Mantenha suas instâncias virtuais com o pacote de aplicativos RHEV da Red Hat. Malabarista virtual

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mantenha suas instâncias virtuais com o pacote de aplicativos RHEV da Red Hat. Malabarista virtual"

Transcrição

1 Mantenha suas instâncias virtuais com o pacote de aplicativos RHEV da Red Hat Andi Sailer sxc.hu ANÁLISE Malabarista virtual A Red Hat está mais próxima de uma solução de virtualização corporativa completa com o RHEV mas não jogue fora sua licença do Windows. por Thomas Drilling No fim de 2008, a Red Hat adquiriu o fornecedor de gerenciamento KVM Qumranet. Uma versão modificada e em rede de suíte de gerenciamento Qumranet chegou em 2009 com o nome de Red Hat Enterprise Virtualization (RHEV) [1] (figura 1) como uma ferramenta integrada de suporte e gerenciamento de máquinas virtuais. O RHEV oferece uma solução corporativa completa, consistido de vários componentes integrados em baixo nível. O Gerenciador de virtualização (RHEV-M) é o componente central que age como uma plataforma de gerenciamento para instalação, configuração e gerenciamento de hipervisores e servidores virtuais ou instâncias de desktops. A ferramenta Data Warehouse do RHEV-M (figura 2), integrada ao RHEV Manager, possibilita o uso de qualquer ferramenta SQL para coletar e avaliar dados de desempenho de hosts, MVs e memória. O pacote também inclui um sistema hipervisor (RHEV-M) que é basicamente uma versão minimalista do Linux Red Hat com KVM. O RHEV-H original é um cliente Linux de 100MB que cabe dentro 58

2 RHEV ANÁLISE de um pen drive USB. Como alternativa, os administradores podem usar um sistema RHEL 5.4 ou 5.5 já existente. Até o momento, o RHEV versão 2.1 é o mais recente, porém a versão 2.2 já está chegando ao mercado. A Red Hat fez grandes mudanças na versão 2.2. O limite de 64 GB de RAM para a máquina virtual foi estendido para 256 GB; o OS hipervisor baseia-se no kernel do RHEL 5.5 e o host do RHEV suporta agora até 96 cores de CPU e 1 TB de RAM. O Red Hat Enterprise Virtualization está disponível a um preço de 500 euros mais ou menos (mais as licenças RHEL). É possível usar o gerenciador de virtualização para configurar, gerenciar e monitorar ambientes virtuais. O produto integra versões de busca, relatórios e avaliações, além de uma coleção de filtros para eventos (figuras 3 e 4). Se estiver pensando em migrar de um outro ambiente de virtualização, é possível também converter e importar containers VMware e domínios Xen. A Red Hat vê o RHEV como uma nuvem, similar ao vsphere da VMware. Um fato um tanto embaraçoso para a Red Hat (distribuidora líder do Linux) é que o RHEV-M ainda é apenas um aplicativo web desenvolvido como plataforma Solid ICE pela Qumranet com Active Server Pages (ASP), precisando, assim, do uso do servidor da Microsoft 2003 R2 com Active Directory, o servidor SQL da Microsoft, e um ambiente.net. Muitos ambientes corporativos preenchem essas condições, porém isso significa que a interface administrativa só pode ser executada no Windows. Além disso, os usuários que querem fazer login no RHEV- M precisam de uma conta no Active Directory. O gerente de Marketing de produtos da Red Hat, Geert Jansen, garante que uma solução em Quadro 1: Ferramentas de conversão Um dos novos recursos do RHEV 2.2 é a capacidade de converter formatos de imagem VMware e Microsoft (VMDK e VHD), facilitando o trabalho dos usuários que se preparam para fazer a transição para um novo hipervisor. O Red Hat Enterprise Virtualization inclui o V2V (Virtual-to-Virtual), uma ferramenta de conversão com essa finalidade; a ferramenta é baseada na libguestfs [2], biblioteca de código aberto. O V2V converte imagens de máquinas virtuais de VMware ou Xen para o Open Virtualization Format (OVF), que pode então ser importado pelo RHEV sem nenhum problema. O RHEV atualmente suporta MVs com o Red Hat Enterprise Linux (RHEL) 3, 4 e 5, bem como o Microsoft Windows XP e Server 2003 e O RHEV possui também uma função de exportação que permite aos administradores transferir MVs e templates entre diversas instalações e é, portanto, apropriado como solução de backup. Java está sendo desenvolvida (veja em Questão de Tempo ). Configuração do RHEV hipervisor Os administradores vão preferir usar a imagem ISO do RHEV hipervisor ao invés do sistema RHEL, pois o mini sistema do hipervisor pode ser perfeitamente customizado para o RHEV. Por exemplo, ele inclui um conteúdo Linux SE otimizado que suporta acesso granular das MVs a todos os recursos que vão além dos controles de acesso de processamento de ID e usuário (Mandatory Access Control Controle de Acesso Obrigatório). Os administradores podem copiar o arquivo rhev hypervisor.iso para um pen drive USB, um CD ou um servidor PXZ. Qualquer Live CD do Red Hat contém as ferramentas necessárias. O comando livecdiso-to-disk copia a ISO para o pen drive; live iso to pexeboot extrai o kernel e o initrd do arquivo ISO e os copia para o servidor PXZ. É possível usar uma ferramenta padrão como o Cdrecord para queimar a ISO no CD: cdrecord v dev=/dev/cdrom/usr /share/rhev hypervisor /rhv hypervisor.iso Um programa de configuração está disponível para instalar o RHEV- H no host. É preciso passar alguns parâmetros no prompt de inicialização. Outra maneira seria usando a estrutura de menu da interface gráfica (figura 3) para configurar, a rede e o sistema de arquivos para os hosts. É necessário também registrar Figura 1 A interface de gerenciamento RHEV permite consultar o status de máquinas virtuais ativas e iniciar novas máquinas virtuais. Linux Magazine #69 Agosto de

3 ANÁLISE RHEV Figura 2 O banco de dados integrado suporta uma variedade de relatórios e avaliações na interface de gerenciamento, este exemplo informa sobre a carga da CPU dos hosts e das máquinas virtuais. Quadro 2: Drivers I/O virtuais o host no sistema de gerenciamento responsável por ele. Felizmente, o programa de configuração possui bons padrões para quase tudo. Após completar a configuração, começa o processo de instalação: escolha Install Locally and Reboot. Após a reinicialização, o novo sistema aparecerá na lista de guests virtuais no sistema de gerenciamento. Mais pacotes Se for usar um host RHEL 5 normal como um hipervisor, será necessária uma CPU com extensão de virtualização (egrep > (vmx svm) > /proc/ Além do Gerenciador de Virtualização, os componentes mais importantes da infraestrutura RHEV são os sistemas de host físico executando o hipervisor RHEV-H ou o RHEL 5. O KVM oferece três diferentes alternativas ao sistema visitante para acessar o hardware do host. O acesso mais rápido é conseguido através de PCI passthrough e dispositivos de I/O virtuais. Esses drivers paravirtualizados estavam disponíveis anteriormente principalmente para sistemas visitantes Linux, e a maioria das distribuições os incluíam entre seus pacotes. Antes da contribuição da Red Hat, os drivers I/O virtuais para sistemas Windows estavam restritos a algumas placas de rede incluídas no CD de drivers do KVM [3]. No decorrer do trabalho de desenvolvimento do RHEV, a Red Hat lançou mais drivers de rede e de armazenamento paravirtualizados para executar sistemas guest do Windows no KVM [4]. Além disso, versões 5.3 ou maiores do RHEL automaticamente carregam drivers KVM paravirtualizados, eliminando a necessidade de atenção manual por parte do administrador. Graças aos drivers I/O virtuais no sistema visitante, o desempenho é ligeiramente inferior à velocidade de acesso nativa do host, considerando-se que drivers emulados tornam o sistema significativamente mais lento. Aliás, os sistemas visitantes do Windows XP não suportam blocos de drivers paravirtualizados (virtio block driver), mas somente os drivers de rede. cpuinfo) e alguns pacotes adicionais. Além do KVM, instalado por padrão, esses pacotes incluem bridge-utils`` e opcionalmente fenceagents para os clusters Red Hat onde os hosts que falharem serão reiniciados automaticamente. O RHEV hipervisor usa o seu próprio protocolo VDSM para se comunicar com o sistema de gerenciamento, por isso, diferentemente do KVM, é preciso instalar os pacotes vdsm-reg e vdsm-cli além do vdsm. O vdsm-cli cuida do registro no gerenciador de virtualização e o vdsm-reg suporta linhas de comando baseadas em controle de host. Para que isso funcione remotamente, também é preciso instalar um servidor SSH. O motivo desse passo é que a Red Hat ainda não implementou a Libvirt em suas funcionalidades. De acordo com a Red Hat, isso é só questão de tempo. A Red Hat desenvolveu a Libvirt especialmente para o KVM e o Xen; os administradores podem usá-la para configurar máquinas virtuais em arquivos XML e depois executar virsh para controlá-los, mas não no REHV. Portas necessárias Após instalar todos os pacotes, certifique-se de que os seguintes serviços estão sendo executados: vdsm, vdsm-reg e sshd. O sshd também é necessário para o registro no gerenciador de virtualização. Se houver um firewall entre o RHEL hipervisor e o sistema de gerenciamento, será necessário permitir o acesso baseado no console das seguintes portas à máquina virtual: 22 (SSH), (Libvirt), (VDSM), além da 5634 e 6166, mais a e a para migração das VMs entre vários hosts. Após instalar e reiniciar o sistema host (ou sistemas) e configurar o sistema de gerenciamento, será preciso registrar os sistemas host na interface RHEV-M. Para isso, acesse https:// 60

4 RHEV ANÁLISE Quadro 3: Questão de tempo Geert Jansen, Gerente de Marketing de Produto da Red Hat, respondeu nossas perguntas sobre o Red Hat Enterprise Virtualization. Linux Magazine» Sr. Jansen, por que a Red Hat não foi capaz de introduzir uma solução de nuvem corporativa baseada em Linux, com um conjunto de gerenciamento que não dependa da tecnologia ASP da Microsoft? Geert Jansen» Nós adquirimos nosso sistema de gerenciamento quando assumimos a Qumranet em A Qumranet era uma empresa startup israelense dedicada a infraestruturas de desktops virtuais (VDIs), um campo dominado pelo Windows. Por isso a Qumranet escolheu a tecnologia do Windows para sua interface de gerenciamento. A Red Hat está trabalhando para portar a RHEV-M de C para uma versão Java para várias plataformas. Estamos fazendo progressos fantásticos, e a versão compatível estará disponível em um futuro próximo. Se quiser acompanhar o desenvolvimento, confira o blog de notícias [5]. Isto também lhe dará uma visão global do nosso roteiro e da nossa abordagem. LM» O que há de mais recente sobre os drivers I/O para o Windows? O pacote RHEV incluirá mais drivers para guests Windows do que o CD de driver KVM opcional ou o pacote virtio-win no Red Hat Enterprise Linux Complementary Channel? GJ» Suportamos drivers I/O virtuais para o Windows XP, Windows 2003 (R2) e Windows 2008 (R2). Drivers para o Vista e o Windows 7 estarão disponíveis em breve, juntamente com a funcionalidade VDI no RHEV 2.2. LM» Por que o RHEV 2.2 não suporta mais a Libvirt? Por que um novo protocolo foi introduzido, o Virtual Desktop Server Manager (VDSM)? GJ» O VDSM faz algumas coisas que a Libvirt não pode fazer, incluindo o gerenciamento de banda, bonds, multipathing, e snapshots. Assim que introduzirmos esses recursos na Libvirt, iremos utilizá-la. RHEV M_Host/RHEVManager (endereco da maquina instalada RHEV-M) e adicione o sistema à lista de host em Host / New. Forneça o endereço IP ao RHEL ou host RHEV, com a senha do root e o número da porta VDSM. É preciso também atribuir o host a um cluster RHEV. Um clique final em Ok inicia o processo de registro, quando o host irá baixar o arquivo de boot correspondente (um script Python) do sistema de gerenciamento e executar o script. Então, o sistema irá constar da lista de host do gerenciador e poderá acessar todos os recursos do cluster. Os administradores podem criar máquinas virtuais no menu Virtual Machines / New. Como mostra a figura 4, alguns templates estão disponíveis para isso; eles contêm configurações típicas de CPU, RAM, domínio de armazenamento ou rede. Após criar a máquina virtual, selecione o item Run once para iniciá-la. A máquina virtual acessa um arquivo ISO a partir do domínio de armazenamento apropriado para instalar o sistema operacional. Caso possua o Red Hat Network Satellite Server (RHNS), é possível usar aqui, como alternativa, a instalação baseada em PXE. Se a instalação da máquina virtual der certo, ela irá aparecer na lista de interface de gerenciamento do host. Virtualização do desktop O VNC transfere o conteúdo da tela de uma instância de desktop virtual entre o servidor e o cliente usando o Protocolo Remote Framebuffer, tornando a plataforma VNC independente, mas também lenta. O RDP é uma implementação no cliente do protocolo de servidor de terminal da Microsoft, e também não funciona muito bem para o conteúdo multimídia como VNC. O streaming de mídia ou VoIP estão fora de cogitação, e não é possível anexar um hardware externo à estação de trabalho local e utilizá-los. Isso fez com que a Red Hat usasse o Protocolo Simples da Qumranet, ou Spice [5], no RHEV além dos padrões VNC e RDP já estabelecidos. De acordo com a Red Hat, o suporte ao Spice transformou problemas anteriores em coisas do passado. Figura 3 A função de pesquisa na interface de gerenciamento RHEV-M suporta filtragem de máquinas virtuais, por exemplo, através de sistema operacional e consumo de memória. Linux Magazine #69 Agosto de

5 ANÁLISE RHEV Figura 4 O RHEV gerencia todos os recursos físicos e lógicos de centrais de dados. Uma central de dados é criada pelo processo de instalação e os administradores podem adicionar outras, conforme for necessário. Conclusão Administradores de Linux e divulgadores do código aberto ficarão desapontados com o RHEV em vários aspectos: não é possível usar o console de gerenciamento no Linux e os sites de construção do ambiente estão em outros locais (Libvirt/VDMS, Spice). Os usuários precisam esperar pelas peças finais. Isso posto, vale a pena investigar o RHEV. Graças ao sistema de gerenciamento, a instalação e o gerenciamento de servidores e desktops virtuais são muito mais elegantes que o sistema de linha de comando KVM/Qemu. O conjunto integra-se aos produtos cluster da Red Hat, dando ao pacote um destaque no mercado do código aberto. Infelizmente, um servidor Windows ainda é necessário (até o 2003 R2), além do Active Directory, do servidor SQL da Microsoft e do ambiente.net. Os executivos da Red Hat estão mais chateados com isso do que qualquer um com o fato de terem falhado em apresentar uma solução de virtualização corporativa completamente baseada em Linux mas, se serve de consolo, o RHEV está no caminho certo. n O Spice é uma arquitetura de múltiplas camadas com servidor, cliente e driver instalada no desktop virtual. A Red Hat trabalha para tornar a plataforma Spice independente; os clientes suportados no momento são o RHEL 5 desktop e o Windows XP. O servidor Spice é um dispositivo VDI no sistema host emulando um dispositivo PCI. No lado do cliente, é um navegador ou um aplicativo cliente dedicado. O broker de conexão RHEV- M decide se um usuário pode acessar um desktop dedicado do conjunto de desktops. Para mapear tudo isso na hora de criar a máquina virtual, atribua explicitamente os desktops virtuais permitidos a cada usuário ou grupo. Mais informações [1] RHEV: [2] Libguestfs: [3] CD do driver do KVM: [4] Drivers de sistema guest paravirtualizado da Red Hat: kvm.org/page/windowsguestdrivers /Download_Drivers [5] Spice: [6] Atualizações do blog sobre conversão Java do RHEV-M: c to java.html Sobre o autor Owen DeLong é um adepto do IPv6 na Hurricane Electric e membro da Conselho Consultivo da ARIN. Ele tem mais de 20 anos de experiência como engenheiro de rede com sólida experiência em Administração de Sistemas. Owen geralmente dá palestras educativas sobre IPv6 em todo o mundo. Também é piloto comercial e instrutor de mergulho. Gostou do artigo? Queremos ouvir sua opinião. Fale conosco em Este artigo no nosso site: 62

6 Conheça a nova coleção de livros da Linux New Media Os livros da Coleção Academy são roteiros práticos e objetivos, com didática adequada tanto ao profissional quanto ao estudante da área de TI. Um roteiro claro e compartimentado em atividades coesas e práticas. Essa foi a premissa para a formulação da coleção Academy. Diferente dos manuais de referência ou de guias de primeiros passos, o leitor encontra nos livros dessa coleção objetividade e didática adequadas tanto ao Luciano Antonio Siqueira profissional quanto ao estudante da área de TI. O conteúdo e o formato são desenvolvidos a partir da experiência prática e educacional, com foco no desenvolvimento de competências. Cada tópico tratado está costurado com os demais, mas são contextualizados individualmente para facilitar o aprendizado por etapas. Infraestrutura O material aqui apresentado é indicado tanto para autodidatas quanto para utilização em escolas. O professor irá se sentir confortável para desenvolver as atividades a partir do livro, que procura atender tanto à expectativa do aprendiz quanto à demanda profissional do mercado TI. de Redes ISBN: Interligando Windows e Linux com Samba Paulo Henrique Alkmin da Costa Paulo Henrique Alkmin da Costa Um roteiro claro e compartimentado em atividades coesas e práticas. Essa foi a premissa para a formulação da coleção Academy. Diferente dos manuais de referência ou de guias de primeiros passos, o leitor encontra nos livros dessa coleção objetividade e didática adequadas tanto ao profissional quanto ao estudante da área de TI. O conteúdo e o formato são desenvolvidos a partir da experiência prática e educacional, com foco no desenvolvimento de competências. Cada tópico tratado está Samba: costurado com os demais, mas são contextualizados individualmente para facilitar o aprendizado por etapas. O material aqui apresentado é indicado tanto para autodidatas quanto para utilização em escolas. O professor irá se sentir confortável para desenvolver as atividades a partir livro, que procura atender tanto à com Windows expectativa do aprendiz quanto à demanda profissional do mercado de TI. e Linux ISBN: Máquinas virtuais com VirtualBox Luciano Antonio Siqueira Luciano Antonio Siqueira Máquinas virtuais com VirtualBox Passo a passo da montagem de uma rede de computadores, desde o cabeamento e roteadores até a configuração das máquinas clientes. Configuração e manutenção de serviços essenciais como DNS, compartilhamento de arquivos e acesso remoto. Como permitir a comunicação de diferentes sistemas operacionais em rede: Windows, Linux, Mac OS X etc. Definição de compartilhamentos de arquivos, impressoras incluindo a instalação automática de drivers e utilização do Samba como controlador de domínio (PDC) também para clientes Windows Vista e Windows 7. Administração de infraestrutura de máquinas virtuais com Sun VirtualBox. Como trabalhar com sistemas operacionais Windows, Linux etc na mesma máquina e simultaneamente. Criação de diferentes modalidades de conexões virtuais, exportação/importação de máquinas virtuais e criação de pontos de recuperação (snapshots). AC-samba_capa.indd 1 15/04/10 14:44 AC-vbox_capa.indd 1 22/04/10 11:16 09/04/10 09:59 O conteúdo e o formato dos livros foram desenvolvidos a partir da experiência prática e educacional de seus autores, com foco principal no desenvolvimento de competências, através de conceitos, exemplos detalhados e dicas de quem realmente entende do assunto. O material é indicado tanto para autodidatas que desejam se aperfeiçoar quanto para utilização em escolas. O professor irá se sentir confortável para desenvolver as atividades a partir do livro, que procura atender tanto à expectativa do aprendiz quanto à demanda profissional do mercado de TI. Disponível no site

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Sumário Introdução... 3 Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3 Live Migration... 3 Volumes compartilhados do Cluster... 3 Modo de Compatibilidade de Processador...

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO NComputing Brasil - #110502 Instalando o Oracle Virtualbox 4.0.2 e Criando uma VM Windows Server 2008 no Virtualbox O que é virtualbox? O virtualbox é um aplicativo de virtualização multi-plataforma

Leia mais

As ferramentas certas para a virtualização eficiente Ferramentas virtuais. Helmuth Castillo - www.sxc.hu. e não gerem trabalho ou preocupações

As ferramentas certas para a virtualização eficiente Ferramentas virtuais. Helmuth Castillo - www.sxc.hu. e não gerem trabalho ou preocupações As ferramentas certas para a virtualização eficiente Ferramentas virtuais CAPA As boas tecnologias já existem. Conheça agora as ferramentas mais adequadas para gerenciar cada solução de virtualização.

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Máquinas Virtuais com o VirtualBox

Máquinas Virtuais com o VirtualBox Máquinas Virtuais com o VirtualBox Marcos Elias Picão www.explorando.com.br No exemplo: Windows XP dentro do Windows 7 Você pode compartilhar livremente sem interesses comerciais, desde que não modifique.

Leia mais

Online Help StruxureWare Data Center Expert

Online Help StruxureWare Data Center Expert Online Help StruxureWare Data Center Expert Version 7.2.7 Appliance virtual do StruxureWare Data Center Expert O servidor do StruxureWare Data Center Expert 7.2 está agora disponível como um appliance

Leia mais

Positivo Network Manager 4

Positivo Network Manager 4 Positivo Network Manager 4 O gerenciamento eficiente de informações e de tecnologia da informação (TI) é um fator reconhecidamente crítico na maioria das organizações. As informações e as tecnologias que

Leia mais

Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi

Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi Como criar máquinas virtuais no VMware ESXi A virtualização de desktops pode ser trabalhada sobre servidores virtuais e esta técnica torna nossa tecnologia ainda mais atraente. Certifique-se que o seu

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Xen Cloud Platform Xen descomplicado

Xen Cloud Platform Xen descomplicado Xen Cloud Platform Xen descomplicado CAPA A Xen Cloud Platform facilita muito a criação e o gerenciamento de máquinas virtuais sobre o hypervisor Xen. por Boris Quiroz e Stephen Spector A revolução da

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do

Leia mais

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 12.5 for Windows Servers Guia de Instalação Rápida 13897290 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes de instalar Sobre a conta

Leia mais

AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX

AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX 1 Sumário Tutorial VirtualBox - Configurações e Utilização... 3 Requisitos Mínimos... 3 Compatibilidade... 3 Download... 3 Instalação do VirtualBox... 4 Criando a Máquina Virtual

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO II Pregão nº 003/2014 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA A empresa CONTRATADA deverá ser comprovadamente qualificada para os itens ofertados, deve entregar toda a estrutura de hardware e software adquirida em

Leia mais

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Microsoft VDI e Windows VDA Perguntas Frequentes Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Como a Microsoft licencia o Windows das estações de trabalho em ambientes virtuais? A Microsoft

Leia mais

Dell Flexible Computing Solutions: implantação da solução de streaming sob demanda para desktop

Dell Flexible Computing Solutions: implantação da solução de streaming sob demanda para desktop Dell Flexible Computing Solutions: implantação da solução de streaming sob demanda para desktop w w w. d e l l. c o m support.dell.com Notas, avisos e cuidados NOTA: a NOTA indica informações importantes

Leia mais

Introdução. Symantec AntiVirus. Sobre o Symantec AntiVirus. Como começar

Introdução. Symantec AntiVirus. Sobre o Symantec AntiVirus. Como começar Introdução AntiVirus Sobre o AntiVirus Copyright 2008 Corporation. Todos os direitos reservados. Documentação versão 10.2.1.0, o logotipo da, LiveUpdate, AntiVirus, Client Security, Security Response e

Leia mais

Visão Geral do Recurso Live Migration no Windows Server 2008 R2 Hyper-V. Versão: 1.0

Visão Geral do Recurso Live Migration no Windows Server 2008 R2 Hyper-V. Versão: 1.0 Visão Geral do Recurso Live Migration no Windows Server 2008 R2 Hyper-V Versão: 1.0 Publicado: 02 de Dezembro de 2008 Índice Visão Geral Visão Geral dos Recursos do Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

XenServer 6 FREE. Autor: Marcos José Andrade Viana Analista de Infraestrutura de TI Embrapa Milho e Sorgo

XenServer 6 FREE. Autor: Marcos José Andrade Viana Analista de Infraestrutura de TI Embrapa Milho e Sorgo XenServer 6 FREE Autor: Marcos José Andrade Viana Analista de Infraestrutura de TI Embrapa Milho e Sorgo Conteúdo 1. Introdução... 1 2. Requerimentos para o XenServer... 2 3. Baixando Citrix XenServer

Leia mais

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil.

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil. Virtualização Meu nome: Nome de guerra: Meu e-mail: Marcos Vinicios Bueno Marques Professor Cidão marcos@cidao.com.br Quem sou? Professor e coordenador de cursos de TI do Senac Informática em Porto Alegre,

Leia mais

Manual de Configuração do Alferes 7

Manual de Configuração do Alferes 7 DIRETORIA DE TECNOLOGIA E SISTEMAS CENTRO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS Manual de Configuração do Alferes 7 1 Sumário 1. Configurando o Alferes 7.0 na Rede...3 2. Senha de Root.... 4 3. Configurando o Alferes

Leia mais

HOW TO Procedimento para instalar Aker Firewall virtualizado no ESXi 5.0

HOW TO Procedimento para instalar Aker Firewall virtualizado no ESXi 5.0 Procedimento para instalar virtualizado no Página: 1 de 15 Introdução Este documento abordará os procedimentos necessários para instalar o (AFW) virtualizado em um servidor ESXi. Será compreendido desde

Leia mais

Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20

Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20 Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação

Leia mais

Introdução. O Windows Server 2003 está dividido em quatro versões:

Introdução. O Windows Server 2003 está dividido em quatro versões: Introdução Este é um tutorial de como Instalar o Windows Server 2003, este é o primeiro de alguns tutoriais que farei para ambientes de servidores Windows. A instalação do Windows Server 2003 segue o mesmo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM WINDOWS. IsmaelSouzaAraujo

ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM WINDOWS. IsmaelSouzaAraujo ADMINISTRAÇÃODEREDES BASEADASEM WINDOWS IsmaelSouzaAraujo INFORMAÇÃOECOMUNICAÇÃO Autor Ismael Souza Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP, graduado em Tecnologia em Segurança da Informação

Leia mais

Palestrante: Leandro Carvalho. Palestrante: Francisco Ferreira. Moderador: Thiago Cardoso

Palestrante: Leandro Carvalho. Palestrante: Francisco Ferreira. Moderador: Thiago Cardoso Palestrante: Leandro Carvalho MVP Virtual Machine http://msmvps.com/blogs/msvirtualization twitter.com/leandroeduardo Palestrante: Francisco Ferreira Especialista em Virtualização http://ferreirafco.wordpress.com/

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

Guia de Introdução ao Symantec Protection Center. Versão 2.0

Guia de Introdução ao Symantec Protection Center. Versão 2.0 Guia de Introdução ao Symantec Protection Center Versão 2.0 Guia de Introdução ao Symantec Protection Center O software descrito neste documento é fornecido sob um contrato de licença e pode ser usado

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

TABELA 2.1 Requisitos do Windows Server 2012 Standard

TABELA 2.1 Requisitos do Windows Server 2012 Standard 2INSTALAÇÃO DE UM SERVIDOR 2012 Feita a apresentação das funcionalidades do Windows Server 2012, eis que chega a hora mais desejada: a da implementação do servidor. No entanto, não é de todo recomendável

Leia mais

Symantec Backup Exec 2010. Guia de Instalação Rápida

Symantec Backup Exec 2010. Guia de Instalação Rápida Symantec Backup Exec 2010 Guia de Instalação Rápida 20047221 Instalação do Backup Exec Este documento contém os seguintes tópicos: Requisitos do sistema Antes da instalação Sobre a conta de serviço do

Leia mais

Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM. André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares

Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM. André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares Agenda Overview Histórico Abordagens Desafios em x86 Snapshots Virtualização de Hardware/Plataforma/Sevidor:

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

HOW TO Alterando o tipo de interface de rede na VmWare para uso no Aker Firewall 6.7

HOW TO Alterando o tipo de interface de rede na VmWare para uso no Aker Firewall 6.7 Página: 1 de 6 Introdução Este documento auxiliará na configuração das interfaces do VmWare. Solução Por padrão ao adicionar uma interface na VmWare ele configura como E1000 ou E1000e, mas em alguns casos

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Pfsense Introdução e Instalação

Gerenciamento de Redes de Computadores. Pfsense Introdução e Instalação Pfsense Introdução e Instalação Introdução A utilização de um firewall em uma rede de computadores possui o objetivo básico de proteção relacionado a entrada e saída de dados. Introdução O pfsense é um

Leia mais

Shavlik Protect. Guia de Atualização

Shavlik Protect. Guia de Atualização Shavlik Protect Guia de Atualização Copyright e Marcas comerciais Copyright Copyright 2009 2014 LANDESK Software, Inc. Todos os direitos reservados. Este produto está protegido por copyright e leis de

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 02 Prof. André Lucio Competências da aula 2 Instalação e configuração dos sistemas operacionais proprietários Windows (7 e

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais

Virtualização Avançada com VMware Sphere 5.0 (ESXi)

Virtualização Avançada com VMware Sphere 5.0 (ESXi) Virtualização Avançada com VMware Sphere 5.0 (ESXi) Treinamento Preparatório para Certificação O que é o Virtualização? É uma camada de gerenciamento entre o Hardware e Software, ou seja, é divisão de

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

Seu computador na nuvem Sol em dia de nuvens

Seu computador na nuvem Sol em dia de nuvens Seu computador na nuvem Sol em dia de nuvens CAPA Se você está pensando em migrar seu computador para a nuvem, conheça algumas formas de aproveitar a tecnologia. por Marcel Gagné Jeff Hire sxc.hu A computação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO. Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO. Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO Serviços de impressão Os serviços de impressão permitem compartilhar impressoras em uma rede, bem como centralizar as tarefas de gerenciamento

Leia mais

A.S.P. Servidores Windows

A.S.P. Servidores Windows A.S.P. Servidores Windows Servidores TCP/IP O mercado de servidores de rede é dominado essencialmente por duas linhas de produtos: Open Source: Linux, BSD, e seus derivados Proprietários: Microsoft Windows

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4

Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Avaliação do sistema de armazenamento EMC CLARiiON AX4 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação prática do novo

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

Proteção de ambientes VMware vsphere/esx com Arcserve

Proteção de ambientes VMware vsphere/esx com Arcserve Proteção de ambientes VMware vsphere/esx com Arcserve Desafios do cliente Hoje em dia, você enfrenta desafios como acordos de nível de serviço exigentes e limitações de equipe e orçamento. Você procura

Leia mais

INSTALANDO UM SERVIDOR WINDOWS SERVER 2012 R2 SERVER CORE

INSTALANDO UM SERVIDOR WINDOWS SERVER 2012 R2 SERVER CORE INSTALANDO UM SERVIDOR WINDOWS SERVER 2012 R2 SERVER CORE A Microsoft disponibilizou em seu site, o link para download da versão Preview do Windows Server 2012 R2. A licença do produto irá expirar somente

Leia mais

Virtualização e kernel, vistos por dentro

Virtualização e kernel, vistos por dentro ehabkost@redhat.com Tchelinux Porto Alegre 2008 Nível: Avançado Escopo: Código e processo de desenvolvimento do kernel Pré-requisitos: Noções básicas sobre o kernel Linux e seu processo de desenvolvimento

Leia mais

Mandriva Pulse - Especificações e recursos

Mandriva Pulse - Especificações e recursos Mandriva Pulse - Especificações e recursos Mandriva Brasil 2 de abril de 2015 Lista de Tabelas 1 Tabela resumo dos diferenciais do Pulse....................... 9 Lista de Figuras 1 Interface web do Mandriva

Leia mais

Proteção de ambientes Microsoft Hyper-V 3.0 com Arcserve

Proteção de ambientes Microsoft Hyper-V 3.0 com Arcserve Proteção de ambientes Microsoft Hyper-V 3.0 com Arcserve Desafios do cliente Hoje em dia, você enfrenta desafios como acordos de nível de serviço exigentes e limitações de equipe e orçamento. Você procura

Leia mais

Casal incomum. Linux no Windows em mais do que algumas semanas.

Casal incomum. Linux no Windows em mais do que algumas semanas. Linux sobre Windows ANÁLISE Casal incomum Algumas vezes, ter o Windows e o GNU/Linux em uma configuração dual boot não é o ideal. Veja as vantagens de executar o GNU/Linux dentro do Windows. por Bruce

Leia mais

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard 3 3INSTALAÇÃO DE UM SERVIDOR 2008 Feita a apresentação das funcionalidades do Windows Server 2008, eis que chega a hora mais desejada: a da implementação do nosso servidor. No entanto não é de todo recomendável

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral

Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Aula 1 Windows Server 2003 Visão Geral Windows 2003 Server Introdução Nessa Aula: É apresentada uma visão rápida e geral do Windows Server 2003. O Foco a partir da próxima aula, será no serviço de Diretórios

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID Saulo Marques FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUIBA Sumário 1 Instalação... 4 2 Configuração inicial... 6 2.1 Scripts e Arquivos Auxiliares... 10 2.2 O Squid e suas configurações...

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe.

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtualização Virtualização? A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtual: Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, significa: adj (lat virtuale) 1- Que não existe como realidade,

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

Conheça a coleção Academy da Linux New Media

Conheça a coleção Academy da Linux New Media Conheça a coleção Academy da Linux New Media Os livros da Coleção Academy são roteiros práticos e objetivos, com didática adequada tanto ao profissional quanto ao estudante da área de TI. Luciano Antonio

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

Resumo da solução de virtualização

Resumo da solução de virtualização Resumo da solução de virtualização A virtualização de servidores e desktops se tornou muito difundida na maioria das organizações, e não apenas nas maiores. Todos concordam que a virtualização de servidores

Leia mais

Kaspersky Security for Virtualization. Overview

Kaspersky Security for Virtualization. Overview Kaspersky Security for Virtualization Overview Idéia da Virtualização Executar um sistema operacional como um programa dentro de outro sistema operacional Executar vários sistemas operacionais no mesmo

Leia mais

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro Virtualização Prof. Emiliano Monteiro Conceitos Virtualização significa criar uma versão virtual de um dispositivo ou recurso, como um servidor, dispositivo de armazenamento, rede ou até mesmo um sistema

Leia mais

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4 Índice Introdução Librix...3 Software Livre...3 Manual Eletrônico...3 Opções de Suporte...3 Dicas para a Instalação Configuração de Dispositivos Básicos...4 Teclado...4 Mouse...5 Vídeo...5 Rede...6 Configuração

Leia mais

Criando um PC virtual

Criando um PC virtual Criando um PC virtual Microsoft Virtual PC Introdução Se você não sabe o que é virtualização de PCs, ou nem tem idéia dos inúmeros benefícios trazidos por essa técnica, recomendo ler esta introdução feita

Leia mais

Máquinas Virtuais. Virtualização Tornar virtual. Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE

Máquinas Virtuais. Virtualização Tornar virtual. Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE Virtual: Existente apenas em potência ou como faculdade, não como realidade ou com efeito real Dicionário Houaiss Virtualização Tornar virtual Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE Java Virtual

Leia mais

Realizando o P2V - Online

Realizando o P2V - Online Realizando o P2V - Online O recurso P2V (Physical-to-Virtual) existente no System Center Virtual Machine Manager, permite a conversão de uma maquina física em virtual. Este processo pode ser realizado

Leia mais

Certificado de aprendizado

Certificado de aprendizado concluiu o conteúdo de Curso Acesso Remoto com Direct Access Online em 23 de maio de 2013 concluiu o conteúdo de Curso Alta Disponibilidade com Hyper-V Server 2012 Online em 23 de maio de 2013 concluiu

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR 6292: INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO WINDOWS 7, CLIENT Objetivo: Este curso proporciona aos alunos o conhecimento e as habilidades necessárias para instalar e configurar estações de trabalho utilizando a

Leia mais

Symantec Backup Exec 2012

Symantec Backup Exec 2012 Melhor Backup para todos Data Sheet: Backup e recuperação após desastres Visão geral O é um produto integrado que protege ambientes físicos e virtuais, simplifica o backup e a recuperação após desastres

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede WebZine Manager Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.0 Data: 10 de Setembro de 2012 Identificador do documento: WebZine Manager Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: SoftSolut,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS ERRATA E REABERTURA PROCESSO LICITATÓRIO N 097/2011 MODALIDADE: PREGÃO PRESENCIAL RP N 061/2011 OBJETO: AQUISIÇÃO DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO DE DADOS CENTRALIZADOS (STORAGE) E DE SISTEMA DE CÓPIA DE SEGURANÇA

Leia mais

Máquinas Virtuais E eu com isso???

Máquinas Virtuais E eu com isso??? E eu com isso??? IV Ciclo de Palestras sobre Software Livre Daniel Antonio Fenrnandes Bojczuk Slide 1 de 27 Virtual: Existente apenas em potência ou como faculdade, não como realidade ou com efeito real

Leia mais

Para montar sua própria rede sem fio você precisará dos seguintes itens:

Para montar sua própria rede sem fio você precisará dos seguintes itens: Introdução: Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível montar uma rede sem fio em casa ou no escritório sem usar um roteador de banda larga ou um ponto de acesso (access point),

Leia mais

Informe técnico: Virtualização de endpoints Symantec Endpoint Virtualization Suite Otimização dinâmica do espaço de trabalho

Informe técnico: Virtualização de endpoints Symantec Endpoint Virtualization Suite Otimização dinâmica do espaço de trabalho Informe técnico: Virtualização de endpoints Otimização dinâmica do espaço de trabalho Visão geral O é uma solução poderosa e flexível com foco na produtividade do usuário, independentemente dos equipamentos,

Leia mais

O que há de novo no VMware vcenter 5.0

O que há de novo no VMware vcenter 5.0 O que há de novo no VMware vcenter 5.0 Gerenciamento eficiente da virtualização DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA DE MARKETING V 1.0/ATUALIZADO EM ABRIL DE 2011 Índice Introdução... 3 vsphere Web Client.... 4 Recursos

Leia mais

Como montar uma rede Wireless

Como montar uma rede Wireless Como montar uma rede Wireless Autor: Cristiane S. Carlos 1 2 Como Montar uma Rede Sem Fio sem Usar um Roteador de Banda Larga Introdução Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível

Leia mais