CONFERÊNCIAS REGIONAIS DE MEIO AMBIENTE DA BAHIA REGIMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONFERÊNCIAS REGIONAIS DE MEIO AMBIENTE DA BAHIA REGIMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS"

Transcrição

1 CONFERÊNCIAS REGIONAIS DE MEIO AMBIENTE DA BAHIA REGIMENTO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - A II Conferência Estadual do Meio Ambiente da Bahia - CEMA, convocada pelo Decreto Estadual nº , de 05 de junho de 2007, será realizada de forma democrática, mediante a participação espontânea de todos os cidadãos e cidadãs nas Conferências Regionais e pelos delegados e delegadas à II CEMA. As análises, formulações e proposições apresentadas deverão contribuir para a consecução dos objetivos da III Conferência Nacional do Meio Ambiente. Parágrafo único: A II CEMA terá os seguintes objetivos: I. Contribuir para a construção das Políticas e dos Planos Estadual e Nacional de Enfrentamento das Mudanças Climáticas. I IV. Propor diretrizes para a elaboração do Plano Estadual de Meio Ambiente e demais instrumentos de planejamento na área ambiental do Estado. Contribuir para o fortalecimento do Sistema Nacional de Meio Ambiente SISNAMA, o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos SINGREH, do Sistema Estadual de Administração dos Recursos Ambientais SEARA e do Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Discutir a periodicidade das Conferências Estadual e Nacional do Meio Ambiente, sua institucionalização, bem como a avaliação dos resultados das deliberações da I e da II CNMA. Art. 2º - O caráter deliberativo da Conferência determina a implementação de políticas públicas pelas instâncias de gestão de forma contínua e progressiva. CAPITULO II DO TEMÁRIO Art. 3º - A III Conferência Nacional do Meio Ambiente - CNMA tem como lema: Vamos Cuidar do Brasil e como tema: Mudanças Climáticas, constituído dos seguintes eixos: I. Aspectos Científicos das Mudanças Climáticas. O Regime Internacional das Mudanças Climáticas. I O Brasil e as Mudanças Climáticas. IV. Educação Ambiental e as Mudanças Climáticas. Parágrafo único: Entende-se por enfrentamento das mudanças climáticas as medidas de mitigação (redução e absorção de gases do efeito estufa) e as medidas de adaptação aos efeitos adversos das mudanças climáticas. Art. 4º - A II CEMA tem como lema: Vamos Cuidar do Brasil e como tema Mudanças Climáticas, Território e Sociedade, que será discutido a partir dos seguintes eixos temáticos: I. Desafios locais diante das Mudanças Climáticas. I Diretrizes de Planejamento para o fortalecimento do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA, do Sistema Estadual de Administração dos Recursos Ambientais SEARA, do Sistema Nacional de Gerenciamento dos Recursos Hídricos SINGREH e do Sistema Estadual de Gerenciamento dos Recursos Hídricos. Política de Educação Ambiental para Territórios Sustentáveis.

2 CAPÍTULO III DA REALIZAÇÃO Art. 5 - Todos os cidadãos e cidadãs moradores dos Municípios do território, da área de abrangência da Conferência Regional poderão participar da mesma. Art. 6º - No ato do credenciamento, o cidadão ou cidadã deverá optar por fazê-lo na qualidade de delegado(a), com direito a voz, voto e ser votado; observador (a), com direito a voz e sem direito a voto e ser votado; convidado (a), com direito a voz e sem direito a voto e ser votado. Art. 7º - Optando em participar como delegado, a pessoa deverá informar o setor/segmento (sociedade civil, setor empresarial patronal ou setor público) que representa, permanecendo com esta classificação em todo processo da Conferência Estadual. Art. 8º - No ato do credenciamento o participante deverá optar por inscrever-se em um dos grupos temáticos propostos. Parágrafo Único - O quorum mínimo para que se instale a Conferência Regional deverá ser com a presença de pelo menos 30% dos delegados credenciados, independentemente do setor a que pertencem. CAPITULO IV DA PROGRAMAÇÃO Art. 9º - As Conferências Regionais serão realizadas em dois dias, com a programação a seguir: I. Primeiro dia: a. 08hs às 12hs: Inscrição e credenciamento. b. 09hs: Abertura c. 09hs30: Leitura do Regimento d. 10hs: Palestras: e. 1. Política Estadual de Meio Ambiente. f. 2. Mudanças Climáticas, Território e Sociedade. g. 11hs15: Formação dos Grupos Temáticos h. 11hs30: Palestra temática i. 12hs15: Almoço j. 14hs: Início dos debates nos Grupos Temáticos k. 18hs: Encerramento do primeiro dia Segundo dia: a. 08hs30: Início da Plenária Geral da Conferência Regional b. 12hs: Almoço c. 14hs: Continuação da Plenária Geral da Conferência Regional d. 16hs: Eleição dos delegados à II CEMA e. 17hs30: Homologação dos delegados eleitos e encerramento. CAPÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO E DO FUNCIONAMENTO DOS GRUPOS TEMÁTICOS Art. 10º - Participarão dos trabalhos dos grupos temáticos todos os delegados, convidados e observadores que se inscreveram para discutir o tema. Art. 11º - O quorum mínimo para funcionamento dos trabalhos e votação nos grupos temáticos será sempre com a presença mínima de 30% dos delegados inscritos no grupo, independentemente do setor a que representam. 2

3 Art. 12º - Os trabalhos nos grupos temáticos seguirão o seguinte roteiro: I. Palestra Temática. Avaliação e apreciação das propostas do texto base e apresentação de novas propostas e destaques. I Discussão e Votação. Art Cada Grupo Temático será coordenado por uma equipe com a seguinte composição e atribuições: I. Um coordenador (a), que terá a função de conduzir os trabalhos do grupo, as discussões e a votação das propostas, estimulando a participação de todos. I Um secretário (a), com a função de anotar as inscrições, controlar o tempo das falas conduzidas pelo coordenador, conforme regimento, e apoiar a condução dos trabalhos no que for necessário. Um relator (a), com a função de redigir as propostas na forma que forem aprovadas nos grupos, segundo orientação metodológica, buscando eliminar redundâncias e duplicidades. Art Os componentes da mesa diretora dos trabalhos nos Grupos Temáticos serão indicados e treinados pela COE que preferencialmente garantirá representação dos três setores que compõem a II CEMA. Art As propostas e emendas apresentadas serão submetidas à discussão dos membros do Grupo Temático e depois de apresentadas serão votadas. Para serem aprovadas deverão ter o voto da maioria simples dos delegados presentes, respeitado o quorum mínimo obrigatório. Parágrafo único Os Grupos Temáticos deverão debater as propostas nos aspectos supressivo total ou parcial, modificativos ou aditivos e novas propostas. Art O coordenador dos trabalhos concederá a palavra a delegado (a), por três minutos, para defesa, a favor e contra, sendo permitida mais uma defesa a favor e contra se a Plenária não se sentir devidamente esclarecida para a votação. Art. 17 A votação nos grupos temáticos se dará por contraste. Havendo dúvidas, será feita a contagem dos votos contra, a favor e as abstenções, considerando vencedora a proposta que obtiver maioria simples dos votos dos delegados presentes, de acordo com esse Regimento e com o Regulamento da II CEMA. Art As propostas aprovadas serão sistematizadas e encaminhadas à apreciação dos delegados na Plenária Geral da Conferência Regional. Art As propostas de moções deverão ser apresentadas à coordenação dos trabalhos até às 10hs do segundo dia da CRMA, com a assinatura de pelo menos 30% dos delegados credenciados. Elas não poderão estar relacionadas a temas derrotados nas plenárias setoriais. Art Para cada eixo temático poderão ser encaminhadas para apreciação da Plenária Geral até 20 propostas devidamente aprovadas de acordo com esse regimento. Parágrafo único: Moção é: Manifestação de apoio ou desagravo dirigida a uma autoridade ou instituição, sobre temas de interesse da sociedade. CAPITULO V DA ORGANIZAÇÃO E DO FUNCIONAMENTO DA PLENÁRIA GERAL Art Participarão da Plenária Geral da Conferência Regional todos os delegados, observadores e convidados credenciados de acordo com esse Regimento e com o Regulamento da II CEMA. Art A Plenária Geral da Conferência Regional será coordenada por uma equipe indicada pela COE, com a seguinte composição e atribuições: I. Um coordenador (a), que terá a função de conduzir os trabalhos da Plenária, as discussões e a 3

4 I votação das propostas, estimulando a participação de todos. Um secretário (a), com a função de anotar as inscrições, controlar o tempo das falas conduzidas pelo coordenador, conforme regimento, e apoiar a condução dos trabalhos no que for necessário. Uma equipe de relatoria, com a função de redigir as propostas na forma que forem aprovadas na Plenária, segundo orientação metodológica, buscando eliminar redundâncias e duplicidades. Art A finalidade da Plenária Geral da Conferência Regional será: I. Debater e aprovar as propostas encaminhadas pelo texto base e pelos Grupos temáticos. I Debater e votar as propostas de moção encaminhadas à apreciação da plenária. Homologar os delegados eleitos para participarem da II CEMA Art Somente irão à apreciação da Plenária Geral as propostas de deliberações que obtiverem pelo menos maioria simples de votos nos grupos temáticos. Art. 25 Na Plenária Geral não poderão ser apresentadas novas propostas, sendo que os destaques poderão ser de supressão total ou parcial. Art Serão aprovadas aquelas propostas que obtiverem o voto da maioria simples dos delegados presentes de acordo com esse regimento. 1º - As propostas que não forem destacadas no momento de leitura, serão consideradas aprovadas por unanimidade. 2º - Os destaques deverão ser encaminhados por escrito à relatoria durante a leitura das propostas. Art O delegado que solicitou o destaque terá três minutos para apresentação do mesmo. Havendo necessidade de esclarecimento por parte do plenário, será concedida a palavra por mais um minuto. Havendo divergência, o coordenador da mesa concederá a palavra para defesa favorável e contra a proposta apresentada. Art Realizadas as defesas procede-se à votação, durante a qual não serão permitidas manifestações de ordem. Art Para cada um dos eixos temáticos não será permitida aprovação de mais de 20 propostas, que passarão a compor o texto base a ser apreciado pelos delegados da II CEMA. Art As propostas de moções encaminhadas, somente serão apreciadas após a conclusão da votação das propostas de resoluções de todos os eixos temáticos. Art As moções aprovadas pela Plenária Geral serão encaminhadas às autoridades ou instituições pela Comissão Organizadora Regional da Conferência. CAPÍTULO VI DA ELEIÇÃO DOS DELEGADOS (AS) PARA A CONFERÊNCIA ESTADUAL Art. 33 A eleição de delegados (as) para a II Conferência Estadual de Meio Ambiente se dará nas Conferências Regionais de acordo com os critérios relacionados abaixo: I. Estar credenciado como delegado e participar da Conferência Regional. I IV. Considerar a população total da região. Respeitar a proporção de 01 delegado (a) eleito para cada 10 participantes. Garantir 30% de gênero em cada setor. V. Garantir a seguinte distribuição setorial: 4

5 a. Para o Setor Público/Servidor Público até 20%, assegurando que destes, no mínimo 50% sejam representantes de governos municipais. b. Para o Setor Empresarial Patronal até 30%. c. Para o Setor Social até 50%, assegurando que destes, no mínimo 5% sejam de representantes das comunidades tradicionais e 5% dos povos indígenas. VI. V VI IX. A eleição dos delegados será setorial, sendo que cada um dos setores deverá constituir uma Comissão Eleitoral para essa finalidade. Para cada delegado titular eleito, deverá ser eleito um suplente. As vagas destinadas a um setor não poderão ser ocupadas por outro. Quando os percentuais previstos para as comunidades tradicionais e povos indígenas não atingirem um delegado, será garantido no mínimo um representante de cada um destes segmentos. Não havendo representantes de comunidades tradicionais ou povos indígenas na CRMA, a vaga será prioritariamente ocupada por representante de povo indígena ou comunidade tradicional presente. Na caso de ausência de representantes de povos indígenas e comunidade tradicioanal, as vagas serão ocupadas por representante do Setor Social. Art. 34 A eleição de delegados (as) por setor será realizada após a conclusão dos trabalhos da Plenária de votação das propostas e das moções. Art Cada setor elegerá seus representantes que posteriormente serão homologados pela Plenária Geral. CAPÍTULO VIII DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Organizadora Regional, juntamente com a representação da COE. 5

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES REGIMENTO INTERNO 1 Define as regras de funcionamento da 3ª Conferência Nacional de Economia solidária, convocada pela Resolução n 5, do Conselho Nacional de Economia Solidária, de 19 de junho de 2013.

Leia mais

REGIMENTO DA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO CLARO

REGIMENTO DA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO CLARO 1 REGIMENTO DA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE RIO CLARO CAPÍTULO I DA CONFERÊNCIA Artigo 1.º - A 3ª Conferência Municipal de Educação - 3ª CME, convocada pelo Prefeito Municipal de Rio Claro e

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA PRÉ-CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO SINDICATO DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL DE CURITIBA - SISMMAC

REGULAMENTO INTERNO DA PRÉ-CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO SINDICATO DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL DE CURITIBA - SISMMAC REGULAMENTO INTERNO DA PRÉ-CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO SINDICATO DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL DE CURITIBA - SISMMAC Define as normas que regulamentam a Pré-Conferência Municipal de Educação promovida

Leia mais

REGIMENTO PARA III CONFERÊNCIA NACIONAL DO ESPORTE ETAPA MUNICIPAL/REGIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIMENTO PARA III CONFERÊNCIA NACIONAL DO ESPORTE ETAPA MUNICIPAL/REGIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIMENTO PARA III CONFERÊNCIA NACIONAL DO ESPORTE ETAPA MUNICIPAL/REGIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º- A Conferência Municipal/Regional do Esporte com sede no município de São Leopoldo, com a participação

Leia mais

CONSIDERANDO a realização da VI Plenária de Conselhos de Saúde do Estado do Amazonas, nos dias 06 e 07 de junho de 2013;

CONSIDERANDO a realização da VI Plenária de Conselhos de Saúde do Estado do Amazonas, nos dias 06 e 07 de junho de 2013; RESOLUÇÃO CES/AM Nº. 012 DE 28 DE MAIO DE 2013. Dispõe sobre o Regimento Interno da VI Plenária de Conselhos de Saúde do Estado do Amazonas. A Plenária do Conselho Estadual de Saúde do Amazonas, na sua

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. CAPÍTULO I Da Natureza

REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. CAPÍTULO I Da Natureza REGIMENTO INTERNO DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CAPÍTULO I Da Natureza Art. 1º O Plano Municipal de Educação é um plano global de toda a educação do Município de Caxias do Sul,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO-MG CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTO DE SAÚDE: 6627803

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO-MG CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTO DE SAÚDE: 6627803 REGULAMENTO VI CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO TIAGO CAPITULO I DA REALIZAÇÃO Art. 1º A VI Conferência Municipal de Saúde de São Tiago é convocada e presidida pelo Prefeito Municipal e, na sua ausência

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA V CONFERÊNCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CAPÍTULO I DO OBJETIVO, TEMÁRIO Art. 1º A V Conferência Regional dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Do 6º. Congresso Estatutário dos Funcionários da USP

Do 6º. Congresso Estatutário dos Funcionários da USP REGIMENTO DO 6º CONGRESSO ESTATUTÁRIO DOS FUNCIONÁRIOS DA USP SINDICATO DOS TRABALHADORES DA USP DATA: 27, 28, 29 E 30 DE ABRIL DE 2015. LOCAIS: ABERTURA DIA 27, ÀS 18H00 E INSTALAÇÃO DA PLENÁRIA PARA

Leia mais

METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS. Art. 2º - São objetivos específicos da ESTATUINTE: a) definir os princípios e finalidades da UFRB.

METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS. Art. 2º - São objetivos específicos da ESTATUINTE: a) definir os princípios e finalidades da UFRB. METODOLOGIA PARA A ESTATUINTE UFRB DOS OBJETIVOS Art. 1º - A ESTATUINTE consiste em processo consultivo e deliberativo que tem por objetivo geral elaborar o Estatuto da UFRB. Art. 2º - São objetivos específicos

Leia mais

Proposta de Regulamento

Proposta de Regulamento Proposta de Regulamento VIII Congresso Regional de Psicologia (COREP) do Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais - 4ª Região (CRP/MG) Etapa Regional do VIII Congresso Nacional de Psicologia (CNP)

Leia mais

PORTARIA Nº 43, DE 28 DE ABRIL DE 2010.

PORTARIA Nº 43, DE 28 DE ABRIL DE 2010. PORTARIA Nº 43, DE 28 DE ABRIL DE 2010. Publica o Regimento Interno do Colegiado Setorial de Música do Conselho Nacional de Política Cultural. O MINISTRO DE ESTADO DA CULTURA, no uso das atribuições que

Leia mais

PORTARIA Nº 45, DE 28 DE ABRIL DE 2010.

PORTARIA Nº 45, DE 28 DE ABRIL DE 2010. PORTARIA Nº 45, DE 28 DE ABRIL DE 2010. Publica o Regimento Interno do Colegiado Setorial de Literatura, Livro e Leitura do Conselho Nacional de Política Cultural. O MINISTRO DE ESTADO DA CULTURA, no uso

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA DE JACOBINA

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA DE JACOBINA REGIMENTO INTERNO DA IV CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JACOBINA BA Art. 1º. Este regimento interno da IV Conferência Municipal de Saúde de Jacobina-BA CMS tem como finalidade definir a organização dos

Leia mais

Congresso Regional de Psicologia do Conselho Regional de Psicologia 4ª. Região Etapa Regional do VI CNP CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

Congresso Regional de Psicologia do Conselho Regional de Psicologia 4ª. Região Etapa Regional do VI CNP CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Congresso Regional de Psicologia do Conselho Regional de Psicologia 4ª. Região Etapa Regional do VI CNP CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - São objetivos do VIº Congresso Regional da Psicologia: a) Promover

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia PORTARIA Nº 14/2009 Aprova o Regulamento da I Conferência Municipal de Cultura de Eunápolis-BA e dá outras providências. A SECRETÁRIA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CONFERÊNCIA DA CIDADE DE ALFENAS/MG CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DA CONFERÊNCIA DA CIDADE DE ALFENAS/MG CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DA CONFERÊNCIA DA CIDADE DE ALFENAS/MG CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - A 2ª Conferência Municipal das Cidades convocada por Decreto Municipal nº 732, de 14 de fevereiro de 2013, a

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre DECRETO Nº 17.301, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova o Regimento Interno do Fórum Municipal dos Conselhos da Cidade (FMCC). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE LIONS CLUBES - DISTRITO LC-1 REGIMENTO INTERNO DAS CONVENÇÕES CAPÍTULO I DA DISPOSIÇÃO INICIAL

ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE LIONS CLUBES - DISTRITO LC-1 REGIMENTO INTERNO DAS CONVENÇÕES CAPÍTULO I DA DISPOSIÇÃO INICIAL ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE LIONS CLUBES - DISTRITO LC-1 REGIMENTO INTERNO DAS CONVENÇÕES CAPÍTULO I DA DISPOSIÇÃO INICIAL Art. 1 Este Regimento Interno estabelece a Constituição e Finalidade das Convenções

Leia mais

REGIMENTO DO CONGRESSO ESTATUINTE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA UEFS DO CONGRESSO

REGIMENTO DO CONGRESSO ESTATUINTE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA UEFS DO CONGRESSO REGIMENTO DO CONGRESSO ESTATUINTE DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA UEFS DO CONGRESSO Artigo 1º - O Congresso Estatuinte é a instância máxima da ESTATUINTE e será constituído pelos delegados,

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES.

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. Art. 1º - O Fórum permanente da Agenda 21 de Tanguá, criado pela Lei

Leia mais

REGULAMENTO DO VIII CONGRESSO REGIONAL DE PSICOLOGIA - COREP CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO VIII CONGRESSO REGIONAL DE PSICOLOGIA - COREP CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO VIII CONGRESSO REGIONAL DE PSICOLOGIA - COREP CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. São objetivos do VIII Congresso Regional de Psicologia - VIII COREP: a) Promover a organização e a mobilização

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Fundação de Turismo de Angra dos Reis Conselho Municipal de Turismo

Estado do Rio de Janeiro MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS Fundação de Turismo de Angra dos Reis Conselho Municipal de Turismo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE TURISMO Capítulo 1 Da Natureza e das Competências Art. 1. O CMT, órgão consultivo e deliberativo, instituído pela Lei nº 433/L.O., de 14 de junho de 1995, alterada

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA 5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA 5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA 5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DAS CIDADES CAPITULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º São objetivos da 5ª Conferência Estadual das Cidades: I - propor a interlocução entre autoridades

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA PORTARIA N o, DE DE DE 2009. Aprova o regimento da II Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO XXI CONGRESSO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO TÍTULO I DA SEDE, DO PERÍODO DE REALIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1.

REGIMENTO INTERNO DO XXI CONGRESSO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO TÍTULO I DA SEDE, DO PERÍODO DE REALIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1. REGIMENTO INTERNO DO XXI CONGRESSO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO TÍTULO I DA SEDE, DO PERÍODO DE REALIZAÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1.º O XXI Congresso Nacional do Ministério Público, convocado pela Associação

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE AMAMBAI GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE AMAMBAI GABINETE DO PREFEITO Republica por incorreção, o DECRETO Nº 202/13, que circulou no DOM Assomasul nº 0812, no dia 08/04/13, passando a vigorar com a redação abaixo. Aprova o Regimento da 5ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DA CIDADE

Leia mais

Regimento da Assembleia Preparatória Estadual

Regimento da Assembleia Preparatória Estadual ASSEMBLEIA NACIONAL DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS I - DA ASSEMBLEIA Art. 1º. A Assembleia Preparatória Estadual será realizada na jurisdição de cada Conselho Regional de Odontologia, sob a coordenação

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO Art. 1º Este Regulamento Interno disciplina as normas relativas ao funcionamento da Comissão Própria

Leia mais

II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL REGIMENTO DA II CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL, APROVADO EM 30 DE SETEMBRO DE 2003 PELO CONSELHO NACIONAL DE SEGURANÇA

Leia mais

XVI CONAPEF CONGRESSO NACIONAL DOS POLICIAIS FEDERAIS REGIMENTO INTERNO

XVI CONAPEF CONGRESSO NACIONAL DOS POLICIAIS FEDERAIS REGIMENTO INTERNO XVI CONAPEF CONGRESSO NACIONAL DOS POLICIAIS FEDERAIS REGIMENTO INTERNO O Presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais - FENAPEF, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 14 e 25,

Leia mais

VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO. Capítulo I Dos objetivos

VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO. Capítulo I Dos objetivos VIII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIMENTO INTERNO Capítulo I Dos objetivos Art.1º - A VIII Conferência Municipal de Saúde terá por objetivos: I - Impulsionar, reafirmar e buscar a efetividade dos princípios

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CONFERÊNCIA DE ANÁLISE E DISCUSSÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CARAPEBUS/RJ

REGIMENTO INTERNO DA CONFERÊNCIA DE ANÁLISE E DISCUSSÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CARAPEBUS/RJ REGIMENTO INTERNO DA CONFERÊNCIA DE ANÁLISE E DISCUSSÃO DO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CARAPEBUS/RJ CAPÍTULO I DA REALIZAÇÃO E CARÁTER DA CONFERÊNCIA Art. 1º A PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPEBUS, através

Leia mais

PASSO A PASSO Pré-Conferência Nacional ou Conferência Estadual do Meio Ambiente

PASSO A PASSO Pré-Conferência Nacional ou Conferência Estadual do Meio Ambiente PASSO A PASSO Pré-Conferência Nacional ou Conferência Estadual do Meio Ambiente Sumário Apresentação 3 PARTE I Fluxograma da Pré-Conferência Nacional ou Conferência Estadual do Meio Ambiente 4 Infra-estrutura

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA VIII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

REGIMENTO INTERNO DA VIII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL REGIMENTO INTERNO DA VIII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Define as regras de funcionamento da VIII Conferência Nacional de Assistência Social. Art. 1º A VIII Conferência Nacional de Assistência

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DA 3ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CEST/RS (ATUALIZADO PELA RESOLUÇÃO CES/RS Nº 02/2014) CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º A 3ª

Leia mais

União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar

União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar União dos Escoteiros do Brasil Região do Rio Grande do Sul O Ramo Pioneiro em 1º lugar Regulamento do Ramo Pioneiro no Rio Grande do Sul TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Paranaguá Fundação Municipal de Cultura de Paranaguá - Nelson de Freitas Barbosa

Prefeitura Municipal de Paranaguá Fundação Municipal de Cultura de Paranaguá - Nelson de Freitas Barbosa REGIMENTO DO II FÓRUM MUNICIPAL DE CULTURA DE PARANAGUÁ Art. 1 O II Fórum de Municipal de Cultura de Paranaguá comporta o foro municipal dos debates sobre o Sistema Municipal de Cultura de Paranaguá, aberto

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DE LONDRINA CMDPD REGIMENTO INTERNO O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Londrina CMDPD, criado pela Lei Municipal nº

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI- possui atribuições de caráter propositivo

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

FÓRUM NACIONAL PERMANENTE DA SOCIEDADE CIVIL PELOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA

FÓRUM NACIONAL PERMANENTE DA SOCIEDADE CIVIL PELOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA FÓRUM NACIONAL PERMANENTE DA SOCIEDADE CIVIL PELOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM NACIONAL DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º O FÓRUM NACIONAL PERMANENTE DA SOCIEDADE CIVIL PELOS DIREITOS

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DAS MULHERES REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art.1º _ O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher CNDM, é órgão colegiado de natureza consultiva e deliberativa,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO

CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS NOS OUÇAM! Regimentalmente o Conselho de Arquitetura e

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS. Regimento Geral

ASSEMBLEIA NACIONAL DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS. Regimento Geral ASSEMBLEIA NACIONAL DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS I - DA ASSEMBLEIA Art. 1º. A III Assembleia Nacional de Especialidades Odontológicas - III ANEO - será realizada em São Paulo (SP), dias 13 e 14 de outubro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CMDPCD JACOBINA CAPÍTULO I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência - CMDPCD, instituído

Leia mais

VI CONGRESSO NACIONAL DA PSICOLOGIA ETAPA REGIONAL Regulamento

VI CONGRESSO NACIONAL DA PSICOLOGIA ETAPA REGIONAL Regulamento VI CONGRESSO NACIONAL DA PSICOLOGIA ETAPA REGIONAL Regulamento CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - São objetivos do VI Congresso Nacional da Psicologia - Etapa Regional - Santa Catarina: a) Promover a organização

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1º A Área de Concentração

Leia mais

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem:

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem: Regimento Interno Objeto Composição e Competência Presidência Reuniões Ordem dos Trabalhos Disposições Gerais Capítulo I Objeto Art. 1.º - Em cumprimento ao Estatuto Social da Associação dos Funcionários

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPI Aprova o Regimento do Conselho de Administração da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Administração,

Leia mais

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa.

CAPÍTULO III - DA ORGANIZAÇÃO Art. 3º. - O CEMACT funciona através do Plenário, das Câmaras Técnicas, comissões e Secretaria Administrativa. REGIMENTO DO CEMACT REGIMENTO INTERNO DO CEMACT CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. - Este Regimento estabelece as formas de organização e funcionamento do conselho Estadual de Meio Ambiente,

Leia mais

RESOLUÇÃO 001/2015, DA COMISSÃO ORGANIZADORA NACIONAL SOBRE A ELEIÇÃO DE PROPOSTAS E DELEGADOS/AS DA ETAPA DIGITAL

RESOLUÇÃO 001/2015, DA COMISSÃO ORGANIZADORA NACIONAL SOBRE A ELEIÇÃO DE PROPOSTAS E DELEGADOS/AS DA ETAPA DIGITAL RESOLUÇÃO 001/2015, DA COMISSÃO ORGANIZADORA NACIONAL A Comissão Organizadora da 3ª Conferência Nacional de Juventude, no uso de suas atribuições regimentais, e conforme o estabelecido nos artigos 15,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SETORIAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Art. 1 - O Conselho Setorial de Pós-Graduação e Pesquisa constitui-se em órgão consultivo, deliberativo

Leia mais

ESTATUTO Fórum Nacional de Diretores de Departamento de Contabilidade e Finanças das Universidades Federais Brasileiras

ESTATUTO Fórum Nacional de Diretores de Departamento de Contabilidade e Finanças das Universidades Federais Brasileiras ESTATUTO Fórum Nacional de Diretores de Departamento de Contabilidade e Finanças das Universidades Federais Brasileiras Regimento alterado e aprovado pelo plenário na XVII Reunião Extraordinária em Porto

Leia mais

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI

Cadastro Organizacional/PMS CMI/SETAD CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI ÓRGÃO COLEGIADO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS DO

Leia mais

REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. Capítulo I DAS CONVOCAÇÕES

REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. Capítulo I DAS CONVOCAÇÕES REGIMENTO XII CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO Art. 1º - O presente Regimento, previsto pelo art. 24, 2º, da Lei nº 5.104/2009, se destina a regulamentar à XII Conferência Municipal de

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA REGIMENTO DO CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO DO TERRITÓRIO CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC CAPÍTULO I DA NATUREZA Art 1º - O Conselho de Desenvolvimento do Território CANTUQUIRIGUAÇU - CONDETEC é composto por entidades

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DAS ELEIÇÕES PARA DIRETORIA EXECUTIVA GESTÃO 2015-2018 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGIMENTO INTERNO DAS ELEIÇÕES PARA DIRETORIA EXECUTIVA GESTÃO 2015-2018 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGIMENTO INTERNO DAS ELEIÇÕES PARA DIRETORIA EXECUTIVA GESTÃO 2015-2018 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - A Associação Nacional dos Técnicos de Fiscalização Federal Agropecuária - ANTEFFA

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DO ESTADO DO TOCANTINS COEMA CAPÍTULO I DAS COMPETÊNCIAS Art. 1 - O Conselho Estadual do Meio Ambiente do Estado do Tocantins COEMA, órgão colegiado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS

MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS MINUTA DE REGIMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO DE CÂMPUS CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais, Categoria e Finalidades Art. 1º - O Conselho de Câmpus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO Aprovado pelo Conselho Universitário em sessão realizada no dia 29 de março de 1983 Resolução No. 09/83. REGIMENTO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos

Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores. Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos Mais do que faculdade, uma escola de empreendedores Regulamento do Colegiado de curso da Faculdade Montes Belos São Luís de Montes Belos, novembro de 2011 REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSOS REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

REFERENCIAL BÁSICO PARA REALIZAÇÃO DE CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

REFERENCIAL BÁSICO PARA REALIZAÇÃO DE CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Conselho Estadual de Assistência Social REFERENCIAL BÁSICO PARA REALIZAÇÃO DE CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Belo Horizonte, 2009 1ª Edição em 2001 2ª Edição em 2007 3º Edição em 2009 ATUALIZADO

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA. DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011

D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA. DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011 D.O.U, de 26 de maio de 2011, Seção 1, pag. 35 COMITÊ NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA DELIBERAÇÃO No- 1, DE 5 DE MAIO DE 2011 Institui o Regimento Interno do Comitê Nacional de Educação Financeira. O COMITÊ

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou e eu, em seu nome, sanciono e promulgo a seguinte Lei: Das disposições Gerais Art.

Leia mais

COMO ORGANIZAR UMA CONFERENCIA

COMO ORGANIZAR UMA CONFERENCIA COMO ORGANIZAR UMA CONFERENCIA MIRIAM FUCKNER Assistente Social Área de Desenvolvimento Social - EMATER CURITIBA, MAIO DE 2015 COMO ORGANIZAR UMA CONFERÊNCIA Muitos Conselhos de políticas públicas realizam,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI/Campinas), criado pela Lei Municipal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA Art. 1. O Fórum Estadual Permanente de Apoio à Formação Docente do Estado do Amapá é a

Leia mais

REGIMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOIÁS (FORPROF-GO)

REGIMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOIÁS (FORPROF-GO) REGIMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOIÁS (FORPROF-GO) Goiânia-2010 REGIMENTO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE GOIÁS (FORPROF-GO) CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Colegiado de Curso é órgão consultivo, normativo, de planejamento acadêmico e executivo, para os assuntos de política de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008. DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Regulamenta o artigo 66, do Estatuto dos Servidores Públicos de São Leopoldo, Lei nº 6.055 de 14 de Setembro de 2006, Da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes-

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA Versão 1.0 Setembro/2014 Página2 2014 Programa de Desenvolvimento Econômico do Território Oeste do Paraná Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO

COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO INTERNO SUMÁRIO CAPITULO I Do fundamento legal CAPITULO

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL.

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL. ANEXO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º. Ao Fórum Regional Permanente das Microempresas

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI TITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento disciplina a organização, o funcionamento e as atribuições do Núcleo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES 1 REGIMENTO INTERNO DO COLÉGIO DE PRESIDENTES DAS SUBSEÇÕES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E FINALIDADES Art. 1º O Colégio de Presidentes das Subseções é órgão de Consulta, Sugestões e de Recomendações ao Conselho

Leia mais

******************************************************************************** ***

******************************************************************************** *** ******************************************************************************** *** REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FLORIANÓPOLIS ********************************************************************************

Leia mais

PORTARIA Nº 281, DE 16 DE JUNHO DE 2015

PORTARIA Nº 281, DE 16 DE JUNHO DE 2015 PORTARIA Nº 281, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Aprova o anexo Regimento Interno do Fórum Permanente para o Transporte Rodoviário de Cargas. O SECRETÁRIO-EXECUTIVO, SUBSTITUTO, DO MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES, no

Leia mais

Regimento do Comitê de Tecnologia da Informação

Regimento do Comitê de Tecnologia da Informação Regimento do Comitê de Tecnologia da Informação Capítulo 1 Da Natureza e das Competências Art. 1º - O Comitê de Tecnologia da Informação (CTI) instituído pela portaria Nº 1319/GR, de 15 de Setembro de

Leia mais

Lei Municipal nº 2.610, de 31 de outubro de 2008, que aprova o Plano Municipal de Educação de Niterói;

Lei Municipal nº 2.610, de 31 de outubro de 2008, que aprova o Plano Municipal de Educação de Niterói; SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI ATOS DO PRESIDENTE EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2015 III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE NITERÓI

Leia mais

CONVOCAÇÂO. Votação da criação e texto normativo para: CLOSED MEETING

CONVOCAÇÂO. Votação da criação e texto normativo para: CLOSED MEETING CONVOCAÇÂO Prezado Sócio, Conforme determina o estatuto social da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Ombro e Cotovelo, convocamos V.Sa. para participar da Assembléia Geral Ordinária e em seguida a Assembléia

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

Regimento do XI Congresso dos Estudantes: O Fórum por Democracia na USP!

Regimento do XI Congresso dos Estudantes: O Fórum por Democracia na USP! Regimento do XI Congresso dos Estudantes: O Fórum por Democracia na USP! Cap. I Do Congresso Art. 1º - O Congresso dos estudantes da USP, instância máxima do movimento estudantil da USP, é aberto à participação

Leia mais

REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO

REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO REGIMENTO DO X CONGRESSO DA UGT (EXTRAORDINÁRIO) DOS MEMBROS DO CONGRESSO ARTIGO. 1º. (Definição e Mandato) 1. São membros de pleno direito os delegados eleitos e designados e os membros por inerência

Leia mais

Portaria Interministerial N 416, de 23 de Abril de 2004

Portaria Interministerial N 416, de 23 de Abril de 2004 Portaria Interministerial N 416, de 23 de Abril de 2004 Portaria Interministerial N 416, de 23 de abril de 2004 Presidência da República Casa Civil OS MINISTROS DE ESTADO CHEFE DA CASA CIVIL DA PRESIDÊNCIA

Leia mais

1. II Conferência Nacional de Cultura II CNC e Pré-conferências setoriais

1. II Conferência Nacional de Cultura II CNC e Pré-conferências setoriais 1. II Conferência Nacional de Cultura II CNC e Pré-conferências setoriais Nos dias 11 a 14 de março, o Ministério da Cultura e seus órgãos vinculados realizarão II Conferência Nacional de Cultura (II CNC).

Leia mais

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Capítulo I Dos Objetivos. Capítulo II Da Realização

MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Capítulo I Dos Objetivos. Capítulo II Da Realização MINUTA DE REGIMENTO INTERNO DA 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Define as regras de funcionamento da 4ª Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO DA I JORNADA GOIANA DE DIREITO EMPRESARIAL

REGULAMENTO DA I JORNADA GOIANA DE DIREITO EMPRESARIAL REGULAMENTO DA I JORNADA GOIANA DE DIREITO EMPRESARIAL Capítulo I Dos objetivos e produtos Art. 1º. A I Jornada Goiana de Direito Empresarial (I Jornada) será promovida pela Comissão de Direito Empresarial

Leia mais