

METAMORFISMO: AGENTES DE METAMORFISMO E PRINCIPAIS ROCHAS METAMÓRFICAS METAMORFISMO: AGENTES DE METAMORFISMO E PRINCIPAIS ROCHAS METAMÓRFICAS METAMORFISMO: Processo que ocorre em rochas da crusta terrestre, em resultado de variações de temperatura e pressão (sem ocorrer a

Leia mais

DNA RNA Proteínas. Organização estrutural e funcional do núcleo 04/04/2017. Processamento (Splicing) Tradução (citoplasma) Replicação.

DNA RNA Proteínas. Organização estrutural e funcional do núcleo 04/04/2017. Processamento (Splicing) Tradução (citoplasma) Replicação. Organização estrutural e funcional do núcleo DNA RNA Proteínas Replicação Transcrição Processamento (Splicing) Tradução (citoplasma) Cromatina - Eucromatina - Heterocromatina Cromossomo - Mitose 1 DNA

Leia mais

Manual Espaço (62-63) Manual Terra no Espaço (56-57)

Manual Espaço (62-63) Manual Terra no Espaço (56-57) Manual Espaço (62-63) Manual Terra no Espaço (56-57) Astros do Sistema Solar: a sua origem e os seus astros (Pp. 64 a 70) Objetos celestes do Sistema Solar Teoria da Nebulosa Solar Sistema Solar Sol Planetas

Leia mais

Ficha de trabalho de preparação para o teste 2014/2015

Ficha de trabalho de preparação para o teste 2014/2015 Ficha de trabalho de preparação para o teste 2014/2015 Grupo I No final da década de 1930, o biólogo dinamarquês J. Hammerling interrogava-se sobre o local onde estava armazenada a informação genética

Leia mais

Fevereiro 2007 Nome: Nº: Turma: Biologia Humana 10 º Ano

Fevereiro 2007 Nome: Nº: Turma: Biologia Humana 10 º Ano Fevereiro 2007 Nome: Nº: Turma: Enc.º Ed.: Prof.ª: Ficha de avaliação Biologia Humana 10 º Ano Competências conceptuais Questões 1.1 1.2 1. 1.4 1.5 1.6 2.2 2. 2.4 2.5.2..4 4.2 5. 7.2 8.2 8. 8.4 9.1 9.2

Leia mais

A TERRA ACREÇÃO E DIFERENCIAÇÃO

A TERRA ACREÇÃO E DIFERENCIAÇÃO A TERRA ACREÇÃO E DIFERENCIAÇÃO A Terra, tal como os outros corpos do Sistema Solar, teve origem a partir da acreção de materiais da nébula solar por ação da força gravítica, seguido de um processo de

Leia mais

2º Teste Sumativo (90 minutos) 10º ano Turma A

2º Teste Sumativo (90 minutos) 10º ano Turma A ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO 2º Teste Sumativo (90 minutos) DISCIPLINA DE BIOLOGIA GEOLOGIA 10º ano Turma A Versão 1 TEMAS : A Geologia, os geólogos e os seus métodos. A terra, um planeta muito

Leia mais

2º Teste Sumativo (90 minutos) 10º ano Turma A

2º Teste Sumativo (90 minutos) 10º ano Turma A ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO 2º Teste Sumativo (90 minutos) DISCIPLINA DE BIOLOGIA GEOLOGIA 10º ano Turma A Versão 2 TEMAS : A Geologia, os geólogos e os seus métodos. A terra, um planeta muito

Leia mais

Nutrição. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ABR/2011

Nutrição. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ABR/2011 Introdução a Biologia i Molecular: DNA Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ABR/2011 HISTÓRICO Organização Células DNA + Proteínas Corpo Informação das proteínas e RNAs que serão sintetizadas

Leia mais

A Terra como um sistema

A Terra como um sistema A Terra como um sistema Subsistemas fundamentais Geosfera Atmosfera Hidrosfera Biosfera Os subsistemas constituintes do sistema Terra são a atmosfera, a hidrosfera, a geosfera e a biosfera, que interagem

Leia mais

FICHA (IN)FORMATIVA Nº 2 Biologia e Geologia Módulo 2

FICHA (IN)FORMATIVA Nº 2 Biologia e Geologia Módulo 2 FICHA (IN)FORMATIVA Nº 2 Biologia e Geologia Módulo 2 Sismologia Sismo Abalo brusco da superfície da Terra provocado por uma súbita libertação de energia no seu interior. Os sismos tectónicos originam-se

Leia mais

O movimento dos planetas, visto da Terra

O movimento dos planetas, visto da Terra O movimento dos planetas, visto da Terra Quando são visíveis da Terra, os planetas não acompanham as estrelas (a palavra planeta vem da palavra grega vagabundo ). Em relação às estrelas, os planetas não

Leia mais

Teste Diagnóstico I Biologia e Geologia

Teste Diagnóstico I Biologia e Geologia Nome: Data: Alguns aspetos detetados: Conhecimentos prévios mal assimilados ou interiorizados. Dificuldades na interpretação de um pequeno texto. Dificuldades na interpretação de enunciados. Dificuldade

Leia mais

O Sistema Solar. Os Astros do Sistema Solar. 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar Unidade 2 O SISTEMA SOLAR

O Sistema Solar. Os Astros do Sistema Solar. 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar Unidade 2 O SISTEMA SOLAR Ciências Físico-químicas - 7º ano de escolaridade Unidade 2 O SISTEMA SOLAR O Sistema Solar 1. Astros do Sistema Solar 2. Os planetas do Sistema Solar Os Astros do Sistema Solar 2 1 Competências a desenvolver:

Leia mais

CAPÍTULO 03 O Universo..

CAPÍTULO 03 O Universo.. CAPÍTULO 03 O Universo.. 03/03/2016 6º Ano B Profº Delsomar de Sousa Barbosa Páginas: 34 a 40 Itens 01 a 03. Estrutura Temática Astros do universo. Planetas Satélites Estrelas Distâncias no Espaço. Sistemas,

Leia mais

Organização estrutural e funcional do núcleo. Professor Otaviano Ottoni Netto

Organização estrutural e funcional do núcleo. Professor Otaviano Ottoni Netto Organização estrutural e funcional do núcleo Professor Otaviano Ottoni Netto Núcleo Celular Estrutura do Núcleo Alberts et al., 1994 - págs 335 e 345 _Tráfego de proteínas entre núcleo e citoplasma_

Leia mais

BIOLOGIA. Os principais carboidratos de reserva nos vegetais e animais são: Chama-se aminoácido essencial ao aminoácido que:

BIOLOGIA. Os principais carboidratos de reserva nos vegetais e animais são: Chama-se aminoácido essencial ao aminoácido que: BIOLOGIA Associe os números das estruturas celulares assinaladas no desenho com os respectivos nomes da coluna abaixo do desenho. A seguir, assinale a opção em que a seqüência coincida com o que foi marcado

Leia mais

LITOSFERA SIMA SIAL. Litosfera (crosta): camada rochosa da Terra (até 70 km de profundidade).

LITOSFERA SIMA SIAL. Litosfera (crosta): camada rochosa da Terra (até 70 km de profundidade). ESTRUTURA GEOLÓGICA ESTRUTURA DA TERRA LITOSFERA SIMA SIAL Litosfera (crosta): camada rochosa da Terra (até 70 km de profundidade). DESCONTINUIDADE DE MOHOROVICIC Limite entre a Litosfera e o manto MANTO

Leia mais

INTRODUÇÃO Á BIOQUÍMICA

INTRODUÇÃO Á BIOQUÍMICA INTRODUÇÃO Á BIOQUÍMICA BIOQUÍMICA ENFERMAGEM FIO Faculdades Integradas de Ourinhos. Prof. Esp. Roberto Venerando Fundação Educacional Miguel Mofarrej. FIO robertovenerando@fio.edu.br 1 - Introdução à

Leia mais

Introdução a Biologia Molecular: DNA Nutrição

Introdução a Biologia Molecular: DNA Nutrição Introdução a Biologia Molecular: DNA Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ABR/2011 HISTÓRICO Organização Células DNA + Proteínas Informação das proteínas e RNAs que serão sintetizadas

Leia mais

Figura 1. Exemplo da estrutura de um nucleotídeo

Figura 1. Exemplo da estrutura de um nucleotídeo 2 - ÁCIDOS NUCLÉICOS Na natureza há dois tipos de ácidos nucléicos: DNA ou ácido desoxirribonucléico e RNA ou ácido ribonucléico. Analogamente a um sistema de comunicação, essas informações são mantidas

Leia mais