Índice de Sódio em alimentos nos restaurantes fast food e sua relação com hipertenção arterial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice de Sódio em alimentos nos restaurantes fast food e sua relação com hipertenção arterial"

Transcrição

1 Índice de Sódio em alimentos nos restaurantes fast food e sua relação com hipertenção arterial Felipe Brum de Araújo¹ Péricles Macedo Fernandes² ¹Biomédico. Aluno da Pós-Graduação em Vigilância Sanitária, Universidade Católica de Goiás/IFAR. ²Farmacêutico Industrial e Homeopata, atualmente Fiscal Federal Agropecuário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA. Resumo Alguns fatores alteraram os aspectos nutricionais da população, entre eles o consumo de fast foods, pois tornaram-se convenientes à população ocidental, visando minimizar o trabalho, custo e principalmente o tempo gasto nas tarefas diárias. Porém o consumo constante desses alimentos pode acarretar sérios problemas à saúde, devido ao alto valor energético fornecido pelas grandes e únicas refeições, fazendo com que os fast foods contribuam para a obesidade e outras doenças associadas, entre elas a hipertensão arterial, tendo como seus fatores o consumo excessivo de sódio. Neste trabalho foram avaliados os valores nutricionais dos alimentos de restaurantes fast food em relação a quantidade de sódio, e comparados com a Ingestão Diária Recomendada (IDR) de sódio, de acordo com a RDC nº 360 de 23 de dezembro de 2003 da ANVISA. Foram analisadas tabelas nutricionais de cinco restaurantes, que mostraram elevada quantidade de sódio nos hambúrgueres e nos seus acompanhamentos oferecidos, chegando a valores maiores que os da IDR estabelecidos em uma única combinação de alimentos. Os valores de sódio nos alimentos observados neste estudo demonstram resultados significativamente altos em relação à quantidade que uma pessoa pode consumir em um único alimento ou refeição. Palavras-chaves: Hipertensão arterial, sódio, fast food Index Sodium in food in fast food restaurants and their relationship with arterial hypertension Abstract Some factors have altered the nutritional aspects of the population, including the consumption of fast foods because they became convenient for the western population, aiming to minimize the work, especially the cost and time spent on daily tasks. But the constant consumption of these foods can cause serious health problems due to high energy supplied by large and unique meals, causing the fast foods contribute to obesity and other related diseases, including hypertension, having as its factors excessive intake of sodium. This study evaluated the nutritional values of fast food restaurants over the amount of sodium, and compared with the recommended daily intake of sodium, according to RDC n º 360 of 23 December 2003 of ANVISA. We analyzed nutritional tables of five fast food restaurants, which showed high amount of sodium in their burgers and side dishes offered, reaching values higher than those established on a unique combination of foods. The amounts of sodium in foods observed in the study showed significant upper results in relation to the amount that a person intend to consume in a single food or meal. Keywords: Hypertension, sodium, fast food

2 1 Introdução O alimento é muito mais do que uma fonte de nutrição. A história da humanidade atesta que o ser humano utiliza o alimento como forma de socialização, como expressão cultural de seus valores e crenças sobre o mundo e, finalmente, como forma simples de prazer. O significado do alimento não está ligado, portanto, exclusivamente a características intrínsecas relacionada ao seu valor nutricional, como o teor de fibras e vitaminas, mas também ao seu significado social e cultural (MONTEIRO et al, 2005). Entre as intensas mudanças nos hábitos alimentares da população, tem se destacado o crescimento da frequência da alimentação fora do domicílio, que é condicionada por vários fatores, como tipo de serviços oferecidos, despesas com alimentação, qualidade do serviço, segurança alimentar e consequente aumento da oferta desse tipo de serviço (LEAL, 2010). O estilo de vida urbano baseado na praticidade e na falta de tempo e influenciado pela mídia, trouxe alterações profundas na forma como as pessoas preparam e se relacionam com os alimentos (MONTEIRO et al, 2005). O deslocamento das práticas alimentares dos indivíduos dos limites domésticos para o espaço público pode implicar alteração de certos hábitos alimentares previamente estruturados. Ao realizar a alimentação fora de casa, em especial em restaurantes autosserviços, os consumidores se deparam tanto com dimensões relacionadas à ampla oferta de alimentos quanto com aquelas relacionadas às questões individuais. Essa situação os conforta com o dilema de ter que decidir onde, com quem, e o que comer, diferentemente da situação doméstica, em que a escolha é geralmente determinada pelo responsável pela alimentação da família. Assim, o comer fora de casa apresenta às pessoas opções alimentares diferentes às quais elas não estão acostumadas e também a necessidade de confiar na qualidade do que lhes é oferecido nos restaurantes, com possibilidade de consequências para sua saúde (OLIVEIRA; PROENÇA; SALLES, 2012). Atualmente se torna perceptível a pesada promoção de setores de alimentação como redes de fast food, restaurante por quilo, lanchonetes, responsáveis por cerca de 27% dos gastos com alimentação da população mundial, não sendo diferente no Brasil, onde esse setor exibe franco crescimento (SOUZA; OLIVEIRA, 2008) Os fast foods tornaram-se convenientes à população ocidental (NERI; CURTI, 2006), visando minimizar o trabalho, custo e principalmente o tempo gasto nas tarefas diárias. O consumo destes alimentos cresceu drasticamente a partir dos anos 70, onde o dinheiro gasto

3 com refeições fora de casa resultava em 25% do total gasto com alimentação, e já em 1999, chegou aos 47% (CLAUSON, 1999). A maior participação de alimentos industrializados na dieta familiar brasileira, ricos em açúcares e gorduras em detrimento dos alimentos básicos, fontes de carboidratos complexos e fibras alimentares - é traço marcante da evolução do padrão alimentar nas últimas décadas (LOBANCO et al, 2009). O processo de industrialização dos alimentos tem sido apontado como uma das principais responsáveis pelo crescimento energético da dieta da maioria das populações do Ocidente (MENDONÇA; ANJOS; 2004). A preocupação com os hábitos alimentares é crescente, e desde a década de 80 vem aumentando a conscientização do público a respeito da relação entre dieta e saúde. Através de uma dieta equilibrada o organismo adquire energia e nutrientes necessários para o bom desempenho de suas funções e para a manutenção de um bom estado de saúde (MARINS, JACOB, PERES; 2008). A introdução desses hábitos importados além de comprometer o padrão tradicional alimentar no país faz com que ele seja alterado com substituições de refeições. Essas modificações podem contribuir para a dificuldade na manutenção da massa corporal dentro dos padrões considerados saudáveis (MENDONÇA, ANJOS; 2004). Existem diversas enfermidades relacionadas à alimentação que influenciam diretamente a escolha alimentar do indivíduo, pois necessidades especiais de seus portadores requerem restrição do consumo de determinados alimentos que, se ingeridos, podem desencadear problemas de saúde. Dentre essas enfermidades, encontram-se as alergias e intolerâncias alimentares, os distúrbios metabólicos e as doenças crônicas não transmissíveis, como obesidade, doenças relacionadas ao consumo de gorduras, diabetes e hipertensão arterial (OLIVEIRA; PROENÇA; SALLES, 2012). As doenças crônicas não transmissíveis, por serem de longa duração, são as que mais demandam ações, procedimentos e serviços de saúde, gerando no Brasil uma sobrecarga do Sistema Único de Saúde (SUS). Estima-se que os gastos do Ministério da Saúde com atendimento ambulatorial e internações em função das doenças crônicas não transmissíveis sejam de aproximadamente R$ 7,5 bilhões por ano. A obesidade, diabetes e a hipertenção arterial são propiciadas pelo perfil alimentar encontrado pelas famílias brasileiras, em que há uma participação crescente de gorduras de origem animal e alimentos industrializados ricos em açúcar e sódio, e a diminuição de cereais, leguminosas, frutas, verduras e legumes (COUTINHO; GENTIL; TORAL, 2008). A hipertensão arterial está associada a altos índices de morbimortalidade e constitui um dos grandes problemas de saúde pública no mundo, dada a sua alta prevalência. É uma das

4 maiores causas de acidentes vasculares cerebrais, doenças cardiovasculares, insuficiência renal e morte prematura em todo o mundo. As alterações dos níveis pressóricos são decorrentes dos fatores genéricos e ambientais. O fator genético é atribuível à genética comum de base (herança familiar). Já os fatores ambientais atuam nos indivíduos suscetíveis, por hábitos de estilo de vida, como excesso na ingestão de sal (FEDALTO et al, 2011). Molina e colaboradores (2003) também descrevem outros fatores que podem estar associados à elevação da pressão arterial como o sedentarismo, o estresse, o tabagismo, o envelhecimento, a raça, o gênero e o peso. O equilíbrio de sódio é mantido estável através de vários fatores, porém isso não ocorre em certos indivíduos suscetíveis, e a ingestão excessiva de sódio deixa de ser regulada. Essa ingestão contribui para o aumento do volume de líquido e eleva a pressão arterial para níveis que podem representar risco para a saúde (MCARDLE et al, 1998). A principal fonte de sódio na alimentação é o sal comum (40% de sódio), que é empregado rotineiramente na cozinha, no processamento dos alimentos e à mesa. O sal é muito utilizado na conservação de alimentos. Assim, alimentos industrializados, como temperos prontos, enlatados, embutidos, queijos e salgadinhos, contêm grandes quantidades de sal (COSTA; MACHADO, 2010). Nos países desenvolvidos, que contam com estimativas confiáveis sobre o consumo de sódio, a ingestão desse mineral tende a ultrapassar o limite máximo de 2 gramas (ou 5 gramas de sódio) por pessoa por dia recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) (SARNO et al., 2009). Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), a recomendação para a ingestão diária de sódio é de 2400 miligramas, o que corresponde a 6 gramas de sal. O Brasil está classificado entre os maiores consumidores mundiais de sal, com média de ingestão de 15,09 gramas diários (FEDALTO et al, 2011). A redução de sódio na alimentação é possível e implica na diminuição da adição de sal aos alimentos. No entanto, uma vez que o sódio de adição está presente em muitos alimentos industrializados, e que muitas vezes o consumidor não está consciente da sua presença, a redução da ingestão pode ser potenciada por intervenções no âmbito das indústrias de alimentos (RAMOS, 2010). Os consumidores no mundo inteiro procuram, cada vez mais, informações sobre os alimentos que consomem. Uma fonte importante para obter esse tipo de informação são os rótulos dos alimentos, que, muitas vezes, dispõem de dados sobre o conteúdo nutricional, bem como frases que relacionam seu consumo com benefícios para a saúde (COUTINHO,

5 RECINE; 2007). Tendo essa preocupação em termos de serviços alimentícios, a ANVISA, pela Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 360 de 23 de dezembro de 2003, promove o regulamento técnico sobre rotulagem nutricional de alimentos produzidos e comercializados, embalados na ausência do cliente, tornando obrigatória a rotulagem nutricional (BRASIL, 2003b). Desde 2003, quando se tornou obrigatória a rotulagem nutricional, as informações contidas nos rótulos tornaram-se mais complexas. Passou a exigir maior habilidade do consumidor para interpretá-las e entendê-las (PONTES et al, 2009). Quando as informações disponibilizadas nos rótulos se apresentam de maneira clara e com precisão, o consumidor tende a dar mais credibilidade ao produto e, em muitos casos, faz a opção por este produto na composição da dieta familiar. Através dos rótulos dos alimentos, o consumidor é capaz ainda de avaliar se o produto atende às suas necessidades nutricionais, sobretudo quando algum indivíduo da família é portador de alguma doença relacionada com a alimentação ou se está acima ou abaixo do peso desejado (MARINS; JACOB; PERES, 2008). Pontes e colaboradores (2009) ressaltam que, quanto à informação nutricional obrigatória, uma das alterações aprovadas pela RDC 360/03 é o valor de referência diária (%VD) em 2.000kcal. Esse valor pré-estabelecido como padrão para ser utilizado em rótulos de alimentos embalados não pode ser utilizado como referência para todas as faixas etárias. Os valores diários podem ser maiores ou menores dependendo da necessidade energética. Sabe-se que a implementação da informação nutricional de alimentos embalados, na forma de rotulagem, é bastante recente no mundo, incluindo o Brasil. Mas segundo a legislação brasileira, as informações nutricionais são obrigatórias apenas em rótulos de alimentos industrializados, excluindo os demais alimentos por exemplo, os comercializados em restaurantes de informarem sua composição nutricional, tampouco seus ingredientes (OLIVEIRA; PROENÇA; SALLES, 2012). Contudo, em dezembro de 2010, mais de 60 restaurantes e lanchonetes estão disponibilizando informações nutricionais sobre produtos alimentícios que comercializam, através do termo de ajustamento de conduta firmado pela ANVISA, o Ministério Público Federal, e a Associação Nacional de Restaurantes (BRASIL, 2010a). A medida está alinhada com as recomendações da Estratégia Global para a Alimentação Saudável, Atividade Física e Saúde, da OMS, e com as diretrizes da Política Nacional de Alimentação e Nutrição, do Ministério da Saúde. A rotulagem nutricional é citada no documento da Estratégia global como um meio e direito dos consumidores de receber informações sobre a composição dos alimentos, a fim de orientar escolhas mais

6 adequadas (BRASIL, 2010a). É fundamental associar medidas de incentivo voltadas ao indivíduo como as estratégias de informação, campanhas e educação alimentar e nutrição; com medidas de apoio que auxiliem os indivíduos a fazerem suas escolhas mais saudáveis, como por exemplo; rotulagem nutricional dos alimentos, incentivos voltados à produção de alimentos, comercialização, abastecimento e o acesso físico a alimentos mais saudáveis (COUTINHO; GENTIL; TORAL, 2008). A rotulagem nutricional em restaurantes, por meio das informações nutricionais e de saúde nos cardápios, pode ajudar o consumidor a entender melhor o papel da dieta para a promoção da saúde e efetuar escolhas de alimentos que contribuam para uma refeição saudável (MAESTRO; SALAY, 2008). De acordo com o exposto, o presente trabalho teve por objetivo observar os valores nutricionais dos alimentos de restaurantes fast food em relação à quantidade de sódio, e compará-los em relação à ingestão diária recomendada (IDR) de sódio, de acordo com a legislação RDC nº360/03 da ANVISA. 2 Metodologia Esse estudo é de caráter descritivo seccional, e constitui em pesquisa de campo sobre a avaliação dos teores de sódio de alimentos comercializados em restaurantes fast food mais conhecidos e consumidos na região de Brasília, tendo como base tabelas de valores nutricionais dos alimentos comercializados, oferecidos nos respectivos restaurantes, tanto por suas lojas físicas ou em qualquer outro meio de informação oferecido por cada restaurante. Para cada empresa, foram observadas a presença de valores nutricionais, os valores de teor de sódio em sanduíches e combinações denominados promoções, que se delimita a um sanduíche de opções variadas de cada restaurante, uma porção de batatas fritas com variação de tamanho entre pequeno médio e grande, e refrigerante por quantidades de 300, 500 e 700 ml. Com a possível variedade de sanduiches disponibilizados nos restaurantes, as escolhas dos sanduíches foram selecionadas em até 5 sanduíches, tendo entre 3 de maiores e 2 de menores índices de sódio apresentados pela tabela nutricional oferecida em cada restaurante. 3 Resultados Foram observados cinco restaurantes de fast food que apresentaram tabelas nutricionais, identificados no estudo com as letras da A a E. Para cada empresa foram

7 selecionados pela disponibilidade do restaurante até cinco sanduíches, as porções de batata frita, incluindo suas diferenças de tamanho, e os refrigerantes, também com suas quantidades distintas. Entre os restaurantes selecionados, 4 apresentavam a tabela nutricional em seu estabelecimento físico, enquanto o restaurante B não foi visivelmente identificado, obtendo a tabela através de seu site. As observações dos valores de sódio dos produtos de interesse do estudo, tendo tanto sua quantidade em miligramas quanto a representatividade desta em valor diário (%VD), podem ser observados nas tabelas a seguir. Como as marcas de refrigerante são utilizadas em todos os estabelecimentos estudados, adotaram-se os valores de sódio dos refrigerantes para todos os estabelecimentos. Tabela1: Quantidade de sódio nos sanduíches em cada restaurante fast food. Restaurantes Fast foods Sanduíches Sódio (mg) VD (%) A B C D E

8 Tabela 2: Quantidade de sódio nas batatas fritas disponibilizadas nos restaurantes fast food. Restaurante Fast foods Tamanho Sódio (mg) VD(%) A B C D P M G P M G P M G P M G E Único Tabela 3: Quantidade de sódio nos refrigerantes dos restaurantes fast food. QUANTIDADES REFRIGERANTES 300mL 500mL 700mL Sódio (mg) VD (%) Sódio (mg) VD (%) Sódio (mg) VD (%) Cola Cola diet Guaraná Guaraná diet Limão Laranja Discussão Com a prática dos restaurantes de adotar o termo de ajustamento de conduta e aplicar as informações nutricionais de seus produtos, torna-se mais acessível e prático para os clientes verificarem o quanto de nutrientes estão consumindo, principalmente em restaurantes fast food, que são bem conhecidos por seu alto valor energético em seus alimentos. Comparando a quantidade adequada de consumo diário de sódio estabelecido pela RDC 360/03, os resultados apresentados mostram uma elevada quantidade de sódio nos alimentos incluídos no estudo, tendo como base uma alimentação balanceada. Se um cliente fizer um pedido no fast food D de uma promoção que inclua o hambúrguer 1 mais a batata

9 frita tamanho G com o refrigerante de limão de 700 ml, ele consumirá somente naquela refeição 3042 miligramas de sódio, o equivalente a 126% do valor diário de sódio sugerido. Por mais que, tendo essa informação também implementada na tabela nutricional, mostrada pela RDC 360/03, os valores diários tem como base uma dieta de 2000 kcal e que podem ser maiores ou menores dependendo da necessidade energética do consumidor, certos valores de combinações de alimentos dos estabelecimentos demonstrados nas tabelas anteriormente, apresentam valores elevados, até ultrapassando o valor do consumo de sódio sugerido por dia designado pela resolução, levando em consideração outras refeições que o indivíduo teve ou terá ao longo do dia. É importante ressaltar outros alimentos disponíveis nos restaurantes, não incluídos no estudo, como sobremesas ou outros aperitivos e bebidas, que também apresentam quantidades consideráveis de sódio, e podem ser consumidos livremente de acordo com a vontade do cliente. A escolha de selecionar sanduíches que apresentam menor e maior valor de sódio em cada restaurante apresentado na respectiva pesquisa mostra a variedade e a diferença de valores nutritivos que a própria empresa oferece em seus produtos, além das opções variadas que o consumidor possui de produtos para escolha. Sobre a importância do conhecimento nutricional dos alimentos nos restaurantes fast food, um estabelecimento mostrou informações incompletas, e outro estabelecimento pesquisado teve ausência de informações no estabelecimento físico ou por outros meios de informação, ocasionando dificuldade de inclusão desses restaurantes no estudo comparativo. No caso do restaurante B, notou-se uma falha de informação ao consumidor sobre a informação nutricional de seus produtos, pois ele apresentava essas informações, tendo esta sendo identificada em seu site, porém não foi visualizada em seu estabelecimento físico, no qual provavelmente localiza-se a grande parte da comercialização do seus produtos, além da interação direta entre o restaurante e seus consumidores. Além de ressaltar que por mais que esteja bem difundida a utilização da internet tanto pela busca de informações quanto ao ponto de se fazer pedidos via on-line, ainda não são todos que utilizam desse meio de comunicação para fazer seus pedidos de refeições, limitando uma informação importante ao consumidor. Todas as empresas estudadas disponibilizam as tabelas nutricionais em seus respectivos sites, oferecendo a venda de seus produtos também por pedidos via on-line. Entretanto, a empresa A mostrou não só dados nutricionais completos, como ofereceu esses dados a cada pedido feito ou não, tendo o cliente conhecimento nutricional da refeição adquirida, de forma acessível.

10 Esse mesmo restaurante, principalmente no seu site, mostra alas designadas à nutrição, oferecendo aos seus clientes conhecimentos e informações sobre obesidade, saúde, entre outros assuntos relacionados ao tema, ressaltando novamente a impossibilidade de todos a usarem esse meio de comunicação. Essa estratégia de interesse no bem estar do cliente oferecida no site da empresa poderia ser desenvolvida também em suas lojas físicas, no qual não foi visivelmente reparada durante o estudo. Mesmo com os resultados conclusivos sobre a quantidade excessiva não só de sódio, como de outros nutrientes não incluídos na pesquisa, outras pesquisas que envolvam o comportamento de clientes em restaurantes fast food ou do consumo de sódio na população complementariam esse estudo, tendo em consideração: faixa etária, classe econômica, o conhecimento das informações nutricionais e a quantidade de nutrientes que consomem, a frequência que os indivíduos frequentam os restaurantes e também, a susceptibilidade de doenças associadas à alimentação, como a hipertensão arterial. 5 Conclusão Os valores de sódio nos alimentos observados no estudo demonstram resultados significativamente altos em relação à quantidade de sódio que uma pessoa pode consumir em um único alimento ou refeição em restaurantes fast food, podendo uma combinação possuir o equivalente a 126% do valor diário de sódio sugerido por dia, além da importância da presença dos valores nutricionais dos alimentos tanto em seus estabelecimentos físicos quanto em outros meios de comercialização de seus alimentos. A falta de informação nutricional ocasiona um desconhecimento do cliente dos valores nutricionais do alimento que ele consome. Também é necessário que outras pesquisas complementares avaliem a rotina dos clientes em cada estabelecimento, principalmente o conhecimento das quantidades de nutrientes que estão consumindo, demonstrando nesse trabalho que, por via do consumo excessivo de sódio, restaurantes fast food proporcionam grande risco à saúde de seus consumidores para desenvolverem hipertensão arterial ou outras doenças associadas ao consumo excessivo e desconhecido de alimentos com grande excesso de nutrientes. Referências Bibliográficas

11 BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Informação nutricional estará disponível em 60 redes de lanchonetes e restaurantes. em 17 de dezembro de Disponível em <HTTP://s.anvisa.gov.br/wps/s/r/e6e >. Acesso em 8 de agosto de BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada. n. 360, de 23 de dezembro de Regulamento técnico sobre rotulagem de alimentos embalados. Disponível em <http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/2003/rdc/360_03rdc.htm>, Acesso em 8 de agosto de CLAUSON, A.; A share of food spending for eating out reaches 47 percent; Food Review; n. 22; p , 1999 COSTA, F.P; MACHADO, S.H.; O consumo de sal em alimentos ricos em sódio pode influenciar na pressão arterial das crianças? ; Ciência & Saúde Coletiva, Supl. 1, p , 2010 COUTINHO, J.G.; GENTIL, P.C.; TORAL, N.; A desnutrição e obesidade no Brasil: O enfrentamento com base na agenda única da nutrição; Cad. Saúde Pública; Rio de Janeiro; v. 24; 2008 COUTINHO, J.G.; RECINE. E.; Experiencias internacionais de regulamentação das alegações de saúde em rótulos de alimentos; Rev. Panam Salud Pública, 22; 2007 FEDALTO, M.B.; OLIVEIRA, J.; STOFELLA, N.C.F.; BALBI, M.E.; Determinação do teor de sal em salgadinhos de milho e possíveis consequências na alimentação infantil; Visão Acadêmica; Curitiba; V.12; Jan-jun; 2011 LEAL, D; Crescimento da alimentação fora do domicílio; Segurança alimentar e Nutricional; 17(1); pag ; 2010 LOBANCO, C.M.; VEDOVATO,G.M.; CANO,C.B.; BASTOS, D.H.M.; Fidedignidade de rótulos de alimentos comercializados no município de São Paulo, SP; Rev,Saúde Pública; 43(3); 2009 MAESTRO, V.; SALAY, E.; Informações nutricionais e de saúde disponibilizadas aos consumidores por restaurantes comerciais, tipo, fast food e full service; Ciênc. Tecnol. Aliment.; 28; dez; 2008 MARINS, B.R.; JACOB, S.C.; PERES, F.; Avaliação qualitativa do hábito de leitura e entendimento: recepção das informações de produtos alimentícios; Ciência e Tecnologia de Alimentos; 28(3); jul-set; 2008 MCARDLE et al; Fisiologia do Exercício Energia, Nutrição, e Desempenho Humano edição; Rio de Janeiro: Guanabara; 1998 MENDONÇA, C.P.; ANJOS; L.A.; Aspectos das práticas alimentares e da atividade física como determinantes do crescimento do sobrepeso/obesidade no Brasil; Cad. Saúde Pública; Rio de Janeiro; 20(3); 2004

12 MOLINA, M.C.B.; CUNHA, R.S.; HERKENHOFF, L.F.; MILL, J.G.; Hipertensão arterial e consumo de sal em população urbana; Rev Saúde Pública vol 37; 2003 MONTEIRO, R.A., COUTINHO, J.G., RECINE, E.; Consulta aos rótulos de alimentos e bebidas por frequentadores de supermercados em Brasília, Brasil; Ver Panam Salud Publica; 18(3); 2005 NERI, L.C.L.; CURTI, M.L.R.; Avaliação do Consumo Alimentar de Trabalhadores da Rede Fast Food; Rev. Nutrição em Pauta; [S.1]; 2006 OLIVEIRA, R.C.; PROENÇA, R. P. C.; SALLES, R.K.; O direito à informação alimentar e nutricional em restaurantes uma revisão.; Demetra; 7(1); p ; 2012 PONTES, T.E.; COSTA, T.F.; MARUM, A.B.R.F.; BRASIL, A.L.D.; TADDEI, J.A.A.C.; Orientação Nutricional de crianças e adolescentes e os novos padrões de consumo: propaganda, embalagens e rótulos; Ver Paul Pediatr; 27(1); 2009 RAMOS, E.; Alimentação na adolescência e prevenção cardiovascular; Revista Ftores de Risco; N 18; jul-set; 2010 SARNO, F.; CLARO, R.M.; LEVY, R.B.; BARDONI, D.H.; FERREIRA, S.R.G.; MONTEIRO, C.A.; Estimativa de consumo de sódio pela população brasileira, ; Ver. Saúde Pública; 43(2); 2009 SOUZA, N.P.P.; OLIVEIRA,M.R.M.; O ambiente como elemento determinante da Obesidade; Ver. Simbio-Logias V.1; n.1; maio; 2008

ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ

ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ ROTULAGEM NUTRICIONAL: VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? F. F. Paiva, G. Cavada, E. Helbig, L. R. Borges Flávia Fernandes Paiva Gramado, 2012 Introdução Vida mais corrida Modificações alimentares + Maus hábitos

Leia mais

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

A ROTULAGEM DE ALIMENTOS PROMOVENDO O CONTROLE SANITÁRIO E A ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Setor de Vigilância Sanitária Distrito Sanitário Oeste Núcleo de Vigilância Sanitária A ROTULAGEM DE ALIMENTOS

Leia mais

Profa Tânia Maria Leite da Silveira

Profa Tânia Maria Leite da Silveira Profa Tânia Maria Leite da Silveira Como o consumidor adquire informações sobre os alimentos? Conhecimento da família Educação Mídia Publicidade Rotulagem Importância da rotulagem Informações corretas

Leia mais

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de

O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de O desafio hoje para o Pediatra e também para sociedade é cuidar das crianças que vão viver 100 anos ou mais e que precisam viver com qualidade de vida. A infância e adolescência são idades ideais para

Leia mais

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos

Apresentação. O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos O que significam os itens da Tabela de Informação Nutricional dos rótulos Valor Energético É a energia produzida pelo nosso corpo proveniente dos carboidratos, proteínas e gorduras totais. Na rotulagem

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS A rotulagem de alimentos apresenta uma importância muito relevante hoje para o consumidor, pois através da mesma, conseguimos repassar muitas informações aos mesmos, tais como prazo

Leia mais

Anvisa - Alimentos - Informes Técnicos

Anvisa - Alimentos - Informes Técnicos Página 1 de 7 English Español Institucional Anvisa Publica Serviços Áreas de Atuação Legislação Buscar Informes Técnicos Informe Técnico nº. 36, de 27 de junho de 2008 Orientações sobre a declaração da

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COMPRA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS POR CONSUMIDORES EM UM SUPERMERCADO NO MUNICÍPIO DE PALMEIRA DAS MISSÕES/RS 1. Cindy Lirio Brittes 2.

AVALIAÇÃO DA COMPRA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS POR CONSUMIDORES EM UM SUPERMERCADO NO MUNICÍPIO DE PALMEIRA DAS MISSÕES/RS 1. Cindy Lirio Brittes 2. AVALIAÇÃO DA COMPRA DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS POR CONSUMIDORES EM UM SUPERMERCADO NO MUNICÍPIO DE PALMEIRA DAS MISSÕES/RS 1 Cindy Lirio Brittes 2. 1 Projeto de Iniciação Científica do Demartamento de Ciências

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo

Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT. Nutricionista Débora Razera Peluffo Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT Nutricionista Débora Razera Peluffo Perfil nutricional brasileiro Nas últimas décadas observou-se uma mudança no perfil epidemiológico da população brasileira:

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional

Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL. CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de. Segurança Alimentar e Nutricional Regulação de Alimentos GARANTIA DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL ComIda de VerDadE no CamPo E Na CidAde 5ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Texto elaborado pelo Grupo de Trabalho

Leia mais

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ALVES,K.L.; MARIN,T. Resumo: Alimentação saudável é

Leia mais

Palavras-chave Rotulagem de alimentos, consumidores, supermercados, hipermercados

Palavras-chave Rotulagem de alimentos, consumidores, supermercados, hipermercados Avaliação do hábito de leitura pelos consumidores de rótulos de alimentos e bebidas comercializados em supermercados e hipermercados na região metropolitana de Belo Horizonte Marina Celle BRANDÃO 1, Wemerson

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

Proposta do Termo de Adesão

Proposta do Termo de Adesão Proposta do Termo de Adesão Informação Nutricional em Fast Food Gerência de Produtos Especiais Gerência-Geral de Alimentos 1. Histórico - Resolução RDC nº 40/01 Tornou obrigatória a Rotulagem Nutricional

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE PLANO DE REDUÇÃO DO SÓDIO EM ALIMENTOS PROCESSADOS

MINISTÉRIO DA SAÚDE PLANO DE REDUÇÃO DO SÓDIO EM ALIMENTOS PROCESSADOS MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Em termos globais, a redução do consumo de sódio pelas populações tem ocupado posição de destaque entre as prioridades de saúde pública, tendo em vista a relação direta do consumo

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública

Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Audiência Pública P 18 de novembro de 2009 Regulamentação do marketing de alimentos: uma questão de saúde pública Maria José Delgado Fagundes Gerente Geral - /ANVISA Perfil Epidemiológico Brasileiro Atual:

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

TÍTULO: ROTULAGEM NUTRICIONAL: AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM ALIMENTOS DIET E LIGHT

TÍTULO: ROTULAGEM NUTRICIONAL: AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM ALIMENTOS DIET E LIGHT TÍTULO: ROTULAGEM NUTRICIONAL: AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE EM ALIMENTOS DIET E LIGHT CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2010 Institui diretrizes para a promoção da alimentação saudável nas escolas de educação infantil, fundamental e de nível médio das redes pública e privada, em âmbito nacional.

Leia mais

Estratégias Governamental para Redução do Sódio

Estratégias Governamental para Redução do Sódio VIII REUNIÃO DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA DE ALIMENTOS Goiânia, 22,23 e 24/08/12 Estratégias Governamental para Redução do Sódio DENISE DE OLIVEIRA RESENDE Gerente-Geral de Alimentos Ações Governamentais :

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS:

JUSTIFICATIVA OBJETIV OS: JUSTIFICATIVA Para termos um corpo e uma mente saudável, devemos ter uma alimentação rica em frutas, verduras, legumes, carnes, cereais, vitaminas e proteínas. Sendo a escola um espaço para a promoção

Leia mais

Dicas para uma alimentação saudável

Dicas para uma alimentação saudável Dicas para uma alimentação saudável NECESSIDADE FISIOLÓGICA ATO DE COMER SOCIABILIZAÇÃO Comida Japonesa PRAZER CULTURAL Alimentação aliada à saúde Hábitos alimentares pouco saudáveis desde a infância,

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

Segurança alimentar e nutricional:

Segurança alimentar e nutricional: Segurança alimentar e nutricional: Políticas para a garantia da alimentação segura e saudável Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Departamento de Atenção Básica Secretaria de Atenção à Saúde/ Ministério

Leia mais

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo?

O consumidor deve estar atento às informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas As doenças crónicas não transmissíveis são responsáveis por 63% das causas de morte no mundo Fonte: WHO; Global status report on noncommunicable diseases, 2010 O

Leia mais

TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR

TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR TEXTO DE APOIO I PERCURSO COMER, DIVIDIR E BRINCAR Alimentação Boa Pra Você Todo ser vivo precisa se alimentar para obter energia e nutrientes para se desenvolver. No caso do ser humano, os alimentos trazem

Leia mais

GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA

GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:70750.543

Leia mais

Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável

Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de Orientação aos Consumidores Educação para o Consumo Saudável Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Alimentos Universidade

Leia mais

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional

Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional I FÓRUM DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE Desafios e Perspectivas para a Educação Alimentar e Nutricional Ações do Ministério da Saúde Brasília-DF, 17/10/06 Educação Alimentar

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO MARKETING E DAS INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS DOS PRODUTOS DIET E LIGHT PARA CONSUMIDORES DIABÉTICOS

A INFLUÊNCIA DO MARKETING E DAS INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS DOS PRODUTOS DIET E LIGHT PARA CONSUMIDORES DIABÉTICOS ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A INFLUÊNCIA DO MARKETING E DAS INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS DOS PRODUTOS DIET E LIGHT PARA CONSUMIDORES

Leia mais

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência

ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência ENVELHECER COM SABEDORIA Alimente-se melhor para Manter a sua Saúde e Independência 1. ALIMENTE-SE MELHOR Prevê-se que em 2025 1, só na Europa, o grupo etário mais idoso (acima dos 80 anos), passe de 21,4

Leia mais

VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO?

VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? MANUAL DE ORIENTAÇÃO AOS CONSUMIDORES EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO SAUDÁVEL VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? ROTULAGEM NUTRICIONAL OBRIGATÓRIA MANUAL DE ORIENTAÇÃO AOS CONSUMIDORES EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO SAUDÁVEL

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

ROTULAGEM DE ALIMENTOS

ROTULAGEM DE ALIMENTOS ROTULAGEM DE ALIMENTOS Profª Ana Paula F. Bernardes Silva A QUEM COMPETE MINISTÉRIO DA SAÚDE: Produtos de origem animal; Vegetais e cereais (grãos) in natura; Bebidas e vinagre; Mel. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA:

Leia mais

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE.

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES PARA ALUNOS COM DIABETES, HIPERTENSÃO, DOENÇA CELÍACA, E INTOLERÂNCIA Á LACTOSE. 1. DOENÇA CELIACA É uma doença que causa inflamações nas camadas da parede do intestino delgado,

Leia mais

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Quantitativa Consumo de Frutas e Hortaliças Elaborado por CONNECTION RESEARCH Maio 2011 2 Objetivos da pesquisa. Estudar os hábitos alimentares da população

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.480, DE 2003

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.480, DE 2003 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 1.480, DE 2003 Obriga a divulgação de advertência sobre obesidade em embalagens de produtos altamente calóricos. Autor: Deputado LINCOLN PORTELA

Leia mais

BIBLIOGRAFIA. Oficina Rotulagem de Alimentos

BIBLIOGRAFIA. Oficina Rotulagem de Alimentos BIBLIOGRAFIA Oficina Rotulagem de Alimentos Oficina do Eixo: Direitos, Participação e Cidadania Realização: 04 a 08 de maio de 2015 Facilitadora: Ana Paula Bortoletto Bibliografia Básica Entrevistas: Rótulos

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini

PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF. Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini PESQUISA DE ORÇAMENTO FAMILIAR - POF Prof. Dra. Aline Mota de Barros Marcellini As maiores médias de consumo diário per capita ocorreram para Feijão (182,9 g/ dia), arroz (160,3 g/ dia), carne bovina

Leia mais

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final

15/08/2013. Acelerado crescimento e desenvolvimento: IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NESSA FASE. Atinge 25% da sua altura final Laís Cruz Nutricionista CRN 3 18128 2013 Período de transição entre infância e vida adulta (dos 10 aos 19 anos de idade) Muitas transformações físicas, psicológicas e sociais Acelerado crescimento e desenvolvimento:

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 273, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do

Leia mais

Você sabe o que está comendo?

Você sabe o que está comendo? Você sabe o que está comendo? Manual de orientação aos consumidores Educação para o Consumo Saudável Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Rotulagem Nutricional Obrigatória Manual de orientação

Leia mais

* Rótulos dos Alimentos. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates

* Rótulos dos Alimentos. Equipe: Divair Doneda, Vanuska Lima, Clevi Rapkiewicz, Júlia S. Prates * Rótulos dos Alimentos * A preservação ou conservação refere-se às formas de modificação dos alimentos e das bebidas a fim de que eles se mantenham adequados para consumo humano por mais tempo......,

Leia mais

MANUAL. Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento. [Digite texto]

MANUAL. Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento. [Digite texto] MANUAL Campanha de incentivo ao consumo de Frutas, Legumes e Verduras nas Centrais de Abastecimento [Digite texto] Grupo de Trabalho Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Ministério

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005

Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005 Resolução RDC nº 273, de 22 de setembro de 2005 Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA MISTURAS PARA O PREPARO DE ALIMENTOS E ALIMENTOS PRONTOS PARA O CONSUMO". D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes

Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Projeto Novos Talentos Escola: Escola Municipal Rural Sucessão dos Moraes Oficina: Comer bem, para viver melhor! Cristiane da Cunha Alves Tatiane Garcez Bianca Maria de Lima Danielle Costa INTRODUÇÃO/JUSTIFICATIVA

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998

PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 PORTARIA N 29, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 A Secretária de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando a necessidade de constante aperfeiçoamento das ações

Leia mais

FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI

FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA TEBALDI CONHECIMENTO E CONSUMO DE DIET E LIGHT POR ADOLESCENTES MATRICULADOS EM UM COLÉGIO ESTADUAL DE CORBÉLIA - PR CASCAVEL 2006 FACULDADE ASSIS GURGACZ - FAG PRISCILA

Leia mais

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade:

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade: PROJETO DE LEI N. 426/2013 ESTADO DO AMAZONAS ESTABELECE diretrizes para a Política Municipal de Educação Alimentar Escolar e Combate à Obesidade, e dá outras providências. Art.1º - O Poder Público Municipal,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE RÓTULOS PARA PRODUTOS DE PANIFICAÇÃO DO MOSTEIRO DA RESSURREIÇÃO

ELABORAÇÃO DE RÓTULOS PARA PRODUTOS DE PANIFICAÇÃO DO MOSTEIRO DA RESSURREIÇÃO 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA ELABORAÇÃO DE RÓTULOS PARA

Leia mais

OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos

OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos I Mostra Estadual de Atenção Primária em Saúde Curitiba - PR OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos Gisele Ane Bortolini Helen Duar Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição

Leia mais

Informativo Digital da Escola de Nutrição da UFBA N.117/2012

Informativo Digital da Escola de Nutrição da UFBA N.117/2012 Informativo Digital da Escola de Nutrição da UFBA N.117/2012 Salvador, 14 de setembro de 2012 A editora da UFBA, EDUFBA lançou vários livros ontem na Biblioteca Central da UFBA. O evento teve uma boa aceitação

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE

FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE União Metropolitana de Educação e Cultura Faculdade: Curso: NUTRIÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DA SAÚDE Disciplina: INTRODUÇÃO A NUTRIÇÃO Carga horária: Teórica 40 Prática 40 Semestre: 1 Turno:

Leia mais

INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS

INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS INFORME TÉCNICO N. 54/2013 TEOR DE SÓDIO NOS ALIMENTOS PROCESSADOS 1.Introdução Em 13 de dezembro de 2011 o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) assinaram termo de

Leia mais

NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo NUTRIÇÃO INFANTIL E AS CONSEQUENCIAS NOS CICLOS DA VIDA Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Infância -Promoção e consolidação dos hábitos alimentares - Incremento das necessidades nutricionais para

Leia mais

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico.

TEMA: Dieta enteral de soja para paciente portadora de doença de Alzheimer e de adenocarcinoma gástrico. Nota Técnica Processo n º Solicitante: Dra. Daniele Viana da Silva Juíza da Comarca de Ervália - Mg Data: 07/12/2012 Medicamento/ Dieta Material Procedimento Cobertura x TEMA: Dieta enteral de soja para

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR

Alimentação Saudável. 2008 Teresa Bilhastre - CSCR Ministério da Saúde O Programa de Saúde Escolar insere-se no Plano Nacional de Saúde 2004-2010 Pretende: Reforçar as acções de promoção da saúde e prevenção da doença em ambiente escolar. Ministério da

Leia mais

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES Orientações básicas de nutrição para o autocuidado em DM Maria Palmira C. Romero Nutricionista Marisa Sacramento

Leia mais

Assessment of knowledge and problems of supermarket consumers on the conventional food labeling and nutrition

Assessment of knowledge and problems of supermarket consumers on the conventional food labeling and nutrition Avaliação do conhecimento e dificuldades de consumidores frequentadores de supermercado convencional em relação à rotulagem de alimentos e informação nutricional Assessment of knowledge and problems of

Leia mais

Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável

Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável Educação Alimentar e Nutricional no Espaço Escolar como Promotora de Vida Saudável Comissão de Educação e Cultura da Câmara de Deputados 16 de outubro de 2007, Brasília-DF UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Leia mais

INTERAÇÃO DAS ENGENHARIAS COM O ENSINO MÉDIO: ENGENHARIAS EM PRÁTICA OFICINA SOBRE ROTULAGEM E LEGISLAÇÃO DE ALIMENTOS

INTERAÇÃO DAS ENGENHARIAS COM O ENSINO MÉDIO: ENGENHARIAS EM PRÁTICA OFICINA SOBRE ROTULAGEM E LEGISLAÇÃO DE ALIMENTOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

AÇÕES DE PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Reunião Nacional 18/05/2007

AÇÕES DE PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Reunião Nacional 18/05/2007 AÇÕES DE PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Reunião Nacional 18/05/2007 Proposta do trabalho em grupo Construindo um Manual de Promoção da Alimentação Saudável em nível local Objetivos: Atualizar as ações

Leia mais

Convivendo bem com a doença renal. Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem!

Convivendo bem com a doença renal. Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem! Convivendo bem com a doença renal Guia de Nutrição e Diabetes Você é capaz, alimente-se bem! Nutrição e dieta para diabéticos: Introdução Mesmo sendo um paciente diabético em diálise, a sua dieta ainda

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado IP/03/1022 Bruxelas, 16 de Julho de 2003 Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado A Comissão Europeia adoptou hoje

Leia mais

Light ou diet? O consumo de produtos diet e light cresceu em grande escala no mercado mundial. É visível

Light ou diet? O consumo de produtos diet e light cresceu em grande escala no mercado mundial. É visível Light ou diet? O consumo de produtos diet e light cresceu em grande escala no mercado mundial. É visível nas prateleiras dos supermercados o quanto de espaço eles ganharam. É comum encontrarmos, hoje,

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ATLETAS DA SELEÇÃO GOIANA DE JUDÔ: ATIVIDADE DO ATENDIMENTO NUTRICIONAL 1 LEITE, Raíssa Moraes 1 ; FRANCO, Lana Pacheco 2 ; SOUZA, Isabela Mesquita 3 ; ALVES, Ana Gabriella Pereira

Leia mais

VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO?

VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? VOCÊ SABE O QUE ESTÁ COMENDO? EDUCAÇÃO PARA O CONSUMO SAUDÁVEL MANUAL DE ORIENTAÇÃO AOS CONSUMIDORES Fonte: ANVISA - Aência Nacional de Viilância Sanitária APRESENTAÇÃO Neste manual, vamos conhecer alumas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS 1 A IMPORTÂNCIA DOS PAIS NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ELABORADO POR LUCILEIDE RODRIGUES DOS SANTOS Gerente de Supervisão e Avaliação DAE SEED/SE 2 EQUIPE DAE SEED/SE Edneia Elisabete Cardoso Diretora DAE - SEED/SE

Leia mais

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL

ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL Formação sobre Promoção de Estilos de Vida Saudáveis em Contexto Escolar, Familiar e Envolvente Julho de 2009 ALIMENTAÇÃO E PESO SAUDÁVEL TERESA SOFIA SANCHO Gabinete de Nutrição Departamento de Saúde

Leia mais

ALIMENTOS IN NATURA A BASE DE SUA ALIMENTAcAO

ALIMENTOS IN NATURA A BASE DE SUA ALIMENTAcAO FAcA DOS Prefira sempre consumir os alimentos na sua forma mais natural possível, como foram retirados da natureza. Lembre-se também de variar sua alimentação. Abuse das frutas, verduras e legumes, de

Leia mais

FICHA PARA IDENTIFICAÇÃO. Título: Atividades de Aprendizagem sobre Nutrição: implicações para a reeducação alimentar dos alunos. Paulo Sergio Fiorini

FICHA PARA IDENTIFICAÇÃO. Título: Atividades de Aprendizagem sobre Nutrição: implicações para a reeducação alimentar dos alunos. Paulo Sergio Fiorini FICHA PARA IDENTIFICAÇÃO Título: Atividades de Aprendizagem sobre Nutrição: implicações para a reeducação alimentar dos alunos Autor Disciplina/Área Escola de Implementação do Projeto e sua localização

Leia mais

A Alimentação e a Saúde Humana

A Alimentação e a Saúde Humana 10 A Alimentação e a Saúde Humana Christianne de Vasconcelos Affonso Nutricionista, PUC Campinas Especialista em Qualidade de Vida e Atividade Física, UNICAMP Mestre em Ciência dos Alimentos, USP Doutor

Leia mais

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil Maria Rita Marques de Oliveira 1- MEIO AMBIENTE E PRODUÇÃO DE ALIMENTOS 2- ACESSO AOS ALIMENTOS 3- ALIMENTO SEGURO 4- PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

Como nosso corpo está organizado

Como nosso corpo está organizado Como nosso corpo está organizado Iodo Faz parte dos hormônios da tireoide, que controlam a produção de energia e o crescimentodocorpo.aleiobrigaaadiçãodeiodoaosaldecozinha. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO

Leia mais

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo?

O manipulador de alimentos tem que conferir todas as informações do rótulo? Os consumidores têm o direito de conhecer as características e a composição nutricional dos alimentos que adquirem. A legislação nacional estabelece algumas normas para registro dessas informações na rotulagem

Leia mais

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela

Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar o interesse pela 10 A Atividade Física e o Controle do Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP Esse tema foi abordado com o objetivo de despertar

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO Mari Uyeda Beatriz Conti RESUMO Muito tem se falado sobre a importância da educação nutricional em instituições de ensino para

Leia mais

Alimentação e Saúde a responsabilidade de cada um e de todos nós

Alimentação e Saúde a responsabilidade de cada um e de todos nós Alimentação e Saúde a responsabilidade de cada um e de todos nós Elisabetta Recine Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutrição OPSAN/UnB Ação Brasileira pela Nutrição e Direitos Humanos

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ISABEL MARQUES DIETISTA DO SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO E DIETÉTICA DO CHTV, E.P.E. 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Uma alimentação equilibrada proporciona uma quantidade correcta

Leia mais

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com.

Rua Antônia Lara de Resende, 325 Centro CEP: 36.350-000 Fone: (0xx32) 3376.1438/ 2151 Fax: (0xx32) 3376.1503 pmstsaude@portalvertentes.com. - SECRETARIA DE SAÚDE - SÃO TIAGO MINAS GERAIS PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE FÍSICA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DE 04 A 19 ANOS 1 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR E INCENTIVO À ATIVIDADE

Leia mais

Marcas e Publicidade e Mercado Ilegal de Produtos de Consumo

Marcas e Publicidade e Mercado Ilegal de Produtos de Consumo Marcas e Publicidade e Mercado Ilegal de Produtos de Consumo Luana Leticia Brazileiro - Sao Paulo, 27/08/2012 O que vem à mente quando se pensa em PepsiCo? 2 Marcas fortes e portfólio completo 19 US$ 1B

Leia mais

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo, Brasil. Várias são

Leia mais

A Alimentação e a Saúde do Escolar

A Alimentação e a Saúde do Escolar 4 A Alimentação e a Saúde do Escolar Jaqueline Girnos Sonati Doutoranda da Faculdade de Educação Física FEF UNICAMP A saúde da criança e do adolescente depende, dentre outros fatores, de uma alimentação

Leia mais

Trabalho realizado por: Filipa Bandeira Margarida Caupers Maria João Bule Ricardo Santos Sérgio Monteiro

Trabalho realizado por: Filipa Bandeira Margarida Caupers Maria João Bule Ricardo Santos Sérgio Monteiro Instituto Superior de Agronomia Introdução à Engenharia Alimentar Trabalho realizado por: Filipa Bandeira Margarida Caupers Maria João Bule Ricardo Santos Sérgio Monteiro Sumário Definição de Fast-food;

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais