O MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA"

Transcrição

1

2 O MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA

3 O MODELO SETORIAL PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS AMBIENTES DE CONTRATAÇÃO: LIVRE (ACL) OU REGULADA (ACR) DESVERTICALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DO SETOR: GERADORES, TRANSMISSORES, DISTRIBUIDORES E COMERCIALIZADORES DE ENERGIA ELÉTRICA SEPARAÇÃO DAS TARIFAS NAS COMPONENTES ENERGIA E FIO DISTRIBUIDORES/TRANSMISSORES: PRESTADORES DE SERVIÇO DE TRANSPORTE DE ENERGIA (TRANSMISSÃO/DISTRIBUIÇÃO/CONEXÃO) LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA DAS DIFERENÇAS ENTRE MONTANTES CONTRATADOS BILATERALMENTE E VERIFICADOS CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA; CUSTO MARGINAL DE OPERAÇÃO - CMO - COMO BASE PARA O PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS PLD EXIGÊNCIA DE CONTRATAÇÃO DE 100% DA DEMANDA POR ENERGIA ELÉTRICA

4 AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE Regulamentação Mínima G Competição Forte Regulamentação T D Monopólio Natural Regulamentação Mínima C Competição

5 OS AGENTES DO SETOR ELÉTRICO CONCESSIONÁRIOS E PERMISSIONÁRIOS DE DISTRIBUIÇÃO Provêem os serviços de transporte: distribuição e conexão CONCESSIONÁRIOS DE TRANSMISSÃO Provêem os serviços de transmissão e conexão AGENTES DE GERAÇÃO Podem vender (quase) livremente aos mercado regulado ou livre CONSUMIDORES Respeitados limites de tensão e potência, podem optar pelo seu fornecedor de energia COMERCIALIZADORES Não detêm ativos de geração, transporte ou consumo - atuam somente na compra, venda e representação de transações de energia

6 OS AGENTES DO SETOR ELÉTRICO CONCESSIONÁRIOS E PERMISSIONÁRIOS DE DISTRIBUIÇÃO CONCESSIONÁRIOS E PERMISSIONÁRIOS DE DISTRIBUIÇÃO Provêem os serviços de transporte: distribuição e conexão CONCESSIONÁRIOS DE TRANSMISSÃO Provêem os serviços de transmissão e conexão AGENTES DE GERAÇÃO Podem vender (quase) livremente aos mercado regulado ou livre CONSUMIDORES Respeitados limites de tensão e potência, podem optar pelo seu fornecedor de energia COMERCIALIZADORES Não detêm ativos de geração, transporte ou consumo - atuam somente na compra, venda e representação de transações de energia

7 OS AGENTES DO SETOR ELÉTRICO CONCESSIONÁRIOS E PERMISSIONÁRIOS DE DISTRIBUIÇÃO Provêem os serviços de transporte: distribuição e conexão CONCESSIONÁRIOS E PERMISSIONÁRIOS DE TRANSMISSÃO CONCESSIONÁRIOS DE TRANSMISSÃO Provêem os serviços de transmissão e conexão AGENTES DE GERAÇÃO Podem vender (quase) livremente aos mercado regulado ou livre CONSUMIDORES Respeitados limites de tensão e potência, podem optar pelo seu fornecedor de energia COMERCIALIZADORES Não detêm ativos de geração, transporte ou consumo - atuam somente na compra, venda e representação de transações de energia

8 OS AGENTES DO SETOR ELÉTRICO CONCESSIONÁRIOS E PERMISSIONÁRIOS DE DISTRIBUIÇÃO Provêem os serviços de transporte: distribuição e conexão CONCESSIONÁRIOS DE TRANSMISSÃO Provêem os serviços de transmissão e conexão AGENTES DE GERAÇÃO AGENTES DE GERAÇÃO Podem vender (quase) livremente aos mercado regulado ou livre CONSUMIDORES Respeitados limites de tensão e potência, podem optar pelo seu fornecedor de energia COMERCIALIZADORES Não detêm ativos de geração, transporte ou consumo - atuam somente na compra, venda e representação de transações de energia

9 AGENTES DE GERAÇÃO QUEM SÃO Quanto ao tipo: Autoprodutor (com ou sem comerc. Excedentes) Produtor Independente Serviço Público Quanto à fonte de geração: UHE PCH/CGH UTE UTN Solar Eólica Biomassa 9

10 GENTES DE GERAÇÃO COMO PODEM ATUAR Podem vender: ao pool (ambiente de contratação regulada) a consumidores livres a comercializadores a distribuidores ( Geração Distribuída) a outros geradores ao PROINFA Mecanismo de Realocação de Energia (MRE, para rateio dos riscos hidrológicos, opcional para PCHs e obrigatório para UHEs. Geração termelétrica 50 MW: sujeitos ao despacho centralizado pelo ONS 10

11 INCENTIVOS A GERADORES 50% TUSDg 80% TUSDg 80% TUSDc 11

12 GENTES DE GERAÇÃO COMO PODEM ATUAR NOVIDADE: MP 579 determina que geradores de serviço público com concessão renovada a partir de set/12 devem vender a totalidade de sua garantia física ao mercado regulado 12

13 GENTES DE GERAÇÃO CONTABILIZAÇÃO NA CCEE MWh GF CONTRATOS DE COMPRA GERAÇÃO MEDIDA MRE ENERGIA REALOCADA AGENTE DE GERAÇÃO - SOBRAS OU DÉFICITS ($ PLD) - PENALIDADES - CONTRATOS DE VENDA 13

14 OS AGENTES DO SETOR ELÉTRICO CONCESSIONÁRIOS E PERMISSIONÁRIOS DE DISTRIBUIÇÃO Provêem os serviços de transporte: distribuição e conexão CONCESSIONÁRIOS DE TRANSMISSÃO Provêem os serviços de transmissão e conexão AGENTES DE GERAÇÃO Podem vender (quase) livremente aos mercado regulado ou livre CONSUMIDORES LIVRES CONSUMIDORES Respeitados limites de tensão e potência, podem optar pelo seu fornecedor de energia COMERCIALIZADORES Não detêm ativos de geração, transporte ou consumo - atuam somente na compra, venda e representação de transações de energia

15 CONSUMIDOR LIVRE RELACIONAMENTO Responsabilidades do gerador Responsabilidades do consumidor Redes de transmissão Centro de gravidade CCEE Redes de Transmissão e distribuição

16 CONSUMIDORES LIVRES NO ACL

17 CONSUMIDOR LIVRE REQUISITOS M Demanda Contratada Consumidor Conexão Alta Tensão Fontes De Energia kw Livre 69 kv após jul 95 Qualquer 500 kw Qualquer 500 kw Livre Especial mesmo CNPJ áreas contíguas Incentivada

18 CONSUMIDOR LIVRE CONTRATOS Consumidor Livre Contratos CCVE = CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA {CONTRATO FINANCEIRO} CCD = CONTRATO CONEXÃO SISTEMA DISTRIBUIÇÃO {CONTRATO SEM CUSTO} CUSD = CONTRATO USO DO SISTEMA DISTRIBUIÇÃO {TARIFA REGULADA PELA ANEEL} CGRC = CONTRATO DE GERENCIAMENTO E REPRESENTAÇÃO NA CCEE

19 CONSUMIDOR LIVRE CASES FONTE DE ENERGIA UF ECONOMIA MENSAL Consumidor Livre Consumidor Livre Consumidor Livre Consumidor Livre Consumidor Livre Especial Consumidor Livre Especial RS SC SP RJ RS SP 23,63% 14,57% 17,79% 26,97% 22,50% 14,11%

20 AGENTES DE CONSUMO CONTABILIZAÇÃO NA CCEE CONTRATOS DE COMPRA MWh + SOBRAS ($ PLD) CONSUMO MEDIDO - AGENTE DE CONSUMO DÉFICITS (MAX[PDL,VR] PENALIDADE 20

21 OS AGENTES DO SETOR ELÉTRICO CONCESSIONÁRIOS E PERMISSIONÁRIOS DE DISTRIBUIÇÃO Provêem os serviços de transporte: distribuição e conexão CONCESSIONÁRIOS DE TRANSMISSÃO Provêem os serviços de transmissão e conexão AGENTES DE GERAÇÃO Podem vender (quase) livremente aos mercado regulado ou livre CONSUMIDORES Respeitados limites de tensão e potência, podem optar pelo seu fornecedor de energia COMERCIALIZADORES COMERCIALIZADORES Não detêm ativos de geração, transporte ou consumo - atuam somente na compra, venda e representação de transações de energia

22 A INTELIGÊNCIA DE MERCADO Como gerir de forma ótima um portfolio de contratos de energia?

23 OS PREÇOS DA ENERGIA A VOLATILIDADE DOS PREÇOS NO MERCADO DE CURTO PRAZO

24 OS PREÇOS DA ENERGIA Observe ao lado: A linha azul mostra o PLD nos últimos 3 anos. Embora o PLD tenha tido picos, ele permanece longos períodos em níveis mais baixos. Apenas nove meses antes do início desta série, o PLD havia atingido seu valor máximo, de R$ 689/MWh (jan/2008) Os preços para os negócios de curto prazo (contratos de um mês) acompanham muito de perto o PLD diferem apenas no spread

25 OS PREÇOS DA ENERGIA CONTRATOS COM HORIZONTE MAIS LONGO: A linha roxa mostra o comportamento dos contratos com horizonte de 1 ano; O preço oscila conforme o PLD, embora com amplitude muito menor Veja que esse preço não permanece muito tempo nos valores mínimos: a expectativa futura indica a possibilidade de elevação nos preços nos próximos meses, e isso impede o preço de cair muito últimos 3 anos.

26 OS PREÇOS DA ENERGIA CONTRATOS DE LONGO PRAZO: Finalmente, a linha verde mostra os preços dos contratos de Longo Termo (para períodos acima de 1 ano) Esses preços refletem muito lentamente as mudanças do PLD são preços estruturais, que refletem os custos de geração. O consumidor cativo compra energia com esta filosofia: risco zero, com possibilidade zero de aproveitar condições favoráveis de curto prazo

27 CONTRATAÇÃO ÓTIMA VOLTANDO AO COMPORTAMENTO DOS PREÇOS DE CURTO PRAZO... Ocorrem muitos períodos de preço reduzido. A parcela de consumo NÃO comprometida com CONTRATOS DE LONGO PRAZO pode ser atendida por CONTRATOS DE CURTO PRAZO. A QUESTÃO AGORA SE RESUME A QUANTO CONTRATAR NO LONGO PRAZO

28 GESTÃO DE RISCO RISCOS DE MERCADO Podem ser IDENTIFICADOS QUANTIFICADOS MONITORADOS MITIGADOS São evitados: COM CONTRATOS DE HEDGE SAINDO DA POSIÇÃO QUANDO CONVENIENTE

29 CONTRATAÇÃO ÓTIMA ALGUNS TIPOS DE CONTRATOS DE COMPRA E VENDA CONTRATO DE LONGO PRAZO: garante-se um preço fixo para a quantidade contratada CONTRATO DE CURTO PRAZO: a demanda exposta é coberta com contratos para o mês, permitindo aproveitar períodos de preço baixo OPÇÃO DE COMPRA: Compra-se o direito de adquirir energia num dado mês a um dado preço CONTRATO TIPO COLLAR: o preço praticado deve variar mês a mês com o preço de curto prazo, mas com PISO e TETO OPÇÃO DE VENDA : Compra-se o direito de vender energia num dado mês a um dado preço

30 O PERFIL DE RISCO APETITE A RISCO Compradores de energia têm diferentes perfis de propensão a risco. RISCO significa a exposição a um comportamento variável dos preços isso pode representar ganhos ou perdas. A GESTÃO CONSTANTE DA CARTEIRA é que garante que haverá mais GANHOS que PERDAS.

31 O PERFIL DE RISCO RISCO ZERO: 100% contratado no LONGO PRAZO POSSIBILIDADE DE GANHO MÁXIMO: 100% contratado no CURTO PRAZO, MAS COM RISCO MUITO ALTO GARANTIA DE GANHO SIGNIFICATIVO: COMPOSIÇÃO BASEADA NA EXPOSIÇÃO QUE O CLIENTE PODE ASSUMIR

32 CONTRATAÇÃO ÓTIMA E se vier um período de preços altos no curto prazo? Como posso me proteger? 1 - A gestão contratual deve ser permanente, porque permite antecipar o risco e sair da posição de exposição. OU 2 Posso comprar uma proteção

33 CONTRATAÇÃO ÓTIMA HEDGES: CONTRATOS PARA PROTEGER UMA POSIÇÃO OPÇÃO DE COMPRA: estabelece um preço teto de compra com a contrapartida de um pagamento ao lançador da opção. CONTRATO TIPO COLLAR: estabelece piso e teto para a compra, OPÇÃO DE VENDA: revenda de eventuais sobras contratuais, quando há incerteza de mercado.

34 A GESTÃO DE RISCO

35 A GESTÃO DE RISCO

36 ACR & ACL Proteção Risco x Oportunidade

37 Portfolio

38 Portfolio

39 Obrigada! Regina Pimentel Gestão de Risco - Trade Energy

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro

2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro 2 Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro Segundo a lei federal no. 10.848, esse novo modelo tem três objetivos principais: garantir a segurança no suprimento da energia elétrica, atingir a modicidade

Leia mais

VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil

VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração Câmara de Comercialização

Leia mais

3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB)

3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB) 3. O Setor Elétrico Brasileiro (SEB) Até 1995, o Setor Elétrico Brasileiro era formado por empresas verticalizadas, predominantemente estatais, detentoras das atividades de geração, transmissão e distribuição

Leia mais

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores

8 de agosto de Ricardo Lima Conselheiro de Administração - CCEE. Estrutura tarifária ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Estrutura tarifária "ponta/fora da ponta Perspectiva dos atores Seminário Autoprodução de Energia Elétrica na Ponta Impactos e Perspectivas 8 de agosto de 2012 Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Leia mais

Gestão de Contratos de Energia

Gestão de Contratos de Energia Gestão de Contratos de Energia 10 de junho de 2005 Delta Comercializadora de Energia Rua Funchal, 375 1º andar CEP: 04551-060 São Paulo, SP www.deltaenergia.com.br Mercado Livre Características do Mercado

Leia mais

Nº 54 Fevereiro/

Nº 54 Fevereiro/ www.ccee.org.br Nº 54 Fevereiro/212 8 1 8 O Info Mercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da CCEE. Esta edição refere-se aos dados da contabilização

Leia mais

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Palestra Apimec RJ 19/set/2011 Leonardo Lima Gomes Agenda 1. Visão Geral do Setor 2. Mercado de Energia Elétrica 3. Perspectivas Desenvolvimento Mercado 4. Perspectivas

Leia mais

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas.

XX Simpósio Jurídico da ABCE. Os 10 anos da Lei /2004, reflexões e perspectivas. XX Simpósio Jurídico da ABCE Os 10 anos da Lei 10.848/2004, reflexões e perspectivas. São Paulo Outubro de 2014 Ricardo Brandão Procurador-Geral da ANEEL Marcos normativos antecedentes à Lei 10.848/2004

Leia mais

MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA 1

MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA 1 MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA 1 2 MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA SUMÁRIO 1. Organização 2. Como está estruturado o mercado de energia elétrica? 3. Quais são as

Leia mais

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica 24 3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica Algumas características e mecanismos do mercado de energia elétrica brasileiro precisam ser compreendidos para realizar a análise proposta neste estudo. Especialmente,

Leia mais

Expansão do Mercado Livre 23/08/2016 Workshop de Energia da FIESP Mercado Livre de Energia

Expansão do Mercado Livre 23/08/2016 Workshop de Energia da FIESP Mercado Livre de Energia Expansão do Mercado Livre 23/08/2016 Workshop de Energia da FIESP Mercado Livre de Energia Talita Porto Conselheira de Administração CCEE: operadora do mercado de energia elétrica Criada em 1999, a CCEE

Leia mais

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica

A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica A Inserção da Energia Eólica no Brasil Mesa Redonda: Energia Eólica Élbia Melo 10/02/2010 Agenda Visão Geral da CCEE e do Mercado de Energia Comercialização de Energia de Eólica PROINFA ACL ACR Energia

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%.

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%. O InfoMercado mensal apresenta os dados da prévia de medição de fevereiro/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em janeiro/15. Este boletim traz um

Leia mais

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002

O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO. Walfrido Avila - 06/2002 O COMERCIALIZADOR E A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NO NOVO PANORAMA DO SETOR ELÉTRICO Walfrido Avila - 06/2002 1 1 - CENÁRIOS DE EVOLUÇÃO DO SISTEMA INTERLIGADO CENÁRIO DE REFERÊNCIA (1) Critérios com base na Resolução

Leia mais

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015

Visão Geral das Operações na CCEE. Junho/2015 Visão Geral das Operações na CCEE Junho/2015 1. Visão do Sistema Elétrico 2. Modelo Institucional 3. Comercialização de Energia do SIN 4. Principais Regras de Comercialização 1. Visão do Sistema Elétrico

Leia mais

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração Operações do Mercado de Energia Evolução e Perspectiva Seminário FIEPE 11 de abril de 2013 Paulo Born Conselho de Administração Agenda Visão Geral do Mercado de Energia Governança e Ambientes de Comercialização

Leia mais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais

Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais Evolução dos Contratos de Energia nas últimas décadas e os Recursos Naturais 6º Painel - Direito da Concorrência e a Regulação Setorial harmonização e discordâncias Visão da Comercialização de Energia

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro 15 de agosto de 2012 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

POSSIBILIDADES DE REDUÇÃO DO CUSTO DE ENERGIA: MICRO/MINIGERAÇÃO E MERCADO LIVRE DANIEL HOSSNI RIBEIRO DO VALLE SÃO PAULO, 30 DE JUNHO DE 2016

POSSIBILIDADES DE REDUÇÃO DO CUSTO DE ENERGIA: MICRO/MINIGERAÇÃO E MERCADO LIVRE DANIEL HOSSNI RIBEIRO DO VALLE SÃO PAULO, 30 DE JUNHO DE 2016 POSSIBILIDADES DE REDUÇÃO DO CUSTO DE ENERGIA: MICRO/MINIGERAÇÃO E MERCADO LIVRE DANIEL HOSSNI RIBEIRO DO VALLE SÃO PAULO, 30 DE JUNHO DE 2016 SUMÁRIO I. A Comercialização de Energia Elétrica - Relações

Leia mais

Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007

Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007 Visão Geral do Modelo de Comercialização de Energia no Brasil ABINEE TEC 2007 Luiz Henrique Alves Pazzini Gerência de Acompanhamento de Mercado - GAM 25 de abril de 2007 Agenda Comercialização de Energia

Leia mais

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR. Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração IV Simpósio Jurídico das Empresas do Setor Elétrico Contratação no ACL e no ACR Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração Março de 2012 Agentes na CCEE Fevereiro 2012 1800 1650

Leia mais

SISTEMAS DE ENERGIA (SIE)

SISTEMAS DE ENERGIA (SIE) SISTEMAS DE ENERGIA (SIE) Prof.: Bruno Gonçalves Martins bruno.martins@ifsc.edu.br Aula 3 Racionamento de energia RECAPITULANDO... Racionamento de energia; Crise de racionamento de 2001; Bandeira Tarifárias;

Leia mais

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng.

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. VII Conferência Anual da RELOP Praia, Cabo Verde 04 e 05/09/2014 Workshop:

Leia mais

Balanço Energético. Versão 1.0

Balanço Energético. Versão 1.0 ÍNDICE BALANÇO ENERGÉTICO 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento do Cálculo do 10 2.1. Cálculo do 10 2 Controle de Alterações Revisão Motivo da Revisão Instrumento

Leia mais

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Painel 3 - INTEGRAÇÃO NO MERCOSUL Seminário Internacional de Integração Elétrica da América do Sul 7 de agosto de 2012 Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Sistema Interligado

Leia mais

Plano da Apresentação

Plano da Apresentação Plano da Apresentação 1. Algumas características do Setor Elétrico Brasileiro. 2. Algumas características de PCHs e CGHs. 3. Simulação de Fluxos de Caixa. 4. Modelos de desenvolvimento de PCHs. Monopólio

Leia mais

Solange David. Vice-presidente do conselho de administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE)

Solange David. Vice-presidente do conselho de administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) Solange David Vice-presidente do conselho de administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) Contribuição das energias renováveis para a mitigação de GEE: oportunidades e desafios

Leia mais

Em tempos de superação...

Em tempos de superação... Em tempos de superação... Eficiência energética Compra de Energia FEHOSP 2016 Humberto Rodrigues da Mata Mensagem da presidência Norteados pela eficiência, realizamos em 2015 mudanças estruturais em prol

Leia mais

Boletim das Usinas Eólicas

Boletim das Usinas Eólicas www.ccee.org.br Nº 2 Março/2 O Boletim das Usinas Eólicas é uma publicação mensal que apresenta os resultados consolidados de geração, garantia física e capacidade instalada das usinas eólicas cadastradas

Leia mais

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios

Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios Zilmar Souza Federação das Indústrias do Estado de Goiás FIEG Bioeletricidade Sucroenergética Situação atual, perspectivas e desafios 18ª Reunião Goiás - GO 18 de agosto de 2015 BIOELETRICIDADE DA CANA

Leia mais

O Livre Mercado de Energia Elétrica Brasileiro Parte I

O Livre Mercado de Energia Elétrica Brasileiro Parte I O Livre Mercado de Energia Elétrica Brasileiro Parte I Álvaro Augusto de Almeida* Um fato ainda desconhecido de muitos tomadores de decisão, especialmente em empresas de médio porte, é que uma grande parcela

Leia mais

Painel 3: PCH e a comercialização no mercado livre. Paulo Pedrosa

Painel 3: PCH e a comercialização no mercado livre. Paulo Pedrosa Painel 3: PCH e a comercialização no mercado livre Paulo Pedrosa Abraceel Abraceel Abraceel Desafio: desenvolvimento Realidade: PCHs, oportunidades e riscos Reflexão: O setor elétrico, uma indústria em

Leia mais

Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado

Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado Perspectivas do Setor Elétrico 2017 a 2021 A ótica do mercado ENASE 2017-14º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração 17/05/2017 Agenda CCEE Mercado

Leia mais

Histórico Trade Energy

Histórico Trade Energy Consumidor Livre Histórico Trade Energy Fundação da empresa com sede em Brasília Sócios: INEPAR ENERGIA, DESENVIX, ENERGÉTICA-TECH Autorização da ANEEL segunda Comercializadora no país Adesão pioneira

Leia mais

ENERGY TRADING BRASIL 2009

ENERGY TRADING BRASIL 2009 ENERGY TRADING BRASIL 2009 Sessão 2.2.1 Fontes Incentivadas de Energia Cenários de Comercialização de Energia Elétrica para 2009 JOSE AMORIM ROTEIRO DA PALESTRA MENSAGEM INSTITUCIONAL CADEIA DE VALORES

Leia mais

Definindo o ambiente de contratação livre. Sertãozinho, 24 de agosto de 2016

Definindo o ambiente de contratação livre. Sertãozinho, 24 de agosto de 2016 Definindo o ambiente de contratação livre Sertãozinho, 24 de agosto de 2016 ABRACEEL Mercados de energia 1 Mercados de energia no Brasil: Mercado Livre (ACL) e o Mercado Cativo (ACR) ABRACEEL Mercado Cativo

Leia mais

1 SUA FATURA DE ENERGIA

1 SUA FATURA DE ENERGIA 1 SUA FATURA DE ENERGIA O SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO (SIN) é composto por Geradores, Transmissores, Distribuidores e Consumidores: No MERCADO CATIVO, mercado tradicional dos consumidores, as Distribuidoras

Leia mais

Contratação de energia mercado livre (ACL)

Contratação de energia mercado livre (ACL) Mercado Livre Contratação de energia mercado livre (ACL) Prazos, volumes e preço são livremente negociados entre as partes envolvidas Contratos não padronizados; maior parte das transações é selada via

Leia mais

Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015

Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015 Repactuação do Risco Hidrológico MP nº 688/2015 Lei nº 10.848/2004 (Redação Original) Art. 2 o... 1 o Na contratação regulada, os riscos hidrológicos serão assumidos conforme as seguintes modalidades contratuais:

Leia mais

Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético. Maio de 2017

Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético. Maio de 2017 Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético Maio de 2017 Instabilidade do preço-teto nos leilões O preço teto para a fonte biomassa tem

Leia mais

MERCADO LIVRE. FIEP, 10.set.2015 Luís Gameiro, diretor

MERCADO LIVRE. FIEP, 10.set.2015 Luís Gameiro, diretor MERCADO LIVRE FIEP, 10.set.2015 Luís Gameiro, diretor Consumidor Livre ACL Regulamentação Mínima G Competição Forte Regulamentação T D Monopólio Natural Regulamentação Mínima C Competição M Consumidor

Leia mais

Negociações com energia: o modelo mercantil do setor elétrico

Negociações com energia: o modelo mercantil do setor elétrico Negociações com energia: o modelo mercantil do setor elétrico José Antonio Sorge Ludo Energia Tópicos O atual modelo mercantil e de negócios com energia Discussão dos problemas atuais com o modelo e com

Leia mais

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013

Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Panorama dos leilões do 2º semestre de 2013 Datas, aspectos gerais e sistemáticas 03/06/2013 Gerência de Leilões e Mercado Regulado Agenda Data dos leilões no 2º semestre de 2013 11º Leilão de Energia

Leia mais

AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE. Felipe Barroso

AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE. Felipe Barroso AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE Felipe Barroso AGENDA CARACTERÍSTICAS DO MERCADO LIVRE ESPECIAL MONITORAMENTO DAS VARIÁVEIS DE FORMAÇÃO DOS PREÇOS APETITE AO RISCO EXPECTATIVA DE PREÇOS

Leia mais

Contratos e Faturamento da Demanda de Potência

Contratos e Faturamento da Demanda de Potência Contratos e Faturamento da Demanda de Potência (REN 414/2010) JORGE AUGUSTO LIMA VALENTE Especialista em Regulação Superintendência de Regulação da Comercialização da Eletricidade Sertãozinho SP 22 de

Leia mais

Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Energia Elétrica

Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Energia Elétrica TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Energia Elétrica 1 Modelo atual do setor elétrico brasileiro a partir de 2004 2 Marcos Regulatórios do Novo

Leia mais

ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE

ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE ECONOMIA E PRODUTIVIDADE DIRETO DA FONTE Como reduzir custos sem comprometer a produção? MERCADO LIVRE DE ENERGIA MERCADO LIVRE DE ENERGIA Liberdade para escolher o fornecedor de energia, obter economia

Leia mais

Contratos. Versão 1.1

Contratos. Versão 1.1 Contratos ÍNDICE CONTRATOS 5 1. Introdução 5 1.1. Lista de Termos 8 1.2. Conceitos Básicos 9 2. Detalhamento das Etapas dos Contratos no Ambiente de Contratação Livre 20 2.1. Contratos no Ambiente de Contratação

Leia mais

Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação. Luiz Fernando Leone Vianna

Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação. Luiz Fernando Leone Vianna Setor Elétrico: perspectivas do mercado, legislação, comercialização de energia e estratégia de precificação Luiz Fernando Leone Vianna 04.07.2013 A APINE 60 associados Geradores privados e concessionárias

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica e Formação de Preços

Mercado de Energia Elétrica e Formação de Preços Mercado de Energia Elétrica e Formação de Preços Gustavo Arfux Agenda Principais aspectos da comercialização de energia no mercado livre A cadeia de modelos matemáticos de planejamento e operação Formação

Leia mais

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades

Maio / CCEE Papéis e Responsabilidades Maio / 2005 CCEE Papéis e Responsabilidades Sistema Elétrico Brasileiro (Interligado) Dimensões Continentais Sofisticado Sistema de Supervisão e Controle Integrado Capacidade Instalada (dez/03) Hidráulica:

Leia mais

2 O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO

2 O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO 19 2 O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Este capítulo irá apresentar alguns aspectos regulatórios do Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) pertinentes para o assunto deste trabalho. Estes

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 25 03 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2.

Leia mais

Gestão de Risco de Mercado

Gestão de Risco de Mercado Gestão de Risco de Mercado Visão da CCEE Roberto Castro 30/03/2017 Temário I. Garantias Financeiras Limite Operacional Corte em Cadeia Cadastro Positivo II. Indicadores de Risco de Mercado Exposição Índice

Leia mais

Negociações com energia: o modelo mercantil do setor elétrico

Negociações com energia: o modelo mercantil do setor elétrico Negociações com energia: o modelo mercantil do setor elétrico José Antonio Sorge Ludo Energia Ágora Energia Tópicos O atual modelo mercantil e de negócios com energia Principais regras e a CCEE Perspectivas

Leia mais

A CCEE e a operacionalização do mercado de energia elétrica em 2015 Canal Energia Agenda Setorial /03/2015

A CCEE e a operacionalização do mercado de energia elétrica em 2015 Canal Energia Agenda Setorial /03/2015 A CCEE e a operacionalização do mercado de energia elétrica em 2015 Canal Energia Agenda Setorial 2015 19/03/2015 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração A CCEE e destaques

Leia mais

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza

BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS. Zilmar José de Souza BIOELETRICIDADE: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Zilmar José de Souza Câmara Consultiva do Açúcar e Etanol na BM&F-Bovespa São Paulo - 9 de setembro de 2014 Bioeletricidade: capacidade instalada (em MW)

Leia mais

Energia Sustentável: Mudança de Paradigma

Energia Sustentável: Mudança de Paradigma Energia Sustentável: Mudança de Paradigma Eng. Cecilia Helena Negri de Magalhães CH Consultoria em Engenharia Ltda cecilia.helena@uol.com.br COPPE - 30/04/2014 Energia Sustentável Sustentável tudo aquilo

Leia mais

Boletim das Usinas Eólicas

Boletim das Usinas Eólicas www.ccee.org.br Nº Abril/ O Boletim das Usinas Eólicas é uma publicação mensal que apresenta os resultados consolidados de geração, garantia física e capacidade instalada das usinas eólicas cadastradas

Leia mais

Painel 2: O mercado em /04/2017 Agenda Setorial 2017: Abastecimento, Preço e Perspectivas

Painel 2: O mercado em /04/2017 Agenda Setorial 2017: Abastecimento, Preço e Perspectivas Painel 2: O mercado em 2017 03/04/2017 Agenda Setorial 2017: Abastecimento, Preço e Perspectivas Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração Agenda Grandes números da CCEE A expansão do mercado

Leia mais

Obrigado! Consultoria em Energia

Obrigado! Consultoria em Energia Obrigado! Marcos Guimarães Consultoria em Energia Pedro Kurbhi Agenda 1 - Eficiência Energética x Gestão Contratual 2 - Pontos Críticos na Gestão de Energia 3- A Demanda 4 - O Consumo 5- Reativos 6 - A

Leia mais

PARCERIA SEGURA E COM EXPERIÊNCIA

PARCERIA SEGURA E COM EXPERIÊNCIA PARCERIA SEGURA E COM EXPERIÊNCIA O GRUPO CPFL ENERGIA Grupo com mais de 100 anos de história Maior grupo privado do setor elétrico nacional Mais de 30 anos de relacionamento com o setor sucroenergético

Leia mais

Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais

Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais Regulação do Setor Elétrico Brasileiro Contexto e Desafios Atuais Seminário Internacional Desafios da Regulação do Setor Elétrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 12 de fevereiro de 2015 Universidade

Leia mais

Otimização de Portfólio de Novos Empreendimentos de Energia Através de Leilões Combinatórios

Otimização de Portfólio de Novos Empreendimentos de Energia Através de Leilões Combinatórios Otimização de Portfólio de Novos Empreendimentos de Energia Através de Leilões Combinatórios Debora Yamazaki Lacorte Orientador: Paulo de Barros Correia Planejamento de Sistemas Energéticos Universidade

Leia mais

Prova de Revalidação da Certificação de Operadores do Mercado de Energia Elétrica 2016

Prova de Revalidação da Certificação de Operadores do Mercado de Energia Elétrica 2016 Prova de Revalidação da Certificação de Operadores do Mercado de Energia Elétrica 2016 Esta prova consta de: 22/10/2016 14 horas um Caderno de Questões com 25 questões em forma de teste de múltipla escolha

Leia mais

Redes Elétricas Inteligentes Análise da Aplicação no Brasil

Redes Elétricas Inteligentes Análise da Aplicação no Brasil Redes Elétricas Inteligentes Análise da Aplicação no Brasil Carlos Eduardo Cabral Carvalho Assessor da Diretoria Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Lima, Peru Setembro de 2013 Agenda A ANEEL e

Leia mais

NOVOS CONTORNOS JURÍDICOS DA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: LEILÕES, ENERGIA RENOVÁVEL E CONSUMIDOR LIVRE. Fábio Sales Dias

NOVOS CONTORNOS JURÍDICOS DA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: LEILÕES, ENERGIA RENOVÁVEL E CONSUMIDOR LIVRE. Fábio Sales Dias NOVOS CONTORNOS JURÍDICOS DA COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: LEILÕES, ENERGIA RENOVÁVEL E CONSUMIDOR LIVRE. Fábio Sales Dias São Paulo, 23 de setembro de 2004 2 SUMÁRIO O modelo do setor para as fontes

Leia mais

Ambiente de Contratação Livre e Alternativas de Aquisição de Energia

Ambiente de Contratação Livre e Alternativas de Aquisição de Energia ENCONTRO TÉCNICO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA Ambiente de Contratação Livre e Alternativas de Aquisição de Energia João Carlos Mello Abril 2005 O Mercado Livre no Brasil Abertura do Mercado de Energia Mercado

Leia mais

Case: a sobre contratação das distribuidoras, suas causas e seus efeitos

Case: a sobre contratação das distribuidoras, suas causas e seus efeitos Case: a sobre contratação das distribuidoras, suas causas e seus efeitos Fernando Umbria LPS Consultoria Energética LPS Sobras das distribuidoras As distribuidoras encontram-se com elevados excedentes

Leia mais

Agenda Positiva do Mercado Livre de Energia 14º Encontro Internacional de Energia - FIESP 5 de agosto de Ricardo Lima Conselho de Administração

Agenda Positiva do Mercado Livre de Energia 14º Encontro Internacional de Energia - FIESP 5 de agosto de Ricardo Lima Conselho de Administração Agenda Positiva do Mercado Livre de Energia 14º Encontro Internacional de Energia - FIESP 5 de agosto de 2013 Ricardo Lima Conselho de Administração Agenda Visão geral de mercado Dados de Comercialização

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Por Dentro da Tractebel Florianópolis, 1º de agosto de 2013 Manoel Zaroni Torres - CEO Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Expansão da Matriz

Leia mais

CARTILHA MERCADO LIVRE

CARTILHA MERCADO LIVRE CARTILHA MERCADO LIVRE DE ENERGIA ELÉTRICA Um guia básico para consumidores potencialmente livres e especiais SUMÁRIO 7 APRESENTAÇÃO 8 O QUE É MERCADO LIVRE? 10 CONTRATOS E ENTREGA DA ENERGIA 12 QUEM

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE

GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012. Secretaria de Energia Elétrica SEE GERAÇÃO DISTRIBUIDA MODELO E LEGISLAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº 482/2012 Secretaria de Energia Elétrica SEE MODELO ATUAL DO SETOR ELÉTRICO PILARES SEGURANÇA ENERGÉTICA UNIVERSALIZAÇÃO

Leia mais

Plataforma eletrônica de negociação de energia elétrica. 18/Maio/2012

Plataforma eletrônica de negociação de energia elétrica. 18/Maio/2012 Plataforma eletrônica de negociação de energia elétrica 18/Maio/2012 Tópicos 1. Mercado Livre de energia elétrica no Brasil Mercado Cativo X Mercado Livre Agentes autorizados a operar no Ambiente de Contratação

Leia mais

Oportunidades no Mercado Livre de Energia Grupo Enel Diretoria de Trading e Gestão de Energia Feira da Indústria Eletro-Eletrônica 2017

Oportunidades no Mercado Livre de Energia Grupo Enel Diretoria de Trading e Gestão de Energia Feira da Indústria Eletro-Eletrônica 2017 Oportunidades no Mercado Livre de Energia Grupo Enel Diretoria de Trading e Gestão de Energia Feira da Indústria Eletro-Eletrônica 2017 31/07/2017 Enel no Mundo Dados Presença: 32 países e 4 continentes

Leia mais

Nº 003 Março/ Nº de usinas

Nº 003 Março/ Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

Desenvolvimento de projetos de geração na indústria

Desenvolvimento de projetos de geração na indústria Desenvolvimento de projetos de geração na indústria Fabio Dias Agenda Processos industriais e a geração de energia Autoprodução para a indústria Alternativas e viabilidade de projetos de geração distribuída

Leia mais

Resultados 2016 Março, 2017

Resultados 2016 Março, 2017 Resultados Março, 2017 Hidrologia e Reservatórios Redução da afluência no SIN em (86,7% da MLT 1 vs. 89,4% em 2015) com maior nível dos reservatórios em 31,7% em vs. 29,4% em 2015 Destaques $ Preço de

Leia mais

Contratos Introdução. Regras de Comercialização. Contratos. 1 Versão Minuta. Versão 1.0

Contratos Introdução. Regras de Comercialização. Contratos. 1 Versão Minuta. Versão 1.0 Introdução Regras de Comercialização Contratos 1 Versão 1.0 - Minuta Versão 1.0 Introdução Índice Contratos 3 1 Introdução 3 1.1 Lista de Termos 5 1.2 Conceitos Básicos 6 2 Detalhamento das Etapas dos

Leia mais

Fundamentos do Setor Elétrico no Brasil

Fundamentos do Setor Elétrico no Brasil Fundamentos do Setor Elétrico no Brasil Breve Histórico A eletricidade entrou no Brasil no final do século XIX Por volta de 30, a energia elétrica era obtida com pequenas usinas pertencentes a indústrias

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 dezembro/2016. b. Contabilização novembro/16

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. a. Prévia de Medição 1 dezembro/2016. b. Contabilização novembro/16 O InfoMercado mensal apresenta os dados prévios da medição de dezembro e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em novembro de 2016. O histórico de dados

Leia mais

2 Avaliação de Portfolios na Área de Comercialização de Energia Elétrica

2 Avaliação de Portfolios na Área de Comercialização de Energia Elétrica 2 Avaliação de Portfolios na Área de Comercialização de Energia Elétrica Até 1997 o Setor Elétrico Brasileiro era basicamente um monopólio estatal administrado por empresas federais e estaduais. A partir

Leia mais

23º Leilão de Energia Nova

23º Leilão de Energia Nova 1 23º Leilão de Energia Nova Realização: 29/04/2016 Categoria: A-5 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão O documento em PDF encontra-se em anexo (Esta análise foi distribuída às 19:30 do dia 28/04/2016)

Leia mais

Fernando Henrique Schüffner Neto

Fernando Henrique Schüffner Neto Fernando Henrique Schüffner Neto 24/Março/2011 Tópicos i. Produção de Energia Elétrica ii. Comercialização da Energia Elétrica iii. Panorama Atual das Fontes Geração Grandes Centrais Hidrelétricas (UHE)

Leia mais

Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar

Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar Seminário franco-brasileiro de Energia Solar - FIESP 25/08/2016 Roberto Castro Conselheiro de Administração Agenda Comercialização de Energia Elétrica

Leia mais

O PLD da 5ª semana de Novembro foi republicado devido a um erro de entrada de dado no Modelo:

O PLD da 5ª semana de Novembro foi republicado devido a um erro de entrada de dado no Modelo: 02 2 3 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Dezembro de 203 Dezembro (30..203 a 06.2.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 309,49 309,33 Pesada 33,8

Leia mais

Regulação para o Uso de Fontes Alternativas na Geração de Energia Elétrica no Brasil

Regulação para o Uso de Fontes Alternativas na Geração de Energia Elétrica no Brasil Regulação para o Uso de Fontes Alternativas na Geração de Energia Elétrica no Brasil (Incentivos e Desenvolvimento) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro www.ccee.org.br Nº 219 2ª semana de dezembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

Análise PLD 5ª semana operativa de janeiro

Análise PLD 5ª semana operativa de janeiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 5,59 46,2 35,76 3,25 3,25 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 226 5ª

Leia mais

CEC de usinas eólicas

CEC de usinas eólicas CEC de usinas eólicas Avaliação crítica da formulação e proposta de nova metodologia considerando os aspectos contratuais da fonte Gabriel Malta Castro 1 Amaro Olímpio Pereira Júnior 2 Resumo: O valor

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa pouco mais de 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia

Leia mais

3 RISCOS DE CONTRATAÇÃO DE PCHS E USINAS BIOMASSA

3 RISCOS DE CONTRATAÇÃO DE PCHS E USINAS BIOMASSA RISCOS DE CONTRATAÇÃO DE PCHS E USINAS BIOMASSA 35 3 RISCOS DE CONTRATAÇÃO DE PCHS E USINAS BIOMASSA Neste capítulo serão detalhados os riscos que as PCHs e Usinas a Biomassa de Cana de Açúcar estão sujeitas

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA

CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA CEMIG E O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA ACMMINAS CONSELHO EMPRESARIAL DE MINERAÇÃO E SIDERURGIA JULHO DE 2016 SUMÁRIO A CEMIG E O SETOR INDUSTRIAL HISTÓRICO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E DE ATENDIMENTO REPRESENTATIVIDADES

Leia mais

POSiCIONAMENTO DA COGERAÇÃO NO NOVO MARCO REGULATÓRIO

POSiCIONAMENTO DA COGERAÇÃO NO NOVO MARCO REGULATÓRIO POSiCIONAMENTO DA COGERAÇÃO NO NOVO MARCO REGULATÓRIO Professor Adilson de Oliveira ROTEIRO PRINCÍPIOS DO NOVO MODELO CARACTERÍSTICAS BÁSICAS MERCADOS ELÉTRICOS PAPÉIS DESTINADOS AOS AGENTES NOVAS BARREIRAS

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA

PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA Manoel Zaroni Torres São Paulo, 30 de Março de 2016 1 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 PIB: histórico x projeção 7,6%

Leia mais

Incentivos para a Geração Distribuída no Brasil

Incentivos para a Geração Distribuída no Brasil Incentivos para a Geração Distribuída no Brasil : 1. Introdução O Brasil vem buscando nos últimos anos posicionamento cada vez maior como líder no desenvolvimento de projetos em energias renováveis. Podemos

Leia mais

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva

Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Fórum CanalEnergia: Viabilidade de Investimentos em Fontes Alternativas Estrutura e Viabilidade do Leilão de Reserva Rodrigo Oliveira RJ, 25 de março de 2008 Características do Modelo Atual de Contratação

Leia mais

Resultados 3T16 Novembro, 2016

Resultados 3T16 Novembro, 2016 Resultados Novembro, 2016 Hidrologia e Reservatórios Redução da afluência do SIN no para 86,5% da MLT 1 na comparação com o 3T15 e nível dos reservatórios ficaram em 38,3% Preço de Energia Expectativa

Leia mais

Ofício nº 0275/2016-SRD-SGT-SRM-SCG/ANEEL. Brasília, 7 de julho de Ao Senhor Gustavo Matsuyama Denki-Kraft Partners São Paulo - SP

Ofício nº 0275/2016-SRD-SGT-SRM-SCG/ANEEL. Brasília, 7 de julho de Ao Senhor Gustavo Matsuyama Denki-Kraft Partners São Paulo - SP Ofício nº 0275/2016-SRD-SGT-SRM-SCG/ANEEL Brasília, 7 de julho de 2016. Ao Senhor Gustavo Matsuyama Denki-Kraft Partners São Paulo - SP Assunto: Geração distribuída e autoprodução de energia. Prezado Senhor,

Leia mais