TUTORIAL: Melhores Práticas para Melhoria do Processo de Software. Renato Luiz Della Volpe - ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TUTORIAL: Melhores Práticas para Melhoria do Processo de Software. Renato Luiz Della Volpe - ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda."

Transcrição

1 TUTORIAL: Melhores Práticas para Melhoria do Processo. Renato Luiz Della Volpe - ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Este tutorial tem como objetivos principais propiciar aos participantes o conhecimento de melhores práticas para a implementação de um processo de melhoria de qualidade voltado ao desenvolvimento de software, apresentar métodos e ferramentas, incluindo exemplos práticos de implementação do processo de melhoria e finalmente como implementar e estruturar a gestão de melhoria nas organizações, envolvendo as atuações de uma estrutura de gestão englobando o Steering Committee, a Garantia da Qualidade (SQA/PPQA) e o SEPG Software Engineering Process Group. As práticas apresentadas atendem aos requisitos dos modelos CMMI e MPS.BR, atualmente em implementação por diversas organizações no Brasil. Este tutorial terá como enfoque a apresentação do ciclo de melhoria com base no modelo IDEAL (Initiating; Diagnosing; Establishing; Acting; Learning), desenvolvido pelo SEI Software Engineering Institute, e como atender as etapas nele estabelecidas. O programa do tutorial engloba: Introdução e principais definições e conceitos aplicáveis ao processo de melhoria; Visão geral dos modelos CMMI e MPS.BR e a correlação com o processo de melhoria; Ciclos de Melhoria de Processo; Modelos aplicáveis de melhoria contínua, incluindo métodos de como estabelecer o ciclo de melhoria e o modelo IDEAL em detalhes incluindo exemplos de aplicação; SEPG Finalidade, Funções e Atividades; A estrutura de gestão organizacional e o SEPG; Web sites e literatura de referência.

2 Tutorial Melhores Práticas para Melhoria do Processo de Software SIMPROS 2005

3 Renato Luiz Della Volpe Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Formado em 1983 em Eng. Mecânica pela FEI e Pós-graduação em Administração pela USP Examinador do PNQ em 1997, 1999 e Avaliador do CMM/CMMI nos métodos CBA/SCE e SCAMPI pelo Software Engineering Institute. Experiência de 25 anos em engenharia de produção e gestão da qualidade - implantação de SGQ - ISO 9000; Métodos de pesquisa de satisfação de clientes e de avaliação de fornecedores. Vice-Presidente do SPIN (Software Process Improvement Network) de São Paulo. SIMPROS Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. É permitido o uso deste material internamente às empresas participantes do SIMPROS 2005 desde que não haja a utilização deste material, de propriedade intelectual da ASR, sem a prévia autorização por escrito desta e sem o uso de sua logomarca e sem citação de direitos de propriedade. Copyright de todo material pela ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Capability Maturity Model and CMMI are registered in the U.S. Patent and Trademark Office MPS.BR; MR-MPS; MA-MPS e MN-MPS são marcas da SOFTEX Demais referências estão citadas no material, quando aplicável. SIMPROS

4 Agenda Introdução Definições e Conceitos Overview CMMI e MPS.BR Ciclo de Melhoria de Processo Modelos Como estabelecer o ciclo de melhoria Modelo IDEAL SEPG Finalidade, Funções e Atividades Estrutura de gestão organizacional e o SEPG Web sites e literatura de referência SIMPROS Quem somos Missão Promover a melhoria e a busca da excelência na gestão organizacional e o aperfeiçoamento contínuo dos processos dos nossos clientes, por meio de modelos e padrões de qualidade adequados à sua estratégia. CMM CMMI ISO 9000 PNQ ISO ISO Outros modelos Alinhamento às Diretrizes Organizacionais Consultoria & Assessoria Executiva Gestão de Pessoas ROI Gestão Sistêmica da Qualidade Capacitação & Treinamento Consultoria & Assessoria Gerencial Melhoria Contínua SIMPROS

5 Networking de atuação ASR Networking A ASR atua diretamente com seus consultores para a melhoria da gestão organizacional de seus clientes para: Consultoria Diagnóstico Treinamento Com seu Networking a ASR promove junto a seus clientes a interface com: OCC Organismos Certificadores Credenciados Instituições de Ensino Lead Assessors autorizados pelo SEI demais Consultorias SIMPROS Logística recados break horário perguntas celulares fumar SIMPROS

6 Objetivos do curso Ao final deste curso, você estará apto a : Conhecer as melhores práticas de melhoria de processos; Implementar um processo de melhoria de software e quais métodos/ferramentas utilizar; implementar e estruturar a gestão de melhoria em sua organização; entender a abrangência as atuações necessárias para a melhoria de processos (Steering Committee/PPQA/SEPG) SIMPROS "Falta de tempo é desculpa daqueles que perdem tempo por falta de métodos." Albert Einstein

7 Agenda Introdução Definições e Conceitos Overview CMMI e MPS.BR Ciclo de Melhoria de Processo Modelos Como estabelecer o ciclo de melhoria Modelo IDEAL SEPG Finalidade, Funções e Atividades Estrutura de gestão organizacional e o SEPG Web sites e literatura de referência SIMPROS Definições e Conceitos PA - Process Area (CMMI) Grupo de atividades em uma área que, quando implementadas de forma conjunta, atendem aos objetivos considerados importantes para a realização de melhorias significativas desta área. Ξ Resultado esperado do processo (MPS.BR) Um resultado observável do sucesso do alcance do propósito do processo (ISO/IEC 12207:1995). RAP - Resultado do Atributo do Processo(MPS.BR) SIMPROS

8 Definições e Conceitos SEPG - Software Engineering Process Group - Grupo estabelecido e designado como responsável pela definição, manutenção e melhoria do processo de software da organização. (EPG) SPI - Software Process Improvement - Método estabelecido para a melhoria dos processos de software e consequentemente do desempenho e maturidade da organização. Plano de SPI - Um plano, derivado de recomendações de avaliações/diagnósticos do processo ou de suas análises críticas, que identifica ações específicas e recursos necessários para a melhoria do processo de software. SIMPROS Definições e Conceitos Banco de dados de processo - conjunto estruturado de documentos e dados de processo e de produtos de trabalho, que servem de base para definição e melhoria de processos de software. Análise Crítica (review) - Verificação detalhada e abrangente de um projeto, produto, serviço ou processo objetivando a identificação de problemas e a proposição de soluções. Auditoria - processo sistemático, documentado e independente, para obter dados e fatos e avaliá-los objetivamente para determinar se os requisitos estabelecidos são atendidos. SIMPROS

9 Definições e Conceitos Tailoring - São diretrizes para executar, alterar ou adaptar um processo, padrão ou procedimento para um fim em particular. Benchmarking - Processo de comparação de práticas de gestão, que pode incluir a comparação de estratégias, procedimentos, operações, sistemas, processos, produtos e serviços. Esta comparação é feita com organizações reconhecidas, para identificar oportunidades de melhoria do desempenho organizacional SIMPROS Algumas Questões Iniciais

10 Questionamentos iniciais Em sua opinião: 1. Verdadeiro ou Falso: Melhorar os processos ou atingir um nível de maturidade não é um projeto. 2. Verdadeiro ou Falso: Quando a Alta Direção ou Gerência estabelece uma meta para atingir determinado nível de maturidade, isto é um indicador de compromisso desta gerência. 3. Verdadeiro ou Falso: Um SEPG cria e implementa os processos da organização, mas não necessita monitorá-lo. 4. Verdadeiro ou Falso: O processo de melhoria é um esforço do SEPG e não da organização como um todo. 5. Verdadeiro ou Falso: Depois de receber um appraisal e ser avaliado como adequado a um determinado nível de maturidade, o trabalho do SEPG está completo e finalizado e a Alta Direção pode ficar tranqüila que não haverá mais problemas de qualidade na organização. [adaptado de: Real Process Improvement Michael West] SIMPROS

11 Motivações - Custos da Qualidade Prevenção Avaliação Falhas Internas Falhas Externas Custos associados com a prevenção de defeitos Custos associados na observação de defeitos Custos associados com defeitos encontrados antes da implementação/relese Custos associados com defeitos encontrados durante e/ou após o produtos estar implementado SIMPROS Agenda Introdução Definições e Conceitos Overview CMMI e MPS.BR Ciclo de Melhoria de Processo Modelos Como estabelecer o ciclo de melhoria Modelo IDEAL SEPG Finalidade, Funções e Atividades Estrutura de gestão organizacional e o SEPG Web sites e literatura de referência SIMPROS

12 CMMI Overview Família de modelos CMMI Nome e Abrangência Versão Publicação CMMI - SE/SW/IPPD/SS /03/2002 CMMI - SE/SW/IPPD /01/2002 CMMI - SE/SW /01/2002 CMMI - SW /08/2002 SE - Systems Engineering IPPD - Integrated Product and Process Development SW - Software Engineering SS - Supplier Sourcing SIMPROS

13 CMMI Combinações das Disciplinas SS Dicipline X Related Examples SE Related Examples CMMI Core IPPD SW Related Examples CMMI-SW CMMI-SE/SW CMMI-SE/SW/IPPD CMMI-SE/SW/IPPD/SS SE - Systems Engineering IPPD - Integrated Product and Process Development SW - Software Engineering SS - Supplier Sourcing SIMPROS CMMI - Representação por estágios Capability Maturity Model Estrutura e elementos-chave - Processo de software eficaz Caminho evolutivo até um processo maduro e disciplinado Aplicação do TQM Inicial Definido Gerenciado Otimização Quantitativ. Ger. Requisitos gerenciados e processo planejado, medido e controlado. Ainda reativo Precariamente controlado, reativo e imprevisível Foco na melhoria continuada do processo Processo medido e controlado Processo é caracterizado e claramente bem entendido. Pró-ativo Qualidade Produtividade Visibilidade Riscos Desperdício CMMI and Capability Maturity Model are service marks of Carnegie Mellon University. SIMPROS

14 Visibilidade do Processo - CMMI In Out In Out In Out In Out In Out SIMPROS CMMI-SW - Representação por estágios Áreas de processo Gerência de Requisitos - REQM Planejamento de Projeto - PP Monitoramento e Controle de Projeto - PMC Gerência de Acordos com Fornecedores - SAM Garantia da Qualidade de Processo e Produto - PPQA Gerência de Configuração - CM Medição e análise - MA Análise Causal e Resolução - CAR Inovação e Melhoria Organizacional - OID Desempenho do Processo Organizacional - OPP Gerência Quantitativa de Projeto - QPM Foco no Processo da Organização - OPF Definição do Processo da Organização - OPD Treinamento Organizacional - OT Gerência Integrada de Projeto - IPM Gerência de Risco - RSKM Desenvolvimento de Requisitos - RD Solução Técnica - TS Integração de Produto - PI Verificação - VER Validação - VAL Análise de Decisão e Resolução - DAR SIMPROS

15 CMMI - SW V1.1 - Estrutura Níveis de maturidade Área de Processo 1 Área de Processo 2 Área de Processo n Objetivos Específicos Objetivos Genéricos Práticas Específicas Compromissos Habilidades Diretrizes p/ Implementação Verificações Práticas Genéricas SIMPROS Práticas Genéricas Para nível 2 de maturidade: GP 2.1 Estabelecer uma Política Organizacional GP 2.2 Planejar o Processo GP 2.3 Prover recursos GP 2.4 Designar Responsabilidades GP 2.5 Treinar as pessoas GP 2.6 Gerenciar a Configuração GP 2.7 Identificar e Envolver Stakeholders Relevantes GP 2.8 Monitorar e Controlar o Processo GP 2.9 Avaliar a Aderência Objetivamente GP 2.10 Analisar Criticamente o status com Alta Gerência SIMPROS

16 Práticas Genéricas Para níveis 3; 4 e 5 de maturidade: representação contínua Nível 3 ou representação por estágio Níveis 3 a 5 GP 3.1 Estabelecer Processo Definido Estabelecer e manter a descrição de um processo definido uma descrição do processo que é adaptado (tailored) do Processo Padrão da Organização (OSSP Organization's Set of Standard Process) para as necessidades específicas da organização. GP 3.2 Coletar Informações das Melhoria Coletar produtos de trabalho, medidas, resultados das medições e informações das melhorias derivadas dos planejamentos e desempenho dos processos para suportar uso futuro e a melhoria do OSSP (Organization's Set of Standard Process). PA de referência Organizational Process Definition SIMPROS Aspectos Comuns Habilidades -- Abilities Prática Genérica relacionada GP 2.2; 2.3; 2.4; 2.5 e 3.1 Compromissos -- Commitments Prática Genérica relacionada GP 2.1 Directing Implementation -- Diretrizes de Implementação Prática Genérica relacionada GP 2.6; 2.7; 2.8 e 3.2 Verificações -- Verifications Prática Genérica relacionada GP 2.9 e 2.10 SIMPROS

17 Estrutura das PA s Objetivos Os Objetivos de cada PA são suportados pela Aspectos Comuns e as Atividades Diretrizes de Implementação Verificações Compromissos Atividades Habilidades As atividades são suportadas por: Compromissos Habilidades Diretrizes de Implementação Verificações SIMPROS Generic Practices GP e Características Comuns Goal 1 GP 1.1 Capability Level 1 GP 14.2 Capability Level 1 Generic Goals and Practices Goal 2 GP 2.1 Capability Level 2 GP 2.2 Capability Level 2 GP 2.3 Capability Level 2 GP 2.4 Capability Level 2 GP 2.5 Capability Level 2 GP 2.6 Capability Level 2 GP 2.7 Capability Level 2 GP 2.8 Capability Level 2 GP 2.9 Capability Level 2 GP 2.10 Capability Level 2 Goal 3 GP 3.1 Capability Level 3 GP 3.2 Capability Level 3 Goal 4 GP 4.1 Capability Level 4 GP 4.2 Capability Level 4 Goal 5 GP 5.1 Capability Level 5 GP 5.2 Capability Level 5 Todos os Objetivos Genéricos são componentes requeridos. Para a representação contínua todos os objetivos e práticas genéricos são aplicáveis. O nível de capabilidade que você está objetivando para seu esforço de melhoria irá determinar qual os objetivos e práticas genéricas serão aplicáveis para o processo que você está selecionando. Common Features Características Comuns Commitment to Perform GP 2.1 Ability to Perform GPs 2.2, 2.3, 2.4, 2.5 and 3.1 Directing Implementation GPs 2.6, 2.7, 2.8 and 3.2 Verifying Implementation GPs 2.9 and 2.10 Utilizados para a representação por estágios SIMPROS

18 Equivalência entre representações PA ML CL1 CL2 CL3 CL4 CL5 REQM Requirements Management 2 PP Project Planning 2 PMC Project Monitoring and Control 2 SAM Supplier Agreement Management 2 MA Measurement and Analysis 2 PPQA Process and Product Quality Assurance 2 CM Configuration Management 2 RD Requirements Development 3 TS Technical Solution 3 PI Product Integration 3 VER Verification 3 VAL Validation 3 OPF Organizational Process Focus 3 Meta do Perfil nivel 2 OPD Organizational Process Definition 3 Meta do Perfil nível 3 OT Organizational Training 3 IPM Integrated Project Management 3 RSKM Risk Management 3 IT Integrated Teaming 3 ISM Integrated Supplier Management 3 DAR Decision Analysis and Resolution 3 OEI Organizational Environment for Integration 3 OPP OID Organizational Process Performance Organizational Innovation and Deployment 4 5 QPM CAR Quantitative Project Management Causal Analysis and Resolution 4 5 Meta do Perfil nível 4 Meta do Perfil nível 5 SIMPROS MPS.BR Overview

19 Descrição Geral do MPS.BR ISO/IEC ISO/IEC CMMI SM Projeto MPS.BR Modelo de Referência (MR-MPS) Método de Avaliação (MA-MPS) Modelo de Negócio (MN-MPS) Guia Geral Guia de Aquisição Guia de Avaliação Documentos do Projeto SIMPROS Estrutura do MPS.BR Níveis de maturidade Processo Capacidade Propósito Atributo AP Atributos de Processo Resultados Resultados Práticas RAP Resultado do Atributo do Processo SIMPROS

20 Processos MPS.BR Níveis de Maturidade G F E D A B C Análise de Decisão e Resolução Gerência de Riscos Desenvolvimento de Requisitos Solução Técnica Integração do Produto Instalação do Produto Liberação do Produto Verificação Validação Treinamento Avaliação e Melhoria do Processo Org. Definição do Processo Organizacional Adaptação do Processo p/ Ger. Projeto Medição Gerência de Configuração Aquisição Garantia da Qualidade Gerência de Requisitos Gerência de Projeto Inovação e Implantação na Organização Análise e Resolução de Causas Desempenho do Processo Organizacional Gerência Quantitativa do Projeto AP 1.1 e AP 2.1 AP AP AP AP 3.1 e AP 3.2 AP AP 2.1 e AP 2.2 AP AP AP AP 3.1 e AP 3.2 AP AP AP AP 3.1 e AP 3.2 AP AP AP AP 3.1 e AP 3.2 AP AP AP AP 3.1 e AP 3.2 Capacidade - Atributos do Processo SIMPROS Processos MPS.BR Os processos do MPS.BR são agrupados, por uma questão de organização, de acordo com a sua natureza, ou seja, o seu objetivo principal no ciclo de vida de software. Esse agrupamento resultou em 3 diferentes classes de processos, que são: Fundamental: Atendem o início e a execução do desenvolvimento, operação ou manutenção dos produtos de software e serviços correlatos durante o ciclo de vida de software; De Apoio: auxiliam um outro processo e contribuem para o sucesso e qualidade do projeto de software; Organizacional: Uma organização pode empregar estes processos em nível corporativo para estabelecer, implementar e melhorar um processo do ciclo de vida. SIMPROS

21 Processos MPS.BR F G D G E C C Níveis de Maturidade D D D D E E B B A A Níveis de Maturidade F F D F D E SIMPROS Correlação CMMI e MPS.BR Análise Causal e Resolução - CAR Inovação e Melhoria Organizacional - OID Desempenho do Proc. Organizacional - OPP Gerência Quantitativa de Projeto - QPM A B Inovação e Implantação na Organização Análise e Resolução de Causas Desempenho do Processo Organizacional Gerência Quantitativa do Projeto Foco no Processo da Organização - OPF Definição do Processo da Organização - OPD C Análise de Decisão e Resolução Gerência de Riscos Treinamento Organizacional - OT Gerência Integrada de Projeto - IPM Gerência de Risco - RSKM Desenvolvimento de Requisitos - RD Solução Técnica - TS Integração de Produto - PI Verificação - VER Validação - VAL Análise de Decisão e Resolução - DAR D E Desenvolvimento de Requisitos Solução Técnica Integração do Produto Instalação do Produto Liberação do Produto Verificação Validação Treinamento Avaliação e Melhoria do Processo Org. Definição do Processo Organizacional Adaptação do Processo p/ Ger. Projeto Gerência de Requisitos - REQM Planejamento de Projeto - PP Monitoramento e Controle de Projeto - PMC Gerência de Acordos com Fornecedores - SAM Gar. da Qual. de Processo e Produto - PPQA Gerência de Configuração - CM Medição e análise - MA F G Medição Gerência de Configuração Aquisição Garantia da Qualidade Gerência de Requisitos Gerência de Projeto SIMPROS

22 Agenda Introdução Definições e Conceitos Overview CMMI e MPS.BR Ciclo de Melhoria de Processo Modelos Como estabelecer o ciclo de melhoria Modelo IDEAL SEPG Finalidade, Funções e Atividades Estrutura de gestão organizacional e o SEPG Web sites e literatura de referência SIMPROS Processo - Definição Processo um conjunto de atividades inter-relacionadas, que transforma entradas em saídas (ABNT, 1998) [ atividades inclui utilização de recursos] Processo - um conjunto de atividades, métodos, práticas e transformações que as pessoas utilizam para desenvolver e manter software e seus produtos relacionados (CMMI) Procedimentos e métodos que definem o relacionamento de tarefas A B C D Fornecedores Pessoas com habilidades, treinamento e motivação PROCESSO Ferramentas e equipamentos As três dimensões críticas do foco das organizações SIMPROS

23 Processo - Importância Importância da descrição e definição Processos bem descritos permitem entendimento, gerência e melhorias prérequisito importante para o processo de melhoria. Organizações maduras conhecem detalhadamente seu processo e o gerenciam através de indicadores inseridos nas suas diversas fases. Monitoram / Verificam / Analisam Criticamente / Estabelecem diretrizes de melhoria SIMPROS Processo maturidade Definido Documentado Treinado Praticado Medido As características comuns (common features) ou RAP Resultado do Atributo do Processo provêm estes conceitos. O processo é maduro quando possui os atributos de: Melhorado Mantido Suportado Controlado Verificado SIMPROS

24 O Processo de Melhoria é um Projeto? Possui datas de início e de término? Irá entregar algo que pode ser definido, medido e testado? É necessário alocar recursos a ele? Um cliente ou clientes podem ser identificados para cada item que será entregue? SIMPROS Ciclo de Melhoria de Processo Bom Senso x Método O bom senso é a coisa mais bem repartida deste mundo, porque cada um de nós pensa ser dele tão bem provido, que mesmo aquelas pessoas que são difíceis de se contentar, não costumam desejar mais bom senso do que já têm. R. Descartes SIMPROS

25 Ciclo de Melhoria de Processo Bom Senso x Método... ciência, em lugar de empirismo; harmonia, em vez de discórdia; cooperação, não individualismo; rendimento máximo, em lugar de produção reduzida; desenvolvimento de cada homem, no sentido de alcançar maior eficiência e prosperidade F.W.Taylor SIMPROS Agenda Introdução Definições e Conceitos Overview CMMI e MPS.BR Ciclo de Melhoria de Processo Modelos Como estabelecer o ciclo de melhoria Modelo IDEAL SEPG Finalidade, Funções e Atividades Estrutura de gestão organizacional e o SEPG Web sites e literatura de referência SIMPROS

26 O SPI no modelo CMMI Áreas de Processo O processo de software é avaliado periodicamente e planos de ações são desenvolvidos para atuar sobre os pontos observados. [OPF SG 2 SP SP 2.2-1] A organização desenvolve e mantêm um plano de atividades para desenvolvimento e melhoria do processo de software. [OPF SG 2 SP SP 2.2-1] O plano de melhoria é coordenado no âmbito da organização. [OPF SG 2 SP GP 2.4] Foco no Processo da Organização - OPF Definição do Processo da Organização - OPD Treinamento Organizacional - OT Gestão Integrada de Projeto - IPM Gestão de Risco - RSKM Desenvolvimento d Requisitos - RD Solução Técnica - TS Integração de Produto - PI Verificação - VER CMMI Validação - VAL Analise de Decisão Resolução - DAR SIMPROS Ciclo de Melhoria de Processo Clássico Joseph Juran 4 passos : Melhoria da Qualidade Implemente a ação de correção ou melhoria. Teste a teoria estabeleça a causa Encontre a causa da má qualidade (desenvolva a teoria de explicação) Encontre e analise os sintomas (defeitos e falhas) SIMPROS

27 Ciclo de Melhoria de Processo Clássico Planejar a introdução das melhorias -Integração no processo existente -Atualização da definição do processo -Documentação Implementar as melhorias Executar o novo processo Recomeçar o ciclo. Obter as expectativas Avaliar as práticas correntes Analisar as discrepâncias entre expectativas e práticas correntes Propor alterações que reduzam as discrepâncias (e deste modo melhorar o processo) SIMPROS O Ciclo PDCA. ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade

28 Ciclo de Melhoria de Processo Ações de Correção e Prevenção Aprendizado Avaliação do Progresso Confirmação dos resultados das ações A C Coletar dados / status / resultados Verificação da situação atual Ocorrência do problema Análise de causas Objetivos de melhoria Estabelecer prioridades P D Planejamento de ações Estabelece medições Executar plano de ações Análise de causas - review Executar medidas de contenção SIMPROS PDCA Passos necessários significado dos termos P - (Plan) Planejamento - consiste em: 1. Estabelecer metas sobre item de controle 2. Estabelecer a maneira (como) para se atingirem as metas. Nesta etapa são estabelecidas as diretrizes de controle. D - (Do) Execução - consiste em: Executar as tarefas exatamente como previstas no plano e coletar os dados para verificação do processo. SIMPROS

29 PDCA Passos necessários significado dos termos C - (Check) Verificação A partir dos dados coletados na execução, compara-se o resultado alcançado com a meta planejada. A - (Action) Atuação Quando detectados desvios, deve-se atuar no sentido de fazer correções definitivas. SIMPROS Agenda Introdução Definições e Conceitos Overview CMMI e MPS.BR Ciclo de Melhoria de Processo Modelos Como estabelecer o ciclo de melhoria Modelo IDEAL SEPG Finalidade, Funções e Atividades Estrutura de gestão organizacional e o SEPG Web sites e literatura de referência SIMPROS

30 IDEAL Learning Propose Future Actions Analyze and Validate Implement Solution Refine Solution Stimulus for Change Set Context Build Sponsorship Charter Infrastructure Acting Initiating Diagnosing Characterize Current & Desired States Develop Recommendations Pilot/Test Solution Create Solution Set Priorities Develop Approach Plan Actions ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Establishing IDEAL Detalhando as etapas do IDEAL Iniciar Diagnosticar Estabelecer Atuar Aprender SIMPROS

31 IDEAL Iniciar o Processo de Melhoria Obter o apoio da Alta Direção Estabelecer ou receber metas Alta Direção Alterações de tecnologia Análise de resultados (projetos, clientes) Definir o contexto Definir uma infraestrutura de atuação Recursos humanos Recursos materiais Estrutura de Gestão SIMPROS Estrutura de Gestão (exemplo) Funções Atividades Registros Alta Direção Relato de atividades Análise crítica SEPG Coordenador e Grupo da Qualidade Process Group 1 Task Force 1 Working Group 1 Process Group 2 Task Force 2 Working Group 2 Process Group n Task Force n Working Group n SIMPROS

32 Estrutura de Gestão (Alta Direção) Alta Direção Constituição Propósito Funções e Atividades Estabelecer e divulgar as principais estratégias Estabelecer principais metas e objetivos de melhoria Analisar criticamente e Aprovar as Políticas aplicáveis ao processo de desenvolvimento de software. Analisar criticamente e aprovar o plano de melhoria, incluindo seus recursos necessários. Efetuar análises críticas periódicas do processo de melhoria. Outras. SIMPROS Estrutura de Gestão (SEPG) SEPG Constituição Propósito Funções e Atividades dos integrantes do coordenador SIMPROS

33 Estrutura de Gestão (PPQA) Coordenador e Grupo da Qualidade Constituição Propósito Funções e Atividades (relativas ao processo de melhoria) Participar, pelo menos um representante do PPQA, nas atividades do SEPG (não obrigatório) Realizar auditorias nos produtos de trabalho e nas atividades organizacionais relacionadas ao SEPG, Medições e Análises e Treinamento Organizacional; Registrar as não-conformidades encontradas nas auditorias e garantir a elaboração de um Plano de Ação e seu acompanhando até a conclusão; Atender as auditorias independentes de Garantia da Qualidade; Revisar periodicamente as atividades e os resultados de Garantia da Qualidade nas atividades organizacionais, com o SEPG, em reuniões de análise crítica. SIMPROS Estrutura de Gestão (PPQA) Coordenador e Grupo da Qualidade SIMPROS

34 IDEAL Iniciar o Processo de Melhoria Mensagens à Alta direção: Não trate o processo de melhoria diferentemente de outros programas ou projetos considerados de alta prioridade. Espere ter estimativas, medições e planos baseados em fatos, para atingir aos objetivos. Não diga e não permita que digam frases, referente ao processo de melhoria, como Eu não posso fazer isto em adição ao trabalho real que já tenho que fazer Não diga e não permita que digam O processo CMMI diga sempre O meu processo ou O processo da minha organização transforme isto em cultura. SIMPROS IDEAL Diagnosticar o Processo de Melhoria Conhecer as práticas atuais e detectar problemas Self-assessment Avaliações oficiais SEI CBA / SCAMPI Clientes Resultados de PPQA (SQA) Desenvolver recomendações Sugestões de atividades necessárias - desenvolvidas por time com experiência e expertise. CBA CMM Based Appraisal (IPI Internal Process Improvement) ou (SCE Software Capability Evaluations) SCAMPI Standard CMMI Assessment Method for Process Improvement SIMPROS

35 Self-Assessment (exemplo) Etapas para um processo de avaliação: Conhecer os requisitos dos modelos (CMMI ou MPS.BR) Estabeleça / prepare um grupo de avaliação Estabelecer um critério de avaliação/pontuação Elaborar um questionário de avaliação Estabeleça e identifique itens mais críticos para o processo. SIMPROS Self-Assessment (exemplo) Questionário de Avaliação SIMPROS

36 Self-Assessment (exemplo) Critérios e Pontuação exemplo 1 SIMPROS Self-Assessment (exemplo) Critérios e Pontuação exemplo 2 SIMPROS

37 Self-Assessment (exemplo) Nível 2 Pontuação por requisito e PA do CMMI REQM PP PMC (%) Ptos (%) Ptos (%) Ptos SG1 SG1 SG1 SP1.1 25% 2,5 SP1.1 50% 5 SP1.1 50% 5 SP1.2 25% 2,5 SP1.2 50% 5 SP1.2 25% 2,5 SP1.3 25% 2,5 SP1.3 50% 5 SP1.3 25% 2,5 SP1.4 50% 5 SP1.4 50% 5 SP1.4 25% 2,5 SP1.5 50% 5 SG2 50% SP1.5 50% 5 SP2.1 50% 5 SP1.6 50% 5 SP2.2 50% 5 SP % 10 SP2.3 50% 5 SG2 SP2.4 50% 5 SP2.1 25% 2,5 SP2.5 50% 5 SP2.2 25% 2,5 SP2.6 50% 5 SP2.3 25% 2,5 SP2.7 50% 5 SG3 50% SP3.1 50% 5 SP3.2 50% 5 SP3.3 50% 5 GG2 GG2 GG2 GP2.1 0% 0 GP2.1 0% 0 GP2.1 0% 0 GP2.2 50% 5 GP2.2 0% 0 GP2.2 50% 5 GP2.3 50% 5 GP2.3 0% 0 GP2.3 0% 0 GP2.4 50% 5 GP2.4 0% 0 GP2.4 0% 0 GP2.5 50% 5 GP2.5 0% 0 GP2.5 50% 5 GP2.6 50% 5 GP2.6 0% 0 GP2.6 50% 5 GP2.7 50% 5 GP2.7 50% 5 GP2.7 50% 5 GP2.8 50% 5 GP2.8 50% 5 GP2.8 50% 5 GP2.9 0% 0 GP2.9 0% 0 GP2.9 50% 5 GP2.10 0% 0 GP2.10 0% 0 GP % 5 TOTAL OBTIDO 52,5 TOTAL OBTIDO 80 TOTAL OBTIDO 75 TOTAL MÁXIMO 150 TOTAL MÁXIMO 240 TOTAL MÁXIMO 200 % da PA 0,35 % da PA 0,33 % da PA 0,38 SIMPROS Self-Assessment (exemplo) Gráfico do resultado final por PA Nível 2 % DE ATENDIMENTO AOS REQUISTOS CMMI Nìvel 2 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 65% 67% 63% 60% 82% 83% 95% 35% 33% 38% 40% 18% 17% 5% REQM PP PMC SAM MA PPQA CM % Atendida % não Atendida SIMPROS

38 IDEAL Estabelecer Processo de Melhoria Estabelecer estratégia da organização Estabelecer prioridades Desenvolver Plano de Ação SPI Plan Tarefas / recursos Treinamento Responsabilidades (grupos de trabalhos) Recursos Metas Pontos de medida / controle Riscos SIMPROS IDEAL Estabelecer Processo de Melhoria Desenvolver Plano de Ação SPI Plan Indicadores de desempenho Identificar áreas com maiores discrepâncias Identificar possíveis causas Ferramentas Educação Tarefas Pode haver uma readequação das expectativas, baseada nestas causas. SIMPROS

39 IDEAL Estabelecer Processo de Melhoria Desenvolver Plano de Ação SPI Plan Quais ações são adequadas para as áreas identificadas? Treinamento Alteração de processo Novo processo Ferramentas Potenciais usuários das melhorias são utilizados para validar as alterações. Em resumo: Planejar a introdução da melhorias SIMPROS IDEAL Estrutura do SPI Plan Controle das versões Propósito Escopo Objetivos Padrões de trabalho Cronograma de trabalho Estimativa de recursos necessários Análise de riscos Monitoramento das atividades Observações / notas SIMPROS

40 IDEAL Estrutura do SPI Plan Monitoramento das atividades (exemplo) Estabelecer forma de observação da evolução do plano. Exemplo: (%) SPI Plan <XYZ> Situação em final de set/2005 SIMPROS fev/05 mar/05 abr/05 mai/05 jun/05 jul/05 ago/05 set/05 out/05 nov/05 dez/05 jan/06 fev/06 mar/06 abr/06 mai/06 jun/06 jul/06 ago/06 Meses Planejado Versão 3 Realizado IDEAL Atuar no Processo de Melhoria Executar o plano: acompanhar e atuar Riscos Tarefas Recursos Treinamento Definir / atualizar processos Piloto(s) Transferência para a organização SIMPROS

41 IDEAL Atuar no Processo de Melhoria Atualizar o Processo Padrão da Organização Treinar a organização Estabelecer os novos indicadores / métodos / etc... Atualizar banco de dados de processo SIMPROS IDEAL Atuar no Processo de Melhoria O grupo SEPG acompanha a implantação das melhorias e atua fortemente nas discrepâncias. A introdução de melhorias deve ser tratada como um projeto. Não esquecer da função PPQA nas redefinições de processo. SIMPROS

42 IDEAL Aprender com a experiência De que maneira os esforços atingiram seu propósito? O que funcionou bem? O que poderia ter sido feito com maior eficácia e/ou eficiência? SIMPROS IDEAL Aprender com a experiência Analisar e validar os resultados do SPI Plan (dados de projetos e processos) Coletar Analisar Resumir Documentar Propor ações futuras Lições aprendidas Revisar escopo / objetivos / metas SIMPROS

43 Ciclo de Melhoria de Processo Recomeço de ciclo Com o tempo e o uso, este ciclo se torna repetível, gerenciado e medido. SIMPROS Ciclo de Melhoria de Processo Método básico de melhoria 1) Definição do problema ou tema para melhoria 6) Definição da qualidade e parâmetros de avaliação 10) Identificação dos pontos potenciais de melhoria 2) Formação do grupo de trabalho 3) Definição da estrutura básica de apoio 4) Definição das regras internas de condução do trabalho 5) Definição de premissas (condições iniciais) 7) Descrição detalhada do processo 8) Classificação das atividades que agregam e as que não agregam valor 9) Estimativas para execução de cada atividade (tempo, recursos, custo) 11) Proposta de soluções para os pontos potenciais de melhoria 12) Estabelecer relação entre a solução proposta e respectivo ponto potencial de melhoria 13) Estimativa do ganho do processo melhorado em relação aos parâmetros de avaliação 14) Elaboração do Relatório de Melhorias com definição do Plano de Ação para Implantação SIMPROS

44 Ciclo de Melhoria de Processo Exemplo de fluxo Cliente Appraisal SCAMPI Diagnósticos do processo Self-Assessment Auditorias ISO Medições de processo e produto Benchmarking Resultados PPQA Alterações do modelo Aprendizados Mudanças no modelo Análises críticas A Informação e Dados SEPG C SEPG Desenvolver novas atividades Atender às diretrizes Padronização Manter estrutura operacional Alta Direção SEPG Atividades no Âmbito Corporativo Desenvolv. Apoio Planos de Ações Âmbito corporativo Desenvolvimento Apoio S E P G P Grupos de Trabalho D SIMPROS Ciclo de Melhoria de Processo Exemplo de fluxo Início A Analisar fontes de Melhorias de Processo de Desenv. Peer review do SPI Plan pelo Gerente da Qualidade Elaborar Plano de Melhoria SPI Plan Análises Críticas do Processo de Melhoria pela Alta Direção Reunião de apresentação, consolidação e Analise crítica do SPI Plan Aprovar o SPI Plan Verificar e propor melhorias de Processo e SPI Plan Monitorar/Registrar Periodicamente o SPI Plan Efetuar modificações no PDS A Registrar ações de ajuste para correção do SPI Plan Divulgar status do SPI Plan Revisar SPI Plan SIMPROS

45 Ciclo de Melhoria de Processo Ferramentas da Qualidade Auxiliam na busca da causa dos problemas ou dos pontos fracos de processo. Brainstorm Gráfico de Pareto Gráfico de correlação Check Sheets Histograma Diagrama de correlação Diagrama de árvore Matriz de Priorização, etc. Itens recomendados pelo CMMI CMMI - OPF / Ab GP 2.3 SIMPROS Ferramentas da qualidade Base para elaboração de um plano de melhoria 5W2H What (O que fazer) Why When Who How (Por que fazer) (Quando fazer) (Quem vai fazer) (Como fazer) Where (Onde fazer) How Much ($) SIMPROS

46 Ferramentas da qualidade Pareto - foco nos problemas chave Number of Defects Code Documentation Design Specificatio Other Operator 50 0 Hours to fix Defects Specification 14,25 Design 6,25 Documentation 2,50 Documentation 1 Other 1 Operator 1 Specificatio Code Design Documentation Other Operator Normalized Hours to Fix Defects Fonte: HP - Air Force Systems Command SIMPROS Ferramentas da qualidade Causa e Efeito Habilidade Causas secundárias Treino Conflito de Não consegue Faltam regras jogar as bolas Jogadas não tem Sem líder cronograma básicas Não consegue dominar se curvas/rápidas Tempo continuidade a bola está rápida Liderança Atacante Meio de Campo Método de ensino Curto Sem controle Falta rigidez Corre devagar Comete Não dar atenção aos sinais e orientações Falta de seriedade erros Atitude Não seleciona as bolas Defesa Efeito Deixar para os outros Sem vitalidade Não retorna a bola habilmente Não consegue ganhar uma partida Desacordo entre os membros da equipe Não pode gritar Ambiente Não é agradável Senso de equipe Deixar que os outros façam Bebe demais Come demais Vontade Gerenciamento Sem vitalidade da saúde Falta de compromisso Sem liderança Visão pobre Facilmente cansa Não dorme o suficiente Capitão Força Física Idade média Base da coluna fraca Membros alta Causas principais Fatores Não confia nos membros Não conhece os ptos fortes dos membros SIMPROS

47 Agenda Introdução Definições e Conceitos Overview CMMI e MPS.BR Ciclo de Melhoria de Processo Modelos Como estabelecer o ciclo de melhoria Modelo IDEAL SEPG Finalidade, Funções e Atividades Estrutura de gestão organizacional e o SEPG Web sites e literatura de referência SIMPROS O SEPG no modelo CMM Áreas de Processo Recursos e fundos são providos para o desenvolvimento e manutenção do Processo de Software Padrão da Organização [CMMI Organization s Set of Standard Process]. O desenvolvimento e manutenção do OSSP e demais processos relacionados são desempenhados e coordenados por um grupo responsável pelas atividades do processo de software da organização (SEPG). [OPD Ab GP 2.3 OPF GG3 GP 2.4] Foco no Processo da Organização - OPF Definição do Processo da Organização - OPD Treinamento Organizacional - OT Gestão Integrada de Projeto - IPM Gestão de Risco - RSKM Desenvolvimento de Requisitos - RD Solução Técnica - TS Integração de Produto - PI Verificação - VER CMMI Validação - VAL Analise de Decisão Resolução - DAR SIMPROS

48 SEPG O SEPG é o ponto focal do processo de melhoria. Está baseado no esforço colaborativo de seus integrantes e de todos na organização que estão envolvidos com o desenvolvimento de software. Necessita de suporte da Alta Direção e de grupos técnicos. SIMPROS SEPG Finalidade Promover e facilitar a definição, manutenção e melhoria do processo de software da organização. SIMPROS

49 SEPG Funções e Atividades Melhoria do processo de software. Coordenar e realizar o desenvolvimento, manutenção e melhoria do Processo de Software Padrão da Organização - OSSP Coordenar o desenvolvimento, manutenção e melhoria do Processo Definido para o Projeto - PDP Coordenar o uso do banco de dados do processo de software da organização. Coordenar o uso da biblioteca do processo de software das áreas envolvidas. SIMPROS SEPG Funções e Atividades Melhoria do processo de software. Fornecer orientação para o uso de dados históricos (estabelecimento de estimativas confiáveis). Identificar um conjunto padrão de produtos do trabalho de software das áreas envolvidas que serão submetidos à revisão técnica formal (peer reviews). Medir, informar e divulgar as atividades de desenvolvimento e de melhoria de processo de software no âmbito da organização. SIMPROS

50 SEPG Funções e Atividades Desenvolvimento e manutenção de recursos utilizados no processo de software Analisar criticamente, aprovar e documentar mudanças propostas no OSSP, incluindo: Descrição do ciclo de vida de software Processo de adaptação do OSSP - Tailoring Dados colocados no banco de dados do processo. SIMPROS SEPG Funções e Atividades Desenvolvimento e manutenção de recursos utilizados no processo de software Submeter OSSP e PDP a revisões técnicas formais (peer reviews) sempre que houver mudanças significativas e com uma revisão mínima estabelecida, definida no plano de âmbito da organização (SPI Plan). Estudar/pesquisar, avaliar e monitorar novos processos, métodos e ferramentas e transferir, conforme aplicável, para a organização. SIMPROS

51 SEPG Funções e Atividades Atuação sobre a melhoria do processo de software (SPI). Estabelecer, monitorar e manter o plano de ação estratégico para melhoria do processo de software (SPI) da organização. Monitorar os planos de ação para melhoria do processo de software (SPI) das áreas envolvidas. Solicitar recursos para grupos de trabalho para atuar em questões específicas do processo de software, quando necessário. SIMPROS SEPG Funções e Atividades Atuação sobre a melhoria do processo de software (SPI). Dar suporte no âmbito da organização quando solicitado. Relatar a situação e resultados do processo de melhoria de software (SPI) da organização para a Alta Direção. SIMPROS

52 Agenda Introdução Definições e Conceitos Overview CMMI e MPS.BR Ciclo de Melhoria de Processo Modelos Como estabelecer o ciclo de melhoria Modelo IDEAL SEPG Finalidade, Funções e Atividades Estrutura de gestão organizacional e o SEPG Web sites e literatura de referência SIMPROS SEPG Constituição O grupo não é parte do desenvolvimento do produto, mas composto por: praticantes do processo expertise!!!! Deve ser composto por pessoas com conhecimento em: Definição de processo Alterações organizacionais Tecnologia Qualidade - Processo de melhoria (PDCA; IDEAL; 5W2H, Causa e Efeito; plano de melhoria; ferramentas da qualidade) CMM / CMMI Avaliação de Processos (Self-Assessment Appraisal) Em várias organizações força tarefa permanente! part-time ou full-time Manter o entusiasmo e vitalidade do processo de melhoria. SIMPROS

53 SEPG Constituição Formação oficial Devem estar definidos pela organização Principais Funções e Atividades Responsabilidades Composição e Periodicidade de Reuniões Requisitos necessários para integrar o grupo Qualificações e Capacitações Líder Áreas representativas Mandato e Método de substituição Medições e Análises Verificação das atividades do grupo SIMPROS SEPG integrantes Recomendações Evite: Pessoas sem ocupação atual Pessoas que não obtiveram sucesso em outras áreas SEPG = ótimos funcionários Mandato fixo (estabelecido pela organização) Reposição de membros supervisão SEPG tem que ser catequizador e legendário ser SEPG não é castigo, mas sim um prêmio. Tem que se dedicar e ter o tempo necessário para as atividades. SIMPROS

54 Mensagens finais Tenha sempre em mente na implementação e adequação dos processos ao CMMI ou MPS.BR: O patrocinador (sponsor) deve existir e estar comprometido Não digam O processo CMMI digam sempre O meu processo ou O processo da minha organização Não tente tirar nota 10 (processo perfeito) no estabelecimento dos processos treine as pessoas e utilize projetos pilotos para melhor os processos gradativamente Melhoria Contínua Não foque o estabelecimento e conhecimento dos processos somente em algumas pessoas Obter consenso dos processo por todos os envolvidos. SEPG tem que ser catequizador e legendário ser SEPG não é castigo, mas sim um prêmio O SEPG tem que saber como receber críticas ao processo demonstra maturidade Melhoria contínua é um projeto cronograma não é plano template não é processo Avalie / verifique / meça seu processo periodicamente SIMPROS

55 Agenda Introdução Definições e Conceitos Overview CMMI e MPS.BR Ciclo de Melhoria de Processo Modelos Como estabelecer o ciclo de melhoria Modelo IDEAL SEPG Finalidade, Funções e Atividades Estrutura de gestão organizacional e o SEPG Web sites e literatura de referência SIMPROS Web sites Software Engineering Institute - Modelo CMMI - European Software Institute - Practical Software and Systems Measurement Support Center - MCT - Ministério da Ciência e Tecnologia - Tecnologia da Informação - Qualidade e Produtividade MPS.BR para obter guias de demais informações SIMPROS

56 Web sites Quality links for ISO; SPICE; CMM; CMMI; Quality Magazines, etc. - Tailoring SW-CMM - TR024_94 SW_Proc.Framework - SR009_97 SPI Infrastructure - HB001_94 SW Measurement Guidebook - HB002_96 Training Guidelines - TR007_95 IDEAL - HB001_96 publications/lists.html SIMPROS Literatura CMMI Guidelines for Process Integration and Product Improvement by Chrissis; Konrad; Shrum, ISBN: Real Process Improvement Using CMMI Michel West ISBN: Software Process Improvement Practical Guidelines for Business Success by Sami Zahran ISBN: X CMM in Practice: Processes for Executing Software Projects at Infosys by Pankaj Jalote ISBN: Practical Software Measurement: Objective Information for Decision Makers by John McGarry, David Card, Cheryl Jones, Beth Layman, Elizabeth Clark, Joseph Dean, Fred Hall ISBN: SIMPROS

57 Literatura CMMI Distilled: A Practical Introduction to Integrated Process Improvement - Dennis M. Ahern, Aaron Clouse, Richard Turner; ISBN : Interpreting the CMMI: A Process Improvement Approach - Margaret K. Kulpa and Kent A. Johnson; ISBN: Aquisição de Produtos e Serviços Ana Cervigni Guerra e Ângela Maria Alves; ISBN: Fábrica Aguinaldo Aragon Fernandes e Descartes de Souza Teixeira; ISBN: SIMPROS

58 Excelência No que diz respeito ao empenho, ao compromisso, ao esforço, à dedicação, não existe meio termo. Ou você faz uma coisa bem feita ou não faz Ayrton Senna Contatos: Rua Vergueiro, Conjunto 101 Vila Mariana São Paulo - SP CEP Tel. (11) FAX (11)

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Melhores Práticas para Melhoria do Processo de Software 22 de maio de 2006 Agenda Introdução Motivações para a Melhoria de Processos e sua importância Modelos de Qualidade de

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Garantia da Qualidade de Processo e Produto Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. É permitido o uso deste material

Leia mais

Tutorial SEPG Software Engineering Process Group

Tutorial SEPG Software Engineering Process Group SIMPROS 2003 Tutorial SEPG Software Engineering Process Group Recife, 3-5 de Novembro de 2003 Renato Luiz Della Volpe www.asrconsultoria.com.br 1 Agenda Introdução Definições e Conceitos Estrutura do CMM

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br SEPG Software Engineering Process Group

www.asrconsultoria.com.br SEPG Software Engineering Process Group www.asrconsultoria.com.br SEPG Software Engineering Process Group Agenda Introdução Definições e Conceitos Estrutura do CMM Processo de Software Ciclo de Melhoria de Processo Melhoria de Processo de Software

Leia mais

SIMPROS 2003. Tutorial SEPG Software Engineering Process Group

SIMPROS 2003. Tutorial SEPG Software Engineering Process Group Tutorial SEPG Software Engineering Process Group www.simpros.com.br Recife, 3-5 de Novembro de 2003 Agenda Introdução Definições e Conceitos Estrutura do CMM Processo de Software Ciclo de Melhoria de Processo

Leia mais

Descrição das Áreas de Processo

Descrição das Áreas de Processo Descrição das Áreas de Processo Níveis 2 e 3 Foco em CMMI para SW INF326 - Modelos de Qualidade de SW - Mario L. Côrtes CMMI parte B 5B - 1 Convenções gráficas Repositório de Medições Repositório de Informações

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Renato Luiz Della Volpe Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Formado em 1983 em Eng. Mecânica pela FEI e Pós-graduação em Administração pela USP 2001.

Leia mais

CMMI Capability Maturity Model Integration

CMMI Capability Maturity Model Integration www.asrconsultoria.com.br CMMI Capability Maturity Model Integration Visão Geral Capability Maturity Model and CMMI are registered in the U.S. Patent and Trademark Office 1 Agenda Introdução Maturidade

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

CMM CMMI Principais conceitos, diferenças e correlações www.asrconsultoria.com.br

CMM CMMI Principais conceitos, diferenças e correlações www.asrconsultoria.com.br 30 de outubro de 2003 CMM CMMI Principais conceitos, diferenças e correlações Renato Luiz Della Volpe Sergio Massao Jomori Ana Cecília Peixoto Zabeu www.asrconsultoria.com.br 1 Agenda Introdução Evolução

Leia mais

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini Unidade VI GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Capability Maturity Model Integration CMMI SW-CMM (Software Capability Maturity Model): prove informações para o aprimoramento de processos de desenvolvimento

Leia mais

Qualidade em TIC: Principais normas e modelos

Qualidade em TIC: Principais normas e modelos Qualidade em TIC: Principais normas e modelos "Falta de tempo é desculpa daqueles que perdem tempo por falta de métodos." Albert Einstein CMMI Visão Geral Three Complementary Constellations CMMI-DEV fornece

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. CMMI Visão Geral

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. CMMI Visão Geral Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação CMMI Visão Geral Agenda Um histórico dos modelos CMM e CMMI Modelo CMMI Suíte do modelo Representações Níveis de maturidade Áreas de processo

Leia mais

TUTORIAL: Benefícios, aplicação prática de CMMI e MPS.BR e resultados Brasileiros.

TUTORIAL: Benefícios, aplicação prática de CMMI e MPS.BR e resultados Brasileiros. 03-05/12/ TUTORIAL: Benefícios, aplicação prática de CMMI e MPS.BR e resultados Brasileiros. Renato Luiz Della Volpe, Sergio Massao Jomori e Ana Cecília P. Zabeu ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade

Leia mais

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos. CMM Capability Maturity Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.br 8/3/2002 Pró-Reitoria de Administração - Diretoria de Serviços

Leia mais

Renato Luiz Della Volpe

Renato Luiz Della Volpe Renato Luiz Della Volpe Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Formado em 1983 em Eng. Mecânica pela FEI e Pós-graduação em Administração pela USP 2001. Examinador do PNQ em 1997,

Leia mais

CMMI for Services 4º Edição

CMMI for Services 4º Edição CMMI for Services 4º Edição Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com Agenda Objetivo CMMI for Services Um pouco de história... Entrando em detalhes escm-sp Comparativos CMMI-DEV X CMMI-SVC CMMI-SVC

Leia mais

9:45 10:30 = 45 minutos. ~ 25 slides com conteúdo de apresentação. Está com 20 slides de apresentação

9:45 10:30 = 45 minutos. ~ 25 slides com conteúdo de apresentação. Está com 20 slides de apresentação 9:45 10:30 = 45 minutos ~ 25 slides com conteúdo de apresentação Está com 20 slides de apresentação Renato Luiz Della Volpe Sócio-diretor e cofundador da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda.

Leia mais

Capítulo 5: CMMI, o Capability Maturity Model Integration

Capítulo 5: CMMI, o Capability Maturity Model Integration Capítulo 5: CMMI, o Capability Maturity Model Integration Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI

Leia mais

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio CMM Capability Maturity Model Silvia Regina Vergilio Histórico O DoD patrocinou a fundação do SEI (Software Engineering Institute) na Universidade de Carnegie Mellon (Pittsburg) com o objetivo de propor

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

HERON VIEIRA AGUIAR PEPP: PROCESSO DE SOFTWARE PARA EMPRESAS DE PEQUENO PORTE BASEADO NO MODELO CMMI

HERON VIEIRA AGUIAR PEPP: PROCESSO DE SOFTWARE PARA EMPRESAS DE PEQUENO PORTE BASEADO NO MODELO CMMI HERON VIEIRA AGUIAR PEPP: PROCESSO DE SOFTWARE PARA EMPRESAS DE PEQUENO PORTE BASEADO NO MODELO CMMI Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Lavras como

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Conhecendo o CMMI. Alessandro Almeida

Conhecendo o CMMI. Alessandro Almeida Conhecendo o CMMI Alessandro Almeida Agenda Objetivos Por que pensar nestas coisas? Conhecendo o CMMI Uma empresa que poderia ser a sua Objetivos Apresentar de uma forma prática e divertida o modelo CMMI,

Leia mais

Visão Geral do SW-CMM Capability Maturity Model for Software

Visão Geral do SW-CMM Capability Maturity Model for Software Visão Geral do SW-CMM Capability Maturity Model for Software Renato Luiz Della Volpe Renato Luiz Della Volpe Formado em 1983 em Engenharia Mecânica pela FEI Pós graduação em Administração Industrial pela

Leia mais

Quem Somos CMM/ CMMI. ISO 9000 PNQ ISO 12207 ISO 15504 ITIL Outros modelos. Gestão Sistêmica da. Alinhamento às Diretrizes Organizacionais.

Quem Somos CMM/ CMMI. ISO 9000 PNQ ISO 12207 ISO 15504 ITIL Outros modelos. Gestão Sistêmica da. Alinhamento às Diretrizes Organizacionais. Quem Somos Missão Promover a melhoria e a busca da excelência na gestão organizacional e o aperfeiçoamento contínuo dos processos dos nossos clientes, por meio de modelos e padrões de qualidade adequados

Leia mais

Implementando CMMi utilizando uma combinação de Métodos Ágeis. Implementing CMMi using a Combination of Agile Method

Implementando CMMi utilizando uma combinação de Métodos Ágeis. Implementing CMMi using a Combination of Agile Method Implementando CMMi utilizando uma combinação de Métodos Ágeis Implementing CMMi using a Combination of Agile Method Rhavy Maia Guedes IN1149 Qualidade, Processo e Gestão de Software Agenda 2 Introdução

Leia mais

Implantação e Implementação do SW-CMM - Capability Maturity Model Uma Visão Prática. setembro/2002. Renato Luiz Della Volpe

Implantação e Implementação do SW-CMM - Capability Maturity Model Uma Visão Prática. setembro/2002. Renato Luiz Della Volpe Implantação e Implementação do SW-CMM - Capability Maturity Model Uma Visão Prática setembro/2002 Renato Luiz Della Volpe Renato Luiz Della Volpe Formado em 1983 em Engenharia Mecânica pela FEI Pós graduação

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Evoluindo do SW-CMM Nível 2 para o CMMI-SW Nível 3: A Experiência do Instituto Atlântico

Evoluindo do SW-CMM Nível 2 para o CMMI-SW Nível 3: A Experiência do Instituto Atlântico Evoluindo do SWCMM Nível 2 para o CMMISW Nível 3: A Experiência do Instituto Atlântico Tatiana Cavalcanti Monteiro Fca. Márcia G. S. Gonçalves Fabiana G. Marinho Solange A. Araújo Carlo Giovano S. Pires

Leia mais

Gestão de Projetos CMMI e outros modelos de referência

Gestão de Projetos CMMI e outros modelos de referência Gestão de Projetos CMMI e outros modelos de referência Autora: Ivanise M. Gomes IO SEPG Manager Mercosur General Motors do Brasil, IS&S Agenda Ø Introdução Ø Visão Estratégica Ø Malcolm Baldrige Ø ISO

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

Presidente do Quality Assurance Institute QAI Brasil Presidente do International Function Point Users Group IFPUG. Definindo e Alcançando Objetivos

Presidente do Quality Assurance Institute QAI Brasil Presidente do International Function Point Users Group IFPUG. Definindo e Alcançando Objetivos Derivação de Métricas para Projetos de BI Mauricio Aguiar ti MÉTRICAS Presidente do Quality Assurance Institute QAI Brasil Presidente do International Function Point Users Group IFPUG www.metricas.com.br

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2

No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2 Os níveis 3, 4 e 5 No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2 descrição sucinta das KPAs dos níveis 3, 4 e 5 INF310 - Modelos

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

Governança de TI: Aspectos Gerenciais

Governança de TI: Aspectos Gerenciais Governança de TI: Aspectos Gerenciais Governança de TI: Aspectos Gerenciais 1 Governança de TI: Aspectos Gerenciais Governança de TI: Aspectos Gerenciais Governança é a forma como a estrutura organizacionalestá

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Qualidade de software É cada dia maior o número de empresas que buscam melhorias em seus processos de desenvolvimento de software. Além do aumento da produtividade e da diminuição do retrabalho, elas buscam

Leia mais

Pacote Microsoft Partner;Waldemar Nogueira;Microsoft Office 2007[2 licença(s)];impressora A3[1 und]

Pacote Microsoft Partner;Waldemar Nogueira;Microsoft Office 2007[2 licença(s)];impressora A3[1 und] 0 Implantação do CMMI-DEV L2 509,13 dias 01/Fev/10 08/Fev/12 1 1 Iniciação 187 dias 01/Fev/10 01/Nov/10 2 1.1 Formar e institucionalizar SEPG 187 dias 01/Fev/10 01/Nov/10 3 1.1.1 Treinamento 2 dias 01/Fev/10

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Benefícios, aplicação prática de CMMI e MPS.BR e resultados Brasileiros

Benefícios, aplicação prática de CMMI e MPS.BR e resultados Brasileiros www.asrconsultoria.com.br Benefícios, aplicação prática de CMMI e MPS.BR e resultados Brasileiros SIMTECCE 2009 Renato Luiz Della Volpe Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda.

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

CMMI for Services. Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com

CMMI for Services. Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com CMMI for Services Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com Agenda Objetivo Motivação CMMI for Services Um pouco de história... Entrando em detalhes CMMI-DEV X CMMI-SVC Objetivos Apresentar o modelo

Leia mais

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Daniel Gonçalves Jacobsen 1 Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Porto Alegre RS Brasil daniel@flete.com.br Abstract. This article describes

Leia mais

SIMPROS 2003. Experiência da Ci&T na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software através da Integração entre modelos e práticas de gestão

SIMPROS 2003. Experiência da Ci&T na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software através da Integração entre modelos e práticas de gestão SIMPROS 2003 Experiência da Ci&T na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software através da Integração entre modelos e práticas de gestão Ana Cecilia Peixoto Zabeu Erikade Freitas Nita Agenda Quem

Leia mais

Estratégias Baseadas em Six Sigma para Obtenção do CMMi Nível 5

Estratégias Baseadas em Six Sigma para Obtenção do CMMi Nível 5 Estratégias Baseadas em Six Sigma para Obtenção do CMMi Nível 5 Paula Luciana F. da Cunha, Luciana Ferreira Trindade, Ciro Carneiro Coelho Instituto Atlântico, Rua Chico Lemos, 946, 60822780 Fortaleza

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM M P S. B R : M E L H O R I A D E P R O C E S S O D O S O F T W A R E B R A S I L E I R O A

Leia mais

CMMI for Services. 3º Edição. Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com

CMMI for Services. 3º Edição. Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com CMMI for Services 3º Edição Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com Agenda Objetivo Pré-requisito : O que é o CMMI? Motivação CMMI for Services Um pouco de história... Entrando em detalhes Opção :

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail.

Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura. O Modelo. Wesley Torres Galindo. wesleygalindo@gmail. Qualidade, Processos e Gestão de Software Professores: Alexandre Vasconcelos e Hermano Moura O Modelo Wesley Torres Galindo wesleygalindo@gmail.com Agenda O que é? Motivação Organização do MPS.BR Estrutura

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software

Introdução à Qualidade de Software FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução à Qualidade de Software www.romulocesar.com.br Prof. Rômulo César (romulodandrade@gmail.com) 1/41 Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos sobre Qualidade de

Leia mais

Modelos de Maturidade. Porque estudar um Modelo de Maturidade? Descrevem as características de processos efetivos;

Modelos de Maturidade. Porque estudar um Modelo de Maturidade? Descrevem as características de processos efetivos; Versão 1.1 - Última Revisão 16/08/2006 Porque estudar um Modelo de Maturidade? Segundo o Standish Group, entidade americana de consultoria empresarial, através de um estudo chamado "Chaos Report", para

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps)

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto mps Br: Modelo de Referência para Melhoria de Processo de Software CMMI SPICE SCAMPI MODELO PARA MELHORIA DO PROCESSO DE SOFTWARE

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO INSTRUÇÕES

Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO INSTRUÇÕES P1-MPS.BR - Prova de Introdução ao MPS.BR Data: 21 de maio de 2007 Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

V Simpósio Internacional de Recife, PE - Brasil 3-5/11/2003

V Simpósio Internacional de Recife, PE - Brasil 3-5/11/2003 Recife - PE, 3 de novembro de 2003 Tutorial: Introdução aos Modelos CMM, ISO/IEC 15504 (SPICE) e CMMI Clenio F. Salviano (clenio.salviano@cenpra.gov.br) Centro de Pesquisas Renato Archer DMPS: Divisão

Leia mais

A Gestão da Qualidade de Software e a Gestão da Qualidade Total A experiência da NEC do Brasil S.A.

A Gestão da Qualidade de Software e a Gestão da Qualidade Total A experiência da NEC do Brasil S.A. A Gestão da Qualidade de Software e a Gestão da Qualidade Total A experiência da NEC do Brasil S.A. Renato Luiz Della Volpe 1 Mauro de Mesquita Spinola 2 Marcelo Schneck de Paula Pessôa 2 1 NEC do Brasil

Leia mais

Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev

Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev Artigos técnicos selecionados Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev Rosana Fernandes Osório, Guilherme Tavares Motta Coordenação Geral de Qualidade de Software

Leia mais

Programa MPS.BR e Modelo MPS: MPS-RH

Programa MPS.BR e Modelo MPS: MPS-RH Programa MPS.BR e Modelo MPS: MPS-RH Gleison Santos (COPPE) Renato Luiz Della Volpe (ASR Consultoria) Introdução RENATO LUIZ DELLA VOLPE Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda.

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Agenda Introdução - apresentação Maturidade do Processo de Software Qualidade de software no Brasil e no mundo CMM - Overview Utilizando o CMM Melhoria Contínua do Modelo CMMI

Leia mais

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR Fonte: http://www.softex.br/mpsbr/_home/default.asp Apostilas disponíveis no site 1 NORMAS: NBR ISO NBR ISO/IEC CMM SPICE Continuação... 2 NORMAS VISÃO GERAL NBR

Leia mais

CMMI - nível 2: um projeto da MSA para melhoria de processos de desenvolvimento de software Ana Silva e Cássia Leite

CMMI - nível 2: um projeto da MSA para melhoria de processos de desenvolvimento de software Ana Silva e Cássia Leite CMMI - nível 2: um projeto da MSA para melhoria de processos de desenvolvimento de software Ana Silva e Cássia Leite Atualmente, a idéia de utilizar modelos para promover melhorias e capacitação sobre

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Uma visão pessoal, baseada em processos, para competitividade em software

Uma visão pessoal, baseada em processos, para competitividade em software I DO 2003 - Exportação de Software São Paulo, 08-10 de dezembro de 2003 Painel: A Qualidade nos Produtos e das Fábricas de Software e a Exportação Brasileira Uma visão pessoal, baseada em processos, para

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Alta Maturidade em Gestão de Projetos

Alta Maturidade em Gestão de Projetos Alta Maturidade em Gestão de Projetos 1 Agenda Excelência, Ética e Resultados A ISD Brasil CMMI melhores práticas O que é maturidade, afinal? Alta maturidade em gestão de projetos 10 atributos de uma organização

Leia mais

11 de setembro de Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade

11 de setembro de Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 11 de setembro de 2007 www.asrconsultoria.com.br Melhoria do Processo de Software com aplicação do CMMI e Resultados reais Brasileiros Agenda Motivações para a Melhoria de Processos e sua importância Resultados

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

POLÍTICA. Localizador Revisão Folha:

POLÍTICA. Localizador Revisão Folha: 1/13 1. INTRODUÇÃO Esta norma tem por finalidade descrever os deveres do EPG para o cumprimento de seu trabalho diário dentro dos objetivos da Instituição. 2. OBJETIVO Estabelecer as regras para a realização

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais