TESTE DO SISTEMA OBJETIVO DA SEÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TESTE DO SISTEMA OBJETIVO DA SEÇÃO"

Transcrição

1 OBJETIVO DA SEÇÃO I. Lembrar-se dos requisitos de equipamentos de testes para cabos de pares trançados balanceados e fibras ópticas e seu uso adequado. II. Lembrar-se dos requisitos de testes de enlace permanente e canal para cabos TP balanceados, e instalações de enlace permanente para cabeamento óptico. III. Compreender os parâmetros de teste definidos, uma vez que estes pertencem à qualificação de uma garantia do Sistema de Cabeamento Siemon. IV. Descrever os parâmetros de teste apropriados para o teste, bem como cobertura de garantias, conforme definido no Anexo D. Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. 10-1

2 EQUIPAMENTO DE TESTE Testadores de Campo para Cabos TP Balanceados Aprovados - 1 Todos os testes de transmissão devem ser executados com um testador para cabos TP balanceados de um dos fabricantes no Web site Ally da Siemon Observação: Os testadores de campo dos fabricantes foram aprovados pela The Siemon Company para uso na qualificação do cabeamento instalado em uma Garantia do Sistema de Cabeamento Siemon. Não todos os testadores são aprovados para testar o Sistema de Cabeamento Siemon. Tenha certeza de identificar quais testadores estão aprovados para testes no Sistema de Cabeamento Siemon instalado. Software do Testador - 2 Todos os testadores de campo devem ter a última versão do software instalado para fornecer os parâmetros e valores de teste mais precisos e atuais. Observação: A verificação da versão do software instalado nos testadores de campo que estão sendo utilizados em comparação com a última versão disponível do fabricante do equipamento de teste deve ser feita regularmente. As versões mais antigas do software dos testadores de campo podem não fornecer os parâmetros de teste exigidos pela The Siemon Company. Uso Adequado - 3 Deverão ser seguidas as exigências e recomendações para procedimentos e precauções relacionados a conexões, configuração de teste e medição especificada nos manuais fornecidos juntamente com o testador. - 1 Recomenda-se que os usuários recebam treinamento pelo fabricante do testador de campo, visando assegurar o uso adequado do mesmo. Observação: É importante que os usuários destes testadores de campo estejam familiarizados com a configuração, e uso adequado, para obter resultados de teste precisos. Calibração de Fábrica - 4 Todos os testadores de campo deverão ser calibrados pelo fabricante de acordo com as exigências do manual do fabricante do equipamento de teste que é fornecido com o testador de campo. As provas de calibração de fábrica para os testadores de campo devem ser fornecidas para a Siemon Company quando solicitadas. Observação: Um método para verificar a repetitividade do testador de campo é a construção de um enlace de referência. Devido a danos nos cabos dos adaptadores para teste de enlaces, os testadores podem ser periodicamente testados com um enlace de referência. The Siemon Company (Confidencial) Janeiro 1, Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M.

3 Opções de Teste - 5 As configurações de autoteste disponíveis no testador de campo para teste do cabeamento instalado devem ser definidas para os parâmetros padrão. Quaisquer configurações de autoteste que forem modificadas para alterar os parâmetros de teste poderão desqualificar os resultados de teste. - 6 As configurações de teste selecionadas a partir das opções disponíveis nos testadores de campo devem ser compatíveis com o cabeamento instalado sob teste. Observação: É importante selecionar as definições adequadas de teste com base nos componentes instalados e na configuração do sistema de cabeamento a ser testado. As definições do testador que devem ser revisadas para o teste adequado incluem o Enlace Permanente ou Canal, tipo de cabo, NVP e desempenho da classe/categoria a ser qualificada. - 7 O teste de continuidade deve ser executado utilizando-se qualquer um dos testadores aprovados indicados no Web site Ally da Siemon. O STM-8 e o MT-5000 também podem ser utilizados. Observação: Os cabos multipares TP balanceados usados no backbone são projetados para suportar apenas aplicações de voz. Todos os canais de cabo de cobre do backbone de até 2000 m (6550 pés) de comprimento, projetados para aplicações de voz precisam ter somente sua continuidade testada. Cordões de Testes/Adaptadores de Testes - 8 Todos os cordões de testes TP balanceados utilizados para a certificação do modelo Enlace Permanente devem ser fornecidos e verificados pelo fabricante do equipamento de teste para atender ou superar os requisitos das normas ISO/IEC 11801: ª Edição e ANSI/TIA/EIA-568-C.1 e devem ser qualificados para testar o cabeamento Categoria 5e ou superior. Observação: Os cabos adaptados de enlace e plugues podem se deteriorar com o uso afetando a precisão e a confiabilidade dos resultados dos testes. Devem ser seguidas as normas do fabricante em relação à vida útil destes componentes. - 9 Os adaptadores de cabos TP balanceados necessários para fixar os cabos de teste ao hardware de conexão devem atender ou superar a categoria de desempenho do modelo Enlace Permanente ao qual eles se conectam. Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. 10-3

4 TESTE DE PAR TRANÇADO BALANCEADO As especificações a seguir são fornecidas para testes de qualificação de cabos de par trançado balanceado instalados. Deve-se observar que as exigências de teste para esta seção não são suficientes para qualificar um sistema para a Garantia Estendida do Sistema de Cabeamento Siemon Os modelos de Enlace Permanente Horizontal e de Backbone requerem que os resultados dos testes sejam armazenados usando-se a configuração de Enlace Permanente disponível nos equipamentos de teste. 11 Os modelos Canal Horizontal e Backbone requerem que os resultados dos testes sejam armazenados usando-se a configuração de Canal disponível nos equipamentos de testes de campo. The Siemon Company (Confidencial) Janeiro 1, Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M.

5 MODELOS DE TESTE PARA CABOS TP BALANCEADOS (ENLACE permanente) Aspectos Gerais Esta seção abrange os métodos de teste para cabos TP balanceados e as informações necessárias para a certificação do cabeamento instalado com base nas diversas garantias oferecidas pela The Siemon Company. Os diagramas foram fornecidos para esclarecimento dos diferentes modelos de teste. MODELO DE TESTE DE ENLACE PERMANENTE HORIZONTAL Teste de Enlace Permanente Horizontal [ 90 m (295 pés)] - 12 O Teste de Enlace Permanente Horizontal consiste de todos os elementos do modelo de Enlace Permanente descritos na seção Distribuição Horizontal deste manual. Enlace Permanente Horizontal - Cabo TP Balanceado Teste de b + c 90 m (295 pés) Mostra o segmento sob teste para Enlace Permanente, a + d são cordões do testador de campo MODELO DE TESTE DE ENLACE PERMANENTE DE BACKBONE Teste de Enlace Permanente de Backbone [ 90 m (295 pés)] - 13 O Teste de Enlace Permanente de Backbone consiste de todos os elementos do enlace permanente de backbone conforme descritos na seção Distribuição de Backbone deste manual. Teste de Enlace Permanente de Backbone -TP Balanceado b 90 m (295 pés) para classe D, E, E A, F e F A /categoria 5e, 6, 6A, 7 ou 7A Mostra o segmento sob teste para Enlace Permanente, a + c são cordões do testador de campo. Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. 10-5

6 MODELOS DE TESTES CABOS TP (CANAL) Teste de Canal Horizontal [ 100 m (328 pés)] - 14 O Teste de Canal Horizontal consiste de todos os elementos de cabeamento do modelo Canal Horizontal, descritos na seção Distribuição Horizontal deste manual, onde a extensão total combinada dos cabos de equipamentos, patch cords ou jumpers não deve ser superior a 25 m (82 pés) para cabos UTP, F/UTP, S/FTP balanceados, com base na fórmula de cabeamento para escritório aberto descrita na seção Distribuição Horizontal. Teste de Canal Horizontal - TP Balanceado c + d 90 m (295 pés) a 5 m (16 pés) diagrama superior a + b 5 m (16 pés) diagrama inferior Mostra o segmento sob teste para o Canal, e 20 m (66 pés)/mutoa a + b + e 25 m (82 pés) a + b + c +d + e 100 m (328 pés) Observação: O arredondamento de metros para pés reflete uma ligeira diferença no exemplo acima. The Siemon Company (Confidencial) Janeiro 1, Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M.

7 MODELOS DE TESTE - TP BALANCEADO (CANAL) Teste de Canal de Backbone [ 100 m (328 pés)] - 15 O Teste de Canal de Backbone consiste de todos os elementos do cabeamento do modelo Canal de Backbone, descritos na seção Distribuição de Backbone deste manual, onde a extensão total combinada dos cabos de equipamentos, patch cords ou jumpers não deve ser superior a 25 m (82 pés) para cabos TP balanceados. Teste de Canal de Backbone -TP Balanceado c 90 m (295 pés) para certificação das classes D,E e F/categoria 5e, 6 e 7 a + b + d + e 25 m (82 pés) a + b + c + d + e 100 m (328 pés) Mostra o segmento sob teste para Canal, Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. 10-7

8 PARÂMETROS DEFINIDOS PARA CABEAMENTO DE PT BALANCEADO Os seguintes parâmetros de transmissão para o teste de campo do cabeamento instalado foram definidos para melhor compreensão dos resultados dos testes fornecidos pelo testador de campo e como uma ferramenta para tomar a ação corretiva caso qualquer um dos parâmetros de teste falhe. Os parâmetros de desempenho abaixo mencionados se baseiam nas exigências conforme definido nas normas da indústria. Wire Map (Pinagem) O Teste de Wire Map verifica a continuidade pino a pino em cada extremidade de um cabo fixo para um esquema de pinagem aceito. Cada um dos oito condutores do cabo é verificado quanto à continuidade, curtos-circuitos, pares cruzados, pares inversos, pares divididos e outras instalações incorretas. Continuidade da Blindagem A continuidade da blindagem é determinada durante o teste de Wire Map. No caso da utilização de cabos blindados e do hardware de conexão blindado, é importante verificar se a blindagem do cabo está terminada adequadamente no hardware de conexão. Comprimento O comprimento físico máximo do Enlace Permanente é de 90 m (295 pés). O comprimento físico máximo do Canal é 100 m (328 pés), e inclui os cordões de equipamentos e patch cords Todos os testadores devem ter a Velocidade Nominal de Propagação (NVP) adequadamente definida para o tipo de cabo que está sendo testado. Observação: O ajuste correto da NVP ou a seleção do cabo em teste no banco de dados do testador de campo proporcionará medições de comprimento mais precisas. Perda de Inserção (Atenuação) A atenuação é uma medida da perda de potência do sinal ao se propagar pelo Enlace Permanente ou Canal. A atenuação total inclui a atenuação cumulativa de cada um dos seguintes elementos: hardware de conexão, cabo fixo, patch cords, jumpers e cabos de testes/cabos de equipamentos. Parâmetros de Diafonia Perda de NEXT (Paradiafonia, par-a-par). The Siemon Company (Confidencial) Janeiro 1, 2012 A paradiafonia é uma medida do acoplamento de sinal indesejado de um transmissor local em um par adjacente medido na mesma extremidade Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M.

9 O teste de NEXT par-a-par apresenta resultados para seis (6) combinações de interferência entre os pares, para um cabo de 4 pares. Visto que os sistemas de telecomunicações transmitem a partir das duas extremidades do cabeamento, é necessário medir os resultados de NEXT para ambas as extremidades. Todos os testadores aprovados apresentam resultados de NEXT para as duas extremidades com um único teste. Estes dispositivos de testes têm unidades remotas bidirecionais para executar tais medições em um único teste. Perda de NEXT (Power sum) O power sum NEXT é um cálculo do acoplamento de sinal indesejado a partir de vários transmissores na extremidade local em um par adjacente medido na mesma extremidade. O teste de power sum NEXT apresenta resultados para cada par do cabo (um resultado por par). Visto que os sistemas de telecomunicações transmitem a partir das duas extremidades do cabeamento e podem utilizar todos os quatro pares de um cabo (Full Dúplex), é necessário fornecer resultados de power sum NEXT para as duas extremidades do cabeamento. Todos os testadores qualificados fornecem resultados de NEXT para as duas extremidades com um único teste. Estes dispositivos de teste têm remotos bidirecionais para executar tais medições em um teste apenas. Relação entre Atenuação e Diafonia (ACR) par a par Os requisitos de ACR se aplicam somente às classes D, E e F. ACR par a par é um cálculo da diferença entre o NEXT par a par e a perda por inserção (IL) do cabeamento, medido em db. Visto que os sistemas de telecomunicações transmitem a partir de ambas as extremidades do cabeamento e podem usar os quatro pares de um cabo (full duplex), é necessário fornecer resultados de ACR par a par para ambas as extremidades do cabeamento. Todos os testadores qualificados fornecem resultados ACR par a par para ambas as extremidades do cabeamento sob teste. Razão entre Atenuação e Diafonia (ACR soma de potências) PS ACR par a par é um cálculo da diferença entre o PS NEXT e a perda por inserção do cabeamento medido em db. A Razão entre a Atenuação da Soma de Potências e Diafonia (OS ACR) é um cálculo da diferença entre o PS NEXT e a perda por inserção de cada par de um canal. Visto que os sistemas de telecomunicações transmitem a partir de ambas as extremidades do cabeamento e podem usar os quatro pares do cabo (Full Duplex), é necessário fornecer resultados de PS ACR para ambas as extremidades do cabeamento. Todos os testadores qualificados fornecem resultados PS ACR para ambas as extremidades do cabeamento sob teste. Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M. 10-9

10 FEXT e ACRF A telediafonia é o acoplamento de sinal indesejado a partir do transmissor na extremidade local medido em um par adjacente na extremidade oposta. O ACRF é expresso em db como a diferença entre a perda de FEXT medida e a atenuação do par em que se realiza a medição. ACRF (db) = FEXT(dB) - ATENUAÇÃO(dB) Perda de ACRF (par-a-par) O teste de ELFEXT par-a-par apresenta resultados para seis (6) combinações (par-a-par) para um cabo de 4 pares. Visto que os sistemas de telecomunicações transmitem a partir das duas extremidades do cabeamento, é necessário apresentar os resultados de ELFEXT para as duas extremidades do cabeamento. Todos os testadores aprovados fornecem resultados de ELFEXT para as duas extremidades com um único teste. Estes dispositivos de teste têm remotos bidirecionais para executar tais medições em um teste apenas. PSACRF (Power sum) A perda de PS-ELFEXT é um cálculo do acoplamento de sinal indesejado proveniente de vários transmissores na extremidade local, medido em um par adjacente, porém, na extremidade oposta a qual se encontra o sinal interferente em relação ao nível do sinal recebido neste par. O teste de power sum ELFEXT fornece o resultado calculado para cada par do cabo (um resultado por par). Visto que os sistemas de telecomunicações transmitem a partir das duas extremidades do sistema de cabeamento e pode utilizar todos os 4 pares de um cabo (Full Duplex), é necessário apresentar os resultados de power sum ELFEXT para as duas extremidades do cabeamento. Todos os testadores qualificados apresentam resultados de ELFEXT para as duas terminações com um único teste. Estes dispositivos de teste têm remotos bidirecionais para executar estas medições em um teste apenas. Perda de Retorno A perda de retorno é uma medida de sinais refletidos causados por descasamento de impedância em um Enlace Permanente ou Canal em um sistema de cabeamento estruturado. A perda de retorno é especialmente importante para aplicações que utilizam transmissão bidirecional simultânea. Atraso de Propagação O atraso de propagação é o tempo (em nano segundos) que um sinal leva para se propagar ao longo de um par de condutores em um segmento de cabo. O atraso de propagação é uma medição em tempo num cabo de 4 pares de 100 Ω. É o intervalo de tempo entre a transmissão e recepção de um sinal através de um cabo de 4 pares de 100 Ω. The Siemon Company (Confidencial) Janeiro 1, Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M.

11 Desvio de Atraso de Propagação (Delay Skew) O desvio de atraso de propagação é a diferença do atraso de propagação entre quaisquer dois pares dentro do mesmo cabo. É a medição em tempo da diferença de atraso de propagação entre os pares de transmissão mais rápido e mais lento dentro de um cabo de pares trançados balanceados em um Enlace Permanente ou Canal em um sistema de cabeamento estruturado. O desvio de atraso de propagação é exigido para aplicações que utilizam vários pares para a transmissão paralela. Resistência de Loop D.C. A resistência D.C. loop somente se aplica às classes D, E e F. Esta resistência é uma medição da soma total da resistência d.c dos condutores individuais em um par. O testador mede a resistência do loop de cada condutor do par separadamente. REQUISITOS DO TESTE - 17 Todos os modelos de Enlace Permanente de cabos TP balanceados horizontal e de backbone com comprimentos de cabos fixos que não sejam superiores a 90 m (295 pés) e modelos de Canal TP balanceado com extensões totais de cabo, incluindo os patch cords/jumpers de crossconnects e cabos de equipamentos que não sejam superiores a 100 m (328 pés) devem ser 100% testados. 18 Todos os conjuntos de cabos Truncados fabricados pela Siemon como parte do Enlace ou Canal são necessários ser testados em campo após a instalação Os requisitos de desempenho para cabeamento classe D, E, e F/ Categoria 5e, 6, 6 A e 7 (Enlace Permanente ou Canal) devem incluir os seguintes parâmetros conforme as normas ISO/IEC 11801: 2002 Segunda Edição ou ANSI/TIA/EIA-568-B.1 e ANS/TIA/EIA-568-B.1-2: WIRE MAP incluindo Continuidade de Blindagem (quando presente) COMPRIMENTO PERDA DE INSERÇÃO Perda de NEXT (par-a-par) Perda de NEXT (power sum) ACR* (par a par) ACR* (power sum) ELFEXT (par a par) ELFEXT (power sum) Perda de RETORNO ATRASO NA PROPAGAÇÃO Desvio de Atraso de propagação (DELAY SKEW) RESISTÊNCIA DE LOOP D.C.* *Nota: Parâmetro de teste não exigido pela SIEMON. Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

12 - 20 Os testadores de campo que apresentam um resultado PASS para cada um dos parâmetros, definidos nas normativas 19, com base nos requisitos de testes apropriados, devem ser salvos na memória do testador de campo e enviados para garantia Os testes de campo que apresentam um resultado PASS*, FAIL* ou FAIL para qualquer um dos parâmetros definidos nas normativas 19 não devem ser gravados na memória do testador de campo e não devem ser enviados para garantia. Observação 1 Os resultados de testes que contêm um asterisco estão dentro da faixa de precisão do testador de campo. Quaisquer resultados relatados com um asterisco podem ser utilizados para informar o instalador para tomar as ações corretivas. Observação 2 No caso de resultados não satisfatórios em enlaces que já foram submetidos a medidas corretivas, favor contatar o representante técnico da The Siemon Company para solução. DOWNLOAD DOS RESULTADOS DE TESTES - 22 Deve ser feito o download de todos os resultados de testes PASS na base de dados do software que foi fornecido pelo fabricante do testador de campo. Os resultados que não forem enviados neste formato poderão não ser aceitos. TESTE DE FIBRA ÓPTICA Aspectos Gerais Esta seção especifica as exigências mínimas de desempenho para o teste de campo dos sistemas de cabeamento de fibra óptica. O objetivo desta seção é fornecer os procedimentos de teste e os valores de aceitação para cabeamento de backbone de monomodo e multímodo de 62,5/125 µm, 50/125 µm, bem como cabeamento horizontal multímodo 62,5/125 µm, 50/125 µm. Equipamento de Teste (Fibra Óptica) Testadores de Campo Aprovados - 23 O teste do cabeamento de fibra óptica deve ser executado com um medidor de potência e fonte de luz qualificados. Os equipamentos de testes indicados no Anexo C e definidos no web site da Siemon que utilizam adaptadores para testes de fibra óptica são aceitáveis para qualificar o cabeamento de fibra óptica. Outros medidores de perda de potência óptica e fontes de luz, não indicados no Anexo C podem ser também utilizados. Favor entrar em contato com o suporte técnico local da Siemon para maiores informações a respeito de equipamentos de testes qualificados para testes de enlaces ópticos. The Siemon Company (Confidencial) Janeiro 1, Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M.

13 Uso Adequado - 24 As diretrizes e requisitos para procedimentos de conexões, configurações de testes e medições especificados nos manuais fornecidos com os testadores de fibra óptica devem ser seguidos. Observação: É importante que os usuários dos medidores de potência e fontes de luz estejam familiarizados com a configuração adequada e uso dos testadores de campo para obterem resultados de teste precisos. Calibração de Fábrica - 25 Todos os medidores de potência e fontes de luz devem ser calibrados na fábrica pelo fabricante do testador de campo de acordo com as exigências contidas no manual do fabricante do testador fornecido com o testador de campo. Os certificados de calibração dos testadores de campo devem ser apresentados à The Siemon Company quando solicitados. Cordões de Testes - 26 Os cabos de teste de fibra utilizados para acessar os hardwares de conexão nas instalações de cross-connects e Saídas de Telecomunicações devem ser compatíveis com o cabeamento ao qual ele se conecta Todos os cordões de testes usados para certificação do cabeamento devem ser fornecidos pelos fabricantes dos equipamentos de testes ou pela The Siemon Company. Limpeza da Fibra Óptica Contaminantes é a principal causa da alta perda de sistema e pode ser facilmente transferida entre conectores. Todo dia partículas podem ter resultados prejudiciais em fibras ópticas. Felizmente, empregando procedimentos de limpeza adequados e utilizando um bom método preventivo tal como tampas contra pó, em muitos casos esta perda pode ser melhorada ou eliminada. Para maior segurança é assegurado que todos os conectores estão limpos antes do teste. Isto inclui ambos os sistemas de fibra óptica assim como o cordão de teste usado para testar o sistema Método de limpeza a seco deve usar varas de limpeza que minimizam a estática, são especialmente projetados para limpar fibra óptica e estão disponíveis para conectores MPO multi-fibras assim como conectores de fibra LC e SC Para uma contaminação significativa, métodos de solventes líquidos deve ser usado. As propriedades de quebramento da ligação estática que não deixa resíduo fazem esta uma ferramenta ideal para remover contaminação pesada ou persistente. Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

14 Requisitos de Teste (Fibra Óptica) - 30 Todos os Enlaces de fibra óptica horizontal e de backbone devem ser 100% testados quanto à atenuação e comprimento. Incluído todo o conjunto de Cabos Truncadados (fibra) fabricados pela Siemon e dispositivos MPO que são parte do Enlace ou Canal Todos os Enlaces de fibra óptica horizontal e de backbone devem ser testados quanto à atenuação usando o método de referência jumper-1. Observação: A largura de banda (multímodo) e a dispersão (monomodo) são parâmetros de desempenho importantes, porém, como as práticas de instalação não afetam de forma adversa estes parâmetros, eles são apenas verificados em fábrica e não requerem testes de campo. Os diagramas e passos seguintes foram incluídos neste manual para explicar apropriadamente os requisitos de referência usados para os testes de Enlaces Ópticos utilizando-se o método de um jumper de referência. A figura A mostra o Enlace Óptico sob teste, assim como os cabos do equipamento óptico (jumpers de fibra) que serão introduzidos no enlace para ativá-lo. Passo 1 Figura A Conecte a fonte de luz e o medidor de potência com o Cabo de Teste Nº 1 (veja a Figura B). Meça o valor da potência e o marque como P 1. P 1 é a potência de lançamento de referência. The Siemon Company (Confidencial) Janeiro 1, Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M.

15 Figura B Passo 2 Retire o Cabo de Teste Nº 1 do medidor de potência. Conecte o Cabo de Teste Nº 2 ao medidor de potência. Com o auxílio de um hardware de conexão (adaptador) apropriado, conecte o Cabo de Teste Nº 1 com o Cabo de Teste Nº 2 (veja a Figura C). Passo 3 Figura C Meça o valor da potência e o marque como P 1-2. Desconecte os cabos de teste entre si e, em seguida, os conecte e meça o valor da potência novamente. Repita este procedimento várias vezes (3 a 5). Todos os valores medidos devem ser menores que 0,75 db (P 1-2 P 1 ) e ligeiramente diferentes um do outro. Valores medidos acima de 0,75 db indicam que um ou ambos os cabos de teste estão defeituosos. Observação: Ao realizar as medições, não desconecte o Cabo de Teste Nº 1 da fonte de luz nem o Cabo de Teste Nº 2 do medidor de potência, além disso, não desligue a fonte de luz nem o medidor de potência. Se, ocasionalmente, ocorrer uma destas ações, repita os passos 1 a 3. Passo 4 Desconecte os cabos de teste entre si. Conecte os Cabos de Teste Nº 1 e 2 na extremidade correspondente do enlace de fibra óptica a ser testado (veja a Figura D). Meça e marque o valor da potência como P 2. Perda da potência óptica (db) = P 1 P 2. Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

16 Figura D Observação 1: A informação no método de referência jumper-1 proporciona a verificação dos cabos de teste usados para testes do enlace de fibra óptica. O uso de cabos de teste de fibra óptica qualificados e de um medidor de potência e fonte de luz que contenham um recurso de botão de referência pode eliminar algumas das etapas de qualificação. Observação 2: Na utilização de testadores de campo da lista apresentada no Anexo C deste manual para a medição do comprimento e atenuação, siga às instruções do fabricante do equipamento escolhido para sua devida configuração e uso. Limites de Desempenho Atenuação - 32 Todos os enlaces de fibra óptica multímodo de 62,5/125 µm ou 50/125 µm horizontal devem ser 100% testados quanto à atenuação em 850 nm ou em 1300 nm em pelo menos um sentido com um medidor de potência e fonte de luz Todos os enlaces de fibra óptica multímodo ou monomodo de 62,5/125 µm e 50/125 µm de backbone devem ser 100% testados quanto à atenuação em 850 nm e 1300 nm para multímodo, e em 1310 nm e 1550 nm para monomodo em pelo menos um sentido com um medidor de potência e fonte de luz. 34 Todos os enlaces de fibra óptica centralizados deverão ser 100% testados quanto a atenuação em 850 nm em 1300 nm em pelo menos uma direção com um medidor de potência e uma fonte de luz Os enlaces de backbone ou enlaces maiores que 90 m (295 pés) devem ter a aceitação de atenuação com base no cálculo fornecido abaixo: Atenuação de enlace = atenuação de cabo mais atenuação de conector mais atenuação de emenda. 36 Links de fibra óptica deve ter a atenuação aceitável baseada nos cálculos de fibra óptica Siemon para a solução em fibra apropriada. Os cálculos de fibra óptica devem ser determinados usando a Calculadora de Perda de Fibra localizada no Web site Ally Siemon, The Siemon Company (Confidencial) Janeiro 1, Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M.

17 PLANILHA DE FIBRA ÓPTICA Fórmulas para Determinar a Atenuação Aceitável do Enlace Coeficiente de Atenuação do Cabo (db/km) [vezes] Extensão do cabo (km) x [igual] Atenuação do Cabo (db) = Número de Pares de Conectores [vezes] Perda do Conector x (por par casado) x [igual] Atenuação do Conector (db) = Número de Pares de Emendas [vezes] Perda da Emenda x [igual] Atenuação da Emenda = Atenuação do Enlace [mais] Atenuação do Conector + [mais] Atenuação da Emenda + [igual] Atenuação do Enlace = Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

18 Comprimento - 37 Todos os enlaces de fibra óptica horizontal e de backbone devem ser 100% testados quanto ao comprimento por uma das seguintes formas: Um OTDR Dispositivo de medição de teste óptico capaz de fornecer o comprimento Marcas de medição sequenciais existentes nos cabos de fibra óptica - 38 O comprimento medido da parte do cabo fixo de qualquer enlace de fibra óptica não deve exceder aqueles especificados para cabeamento horizontal ou de backbone nas seções Distribuição Horizontal e Distribuição de Backbone deste manual. Este comprimento pode basear-se no comprimento físico do cabo conforme identificado pelas marcações vindas da fábrica em segmentos ininterruptos. Verificação de Cabo - 2 Todos os cabos de fibra óptica devem ser testados na bobina quanto ao seu comprimento antes da instalação para determinar se há algum rompimento no cabo de fibra óptica. Isto inclui o conjunto de cabos truncados pré-terminados. The Siemon Company (Confidencial) Janeiro 1, Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M.

19 RESUMO NORMATIVO Teste Todos os testes de transmissão devem ser executados com um testador para cabos TP balanceados de uma lista de fabricantes listados no Anexo C deste manual e conforme especificado no web site da Siemon Todos os testadores de campo devem ter a última versão do software instalado para fornecer os parâmetros e valores de teste mais precisos e atuais. Deverão ser seguidas as exigências e recomendações para procedimentos e precauções relacionados a conexões, configuração de teste e medição especificadas nos manuais fornecidos juntamente com o testador. Todos os testadores de campo deverão ser calibrados pelo fabricante de acordo com as exigências do manual do fabricante do equipamento de teste que é fornecido com o testador de campo. As provas de calibração de fabrica para os testadores de campo devem ser fornecidas para a Siemon Company quando solicitadas. As configurações de autoteste disponíveis no testador de campo para teste do cabeamento instalado devem ser definidas para os parâmetros padrão. Quaisquer configurações de autoteste que forem modificadas para alterar os parâmetros de teste poderão desqualificar os resultados de teste As configurações de teste selecionadas a partir das opções disponíveis nos testadores de campo devem ser compatíveis com o cabeamento instalado sob teste. O teste de continuidade deve ser executado utilizando-se qualquer um dos testadores aprovados listados no Anexo C deste manual. O STM-8 e o MT também podem ser utilizados. Todos os cordões de testes TP balanceados utilizados para a certificação do modelo Enlace Permanente devem ser fornecidos e verificados pelo fabricante do equipamento de teste para atender ou superar os requisitos das normas ISO/IEC 11801: 2002 e ANSI/TIA/EIA-568-C.1 e devem ser qualificados para testar o cabeamento Categoria 5e ou superior. Os adaptadores de cabos TP balanceados necessários para fixar os cabos de teste ao hardware de conexão devem atender ou superar a categoria de desempenho do modelo Enlace Permanente ao qual eles se conectam. Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

20 - 10 Os modelos de Enlace Permanente Horizontal e de Backbone requerem que os resultados dos testes sejam armazenados usando-se a configuração de Enlace Permanente disponível no equipamento de teste. 11 Os modelos Canal Horizontal e Backbone requerem que os resultados dos testes sejam armazenados usando-se a configuração de Canal disponível nos equipamentos de testes de campo O Teste de Enlace Permanente Horizontal consiste de todos os elementos do modelo de Enlace Permanente descritos na seção Distribuição Horizontal deste manual O Teste de Enlace Permanente de Backbone consiste de todos os elementos do enlace permanente de backbone conforme descritos na seção Distribuição de Backbone deste manual O Teste de Canal Horizontal consiste de todos os elementos de cabeamento do modelo Canal Horizontal, descritos na seção Distribuição Horizontal deste manual, onde a extensão total combinada dos cabos de equipamentos, patch cords ou jumpers não deve ser superior a 25 m (82 pés) para cabos UTP, F/UTP, S/FTP balanceados, com base na fórmula de cabeamento para escritório aberto descrita na seção Distribuição Horizontal O Teste de Canal de Backbone consiste de todos os elementos do cabeamento do modelo Canal de Backbone, descritos na seção Distribuição de Backbone deste manual, onde a extensão total combinada dos cabos de equipamentos, patch cords ou jumpers não deve ser superior a 25 m (82 pés) para cabos TP balanceados Todos os testadores devem ter a Velocidade Nominal de Propagação (NVP) adequadamente definida para o tipo de cabo que está sendo testado Todos os modelos de Enlace Permanente de cabos TP balanceados horizontal e de backbone com comprimentos de cabos fixos que não sejam superiores a 90 m (295 pés) e modelos de Canal TP balanceado com extensões totais de cabo, incluindo os patch cords/jumpers de crossconnects e cabos de equipamentos que não sejam superiores a 100 m (328 pés) devem ser 100% testados. 18 Todos os conjuntos de Cabos Truncados (cobre) instalados como parte de um Enlace ou Canal é necessário ser testado após a instalação. The Siemon Company (Confidencial) Janeiro 1, Os requisitos de desempenho para cabeamento classe D, E, e F/ Categoria 5e, 6 e 7 (Enlace Permanente ou Canal) devem incluir os seguintes parâmetros conforme as normas ISO/IEC 11801: 2002 Segunda Edição ou ANSI/TIA/EIA-568-C.1 e ANS/TIA/EIA-568-C.1-2: WIRE MAP incluindo Continuidade de Blindagem (quando presente) COMPRIMENTO Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M.

21 PERDA DE INSERÇÃO Perda de NEXT (par-a-par) Perda de NEXT (power sum) ACR* (par a par) ACR* (power sum) ELFEXT (par a par) ELFEXT (power sum) Perda de RETORNO ATRASO NA PROPAGAÇÃO Desvio de Atraso de propagação (DELAY SKEW) RESISTÊNCIA DE LOOP D.C.* *Nota: Parâmetro de teste não exigido pela SIEMON Os testadores de campo que reportam um resultado PASS para cada um dos parâmetros, definidos nas normativas 19, com base nos requisitos de testes apropriados, devem ser salvos na memória do testador de campo e enviados para garantia Os testes de campo que apresentam um resultado PASS*, FAIL* ou FAIL para qualquer um dos parâmetros definidos nas normativas 19 não devem ser gravados na memória do testador de campo e não devem ser enviados para garantia Deve ser feito o download de todos os resultados de testes PASS na base de dados do software que foi fornecido pelo fabricante do testador de campo. Os resultados que não forem enviados neste formato poderão não ser aceitos. Teste de Fibra Óptica - 23 O teste do cabeamento de fibra óptica deve ser executado com um medidor de potência e fonte de luz qualificados. Os equipamentos de testes que utilizam adaptadores para testes de fibra óptica são aceitáveis para qualificar o cabeamento de fibra óptica As diretrizes e requisitos para procedimentos de conexões, configurações de testes e medições especificados nos manuais fornecidos com os testadores de fibra óptica devem ser seguidos Todos os medidores de potência e fontes de luz devem ser calibrados na fábrica pelo fabricante de teste de campo de acordo com as exigências contidas no manual do fabricante de teste fornecido com o testador de campo. Os certificados de calibração para os testadores de campo devem ser apresentados a Siemon Company quando solicitados Os cabos de teste de fibra utilizados para acessar os hardwares de conexão nas instalações de cross-connects e Saídas de Telecomunicações devem ser compatíveis com o cabeamento ao qual ele se conecta. Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

22 - 27 Todos os cordões de testes usados para certificação do cabeamento devem ser fornecidos pelos fabricantes dos equipamentos de testes ou pela The Siemon Company Método de limpeza a seco deve usar varas de limpeza que minimizam a estática, são especialmente projetados para limpar fibra óptica e estão disponíveis para conectores MPO multi-fibras assim como conectores de fibra LC e SC Para uma contaminação significativa, métodos de solventes líquidos deve ser usado. As propriedades de quebramento da ligação estática que não deixa resíduo fazem esta uma ferramenta ideal para remover contaminação pesada ou persistente Todos os Enlaces de fibra óptica horizontal e de backbone devem ser 100% testados quanto à atenuação e comprimento. Incluído todo o conjunto de Cabos Truncadados (fibra) fabricados pela Siemon e dispositivos MPO que são parte do Enlace ou Canal Todos os Links de fibra óptica horizontal e de backbone devem ser testados quanto à atenuação usando o método de referência jumper Todos os enlaces de fibra óptica multímodo de 62,5/125 µm ou 50/125 µm horizontal devem ser 100% testados quanto à atenuação em 850 nm ou em 1300 nm em pelo menos um sentido com um medidor de potência e fonte de luz Todos os enlaces de fibra óptica multímodo ou monomodo de 62,5/125 µm e 50/125 µm de backbone devem ser 100% testados quanto à atenuação em 850 nm e 1300 nm para multímodo, e em 1310 nm e 1550 nm para monomodo em pelo menos um sentido com um medidor de potência e fonte de luz. 34 Todos os enlaces de fibra óptica centralizados deverão ser 100% testados quanto a atenuação em 850 nm e em 1300 nm em pelo menos uma direção com um medidor de potência e uma fonte de luz Os enlaces de backbone ou enlaces maiores que 90 m (295 pés) devem ter a aceitação de atenuação com base no cálculo fornecido abaixo: Atenuação de enlace = atenuação de cabo mais atenuação de conector mais atenuação de emenda. 36 Links de fibra óptica deve ter a atenuação aceitável baseada nos cálculos de fibra óptica Siemon para a solução em fibra apropriada. Os cálculos de fibra óptica devem ser determinados usando a Calculadora de Perda de Fibra localizada no Web site Ally Siemon, Todos os enlaces de fibra óptica horizontal e de backbone devem ser 100% testados quanto ao comprimento por uma das seguintes formas: The Siemon Company (Confidencial) Janeiro 1, Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M.

23 Um OTDR TESTE DO SISTEMA Dispositivo de medição de teste óptico capaz de fornecer o comprimento Marcas de medição sequenciais existentes nos cabos de fibra óptica - 38 O comprimento medido da parte do cabo fixo de qualquer enlace de fibra óptica não deve exceder aqueles especificados para cabeamento horizontal ou de backbone nas seções Distribuição Horizontal e Distribuição de Backbone deste manual. Manual de Treinamento do Sistema de Cabeamento SIEMON IS Rev. M

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 10 Testes e certificação APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 10 Testes e certificação Configuração de teste de campo para cabos de par trançado de 100 ohms Teste de Canal: Inclui os 90m do cabeamento horizontal, o patch cord do equipamento

Leia mais

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.

Categoria 6 Aumentada: Standards Update. Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng. Categoria 6 Aumentada: Standards Update Dr. Paulo S. Marin, Eng. Cabling Specialist Engineer paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br 1 Resumo A nova norma, em desenvolvimento, ANSI/TIA/EIA-568-B.2-10

Leia mais

Prof. Tiago Semprebom. 13 de Abril de 2010

Prof. Tiago Semprebom. 13 de Abril de 2010 Testes de Certificação Prof. Tiago Semprebom Instituto Federal de Santa Catarina, Campus São José tisemp@ifsc.edu.br 13 de Abril de 2010 Prof. Tiago (IFET/SC) Cabeamento Estruturado 13 de Abril de 2010

Leia mais

TESTES E CERTIFICAÇÃO

TESTES E CERTIFICAÇÃO PROFESSOR NORBERTO - CABEAMENTO ESTRUTURADO TESTES E CERTIFICAÇÃO Para garantir a qualidade das instalações e a performance desejada é necessário que tenha-se certeza que a obra foi realizada dentro das

Leia mais

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 4 - Testes de Cabos 1 Fundamentos - Ondas As ondas são importantes no estudo das redes, pois são elas que transmitem as informações, utilizando meios de cobre, fibra óptica ou o ar. As ondas são

Leia mais

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico

Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Noções de Cabeamento Estruturado Metálico Roteiro Parâmetros elétricos Cuidados com cabos metálicos Normas 568 / 606 Elementos do cabeamento estruturado Cabeamento Embora pareça uma questão simples, um

Leia mais

ABNT NBR 14.565 Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado para Edifícios Comerciais e Data Centers Parte 2/2

ABNT NBR 14.565 Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado para Edifícios Comerciais e Data Centers Parte 2/2 ABNT NBR 14.565 Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado para Edifícios Comerciais e Data Centers Parte 2/2 ALUNO: REDES DE COMP. TURMA: RDN2 DATA: 12/11/2013 Av. Vitória, 950 Forte São João 29017-950

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

FUTURAS MUDANÇAS NOS PADRÕES DE CABEAMENTO

FUTURAS MUDANÇAS NOS PADRÕES DE CABEAMENTO FUTURAS MUDANÇAS NOS PADRÕES DE CABEAMENTO A indústria de redes muda muito rapidamente. Um fato que tem contribuído para o crescimento explosivo das LANs, WANs e da Internet tem sido os padrões de cabeamento

Leia mais

PRÁTICAS DE INSTALAÇÃO

PRÁTICAS DE INSTALAÇÃO OBJETIVOS DA SEÇÃO Após concluir com êxito esta seção, o aluno deve estar apto a: I. Descrever os requisitos gerais de instalação aplicado no Sistema de Cabeamento Siemon. II. III. IV. Descrever os requisitos

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site :

Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Telefone : FAX: E-mail : Site : Nome : Empresa : Cargo : Endereço : Cidade: CEP: Telefone : FAX: E-mail : Site : Assinatura Local e Data IMPORTANTE: Preencher os dados completos e em letra legível pois, em caso de aprovação, as informações

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO FINALIDADE

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO FINALIDADE INTRODUÇÃO O presente manual define um sistema de cabeamento de telecomunicações para edifícios comerciais. A metodologia aqui definida abrange os princípios do projeto e as práticas de instalação do Sistema

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabos Metálicos de Cobre (Norma ANSI/TIA-568-C.2) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace)

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 3 Técnicas de cabeamento O cabeamento horizontal Compreende os segmentos de cabos que são lançados horizontalmente entre as áreas de trabalho e as salas de telecomunicações

Leia mais

Certificação de redes ópticas de 10GbE

Certificação de redes ópticas de 10GbE CABEAMENTO ESTRUTURADO Certificação de redes ópticas de 10GbE 70 RTI DEZ 2008 JDSU (Brasil) As redes ópticas baseadas em 10GbE exigem um bom processo de certificação. O artigo a seguir detalha os principais

Leia mais

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede

NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B. Projeto Físico de Rede NORMA ANSI/EIA/TIA 568 - B O PADRÃO BASEIA-SE NOS SEIS PRINCIPAIS COMPONENTES DE UM SISTEMA DE CABEAMENTO ESTRUTURADO, QUE SÃO: 1 FACILIDADE DE ENTRADA (Entrance Facility) : É COMPOSTA POR HARDWARE DE

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 4 5. Medições

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário: 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 3 5. Medições

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Norma 568

Cabeamento Estruturado. Norma 568 Cabeamento Estruturado Norma 568 1 Resumo Evolução da Norma; Onde e como utilizar a norma; Conhecer como a norma ANSI/EIA/TIA 568B está dividida em subsistemas; D e s c r e v e r a s c a r a c t e r í

Leia mais

Como Testar Conforme a TIA/EIA-568-B.2-10

Como Testar Conforme a TIA/EIA-568-B.2-10 Como Testar Conforme a TIA/EIA-568-B.2-10 O que todo instalador precisa saber sobre a nova norma para Categoria 6 Aumentada de cabeamento. A Associação da Indústria das Telecomunicações aprovou uma nova

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DE CERTIFICADOR DE CABEAMENTO

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DE CERTIFICADOR DE CABEAMENTO TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DE CERTIFICADOR DE CABEAMENTO Por Ivan Max Freire de Lacerda ivanmaxlacerda@gmail.com Muitos técnicos sabem implantar a infra-estrutura de cabeamento para redes de computadores,

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Infra-estrutura de cabeamento metálico ou óptico, capaz de atender a diversas aplicações proporcionando flexibilidade de layout, facilidade de gerenciamento, administração e manutenção

Leia mais

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado

Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Planejamento de Redes e Cabeamento Estruturado Projeto e Instalação Prof. Deivson de Freitas Introdução Nenhuma área de tecnologia cresceu tanto como a de redes locais (LANs) A velocidade passou de alguns

Leia mais

REDE DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE FIBRA ÓPTICA REDE DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Emendas ópticas... 3 3. Interfaces ópticas... 4 4. Distribuidor geral óptico... 5 5. Cordões Ópticos... 5 6. Práticas

Leia mais

OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA

OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA MANUAL DO USUÁRIO OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA JUL / 05 OPT-700 VERSÃO 1 TM FOUNDATION O P T 7 0 0 M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo

Notas de Aplicação. Utilizando ZAP500 com. Encoders. HI Tecnologia. Documento de acesso publico / corporativo Notas de Aplicação Utilizando ZAP500 com Encoders HI Tecnologia Documento de acesso publico / corporativo ENA.00015 Versão 1.01 dezembro-2013 HI Tecnologia Utilizando ZAP500 com Encoders Apresentação Esta

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA

CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA CABEAMENTO ESTRUTURADO NORMAS AMERICANAS EIA/TIA NORMAS AMERICANAS EIA/TIA EIA/TIA 568-B: Commercial Building Telecomunications Cabling Standard Essa norma de 2001 é a revisão da norma EIA/TIA 568-A de

Leia mais

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira

Infraestrutura de Redes Locais. Edmilson Carneiro Moreira Infraestrutura de Redes Locais Edmilson Carneiro Moreira Sumário Introdução Histórico Cabeamento Estruturado Conceitos Categorias e Classes de desempenho ANSI/TIA-568-C Referências [1] Paulo Sérgio Cabeamento

Leia mais

Manual de Resolução de Falhas em Cabeamento de Cobre

Manual de Resolução de Falhas em Cabeamento de Cobre Manual de Resolução de Falhas em Cabeamento de Cobre Conteúdo Introdução 2 Básico de Resolução de Falhas 3 Modelos de Enlace 4 Os diagnósticos automáticos da Série DTX 5 Causas de Falhas nos Cabos 8 Diagnóstico

Leia mais

ANSI/TIA/EIA-568-A/ISO/IEC 11.801... 78 TSB - 67... 82 TSB - 75... 83 TSB - 72... 84 TSB - 95... 85 ANSI/TIA/EIA-569-A... 86

ANSI/TIA/EIA-568-A/ISO/IEC 11.801... 78 TSB - 67... 82 TSB - 75... 83 TSB - 72... 84 TSB - 95... 85 ANSI/TIA/EIA-569-A... 86 4 R E S U M O D A S N O R M A S N O R M A S Introdução... 76 ANSI/TIA/EIA-568-A/ISO/IEC 11.801... 78 TSB - 67... 82 TSB - 75... 83 TSB - 72... 84 TSB - 95... 85 ANSI/TIA/EIA-569-A... 86 INTRODUÇÃO Cabeamento

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabeamento Óptico (Norma ANSI/TIA-568-C.3) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace) que liga

Leia mais

INTRODUÇÃO. Para permitir que os diversos fabricantes sejam capazes de produzir equipamentos e componentes que possam interagir.

INTRODUÇÃO. Para permitir que os diversos fabricantes sejam capazes de produzir equipamentos e componentes que possam interagir. INTRODUÇÃO Cabeamento para Voz e Dados Os novos cabeamentos para telecomunicações oferecem muito mais qualidade, flexibilidade, valor e função para as necessidades presentes e futuras. Hoje, a sobrevivência

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Introdução ao cabeamento

Leia mais

1. Descrição do Produto

1. Descrição do Produto 1. Descrição do Produto Os repetidores óticos FOCOS/PROFIBUS AL-2431 e AL-2432 destinam-se a interligação de quaisquer dispositivos PROFIBUS, assegurando altíssima imunidade a ruídos através do uso de

Leia mais

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos

Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos Disciplina: Cabeamento de Redes Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 4 4. CABEAMENTO ESTRUTURADO- PARTE II Cada nível do subsistema estudado no capítulo anterior foi regulamentado por normas que visam padronizar

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM Os sistemas de cabeamento estruturado foram desenvolvidos

Leia mais

Influência do cabeamento na performance de redes locais de computadores

Influência do cabeamento na performance de redes locais de computadores Influência do cabeamento na performance de redes locais de computadores Fonte: Prof. Ivan Max Freire de Lacerda Bacharel em Ciências da Computação pela UFRN; Professor âncora do SENAC/RN nas áreas de informática

Leia mais

Blindar ou não blindar?

Blindar ou não blindar? ATERRAMENTO Blindar ou não blindar? 56 RTI MAR 2008 Paulo Marin, da Paulo Marin Consultoria Existem diversas técnicas para minimizar os efeitos da interferência eletromagnética sobre a transmissão de sinais

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Administração Euber

Leia mais

Sistema de cabeamento estruturado da empresa Real Alimentos Ltda.

Sistema de cabeamento estruturado da empresa Real Alimentos Ltda. Sistema de cabeamento estruturado da empresa Real Alimentos Ltda. Memorial descritivo da empresa A empresa chama-se Real Alimentos Ltda., é especializada em vendas de produtos alimentícios e está localizada

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 03 Cabeamento

Leia mais

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74

Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 3 T E C N O L O G I A S D E R E D E S L O C A I S T E C N O L O G I A Padrão Ethernet... 69 Ethernet a 100 Mbps... 70 Gigabit Ethernet... 70 Padrão Token-Ring... 72 Padrão FDDI... 73 Padrão ATM... 74 PADRÃO

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores - 1º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 01 Conceitos

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

Conversor de Mídia Intelbras KGM 1105

Conversor de Mídia Intelbras KGM 1105 Conversor de Mídia Intelbras KGM 1105 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O conversor de mídia Intelbras KGM 1105 é um produto com tecnologia Gigabit Ethernet

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Assessoria Especial para Modernização da Gestão Central de Compras e Contratações NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 4/2015 PROCESSO Nº 04300.003546/2014-01

Leia mais

Conversores de Mídia Gigabit Intelbras KGM 1105 KGS 1115. Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras.

Conversores de Mídia Gigabit Intelbras KGM 1105 KGS 1115. Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. MANUAL DO USUÁRIO Conversores de Mídia Gigabit Intelbras KGM 1105 KGS 1115 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Os conversores de mídia KGM 1105 e KGS 1115

Leia mais

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção.

22/02/2014. Cabeamento estruturado garante: Organização; Flexibilidade; Desempenho; Escalabilidade; Simplificação do uso; Simplificação da manutenção. Consiste de um conjunto de produtos de conectividade, empregados de acordo com regras específicas de engenharia; Tais produtos garantem conectividade máxima para os dispositivos existentes e preparam a

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

Ficha técnica: Conjunto de testes de perda óptica CertiFiber Pro

Ficha técnica: Conjunto de testes de perda óptica CertiFiber Pro Ficha técnica: Conjunto de testes de perda óptica CertiFiber Pro O CertiFiber Pro é a solução em certificação de fibra Nível 1 (básica) e faz parte da família de produtos de certificação de cabos Versiv.

Leia mais

Migração para um data center de 40 Gbps com a tecnologia QSFP BiDi da Cisco

Migração para um data center de 40 Gbps com a tecnologia QSFP BiDi da Cisco White Paper Migração para um data center de 40 Gbps com a tecnologia QSFP BiDi da Cisco Resumo Como resultado da consolidação do data center, da virtualização do servidor e de novos aplicativos que exigem

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

-568B.3 Padronização de componentes de fibra ótica cabeamento estruturado

-568B.3 Padronização de componentes de fibra ótica cabeamento estruturado - Norma EIA/TIA 568A e 568B Padrões T 568A e T 568B -568B.1 Requisitos gerais - EIA/TIA 568B (julho/2001) -568B.2 Cabeamento de par trançado de 100 ohms -568B.3 Padronização de componentes de fibra ótica

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº1 Cablagem estruturada 1 Introdução Vivemos em plena segunda revolução industrial.

Leia mais

InfraEstrutura de Redes

InfraEstrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul InfraEstrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 6 Cabeamento Residencial APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 6 Cabeamento Residencial Cabeamento residencial Sistema que integra os serviços de telecomunicações em uma residência: Rede local de computadores, acesso à internet, controle

Leia mais

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Cabeamento Estruturado. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Cabeamento Estruturado Prof. Marciano dos Santos Dionizio Norma ANSI/EIA/TIA 568B Divide um sistema de cabeamento em subsistemas: 1. Facilidades de Entrada (pela NBR14565: Sala de Entrada de Telecomunicações

Leia mais

Novo MPO Pus: Com mais características se comparado com MPO Convencional

Novo MPO Pus: Com mais características se comparado com MPO Convencional Novo MPO Pus: Com mais características se comparado com MPO Convencional O conector MPO Plus oferece até 24 vezes mais densidade que os conectores padrão proporcionando uma poupança significativa de custo

Leia mais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais A resposta da fibra a uma entrada impulsiva é um pulso gaussiano. Na qual é o desvio padrão correspondente a largura do pulso no domínio

Leia mais

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS

FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS FICHA TÉCNICA PATCH PANEL 24 PORTAS C5e RoHS 1- Aplicação: Este produto aplica-se a sistemas de cabeamento estruturado, para tráfego de voz, dados e imagens, do tipo 10BASE-T, 100BASE-Tx, 155M ATM, 4/16MB

Leia mais

Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação

Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação Prevenção de Problemas de Indução Magnética em Cabos de Comunicação INTRODUÇÃO Jeff Roberts and Mark Weber Corrente de magnitude surpreendentemente elevadas podem circular nos cabos de comunicação metálicos

Leia mais

Manual do Usuário Sistema Viva-Voz Bluetooth

Manual do Usuário Sistema Viva-Voz Bluetooth Este equipamento opera em caráter secundário, isto é, não tem direito a proteção contra interferência prejudicial, mesmo de estações do mesmo tipo e não pode causar interferência a sistemas operando em

Leia mais

CABLING CABOS CONECTORES PATCH PANEL 19 ACESSÓRIOS

CABLING CABOS CONECTORES PATCH PANEL 19 ACESSÓRIOS CABLING CABOS 04 CONECTORES 05 PATCH PANEL 19 06 ACESSÓRIOS 07 02 CABLING CABLAGENS DE COBRE O EIA/TIA 568, de 1991, foi o primeiro padrão americano para os sistemas de cableamento estruturado. Em 1995,

Leia mais

Projeto de Cabeamento Estruturado

Projeto de Cabeamento Estruturado Projeto de Cabeamento Estruturado Sistema de Cabeamento Estruturado Subsistemas 1 Subsistema Cabeamento Horizontal 2 Subsistema Cabeamento Vertical 3 - Área de Trabalho - ATR 4 - Armário de Telecomunicações

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Meios Físicos de Comunicação

Meios Físicos de Comunicação Meios Físicos de Comunicação Aula 5 Fibra Óptica Meios Físicos de Comunicação - Fibra Óptica 1 Conteúdo Conceitos Iniciais Tipos Fatores de Perdas Medição e Teste Vantagens Conversores e Conectores Meios

Leia mais

Nota de Aplicação. Utilização do Gerador de Frequência para ZAP91X S. HI Tecnologia Indústria e Comércio Ltda. Documento de acesso Público

Nota de Aplicação. Utilização do Gerador de Frequência para ZAP91X S. HI Tecnologia Indústria e Comércio Ltda. Documento de acesso Público Utilização do Gerador de Frequência para ZAP91 S HI Tecnologia Indústria e Comércio Ltda. Documento de acesso Público ENA.00091 Versão 1.0 2 de junho de 2015 Informações Gerais Este documento foi elaborado

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

Treinamento FIBRAS ÓPTICAS. Eng. Marcelo dos Santos. Seicom Florianópolis. Abril de 2008

Treinamento FIBRAS ÓPTICAS. Eng. Marcelo dos Santos. Seicom Florianópolis. Abril de 2008 Treinamento FIBRAS ÓPTICAS Eng. Marcelo dos Santos Seicom Florianópolis Abril de 2008 Programa Tipos de conectores de F.O; Quais conectores os SDH da Vivo FNS usam; Atenuação na fibra; Diferenças entre

Leia mais

SignalTEK II. idealnwd.com

SignalTEK II. idealnwd.com Economize dinheiro usando apenas um equipamento multifuncional ao invés de testadores de fibra e Power over Ethernet (PoE) separados Aumente a eficiência simplificando e acelerando a instalação de cabos,

Leia mais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais

Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento Estruturado Metálico em Edifícios Comerciais Cabeamento estruturado - definição Sistema de cabeamento capaz de prover tráfego de gêneros de informações diferenciadas dentro de um mesmo sistema

Leia mais

PROPRIETÁRIO DA OBRA

PROPRIETÁRIO DA OBRA PROPRIETÁRIO DA OBRA RELATÓRIO TÉCNICO DE CERTIFICAÇÃO DOS PONTOS DE TELECOMUNICAÇÕES PROPRIEDADE CERTIFICADA MÊS/ANO RELATÓRIO TÉCNICO DE CERTIFICAÇÃO DOS PONTOS DE TELECOMUNICAÇÕES PROPRIEDADE CERTIFICADA

Leia mais

Automação residencial: visão geral e aplicações

Automação residencial: visão geral e aplicações Automação residencial: visão geral e aplicações Paulo Sérgio Marin, Dr. Engº. paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br Resumo- A automação residencial é um segmento relativamente novo na indústria de infraestrutura

Leia mais

OMNIScanner TM. com. OMNIFiber TM

OMNIScanner TM. com. OMNIFiber TM OMNIScanner TM com OMNIFiber TM the future of network testing OMNIScanner TM OMNIScanner LT TM OMNIFiber TM Manual do Usuário PORTUGUÊS Manual de uso do OMNIScanner da Microtest, para instalar, gerenciar

Leia mais

DTX CableAnalyzer Porque seu tempo é valioso. DTX CableAnalyzer reduz significativamente seu tempo total para certificar

DTX CableAnalyzer Porque seu tempo é valioso. DTX CableAnalyzer reduz significativamente seu tempo total para certificar NETWORKSUPERVISION DTX CableAnalyzer reduz significativamente seu tempo total para certificar A nova Série DTX CableAnalyzer da Fluke Networks é a plataforma de testes para hoje e para o amanhã. Esta revolucionária

Leia mais

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO Dezembro de 2011 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406082 Revisão 0.0 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO 1... 1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1 ONDE

Leia mais

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento de Rede Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento Cabo Coaxial; Cabo Par Trançado; Cabo de Fibra Óptica. Cabo Coaxial Um dos primeiros cabos utilizados em

Leia mais

DTX CableAnalyzer Porque seu tempo é valioso. DTX CableAnalyzer reduz significativamente seu tempo total para certificar

DTX CableAnalyzer Porque seu tempo é valioso. DTX CableAnalyzer reduz significativamente seu tempo total para certificar NETWORKSUPERVISION DTX CableAnalyzer reduz significativamente seu tempo total para certificar DTX CableAnalyzer Porque seu tempo é valioso A nova Série DTX CableAnalyzer da Fluke Networks é a plataforma

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

Cinco razões porque atualizar para o Versiv vai economizar seu dinheiro

Cinco razões porque atualizar para o Versiv vai economizar seu dinheiro Cinco razões porque atualizar para o Versiv vai economizar seu dinheiro Introduzido em 2004, o DTX CableAnalyzer, da Fluke Networks, se tornou a ferramenta mais popular do mundo para certificação de instalações

Leia mais

Fontes de Alimentação

Fontes de Alimentação Fontes de Alimentação MÓDULO DA FONTE DE ALIMENTAÇÃO AC Código de Pedido: PS-AC-R (Fonte de Alimentação 90 a 260 Vac Redundante) Descrição Esta Fonte de Alimentação Redundante trabalha independente ou

Leia mais

Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout

Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout Cabo Óptico Pré Conectorizado Fanout Tipo do Produto Cabo Óptico Pré-Conectorizado Descrição Cabo Óptico de construção tipo " tight buffer" (indoor ou indoor/outdoor) ou cordão multifibra (somente indoor)

Leia mais

Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado

Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado Capítulo 5 - Sistemas de Cabeamento Estruturado Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 44 Roteiro Cabeamento Planejamento para o Cabeamento Estruturado Cabeamento Horizontal Cabeamento

Leia mais

Camada Física Camada Física Camada Física Função: A camada Física OSI fornece os requisitos para transportar pelo meio físico de rede os bits que formam o quadro da camada de Enlace de Dados. O objetivo

Leia mais

email: cookvendas@cookenergia.com Acesse nosso site: www.cookenergia.com Telefones: (55) 21 2609-4196 - (55) 21 9387-1021

email: cookvendas@cookenergia.com Acesse nosso site: www.cookenergia.com Telefones: (55) 21 2609-4196 - (55) 21 9387-1021 Cordões Ópticos Montados em Conectores, Especificação: SUMÁRIO: 1 Objetivo. 2 Referências Normativas. 3 Definições. 4 Condições Gerais. 5 Condições Específicas. 6 Inspeção. 7 Aceitação e Rejeição. 8 Procedimento

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

SignalTEK II. idealindustries.com.br

SignalTEK II. idealindustries.com.br Economize dinheiro usando apenas um equipamento multifuncional ao invés de testadores de fibra e Power over Ethernet (PoE) separados Aumente a eficiência simplificando e acelerando a instalação de cabos,

Leia mais

TopPendrive Manual de Instruções TopPendrive - MP07301-01 Rev 06-03/05/2010 PG - 1 -

TopPendrive Manual de Instruções TopPendrive - MP07301-01 Rev 06-03/05/2010 PG - 1 - TopPendrive Manual de Instruções TopPendrive - MP07301-01 Rev 06-03/05/2010 PG - 1 - Índice Manual de Instruções TopPendrive - MP07301-01 Rev 06-03/05/2010 PG - 2 - ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO... 3 1.1 ACESSÓRIOS

Leia mais

Manual de instruções do testador VDV PRO

Manual de instruções do testador VDV PRO P á g i n a 1 Manual de instruções do testador VDV PRO Atenção! Não conecte o testador a cabos energizados. Seu VDV PRO poderá ser danificado. Cuidado! Inspecione se os conectores estão apropriadamente

Leia mais