Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Centro de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Dr Marco Antonio de Moraes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Centro de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Dr Marco Antonio de Moraes"

Transcrição

1 Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Centro de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Dr Marco Antonio de Moraes Diretor Técnico DCNT/CVE/SES SP

2 Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo Centro de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Quedas em Idosos Maria Cristina Horta Vilar / SES SP

3 SIM DATASUS 2009 Introdução Acidentes com Idosos

4 Mortalidade ESP 2009 Óbitos por outras causas externas de lesões acidentais: Quedas: (49,5%) Quedas em idosos (> 60 anos): (62%) Fonte: Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação e Saúde. DATASUS. Sistema de Informação de Mortalidade - SIM, Acessado em 02/04/2012.

5 SIM Distribuição dos óbitos por queda segundo faixa etária, Estado de São Paulo. Faixas etárias n % Menor 1 ano 6 0,23 1 a 4 anos 16 0,60 5 a 9 anos 13 0,49 10 a 14 anos 10 0,38 15 a 19 anos 21 0,79 20 a 29 anos 87 3,27 30 a 39 anos 201 7,56 40 a 49 anos ,58 50 a 59 anos ,56 60 a 69 anos ,54 70 a 79 anos ,93 80 anos e mais ,82 Idade ignorada 7 0,26 Total Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade SIM 62%

6 SIM Distribuição da taxa de mortalidade por queda, por 100 mil idosos (60 anos ou mais), ambos os sexos, segundo faixa etária e ano de ocorrência, 1996 a Estado de São Paulo. Mortalidade por 100 mil idosos a 69 anos 70 a 79 anos 80 anos e mais Total Ano de Ocorrência Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade SIM e IBGE

7 SIM Distribuição da taxa de mortalidade por queda, por 100 mil idosos (60 anos ou mais), segundo sexo e faixa etária, Estado de São Paulo. Mortalidade por 100 mil idosos ,1 5,7 12,3 45,9 Masculino Feminino Total 25,6 34,2 137,3 136,4 135,9 60 a 69 anos 70 a 79 anos 80 anos e mais (n=1.657) Faixas etárias Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade SIM e IBGE

8 SIM Distribuição dos óbitos por queda em idosos (60 anos ou mais), segundo local de ocorrência e estado civil, Estado de São Paulo. (n=1.657) Local ocorrência Hospital Outro estabelecimen to de saúde Domicílio Via pública Outros Ignorado % % % % % % Solteiro ,6 2 1,0 10 4,9 2 1,0 1 0,5 203 Casado ,8 8 1,3 25 4,1 5 0,8 11 1,8 1 0,2 609 Viúvo ,9 17 2,5 30 4,3 2 0,3 7 1,0 693 Separado judicialmente Total 67 93,1 1 1,4 1 1,4 3 4,2 72 Outro 0,0 0, ,0 1 Ignorado 73 92,4 3 3,8 1 1,3 1 1,3 1 1,3 79 Total ,0 31 1,9 68 4,1 10 0,6 23 1,4 1 0, Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade SIM e IBGE

9 SIM Distribuição dos óbitos por queda em idosos (60 anos ou mais), segundo tipo, Estado de São Paulo. (n=1.657) Queda sem especificação 41,34% Mesmo nível 44,36 De um nível a outro 14,30 Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade SIM e IBGE

10 *Quedas no mesmo nível Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade SIM e IBGE SIM Distribuição dos óbitos por queda em idosos (60 anos ou mais), segundo tipo, Estado de São Paulo. (n=1.657) Categoria CID10 Total % Queda s/especificacao ,34 Outr quedas no mesmo nivel* ,08 Queda mesmo nivel escorr tropec passo falso* 102 6,16 Queda em ou de escadas ou degraus 82 4,95 Queda de ou p/fora edificios outr estruturas 71 4,28 Queda de um leito 37 2,23 Outr quedas de um nivel a outr 18 1,09 Queda de uma cadeira 9 0,54 Queda em ou de um andaime 7 0,42 Queda de arvore 5 0,30 Queda em ou de escadas de mao 3 0,18 Queda de outr tipo de mobilia 2 0,12 Queda mesmo nivel envolv gelo e neve* 1 0,06 Outr qued mesmo niv colis empurrao outr pess* 1 0,06 Queda envolv uma cadeira de rodas 1 0,06 Queda de penhasco 1 0,06 Merg pulo agua caus out traum n afog submers 1 0,06 Total

11 SIH DATASUS 2009 Introdução Acidentes com Idosos

12 SIH Morbidade hospitalar no SUS Fonte de dados: SIH DATASUS internações por queda em idosos (60 anos ou mais)

13 SIH Distribuição das internações no SUS por queda em idosos (60 anos ou mais) segundo sexo e faixa etária, Estado de São Paulo. (n=23.834) % % masc % fem ,9 50,1 62,1 71, , , a 69 anos 70 a 79 anos 80 anos e mais Faixa etária Fonte: Ministério da Saúde - Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS)

14 SIH Distribuição das internações hospitalares por queda em idosos (60 anos ou mais) segundo tipo, Estado de São Paulo. (n=23.834) Queda sem especificação 43% Mesmo nível 47% De um nível a outro 10% Fonte: Ministério da Saúde - Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS)

15 SIH Distribuição das internações hospitalares por queda em idosos (60 anos ou mais) segundo tipo, Estado de São Paulo. (n=23.834) Faixa Etária Número de internações População Taxa de internação hospitalar (por ) 60 a 69 anos ,9 70 a 79 anos ,6 80 anos e mais ,5 Total ,3 Fonte: Ministério da Saúde - Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS)

16 Introdução Acidentes com Idosos Emergências Hospitalares Selecionadas VIVA INQUÉRITO 2009

17 Emergências Hospitalares Selecionadas Fonte de dados: VIVA 2009 Idosos ( 60 anos): 539 indivíduos Quedas: 364 (67,5%) Tipo de ocorrência n % Queda ,5 Outros acidentes ,2 Acidente de transporte 40 7,4 Agressão/maus tratos 13 2,4 Queimadura 7 1,3 Lesão autoprovocada 1 0,2 Total Fonte: VIVA - Inquérito, 2009

18 VIVA Atendimentos decorrentes de quedas em idosos (60 anos ou mais) segundo sexo e faixa etária, VIVA. Estado de São Paulo. % 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 % masc % fem 68,9 60,0 53,2 46,8 40,0 31,1 60 a 69 anos 70 a 79 anos 80 e mais Faixas etárias (n=364) Fonte: VIVA - Inquérito, 2009

19 VIVA Atendimentos decorrentes de quedas em idosos (60 anos ou mais) segundo tipo de queda, VIVA. Estado de São Paulo. Tipo de queda Ignorado 0,3 Outros níveis 1,9 (n=363) Queda de um nível a outro 5,5 Leito/mobília 8,0 Escada/degrau 13,2 Mesmo nível 71, % Fonte: VIVA - Inquérito, 2009 Queda de um nível a outro: buraco, andaime, árvore, telhado/laje

20 VIVA Atendimentos decorrentes de quedas em idosos (60 anos ou mais) segundo dia da semana de ocorrência, VIVA. Estado de São Paulo. Dia da semana n % Domingo 59 16,2 Segunda 50 13,7 Terça 35 9,6 Quarta 49 13,5 Quinta 63 17,3 Sexta 48 13,2 Sábado 51 14,0 Ignorado 9 2,5 Total Fonte: VIVA - Inquérito, 2009

21 VIVA Atendimentos decorrentes de quedas em idosos (60 anos ou mais) segundo local de ocorrência, VIVA. Estado de São Paulo. Outros 41 11% Via pública 68 19% Residência % (n=362)* *Ignorados (n=2) não foram considerados na análise Fonte: VIVA - Inquérito, 2009

22 VIVA Atendimentos decorrentes de quedas em idosos (60 anos ou mais) na residência segundo horário de ocorrência, VIVA. Estado de São Paulo. (n=253)* *n ignorado: 4 Fonte: VIVA - Inquérito, 2009 Período n % 00:00-5: ,6 6:00-11: ,9 12:00-17: ,2 18:00-23: ,3 Total (quedas na residência) ,0

23 VIVA Atendimentos decorrentes de quedas em idosos (60 anos ou mais) na residência segundo o tipo de queda, VIVA. Estado de São Paulo. Tipo de queda na residência n % Mesmo nível ,8 Escada/degrau 36 14,2 Leito 16 6,3 Outra mobília 12 4,7 Telhado/laje 5 2,0 Outros níveis 5 2,0 Buraco 2 0,8 Andaime 2 0,8 Ignorado 1 0,4 Total (n=253)* Fonte: VIVA - Inquérito, 2009

24 VIVA Introdução Acidentes com Idosos Atendimentos decorrentes de quedas em idosos (60 anos ou mais) na via pública segundo horário de ocorrência, VIVA. Estado de São Paulo. Período n % 00:00-5:59 2 2,9 6:00-11: ,9 12:00-17: ,1 18:00-23: ,1 Total (quedas na via pública) ,0 (n=68)* Fonte: VIVA - Inquérito, 2009

25 VIVA Atendimentos decorrentes de quedas em idosos (60 anos ou mais) na via pública segundo o tipo de queda, VIVA. Estado de São Paulo. Tipo de queda na via pública n % Mesmo nível 57 83,8 Escada/degrau 5 7,4 Buraco 3 4,4 Outros níveis 2 2,9 Árvore 1 1,5 Total (n=68)* Fonte: VIVA - Inquérito, 2009

26 VIVA Atendimentos decorrentes de quedas em idosos (60 anos ou mais) segundo natureza da lesão, VIVA. Estado de São Paulo. Natureza da lesão Ignorado Politraumatismo Outra Traumatismo Sem lesão física Entorse/Luxação Corte/laceração Contusão Fratura 1,9 2,2 3,0 5,8 6,0 11,8 16,2 22,0 (n=364) 31,0 Fonte: VIVA - Inquérito, %

27 VIVA Atendimentos decorrentes de quedas em idosos (60 anos ou mais) segundo local da lesão, VIVA. Estado de São Paulo. Local da lesão n % Membros superiores 96 26,4 Membros inferiores 90 24,7 Outra região em cabeça/face 72 19,8 Múltiplos órgãos 30 8,2 Tórax/dorso 21 5,8 Abd/quadril 17 4,7 Não se aplica 17 4,7 Coluna/medula 12 3,3 Boca/dentes 3 0,8 Ignorado 3 0,8 Pescoço 2 0,5 Genitais/ânus 1 0,3 Total Fonte: VIVA - Inquérito, 2009

28 VIVA Atendimentos decorrentes de quedas em idosos (60 anos ou mais) segundo evolução, VIVA. Estado de São Paulo. Evolução n % Alta ,5 Internação hospitalar 67 18,4 Encaminhamento ambulatorial 41 11,3 Encaminhamento para outro serviço 13 3,6 Ignorado 12 3,3 Total Fonte: VIVA - Inquérito, 2009

29 OUTROS AGRAVOS

30 SIM Distribuição dos óbitos por acidente de transporte segundo faixa etária, Estado de São Paulo. Faixas etárias n % Menor 1 ano 20 0,3 1 a 4 anos 72 1,0 5 a 9 anos 89 1,2 10 a 14 anos 131 1,8 15 a 19 anos 550 7,7 20 a 29 anos ,2 30 a 39 anos ,4 40 a 49 anos ,1 50 a 59 anos ,8 60 a 69 anos 487 6,8 70 a 79 anos 387 5,4 80 anos e mais 208 2,9 Idade ignorada 98 1,4 Total Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade SIM 15,10%

31 SIM Distribuição dos óbitos por agressão segundo faixa etária, Estado de São Paulo. Faixas etárias n % Menor 1 ano 7 0,11 1 a 4 anos 20 0,32 5 a 9 anos 18 0,28 10 a 14 anos 47 0,74 15 a 19 anos 565 8,93 20 a 29 anos ,81 30 a 39 anos ,93 40 a 49 anos ,70 50 a 59 anos 509 8,05 60 a 69 anos 197 3,11 70 a 79 anos 88 1,39 80 anos e mais 38 0,60 Idade ignorada 191 3,02 Total Fonte: MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Mortalidade SIM 5,1%

32 CENÁRIOS

33 Envelhecimento ativo: uma política de saúde / World Health Organization; tradução Suzana Gontijo. Brasília: 1ª edição traduzida para o português 2005

34 População 60 anos ou mais no ESP, em 2000 e faixa etária n % pop total n % pop total , , , , , ,5 total , ,0 Fonte: DATASUS/ MS

35 Envelhecimento ativo: uma política de saúde / World Health Organization; tradução Suzana Gontijo. Brasília: 1ª edição traduzida para o português 2005

36

37 PROMOÇÃO da SÁÚDE

38 Envelhecimento ativo: uma política de saúde / World Health Organization; tradução Suzana Gontijo. Brasília: 1ª edição traduzida para o português 2005

39 Envelhecimento ativo: uma política de saúde / World Health Organization; tradução Suzana Gontijo. Brasília: 1ª edição traduzida para o português 2005

40 OBRIGADA PELA ATENÇÃO

Vigilância de Violências e Acidentes VIVA (Inquérito) 2006 e 2007 Notas Técnicas. Origem dos dados

Vigilância de Violências e Acidentes VIVA (Inquérito) 2006 e 2007 Notas Técnicas. Origem dos dados Vigilância de Violências e Acidentes VIVA (Inquérito) 2006 e 2007 Notas Técnicas Origem dos dados Descrição das variáveis disponíveis para tabulação Outras formas de obtenção de informações Origem dos

Leia mais

Estudo de Mortalidade e Hospitalizações por acidentes com crianças de até 14 anos

Estudo de Mortalidade e Hospitalizações por acidentes com crianças de até 14 anos Estudo de Mortalidade e Hospitalizações por acidentes com crianças de até 14 anos Iniciativa: Patrocínio: CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil A CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil

Leia mais

Daniel Cerqueira. Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia DIEST/IPEA

Daniel Cerqueira. Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia DIEST/IPEA Daniel Cerqueira Diretor de Estudos e Políticas do Estado, das Instituições e da Democracia DIEST/IPEA Mais de 60 mil pessoas são assassinadas a cada ano no Brasil; Há um forte viés de cor/raça nessas

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS RUE Marcos Calvo Secretário de Saúde de Santos A organização da Rede de Atenção às Urgências

Leia mais

CÂNCER DE MAMA Complementar ao documento já disponibilizado em 2007: NEOPLASIAS 2006

CÂNCER DE MAMA Complementar ao documento já disponibilizado em 2007: NEOPLASIAS 2006 Comentários sobre a mortalidade por CÂNCER DE MAMA Complementar ao documento já disponibilizado em 2007: NEOPLASIAS 2006 Porto Alegre 2007 1 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeito José Fogaça Secretaria

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

Occupational injuries treated in an emergency room

Occupational injuries treated in an emergency room ARTIGO ARTICLE 111 Acidentes de trabalho atendidos em serviço de emergência Occupational injuries treated in an emergency room Paulo Sérgio de Andrade Conceição 1 Itatyane Bispo de Oliveira Nascimento

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013

HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013 HOMICÍDIOS DE MULHERES NO BRASIL EM 2013 INSTITUTO AVANTE BRASIL Diretor- Presidente: Luiz Flávio Gomes Pesquisadora: Flávia Mestriner Botelho VIOLÊNCIA GLOBAL CONTRA DAS MULHERES - (ONU) De acordo com

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE

ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE ACIDENTES DE TRÂNSITO: OCORRÊNCIAS E MORTALIDADE Monitoramento da mortalidade do município de Campinas BOLETIM DE MORTALIDADE Breve Histórico O projeto de monitoramento da mortalidade de Campinas foi iniciado

Leia mais

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 BETIM/MG Márcia Dayrell Secretaria Municipal de Saúde de Betim (MG) Serviço de Vigilância

Leia mais

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE GUIA PROPOSTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE (Fonte: Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS) O planejamento é uma função estratégica de gestão assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina

Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências Diagnóstico do Problema em Santa Catarina Heloisa Côrtes Gallotti Peixoto Introdução Os acidentes e violências passaram a figurar, no início da década

Leia mais

a importância das quedas no mesmo nível entre idosos no estado de são paulo

a importância das quedas no mesmo nível entre idosos no estado de são paulo Artigo Gaweuszewski VP Original a importância das quedas no mesmo nível entre idosos no estado de são paulo Vilma Pinheiro Gawryszewski Trabalho realizado no Centro de Vigilância Epidemiológica, Secretaria

Leia mais

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Seminário: Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids determinantes epidemiológicos e sóciocomportamentais Porto Alegre 14-16/12/09 Ângela Tayra Divisão de Vigilância

Leia mais

Indicadores hospitalares

Indicadores hospitalares Indicadores hospitalares Núcleo de Informação em Saúde de- NIS Hospital das Clínicas - FMUSP Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP Hospital das Clinicas - FMUSP Complexo hospitalar

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ O que é Violência contra idosos? É um ato (único ou repetido) ou omissão que lhe cause dano ou aflição e que se produz em qualquer relação

Leia mais

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro Saúde Brasil 2007 Uma Análise da Situação de Saúde Perfil de Mortalidade do Brasileiro Brasília, 6 de novembro de 2008 Editor-Geral Gerson Oliveira Penna Secretário de Vigilância em Saúde/MS Editor-Executivo

Leia mais

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Governo de Alagoas Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Análise da Situação de Saúde Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Maceió AL 2014

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr.

Módulo: Indicadores de Saúde. Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Módulo: Indicadores de Saúde Palestrante: Irineu Francisco Barreto Jr. Sumário 1. Considerações metodológicas sobre Indicadores de Saúde 2. Organização do Sistema de Saúde no Brasil 3. Principais grupos

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG Anais do IX Seminário de Iniciação Científica, VI Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação e Semana Nacional de Ciência e Tecnologia UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 19 a 21 de outubro de 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL

EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL EPIDEMIOLOGIA E SERVIÇOS DE SAÚDE: USO DE INQUÉRITOS DE BASE POPULACIONAL Chester Luiz Galvão Cesar Departamento de Epidemiologia Faculdade de Saúde Pública - USP A ESTRATÉGIA DA EPIDEMIOLOGIA E OS SERVIÇOS

Leia mais

Violência contra as Mulheres em Pernambuco

Violência contra as Mulheres em Pernambuco Violência contra as Mulheres em Pernambuco Recife, 25 de novembro de 2015 FICHA TÉCNICA Coordenação: Equipe do SOS Corpo Instituto Feminista para Democracia Pesquisadora: Ana Paula Melo (pesquisadora convidada)

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

Efeito da estratégia DOTS e fatores associados ao óbito e ao abandono de tratamento em casos de TB residentes em Recife, PE

Efeito da estratégia DOTS e fatores associados ao óbito e ao abandono de tratamento em casos de TB residentes em Recife, PE XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Efeito da estratégia DOTS e fatores associados ao óbito e ao abandono de tratamento em casos de TB residentes em Recife,

Leia mais

Audiência Pública Assembléia Legislativa do Estado da Bahia

Audiência Pública Assembléia Legislativa do Estado da Bahia Audiência Pública Assembléia Legislativa do Estado da Bahia Debate sobre o PL nº 20.985/2014 Proíbe a extração, a comercialização e o uso do amianto na Bahia Salvador,20 agosto 2015 O amianto como um problema

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

idade da mãe na ocasião do parto Idade, em anos completos, da mãe na ocasião do parto.

idade da mãe na ocasião do parto Idade, em anos completos, da mãe na ocasião do parto. Glossário A pesquisa abrange os assentamentos de nascidos vivos, casamentos, óbitos e óbitos fetais informados pelos Cartórios de Registro Civil de Pessoas Naturais, e de separações e divórcios declarados

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

HORÁRIO DE AULA DO CURSO DE AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE PRONATEC BARROSO 16ª SEMANA SEGUNDA 17/02 TERÇA 18/02 QUARTA 19/02 QUINTA 20/02 SEXTA 21/02

HORÁRIO DE AULA DO CURSO DE AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE PRONATEC BARROSO 16ª SEMANA SEGUNDA 17/02 TERÇA 18/02 QUARTA 19/02 QUINTA 20/02 SEXTA 21/02 DE AULA DO CURSO DE AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE PRONATEC BARROSO HORÁRIO h h 16ª SEMANA SEGUNDA 17/02 TERÇA 18/02 QUARTA 19/02 QUINTA 20/02 SEXTA 21/02 Modulo II de Importância em Português Saúde do Idoso

Leia mais

Comunicado aos usuários do TabWin rede SMS 02/08/2010. Conheça as mudanças no TabWin rede SMS

Comunicado aos usuários do TabWin rede SMS 02/08/2010. Conheça as mudanças no TabWin rede SMS Comunicado aos usuários do TabWin rede SMS 02/08/2010 Informamos que o aplicativo para tabulação de dados TabWin, gerenciado e disponibilizado pela SMS/CEInfo desde 2002, está sendo reestruturado e transferido

Leia mais

UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE

UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE 1 UBM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIDADE CICUTA PROJETO OUTONO I - OFICINA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA IDOSO: UM BATE PAPO COM A SAÚDE "COMO ENVELHECER

Leia mais

VIOLÊNCIA NO TRÂNSITO: UMA DÉCADA DE VIDAS PERDIDAS EM ACIDENTES MOTOCICLÍSTICOS NO BRASIL

VIOLÊNCIA NO TRÂNSITO: UMA DÉCADA DE VIDAS PERDIDAS EM ACIDENTES MOTOCICLÍSTICOS NO BRASIL Derecho y Cambio Social VIOLÊNCIA NO TRÂNSITO: UMA DÉCADA DE VIDAS PERDIDAS EM ACIDENTES MOTOCICLÍSTICOS NO BRASIL Evelyne Pessoa Soriano (*) Marcus Vitor Diniz De Carvalho (**) João Batista Montenegro

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PNAISH

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PNAISH CONSIDERAÇÕES SOBRE A PNAISH Criada para facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde. Enfatiza a necessidade de mudanças de paradigmas no que se refere à percepção dos homens

Leia mais

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade

Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet. Mortalidade Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Epidemiologia e Informação - CEInfo Ficha Técnica dos indicadores de saúde disponibilizados por meio do aplicativo Statplanet Mortalidade Taxa ou Coeficiente

Leia mais

Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991

Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991 ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991 Nº 20010504 Maio - 2001 Kaizô Beltrão - IBGE PREFEITURA

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada Novembro 2014

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada Novembro 2014 PRINCIPAIS RESULTADOS Na Europa todos os anos morrem 1500 crianças e jovens entre os 0 e os 19 anos na sequência de uma queda. Apesar de não ser a maior causa de morte nestas faixas etárias, é uma causa

Leia mais

Luciana Nussbaumer Andréia S Gnoatto Clarissa Gleich Rita Luedke Virgínia Dapper

Luciana Nussbaumer Andréia S Gnoatto Clarissa Gleich Rita Luedke Virgínia Dapper SAÚDE INTEGRAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES ECONOMICAMENTE ATIVOS: AGRAVOS RELACIONADOS AO TRABALHO NOTIFICADOS NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NO RIO GRANDE DO SUL EM 2007 Luciana Nussbaumer

Leia mais

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR Maria de Fátima Leandro Marques¹; Suely Aragão Azevêdo Viana² ¹ Bióloga do Centro de Assistência Toxicológico do Hospital

Leia mais

Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo por policiais em serviço (2002-2011)

Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo por policiais em serviço (2002-2011) Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo por policiais em serviço (2002-2011) Sobre o estudo Objetivo: trazer mais elementos para o debate sobre letalidade policial na cidade de São Paulo; dialogar

Leia mais

3. Informação epidemiológica e populacional: disponibilidade, qualidade e acesso aos sistemas de informação em saúde

3. Informação epidemiológica e populacional: disponibilidade, qualidade e acesso aos sistemas de informação em saúde 3. Informação epidemiológica e populacional: disponibilidade, qualidade e acesso aos sistemas de informação em saúde Dalia Elena Romero Montilla A informação constitui-se em suporte para toda atividade

Leia mais

RESPOSTA AOS RECURSOS PROVA - BIÓLOGO, CIRURGIÃO DENTISTA, ENFERMEIRO, FISIOTERAPEUTA,

RESPOSTA AOS RECURSOS PROVA - BIÓLOGO, CIRURGIÃO DENTISTA, ENFERMEIRO, FISIOTERAPEUTA, Questão contestada: 05 Resposta Publicada: B O RECURSO impetrado foi: ( X ) DEFERIDO ( ) INDEFERIDO Existem duas respostas incorretas nesta questão (B e E). - Alternativa B, onde se lê: As propostas desta

Leia mais

Ficha Catalográfica. 1. Violência doméstica. 2. Violência sexual. 3. Agravos à saúde. I. Título. II. Série.

Ficha Catalográfica. 1. Violência doméstica. 2. Violência sexual. 3. Agravos à saúde. I. Título. II. Série. 2011 Ministério da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. A responsabilidade

Leia mais

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22 IESUS Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS Anexo 1 Instrumentos do Sistema de Informação Hospitalar Laudo Médico para Emissão de AIH O Laudo Médico é o instrumento para solicitação

Leia mais

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Revista de Saúde Pública ISSN: 0034-8910 revsp@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Carvalho Malta, Deborah; Alves da Silva, Marta Maria; Medeiros Mascarenhas, Márcio Dênis; Bandeira de Sá, Naíza Nayla;

Leia mais

Distribuição dos pacientes vítimas de Acidente de Trânsito, segundo faixa etária na ocasião do acidente 20,0 16,6 19,4 11,3

Distribuição dos pacientes vítimas de Acidente de Trânsito, segundo faixa etária na ocasião do acidente 20,0 16,6 19,4 11,3 Os Acidentes de Trânsito foram responsáveis por um total de 799 internações nos hospitais SARAH-Brasília, SARAH-Salvador, SARAH-Belo Horizonte e SARAH-São Luís no período de 01/01/2009 a 30/06/2009, correspondendo

Leia mais

Gastos do Sistema Único de Saúde com internações por causas externas em São José dos Campos, São Paulo, Brasil

Gastos do Sistema Único de Saúde com internações por causas externas em São José dos Campos, São Paulo, Brasil 1814 ARTIGO ARTICLE Gastos do Sistema Único de Saúde com internações por causas externas em São José dos Campos, São Paulo, Brasil Unified National Health System costs in São José dos Campos, São Paulo

Leia mais

Violência: Uma epidemia silenciosa

Violência: Uma epidemia silenciosa RODA DE DISCUSSÃO: Violência: Uma epidemia silenciosa Brasília, 06 de agosto de 2008 Nereu Henrique Mansano nereu.mansano@conass.org.br O IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE: O IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE:

Leia mais

Boletim Epidemiológico Núcleo Hospitalar de Epidemiologia HNSC

Boletim Epidemiológico Núcleo Hospitalar de Epidemiologia HNSC Boletim Epidemiológico Núcleo Hospitalar de Epidemiologia HNSC ANO VI NÚMERO 17 Dezembro 2013 Violência doméstica, sexual e/ou outras violências em Unidades do Grupo Hospitalar Conceição, 2012-2013 EDITORIAL

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

Magnitude, custos econômicos e políticas de controle da violência no Rio de Janeiro

Magnitude, custos econômicos e políticas de controle da violência no Rio de Janeiro Banco Interamericano de Desenvolvimento Inter-American Development Bank Escritório do Economista-Chefe Office of the Chief Economist Latin American Research Network Working paper Rede de Centros de Pesquisa

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DE VIOLÊNCIAS E ACIDENTES DO ESTADO DO PARANÁ

PLANO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DE VIOLÊNCIAS E ACIDENTES DO ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Saúde do Paraná SESA Superintendência de Vigilância em Saúde - SVS Departamento de Vigilância em Saúde - DEVE Divisão de Vigilância Doenças Não Transmissíveis DVDNT PLANO ESTADUAL

Leia mais

CRI R AN A ÇA Ç SEGURA R Safe Kids Bras B il il 2009

CRI R AN A ÇA Ç SEGURA R Safe Kids Bras B il il 2009 CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil 2009 CRIANÇA SEGURA Organização sem fins lucrativos presente no Brasil desde 2001, com atuação nacional. Missão: Promover a prevenção de acidentes com crianças e adolescentes

Leia mais

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde:

Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas. Prof. Marcos Mendes. é Realizada pelo Ministério da Saúde: Desafio da Gestão dos Planos de Saúde nas empresas Prof. Marcos Mendes 26 de novembro de 2015 A Regulação da Saúde no Brasil é Realizada pelo Ministério da Saúde: Diretamente sobre os sistemas públicos

Leia mais

Óbitos de mulheres em idade fértil e óbitos maternos Notas Técnicas. Origem dos dados

Óbitos de mulheres em idade fértil e óbitos maternos Notas Técnicas. Origem dos dados Óbitos de mulheres em idade fértil e óbitos maternos Notas Técnicas Origem dos dados Os dados disponíveis são oriundos do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), sistema este gerido pelo Departamento

Leia mais

Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011

Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011 AL Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011 ALAGOAS 1 Copyright 2011-1ª Edição Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS Tiragem: 100 Impresso no Brasil Brasil. Conselho Nacional

Leia mais

Notificações de violência doméstica, sexual e outras violências contra crianças no Brasil. reports of domestic, sexual and other forms of violence

Notificações de violência doméstica, sexual e outras violências contra crianças no Brasil. reports of domestic, sexual and other forms of violence 23 Notificações de violência doméstica, sexual e outras violências contra crianças no Brasil Reports of domestic, sexual and other forms of violence against children in Brazil ARTIGO ARTICLE one Gonçalves

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENFERMAGEM Bárbara Hannelore da Silva Mendes * Sérgio Viana Peixoto ** Perfil demográfico e epidemiológico do município de Ribeirão das Neves, Minas Gerais:

Leia mais

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ

PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPACTO DA VIOLÊNCIA NA SAÚDE DAS CRIANÇAS E ADOLESCENTES PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIAS E PROMOÇÃO DA CULTURA DE PAZ VOCÊ É A PEÇA PRINCIPAL PARA ENFRENTAR ESTE PROBLEMA Brasília - DF 2008

Leia mais

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 CONTEXTUALIZANDO: A variação de despesas nos últimos 8 anos superou

Leia mais

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL:

INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: INDICADORES BÁSICOS PARA A SAÚDE NO BRASIL: CONCEITOS E APLICAÇÕES Brasilia, 2008 2008 Organização Pan-Americana da Saúde Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra,

Leia mais

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS

A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS A EVITABILIDADE DE MORTES POR DOENÇAS CRÔNICAS E AS POLÍTICAS PÚBLICAS VOLTADAS AOS IDOSOS Niedja Maria Coelho Alves* nimacoal@hotmail.com Isabelle Carolline Veríssimo de Farias* belleverissimo@hotmail.com

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde

Fed Estado DF O cálculo da União não X possui percentual de aplicada em saúde Anexo RELATÓRIO DE INDICADORES DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DO PACTO PELA SAÚDE - 2007 A. INDICADORES PRINCIPAIS Denominação Método de Cálculo Fonte Parâmetro/Meta Nacional/ Referência Situação Local Meta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS DIABETES MELLITUS E AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE EM IDOSOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS DIABETES MELLITUS E AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE EM IDOSOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS DIABETES MELLITUS E AUTOAVALIAÇÃO DE SAÚDE EM IDOSOS ÉRICA QUINTILIANO OLIVEIRA DOURADOS MS 2015 ÉRICA QUINTILIANO OLIVEIRA DIABETES MELLITUS E AUTOAVALIAÇÃO DE

Leia mais

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos

Vigilância em saúde para prevenção de surtos de doenças de transmissão hídrica decorrentes dos eventos climáticos extremos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenação Geral de Doenças Transmissíveis Unidade de Vigilância das Doenças de Transmissão

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Área de Formação: 762. Trabalho Social e Orientação O Técnico Auxiliar de Geriatria é o profissional com múltiplas competências para poder desempenhar as suas funções

Leia mais

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS Área Temática: Saúde Helenara Salvati Bertolossi Moreira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Helenara Salvati

Leia mais

Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro

Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro Indicadores de Transição Pacto pela Saúde Contrato Organizativo da Ação Pública da Saúde - COAP 2012 Rio de Janeiro Contém os resultados, desde 2008, dos indicadores pactuados em 2012 pelos municípios

Leia mais

4. População de estudo

4. População de estudo 4. População de estudo A população de estudo é representada por 23.457 indivíduos, residentes em 10.172 domicílios, conforme figura 4.1 abaixo. No Anexo C encontram-se as informações referentes à distribuição

Leia mais

INTRODUÇÃO. As análises de impacto e de vidas poupadas foram realizadas desagregando Unidades da Federação, Capitais e Regiões Metropolitanas.

INTRODUÇÃO. As análises de impacto e de vidas poupadas foram realizadas desagregando Unidades da Federação, Capitais e Regiões Metropolitanas. UNESCO INTRODUÇÃO O presente documento sintetiza os resultados da análise dos dados de mortalidade por armas de fogo divulgados no Ministério da Saúde em 2 de setembro de 2005. A análise foi realizada

Leia mais

Morbidade hospitalar por causas externas no Município de São José dos Campos, Estado de São Paulo, Brasil *

Morbidade hospitalar por causas externas no Município de São José dos Campos, Estado de São Paulo, Brasil * Artigo original Morbidade hospitalar por causas externas no Município de São José dos Campos, Estado de São Paulo, Brasil * Hospital Admission Morbidity Due to External Causes in the Municipality of São

Leia mais

REUNIÃO DO COMITE DE GESTÃO DE INDICADORES DE COBERTURA

REUNIÃO DO COMITE DE GESTÃO DE INDICADORES DE COBERTURA REUNIÃO DO COMITE DE GESTÃO DE INDICADORES DE COBERTURA Relatório Versão 1 Data e hora: 09.05.2014, de 9.00 às 14:00 Local: Rua México, 128, 8º andar, Rio de Janeiro. Participantes: RIPSA João B. Risi

Leia mais

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia Secretaria da Saúde do Estado da Bahia- SESAB Diretoria de Vigilância Epidemiológica- DIVEP Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis- DANT A notificação da violência doméstica e sexual na Bahia

Leia mais

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC Quedas são eventos adversos em que um indivíduo cai inadvertidamente ao chão ou em outro nível. Isto pode ser devido a um escorregão ou tropeço, perda do equilíbrio

Leia mais

Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011

Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011 AM Caderno de Informações para a Gestão Estadual do SUS - 2011 AMAZONAS 1 Copyright 2011-1ª Edição Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS Tiragem: 100 Impresso no Brasil Brasil. Conselho Nacional

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DO SUS GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE Baseado no Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS Elaborado

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte.

PALAVRAS-CHAVE: Mortalidade Infantil. Epidemiologia dos Serviços de Saúde. Causas de Morte. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA Jessica Neves Pereira (latiifa@hotmail.com)

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE Conceito: Como em qualquer outra atividade, no setor saúde a informação deve ser entendida como um redutor de incertezas, um instrumento para detectar focos prioritários,

Leia mais

Grupamento de Socorro de Emergência Dr Sidney Franklin

Grupamento de Socorro de Emergência Dr Sidney Franklin Grupamento de Socorro de Emergência Dr Sidney Franklin Conceito Básico do Pré-Hospitalar O tratamento definitivo é hospitalar Redução do tempo na cena < 10 m. Estabilização do quadro clínico Redução da

Leia mais

1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE

1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE 1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE INDICADORES DE DESNUTRIÇÃO Peso e altura são duas das principais características antropométricas sensíveis às condições de vida e nutrição de crianças e adolescentes

Leia mais

Estratégia: Articulação interinstitucional

Estratégia: Articulação interinstitucional CGDIS/DATASUS/SE/MS Antecedentes Sistemas, bases de dados e fontes de informação (saúde e outros setores) Disponibilidade na Internet Limitações: cobertura, qualidade, integração e comparabilidade Uso

Leia mais

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15

Vigilância em Saúde. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2014. Nesta Edição: ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações ANO 4 Nº 01 ANUAL JANEIRO 15 Nesta Edição: 1. Perfil do Tétano em Alagoas de 2007 a 2. Intensificação das Ações

Leia mais

Informações em Saúde. Dados de Inquéritos. Zilda Pereira da Silva

Informações em Saúde. Dados de Inquéritos. Zilda Pereira da Silva Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Inquéritos Populacionais Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS

2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS 2º CONGRESSO PERNAMBUCANO DE MUNICÍPIOS O PACTO DE GESTÃO DO SUS E OS MUNICÍPIOS José Iran Costa Júnior Secretário Estadual de Saúde 24/03/2015 Faixa Etária (anos) CARACTERIZAÇÃO SÓCIODEMOGRÁFICA DE PERNAMBUCO

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DO SUS GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE Baseado no Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS Elaborado

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES SOBRE A MORBIDADE E MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS NO BRASIL UMA REVISÃO DE LITERATURA

ANÁLISE DA QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES SOBRE A MORBIDADE E MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS NO BRASIL UMA REVISÃO DE LITERATURA ANÁLISE DA QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES SOBRE A MORBIDADE E MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS NO BRASIL UMA REVISÃO DE LITERATURA Viviane Maria Sutile 1 Rute Michelin Galesi Campelo 2 Sérgio Lopes de Moraes

Leia mais

ÂNGELA CAVALCANTI MARCONDES ACIDENTES E VIOLÊNCIAS: DEMANDAS NOS SERVIÇOS DE PRONTO-ATENDIMENTO DE OLINDA/2006

ÂNGELA CAVALCANTI MARCONDES ACIDENTES E VIOLÊNCIAS: DEMANDAS NOS SERVIÇOS DE PRONTO-ATENDIMENTO DE OLINDA/2006 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS AGGEU MAGALHÃES DEPARTAMENTO DE SAÚDE COLETIVA Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva ÂNGELA CAVALCANTI MARCONDES ACIDENTES E VIOLÊNCIAS: DEMANDAS NOS

Leia mais