Primeiro Semestre 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Primeiro Semestre 2014"

Transcrição

1 Primeiro semestre 2014 Relatório e contas consolidadas Primeiro Semestre 2014 Relatório e Contas Consolidadas

2 PT Portugal 01 Análise dos resultados consolidados 4 02 Análise operacional Recursos humanos Principais eventos Principais riscos e incertezas Participações qualificadas Perspetivas Declaração do Conselho de Administração 44 Demonstrações financeiras consolidadas 45 Glossário 114 Informação adicional aos acionistas 118 A designação PT Portugal refere-se à PT Portugal SGPS, SA e ao conjunto das empresas que constituem a PT Portugal ou a qualquer uma delas, consoante o contexto.

3 PT Portugal Telecomunicações em Portugal Segmentos de cliente Receitas (Milhões de ) Residencial 354 Pessoal 306 Empresa 379 Outros 191 Total Outros negócios de telecomunicações (a) Unitel 25% > Angola > Móvel (a) MTC 34% > Namíbia > Móvel (a) CVT 40% > Cabo Verde > Fixo, móvel Timor Telecom 41% > Timor Leste > Fixo, móvel (a) CST 51% > São Tomé e Príncipe > Fixo, móvel (a) Estas participações são detidas pela Africatel, a qual é controlada em 75% pela PT. Outros negócios Inovação, investigação e desenvolvimento, serviços de sistemas e TI [PT Inovação e Sistemas 100%]; Cloud e Data centres [PT Cloud and Data Centres, SA 100%]; Serviços administrativos e de gestão partilhada [PT PRO 100%]; Call centres e serviços de telemarketing [PT Contact 100%] [Previsão 82.05%]

4 01 Análise dos resultados consolidados As demonstrações financeiras da PT Portugal estão pela primeira vez a ser apresentadas de forma consolidada, uma vez que até dezembro de 2013 só estavam disponíveis demonstrações financeiras individuais. Isso faz com que as demonstrações financeiras consolidadas agora publicadas não sejam base para comparação as demonstrações financeiras individuais publicadas em períodos anteriores. Nos exercícios anteriores não eram incluídas todas as empresas atualmente detidas pela PT Portugal, pois algumas dessas empresas só foram transferidas para a PT Portugal em 5 de maio de 2014, no âmbito do aumento de capital da Oi. Adicionalmente, é importante ressaltar que só nessa data o investimento indireto da PT Portugal na Oi foi transferido para a Portugal Telecom SGPS, S.A, o que também gera impactos contabilísticos nas demonstrações financeiras. No 1S14, os negócios de telecomunicações em Portugal continuaram a apresentar um crescimento da sua da base de clientes assente no sucesso produto convergente M 4O, que superou 2,2 milhões de RGUs e da oferta de 3 Play que superou 1,0 milhões RGUS. No segmento móvel, os clientes em Portugal atingiram os 7,7 milhões, tendo empresa aumentado a sua quota de mercado para 47% apesar da elevada penetração dos serviços móveis. No 1S14, a PT Portugal registou receitas consolidadas no valor de milhões de. O EBITDA da PT Portugal alcançou 520 milhões de, equivalente a uma margem de 40% e o capex foi de 176 milhões de, equivalente a 13,5% das receitas. De acordo com as regras contabilísticas vigentes e por força de efeitos cambiais, não havendo por isso qualquer impacto no fluxo de caixa, na dívida ou no capital próprio da PT Portugal, o prejuízo líquido foi de milhões de no 1S14. Este resultado reflete principalmente o impacto da alienação do investimento na Bratel BV (950 milhões de ), que contabilizou uma perda de milhões de correspondente ao valor acumulado dos ajustes cambiais negativos, que foram gerados e registados contabilisticamente no item capital próprio do balanço desde a aquisição da Oi, em março de 2011, e transferidos de reservas para resultado líquido no seguimento da alienação deste investimento em maio Em março de 2011 o câmbio BRL/Euro era de aproximadamente 2,32 enquanto que em maio de 2014 era de aproximadamente 3,1 BRL/Euro. Este impacto é não recorrente e exclusivamente contabilístico. PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

5 01 Análise dos resultados consolidados Resultados consolidados Demonstração dos resultados consolidados Milhões de 1S14 1S13 13/14 Receitas operacionais 1.301, ,5 (0,9%) Portugal 1.230, ,0 (3,9%) Residencial 353,7 355,4 (0,5%) Pessoal 305,9 322,0 (5,0%) Empresas 379,3 403,9 (6,1%) Serviços a prestadores, outros e eliminações 191,2 198,7 (3,8%) Outros e eliminações 71,7 33,5 113,9% Custos operacionais 782,1 798,2 (2,0%) Custos com pessoal 178,5 176,3 1,2% Custos diretos dos serviços prestados 228,9 220,7 3,7% Custos comerciais 99,2 115,1 (13,8%) Outros custos operacionais 275,5 286,0 (3,7%) EBITDA 519,7 515,3 0,8% Custos com benefícios de reforma (PRBs) 21,0 21,2 (1,1%) Amortizações 394,2 398,7 (1,1%) Resultado operacional 104,5 95,4 9,6% Outros custos (receitas) 111,9 (3,9) n.s. Custos com o prog. de redução de efectivos, líquidos 0,1 116,3 (99,9%) Mais valias na alienação de imobilizado, líquidas (0,2) (1,7) (89,4%) Outros custos (ganhos) líquidos 112,0 (118,5) n.s. Resultado antes de resultados financeiros e impostos (7,4) 99,3 n.s. Custos (ganhos) financeiros 1.142,5 160,6 n.s. Juros suportados, líquidos 140,1 127,8 9,6% Perdas em empresas participadas, líquidas 977,0 29,0 n.s. Outros custos financeiros, líquidos 25,4 3,8 n.s. Resultado antes de impostos (1.150,0) (61,3) n.s. Imposto sobre o rendimento 6,3 19,1 (67,2%) Resultado antes de interesses não controladores (1.156,2) (80,4) n.s. Lucros (prejuízos) atribuíveis a int. não controladores (6,0) 1,1 n.s. Resultado líquido consolidado (1.150,2) (81,5) n.s. Receitas operacionais consolidadas No 1S14, as receitas operacionais consolidadas diminuiram 12 milhões de para milhões de (-0,9% face ao 1S13), face a milhões de no 1S13, refletindo uma diminuição nas receitas dos negócios de telecomunições em Portugal (50 milhões de ), parcialmente compensada por uma maior contribuição dos negócios internacionais, nomeadamente dos negócios africanos, cujas receitas foram consolidadas a partir de maio de 2014, no seguimento da aquisição da PT Participações pela PT Móveis. No 1S14, as receitas dos negócios de telecomunicações em Portugal diminuíram 3,9% face ao 1S13 (50 milhões de ) para milhões de, refletindo uma diminuição das receitas penalizadas pelo segmento Empresas (- 6,1% face ao 1S13), impactadas pelas iniciativas de forte corte de custos, pela redução significativa nos investimentos em novos projetos por parte do setor privado e pela concorrência no mercado, pela diminuição nas receitas do segmento Pessoal (-5,0% face ao 1S13), resultado de menores receitas de cliente que refletem condições económicas adversas, pressão ao nível do preço e migração para planos tarifários mais baixos, e pela redução nas receitas grossistas e de outros negócios (-3,8% face ao 1S13), em resultado de menores receitas PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

6 01 Análise dos resultados consolidados provenientes de tráfego e acessos e menores receitas provenientes do negócio de listas telefónicas devido ao aumento da popularidade de alternativas online. As receitas do segmento Residencial continuaram a ser impactadas por dinâmicas competitivas e de preço, mas ainda assim permaneceram estáveis, beneficiando do sucesso e contínuos ganhos de quota de mercado das ofertas triple e quadruple-play do MEO. No 1S14, as outras receitas, incluindo as eliminações intragrupo, aumentaram 113,9% face ao 1S13 (38 milhões de ), para 72 milhões de, refletindo principalmente uma maior contribuição dos negócios internacionais, nomeadamente dos negócios africanos, cujas receitas foram consolidadas a partir de maio de Custos Operacionais Consolidados (excluindo custos com benefícios de reforma e amortizações) Os custos operacionais consolidados, excluindo custos com benefícios de reforma e amortizações, diminuiram 16 milhões de no 1S14 (-2,0% face ao 1S13), para 782 milhões de, face a 798 milhões de no 1S13, refletindo principalmente uma menor contribuição dos negócios de telecomunicações em Portugal (38 milhões de ), explicada por: (1) uma diminuição nos custos comerciais, devido a menores custos das mercadorias vendidas e menores despesas de marketing, não obstante as campanhas de marketing para comunicar o rebranding do negócio móvel, com a alteração da marca de TMN para MEO, e (2) menores custos com terceiros e outros custos operacionais, explicados principalmente pelo rígido enfoque em controlo de custos e rentabilidade e ainda devido a uma maior produtividade nas atividades de manutenção, explicada pela implementação das redes de nova geração (FTTH). Estes efeitos foram parcialmente compensados pela contribuição dos negócios internacionais, nomeadamente dos negócios da Africatel, consolidados a partir de maio de 2014 no seguimento da aquisição da PT Participações. Os custos com pessoal aumentaram 2 milhões de (+1,2% face ao 1S13) para 178 milhões de no 1S14, face a 176 milhões de no 1S13, explicado principalmente pela contribuição dos negócios internacionais, consolidados a partir de maio de 2014, como referido acima. Os custos com pessoal nos negócios de telecomunicações permaneceram relativamente estáveis no 1S14 em 121 milhões de, enquanto os custos com pessoal nos negócios em Portugal diminuíram 2,0%, beneficiando de níveis de eficiência mais elevados em certos processos e menores custos devido ao plano de restruturação implementado no 2T13, efeitos parcialmente compensados pela consolidação de uma empresa de suporte, adquirida à Portugal Telecom no 1S14. Os custos diretos aumentaram 8 milhões de no 1S14 (+3,7% face ao 1S13) para 229 milhões de, face a 221 milhões de no 1S13, refletindo a consolidação dos negócios internacionais a partir de maio de 2014 e uma maior contribuição dos negócios de telecomunicações em Portugal, explicada por maiores custos de tráfego parcialmente compensados pela diminuição nos custos de programação e pelos menores custos relacionados com o negócio das listas telefónicas. Os custos comerciais, os quais incluem custos das mercadorias vendidas, comissões e despesas com marketing e publicidade, diminuiram 13,8% (16 milhões de ) para 99 milhões de no 1S14, face a 115 milhões de no 1S13, refletindo principalmente a uma diminuição nos negócios de telecomunicações em Portugal, em resultado de menores custos das mercadorias vendidas e menores despesas com marketing e publicidade, não obstante as campanhas de marketing para comunicar o rebranding do negócio móvel, com a alteração da marca de TMN para MEO. Os outros custos operacionais, os quais incluem essencialmente serviços de suporte, fornecimentos e serviços externos, impostos indirectos e provisões, diminuiram 3,7% (11 milhões de ) para 276 milhões de no 1S14, face a 286 PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

7 01 Análise dos resultados consolidados milhões de no 1S13, refletindo essencialmente uma menor contribuição dos negócios de telecomunicações em Portugal, principalmente como resultado do enfoque da PT Portugal na redução de custos e na rentabilidade que se traduziu em menores despesas de manutenção e reparação e menores despesas com serviços de terceiros, refletindo os beneficios da implementação da rede FTTH da PT Portugal, do extenso programa de transformação de field force e também do aumento das despesas de manutenção no 1T13 devido às condições meteorológicas adversas naquele período. A menor contribuição dos negócios de telecomunicações em Portugal foi parcialmente compensada pela consolidação dos negócios internacionais a partir de maio de 2014, conforme referido anteriormente. EBITDA No 1S14, o EBITDA consolidado aumentou 4 milhões de (+0,8% face ao 1S13) para 520 milhões de, o que compara com 515 milhões de no 1S13, devido principalmente à consolidação dos negócios internacionais a partir de maio de 2014, efeito parcialmente compensado pela diminuição nos negócios de telecomunicações em Portugal, refletindo a redução nas receitas operacionais, como explicado anteriormente, a qual mais do que compensou os esforços de corte de custos e o aumento da eficiência que se traduziu num menor opex. EBITDA por segmento de negócio Milhões de 1S14 1S13 13/14 Portugal 537,8 549,2 (2,1%) Outros (18,1) (33,8) (46,5%) EBITDA 519,7 515,3 0,8% Margem EBITDA (%) 39,9 39,2 0,7pp O EBITDA dos negócios de telecomunicações em Portugal ascendeu a 538 milhões de no 1S14 (-2,1% face ao 1S13), equivalente a uma margem de 43,7%, melhorando a tendência trimestral quando comparando o 2T14 (- 2,0% face ao 2T13), o 1T14 (-2,2% face ao 1T13), o 4T13 (-5,8% face ao 4T12), o 3T13 (-9,1% face ao 3T12) e o 2T13 (- 9,7% face ao 2T12). Este desempenho resultou da diminuição nas receitas de serviço (38 milhões de ), as quais têm uma maior alavancagem operacional, e também de novos serviços no segmento Empresas com menores margens, o que mais do que compensou os esforços de corte de custos e aumento da eficiência que se traduziram num menor opex (38 milhões de ), nomeadamente: (1) menores custos comerciais devido principalmente a menores custos das mercadorias vendidas e despesas de marketing, e (2) menores serviços de terceiros e outros custos operacionais, explicados principalmente pelos esforços de corte de custos e aumento da rentabilidade, pelo aumento da produtividade nas atividades de manutenção devido à implementação da rede de nova geração (FTTH) e beneficiando também do aumento das despesas de manutenção no 1T13 devido às condições meteorológicas adversas naquele período. Resultado líquido As amortizações e depreciações ascenderam a 394 milhões de no 1S14, o que compara com 399 milhões de no 1S13, uma redução de 5 milhões de que reflete principalmente menores amortizações e depreciações no negócio de telecomunicações em Portugal, refletindo a continua diminuição no capex ocorrida nos últimos anos, face aos investimentos realizados nos anos anteriores em tecnologias de futuro e redes de nova geração, nomeadamente em FTTH e cobertura 4G-LTE. Estes efeitos foram parcialmente compensados pela contribuição dos outros ativos internacionais, consolidados a partir de maio de PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

8 01 Análise dos resultados consolidados As outros perdas líquidas situaram-se nos 112 milhões de no 1S14, face a um ganho líquido de 118 milhões de no 1S13. No 1S14, esta rubrica inclui o reconhecimento de certas perdas reconhecidas no âmbito da aquisição das operações internacionais de forma a ajustar o valor contabilístico destes investimentos para os correspondentes valores recuperáveis. No 1S13, esta rubrica inclui: (1) um ganho resultante da liquidação de obrigações contratuais reconhecidas no âmbito da aquisição do investimento na Oi em 2011, por um valor inferior aquele inicialmente registado; (2) um ganho relacionado com o contrato de concessão da rede fixa, e (3) o reconhecimento de provisões e ajustamentos de forma a ajustar o valor contabilístico de certos ativos aos seus valores recuperáveis. Os juros líquidos suportados aumentaram de 128 milhões de no 1S13 para 140 milhões de no 1S14, refletindo principalmente um custo da dívida mais elevado associado a certos financiamentos, nomeadamente empréstimos por obrigações e empréstimos bancários, que foram consolidados a partir de maio de 2014 no seguimento da aquisição da PT Finance. As perdas em empresas participadas, as quais incluem a participação da PT Portugal nos lucros de empresas associadas e empreendimentos e as perdas relacionadas com a alienação dessas empresas participadas, ascenderam a 977 milhões de no 1S14, o que compara com 29 milhões de no 1S13. No 1S14, esta rubrica inclui uma perda de 950 milhões de relacionada com a alienação da participação na Bratel BV, a qual inclui uma mais-valia de 50 milhões de, refletindo a diferença entre o valor de venda (4.195 milhões de ) e o valor contabilistico deste investimento, e uma perda de milhões de correspondente ao valor acumulado dos ajustamentos de conversão cambial negativos, gerados desde a aquisição da Oi em março de 2011 e transferidos para o resultado líquido no seguimento da alienação deste investimento em maio No 1S13, esta rubrica inclui um ganho de 33 milhões de relativo à alienação da participação de 3% detida pela PT Comunicações na CTM, por 36 milhões de. Ajustando por estes efeitos, as perdas em empresas associadas teriam ascendido a 27 milhões de e 62 milhões de no 1S14 e no 1S13, respetivamente, refletindo principalmente uma redução na participação da PT Portugal nos prejuízos de empreendimentos conjuntos. Os outros custos financeiros líquidos, que incluem ganhos cambiais líquidos, perdas líquidas em ativos financeiros e outras despesas financeiras líquidas, aumentaram de 4 milhões de no 1S13 para 25 milhões de no 1S14, refletindo principalmente despesas incorridas pela PT Finance em maio e junho de 2014 relativas à alteração dos termos e condições das Eurobonds e outros financiamentos, no seguimento da transferência da PT Finance da Portugal Telecom para a PT Portugal, e também comissões bancárias recorrentes e outras despesas registadas pela PT Finance relacionadas com Eurobonds e outros financiamentos, uma vez que entidade foi consolidada a partir de maio. O imposto sobre o rendimento diminuiu para 6 milhões de no 1S14, face a 19 milhões de no 1S13, devido a menores resultados antes de imposto nos negócios domésticos, efeito que mais que compensou o imposto sobre o rendimento dos negócios internacionais, consolidados a partir de maio de As perdas atribuíveis a interesses não controladores ascenderam a 6 milhões de no 1S14, o que compara com um ganho atribuível a interesses não controladores de 1 milhão de no 1S13, refletindo principalmente as perdas atribuíveis a interesses não controladores da Africatel e das suas subsidiárias a partir de maio de O prejuízo líquido aumentou para milhões de no 1S14, face a 81 milhões de no 1S13, refletindo principalmente a perda registada relacionada com a alienação do investimento na Bratel BV (950 milhões de ) que, tal como referido anteriormente, reflete principalmente uma perda de milhões de correspondente PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

9 01 Análise dos resultados consolidados ao valor acumulado dos ajustamentos de conversão cambial negativos gerados e registados diretamente no capital próprio desde a aquisição da Oi em março de 2011 e transferido de reservas para resultado líquido no seguimento da alienação deste investimento em maio 2014, não tendo por este motivo qualquer impacto no capital próprio da PT Portugal naquela data. Ajustando por estes efeito, o prejuízo líquido teria ascendido a 200 milhões de no 1S14, um aumento de 119 milhões de face ao mesmo período do ano anterior, explicado pelo aumento nos outros custos líquidos (231 milhões de ), conforme explicado acima, pelo ganho registado no âmbito da alienação da participação de 3% na CTM (33 milhões de ) e por maiores juros suportados (12 milhões de ). Estes efeitos foram parcialmente compensados por custos incorridos com o programa de redução de efetivos no 1S13 (116 milhões de ) e por uma menor participação nas perdas de empreendimentos conjuntos. Capex No 1S14, o capex ascendeu a 176 milhões de, equivalente a 13,5% das receitas, face a 234 milhões de no 1S13. Esta diminuição é explicada por uma menor contribuição dos negócios de telecomunicações em Portugal (71 milhões de ), a qual ascendeu a 157 milhões de no 1S14, refletindo: (1) menor capex de infraestrutura e tecnologia, em resultado dos elevados investimentos realizados nos últimos anos, quer na rede FTTH como na rede 4G-LTE; (2) menor capex de SI/TI, explicado principalmente pelo investimento realizado em 2013 no data centre, e (3) um menor capex de cliente, explicado por menores custos unitários de equipamento e um menor churn nos serviços de TV por subscrição e banda larga. O capex dos outros negócios aumentou para 19 milhões no 1S14 face a 6 milhões de no 1S13, refletindo principalmente a contribuição dos outros ativos internacionais, consolidados a partir de maio de 2014 no seguimento da aquisição da PT Participações. Capex por segmento de negócio Milhões de 1S14 1S13 13/14 Portugal 156,8 227,9 (31,2%) Outros 18,7 6,1 208,7% Capex total 175,5 234,0 (25,0%) Capex em % das receitas operacionais 13,5 17,8 (4,3pp) Demonstração da posição financeira consolidada O total do ativo diminuiu para 12,4 mil milhões de em 30 de junho de 2014, face a 14,3 mil milhões de em 31 de dezembro de 2013, refletindo a diminuição dos investimentos financeiros (3,5 mil milhões de ), parcialmente compensados por um aumento nos outros ativos (1,0 mil milhões de ) e nas contas a receber (0,3 mil milhões de ). A diminuição nos investimentos financeiros é explicada: (1) pela alienação dos investimentos em empreendimentos (2,4 mil milhões de em 31 de dezembro de 2013) referente à alienação da Bratel BV, e (2) pelo investimento em papel comercial emitido pela PT Finance em dívida em 31 de dezembro de 2013 (2,4 mil milhões de ), uma vez que esta empresa foi adquirida e consolidada a partir de 2 de maio de 2014, efeitos que foram parcialmente compensados (3) pelo investimento na Unitel em 30 de junho de 2014 (1,3 mil milhões de ) registado inicialmente no âmbito da aquisição da PT Participações. Em 30 de junho de 2014, os outros ativos incluíam os investimentos em papel comercial emitido pela Rio Forte Investments, no montante de 897 milhões de, os quais não foram reembolsados nas respetivas datas de vencimento em julho de O aumento nas contas a receber reflete a consolidação das operações internacionais a partir de maio de 2014 e também um aumento nas operações domésticas. PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

10 01 Análise dos resultados consolidados Os investimentos em papel comercial da Rio Forte acima mencionados não foram reembolsados pela Rio Forte nas respetivas datas de vencimento em julho de 2014, tendo a Oi chegado a um acordo com a Portugal Telecom para a troca do papel comercial da Rio Forte, no montante de 897 milhões de, por ações ordinárias e ações preferenciais da Oi. Após a transferência destes investimentos, a Portugal Telecom será a única entidade responsável pela negociação com a Rio Forte e pelas decisões tomadas relativamente a esses investimentos, pelo que a PT Portugal não fez qualquer alteração ao valor contabilístico destes investimentos. A Oi, como acionista controlador da PT Portugal, irá fornecer todo o apoio documental necessário à Portugal Telecom para permitir que esta entidade adote todas as ações necessárias com vista à recuperação dos créditos referentes a esses investimentos. O total do passivo ascendeu a 9,2 mil milhões de em 30 de junho de 2014, face a 9,8 mil milhões de em 31 de dezembro de 2013, uma diminuição explicada principalmente pela redução na dívida bruta (0,8 mil milhões de ) e nas contas a pagar (0,1 mil milhões de ). A redução na dívida bruta reflete principalmente dívidas a empresas do grupo que se encontravam em aberto em 31 de dezembro de 2013 e que em resultado da aquisição da PT Finance e da transferência de dívidas da Portugal Telecom já não são refletidas nas demonstrações financeiras consolidadas em 30 de junho de A diminuição nas contas a pagar reflete principalmente o pagamento do capex incorrido no quarto trimestre de 2013, efeito que mais do que compensou a contribuição das operações internacionais consolidadas a partir de maio de O capital próprio excluindo interesses não controladores, ascendeu a milhões de em 30 de junho de 2014, face a milhões de em 31 de dezembro de 2013, uma diminuição de milhões de explicada principalmente (1) pelo reembolso de prestações acessórias (2.895 milhões de ), (2) pelo prejuízo apurado no período, ajustado pelos ajustamentos de conversão cambial transferidos de reservas para resultado líquido (1.000 milhões de ), no montante 150 milhões de, e (3) pelas perdas atuariais líquidas registadas no período (70 milhões de, líquidas de impostos). Estes efeitos foram parcialmente compensados pelo aumento de capital, de milhões de, subscrito pela Oi e pelos ajustamentos de conversão cambial positivos gerados no período, referentes principalmente ao impacto da valorização do Real Brasileiro face ao Euro, no investimento na Oi até 5 de maio de Em 30 de junho de 2014, a dívida bruta consolidada ascendia a milhões de, dos quais 81% era de médio e longo prazo e 91% vencia juros a taxas fixas. A dívida líquida (dívida bruta menos caixa e equivalentes de caixa e investimentos de curto prazo) ascendeu a milhões de em 30 de junho de 2014, com uma maturidade de 3,9 anos. As responsabilidades projetadas com benefícios de reforma (PBO) relativas a complementos de pensões e cuidados de saúde ascenderam a 516 milhões de e o valor de mercado dos ativos sob gestão ascendia a 351 milhões de em 30 de junho de 2014, face a 494 milhões de e 386 milhões de em 31 de dezembro de 2013, respetivamente. Adicionalmente, a PT Portugal tinha responsabilidades sob a forma de salários devidos a empregados suspensos e pré-reformados no montante de 800 milhões de em 30 de junho de 2014 e 843 milhões de em 31 de dezembro de 2013, as quais não estão sujeitas a qualquer requisito legal para efeitos de financiamento. Estes salários são pagos mensalmente diretamente pela PT aos beneficiários até à idade da reforma. Assim, o total das responsabilidades não financiadas brutas dos negócios em Portugal ascendia a 966 milhões de (744 milhões de líquidas do efeito fiscal) face a 951 milhões de em 31 de dezembro de 2013, um aumento de 15 milhões de explicado principalmente por: (1) perdas atuariais líquidas registadas no período (90 milhões de ), relacionadas com a redução nas taxas de desconto e com a diferença negativa entre o retorno real e estimado dos ativos sob gestão, e (2) custos com benefícios de reforma registados no período (11 milhões de ). Estes efeitos foram parcialmente compensados pelos pagamentos de salários a PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

11 01 Análise dos resultados consolidados empregados suspensos e pré-reformados efetuados no período (85 milhões de ). Os planos de benefícios de reforma da PT Portugal relativos a complementos de pensões e cuidados de saúde estão fechados à entrada de novos participantes. Demonstração da posição financeira consolidada Milhões de 30 Junho Dezembro 2013 Disponibilidades e títulos negociáveis 264,4 281,3 Contas a receber 1.296,4 981,9 Existências 93,0 69,7 Investimentos financeiros 1.378, ,1 Goodwill 3.847, ,7 Ativos intangíveis 729,7 702,1 Ativos tangíveis 3.341, ,9 Ativos com planos de benefícios de reforma 1,9 1,8 Impostos diferidos 370,2 352,1 Outros ativos 1.047,1 42,4 Total do ativo , ,0 Dívida bruta 6.573, ,8 Contas a pagar 524,7 669,6 Acréscimos de custos 449,3 361,9 Responsabilidades com planos de benefícios de reforma 967,6 952,5 Impostos diferidos 236,7 176,3 Outros passivos 427,9 282,9 Total do passivo 9.179, ,0 Capital, excluindo interesses não controladores 2.726, ,8 Interesses não controladores 463,9 32,2 Total do capital próprio 3.190, ,0 Total do capital próprio e do passivo , ,0 PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

12 02 Análise operacional Negócios de telecomunicações em Portugal No 1S14, os negócios de telecomunicações em Portugal continuaram a apresentar um crescimento da base de clientes, com os clientes de acessos fixos de retalho a aumentarem 2,0% face ao 1S13 para mil (com adições líquidas de 61 mil no 1S14) e os clientes móveis a aumentarem 0,4% face ao 1S13 para mil (147 mil desligamentos líquidos no 1S14, não obstante o desempenho dos clientes póspago, com 290 mil adições líquidas no semestre), sustentado no sucesso das ofertas da PT, nomeadamente do M4O, que continua a ganhar tração no mercado, tendo atingido 2,2 milhões de RGUs em junho de Desde o seu lançamento, em janeiro de 2013, cerca de 42% dosrgus do M4O são novos RGUs, com cerca de um milhão de cartões SIM. 58% dos clientes M 4O tem dois cartões SIM, 22% têm três e 20% têm quatro cartões SIM. O aumento dos clientes de acessos fixos de retalho foi impulsionado pelo sólido desempenho do MEO, nomeadamente dos clientes de TV por subscrição, tendo a base de clientes de TV por subscrição aumentado 7,3% no 1S14 face ao 1S13 para mil (48 mil adições líquidas no 1S14), confirmando o contínuo sucesso e a atratividade do MEO no mercado português, mesmo num contexto económico adverso e num mercado com elevada penetração de TV por subscrição. Os clientes triple-play da PT (voz, banda larga e TV por subscrição) foram responsáveis por 71 mil adições líquidas no 1S14 atingindo mil clientes (crescimento de 14,4% face ao ano anterior), apresentando um desempenho resiliente ao longo do ano. Dados operacionais Portugal 1S14 1S13 14/13 Acessos fixos de retalho ('000) ,0% PSTN/RDIS (2,2%) Clientes de banda larga ,1% Clientes de TV ,3% Clientes móveis ('000) ,4% Póspagos ,3% Prépagos (10,2%) Adições líquidas ('000) Acessos fixos de retalho ('000) (6,1%) PSTN/RDIS (27) (26) (5,0%) Clientes de banda larga (8,8%) Clientes de TV ,5% Clientes móveis ('000) (174) 92 (289,9%) Póspagos ,9% Prépagos (464) (112) n.s. Dados em % das receitas de serviço (%) 38,8 35,6 3,2pp PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

13 02 Análise operacional No 1S14, a base de clientes móveis continuou a beneficiar do desempenho dos clientes póspago, aumentando 20,3% face ao 1S13 para mil (290 mil adições líquidas no 1S14), beneficiando da oferta convergente M4O, lançada em janeiro de 2013, que continua a impulsionar uma migração da base de clientes de prépago para póspago. O MEO continuará enfocado numa estratégia de convergência para o segmento de Consumo, suportada nas ofertas triple e quadruple-play, na banda larga móvel e nas tarifas fixas, sustentadas no sucesso da oferta M4O. Para o segmento de Empresas, o enfoque continuará a ser, principalmente, numa estratégia de cloud, alavancada na sua vasta rede de data centres e também em serviços de BPO e TI. Residencial No 1S14, os acessos de retalho ou unidades geradoras de receita de retalho (RGUs) do segmento Residencial aumentaram 2,0% face ao 1S13, atingindo mil, com os acessos de TV por subscrição e de banda larga a representarem já 57,8% do total de acessos de retalho do segmento Residencial em 30 de junho de No 1S14, os acessos de retalho fixos registaram 54 mil adições líquidas, com o 2T14 (36 mil adições líquidas) a registar o dobro das adições líquidas do 1T14 (18 mil adições líquidas), refletindo: (1) 9 mil desligamentos líquidos de linhas PSTN/RDIS; (2) 33 mil adições líquidas de clientes de TV por subscrição, e (3) 30 mil adições líquidas de clientes de banda larga fixa. É importante realçar que o desempenho do 2T14 foi o melhor desempenho dos últimos seis trimestres, não obstante o aumento da pressão competitiva e da já alta penetração da TV por subscrição no mercado português. O serviço de TV por subscrição atingiu mil clientes no semestre (+4,9% face ao 1S13), enquanto a banda larga fixa atingiu mil clientes (+4,1% face ao 1S13), impulsionados pelas ofertas de bundles da PT e pelo M4O, que continua a ganhar tração no mercado. Os clientes únicos do segmento Residencial ascenderam a mil. Os clientes triple-play ascenderam a 876 mil (+11,3% no 1S14 face ao 1S13) e já representam 48,9% dos clientes residenciais da PT, aumentando a sua liderança neste mercado. O crescimento contínuo e sustentado das ofertas de bundles triple e quadruple-play também sustentaram o crescimento do ARPU de 0,5% face ao 1S13 para 31,9 e o aumento dos RGUs por cliente único, de 2,07 no 1S13 para 2,17 no 1S14. Dados operacionais Segmento Residencial (¹) 1S14 1S13 14/13 Acessos fixos de retalho ('000) ,0% PSTN/RDIS (1,4%) Clientes de banda larga ,1% Clientes de TV ,9% Clientes únicos (2,5%) Adições líquidas ('000) Acessos fixos de retalho ('000) ,8% PSTN/RDIS (9) (8) (9,5%) Clientes de banda larga ,4% Clientes de TV ,6% ARPU () 31,9 31,7 0,5% Receitas não-voz em % das receitas (%) 67,9 65,3 2,6pp (1) No seguimento da implementação do CRM convergente, a PT alterou o seu critério de segmentação para clientes que são empresários em nome individual, com impacto nos segmentos Residencial, Pessoal e Empresas. Os valores de 2013 foram reexpressos de acordo com esta alteração. PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

14 02 Análise operacional No 1S14, as receitas do segmento Residencial atingiram 354 milhões de, uma diminuição de 0,5% face ao 1S13. Em resultado do aumento da penetração das ofertas triple e quadruple-play, o peso dos serviços não voz nas receitas de serviço do segmento Residencial atingiu 67,9% no 1S14 (+2,6pp face ao 1S13) e o peso das receitas de tarifas fixas atingiu 90,0% (+0,8pp face ao 1S13). Pessoal No 1S14, o número de clientes do segmento Pessoal, incluindo clientes de voz e de banda larga, permaneceu estável face ao 1S13 em mil. O enfoque é no aumento dos clientes póspago sustentado nas ofertas convergentes. No 2T14, o póspago registou o melhor desempenho dos últimos 10 trimestres e já representa 29,3% da base de clientes móvel. Este sólido desempenho dos clientes póspago (130 mil adições líquidas no 2T14 e 246 mil adições líquidas no 1S14) é sustentado pelo forte sucesso comercial do M 4O, que está a impulsionar a transformação do mercado móvel português através da convergência, o que permite uma diferenciação adicional das ofertas comerciais e ao mesmo tempo altera o enfoque do prépago para o póspago. De facto, de acordo com a Anacom, no 1T14, a PT ganhou quota de mercado pelo sexto trimestre consecutivo (+2,5pp), alcançando uma quota de mercado de 48%. Dados operacionais Segmento Pessoal (¹) 1S14 1S13 14/13 Clientes móveis ('000) ,1% Póspagos ,5% Prépagos (9,7%) Adições líquidas ('000) (200) 106 (289,5%) Póspagos ,3% Prépagos (446) (105) n.s. MOU (minutos) ,4% ARPU () 7,1 7,6 (6,4%) Cliente 6,6 7,2 (8,3%) Interligação 0,6 0,5 24,6% SARC () 24,5 23,8 2,9% Dados em % das receitas de serviço (%) 37,9 35,4 2,6pp (1) No seguimento da implementação do CRM convergente, a PT alterou o seu critério de segmentação para clientes que são empresários em nome individual, com impacto nos segmentos Residencial, Pessoal e Empresas. Os valores de 2013 foram reexpressos de acordo com esta alteração. No 1S14, as receitas de cliente do segmento Pessoal diminuíram 5,7% face ao 1S13 para 248 milhões de, melhorando a tendência sequencial (2T14-4,5% face ao 2T13 e 1T14-6,8% face ao 1T13). O peso das receitas de clientes com tarifa fixa aumentou 13,0pp face ao 1S13 para 48,9%, impulsionado pelo desempenho do M 4O e pelos planos tarifários "Unlimited". As receitas de interligação aumentaram 28,3% no 1S14 face ao 1S13 para 21 milhões de, dado que o efeito das MTRs, que diminuíram ao longo do ano 2012, está a diluir e a contribuir para uma melhoria nas receitas de interligação. O ARPU do segmento Pessoal diminuiu 6,4% no 1S14 face ao 1S13 para 7,1, melhorando também a tendência sequencial quando comparando o 2T14 (-3,5% face ao 2T13) ao 1T14 e 4T13 (-9,2% face ao 1T13 e -10,8% face ao 4T12, respetivamente). O peso das receitas não voz nas receitas de serviço foi de 37,9% no 1S14 (+2,6pp face ao 1S13), refletindo o sólido desempenho dos serviços de dados móvel internetnotelemóvel. PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

15 02 Análise operacional Empresas A PT manteve uma sólida liderança no segmento de grandes empresas e no de empresas de média e pequena dimensão, sustentada nos seus produtos e serviços diferenciados em ambos os mercados, alavancado na sua rede de última geração. No 1S14, o segmento Empresas apresentou um desempenho operacional positivo com os RGUs a aumentarem 2,5% face ao ano anterior, alcançando mil, com os acessos de TV por subscrição e de banda larga a representarem já 38,7% (+ 4,4pp face ao 1S13) do total dos acessos de retalho do segmento Empresas em 30 de junho de No 1S14, os acessos fixos de retalho atingiram sete mil adições líquidas, refletindo: (i) 17 mil desligamentos líquidos de linhas PSTN/RDIS; (ii) 15 mil adições líquidas de TV por subscrição, e (iii) nove mil adições líquidas de banda larga fixa. Dados operacionais Segmento Empresas (¹) 1S14 1S13 13/12 Acessos fixos de retalho ('000) ,6% PSTN/RDIS (4,2%) Clientes de banda larga ,5% Clientes de TV ,0% RGU de retalho por acesso 1,63 1,52 7,1% Clientes móveis ('000) ,4% Adições líquidas ('000) Acessos fixos de retalho ('000) 7 38 (80,3%) PSTN/RDIS (17) (15) (15,0%) Clientes de banda larga 9 25 (63,4%) Clientes de TV (44,4%) Clientes móveis ('000) 29 (9) n.s. ARPU () 20,3 21,9 (7,4%) Receitas não-voz em % das receitas (%) 58,0 53,1 4,9pp (1) No seguimento da implementação do CRM convergente, a PT alterou o seu critério de segmentação para clientes que são empresários em nome individual, com impacto nos segmentos Residencial, Pessoal e Empresas. Os valores de 2013 foram reexpressos de acordo com esta alteração. No 1S14, as receitas operacionais do segmento Empresas diminuíram 6,1% face ao 1S13 para 379 milhões de, penalizadas pelas iniciativas relacionadas com elevado corte de custos e redução significativa nos investimentos em novos projetos por parte da administração pública e do sector privado e pela concorrência do mercado. Com o objetivo de melhorar o share of wallet e a resiliência do negócio, o enfoque mantem-se em TI, Dados e Cloud, com o objetivo de alavancar a rede e os investimentos em tecnologia realizados pela PT Portugal. No 1S14, os serviços não voz representaram 58,0% das receitas de retalho do segmento Empresas, aumentando 4,9pp face ao 1S13. Desempenho financeiro consolidado em Portugal No 1S14, as receitas dos negócios de telecomunicações em Portugal ascenderam a milhões de, diminuindo 3,9% face ao 1S13, mantendo uma tendência semelhante nos últimos dois trimestres, impulsionada PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

16 02 Análise operacional pelo forte desempenho da oferta convergente do MEO, M4O, em termos de adições líquidas nos segmentos Residencial e Pessoal. No 1S14, as receitas de cliente dos negócios de telecomunicações em Portugal diminuíram 5,3% face ao ano anterior enquanto no 2T14 as receitas de cliente diminuiram 4,5% face ao 2T13, o que representa uma melhoria face à diminuição de 6,1% registada no trimestre anterior e o melhor desempenho dos últimos seis trimestres. No 1S14, as receitas do segmento Residencial ascenderam a 354 milhões de, diminuindo 0,5% face ao 1S13. O MEO continuou a ganhar quota de mercado com as ofertas triple e quadruple-play. Em resultado, os acessos de retalho fixos registaram o dobro de adições líquidas no 2T14 face ao 1T14, o melhor desempenho dos últimos seis trimestres. As receitas do segmento Pessoal ascenderam a 306 milhões de, diminuindo 5,0% face ao 1S13, impactadas principalmente por uma diminuição das vendas e uma maior pressão da concorrência e de preços no negócio prépago. O segmento Empresas também foi penalizado por dinâmicas concorrenciais que estão a ter impacto nos preços, nomeadamente nos serviços móveis. As receitas do segmento Empresas ascenderam a 379 milhões de, melhorando a tendência ao longo dos últimos trimestres e mantendo uma posição forte no mercado. No 1S14, as receitas do segmento Grossista, outros negócios e eliminações ascenderam a 191 milhões de, diminuindo 3,8% face ao 1S13, refletindo menores acessos e menores receitas associadas com tráfego internacional. Informação financeira op. de telecomunicações portuguesas (¹) Milhões de 1S14 1S13 14/13 Receitas operacionais 1.230, ,0 (3,9%) Residencial 353,7 355,4 (0,5%) Pessoal 305,9 322,0 (5,0%) Empresas 379,3 403,9 (6,1%) Oferta grossista, outros e eliminações 191,2 198,7 (3,8%) Custos operacionais 692,3 730,8 (5,3%) EBITDA (²) 537,8 549,2 (2,1%) Margem EBITDA (³) 43,7% 42,9% 0,8pp Capex 156,8 227,9 (31,2%) Capex em % das receitas operacionais 12,7% 17,8% (5,1pp) EBITDA menos Capex 380,9 321,3 18,6% (1) No seguimento da implementação do CRM convergente, a PT alterou o seu critério de segmentação para clientes que são empresários em nome individual, com impacto nos segmentos Residencial, Pessoal e Empresas. Os valores de 2013 foram reexpressos de acordo com esta alteração. (2) EBITDA = resultado operacional + custos com benefícios de reforma + amortizações. (3) Margem EBITDA = EBITDA / receitas operacionais. No 1S14, os custos operacionais excluindo amortizações e depreciações diminuíram 5,3% face ao 1S13 (38 milhões de ) para 692 milhões de. Este desempenho é explicado por: (1) uma diminuição dos custos com serviços de terceiros; (2) uma diminuição dos custos comerciais, explicado pelo esforço das atividades comerciais no 1S13 devido ao lançamento do M4O e não obstante as campanhas de marketing para comunicar o rebranding do negócio móvel da PT, com a alteração da marca de TMN para MEO no 1S14, e (3) diminuição das outras despesas operacionais, devido principalmente a um enfoque rígido em controlo de custos e rentabilidade e ainda devido a uma maior produtividade nas atividades de manutenção, explicada pela implementação de redes de nova geração (FTTH), já referida no passado. Este desempenho é sustentado por várias iniciativas desenvolvidas como parte do extenso programa de transformação operacional também referido no passado, tais como: (1) o PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

17 02 Análise operacional desenvolvimento de uma plataforma convergente de CRM e de self-care; (2) a reengenharia do processo de suporte de vendas, e (3) a transformação de IP e consolidação de todas as aplicações de TI. No 1S14, o EBITDA dos negócios de telecomunicações em Portugal ascendeu a 538 milhões de (-2,1% face ao 1S13), com uma margem de 43,7%, melhorando a tendência trimestral quando comparando o 2T14 (-2,0% face ao 2T13) com o 1T14 (-2,2% face ao 1T13), o 4T13 (-5,8% face ao 4T12), 3T13 (-9,1% face ao 3T12) e 2T13 (-9,7% face ao 2T12). Este desempenho resultou da diminuição nas receitas de serviço (38 milhões de ), as quais têm uma maior alavancagem operacional, e também de novos serviços com menores margens no segmento Empresas, o que mais do que compensou os esforços em corte de custos e aumento da eficiência que se traduziram num menor opex. O capex dos negócios de telecomunicações em Portugal diminuiu 31,2% no 1S14 face ao 1S13 para 157 milhões de, equivalente a 12,7% das receitas (-5,1pp face ao 1S13), devido principalmente ao menor investimento em projetos de TI/SI, na sequência da transformação de IP e consolidação de todas as aplicações de TI, ao menor capex de infraestrutura e tecnologia em resultado do forte investimento realizado nos últimos anos nas redes de FTTH e 4G-LTE e ao menor capex de cliente. Em resultado, o EBITDA menos capex aumentou para 381 milhões de no 1S14, aumentando 18,6% face ao 1S13. Em julho de 2014, a MEO anunciou a celebração de um acordo de desenvolvimento, permuta de capacidade e partilha de rede de fibra ótica com a Vodafone Portugal, permitindo uma maior dinamização do mercado de retalho, através do reforço da capacidade de distribuição de ofertas de elevada velocidade e qualidade na Internet e na Televisão, beneficiando assim os cidadãos e empresas. Este acordo abrange a partilha de fibra ótica escura em cerca de 900 mil casas, em que cada uma das entidades partilha com a outra aproximadamente 450 mil casas, reforçando o posicionamento do MEO como o Operador, em Portugal, com uma oferta verdadeiramente integrada e convergente e que chega a um número cada vez maior de portugueses. Esta oferta é apenas possível dado os elevados investimentos estratégicos que foram realizados nos últimos anos em novas tecnologias e na modernização dos sistemas de informação, nomeadamente: (1) na sua rede de fibra ótica até casa do cliente (FTTH), que agora passará a abranger 2,1 milhões de casas; (2) na sua rede 4G-LTE, a qual oferece velocidades até 150 Mbps e alcança 93% da população portuguesa; (3) no reforço dos seus data centres através do investimento no data centre da Covilhã, e (4) na implementação de um sistema de CRM (customer relationship management) no segmento consumo, que permite garantir o tratamento do cliente convergente como um único cliente, com uma única fatura e um único ponto de atendimento de serviço. Este anúncio faz parte de uma das prioridades do negócio, o controlo de capex, uma vez que permite ao MEO aceder a mais casas sem o investimento adicional. PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

18 03 Recursos humanos Em 30 de junho de 2014, o número de colaboradores da PT Portugal ascendia a , dos quais 73% estavam nos negócios de telecomunicações. A PT Portugal desenvolveu um processo de recrutamento estruturado para jovens talentos - Trainees, com os melhores alunos das melhores universidades portuguesas - e Academias vocacionadas para operações e funções comerciais com o objetivo de rejuvenescer a equipa. No 1S14, 61 jovens Trainees e de Academias foram integrados na PT Portugal. Estes programas têm a duração de dois anos e envolvem cerca de 38 direções da empresa. O programa Trainees tem um acompanhamento muito próximo pela Comissão Executiva. Focalizando-se nos talentos internos, a PT Portugal implementou a terceira edição do Programa de Gestão de Talento, para colaboradores com carreiras de categoria técnicas e de gestão, mantendo as duas perspetivas de avaliação: > Desenvolvimento de futuros líderes; > Retenção de know-how específico. Esta terceira edição inclui mais de 500 colaboradores de alto potencial, de diferentes categorias na carreira. As ações de desenvolvimento serão definidas e implementadas entre 2014 e 2015 para os colaboradores de alto potencial. PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

19 04 Principais eventos Eventos do 1º semestre de 2014 Remuneração obrigacionista 17. janeiro. 14 A PT, SGPS S.A., antiga emitente das obrigações, informou os senhores obrigacionistas que, a partir de 27 de janeiro de 2014, se encontrou a pagamento o juro relativo às obrigações com o código ISIN PTPTCYOM0008, pelos seguintes valores (por Montante de Cálculo de Euro 1.000,00): IRC 25% IRS 28% Juro Ilíquido Eur31,2500 Eur31,2500 Retenção na fonte IRS/IRC Eur7,8125 Eur8,7500 Montante Líquido Eur23,4375 Eur22, julho. 14 A PT Portugal, SGPS S.A. informou os senhores obrigacionistas que, a partir de 28 de julho de 2014, se encontrou a pagamento o juro relativo às obrigações com o código ISIN PTPTCYOM0008, pelos seguintes valores (por Montante de Cálculo de Euro 1.000,00): IRC 25% IRS 28% Juro Ilíquido Eur31,2500 Eur31,2500 Retenção na fonte IRS/IRC Eur7,8125 Eur8,7500 Montante Líquido Eur23,4375 Eur22,5000 Dívida 7. fevereiro. 14 A PT, SGPS S.A., antiga emitente das obrigações, informou que disponibilizou o memorando de consent solicitation (Consent Solicitation Memorandum ou CSM ) relativo à solicitação de consentimentos a conferir pelos titulares das suas Obrigações PT Taxa Fixa 2012/2016 (emitidas no montante de 400 milhões a 6,25% ao ano com maturidade em 2016 ao abrigo do programa Euro Medium Term Note ( EMTN )), bem como das Exchangeable Bonds emitidas, no montante de 750 milhões a 4,125% ao ano com maturidade em 2014, pela Portugal Telecom International Finance B.V. ( PTIF ). O consent solicitation foi realizado devido à transação entre a PT e a Oi, anunciada a 2 de outubro de PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

20 04 Principais eventos 19. junho. 14 A Moody s anunciou a revisão do rating de crédito atribuído às Notes emitidas pela PT International Finance B.V., subsidiária detida integralmente pela PT Portugal SGPS, SA, melhorando o rating de longo prazo de Ba2 para Baa3. O outlook mantém-se negativo. 25. junho. 14 A S&P anunciou a revisão do rating de crédito atribuído às Notes emitidas pela PT International Finance B.V., subsidiária detida integralmente pela PT Portugal SGPS, SA, melhorando o rating de longo prazo de BB para BBB-. O outlook mantém-se negativo. CMVM 9. maio. 14 A PT Portugal, SGPS S.A. anunciou que nomeou Nuno Manuel Teiga Luís Vieira como representante para as relações com o mercado e a CMVM. Combinação de negócios com a Oi 20. fevereiro. 14 A PT, SGPS, S.A. e a Oi anunciaram a celebração dos instrumentos contratuais definitivos que regulam as etapas necessárias à implementação da operação que culminará na fusão entre a PT, a Oi S.A., a Telemar Participações S.A. e as sociedades brasileiras controladoras da TmarPart, com vista a constituírem uma única e integrada sociedade cotada brasileira, a CorpCo que, nos termos dos Documentos Definitivos foi definido que será a TmarPart. 21. fevereiro. 14 A PT, SGPS, S.A. informou que, em complemento ao comunicado divulgado a 20 de fevereiro de 2014, a taxa de conversão Euro/Real para efeitos de determinação do contravalor em Reais equivalente a 1,9979, ao fecho de 20 de fevereiro de 2014, é de 3,2628. Deste modo, está previsto que em troca de cada ação da PT detida, os acionistas recebam: 6,5188 reais em ações da CorpCo (ao mesmo preço por ação do aumento de capital da Oi), acrescidos de 0,6330 ações da CorpCo. Adicionalmente, e sujeito a aprovação pela Assembleia Geral, os acionistas da PT receberam, antes da conclusão da Combinação de Negócios, um dividendo de 10 cêntimos de euro por ação. 18. março. 14 A PT, SGPS, S.A. (a "Emitente") anunciou, no dia 7 de fevereiro de 2014, uma solicitação de consentimento endereçada aos títulares dos seus valores mobiliários designados por 400,000, per cent. Notes due 2016 (ISIN PTPTCYOM0008 adiante designados como as "Notes da PT"), nos termos e condições estabelecidos no Consent Solicitation Memorandum datado de 7 de fevereiro de 2014 (o "Consent Solicitation Memorandum"). O presente anúncio deve ser lido em conjunto com o Consent Solicitation Memorandum e com os anúncios divulgados nos dias 24 de fevereiro de 2014 e 3 de março de A Emitente anunciou que, em reunião da assembleia de titulares das Notes da PT (reunião realizada em segunda data, devido à falta de quórum verificada na reunião realizada em primeira data), na sede da Emitente, sita na Avenida Fontes Pereira de Melo, n.º 40, em Lisboa, a Deliberação Extraordinária relativa ao Consent Solicitation foi aprovada. São apresentadas de seguida informações relativas ao montante nominal agregado das Notes da PT que se encontrava representado nesta reunião, bem como a proporção deste que se manifestou a favor da Deliberação Extraordinária: PT Portugal Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre

Relatório e contas. Relatório e Contas Consolidadas

Relatório e contas. Relatório e Contas Consolidadas Relatório e contas Primeiro consolidadas Semestre 2014 Relatório e Contas Consolidadas 2014 PT Portugal 01 Análise dos resultados consolidados 4 02 Análise operacional 14 03 Recursos humanos 20 04 Principais

Leia mais

Primeiro Semestre 2013. Relatório e Contas Consolidadas

Primeiro Semestre 2013. Relatório e Contas Consolidadas Primeiro Semestre 2013 Relatório e Contas Consolidadas Portugal Telecom 01 Análise dos resultados consolidados 4 02 Análise operacional 16 Portugal 16 Mercado internacional 25 03 Recursos humanos 31 04

Leia mais

Earnings Release. Press Release. Resultados anuais 2012. 28 de fevereiro de 2013

Earnings Release. Press Release. Resultados anuais 2012. 28 de fevereiro de 2013 2009 Earnings Release Resultados anuais 2012 Press Release 28 de fevereiro de 2013 01 Comunicado Lisboa, Portugal, 28 de fevereiro de 2013 A Portugal Telecom é um operador geograficamente diversificado,

Leia mais

Earnings Release. Portugal Telecom. Relatório e contas consolidadas. Primeiro trimestre de 2013

Earnings Release. Portugal Telecom. Relatório e contas consolidadas. Primeiro trimestre de 2013 2009 Earnings Release Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas Primeiro trimestre de 2013 Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas Primeiro trimestre de 2013 01 Análise dos resultados consolidados

Leia mais

Earnings Release. Portugal Telecom. Relatório e contas consolidadas. Primeiro trimestre de 2014

Earnings Release. Portugal Telecom. Relatório e contas consolidadas. Primeiro trimestre de 2014 2009 Earnings Release Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas Primeiro trimestre de 2014 Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas Primeiro trimestre de 2014 01 Análise dos resultados consolidados

Leia mais

Earnings Release. Press Release. Resultados anuais 2013. 19 de fevereiro de 2014

Earnings Release. Press Release. Resultados anuais 2013. 19 de fevereiro de 2014 2009 Earnings Release Resultados anuais 2013 Press Release 19 de fevereiro de 2014 01 Comunicado Lisboa, Portugal, 19 de fevereiro de 2014 As demonstrações financeiras consolidadas da PT são preparadas

Leia mais

Primeiro Semestre 2011. Relatório Consolidado

Primeiro Semestre 2011. Relatório Consolidado Primeiro Semestre 2011 Relatório Consolidado Portugal Telecom 01 Análise dos resultados consolidados 4 02 Evolução dos negócios 19 Portugal 19 Mercado internacional 27 03 Recursos humanos 34 04 Principais

Leia mais

Primeiro Trimestre 2011

Primeiro Trimestre 2011 2009 Earnings Release Primeiro Trimestre 2011 Press Release 26 de maio de 2011 01 Comunicado Lisboa, 26 de maio de 2011 Em resultado da transação da Vivo em 27 de setembro de 2010, a PT ajustou as suas

Leia mais

Earnings Release. Portugal Telecom. Relatório e contas consolidadas. Primeiro trimestre de 2012

Earnings Release. Portugal Telecom. Relatório e contas consolidadas. Primeiro trimestre de 2012 2009 Earnings Release Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas Primeiro trimestre de 2012 Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas Primeiro trimestre de 2012 01 Análise dos resultados consolidados

Leia mais

Primeiro Trimestre 2013

Primeiro Trimestre 2013 2009 Earnings Release Primeiro Trimestre 2013 Press Release 23 de maio de 2013 01 Comunicado Lisboa, Portugal, 23 de maio de 2013 No 1T13, as receitas operacionais consolidadas ascenderam a 1.553 milhões

Leia mais

First Quarter 2009. Primeiro Semestre 2009

First Quarter 2009. Primeiro Semestre 2009 First Quarter 2009 Earnings Release Primeiro Semestre 2009 Resultados 6 Agosto 2009 01 Comunicado 30 Junho 2009 Portugal Telecom, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Avenida Fontes Pereira de Melo, 40, Lisboa

Leia mais

Resultados 1º Semestre _ 2006

Resultados 1º Semestre _ 2006 Resultados 1º Semestre _ 2006 Comunicado Portugal Telecom Índice 01 Destaques financeiros 4 02 Destaques operacionais 6 03 Demonstração de resultados consolidados 9 04 Capex 17 05 Cash flow 18 06 Balanço

Leia mais

Relatório e contas consolidadas Primeiro semestre 2008

Relatório e contas consolidadas Primeiro semestre 2008 Relatório e contas consolidadas Primeiro semestre 2008 Sociedade aberta - Avenida Fontes Pereira de Melo, 40 1069-300 Lisboa - Capital social: 28.277.855,31 euros Matrícula na Conservatória do Registo

Leia mais

3T12 TRADING UPDATE 0

3T12 TRADING UPDATE 0 TRADING UPDATE Lisboa, 8 novembro 2012 0 Aviso importante O presente comunicado contém objetivos acerca de eventos futuros, de acordo com o U.S. Private Securities Litigation Reform Act de 1995. Tais objetivos

Leia mais

First Quarter 2009. Earnings Release. Primeiro Trimestre 2010 Press Release

First Quarter 2009. Earnings Release. Primeiro Trimestre 2010 Press Release First Quarter 2009 Earnings Release Primeiro Trimestre 2010 Press Release 6 de Maio 2010 01 Comunicado 31 de Março de 2010 Lisboa, Portugal, 6 de Maio de 2010 No 1T10, as receitas operacionais consolidadas

Leia mais

Earnings Release. Press Release. Primeiro trimestre 2014. 15 de maio de 2014

Earnings Release. Press Release. Primeiro trimestre 2014. 15 de maio de 2014 2009 Earnings Release Primeiro trimestre 2014 Press Release 15 de maio de 2014 01 Comunicado Lisboa, Portugal, 15 de maio de 2014 No 1T14, as receitas operacionais consolidadas ascenderam a 690 milhões

Leia mais

RELEASE. Portugal Telecom Resultados do 1º Semestre de 2005

RELEASE. Portugal Telecom Resultados do 1º Semestre de 2005 RELEASE Portugal Telecom Resultados do 1º Semestre de 2005 Lisboa, 15 de Setembro de 2005 A Portugal Telecom divulgou hoje os resultados auditados relativos ao primeiro semestre de 2005. No primeiro semestre

Leia mais

02 _ Evolução dos negócios

02 _ Evolução dos negócios 02 _ Evolução dos negócios 30 Mercado doméstico 30 Rede fixa 34 Móvel Portugal TMN 38 Mercado internacional 38 Móvel Brasil Vivo 42 Outros negócios internacionais Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas

Leia mais

Portugal Telecom. Relatório e contas consolidadas Primeiro semestre 2007

Portugal Telecom. Relatório e contas consolidadas Primeiro semestre 2007 Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas Primeiro semestre 2007 Portugal Telecom, SGPS, SA Sociedade aberta Capital social 33.865.695 euros Matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa

Leia mais

Relatório e Contas Consolidadas

Relatório e Contas Consolidadas Relatório e Contas Consolidadas 2006 Este documento substitui o anteriormente divulgado no dia 27 de Março de 2007 Sociedade aberta - Avenida Fontes Pereira de Melo, 40 1069-300 Lisboa - Capital social:

Leia mais

1º Semestre 2008. Resultados. Portugal Telecom

1º Semestre 2008. Resultados. Portugal Telecom 1º Semestre 2008 Resultados Portugal Telecom Comunicado Portugal Telecom, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Avenida Fontes Pereira de Melo, 40, Lisboa Capital Social: 28.277.855,31 euros Matriculada na

Leia mais

Portugal Telecom Resultados dos Primeiros Nove Meses de 2005

Portugal Telecom Resultados dos Primeiros Nove Meses de 2005 RELEASE Portugal Telecom Resultados dos Primeiros Nove Meses de 2005 Lisboa, 2 de Novembro de 2005 A Portugal Telecom divulgou hoje os resultados não auditados relativos aos primeiros nove meses de 2005.

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 14 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 14 mensagem presidente CONSelho DE ADMINISTRAÇÃO 08 MENSAGEM PRESIDENTE EXECUTIVO 12 01 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 18 02 ASPETOS REGULAMENTARES 36 03 PERFIL

Leia mais

Portugal Telecom International Finance B.V.

Portugal Telecom International Finance B.V. Portugal Telecom International Finance B.V. Amsterdão, RELATÓRIO E CONTAS DE 30 DE JUNHO DE 2015 (Não auditado) Índice Página Relatório de Gestão 1 Demonstrações Financeiras Demonstrações da Posição Financeira

Leia mais

Resultados Anuais _ 2005

Resultados Anuais _ 2005 Resultados Anuais _ 2005 Facto Relevante Portugal Telecom Índice 01 Destaques financeiros 4 02 Destaques operacionais 7 03 Demonstração de resultados consolidados 10 04 Capex 18 05 Cash flow 19 06 Balanço

Leia mais

PRIMEIRO SEMESTRE RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADAS. Portugal Telecom

PRIMEIRO SEMESTRE RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADAS. Portugal Telecom 2005 PRIMEIRO SEMESTRE RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADAS Portugal Telecom A nossa Empresa A Portugal Telecom é um operador integrado de telecomunicações e multimédia, líder nos seus dois mercados estratégicos:

Leia mais

Zeinal Bava. Nós construimos o nosso futuro. Presidente Executivo Portugal Telecom

Zeinal Bava. Nós construimos o nosso futuro. Presidente Executivo Portugal Telecom mensagem do presidente executivo Zeinal Bava Presidente Executivo Portugal Telecom Nós construimos o nosso futuro Apesar do ambiente económico desafiante em Portugal, a PT tem continuado a seguir incessantemente

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 127 DEMONSTRAÇÃO CONSOLIDADA DOS RESULTADOS 128 DEMONSTRAÇÃO CONSOLIDADA DO RENDIMENTO INTEGRAL 129 DEMONSTRAÇÃO CONSOLIDADA DA POSIÇÃO FINANCEIRA 130 DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Highlights PHAROL EBITDA (16,6) (35,3) (7,6) (22,5) Perdas (ganhos) em empreendimentos conjuntos. Resultado das operações continuadas

Highlights PHAROL EBITDA (16,6) (35,3) (7,6) (22,5) Perdas (ganhos) em empreendimentos conjuntos. Resultado das operações continuadas TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 25.05.2015 PHAROL, SGPS S.A. RESULTADOS DOS PRIMEIROS NOVE MESES DE 2015 A PHAROL manteve o foco na redução de custos, tendo as despesas operacionais recorrentes registado, nos primeiros

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas _ 2007

Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas _ 2007 Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas _ 2007 Portugal Telecom, SGPS, SA Sociedade aberta Capital social 28.277.855,31 * Número de Matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e

Leia mais

Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas _ 2006

Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas _ 2006 Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas _ 2006 Portugal Telecom, SGPS, SA Sociedade aberta Capital social 395.099.775 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e Pessoa Colectiva

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL 2T14. Informações e Resultados Consolidados (Não Auditados) Oi S.A. www.oi.com.br/ri. Relações com Investidores

RELATÓRIO TRIMESTRAL 2T14. Informações e Resultados Consolidados (Não Auditados) Oi S.A. www.oi.com.br/ri. Relações com Investidores 2T14 Relações com Investidores RELATÓRIO TRIMESTRAL Informações e Resultados Consolidados (Não Auditados) Este relatório contempla o desempenho operacional e financeiro da Oi S.A. e de suas controladas

Leia mais

Relatório e contas consolidadas

Relatório e contas consolidadas Relatório e contas consolidadas 2007 Sociedade aberta - Avenida Fontes Pereira de Melo, 40 1069-300 Lisboa - Capital social: 30.774.000 euros Matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS

EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 06 EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 06 mensagem presidente CONSelho DE ADMINISTRAÇÃO 08 MENSAGEM PRESIDENTE EXECUTIVO 12 01 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 18 02 ASPETOS REGULAMENTARES 36 03 PERFIL ESTRATÉGICO 46 04

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

PHAROL, SGPS S.A. RESULTADOS do Primeiro Semestre de 2015

PHAROL, SGPS S.A. RESULTADOS do Primeiro Semestre de 2015 TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 25.05.2015 PHAROL, SGPS S.A. RESULTADOS do Primeiro Semestre de 2015 A PHAROL teve uma boa evolução no primeiro semestre de 2015: resultados líquidos, excluindo itens não recorrentes,

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Relatório e contas consolidadas

Relatório e contas consolidadas Relatório e contas consolidadas 2007 Sociedade aberta - Avenida Fontes Pereira de Melo, 40 1069-300 Lisboa - Capital social: 30.774.000 euros Matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

Portugal Telecom. Apresentação de Resultados Resultados do 1º Trimestre. 18 Maio 2006

Portugal Telecom. Apresentação de Resultados Resultados do 1º Trimestre. 18 Maio 2006 Portugal Telecom Apresentação de Resultados Resultados do 1º Trimestre 18 Maio 2006 Safe Harbour A presente release contém objectivos acerca de eventos futuros, de acordo com o U.S. Private Securities

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

RESULTADOS 2T15 RIO DE JANEIRO, 13 DE AGOSTO DE 2015

RESULTADOS 2T15 RIO DE JANEIRO, 13 DE AGOSTO DE 2015 RESULTADOS RIO DE JANEIRO, 13 DE AGOSTO DE 2015 AVISO IMPORTANTE Esta apresentação contém declarações acerca de eventos futuros, de acordo com o U.S. Private Securities Litigation Reform Act de 1995. São

Leia mais

SONAECOM RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2007 JANEIRO - MARÇO

SONAECOM RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2007 JANEIRO - MARÇO SONAECOM RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2007 JANEIRO - MARÇO Índice 1. Mensagem de Paulo Azevedo, CEO da Sonaecom...2 2. Principais indicadores...4 3. Resultados consolidados...5 3.1. Demonstração de resultados

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Portugal Telecom Resultados do 1º Semestre de 2001

Portugal Telecom Resultados do 1º Semestre de 2001 Portugal Telecom Resultados do 1º Semestre de 2001 13 de Setembro de 2001 Princípios Contabilísticos Internacionais Síntese do 1º Semestre de 2001 Principais Acontecimentos do 1º Semestre Forte liderança

Leia mais

Comunicado. Resultados Anuais de 2006 (Não Auditados) Portugal Telecom

Comunicado. Resultados Anuais de 2006 (Não Auditados) Portugal Telecom Comunicado Resultados Anuais de 2006 (Não Auditados) Portugal Telecom Destaques Financeiros Portugal Telecom, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Avenida Fontes Pereira de Melo, 40, Lisboa Capital Social:

Leia mais

01 _ Evolução dos negócios

01 _ Evolução dos negócios 01 _ Evolução dos negócios 14 Mercado doméstico 14 Rede fixa 20 Móvel Portugal TMN 24 Multimédia PT Multimédia 28 Mercado internacional 28 Móvel Brasil Vivo 32 Outros negócios internacionais 01 _ Evolução

Leia mais

OBRIGAÇÕES PT TAXA FIXA 2012/2016

OBRIGAÇÕES PT TAXA FIXA 2012/2016 ASSEMBLEIA DE NOTEHOLDERS PORTUGAL TELECOM, SGPS S.A. 3 de março de 2014 OBRIGAÇÕES PT TAXA FIXA 2012/2016 DELIBERAÇÃO EXTRAORDINÁRIA PONTO ÚNICO DA ORDEM DE TRABALHOS: (Aprovar uma Deliberação Extraordinária

Leia mais

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova

Contabilidade Geral e Financeira. Enunciado da Prova Governo da Região Administrativa Especial de Macau Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Ano de 2014 (1.ª É poca) Prestação de provas para registo como auditor de contas 24 de Maio de 2014

Leia mais

Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico

Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico A parceria prevê capitalização da empresa brasileira em até R$ 12 bi, reduzindo alavancagem e ampliando capacidade de investimento,

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do exercício de 2014 (não

Leia mais

Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ).

Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ). Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 25 de Outubro de 2005. Embratel Participações S.A. (Embratel Participações ou Embrapar ) detém 99,0 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ). (Os

Leia mais

Resultados 4T13_. Relações com Investidores Telefônica Brasil S.A. Fevereiro, 2014.

Resultados 4T13_. Relações com Investidores Telefônica Brasil S.A. Fevereiro, 2014. Resultados 4T13_ Fevereiro, 2014. Destaques do 4T13 e ano de 2013 DESTAQUES Móvel Fixo Operacional Sustentando o crescimento superior em adições de pós-pago resultando em uma maior adoção de dados e crescimento

Leia mais

Resultados 3T14_. Relações com Investidores Telefônica Brasil S.A. Novembro de 2014.

Resultados 3T14_. Relações com Investidores Telefônica Brasil S.A. Novembro de 2014. Resultados 3T14_ Novembro de 2014. Disclaimer Esta apresentação pode conter declarações baseadas em estimativas a respeito dos prospectos e objetivos futuros de crescimento da base de assinantes, um detalhamento

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

Portugal Telecom. Relatório e contas consolidadas Primeiro semestre 2006

Portugal Telecom. Relatório e contas consolidadas Primeiro semestre 2006 Portugal Telecom Relatório e contas consolidadas Primeiro semestre 2006 Portugal Telecom, SGPS, SA Sociedade Aberta Capital social 395.099.775 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

INVESTIMENTO PORTUGAL TOP SEGURO LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (ICAE)

INVESTIMENTO PORTUGAL TOP SEGURO LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (ICAE) PROSPETO SIMPLIFICADO Agosto 2012 INVESTIMENTO PORTUGAL TOP SEGURO LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (ICAE) Período de comercialização: de 13 de agosto de 2012

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL 4T14 2014. Informações e Resultados Consolidados (Não Auditados) Oi S.A. www.oi.com.br/ri. Relações com Investidores

RELATÓRIO TRIMESTRAL 4T14 2014. Informações e Resultados Consolidados (Não Auditados) Oi S.A. www.oi.com.br/ri. Relações com Investidores 4T14 2014 Relações com Investidores RELATÓRIO TRIMESTRAL Informações e Resultados Consolidados (Não Auditados) Este relatório contempla o desempenho operacional e financeiro da Oi S.A. e de suas controladas

Leia mais

Divulgação de resultados 3T13

Divulgação de resultados 3T13 Brasil Brokers divulga seus resultados do 3º Trimestre do ano de 2013 Rio de Janeiro, 13 de novembro de 2013. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no

Leia mais

Relações com Investidores ÁUDIO CONFERÊNCIA 1T13. Abril 2013

Relações com Investidores ÁUDIO CONFERÊNCIA 1T13. Abril 2013 Relações com Investidores ÁUDIO CONFERÊNCIA Abril 2013 1T13 Estratégia RESIDENCIAL Convergência de serviços com crescimento de Banda Larga e TV Paga MOBILIDADE PESSOAL Crescimento do pós e rentabilização

Leia mais

RESULTADOS 1T13 Lisboa, 23 de maio de 2013 0

RESULTADOS 1T13 Lisboa, 23 de maio de 2013 0 RESULTADOS Lisboa, 23 de maio de 2013 0 Aviso importante O presente comunicado contém objetivos acerca de eventos futuros, de acordo com o U.S. Private Securities Litigation Reform Act de 1995. Tais objetivos

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

TELEFÔNICA BRASIL S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.157/0001-62 - NIRE 35.3.001.5881-4 FATO RELEVANTE

TELEFÔNICA BRASIL S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.157/0001-62 - NIRE 35.3.001.5881-4 FATO RELEVANTE TELEFÔNICA BRASIL S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.157/0001-62 - NIRE 35.3.001.5881-4 FATO RELEVANTE A ("Companhia") vem a público, na forma e para os fins da Instrução CVM nº 358/02, em complemento

Leia mais

Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p.

Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p. Lucro Líquido de R$ 239 milhões no 1T15, crescimento de 34%; Margem EBITDA de 9,6%, com aumento de 0,7 p.p. No 1T15, a receita líquida totalizou R$ 5,388 bilhões, estável em relação ao 1T14 excluindo-se

Leia mais

06 _ Evolução dos negócios

06 _ Evolução dos negócios 06 _ Evolução dos negócios 06 _ Evolução dos negócios 2008 foi o ano da convergência e da articulação e optimização de serviços, processos, plataformas e infra-estruturas. Daqui resultou um reforço da

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

Resultados Consolidados 2001

Resultados Consolidados 2001 Resultados Consolidados 2001 Francisco Murteira Nabo Presidente Lisboa, 13 de Março 2002 Princípios Contabilísticos Internacionais A Portugal Telecom Grupo Empresarial Português de referência Maior valorização

Leia mais

Oi divulga resultados do terceiro trimestre de 2014

Oi divulga resultados do terceiro trimestre de 2014 Comunicado Lisboa 13 de novembro de 2014 Oi divulga resultados do terceiro trimestre de 2014 A PT SGPS, S.A. informa sobre o facto relevante divulgado pela Oi, S.A. sobre a divulgação dos resultados do

Leia mais

Destaques do trimestre

Destaques do trimestre Resultados 3T12 Destaques do trimestre 1 Empresa integrada é líder no índice de satisfação do cliente 2 Líder indiscutível nos segmentos de maior receita com foco na geração de valor 3 Melhora sequencial

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 6.3 Contabilização de uma alteração no estatuto de uma entidade de investimento 46 Quanto uma entidade deixar de ser uma entidade de investimento,

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE CONSENTIMENTO PT PORTUGAL, SGPS, S.A. EUR 400,000,000 6.25% NOTES DUE 2016 (ISIN PTPTCYOM0008) 9 DE ABRIL DE 2015

SOLICITAÇÃO DE CONSENTIMENTO PT PORTUGAL, SGPS, S.A. EUR 400,000,000 6.25% NOTES DUE 2016 (ISIN PTPTCYOM0008) 9 DE ABRIL DE 2015 SOLICITAÇÃO DE CONSENTIMENTO PT PORTUGAL, SGPS, S.A. EUR 400,000,000 6.25% NOTES DUE 2016 (ISIN PTPTCYOM0008) 9 DE ABRIL DE 2015 AVISO Antes de tomar uma decisão relacionada com a Solicitação de Consentimento,

Leia mais

1T10 RESULTADOS. Fitch ratings eleva de A para A+(bra) o Rating Nacional de Longo Prazo da Algar Telecom

1T10 RESULTADOS. Fitch ratings eleva de A para A+(bra) o Rating Nacional de Longo Prazo da Algar Telecom RESULTADOS 1T10 Uberlândia MG, Maio de 2010 A Algar Telecom, Empresa integrada de telecomunicações com um portfólio completo de serviços, divulga seus resultados do 1º Trimestre de 2010 (1T10). As Informações

Leia mais

Grupo. Negócios. Rede Fixa. Serviço fixo de telefone

Grupo. Negócios. Rede Fixa. Serviço fixo de telefone Negócios do Grupo Rede Fixa Os proveitos operacionais dos negócios de rede fixa situaram-se em ıı49 milhões de euros no primeiro semestre de 2003, uma redução de 5,7% face a igual período do ano anterior,

Leia mais

Earnings Release. Trading Update. Primeiros Nove Meses 2012. 8 de novembro de 2012

Earnings Release. Trading Update. Primeiros Nove Meses 2012. 8 de novembro de 2012 2009 Earnings Release Primeiros Nove Meses 2012 Trading Update 8 de novembro de 2012 01 Trading update Lisboa, Portugal, 8 de novembro de 2012 Este trading update, que não representa uma divulgação completa

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

DESTAQUES DO PERÍODO (2T11)

DESTAQUES DO PERÍODO (2T11) QUALICORP REGISTRA CRESCIMENTO DO TRIMESTRE NO NÚMERO DE BENEFICIÁRIOS DE 18,5%, RECEITA LÍQUIDA DE 43,9%, EBITDA AJUSTADO DE 36,6% EM RELAÇÃO AO 2T10 1 São Paulo, 12 de agosto de 2011. A QUALICORP S.A.

Leia mais

Telefônica Brasil Estratégia Segmentada para Maximizar Geração de Valor. Novembro de 2013.

Telefônica Brasil Estratégia Segmentada para Maximizar Geração de Valor. Novembro de 2013. Telefônica Brasil Estratégia Segmentada para Maximizar Geração de Valor Novembro de 2013. Continuamos evoluindo em nosso esforço de integração... Espaço TI Atenção ao Cliente Contratos Unificação e renegociação

Leia mais

1. Destaques. Índice: Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010.

1. Destaques. Índice: Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010. Embratel Participações S.A. ( Embrapar ) (BOVESPA: EBTP4, EBTP3) detém 99,2 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ), 100,0

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS INDIVIDUAIS. PT Portugal, SGPS, S.A.

RELATÓRIO E CONTAS INDIVIDUAIS. PT Portugal, SGPS, S.A. RELATÓRIO E CONTAS INDIVIDUAIS 2014 PT Portugal, SGPS, S.A. PT Portugal, SGPS, S.A. - Av. Fontes Pereira de Melo, Nº 40, 1069-300 Lisboa Capital Social: 3.450.000.000 Euros Matrícula na Conservatória do

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

CAIXA SEGURO 2014 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO PROSPETO SIMPLIFICADO (atualizado a 30 de abril de 2012) CAIXA SEGURO 2014 SEGURO LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (ICAE) NÃO NORMALIZADO PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

Resultados do 1º trimestre de 2015

Resultados do 1º trimestre de 2015 Resultados do 1º trimestre de 2015 Grupo Media Capital, SGPS, S.A. 11º ano de liderança Liderança em Grupo de canais Número um no digital Novos conteúdos na área da ficção e entretenimento: A Única Mulher,

Leia mais

P First Quarter. Earnings Release P. Relatório e Contas Consolidadas. Portugal Telecom, SGPS, S.A.

P First Quarter. Earnings Release P. Relatório e Contas Consolidadas. Portugal Telecom, SGPS, S.A. P First Quarter Earnings Release P Portugal Telecom, SGPS, S.A. Relatório e Contas Consolidadas 2014 01 Enquadramento macroeconómico 3 02 Análise dos resultados consolidados 8 03 PT SGPS no mercado de

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014 Oi S.A. 0

Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014 Oi S.A. 0 Resultados do Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014 Oi S.A. 0 AVISO IMPORTANTE O presente comunicado contém objetivos acerca de eventos futuros, de acordo com o U.S. Private Securities Litigation Reform Act

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2014 - Oi S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2. Balanço Patrimonial Passivo 4

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2014 - Oi S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2. Balanço Patrimonial Passivo 4 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE Prospecto Informativo TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE ICAE NÃO NORMALIZADO Os elementos constantes deste prospecto informativo reportam-se a 31 de Dezembro de 2009 (actualização dos ns.8, 9 e 10 da Parte III)

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10) Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio Individual a 30 de Junho de 2010: 7.933.916 Capital Próprio Consolidado a 30 de Junho de 2010: 7.438.971 Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa

Leia mais