GESTÃO DE PERDAS DO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE MINÉRIOS NO TERMINAL MARÍTIMO DE PONTA DA MADEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE PERDAS DO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE MINÉRIOS NO TERMINAL MARÍTIMO DE PONTA DA MADEIRA"

Transcrição

1 ISSN GESTÃO DE PERDAS DO PROCESSO DE RECUPERAÇÃO DE MINÉRIOS NO TERMINAL MARÍTIMO DE PONTA DA MADEIRA Sérgio Sampaio Cutrim (UFMA) Renato Morais de Alburquerque (VALE) Leo Tadeu Robles (UFMA) Thiago Alexandre Loureiro Araújo (UFMA) Resumo O presente artigo é um estudo de caso do processo de recuperação de minérios, no Terminal Marítimo de Ponta da Madeira da empresa VALE. Identifica-se e realiza-se análise de perdas devido à queda de minério no processo de recuperação, tendoo como apoio informações da área de recursos operacionais, que trata da gestão de resíduos no Terminal. A metodologia deste estudo será realizada através de consulta bibliográfica, análise de documentos primários e entrevista com especialistas. A partir de análise dos principaispontos geradores de resíduos no Terminal, buscou-se tratar as máquinas doprocesso de recuperação com maior potencial de perdas devido à queda de minério,onde se obteve resultados positivos para três situações problemas Palavras-chaves: : Processo de recuperação de minérios. VALE. Terminal Marítimo de Ponta da Madeira

2 1. Introdução A dinâmica competitiva e a competição global das últimas décadas impuseram às organizações mudanças e crescente complexidade nos seus processos de gestão e produção. Um dos desafios que se apresentam é o dispêndio de esforços e recursos para melhoria contínua de práticas tendo em vista obter e manter posição competitiva nos mercados. Uma das estratégias adotadas diz respeito à filosofia de produção enxuta (Lean Production), referente a iniciativas para sistematizar e adaptar as técnicas, inicialmente, japonesas de produção, por exemplo, as células de produção, o Kanban i, o mapeamento do fluxo de valor, entre outras. Womack e Jones (1998) definiram o conceito de mentalidade enxuta (lean thinking), como segue: (1998:3) "forma de especificar valor, alinhar na melhor sequência as ações que criam valor, realizar essas atividades sem interrupção toda vez que alguém a solicita e realizá-las de forma cada vez mais eficaz. Em suma, a mentalidade é enxuta, porque representa uma forma de fazer mais com cada vez menos menos esforço humano, menos equipamento, menos tempo e menos espaço e, ao mesmo tempo, aproximar-se cada vez mais de oferecer aos clientes exatamente o que eles desejam. (WOMACK & JONES, 1998) Esta estratégia, como se verá adiante, é adotada pela Companhia VALE S/A. e sua aplicação é analisada no processo de recuperação de materiais na área de Máquinas de Pátio do Terminal Marítimo de Ponta de Madeira (TMPM) da VALE em São Luís - MA. Para tanto, identificou-se nos subsistemas portuários com base em relatórios operacionais os locais de geração de resíduos, suas causas e possíveis alternativas de ações. Essa pesquisa foi complementada por informações obtidas junto às equipes de área no TMPM, pesquisas de campo e visitas dos autores a locais identificados com problemas. Dessa forma, num nível mais macro se apresenta a estratégia de integração logística e implantação de sistemas enxutos e a nível micro, os procedimentos gerenciais de controle para consecução efetiva dessa estratégia pelo levantamento dos pontos de perdas e, numa segunda etapa, a proposição de melhorias nos processos logísticos operacionais. 2

3 O presente estudo pode ser considerado exploratório e se refere a estudo de caso do TMPM. Para tanto, foram identificadas e analisadas publicações acadêmicas da área de gestão e logística, mais especificamente de logística portuária. A pesquisa abrangeu artigos, dissertações, revistas e sítios especializados e acesso a relatórios da VALE referentes a processos de operação, manutenção e gestão, disponibilizados, mediante o compromisso do uso essencialmente acadêmico das informações coletadas. Essas informações foram complementadas por entrevistas semiestruturadas com responsáveis pelas áreas operacionais, de modo a se obter a visão operacional de dia-a-dia e seu testemunho em relação a suas atividades e processos gerenciais. 2. Logística e gestão da cadeia de suprimentos Robles (2001) apresenta o conceito de logística integrada ou de gestão das cadeias de suprimentos como conjunto de atividades que cria valor competitivo, agregando serviços aos produtos vendidos e, consequentemente, valor aos clientes, contribuindo ainda para a otimização dos custos operacionais e da produtividade, melhores utilizações da capacidade produtiva e dos recursos, reduzindo estoques ao longo das cadeias produtivas e de suprimentos, integrando, de forma mais estreita, a empresa a seus fornecedores e clientes. (ROBLES, 2001) Assim, a gestão da cadeia de suprimentos se apresenta no atual ambiente de negócios, como uma ferramenta que permite ligar o mercado, a rede de distribuição, o processo de produção e a atividade de compra de tal modo que os consumidores tenham um alto nível de serviço ao menor custo total. Essa ligação ou inter-relação pode ser feita pela empresa verticalizando os elos da sua cadeia logística ou por meio do estabelecimento de parcerias ou acordos de troca de informações e compartilhamento de procedimentos. A VALE, na logística do minério de ferro, adota a primeira alternativa e a indústria automobilística montadora, normalmente, adota a segunda opção. Bowersox, Closs e Cooper (1996) propõem no conceito de logística integrada incorporam o fluxo de informações entre as empresas, seus clientes e fornecedores, ao fluxo de materiais que se apresenta entre elas. Assim, as atividades de venda, previsões e pedidos agregam informações que se reproduzem internamente nas empresas na forma de seus planos de produção e compras. 3

4 Níveis crescentes de competitividade e a capacidade de prosperar exigem transformações que extrapolam as fronteiras internas das empresas que passam também a se sustentar nas formas de interação desenvolvidas como um conjunto de agentes de suas cadeias de suprimentos. Vantagem Competitiva Christopher (2011) propõe que a gestão logística e das cadeias de suprimentos podem se constituir fontes de vantagem competitiva. A Figura 1 mostra o modelo proposto pelo autor de ligação triangular entre uma companhia, seus clientes e os concorrentes os Três Cs. Figura 1. Vantagem competitiva e os Três Cs Fonte: Adaptado de Christopher, Christopher (2011), ao encontro do modelo de Porter (1998), reafirma que as empresas devem buscar vantagem de custos (liderança) ou de valor (diferenciação), ou sua combinação, pois, os mercados se mostram sensíveis aos serviços, notadamente os serviços logísticos. De fato, o desafio no gerenciamento é identificar a logística e estratégias compatíveis para sua cadeia de suprimentos, ou seja, seu conceito é a de planejamento e coordenação do fluxo de materiais entre o fornecedor e usuários/clientes num sistema integrado. A estratégia genérica de liderança de custos ii pode ser associada à eficiência operacional e redução de perdas e desperdícios, conforme defendem as bases do Sistema Toyota de Produção (STP). Sistema Toyota de Produção (STP) 4

5 O STP é apresentado por Ghinato (1996) como filosofia de gerenciamento que procura otimizar a organização para atender as necessidades dos clientes no menor prazo possível, na mais alta qualidade e ao mais baixo custo, identificando e eliminando perdas nos processos. Ohno (1997) propõe dois pilares para o STP: a Autonomação (Jidoka) e o Just-in- Time (JIT). O primeiro consiste em fornecer às máquinas e aos operadores a habilidade de ao detectar uma condição anormal na produção, interromper imediatamente o trabalho e solucionar o problema o mais rápido possível. O outro pilar do STP, o Just-in-time, definido por Shingo (2002) como a realização do processo produtivo, em que cada parte sua abastecida com os itens necessários, na quantidade e momento necessários. No STP, a redução dos custos pela eliminação das perdas resulta da análise detalhada da cadeia de valor, isto é, a sequência de atividades pela qual passa o material, desde seu estágio de matéria prima até produto acabado, identificando atividades que agregam valor aos clientes e eliminando aquelas que não o fazem e as que resultem em fatores de perda. Essa sistemática, conforme foi identificado, é largamente utilizada nas áreas operacionais da VALE. A seguir, se analisa aspectos recentes da logística portuária no Brasil, destacando-se a movimentação de minério de ferro pela VALE. 3. Logística portuária e o minério de ferro Alfredini e Arazaki (2009) apresentam o conceito atual de porto (elo de importância na cadeia logística como terminal multimodal) ligado a: - Abrigo: Proteção das embarcações, ondas e correntes, para acesso à costa e movimentação de cargas ou passageiros, por meio de obra de acostagem com pontos de amarração para os cabos da embarcação, garantindo movimentos reduzidos e mínimos esforços de atracação durante a operação. O TMPM é um porto de águas abrigadas. - Profundidade e acessibilidade: A lâmina d água deve ser compatível com as dimensões das embarcações (comprimento, boca, calado iii ) no canal de acesso, bacias portuárias (de espera ou evolução) e nos berços de acostagem. O TMPM é um dos portos brasileiros de melhores condições naturais. - Área de retroporto: Áreas terrestres próprias para movimentação de cargas (armazenagem, estocagem, administração portuária) e passageiros. Essas condições são atendidas plenamente pelo TMPM, conforme se verá adiante. - Acessos terrestres, aquaviários e aeroviários: Acessos terrestres (rodoviários, 5

6 ferroviários, dutoviários), aquaviários (hidroviários) e aeroviários para chegada ou retirada de cargas e passageiros no porto. - Impacto ambiental: A implantação de um porto traz implicações ao meio físico e biológico adjacente. O TMPM pode ser caracterizado, conforme proposto por Alfredini e Arazaki (2009), quanto à carga movimentada e ao tipo de equipamento, como porto especializado na movimentação de granéis sólidos voltado para a movimentação de minério de ferro, dotado de equipamentos com alta capacidade de transferência de cargas. O minério é transferido dos viradouros de vagões para os pátios de estocagem a céu aberto localizados relativamente próximo aos berços por esteiras transportadoras. Dessa forma, portos podem ser entendidos como sistemas compostos por subsistemas (ver Figura 5) relativos aos processos de recebimento e descarga de produtos; estocagem intermediária (pulmão entre recebimento e carregamento nos navios); encaminhamento e carregamento dos navios. A esses subsistemas, se agregam os subsistemas de apoio à navegação e, logicamente, os de atracação e desatracação dos navios operados. Os portos brasileiros têm se apresentado como elos importantes nas cadeias logísticas dos produtos movimentados. Brito (2010) apresenta que entre 2007 e 2010, o Brasil passou da 61ª para a 41ª posição na classificação de 155 países pelo Índice de Desempenho Logístico (LPI Logistical Performance Index) elaborado por estudo do Banco Mundial, tendo como base indicadores técnicos e visão das empresas que operam no setor. Esse estudo enfatiza o ambiente, a cadeia e os processos logísticos. A melhoria do desempenho portuário pode ser associada aos efeitos positivos da privatização da operação viabilizada a partir da Lei de Fevereiro de 1993, resultando em elevados investimentos privados que aumentaram a produtividade das operações, reduzindo tempos e custos portuários. (BRITO, 2010). A Tabela 1 mostra dados disponibilizados no Panorama Aquaviário, 2011 da ANTAQ relativos a movimentação de cargas nas instalações portuárias entre os anos de 2008 a 2010, constatando-se que, em 2010 foram movimentados 833,9 milhões de t, com aumento relativo de 13,7% em relação a (ANTAQ iv, 2011), sendo as cargas a granel predominantes e concentradas em granéis sólidos. A divisão por tipo de navegação indica a relevância da navegação de longo curso. Em relação aos tipos de instalações, tem-se a predominância dos Terminais de Uso 6

7 Privativo (TUPs) responsáveis, em 2010, pela movimentação de 545,1 milhões de t. Minério de ferro e combustíveis, óleos minerais e produtos derivados foram os principais produtos representando 77,2% da movimentação nos TUPs e 59,8% do total do sistema portuário brasileiro (ANTAQ, 2011). Tabela 1. Movimentação geral de cargas nos portos e terminais brasileiros 2008 / Fonte: Panorama Aquaviário, ANTAQ, O TMPM, explorado pela VALE, é caracterizado como TUP, os quais, conforme estabelecido pela Lei de 2006, constituem-se área explorada por pessoa jurídica de direito público ou privado, dentro ou fora da área do porto, utilizada na movimentação de passageiros ou na movimentação ou armazenagem de mercadorias, destinados ou provenientes de transporte aquaviário. Por sua vez, Porto Organizado, conforme a mesma Lei compreende instalações portuárias, tais como, ancoradouros, docas, cais, pontes e piers de atracação e acostagem, terrenos, armazéns, edificações e vias de circulação interna, bem como a infraestrutura de proteção e acesso aquaviário ao porto tais como guias-correntes, quebra-mares, eclusas, canais, bacias de evolução e áreas de fundeio que devam ser mantidas pela Administração do Porto. Em outras palavras, TUPs são estabelecidos e operados por empresas privadas em áreas de sua 7

8 propriedade mediante autorização da ANTAQ e que podem ou não estar inseridos no Porto Organizado. No caso do TMPM, não. A Figura 2 apresenta os principais TUPs em movimentação (em t) em 2010, destacandose os explorados pela VALE: Ponta da Madeira (TMPM) em São Luís (MA) e Tubarão em Vitória (ES), que movimentam principalmente minério de ferro. Figura 2. Principais TUPs em movimentação no ano de Fonte: Panorama Aquaviário, ANTAQ, Minério de Ferro Em 2010, o minério de ferro respondeu por cerca de 38% das cargas movimentadas pelas instalações portuárias brasileiras, constituindo-se no principal produto em tonelagem com um total de 311 milhões de t, 16,1% maior do que em (ANTAQ, 2011). Para esse ano, a 8

9 produção brasileira de minério de ferro, segundo dados do DNPM (2011), foi estimada em aproximadamente de 360 milhões de t, tem-se que o Brasil exportou mais de 85% do minério de ferro. A Figura 3 mostra a distribuição do minério de ferro entre instalações portuárias e a Figura 4 o comparativo de produção e exportação de minério de ferro. Figura 3. Distribuição do minério de ferro entre instalações portuárias em 2010 Fonte: Panorama Aquaviário, ANTAQ, Figura 4. Comparativa de produção e exportação de minério de ferro ( t Milhões) 9

10 Fonte: Panorama Aquaviário, ANTAQ, Em 2010, as exportações de minério de ferro foram de 305,9 milhões de t, com crescimento de 15,4% em relação a 2009, tendo como principais consumidores: China, Japão, Alemanha, Coréia do Sul e Argentina, os quais, juntos representam mais de 70% do minério exportado pelo Brasil (MDIC, 2011). A China é o principal consumidor do minério brasileiro. 4. Estudo de Caso A VALE é a segunda maior mineradora do mundo, maior produtora de minério de ferro e a segunda maior de níquel. Produz também cobre, carvão, manganês, ferro-ligas, fertilizantes, cobalto e metais do grupo da platina. Atua ainda nos setores de Logística, Siderurgia e Energia com ativos portuários, marítimos e ferroviários no Brasil, Indonésia, Moçambique e em Omã (VALE, 2010). A VALE tem como estratégia competitiva o domínio da infraestrutura logística de suas cadeias de suprimento, assegurando o escoamento de sua produção até os portos de exportação com segurança e eficiência. Um exemplo é o sistema integrado da cadeia do minério de ferro, que liga minas, ferrovias, portos e, mais recentemente, a navegação. (VALE, 2010). Terminal Marítimo de Ponta da Madeira (TMPM) O TMPM está inserido no Sistema Norte da empresa, composto pelas minas a céu aberto de Carajás (PA), por uma usina de beneficiamento de minério de ferro, pela Estrada de Ferro Carajás (EFC) e pelas instalações portuárias, correspondendo ao recebimento e descarga 10

11 de produtos, seu encaminhamento e estocagem intermediária nos pátios e recuperação e movimentação do produto até as instalações de embarque nos navios. O TMPM está em posição estratégica no Nordeste do Brasil, no estado do Maranhão, relativamente mais próximo aos mercados norte-americano e europeu. O principal mercado do minério de ferro e pelotas é o asiático, representando 49,4%, sendo a China, maior cliente com 35,6% da exportação, dados do terceiro trimestre de (VALE, 2011) O layout do TMPM é composto de Viradores de Vagões (Car Dumpers), Pátios de Estocagem (Stockyards), Planta de Pelotização (Pelletizing Plant) e três píeres (I, II e III). A Figura 5 ilustra as etapas do processo para a movimentação do minério de ferro. Figura 5. Processos de movimentação de minério no TMPM. Mina Carajás Ferrovia EFC Virador de Vagões Empilhamento Estocagem Recuperação Carregamento de Navios Processos TMPM Fonte:Autoria Própria 4.1 Geração de Resíduos no TMPM Para o processo de movimentação de minérios, o TMPM é composto por nove pátios de estocagem, com capacidade para armazenamento de materiais de 6,4 milhões de t. Os pátios são denominados por letras e neles são armazenados os produtos: Minério de ferro (Sinter feed, pellet feed, granulado), Pelotas e Manganês. (VALE, 2011) O pátio de estocagem interliga os processos de descarga e embarque do TMPM, onde atuam as seguintes máquinas: - Processo de descarga: Três empilhadeiras (EPs), duas com capacidades para fluxo nominal de t/h e uma de 8.000t/h; - Processo de embarque: Três recuperadoras (RPs) com capacidade para fluxo nominal de 8.000t/h e quatro empilhadeiras-recuperadoras (ERs) com mesma capacidade de fluxo nominal das recuperadoras. Para concluir o processo de embarque, os produtos são recuperados dos pátios através das RPs e ERs, transportados através de correias e embarcados pelos carregadores de navios 11

12 (CNs). A configuração final do embarque, de acordo com as particularidades do píer e restrições aos navios, é a seguinte: - Píer 1: Comprimento operacional de 490 m, composto de um berço para atracação com calado máximo de 23 m mais altura da maré. Composto de um CN, com capacidade para fluxo nominal de t/h. (VALE, 2011) - Píer 3: Comprimento operacional de 640 m, composto por dois berços para atracação (Sul e Norte) com calado máximo de 21 m mais altura da maré. Composto de três CNs, cada um possui capacidade para fluxo nominal de 8.000t/h. (VALE, 2011) Este estudo focaliza a redução de desperdícios no processo de recuperação de materiais no TMPM e para melhor análise da questão, foi elaborado um mapeamento das atividades componentes do processo, de modo a verificar os principais pontos de geração de resíduos no terminal, por meio de pesquisas realizadas junto à área de Recursos Operacionais e Limpeza Industrial do TMPM. Dessa forma, buscou-se obter como direcionamento os Pontos de Coletas (PCs) que mais geram resíduos nas proximidades dos pátios de estocagem e a partir daí foi realizado o trabalho em campo para busca dos pontos de perdas por queda de material no ambiente dos pátios de estocagem e máquinas de recuperação. Esse trabalho de campo foi possível pela colaboração efetiva dos responsáveis por essas áreas no TMPM, os quais também atenderam os autores quando da realização das entrevistas de campo. Os responsáveis pela área de recursos operacionais e limpeza industrial, que presta apoio às áreas de operação e manutenção, referente aos impactos de desperdícios de materiais, consolidam informações diárias sobre geração de resíduos no TMPM, a partir dos Pontos de Coletas (PC). Esses relatórios referentes ao período de Janeiro a Outubro de 2011 foram disponibilizados aos autores. A Figura 6 mostra o ranking de geração de resíduo por PC, nesse período, em t. A partir das informações dos Pontos de Coletas com maior geração de resíduos, foi feito um direcionamento para análise dos principais pontos de desperdícios de matérias no ambiente dos pátios de estocagem. Figura 6. Geração de Resíduos por PCs no TMPM Janeiro a Outubro

13 PC 01 PC 25 PC 02 PC 23 PC 24 PC 05 PC 06 PC 03 PC 26 PC 31 PC 30 PC 29 PC 14 PC 10 PC 09 PC 22 PC 12 PC 15 PC 21 PC 04 PC 28 PC17 PC 19 PC 27 PC 08 PC 13 PC 16 PC 07 PC 11 IX CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO Fonte: Controle de Geração de Resíduos. Vale, O gráfico da Figura 6 permite verificar que os principais PCs de geração de resíduos se encontram nas áreas de descarga (PC01 e PC02) e embarque (PC25, PC23 e PC24). Os PCs que darão um direcionamento para este trabalho seguem evidenciados com preenchimento no gráfico, onde na ordem dos piores pontos, segue seqüência: PC14, PC10, PC09, PC22, PC12, PC15, PC21, PC19, PC13, PC07, PC11. O volume total de geração de resíduo no período de janeiro a outubro de 2011, de acordo com a movimentação para os Pontos de Coletas (PCs) foi de 396,7 mil t. Entretanto, o material que foi removido dos PCs para os pátios de estocagem foi de 253,4 mil toneladas. 4.2 Resultados e discussões Nas pesquisas realizadas junto à área de Recursos Operacionais e Limpeza Industrial do TMPM buscou-se ter como direcionamento os Pontos de Coletas (PCs) que mais geram resíduos nas proximidades dos pátios de estocagem. Para análise crítica das diversas situações problemas, foi realizada a prática do gemba, expressão japonesa que se refere Vá e veja, ou seja, ir onde o processo acontece, está presente e visualizar os problemas em campo. Também se obteve o auxílio dos especialistas da área, como técnicos, operadores de máquinas e rotas. 13

14 Uma fonte de perda evidenciada pelas pesquisas refere-se à máquina recuperadora RP4, onde se apresentou queda de material causando problemas operacionais. Os efeitos que foram analisados nessa situação foram os seguintes: a) Acúmulo de resíduo de material no piso da mesa de giro, na parte superior e giro interno; b) Acúmulo de material na canaleta na parte interna da mesa de giro, com risco de rompimento do cabo de 4,16 kv do giro; c) Acúmulo de material na estrutura de translação. Verificou-se a instalação de uma calha logo abaixo do Transportador (TR) da lança, poderia ser uma melhoria para minimizar estas ocorrências. Também é importante ressaltar a presença e atuação eficaz dos raspadores, pois estes componentes contribuem de forma positiva para a não geração deste tipo de problema. Identificou-se projeto aberto junto à área de Engenharia para análise desta proposta de melhoria, pois em outras máquinas foi colocada a calha nesta posição com bons resultados. Outra situação constatada se apresentou durante a operação da máquina empilhadeirarecuperadora ER1, verificando-se o acúmulo de material em diversas partes da máquina. Após análise e discussão com a equipe de operação das máquinas de pátio, foi possível determinar que a causa do problema como uma falha operacional. Durante a operação de recuperação com manganês, a máquina operou de forma inadequada, provocando diversas perdas de material. Também se constatou outra falha referente a procedimentos, pois na mudança da máquina para empilhamento ou recuperação, é de responsabilidade do membro da equipe de manutenção o ajuste na máquina para levantar ou baixar a guia. No caso identificado, foi constatada falha nesse procedimento, tanto do operador da máquina quanto do funcionário da manutenção. Para solução da questão, foi realizado alinhamento geral com as equipes de operação e manutenção sobre esta problemática, para que ela não venha a ocorrer no futuro. 5. Conclusões e recomendações O objetivo geral do trabalho, referente à identificação e análise de perdas devido à queda de material do processo de recuperação no TMPM, foi alcançado ao se evidenciar as etapas durante a operação das máquinas de recuperação. 14

15 A proposição de melhorias atendeu as expectativas, sendo que para cada situação evidenciada como problemática foram realizadas análises e apresentações aos especialistas no processo de recuperação, de modo a se mostrar as causas de problema identificadas, assim como, propostas de melhoria. Dessa forma, pode-se concluir que o estudo contribuiu para o conhecimento dos processos inerentes aos Pátios de Estocagem, tais como o de recuperação, análise das informações sobre as máquinas de pátio, procedimentos operacionais e análise crítica sobre as falhas no processo. É importante referenciar a disponibilidade das informações da área de Recursos Operacionais e Limpeza Industrial, guia para início e desenvolvimento das atividades da pesquisa. Outra questão relevante foi a disponibilidade dos respondentes e dos responsáveis pelas áreas visitadas em apoio ao desenvolvimento e validação dos estudos realizados e à discussão proveitosa da formulação e das propostas de melhorias apresentadas. Pode-se sugerir como estudos futuros, a continuidade na investigação das perdas resultantes da queda de material ao longo do processo de recuperação, Para tanto, deve-se estruturar informações em banco de dados para tratamento dos principais impactos. Logicamente, esses estudos devem fazer conexão com o Sistema de Produção VALE (Vale Production System VPS), atendendo seus requisitos. Referências ALFREDINI, P. & ARASAKI, E. Obras e Gestão de Portos e Costas: A técnica aliada ao enfoque logístico e ambiental. 2 ed. São Paulo: Edgard Blucher, ANTAQ. Panorama Aquaviário. Vol. 6. Brasília, BOWERSOX, D.J., CLOSS D.J. & COOPER, M.B. Logistical Management The Integrated Supply Chain Process. U. S. A: MacGraw-Hill, BRITO, P. Muito a Navegar: Uma análise logística dos portos brasileiros. Rio de Janeiro: Topbooks, CHRISTOPHER, M. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: Criando redes que agregam valor. 2 ed. São Paulo: Cengage Learning, DNPM - Departamento Nacional de Produção Mineral. Disponível em <www. dnpm.gov.br >. Acesso em 03 dez

16 GUINATO, P. Sistema Toyota de Produção: Mais do que simplesmente Just-in-Time. Caxias do Sul: EDUCS, MDIC Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Disponível em < >. Acesso em 03 dez OHNO, T. O Sistema Toyota de Produção: Além da produção em larga escala. Porto Alegre: Artes Médicas, PORTER, M.E. Competitive Advantage Creating and Sustaining Superior Performance. U. S. A.: Free Press, ROBLES, L.T. A prestação de serviços de logística integrada na indústria automotiva no Brasil: em busca de alianças estratégicas logísticas. Tese (Doutorado em Administração). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, FEA- USP: São Paulo, SHINGO, S. O Sistema Toyota de Produção: Do ponto de vista da Engenharia de Produção. Porto Alegre: Bookman, VALE S/A. Controle de Geração de Resíduos. Disponível em < Acesso em 12 nov VALE. São Luís, Manual de operação: Princípios básicos para um bom desempenho de uma recuperadora de granéis sólidos. São Luís, Relatório de Produção do 3T11. Rio de Janeiro, WOMACK, J.P. & JONES, D.T. A Mentalidade Enxuta. Rio de Janeiro: Campus, i Kanban. Ferramenta visual para controle reabastecimento de materiais para produção, reduzindo tempos e estoques nas linhas de montagem. ii Porter (1998) propõe três estratégias genéricas: Liderança de custos referente à empresa de menor custo no setor; a diferenciação de produtos, agregando valor para clientes e enfoque em determinado segmento do mercado. iii Calado: é a medida de profundidade de um navio carregado desde a linha da água até o fundo do caso. ALFREDINI e ARAZAKI (2009). iv ANTAQ Agência Nacional de Transporte Aquaviário criada pela Lei de Junho de 2001 para atuar em relação à navegação fluvial, lacustre, de travessia, de apoio marítimo, de apoio portuário, de cabotagem e de longo curso; os portos organizados; os terminais portuários privativos; o transporte aquaviário de cargas especiais e perigosas e a exploração da infraestrutura aquaviária federal 16

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão Estamos presentes em mais de 38 países Geramos mais de 174 mil empregos no mundo Além de minérios, atuamos na área de fertilizantes e nos segmentos de logística, energia

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO TERMINAL DE TUBARÃO

MEMORIAL DESCRITIVO DO TERMINAL DE TUBARÃO ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO PÁGINA 1 INFORMAÇÕES DOS TERMINAIS PORTUÁRIOS 3 2 TERMINAIS PORTUÁRIOS DO COMPLEXO DE TUBARÃO 3 3 4 3.1 TERMINAL PORTUÁRIO DE MINÉRIO DE FERRO DE TUBARÃO - TU 4 3.1.1. PÍER 1 - NORTE

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046

SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SISTEMAS DE TRANSPORTES TT046 Prof. Eduardo Ratton Prof. Garrone Reck Prof a. Gilza Fernandes Blasi Prof. Jorge Tiago Bastos Prof a. Márcia de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

CADASTRO DE VISTORIA

CADASTRO DE VISTORIA 01 - Empresa: COMPANHIA VALE DO RIO DOCE - CVRD 02 - Endereço da Sede (Rua, Avenida, etc) Avenida Dante Micheline 04 - Complemento: Ponta de Tubarão 08 - CEP: 29090-900 11 CNPJ/MF: (Sede) 33 592 510 /

Leia mais

Palavras-chaves: Overall Equipment Effectiviness (OEE); Gestão do Processo de Recuperação de Minério; TPPM; VALE.

Palavras-chaves: Overall Equipment Effectiviness (OEE); Gestão do Processo de Recuperação de Minério; TPPM; VALE. A FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS (OEE) NA GESTÃO DE PRODUTIVIDADE DE MÁQUINAS DE PÁTIO: ESTUDO DE CASO NO TERMINAL PORTUÁRIO PONTA DA MADEIRA (TPPM) felipe george gomes pereira (EBEI ) felipegeorge10@hotmail.com

Leia mais

A CLASSIFICAÇÃO DO TRANSPORTE DE SAL NA COSTA DO ESTADO DO RN COMO ATIVIDADE DE NAVEGAÇÃO DE APOIO PORTUÁRIO E A RESOLUÇÃO Nº 1.766, DE 23 DE JULHO

A CLASSIFICAÇÃO DO TRANSPORTE DE SAL NA COSTA DO ESTADO DO RN COMO ATIVIDADE DE NAVEGAÇÃO DE APOIO PORTUÁRIO E A RESOLUÇÃO Nº 1.766, DE 23 DE JULHO A CLASSIFICAÇÃO DO TRANSPORTE DE SAL NA COSTA DO ESTADO DO RN COMO ATIVIDADE DE NAVEGAÇÃO DE APOIO PORTUÁRIO E A RESOLUÇÃO Nº 1.766, DE 23 DE JULHO DE 2010 BREVE HISTÓRICO DO TERMINAL SALINEIRO DE AREIA

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 -

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Brochura - Panorama ILOS Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Por que adquirir este Panorama ILOS? O Supply Chain Finance é a forma

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

O PAPEL DO OPERADOR LOGÍSTICO O PROCESSO DE AGREGAR VALOR AO CLIE TE ESTUDO DE CASO DA FASSI A

O PAPEL DO OPERADOR LOGÍSTICO O PROCESSO DE AGREGAR VALOR AO CLIE TE ESTUDO DE CASO DA FASSI A O PAPEL DO OPERADOR LOGÍSTICO O PROCESSO DE AGREGAR VALOR AO CLIE TE ESTUDO DE CASO DA FASSI A Thames Richard Silva Dissertação de Mestrado em Gestão de Negócios, Programa de Pós-Graduação em Gestão de

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO

ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) ESTRUTURANDO O FLUXO PUXADO Exercícios de Consolidação Gabarito 1 º Exercício Defina os diferentes

Leia mais

Acompanhamento de Preços e Desempenho Operacional dos Serviços. Portuárias e Hidroviárias ENEPh

Acompanhamento de Preços e Desempenho Operacional dos Serviços. Portuárias e Hidroviárias ENEPh DESEMPENHO PORTUÁRIO Sistema Permanente de Acompanhamento de Preços e Desempenho Operacional dos Serviços Portuários XXI Encontro Nacional de Entidades Portuárias e Hidroviárias ENEPh Santos, 30 de Março

Leia mais

II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO

II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DESEMPENHO PORTUÁRIO EFICIÊNCIA PORTUÁRIA: ESTUDO DE CASO NO TERMINAL MARÍTIMO PONTA DA MADEIRA - VALE Eixo Temático: Gestão Logística e Operações Luís Carlos Carvalho Nunes

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA

PORTO MEARIM AESA UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA v UM PORTO NÃO É GRANDE APENAS POR SEU CAIS, SUA INFRAESTRUTURA OU CAPACIDADE LOGÍSTICA UM PORTO É UM GRANDE PORTO QUANDO ELE OFERECE OPORTUNIDADES No litoral Maranhense, na margem leste da Baía de São

Leia mais

2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento.

2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento. 2º Fórum Sobre Hidrovias As Hidrovias como fator de desenvolvimento. A Evolução Clique para das editar Hidrovias o estilo Brasileiras do subtítulo mestre Visão da CNT Marcos Machado Soares Advogado e Diretor

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão da Produção Industrial 4ª Série Gerenciamento da Produção A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA OVERALL EQUIPMENT EFFECTIVINESS (OEE) NA PRODUTIVIDADE DE MÁQUINA DE PÁTIO: ESTUDO DE CASO NO TERMINAL PORTUÁRIO PONTA DA MADEIRA (TPPM) FELIPE GEORGE GOMES PEREIRA

Leia mais

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO

NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO NOVEMBRO 2011 IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA PORTO HOJE PLANO ESTRATÉGICO 1 LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA MUNDIAL Rotterdam (5) (1) (4) Porto do Itaqui (3) (2) Itaqui China (Shangai) (1) Via Canal Panamá ~ 12.000

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Gildo Neves Baptista jr AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA

Leia mais

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE 20-21 Maio de 2013 Tivoli São Paulo Mofarrej São Paulo, Brasil ENTREVISTA EXCLUSIVA COM O PALESTRANTE Fernando Cotrim Supply Chain Director, Rio 2016 Perguntas: Quais são os desafios de gerenciar o Supply

Leia mais

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS http://www.administradores.com.br/artigos/ OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração

Leia mais

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013

PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 PESQUISA CNT DA NAVEGAÇÃO INTERIOR 2013 Considerando o potencial de expansão do transporte hidroviário, a sua importância para o desenvolvimento econômico, social e ambiental do Brasil e a necessidade

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO

PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA URBANA NA ENTREGA DE MATERIAIS HOSPITALARES UM ESTUDO INVESTIGATIVO Frederico Souza Gualberto Rogério D'Avila Edyr Laizo Leise Kelli de Oliveira PROBLEMAS ATUAIS DA LOGÍSTICA

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes

FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais ACI Atividade Curricular Interdisciplinar Prof. Marcus Fontes AULA PASSADA: GESTÃO DE COMPRAS: PROCESSOS DE FORNECIMENTO UMA REVISÃO

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

Com característica de transporte de cargas com grandes volumes e conseqüente redução de custos, o transporte marítimo na matriz de transporte

Com característica de transporte de cargas com grandes volumes e conseqüente redução de custos, o transporte marítimo na matriz de transporte 61 6 Conclusão Neste capítulo apresentaremos algumas conclusões sobre o conteúdo deste trabalho, tais conclusões servirão para avaliar a atual situação logística do comércio exterior brasileiro através

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

PROCEDIMENTO. IT-0401-00014 - Livre Acesso aos Terminais

PROCEDIMENTO. IT-0401-00014 - Livre Acesso aos Terminais PROCEDIMENTO Nº Revisão: 3 Data: 20/05/2013 1 OBJETIVO 2 2 ABRANGÊNCIA 2 3 REFERÊNCIAS 2 4 DEFINIÇÕES 3 5 INSTRUÇÕES 4 Nº Revisão 3 Data: 20/05/2013 1 1 OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo definir

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE...

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... HISTÓRICO... 05 MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... 10 EVOLUIR SEMPRE... 12 ALTA TECNOLOGIA PARA GRANDES RESULTADOS... 15 EQUIPAMENTOS...

Leia mais

Logística e Infra-estrutura

Logística e Infra-estrutura Siderurgia Mineração Cimento Logística e Infra-estrutura CSN apresenta Plataforma Logística CSN em Itaguaí Plataforma Logística CSN em Itaguaí Um projeto alinhado às necessidades do Brasil Plataforma Logística

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. "Uma arma verdadeiramente competitiva"

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Uma arma verdadeiramente competitiva Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos "Uma arma verdadeiramente competitiva" Pequeno Histórico No período do pós-guerra até a década de 70, num mercado em franca expansão, as empresas se voltaram

Leia mais

Logística Lean para a Eliminação do Warehouse

Logística Lean para a Eliminação do Warehouse Logística Lean para a Eliminação do Warehouse Nelson Eiji Takeuchi Uma cadeia logística convencional é composta por logística inbound, logística outbound, warehouse e movimentação interna. Fala-se que

Leia mais

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém

Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Concepção do Complexo Portuário da EMBRAPS em Santarém Objetivo Elaborar o projeto conceitual do Terminal Portuário da EMBRAPS em Santarém, para exportação de granéis sólidos (soja e milho). O projeto

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Prof. Eric Duarte Campos

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Prof. Eric Duarte Campos INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Prof. Eric Duarte Campos Objetivos da aula: O objetivo dessa aula é apresentar Noções de tipos básicos de tomadas de decisões; Objetivos da Administração Financeira.

Leia mais

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO DE OPERADOR PORTUÁRIO ÍNDICE 1. DO OBJETO 2. DAS DEFINIÇÕES 3. DA COMPETÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO 4. DA ATIVIDADE DO OPERADOR PORTUÁRIO 5. DA SOLICITAÇÃO 6. DAS CONDIÇÕES GERAIS

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO

CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO PORTO CENTRAL CONDOMINIO INDUSTRIAL MARITIMO VITORIA, 01/8/2012 Jose Maria Novaes 3-8-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Porto Central Visão Ser um complexo portuário indústrial de águas profundas

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA ROTEIRO TMS GESTÃO DE TRANSPORTES PRA QUE SERVE? NÍVEIS DE DECISÃO QUAL A UTILIDADE? BENEFÍCIOS MODELOS EXERCÍCIO GESTÃO DE TRANSPORTE

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Estudo realizado com 259 empresas; Faturamento das empresas pesquisadas representando mais de 30% do PIB brasileiro; O objetivo principal é mapear e avaliar a importância

Leia mais

REGULAMENTO DE EXPLORAÇÃO DO TERMINAL DA FLEXIBRÁS TUBOS FLEXÍVEIS LTDA.

REGULAMENTO DE EXPLORAÇÃO DO TERMINAL DA FLEXIBRÁS TUBOS FLEXÍVEIS LTDA. REGULAMENTO DE EXPLORAÇÃO DO TERMINAL DA FLEXIBRÁS TUBOS FLEXÍVEIS LTDA. 1 Disposições Iniciais...3 Normas gerais...4 Condições de Uso de Instalações de Acostagem...5 Da Operação Portuária...5 Do Manuseio

Leia mais

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não.

TABELA I. Por tonelada de porte bruto das embarcações que adentrarem ao Porto com outros fins que não a movimentação de cargas, atracadas ou não. TABELA I UTILIZAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE PROTEÇÃO E ACESSO AQUAVIÁRIO PORTUÁRIA TAXAS DEVIDAS PELO ARMADOR 1. Por Tonelagem de Porte Bruto das Embarcações Por unidade 1.1 Na movimentação de contêineres

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

Sobre a Universidade Banco Central do Brasil (UniBacen)

Sobre a Universidade Banco Central do Brasil (UniBacen) Sobre a Universidade Banco Central do Brasil (UniBacen) Histórico A UniBacen é um departamento vinculado diretamente ao Diretor de Administração do Banco Central do Brasil (BCB), conforme sua estrutura

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

Gestão da Qualidade por Processos

Gestão da Qualidade por Processos Gestão da Qualidade por Processos Disciplina: Gestão da Qualidade 2º Bimestre Prof. Me. Patrício Vasconcelos adm.patricio@yahoo.com.br Gestão da Qualidade por Processos Nas empresas, as decisões devem

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s

Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s 1 Guia de recomendações para implementação de PLM em PME s RESUMO EXECUTIVO Este documento visa informar, de uma forma simples e prática, sobre o que é a gestão do ciclo de vida do Produto (PLM) e quais

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

Aplicação dos princípios de Administração da Produção em uma indústria química

Aplicação dos princípios de Administração da Produção em uma indústria química Aplicação dos princípios de Administração da Produção em uma indústria química 1 Laureilton José Almeida BORGES; 1 Fádua Maria do Amaral SAMPAIO; 1 Luciana MENDONÇA; 2 Wemerton Luís EVANGELISTA. 1 Estudante

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

Secretaria Especial de Portos da Presidência da República O Porto como Elo Fundamental de uma Cadeia Logística Segura Luis Claudio Santana Montenegro Secretaria Especial de Portos / Presidência da República

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DE VITÓRIA

REVITALIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DE VITÓRIA REVITALIZAÇÃO DO CAIS COMERCIAL DO PORTO DE VITÓRIA O projeto de revitalização do Porto de Vitória é uma obra do Plano de Aceleração do Crescimento PAC e complementa os projetos de Ampliação do Cais Comercial,

Leia mais

PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO!

PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO! PORTO CENTRAL SEJA BEM VINDO! 17-4-2012 Copyright - PORTO CENTRAL - 2012 1 Agenda: O projeto, missão, visão e estratégia Porto Central: Localização e hinterlândia Acessos Projeto conceitual Cargas e atividades

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras

Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras RP1102 Gestão Estratégica do Suprimento e o Impacto no Desempenho das Empresas Brasileiras MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS PRÁTICAS DE COMPRAS EM MÉDIAS E GRANDES EMPRESAS NO BRASIL Coordenadores Paulo Tarso

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Planejamento logístico,

Planejamento logístico, gestão empresarial - Gerenciamento de Ferramentas Planejamento logístico, ótimo caminho para a redução de custos AB Sandvik Coromant Fundamental para a redução dos custos de estoque e de produção, processo

Leia mais

Guia de Boas Práticas

Guia de Boas Práticas específico para a Gestão de Mercados Atacadistas Sob a presidência de Mário Maurici de Lima Morais, Presidente da ABRACEN, foi criada uma equipe de trabalho dos membros da ABRACEN para a redação do presente.

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí

Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Gerenciamento e planejamento de estoque em lojas de mini departamentos do município de Bambuí Warlei Laurindo Martins¹; Andriele de Oliveira Bernades¹; Juliana de Souza Santos¹;Pedro H. Gomes Lima¹; Diego

Leia mais